Science DMZ: Experiências no desenvolvimento e implantação do modelo de DMZ Científica!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Science DMZ: Experiências no desenvolvimento e implantação do modelo de DMZ Científica!"

Transcrição

1 Science DMZ: Experiências no desenvolvimento e implantação do modelo de DMZ Científica!

2 Agenda Introdução DMZ Cien1fica da RNP Resultados em laboratório Problemas enfrentados Considerações Finais

3 Introdução Profa. Tereza CrisCna de Melo Brito Carvalho Fernando Frota Redigolo Dino Raffael CristofoleC Magri

4 DMZ Científica da RNP Projeto Science DMZ da RNP Desenvolver um protó9po do modelo de DMZ Cien=fica para ser implementado em insctuições brasileiras. Especificação e implantação dos equipamentos da DMZ Cien=fica em 7 ins9tuições USP, INPE, UFPE, IFPE, UFRJ, ON, RNP- RJ Kits de baixo custo com capacidade de 1G e 10G. Podem ser adquiridos no Brasil. Disseminar o conceito e promover implantações da DMZ Cien1fica

5 Introdução Projeto SD² - So#ware Defined Science DMZ Coordenadores: Tereza CrisCna M. B. Carvalho Fernando Frota Redigolo Equipe: Dino R. C. Magri Luís Felipe de Almeida da Silva Rafael Augusto Brandão Marco Antonio Torrez Rojas

6 Introdução E- Science e transferência de dados E- Science requer pesquisa colabora9va, transferência de volume de dados crescente e tem como requisitos: Baixo tempo de Transferência e Banda larga de transmissão Pesquisadores realizam trabalhos cien1ficos colaboracvos e compar9lham recursos computacionais e dados. Com essa colaboração é necessário movimentar grandes volumes de dados, da ordem de gigabytes ou até mesmo terabytes por dia.

7 Introdução E- Science e transferência de dados As redes de comunicação tornam- se fundamentais para viabilizar e fomentar a e- science. Por exemplo, o tempo mínimo para transferência de 1TB (em condições ideais): 30 horas (100 Mbps) 3 horas (1 Gbps) 20 minutos (10 Gbps) Porém nem sempre as coisas acontecem como no mundo ideal...

8 Introdução E- Science e transferência de dados Experimento 1: cluster de emulação de redes (Emulab/ ProtoGENI) Servidores bsicos dedicados sem ocmização Transferência disco- a- disco: 3 tamanhos de arquivos: 1G, 10G e 50GB 3 ferramentas: scp, ep, xrootd Enlaces de 1Gbps, com roteamento Testes com enlaces (iperf) indicaram 914 Mbps disponível para transferência de A para B Servidor A" Roteador Linux" Servidor B"

9 Introdução E- Science e transferência de dados Ferramentas com diferentes vazões Mesma ferramenta com diferentes vazões dependendo o tamanho do arquivo. Vazão (Mbps) SCP FTP XrootD 50G 10G 1G SCP FTP XrootD 50G G G

10 Introdução E- Science e transferência de dados E a questão se segurança? Transferência de arquivos com e sem firewall Experimento 2: Emulab/ProtoGENI Servidores bsicos dedicados sem ocmização Transferência disco- a- disco: 1 tamanho de arquivo: 1GB 1 ferramenta: xrootd Enlaces de 1Gbps, com roteamento Testes com ou sem regras no firewall 6324 regras iptables Firewall " Linux" Servidor A" Servidor B"

11 Introdução E- Science e transferência de dados Vazão Xrootd - Arquivo 1G (Mbps) Vazão (Mbps) Sem Firewall Com Firewall Vazão (Mbps)

12 Introdução E- Science e transferência de dados Por que isso acontece? Como invescgar esta questão? Como resolver esta questão?

13 Introdução E- Science e transferência de dados Fluxos Tradicionais Grande número de fluxos consumindo pouca banda Pequena taxa de perda de pacotes não afeta desempenho de forma significacva. Filtragem complexa h2p smtp erp Fluxos Tradicionais VoIP h2p h2p p2p imap h2p VoIP imap erp

14 Introdução E- Science e transferência de dados Fluxos Cien=ficos Pequeno número de fluxos consumindo muita banda Pequena taxa de perda de pacotes afeta desempenho de forma significacva Controle simples Transferência Cien?fica Fluxos Cien=ficos

15 Introdução E- Science e transferência de dados A segregação das aplicações cien1ficas permite: Simplificar as tarefas de ocmização da rede para fluxos cien1ficos Analisar problemas de desempenho Implementar mecanismos de segurança apropriados para não comprometer o desempenho das aplicações Essa segregação pode ser realizada aplicando uma DMZ Cien1fica

16 DMZ Cien=fica da RNP Profa. Tereza CrisCna de Melo Brito Carvalho Fernando Frota Redigolo Dino Raffael CristofoleC Magri

17 DMZ Científica da RNP Modelo de DMZ Cien=fica Modelo DMZ Cien=fica foi proposto pela ESnet para mi9gar os problemas encontrados nos ambientes de pesquisa com aplicações de e- Science. Conceito DMZ Cien=fica: Segmento especializado da rede de um laboratório ou campus Próximo ao perímetro da rede Projetado para aplicações cien=ficas de alta desempenho

18 Rede de Campus sem DMZ Científica Rede" Acadêmica" Roteador" de borda" Firewall! Sistema científico para Armazenamento/ Computação " Rede" Produção" Campus"

19 Rede de Campus com DMZ Científica Rede" Acadêmica" Roteador" de borda" Firewall! Otimizações / Políticas para! Acesso Externo! Otimizações / Políticas para! Acesso Interno! Sistema científico para Armazenamento/ Computação " Rede" Produção" Campus"

20 Validação da Arquitetura Iperf scp ep AWS - EUA Processador 64 bits Xeon 7,5 GB CentOS 6.5 ~ 140 ms ~ 142 ms DTN- USP dtn.sciencedmz.usp.br Processador Intel E GB RAID- 0 (7 discos de 1 TB) CentOS 6.5 SIM- LARC- USP sim.larc.usp.br Processador Xeon GB 1 TB Red Hat 6

21 Validação da Arquitetura Benefício de 20+ % iperf scp ep 0.00 Amazon - Lab Amazon - DTN

22 DMZ Científica da RNP Componentes de uma DMZ Cien=fica 1. Sistemas dedicados e o9mizados para transferências de dados em alta velocidade a longa distância (DTN Data Transfer Node), 2. Mecanismos de monitoramento e testes de rede interins9tucionais (PerfSonar); 3. Arquitetura de rede projetada para as necessidades de desempenho das aplicações cien=ficas; 4. Mecanismos e polí9cas de segurança próprios para aplicações cien1ficas de alto desempenho, diferenciadas das existentes na rede de produção

23 DMZ Científica da RNP Arquitetura de uma DMZ Cien=fica A arquitetura de uma DMZ Cien=fica NÃO é fixa, devendo ser adequada à rede da insctuição e à necessidade de suas aplicações. Para facilitar a implantação da DMZ Cien1fica nas insctuições parceiras do projeto foi definida uma arquitetura genérica que pudesse ser usada como base para implantação. A Arquitetura foi baseada no modelo da ESnet

24 DMZ Científica da RNP Arquitetura genérica adotada no projeto DTN" Rede" Acadêmica" perfsonar Banda" perfsonar Atraso" Switch" Roteador" de borda" DMZ Científica Firewall! Servidor Caso de Uso" Rede" Produção" Campus" Alternativas de conectividade interna e externa "

25 DMZ Científica da RNP Equipamentos de Rede Selecionados Kit 10G Deep Buffer Switch Tamanho do buffer (> 60MB para RTT de 50 ms) Q- in- Q ou MPLS Grande número de VLANs OpenFlow em modo híbrido Cabo 10G Coaxial Kit 10G: Brocade CES 2024C- 4X Placa Mellanox 10G MCX311A- XCATc/ Openflow e RDMA

26 Resultados em laboratórios Profa. Tereza CrisCna de Melo Brito Carvalho Fernando Frota Redigolo Dino Raffael CristofoleC Magri

27 DMZ Científica da RNP Experimento 1: Sem o9mização e enlaces de 1 Gbps Tamanhos de arquivo: 1G, 10G e 100G Ferramentas: scp wget gridftp com 1, 2, 4, 8 e 16 fluxos em paralelo

28 Resultados em Laboratório G - Sem O9mização G 10G 100G scp wget sshep 1 sshep 2 sshep 4 sshep 8 sshep 16 ep 1 ep 2 ep 4 ep 8 ep 16 Fluxo Fluxos Fluxos Fluxos Fluxos Fluxo Fluxos Fluxos Fluxos Fluxos 1G G G

29 DMZ Científica da RNP Experimento 1: Com o9mização e enlaces de 1 Gbps Tamanhos de arquivo: 1G, 10G e 100G Ferramentas: scp, wget, gridftp com 1,2,4,8 e 16 fluxos OCmizações: BIOS: habilitar o turbo boost e desabilite o hyper- threading e node interleaving NIC: aumentar tamanho da fila e MTU = 9000 Algoritmos de congesconamento: htcp ou cubic I/O Scheduler: algoritmo deadline Sistema de arquivos: cache de leitura e parâmetro associados à escrita em disco

30 Resultados em Laboratório G - Com O9mização G 10G 100G scp wget sshep 1 sshep 2 sshep 4 sshep 8 sshep 16 ep 1 ep 2 ep 4 ep 8 ep 16 Fluxo Fluxos Fluxos Fluxos Fluxos Fluxo Fluxos Fluxos Fluxos Fluxos 1G G G

31 DMZ Científica da RNP Experimento 2: Sem o9mização e enlace de 10Gbps Tamanhos de arquivo: 1G, 10G e 100G Ferramentas: scp, gridftp com 1,2,4,8 e 16 fluxos

32 Resultados em Laboratório G - Sem O9mização Arquivos 1G Arquivos 10G Arquivos 100G scp sshep 1 Fluxo sshep 2 Fluxos sshep 4 Fluxos sshep 8 Fluxos sshep 16 Fluxos Arquivos 1G Arquivos 10G Arquivos 100G

33 DMZ Científica da RNP Experimento 2: Com o9mização e enlace de 10Gbps Tamanhos de arquivo: 1G, 10G e 100G Ferramentas: scp, gridftp com 1,2,4,8 e 16 fluxos OCmizações Controladora RAID PolíCca de leitura: read ahead, PolíCca de escrita: Always Write Back Strip Size: 1MB Sistema de arquivos data=writeback para uclizar journaling apenas em metadados, commit=300 tempo para sincronizar os metadados, noacme e nodiracme para não gravar data e hora

34 Resultados em Laboratório G - Com O9mização Arquivos 1G Arquivos 10G Arquivos 100G scp sshep 1 Fluxo sshep 2 Fluxos sshep 4 Fluxos sshep 8 Fluxos sshep 16 Fluxos Arquivos 1G Arquivos 10G Arquivos 100G

35 Problemas enfrentados Profa. Tereza CrisCna de Melo Brito Carvalho Fernando Frota Redigolo Dino Raffael CristofoleC Magri

36 Problemas Enfrentados No kit de 10G Possíveis Problemas? Driver da placa de rede? Controladora RAID? Sistemas de arquivos? Discos?

37 Problemas Enfrentados Arquitetura dos Discos Discos Seagate ConstallaCon ES 1TB, 7.2k, 6Gb/s SATA III, e taxa de transferência de 140 MB/s Testes: 8 discos onboard EXT4 8 discos onboard ZFS 8 discos onboard XFS 8 discos onboard + 1 SSD para cache - ZFS 7 discos + 1 SSD para cache na controladora XFS

38 Problemas Enfrentados Escrita Discos 140 MB/s Taxa (MB) Arquivos de 1G Arquivos de 10G 8 discos onboard - EXT4 (MB) discos onboard - ZFS (MB) Discos Onboard + 1 Cache SSD ZFS discos onboard XFS Discos + 1 SSD Controladora XFS

39 Problemas Enfrentados Arquitetura dos Discos Discos Seagate ConstallaCon ES.3 1TB, 7.2k, 6Gb/s SATA III, e taxa de transferência de 175 MB/s Testes: 8 discos onboard EXT4 8 discos onboard ZFS 8 discos onboard XFS 8 discos onboard + 1 SSD para cache - ZFS 7 discos + 1 SSD para cache na controladora XFS

40 Problemas Enfrentados Escrita Discos de 175 MB/s Taxa (MB) Arquivos de 1G Arquivos de 10G 8 discos onboard - EXT4 (MB) discos onboard - ZFS (MB) Discos Onboard + 1 Cache SSD ZFS discos onboard XFS Discos + 1 SSD Controladora XFS

41 Problemas Enfrentados Arquitetura dos Discos Resultados de aproximadamente 8 Gbps uclizando o sistema de arquivos XFS, 7 discos ligados na controladora em RAID- 0 e 1 disco SSD para cache Para alcançar o valor próximo do iperf (9,2 Gbps) ainda é possível o9mizar alguns parâmetros do sistema de arquivos Dependendo do conjunto de dados a serem transferidos é possível ajustar as o9mizações de leitura e escrita para melhorar o desempenho.

42 Problemas Enfrentados Condições da rede Para transferência de alto desempenho é importante que o caminho fim a fim esteja em boas condições e livre de perda Iden9ficar possível problemas nesse caminho é essencial para que seja possível realizar as transferências O soeware perfsonar possibilita agendar testes de latência e banda para que seja possível avaliar as condições da rede

43 Problemas Enfrentados Medições do perfsonar

44 Problemas Enfrentados Medições do perfsonar

45 Problemas Enfrentados Condições da rede Teste com Ohio State University Chamada FAPESP- OSU USP parccipa com o projeto de interligação de sua DMZ Cien1fica com a DMZ da Ohio State University ObjeCvo Estabelecimento de pesquisas colabora9vas entre as duas ins9tuições que envolvam a transferência de grandes volumes de dados nas áreas de telemedicina, veterinária, artes e entretenimento, clima, astronomia e bsica de alta energia, entre outros.

46 Problemas Enfrentados Condições da rede Teste com Ohio State University

47 Problemas Enfrentados Condições da rede Teste com Ohio State University

48 Problemas Enfrentados Segurança A DMZ Cien1fica demanda uma nova abordagem de segurança Houve 2 9pos de incidentes (todos em servidores 10G) Vulnerabilidade no NTP (NTP AmplificaGon AHack) Permissões no SSH Necessário que a equipe de segurança da insctuição esteja ciente desta nova abordagem e trabalhe em conjunto para garancr a segurança da DMZ Cien1fica PolíCca de segurança da DMZ Cien1fica alinhada com a polícca de segurança da insctuição

49 Considerações Finais Profa. Tereza CrisCna de Melo Brito Carvalho Fernando Frota Redigolo Dino Raffael CristofoleC Magri

50 Considerações Finais E- Science requer: Pesquisa Colabora9va Transferência de Volume de dados crescente. Requisitos: Banda larga de transmissão. Baixo tempo de transferência.

51 Considerações Finais Sistemas atuais com baixa vazão: Ferramentas inadequadas. Sistemas de segurança de proposito geral. Protocolos de transporte com suporte a controle de congesconamento para aplicações não ciencficas. Servidor de armazenamento com baixa taxa de transferência. Sistemas de DMZ Cien1fica Sistemas de segurança customizados para aplicações ciencficas. Protocolo de transporte adequado. Arquitetura com componentes de alto desempenho.

52 Considerações Finais Desafios Futuros DMZ Cien1fica com suporte a SDN/OpenFlow Controlar o compar9lhamento de recursos da DMZ entre aplicações de maneira a se minimizar a interferência entre elas Solucionar alguns problemas de integração (e.g., para se integrar um serviço de circuitos dinâmicos como o SE- CIPÓ da RNP até a interface do DTN ou para se integrar equipamentos especializados na rede da insctuição à DMZ).

53 Agradecimentos

54

55 Contatos Coordenadores: Tereza CrisCna M. B. Carvalho Fernando Frota Redigolo Dino R. C. Magri

Minicurso DMZ Científica LARC - PCS EPUSP

Minicurso DMZ Científica LARC - PCS EPUSP Minicurso DMZ Científica LARC - PCS EPUSP Autores LARC-PCS-PCS Tereza Cristina Carvalho carvalho@larc.usp.br Marcos Simplício mjunior@larc.usp.br Fernando Frota Redigolo fernando@larc.usp.br Marco Torrez

Leia mais

UFBA - Universidade Federal da Bahia 25-26 Novembro 2014 Alex Moura RNP

UFBA - Universidade Federal da Bahia 25-26 Novembro 2014 Alex Moura RNP Serviço MonIPÊ WTR 2014 PoP-BA - Ponto de Presença da RNP na Bahia UFBA - Universidade Federal da Bahia 25-26 Novembro 2014 Alex Moura RNP Rede Nacional de Ensino e Pesquisa - RNP Ponto de Presença da

Leia mais

MonIPÊ: Serviço de Medições de Desempenho de Redes

MonIPÊ: Serviço de Medições de Desempenho de Redes MonIPÊ: Serviço de Medições de Desempenho de Redes Rede Nacional de Ensino e Pesquisa Alex Soares de Moura alex@rnp.br GT-ER 39 28 a 30 de Maio de 2015, Rio de Janeiro - RJ 2 O Problema O ecossistema de

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Comunicação Fim-a-Fim a Alta Vede em Redes Gigabit

Comunicação Fim-a-Fim a Alta Vede em Redes Gigabit Outros trabalhos em: www.projetoderedes.com.br Comunicação Fim-a-Fim a Alta Vede em Redes Gigabit DaniloM.Taveira, Igor M. Moraes, Daniel de O.Cunha RafaelP.Laufer, Marco D. D. Bicudo, Miguel E. M. Campista,

Leia mais

abilitisoft Ltda. PatriMo Soft Acordo de Nível Operacional - ANO

abilitisoft Ltda. PatriMo Soft Acordo de Nível Operacional - ANO abilitisoft Ltda. PatriMo Soft Acordo de Nível Operacional - ANO OBJETIVO: O Acordo de Nível Operacional, é um acordo entre equipes de TI internas, para que o provedor possa entregar o requisito estabelecido

Leia mais

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 1 Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 O que é uma Rede de Computadores? Vários tipos de redes: Redes Telefônicas Redes de Satélites Redes Celulares Redes de TV a cabo Internet e intranets Rede Privada

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Construindo Sistemas de Gravação e Reprodução de Dados de Áudio, Vídeo e GPS com a Plataforma PXI

Construindo Sistemas de Gravação e Reprodução de Dados de Áudio, Vídeo e GPS com a Plataforma PXI Construindo Sistemas de Gravação e Reprodução de Dados de Áudio, Vídeo e GPS com a Plataforma PXI André Oliveira Engenheiro de Vendas Bruno César Engenheiro de Sistemas 1 Denominador Comum em Sistemas

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

COMPONENTES DE REDES. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

COMPONENTES DE REDES. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br COMPONENTES DE REDES Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Componentes de rede Placas de interface Transceptores Repetidores HUBs Pontes Switches Roteadores Gateways Servidores

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Nesse capítulo, apresentamos os trabalhos relacionados ao GridFS, entrando em mais detalhes sobre os sistemas citados durante a introdução e realizando algumas considerações sobre

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM Agenda 1.1 O que

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

Redes de computadores. Redes para Internet

Redes de computadores. Redes para Internet Redes de computadores Redes para Internet Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio, satélite

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Capítulo 1: Redes de computadores e a Internet. Capítulo1. Redes de. computadores. computador. e a Internet. es e a Internet

Capítulo 1: Redes de computadores e a Internet. Capítulo1. Redes de. computadores. computador. e a Internet. es e a Internet Redes de computadores e a Internet Capítulo : Capítulo Redes de Redes de computadores computador e a Internet es e a Internet O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros

Leia mais

AmLight SDN: Uma plataforma aberta para experimentação de redes

AmLight SDN: Uma plataforma aberta para experimentação de redes AmLight SDN: Uma plataforma aberta para experimentação de redes V Workshop de Tecnologias de Redes do PoP- BA 29 de Setembro de 2014 Salvador, Bahia, Brasil Jeronimo Bezerra Quem somos?

Leia mais

Impactos do Envelhecimento de Software no Desempenho dos Sistemas. Jean Carlos Teixeira de Araujo jcta@cin.ufpe.br

Impactos do Envelhecimento de Software no Desempenho dos Sistemas. Jean Carlos Teixeira de Araujo jcta@cin.ufpe.br Impactos do Envelhecimento de Software no Desempenho dos Sistemas Jean Carlos Teixeira de Araujo jcta@cin.ufpe.br 1 Agenda Introdução; Software Aging; Software Rejuvenation; Laboratório MoDCS Cloud; Dúvidas?

Leia mais

Problema: Solução: Vantagens da estruturação em Níveis: Introdução INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Introdução

Problema: Solução: Vantagens da estruturação em Níveis: Introdução INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Introdução INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE COMPUTADORES Curso Técnico de Informática Eduardo Amaral Introdução Computador: Máquina programável, de propósito geral, que processa informação. Programa: Seqüência de instruções

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes Alta Performance. Paulo Aguiar DCC/UFRJ

Tópicos Especiais em Redes Alta Performance. Paulo Aguiar DCC/UFRJ Tópicos Especiais em Redes Alta Performance Paulo Aguiar DCC/UFRJ Conteúdo A convergência das redes e os grandes desafios Sistemas grandes são melhores Rede IP global como solução: limitações de desempenho

Leia mais

LEVANTAMENTO DE HARDWARES PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Graphics

LEVANTAMENTO DE HARDWARES PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Graphics LEVANTAMENTO DE HARDWARES PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Sabe-se que para o desenvolvimento de software as empresas adotam computadores com um grande poder de processamento. Facilitando assim todo

Leia mais

Grid Computing: Processamento de Alto Desempenho em Rede

Grid Computing: Processamento de Alto Desempenho em Rede Grid Computing: Processamento de Alto Desempenho em Rede José Roberto B. Gimenez Coordenador de TI do GridUNESP jr@unesp.br Estrutura da apresentação Motivação para uso de Grid Discussão sobre problemas

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

SM Dispatch Workstation Categoria Item Mínimo Recomendado

SM Dispatch Workstation Categoria Item Mínimo Recomendado SM Dispatch Workstation Processador Processador Intel Core i5-4590s (Qual Core, 6MB, 3.00GHz Processador Intel Core i7-4770 (3.4GHz até 3.9GHz com c/ Gráficos HD4600) Intel Turbo Boost 2.0, 8 Threads,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ARQUITETURA DE COMPUTADORES PROFESSOR: Kelly Alves Martins de Lima Arquitetura de Computadores DISCENTES: Helton Klinthon Douglas Silva

Leia mais

Planejamento para Implantação do GridUnesp. II Workshop GridUnesp Outubro de 2006

Planejamento para Implantação do GridUnesp. II Workshop GridUnesp Outubro de 2006 Planejamento para Implantação do GridUnesp II Workshop GridUnesp Outubro de 2006 2 Roteiro O que é Grid Porque Grid? Conceitos gerais. Componentes de um Grid. Exemplo: o SPRACE (São Paulo Regional Analysis

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ÊNFASE EM ENGENHARIA DE SOFTWARE ARTHUR HENRIQUE DO PRADO FRANQUELO ALLAN ESTEVAM DE SOUZA CARLOS

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática 04 Organização de Computadores nov/2011 Componentes básicos de um computador Memória Processador Periféricos Barramento Processador (ou microprocessador) responsável pelo tratamento

Leia mais

AULA Redes de Computadores e a Internet

AULA Redes de Computadores e a Internet UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Disciplina: INF64 (Introdução à Ciência da Computação) Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel

Leia mais

Aquisição de equipamentos de informática

Aquisição de equipamentos de informática CONVITE 010/2008 ANEXO I Aquisição de equipamentos de informática ITEM 1 Nome: Estação de trabalho Quantidade: 1 unidades Processador: (mínimo) Intel core 2 duo E7200 2.53Ghz FSB 1333Mhz 4Mb Cache, 65

Leia mais

análise de ferramentas de transferência para grandes volumes de dados

análise de ferramentas de transferência para grandes volumes de dados análise de ferramentas de transferência para grandes volumes de dados Rômulo Alceu Rodrigues romulo.rodrigues@cptec.inpe.br INPE Eugênio Sper de Almeida eugenio.almeida@cptec.inpe.br INPE Resumo:Nos últimos

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 Tipos de Comunicação - Difusão: Rádio e TV - Pessoa-a-Pessoa: Telefonia - Máquina-a-Máquina: Computadores Difusão: Rádio e TV Receptor Receptor Receptor Transmissor

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos RT2 - Proposta do protótipo Sand Luz Corrêa Kleber Vieira Cardoso 15/03/2013 1. Introdução Este relatório apresenta

Leia mais

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Apresentação Portfólio de Serviços e Produtos da WebMaster Soluções. Com ele colocamos à sua disposição a Tecnologia que podemos implementar em sua empresa.

Leia mais

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios Redes de Computadores I Gabarito da Lista de Exercícios 1) Uma rede comutada por circuitos cobra R$ 0,50 por minuto de utilização, comporta até 1000 circuitos simultâneos com capacidade de 64 kbps (cada)

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES 1 2 REDES DE COMPUTADORES ADRIANO SILVEIRA ADR_SILVEIRA@YAHOO.COM.BR Classificação quanto ao alcance geográfico LAN Local Area Network, tem alcance em nível de empresas, órgãos, organizações ou casas.

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

Manual Técnico do Usuário Manual Técnico de Referência. SuperServer 5036I-IF

Manual Técnico do Usuário Manual Técnico de Referência. SuperServer 5036I-IF Manual Técnico do Usuário Manual Técnico de Referência SuperServer 5036I-IF SuperServer 5036I-IF : Visão Geral (Overview) O Servidor SuperServer 5036I-IF, é um equipamento de alta qualidade, composto de

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.7 Operações com as Memórias: Já sabemos, conforme anteriormente citado, que é possível realizar duas operações em uma memória: Escrita (write) armazenar informações na memória; Leitura (read) recuperar

Leia mais

Virtualização de máquinas do serviço MonIpê

Virtualização de máquinas do serviço MonIpê Virtualização de máquinas do serviço MonIpê Virtualização dos serviços BWCTL (MP1) e NDT (MP3) com VMWare Guia de Instalação dos GPS e Recomendações Iniciais Equipe MONIPÊ http://www.monipe.rnp.br Guilherme

Leia mais

Computador. Principais Características

Computador. Principais Características Computador Principais Características DISCO RÍGIDO HD SISTEMAS DE ARQUIVOS - WINDOWS IBM 305 RAMAC Ano 1956 Primeiro HD Um disco rígido ou HD, é um dispositivo composto por uma ou várias lâminas rígidas

Leia mais

Servidor de OpenLAB Data Store A.02.01 Lista de Preparação do Local. Objetivo do Procedimento. Responsabilidades do cliente

Servidor de OpenLAB Data Store A.02.01 Lista de Preparação do Local. Objetivo do Procedimento. Responsabilidades do cliente Servidor Lista de Preparação de OpenLAB do Data Local Store A.02.01 Objetivo do Procedimento Assegurar que a instalação do Servidor de OpenLAB Data Store pode ser concluída com sucesso por meio de preparação

Leia mais

Tudo que você queria saber sobre o uso de discos em servidores PostgreSQL e tinha vergonha de perguntar. por Fábio Telles Rodriguez

Tudo que você queria saber sobre o uso de discos em servidores PostgreSQL e tinha vergonha de perguntar. por Fábio Telles Rodriguez Tudo que você queria saber sobre o uso de discos em servidores PostgreSQL e tinha vergonha de perguntar por Fábio Telles Rodriguez Agenda Discos Controladoras Storage RAID Sistemas de Arquivo Particionamento

Leia mais

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Maestro Arthur Kazuo Tojo Costa 317497 Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Introdução Sistema Operacional de Redes Detalhes do hardware Multiplexação

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3

Redes de Computadores Aula 3 Redes de Computadores Aula 3 Aula passada Comutação: circuito x pacotes Retardos e perdas Aula de hoje Protocolo em camadas Aplicações C/S x P2P Web Estruturando a Rede Como organizar os serviços de uma

Leia mais

Servidores e Criação de Web Sites 2013

Servidores e Criação de Web Sites 2013 Criação e Hospedagem de Web Sites para Empresas, Profissionais liberais e Pessoais. VeroKatti Empresa do grupo NamiHaru Fundação: Ano 2000 Local: Tokyo Japão (Tokyo to Edogawa, Nishi Kasai 6-19 134-0088)

Leia mais

Aker IPS. Proteção avançada contra ameaças virtuais

Aker IPS. Proteção avançada contra ameaças virtuais VERSÃO: 02/10/15 ameaças virtuais 2013 foi marcado pelas denúncias de espionagem digital coordenadas pelos EUA. Além de deixar em alerta governos de diversas partes do mundo, as revelações impactaram também

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

A SCALABLE, COMMODITY DATA CENTER NETWORK ARCHITECTURE ***FAT-TREE***

A SCALABLE, COMMODITY DATA CENTER NETWORK ARCHITECTURE ***FAT-TREE*** UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO TÓPICOS EM COMPUTAÇÃO DISTRIBUÍDA - MO809 A SCALABLE, COMMODITY DATA CENTER NETWORK ARCHITECTURE ***FAT-TREE*** Aluno: Joaquim Domingos Mussandi

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

MONTAGEM E MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES AULA - 5 DESEMPENHO E UPGRADE GRUPO INSTRUTOR MAIO/JUNHO 2010

MONTAGEM E MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES AULA - 5 DESEMPENHO E UPGRADE GRUPO INSTRUTOR MAIO/JUNHO 2010 MONTAGEM E MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES AULA - 5 DESEMPENHO E UPGRADE GRUPO INSTRUTOR MAIO/JUNHO 2010 PRIMEIROS PASSOS LEITOR DE DISQUETE: Não se pode dizer que é inútil, mas nunca vai ser considerado com

Leia mais

June 11, 2012. Instituto de Computação - Universidade Estadual de Campinas. Tecnologias de Armazenamento. Murilo Adriano Vasconcelos

June 11, 2012. Instituto de Computação - Universidade Estadual de Campinas. Tecnologias de Armazenamento. Murilo Adriano Vasconcelos Instituto de Computação - Universidade Estadual de Campinas June 11, 2012 1 2 Interface ATA/IDE Interface SATA Interface SCSI Interface SAS 3 4 Solid State Drives - SSD Fusion-io Evolução da tecnologia

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. André Dutton EMENTA: Conceitos fundamentais e histórico da ciência da computação; Histórico dos computadores, evolução e tendências; Modalidades de computadores

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Arquitetura de Entrada e Saída Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Barramento Meio de transmissão de dados entre a CPU, a memória principal e os dispositivos de entrada e saída.

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

GABINETE ALTURA PROCESSADORES NÚCLEOS DE PROCESSAMENTO MEMÓRIA RAM CHIPSET ARQUITETURA BIOS

GABINETE ALTURA PROCESSADORES NÚCLEOS DE PROCESSAMENTO MEMÓRIA RAM CHIPSET ARQUITETURA BIOS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS GABINETE ALTURA - Rack Chassis Próprio - Ventiladores Internos Hot Plug Redundantes - Ventilação Adequada para a Refrigeração do Sistema Interno do Equipamento na sua Configuração

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ORÇAMENTO DE REDE

APRESENTAÇÃO DE ORÇAMENTO DE REDE APRESENTAÇÃO DE ORÇAMENTO DE REDE Luís Silva nº11 Igri01 Descrição Geral Descrição da Rede Rede constituída por 6 computadores, 1 servidor 1Modem, 1 Router, 2 Impressoras Todo o software em open source

Leia mais

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos XDOC Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos ObJetivo Principal O Que você ACHA De ter Disponível Online todos OS Documentos emitidos por SUA empresa em UMA intranet OU Mesmo NA

Leia mais

4. Rede de Computador

4. Rede de Computador Definição Uma rede de computadores é formada por um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos, interligados por um sub-sistema de comunicação, ou seja, é quando

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Camada de Aplicação A camada de Aplicação é a que fornece os serviços Reais para os usuários: E-mail, Acesso a Internet, troca de arquivos, etc. Portas

Leia mais

Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio

Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio Diego Passos Universidade Federal Fluminense Diego Passos Defesa de Mestrado 1/49 Diego Passos

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Aula 04 A. Barramentos. Prof. Ricardo Palma

Aula 04 A. Barramentos. Prof. Ricardo Palma Aula 04 A Barramentos Prof. Ricardo Palma Definição Em ciência da computação barramento é um conjunto de linhas de comunicação que permitem a interligação entre dispositivos, como o CPU, a memória e outros

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Anéis Ópticos em Backbone www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em 1980 foi formado o grupo de trabalho ANSI X3T9.5 com a finalidade de desenvolver

Leia mais

Barramentos 17/10/2011. Redes de Computadores. Arquitetura de Computadores FACULDADE PITÁGORAS DE TECNOLOGIA FACULDADE PITÁGORAS DE TECNOLOGIA.

Barramentos 17/10/2011. Redes de Computadores. Arquitetura de Computadores FACULDADE PITÁGORAS DE TECNOLOGIA FACULDADE PITÁGORAS DE TECNOLOGIA. Redes de Computadores Arquitetura de Computadores Agenda Introdução Tipos de Aplicações 1 Barramento é uma via de comunicação. Temos vários tipos de barramentos em um computador devido a aspectos históricos;

Leia mais

DG GATEWAY Requisitos e recomendações. Gustavo Toda gustavo.toda@dicomgrid.com.br. Se precisar de ajuda

DG GATEWAY Requisitos e recomendações. Gustavo Toda gustavo.toda@dicomgrid.com.br. Se precisar de ajuda DG GATEWAY Requisitos e recomendações Resumo Este manual visa instruir o cliente quanto aos requisitos e recomendações para a instalação e devido uso do DG Gateway. Gustavo Toda gustavo.toda@dicomgrid.com.br

Leia mais

Redes e Internet do Futuro

Redes e Internet do Futuro Redes e Internet do Futuro ::: SDN e NDN ::: Samuel Henrique Bucke Brito Departamento de Engenharia de Computação e Automação Industrial (DCA) Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade

Leia mais

IPv6 em rede de Campus Case UFSC & PoP-SC

IPv6 em rede de Campus Case UFSC & PoP-SC I WORKSHOP DE TECNOLOGIA DE REDES Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina Rede Metropolitana de Educação e Pesquisa da Região de Florianópolis 04 e 05 Outubro/2012 IPv6 em rede de Campus Case UFSC &

Leia mais

SOLUÇÃO DE STORAGE PROJETO X86 ARMAZENAMENTO. 1.2 Para efeito de cálculo do volume total em TB deverá ser considerado que 1KB = 1024 bytes.

SOLUÇÃO DE STORAGE PROJETO X86 ARMAZENAMENTO. 1.2 Para efeito de cálculo do volume total em TB deverá ser considerado que 1KB = 1024 bytes. SOLUÇÃO DE STORAGE PROJETO X86 ARMAZENAMENTO Características Técnicas: 1.1 Deverá ser ofertada Solução de Storage com capacidade mínima de 100 TB (cem Terabyte) líquido, sendo 80TB (oitenta Terabytes)

Leia mais

Edital 012/PROAD/SGP/2012

Edital 012/PROAD/SGP/2012 Edital 012/PROAD/SGP/2012 Nome do Candidato Número de Inscrição - Assinatura do Candidato Secretaria de Articulação e Relações Institucionais Gerência de Exames e Concursos I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS PÁG. 1 DE 13 PRÁTICA DE SERVIÇO DE BANDA LARGA REQUISITOS MÍNIMOS PARA OS PRESTADORES DE SERVIÇO DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL Sumário 1.OBJETIVO... 2 2.CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3.DEFINIÇÕES...

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 SISTEMA DE INTERCONEXÃO (BARRAMENTOS) Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento Central

Leia mais

4 Resultados Experimentais

4 Resultados Experimentais 4 Resultados Experimentais Diversos testes foram realizados para avaliar o comportamento do sistema. Os testes têm o objetivo de comparar a taxa de transferência obtida pelos métodos de cópia baseados

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação REDE DE COMPUTADORES Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) 1 Apresentação Conhecendo os alunos Conceitos básicos de redes O que é uma rede local Porque usar uma rede local 2 Como surgiram

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Kurose Redes de Computadores e a Internet Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Pearson Cap.: 1 até 1.2.2 2.1.2 2.1.4 Como funciona uma rede? Existem princípios de orientação e estrutura?

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição geral

Serviço fone@rnp: descrição geral Serviço fone@rnp: descrição geral Este documento descreve o serviço de Voz sobre IP da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa. RNP/REF/0347 Versão Final Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Benefícios

Leia mais

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc Sumário: 1. Pré-requisitos de instalação física e lógica do Sisloc... 3 Servidores de Dados... 3 Servidores de Aplicação (Terminal Service)... 3

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 07: Memória Secundária MEMÓRIA SECUNDÁRIA Discos magnéticos: Organização do disco magnético em faces, trilhas e setores; Tipos de discos magnéticos Discos óticos: CD/DVD/BluRay

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego

Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego Roberto Willrich (INE-UFSC) Roberto A. Dias (CEFET-SC), Fernando Barreto, Renato D. V. de Oliveira,

Leia mais

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 INTERNET Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 Anexo I - página 1 Índice 1. OBJETIVO... 3 2. VISÃO GERAL DO ESCOPO DO SERVIÇO... 3 3. ENDEREÇOS

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry REDES DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Fundamentos em Informática Mundo Globalizado Acelerado desenvolvimento tecnológico

Leia mais

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment Emissor Receptor Meio Físico Mensagem Protocolo Emissor e Receptor Data Terminal Equipment Data Communications Equipment (DTE) + (DCE) Meio Físico Mensagem ( pacote ) O meio físico É o elemento que transmite

Leia mais

5 Planejamento dos experimentos

5 Planejamento dos experimentos 5 Planejamento dos experimentos Depois de escolher e implementar 5 modelos de concorrência e 4 modelos de sandboxes que consideramos representativos para um servidor web Lua, procuramos os principais fatores

Leia mais