Instalações Elétricas Prediais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instalações Elétricas Prediais"

Transcrição

1 Abril de 2010

2 Sumário

3 Tópicos Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção 1 Contra Choques Elétricos A Corrente Elétrica no Corpo Humano Fundamentos da proteção contra choques elétricos. 2 Eletrodos de Componentes do aterramento de proteção e equipontencialização 3 Esquemas da NBR 5410

4 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção É bastante conhecido, pela população em geral, que a corrente elétrica causa efeitos no corpo humano ou melhor em seres vivos. As pesquisas sobre o assunto começaram em 1930, com os estudo pioneiros de H. Freiberger e L. P. Ferris, com o objetivo de avaliar o grau de periculosidade da corrente elétrica. Os estudo foram realizados em animais, seres humanos e cadáveres. O documento oficial sobre o assunto é a série IEC Effects of current on human beings and livestock, composto por cinco publicações

5 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção É bastante conhecido, pela população em geral, que a corrente elétrica causa efeitos no corpo humano ou melhor em seres vivos. As pesquisas sobre o assunto começaram em 1930, com os estudo pioneiros de H. Freiberger e L. P. Ferris, com o objetivo de avaliar o grau de periculosidade da corrente elétrica. Os estudo foram realizados em animais, seres humanos e cadáveres. O documento oficial sobre o assunto é a série IEC Effects of current on human beings and livestock, composto por cinco publicações

6 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção É bastante conhecido, pela população em geral, que a corrente elétrica causa efeitos no corpo humano ou melhor em seres vivos. As pesquisas sobre o assunto começaram em 1930, com os estudo pioneiros de H. Freiberger e L. P. Ferris, com o objetivo de avaliar o grau de periculosidade da corrente elétrica. Os estudo foram realizados em animais, seres humanos e cadáveres. O documento oficial sobre o assunto é a série IEC Effects of current on human beings and livestock, composto por cinco publicações

7 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção É bastante conhecido, pela população em geral, que a corrente elétrica causa efeitos no corpo humano ou melhor em seres vivos. As pesquisas sobre o assunto começaram em 1930, com os estudo pioneiros de H. Freiberger e L. P. Ferris, com o objetivo de avaliar o grau de periculosidade da corrente elétrica. Os estudo foram realizados em animais, seres humanos e cadáveres. O documento oficial sobre o assunto é a série IEC Effects of current on human beings and livestock, composto por cinco publicações

8 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Qualquer atividade biológica é estimulada ou controlada por impulsos de correte elétrica. Se a corrente fisiológica se soma a outra corrente de origem externa, ocorrerá alterações das funções vitais normais do organismo. Os principais efeitos da corrente elétrica no corpo humanos são: Tetanização Limite de Largar Queimaduras Fibrilação ventricular

9 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Qualquer atividade biológica é estimulada ou controlada por impulsos de correte elétrica. Se a corrente fisiológica se soma a outra corrente de origem externa, ocorrerá alterações das funções vitais normais do organismo. Os principais efeitos da corrente elétrica no corpo humanos são: Tetanização Limite de Largar Queimaduras Fibrilação ventricular

10 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Qualquer atividade biológica é estimulada ou controlada por impulsos de correte elétrica. Se a corrente fisiológica se soma a outra corrente de origem externa, ocorrerá alterações das funções vitais normais do organismo. Os principais efeitos da corrente elétrica no corpo humanos são: Tetanização Limite de Largar Queimaduras Fibrilação ventricular

11 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Tetanização A tetanização é um fenomeno decorrente da contração muscular produzida por uma corrente elétrica. Contração tetânica são contrações repetidas do músculo oriundas de diversos estímulos simultâneos, de modo progressivo. A contração completa ocorre quando os estimulos ultrapassam um certo limite e permanece nesse estado até que os estímulos. As frequências usuais de 50 e 60 Hz são suficientes para produzir uma tentanização completa, dependendo do valor da corrente elétrica. Valores elevados de corrente podem levar uma pessoa a uma explosão muscular, causando movimentos involuntários e/ou arremessando a uma certa distância.

12 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Tetanização A tetanização é um fenomeno decorrente da contração muscular produzida por uma corrente elétrica. Contração tetânica são contrações repetidas do músculo oriundas de diversos estímulos simultâneos, de modo progressivo. A contração completa ocorre quando os estimulos ultrapassam um certo limite e permanece nesse estado até que os estímulos. As frequências usuais de 50 e 60 Hz são suficientes para produzir uma tentanização completa, dependendo do valor da corrente elétrica. Valores elevados de corrente podem levar uma pessoa a uma explosão muscular, causando movimentos involuntários e/ou arremessando a uma certa distância.

13 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Tetanização A tetanização é um fenomeno decorrente da contração muscular produzida por uma corrente elétrica. Contração tetânica são contrações repetidas do músculo oriundas de diversos estímulos simultâneos, de modo progressivo. A contração completa ocorre quando os estimulos ultrapassam um certo limite e permanece nesse estado até que os estímulos. As frequências usuais de 50 e 60 Hz são suficientes para produzir uma tentanização completa, dependendo do valor da corrente elétrica. Valores elevados de corrente podem levar uma pessoa a uma explosão muscular, causando movimentos involuntários e/ou arremessando a uma certa distância.

14 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Tetanização A tetanização é um fenomeno decorrente da contração muscular produzida por uma corrente elétrica. Contração tetânica são contrações repetidas do músculo oriundas de diversos estímulos simultâneos, de modo progressivo. A contração completa ocorre quando os estimulos ultrapassam um certo limite e permanece nesse estado até que os estímulos. As frequências usuais de 50 e 60 Hz são suficientes para produzir uma tentanização completa, dependendo do valor da corrente elétrica. Valores elevados de corrente podem levar uma pessoa a uma explosão muscular, causando movimentos involuntários e/ou arremessando a uma certa distância.

15 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Tetanização A tetanização é um fenomeno decorrente da contração muscular produzida por uma corrente elétrica. Contração tetânica são contrações repetidas do músculo oriundas de diversos estímulos simultâneos, de modo progressivo. A contração completa ocorre quando os estimulos ultrapassam um certo limite e permanece nesse estado até que os estímulos. As frequências usuais de 50 e 60 Hz são suficientes para produzir uma tentanização completa, dependendo do valor da corrente elétrica. Valores elevados de corrente podem levar uma pessoa a uma explosão muscular, causando movimentos involuntários e/ou arremessando a uma certa distância.

16 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Limite de largar Limite de Largar é o valor máximo de corrente que uma pessoa pode suportar ao segurar um condutor energizado. Correntes abaixo do Limite de Largar não impedem que uma pessoa largue um objeto energizado. Correntes inferiores ao limite largar embora não provoquem alterações graves no organismo, podem dar origem a contrações violentas causando quedas e ferimentos. Correntes superiores ao limite de largas, mas com pouca intensidade, podem causar uma parada respiratória

17 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Limite de largar Limite de Largar é o valor máximo de corrente que uma pessoa pode suportar ao segurar um condutor energizado. Correntes abaixo do Limite de Largar não impedem que uma pessoa largue um objeto energizado. Correntes inferiores ao limite largar embora não provoquem alterações graves no organismo, podem dar origem a contrações violentas causando quedas e ferimentos. Correntes superiores ao limite de largas, mas com pouca intensidade, podem causar uma parada respiratória

18 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Limite de largar Limite de Largar é o valor máximo de corrente que uma pessoa pode suportar ao segurar um condutor energizado. Correntes abaixo do Limite de Largar não impedem que uma pessoa largue um objeto energizado. Correntes inferiores ao limite largar embora não provoquem alterações graves no organismo, podem dar origem a contrações violentas causando quedas e ferimentos. Correntes superiores ao limite de largas, mas com pouca intensidade, podem causar uma parada respiratória

19 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Limite de largar Limite de Largar é o valor máximo de corrente que uma pessoa pode suportar ao segurar um condutor energizado. Correntes abaixo do Limite de Largar não impedem que uma pessoa largue um objeto energizado. Correntes inferiores ao limite largar embora não provoquem alterações graves no organismo, podem dar origem a contrações violentas causando quedas e ferimentos. Correntes superiores ao limite de largas, mas com pouca intensidade, podem causar uma parada respiratória

20 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Queimaduras A queimadura no corpo humano provocada pela passagem de corrente elétrica é causada pelo efeito Joule. Os pontos críticos são os de entrada e de saída da corrente, uma vez que: A pele apresenta elevada resistência em frente à baixaresistência dos tecidos internos. À resistência de contato entre a pele e as partes sob tensão soma-se a resistência da pele. A densidade de corrente á alta nos pontos de entrada e de saída da corrente, principalmente se as áreas contato forem pequenas. Em altas tensões, em que há o predomínio dos efeito térmicos, o calor produz a destruição de tecidos superficiais e profundos, bem como o rompimento de artérias e destruição dos centros nervosos.

21 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Queimaduras A queimadura no corpo humano provocada pela passagem de corrente elétrica é causada pelo efeito Joule. Os pontos críticos são os de entrada e de saída da corrente, uma vez que: A pele apresenta elevada resistência em frente à baixaresistência dos tecidos internos. À resistência de contato entre a pele e as partes sob tensão soma-se a resistência da pele. A densidade de corrente á alta nos pontos de entrada e de saída da corrente, principalmente se as áreas contato forem pequenas. Em altas tensões, em que há o predomínio dos efeito térmicos, o calor produz a destruição de tecidos superficiais e profundos, bem como o rompimento de artérias e destruição dos centros nervosos.

22 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Queimaduras A queimadura no corpo humano provocada pela passagem de corrente elétrica é causada pelo efeito Joule. Os pontos críticos são os de entrada e de saída da corrente, uma vez que: A pele apresenta elevada resistência em frente à baixaresistência dos tecidos internos. À resistência de contato entre a pele e as partes sob tensão soma-se a resistência da pele. A densidade de corrente á alta nos pontos de entrada e de saída da corrente, principalmente se as áreas contato forem pequenas. Em altas tensões, em que há o predomínio dos efeito térmicos, o calor produz a destruição de tecidos superficiais e profundos, bem como o rompimento de artérias e destruição dos centros nervosos.

23 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Queimaduras A queimadura no corpo humano provocada pela passagem de corrente elétrica é causada pelo efeito Joule. Os pontos críticos são os de entrada e de saída da corrente, uma vez que: A pele apresenta elevada resistência em frente à baixaresistência dos tecidos internos. À resistência de contato entre a pele e as partes sob tensão soma-se a resistência da pele. A densidade de corrente á alta nos pontos de entrada e de saída da corrente, principalmente se as áreas contato forem pequenas. Em altas tensões, em que há o predomínio dos efeito térmicos, o calor produz a destruição de tecidos superficiais e profundos, bem como o rompimento de artérias e destruição dos centros nervosos.

24 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Queimaduras A queimadura no corpo humano provocada pela passagem de corrente elétrica é causada pelo efeito Joule. Os pontos críticos são os de entrada e de saída da corrente, uma vez que: A pele apresenta elevada resistência em frente à baixaresistência dos tecidos internos. À resistência de contato entre a pele e as partes sob tensão soma-se a resistência da pele. A densidade de corrente á alta nos pontos de entrada e de saída da corrente, principalmente se as áreas contato forem pequenas. Em altas tensões, em que há o predomínio dos efeito térmicos, o calor produz a destruição de tecidos superficiais e profundos, bem como o rompimento de artérias e destruição dos centros nervosos.

25 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Queimaduras A queimadura no corpo humano provocada pela passagem de corrente elétrica é causada pelo efeito Joule. Os pontos críticos são os de entrada e de saída da corrente, uma vez que: A pele apresenta elevada resistência em frente à baixaresistência dos tecidos internos. À resistência de contato entre a pele e as partes sob tensão soma-se a resistência da pele. A densidade de corrente á alta nos pontos de entrada e de saída da corrente, principalmente se as áreas contato forem pequenas. Em altas tensões, em que há o predomínio dos efeito térmicos, o calor produz a destruição de tecidos superficiais e profundos, bem como o rompimento de artérias e destruição dos centros nervosos.

26 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Fibrilação ventricular Fibrilação ventricular é o efeito mais grave causado pela corrente elétrica. É bastante complicado determinar experimentalmente o valor de corrente que provoca a fibrilação ventricular, devido: Impossibilidade de realizar experimentos em seres humanos. Divisão da corrente dentro do corpo humano. As condições orgânicas são distintas os seres humanos.

27 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Fibrilação ventricular Fibrilação ventricular é o efeito mais grave causado pela corrente elétrica. É bastante complicado determinar experimentalmente o valor de corrente que provoca a fibrilação ventricular, devido: Impossibilidade de realizar experimentos em seres humanos. Divisão da corrente dentro do corpo humano. As condições orgânicas são distintas os seres humanos.

28 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Fibrilação ventricular Fibrilação ventricular é o efeito mais grave causado pela corrente elétrica. É bastante complicado determinar experimentalmente o valor de corrente que provoca a fibrilação ventricular, devido: Impossibilidade de realizar experimentos em seres humanos. Divisão da corrente dentro do corpo humano. As condições orgânicas são distintas os seres humanos.

29 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Fibrilação ventricular Fibrilação ventricular é o efeito mais grave causado pela corrente elétrica. É bastante complicado determinar experimentalmente o valor de corrente que provoca a fibrilação ventricular, devido: Impossibilidade de realizar experimentos em seres humanos. Divisão da corrente dentro do corpo humano. As condições orgânicas são distintas os seres humanos.

30 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Fibrilação ventricular Fibrilação ventricular é o efeito mais grave causado pela corrente elétrica. É bastante complicado determinar experimentalmente o valor de corrente que provoca a fibrilação ventricular, devido: Impossibilidade de realizar experimentos em seres humanos. Divisão da corrente dentro do corpo humano. As condições orgânicas são distintas os seres humanos.

31 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção zonas de efeito A publicação IEC/TS define cinco zonas de efeitos: 1 Zona 1: não produz efeito. 2 Zona 2: produz efeitos fisiopatológicos sem perigo. 3 Zona 3: Ainda, sem risco de fibrilação. 4 Zona 4: Pode haver fibrilação ventricular. 5 Zona 5:Há perigo efetivo da ocorrência de fibrilação ventricular

32 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção zonas de efeito A publicação IEC/TS define cinco zonas de efeitos: 1 Zona 1: não produz efeito. 2 Zona 2: produz efeitos fisiopatológicos sem perigo. 3 Zona 3: Ainda, sem risco de fibrilação. 4 Zona 4: Pode haver fibrilação ventricular. 5 Zona 5:Há perigo efetivo da ocorrência de fibrilação ventricular

33 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção zonas de efeito A publicação IEC/TS define cinco zonas de efeitos: 1 Zona 1: não produz efeito. 2 Zona 2: produz efeitos fisiopatológicos sem perigo. 3 Zona 3: Ainda, sem risco de fibrilação. 4 Zona 4: Pode haver fibrilação ventricular. 5 Zona 5:Há perigo efetivo da ocorrência de fibrilação ventricular

34 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção zonas de efeito A publicação IEC/TS define cinco zonas de efeitos: 1 Zona 1: não produz efeito. 2 Zona 2: produz efeitos fisiopatológicos sem perigo. 3 Zona 3: Ainda, sem risco de fibrilação. 4 Zona 4: Pode haver fibrilação ventricular. 5 Zona 5:Há perigo efetivo da ocorrência de fibrilação ventricular

35 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção zonas de efeito A publicação IEC/TS define cinco zonas de efeitos: 1 Zona 1: não produz efeito. 2 Zona 2: produz efeitos fisiopatológicos sem perigo. 3 Zona 3: Ainda, sem risco de fibrilação. 4 Zona 4: Pode haver fibrilação ventricular. 5 Zona 5:Há perigo efetivo da ocorrência de fibrilação ventricular

36 Perigo da corrente Elétrica Corrente Elétrica Fundamentos da proteção

37 Tópicos Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção 1 Contra Choques Elétricos A Corrente Elétrica no Corpo Humano Fundamentos da proteção contra choques elétricos. 2 Eletrodos de Componentes do aterramento de proteção e equipontencialização 3 Esquemas da NBR 5410

38 contatos direto e indiretos Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Contato direto é aquele quando há o toque direto no elemento energizado, devidos ao desconhecimento, negligência ou imprudência das pessoas, por isso são mais raros. Contato indireto ocorre quando se toca numa massa sob tensão, estes por sua vez são mais frequentes. O Princípio fundamental de proteção contra choques elétricos da NBR 5420/2004 indica que as partes vivas perigosas não devem ser acessíveis, a fim de evitar o contato direto, e que as massas acessíveis não devem oferecer perigo, seja em condições normais ou de falha.

39 contatos direto e indiretos Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Contato direto é aquele quando há o toque direto no elemento energizado, devidos ao desconhecimento, negligência ou imprudência das pessoas, por isso são mais raros. Contato indireto ocorre quando se toca numa massa sob tensão, estes por sua vez são mais frequentes. O Princípio fundamental de proteção contra choques elétricos da NBR 5420/2004 indica que as partes vivas perigosas não devem ser acessíveis, a fim de evitar o contato direto, e que as massas acessíveis não devem oferecer perigo, seja em condições normais ou de falha.

40 contatos direto e indiretos Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Contato direto é aquele quando há o toque direto no elemento energizado, devidos ao desconhecimento, negligência ou imprudência das pessoas, por isso são mais raros. Contato indireto ocorre quando se toca numa massa sob tensão, estes por sua vez são mais frequentes. O Princípio fundamental de proteção contra choques elétricos da NBR 5420/2004 indica que as partes vivas perigosas não devem ser acessíveis, a fim de evitar o contato direto, e que as massas acessíveis não devem oferecer perigo, seja em condições normais ou de falha.

41 Básica Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A proteção básica (contra contatos diretos) é garantida pela: Isolação das partes vivas. Barreiras ou invólucros de proeção. Obstáculos. Colocação fora do alcance das pessoas. Dispositivo de proteção residual-diferencial. Limitação de tensão

42 Básica Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A proteção básica (contra contatos diretos) é garantida pela: Isolação das partes vivas. Barreiras ou invólucros de proeção. Obstáculos. Colocação fora do alcance das pessoas. Dispositivo de proteção residual-diferencial. Limitação de tensão

43 Básica Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A proteção básica (contra contatos diretos) é garantida pela: Isolação das partes vivas. Barreiras ou invólucros de proeção. Obstáculos. Colocação fora do alcance das pessoas. Dispositivo de proteção residual-diferencial. Limitação de tensão

44 Básica Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A proteção básica (contra contatos diretos) é garantida pela: Isolação das partes vivas. Barreiras ou invólucros de proeção. Obstáculos. Colocação fora do alcance das pessoas. Dispositivo de proteção residual-diferencial. Limitação de tensão

45 Básica Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A proteção básica (contra contatos diretos) é garantida pela: Isolação das partes vivas. Barreiras ou invólucros de proeção. Obstáculos. Colocação fora do alcance das pessoas. Dispositivo de proteção residual-diferencial. Limitação de tensão

46 Básica Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A proteção básica (contra contatos diretos) é garantida pela: Isolação das partes vivas. Barreiras ou invólucros de proeção. Obstáculos. Colocação fora do alcance das pessoas. Dispositivo de proteção residual-diferencial. Limitação de tensão

47 Básica Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A proteção básica (contra contatos diretos) é garantida pela: Isolação das partes vivas. Barreiras ou invólucros de proeção. Obstáculos. Colocação fora do alcance das pessoas. Dispositivo de proteção residual-diferencial. Limitação de tensão

48 Supletiva Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A proteção supletiva (contra contatos indiretos) é garantida pela adoção de medidas de: equipotencialização. seccionamento automático da alimentação. isolação suplementar. separação elétrica. Pode se omitir proteção supletiva em: suportes metálicos de isoladores, se não estiverem dentro da zona de alcance normal. postes de concretos reforçados com aço, cujo reforço não é acessível. Massas que não possam ser agarradas ou que não possam estabelecer contato significativo (parafusos, pinos), desde que a ligação à proteção seja difícil.

49 Supletiva Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A proteção supletiva (contra contatos indiretos) é garantida pela adoção de medidas de: equipotencialização. seccionamento automático da alimentação. isolação suplementar. separação elétrica. Pode se omitir proteção supletiva em: suportes metálicos de isoladores, se não estiverem dentro da zona de alcance normal. postes de concretos reforçados com aço, cujo reforço não é acessível. Massas que não possam ser agarradas ou que não possam estabelecer contato significativo (parafusos, pinos), desde que a ligação à proteção seja difícil.

50 Supletiva Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A proteção supletiva (contra contatos indiretos) é garantida pela adoção de medidas de: equipotencialização. seccionamento automático da alimentação. isolação suplementar. separação elétrica. Pode se omitir proteção supletiva em: suportes metálicos de isoladores, se não estiverem dentro da zona de alcance normal. postes de concretos reforçados com aço, cujo reforço não é acessível. Massas que não possam ser agarradas ou que não possam estabelecer contato significativo (parafusos, pinos), desde que a ligação à proteção seja difícil.

51 Supletiva Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A proteção supletiva (contra contatos indiretos) é garantida pela adoção de medidas de: equipotencialização. seccionamento automático da alimentação. isolação suplementar. separação elétrica. Pode se omitir proteção supletiva em: suportes metálicos de isoladores, se não estiverem dentro da zona de alcance normal. postes de concretos reforçados com aço, cujo reforço não é acessível. Massas que não possam ser agarradas ou que não possam estabelecer contato significativo (parafusos, pinos), desde que a ligação à proteção seja difícil.

52 Supletiva Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A proteção supletiva (contra contatos indiretos) é garantida pela adoção de medidas de: equipotencialização. seccionamento automático da alimentação. isolação suplementar. separação elétrica. Pode se omitir proteção supletiva em: suportes metálicos de isoladores, se não estiverem dentro da zona de alcance normal. postes de concretos reforçados com aço, cujo reforço não é acessível. Massas que não possam ser agarradas ou que não possam estabelecer contato significativo (parafusos, pinos), desde que a ligação à proteção seja difícil.

53 Supletiva Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A proteção supletiva (contra contatos indiretos) é garantida pela adoção de medidas de: equipotencialização. seccionamento automático da alimentação. isolação suplementar. separação elétrica. Pode se omitir proteção supletiva em: suportes metálicos de isoladores, se não estiverem dentro da zona de alcance normal. postes de concretos reforçados com aço, cujo reforço não é acessível. Massas que não possam ser agarradas ou que não possam estabelecer contato significativo (parafusos, pinos), desde que a ligação à proteção seja difícil.

54 Supletiva Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A proteção supletiva (contra contatos indiretos) é garantida pela adoção de medidas de: equipotencialização. seccionamento automático da alimentação. isolação suplementar. separação elétrica. Pode se omitir proteção supletiva em: suportes metálicos de isoladores, se não estiverem dentro da zona de alcance normal. postes de concretos reforçados com aço, cujo reforço não é acessível. Massas que não possam ser agarradas ou que não possam estabelecer contato significativo (parafusos, pinos), desde que a ligação à proteção seja difícil.

55 Supletiva Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A proteção supletiva (contra contatos indiretos) é garantida pela adoção de medidas de: equipotencialização. seccionamento automático da alimentação. isolação suplementar. separação elétrica. Pode se omitir proteção supletiva em: suportes metálicos de isoladores, se não estiverem dentro da zona de alcance normal. postes de concretos reforçados com aço, cujo reforço não é acessível. Massas que não possam ser agarradas ou que não possam estabelecer contato significativo (parafusos, pinos), desde que a ligação à proteção seja difícil.

56 Supletiva Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A proteção supletiva (contra contatos indiretos) é garantida pela adoção de medidas de: equipotencialização. seccionamento automático da alimentação. isolação suplementar. separação elétrica. Pode se omitir proteção supletiva em: suportes metálicos de isoladores, se não estiverem dentro da zona de alcance normal. postes de concretos reforçados com aço, cujo reforço não é acessível. Massas que não possam ser agarradas ou que não possam estabelecer contato significativo (parafusos, pinos), desde que a ligação à proteção seja difícil.

57 Proteções Ativa e Passiva Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A NBR 5410/2004 estabelece métodos de proteção contra contatos diretos e/ou indiretos, que são divididos em grupos: 1 Passiva: consiste em limitar a corrente que pode atravessar o corpo humano ou em impedir o acesso de pessoas as partes vivas. Não levam em conta a interrupção de circuitos. 2 Ativa: consiste na utilização de métodos e dispositivos que proporcionam o seccionamento automático de um circuito, sempre que houver faltas que possam trazer perigo para o operador ou usuário. As medidas de proteçao por seccionamento não dependem da qualidade da instalação. Deve ocorrer quando houver uma falta para terra, impedindo que essa situação cause perigo para as pessoas.

58 Proteções Ativa e Passiva Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A NBR 5410/2004 estabelece métodos de proteção contra contatos diretos e/ou indiretos, que são divididos em grupos: 1 Passiva: consiste em limitar a corrente que pode atravessar o corpo humano ou em impedir o acesso de pessoas as partes vivas. Não levam em conta a interrupção de circuitos. 2 Ativa: consiste na utilização de métodos e dispositivos que proporcionam o seccionamento automático de um circuito, sempre que houver faltas que possam trazer perigo para o operador ou usuário. As medidas de proteçao por seccionamento não dependem da qualidade da instalação. Deve ocorrer quando houver uma falta para terra, impedindo que essa situação cause perigo para as pessoas.

59 Proteções Ativa e Passiva Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A NBR 5410/2004 estabelece métodos de proteção contra contatos diretos e/ou indiretos, que são divididos em grupos: 1 Passiva: consiste em limitar a corrente que pode atravessar o corpo humano ou em impedir o acesso de pessoas as partes vivas. Não levam em conta a interrupção de circuitos. 2 Ativa: consiste na utilização de métodos e dispositivos que proporcionam o seccionamento automático de um circuito, sempre que houver faltas que possam trazer perigo para o operador ou usuário. As medidas de proteçao por seccionamento não dependem da qualidade da instalação. Deve ocorrer quando houver uma falta para terra, impedindo que essa situação cause perigo para as pessoas.

60 Proteções Ativa e Passiva Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A NBR 5410/2004 estabelece métodos de proteção contra contatos diretos e/ou indiretos, que são divididos em grupos: 1 Passiva: consiste em limitar a corrente que pode atravessar o corpo humano ou em impedir o acesso de pessoas as partes vivas. Não levam em conta a interrupção de circuitos. 2 Ativa: consiste na utilização de métodos e dispositivos que proporcionam o seccionamento automático de um circuito, sempre que houver faltas que possam trazer perigo para o operador ou usuário. As medidas de proteçao por seccionamento não dependem da qualidade da instalação. Deve ocorrer quando houver uma falta para terra, impedindo que essa situação cause perigo para as pessoas.

61 Corrente Elétrica Fundamentos da proteção

62 influências externas Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A seleção das medidas de proteção deve levar em consideração (influências externas): Competências das pessoas (BA). Resistência elétrica do corpo humano (BB). Contato das pessoas com o potencial da terra (BC). As medidas de proteção são empregadas para três situações distintas: Situação 1: Encontrada em locais residênciais, comerciais e industrias (parte de deposito, locais de produção, etc.) Situação 2: Encontrada em áreas externas (jardins, canteiros de obras, campings, volume 1 de banheiros, etc). Situação 3: Encontrada principalmente no volume 0 de banheiros e piscinas.

63 influências externas Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A seleção das medidas de proteção deve levar em consideração (influências externas): Competências das pessoas (BA). Resistência elétrica do corpo humano (BB). Contato das pessoas com o potencial da terra (BC). As medidas de proteção são empregadas para três situações distintas: Situação 1: Encontrada em locais residênciais, comerciais e industrias (parte de deposito, locais de produção, etc.) Situação 2: Encontrada em áreas externas (jardins, canteiros de obras, campings, volume 1 de banheiros, etc). Situação 3: Encontrada principalmente no volume 0 de banheiros e piscinas.

64 influências externas Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A seleção das medidas de proteção deve levar em consideração (influências externas): Competências das pessoas (BA). Resistência elétrica do corpo humano (BB). Contato das pessoas com o potencial da terra (BC). As medidas de proteção são empregadas para três situações distintas: Situação 1: Encontrada em locais residênciais, comerciais e industrias (parte de deposito, locais de produção, etc.) Situação 2: Encontrada em áreas externas (jardins, canteiros de obras, campings, volume 1 de banheiros, etc). Situação 3: Encontrada principalmente no volume 0 de banheiros e piscinas.

65 influências externas Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A seleção das medidas de proteção deve levar em consideração (influências externas): Competências das pessoas (BA). Resistência elétrica do corpo humano (BB). Contato das pessoas com o potencial da terra (BC). As medidas de proteção são empregadas para três situações distintas: Situação 1: Encontrada em locais residênciais, comerciais e industrias (parte de deposito, locais de produção, etc.) Situação 2: Encontrada em áreas externas (jardins, canteiros de obras, campings, volume 1 de banheiros, etc). Situação 3: Encontrada principalmente no volume 0 de banheiros e piscinas.

66 influências externas Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A seleção das medidas de proteção deve levar em consideração (influências externas): Competências das pessoas (BA). Resistência elétrica do corpo humano (BB). Contato das pessoas com o potencial da terra (BC). As medidas de proteção são empregadas para três situações distintas: Situação 1: Encontrada em locais residênciais, comerciais e industrias (parte de deposito, locais de produção, etc.) Situação 2: Encontrada em áreas externas (jardins, canteiros de obras, campings, volume 1 de banheiros, etc). Situação 3: Encontrada principalmente no volume 0 de banheiros e piscinas.

67 influências externas Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A seleção das medidas de proteção deve levar em consideração (influências externas): Competências das pessoas (BA). Resistência elétrica do corpo humano (BB). Contato das pessoas com o potencial da terra (BC). As medidas de proteção são empregadas para três situações distintas: Situação 1: Encontrada em locais residênciais, comerciais e industrias (parte de deposito, locais de produção, etc.) Situação 2: Encontrada em áreas externas (jardins, canteiros de obras, campings, volume 1 de banheiros, etc). Situação 3: Encontrada principalmente no volume 0 de banheiros e piscinas.

68 influências externas Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A seleção das medidas de proteção deve levar em consideração (influências externas): Competências das pessoas (BA). Resistência elétrica do corpo humano (BB). Contato das pessoas com o potencial da terra (BC). As medidas de proteção são empregadas para três situações distintas: Situação 1: Encontrada em locais residênciais, comerciais e industrias (parte de deposito, locais de produção, etc.) Situação 2: Encontrada em áreas externas (jardins, canteiros de obras, campings, volume 1 de banheiros, etc). Situação 3: Encontrada principalmente no volume 0 de banheiros e piscinas.

69 influências externas Corrente Elétrica Fundamentos da proteção A seleção das medidas de proteção deve levar em consideração (influências externas): Competências das pessoas (BA). Resistência elétrica do corpo humano (BB). Contato das pessoas com o potencial da terra (BC). As medidas de proteção são empregadas para três situações distintas: Situação 1: Encontrada em locais residênciais, comerciais e industrias (parte de deposito, locais de produção, etc.) Situação 2: Encontrada em áreas externas (jardins, canteiros de obras, campings, volume 1 de banheiros, etc). Situação 3: Encontrada principalmente no volume 0 de banheiros e piscinas.

70 Corrente Elétrica Fundamentos da proteção

71 Corrente Elétrica Fundamentos da proteção Tensão de contato limite Valor mais alto de tensão permitido de ocorrer no caso de falta de impedância desprezível. Natureza da corrente situação 1 Situação 2 Situação 3 Alternada, Hz Contínua Tabela: Valores de tensão de contato limite

72 Tópicos Sumário Eletrodos de Componentes do aterramento 1 Contra Choques Elétricos A Corrente Elétrica no Corpo Humano Fundamentos da proteção contra choques elétricos. 2 Eletrodos de Componentes do aterramento de proteção e equipontencialização 3 Esquemas da NBR 5410

73 Eletrodos de Componentes do aterramento Para o correto funcionamento dos sistemas de proteção é necessário o efetivo emprego do aterramento e da equipotencialização. : Ligação elétrica intencional e de baixa impedância com a terra (solo). Ligação equipotencial: ligação elétrica que coloca massas e elementos condutores praticamente no mesmo potencial. Elementos constituíntes do aterramento: 1 Solo: considerado como condutor por onde a corrente se dispersa. 2 Eletrodo de aterramento: Um condutor ou conjunto deles que faz a ligação da instalação com o solo. 3 Condutor de proteção: Fios ou cabos que ligam as massas ou BEP ao eletrodoto de aterramento.

74 Eletrodos de Componentes do aterramento Para o correto funcionamento dos sistemas de proteção é necessário o efetivo emprego do aterramento e da equipotencialização. : Ligação elétrica intencional e de baixa impedância com a terra (solo). Ligação equipotencial: ligação elétrica que coloca massas e elementos condutores praticamente no mesmo potencial. Elementos constituíntes do aterramento: 1 Solo: considerado como condutor por onde a corrente se dispersa. 2 Eletrodo de aterramento: Um condutor ou conjunto deles que faz a ligação da instalação com o solo. 3 Condutor de proteção: Fios ou cabos que ligam as massas ou BEP ao eletrodoto de aterramento.

75 Eletrodos de Componentes do aterramento Para o correto funcionamento dos sistemas de proteção é necessário o efetivo emprego do aterramento e da equipotencialização. : Ligação elétrica intencional e de baixa impedância com a terra (solo). Ligação equipotencial: ligação elétrica que coloca massas e elementos condutores praticamente no mesmo potencial. Elementos constituíntes do aterramento: 1 Solo: considerado como condutor por onde a corrente se dispersa. 2 Eletrodo de aterramento: Um condutor ou conjunto deles que faz a ligação da instalação com o solo. 3 Condutor de proteção: Fios ou cabos que ligam as massas ou BEP ao eletrodoto de aterramento.

76 Eletrodos de Componentes do aterramento Para o correto funcionamento dos sistemas de proteção é necessário o efetivo emprego do aterramento e da equipotencialização. : Ligação elétrica intencional e de baixa impedância com a terra (solo). Ligação equipotencial: ligação elétrica que coloca massas e elementos condutores praticamente no mesmo potencial. Elementos constituíntes do aterramento: 1 Solo: considerado como condutor por onde a corrente se dispersa. 2 Eletrodo de aterramento: Um condutor ou conjunto deles que faz a ligação da instalação com o solo. 3 Condutor de proteção: Fios ou cabos que ligam as massas ou BEP ao eletrodoto de aterramento.

77 Eletrodos de Componentes do aterramento Para o correto funcionamento dos sistemas de proteção é necessário o efetivo emprego do aterramento e da equipotencialização. : Ligação elétrica intencional e de baixa impedância com a terra (solo). Ligação equipotencial: ligação elétrica que coloca massas e elementos condutores praticamente no mesmo potencial. Elementos constituíntes do aterramento: 1 Solo: considerado como condutor por onde a corrente se dispersa. 2 Eletrodo de aterramento: Um condutor ou conjunto deles que faz a ligação da instalação com o solo. 3 Condutor de proteção: Fios ou cabos que ligam as massas ou BEP ao eletrodoto de aterramento.

78 Eletrodos de Componentes do aterramento Para o correto funcionamento dos sistemas de proteção é necessário o efetivo emprego do aterramento e da equipotencialização. : Ligação elétrica intencional e de baixa impedância com a terra (solo). Ligação equipotencial: ligação elétrica que coloca massas e elementos condutores praticamente no mesmo potencial. Elementos constituíntes do aterramento: 1 Solo: considerado como condutor por onde a corrente se dispersa. 2 Eletrodo de aterramento: Um condutor ou conjunto deles que faz a ligação da instalação com o solo. 3 Condutor de proteção: Fios ou cabos que ligam as massas ou BEP ao eletrodoto de aterramento.

79 Eletrodos de Componentes do aterramento Para o correto funcionamento dos sistemas de proteção é necessário o efetivo emprego do aterramento e da equipotencialização. : Ligação elétrica intencional e de baixa impedância com a terra (solo). Ligação equipotencial: ligação elétrica que coloca massas e elementos condutores praticamente no mesmo potencial. Elementos constituíntes do aterramento: 1 Solo: considerado como condutor por onde a corrente se dispersa. 2 Eletrodo de aterramento: Um condutor ou conjunto deles que faz a ligação da instalação com o solo. 3 Condutor de proteção: Fios ou cabos que ligam as massas ou BEP ao eletrodoto de aterramento.

80 Tipos de Eletrodos de Componentes do aterramento O aterramento é classificado segundo a forma de instalação e a forma de uso. Direto Ligação à terra feita utilzando apenas condutores. Indireto Ligação à terra feita utilizando resistores ou reatores. Funcional Tipo de aterramento necessário para o funcionamento correto da instalação elétrica. Tipo de aterramento necessário para evitar danos causados por falhas na instalação elétrica, visando a proteção contra contatos indiretos.

81 Eletrodos de Componentes do aterramento

82 Eletrodos de Eletrodos de Componentes do aterramento Um Eletrodo de ao ser percorrido por uma corrente I assumirá um potencial U T, em relação a um ponto distante de potencial zero. Assim define-se a resistência de aterramento como: R T = U T I U T é maior próximo a haste, diminuindo a medida que se afasta-se da mesma.

83 Eletrodos de Eletrodos de Componentes do aterramento Um Eletrodo de ao ser percorrido por uma corrente I assumirá um potencial U T, em relação a um ponto distante de potencial zero. Assim define-se a resistência de aterramento como: R T = U T I U T é maior próximo a haste, diminuindo a medida que se afasta-se da mesma.

84 Eletrodos de Componentes do aterramento

85 Eletrodos de Componentes do aterramento Eletrodos de aterramento Independentes

86 Eletrodos de Componentes do aterramento Tensões de Passo, de falta e de contato 1 Tensão de passo: (U P ) é definida como parte da tensão de um sistema de aterramento à qual pode ser submetida uma pessoa como os pés separados pela distância equivalente de um passo (considera-se 1,0 m).

87 Eletrodos de Componentes do aterramento Tensões de Passo, de falta e de contato 2 Tensão de Falta: (U F ) é a tensão que aparece entre uma massa e a haste de aterramento de referência. 3 tensão de contato: (U B ) é a tensão que pode aparecer entre duas partes ao mesmo tempo acessíveis, quando há falha de isolamento.

88 Tópicos Sumário Eletrodos de Componentes do aterramento 1 Contra Choques Elétricos A Corrente Elétrica no Corpo Humano Fundamentos da proteção contra choques elétricos. 2 Eletrodos de Componentes do aterramento de proteção e equipontencialização 3 Esquemas da NBR 5410

89 Eletrodos Independentes Eletrodos de Componentes do aterramento Define-se que eletrodos estão eletricamente independente, quando um deles é percorrido pela corrente máxima prevista e não gera uma variação de tensão nos demais maior que 50 V.

90 Eletrodos Independentes Eletrodos de Componentes do aterramento

91 Eletrodos Independentes Eletrodos de Componentes do aterramento Na prática, em geral, a distância de 5 vezes maior que a da maior dimensão do sistema de aterramento é necessária para se ter eletrodos independentes.

92 Eletrodos de Componentes do aterramento

93 Eletrodos de Componentes do aterramento

94

95 Sumário Eletrodos de Componentes do aterramento

96 Eletrodos de Componentes do aterramento em Armaduras de Estruturas de Concreto A utilização das ferragens de fundação de edificações como elementos naturais para o aterramento de instalações de baixa tensão e de sistemas de proteção de estruturas e edificçaões contra descargas atmosféricas diretas vem a ser uma técnica recomendada pelas normas NBR 5410/2004, 5419/2005 e de outros países.

97 Eletrodos de Componentes do aterramento em Armaduras de Estruturas de Concreto O uso da armaduras do concreto armado da edificação como elementos naturais do sistema de aterramento e de proteção contra descargas atmosféricas permite uma melhor distribuição da corrente do raio entre as colunas, com a consequente redução dos campos magnéticos no interior da estrutura, beneficiando, também, a equalização dos potenciais.

98 Eletrodos de Componentes do aterramento em Armaduras de Estruturas de Concreto Aspectos polêmicos O concreto é poroso e o processo de corrosão das ferragens, na maiorias das obras, começa a se manifestar com poucos anos de vida. O recobrimento dos pilares, em algumas ocasiões, não consegue proteger a ferragem contra os agentes agressivos. A norma de concreto armado não exige nenhum tipo de amarração entre as ferragens de pilares/pilares e pilares/lajes, ficando a critério do armador que está executando tal serviço. A tecnologia de estruturas e fundações civis tem sofrido muitas inovações, e é comum encontrar blocos de fundação sem ferragens e sem vigas baldrame. As estruturas de concreto protendido ou com cabos engraxados não possuem obrigatoriamente continuidade elétrica.

99 Eletrodos de Componentes do aterramento em Armaduras de Estruturas de Concreto Aspectos polêmicos O concreto é poroso e o processo de corrosão das ferragens, na maiorias das obras, começa a se manifestar com poucos anos de vida. O recobrimento dos pilares, em algumas ocasiões, não consegue proteger a ferragem contra os agentes agressivos. A norma de concreto armado não exige nenhum tipo de amarração entre as ferragens de pilares/pilares e pilares/lajes, ficando a critério do armador que está executando tal serviço. A tecnologia de estruturas e fundações civis tem sofrido muitas inovações, e é comum encontrar blocos de fundação sem ferragens e sem vigas baldrame. As estruturas de concreto protendido ou com cabos engraxados não possuem obrigatoriamente continuidade elétrica.

100 Eletrodos de Componentes do aterramento em Armaduras de Estruturas de Concreto Aspectos polêmicos O concreto é poroso e o processo de corrosão das ferragens, na maiorias das obras, começa a se manifestar com poucos anos de vida. O recobrimento dos pilares, em algumas ocasiões, não consegue proteger a ferragem contra os agentes agressivos. A norma de concreto armado não exige nenhum tipo de amarração entre as ferragens de pilares/pilares e pilares/lajes, ficando a critério do armador que está executando tal serviço. A tecnologia de estruturas e fundações civis tem sofrido muitas inovações, e é comum encontrar blocos de fundação sem ferragens e sem vigas baldrame. As estruturas de concreto protendido ou com cabos engraxados não possuem obrigatoriamente continuidade elétrica.

101 Eletrodos de Componentes do aterramento em Armaduras de Estruturas de Concreto Aspectos polêmicos O concreto é poroso e o processo de corrosão das ferragens, na maiorias das obras, começa a se manifestar com poucos anos de vida. O recobrimento dos pilares, em algumas ocasiões, não consegue proteger a ferragem contra os agentes agressivos. A norma de concreto armado não exige nenhum tipo de amarração entre as ferragens de pilares/pilares e pilares/lajes, ficando a critério do armador que está executando tal serviço. A tecnologia de estruturas e fundações civis tem sofrido muitas inovações, e é comum encontrar blocos de fundação sem ferragens e sem vigas baldrame. As estruturas de concreto protendido ou com cabos engraxados não possuem obrigatoriamente continuidade elétrica.

102 Eletrodos de Componentes do aterramento em Armaduras de Estruturas de Concreto Aspectos polêmicos O concreto é poroso e o processo de corrosão das ferragens, na maiorias das obras, começa a se manifestar com poucos anos de vida. O recobrimento dos pilares, em algumas ocasiões, não consegue proteger a ferragem contra os agentes agressivos. A norma de concreto armado não exige nenhum tipo de amarração entre as ferragens de pilares/pilares e pilares/lajes, ficando a critério do armador que está executando tal serviço. A tecnologia de estruturas e fundações civis tem sofrido muitas inovações, e é comum encontrar blocos de fundação sem ferragens e sem vigas baldrame. As estruturas de concreto protendido ou com cabos engraxados não possuem obrigatoriamente continuidade elétrica.

103 Testes de Continuidade Eletrodos de Componentes do aterramento Testes de continuidade deverão ser realizados nas estruturas novas ou nas edificações já existentes. Boa continuidade das ferrangens vem a ser valores de resistência abaixo de 1 Ω (idealmente < 0, 1 Ω).

104 Testes de Continuidade Eletrodos de Componentes do aterramento Testes de continuidade deverão ser realizados nas estruturas novas ou nas edificações já existentes. Boa continuidade das ferrangens vem a ser valores de resistência abaixo de 1 Ω (idealmente < 0, 1 Ω).

105 Tópicos Sumário Eletrodos de Componentes do aterramento 1 Contra Choques Elétricos A Corrente Elétrica no Corpo Humano Fundamentos da proteção contra choques elétricos. 2 Eletrodos de Componentes do aterramento de proteção e equipontencialização 3 Esquemas da NBR 5410

106 Eletrodos de Componentes do aterramento Componentes do aterramento de proteção e equipotencialização As medidas de proteção contra choques elétricos, de acordo com a NBR5410, obrigatórias em qualquer tipo de edificação, baseiam-se na equipotencialidade das massas e dos elementos condutores estranhos à instalação. O Barramento de equipotencialização principal (BEP) é o coração do sistema, geralmente é na forma de barra. O condutor de aterramento liga o BEP ao eletrodo de aterramento. O(s) condutor(es) de equipotencialidade(s) principal(is) liga(m) ao barramento de equipotencialização principal as canalizações metálicas de água, gás, aquecimento, ar-condicionado, cabos de telecomunicação. Os condutores de descida de pára-raios devem ser ligados diretamente aos eletrodos de aterramento. Os condutores de proteção principais são os condutores de proteção que estão diretamente ligados ao barramento de equipotencialização principal.

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO

NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO Prof. Pedro Armando da Silva Jr. Engenheiro Eletricista, Dr. pedroarmando@ifsc.edu.br DESENERGIZAÇÃO A desenergização é um conjunto de ações coordenadas, sequenciadas

Leia mais

Esquemas de Aterramento. Sérgio Ferreira de Paula Silva

Esquemas de Aterramento. Sérgio Ferreira de Paula Silva Esquemas de Aterramento 1 Aterramento O aterramento é a ligação de um equipamento ou de um sistema à terra, por motivos de proteção ou por exigência quanto ao funcionamento do mesmo. Aterramento de proteção:

Leia mais

Conceitos básicos sobre aterramentos

Conceitos básicos sobre aterramentos Conceitos básicos sobre aterramentos (Estudo Técnico 2: Aterramento de cercas e currais.) José Osvaldo S. Paulino 1 Aspecto físico de aterramento industrial PROGRAMA: Conceitos básicos sobre aterramento.

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

Riscos Elétricos. Numa instalação elétrica, e numa perspetiva da segurança, o quadro elétrico é um elemento que assume grande relevância.

Riscos Elétricos. Numa instalação elétrica, e numa perspetiva da segurança, o quadro elétrico é um elemento que assume grande relevância. 1) Introdução Tal como acontece com outras formas de energia, a eletricidade apresenta riscos e pode causar acidentes cujas consequências podem resultar em danos pessoais, materiais ou ambos. Os danos

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO SECCIONAMENTO AUTOMÁTICO DA ALIMENTAÇÃO Prof. Marcos Fergütz Março/2014 O CHOQUE ELÉTRICO OCORRE POR Fonte: www.google.com.br/imagem Fonte: SIEMENS Efeitos do Choque Elétrico

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS Referência: Projeto: Data: MD-SPDA CER - BRASIL OUTUBRO/2013 SUMÁRIO 1 GENERALIDADES 2 DESCRIÇÃO DO PROJETO 3

Leia mais

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez Segurança Elétrica em Ambiente Hospitalar Prof. Ernesto F. F. Ramírez Choque Elétrico Intensidade da corrente circulação de corrente elétrica através do organismo humano Percurso da corrente Duração do

Leia mais

Segurança com a eletricidade

Segurança com a eletricidade Exper. 1 Segurança com a eletricidade Objetivo Levar o aluno a conhecer alguns riscos da eletricidade e a se preocupar com a prevenção de acidentes elétricos em seu ambiente de trabalho. Conscientizar

Leia mais

Choque Elétrico Efeitos da corrente elétrica. Medidas de Prevenção. O que é um choque elétrico? Choque elétrico é a perturbação que ocorre no organismo humano quando percorrido por uma corrente elétrica.

Leia mais

Instalações elétricas provisórias na construção civil

Instalações elétricas provisórias na construção civil Instalações elétricas provisórias na construção civil São Paulo, 12 de agosto de 2014 NBR-5410 NR-18 10.1. Objetivo e campo de aplicação 10.2. Medidas de controle 10.3. Segurança no projeto 10.4. Segurança

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

Professor João Luiz Cesarino Ferreira

Professor João Luiz Cesarino Ferreira Exercícios 1º Lei de Ohm e Potência elétrica 1º) 2º) 3º) Um fio com uma resistência de 6,0Ω é esticado de tal forma que seu comprimento se torna três vezes maior que o original. Determine a resistência

Leia mais

Manual de proteção de cercas e currais contra raios

Manual de proteção de cercas e currais contra raios Manual de proteção de cercas e currais contra raios Nem sempre é bom quando a eletricidade chega ao campo. Previna-se contra prejuízos causados por raios na sua criação. A Belgo Bekaert Arames te ajuda

Leia mais

Proteção contra. choques elétricos e incêndios. Proteção contra. choques elétricos e incêndios

Proteção contra. choques elétricos e incêndios. Proteção contra. choques elétricos e incêndios Proteção contra choques elétricos e incêndios Proteção contra choques elétricos e incêndios Fabricado no Brasil Dispositivos D Proteção contra correntes de fuga à terra em instalações elétricas de baixa

Leia mais

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar Minidisjuntores MBW Correntes nominais de 2 a 70 A Curvas de disparo B e C Versões monopolar, bipolar, tripolar e tetrapolar Interruptores Diferenciais Residuais DRs RBW Sensibilidade de ou 0mA Correntes

Leia mais

O Site da Eletrônica Aterramento

O Site da Eletrônica Aterramento O Site da Eletrônica Aterramento 1 - Generalidades As características e a eficácia dos aterramentos devem satisfazer às prescrições de segurança das pessoas e funcionais da instalação. O valor da resistência

Leia mais

Exercícios de Física Lei de Ohm

Exercícios de Física Lei de Ohm Questão 01 - A intensidade da corrente i, e a resistência R do circuito abaixo valem: diminuindo o valor da resistência elétrica do corpo. A lei de Ohm afirma que: 5 A 1 A 250 Ω 100 Ω R i a) Mantida constante

Leia mais

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Workshop Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Distúrbios em sistemas elétricos Surto Surtos elétricos Incidência de Descargas Atmosféricas na região sudeste, sul, Mato Grosso e Goiás (em milhões)

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

CLASSES DE ISOLAMENTO EM QUADROS ELÉTRICOS

CLASSES DE ISOLAMENTO EM QUADROS ELÉTRICOS COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA - CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios CLASSES DE ISOLAMENTO EM QUADROS ELÉTRICOS Respostas a perguntas frequentes Dezembro 2012 Índice de perguntas

Leia mais

VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO

VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO Inspeção visual e documentação............................................................284 Ensaios de campo em instalações...........................................................285

Leia mais

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 A segurança sempre está em pauta em nossas vidas e com a eletricidade não deve ser diferente. Durante a utilização normal das instalações elétricas

Leia mais

Primeira Lei de Ohm. Podemos dizer que a resistência elétrica deste circuito é de: a) 2,0 m b) 0,2 c) 0,5 d) 2,0 k e) 0,5 k

Primeira Lei de Ohm. Podemos dizer que a resistência elétrica deste circuito é de: a) 2,0 m b) 0,2 c) 0,5 d) 2,0 k e) 0,5 k Primeira Lei de Ohm 1. (Pucrj 2013) O gráfico abaixo apresenta a medida da variação de potencial em função da corrente que passa em um circuito elétrico. Podemos dizer que a resistência elétrica deste

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

Dispositivos de proteção contra choques elétricos e esquemas de aterramento

Dispositivos de proteção contra choques elétricos e esquemas de aterramento Dispositivos de proteção contra choques elétricos e esquemas de aterramento Dispositivos de proteção contra choques elétricos e Esquemas de aterramento 1 Norma técnica...03 1.1 ABNT...03 1.2 Avaliação

Leia mais

É uma perturbação acidental que se manifesta no organismo humano, quando percorrido por uma corrente elétrica.

É uma perturbação acidental que se manifesta no organismo humano, quando percorrido por uma corrente elétrica. CHOQUE ELÉTRICO É uma perturbação acidental que se manifesta no organismo humano, quando percorrido por uma corrente elétrica. A RESISTÊNCIA DO CORPO HUMANO INTERNA Ri2 200 Ω Ri3 100 Ω Ri1 200 Ω Rit 500

Leia mais

Montagem de SPDA e Aterramento

Montagem de SPDA e Aterramento Executamos obras com uma equipe especializada e experiente, qualificada na área de sistem as de SPDA e aterramento. O SPDA e o aterramento é de fundamental importância para a proteção de pessoas e de sistemas

Leia mais

NBR 5419 : 2005 Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas. Eng. Antonio Carlos Mori

NBR 5419 : 2005 Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas. Eng. Antonio Carlos Mori NBR 5419 : 2005 Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas Eng. Antonio Carlos Mori NÍVEL I NÍVEIS DE PROTEÇÃO Estruturas nas quais uma falha do sistema de proteção pode causar: a) Interrupção

Leia mais

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA NBR5410 As instalações elétricas devem ser concebidas e construídas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 41/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 41/2011 Instrução Técnica nº 41/2011 - Inspeção visual em instalações elétricas de baixa tensão 757 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas e Telefônicas Prof. Dorival Rosa Brito 1

Projeto de Instalações Elétricas e Telefônicas Prof. Dorival Rosa Brito 1 ATERRAMENTO Por que aterrar? Liga-se à terra para proteger edificações e pessoas contra descargas atmosféricas e cargas eletrostáticas geradas em instalações de grande porte. Em instalações elétricas,

Leia mais

Manual de proteção contra raios DPS STAL ENGENHARIA ELÉTRICA. Saiba como proteger você, seus aparelhos eletroeletrônicos e o seu imóvel.

Manual de proteção contra raios DPS STAL ENGENHARIA ELÉTRICA. Saiba como proteger você, seus aparelhos eletroeletrônicos e o seu imóvel. Manual de proteção contra raios DPS Saiba como proteger você, seus aparelhos eletroeletrônicos e o seu imóvel. Nuvens carregadas e muita chuva em todo o pais A posição geográfica situa o Brasil entre os

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

Í NDICE. 1. O que é um aterramento elétrico? 2. Os objetivos do aterramento do sistema. 3. Por que deve-se preferir os sistemas aterrados?

Í NDICE. 1. O que é um aterramento elétrico? 2. Os objetivos do aterramento do sistema. 3. Por que deve-se preferir os sistemas aterrados? Í NDICE 1. O que é um aterramento elétrico? 2. Os objetivos do aterramento do sistema 3. Por que deve-se preferir os sistemas aterrados? 4. Funções básicas dos sistemas de aterramento 5. Alguns conceitos

Leia mais

O SPDA Estrutural é uma solução tecnológica aperfeiçoada pela Termotécnica Para-raios, com o intuito de oferecer além de segurança, ganho estético

O SPDA Estrutural é uma solução tecnológica aperfeiçoada pela Termotécnica Para-raios, com o intuito de oferecer além de segurança, ganho estético O SPDA Estrutural é uma solução tecnológica aperfeiçoada pela Termotécnica Para-raios, com o intuito de oferecer além de segurança, ganho estético para as fachadas das edificações e redução de custos,

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

Proteção Contra Sobretensões ( NBR 5410)

Proteção Contra Sobretensões ( NBR 5410) Proteção Contra Sobretensões ( NBR 5410) Na NBR 5410, norma que regulamenta as instalações elétricas de baixa tensão, a primeira menção ao tema das sobretensões aparece no item 1.3.4 - Proteção contra

Leia mais

sorayachristiane@globo.com

sorayachristiane@globo.com sorayachristiane@globo.com 1 CABEAMENTO ESTRUTURADO INTERNACIONAIS EIA/TIA 568 B - Sistemas de Cabeamento para Edificios Comerciais. EIA/TIA 569 A - Adequações e Estruturas Internas para Cabeamento em

Leia mais

Critérios para selecção e Instalação de Equipamentos Eléctricos. Apresentado por Eng.º José Barão

Critérios para selecção e Instalação de Equipamentos Eléctricos. Apresentado por Eng.º José Barão Critérios para selecção e Instalação de Equipamentos Eléctricos Apresentado por Eng.º José Barão Resumo da Apresentação Características mais relevantes dos equipamentos eléctricos em função do local onde

Leia mais

Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança e dicas de instalações elétricas.

Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança e dicas de instalações elétricas. Artigos técnicos 02 Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança e dicas de instalações elétricas. Instalação elétrica defasada é foco de

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Eletricidade Instalações Elétricas Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 2 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Concessionária

Leia mais

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos:

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 5 Proteção e Coordenação de Instalações Industriais Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 1 Seletividade É a capacidade

Leia mais

SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DISCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA)

SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DISCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA) SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DISCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA) RAIO Os raios são produzidos por nuvens do tipo cumulu-nimbus e se formam por um complexo processo interno de atrito entre partículas carregadas.

Leia mais

SAIU A NOVA NORMA NBR 5419 PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS O QUE MUDOU?

SAIU A NOVA NORMA NBR 5419 PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS O QUE MUDOU? ART489-07 - CD 262-07 - PÁG.: 1 SAIU A NOVA NORMA NBR 5419 PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS O QUE MUDOU? Ângelo Stano Júnior* João Roberto Cogo** * GSI - Engenharia e Comércio LTDA.

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 16 Proteção Contra Choques Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Terminologia à respeito do assunto Esquemas de aterramento

Leia mais

CAPÍTULO IV SISTEMA DE PROTEÇÃO

CAPÍTULO IV SISTEMA DE PROTEÇÃO CAPÍTULO IV SISTEMA DE PROTEÇÃO PROFESSOR: SÉRGIO QUEIROZ DE ALMEIDA 1 CAPÍTULO IV SISTEMA DE PROTEÇÃO 4.1 PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS - CONCEITOS Um Sistemas de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA)

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: SPDA Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. CARACTERÍSTICAS DA EDIFICAÇÃO... 03 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 03 3. ENQUADRAMENTO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 041/2010 EM REVISÃO Inspeção Visual em Instalações Elétricas de Baixa

Leia mais

DESENERGIZAÇÃO. Seccionamento. Impedimento de reenergização. Constatação da ausência de tensão

DESENERGIZAÇÃO. Seccionamento. Impedimento de reenergização. Constatação da ausência de tensão DESENERGIZAÇÃO A desenergização é um conjunto de ações coordenadas, seqüenciadas e controladas, destinadas a garantir a efetiva ausência de tensão no circuito, trecho ou ponto de trabalho, durante todo

Leia mais

Possibilidades de corrente através do corpo humano

Possibilidades de corrente através do corpo humano 1 Medidas de proteção em instalações elétricas Existe sempre o perigo de vida se o homem conectar em uma instalação elétrica, por intermédio de sua própria pessoa, 2 pontos submetidos a tensões diferentes,

Leia mais

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Prof. Eng. José Ferreira Neto ALLPAI Engenharia Out/14 Parte 1 -Conceitos O Sistema Elétrico e as Subestações Efeitos Elétricos

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA NA GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA

NORMAS DE SEGURANÇA NA GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA NORMAS DE SEGURANÇA NA GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA Eng. Edson Martinho Universolambda.com.br 1 Edson Martinho Engenheiro Eletricista (pós Mkt / Docência) Diretor executivo ABRACOPEL Diretor Técnico Portal

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Novas Normas NBR IEC 61643-1 - Dispositivos de proteção contra surtos em baixa tensão - Parte 1: Dispositivos de proteção conectados a sistemas de

Leia mais

Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança

Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança P R O F. C L O D O M I R O U N S I H U A Y V I L A, D R. E N G E N H A R I A E L É T R I C A U F P R C E N T R A I S E L É T R I C A S

Leia mais

LINHA Bt200. Conjunto de Manobra e Controle de Baixa Tensão. Bt200

LINHA Bt200. Conjunto de Manobra e Controle de Baixa Tensão. Bt200 LINHA LINHA CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS Dimensões Altura: 2400mm., Largura: 600/700/800mm., Profundidade: 600/800mm. Outras configurações conforme consulta; Estrutura fabricada em chapa de 2,65mm. (12MSG),

Leia mais

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO ELETRIFICADOR DE CERCA EC- rural MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO Esta página foi intencionalmente deixada em branco. CUIDADOS NA INSTALAÇÃO

Leia mais

OBJETIVO: IDENTIFICAR AS EXIGÊNCIAS DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA) FEITAS PELO REFERIDOS SISTEMAS.

OBJETIVO: IDENTIFICAR AS EXIGÊNCIAS DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA) FEITAS PELO REFERIDOS SISTEMAS. SUBSECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SERVIÇOS TÉCNICOS CEPrevI - 2012 Instrutor: Maj BM Polito OBJETIVO: IDENTIFICAR AS EXIGÊNCIAS

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento 30 Capítulo VIII Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Parte 3: Método da queda de potencial com injeção de alta corrente e ensaios em instalações energizadas Jobson Modena e

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ INSPEÇÕES INTERNAS. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ INSPEÇÕES INTERNAS. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009 ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ INSPEÇÕES INTERNAS João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2009 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação,

Leia mais

Lista de Exercícios de Física II Lei de Ohm - circuitos Prof: Tadeu Turma: 3 Ano do Ensino Médio Data: 16/07/2009

Lista de Exercícios de Física II Lei de Ohm - circuitos Prof: Tadeu Turma: 3 Ano do Ensino Médio Data: 16/07/2009 Lista de Exercícios de Física II Lei de Ohm - circuitos Prof: Tadeu Turma: 3 Ano do Ensino Médio Data: 16/07/2009 1ª Questão) Num circuito elétrico, dois resistores, cujas resistências são R 1 e R 2, com

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta *

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta * 40 Capítulo VI Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta * A ABNT NBR 15749, denominada Medição de resistência de aterramento e de potenciais na superfície

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 41/2011 Inspeção visual em instalações elétricas de baixa tensão SUMÁRIO

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas.

Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas. Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas. NBR-5419 eletroalta montagens elétricas ltda Eng Glauber Maurin LEGISLAÇÃO: NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Leia mais

Seminários Técnicos 2003 Eletricistas e Técnicos. Módulo?? 4 B. elétrico e aterramento da instalação de baixa tensão.

Seminários Técnicos 2003 Eletricistas e Técnicos. Módulo?? 4 B. elétrico e aterramento da instalação de baixa tensão. Seminários Técnicos 2003 Eletricistas e Técnicos Módulo?? 4 B Dimensionamento Proteção contra os de efeitos instalação das elétrica correntes pela elétricas demanda do choque de consumo elétrico e aterramento

Leia mais

Podem-se destacar alguns equipamentos responsáveis pelo baixo fator de potência nas instalações elétricas:

Podem-se destacar alguns equipamentos responsáveis pelo baixo fator de potência nas instalações elétricas: 4. FATOR DE POTÊNCIA Um baixo fator de Potência pode vir a provocar sobrecarga em cabos e transformadores, aumento das perdas do sistema, aumento das quedas de tensão, e o aumento do desgaste em dispositivos

Leia mais

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de Capítulo 1: Eletricidade É um fenômeno físico originado por cargas elétricas estáticas ou em movimento e por sua interação. Quando uma carga encontra-se em repouso, produz força sobre outras situadas em

Leia mais

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE FUNCIONAMENTO DO CURSO O curso terá duração de 40 horas/aula, composto pelos seguintes módulos: MÓDULO h/a Entendimento da NR-10 4 Análise de Riscos 4 Prevenção Combate a Incêndio e Atmosfera Explosiva

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE Página1 NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE Página2 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 598, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004 O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO

Leia mais

PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. 1 Introdução

PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. 1 Introdução PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1 Introdução As instalações elétricas de baixa tensão são regidas no Brasil pela norma NBR 5410 (também conhecida por NB-3). Esta norma aplica-se às instalações

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica

ENCONTRO TÉCNICO Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica ENCONTRO TÉCNICO Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica Rodrigo Vieira Vaz Auditor-Fiscal do Trabalho Ministério do Trabalho e Emprego 16 Maio de 2013, Rio de Janeiro Consolidação das

Leia mais

Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica

Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica Rodrigo Vieira Vaz e Joaquim Gomes Pereira Ministério do Trabalho e Emprego 6 Junho de 2013, São Paulo Consolidação das Leis do Trabalho - CLT

Leia mais

COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios

COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios ESQUEMAS TIPO DE UNIDADES DE PRODUÇÃO PARA AUTOCONSUMO (UPAC) março 2015 A secção 712: Instalações Solares Fotovoltaicas

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

SOBRETENSÃO. saiba como se proteger

SOBRETENSÃO. saiba como se proteger SOBRETENSÃO saiba como se proteger O QUE É UMA DESCARGA ELÉTRICA? Descargas atmosféricas são relâmpagos que produzem uma quantidade extremamente grande de energia elétrica pulsada de milhares de ampères

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Instalações Elétricas de Baixa Tensão Porto Alegre, Maio de 2010 Revisão: B Esta Norma estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações

Leia mais

1. Se um resistor de cobre tiver o seu comprimento e o seu diâmetro duplicado, a resistência:

1. Se um resistor de cobre tiver o seu comprimento e o seu diâmetro duplicado, a resistência: Exercícios 01 1. Se um resistor de cobre tiver o seu comprimento e o seu diâmetro duplicado, a resistência: a) é multiplicada por quatro; b) permanece a mesma; c) é dividida por dois; d) é multiplicada

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM CANTEIROS DE OBRAS

PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM CANTEIROS DE OBRAS ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

Leia mais

CONDUTORES ELÉTRICOS

CONDUTORES ELÉTRICOS CONDUTORES ELÉTRICOS R = ρ l S ( Ω) Produto metálico, geralmente de forma cilíndrica, utilizada para transportar energia elétrica ou transmitir sinais elétricos. ρ cobre = 1,72 10-8 Ωm ρ alum = 2,80 10-8

Leia mais

Propriedades Rurais. O Gado Solto

Propriedades Rurais. O Gado Solto Propriedades Rurais - (RÁIOS) À medida que as propriedades rurais vão se modernizando, tomam-se mais sensíveis às descargas atmosféricas e, em muitas delas, as conseqüências podem ser até mais danosas

Leia mais

Avanços na revisão da norma ABNT NBR 5410

Avanços na revisão da norma ABNT NBR 5410 Avanços na revisão da norma ABNT NBR 5410 Eduardo Daniel MDJ Assessoria e Engenharia Consultiva Coordenador da CE 03:064-01 Instalações elétricas de baixa tensão ORIGEM ABNT - Associação Brasileira de

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ELETRICA

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ELETRICA ELETRICA A ME Engenharia tem como aliados profissionais altamente qualificados com anos de experiência em Engenharia de Eletricidade. Garantindo nossos projetos e manutenção com toda a proteção adequada

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA

LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA A complexidade de serviços subterrados, tais como cabos elétricas, condutas de água, cabos de telecomunicações, etc. aumenta cada vez

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos Eng. Valdemir Romero Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Segurança

Leia mais

- verificar a adequação de novos sistemas e a precisão dos seus projetos;. - detectar as alterações naturais ou provocadas em sistemas existentes;

- verificar a adequação de novos sistemas e a precisão dos seus projetos;. - detectar as alterações naturais ou provocadas em sistemas existentes; 1. OBJETIVO Estabelecer os procedimentos a serem seguidos nas medições das resistências de sistemas de aterramento instalados na rede de distribuição. Essas medições são necessárias para: - verificar a

Leia mais

AS NORMAS ABNT. ABNT NBR IEC 60335-2-76 Trata especificamente sobre equipamentos eletrificadores de cercas. Foi publicada em 03/12/2007

AS NORMAS ABNT. ABNT NBR IEC 60335-2-76 Trata especificamente sobre equipamentos eletrificadores de cercas. Foi publicada em 03/12/2007 AS NORMAS ABNT INTRODUÇÃO ABNT NBR IEC 60335-2-76 Trata especificamente sobre equipamentos eletrificadores de cercas. Foi publicada em 03/12/2007 NBR NM-IEC 335-1 Trata sobre a segurança de equipamentos

Leia mais

Mitos e verdades sobre a NR-10 na fabricação de painéis elétricos de baixa e média tensão

Mitos e verdades sobre a NR-10 na fabricação de painéis elétricos de baixa e média tensão Mitos e verdades sobre a NR-10 na fabricação de painéis elétricos de baixa e média tensão Por Nunziante Graziano A finalidade deste artigo é analisar se é possível responder a uma pergunta clássica: Esse

Leia mais

Instruções de segurança VEGAFLEX FX61/62/65/66/67.CI****H**** VEGAFLEX FX63.CI***H**** AEX-12064-X

Instruções de segurança VEGAFLEX FX61/62/65/66/67.CI****H**** VEGAFLEX FX63.CI***H**** AEX-12064-X Instruções de segurança VEGAFLEX FX61/62/65/66/67.CI****H**** VEGAFLEX FX63.CI***H**** AEX-12064-X BR-Ex ia IIC T6 0044 38674 Índice 1 Validade 3 2 Geral 3 2.1 Instrumentos da zona 0 3 2.2 Instrumentos

Leia mais

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores RESISTORES 1.Resistencia elétrica e Resistores Vimos que, quando se estabelece uma ddp entre os terminais de um condutor,o mesmo é percorrido por uma corrente elétrica. Agora pense bem, o que acontece

Leia mais

Acessórios Desconectáveis 200A

Acessórios Desconectáveis 200A 200A APLICAÇÃO Os Acessórios da Prysmian possuem uma concepção de projeto baseada no sistema plugue - tomada, porém para tensões, permitindo fácil conexão e desconexão de um cabo de potência, de um equipamento,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA BRASÍLIA - DF

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA BRASÍLIA - DF INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA - DF 1 - MEMORIAL DESCRITIVO 2 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

Aula 5 Infraestrutura Elétrica

Aula 5 Infraestrutura Elétrica Aula 5 Infraestrutura Elétrica Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Ruído Elétrico Os problemas de energia elétrica são as maiores causas de defeitos no hardware das redes de computadores e conseqüente

Leia mais

Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS)

Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Proteção 76 Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Zonas de proteção contra raios, características e aplicações do DPS do tipo I Por Sérgio Roberto Santos* Os Dispositivos de Proteção contra Surtos

Leia mais