CONTROLADOR DE TEMPERATURA / TEMPORIZADOR COM FUNÇÃO RAMPA E PATAMAR modelos K48 e K49 Manual de Instruções (Janeiro/2011)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTROLADOR DE TEMPERATURA / TEMPORIZADOR COM FUNÇÃO RAMPA E PATAMAR modelos K48 e K49 Manual de Instruções (Janeiro/2011)"

Transcrição

1 B rev. 1-1/11, pág. 1/ x 48 mm CONTROADOR DE TEMPERATURA / TEMPORIZADOR COM FUNÇÃO RAMPA E PATAMAR modelos K48 e K4 Manual de Instruções (Janeiro/211) Manual de Instruções - K48 e K4 1 / 48

2 ÍNDICE 1 - DIMENSÕES ESQUEMA EÉTRICO CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS... 5 Recomendamos que as instruções deste manual sejam lidas atentamente antes da instalação do instrumento, possibilitando sua adequada cfiguração e a perfeita utilização de suas funções. 4 - PROCEDIMENTO DE CONFIGURAÇÃO... 6 MAPA DE CONFIGURAÇÃO PARÂMETROS DE CONFIGURAÇÃO yout CONFIGURAÇÃO DAS SAÍDAS ya1 CONFIGURAÇÕES DO AARME ya2 CONFIGURAÇÕES DO AARME ya3 CONFIGURAÇÕES DO AARME yba CONFIGURAÇÕES DO AARME DE OOP BREAK yreg CONFIGURAÇÕES DO CONTROE ysp CONFIGURAÇÕES DO SET POINT ytin CONFIGURAÇÕES DO TEMPORIZADOR yprg CONFIGURAÇÃO DA FUNÇÃO RAMPA/PATAMAR ypan PARÂMETROS REATIVOS A INTERFACE DO USUÁRIO yser PARÂMETROS REATIVOS À COMUNICAÇÃO SERIA ycon CONFIGURAÇÕES DOS PARÂMETROS DE CONSUMO DE ENERGIA yca PARÂMETROS DE CAIBRAÇÃO NÍVEIS DE ACESSO MODO DE OPERAÇÃO MENSAGENS DE ERRO NOTAS GERAIS TABEA DE PARÂMETROS / 48 Manual de Instruções - K48 e K4

3 1 DIMENSÕES (mm) 2 ESQUEMA EÉTRICO REQUISITOS PARA INSTAAÇÃO Este instrumento foi projetado para uma instalação permanente, para uso em ambiente coberto e para mtagem em quadro elétrico que proteja a parte traseira do mesmo, incluindo o bloco de terminais e as cexões elétricas. Mte o instrumento em um quadro que possua as seguintes características: 1) Deve ser de fácil acesso. 2) Não deve ser submetido a vibrações ou impactos. 3) Não deve cter gases corrosivos. 4) Não deve haver presença de água ou outros fluidos (cdensado). 5) A temperatura ambiente deve estar entre e 5 C. 6) A umidade relativa do ar deve manter-se dentro da faixa de operação do instrumento (de 2 % a 85 %). O instrumento pode ser mtado em painel com espessura máxima de 15 mm. Para ter o máximo de proteção frtal (IP54) é necessário utilizar a guarnição de vedação NOTAS GERAIS PARA IGAÇÕES EÉTRICAS 1) Os cabos de sensores ligados na entrada do instrumento devem ficar distantes dos cabos de alimentação e de outros cabos de potência. 2) Ao utilizar cabo blindado, a malha deve ser aterrada somente de um lado. 3) Verifique a resistência da linha, pois uma resistência elevada pode causar erros medida ENTRADA DE TERMOPAR Resistência externa: máximo 1 Ω, erro máximo,5% do fundo da escala Junta fria: compensação automática de a Fig. 3 - Cexão do termopar 5 C. Precisão da junta fria:.1 C/ C após um pré-aquecimento maior que 2 minutos Impedância da entrada: > 1 MΩ. Calibração: de acordo com EN Para a ligação do termopar, utilize cabo compensado apropriado, preferencialmente blindado. Manual de Instruções - K48 e K4 3 / 48

4 2.4 - ENTRADA PARA SENSOR INFRAVERMEHO Resistência externa: cdição irrelevante Junta fria: compensação automática de a 5 C. Precisão da junta fria:.1 C/ C após um pré-aquecimento maior que 2 minutos Impedância da entrada: > 1 MΩ ENTRADA PARA TERMORESISTÊNCIA RTD (PT1) Circuito de entrada: Injeção de corrente (135 µa) Resistência da linha: compensação automática até 2 Ω/ tilizando fio, erro máximo ±,1% do fundo de escala. Calibração: de acordo com EN 6751/A2. A resistência dos três fios devem ser iguais ENTRADA PARA SINA INEAR (mv) Impedância da entrada: > 1 MΩ. Precisão: ±,5% do fundo da escala ±1 25 C ENTRADA PARA SINA INEAR (ma)* Impedância da entrada: < 51Ω. Precisão: ±,5% do fundo da escala ±1 25 C. Proteção: Não possui proteção ctra curto-circuito Fte de alimentação auxiliar interna: 1Vcc (± 1%), 2mA máximo. Fig. 8 - Cexão do sinal /4-2 ma de transdutor passivo, utilizando a fte aux. externa. * Csultar dispibilidade. Fig. 4 - Cexão do sensor infravermelho NOTA: Exergen, fabricante do sensor infravermelho. Fig. 5 - Cexão da termoresistência Fig. 6 - Cexão do sinal mv Fig. 7 - Cexão do sinal /4-2 ma de transdutor passivo, utilizando a fte auxiliar interna. Fig. - Cexão do sinal /4-2 ma de transdutor ativo ENTRADA DIGITA Notas de segurança: 1) Não passe os fios de lógica digital com cabos de força. 2) Utilizar ctato seco (livre de tensão) externo com capacidade para comutar,5 5 Vcc. 3) O tempo mínimo para o instrumento rechecer a mudança de estado da entrada digital é de 15 ms. 4) As entradas digitais não são isoladas das entradas de sensores. Uma isolação dupla ou reforçada entre as entradas digitais e a linha de força deve ser garantida por elementos externos. Figura SAÍDAS Notas de segurança: 1) Para evitar choques elétricos, só energize o instrumento depois de ter feito todas as cexões. 2) Os cabos de alimentação do instrumento devem ser de 16 AWG (1,3 mm 2 ) ou maiores, e suportar uma temperatura de trabalho acima de 75 C. 3) Utilize somente cabos de cobre. 4) As saídas SSR não são isoladas.uma isolação dupla ou reforçada deve ser prevista pelo SSR (Relés de estado sólido). a) Saída 1 (OUT1) OUT1: Características do relé Nível lógico : - 8 A / 25 V cos ϕ = 1 Vout <.5 V DC - 3 A / 25 V cos ϕ =,4 Nível lógico 1: nº de operações: 1 x V ± 2 1 ma 1 V ± 2 2 ma Figura 11 Esta saída não é isolada. O relé de estado sólido (chave estática) deve garantir a isolação entre a saída do instrumento e a linha de potência. 4 / 48 Manual de Instruções - K48 e K4

5 b) Saída 2 (OUT2) c) Saída 3 (OUT3) AIMENTAÇÃO Csumo máximo: 5 VA máx. Tensão de alimentação (especificar): 24 Vca/Vcc (±1%) ou 1 a 24 Vca/Vcc (±1%) OUT2: Características do relé - 8 A / 25 V cos ϕ = 1-3 A / 25 V cos ϕ =,4 nº de operações: 1 x 1 5 Figura 12 OUT3: Características do relé - 5 A / 25 V cos ϕ = 1-2 A / 25 V cos ϕ =,4 nº de operações: 1 x 1 5 Figura 13 Figura 14 Notas de segurança: 1) Antes de ligar o instrumento à rede, certifique-se que a tensão da linha de alimentação correspde à indicada na etiqueta de identificação do instrumento. 2) Para evitar choques elétricos, só energize o instrumento depois de ter feito todas as cexões. 3) Os cabos de alimentação do instrumento devem ser de 16 AWG (1,3 mm 2 ) ou maiores, e suportar uma temperatura de trabalho maior que 75 C. 4) Utilize somente cabos de cobre. 5) Para 24V AC/DC não é preciso polarizar. 6) A entrada de alimentação não é protegida por fusível. É necessário providenciar um fusível externo de 1A, 25V. Grau de proteção do bloco de terminais: IP 2 cforme EN67-1 Instalação: Mtagem em porta de painel Bloco de terminais: 12 terminais com parafusos rosca M3, para cabos de,25 a 2,5 mm 2 (22 AWG a 14 AWG). Dimensões: 48 x 48 mm, profundidade 8 mm Abertura do painel: 45 (- a +,5 mm) x 45 (- a +,5 mm) Peso: 18 g Alimentação: 24Vca/Vcc (±1% do valor nominal) ou 1 a 24 Vca/Vcc (±1% do valor nominal) Csumo máximo: 5 VA Tensão de isolação: 23 Vrms, de acordo com EN Display: K48-1 display, 4 dígitos e 12 mm de altura. K4-2 displays, 4 dígitos cada e 7 mm de altura. Tempo de atualização do display: 5 ms Tempo de amostragem: 13 ms Precisão total: ±,5% FE ± 1 dígito a 25 C (temperatura ambiente) Proteção: Watch Dog (hardware/software) para reset automático INFORMAÇÕES PARA PEDIDO 3 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Caixa: Plástico U4 V auto extinguível Grau de proteção do frtal: IP54 (utilizando guarnição de vedação) para ambientes fechados cforme EN67-1 Manual de Instruções - K48 e K4 5 / 48

6 4 - PROCEDIMENTO DE CONFIGURAÇÃO INTRODUÇÃO Quando o instrumento é energizado, ele inicia o ctrole de acordo com os valores cfigurados em sua memória. O funciamento e a performance do instrumento estão relaciados com o valor atual de todos os parâmetros. Na primeira alimentação do instrumento, será utilizada a cfiguração default (parâmetros de fábrica); esta cfiguração atende grande parte das aplicações (por exemplo, a entrada de sensor é cfigurada como tipo J). Se você quiser obter um funciamento específico (por exemplo, definir certo tipo de entrada, definir um alarme, etc) você tem que definir sua cfiguração. As ações necessárias para definir os valores dos parâmetros são denominadas Cfiguração dos parâmetros Níveis de acesso para alteração dos parâmetros e suas senhas O instrumento tem um cjunto completo de parâmetros chamado de Cfiguração dos parâmetros. O acesso aos parâmetros de cfiguração é protegido por uma senha cfigurável. Os parâmetros de cfiguração são divididos em grupos. Cada grupo engloba todos os parâmetros relaciados com uma função específica (Exemplo: ctrole, alarme, etc...). A sequência de grupos simplifica a cfiguração do instrumento. Observe que o instrumento mostrará apenas os parâmetros relaciados com o hardware específico e de acordo com o valor atribuído aos parâmetros anteriores (por exemplo, se uma saída for cfigurada como não utilizada, o instrumento irá escder todos os outros parâmetros relaciados com esta saída) FUNCIONAMENTO DO CONTROADOR NA AIMENTAÇÃO Ao ligar o instrumento, o mesmo pode começar em um dos seguintes modos, dependendo da sua cfiguração: Modo Automático sem a função de rampa e patamar K48/K4: o display superior mostrará o valor medido. K4: o display inferior mostrará o valor Set Point. O pto decimal do dígito menos significativo do display inferior fica apagado. O instrumento vai realizar o ctrole padrão em malha fechada. Modo Manual (OPO) K48/K4: o display superior mostrará o valor medido. K4: o display inferior mostrará alternadamente a potência de saída e a mensagem OPO. O instrumento não realiza o ctrole automático. O ctrole da saída é igual a % e pode ser alterado manualmente através das teclas ou.. Modo Stand by (St.bY) O display mostrará alternadamente o valor medido e a mensagem St.bY St.bY ou od od. O instrumento não realiza qualquer ctrole (as saídas de ctrole são desligadas). O instrumento funcia como um indicador. Modo Automático com início da função rampa e patamar na energização do instrumento K48/K4: o display superior mostrará o valor medido. K4: o display inferior mostrará uma das seguintes informações: O Set Point ativo (quando ele está realizando uma rampa). O tempo do segmento em curso (quando é realizando um patamar). O valor do Set Point alternando com a mensagem St.bY St.bY. Em todos os casos, o pto decimal do dígito menos significativo do display inferior fica aceso. Definimos todas as cdições descritas acima como Visualização normal COMO ENTRAR NO MODO DE CONFIGURAÇÃO 1) Pressie a tecla por 3 segundos. O display mostrará o parâmetro PASS PASS. 2) Utilizar as teclas ou para definir a senha cfigurada. NOTAS: a) A senha padrão de fábrica para cfiguração dos parâmetros é 3. b) Toda modificação de parâmetro é protegida por um tempo de espera. Se nenhuma tecla for pressiada por 1 segundos, o instrumento 6 / 48 Manual de Instruções - K48 e K4

7 volta automaticamente para visualização normal, o novo valor do último parâmetro seleciado é perdido e a modificação da cfiguração é encerrada. Quando você quiser remover o tempo de espera (por exemplo, para a primeira cfiguração de um instrumento) pode utilizar uma senha igual a 1 + a senha cfigurada (por exemplo, [padrão de fábrica] = 13). É sempre possível sair manualmente da cfiguração dos parâmetros (veja o item 4.4). c) Durante a modificação dos parâmetros, o instrumento ctinua o ctrole do processo. Em certas cdições, a alteração da cfiguração pode produzir uma variação brusca no processo, a possibilidade de parar o ctrole pode ser necessária. Neste caso, utilize uma senha igual a 2 + o valor programado (por exemplo, = 23). O ctrole irá reiniciar automaticamente quando a cfiguração for finalizada. 3) Pressie a tecla Se a senha for correta o display mostrará o primeiro grupo de parâmetros. Em outras palavras, o display mostrará yinp. O instrumento estará no modo de cfiguração COMO SAIR DO MODO DE CONFIGURAÇÃO Pressie a tecla por 5 segundos. O ctrolador volta para visualização normal FUNÇÃO DAS TECAS DURANTE A CONFIGURAÇÃO DOS PARÂMETROS Tecla : Um pulso rápido permite sair do grupo de parâmetros atual, e seleciar um novo grupo de parâmetros. Um pulso lgo permite sair da cfiguração dos parâmetros (o instrumento voltar para o visualização normal ). Tecla : Quando o display está mostrando um grupo de parâmetros, a tecla permite entrar no grupo. Quando o display está mostrando um parâmetro, a tecla permite entrar no parâmetro. Quando o valor do parâmetro já tiver sido alterado, a tecla cfirma a alteração e imediatamente avança para o próximo parâmetro do grupo. Quando o display está mostrando um parâmetro e o valor deste parâmetro, um pulso na tecla permite memorizar o valor seleciado, e pular para o próximo parâmetro do mesmo grupo. Tecla : permite o incremento do valor dos parâmetros seleciados. Tecla : permite o decremento do valor dos parâmetros seleciados. Tecla + : Permite voltar ao grupo ou parâmetro anterior. Faça o seguinte: Pressie a tecla e mantenha pressiada, e em seguida pressie a tecla, então as solte. NOTA: A seleção do grupo de parâmetros é cíclica, bem como a seleção dos parâmetros no grupo PROCEDIMENTO PARA CONFIGURAR OS PARÂMETROS COM OS VAORES DE FÁBRICA Algumas vezes, por exemplo, quando você cfigura um instrumento anteriormente utilizado em outras aplicações, ou que outras pessoas utilizaram, ou quando você cometeu muitos erros durante a cfiguração e você decidiu recfigurar o instrumento, é indicado cfigurar os parâmetros com os valores de fábrica. Este recurso permite que você coloque o instrumento em uma cdição inicial checida. Quando você desejar cfigurar os parâmetros com os valores de fábrica, siga o procedimento a seguir: 1) Pressie a tecla por 5 segundos 2) O display mostrará PASS PASS. 3) Com as teclas ou, defina o valor ) Pressie a tecla. 5) O instrumento irá desligar todos os ED por alguns segundos, depois será indicado det det (default) e em seguida, todos os ED ficarão ligados por 2 segundos. O instrumento irá reiniciar com os parâmetros de fábrica. O procedimento está completo. NOTA: A lista completa de parâmetros com os valores de fábrica está dispível no item 23 (Tabela de parâmetros). Manual de Instruções - K48 e K4 7 / 48

8 SET POINT 1 SP 1 PV SV 25 1 SENHA DE ACESSO PASS 3 PRG K4 AT-ST Pressiar por 3 segundos OUT 1 OUT 2 OUT 3 Pressiar por 5 segundos Tipo da Entrada página 1 Pto decimal página 1 imite inf. da escala página 1 imite sup. da escala página 1 ENTRADA SAÍDAS AARME 1 AARME 2 AARME 3 OOP-BREAK yinp yout ya1 ya2 ya3 yba SEnS J + Função saída Out1 página 13 Alarmes da saída1 (Out1) página 13 Ação da saída1 (Out1) página 13 Função saída2 (Out2) página 14 oif H.REG + Tipo do alarme 1 página 15 Função do alarme 1 página 16 Alarme inferior página 17 Alarme superior página 17 A1t oab Tipo do alarme 2 página 18 Função do alarme 2 página 18 Alarme inferior página 18 Alarme superior página 18 A2t HiAb Tipo do alarme 3 página 1 Função do alarme 3 página 1 Alarme inferior página 1 Alarme superior página 1 A3t ne Tempo da função ba página 2 Alarme ba Soft-Start página 2 Alarme ba oop-break página 2 Cdição hab. alarme página 2 bat off DP o1.a Ab1 Ab2 Ab3 bst SSc o1ac A1 A2 A3 bas x dir x x x FSc o2f A1H A2H A3H bca A both Ctinua MODO DE FUNCIONAMENTO oper Auto Set Point Set Point ativo SP 1 SPAt SP1 Pressiar por 3 segundos Unidade de temperatura página 1 Filtro digital página 11 Ação da saída (erro) página 11 Potência da saída (erro) página 11 Fun. Entrada digital 1 página 11 Fun. Entrada digital 2 página 12 Alarmes da saída2 (Out2) página 14 unit o2.a A1 o C 1 Ação da saída2 (Out2) página 14 Função saída3 (Out3) página 14 Alarmes da saída3 (Out3) página 14 Ação da saída3 (Out3) página 15 Valor do alarme 1 página 17 Histerese do alarme 1 página 17 Alarme 1 com retardo página 17 Alarme 1 Stand-by página 17 Valor do alarme 2 página 18 Histerese do alarme 2 página 18 Alarme 2 com retardo página 18 Alarme 2 Stand-by página 1 Valor do alarme 3 página Fi o2ac HA1 1. dir 1 Histerese do alarme 3 página ine o3f A1d our A off Alarme 3 com retardo página ope o3.a A1o 2 no difi off o3ac dir A2 HA2 1 A2d off A2o no Alarme 3 Stand-by página 2 A3 HA3 1 A3d off dif2 off Obs.: Para mudar o valor dos parâmetros, pressie a tecla ou. Para sair do modo de cfiguração, pressie a tecla por 5 segundos. A3o no 8 / 48 Manual de Instruções - K48 e K4

9 Manual de Instruções - K48 e K4 / 48

10 5 PARÂMETROS DE CONFIGURAÇÃO Nas páginas seguintes são descritos todos os parâmetros do instrumento. No entanto, o instrumento exibirá apenas os parâmetros relativos à opção do hardware solicitado e de acordo com a cfiguração dos parâmetros anteriores (por exemplo, se o parâmetro A1t A1t [tipo do alarme 1] for cfigurado com o valor ne ne [não utilizado], todos os parâmetros relativos ao alarme 1 não aparecem (ficam ocultos) yinp CONFIGURAÇÃO DO SINA DE ENTRADA PARÂMETRO SEnS TIPO DA ENTRADA J = TC J ( a 1 C/ 32 a 1832 F) cra = TC K ( a 137 C/ 32 a 248 F) S = TC S ( a 176 C/ 32 a 32 F) r = TC R ( a 176 C/ 32 a 32 F) t = TC T ( a 4 C/ 32 a 752 F) ir.j = Exergen IRS J ( a 1 C/ 32 a 1832 F) ir.ca = Exergen IRS K ( a 137 C/ 32 a 248 F) Pt1 = RTD Pt 1 (-2 a 85 C/-328 a 1562 F).5 = a 5 mv linear 6.6 = a 6 mv linear 12.6 = 12 a 6 mv linear - Se for seleciado pto decimal para entrada de termopar, o valor máximo de indicação no display é. C ou. F. - Cada alteração no parâmetro SEnS causará a mudança automática nos valores dos parâmetros: dp = ES. = -1 ES.H = PARÂMETRO dp PONTO DECIMA Faixa de ajuste: a 3 Selecia a resolução do display. Caso a opção seja a programação com indicação decimal, verificar o valor de todos os parâmetros do instrumento, pois esta programação afeta vários deles PARÂMETRO SSc IMITE INFERIOR DA ESCAA Dispível: quando o parâmetro SEnS SEnS for programado para entrada linear. Faixa de ajuste: de 1 a Permite definir o limite inferior da escala, quando o instrumento mede o menor valor da entrada de sinal analógico. O instrumento irá indicar valores até 5% abaixo do limite fixado no parâmetro SSc SSc, e somente quando a indicação estiver abaixo de 5%, será indicada no display a mensagem de erro de limite inferior da escala (underrange). É possível cfigurar o limite inferior de escala para indicar o fim da escala, e desta forma, obter uma indicação invertida no display. Exemplo: ma = mbar e 2 ma = -1 mbar (vazio) PARÂMETRO FSc IMITE SUPERIOR DA ESCAA Dispível: quando o parâmetro SEnS SEnS for programado para entrada linear. Faixa de ajuste: de 1 a Permite definir o limite superior da escala, quando o instrumento mede o maior valor da entrada do sinal analógico. O instrumento irá indicar valores até 5% acima do limite fixado no parâmetro FSc FSc, e somente quando a indicação estiver acima de 5%, será indicada no display a mensagem de erro de limite da escala (overrange). É possível cfigurar o limite superior de escala para indicar o início da escala, e desta forma, obter uma indicação invertida no display. Exemplo: ma = mbar e 2 ma = -1 mbar (vazio) PARÂMETRO unit UNIDADE DE TEMPERATURA Dispível: quando o parâmetro SEnS SEnS for programado para entrada de sensor de temperatura. C = Celsius ou F = Fahrenheit 1 / 48 Manual de Instruções - K48 e K4

11 5.7 - PARÂMETRO Fi FITRO DIGITA Faixa de ajuste: off (sem filtro) e de.1 a 2. s Este é um filtro digital de primeira ordem que interfere no valor de leitura. Por esse motivo irá afetar no valor medido, no ctrole e no funciamento dos alarmes PARÂMETRO ine AÇÃO DA SAÍDA DE CONTROE NO CASO DE ERRO DE MEDIDA our = quando é detectado um alarme de overrange ou underrange, a saída de ctrole fornece a potência cfigurada no parâmetro ope. or = quando é detectado um alarme de overrange, a saída de ctrole fornece a potência cfigurada no parâmetro ope. Ur = quando é detectado um alarme de underrange, a saída de ctrole fornece a potência cfigurada no parâmetro ope PARÂMETRO ope POTÊNCIA DE SAÍDA NO CASO DE ERRO DE MEDIDA Faixa de ajuste: -1 a 1 %. Quando o instrumento é programado somente com um tipo de ctrole (aquecimento ou refrigeração), e o valor programado está fora da faixa, o instrumento irá utilizar a potência de saída igual a zero. Exemplo: O instrumento está programado com lógica de ctrole para aquecimento e o parâmetro OPE foi cfigurado com o valor 5 % (potência para refrigerar), o instrumento irá utilizar a potência zero. Quando o instrumento for cfigurado com a lógica de ctrole ON/OFF, o tempo de ciclo (saída de ctrole) utilizado é fixo em 2 segundos PARÂMETRO dif1 FUNÇÃO DA ENTRADA DIGITA 1 Dispível: quando o instrumento possui entrada digital. off = Função desativada. 1 = Ao fechar o ctato da entrada digital, o alarme memorizado é resetado. 2 = Ao fechar o ctato da entrada digital, o alarme ativo é silenciado. 3 = Ao fechar o ctato da entrada digital, o valor medido é cgelado. 4 = Ao fechar o ctato da entrada digital, o instrumento fica em modo de standy by, e ao abrir o ctato, o instrumento retorna para o modo de funciamento normal. 5 = Fechando o ctato da entrada digital, o ctrole é de refrigeração e o Set Point ativo é o SP2. Quando o ctato for aberto, o ctrole é de aquecimento e o Set Point ativo é o SP1. 6 = Inicia/cgela/reset. O primeiro pulso inicia a temporização e o segundo pulso cgela a temporização. Para resetar a temporização, é necessário um pulso maior que 1 segundos. 7 = Ao fechar o ctato da entrada digital é iniciado a temporização. 8 = Ao fechar o ctato da entrada digital o temporizador é resetado. = Ao fechar o ctato da entrada digital, a temporização é iniciada, e ao abrir o ctato, a temporização é cgelada. 1 = Executa Programa [transição] O primeiro pulso permite iniciar a execução programa, mas um segundo pulso reinicia a execução do programa. 11 = Reseta o Programa. O fechamento do ctato permite resetar a execução do programa. 12 = Pausa a execução do Programa. O primeiro fechamento do ctato pausa a execução do programa, e o segundo fechamento do ctato permite ctinuar a execução do programa. 13 = Executa/Pausa o Programa. Enquanto a entrada estiver fechada, o programa é executado. Quando a entrada for aberta, o programa será pausado. 14 = Executa/Reseta Programa. Enquanto a entrada estiver fechada, o programa é executado. Quando a entrada for aberta, o programa será resetado. 15 = Instrumento no modo Manual (Ctrole em malha aberta). Enquanto a entrada estiver fechada, o ctrole fica no modo manual. Quando a entrada estiver aberta, o ctrole fica no modo automático. 16 = Seleção sequencial do Set Point (ver Nota sobre as entradas digitais ) 17 = Seleção do SP1/SP2 SP2. Enquanto a entrada estiver fechada, é seleciado como ativo o Set Point 2, e quando a entrada for aberta é seleciado como ativo o Set Point = Seleção binária do Set Point feita pela entrada digital 1 (bit menos significativo) e entrada digital 2 (bit mais significativo). Manual de Instruções - K48 e K4 11 / 48

12 1 = A entrada digital 1 irá funciar em paralelo com a tecla enquanto que a entrada digital 2 irá trabalhar em paralelo com a tecla PARÂMETRO DiF2 FUNÇÃO DA ENTRADA DIGITA 2 Dispível: quando o instrumento possui entrada digital. off = Função desativada. 1 = Ao fechar o ctato da entrada digital, o alarme memorizado é resetado. 2 = Ao fechar o ctato da entrada digital, o alarme ativo é silenciado. 3 = Ao fechar o ctato da entrada digital, o valor medido é cgelado. 4 = Ao fechar o ctato da entrada digital, o instrumento fica em modo de standy by, e ao abrir o ctato, o instrumento retorna para o modo de funciamento normal. 5 = Fechando o ctato da entrada digital, o ctrole é de refrigeração e o Set Point ativo é o SP2. Quando o ctato for aberto, o ctrole é de aquecimento e o Set Point ativo é o SP1. 6 = Inicia/cgela/Reset. O primeiro pulso inicia a temporização e o segundo pulso cgela a temporização. Para resetar a temporização, é necessário um pulso maior que 1 segundos. 7 = Ao fechar o ctato da entrada digital é iniciado a temporização. 8 = Ao fechar o ctato da entrada digital o temporizador é resetado. = Ao fechar o ctato da entrada digital, a temporização é iniciada, e ao abrir o ctato, a temporização é cgelada. 1 = Executa Programa [transição] O primeiro pulso permite iniciar a execução programa, mas um segundo pulso reinicia a execução do programa. 11 = Reseta o Programa. O fechamento do ctato permite resetar a execução do programa. 12 = Pausa a execução do Programa. O primeiro fechamento do ctato pausa a execução do programa, e o segundo fechamento do ctato permite ctinuar a execução do programa. 13 = Executa/Pausa o Programa. Enquanto a entrada estiver fechada, o programa é executado. Quando a entrada for aberta, o programa será pausado. 14 = Executa/Reseta Programa. Enquanto a entrada estiver fechada, o programa é executado. Quando a entrada for aberta, o programa será resetado. 15 = Instrumento no modo Manual (Ctrole em malha aberta). Enquanto a entrada estiver fechada, o ctrole fica no modo manual. Quando a entrada estiver aberta, o ctrole fica no modo automático. 16 = Seleção sequencial do Set Point (ver Nota sobre as entradas digitais ). 17 = Seleção do SP1/SP2 SP2. Enquanto a entrada estiver fechada, é seleciado como ativo o Set Point 2, e quando a entrada for aberta é seleciado como ativo o Set Point = Seleção binária do Set Point feita pela entrada digital 1 (bit menos significativo) e entrada digital 2 (bit mais significativo). 1 = A entrada digital 1 irá funciar em paralelo com a tecla enquanto que a entrada digital 2 irá trabalhar em paralelo com a tecla. Nota sobre as entradas digitais 1) Quando dif1 ou dif2 (por exemplo, dif1) estão cfigurados como HE.Co, o instrumento funcia do seguinte modo: - Quando o ctato for aberto, o ctrole é de aquecimento e o Set Point ativo é o SP1. - Quando o ctato é fechado, o ctrole é de refrigeração e o Set Point ativo é o SP2. 2) Quando o parâmetro dif1 for cfigurado com valor 18 18, o parâmetro dif2 é cfigurado automaticamente com o mesmo valor e não pode executar outra função adicial. 3) Quando dif1 e dif2 estão cfigurados com valor 18 18, os Set Point ativos serão seleciado de acordo com a tabela abaixo: Entrada digital 1 Entrada digital 2 Set Point ativo Off Off Set Point 1 On Off Set Point 2 Off On Set Point 3 On On Set Point 4 4) Quando o parâmetro dif1 for cfigurado com valor 1, o parâmetro dif2 é cfigurado automaticamente com o mesmo valor e não pode executar outra função adicial. 5) Quando a seleção sequencial do Set Point for utilizada, a cada fechamento da entrada digital, será incrementado um dígito no parâmetro SPAT. A seleção é cíclica : 12 / 48 Manual de Instruções - K48 e K4

13 6 - yout CONFIGURAÇÃO DAS SAÍDAS PARÂMETRO o1f FUNÇÃO DA SAÍDA Out 1 ne = saída não utilizada. Com esta cfiguração, o estado da saída pode ser alterado a partir da comunicação serial H.rEG = saída de aquecimento c.reg = saída de refrigeração A = saída de alarme t.out = saída do temporizador t.hof = saída do temporizador (neste modo, quando a temporização for cgelada, a saída será desligada) P.End= indicador do final de programa P.Hd= indicador de programa parado P.uit = indicador de pausa do programa P.run = indicador de programa em execução P.Et1= programa evento 1 P.Et2= programa evento 2 or.bo = indicador de ruptura do sensor ou sinal de entrada fora da faixa dispível P.FA = indicador de falha na alimentação bo.pf = indicador de ruptura do sensor ou sinal de entrada fora da faixa dispível. Também indica falha na alimentação df1 = saída repete o estado da entrada digital 1 df2 = saída repete o estado da entrada digital 2 St.bY = indica que o instrumento está em modo espera (standy-by) Quando duas ou mais saídas estão cfiguradas da mesma forma, estas saídas funciarão em paralelo. O indicador de falha na alimentação será cancelado quando o instrumento detecta um comando de reset através da tecla, da entrada digital ou da comunicação serial. Se nenhuma saída for cfigurada como ctrole, o alarme relativo (se estiver presente) será forçado com valor ne. Manual de Instruções - K48 e K4 13 / PARÂMETRO o1.a AARMES ATUANDO NA SAÍDA 1 (OUT1) Dispível: quando o parâmetro o1f o1f está cfigurado como A A. Faixa de ajuste: a 15 com a seguinte regra: +1 = Alarme 1 +2 = Alarme 2 +4 = Alarme 3 +8 = Alarme de loop break Exemplo 1: Com o valor 3 (2+1), a saída será aciada pela cdição do alarme 1 e 2. Exemplo 2: Com o valor 13 (8+4+1), a saída será aciada pela cdição do alarme 1, alarme 3 e o alarme de loop break PARÂMETRO o1a 1Ac AÇÃO DA SAÍDA 1 (OUT1) Dispível: quando o parâmetro o1f o1f está cfigurado com o valor diferente de ne ne. dir = ação direta reu = ação reversa dir.r = ação direta com indicação do ED invertida reu.r = ação reversa com indicação do ED invertida - Ação direta: a saída repete a cdição do elemento de ctrole. Exemplo: a saída foi cfigurada como alarme com ação direta. Quando o alarme está ativo, o relé será energizado (lógica da saída 1). - Ação reversa: o estado da saída é o oposto da cdição do elemento de ctrole. Exemplo: a saída foi cfigurada como alarme com ação reversa. Quando o instrumento não estiver em alarme, o relé será energizado (lógica da saída 1). Esta definição é geralmente utilizada em processos perigosos, a fim de gerar um alarme quando o ctrolador está sem alimentação ou na ocorrência de um reset interno do ctrolador.

14 PARÂMETRO o2f FUNÇÃO DA SAÍDA 2 (OUT 2). ne = saída não utilizada. Com esta cfiguração, o estado da saída pode ser alterado a partir da comunicação serial H.rEG = saída de aquecimento c.reg = saída de refrigeração A = saída de alarme t.out = saída do temporizador t.hof = saída do temporizador (neste modo, quando a temporização for cgelada, a saída será desligada) P.End= indicador do final de programa P.Hd= indicador de programa parado P.uit = indicador de pausa do programa P.run = indicador de programa em execução P.Et1= programa evento 1 P.Et2= programa evento 2 or.bo = indicador de ruptura do sensor ou sinal de entrada fora da faixa dispível P.FA = indicador de falha na alimentação bo.pf = indicador de ruptura do sensor ou sinal de entrada fora da faixa dispível. Também indica falha na alimentação df1 = saída repete o estada da entrada digital 1 df2 = saída repete o estada da entrada digital 2 St.bY = indica que o instrumento está em stand-by Para mais detalhes, veja a nota do parâmetro o1f o1f PARÂMETRO o2.a AARMES ATUANDO NA SAÍDA 2 (OUT2) Dispível: quando o parâmetro o2f o2f está cfigurado com o valor A A. Faixa de ajuste: a 15 com a seguinte regra: +1 = Alarme 1 +2 = Alarme 2 +4 = Alarme 3 +8 = Alarme de loop break Para mais detalhes, veja as notas do parâmetro o1.a o1.a PARÂMETRO o2ac AÇÃO DA SAÍDA 2 (OUT2) Dispível: quando o parâmetro o2f o2f está cfigurado com o valor diferente de ne ne. dir = ação direta reu = ação reversa dir.r = ação direta com indicação do ED invertida reu.r = ação reversa com indicação do ED invertida Para mais detalhes, veja as notas do parâmetro o1ac o1ac PARÂMETRO o3f FUNÇÕES DA SAÍDA 3 (OUT3) ne = saída não utilizada. Com esta cfiguração, o estado da saída pode ser alterado a partir da comunicação serial H.rEG = saída de aquecimento c.reg = saída de refrigeração A = saída de alarme t.out = saída do temporizador t.hof = saída do temporizador (neste modo, quando a temporização for cgelada, a saída será desligada) P.End= indicador do final de programa P.Hd= indicador de programa parado P.uit = indicador de pausa do programa P.run = indicador de programa em execução P.Et1= programa evento 1 P.Et2= programa evento 2 or.bo = indicador de ruptura do sensor ou sinal de entrada fora da faixa dispível P.FA = indicador de falha na alimentação bo.pf = indicador de ruptura do sensor ou sinal de entrada fora da faixa dispível. Também indica falha na alimentação df1 = saída repete o estada da entrada digital 1 df2 = saída repete o estada da entrada digital 2 St.bY = indica que o instrumento está em stand-by Para mais detalhes, veja a nota do parâmetro o1f o1f. 14 / 48 Manual de Instruções - K48 e K4

CONTROLADORES DE TEMPERATURA

CONTROLADORES DE TEMPERATURA B14 421 27 rev. 2-3/12, pág. 1/52 421 6 x 48 mm 72 x 72 mm 48 x 48 mm CONTROADORES DE TEMPERATURA modelos UWK48, WK48, K48 e K4 Manual de Instruções (Março/212) Manual de Instruções - UWK48, WK48, K48

Leia mais

CONTROLADOR DE TEMPERATURA DIGITAL MICROPROCESSADO XMT-904L

CONTROLADOR DE TEMPERATURA DIGITAL MICROPROCESSADO XMT-904L CONTROLADOR DE TEMPERATURA DIGITAL MICROPROCESSADO XMT-94L 1-CARACTERISTICAS PRINCIPAIS Alimentação 1 ~24Vca. 2 Display LED de alto brilho de 4 dígitos cada. Multi-entrada : Termopar, termoresistência,

Leia mais

CONTROLADOR ELETRÔNICO DIGITAL MICROPROCESSADO modelo TLK48

CONTROLADOR ELETRÔNICO DIGITAL MICROPROCESSADO modelo TLK48 B14 4201 280 rev. 0-04/10, pág. 1/20 4201 48 x 48 mm CONTROLADOR ELETRÔNICO DIGITAL MICROPROCESSADO modelo TLK48 Manual de Instruções (Abril/2010) Manual de Instruções - TLK48 1 / 20 ÍNDICE 1 - DESCRIÇÃO

Leia mais

CONTROLADOR ELETRÔNICO DIGITAL MICROPROCESSADO modelo HW4200

CONTROLADOR ELETRÔNICO DIGITAL MICROPROCESSADO modelo HW4200 B14 4200 113 rev. 5-10/08, pág. 1/24 4200 14.140 48 x 48 mm CTROLADOR ELETRÔNICO DIGITAL MICROPROCESSADO modelo HW4200 Manual de Instruções (Outubro/2008) Manual de Instruções - HW4200 1 / 24 ÍNDICE 1

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES AOB508-G21 CONTROLADOR DE TEMPERATURA E PROCESSO IBRATEC

MANUAL DE INSTRUÇÕES AOB508-G21 CONTROLADOR DE TEMPERATURA E PROCESSO IBRATEC IBRATEC www.sibratec.ind.br MANUAL DE INSTRUÇÕES AOB508-G21 CONTROLADOR DE TEMPERATURA E PROCESSO 1 - INTRODUÇÃO O AOB508-G21 é um controlador digital de grandezas de alta precisão que pode ser utilizado

Leia mais

3.3 SENSOR DE TEMPERATURA Sensor de temperatura: * Termo-resistência PT100: -50,0 a 200,0ºC.

3.3 SENSOR DE TEMPERATURA Sensor de temperatura: * Termo-resistência PT100: -50,0 a 200,0ºC. . CARACTERÍSTICAS O MVH é um controlador de temperatura microcontrolado versátil, dispondo de controle de temperatura PID, com sintonia automática, controle on-off, modo manual ou automático, alarmes configuráveis

Leia mais

3.4 ENTRADA DIGITAL * 1 entrada digital, para acionamento do stand-by.

3.4 ENTRADA DIGITAL * 1 entrada digital, para acionamento do stand-by. . EECIFICAÇÕES. NÍVEL DE PROGRAMAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES CONTROLADOR DE TEMPERATURA MVHN - 0~0Vca - P7 VERSÃO. - JULHO/0. GERAIS * Sintonia automática dos parâmetros PID. * Display s a led s vermelhos

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204. Versão 1.XX / Rev.

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204. Versão 1.XX / Rev. Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204 Versão 1.XX / Rev. 1 Índice Item Página 1. Introdução...02 2. Características...02

Leia mais

Catálogo de Produtos. Qualidade, tecnologia e baixo custo

Catálogo de Produtos. Qualidade, tecnologia e baixo custo Catálogo de Produtos Qualidade, tecnologia e baixo custo Índice Temporizador Termostato Termostato e Temporizador Controlador para Refrigeração Painel Eletrônico de LED Fluoreled Contador Indicador Universal

Leia mais

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0.

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0. PCT6 plus CONTROLADOR DIGITAL DE PRESSÃO PARA CENTRAIS DE REFRIGERAÇÃO Ver. PCT6VT74. DESCRIÇÃO O PCT6 plus é um controlador de pressão para ser utilizado em centrais de refrigeração que necessitem de

Leia mais

REFRIGERADORES E FREEZERS HORIZONTAIS

REFRIGERADORES E FREEZERS HORIZONTAIS MANUAL DE INSTRUÇÕES REFRIGERADORES E FREEZERS HORIZONTAIS Leia atentamente este manual antes de utilizar o produto ALFATEC EQUIPAMENTO E SERVIÇOS LTDA Rua Gers Ferreira, 1A Ramos CEP: 100151 RJ Tel/Fax:

Leia mais

MI-0002completo.qxd 31/01/2006 10:29 Page 24. 16.DIAGRAMA DE LIGAÇÃO (GHM) GHM-10x

MI-0002completo.qxd 31/01/2006 10:29 Page 24. 16.DIAGRAMA DE LIGAÇÃO (GHM) GHM-10x MI-0002completo.qxd 31/01/2006 10:29 Page 24 16.DIAGRAMA DE LIGAÇÃO (GHM) GHM-10x GHM-11x 24 GHM-20x GHM-21x 1. INTRODUÇÃO A DIGIMEC apresenta ao mercado a sua mais nova linha de controladores de temperatura

Leia mais

Para entrar, premir a tecla SEL cerca de 1 segundo. Para sair, premir a tecla SEL cerca de 2 segundos, ou aguardar 30 segundos.

Para entrar, premir a tecla SEL cerca de 1 segundo. Para sair, premir a tecla SEL cerca de 2 segundos, ou aguardar 30 segundos. MANUAL DOS CONTROLADORES FUJI PXR Para entrar, premir a tecla SEL cerca de segundo. Para sair, premir a tecla SEL cerca de 2 segundos, ou aguardar 3 segundos..º BLOCO DE PARÂMETROS Símbolo parâmetro Parâmetro

Leia mais

Manual CNT30. CNT 30 Manual de Usuário

Manual CNT30. CNT 30 Manual de Usuário CNT 30 Manual de Usuário R 1 INDICE 1- Considerações Gerais 3 2- Características 3 3- Características Técnicas 3 4- Instalação 4 5- Elétrica 5 6- Painel de Operações 6 7- Display 7 8- Teclado 7 9- Parametrização

Leia mais

Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado ETC LCD

Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado ETC LCD Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado ETC LCD Versão 2.xx / Revisão 04 Índice Ítem Página 1. Introdução... 02 2. Características... 02 3. Especificações... 02 4. Instalação... 04 4.1.

Leia mais

Indicador Digital Processos MODO DE USO. Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional. ABB Automação.

Indicador Digital Processos MODO DE USO. Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional. ABB Automação. Indicador Digital Processos MODO DE USO Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional ABB Automação Hartmann & Braun Dados Técnicos (NRB5180) Entrada -mvdc: -Vdc -madc Alimentação

Leia mais

Soluções Globais em Sistemas de Pesagem. Indicador de pesagem WT1000-LED. Manual Técnico. Versão A12-03

Soluções Globais em Sistemas de Pesagem. Indicador de pesagem WT1000-LED. Manual Técnico. Versão A12-03 Soluções Globais em Sistemas de Pesagem Indicador de pesagem WT1000-LED Manual Técnico Versão A12-03 Obrigado por escolher a WEIGHTECH! Agora, além de adquirir um equipamento de excelente qualidade, você

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado TCM58. Versão:1.XX / Rev.

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado TCM58. Versão:1.XX / Rev. Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado TCM58 Versão:1.XX / Rev. 3 Índice Item Página 1. Introdução... 02 2. Características...

Leia mais

Leandro N.Alem 1351/53 -(1871)- Dock Sud Buenos Aires - Argentina T.E.:4201-5316 / 4222-9821 FAX:4222-9821 Web:www.ingecozs.com MANUAL DE OPERAÇÃO

Leandro N.Alem 1351/53 -(1871)- Dock Sud Buenos Aires - Argentina T.E.:4201-5316 / 4222-9821 FAX:4222-9821 Web:www.ingecozs.com MANUAL DE OPERAÇÃO Leandro N.Alem 1351/53 -(1871)- Dock Sud Buenos Aires - Argentina T.E.:4201-5316 / 4222-9821 FAX:4222-9821 Web:www.ingecozs.com MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE Especificações... 3 INSTALAÇÃO... 3 Operação...

Leia mais

Série Infrared IR32 UNIVERSAL (instalação e ajustes) Carel Sud America

Série Infrared IR32 UNIVERSAL (instalação e ajustes) Carel Sud America Série Infrared IR32 UNIVERSAL (instalação e ajustes) Carel Sud America 1 - Descrição do frontal dos instrumentos 1 Display: visualiza o valor do sensor coligado. Em caso de alarme o valor do sensor é visualizado

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03 1 Introdução: Os indicadores possuem uma entrada analógica configurável por software, que permite a conexão de diverstos tipos de sensores de temperatura e outras grandezas elétricas sem a necessidade

Leia mais

Temporizador NT240. TEMPORIZADOR PROGRAMÁVEL - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0x A INTRODUÇÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SAÍDAS DO TEMPORIZADOR

Temporizador NT240. TEMPORIZADOR PROGRAMÁVEL - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0x A INTRODUÇÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SAÍDAS DO TEMPORIZADOR TEMPORIZADOR PROGRAMÁVEL - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0x A INTRODUÇÃO O temporizador programável tem como função básica monitorar o tempo e acionar sua saída de acordo com programação previamente realizada

Leia mais

B14 9229 362 rev.0-10/12, pág. 1/20. 33 x 75 mm. modelo Y39U. Manual de Instruções (Outubro/2012) Manual de Instruções - Y39U 1 / 20

B14 9229 362 rev.0-10/12, pág. 1/20. 33 x 75 mm. modelo Y39U. Manual de Instruções (Outubro/2012) Manual de Instruções - Y39U 1 / 20 B14 9229 362 rev.0-10/12, pág. 1/20 33 x 75 mm 9229 Ctrolador ELETRÔNICO DIGITAL PARA CONTROLE DE UMIDADE e TEMPERATURA modelo Y39U Manual de Instruções (Outubro/2012) Manual de Instruções - Y39U 1 / 20

Leia mais

B17 7002 216 rev. 4-11/12, pág. 1/16 14.140. 48 x 48 mm. modelo HW7000. Manual de Instruções (Novembro/2012) Manual de Instruções - HW7000 1 / 24

B17 7002 216 rev. 4-11/12, pág. 1/16 14.140. 48 x 48 mm. modelo HW7000. Manual de Instruções (Novembro/2012) Manual de Instruções - HW7000 1 / 24 B17 7002 216 rev. 4-11/12, pág. 1/16 7002 14.140 48 x 48 mm INDICADOR eletrônico DIGITAL Microprocessado modelo HW7000 Manual de Instruções (Novembro/2012) Manual de Instruções - HW7000 1 / 24 ÍNDICE 1

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado C130. V.1.

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado C130. V.1. Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado C130 V.1.01 / Revisão 4 ÍNDICE Item Página 1. Introdução...01 2. Características...01

Leia mais

Controlador de Segurança para chamas de Gás

Controlador de Segurança para chamas de Gás Controlador de Segurança para chamas de Gás Para queimadores de gás atmosféricos de 2 estágios: Detecção de chamas: - Sonda de Ionização - Detector de Infra-vermelho IRD 1020 - Sensor de chamas Ultravioleta

Leia mais

MRH SENSOR DE TEMP. SAÍDA SAÍDA. MRH157R XXX - P226 Relé Relé Termopar J -50 a 760ºC. MRH258R XXX - P226 Relé Tensão Termopar J -50 a 760ºC

MRH SENSOR DE TEMP. SAÍDA SAÍDA. MRH157R XXX - P226 Relé Relé Termopar J -50 a 760ºC. MRH258R XXX - P226 Relé Tensão Termopar J -50 a 760ºC 2. APRESENTAÇÃO XXX Tensão de trabalho. MANUAL DE INSTRUÇÕES CONTROLADOR DE TEMPERATURA MRH157R - P226 MRH258R - P226 MRH259R - P226 MRH260R - P227 MRH261R - P227 MRH262R - P227 MRH263R - P228 MRH264R

Leia mais

Controlador Digital de Temperatura Manual do usuário - M4 (MTB48P/R/DN1/DN2) (MTB72/P/R/DN1) (MTB96/P/R/DN1)

Controlador Digital de Temperatura Manual do usuário - M4 (MTB48P/R/DN1/DN2) (MTB72/P/R/DN1) (MTB96/P/R/DN1) Produtos Réles de estado sólido monofásicos Padrão mundial D e a à mpéres Réles de estado sólido Trifásicos LTD e DVLTD à ampéres ontrolador Digital de Temperatura Manual do usuário - M (MTP/R/DN/DN) (MT/P/R/DN)

Leia mais

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006 SOLUTION Painel Convencional de Alarme de Incêndio TABELA DE CONTEÚDO Capitulo 1: Descrição do Produto... 2 1.1: Características...2 1.2: Especificações...2 Capitulo 2: Lógica de Detecção e Alarme de Incêndios...

Leia mais

2- Notas Importantes: 1- Características do modelo T-1604 V1.2. 3- Símbolos Utilizados 4- NAVEGAÇÃO

2- Notas Importantes: 1- Características do modelo T-1604 V1.2. 3- Símbolos Utilizados 4- NAVEGAÇÃO MV.3-20 Temporizador (Timer) Cíclico e Temporizador (Timer) Simples - Características do modelo T-604 V.2 Timer programável, com tempo mínimo de 0,0s (0ms) e máximo 99.999m (.666 horas ou 69 dias). Escalas

Leia mais

SHMD 1 2 3 17.INFORMAÇÕES PARA PEDIDOS. APARELHO TIPO FHMD Caixa 48 x 48 mm SHMD Caixa 72 x 72 mm VHMD Caixa 48 x 96 mm CHMD Caixa 96 x 96 mm

SHMD 1 2 3 17.INFORMAÇÕES PARA PEDIDOS. APARELHO TIPO FHMD Caixa 48 x 48 mm SHMD Caixa 72 x 72 mm VHMD Caixa 48 x 96 mm CHMD Caixa 96 x 96 mm 17.INFORMAÇÕES PARA PEDIDOS SHMD 1 2 3 APARELHO TIPO FHMD Caixa 48 x 48 mm SHMD Caixa 72 x 72 mm VHMD Caixa 48 x 96 mm CHMD Caixa 96 x 96 mm OPÇÕES PARA SAÍDA DE CONTROLE 1 Relé:C+NA+NF 2 24 Vcc / SSR

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 DESEMBALAGEM... 3 ESPECIFICAÇÕES... 4 CONEXÕES... 5

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 DESEMBALAGEM... 3 ESPECIFICAÇÕES... 4 CONEXÕES... 5 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 DESEMBALAGEM... 3 ESPECIFICAÇÕES... 4 CONEXÕES... 5 OPERAÇÃO... 7 LIGANDO O MEDIDOR... 8 REALIZANDO AS PRIMEIRAS MEDIDAS... 8 FUNÇÕES ESPECIAIS... 8 CONFIGURAÇÃO... 10 CICLO DE

Leia mais

Presys Instrumentos e Sistemas

Presys Instrumentos e Sistemas Versão Especial Controle da média de três entradas. Setpoint programável de 32 pontos ativado pela entrada digital. Alarme de fim de ciclo. Solicitante Responsável: Depto.: As informações contidas nesta

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES INDICADOR DIGITAL IDP204

MANUAL DE INSTRUÇÕES INDICADOR DIGITAL IDP204 MANUAL DE INSTRUÇÕES INDICADOR DIGITAL IDP204 VERSÃO WEB JUNHO/2008 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Display : Led vermelho de alto brilho (13 mm). Teclado : 4 teclas ( Menu,Entra,Sobe e Desce ) Configuração:

Leia mais

Duplo Indicador de Temperatura com Alarme T204i/2T0-AL HNI Cód. 90.506.0082

Duplo Indicador de Temperatura com Alarme T204i/2T0-AL HNI Cód. 90.506.0082 MANUAL DE OPERAÇÃO Duplo Indicador de Temperatura com Alarme T204i/2T0-AL HNI Cód. 90.506.0082 Programa Executivo: T204AP_2T0AL Modelos: 220VAC, 127VAC e 24VAC. 40.000.0181 Rev. A maio 2011. ÍNDICE 1.

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Temporizador Automático / Relógio Programador de Horário Para Acionamento Automático de Sirenes e Outros Equipamentos Código: AFKITPROG 2 O REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO REP O Relógio Acionador Automático

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Indicador Microprocessado ITM44. Versão: 1.xx / Rev.

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Indicador Microprocessado ITM44. Versão: 1.xx / Rev. Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Indicador Microprocessado ITM44 Versão: 1.xx / Rev. 03 ÍNDICE Item Página 1. Introdução... 02 2. Características... 02 3.

Leia mais

HM203 (Protocolo ModBus) INDICADOR / CONTROLADOR

HM203 (Protocolo ModBus) INDICADOR / CONTROLADOR 1/19 HM203 (Protocolo ModBus) INDICADOR / CONTROLADOR Introdução O HM203 é um indicador/controlador que recebe um sinal de 4 a 20 ma, tem uma saída analógica 4 a 20 ma, 4 saídas de relé, e pode ter uma

Leia mais

INDICADOR ELETRÔNICO DIGITAL MICROPROCESSADO modelo HW7000

INDICADOR ELETRÔNICO DIGITAL MICROPROCESSADO modelo HW7000 B17 7002 216 rev. 2-01/10, pág. 1/16 7002 14.140 48 x 48 mm INDICADOR ELETRÔNICO DIGITAL MICROPROCESSADO modelo HW7000 Manual de Instruções (Janeiro/2010) Manual de Instruções - HW7000 1 / 16 ÍNDICE 1

Leia mais

Conversor Exi para Termopar

Conversor Exi para Termopar Cversor Exi para Este instrumento é um cversor analógico com entrada intrinsecamente segura para termopares, instaladas em atmosferas potencialmente explosivas, livrando-as do risco explosão, quer por

Leia mais

INDICADOR MULTIPONTOS 16 CANAIS TM-4100CS

INDICADOR MULTIPONTOS 16 CANAIS TM-4100CS INDICADOR MULTIPONTOS 16 CANAIS TM-4100CS Introdução Obrigado por ter escolhido nosso INDICADOR MULTIPONTOS 16 CANAIS TM-4100CS. Para garantir o uso correto e eficiente do TM-4100CS, leia este manual completo

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE DIGITAL AC/DC TRUE RMS MODELO AD-7920

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE DIGITAL AC/DC TRUE RMS MODELO AD-7920 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE DIGITAL AC/DC TRUE RMS MODELO AD-7920 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...2

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado CCM44. Versão 0.xx / Rev.

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado CCM44. Versão 0.xx / Rev. Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado CCM44 Versão 0.xx / Rev. 03 Índice Ítem Página 1. Introdução... 02 2. Características...

Leia mais

Registradores Básicos

Registradores Básicos Registradores Básicos 1 PV Leitura Variável de Processo. -1999 a 9999 2 SV Escrita/Leitura Set Point de Controle in.l a in.h 3 MV Escrita/Leitura Potência de Saída. 0 a 1000 Automático -> Leitura Manual

Leia mais

manual do usuário d o s i m a x i n p l a c e rev.03

manual do usuário d o s i m a x i n p l a c e rev.03 manual do usuário d o s i m a x i n p l a c e 2 0 1 3 rev.03 manual do usuário d o s i m a x i n p l a c e 2 0 1 3 1. descrição 4 2. Configuração da Máquina 6 3. Calibração das bombas 9 4. Programação

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO IK-1000

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO IK-1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO IK-1000 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. Introdução...01 2. Regras de segurança...01

Leia mais

Soluções Globais em Sistemas de Pesagem. Indicador de pesagem WT1000-LED. Manual Técnico. Versão A12-03

Soluções Globais em Sistemas de Pesagem. Indicador de pesagem WT1000-LED. Manual Técnico. Versão A12-03 Soluções Globais em Sistemas de Pesagem Indicador de pesagem WT1000-LED Manual Técnico Versão A12-03 ÍNDICE 1 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS... 4 2 RECOMENDAÇÕES GERAIS... 4 3 FUNÇÕES DAS TECLAS... 5 4 OPERAÇÃO...

Leia mais

Agora, além de adquirir um equipamento de excelente qualidade, você contará

Agora, além de adquirir um equipamento de excelente qualidade, você contará Obrigado por escolher a LIBRACOM! Agora, além de adquirir um equipamento de excelente qualidade, você contará com uma equipe de suporte ágil, dinâmica e diferenciada para resolver todos os problemas que

Leia mais

Modo Execução. Modo Parametrizacão

Modo Execução. Modo Parametrizacão 1/7 Introdução O HM206 é um indicador para operar com comunicações RS485. O HM206 pode operar como escravo (slave) de rede fornecendo os dados ou operando comandado por outros sistemas ou como mestre (master)

Leia mais

BT QCC 1000 Quadro elétrico para câmaras frigoríficas até 3HP 220V2F

BT QCC 1000 Quadro elétrico para câmaras frigoríficas até 3HP 220V2F BTQCC1000v1_0.docx - Página 1 de 6 BT QCC 1000 Quadro elétrico para câmaras frigoríficas até 3HP 220V2F 1.0 Descrições gerais: BT QCC 1000 é amplamente usado para pequenas e médias câmaras frigoríficas,

Leia mais

CR20PW. Manual do Usuário

CR20PW. Manual do Usuário CR20PW Manual do Usuário R Índice Termostato eletrônico com saída controlada CR20PW... 3 Descrição Geral... 3 Características Técnicas... 3 Modo de Operação... 4 Programação... 4 Esquema de ligações...

Leia mais

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL LTDA MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E PARAMETRIZAÇÃO DO SOFT STARTER

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL LTDA MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E PARAMETRIZAÇÃO DO SOFT STARTER MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E PARAMETRIZAÇÃO DO SOFT STARTER SOFT STARTER - NUM. SÉRIE... - POTÊNCIA... - TENSÃO AC DE BARRAMENTO... - TENSÃO AUXILIAR... Cliente: Projeto: Conv. Resp: Olaia Arq:.MANUAL_SOFTmP.doc

Leia mais

Manual do Indicador Digital Mod. IT versão: (Janeiro 2006)

Manual do Indicador Digital Mod. IT versão: (Janeiro 2006) Manual do Indicador Digital Mod. IT versão: (Janeiro 2006) Este manual contém informações para instalação e operação do Indicador Digital Mod.IT. Siga corretamente as instruções para garantir perfeito

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1600

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1600 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1600 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. REGRAS DE SEGURANÇA...3

Leia mais

www.comatreleco.com.br R:Benjamim Constant, 56 Tel:(11) 2311-5682 contato@comatreleco.com.br

www.comatreleco.com.br R:Benjamim Constant, 56 Tel:(11) 2311-5682 contato@comatreleco.com.br Monitoramento de motores monofásico/trifásico MRU, MRI, MRM 1 Características Tensão de Alimentação UC12-48V ou UC110-240V Contato Reversível Entradas de medição separadas galvanicamente da alimentação

Leia mais

Controladores de Temperatura

Controladores de Temperatura Controladores de Temperatura Simples, resposta rápida e muito fácil de usar. Fácil de Ler devido à altura do caractere: E5CSL: 21.7 mm E5CWL: 16.2 mm (PV) Profundidade: apenas 60 mm. Poucos parâmetros

Leia mais

Boletim Técnico Agosto / 2011

Boletim Técnico Agosto / 2011 Página 01/08 TÍTULO: INFORMATIVO DO NOVO CONTROLE REMOTO COM FIO PARA UNIDADES SPLITÃO 2 ESTÁGIOS SUMÁRIO Esta publicação visa informar o novo controle remoto com fio para as Unidades da Linha Splitão

Leia mais

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO 13.82kV 119.4kA 13.81kV 121.3kA 13.85kV 120.2kA Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Protocolo de comunicação Modbus RTU Dimensional ABB

Leia mais

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda.

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda. Rua das Cerejeiras, 80 Ressacada CEP 88307-330 Itajaí SC Indicador Universal i304 Fone/Fax: (47) 3349 6850 Email: vendas@ecr-sc.com.br O indicador microprocessado I304 possui opções de entrada configurável

Leia mais

TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA

TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA 3. CARACTERÍSTICAS 3.1 Central de alarme microprocessada com 4 setores expansível para 8 ou 12 setores; 3.2 Acompanha dois transmissores (mod. TSN); 3.3 Acionamento

Leia mais

Horímetro Digital H100-A HNI

Horímetro Digital H100-A HNI MANUAL DE OPERAÇÃO Horímetro Digital H100-A HNI Programa Executivo: H100A HNI v.1.2 Modelos: 220VAC, 127VAC, 24VAC e 12-24VDC 40-000-0101 Rev. C dezembro 2008. ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO:... 3 2. INSTALAÇÃO

Leia mais

Sistemas indicadores e transmissores de PRESSÃO DIFERENCIAL PARA SALAS LIMPAS MODELO VEC-PP-LED

Sistemas indicadores e transmissores de PRESSÃO DIFERENCIAL PARA SALAS LIMPAS MODELO VEC-PP-LED INTERNO INSTRUMENTO PARA EMBUTIR Sistemas indicadores e transmissores de PRESSÃO DIFERENCIAL PARA SALAS LIMPAS MODELO VEC-PP-LED Aplicação : Especialmente em salas limpas, pois podem ser embutidas em paredes

Leia mais

Utilização de Gás. Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle

Utilização de Gás. Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle Utilização de Gás Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle PROCESSO INDUSTRIAL Variável Controlada: Temperatura Meio Controlado: Fluido Variável Manipulada: Vazão Agente de Controle: Vapor Malha de Controle

Leia mais

GLOBUS SISTEMAS ELETRÔNICOS

GLOBUS SISTEMAS ELETRÔNICOS 89 mm 3, 8 mm Controlador Tipo para Instalação em Painel, com Teclado e Características Principais O é um controlador desenvolvido para acionamento, controle de temperatura e degelo e supervisão de defeitos,

Leia mais

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda.

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda. Rua das Cerejeiras, 80 Ressacada CEP 88307-330 Itajaí SC Indicador Universal Fone/Fax: (47) 3349 6850 Email: vendas@ecr-sc.com.br O indicador microprocessado i506 possui entrada configurável para 24 tipos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1000

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1000 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento =1= ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ.

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ. 8 Tecla Cancelar. Utilizado para retorno de nível de programação. 9 Tecla Enter. Utilizado para acessar programação. Obs.: Todas as teclas podem ser utilizadas no diagrama Ladder. 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Leia mais

PLACA DE AQUECIMENTO SMD HOT-PLATE

PLACA DE AQUECIMENTO SMD HOT-PLATE PLACA DE AQUECIMENTO SMD HOT-PLATE Rua Guarda de Honra, 291 Ipiranga São Paulo SP 55 11 2068-9113 www.maxtroneletron.com.br 1 1. APRESENTAÇÃO Chave Liga-Desliga com indicador led verde. Indicador de anormalidade

Leia mais

3.5 SAÍDAS DE CONTROLE * Saída 1: Saída do Compressor. Saída à relé, máx. 2A, carga resistiva. * Saída 2: Saída do degelo.

3.5 SAÍDAS DE CONTROLE * Saída 1: Saída do Compressor. Saída à relé, máx. 2A, carga resistiva. * Saída 2: Saída do degelo. (63(&,,&$d (6 1Ë9(/'(352*5$0$d 2 &$5$&7(5Ë67,&$6 O MJS é um controlador digital microcontrolado projetado para aplicações de refrigeração, atuando no controle do compressor, nos ciclos de degelo, nos ventiladores

Leia mais

A N U A L D E O P E R A Ç Ã O

A N U A L D E O P E R A Ç Ã O PRESSÃO LINHA AUTOMAÇÃO Wärme M A N U A L D E O P E R A Ç Ã O & I N S T A L A Ç Ã O PRESSOSTATO DIGITAL WTMD-5001-A ÍNDICE Item Página Características Técnicas...01 Tabela de Conversão de Pressão...01

Leia mais

LINHA COMPACTA. KOBO-pH transmissor de ph APM-Z

LINHA COMPACTA. KOBO-pH transmissor de ph APM-Z KOBO-pH transmissor de ph APM-Z LINHA COMPACTA Range de medição ph da -1 a 14 Comutável de ph a ORP Display p/ valor de ph, mv/orp (Potencial de redução e oxidação) e temperatura Simples programação e

Leia mais

Pressostato / Termostato Modelo BM. Instruções para Instalação e Uso

Pressostato / Termostato Modelo BM. Instruções para Instalação e Uso Pressostato / Termostato Modelo BM Instruções para Instalação e Uso Rua Agostinho Gomes, 568 - Ipiranga - São Paulo - SP - ep 0406-000 - Fone/Fax: (11) 6169-9875. onheça nossos produtos e sistemas na Internet

Leia mais

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3.2 CARACTERÍSTICAS DE SOFTWARE 1. CARACTERÍSTICAS O CLG535R é um controlador programável que integra os principais recursos empregados em uma automação industrial. Dispõe integrado

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Qualidade, tecnologia e baixo custo Conhecendo a Inova Fundada em 1997, a Inova Sistemas Eletrônicos, é especializada no desenvolvimento e fabricação de controladores eletrônicos para

Leia mais

Central de alarme ANM 2004 MF / ANM 2008 MF

Central de alarme ANM 2004 MF / ANM 2008 MF Central de alarme ANM 2004 MF / ANM 2008 MF Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A central de alarme ANM 2004/2008 MF é compacta e de fácil programação, possui

Leia mais

Contador Digital Up/Down

Contador Digital Up/Down MANUAL DE OPERAÇÃO Contador Digital Up/Down C100D HNI Cód. 90.506.1010 Programa Executivo: C100D HNI v.1.0 Modelos: 220VAC, 127VAC, 24VAC e 12VDC e 24VDC 40-000-0129 Rev. A fevereiro 2008. ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO:...

Leia mais

Controlador Eletrônico Microprocessado CDL006D

Controlador Eletrônico Microprocessado CDL006D Controlador Eletrônico Microprocessado CDL006D Apresentação Conjunto básico Dados técnicos Interface homem-máquina Apêndices 1 Apresentação Trata-se de um controlador especialmente projetado para o controle

Leia mais

INDICADOR DIGITAL PANANTEC ATMI

INDICADOR DIGITAL PANANTEC ATMI INDICADOR DIGITAL PANANTEC ATMI MANUAL DE REFERÊNCIA PANANTEC ATMII COMÉRCIIO E SERVIIÇO LTDA Rua Apuanã, 31 - Jd. Jaçanã cep: 02318-050 São Paulo / SP Brasil Fone: (11) 2243-6194 / 2243-6192 Fax: (11)

Leia mais

Menu de Programação e Operação - Amperímetro Digital - Família GC 2009 Microcontrolado.

Menu de Programação e Operação - Amperímetro Digital - Família GC 2009 Microcontrolado. Operação - Amperímetro Digital - Família GC 2009 Microcontrolado. Com dois reles independentes para controle ou alarme, contatos reversíveis tipo SPDT e Sinal de Saída para Retransmissão da Amperagem medida

Leia mais

CENTRAL DE ALARME BRISA 8 VOZ / BRISA 8 SINAL

CENTRAL DE ALARME BRISA 8 VOZ / BRISA 8 SINAL CENTRAL DE ALARME BRISA 8 VOZ / BRISA 8 SINAL CARACTERÍSTICAS BÁSICAS 8 Zonas programáveis sendo 4 mistas, ou seja, com fio e sem fio e 4 com fio; 1 senha mestre; 1 senha de usuário; Entrada para teclado

Leia mais

Presys Instrumentos e Sistemas

Presys Instrumentos e Sistemas Versão Especial - Controlador de combustão Solicitante Responsável: Depto.: As informações contidas nesta folha têm prioridade sobre aquelas do manual técnico do instrumento. COMPORTAMENTO: Este controlador

Leia mais

Controladores Digitais

Controladores Digitais INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO AUTOMAÇÃO E PROJETOS LTDA Controladores Digitais 52 53 Hist Hist Indústria brasileira Manual de Operação 2ª EDIÇÃO (OUTUBRO/2014) Rua Bragança Paulista, 550 - Santo Amaro - São

Leia mais

!"#$%"&'("%)*&+$%,#-.") /-.%"0%".+11'(")!23456)75)

!#$%&'(%)*&+$%,#-.) /-.%0%.+11'()!23456)75) !"#$%"&'("%)*&+$%,#-.") /-.%"0%".+11'(")!23456)75) Apresentação Dados técnicos Interface Homem-Máquina Descrição Funcional Apêndices 1 Apresentação O Controlador CDL035 S3 foi especialmente projetado para

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

MANuAl DE INStruçÕES. CONTROLADORES DE PROCESSOS Mod.: C304, C404, C407 e C409. Versão 1.00 / Revisão 1

MANuAl DE INStruçÕES. CONTROLADORES DE PROCESSOS Mod.: C304, C404, C407 e C409. Versão 1.00 / Revisão 1 MANuAl DE INStruçÕES CONTROLADORES DE PROCESSOS Mod.: C304, C404, C407 e C409 Versão 1.00 / Revisão 1 CoNtEMP IND. CoM. E SErVIçoS ltda. Al. Araguaia, 204 - CEP 09560-580 São Caetano do Sul - SP - Brasil

Leia mais

Controlador de temperatura INCOE I-Series Manual de Instruções

Controlador de temperatura INCOE I-Series Manual de Instruções FUNÇÃO PRINCIPAL O controlador de temperatura I-Series foi projetado para controlar com precisão a temperatura de buchas e manifolds nos sistemas de câmara quente. ESPECIFICAÇÕES DO CONTROLADOR TENSÃO

Leia mais

- PD64 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DE OPERAÇÃO PD64

- PD64 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DE OPERAÇÃO PD64 - PD64 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO 01 SEÇÃO INDICE PÁGINA 1. Apresentação 04 2. Descrição geral do Programador de Parison 04 a 06 2.1. Funcionamento 04 2.2. Controle de Precisão 05 2.3. Programa.

Leia mais

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL LTDA MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E PARAMETRIZAÇÃO DO CONVERSOR AC/DC

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL LTDA MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E PARAMETRIZAÇÃO DO CONVERSOR AC/DC MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E PARAMETRIZAÇÃO DO CONVERSOR AC/DC RETIFICADOR CONVERSOR AC/DC - NUM. SÉRIE... - CORRENTE NOMINAL... - TENSÃO AC DE BARRAMENTO... - TENSÃO AUXILIAR... Cliente: Projeto:

Leia mais

CONTROLADOR DE TEMPERATURA TRES-S TS MANUAL DE INSTRUÇÕES TS01-TS03-TS05-TS08-TS12

CONTROLADOR DE TEMPERATURA TRES-S TS MANUAL DE INSTRUÇÕES TS01-TS03-TS05-TS08-TS12 CONTROLADOR DE TEMPERATURA TRES-S TS MANUAL DE INSTRUÇÕES TS01-TS03-TS05-TS08-TS12 INSTALAÇÃO DO CONTROLADOR DE TEMPERATURA Atenção: A Montagem e manutenção devem ser realizadas apenas por profissionais

Leia mais

INFORMATIVO MONITUS REV. 1 20/01/03. 8 Setores Programáveis. Os setores podem ser: Entrada para receptores de RF ou chave com mola:

INFORMATIVO MONITUS REV. 1 20/01/03. 8 Setores Programáveis. Os setores podem ser: Entrada para receptores de RF ou chave com mola: INTRODUÇÃO A MONITUS 8 A Monitus 8 é um painel de alarme monitorado projetado para atender às necessidades de residências, comercio, indústria, etc. Pode ser programado localmente através de teclados,

Leia mais

3.2 DIMENSÕES PLACA IHM: * Peso aproximado: 205g. * Dimensões para fixação na parte interna da parede: 120,8x120, 8x5,2 mm.

3.2 DIMENSÕES PLACA IHM: * Peso aproximado: 205g. * Dimensões para fixação na parte interna da parede: 120,8x120, 8x5,2 mm. 3. ESPECIFICAÇÕES 4.1 MODO DE OPERAÇÃO 3.1 GERAIS * Displays touchscreen; * Controle de dia e hora via RTC (Real-Time Clock), com bateria interna; * Duas agendas com memória para até 56 eventos (liga/desliga)

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TERMÔMETRO DIGITAL MODELO TD-890

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TERMÔMETRO DIGITAL MODELO TD-890 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TERMÔMETRO DIGITAL MODELO TD-890 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... - 1-2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

- PD400_01 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO. Manual do Programador Digital PD400_01 1

- PD400_01 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO. Manual do Programador Digital PD400_01 1 - PD400_01 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO Manual do Programador Digital PD400_01 1 ÍNDICE SECÇÃO PG 1. Apresentação 03 2. Painel de Operação 04 2.1. Interface Touch-screen 04 3. Menu 06 3.1 Senhas

Leia mais

A L A R M E S P A R A S U A S E G U R A N Ç A MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO CENTRAL DE ALARME PARTICIONADA AP2/AP2D

A L A R M E S P A R A S U A S E G U R A N Ç A MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO CENTRAL DE ALARME PARTICIONADA AP2/AP2D COMPATEC A L A R M E S P A R A S U A S E G U R A N Ç A MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO CENTRAL DE ALARME PARTICIONADA AP2/AP2D ÍNDICE Apresentação...3 Conheçendo a central...3 Características Gerais...4

Leia mais

!"#$%"&'("%)*&+$%,#-.") /-.%"0%".+11'(")!23456*)

!#$%&'(%)*&+$%,#-.) /-.%0%.+11'()!23456*) !"#$%"&'("%)*&+$%,#-.") /-.%"0%".+11'(")!23456*) Apresentação Dados técnicos Interface Homem-Máquina Descrição Funcional Apêndices 1 Apresentação O Controlador CDL035E foi especialmente projetado para

Leia mais

CR20C. Manual do Usuário

CR20C. Manual do Usuário CR20C Manual do Usuário Descrição Geral Controlador para ar condicionado CR20C O CR20C é um controlador digital microprocessado de baixo custo e de fácil programação e instalação. O seu avançado software

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383 bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais