UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SANTA MARIA, RS. MARÇO DE 2010

2 Coordenação do Curso: Benhur de Oliveira Stein Coordenação Editorial: Andrea Schwertner Charão Giovani Rubert Librelotto Autoria / Organização: Andrea Schwertner Charão Adriano Pereira André Lúcio Hahn Bernardo Henz Fábio Weber Albiero Frederico Artur Limberger Giovani Rubert Librelotto Guilherme Albrecht Kruel Guilherme Weigert Cassales Jonatas Costenaro Corteze Marcos Antonio de Oliveira Júnior Victor Chitolina Schetinger Vinícius Garcia Pinto Vinícius Michel Gottin Capa: Vinícius Michel Gottin Vinícius Vielmo Cogo Diagramação: Andrea Schwertner Charão Fábio Weber Albiero Giovani Rubert Librelotto Vinícius Vielmo Cogo Promoção: Programa de Educação Tutorial (PET) Impressão: Imprensa Universitária UFSM Tiragem: 300 exemplares G943 Guia do estudante de computação / Andrea Schwertner Charão... [et. al.]. - Santa Maria: UFSM, CT, Curso de Ciência da Computação, p.: il. 1. Educação 2. Ciência da Computação 3. Organização do Ensino 4. Guia Estudantil 5. Universidade Federal de Santa Maria I. Título CDU : :378 Ficha Catalográfica elaborada por Josiane S. Da Silva CRB-10/1858 Biblioteca Central da UFSM

3 SUMÁRIO 1. Primeiros Passos Curso de Ciência da Computação Informações Gerais...9 Perfil do Profissional Formado...9 Campo de Atuação...9 Estrutura do Curso Grade Curricular Normas e Procedimentos...15 Matrícula...15 Adaptação...15 Trancamento...16 Normas para DCGs...16 Normas para ACGs...17 Normas para TG Curso de Sistemas de Informação Informações Gerais...20 Perfil do Profissional Formado...20 Campo de Atuação...20 Estrutura do Curso Grade Curricular Normas e Procedimentos...26 Matrícula...26 Trancamento...26 Normas para DCGs...27 Normas para ACGs...27 Normas para TG Infra-Estrutura e Recursos Humanos Infra-Estrutura...30 Grupos e Laboratórios...30 Serviços Recursos Humanos...33 Professores...33 Assistentes Administrativos Vida Estudantil na UFSM Estrutura da UFSM...36 Órgãos Carteirinhas...42 Associação dos Transportadores Urbanos de Passageiros de Santa Maria (ATU)..42 Bibliotecas/Restaurante Universitário (RU)...42 Diretório Central dos Estudantes (DCE)...43 União Nacional dos Estudantes (UNE) Assistência Estudantil Oportunidades...44 Estágios e Bolsas...44 Auxílio para Participação em Eventos...45 Mobilidade Estudantil...46 Cursos de Línguas Siglas...47

4 5.6. Dicas Pessoais Computação no Brasil e no Mundo Órgãos e Associações Áreas da Computação...53 Cursos de Graduação nas Áreas de Computação e Informática...53 Tabela de Áreas do CNPq Eventos Regulamentação da Profissão Mercado de Trabalho Pós-Graduação Perguntas e Respostas Frequentes...58

5 1 - Primeiros Passos 5

6 1. Primeiros Passos Bem vindo, estudante de computação da UFSM! Este Guia foi criado para lhe auxiliar durante a vida acadêmica, e por isso contém todas as informações que, por experiência e pela relevância, acreditamos que lhe serão úteis. E se tudo não mudar completamente entre a nossa passagem por aqui e a sua, pode apostar que vão. Este capítulo vai lhe guiar pelos primeiros passos, coisas que quase todos os calouros (e acadêmicos regulares) precisam fazer, seja apenas uma vez no começo do curso, seja todo começo de semestre. Preste atenção nas informações e utilize os meios citados em cada seção para entrar em contato quem pode saber mais sobre o assunto. Principalmente, guarde este guia ele servirá como referência rápida mais de uma vez após o término desta etapa inicial Matrícula A primeira matrícula, a dos calouros, é feita pessoalmente na Coordenação do Curso, com prazo específico para cada curso de UFSM. Este prazo deve ser respeitado, sob pena de perda da vaga caso não seja, e é divulgado extensivamente no Portal UFSM (www.ufsm.br). As matrículas subseqüentes devem ser feitas todos os semestres via Portal do Aluno, disponível no Portal UFSM a partir do momento em que o acadêmico tiver uma senha registrada (mais sobre isso adiante). Todos os prazos devem ser respeitados rigorosamente, então acompanhe sempre o Calendário Letivo da UFSM. Para saber mais, leia a página 15 (Ciência da Computação) ou a página 26 (Sistemas de Informação) Carteirinhas Providencie suas carteirinhas assim que possível. Garanta o benefício da meia tarifa no ônibus no posto da Associação de Transportadores Urbanos (ATU), logo na entrada da universidade. Providencie sua carteirinha de estudante na Biblioteca Central, que lhe garante o direito de usar o material da biblioteca e de fazer as refeições no Restaurante Universitário (RU). Faça também, caso deseje, a carteirinha do Diretório Central dos Estudantes (DCE). Para saber mais, leia a página Assistência Estudantil Existem vários tipos de assistência estudantil fornecidos pela Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE, junto à reitoria). O benefício sócio-econômico compreende a extensão do serviço do RU (todos os estudantes da UFSM podem tomar café da manhã e almoçar no RU, com benefício paga-se ainda menos e pode-se jantar), subsídio de 50% sobre passagens de ônibus 6

7 (todos têm direito à meia passagem estudantil, com benefício paga-se metade disso), moradia na Casa do Estudante e outros. Para saber mais, leia a página Conheça o Curso e as Oportunidades Procure informar-se sobre a carga horária de cada semestre, assunto abordado em cada disciplina, sobre Disciplinas Complementares (DCGs) e Atividades Complementares (ACGs). Você literalmente não se forma sem saber essas coisas, e os capítulos 2 e 3 deste Guia tratam exatamente sobre tudo isso - mais especificamente as páginas 16 e 17 (Ciência da Computação) ou as páginas 27 e 28 (Sistemas de Informação) sobre as DCGs e ACGs. Cheque também as oportunidades de estágio e de cursos de línguas, entre outras coisas, nas páginas 44 a 47 respectivamente Conheça a Universidade Veja o Mapa na página 40 quando precisar saber onde encontrar algum órgão (ajuda se antes você souber o prédio!). Falhando isso, pergunte aos colegas e veteranos Prepare-se e Mantenha-se Ligado Leia as dicas (página 48) e pergunte a quem está aqui há mais tempo sobre os assuntos acadêmicos em que tiver dúvida, todos com certeza terão prazer em ajudar (você pode ter que aguentar ouvir alguns causos saudosos em troca) e você vai ter muito mais facilidade para resolver os problemas. Procure não ter vergonha de tratar com as outras pessoas e então, além de ter mais facilidade no curso, você vai com certeza fazer bons amigos. Também fique ligado: O recebido juntamente com a conta para os laboratórios (você já leu a página 33?) é sua principal via de recebimento de informações pertinentes ao curso, então acesse regularmente. Não ficar sabendo de algo que foi mandado para seu é considerado falha sua, então realmente acesse regularmente. Também cheque regularmente o site dos cursos (www.inf.ufsm.br) para ver informações oficiais, notícias, oportunidades de estágio, emprego, eventos e muito mais. É isso. Boa sorte! 7

8 2 - Curso de Ciencia da Computacao 8

9 Curso de Ciência da Computação Informações Gerais Perfil do Profissional Formado O profissional formado em Ciência da Computação fará uso da informática como atividade fim, objetivando o progresso desta ciência. No decorrer do Curso, são realizadas atividades diversificadas, com o objetivo de desenvolver habilidades como: iniciativa, auto-aprendizado, criatividade, trabalho em equipe, senso crítico, responsabilidade, método e disciplina de trabalho, raciocínio abstrato e científico, necessárias a todo profissional atuante na área. Campo de Atuação O Bacharel em Ciência da Computação, entre outras atividades, pode: Projetar e implementar software de sistemas de computação, como sistemas operacionais, linguagens de programação, sistemas gerenciadores de banco de dados, protocolos de comunicação, etc.; Projetar e implementar hardware de sistemas de computação, como processadores, memórias, barramentos, computadores e dispositivos de comunicação; Projetar soluções computacionais para um grau variado de problemas e áreas de aplicação; Atuar junto a equipes multidisciplinares na aplicação de soluções computacionais às diversas áreas do conhecimento; Prestar consultoria sobre o uso/aplicação de novas tecnologias; Atuar no magistério de Ensino Superior; Analisar, projetar, implementar, informação e automação; manter e gerenciar sistemas de Projetar, instalar, administrar e gerenciar redes de computadores; Desenvolver sistemas aplicativos complexos usando novas tecnologias; Coordenar e administrar a área de informática na iniciativa pública e privada. 9

10 Estrutura do Curso Duração recomendada: 4 anos (8 semestres) Duração máxima: 8 anos (16 semestres) Carga horária: 3230 horas, sendo: 2340 horas em disciplinas obrigatórias (36 disciplinas); 600 horas em Disciplinas Complementares de Graduação (DCGs); 290 horas em Atividades Complementares de Graduação (ACGs); 180 horas na disciplina de Trabalho de Graduação (monografia). Disciplinas obrigatórias: conteúdos imprescindíveis à implementação de um currículo de Ciência da Computação, segundo as diretrizes curriculares do MEC (Ministério da Educação). Disciplinas Complementares de Graduação (DCGs): compõem a parte flexível do currículo do Curso, podendo ser extintas e criadas sem necessidade de reforma curricular. A sistemática destas disciplinas segue a Resolução da UFSM n. 027/99, que regulamenta as DCGs. No Curso de Ciência da Computação, as 600 horas de DCGs são compostas da seguinte forma: 3oras (6 disciplinas) com DCGs definidas pelo Colegiado do Curso, a serem cursadas obrigatoriamente; 240 horas preenchidas com disciplinas escolhidas pelos próprios alunos, através de um Plano Individual de Estudos Complementares (PIEC), que deve ser submetido à aprovação do Colegiado do Curso. Atividades Complementares de Graduação (ACGs): também compõem a parte flexível do currículo do Curso. A sistemática de aproveitamento destas atividades segue a resolução da UFSM n. 22/99, que regulamenta as ACGs. Segundo esta resolução, são consideradas atividades complementares todas as atividades pertinentes e úteis para a formação humana e profissional do acadêmico, tais como: participação em eventos, atuação em núcleos temáticos, participação em projetos de ensino, pesquisa e extensão, monitoria, publicação de trabalhos, etc. As 290 horas em ACGs devem ser desempenhadas conforme as normas internas do Curso. Após a realização das atividades, cada aluno deve solicitar a aprovação do Colegiado para que a carga horária seja computada em seu histórico. Trabalho de Graduação (TG): o aluno desenvolve uma atividade prevista nas atribuições de um Bacharel em Ciência da Computação sob orientação de um professor. Ao final do trabalho, o aluno produz uma monografia e faz uma defesa do trabalho perante uma banca avaliadora. 10

11 Horários Curso é diurno. Os horários de cada semestre são publicados pela coordenação no período de matrícula. Também ficam disponíveis na seção de matrícula, no Portal do Aluno. As aulas de cada semestre letivo são concentradas majoritariamente em um único período (manhã ou tarde), para que os alunos possam desempenhar atividades complementares. No horário das 13h30min às 14h30min é comum a oferta de palestras, mini-cursos, etc. Recomenda-se que os alunos não agendem compromissos fixos neste horário, se desejarem aproveitar essas oportunidades Grade Curricular A grade curricular distribui as disciplinas ao longo do tempo recomendado para conclusão do Curso. É importante salientar que não existem prérequisitos formais entre as diferentes disciplinas, sendo possível cursar disciplinas de diferentes semestres num mesmo período. Esta flexibilidade destina-se principalmente a alunos com alguma reprovação ou que já possuam conhecimentos sobre determinadas disciplinas, devendo ser aproveitada com bom senso para evitar problemas. A ordem recomendada das disciplinas pode ser encontrada nas páginas a seguir, sendo que as informações sobre cada disciplina podem ser obtidas em um dos seguintes endereços: w3.ufsm.br/prograd/cursos/ciencia DA COMPUTACAO 11

12 1º Semestre (3) MTM1019 Cálculo A 90 h MTM1025 Geometria Analítica ELC1010 Circuitos Digitais ELC1064 Lógica e Algoritmo ELC1065 Laboratório de Programação I ELC1085 Introdução à Computação 30 h 2º Semestre (3) ELC1067 Laboratório de Programação II MTM1018 Álgebra Linear ELC1011 Organização de Computadores ELC1066 Estruturas de Dados LTE1059 Língua Inglesa Instrumental I MTM1040 Matemática Discreta 3º Semestre (390 h) ELC1079 Arquitetura de Computadores ELC117 Paradigmas de Programação ELC1068 Pesquisa e Ordenação de Dados MTM1020 Cálculo B 90 h STC303 Estatística LTE1060 Língua Inglesa Instrumental II 4º Semestre (390 h) 12 ELC1069 Engenharia de Software ELC119 Fundamentos de Banco de Dados ELC120 Projeto e Análise de Algoritmos ELC1080 Sistemas Operacionais MTM224 Métodos Numéricos e Computacionais

13 FCT135 Eletricidade e Magnetismo A 90 h 5º Semestre (345 h) ELC123 Comunicação de Dados ELC1015 Computação Gráfica ELC1083 Linguagens Formais 45 h ELC1008 Teoria da Computação ELC131 Implementação de Banco de Dados DCG DCG Disciplinas Complementares de Graduação à escolha do aluno DCG 6º Semestre (375 h) ELC1013 Lógica de Predicado ELC1076 Computadores e Sociedade ELC1017 Redes de Computadores 75 h ELC1033 Projeto de Sistemas Digitais DCG ELC133 Qualidade de Software DCG DCG Disciplinas Complementares de Graduação à escolha do aluno DCG 7º Semestre (3) ELC1040 Inteligência Artificial ELC1018 Sistemas Distribuídos ELC408 Compiladores ELC1086 Metodologia de Pesquisa em Informática CAD Empreendedorismo DCG DCG Disciplinas Complementares de Graduação à escolha do aluno DCG 13

14 8º Semestre (3) ELC1084 Trabalho de Graduação 180 h DCG Disciplinas Complementares de Graduação à escolha do aluno 180 h DCG Disciplinas Complementares de Graduação 14 DCT1031 Processamento Estruturado de Documentos DCT1050 Métodos Computacionais Aplicados a Educação ELC129 Processamento de Imagens ELC132 Modelagem e Simulação ELC137 Sistema de Informação Distribuídos ELC138 Concepção de Circuitos Integrados ELC139 Programação Paralela ELC619 Fundamentos de Tolerância a Falhas ELC1001 Sistema de Computação Móvel ELC1043 Programação de Jogos 3D ELC1051 Computação Gráfica Avançada ELC Implementação de Linguagens de Programação ELC1053 Programação Baseada em Componentes ELC1002 Visão Computacional

15 2.3. Normas e Procedimentos Esta seção resume algumas normas da UFSM e do Colegiado do Curso de Ciência da Computação, bem como procedimentos que devem ser conhecidos por todos os alunos. Outras informações sobre normas encontram-se no Guia do Estudante da UFSM e na seção de Normas Internas do site Web do Curso de Ciência da Computação (http://www.inf.ufsm.br/index/graduacao/normas-internas). Matrícula A matrícula é realizada semestralmente, em períodos estabelecidos pelo Calendário Escolar da UFSM. Os alunos calouros realizam a matrícula junto à coordenação do Curso, nas datas divulgadas pela UFSM. Os alunos que já possuem vínculo com o Curso devem solicitar a matrícula via Web, no Portal do Aluno (portal.ufsm.br/aluno), fornecendo usuário e senha cadastrados junto a qualquer biblioteca da UFSM. Na primeira semana letiva, deve ser feita a efetivação presencial de matrícula junto à Coordenação do Curso. A matrícula só é efetivada com a assinatura do Requerimento Definitivo de Matrícula pelo aluno ou por seu procurador. Limites de carga horária semestral: mínimo de 180 horas e máximo de 540 horas. Casos especiais são regulamentados pela Resolução 014/2000. Ajuste de matrículas: após as matrículas, haverá um período de ajustes de acordo com o calendário acadêmico para alterações na matrícula do semestre. Resolução 005/1995: Esta resolução permite que alunos reprovados com nota, mas com frequência suficiente, recuperem a disciplina no semestre subsequente sob regime especial de avaliação, sem frequentar as aulas. A matrícula nesse regime especial de avaliação deve ser solicitada diretamente à Coordenação no período de matrículas. Alunos que não realizarem os procedimentos de matrícula no período previsto perdem automaticamente o vínculo com o Curso. Adaptação A partir da implantação do currículo, a adaptação será obrigatória a todos os alunos, com exceção dos que estiverem aptos a concluírem o curso em 2010 (primeiro ou segundo semestre), estes devem integralizar o currículo 15

16 vigente (2005) até o 2º semestre de Assim, as disciplinas de cada semestre ímpar ou par serão ofertadas pela última vez a cada semestre subseqüente, como a seguir relacionado: 1º Semestre/2010 disciplinas do 7º semestre do currículo versão 2005; 2º Semestre/2010 somente disciplinas do 8º semestre do currículo versão Em caso de reprovação o aluno deverá cursar as disciplinas no currículo novo, sendo dispensado das disciplinas do currículo anterior. Os alunos que não concluírem o curso no currículo antigo (até o final de 2010), serão enquadrados em definitivo no novo currículo, submetendo-se às necessárias adaptações. Toda e qualquer disciplina complementar cursada com aproveitamento, e já aprovada pelo colegiado do curso será automaticamente aproveitada para compor a carga horária da parte flexível do novo currículo. Trancamento Trancamento total: permite manter o vínculo com o Curso mesmo que não seja cursada nenhuma disciplina no semestre. Limite: 4 trancamentos. Deve ser solicitado no Portal do aluno, no período de matrícula Web, em "Solicitação de Trancamento Total e Acompanhamento". Trancamento parcial (por disciplina): permite suspender a matrícula em uma ou mais disciplinas durante o semestre. Limite: 7 trancamentos. Deve ser solicitado à Coordenação do Curso dentro do prazo estipulado no calendário acadêmico. Normas para DCGs Cada aluno deve cumprir um mínimo de 600 horas em DCGs, sendo 240 horas em disciplinas indicadas pelo Colegiado do Curso de Ciência da Computação e 360h em disciplinas à escolha do aluno. As DCGs indicadas pelo Colegiado encontram-se listadas na grade curricular e são ofertadas regularmente nos semestres aconselhados. A cada semestre, o Curso oferta algumas DCGs à escolha do aluno. Essa oferta pode variar de um semestre para outro. As DCGs à escolha do aluno também podem ser cumpridas em outros cursos de graduação da UFSM ou de outras instituições. Para registrar suas 600 horas em DCGs, cada aluno deverá fazer um Plano Individual de Estudos Complementares (PIEC), no qual 16

17 indicará as disciplinas escolhidas para integralizar esta carga horária. O formulário do PIEC encontra-se na seção de Normas Internas do site Web do Curso de Ciência da Computação (www.inf.ufsm.br/index/graduacao/ normas-internas). O PIEC deve ser preenchido e submetido à aprovação do Colegiado do Curso. Recomenda-se que isso seja feito quando o aluno ingressar no 5º Semestre do Curso. Normas para ACGs Cada aluno deve cumprir um mínimo de 290 horas em ACGs. As normas para ACGs encontram-se na seção de Normas Internas do site Web do Curso de Ciência da Computação (www.inf.ufsm.br/index/ graduacao/normas-internas). As atividades consideradas como ACGs são definidas pelo Colegiado do Curso e atualmente compreendem: Participações em eventos; Atuação em núcleos temáticos; Atividades de extensão; Estágios extra-curriculares; Atividades de iniciação científica; Publicação de trabalhos; Participação em órgãos colegiados; Monitoria; Outras atividades a critério do Colegiado. Para registrar atividades como ACG, o aluno deve preencher um formulário de solicitação de aproveitamento de ACG, fornecido pela Coordenação. Este formulário deve conter a assinatura de um professor responsável. Em anexo, o aluno deve apresentar o comprovante e o relatório da atividade desenvolvida. Algumas atividades não necessitam de relatório (por exemplo, participação em eventos da Sociedade Brasileira da Computação). Cada solicitação de aproveitamento de ACG é submetida à aprovação do Colegiado do Curso. O aluno pode fazer tantas solicitações quantas forem necessárias para a integralização curricular. Recomenda-se que o registro de uma ACG seja feito logo após a conclusão de cada atividade. É importante guardar comprovantes de cada atividade realizada, pois sem isso não é possível a solicitação de ACG. 17

18 Normas para TG A matrícula no Trabalho de Graduação pode ser feita quando o aluno tiver concluído 75% da carga horária do Curso. As normas para TG encontram-se na seção de Normas Internas do site Web do Curso de Ciência da Computação (www.inf.ufsm.br/index/ graduacao/normas-internas). Para matricular-se em TG, o aluno deve escolher um professor orientador e elaborar um Projeto de Trabalho de Graduação, detalhando o trabalho a ser realizado. O Projeto de Trabalho de Graduação deverá ser apresentado no ato de efetivação da matrícula na disciplina, com o acordo do professor orientador. O professor orientador fará o registro do projeto no Gabinete de Apoio à Pesquisa e Extensão do Centro de Tecnologia. Na metade do semestre, em datas definidas pelo Colegiado do Curso, o aluno apresentará oralmente, a uma banca avaliadora, o trabalho desenvolvido até o momento. Antes desta apresentação oral, o aluno entregará à banca uma versão preliminar do relatório do trabalho. No final do semestre, o aluno entregará o relatório escrito concluído e fará a defesa do trabalho perante à banca avaliadora. 18

19 3 - Curso de Sistemas de Informacao 19

20 Curso de Sistemas de Informação Informações Gerais Perfil do Profissional Formado O Bacharel em Sistemas de Informação é o profissional que usa conceitos e técnicas de informática e teoria de sistemas para contribuir na solução de problemas de tratamento da informação nas organizações por meio da construção de modelos de automação corporativa. Ele deve ter espírito empreendedor que lhe permita conceber, criar e concretizar projetos de tratamento da informação, consciente da sua função na sociedade e de acordo com valores éticos. Campo de Atuação A atuação do Bacharel em Sistemas de Informação desenvolve-se nas seguintes dimensões: Desenvolvimento de sistemas de informação: poderá desempenhar papéis de analista de sistemas, programador de sistemas, gerente desenvolvimento de sistemas de informação, gerente de projetos sistemas de informação, consultor/auditor em desenvolvimento sistemas de informação, e outras relacionadas com o desenvolvimento software; os de de de de Infra-estrutura de tecnologia da informação: poderá desempenhar funções como a de analista de suporte, administrador de banco de dados, gerente de redes de computadores, gerente de tecnologia da informação, consultor/auditor na área de infra-estrutura; Gestão de sistemas de informação: poderá atuar como gerente de sistemas de informação, consultor/auditor em gestão de sistemas de informação, etc. bem como em áreas como database marketing, mineração de dados, comércio eletrônico, marketing digital, business intelligence e outras funções de negócios dependentes da aplicação da tecnologia de informação e comunicação. Essas dimensões normalmente não formam áreas estanques, mas interpenetram-se, ou seja, não existem carreiras puras. O desenvolvedor de software precisa ser capaz de atuar em infra-estrutura e ter conhecimento de gestão de TI, o que ocorre de maneira recíproca nas outras carreiras. Podemos entender antes essas diferentes dimensões como diferentes potenciais que se realizam na prática em graus diferentes conforme a escolha e a dinâmica da carreira de cada um. 20

21 De acordo com o perfil profissional traçado, o egresso do Curso de Sistemas de Informação deve estar apto a desenvolver as seguintes funções no mercado de trabalho: empreendedor descobrimento e empreendimento de novas oportunidades para aplicações usando sistemas computacionais e avaliando a conveniência de se investir no desenvolvimento da aplicação/ serviço; consultor consultoria e assessoria a empresas de diversas áreas no que tange ao uso adequado de sistemas de informação; coordenador de equipe coordenação de equipes envolvidas em projetos na área de computação e informática; membro de equipe participação de forma colaborativa e integrada de equipes que desenvolvem projetos na área de informática; pesquisador tecnológica. participação em projetos de pesquisa científica e Estrutura do Curso Duração recomendada: 4 anos (8 semestres) Duração máxima: 8 anos (16 semestres) Carga horária: 3105 horas, sendo: 2325 horas em disciplinas da parte fixa (35 disciplinas); 780 horas na parte flexível, subdivida em: 480 horas em disciplinas complementares de graduação (DCG); 300 horas em atividades complementares (ACG). Disciplinas obrigatórias: tratam-se de conteúdos imprescindíveis à implementação de um currículo de Sistemas de Informação, segundo as diretrizes curriculares do MEC. Disciplinas Complementares de Graduação (DCGs): As disciplinas complementares compõem a primeira parte flexível do currículo do curso, podendo ser extintas e criadas pelo Colegiado sem a necessidade de reforma curricular. A sistemática destas disciplinas segue o que preconiza a Resolução nº 027/99 da UFSM, que regulamenta as Disciplinas Complementares de Graduação DCGs. Cada aluno deverá elaborar um plano individual de estudos complementares (PIEC), no qual elencará e justificará a escolha das suas DCGs pretendidas. Cabe ao Colegiado estabelecer as regras para elaboração deste plano e julgar a adequabilidade de cada plano ao perfil profissional estabelecido pelo Curso. 21

22 Na definição das regras de DCGs, o Colegiado deve levar em conta a complementação dos eixos estabelecidos pelo curso, bem como considerar a evolução tecnológica da área de Computação/Sistemas de Informação. Deste modo, o curso poderá evoluir dinamicamente seu currículo para atender as exigências do mercado de trabalho, formando profissionais competitivos e responsáveis. Atividades Complementares de Graduação (ACGs): As atividades complementares compõem a segunda parte flexível do currículo do curso. A sistemática de aproveitamento destas atividades segue a Resolução nº 22/99 da UFSM, que regulamenta as Atividades Complementares de Graduação ACGs, a qual considera como atividades complementares todas as atividades pertinentes e úteis para a formação humana e profissional do acadêmico. O Colegiado do Curso deverá elencar as atividades pertinentes ao Curso e estabelecer os respectivos limites de cargas horárias para efeito de contabilização como ACG a partir da implantação deste projeto pedagógico. Trabalho de Graduação (TG): O aluno desenvolve uma atividade prevista nas atribuições de um Bacharel em Sistemas de Informação sob orientação de um professor. Ao final do trabalho, o aluno produz uma monografia e faz uma defesa do trabalho perante uma banca avaliadora. Horários Curso é diurno. Os horários de cada semestre são publicados pela coordenação no período de matrícula. Também ficam disponíveis na seção de matrícula, no Portal do Aluno. As aulas de cada semestre letivo são concentradas majoritariamente em um único período (manhã ou tarde), para que os alunos possam desempenhar atividades complementares. No horário das 13h30min às 14h30min é comum a oferta de palestras, mini-cursos, etc. Recomenda-se que os alunos não agendem compromissos fixos neste horário, se desejarem aproveitar essas oportunidades Grade Curricular O currículo contém eixos de disciplinas básicas em Matemática, Programação, Fundamentos da Computação e Gestão Empresarial. Com os eixos da formação básica, o currículo possibilita que o egresso compreenda o funcionamento dos computadores e a lógica de desenvolvimento de programas, e adquira conhecimento geral sobre o contexto de sua atuação: o ambiente empresarial. Adicionalmente, o currículo também trabalha a formação tecnológica e a formação complementar e humanística. 22

23 Dando ênfase à flexibilização curricular, o curso não estabelece a exigência de pré-requisitos para suas disciplinas. Apenas define uma sequência aconselhada para sua consecução. A sequência aconselhada por semestre abaixo pode ser encontradas nas páginas a seguir. 23

24 1º Semestre (3) MTM1019 Cálculo A 90 h CAD1002 Teoria Geral da Administração ELC1010 Circuitos Digitais ELC Lógica e Algoritmo ELC Laboratório de Programação I ELC Introdução a Sistemas de Informação 30 h 2º Semestre (330 h) CIE1002 Teoria Econômica MTM198 Matemática Discreta ELC1011 Organização de Computadores ELC Estruturas de Dados A ELC Laboratório de Programação II DCT Introdução à Ciência da Informação 30 h 3º Semestre (3) ELC Pesquisa e Ordenação de Dados A STC303 Estatística ELC1012 Arquitetura de Computadores ELC Engenharia de Software A ELC117 Paradigmas de Programação CAD Gestão de Pessoas A 4º Semestre (300 h) 24 CAD Marketing C DPS Engenharia Econômica ELC Gerência de Projetos de Software ELC119 Fundamentos de Bancos de Dados

25 ELC1016 Sistemas Operacionais 5º Semestre (3) CTB Custos A ELC Projeto e Gerência de Banco de Dados ELC133 Qualidade de Software ELC Interface Humano-Computador DCG Disciplinas Complementares de Graduação à escolha do aluno 120 h DCG 6º Semestre (375 h) ELC1017 Redes de Computadores 75 h CAD Empreendedorismo B ELC Projeto de Software 120 h DCG Disciplinas Complementares de Graduação à escolha do aluno 120 h DCG 7º Semestre (3) ELC Projeto de Software II 120 h ELC137 Sistemas de Informação Distribuídos ELC Metodologia de Pesquisa em Sistemas de Informação DCG Disciplinas Complementares de Graduação à escolha do aluno 120 h DCG 8º Semestre (3) ELC414 Trabalho de Graduação 180 h DCG Disciplinas Complementares de Graduação à escolha do aluno 180 h DCG 25

26 3.3. Normas e Procedimentos Esta seção resume algumas normas da UFSM e do Colegiado do Curso de Sistemas de Informação, bem como procedimentos que devem ser conhecidos por todos os alunos. Outras informações sobre normas encontram-se no Guia do Estudante da UFSM. Matrícula A matrícula é realizada semestralmente, em períodos estabelecidos pelo Calendário Escolar da UFSM. Os alunos calouros realizam a matrícula junto à coordenação do Curso, nas datas divulgadas pela UFSM. Os alunos que já possuem vínculo com o Curso devem solicitar a matrícula via Web, no Portal do Aluno (http://portal.ufsm.br/aluno), fornecendo usuário e senha cadastrados junto a qualquer biblioteca da UFSM. Na primeira semana letiva, deve ser feita a efetivação presencial de matrícula junto à Coordenação do Curso. A matrícula só é efetivada com a assinatura do Requerimento Definitivo de Matrícula pelo aluno ou por seu procurador. Limites de carga horária semestral: mínimo de 255 horas e máximo não tem limite fixado devendo, porém, atender o disposto na Resolução n. 14/2000-UFSM que fixa uma carga horária máxima de 540 horas. Ajuste de matrículas: após as matrículas, haverá um período de ajustes de acordo com o calendário acadêmico para alterações na matrícula do semestre. Resolução 005/1995: Esta resolução permite que alunos reprovados com nota, mas com frequência suficiente, recuperem a disciplina no semestre subseqüente sob regime especial de avaliação, sem frequentar as aulas. A matrícula nesse regime especial de avaliação deve ser solicitada diretamente à Coordenação no período de matrículas. Alunos que não realizarem os procedimentos de matrícula no período previsto perdem automaticamente o vínculo com o Curso. Trancamento Trancamento total: permite manter o vínculo com o Curso mesmo que não seja cursada nenhuma disciplina no semestre. Limite: 4 trancamentos. Deve ser solicitado no Portal do aluno, no período de 26

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Guia de Orientação ao Aluno

Guia de Orientação ao Aluno Guia de Orientação ao Aluno Curso de Ciência da Computação Universidade Federal de Pelotas Centro de Desenvolvimento Tecnológico Março de 2012 1. Palavras iniciais Este Guia de Orientação serve para orientar

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 10.08.10 Vigência: ingressos a partir de 2011/1

Aprovado no CONGRAD: 10.08.10 Vigência: ingressos a partir de 2011/1 Aprovado no CONGRAD: 10.08.10 Vigência: ingressos a partir de 2011/1 CÓD. 207 - CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Noite - Currículo nº 06 CÓD. 2509 - CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Manhã e Noite - Currículo

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 026/2012 CONSEPE (Alterada pela Resolução nº 019/2013 - CONSEPE) (Alterada pela Resolução n 043/2014 CONSEPE)

RESOLUÇÃO Nº 026/2012 CONSEPE (Alterada pela Resolução nº 019/2013 - CONSEPE) (Alterada pela Resolução n 043/2014 CONSEPE) RESOLUÇÃO Nº 026/2012 CONSEPE (Alterada pela Resolução nº 019/2013 - CONSEPE) (Alterada pela Resolução n 043/2014 CONSEPE) Regulamenta as atividades complementares nos cursos de graduação da UDESC. O Presidente

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 75/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia de do Centro

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 028/2011 CONSEPE (Revogada pela Resolução n 026/2012 CONSEPE)

RESOLUÇÃO Nº 028/2011 CONSEPE (Revogada pela Resolução n 026/2012 CONSEPE) RESOLUÇÃO Nº 028/2011 CONSEPE (Revogada pela Resolução n 026/2012 CONSEPE) Regulamenta as Atividades Complementares nos Cursos de Graduação da UDESC. A Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR (Currículo 2006.2) Agosto de 2010 Hodiernamente não mais se concebe que a formação do futuro profissional

Leia mais

Normas para ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO (ACG) do Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária UFSM, Campus FW.

Normas para ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO (ACG) do Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária UFSM, Campus FW. Normas para ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO (ACG) do Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária UFSM, Campus FW. As Atividades Complementares de Graduação, conforme as Diretrizes Curriculares do

Leia mais

Entre os elementos desejados no perfil dos egressos podem ser citados:

Entre os elementos desejados no perfil dos egressos podem ser citados: COMPETÊNCIAS E HABILIDADES Apesar do foco do curso de Engenharia de Computação da UCDB está na área de software, o profissional formado pelo curso de Engenharia da Computação deve adquirir as seguintes

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Curso: Bacharelado em Informática. Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Curso: Bacharelado em Informática. Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Curso: Bacharelado em Informática Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Informações Básicas do Currículo Duração Ideal 8 semestres Mínima 6 semestres Máxima 14 semestres Carga Horária Aula

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Resolução 012/2010 da Pró-Reitoria de Graduação CAPÍTULO I - DO CONCEITO Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GERENCIAIS 2012 GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS

Leia mais

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS O documento que serviu de base para a análise a seguir é o denominado "Diretrizes Curriculares

Leia mais

GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES

GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES Válido para ingressantes a partir do 1º/2010 Prezado (a) acadêmico (a), Seja bem vindo ao Centro Universitário Instituto de Educação Superior de Brasília

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

Normativas para as Atividades Complementares de Graduação do Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores CTISM/UFSM

Normativas para as Atividades Complementares de Graduação do Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores CTISM/UFSM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Normativas para as Atividades Complementares de

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

CALENDÁRIO ACADÊMICO 2015. Aprovado na 856ª sessão do CEPE, em 07/11/2014

CALENDÁRIO ACADÊMICO 2015. Aprovado na 856ª sessão do CEPE, em 07/11/2014 JANEIRO 01/01/2015 Feriado FERIADO: Confraternização Universal, feriado nacional. 07/01/2015 Coordenações de curso de - modalidades 08/01/2015 a 15/01/2015 Coordenações de cursos de - modalidades 16/01/2015

Leia mais

Natália Galito Rocha Tutora de Biomedicina nataliagalito@id.uff.br

Natália Galito Rocha Tutora de Biomedicina nataliagalito@id.uff.br Natália Galito Rocha Tutora de Biomedicina nataliagalito@id.uff.br Rua Miguel de Frias, nº9 Icaraí Niterói, RJ Rua Miguel de Frias, nº9 Icaraí Niterói, RJ Finalidade: Iniciação à docência em nível superior;

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA 2013 ATIVIDADES COMPLEMENTARES O que são? São práticas acadêmicas de múltiplos formatos, obrigatórias, que podem ser realizadas dentro ou fora

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições do

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA - MESTRADO EM COMPUTAÇÃO, DO CENTRO DE TECNOLOGIA, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art.

Leia mais

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Objetivos. 4.1.2 - Perfil do Egresso. 4.1.3 - Estrutura Curricular

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Objetivos. 4.1.2 - Perfil do Egresso. 4.1.3 - Estrutura Curricular 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Objetivos O Curso de Bacharelado em Relações Internacionais, oferecido pelo IEUFU, tem como objetivo a formação de profissionais capazes

Leia mais

MBA EM ARQUITETURAS DE REDES E CLOUD COMPUTING

MBA EM ARQUITETURAS DE REDES E CLOUD COMPUTING MBA EM ARQUITETURAS DE REDES E CLOUD COMPUTING Você é um profissional de infraestrutura capaz de integrar Redes, Sistemas/Software e Banco de Dados em datacenters e utilizar técnicas de virtualização em

Leia mais

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL QUADRIÊNIO 2012-2015 Cascavel set/2011. APRESENTAÇÃO Nasci em Umuarama/PR em 31/07/1973. Sou técnico em Contabilidade pelo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 36 / 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Línguas Estrangeiras

Leia mais

Manual. Por: PET ADM UFMG. Um guia para conhecer melhor a faculdade

Manual. Por: PET ADM UFMG. Um guia para conhecer melhor a faculdade Manual Do Calouro Por: PET ADM UFMG Um guia para conhecer melhor a faculdade índice PET ADM UFMG Capítulo 1 O curso de Administração Capítulo 2 Oportunidades UFMG Capítulo 3 - Espaços mais importantes

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO Regulamentação de Pós-Graduação Lato-Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

2008-2020 BRASÍLIA / DF 2009 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ECONOMIA. Reg ECONOMIA.indd 1 6/9/2010 17:04:48

2008-2020 BRASÍLIA / DF 2009 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ECONOMIA. Reg ECONOMIA.indd 1 6/9/2010 17:04:48 2008-2020 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ECONOMIA BRASÍLIA / DF 2009 Reg ECONOMIA.indd 1 6/9/2010 17:04:48 Reg ECONOMIA.indd 2 6/9/2010 17:04:48 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO. COORDENADORA Iris Fabiana de Barcelos Tronto irisbarcelos@ufv.br

SISTEMA DE INFORMAÇÃO. COORDENADORA Iris Fabiana de Barcelos Tronto irisbarcelos@ufv.br SISTEMA DE INFORMAÇÃO COORDENADORA Iris Fabiana de Barcelos Tronto irisbarcelos@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2010 89 Bacharelado ATUAÇÃO Sistemas de Informação é um curso da área de Informática voltado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

2015-2. Guia. Discente. Complexo Educacional Monteiro Lobato FATO

2015-2. Guia. Discente. Complexo Educacional Monteiro Lobato FATO Guia 2015-2 Discente Com o objetivo de colaborar na busca de soluções e transparência de informações sobre o funcionamento da Instituição, bem como o posicionamento da mesma, estruturou-se esse documento

Leia mais

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO SOBRE O CURSO Com a revolução tecnológica, não é só o mundo que muda, mas a área de tecnologia também. O Engenheiro de Computação é um profissional fundamental para que essa evolução

Leia mais

PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014.

PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014. PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014. Regulamenta o procedimento de concessão de créditos para as atividades complementares dos alunos dos Cursos de Graduação em Engenharia Industrial Madeireira ingressantes

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-Graduação em Letras tem por objetivo a formação de docentes destinados

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

NORMATIVAS PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO (ACG) DO CURSO DE NUTRIÇÃO UFSM/CESNORS

NORMATIVAS PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO (ACG) DO CURSO DE NUTRIÇÃO UFSM/CESNORS Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte RS Departamento de Ciências da Saúde Curso de Nutrição NORMATIVAS PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO

Leia mais

NFORMAÇÕES GERAIS: CURSO DOUTORADO

NFORMAÇÕES GERAIS: CURSO DOUTORADO 1 NFORMAÇÕES GERAIS: CURSO DOUTORADO Caro (a) Doutorando (a), Seja bem-vindo (a) ao Programa de Pós-Graduação em Psicologia da PUC Minas. Desejamos que você tenha um bom curso. Seguem algumas informações

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Designamos atividades complementares o conjunto de eventos oferecidos aos alunos de

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA ITEPA FATEPA. Mantida pelo Instituto Técnico de Educação Porto Alegre Ltda

FACULDADE DE TECNOLOGIA ITEPA FATEPA. Mantida pelo Instituto Técnico de Educação Porto Alegre Ltda FACULDADE DE TECNOLOGIA ITEPA FATEPA Mantida pelo Instituto Técnico de Educação Porto Alegre Ltda CURSO DE GRADUAÇÃO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA/MEC DE AUTORIZAÇÃO Nº 468, D.O.U.

Leia mais

FACULDADE DIREÇÃO GERAL NORMA 029 1/5

FACULDADE DIREÇÃO GERAL NORMA 029 1/5 1. Dos Requisitos e Documentos para o Ingresso Para ingressar nos cursos de ensino superior o candidato deve ter concluído o Ensino Médio, prestar processo seletivo da IES ou ingressar por uma das formas

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM ENSINO DE MATEMÁTICA Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM ENSINO DE MATEMÁTICA Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM ENSINO DE MATEMÁTICA Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO Regulamentação de Pós-Graduação Lato-Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Escola de Ciências e Tecnologia Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia (Rascunho) Introdução O Bacharelado em Ciências e Tecnologia (BCT), da Universidade

Leia mais

BOLSAS E BENEFÍCIOS PROGRAMA ESPECIAL DE GRATUIDADE PARCIAL GRUPO FAMILIAR

BOLSAS E BENEFÍCIOS PROGRAMA ESPECIAL DE GRATUIDADE PARCIAL GRUPO FAMILIAR BOLSAS E BENEFÍCIOS DESCONTOS AOS ESTUDANTES PARA PAGAMENTO DA MENSALIDADE DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - Pagamento mensal no prazo: 3% - válido para a modalidade Presencial. PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS

Leia mais

Regulamento do Curso de. Mestrado Integrado em Engenharia Informática

Regulamento do Curso de. Mestrado Integrado em Engenharia Informática Regulamento do Curso de Mestrado Integrado em Engenharia Informática (Ciclo integrado de estudos superiores) (Registado na DGES através do n.º R/A-Cr 21/2013) Artigo 1.º Regulamento geral aplicável O Curso

Leia mais

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção.

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. O Conselho Superior da Faculdade Projeção, com base nas suas competências

Leia mais

Carga horária: 504 horas Unidade Curricular Carga Horária (h) Carga Horária Semanal (h)

Carga horária: 504 horas Unidade Curricular Carga Horária (h) Carga Horária Semanal (h) ORGANIZAÇÃO CURRICULAR A estrutura curricular do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas da FESC, tem sua essência referenciada na pesquisa de mercado identificando a demanda

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - FACISA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Belo Horizonte 2011 INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS ATIVIDADES O QUÊ? As atividades complementares

Leia mais

TURMA ESPECIAL DE DIREITO CARREIRAS MILITARES

TURMA ESPECIAL DE DIREITO CARREIRAS MILITARES TURMA ESPECIAL DE DIREITO CARREIRAS MILITARES SISTEMA CAMPUS VIRTUAL CRUZEIRO DO SUL PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES SOBRE O CURSO (FAQ) 1. O CURSO DE DIREITO É RECONHECIDO PELO MEC? O aluno fará um curso

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO Coordenadora do Curso: Profa. Ms. Ana Laura Grossi de Oliveira Professoras orientadoras de estágio: Profa. Ms. Adriana Pereira Medina Stracieri

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL UNIDADE SANTO AMARO São Paulo, fevereiro de 2012 NOSSA MISSÃO Proporcionar acesso a um ensino de qualidade para diferentes segmentos da população, criando vínculos fortes e duradouros

Leia mais

Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de

Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. André Luiz Perin 2 Semestre de 2012 Pastoral Universitária e Escolar Núcleo de Artes e Cultura 1 Palavra da FACET Prof. Carlos Eduardo Santi Diretor

Leia mais

Manual Geral de Normas para Atividades Complementares

Manual Geral de Normas para Atividades Complementares CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Curso de Administração - EaD Manual Geral de Normas para Atividades Complementares 2012 Núcleo de Educação a Distância Coordenação do Curso de Administração

Leia mais

CONSIDERANDO que este Conselho compete normatizar esse procedimento; R E S O L V E:

CONSIDERANDO que este Conselho compete normatizar esse procedimento; R E S O L V E: RESOLUÇÃO N o 03/90, CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Aprova as Normas para elaboração de Projetos de Cursos de Especialização (Pós-Graduação lato sensu ). O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA MECÂNICA I - INTRODUÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA MECÂNICA I - INTRODUÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA MECÂNICA I - INTRODUÇÃO O Curso Superior de Engenharia Mecânica prevê em sua grade curricular atividades práticas de suma

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 1, de 1 de março de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA - UFV CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES - CCH DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE - DAD

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA - UFV CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES - CCH DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE - DAD DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE - DAD NORMAS PARA COMPENSAÇÃO DE CARGA HORÁRIA DE ATIVIDADES EXTRACURRICULARES - AEx 1) Os alunos dos Cursos de Administração e Ciências Contábeis poderão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Letras Diretoria Adjunta de Cultura e Extensão Cursos de Línguas Abertos à Comunidade

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Letras Diretoria Adjunta de Cultura e Extensão Cursos de Línguas Abertos à Comunidade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Letras Diretoria Adjunta de Cultura e Extensão Cursos de Línguas Abertos à Comunidade EDITAL PARA PROCESSO DE INSCRIÇÃO NOS CURSOS DE LÍNGUAS ABERTOS

Leia mais

GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA. fgv.br/vestibular

GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA. fgv.br/vestibular GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

III conferir, de acordo com o regime didático-científico do Programa, os graus de Doutor e Mestre Acadêmico;

III conferir, de acordo com o regime didático-científico do Programa, os graus de Doutor e Mestre Acadêmico; 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM SERVIÇO SOCIAL 1. Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I formar pessoal nível de Mestrado Acadêmico, Doutorado e Pós-Doutorado,

Leia mais

EDITAL 35/2015 2º SEMESTRE DE 2015. Programa Curso VAGAS. Mestrado 29. Doutorado 04. Mestrado 13. Doutorado 05. Educação Mestrado 30

EDITAL 35/2015 2º SEMESTRE DE 2015. Programa Curso VAGAS. Mestrado 29. Doutorado 04. Mestrado 13. Doutorado 05. Educação Mestrado 30 EDITAL 35/2015 PROCESSO SELETIVO DISCENTE dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu, MESTRADO e DOUTORADO, das áreas Direito, Educação e Saúde Coletiva. A Pró-Reitora de Pós-Graduação e Pesquisa da

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA (Ato de Aprovação:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CAMPUS UNISULVIRTUAL EDITAL DE TRIAGEM Nº 08/05/2013

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CAMPUS UNISULVIRTUAL EDITAL DE TRIAGEM Nº 08/05/2013 UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CAMPUS UNISULVIRTUAL EDITAL DE TRIAGEM Nº 08/05/2013 A FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA - UNISUL, Campus UnisulVirtual, nos termos deste edital, torna

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 31/13, de 21/08/13. CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este regulamento dispõe especificamente do Núcleo de Informática

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE QUÍMICA, CAMPUS PATO BRANCO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE QUÍMICA, CAMPUS PATO BRANCO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Coordenação do Curso Superior de Química: Bacharelado em Química Industrial e Licenciatura em Química REGULAMENTO DAS

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares

Regulamento das Atividades Complementares Regulamento das Atividades Complementares Curso de Design de Moda FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE - FAPEPE I. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento tem por finalidade normatizar as Atividades

Leia mais

Apresentação. Prezado aluno,

Apresentação. Prezado aluno, A Faculdade São Judas Tadeu tem como missão promover a emancipação do indivíduo através da educação, compreendida pelo desenvolvimento do conhecimento, atitudes e valores e respeito à dignidade humana.

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE COOPERATIVAS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE COOPERATIVAS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE COOPERATIVAS Santa Maria RS 2011 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO DO CURSO SUPERIOR

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2014 Graduação Presencial Manual do Candidato Ingresso Via ENEM

PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2014 Graduação Presencial Manual do Candidato Ingresso Via ENEM PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2014 Graduação Presencial Manual do Candidato Ingresso Via ENEM A Universidade Cidade de São Paulo UNICID, atendendo a Portaria Normativa MEC n o 40, de 12.12.2007, resolve promover

Leia mais

CAPÍTULO I Do objetivo

CAPÍTULO I Do objetivo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA GABINETE DO REITOR SECRETARIA DE APOIO INTERNACIONAL - SAI EDITAL Nº 008, DE 20 DE MAIO DE 2015 O presente edital visa regular a seleção de estudantes

Leia mais

Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Núcleo Docente Estruturante (NDE)

Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Núcleo Docente Estruturante (NDE) Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Núcleo Docente Estruturante (NDE) 20/05/2015 Agenda 1 2 3 4 5 6 Introdução e Motivação Resultados da

Leia mais

VESTIBULAR IZABELA HENDRIX LORENA NEVES MATIAS ARQUITETURA E URBANISMO DIALOGUE ARGUMENTE CRITIQUE TOLERE APRENDA CRESÇA FAÇA

VESTIBULAR IZABELA HENDRIX LORENA NEVES MATIAS ARQUITETURA E URBANISMO DIALOGUE ARGUMENTE CRITIQUE TOLERE APRENDA CRESÇA FAÇA VESTIBULAR IZABELA HENDRIX LORENA NEVES MATIAS ARQUITETURA E URBANISMO DIALOGUE ARGUMENTE CRITIQUE TOLERE APRENDA CRESÇA FAÇA BEM-VINDO AO IZABELA HENDRIX ESTAR NA VANGUARDA É ESTAR À FRENTE. É APONTAR

Leia mais

EDITAL N 130/2015 ABERTURA DE INSCRIÇÃO PARA SELEÇÃO DE MONITORES UNIVERSIDADE PARA TODOS 2015

EDITAL N 130/2015 ABERTURA DE INSCRIÇÃO PARA SELEÇÃO DE MONITORES UNIVERSIDADE PARA TODOS 2015 Secretaria da Educação do Estado da Bahia Superintendência de Políticas para a Educação - SUPED Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários - PROEX

Leia mais

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO JANDAIA

Leia mais

EDITAL Nº 08/2014 - PROEX

EDITAL Nº 08/2014 - PROEX EDITAL Nº 08/2014 - PROEX 1. DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS DIVULGA O PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE FORMAÇÃO EM IDIOMA ESTRANGEIRO NA MODALIDADE DE CURSOS DE INGLÊS, FRANCÊS, ALEMÃO, ITALIANO E ESPANHOL.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Habilitação: Bacharel em Sistemas de Informação Cálculo I - 90 6 Lógica - Programação I - 90 6 1º. Fundamentos de Sistemas de Informação - Metodologia da Pesquisa - 30 2 Comunicação Empresarial - 30 2

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DA MATRIZ CURRICULAR DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR E ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM MARKETING E O REGULAMENTO

Leia mais

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu TÍTULO I Do Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Capítulo I Das Disposições Preliminares Artigo 1º - O Regime de Pós-Graduação Stricto Sensu, nos níveis de

Leia mais

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES INICIAIS DAS COMPETÊNCIAS Art. 1º O Setor de Registros Acadêmicos - SRA é o órgão que operacionaliza todas as atividades ligadas à vida

Leia mais