UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CLAUDIO DIAS CRUZ NOVOS CRITÉRIOS PREDIAIS MUNICIPAIS PAULISTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CLAUDIO DIAS CRUZ NOVOS CRITÉRIOS PREDIAIS MUNICIPAIS PAULISTAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CLAUDIO DIAS CRUZ NOVOS CRITÉRIOS PREDIAIS MUNICIPAIS PAULISTAS SÃO PAULO 2008

2 ii CLAUDIO DIAS CRUZ NOVOS CRITÉRIOS PREDIAIS MUNICIPAIS PAULISTAS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi Orientador: Prof. Dr. Sidney Lazaro Martins SÃO PAULO 2008

3 iii CLAUDIO DIAS CRUZ NOVOS CRITÉRIOS PREDIAIS MUNICIPAIS PAULISTAS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi Trabalho em: de de Prof. Dr. Sidney Lazaro Martins Nome do professor(a) da banca Comentários:

4 Dedico este Trabalho a minha adorada Namorada Priscilla que sempre esteve ao meu lado, tanto pessoal como profissionalmente tornando possível este trabalho e ao meu grande amigo Ricardo Savoldi Bilda que infelizmente não esta mais entre nos. iv

5 v AGRADECIMENTOS Como toda pesquisa demanda uma quantidade considerável de tempo e dedicação, quando o mesmo fica pronto gera uma grande satisfação, que deve ser compartilhada por todos os envolvidos nesta empreitada. A minha família, que sempre me proveu de todo o necessário para que me tornasse o que sou hoje, tanto física como mentalmente. Ao professor Dr. Sidney Lazaro Martins, que me apoiou em todas as vezes que necessitei neste trabalho com estimulo, atenção e profissionalismo. À Deus, pois sem ele nada é possível.

6 vi RESUMO Trata-se de um trabalho que visa alertar a população para um problema da agua, explanar algumas maneiras de preservar economizar e cuidar dos os mananciais. Alguns tópicos mencionados levam à diminuição do consumo de água, energia e materiais da construção civil tal como conseqüência o bem estar de todos. A população necessita de medidas para a preservação de bens comuns como nossos suprimentos de água doce, pois segundo COIMBRA ( 1999 ) 97,5% de água no planeta é salgada, 2,5% é água doce e desses 2% estão congeladas, sobrando apenas para consumo humano e animal 0,5%, onde podemos acrescentar que rios e córregos poluídos estão nesses números, assim dificultando o consumo pois necessitam de mais tempo e mão de obra e recurso financeiros para liberar o consumo desta água.

7 vii ABSTRACT This is a work that aims to alert the population to a problem that we are condemned to spend the shortage of water, explain some ways to save preserve and protect the springs. Some topics mentioned lead to reducing water consumption, energy and materials of construction as a result the welfare of all. The population needs measures for the preservation of common goods as our supplies of fresh water, because the second COIMBRA (1999) 97.5% of the planet is salt water, fresh water is 2.5% and 2% of these are frozen, leaving only for human and animal consumption 0.5%, where we can add that rivers and streams are polluted in such numbers, thus hindering the consumption because need more time and manpower and financial resources to make the consumption of water.

8 viii LISTA DE FIGURAS Figura Reúso da agua banho residencial (SOCIEDADE DO SOL)...9 Figura Clorador Embrapa (EMBRAPA, 2007)...11 Figura Coleta de águas cinza residencial ( PINIWEB, 2007 )...12 Figura Esquema aquecimento solar residencial ( MASTERSOL, 2007 )...14 Figura Hidrometro para medição individual ( SABESP, 2007 )...16 Figura Calçada verde ( REVISTA VIVERBEM, 2007 )...18 Figura Residuo da construção ( JORNAL NOVO MILENIO, 2003 )...20 Figura Caixa de gordura ( CEDAE, 2007 )...22 Figura Fachada do edificio Mundo Apto Barra funda ( em São Paulo )...23 Figura Reservatorio e coleta de aguas servidas ( MUNDO APTO, 2008 )...24 Figura Reservatorio e coleta de aguas servidas ( MUNDO APTO, 2008 )...25 Figura Reservatório aerobico cloração ( MUNDO APTO, 2008 )...26 Figura Reservatorio aerobico cloração ( MUNDO APTO, 2008 )...27 Figura Placas de aquecimento solar ( MUNDO APTO, 2008 )...30 Figura Reservatorio de agua quente ( MUNDO APTO, 2008 )...31 Figura 6.9 Reservatório de água das chuvas ( MUNDO APTO, 2008 )...32

9 ix LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Consumo diario per / capita Mundo Apto Barra Funda...28 Tabela 2 - Economia em litros / dia...28 Tabela 3 Economia em reais / ano...29 Tabela 4 - Economia anual em relação ao sistema eletrico...31

10 x LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS CEDAE PMSP SEDUH CISTERNAS Companhia Estadual de águas e esgotos Prefeitura municipal de São Paulo Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano, Planejamento e Habitação Local onde se acumula água da chuva para consumo IBGE GLP Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Gás liquefeito de petroleo

11 xi LISTA DE SÍMBOLOS W Watt...13

12 xii SUMÁRIO p. 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo especifico MÉTODO DE TRABALHO JUSTIFICATIVA IMPACTOS AMBIENTAIS Sustentabilidade Ecologica Código de obras e edificações Reúso de água Aquecimento solar Medição isolada do consumo de água Calçadas verdes Geração de residuos da construção civil Canalização de esgoto sanitário ESTUDO DE CASO ANALISE DOS RESULTADOS...33

13 xiii 8 CONCLUSÕES...34 REFERENRÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS...35

14 1. INTRODUÇÃO Tradicionalmente o processo de construção tem considerado como fatores competitivos o triângulo custo, qualidade e tempo. Os alertas e sinais de cansaço do meio ambiente, nas últimas décadas, demandam que processos produtivos minimizem impactos ambientais. Mais do que nunca, faz-se necessário que se consolide na indústria da construção uma ética de cuidar do meio ambiente. Os princípios que norteiam as decisões tomadas na adoção de tecnologias da construção precisam ser reavaliados. Tecnologia da construção aqui definida como a combinação de métodos e recursos construtivos, realização de tarefas e a influência de projetos que definem a maneira de abordar uma operação construtiva. Mudar a maneira que se vem produzindo o ambiente construído envolve um grande número de variáveis, agentes e aprendizados, que devem estar fundamentados nas raízes do conceito de sustentabilidade. Com os avanços científicos da humanidade a exploração do meio ambiente cresceu. Em compensação a velocidade em que o homem destrói a natureza também aumenta consideravelmente. O nosso planeta enfrenta um desafio ambiental cuja falta de resolução ou adiamento, poderá vir a ditar o fim da civilização humana, tal como se conhece. Em termos ambientais a ação do homem tem se revelado muito pior que uma praga de gafanhotos. Pelo menos aqueles limitam-se a consumir recursos renováveis numa lógica igualitária. A ação humana consome tudo e polui tudo numa lógica de devastação sem paralelo, agravada pelo fato de somente a alguns assistir o direito de consumir e poluir. O resultado final é um planeta, poluído quase até ao limite, e que ironicamente parece caminhar no sentido de uma nova idade do gelo. Nunca como agora os

15 2 efeitos imediatos dos padrões de consumo da civilização humana, revelaram dimensões de natureza intergeracional e intergeográfica tão evidentes, produzindo conseqüências em outros países e afetando futuras gerações.

16 3 2 OBJETIVOS Demonstrar que é possível por meio de pequenas ações legais e individuais preservar o meio ambiente que se vive. 2.1 Objetivo Geral Apontar alguns dispositivos para a elaboração de um projeto imobiliário visando a preservação do meio ambiente. 2.2 Objetivo Específico Mostrar critérios para preservação do meio ambiente com o reúso de água e aquecimento solar e outras leis que foram estabelecidas para a aprovação de projetos de edificações necessitam ser cumpridas no Município de São Paulo.

17 4 3 MÉTODO DE TRABALHO Para este trabalho serão usados alguns materiais de pesquisa de associações nacionais e internacionais que visam à preservação ambiental e a informação dos que a elas procuram como o Greenpeace, Secovi e tantas outras que tem por meio de informar e preservar o meio em que se vive. - Revistas sobre o meio ambiente: - Livros: - Estudo de caso ( Obra Mundo Apto Barra Funda ) - Fornecedores de materiais do ramo da construção civil antes durante e pós obra - Consultores de projeto do meio ambiente que se preocupam com a condição do planeta no dia de amanhã; - Sites relacionados às mudanças de leis que possibilitem seu usuário informar e alertar sobre tudo que se passa no mundo trazendo junto a ele uma nova visão de preservação ambiental.

18 5 4 JUSTIFICATIVA O conceito de construção sustentável no mundo esta crescendo cada vez mais, se antes itens ecologicamente corretos não passavam de atrativos para a venda do imóvel, hoje tornaram imprescindíveis nos projetos de construções residenciais, tanto para valorizar o imóvel no presente e no futuro, quanto para se adequar as novas leis ambientais, não sendo apenas uma solicitação da elite, mas chegando também a uma classe com menos poder aquisitivo. Sendo assim alguns critérios para a obtenção do projeto de construção passam a ser prioridade na concepção de edifícios e habitações.

19 6 5 IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 Sustentabilidade ecológica O Brasil é um país extremamente urbano segundo dados do IBGE (2004), mais de 80 % de sua população vive nas cidades. Esta crise populacional em que o país se encontra pode observar expressa pela baixa qualidade de vida urbana, na destruição e descaracterização das edificações e principalmente pela falta de sustentabilidade ecológica nos processos decorrente de edificação desenfreada, com uma crescente degradação ambiental na relação entre os espaços construídos e naturais existentes. A sociedade ocidental consolidou, ao longo dos anos noventa, a adoção de um novo referencial científico para pensar a relação entre as populações humanas e o meio ambiente. Formado por conceitos provenientes da ecologia e da teoria biológica da evolução, e também influenciado pelas propostas do movimento ambientalista, este referencial elegeu o conceito de sustentabilidade ecológica como o indicador mais importante de suas análises. Por sustentabilidade ecológica entende-se a capacidade de uma dada população de ocupar uma determinada área e explorar seus recursos naturais sem ameaçar, ao longo do tempo, a integridade ecológica do meio ambiente. Nos meados do século passado teve início a implantação de edifícios com algumas características associadas à sustentabilidade, tais como: fachadas com menor absorção de calor, reutilização da água e a utilização de materiais locais. Hoje, como nunca em outro período, está próximo de compreender a extensão do impacto ecológico dos edifícios, e já é possível mensurar e estabelecer estratégias para neutralizá-lo.

20 7 5.2 Código de obras e edificações O código de obras e edificações do município de São Paulo foi regulamentado pela lei nº , de 25 de Junho de 1992, dispõe sobre as regras gerais e especificas a serem obedecidas no projeto, licenciamento, execução, manutenção e utilização de obras e edificações, desde a sua criação vêm sendo agregadas novas normas para que cada vez mais esteja próximo a que se necessita, sempre que necessário é acrescida alguma lei, dentre muitas que já se adicionou algumas merecem algum enfoque, pois ajudam no convívio com o meio ambiente e seu próximo. Elas tratam de questões que em alguns anos atrás seriam um diferencial de projeto e hoje já se sabe que precisam ser respeitadas. As Leis do município de São Paulo são elaboradas, atualizadas e readequadas, pois tem agregado alguns problemas em decorrência do acúmulo de pessoas no Município, onde existe o acúmulo de lixo, aumento do consumo de energia, aumento do consumo de água, a diminuição das áreas permeáveis entre outros. Todos estes problemas devem ser solucionados ou mitigados e a legislação atualizada. Segundo a PMSP(2007), desertificação, lixo, enchentes, erosão, habitações em áreas de risco esses foram os resultados da ocupação desenfreada e pouco planejada do solo de São Paulo. O mesmo crescimento que a transformou em uma das maiores cidades do mundo e em poderoso centro financeiro do país, trouxe também uma série de problemas que hoje precisam ser gerenciados e transformados para que a população da cidade possa, conjuntamente, se beneficiar de tudo o que São Paulo oferece.

21 8 5.3 Reúso de água Segundo KUNZ (2000), nas últimas décadas, os problemas ambientais têm se tornado mais críticos e freqüentes, principalmente devido ao desmedido crescimento populacional e ao aumento da atividade industrial. Com estes ingredientes os problemas devido a ação antrópica têm atingido dimensões catastróficas, podendo ser observadas através de alterações na qualidade do solo, ar e água. Sem dúvida, a contaminação de águas naturais tem sido um dos grandes problemas da sociedade moderna. A economia de água em processos produtivos vem ganhando especial atenção devido ao valor agregado que tem sido atribuído a este bem, através de princípios como consumidor pagador e poluidor recentemente incorporado em nossa legislação Brasileira. Aliado a isso, tem-se previsões não muito animadoras para o século que se inicia, como por exemplo a previsão feita pela SABESP (2000), que estima que já em 2010 a demanda de água será superior a capacidade hídrica dos mananciais do Estado. Segundo COIMBRA (1999), o reaproveitamento da água ou reúso tem sido bastante discutido, pois é reutilizada para fins não potáveis não sendo necessário uma total e cara purificação. Com isso pode se afastar por algum tempo o fantasma da seca que em muitas regiões preocupa os habitantes, tendo em vista que existe 97,5% de água no planeta salgada e 2,5% de água doce, mas desses 2% estão nas geleiras. Necessita-se, assim cada vez mais do racionamento de água, onde o reúso de agua é fundamental. Ver figura 5.3. Segundo SOL (2003), a água de reúso residencial é pouco homogênea, constituída por resíduos de pele, sabões, detergentes, creme dental, cabelos, gorduras, suor, urina, saliva, placas bacterianas provenientes de ralos e outros. A tecnologia para o trato desse tipo de água ainda não é publica. A literatura das técnicas de reúso é extensa, mas sem oferecer claramente as informações.

22 9 Figura 5.3 Reúso da água banho residencial (SOCIEDADE DO SOL, 2003) Segundo UNIAGUA (2003), nesse contexto, torna-se imprescindível o uso racional da água. Segundo UNIAGUA (2003) o destino da água em casa no Brasil, cerca de 200 litros diários por habitantes, é: 27% consumo (cozinhar, beber água), 25% higiene (banho, escovar os dentes), 12% lavagem de roupa; 3% outros (lavagem de carro) e finalmente 33% descarga de banheiro, o que mostra que, tanto nas cidades como nas indústrias se existirem duas redes de água, reusando "água cinzenta" (que são as águas resultantes de lavagens e banho) para descarga de latrinas, pode-se economizar 1/3 de toda água. As águas de chuva são entendidas pela legislação brasileira como esgoto, pois usualmente são dos telhados, e dos pisos para as bocas de lobo aonde, como "solvente universal", carrega todo tipo de impurezas, dissolvidas, suspensas, ou

23 10 simplesmente arrastadas mecanicamente, para um córrego que vai acabar num rio que por sua vez supri uma captação para Tratamento de Água Potável. Claro que essa água sofreu um processo natural de diluição e autodepuração, ao longo de seu percurso hídrico, nem sempre suficiente para realmente depurá-la. Segundo a UNIAGUA (2003), uma pesquisa da Universidade da Malásia deixou claro que após o início da chuva, somente as primeiras águas carreiam ácidos, microorganismos, e outros poluentes atmosféricos, sendo que normalmente pouco tempo após a mesma já adquire características de água destilada, que pode ser coletada em reservatórios fechados. Para uso humano, inclusive como água potável, deve sofrer evidentemente filtração e cloração, o que pode ser feito com equipamento barato e simplíssimo, tipo Clorador Embrapa ou Clorador tipo Venturi automático. Conforme figura O custo baixíssimo da água nas cidades de aproximadamente oito reais o metro cúbico UNIAGUA (2003), pelo menos para residências, inviabiliza qualquer aproveitamento econômico da água de chuva para beber. Já para Indústrias, onde o metro cúbico é mais que o dobro do custo das residências, é usualmente viável sim esse uso. O Semi árido Nordestino tem projetos onde a competência e persistência combatem o imobilismo do ser humano, com a construção de cisternas para água de beber para seus habitantes.

24 11 Figura Clorador Embrapa (EMBRAPA) Água cinza é todo esgoto secundário proveniente dos lavatórios, chuveiros, tanque e máquina de lavar roupa. Devido à escassez dos recursos hídricos, diversos países desenvolveram sistemas de tratamento visando à reciclagem das águas cinzas (RAC) para o seu reúso não-potável. Pode-se encontrar uma gama de impurezas nas águas cinzas, em que substâncias como cabelos, pêlos, pele, sabão e detergentes usados na lavagem e banho são comuns. Não podemos esquecer outros tipos de impurezas que passam pelos ralos, como por exemplo urina, traços de fezes, vômito, entre muitos outros contaminantes. Portanto, torna-se necessária a desinfecção das águas cinza que forem armazenadas para reúso, evitando a proliferação de bactérias potencialmente patogênicas. SAUTCHUK, et al. (2005) fornece alguns dados sobre a qualidade das águas cinza de algumas edificações brasileiras. Ver figura

25 12 Figura Coleta de águas cinza residencial ( PINIWEB, 2007) Segundo SANT ANA (2007), os sistemas de reciclagem das águas cinzas também podem ser classificados de acordo com o nível de tratamento e seu tipo de reúso: (i) reúso não-potável direto e (ii) reúso não-potável tratado. O reúso não-potável direto limita-se apenas à irrigação subterrânea de jardins, ou lavagem de pisos. A coleta de águas cinzas provenientes do tanque ou máquina de lavar em baldes ou bacias para reúso na lavagem de pisos não é incomum no Brasil. Existem também sistemas simples de reúso direto das águas cinzas exclusivamente direcionados para irrigação sub-superficial. Esse tipo de reúso exige que as águas cinzas sejam utilizadas no momento em que são produzidas e que não sejam armazenadas por mais de um dia. Dependendo do sistema RAC, o reúso não-potável tratado das águas cinzas pode ser utilizado na irrigação, lavagem e limpeza e nas descargas sanitárias das edificações.

26 Aquecimento solar O Sol é uma fonte inesgotável de energia. O aproveitamento desta energia tanto para aquecimento quanto iluminação é bastante, sendo renovável e uma energia limpa. Segundo SPINARDI (2006), o Sol irradia anualmente o equivalente a vezes a energia consumida pela população mundial neste mesmo período. Segundo INFOPEDIA (2003), para medir a potência solar que incide na atmosfera é usada uma unidade chamada watt. O Sol emite continuamente 1367 W / m², mas só cerca de 240 W/ m² ficam disponíveis para o uso humano. Segundo BRASIL (2000), a energia solar é importante na preservação do meio ambiente, pois tem muitas vantagens sobre as outras formas de obtenção de energia, como: não ser poluente, não influir no efeito estufa, não precisar de turbinas ou geradores para a produção de energia elétrica, mas tem como desvantagem a exigência de altos investimentos para o seu aproveitamento e baixa eficiência. A eficiência de transformação de energia solar em energia elétrica é baixa. O aquecimento de água por energia solar para uso residencial, a temperaturas inferiores a 60 ºC, é o que apresenta melhor aproveitamento dos coletores solares planos, sendo esta tecnologia bastante difundida no mundo e também no Brasil. O coletor solar plano é constituído basicamente por uma caixa isolada termicamente onde ficam alojados os tubos aletados e o reservatório térmico que armazenar a água aquecida durante o período de insolação nos coletores para posterior consumo. Ver figura 5.4

27 14 Figura 5.4 Esquema aquecimento solar residencial ( MASTERSOL,2007) Segundo a FOLHA (2007), um estudo realizado buscou revelar quais as barreiras para utilização da energia solar nas residências brasileiras, uma vez que o sol é abundante, mas pouco utilizado como fonte de energia para aquecimento de água, por exemplo. O estudo apontou que os códigos de obras dos municípios que regulamentam as exigências para as construções são antigos e obrigam, por exemplo, à instalação de chuveiros elétricos ou a gás, deixando de considerar os recentes problemas ambientais e até econômicos decorrentes do uso desenfreado e crescente de energia elétrica. De acordo com a lei / 05, os novos prédios de apartamentos, condomínios horizontais, conjuntos habitacionais, loteamentos e outros imóveis ou áreas que e

28 15 caracterizem pela pluralidade de unidades de consumo, devem ter medidor e conta individuais. 5.5 Medição isolada do consumo de água Sustentabilidade é a palavra da ordem no setor imobiliário e medidas práticas para o uso racional de água e energia elétrica têm surgido nos novos projetos de empreendimentos imobiliários residenciais atendendo se à legislação e aos consumidores. A preocupação com a economia dos recursos naturais é a estratégia para conquistar novos clientes. É que, mesmo que o setor imobiliário não esteja atualizado com as novas tendências de preservação ambiental, as técnicas de redução de consumo nos condomínios permitem consumos menores e conseqüentemente contas menores. Segundo SÍNDICO (2007), a individualização do hidrômetro no condomínio possibilita a queda de preço na taxa condominial, o que acaba por diminuir a inadimplência; beneficia a Companhia de Água e Esgotos com a menor inadimplência; beneficia os moradores que consomem água de forma racional, que passam a pagar o que efetivamente gastam, deixando de pagar o alto consumo de outros; beneficia o meio-ambiente com o menor consumo de água; e é justa com os moradores que gastam muita água, que também passam a pagar pelo volume efetivamente consumido (na realidade, devido ao sistema de degraus de custo por metro cúbico conforme consumo, em muitos casos mesmo os maiores gastadores acabam economizando com a conta de água individualizada). Ver figura 5.5.

29 16 Figura 5.5 Hidrômetro para medição individual ( SABESP, 2007) 5.6 Calçadas verdes A superfície do Município de São Paulo é impermeabilizada perdendo consideráveis áreas permeáveis para edifícios, estacionamentos e outras áreas comerciais. As Leis contra a impermeabilização dos solos urbanos se multiplicam, mas quase não são cumpridas, com raras e tímidas exceções. São Paulo a relação entre a impermeabilização do solo e as enchentes nos grandes centros urbanos é um fator bem conhecido pelo poder público, embora as medidas mitigadoras do problema sejam tímidas.

30 17 Leis sobre o assunto existem em muitos Municípios em todo o País, a maior parte indicando percentuais de terrenos que devem permanecer com piso drenante, para permitir a infiltração da água de chuva. Mas, nas cidades mais densas onde os problemas com enchentes também costumam ser maiores, quase não são cumpridas. Com uma taxa de impermeabilização estimada em quase 45% ( PMSP ), São Paulo é um bom exemplo de local onde o cimento e o asfalto vêm (literalmente) ganhando terreno. Segundo a Lei da capital paulista estipula em 15% a área do terreno que deve ficar permeável. Além disso, o município tem uma lei em vigor desde 2002, que obriga os donos de terrenos com mais de 500 m² de área construída ou cobertura impermeável (incluindo estacionamentos), a deixar pelo menos 30% de sua área com piso drenante ou construir reservatórios temporários de água pluvial, chamados de piscininhas. A lei 13276/2002 do Município de São Paulo estipula que em projetos ou reformas de calçadas, deverão ter uma faixa de grama ou pedregulho para melhorar a absorção das águas pluviais. É um decreto municipal, em vigor desde janeiro, regulamenta a implantação voluntária das mesmas calçadas verdes, mas com obrigatoriedade somente para os prédios públicos municipais, com prazo de um ano para se adequar. Além disso, a Prefeitura se compromete a elaborar um manual técnico para orientação dos interessados. ( ESTADÃO, 2002). Valorizar a estética das fachadas, aumentar a permeabilidade (capacidade de absorver água da chuva) nas cidades e ainda, ajuda a reduzir a temperatura. Ver figura 5.6.

31 18 Figura 5.6 Calçada verde (REVISTA VIVERBEM, 2007) Na prática, a prefeitura determina as orientações do projeto (dimensões, recursos de acessibilidade), tipo de planta, distância do concreto em relação ao tronco das árvores. Em geral, além da grama, as calçadas têm árvores de espécies indicadas para o espaço urbano. "Maringá foi a primeira cidade a incluir no projeto das calçadas, rampas de acessibilidade para facilitar a circulação de cadeirantes", explica o diretor administrativo da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano, Planejamento e Habitação (SEDUH) Claudinei Vecchi. A regulamentação das calçadas, em detalhes, está na Lei Municipal 335/99 que regulamenta as dimensões, material e espaço de recuo para estacionamento. Antes de começar a construção da calçada (ou reforma, que deve seguir as mesmas orientações), uma consulta a um arquiteto paisagista ajuda a diminuir dúvidas, como escolher corretamente as espécies de plantas e indicar quais delas melhor se harmonizam com a fachada do imóvel. Segundo SECOVI (2008), um diferencial em Maringá é que os recuos prevêem a circulação de cadeirantes, isso facilita a passagem de crianças, idosos e carrinhos de bebê. "A lei proíbe levantar obstáculos entre as partes da calçada ou aqueles

32 19 morrinhos entre imóveis, comuns na periferia", esclarece. Os imóveis antigos têm uma certa tolerância, mas os novos ou reformados precisam se adequar à lei da calçada. 5.7 Geração de resíduos da construção civil A lei / 08 dispõe que resíduos de construção são todos aqueles provenientes de construções, reformas, demolições e resultantes da preparação e escavação de terrenos. Ver Figura 5.8. Até a década de 1950, a natureza era considerada somente como um pano de fundo em qualquer discussão que abordasse a atividade humana e suas relações com o meio. Acreditava-se que a natureza existia para ser compreendida, explorada e catalogada, desde que utilizada em benefício da humanidade. Por outro lado, o avanço da tecnologia no pós-guerra, indicava que não existiriam problemas que não pudessem ser resolvidos. Os movimentos sociais que tiveram início nos anos 1970 representaram um marco na humanidade e em particular para a formação de uma consciência preservacionista embasada, naquele momento, nos princípios do equilíbrio cósmico e harmonia com a natureza. A palavra ecologia passa a ser um termo muito utilizado. A década de 1980 foi um período de grande desenvolvimento econômico e técnico. O bem estar material voltou a ser relevante, independentemente dos prejuízos à natureza que sua produção pudesse provocar. Somente no final dos anos de 1980, entretanto, no processo preparatório da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento Humano, a RIO 92, que foi aprofundado a questão do desenvolvimento sustentável, que se contrapunha à tese-chave que imperara até então de que é possível desenvolver sem destruir o meio ambiente.

33 20 Figura 5.7. Resíduo da construção ( JORNAL NOVO MILENIO, 2003) Na indústria da construção civil, até então, não havia nenhuma preocupação quanto ao o esgotamento dos recursos não renováveis utilizados ao longo de toda sua cadeia de produção e, muito menos, com os custos e prejuízos causados pelo desperdício de materiais e destino dados aos rejeitos produzidos nesta atividade. No Brasil, em particular, a falta de uma consciência ecológica na indústria da construção civil resultou em estragos ambientais irreparáveis, agravados pelo maciço processo de migração havido na segunda metade do século passado, quando a relação existente de pessoas no campo e nas cidades, de 75 (setenta e cinco) para 25% (vinte e cinco por cento), foi invertida, ocasionando uma enorme demanda por novas habitações.

34 Canalização de esgoto sanitário Sobre o aspecto sanitário, o destino adequado dos dejetos humanos visa, fundamentalmente, o controle e a prevenção de doenças a eles relacionadas, as soluções adotadas tem objetivo de evitar a poluição do solo e dos mananciais de abastecimento de água, evitar o contato com as fezes, promover novos hábitos higiênicos na população e promover o conforto e atender o senso estético. A ocorrência de doenças, principalmente as doenças infecciosas e parasitárias ocasionadas pela falta de condições adequadas de destino dos dejetos, podem levar o homem a inatividade ou reduzir sua potencialidade para o trabalho. O esgoto doméstico é aquele que provem especificamente de residências, estabelecimentos comerciais, instituições ou quaisquer edificações que dispõem de instalações de banheiros, lavanderias e cozinhas. Compõem-se essencialmente da água do banho, excreta, papel higiênico, resto de comida, sabão, detergente e águas de lavagem. A situação do setor de saneamento no Brasil tem conseqüências muito graves para a qualidade de vida da população, principalmente aquela mais pobre, residente na periferia das grandes cidades ou nas pequenas e médias cidades do interior. Outros países, principalmente os subdesenvolvidos, também sofrem com este problema. Segundo CEDAE (2007), uma instalação de esgotos sanitários é formada por canalizações ( tubos) e caixas de concreto. As caixas destinam-se a manutenção das instalações e devem ter tampa de ferro fundido para maior proteção. A instalação deverá conter ao menos uma canalização aberta para o exterior ( tubo de ventilação) destinada a saída dos gases da rede coletora dos esgotos e a entrada de ar na canalização. Assim como no caso das instalações de água, a manutenção das instalações de esgotos dos imóveis é de inteira responsabilidade dos respectivos proprietários ou ocupantes.

35 22 A limpeza da caixa de gordura deve ser feita semanalmente, lançando-se os resíduos, devidamente ensacados, no lixo. Nos casos de vazamentos (não só esgotos como de água) de um imóvel para outro, também cabe ao proprietário providenciar os reparos. Os vazamentos de esgotos sanitários representam um sério problema de saúde pública, em face dos altos riscos de contaminação que oferecem. É necessário ter todo cuidado com a manutenção dessas instalações. Segundo CEDAE (2007), ao se resfriar, a gordura torna-se sólida e forma blocos, que irão entupir a rede de esgotos sanitários. Assim, é necessário, pelo menos uma vez por semana, limpar a caixa de gordura. A gordura retirada deverá sempre ser ensacada e jogada no lixo e nunca na instalação de esgotos sanitários. Ver figura 5.8. Figura 5.8 Caixa de gordura ( CEDAE, 2007)

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações. Vereador Derosso

PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações. Vereador Derosso PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações Vereador Derosso Desperdício de água potável Desperdício de água potável Desperdício de água potável Desperdício de água potável velpurae

Leia mais

reuso e utilização de água de chuva

reuso e utilização de água de chuva Definições Legislação sobre reuso e utilização de água de chuva FABIANO GENEROSO Biólogo Especialista em Técnicas Avançadas em Análises Clínicas - USP Especialista em Parasitologia Médica - USP Especialista

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS PROJETO DE LEI DO LEGISLATIVO Dispõe sobre a obrigatoriedade da instalação de telhados verdes

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008 USO RACIONAL DA ÁGUA Tipos de Água: Água potável - é a que se pode beber. É fundamental para a vida humana, e é obtida através de tratamentos que eliminam qualquer impureza. Água poluída - É a água suja

Leia mais

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 CRIA, no município de Manaus, o Programa de Tratamento e Uso Racional das Águas nas edificações PRO-ÁGUAS. O PREFEITO DE MANAUS, usando das atribuições que lhe são

Leia mais

8- O que você poderia fazer para contribuir com a preservação desse recurso (água)?

8- O que você poderia fazer para contribuir com a preservação desse recurso (água)? Resultado da Enquete Resposta aberta 8- O que você poderia fazer para contribuir com a preservação desse recurso (água)? Reduzir o tempo do banho. Reaproveitar mais a água que utilizo em casa, evitar desperdícios,

Leia mais

O Reuso da Água no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas

O Reuso da Água no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas O Reuso da Água no contexto da Política Municipal de Combate às Mudanças Climáticas Weber Coutinho Gerente de Planejamento e Monitoramento Ambiental Secretaria Municipal de Meio Ambiente Junho / 2015 Mudanças

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) Institui o Programa Nacional de Conservação, Uso Racional e Reaproveitamento das Águas. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A presente lei tem por

Leia mais

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas Manejo Sustentável da água Conteúdo deste documento: I. Introdução à captação e armazenamento de água da chuva II. Vantagens da utilização de água da chuva III. Considerações sobre a qualidade da água

Leia mais

Curso de Desenvolvimento. sustentável.

Curso de Desenvolvimento. sustentável. 50 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Curso de Desenvolvimento Sustentável Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras proferidas sobre

Leia mais

REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS. Palavras-chave: Reúso, Água cinza, Bacias sanitárias, Recursos hídricos.

REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS. Palavras-chave: Reúso, Água cinza, Bacias sanitárias, Recursos hídricos. REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS Gilsâmara Alves Conceição 1 João José Cerqueira Porto 2 1 Universidade Federal da Bahia, Escola Politécnica. Av. Cardeal da Silva, 132, Federação, 40210-630. Salvador-BA,

Leia mais

Monografia "ESTUDO DE PROPOSTAS PARA O USO RACIONAL E EFICIENTE DA ÁGUA"

Monografia ESTUDO DE PROPOSTAS PARA O USO RACIONAL E EFICIENTE DA ÁGUA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Escola de Engenharia Departamento de Engenharia de Materiais e Construção Curso de Especialização em Construção Civil Monografia "ESTUDO DE PROPOSTAS PARA O USO RACIONAL

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA UNIVERSIDADE PAULISTA - ARAÇATUBA ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA PROFESSOR: RODRIGO ANDOLFATO INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA Marcos Aurélio F. Pádua RA A54345-7 Antônio Waldir de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Uso sustentável da água na construção. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP

Uso sustentável da água na construção. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP Uso sustentável da água na construção Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP Profa. Dra. Marina Ilha, FEC/UNICAMP 13% águas superficiais - mundo 34,9% Américas 68 região Norte

Leia mais

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial Cerca de 71% da superfície do planeta Terra é coberta por água. Cerca de 97,5% dessa água é salgada e está nos oceanos, 2,5% é doce sendo que deles, 2% estão nas geleiras, e apenas 0,5% estão disponíveis

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR

REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR Thatiane Rodrigues Mota 1 ; Dyoni Matias

Leia mais

Orientação ao Usuário dos Serviços de Água e Esgoto:

Orientação ao Usuário dos Serviços de Água e Esgoto: Orientação ao Usuário dos Serviços de Água e Esgoto: Todo cidadão tem direitos e deveres para com a sociedade e se cada um fizer sua parte, todos irão ganhar. São direitos de todos os cidadãos, referentes

Leia mais

ÁGUA QUE BRILHA E ILUMINA A VIDA Aos Educadores:

ÁGUA QUE BRILHA E ILUMINA A VIDA Aos Educadores: ÁGUA QUE BRILHA E ILUMINA A VIDA Aos Educadores: A consciência ecológica levanta-nos um problema de profundidade e vastidão extraordinárias. Temos que defrontar ao mesmo tempo o problema da Vida na Terra,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Thatiane Rodrigues Mota 1 Dyoni Matias de Oliveira 2 ; Paulo Inada 3 Desenvolvimento

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

ATITUDES QUE DEVES DE TOMAR: Economizar Reciclar e Reutilizar

ATITUDES QUE DEVES DE TOMAR: Economizar Reciclar e Reutilizar A Crise da Água ATITUDES QUE DEVES DE TOMAR: Economizar Reciclar e Reutilizar ÁGUA A água é um recurso natural que depende da maneira como o Homem a utiliza para ser renovável ou não. Quando se pensa que

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA

LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA MARÇO 2004 SUMÁRIO 1. L EI COMPLEMENTAR Nº 110/2003 - MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO/RS...3 2. L EI Nº 5935/2002 - MUNICÍPIO DE BLUMENAL/SC...4

Leia mais

Melhorias Construtivas. Sustentáveis

Melhorias Construtivas. Sustentáveis Melhorias Construtivas Sustentáveis O que é sustentabilidade? O Projeto Melhorias Habitacionais Sustentáveis na Bomba do Hemetério, foi criado com o objetivo de reduzir o consumo e melhor aproveitar os

Leia mais

Prova bimestral CIÊNCIAS. 3 o Bimestre 4 o ano

Prova bimestral CIÊNCIAS. 3 o Bimestre 4 o ano Material elaborado pelo Ético Sistema Ensino Ensino Fundamental Publicado em 2011 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano CIÊNCIAS Data: / / Nível: Escola: Nome: A água é o elemento mais abundante na Terra

Leia mais

Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído

Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído Profa. Dra. Marina S. de Oliveira Ilha FEC/UNICAMP Marina Ilha SBCS08 1 Distribuição da água doce superficial MUNDO CONT. AMERICANO Nordeste

Leia mais

11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP. Agua: pague menos

11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP. Agua: pague menos 11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP Agua: pague menos Atitudes para o usuário diminuir o consumo de água da rede pública: 1. Peças que economizam água 2. Medição individualizada e

Leia mais

Os projetos de habitação de interesse social adotados nesta pesquisa encontram-se caracterizados na tabela 1.

Os projetos de habitação de interesse social adotados nesta pesquisa encontram-se caracterizados na tabela 1. DETERMINAÇÃO DOS CUSTOS DIRETOS E DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA UM SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA PLUVIAL E EQUIPAMENTOS SANITÁRIOS ECONOMIZADORES DE ÁGUA: ESTUDO DE CASO PARA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Leia mais

Projeto do Vereador Paulo Salamuni. Idealização Professor Luiz Campestrini

Projeto do Vereador Paulo Salamuni. Idealização Professor Luiz Campestrini Programa de Reaproveitamento de Águas Projeto do Vereador Paulo Salamuni Idealização Professor Luiz Campestrini 1. Texto Base Programa de Reaproveitamento de Águas * Paulo Salamuni A previsão referente

Leia mais

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS CATEGORIA CONSERVAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS Avalia o uso racional de materiais de construção

Leia mais

Localização Estoques Hídricos

Localização Estoques Hídricos ÁGUA USO RACIONAL FUNDAÇÃO RELICTOS Ciclo da Água Estado Físico da Água. Localização Estoques Hídricos Água no Mundo Água no Nosso Corpo 74% do nosso corpo também é constituído de água. Assim como a água

Leia mais

TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA

TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA Carla Sautchúk 21/06/2011 1 Cenário da água PANORAMA DA ÁGUA NO BRASIL Detém 12% da água do mundo e 53% da água do continente sul americano; 90% dos recursos hídricos são utilizados

Leia mais

Gestão do uso da água em edifícios e critérios para obtenção do Selo Casa Azul da Caixa

Gestão do uso da água em edifícios e critérios para obtenção do Selo Casa Azul da Caixa 60 Hydro Setembro 2010 Lúcia Helena de Oliveira é professora do Departamento de Engenharia de Construção Civil da Epusp Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e pesquisadora da área de sistemas

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

TEXTO DE APOIO II PERCURSO ÁGUA

TEXTO DE APOIO II PERCURSO ÁGUA TEXTO DE APOIO II PERCURSO ÁGUA Economia no dia a dia Segundo pesquisa do Akatu 1, 67% dos consumidores brasileiros declaram fechar a torneira quando escovam os dentes. Você é um deles? E no banho, você

Leia mais

Água. Material de Apoio - Água

Água. Material de Apoio - Água Água Material de Apoio Programa Escola Amiga da Terra Mapa Verde Realização: Instituto Brookfield Assessoria: Práxis Consultoria Socioambiental Este material foi utilizado pelos educadores participantes

Leia mais

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável São Paulo Maio 2008 Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Sustentabilidade em Edificações

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial Capítulo 2 Medição individualizada e Monitoramento do consumo Estima-se que 80% de todas as moléstias e mais de um terço dos óbitos dos países em desenvolvimento sejam causados pelo consumo de águas contaminadas

Leia mais

CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE

CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE 14/03/2014 Jonas Age Saide Schwartzman Eng. Ambiental Instituições Afiliadas SPDM SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina OSS

Leia mais

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica.

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica. PROJETO ATUALIZAR 2015 TEMA SISTEMA CANTAREIRA DATA DE APLICAÇÃO 09 a 13/03/2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS Cristiane e Felipe 1. SUGESTÕES DE PONTOS QUE PODEM SER ABORDADOS 1.1. A importância da água 1.2.

Leia mais

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água.

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. 01 Água no corpo humano: cérebro 75% sangue 81% músculos 75% coração

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO Água Esgoto

SANEAMENTO BÁSICO Água Esgoto SANEAMENTO BÁSICO Água Esgoto Direitos e Deveres do Usuário Publicado e distribuído pela: Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro Rio de Janeiro - RJ 2014 MENSAGEM

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA

ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA ISSN 1984-9354 ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA Sérgio Luiz Souza Nazário (UNESC) Natália Sanchez Molina (UNESC) Rafael Germano Pires (UNESC) Débora Pereira

Leia mais

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO O Grupo de Trabalho de Sustentabilidade da AsBEA, às vésperas de completar seu primeiro ano de

Leia mais

Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis

Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis Viabilidade, Projeto e Execução Análise de Investimento em Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis São Paulo, 19 de agosto de 2008 Luiz Henrique Ceotto Tishman

Leia mais

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos.

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Leomir Silvestre e Rui Junior Captação, uso e reuso da água Vocês sabem como é feito o processo de captação de água? Captação, uso e reuso

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

Programa de Uso e Reuso da Água VEREADOR AURÉLIO

Programa de Uso e Reuso da Água VEREADOR AURÉLIO VEREADOR AURÉLIO Programa de Uso e Reuso da Água Lei 14.018/2005 (Projeto de Lei do vereador Aurélio Nomura): Institui o Programa Municipal de Conservação e Uso Racional da Água Conheça a lei, as medidas

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Desenvolver ações educativas e de mobilização social é disseminar informações visando o controle de doenças e agravos à saúde e fomentar nas pessoas o senso de responsabilidade

Leia mais

O que você pode fazer...

O que você pode fazer... O que você pode fazer... Colaborar é muito simples Não é preciso sacrificar o organismo ou o conforto individual e familiar com medidas drásticas de economia de água. O equilíbrio das condições ambientais

Leia mais

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários;

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários; PROJETO DE: EMENDA À LEI ORGÂNICA LEI COMPLEMENTAR LEI ORDINÁRIA RESOLUÇÃO NORMATIVA DECRETO LEGISLATIVO ( X ) Nº /2013 AUTOR/SIGNATÁRIO: Ver. GILBERTO PAIXÃO EMENTA: Dispõe sobre os serviços e obras para

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

Lei nº 10200 DE 08/01/2015

Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Norma Estadual - Maranhão Publicado no DOE em 12 jan 2015 Dispõe sobre a Política Estadual de Gestão e Manejo Integrado de Águas Urbanas e dá outras providências. O Governador

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Exemplos de projetos e políticas públicas

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Exemplos de projetos e políticas públicas MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Exemplos de projetos e políticas públicas Pegada ecológica Imagem: Jornal Bahianorte Evolução da Pegada Ecológica Imagem: miriamsalles.info Nosso padrão de produção Imagem:

Leia mais

Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. CIÊNCIAS DA NATUREZA

Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. CIÊNCIAS DA NATUREZA 2 Conteúdo: A água. O ciclo da água. Estados físicos da água. Tecnologia de tratamento. Combate ao desperdício. 3 Habilidades: Refletir sobre a importância da água para o Planeta Terra, para a vida e o

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS Ana Cláudia Ueda (*), Magali Bernardes Maganhini * Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana.

Leia mais

Eco Dicas - Construir ou Reformar

Eco Dicas - Construir ou Reformar Eco Dicas - Construir ou Reformar São dicas de como preservar e economizar os recursos naturais quando se pensa em obras. Praticando-as, nosso bolso também agradece. É bom saber que: a fabricação de PVC

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

Cartilha de acessibilidade e

Cartilha de acessibilidade e O melhor da vida de A a Z. Realização e Construção: Projeto arquitetônico: Collaço e Monteiro. Projeto paisagístico: Núcleo Arquitetura da Paisagem. Projeto de decoração das áreas comuns: Fernanda Marques.

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente.

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente. Implementar ações voltadas ao uso racional de recursos sustentabilidade naturais para promover a ambiental e socioeconômica na Administração Pública Federal. A Esplanada terá metas de racionalização do

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade.

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Realização: Parceiro: Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Cesar Ramos - Gerente de projetos da Yuny Incorporadora Daniel Gallo - Gerente

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

SUSTENTABILIDADE EM CONDOMINIOS

SUSTENTABILIDADE EM CONDOMINIOS EM CONDOMINIOS Miguel Tadeu Campos Morata Engenheiro Químico Pós Graduado em Gestão Ambiental Considerações Iniciais Meta - A sobrevivência e perpetuação do seres humanos no Planeta. Para garantir a sobrevivência

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM?

SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM? SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM? 1. Matéria Bruta Representa a vontade de melhorar o 6. Reciclagem mundo e construir um futuro mais próspero. É o equilíbrio econômico, social e ambiental que garante a qualidade

Leia mais

CARTILHA. INSTITUTO FEDERAL SÃO PAULO Campus Caraguatatuba. Uso Racional da Água nas Edificações

CARTILHA. INSTITUTO FEDERAL SÃO PAULO Campus Caraguatatuba. Uso Racional da Água nas Edificações CARTILHA INSTITUTO FEDERAL SÃO PAULO Campus Caraguatatuba Uso Racional da Água nas Edificações 1 Sobre a Cartilha Esta cartilha é parte integrante do projeto de extensão USO RACIONAL DA ÁGUA NAS EDIFICAÇÕES

Leia mais

1 Introdução. antes de mudar

1 Introdução. antes de mudar Introdução 1 Introdução antes de mudar Recebendo as chaves do imóvel, o proprietário deverá providenciar junto as concessionárias, as ligações de alguns serviços indispensáveis ao funcionamento de sua

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA EM EMPRESA DE TRANSPORTES NO NORTE DO PARANÁ - BRASIL

PROPOSTA DE PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA EM EMPRESA DE TRANSPORTES NO NORTE DO PARANÁ - BRASIL PROPOSTA DE PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA EM EMPRESA DE TRANSPORTES NO NORTE DO PARANÁ - BRASIL Shaiany Corrêa Ferreira Nogas 1 ; Stella Maris da Cruz Bezerra 2 ; Celimar Azambuja Teixeira 3 ; Bruna

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis 19/OUT/2011 Mara Luísa Alvim Motta Gerência Nacional de Meio Ambiente CAIXA EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO 2003-2010 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

Automação para desempenho ambiental e desenho universal

Automação para desempenho ambiental e desenho universal Automação para desempenho ambiental e desenho universal 58 pontos providos por sistemas de e equipamentos periféricos Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Selos verdes AQUA (selo francês HQE) Alta Qualidade

Leia mais

Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil

Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil Aula: A água em números Alexandre Resende Tofeti Brasília - DF 23 de Agosto de 2013 CFI Dados sobre a Água no Mundo e na América do Sul Reservas

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DA CIDADE DE NORTELÂNDIA NDIA PREFEITURA MUNICIPAL DE NORTELÂNDIA. Versão para Aprovação. Setembro de 2.

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DA CIDADE DE NORTELÂNDIA NDIA PREFEITURA MUNICIPAL DE NORTELÂNDIA. Versão para Aprovação. Setembro de 2. PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DA CIDADE DE NORTELÂNDIA NDIA Versão para Aprovação Setembro de 2.013 ANEXO II MANUAL DO USUÁRIO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE NORTELÂNDIA MT. 1 A Água está

Leia mais

GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future

GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future "Desenvolver a indústria da construção sustentável no país, utilizando as forças Visão de mercado do GBC para conduzir Brasil a adoção (Sonho

Leia mais

Consumo Consciente Água

Consumo Consciente Água Consumo Consciente Água A maior parte da água doce existente no mundo, está concentrada em apenas 19 países. E o Brasil é uma das nações privilegiadas, pois possui 13,7% da água doce do planeta, embora

Leia mais

REDUÇÃO DE DESPERDÍCIO DE RECURSOS NATURAIS

REDUÇÃO DE DESPERDÍCIO DE RECURSOS NATURAIS CONSUMO CONSCIENTE REDUÇÃO DE DESPERDÍCIO DE RECURSOS NATURAIS ÁGUA ENERGIA INSUMOS Desenvolvimento Sustentável A ÁGUA NOSSO BEM MAIS PRECIOSO Distribuição de toda água doce 1,8 % 0,96 % 0,02 % 0,001 %

Leia mais

Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br

Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Tema: O Uso consciente da água Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br O que é Meio Ambiente? Podemos definir o meio ambiente da seguinte forma: É o conjunto de todos os fatores que afetam diretamente

Leia mais

Medida do consumo de água

Medida do consumo de água Ensino Fundamental 2 Nome N o 5 a série Ciências Prof a Cristiane Data / / Medida do consumo de água As residências abastecidas por água proveniente de estações de tratamento possuem um aparelho que mede

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

TÍTULO: REUSO DA ÁGUA: UM MANEIRA VIÁVEL

TÍTULO: REUSO DA ÁGUA: UM MANEIRA VIÁVEL TÍTULO: REUSO DA ÁGUA: UM MANEIRA VIÁVEL ANANIAS DE PAULA LIMA NETO (UNIFOR) ananiasneto1@hotmail.com Ulisses Moreira de Lima (FA7) ulisses-ml@hotmail.com A água sendo um elemento natural limitado e essencial

Leia mais

TT71 CÁLCULO DO VOLUME DE ESGOTO LANÇADO NA REDE COLETORA

TT71 CÁLCULO DO VOLUME DE ESGOTO LANÇADO NA REDE COLETORA TT71 CÁLCULO DO VOLUME DE ESGOTO LANÇADO NA REDE COLETORA ELDAN RAMOS CRISPIM ENGº CIVIL, GRADUADO PELA E. E. KENNEDY. - PÓS -GRADUADO EM CONSTRUÇÃO CIVIL PELA UFMG. - PERITO JUDICIAL DESDE 1993 EM VÁRIAS

Leia mais

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis Um desafio que envolve você! Compartilhamos os mesmos espaços e problemas, mas também as soluções. É fundamental ter atitudes responsáveis, suprindo

Leia mais

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 QUALIVERDE Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 Legislação para Construções Verdes Concessão de benefícios às construções verdes, de modo a promover o incentivo à adoção das ações e práticas

Leia mais

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável A Politica Nacional de Habitação e as iniciativas para uma construção Sustentável Universalizar o acesso à moradia digna Política Nacional de Habitação: objetivos Promover a urbanização, regularização

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS Considerando o índice pluvialmétrico histórico da Cidade do Salvador, de 1800 mm por ano. Tendo em mente a correspondência de 1 mm de chuva ser equivalente a 1 (um) litro

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

APROVEITAMENTO DA ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS

APROVEITAMENTO DA ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS ISSN 1984-9354 APROVEITAMENTO DA ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS Andrea Sartori Jabur (UTFPR) Heloiza Piassa Benetti (UTFPR) Elizangela Marcelo Siliprandi (UTFPR) Resumo A utilização das águas pluviais,

Leia mais