ANÁLISE COMPARATIVA DAS TENSÕES RESIDUAIS EM CHAPA DE MATERIAL METÁLICO FERROSO LAMINADO APÓS A SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE COMPARATIVA DAS TENSÕES RESIDUAIS EM CHAPA DE MATERIAL METÁLICO FERROSO LAMINADO APÓS A SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO."

Transcrição

1 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS Brazil ANÁLISE COMPARATIVA DAS TENSÕES RESIDUAIS EM CHAPA DE MATERIAL METÁLICO FERROSO LAMINADO APÓS A SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO. Neto, Almilson Vilhena, Leite Silva, Alex Sander Chaves da, Braga, Durval Uchôas, Neves, Frederico Ozanan, Universidade Federal de São João del-rei, Praça Frei Orlando, 170, Centro, São João del-rei, Minas Gerais, CEP: Resumo: Com vistas no aprimoramento tecnológico da indústria de transformação e fabricação, o presente trabalho propõe um método simples para analisar as tensões residuais presentes em uma chapa de aço laminado após este ser unido via processo de soldagem por fusão a arco, mais especificamente o processo por eletrodos revestidos. Entendese por tensões residuais como sendo aquelas que, após a retirada de todo agente externo termomecânico sobre o material observado, atuam para o restabelecimento do equilíbrio interno da estrutura do mesmo. Todavia, a presença destas tensões pode ocasionar a fadiga precoce de um componente e, conseqüentemente, sua falha e ruptura quando este é solicitado subitamente ou ciclicamente. Sabe-se que os processos de soldagem por fusão a arco, inserem grande quantidade de calor localizada para obtenção da união dos elementos e com isto, há uma notável modificação na estrutura da região que está sendo soldada. Estas modificações, devidas a efeitos termomecânicos, favorecem consideravelmente o surgimento das tensões residuais que reorganizam a estrutura tendendo ao equilíbrio interno, porém, essas tensões causam efeitos indesejáveis como distorções e empenamentos no produto obtido pela soldagem. Neste trabalho foi feita uma análise das tensões residuais em chapas do aço de interesse pelo método da indentação em dois níveis: como recebido e após união por soldagem. A análise do material como recebido oferece valores para comparação com os dados obtidos após a soldagem e assim, pode-se determinar a natureza das tensões residuais inseridas na peça após a análise da dureza tranversal ao cordão de solda obtido. Palavras-chave: Tensões Residuais; Soldagem a Arco; Ensaio de Indentação; Chapas de Aço. 1. INTRODUÇÃO Novas tecnologias têm impulsionado o desenvolvimento acelerado de novos equipamentos, causando relevantes impactos nos novos projetos. A análise do uso dessas tecnologias, nos diversos âmbitos, e as transformações profundas que elas imprimem, é a chave para compreender as características marcantes das indústrias atuais que buscam produzir produtos com alta qualidade e baixos custos. No entanto, os usos destas tecnologias requerem conhecimentos de modo a minimizar possíveis defeitos na peça fabricada que muitas vezes podem ser inerentes aos processos de fabricação. Um defeito que se tem constatado depois do processo de fabricação de componentes mecânicos são as tensões residuais. Tensões residuais são aquelas que permanecem na peça quando todas as solicitações externas são removidas. Essas tensões podem aparecer em materiais submetidos a diferentes processamentos térmicos ou mecânicos (fundição, soldagem, laminação, forjamento, usinagem, dobramento, têmpera etc.). Uma das principais causas de seu aparecimento é a ocorrência, ao longo de uma seção da peça, de deformação plástica não uniforme, o que pode ser causado por efeitos tanto mecânicos como térmicos. Um exemplo simples é o aparecimento de tensões residuais em uma peça submetida a processos como o esmerilhamento ou jateamento com granalhas, os quais causam o escoamento plástico do material próximo da superfície [Marques, 2009]. As tensões e deformações residuais influem no comportamento em relação à fratura das uniões soldadas, de modo que o controle sobre as mesmas é de fundamental importância para a segurança de toda a estrutura. Uma das formas reduzi-las ao máximo é feito através da determinação de parâmetros ótimos de operação. Encontrar tais parâmetros é uma tarefa árdua, visto que as operações que envolvem a fabricação sofrem a influência de múltiplas variáveis: tensão de escoamento do material e seu comportamento em relação à temperatura; temperatura máxima de aquecimento; velocidade de resfriamento; vinculação externa; pré-aquecimento dentre muitas outras inerentes aos seus respectivos processos de fabricação. Associação Brasileira de Engenharia e Ciências Mecânicas 2011

2 Nas operações de soldagem, particularmente nos processos por fusão, um grande grupo de variáveis esta embutido na manipulação das mesmas, e torna-se interessante a busca por parâmetros ideias que proporcionam menor influência das variáveis no desenvolver do processamento. Tendo em vista esse problema, foi proposto um estudo comparativo das tensões residuais em uma chapa de aço soldada por eletrodos revestidos, pois como já se sabe, os processos de soldagem por fusão inserem grandes quantidades de calor nas regiões de união em um curto intervalo de tempo, calor este que atinge magnitudes suficientes para provocar alterações termo-mecânicas na estrutura dos elementos unidos pela solda. A grande inserção de calor provocada pela soldagem, proporciona à estrutura a possibilidade de se expandir, todavia, nem toda a estrutura se dilata por igual devido as dimensões da peça e a fatores relacionados a transferência de calor. As regiões aquecidas tendem a se dilatar, mas a dilatação é dificultada pelas partes adjacentes submetidas a temperaturas menores, o que causa o aparecimento de deformações elásticas e, eventualmente, plásticas na região da solda. Como resultado, ao final da soldagem, tensões internas (tensões residuais) e mudanças permanentes de forma e de dimensões (distorções) se desenvolvem na junta e nas proximidades afetadas pelo calor. Essas avarias que surgem no pós soldagem podem afetar de modo qualitativo o desempenho da estrutura soldada, sendo fundamental o conhecimento de suas características e de medidas para a sua prevenção e controle. Neste projeto foi proposta uma metodologia para se estudar as tensões residuais em peças soldadas através do conhecimento da dureza da peça, e com isso estabelecer a natureza das tensões inseridas no componente devido a soldagem por eletrodos revestidos. Buscou-se também, estabelecer os parâmetros corretos da soldagem para se evitar a influência das variáveis no processo. 2. FUNDAMENTAÇÃO O processo de soldagem a arco elétrico com eletrodo revestido (Shielded Metal Arc Welding SMAW), também conhecido como soldagem manual a arco elétrico, é o mais largamente empregado dentre os vários processos de soldagem. A soldagem é realizada com o calor de um arco elétrico mantido entre a extremidade de um eletrodo metálico revestido e a peça de trabalho. O calor produzido pelo arco funde o metal de base, a alma do eletrodo e o revestimento. Quando as gotas de metal fundido são transferidas através do arco para a poça de fusão, elas são protegidas da atmosfera pelos gases produzidos durante a decomposição do revestimento. A escória líquida flutua em direção à superfície da poça de fusão, onde protege o metal de solda da atmosfera durante a solidificação. A soldagem é um processo empregado freqüentemente em diversas estruturas como pontes, aeronaves, vasos de pressão, estruturas offshore e dutos, entre outros, permitindo uniões permanentes nos materiais. As estruturas soldadas freqüentemente estão sujeitas a carregamentos cíclicos e podem sofrer um processo de fadiga que representa uma das falhas mais comuns em estruturas soldadas (XIAOYAN et al., 1996). A vida de uma estrutura soldada é usualmente governada pelo tempo necessário para iniciação e crescimento de uma trinca a partir de descontinuidades ou concentradores de tensões pré-existentes, no qual um crescimento instável da trinca resulta na ocorrência de fratura (SHI et al., 1990). Um estudo sobre como minimizar as tensões residuais em peças mecânicas geradas pelos processos de fabricação se faz necessário em função daquelas serem as principais causadoras de falhas em serviço. A partir deste ponto, controlar e minimizar o efeito dos resíduos de tensão num componente aumenta a vida do mesmo, proporcionando menos incômodos e reduzindo substancialmente os custos de reposição e de manutenção dos sistemas dos quais peças soldadas são partes integrantes. A partir da necessidade de atenuar as falhas causadas pelas tensões residuais em componentes soldados, esta pesquisa contribuirá para o mapeamento e a determinação da natureza das tensões residuais (trativas ou compressivas) inseridas pela soldagem na peça, utilizando o ensaio de indentação, avaliando assim a dureza de uma extremidade a outra de corpos no estado recebido, e posteriormente, corpos soldados em parâmetros ideais. A comparação dos valores obtidos na indentação, via método de dureza Brinell, permitirá classificar se as tensões residuais serão benéficas ou maléficas, isto é, se forem trativas serão o ambiente propício para a propagação de trincas internas, pelo contrário, se forem compressivas, reduziram a chance de uma possível propagação de trinca na estrutura. 3. PROCESSO DE ANÁLISE DAS TENSÕES RESIDUAIS EM PEÇAS SOLDADAS PELO PROCESSO DE ELETRODO REVESTIDO Sabe-se que a operação de soldagem é caracterizada por um aquecimento extremo localizado, e que o mesmo submete material à variações volumétricas localizadas, além de transformações microestruturais e mudança de propriedades. Uma análise qualitativa das tensões residuais em peças soldadas pelo processo de eletrodo revestido se faz necessário para determinação da qualidade final do produto obtido pela união via solda. 3.1 Materiais - O material utilizado para o presente estudo foi o aço o ABNT 1020 na forma de chapas, quadradas de 100mm de lado e por 3.3mm de espessura. Foram selecionadas três chapas para ensaios no estado recebido, e outras três foram seccionadas ao meio por serra lubri-refrigerada e, posteriormente, unidas pela soldagem por eletrodos revestidos.

3 - O eletrodo selecionado foi o AWS E6013, por ser um eletrodo usado para soldagem de chapas e elementos feitos em aço comum de pequenas espessuras. Com base na espessura da chapa determinou-se o diâmetro do eletrodo de 2,5mm, que permite uma faixa de operação da corrente entre 60A e 100A, com valor ideal de trabalho em 85A. 3.2 Métodos Preparo dos Corpos no Estado Recebido Inicialmente, um lote de 3 chapas 100mm x 100mm foi tratrado em laboratório para ser realizado o ensaio de indentação. Este recebeu lixamento e limpeza adequados antes de ser indentado. As Figuras (1) e (2) mostram o material antes e depois de receber o tratamento pré-ensaio. Figura 1. Corpos no estado recebido. Figura 2. Corpos preparados para ensaio de indentação Estando os corpos preparados para o ensaio estes foram indentados, pelo ensaio de dureza Brinell seguindo as normas da ASTM, especificamente a norma E10 de ensaios de dureza para materiais metálicos Soldagem das Chapas Os corpos de prova com dimensões de 100mm x 100mm a serem soldados foram seccionados ao meio e após isso receberam limpeza adequada para sofrer o processo de união. A corrente utilizada para união dos elementos foi a corrente alternada com a peça acoplada com polaridade inversa. A máquina foi ajustada a uma corrente de 85A respeitando a faixa de corrente especificada pelo fabricante para o eletrodo utilizado, neste caso o E6013. Por se tratar de chapas, a junta feita foi a de topo sem chanfro com um espaçamento de raiz de 2,5mm. Este valor foi definido com base na espessura da chapa, calculado via Tab. (1). O procedimento de soldagem executado foi, inicialmente, um ponto de solda em cada extremidade A e B. A soldagem foi feita em um único passe, do ponto A até o ponto O e depois do ponto B até o ponto O. A chapa quando soldada, estava livre de engastes e/ou vínculos externos. Após a soldagem os elementos unidos resfriaram naturalmente, ao ar livre, a temperatura ambiente. As Figuras (3) e (4) mostram as etapas adotadas para união dos elementos.

4 Tabela 1. Dimensionamento da junta da solda. Ponto B Ponto O Ponto A Figura 3. Corpo de prova no estado soldado. Ponto B Ponto O Ponto A Figura 4. Corpo de prova no estado soldado. Após o procedimento de soldagem os corpos unidos receberam tratamento adequado para serem indentados. Uma seqüência de lixamento e limpeza em laboratório foram feitas na região de interesse para medição da dureza.

5 3.2.3 Medição da Dureza Inicialmente, os 6 corpos de prova selecionados para ensaio foram submetidos a lixamento e limpeza adequados. Posteriormente, estavam preparados para serem indentados. O método de indentação utilizado foi o Brinell (HB), método este normatizado pela ASTM, norma E10. Para o material estudado, segundo a norma, uma carga de 62,5 kgf seria utilizada para puncionar uma esfera de aço de 2,5mm de diâmetro sobre a peça a ser analisada. A Figura (5) mostra que a limpeza correspondeu em toda a extensão da chapa 100 mm, a partir da extremidade direita até próximo do cordão o mesmo acontecendo na parte esquerda do corpo de prova. A limpeza foi feita com intuito de preparar a superfície para medição. Figura 5. Corpo de prova preparado para ensaio de indentação. 4. RESULTADOS O método mais usual de medir tensões residuais utiliza a difração de raios X. Porém uma nova técnica vem sendo estudada, a qual se baseia na aplicação do ensaio de indentação na peça. O conceito desse método é de que se existe tensão residual compressiva na superfície da peça, esta dificultará a penetração do indentador o que indica uma dureza maior na superfície da amostra comparada com uma amostra livre de tensões residuais. Segue-se daí que haverá uma superposição de tensões residuais no produto final, oriundas das diferentes fases da fabricação. O resultado final, em termos de tensões residuais, tanto pode aumentar a resistência do produto quanto reduzi-la e, até mesmo, não produzir efeito significativo. 4.1 Planejamento Experimental As variáveis de influência são duas: (a) o tipo de corpo de prova, em dois níveis - soldado e como recebido e (b) a posição da medida em 8 níveis posições de 1 a 8, conforme se mostra na Fig.(6). Foram feitas três réplicas em cada ensaio. Figura 6. Posição da medida em relação ao cordão de solda.

6 A Tabela (2) mostra como se deu o planejamento experimental. Tabela 2. Planejamento experimental. soldado recebido Corpo de Prova P1 P2 P3 P4 P5 P6 P7 P8 cp1 x x x x x x x x cp2 x x x x x x x x cp3 x x x x x x x x cp1 x x x x x x x x cp2 x x x x x x x x cp3 x x x x x x x x Os dados foram interpretados através de uma Análise da Variância (Anova), adotando-se o nível de significância de 5%. 4.2 Resultado e Discussão A Tabela (3) mostra os valores de dureza Brinell para os corpos de prova soldado e como recebido levando em consideração a posição da medida em 8 níveis. De acordo com a Análise da Variância ilustrada na Tab. (4) existe influência da soldagem sobre as tensões residuais. SStrat é a soma do quadrado dos tratamentos (soldado e recebido). Para um nível de significância de 95%, a variância esperada foi de 5,591 e a calculada foi de 116,154. Portanto, podemos afirmar que existe diferença significativa do corpo de prova soldado para o corpo de prova como recebido. Da mesma fora, podemos afirmar que existe uma diferença significativa entre as posições de medida, no nível de confiança de 95%. A ANOVA também mostra que não há interação entre o tipo de corpo de prova e a posição de medida. Tabela 3. Resultados de dureza Brinell. Estado Soldado Recebido CP ,9 160,1 159,4 159,2 154,8 162,0 162,5 157, ,6 157,8 160,8 160,1 152,4 161,0 156,2 154, ,5 162,7 161,0 167,8 161,0 160,1 159,2 158, ,5 144,0 156,0 157,1 147,5 153,3 144,5 142, ,3 150,0 144,9 151,8 149,4 157,3 150,3 155, ,0 150,9 149,6 146,9 147,1 151,5 155,3 152,4 SST 1337, Tabela 4. Análise da Variância. SS GL MSS Fcalc Ftab (5%) SStrat 866, , ,154 5,591 diferente SSpos 133, ,074 2,557 2,313 diferente SSAB 98, ,044 1,882 3,787 igual SSerro 238, ,461 1,000 A influência das posições de medida é mostrada na Fig. (7). Trata-se de um gráfico da dureza média obtida em função da posição da medida para o corpo de prova soldado. O material aumenta a tensão residual das bordas para o centro. Entretanto os testes de contraste mostram que não há diferença nas posições simétricas, isto, entre as posições 1 e 8, 2 e 7, 3 e 6, 4 e 5. O teste de contraste entre as posições de medida é mostrado na Tab. (5). Considerando que as posições 4 e 5 se encontram mais próximas da zona termicamente afetada, a análise mostra que esta região é a que mais sofre influência em termos de tensões residuais.

7 Figura 7 Distribuição de dureza no corpo de prova soldado Tabela 5 Análise do contraste das posições simétricas MSSC MSSerro Fcalc Ftab P1-P8 10,8004 7,461 1, ,637 igual P2-P7 2, ,461 0, ,737 igual P3-P6 12,3267 7,461 1, ,575 igual P4-P5 4, ,461 0, ,120 igual 5. CONCLUSÕES Esta pesquisa teve como objetivo analisar as tensões residuais no aço ABNT 1020 laminado na forma recebida e depois do processo de soldagem com eletrodos revestidos. O estudo verificou a influência da soldagem nas chapas para as condições pré-estabelecidas na metodologia. Conclui-se então que a soldagem introduziu tensões residuais no corpo, e que estas foram de natureza compressiva devido ao aumento da dureza coletada em ensaio. A intensidade das tensões inseridas pela soldagem cresceu das periferias para o centro, e ademais, os valores foram simétricos em relação ao plano do cordão de solda. Por fim, sabe-se que as tensões residuais compressivas evitam a propagação de trincas e, portanto, a soldagem privilegiou a qualidade e resistência mecânica do produto. 6. REFERÊNCIAS Branco, C. M., Fernandes, A. A., DE Castro, P. M. S. T., 1986, Fadiga de Estruturas Soldadas. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian. Castro, I., 1992, Propagação de Trincas de Fadiga em Juntas Soldadas do Aço BS 4360 G50D. Tese de M. Sc., COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Costa Neto, C. A., 1989, Estudo do Comportamento à Fratura da Junta Soldada de um Tubo de Aço que Atende a especificação API 5L no GRAU X-70. Tese de M.Sc., COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. De Marco Filho, F., 2002, Propagação de Trincas de Fadiga em Juntas Soldadas Circunferenciais de Aço API Grau X- 65 para Utilização em Risers Rígidos. Tese de D. Sc., COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Dieter, G. E., 1976, Mechanical Metallurgy. 2 ed. Mc-Graw Hill. Fernandes, J. L., 2002, Uma Metodologia para a Análise e Modelagem de Tensões Residuais. Tese de D. Sc., PUC, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Fonseca, M. da P. C., 2000, Evolução do Estado de Tensões Residuais em Juntas Soldadas de Tubulação Durante Ciclos de Fadiga. Tese de D. Sc., COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Furtado Filho, J. F., 1990, Comportamento à Fadiga de Juntas Soldadas e Marteladas do Aço Estrutural BS4360 G 50D em Solução Cloretada sob Proteção Catódica. Tese de M. Sc., COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Garwood, S. J., 1979, Fatigue Crack Growth Threshold Determination, Weld Inst., Research Bulletin, 20, pp apud in FURTADO FILHO, J. F., 1990, Comportamento à Fadiga de Juntas Soldadas e Marteladas do Aço Estrutural BS4360 G 50D em Solução Cloretada sobproteção Catódica. Tese de M. Sc., COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

8 Gurney, T. R., 1968, Fatigue of Welded Structures. Great Britain, Cambridge University Press. Marques, P. V.2009, Soldagem; Fundamentos e Tecnologia 3ed.Editora UFMG. Ohta, A., Sasaki, E., Nihei, M., Kosuge, M., Kanao, M., Inagaki, M., 1982, Fatigue Crack Propagation Rates and Threshold Stress Intensity Factors for Welded Joints of HT80 Steel at Several Stress Ratios, International Journal of Fatigue, pp Shi, Y. W., Chen, B. Y., Zhang, J. X., 1990, Effects of Welding Residual Stress on Fatigue Crack Growth Behavior in Butt Welds of a Pipeline Steel, Engineering Fracture Mechanics v. 36, n. 6, pp Teng, T. L., Fung, C. P., Chang, P. H., 2002, Effects of Weld Geometry and Residual Stresses on Fatigue in Buttwelded Joints, International Journal of Pressure Vessels and Piping v. 79, pp Woodtli, J., Muster, W., Radon, J. C., 1986, Residual Strees Effects in a Fatigue Crack Growth, Engineering Fracture Mechanics v. 24, n. 3, pp Xiaoyan, L., Hongguan, Z., Xitang, T., 1996, A Study of Fatigue Crack Growth and Crack Closure in Mechanical Heterogeneous Welded Joints, Engineering Fracture Mechanics v. 45, n. 4, pp DIREITOS AUTORAIS Os autores são os únicos responsáveis pelo conteúdo do material impresso incluído no trabalho.

9 ANALYSIS OF THE RESIDUAL STRESSES IN FERROUS PLATE WELDED WITH COATED ELECTRODE. Neto, Almilson Vilhena, Leite Silva, Alex Sander Chaves da, Braga, Durval Uchôas, Neves, Frederico Ozanan, Universidade Federal de São João del-rei, Praça Frei Orlando, 170, Centro, São João del-rei, Minas Gerais, CEP: Abstract. Aiming at the improvement of manufacturing technology and manufacturing, this paper proposes a simple method to analyze the residual stresses present in a rolled steel sheet after it is attached via welding process by arc melting, more specifically, the process by electrodes coated. It is understood by the residual stresses as those that, after the withdrawal of all foreign agent on the material thermomechanical observed, act to restore the internal balance of the structure itself. However, the presence of these strains can cause early fatigue of a component and, consequently, its failure and breakage when it is applied suddenly or cyclically. It is known that the processes of welding by arc melting, insert large amount of localized heat to obtain the union of the elements and with this there is a noticeable change in the structure of the area being welded. These modifications are due to thermomechanical effects, greatly favor the emergence of the residual stresses that reorganize the internal structure tending to equilibrium, however, these strains cause side effects such as distortion and warping in the product obtained by welding. Here we did an analysis of residual stress in steel plates of interest by the indentation method on two levels: as received and after marriage by welding. The analysis of the material as received offers values for comparison with data obtained after welding and thus can determine the nature of residual stresses placed in the part after the analysis of hardness transverse to the weld bead obtained. Keyword: Coated Electrode Weld, Residual Stress, Indentation Test, Steel Plate.

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem?

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? 1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? (a) Controle de Desempenho de Soldadores e Operadores de Soldagem.. (b) Registro da

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 82 CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 83 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM Nas operações de soldagem, principalmente as que envolvem a fusão dos materiais, temos uma variação não uniforme e

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

INFLUÊNCIA DO PROCESSO E DOS PARAMETROS DE SOLDAGEM SOBRE O CICLO TERMICO EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS ARBL.

INFLUÊNCIA DO PROCESSO E DOS PARAMETROS DE SOLDAGEM SOBRE O CICLO TERMICO EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS ARBL. 334 INFLUÊNCIA DO PROCESSO E DOS PARAMETROS DE SOLDAGEM SOBRE O CICLO TERMICO EM JUNTAS SOLDADAS DE AÇOS ARBL. Cássia Maria Farias Lopes * Raimundo Carlos Silverio Freire Júnior ** Theophilo Moura Maciel

Leia mais

Qualificação de Procedimentos

Qualificação de Procedimentos Qualificação de Procedimentos Os equipamentos em geral são fabricados por meio de uniões de partes metálicas entre si empregando-se soldas. Há, portanto a necessidade de se garantir, nestas uniões soldadas,

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE SOLDAGEM ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO Prof. Marcio Gomes 1 Soldagem a arco elétrico É um processo de soldagem por fusão em que a fonte de calor é gerada por um arco elétrico formado

Leia mais

EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO SOBRE TENSÕES RESIDUAIS EM PRODUTOS DE AÇO FORJADOS A FRIO

EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO SOBRE TENSÕES RESIDUAIS EM PRODUTOS DE AÇO FORJADOS A FRIO 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS

Leia mais

"MICRODUREZA APLICADA NA COMPARAÇÃO DE TENSÕES RESIDUAIS APÓS PROCEDIMENTOS DE FABRICAÇÃO NO AÇO 1045"

MICRODUREZA APLICADA NA COMPARAÇÃO DE TENSÕES RESIDUAIS APÓS PROCEDIMENTOS DE FABRICAÇÃO NO AÇO 1045 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA Antonio Celio Moreira Junior "MICRODUREZA APLICADA NA COMPARAÇÃO DE TENSÕES RESIDUAIS APÓS PROCEDIMENTOS DE FABRICAÇÃO NO AÇO 1045" São João Del Rei 2014

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR E ELETRODO REVESTIDO NA SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR E ELETRODO REVESTIDO NA SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70 ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM ARAME TUBULAR E ELETRODO REVESTIDO NA SOLDAGEM DO AÇO API 5LX - GRAU 70 Vicente Afonso Ventrella Prof. Dr. UNESP / Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br

Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br Influência da Velocidade de Soldagem sobre as Geometrias dos Cordões de Solda Realizados Através dos Processos de Soldagem FACW e Soldagem Híbrida (TIG/FACW) Richard Thomas Lermen (FAHOR) richard@fahor.com.br

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF T. C. Chuvas 1 ; M. P. Cindra Fonseca 1 ; D. A. Castello 2 1 Departamento de Engenharia Mecânica/PGMEC

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 5 TERMINOLOGIA E SIMBOLOGIA DE SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 5 TERMINOLOGIA E SIMBOLOGIA DE SOLDAGEM 28 CAPÍTULO 5 TERMINOLOGIA E SIMBOLOGIA DE SOLDAGEM 29 TERMINOLOGIA DE SOLDAGEM A terminologia de soldagem é bastante extensa e muitas vezes os termos técnicos que utilizamos em uma região geográfica não

Leia mais

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são:

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são: 1 Objetivo/Justificativa 2 Introdução 2.1 Soldagem por Arco Submerso 2.1.1 Princípio de Funcionamento 2.2 Soldagem por Arame Tubular 2.2.1 Princípio de Funcionamento 3 Descrição da Prática 3.1 Materiais

Leia mais

Tubos cladeados. Tubos resistentes à corrosão. Tubos cladeados

Tubos cladeados. Tubos resistentes à corrosão. Tubos cladeados 1 Tubos cladeados Tubos resistentes à corrosão Tubos cladeados Tubos especiais e componentes prontos para a instalação Tubulações pré-fabricadas e componentes soldados Vasos, tanques e torres Construção

Leia mais

Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções.

Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções. São Paulo Brasil 31 de agosto a 2 de setembro, 2010 Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções. Paulo Rogerio Santos de Novais * * Tecnólogo

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 07 Solda A soldagem é um tema muito extenso. Basicamente a soldagem é a união de materiais, mas existem inúmeros processos totalmente diferentes

Leia mais

ELEMENTOS DE MÁQUINAS I

ELEMENTOS DE MÁQUINAS I UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA ELEMENTOS DE MÁQUINAS I APOSTILA PARA O CURSO o Semestre de 001 UNIÃO DE COMPONENTES METÁLICOS POR SOLDAGEM AUTOR: P ROF. DR. AUTELIANO

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem semi-automática GMAW. Familiarizar-se com os consumíveis

Leia mais

SOLDAGEM EM CARGA NO GASODUTO BOLÍVIA BRASIL

SOLDAGEM EM CARGA NO GASODUTO BOLÍVIA BRASIL EXPOSOL 0007_08 SOLDAGEM EM CARGA NO GASODUTO BOLÍVIA BRASIL Jesualdo P.Lobão Filho1, Wilton Servulo2,, José Alfredo B.Barbosa3 1 Engenheiro Mecânico - Engenheiro Sênior de Integridade - TBG 2 Técnico

Leia mais

3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda

3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda 3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda A união de placas em uma estrutura é conhecida como junta. Uma junta pode ser obtida utilizando-se os mais variados elementos de fixação: parafusos, rebites,

Leia mais

Teste Hidrostático. Projeto de Dutos

Teste Hidrostático. Projeto de Dutos Teste hidrostático Definição (NBR 12712) Teste (ensaio) de pressão com água, que demonstra que um tubo ou um sistema de tubulação possui resistência mecânica compatível com suas especificações ou suas

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 INFLUÊNCIA DE CICLOS TÉRMICOS NA TENACIDADE DE FRATURA DINÂMICA APARENTE DE CORPOS-DE-PROVA EXTRAÍDOS DE UMA JUNTA SOLDADA

Leia mais

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 Fabiana Camila Simon (FAHOR) fs000792@fahor.com.br Marcelo Ioris (FAHOR) mi001024@fahor.com.br Tiago Perin (FAHOR) tp000722@fahor.com.br Valtair de Jesus

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS Introdução Os aços inoxidáveis austeníticos são facilmente soldados com ou sem arame de enchimento. Ë considerável a utilização

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem manual com eletrodos revestidos. Familiarizar-se

Leia mais

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços Tipos Ensaios Destrutivos provocam a inutilização do material ensaiado Ensaios Não Destrutivos Ensaio

Leia mais

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA AS VÁRIAS V MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA Forjado Sinterizado Usinado Fundido A diferença estará apenas nos custos e tempos de fabricação? 1 EVOLUÇÃO DAS PROPRIEDADES COM O TRATAMENTO TERMOMECÂNICO

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 Daniel Favalessa, Edésio Anunciação Santos Filho, Gilberto Prevital, Heriberto Guisso, João Paulo

Leia mais

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O TRATAMENTO TÉRMICO A VÁCUO E O TRATAMENTO TÉRMICO POR BRASAGEM REALIZADO EM AÇO INOXIDÁVEL M340 APLICADO A INSTRUMENTAIS CIRÚRGICOS R. L. Ciuccio 1, V. Pastoukhov 2, M.D.D. NEVES

Leia mais

Propriedades dos Materiais CAP 3

Propriedades dos Materiais CAP 3 Universidade Federal do Ceará Resistência dos Materiais I Propriedades dos Materiais CAP 3 Profa. Tereza Denyse de Araújo Março/2010 Roteiro de aula Ensaio de Cisalhamento Ensaio de Torção Falhas de Materiais

Leia mais

Desempenamento. desempenamento de uma barra

Desempenamento. desempenamento de uma barra A UU L AL A Desempenamento Na área mecânica e metalúrgica, desempenar é a operação de endireitar chapas, tubos, arames, barras e perfis metálicos, de acordo com as necessidades relativas ao projeto de

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS INTRODUÇÃO A união de cobre e suas ligas podem ser efetuadas por processos de soldagem e brasagem O processo de brasagem é adequado para componentes de dimensões relativamente pequenas, devido a grande

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

Radiologia Industrial. Radiografia de Soldas. Agenda. Tubulações e Equipamentos 23/08/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc.

Radiologia Industrial. Radiografia de Soldas. Agenda. Tubulações e Equipamentos 23/08/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Radiologia Radiografia de Soldas Prof.: Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Agenda Tubulações e Equipamentos Tubulações e equipamentos Descontinuidades em

Leia mais

- Bibliografia Recomendada

- Bibliografia Recomendada 1 7 a aula - ELETRODOS REVESTIDOS - Bibliografia Recomendada 1) Soldagem Processos e Metalurgia Capítulo 2b 2) Normas da AWS A5.1-81, A5.5-81 e demais normas 3) Catálogo de fabricantes de eletrodos revestidos

Leia mais

LÍQUIDO PENETRANTE PROCEDIMENTO DE END PR 001

LÍQUIDO PENETRANTE PROCEDIMENTO DE END PR 001 Página: 1 de 40 1. OBJETIVO 1.1 Este procedimento estabelece as condições necessárias para a execução do ensaio não destrutivo por meio de Líquido Penetrante para detecção de descontinuidades superficiais,

Leia mais

DOCUMENTO EM FASE DE IMPLANTAÇÃO

DOCUMENTO EM FASE DE IMPLANTAÇÃO Página: 1 de 40 1. OBJETIVO 1.1 Este procedimento estabelece as condições necessárias para a execução do ensaio não destrutivo por meio de Líquido Penetrante para detecção de descontinuidades superficiais,

Leia mais

ANÁLISE DO BALANÇO DE FASES FERRITA/AUSTENITA NO METAL DE SOLDA DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S 32205 SOLDADO COM TIG

ANÁLISE DO BALANÇO DE FASES FERRITA/AUSTENITA NO METAL DE SOLDA DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S 32205 SOLDADO COM TIG ANÁLISE DO BALANÇO DE FASES FERRITA/AUSTENITA NO METAL DE SOLDA DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S 32205 SOLDADO COM TIG W.R.V.Sanita, J. L. Padilha, C.R.Sokey, R.C.Tokimatsu, V.A.Ventrella UNESP Departamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESCONTINUIDADE TIPO TRINCA DETECTADA NO VASO DE NITROGÊNIO

AVALIAÇÃO DE DESCONTINUIDADE TIPO TRINCA DETECTADA NO VASO DE NITROGÊNIO AVALIAÇÃO DE DESCONTINUIDADE TIPO TRINCA DETECTADA NO VASO DE NITROGÊNIO Controle de revisões 3 2 1 0 Rev Descrição Verificação Aprovação Data RESPONSÁVEIS TÉCNICOS Preparação e verificação Aprovação ART

Leia mais

Fricção linear pode ser boa opção para soldagem de tubos de aço com grande diâmetro

Fricção linear pode ser boa opção para soldagem de tubos de aço com grande diâmetro 68 Corte & Conformação de Metais Julho 2011 Fricção linear pode ser boa opção para soldagem de tubos de aço com grande diâmetro O processo de soldagem por fricção linear foi originalmente desenvolvido

Leia mais

Fundido ou Forjado? Uma Avaliação Realística

Fundido ou Forjado? Uma Avaliação Realística Fundido ou Forjado? Uma Avaliação Realística Uma apresentação honesta das vantagens e limitações de ambos os processos que permitirá ao leitor uma determinação segura de qual o melhor caminho a seguir

Leia mais

ENDs ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS APLICADOS À FABRICAÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO. João Bosco Santini Pereira PETROBRAS S. A. Renato Bernardes PETROBRAS S. A.

ENDs ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS APLICADOS À FABRICAÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO. João Bosco Santini Pereira PETROBRAS S. A. Renato Bernardes PETROBRAS S. A. ENDs ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS APLICADOS À FABRICAÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO João Bosco Santini Pereira PETROBRAS S. A. Renato Bernardes PETROBRAS S. A. Trabalho apresentado na 6ª Conferência sobre Tecnologia

Leia mais

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt ENSAIO DE MATERIAIS Profº Diógenes Bitencourt BASES TECNOLÓGICAS Diagrama Tensão-Deformação; Ensaio de Tração; Ensaio de Compressão; Ensaio de Cisalhamento; Ensaio de dureza Brinell; Ensaio de dureza Rockwell;

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias Estruturas Metálicas Módulo I Normas e Matérias NORMAS DE ESTRUTURA ABNT NBR 8800/2008 PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO EM EDIFICIOS - ABNT NBR 6120/1980 Cargas para o cálculo de estruturas de edificações

Leia mais

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister Introdução: Propriedades mecânicas indicam o comportamento dos materiais quando sujeitos a esforços de

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

SIMULAÇÃO DAS TENSÕES E DEFORMAÇÕES RESIDUAIS NO PROCESSO DE JATEAMENTO EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS

SIMULAÇÃO DAS TENSÕES E DEFORMAÇÕES RESIDUAIS NO PROCESSO DE JATEAMENTO EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS SIMULAÇÃO DAS TENSÕES E DEFORMAÇÕES RESIDUAIS NO PROCESSO DE JATEAMENTO EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS D. Benítez, Dr. Eng. Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo - SP, Brasil. danielbb@usp.br

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS SOLDADOS COM ARAME TUBULAR AWS E309LT-1 EM FUNÇÃO DA ADIÇÃO DE CO 2 NO GÁS DE PROTEÇÃO

CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS SOLDADOS COM ARAME TUBULAR AWS E309LT-1 EM FUNÇÃO DA ADIÇÃO DE CO 2 NO GÁS DE PROTEÇÃO CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS SOLDADOS COM ARAME TUBULAR AWS E309LT-1 EM FUNÇÃO DA ADIÇÃO DE CO 2 NO GÁS DE PROTEÇÃO Alcindo Fernando Moreira Juno Gallego Ruis Camargo Tokimatsu Wyser José Yamakami Vicente

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE IV SOLDAGEM

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE IV SOLDAGEM MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE IV SOLDAGEM Soldagem A soldagem é o mais importante processo de união de metais utilizado na indústria. Aplicações da soldagem: Estruturas simples Grades Portões Estruturas

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ENSAIO VISUAL DE SOLDA

PROCEDIMENTO PARA ENSAIO VISUAL DE SOLDA Página 2 de 16 1. OBJETIVO Este procedimento descreve os requisitos mínimos e padroniza a rotina para o ensaio visual direto e dimensional de juntas preparadas para a soldagem e de juntas soldadas. 2.

Leia mais

22 º CONGRESSO NACIONAL DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO, CONSTRUÇÃO NAVAL E OFFSHORE - SOBENA 2008

22 º CONGRESSO NACIONAL DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO, CONSTRUÇÃO NAVAL E OFFSHORE - SOBENA 2008 22 º CONGRESSO NACIONAL DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO, CONSTRUÇÃO NAVAL E OFFSHORE - SOBENA 2008 COMPARAÇÃO ENTRE SEQUÊNCIAS DE SOLDAGEM PROGRESSIVA E PASSO REVERSO ATRAVÉS DE ANÁLISE NUMÉRICA E EXPERIMENTAL

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 62 CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 63 SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO É um processo de soldagem por fusão a arco elétrico que utiliza um eletrodo consumível, no qual o calor

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SOLDAGEM II

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SOLDAGEM II 1 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SOLDAGEM II METALURGIA DA SOLDAGEM 1- Introdução A soldagem é geralmente realizada com a aplicação de calor e/ou deformação plástica. como resultado, alterações das

Leia mais

TRABALHO DE GRADUAÇÃO. Projeto. Curso de Engenharia Mecânica ( ) Integral (X) Noturno. Aluno: xxxxxxx n

TRABALHO DE GRADUAÇÃO. Projeto. Curso de Engenharia Mecânica ( ) Integral (X) Noturno. Aluno: xxxxxxx n TRABALHO DE GRADUAÇÃO Projeto Curso de Engenharia Mecânica ( ) Integral (X) Noturno Aluno: xxxxxxx n Orientador: Marcelo Augusto Santos Torres Início do Trabalho: março de 2010 1. Tema: Mecânica da Fratura

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

FÓRUM NOVAS TECNOLOGIAS NA SOLDADURA. 15 de Abril de 2010

FÓRUM NOVAS TECNOLOGIAS NA SOLDADURA. 15 de Abril de 2010 FÓRUM NOVAS TECNOLOGIAS NA SOLDADURA 1 Defeitos de soldaduras em Aços de Construção 1 Fendas José Alexandre 2 Cavidades 3 Inclusões Sólidas 4 Falta de Fusão e Penetração 5 Forma Imperfeita 6 Defeitos Diversos

Leia mais

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL EXPRESSÃO A INCERTEZA NA MEIÇÃO A UREZA BRINELL Sueli Fischer Beckert Instituto Superior de Tecnologia IST, Centro de Mecânica de Precisão de Joinville CMPJ sueli@sociesc.com.br Joinville, SC, Brasil Luciana

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ESTRUTURAIS

SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ESTRUTURAIS SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ESTRUTURAIS Celso Roberto Ribeiro PPG-CEM/UFSCar DEMa, Via Washington Luís, Km 235, Caixa Postal 676, 13565-905, São Carlos S.P., e-mail: pcrri@iris.ufscar.br Ana Cristina do Carmo

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Liz F Castro Neto lfcastroneto@gmail.com Dênis de Almeida Costa denis.costa@fatec.sp.gov.br 1. Resumo Na soldagem de união, a

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

Aula 7 - Ensaios de Materiais

Aula 7 - Ensaios de Materiais Aula 7 - Ensaios de Materiais Tecnologia dos Materiais II Prof. Lincoln B. L. G. Pinheiro 23 de setembro de 2010 1 Ensaios de Dureza A dureza é uma propriedade mecânica que mede a resistência do material

Leia mais

ANÁLISE DE FALHA E CARACTERIZAÇÃO METALÚRGICA DE UM SEGMENTO DE TRILHO SOLDADO POR ALUMINOTERMIA

ANÁLISE DE FALHA E CARACTERIZAÇÃO METALÚRGICA DE UM SEGMENTO DE TRILHO SOLDADO POR ALUMINOTERMIA Jornadas SAM 2000 - IV Coloquio Latinoamericano de Fractura y Fatiga, Agosto de 2000, 799-806 ANÁLISE DE FALHA E CARACTERIZAÇÃO METALÚRGICA DE UM SEGMENTO DE TRILHO SOLDADO POR ALUMINOTERMIA A.A.M. da

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 18 PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 QUESTÃO 41 As afirmativas a seguir tratam das características de alguns dos tratamentos térmicos aplicados aos aços. Verifique quais são verdadeiras (V) ou falsas (F) e marque

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX Uma ferramenta confiável e eficiente é essencial para se obter bons resultados. O mesmo se aplica na busca da alta produtividade e disponibilidade. Quando se escolhe um aço ferramenta muitos

Leia mais

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77 Capítulo 5 77 5 DISCUSSÃO 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. A finalidade do uso dos resfriadores no molde antes da fundição das amostras Y block foi provocar uma maior velocidade de resfriamento

Leia mais

COF11-0295 INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DA SOLDAGEM OXIACETILÊNICA NOS FERROS FUNDIDOS CINZENTOS E NODULARES

COF11-0295 INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DA SOLDAGEM OXIACETILÊNICA NOS FERROS FUNDIDOS CINZENTOS E NODULARES 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC A tabela a seguir lista valores típicos de algumas propriedades físicas, mecânicas, térmicas e elétricas de compostos de PVC rígidos e flexíveis. Os valores são simplesmente de caráter informativo e são

Leia mais

ANÁLISE DA DISTORÇÃO EM CHAPAS DE AÇO AISI 304 SOLDADAS ATRAVÉS DO PROCESSO TIG

ANÁLISE DA DISTORÇÃO EM CHAPAS DE AÇO AISI 304 SOLDADAS ATRAVÉS DO PROCESSO TIG ANÁLISE DA DISTORÇÃO EM CHAPAS DE AÇO AISI 304 SOLDADAS ATRAVÉS DO PROCESSO TIG Ariel Abeling, aa001345@fahor.com.br 1 Marco Henrique Lang, ml001403@fahor.com.br 1 Richard Thomas Lermen, lermenrichardt@fahor.com.br

Leia mais

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Prof.: Sidney Melo 8 Período 1 O que é Dureza Dureza é a propriedade de um material que permite a ele resistir à deformação plástica, usualmente por penetração.

Leia mais

Soldagem de manutenção

Soldagem de manutenção Soldagem de manutenção Prof. Dr. Almir Quites www.soldasoft.com.br 11/11/2001 1) Introdução Aqueles que fazem parte de equipe de manutenção industrial, em uma refinaria, por exemplo, vivem numa rotina

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais

PMR-2202 Introdução a Manufatura Mecânica

PMR-2202 Introdução a Manufatura Mecânica PMR-2202 Introdução a Manufatura Mecânica Processos de Junção e Corte Prof. Dr. Gilberto F. M. de Souza Agosto de 2004 1. Introdução Processos de junção são empregados para unir dois ou mais componentes,

Leia mais

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG)

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Este é o processo mais amplamente usado devido a sua versatilidade e alta qualidade bem como a aparência estética do acabamento

Leia mais

MFL DE ALTA RESOLUÇÃO PARA CHAPAS DE FUNDO E TETO DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO

MFL DE ALTA RESOLUÇÃO PARA CHAPAS DE FUNDO E TETO DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO MFL DE ALTA RESOLUÇÃO PARA CHAPAS DE FUNDO E TETO DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO Certificada ISO 9001:2008 1 A técnica de MFL consiste na magnetização com imãs permanentes poderosos capazes de criar um campo

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências CARGO AGENTE DE MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS Área de Concentração: Funilaria de Autos 1. Os processos de soldagem podem ser classificados em três

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

SISTEMÁTICA DE INSPEÇÃO ULTRASSÔNICA DE TRILHOS PARÂMETROS E CRITÉRIOS

SISTEMÁTICA DE INSPEÇÃO ULTRASSÔNICA DE TRILHOS PARÂMETROS E CRITÉRIOS SISTEMÁTICA DE INSPEÇÃO ULTRASSÔNICA DE TRILHOS APLICAÇÃO A finalidade da inspeção ultrassônica de trilhos é a prevenção contra a ocorrência de trincas e fraturas. As trincas e fraturas resultam, basicamente,

Leia mais

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM Para maior facilidade de análise e prevenção, procura-se geralmente identificar o(s) mecanismo(s) predominante(s) de remoção de material.

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO FUNDIDO DE BAIXO CARBONO, COMO FUNÇÃO DA SEQUÊNCIA DE PROCESSOS DE TRATAMENTO TÉRMICO E SOLDAGEM

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO FUNDIDO DE BAIXO CARBONO, COMO FUNÇÃO DA SEQUÊNCIA DE PROCESSOS DE TRATAMENTO TÉRMICO E SOLDAGEM AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO FUNDIDO DE BAIXO CARBONO, COMO FUNÇÃO DA SEQUÊNCIA DE PROCESSOS DE TRATAMENTO TÉRMICO E SOLDAGEM Wallace Gonçalves Diniz, wallacediniz@hotmail.com 1 Alexandre

Leia mais

POS GRADUAÇÃO INSPEÇÃO E AUTOMAÇÃO EM SOLDAGEM

POS GRADUAÇÃO INSPEÇÃO E AUTOMAÇÃO EM SOLDAGEM FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO POS GRADUAÇÃO INSPEÇÃO E AUTOMAÇÃO EM SOLDAGEM Nome Hamilton Alves dos Santos Professor Luiz Gimenez INDICE 1.0) Processo A Pag 1 1.1) ProcessoB Pag

Leia mais

ESTUDO DA OPERACIONALIDADE DO ARAME TUBULAR AWS E71T-1

ESTUDO DA OPERACIONALIDADE DO ARAME TUBULAR AWS E71T-1 CONAMET/SAM-SIMPOSIO MATERIA ESTUDO DA OPERACIONALIDADE DO ARAME TUBULAR AWS ET- Farias, J. P.; Luz, T. S.; Rodrigues; C. E. A. L.. Universidade Federal do Ceará Laboratório de Soldagem ENGESOLDA/UFC;

Leia mais

Soldagem I. Descontinuidades e Inspeção em Juntas Soldas

Soldagem I. Descontinuidades e Inspeção em Juntas Soldas UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Soldagem I Descontinuidades e Inspeção em Juntas Soldas Prof. Paulo J. Modenesi Belo Horizonte, novembro de 2001

Leia mais

AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DAS TENSÕES RESIDUAIS SOBRE AS RESPOSTAS DINÂMICAS DE PLACAS SOLDADAS

AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DAS TENSÕES RESIDUAIS SOBRE AS RESPOSTAS DINÂMICAS DE PLACAS SOLDADAS AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DAS TENSÕES RESIDUAIS SOBRE AS RESPOSTAS DINÂMICAS DE PLACAS SOLDADAS Alberto B. Vieira Jr., Domingos A. Rade e Sebastião S. Cunha Jr. Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254.

ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254. ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254. cristie diego pimenta (feg unesp ) pimentadiego@yahoo.com.br Messias Borges Silva (feg unesp ) messias@dequi.eel.usp.br

Leia mais

SOLDAGEM EM OPERAÇÃO EM PLANTAS DE PROCESSO

SOLDAGEM EM OPERAÇÃO EM PLANTAS DE PROCESSO 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS

Leia mais

MODELAGEM DA PROPAGAÇÃO DE TRINCA POR FADIGA DE JUNTAS DO AÇO ABNT 1016 SOLDADAS POR PROCESSO GMAW

MODELAGEM DA PROPAGAÇÃO DE TRINCA POR FADIGA DE JUNTAS DO AÇO ABNT 1016 SOLDADAS POR PROCESSO GMAW 5 V CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 14 a 17 de abril de 2009 - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil MODELAGEM DA PROPAGAÇÃO DE TRINCA POR FADIGA DE JUNTAS DO AÇO ABNT 1016 SOLDADAS POR

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

Processo de Soldagem por Arame Tubular

Processo de Soldagem por Arame Tubular Processo de Soldagem por Arame Tubular Engº Roberto Joaquim INTRODUÇÃO Data da década de 30 o início da utilização de proteção gasosa nas operações de soldagem, para resolver problemas da contaminação

Leia mais