UM EDITOR DIAGRAMÁTICO PARA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA INTERNET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM EDITOR DIAGRAMÁTICO PARA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA INTERNET"

Transcrição

1 UM EDITOR DIAGRAMÁTICO PARA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA INTERNET Leandro Bento Pompemraier B.Sc. Roberto Tom Price Eng. M.Sc., D.Piril Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Instituto ue Informática Caixa Postal Porto Alegre - RS-Brasil {pomper, Resumo Neste artigo é apresentado EDI, um Editor Diagramático na Internet, que suporta a especificação cooperativo de aplicações. Este editor utiliza tecnologia e funcionalidade dos hiperdocumentos. EDI possui características como: comparcilhamenco de informações, colaboração por vários autores para a realização de diversas tarefas, vários visões dos dados armazenados, entre outras. A implementação deste editor foi realizada na linguagem de programação Java. e projetada de forma genérica para permitir o criação de editores de diversas notações. Palavras Chaves: Engenharia de Software, Ambientes de Desenvolvimento de Software, Ferramentas CASE, WWW Abstract This paper describes EDI, a Diagrammatic Editor on the Internet, that supports cooperative specification of applications. This editor uses hyperdocument technology and funcionalities. EDI offers features such as information sharing, collaboration between severa! authors, multiple views of the data conceptual stored, among others. EDI is implemented using Java language and is designed with lhe intention of being generic to enable lhe easy creation of specific editors for severa! diagrammatic notations. Keywords: Software Engineering, Software Development Environment, CASE Tools, www 1. Introdução Ambientes de desenvolvimento de software (AOS) auxiliam os desenvolvedores de sistemas nas diversas etapas do ciclo de desenvolvimento, pela integração de ferramentas ucilizadas e pelo gerenciamento das várias tarefas associadas a este ciclo [DAR87]. Estes ambientes simplificam o processo de desenvolvimento de software, fornecendo convenções uniformes para análise, codificação, testes, etc. O conceito de AOS surgiu nos anos 70, buscando combinar técnicas, métodos e ferramentas com o objetivo de prover um meio através do qual o desenvolvedor pudesse ter o XII Simpósio Brasileiro de Engenhuri:l de Software - SBES'lJS 265

2 apoio na construção do software [GIM94J[PER91]. Esta fonna de tratar o processo de desenvolvimento, como se entende hoje, envolve o suporte a atividades individuais e ao trabalho em grupo, ao gerenciamento do projeto, ao aumento da qualidade geral, ao aumento da produtividade, etc. Com o surgimento de novas tecnologias, como o ambiente World Wide Web (WWW), os sistemas de informação deverão satisfazer requisitos mais abrangentes, utilizando arquiteturas de dados mais complexas, envolvendo visualizações por browser, servidores de documentos e servidores de bases de dados, sistemas de infonnações integrados ao workgroup das organizações e trabalho em grupo na geração dos documentos. Estes Sistemas de Informação oferecem através destas interfaces documentos que são sucessivamente manipuladas por diferentes usuários e pennitem, a estes usuários, diferentes visualizações das informações que os constituem. O desenvolvimento de Sistemas de Informação na Internet (S ll) requer a modelagem de diversos componentes como, por exemplo, a modelagem estrutural, visual e dos caminhos de navegação dos documentos que os constituem, bem como a modelagem das bases de dados e dos aspectos de atualização e acesso à bases de dados a partir dos documentos, que conterá as infonnaçõcs annazenadas, bem como das transaçõcs (casos de uso) e detalhamento dos processos. Para modelar todos estes aspectos são necessárias ferramentas de edição destes modelos, ferramentas de consistência entre os modelos, ferramentas de transfonnação e dicionários de dados, constituindo, assim, os componentes de análise e projeto de um ambiente de desenvolvimento de software. Considera-se que para desenvolver Sll's seja conveniente que o ambiente de desenvolvimento de software também esteja baseado na Internet. Um ambiente de desenvolvimento de software na Internet 'é um ambiente de desenvolvimento que para suportar o ciclo de desenvolvimento de software emprega mecanismos de cooperação entre os diferentes usuários, podendo, assim, formar workgroups para o desenvolvimento de diversas tarefas. O dicionário de dados, como base de dados comum a todos os usuários implementa um dos mecanismos de compartilhamento de infonnações. Este ambiente pode garantir a coerência e a consistência das infonnações durante todo o ciclo de desenvolvimento, pennitindo, também, visualização destas infonnações através de diferentes notações diagramáticas, confonne as preferências dos usuários. Ambientes de desenvolvimento de software na Internet poderão apresentar as seguintes características: cooperação de autoria, coordenação entre usuários, diversas visualizações e segurança. Neste trabalho apresenta-se EDI, um editor diagramático para modelagem de sistemas de infonnação na Internet. Este artigo está organizado da seguinte forma: a seção 2 apresenta idéias para a construção de AOS na Internet. A seção 3 apresenta características do EDI. A seção 4 mostra a funcionalidade do editor. Na seção 5 é apresentado o dicionário de dados do ambiente, enquanto a seção 6 apresenta algumas conclusões. 2. Ambientes de Desenvolvimento na Internet Diversas metodologias foram propostas para a construção de software Orientado a Objetos (OMT [RUM91], Booch [80091], Fusion [COL94], OOSE [JAC94]). Estas metodologias fornecem descrições de como o software deve ser criado c mantido [ORT95]. 266 X li Simpósio Brasileiro de Engenharia de Software - SBES'98

3 Em geral, estas descrições estão baseadas em um conjunto de documentos produzidos durante o ciclo de vida, definindo a estrulura e os relacionamentos desses documentos. O processo de desenvolvimento de software envolve uma contfnua produção e transformação de notações, partindo-se da especificação de requisitos até a produção de código executável [PEN93][FIN94). Estas produções e transformações podem ser suportadas por ferramentas, que constituem os ambientes de desenvolvimento de software. Na produção de software, várias ferramentas e notações são utilizadas para atender as fases de seu desenvolvimento[br092]. O que ocorre com estas ferramentas é o isolamento ou independência uma das outras, dificultando o relacionamento entre os documentos utilizados e/ou gerados durante este processo. Tendo em vista a popularização da Internet, principalmente com a tecnologia dos hiperdocumentos, e o surgimento de novas linguagens de programação (Java), se faz cada vez mais necessária a incorporação de tecnologias que suportem o desenvolvimento de software de forma distribuída na rede, com a possibilidade dos desenvolvedores atuarem nas diversas etapas existentes do ciclo de desenvolvimento do software gerando e trocando suas informações (documentos) entre si como se estivessem num mesmo ambiente local. Um AOS que possui a Internet como seu principal ambiente de interação permite aos seus usuários a independência de plataforma e de localidade, uma vez que as ferramentas do ambiente podem ser accssadas de qualquer nodo. Além disto, um AOS na Internet apresenta características importantes que o destingue de outros AOS. São elas : Cooperação : Um AOS na Internet utiliza recursos ãr comunicação entre os usuários para que estes possam trocar mensàgens;' a' fim de executar uma determinada tarefa ou trocar experiências [RE195]. Os principais meios de comunicação são : eletronic-mail ( ) e chac. Com isto podem ser compartilhadas ferramentas, informações, diagramas, etc. Outra forma de cooperação é o compartilhamento de infonnações através da base de dados ou através de documentos HTML (HyperText Markup Language). Coordenação : A capacidade de gerenciar as interações dos usuários, controlando o fato de diversas pessoas estarem trabalhando nos mesmos objetos ao mesmo tempo, e também de integrar as contribuições individuais de cada participante num único produto. Segurança : A segurança consiste em garantir que apenas usuários autorizados terão acesso à base de dados comum. Diferentes tipos de usuários possuem diferentes visões dos dados armazenados e diferentes níveis de acesso. Além dos mecanismos de segurança implementados pelos sistemas de gerenciamcnto de banco de dados, a Internet provê segurança através dos browsers e dos mecanismos existentes na linguagem de programação Java. Aworia : A autoria consiste em fornecer mecanismos que possibilitem o planejamento da atividade do grupo de trabalho e a representação da mesma no ambiente compartilhado. A Internet facilita o trabalho de autoria, principalmente, pela visualização dos documentos através tios browsers e pelo fácil acesso as informações. XIJ Simpósio Brasileiro de, Engenharia de Sonware - SBES '9K 267

4 Gestão do Dicionário de Dados : repositório de todas as informações do projeto, modelagem, implementação, testes, etc. O AOS deve gerenciar o acesso a base de dados (dicionário de dados) garantindo a consistência e segurança dos dados. Com o dicionário de dados disponível na Internet faz com que os usuários não se preocupem com a localização das informações, principalmente se não estiverem em seu ambiente de trabalho. Consistência dos Modelos : O AOS deve garantir a consistência dos modelos com relação ao dicionário de dados. Um dicionário de dados integra todos os modelos das notações. A Internet, através dos mecanismos de compartilhamento das informações e coordenação das tarefas dos usuários, garante a consistência dos modelos. Adaptação ao Usuário : Diversas vtsoes de um mesmo conjunto de dados, possibilitando a adaptação do ambiente às caracterfsticas do usuário. A Internet auxilia na adaptação ao usuário através da homogeneidade de interfaces, proporcionadas pelos browsers. lnteração Global : A Internet é, sem dúvida, o maior sistema aberto existente. Com ele diversos usuários podem "navegar" em busca de informações disponibilizadas através das páginas Web. Esta intcração global permite um melhor compartilhamento de bibliotecas de componentes, ampla exposição dos produtos gerados nas fases de desenvolvimento, o acesso a frameworks, comparthhamento de resultados e experiências. Adicionalmente um AOS na Internet deve possuir características comuns a outros AOS como, por exemplo, geração de código e engenharia reversa Uma Proposta de AOS na Internet Um AOS na Internet deve possuir as características citadas anteriormente. Deverá possuir, para tal, ferramentas (editores) capazes de auxiliar o desenvolvimento cooperativo de software. Um protótipo de editor cooperativo, desenvolvido em Java é apresentado nas seções subsequentes. O AOS na Internet oferece homogeneidade de interfaces, conseguida através das visualizações nos navegadores. Este ambiente possui um dicionário de dados armazenado em uma base de dados no servidor. Esta base de dados implementa um modelo conceituai. Os editores deste ambiente interagem com os usuários através de visões especfficas da base de dados. Por exemplo, editor de cenários visualizam objctos e troca de mensagens entre eles. Editor de objetos visualiza a estrutura de herança c associação entre classes. Editor de estados visualiza as transformações de estado dos objetos de uma classe. Uma mesma visão pode ter diferentes apresentações, conforme o desejo do usuário. A visão do modelo de objetos pode ser vista com letras em negrito e fonte Arial por um usuário e itálico c Times New Roman por outro. Pode-se especificar que usos de documentos podem requerer visões especfficas. Algumas visões são sobre sub-conceitos específicos (por exemplo a modelagem dinâmica de objetos), outras visões referem-se a forma de visualização de conceitos (por exemplo alguns 268 XII Simpósio Brasileiro de Engenharia de Software- SBES'98

5 usuários preferem ver diagramas de objetos com a notação de Rumbaugh [RUM91 ], outros com a notação do Booch [80091 ]). Detalhes das visões que são apenas referências de apresentação dos usuários (por exemplo tipo da fonte, tamanho da fonte e cor) são especificadas nas anotações. O ADS suporta trabalho individual ou cooperativo. A cooperação pode ser de várias formas, como troca de mensagens através de e chat, compartilhamento de informações através dos modelos visualizados pelos usuários ou na forma de anotações sobre modelos que estão sendo criados. Por exemplo, um usuário ena um modelo na sua visão e o envia a outros usuários, que o podem criticar e sugerir modificações, utilizando anotações sobre o modelo proposto. Estas anotações podem ser na forma de inclusão, remoção, substituição ou comentário Projetos possuem diversos desenvolvedores que podem estar distribufdos em diversas localidades e que podem realizar tarefas distintas sobre os documentos, ou mesmo cooperar na realização de uma mesma tarefa. O ambiente distribufdo suporta este tipo de trabalho, controlando o acesso (prioridades de atualizações, autorizações, gestão de visões e outras) e gerenciando os documentos. 3. Funcionalidades e Características do EDI O editor diagramático para a Internet (EDI) é um editor de diagramas, com caracterfsticas próprias, tais como: vários usuários podem realizar diversas tarefas, trocando informações e companilhando urna única base de dados; cada usuário pode visualizar de forma específica um mesmo conjunto de dados; independência de plataforma, uma vez que a ferramenta é executada sobre navegadores Web (Netscape, Internet Explorer, Mosaic, etc.) Vários usuários acessando a ferramenta ao mesmo tempo, e requerendo visualizações diversas sobre a mesma base de dados, requer do sistema capacidade de gerenciar estas visões e a atualização da base de dados. No protótipo o modelo é representado pela base conceituai. Esta base é gerenciada por um sistema de banco de dados e representa os conceitos utilizados pelas representações das notações. Na seção 5 é apresentado detalhes do modelo conceituai (dicionário de dados) As visões são dependentes de como cada usuário visualiza as informações da base de dados. Cada visão é apresentada pelo editor especffico da visão. A atualização da base de dados e das diversas visões se dá de forma consistente, pois, quando o modelo é alterado (base de dados), automaticamente as visões agregadas são notificadas da alteração. Quando uma determinada tarefa é inicializada, somente um usuário receberá a especificação (usuário proprietário). Analisando a especificação da tarefa, este usuário deverá requisitar o bloqueio dos conceitos que, possivelmente poderão sofrer alterações. Estes conceitos variam de acordo com o editor utilizado para o desenvolvimento da tarefa como, por exemplo, se o usuário utililar o editor de objetos, as classes, atributos, métodos, associações, agregações e heranças utilizadas na modelagem da tarefa deverão ser bloqueados para que as alterações realizadas sobre estes conceitos não tornem os modelos extrafdos a partir destes conceitos inconsistentes. Cada usuário proprietário poderá criar um b'tllpo de trabalho ou grupo de discussão para que haja troca de experiências entre vários usuários. Este usuário (usuário proprietário) XII Simpósio Brasileiro de Engenharia de Software- SBES'98 269

6 enviará parte ou todo modelo criado para um ou vários usuartos colaboradores. Estes usuários receberão, além da visão criada pelo usuário proprietário um submodelo conceituai, que é cópia do dicionário de dados contendo os conceitos manipulados pelo modelo em questão. Cada usuário, tanto proprietário como colaborador, possuirá um projile contendo características especfticas de apresentação dos modelos como. por exemplo, tipo e cor de letra. Os usuários, tanto proprietário como colaborador, possuem um conjunto de funções que foram previamente estabelecidas. A tabela I apresenta estas funções. Tipo de Usuário Funções Proprietário - Criar visão - Bloquear modelo - Editar visão Incluir visão no modelo Desbloquear modelo - Enviar visão para análise dos colaboradores - Agregar anotações ao modelo Colaborador Receber visões Anotar visões Devolver visões - Enviar visões para análise de outros colaboradores - Agregar anotações ao modelo Tabela 1 - Funções dos Usuários Todas as alterações realizadas pelos usuários (proprietário e desenvolvedor) serão armazenadas em um sistema de log. Este sistema será disponibilizado, como um todo, somente para o desenvolvedor proprietário. Assim este poderá escolher e/ou visualizar as alterações que melhor representam o desenvolvimento da tarefa. Ou seja, a forma de manter controle de versões das visões é implementada pelo log. Entre as funcionalidades do editor pode-se salientar o mecanismo de colaboração no desenvolvimento das tarefas. A colaboração pode ser indireta, através do compartilhamento de documentos, isto é, os diversos usuários do editor poderão, :~través de um sistema de arquivos, compartilhar documentos (diagramas, textos e imagens). Outra forma é a colaboração direta, através de mecanismos de troca de mensagens e anotações. Os usuários (desenvolvedores) podem trocar mensagens (informações e experiências) através de protocolos de comunicação (correio eletrônico ( ) e chat) implementados em Java. Estes programas agregados ao ambiente permite a formação de workgroup entre usuários ou envolvidos na mesma tarefa ou especialistas em uma determinada área. O mecanismo de chat permite uma interação ~::ntre todos os usuários do editor ou somente entre os usuários cadastrados no mesmo grupo de trabalho. A colaboração através de anotações é uma forma de comunicar idéias ou opiniões sobre o conteúdo de um diagrama criado. Um usuário colaborador analisa o modelo recebido, insere suas anotações junto com o diagrama e envia ao usuário proprietário do diagrama. Estas anotações são inseridas com o intuito de aperfeiçoar o documento, c também podem ser 270 XII Simpósio Brasileiro de Engenharia de Software- SBES'98

7 utilizadas como registro das argumentações ocorridas durante a criação do diagrama. Além disso ela serve como um mecanismo de comunicação entre o usuário proprietário e os usuários colaboradores. Esta colaboração pode ser (figura I): (a) apresentar idéias ou opiniões; (b) propor alterações; e (c) levantar questões. Toda anotação deve ter o identificação do comentador. Funções de edição semânticas dos modelos permitem ao usuário alterar semanticamente o modelo, realizando troca de uomfnio de modelagem. Por exemplo, o usuário poderá transformar um atributo em classe e viee-versa, utilizando estas funções e mantendo a consistência com relação ao dicionário de dados. r Usuário I I Anotação L A I I I I Remoção I I Inclusão I Troca I I Comentário I Troe ade NCMJ.I Objeto Visual ~ ["' Figura 1 - Modelo de Objetos para Anotações baseado em [SOU97] 4. Aspectos de Implementação do EDI O editor foi programado como uma applet (que executa no cliente) e uma aplicação (que executa no servidor) que gerencia os usuários. Para a implementação do EDI, sendo este uma ferramenta gráfica, foi utilizado o frcunework Hotdraw [JOH92] e para a solução de problemas relativos a implementação gráficas de alguns componentes utilizados pelas notações que o EDI suporta foram utilizados os padrões de projeto Observer e Composite [GAM95]. Foi utilizado, também, o framework Java File System (JFS) para a construção e gerenciamento do sistema de arquivos das visões manipuladas pelos clientes Cada notação tem um EDI específico. Está sendo construído EDI específicos, utilizando as classes definidas em EDI anteriores para chegar a definição de um framework para a criação de editores diagramáticos. XU Simpósio Brasileiro de Engenh:ll'ia de Software - SllES'98 271

8 A figura I fornece uma visão geral da arquitetura do EDI. O ambiente proposto possui três camadas : Database Server, Web Server e JFS Server (figura 2). Estas três camadas podem estar presentes em uma única máquina, ou distribu(das em várias máquinas. O usuário acessa o servidor Web (Web Server) na Universal Resource Locator (URL) do ambiente. Ao carregar a página HTML irá também carregar o applet Java, que consiste no EDI, podendo criar,alterar ou anotar modelos diagramáticos. O EDI possui a seguinte arquitetura : -+ DataBase Server : Servidor de banco de dados onde está armazenado as informações do sistema baseado no modelo semântico das classes; -+Web Server : Servidor WWW onde estão armazenadas as páginas HTML e os applets Java (ferramentas) do ambiente. -+ JFS Serve r : Servidor de sistema de arquivos utilizado para armazenar infonnações temporárias dos usuários como, por exemplo, um diagrama, um texto, etc. Utilizado, também, para gerenciar a comunicação entre os usuários. -+ Users : São os desenvolvedores do software. Internei Figura 2- Arquitetura do Editor Diagramático para Internet 5. Exemplo de Utilização do EDI O protótipo foi implementado na linguagem Java utilizando a arquitetura MYC e sistema de arquivos JFS (Java File System). Para executar a ferramenta é necessário o acesso 272 XII Simpósio Brasileiro li.: Engenharia tle Sofiware- SBES'98

9 a URL do ambiente e acessar suas respectivas páginas HTML, utilizando um navegador que suporte a linguagem Java, isto é, a execução dos applets. Antes do usuário acessar as ferramentas do ambiente, este deve ser cadastrado no sistema pelo usuário root. Este cadastramento define o grupo de trabalho do usuário, sua área de armazenamento local, username entre outras caracterfsticas. Além do cadastro dos usuários do ambiente, é possfvel o cadastro de impressoras e o monitoramento das conexões dos usuários. Cada usuário cadastrado recebe uma senha que lhe permitirá o acesso nas ferramentas do ambiente. Uma ve.z cadastrado, o usuário poderá acessar o ambiente e utilizar suas ferramentas. O prot6tipo 1 atualmente disponibilizado apresenta um editor de notação OMT, agregando recursos para o compartilhamento de informações e, consequentemente, o trabalho em equipe. A figura I apresenta a interface principal do editor. Outras notações, como cenários, diagramas de estados, estão sendo implementados. O objetivo é obter um framework para gerar editores diagramáticos e gerenciadores de dicionários de dados. Figura 3- Visão geral da Ferramenta de Modelagem O editor é dividido em : 7 menu principal : com as opções File (manipulação de arquivos), View (visualização do modelo, quanto a notação, c visu:tlização das tarefas em andamento e por 1 Atualmcnte o protótipo do EDI está disponfvel nn seguinte URL: hup://www.inf.ufrgs.brl-pomperiedii XJI Simpósio Brasileiro de Engenharia de Software SBES'98 273

10 realizar), Tools (gerador de linguagem Java), Help (ajuda ao usuário com relação aos recursos técnicos do editor); -7 barra de ferramentas horizontal : apresenta ferramentas para o armazenamento e compartilhamento das informações individuais e ferramentas para acesso aos recursos de troca de informações (mail e chat); -7 barra de ferramentas vertical : ferramentas para edição da notação. No protótipo é disponibilizado ao usuário ferramentas para acrescentar classes, relacionamentos entre as classes (herança, agregação e associação) e, também, acrescentar comentários e anotações ao modelo, tanto genéricos como associados a algum componente gráfico; -7 área de desenho : onde será projetado o sistema de informação. Para alterar características de classes como, por exemplo, nome, tipo (abstrata, final, publica ou privada), incluir atributos e métodos deve-se selecionar a ferramenta Select e posterionnente dar um duplo click em cima da classe desejada. Desta forma, aparecerá uma janela (figura 2) contendo as informações da respectiva classe, podendo estas serem incluídas, alteradas ou removidas. Figura 4- Janela de Especificação da Classe 274 XII Simpósio Brasileiro de Engenharia de Software- SBES'98

11 6. Modelo Semântico do Dicionário de Dados Para o modelo de dados, utilizado para descrever o modelo conceituai do domínio da aplicação, foi utilizado a notação OMT (Object Modeling Technique) [RUM91]. Este modelo fornece uma estrutura semântica que facilita a descrição do domínio e a representação dos conceitos utilizados pelas notações utilizadas nas ferramentas implementadas. O editor possui uma base de dados comum (dicionário de dados do ADS), onde estão armazenadas as informações dos sistemas. Esta base de dados deverá representar todos os conceitos manipulados pelas ferramentas, isto é, apresentar em modelo conceituai (figura 3) todos os conceitos presentes nas diversas visões que as ferramentas especfficas manipulam. I Scenario I.--1 Partícipation EQCuUonl AcUvate l I G-rallzatlon 1 SubCiass SupwCiass o I Assoclation I L Represented J L Class ~ 1+~ I Method I Argument I (2.2) I Message I Binary Relatlon I Object l...1 V alue ~ Á I I Composhion I t 1+ I Anribute L-- -l I Figura 5 Modelo Parcial de Objetos Semânticos do Ambiente A partir deste modelo conceitual cada editor representará parte destes conceitos de forma gráfica, de acordo com a notação utilizada. Cada notação deverá ter um editor próprio, especializado do framework de edição genérico. Cada editor manipula um submodelo conceituai. 7. Conclusões Os resultados obtidos com esta pesquisa, demostram a viabilidade de se combinar um ambiente aberto (Internet) com o desenvolvimento cooperativo de software. A cooperação na especificação de sistemas de informação é obtida através do compartilhamento das visões e das anotações adicionadas as visões pelos colaboradores. XII Simpósio Brasileiro de Engenhana de Sofi\van: - SBES'98 275

12 A abordagem de diferentes visões de um mesmo modelo possibilita o uso integrado de diferentes notações para a especificação de sistemas de informação por diferentes usuários. Esta abordagem de múltiplas visões é conseguida através da implementação da arquitetura MVC, permitindo o EDI a trabalhar com um mesmo modelo semântico. O trabalho descrito faz parte de um projeto que envolve a especificação de um framework para a construção de editores diagramáticos. Esta especificação deverá ser alcançada através do processo evolutivo que está sendo empregado na construção de ED!'s, analisando cada risco envolvendo as características de editores diagramáticos colaboralivos para Internet. Referências Bibliográficas [B0091l [BR092] [COL94] [DAR87] [FIN94] [GAM95] [GIM94] [JAC94] [JOH92] [0RT95] [PAR94] BOOCH, G. Object Oriented Design: with Applications. Redwood City: The Benjarnin/Cumming, BROWN, A. ; FE!LER, P. ;WALLNAU, K. Understanding lntegration in a Software Development Environment. Pittsburgh, Pennsylvania: Software Engineering Institue, p. (Technical Report CMU/SEI- 91-TR-31). COLEMAN, D. et ai. Object-Oriented Development - The Fusion Method. New Jersey: Prentice-Hall Englewood Cliffs, DART, S. et ai. Software Development Environment. Computer, Los Angeles, CA, v.20, n.ll, p , Nov FINKELSTEIN, Anthony; et ai. Software Process Modeling a nd Technology. New York: John Willey & Sons lnc p. GAMMA, E.;et ai. Design Pa tterns: Elements of Reusable Object-Oriented Software. Addison Wesley, GIMENES, I. O processo de Engenharia de Software: Ambientes e Formalismos. Caxambu, MG, Brasil: Sociedade Brasileira de Computação, JACOBSON, I. et ai. Object-Oriented Software Engineering - A Use Case Driven Approach. Addison-Wesley Publishing Company, JOHNSON, R. E. Documenting Frameworks using Patter ns. ln: Object Oriented Programming Systems, Languages and Applications Conferende - OOPSLA, 1992, Vancouver. Proceedings... Vancouver. ORTIGOSA, Alvaro Manuel. Proposta de um Ambiente Adaptável de Apoio ao Processo de Desenvolvimento de Software. Porto Alegre: CPGCC da UFRGS, (Dissertação de Mestrado). PARCPLACE System lnc. Visual Works Reference Manual. CA: ParcPiace System lnc., XII Simpósio Brasileiro de Engenharia de Software- SBES'98

13 [PEN93] [PER91] [RE195] [RUM9 1] [SOU97] PENEDO, M. Process-based Software Engineering Environments (PSEE). ln: BRAZILlAN SYMPOSIUM OF SOFIW ARE ENGINEERING, 7., 1993, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: PUC do Rio de Janeiro, (palestra convidada). PERRY, D.; KAISER, G. Models of Software Development Environments. Transaclions on Software Engineering. New York, v.l7, n.3, p , Mar REIS, Rodrigo Quites. Desenvolvimento Cooperativo de Software: Ferramentas e Metodologias. Porto Alegre : CPGCC-UFRGS (Trabalho Individual) RUMBAUGH, J. et ai. Object-Oriented Modeling and Design. Englewood Cliffs: Prentice Hall SOUZA, Cleidson R.B. ; WAINER, Jacques; RUBIRA, Cecnia M. F. Um Modelo de Anotações para o Desenvolvimento Cooperati vo de Software. ln: III Workshop em Sistemas Multimfdias e Hipermfdias, 1997, São Carlos. Anais... São Carlos: UFSCar, p , X II Simpósio Brasileiro de Engenharia de Software- SBES'98 277

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Carlos Henrique Pereira WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Florianópolis - SC 2007 / 2 Resumo O objetivo deste trabalho é especificar

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1.

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1. Modelos de Sistema Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1 Objetivos Explicar por que o contexto de um sistema deve ser modelado como parte do processo de RE Descrever

Leia mais

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE Tathiana da Silva Barrére Antonio Francisco do Prado Vitor César Bonafe E-mail: (tathiana,prado,bonafe)@dc.ufscar.br

Leia mais

Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo.

Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo. UML - Motivação - O que é um modelo? Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo. O que é um modelo? O que é um modelo? O

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução a linguagem UML

Leia mais

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso O que é Casos de Uso Descrições narrativas de processos do domínio da aplicação Documentam a seqüência de eventos de um ator (um agente externo) usando o sistema para completar, do início

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Análise Descrição do problema a ser implementado Descrição dos objetos e classes que fazem parte do problema, Descrição

Leia mais

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Fabrício Brasiliense Departamento de Informática e Estatística(INE) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Trindade-

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

UML: Unified Modeling Language. Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes

UML: Unified Modeling Language. Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes UML: Unified Modeling Language Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes Unified Modelling Language (UML) Não é uma linguagem de programação. Linguagem de modelagem visual utilizada para especificar,

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

ABCTool - Uma Ferramenta para Cooperação Baseada na Arquitetura do Sistema

ABCTool - Uma Ferramenta para Cooperação Baseada na Arquitetura do Sistema ABCTool - Uma Ferramenta para Cooperação Baseada na Arquitetura do Sistema Cynthia Maria Silva de Barros Mestranda do PPGEE-PUC-Minas* cmsbarros@zipmail.com.br Carlos Alberto Marques Pietrobon Professor-Orientador

Leia mais

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET Átila Correia Cunha 1, 2, Glaucon Henrique Mauricio Maia 1, 2, Waner Ferreira Tavares 1, 2, Jorge Bergson¹, Rui Gomes Patrício 3

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Nelson Ribeiro de Carvalho Júnior 1 RESUMO Atualmente o cenário mundial cuja dependência do software está cada vez mais evidente requer que

Leia mais

modelagem do negócio (processos e objetos do negócio) modelagem de requisitos alocados ao software modelagem da solução de software

modelagem do negócio (processos e objetos do negócio) modelagem de requisitos alocados ao software modelagem da solução de software POO com UML Java Uso da linguagem UML(Unified Modeling Language) A UML, ou Linguagem de Modelagem Unificada, é a junção das três mais conceituadas linguagens de modelagem orientados a objectos (Booch de

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Padrões de Projeto Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Apresentação Conceitos Definição Ponto de vista prático História Padrões de Projeto Conhecidos

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA conceito inicial Amplo sistema de comunicação Conecta muitas redes de computadores Apresenta-se de várias formas Provê

Leia mais

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec Copyright 2007, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta

Leia mais

Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes

Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes Ana Paula Blois 1, 2, Karin Becker 2, Cláudia Werner 1 1 COPPE/UFRJ, Universidade Federal do Rio de Janeiro,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

Gestão de Projectos de Software - 1

Gestão de Projectos de Software - 1 Gestão de Projectos de Software Licenciaturas de EI / IG 2012/2013-4º semestre msantos@ispgaya.pt http://paginas.ispgaya.pt/~msantos Gestão de Projectos de Software - 1 Objectivos da Disciplina de Gestão

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte

Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte Autoria: Denis Silveira, Eber Schmitz Resumo: Este artigo apresenta uma Metodologia Rápida de Desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM 32 3 OOHDM e SHDM Com a disseminação em massa, desde a década de 80, de ambientes hipertexto e hipermídia, principalmente a Web, foi identificada a necessidade de elaborar métodos que estruturassem de

Leia mais

SysGCoS: Gerenciador de Controle de Ordem de Serviço

SysGCoS: Gerenciador de Controle de Ordem de Serviço SysGCoS: Gerenciador de Controle de Ordem de Serviço Adriano Alves da Silva 1, José Flávio Gomes Barros 2, Henrique Rocha Fontenele e Jean Carlo Galvão Mourão 3 1 Bacharel em Sistemas de Informação - Faculdade

Leia mais

FERRAMENTA DE WORKFLOW DE DOCUMENTOS PARA O AMBIENTE COLABORATIVO ARCASE

FERRAMENTA DE WORKFLOW DE DOCUMENTOS PARA O AMBIENTE COLABORATIVO ARCASE FERRAMENTA DE WORKFLOW DE DOCUMENTOS PARA O AMBIENTE COLABORATIVO ARCASE Marcello Thiry thiry@univali.br Ana Frida da Cunha Silva anafrida@univali.br Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI Campus São José

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Introdução a UML. Agenda. Definição Histórico Contribuições Diagramas Observações. Cleidson de Souza (Rodrigo Reis)

Introdução a UML. Agenda. Definição Histórico Contribuições Diagramas Observações. Cleidson de Souza (Rodrigo Reis) Agenda Introdução a Cleidson de Souza (Rodrigo Reis) Definição Contribuições Diagramas Observações Definição A (Unified Modeling Language) é uma notação para descrição de sistemas orientados: The Unified

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

5 Detalhes da Implementação

5 Detalhes da Implementação Detalhes da Implementação 101 5 Detalhes da Implementação Neste capítulo descreveremos detalhes da implementação do Explorator que foi desenvolvido usando o paradigma MVC 45 e o paradigma de CoC 46 (Convention

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br MC302A Modelagem de Sistemas com UML Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br Modelamento de Sistemas e Orientação a Objetos O paradigma de Orientação a Objetos oferece um conjunto de características

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

A história de UML e seus diagramas

A história de UML e seus diagramas A história de UML e seus diagramas Thânia Clair de Souza Vargas Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis, SC Brazil thania@inf.ufsc.br Abstract.

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

Novemax Biblioteca OO para abstração de componentes HTML, desenvolvida em PHP

Novemax Biblioteca OO para abstração de componentes HTML, desenvolvida em PHP Novemax Biblioteca OO para abstração de componentes HTML, desenvolvida em PHP Isac Velezo de C. Aguiar isacaguiar@gmail.com Jailson Oliveira da Boa Morte jailsonboamorte@gmail.com Instituto de Matemática

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

Diagrama de Classes. Diagrama de Classes. Diagramas de Classe. POST Criando Diagramas de Classe. Como construir (2)

Diagrama de Classes. Diagrama de Classes. Diagramas de Classe. POST Criando Diagramas de Classe. Como construir (2) Diagrama de Classes Diagrama de Classes Modelo de classes de especificação Perspectiva de Projeto Ilustra as especificações de software para as classes e interfaces do sistema. É obtido através da adição

Leia mais

MANUAL E DICAS ASSISTENTE VIRTUAL (AV) ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 POR

MANUAL E DICAS ASSISTENTE VIRTUAL (AV) ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 POR MANUAL E DICAS DO ASSISTENTE VIRTUAL (AV) POR ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 ÍNDICE Introdução...3 Requisitos e Restrições do Assistente...3 Diferenças da Versão

Leia mais

Modelando com UML Unified Modeling Language

Modelando com UML Unified Modeling Language Modelando com UML Unified Modeling Language AHMED ALI ABDALLA ESMIN 1 1 ILES ULBRA Instituto de Informática - Universidade Luterana do Brasil de Informática Cx. Postal 271 CEP 78.9860-000 Ji-Paraná (RO)

Leia mais

Análise e Projeto Orientados a Objeto

Análise e Projeto Orientados a Objeto Análise e Projeto Orientados a Objeto com UML e Padrões Parte I Análise, Projeto, e Processo Baseado em Craig Larman 1 Aplicando UML, Padrões e APOO Objetivo Desenvolver habilidades práticas na utilização

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Sistema de Apoio ao Ensino de Modelagem de Software Uma extensão para o editor de programação BlueJ

Sistema de Apoio ao Ensino de Modelagem de Software Uma extensão para o editor de programação BlueJ IV Encontro de Pesquisa PUCSP/TIDD 2011 Sistema de Apoio ao Ensino de Modelagem de Software. Uma extensão para o editor de programação BlueJ Autor: Luciano Gaspar - E-mail: tigaspar@hotmail.com Orientador:

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO CURSO Engenharia Eletrônica MATRIZ FUNDAMENTAÇÃO LEGAL (Resolução do COEPP que aprovou a matriz curricular

Leia mais

UML Visão Geral. Índice. Introdução. Diagramas. Modelos e diagramas. Elementos de modelação. Referências

UML Visão Geral. Índice. Introdução. Diagramas. Modelos e diagramas. Elementos de modelação. Referências UML Visão Geral 1 Índice Introdução O que é a UML? Valor da UML Origens da UML Parceiros da UML Modelos e diagramas Elementos de modelação Diagramas Diagrama de casos de utilização Diagrama de classes

Leia mais

MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java

MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java Leonardo Gresta Paulino Murta Gustavo Olanda Veronese Cláudia Maria Lima Werner {murta, veronese, werner}@cos.ufrj.br COPPE/UFRJ Programa

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas II/CPD025 Conceitos orientação a objetos. Evolução das técnicas de modelagem orientadas a objetos. Estrutura da linguagem UML. Conceito de processo interativo

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Uma Ferramenta para Geração Automática de Testes Funcionais e Protótipos de Interface a partir de Casos de Uso

Uma Ferramenta para Geração Automática de Testes Funcionais e Protótipos de Interface a partir de Casos de Uso Uma Ferramenta para Geração Automática de Testes Funcionais e Protótipos de Interface a partir de Casos de Uso Ernesto C. Brasil 1, Thiago C. de Sousa 2 1 Centro de Ensino Unificado de Teresina (CEUT)

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software

Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software 1068 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software Vinycio de Correa Lunelli 1, Profa. Dra. Ana Paula Terra Bacelo 1 1 Faculdade de Informática,

Leia mais

Um Arcabouço open source em Python para DBC com

Um Arcabouço open source em Python para DBC com Um Arcabouço open source em Python para DBC com Suporte à Evolução Dinâmica não Antecipada Yguaratã C. Cavacanti 1, Hyggo Oliveira de Almeida 1, Evandro Costa 2 1 Instituto de Computação Universidade Federal

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 Análise e Projeto Orientados a Objetos Análise e Projeto Orientados a Objetos O que é Análise e Projeto? Análise o quê Investigação

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

Introdução a UML. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com

Introdução a UML. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Introdução a UML Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Introdução a UML UML (Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada) é uma linguagem-padrão para a elaboração da estrutura de

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

Framework para jogos de cartas

Framework para jogos de cartas Framework para jogos de cartas por André Luís Knabben e Thiago Robert Professor Doutor Ricardo Pereira e Silva Orientador Resumo Projetar artefatos de software visando a reusabilidade é uma tarefa complexa.

Leia mais

Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes

Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes Edson Alves de Oliveira Junior 1, Itana Maria de Souza Gimenes 1 1 Departamento de

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi.

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi. Capítulo 1 O Que é o Delphi Diferenças entre Delphi Client/Server do Delphi for Windows Características que compõem o Integrated Development Invironment (IDE) Como o Delphi se encaixa na família Borland

Leia mais

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem?

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem? UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem de modelagem

Leia mais

Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação

Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação Valdemar Vicente GRACIANO NETO 1 ; Juliano Lopes DE OLIVEIRA 1 1 Instituto de Informática

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva http://teleduc.cefetmt.br Edição 2006/2 Curso de Especialização em Educação

Leia mais

Arquitetura de Software. Silvia Regina Vergilio

Arquitetura de Software. Silvia Regina Vergilio Arquitetura de Software Silvia Regina Vergilio Atividades de Projeto Projeto Geral ou Preliminar: fase que traduz a especificação do sistema em termos da arquitetura de dados e de módulos. Descreve a organização

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Rosangela Kronig (UNIP) rkronig.mes.engprod@unip.br Ivanir Costa (UNIP) icosta@unip.br Mauro Spínola (UNIP) mspinola@unip.br Resumo A

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

WebAPSEE: Um Ambiente Livre e Flexível Para Gerência de Processos de Software 1

WebAPSEE: Um Ambiente Livre e Flexível Para Gerência de Processos de Software 1 WebAPSEE: Um Ambiente Livre e Flexível Para Gerência de Processos de Software 1 Adailton Lima #, Breno França #, Heribert Schlebbe * Marcelo Silva #, Rodrigo Quites Reis #, Carla Lima Reis # # Laboratório

Leia mais

Ferramenta CORIDORA Web Mapping para Mapeamento de Esquemas em Bancos de Dados Heterogêneos

Ferramenta CORIDORA Web Mapping para Mapeamento de Esquemas em Bancos de Dados Heterogêneos Ferramenta CORIDORA Web Mapping para Mapeamento de Esquemas em Bancos de Dados Heterogêneos Fernando Busanello Meneghetti 1, Fabiano Gama Paes 1, Gustavo Zanini Kantorski 1 Curso de Sistemas de Informação

Leia mais

Especificação do 3º Trabalho

Especificação do 3º Trabalho Especificação do 3º Trabalho I. Introdução O objetivo deste trabalho é abordar a prática da programação orientada a objetos usando a linguagem Java envolvendo os conceitos de classe, objeto, associação,

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Motivação

1 Introdução. 1.1. Motivação 1 Introdução A adoção do Ginga-NCL como middleware declarativo do SBTVD (Sistema Brasileiro de Televisão Digital) estabeleceu um marco no desenvolvimento de aplicações interativas para TV Digital terrestre

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

UML Visão Geral. Slides baseados em material disponibilizado pela Rational e adaptação da tradução de João P. Faria Univ. Do Porto.

UML Visão Geral. Slides baseados em material disponibilizado pela Rational e adaptação da tradução de João P. Faria Univ. Do Porto. UML Visão Geral Slides baseados em material disponibilizado pela Rational e adaptação da tradução de João P. Faria Univ. Do Porto. 1 Índice Introdução Diagramas O que é a UML? Diagrama de casos de uso

Leia mais

Módulo 11 A Web e seus aplicativos

Módulo 11 A Web e seus aplicativos Módulo 11 A Web e seus aplicativos Até a década de 90, a internet era utilizada por acadêmicos, pesquisadores e estudantes universitários para a transferência de arquivos e o envio de correios eletrônicos.

Leia mais