PRESERVAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE REGIÕES ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS: UM CONSÓRCIO BRASIL-EUA PARA AÇÕES INTERDISCIPLINARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRESERVAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE REGIÕES ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS: UM CONSÓRCIO BRASIL-EUA PARA AÇÕES INTERDISCIPLINARES"

Transcrição

1 PROPOSTA DE CONSÓRCIO CAPES/FIPSE EDITAL Nº 8/2010 CAPES TÍTULO DA PROPOSTA PRESERVAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE REGIÕES ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS: UM CONSÓRCIO BRASIL-EUA PARA AÇÕES INTERDISCIPLINARES Instituição principal no Brasil: Universidade Federal de Minas Gerais-UFMG Reitor: Prof. Dr. Clélio Campolina Diniz Coordenador: Prof. Dr. Lúcio Flávio de Sousa Villar Av. Antônio Carlos, 6627, Pampulha Escola de Engenharia, Bloco I, sala 3501 / campus Belo Horizonte MG, CEP: Fone: (31) / 1790 Fax: (31) Instituição principal nos EUA Texas Tech University President: Prof. Guy Bailey 150 Administration Building, Box Lubbock, Texas Phone: Fax: Coordinator: Prof. Aderbal C. Correa, Ph.D. Director International Center for Arid and Semiarid Land Studies 601 Indiana Ave., MS1036 Lubbock, Texas USA Phone; (+1-806) Ext

2 Instituições secundárias no Brasil: Instituição secundária nos EUA Universidade de São Paulo USP Reitor Prof. Dr. João Grandino Rodas Rua da Reitoria, CEP São Paulo Brasil Coordenador: Prof. Dr. Fernando A. M. Marinho Universidade de São Paulo, Escola Politécnica, Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações. Av. Prof. Almeida Prado Prédio da Engenharia Civil PEF, Butantã São Paulo, SP - Brasil Telefone: (11) Fax: (11) University of New Mexico President: Prof. Dr. David J. Schmidly The University of New Mexico, Albuquerque, NM Phone: Coordinator: Scott Collins, Ph.D Department of Biology MSC University of New Mexico Albuquerque, NM USA, Phone: Universidade Federal de Campina Grande UFCG Reitor: Prof. Dr. Thompson Fernandes Mariz, (83) / Coordenador: Prof. Dr. Bernardo Barbosa da Silva Universidade Federal de Campina Grande, Centro de Tecnologia e Recursos Naturais, Unidade Acadêmica de Ciências Atmosféricas. Rua Aprígio Veloso, 882, Bloco CL Bodocongó, Campina Grande, PB - Brasil Telefone: (83) Fax: (83)

3 1. APRESENTAÇÃO GERAL: 1.1. Título da proposta: Preservação dos Recursos Hídricos e Desenvolvimento Sustentável de Regiões Áridas e Semi-Áridas: Um Consórcio Brasil-EUA para Ações Interdisciplinares 1.2. Área do intercâmbio: Este intercâmbio compreende as áreas de Engenharia Civil, em associação com Agronomia, Geografia, Arquitetura, Engenharia Hidráulica e Recursos Hídricos, Engenharia Ambiental englobando preferencialmente as áreas de Geotecnia Ambiental, Geografia, Pedologia, Hidrogeologia e Ecologia Aplicada Instituições Participantes No Brasil: Instituição coordenadora no Brasil: Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG: área de Geotecnia Ambiental, Hidráulica e Recursos Hídricos, Arquitetura e Desenvolvimento Sustentável, Ciências Agrárias. Coordenador: Lúcio Flavio de Sousa Villar Endereço: Av. Antônio Carlos, 6.627, Escola de Engenharia, Bloco I - 3 o andar, sala 3608, Campus, Belo Horizonte - MG Brasil, CEP Telefones: ; Fax: Correio eletrônico: EQUIPE UFMG: Prof. Dr. Luiz Rafael Palmier Departamento de Engenharia Hidráulica e Recursos Hídricos da Escola de Engenharia da UFMG. Av. Antônio Carlos, 6.627, Escola de Engenharia, Bloco I - 4 o andar, sala 3608, Campus, sala 4401 Belo Horizonte - MG Brasil, CEP Fax: (31) Telefone: (31) Prof. Dr. Maria das Graças Gardoni de Almeida Prof. Dr. Wilson Fernandes Departamento de Engenharia Hidráulica e Recursos Hídricos da Escola de Engenharia da UFMG. Av. Antônio Carlos, 6.627, Escola de Engenharia, Bloco I - 4 o andar, sala 3608, Campus, sala 4401 Belo Horizonte - MG Brasil, CEP Fax: (31) Telefone: (31) Prof. Dr. Gustavo Simões Departamento de Engenharia de 2

4 Departamento de Engenharia de Transportes e Geotecnia da Escola de Engenharia da UFMG. Av. Antônio Carlos, 6.627, Escola de Engenharia, Bloco I - 3 o andar, sala 3602, Campus, sala 3609 Belo Horizonte - MG Brasil, CEP Fax: (31) Telefone: (31) Prof. Dr. Luiz Arnaldo Fernandes Instituto de Ciências Agrárias (ICA) da UFMG. Núcleo de Ciências Agrárias, Setor de Fitotecnia. Avenida Osmani Barbosa JK, Montes Claros, MG - Brasil - Caixa-Postal: 135 Telefone: (38) Fax: (38) Prof. Dr. Maria Luiza Almeida Cunha de Castro Escola de Arquitetura da UFMG. Rua Paraíba, sala Savassi. Belo Horizonte - MG Brasil, CEP Tel: / Fax: Transportes e Geotecnia da Escola de Engenharia da UFMG. Av. Antônio Carlos, 6.627, Escola de Engenharia, Bloco I - 3 o andar, sala 3608, Campus, sala 3609 Belo Horizonte - MG Brasil, CEP Fax: (31) Telefone: (31) Prof. Dr. Flávio Pimenta Figueiredo Instituto de Ciências Agrárias (ICA) da UFMG. Núcleo de Ciências Agrárias, Setor de Fitotecnia. Avenida Osmani Barbosa JK, Montes Claros, MG - Brasil - Caixa-Postal: 135 Telefone: (38) Fax: (38) Prof. Dr. José Eustáquio Machado de Paiva Escola de Arquitetura da UFMG. Rua Paraíba, sala Savassi. Belo Horizonte - MG Brasil, CEP Tel: / Fax: UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO: área de Geotecnia Ambiental, Ciências Agrárias, Modelagem Numérica, Engenharia. Coordenador: Fernando A. M. Marinho Endereço: Av. Prof. Almeida Prado 83. Prédio da Eng. Civil São Paulo - SP, CEP Telefones: ; Fax: Correio eletrônico: EQUIPE USP: Prof. Dr. Henrique Lindenberg Neto, Laboratório de Mecânica Computacional Escola Politécnica - USP. Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações Av. Prof. Almeida Prado, Trav. 2, , São Paulo, SP-Brasil Telefone: Fax: Prof. Dr. Marcos Vinicius Folegatti Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Departamento de Engenharia Rural. Av. Pádua Dias, 11, Caixa Postal 09 Agronomia, Telefone: (19) Fax: (19)

5 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE: área de Ciências Agrícolas e Ambientais, Agronomia, Engenharia. Coordenador: Prof. Dr. Bernardo Barbosa da Silva Endereço: Centro de Tecnologia e Recursos Naturais, Unidade Acadêmica de Ciências Atmosféricas. Rua Aprígio Veloso, 882, Bloco CL, Bodocongó, Campina Grande, PB - Brasil Telefone: (83) Fax: (83) EQUIPE UFCG: Prof. Dr. Marx Prestes Barbosa, Centro de Tecnologia e Recursos Naturais, Unidade Acadêmica de Engenharia Agrícola. Av. Aprígio Veloso, Laboratório de Sensoriamento Remoto e SIG - prédio LMRS-PB - Universitário Campina Grande, PB - Brasil Telefone: (83) Prof. Dr. Pedro Vieira de Azevedo Centro de Tecnologia e Recursos Naturis - CTRN. Rua Aprígio Veloso, 882 Bodocongó Campina Grande, PB - Brasil Telefone: (83) Ramal: 083 Fax: (83) Prof. Dr. José Dantas Neto Centro de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharia Agrícola. AV. Aprígio Veloso, 882 BODOCONGO Campina Grande, PB - Brasil Telefone: (83) Ramal: 1373 Fax: (83) Nos Estados Unidos: Instituição coordenadora nos E.U.A: TEXAS TECH UNIVERSITY (TTU) área de ciências agrárias, engenharia e geociências Coordenador da Proposta FIPSE: Prof. Aderbal C. Correa, Ph.D. Director International Center for Arid and Semiarid Land Studies 601 Indiana Ave., MS1036 Lubbock, Texas USA Phone; (+1-806) Ext Equipe da TTU 4

6 Conrad P. Lyford, PhD, Department of Agricultural and Applied Economics Associate Professor and Masters of Agribusiness Coordinator Room 307-B ext (FAX) Dr. Alon Kvashny, FASLA Landscape Architecture Department Chairperson Phone : Office: Room 150 A E. Annette Hernandez, Ph.D Assistant Professor Civil and Environmental Engineering M.S Lubbock, TX Phone (806) x251 FAX (806) Willian D. Lawson, Ph.D., P.E. Assistant Professor, Department of Civil Engineering, TTU. Dept. of Civil Engineering, P.O. Box 41023, Lubbock, TX phone number x226 fax number UNIVERSITY OF NEW MEXICO área de ciências agrárias, engenharia e geociências Coordinator: Scott Collins, Ph.D Department of Biology MSC University of New Mexico Albuquerque, NM USA, Phone: Equipe da UNM Charles B. Fleddermann Electrical and Computer Engineering Department Gardner-Zemke Professor; SOE Associate Dean for Academic Affairs, School of Engineering (505) Robyn Côté Latin American & Iberian Institute 801 Yale, NE (505) OBS: em atendimento ao item 1.C do edital, os currículos resumidos citando as atividades relevantes de cada docente membro da equipe bem como comprovante de indicação pela autoridade competente da Instituição de ensino para a função de coordenador estão apresentados no ANEXO 01. 5

7 1.4. Justificativa de escolha da área A água é o mais valioso recurso natural no mundo, mas este é ainda um recurso subestimado e desperdiçado. Ecossistemas de zonas áridas ocupam aproximadamente 41% da superfície terrestre do planeta e são o lar de mais de 2 bilhões de pessoas no mundo, a maioria vivendo em regiões subdesenvolvidas. A região sudoeste norte-americana e o nordeste brasileiro são exemplos destes ecossistemas frágeis, onde a precipitação é escassa para a totalidade ou parte do ano. O desenvolvimento de regiões áridas e semiáridas sempre foi um desafio para a sociedade, pois um ecossistema tão sensível e importante para o equilíbrio global do planeta precisa ser manipulado com cautela. O semiárido brasileiro é um dos mais habitados do mundo e suas particularidades permitem que seja vislumbrado um substancial desenvolvimento para esta região a médio e longo prazo. Porém, há o desejo de que este desenvolvimento seja promovido de forma sustentável e isto não poderá se dar sem uma atuação de uma equipe com formação multidisciplinar, com a atenção e cuidados necessários para a preservação dos recursos hídricos. Obras de engenharia executadas no semi-árido apresentam particularidade e desafios associados não só ao estado seco dos solos, mas também a sua natureza. O desenvolvimento trará inexoravelmente água para estas regiões. E esta água, trazida pelas obras de engenharia alteram as características dos solos, exigindo conhecimentos específicos para tratar dos problemas associados a cada tipo específico de solo. Como exemplo, tem-se a construção de barragens, canais e estradas. As próprias comunidades instaladas nestas regiões têm muitas vezes suas residências afetadas do ponto de vista estrutural pela variação do teor de umidade do solo. Mesmo quando o sistema de coleta de água é simples como é o caso das cisternas, a disponibilidade da água, antes escassa, pode alterar o comportamento dos solos do ponto de vista de engenharia. Portanto, a promoção deste desenvolvimento não pode ser estimulada sem que se investigue estes fenômenos e como elas afetarão muitos aspectos da vida humana, o comportamento do solo, os sistemas de produção agrícola nestas regiões. Só assim, poderá ser vislumbrando uma ocupação longa e ambientalmente equilibrada. Esses temas envolvendo fenômenos climáticos de escala global somente poderão ser estudados de forma aprofundada através de colaborações de pesquisa multidisciplinar e internacional. E os participantes deste projeto acreditam que algo tão importante como a preservação de recursos hídricos e desenvolvimento sustentável tem que ser estimulada pela formação de novos especialistas, lhes proporcionando uma oportunidade de estudar em outro país e ampliar seus conhecimentos relacionados à aplicação de técnicas de estudo de regiões áridas e semi-áridas. E as terras secas nos EUA e no Brasil apresentam similaridades dos atributos físicos e dos impactos naturais (por exemplo, com secas prolongadas e escassez de água), o que torna o estudo e pesquisa conjunto neste tema entre estes dois países especialmente interessante. 6

8 2. DESCRIÇÃO DO PROJETO DE INTERCÂMBIO (MÁXIMO QUINZE PÁGINAS) 2.1. Descrição geral O desenvolvimento de regiões áridas e semi-áridas sempre foi um desafio. O semi-árido brasileiro é um dos mais habitados do mundo e suas particularidades permitem se vislumbrar um substancial desenvolvimento para esta região a médio e longo prazo. Este desenvolvimento não poderá se dar sem uma atuação de uma equipe com formação diversa e capaz de interagir e forma pessoal capacitado para a manuteção do desenvolvimento destas regiões. O projeto tem como objetivo contribuir com a formação destes especialistas, lhes proporcionando uma oportunidade de estudar em outro país e ampliar seus conhecimentos relacionados à aplicação de técnicas de estudo para regiões áridas e semiáridas. Os participantes do projeto são estudantes da Engenharia Civil, da Engenharia Ambiental, Agronomia, Geografia e ciências relacionadas. O presente projeto de Consórcio internacional entre os Estados Unidos da América e o Brasil contribuirá para desenvolvimento de recursos naturais em regiões áridas e semiáridas e promoverá a troca de estudante universitários em início ou fim de curso por um período de um semestre entre a Texas Tech Universidade (TTU) e a Universidade do Novo México (UNM) dos EUA e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), A Universidade Federal de Campina Grande e a Universidade de São Paulo (USP) do Brasil. Os educadores e pesquisadores americanos e brasileiros envolvidos neste projeto têm áreas específicas de investigação e especialidades, mas reconhecem a natureza interdisciplinar do tema do projeto. Eles acreditam que esta porposta CAPES/FIPSE oferece uma oportunidade para melhorar o currículo de cada instituição parceira, para estimular a colaboração entre os docentes dos dois países, e para sensibilizar os alunos, em referência a questões de regiões áridas e semi-áridas. As terras secas nos EUA e no Brasil apresentam certas similaridades dos atributos físicos e dos impactos naturais (por exemplo, com secas prolongadas e escassez de água) isso tem impacto significativo nas comunidades, economias e no meio ambiente. O foco do programa está em prover a 36 estudantes americanos e brasileiros (pelo menos 6 de cada universidade brasileira parceira e 9 de cada universidade americana parceira): (a) atividades extracurriculares que complementarão o programa acadêmico das instituições e proporcionarão aos estudantes diferentes informações, idéias, conceitos e tecnologias aplicáveis para os estudos de regiões semi-áridas; (b) experiência de aprendizagem onde os estudantes poderão cursar em uma das universidades (brasileira ou americana) as mesmas disciplinas que deveriam cursadas 7

9 na própria universidade de origem, com a vantagem adicional de viver em outro país e descobrir uma cultura nova; (c) uma oportunidade de otimizar o conhecimento no idioma português ou inglês e até mesmo se tornar proficiente nessas línguas; (d) a oportunidade de ampliar os contatos pessoais que comporão a agenda do futuro profissional. O projeto vai disponibilizar um leque de cursos oferecidos em cada instituição, que serão colocados à disposição dos estudantes que participam do programa, nas universidades estrangeiras que participam do programa. Estes cursos off-campus irá complementar o currículo da universidade de origem e melhorar a formação acadêmica dos futuros profissionais graduação das universidades parceiras. Aos alunos que participam de cursos pré-selecionados em universidades de origem e de acolhimento será atribuído um Certificado Internacional de Desenvolvimento de Terras Áridas, que vai melhorar a sua qualificação profissional após a graduação. Mesmo os professores e alunos que não estiverem diretamente envolvidos no projeto, terão a oportunidade e acesso a uma melhor compreensão das culturas, estilos de vida, economias e necessidades específicas das comunidades existentes nas regiões áridas e semi-áridas, tanto no Estados Unidos quanto Brasil. As instituições parceiras também podem beneficiar do programa acrescentando conteúdo internacional aos cursos agora oferecidos e nutrindo o desenvolvimento de pesquisa em cooperação internacional em projetos acadêmicos ou de pesquisa. O projeto proposto priorizará a participação de estudantes carentes e oferecerá oportunidades para estágios dos estudantes em organizações governamentais e não-governamentais como também nas universidades co-participantes. Adicionalmente, incluirá um seminário anual com reuniões de avaliação programadas nos EUA e Brasil que envolverão os coordenadores de consórcio, faculdade, estudantes patrocinados e outros estudantes. Após o início do projeto será desenvolvido um esforço conjunto para recrutar outras organizações como colaboradoras e patrocinadoras de forma a garantir a sustentabilidade de consórcio após o período de concessão. A avaliação de efetividade do projeto será baseada na avaliação dos estudantes participantes deverá ser realizada por um examinador externo e deverá iniciar no segundo ano do projeto. Outro aspecto prático que surge como forte justificativa da implementação dessa proposta é o fato de que no Brasil há carência de profissionais com formação multidisciplinar para trabalhar com gestão integrada de recursos hídricos em regiões semi-áridas ou com baixa precipitação. A Câmara Técnica de Águas Subterrâneas, a partir do Conselho Nacional de Recursos Hídricos aprovou moção solicitando às universidades brasileiras que viabilizassem a abertura de mais programas de pós-graduação em hidrogeologia. O tipo de 8

10 programa proposto poderá ser um fortalecedor de ações voltadas para a pós-graduação em futuro próximo. Os objetivos específicos deste projeto são relacionados abaixo: O projeto terá os seguintes objetivos específicos descritos a seguir: reforçar o currículo em universidades parceiras, fazendo cursos que serão feitos durante o semestre no exterior à disposição dos estudantes. Quando os cursos realizados no exterior são equivalentes aos cursos ministrados na instituição de origem, eles podem enfatizar diferentes temas e apresentar aos alunos novas abordagens de ensino e materiais. Esse objetivo também inclui a cooperação no desenvolvimento de métodos de ensino e padrões em universidades parceiras; Apresentar aos pesquisadores dos USA e do Brasil, os ecossistemas das regiões áridas e semi-áridas de ambos os países é importante, porque, apesar das semelhanças no clima e no ecossistemas, as duas regiões são caracterizadas por técnicas de manejo de água diferentes, além de também diferentes práticas agrícolas e atividades sócio-econômicas. O desenvolvimento sustentável de ambas as regiões se beneficiariam da transferência know-how. para permitir que a UFMG, a USp e a UFCG possa enviar 6 alunos cada, para passar um ou dois semestres acadêmicos em colaboração com universidades norteamericanas, com ênfase na participação dos estudantes das minorias; Permitir que a TTU e a UNM possam enviar estudantes para o Brasil, permitindo a integração com os alunos não envolvidos no programa. Para criar uma oportunidade para os estudantes americanos viverem no Brasi e vicee-versal, para aprender o idioma Português ou o Inglês, e para estabelecer contatos pessoais e profissionais fora do seu país de origem. Desenvolver pesquisa multi-institucional e um programa acadêmico com cursos relacionados ao tema, "Preservação de Recursos Hídricos e o Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável de Regiões Áridas e Semi-Áridas; Para estabelecer o Certificado Internacional em Desenvolvimento de Terras Áridas nas novas universidades parceiras e levar investir no crédito deste certificado em uma sociedade profissional,para o benefício de nossos próprios alunos, promover o intercâmbio de experiências e know-how entre membros do corpo docente colaboradores como uma ferramenta para ajudar recrutamento de estudantes para o programa manter o acordo de intercâmbio estudantil iniciado por este consórcio e identificar patrocinadores dispostos a apoiá-lo após o período de financiamento inicial, 9

11 estabelecer um programa de coordenação internacional estudantil e do corpo docente entre os membros do consórcio, com ênfase na participação dos estudantes das minorias O Certificado Internacional em Desenvolvimento de Terras Áridas mencionado anteriormente será concedido quando: 1. Um estudante faz pelo menos dois cursos na universidade de acolhimento e pelo menos três cursos na universidade de origem. Estes cursos devem ser selecionadas da lista preparada durante a Fase I do projeto. 2. O aluno deverá demonstrar proficiência em Português ou Inglês para estudantes americanos e brasileiros, respectivamente. Este certificado irá fornecer informações sobre os cursos em que o estudante participou no exterior e na instituição de origem e fornecer informações sobre a duração da experiência no estrangeiro apoiados pelo FIPSE / CAPES. Os resultados esperados para os participantes do projeto são listados abaixo. Para os alunos: 1. compreensão da importância relativa das questões tecnológicas em diferentes ambientes físicos, sociais e culturais, 2. a exposição ao ambiente acadêmico e a cultura de um outro país; 3. Aprender Português, no caso dos alunos dos USA e adquirir proficiência em Inglês (estudantes brasileiros); 4. A oportunidade de criar uma rede de contatos pessoais e profissionais no estrangeiro, e experiência de viver no estrangeiro, que serão compartilhadas com amigos e familiares. Para os docentes: 5. colaboração em ensino e pesquisa e aprimoramento da carreira e oportunidades profissionais. Universidades, Faculdades e Departamentos 6. Se beneficiarão com o estabelecimento de uma parceria de alto nível com instituições brasileiras e norte-americanas 7. Expandirão as oportunidades para estudantes interessados em estudar no exterior; 8. Facilitar a mobilidade internacional de estudantes e membros do corpo docente; 9. Participar na amplamente reconhecido e valorizado FIPSE / programa da CAPES, e a integração de uma experiência internacional no programa de graduação. 10

12 2.2. Descrição detalhada da área e subárea objeto da parceria A área e subárea objeto da parceria envolve basicamente atividades ligadas ao ramo da Agronomia e Ciências Agrárias, com ligação direta a pesquisa de recursos hídricos, de geotecnia ambiental e de desenvolvimento sustentável e qualidade de vida. Todos os pesquisadores envolvidos nester projeto de todas as universidades parceiras, ou seja, a equipe envolvida na proposta CAPE-FIPSE pertence, em sua maioria, desenvolve ativamente projetos específicos nos temas relacionados a estas áreas, o que terá, certamente, um impacto sobre os tipos de estudantes atraídos para o programa. A área de Agronomia e Ciências Agrárias tem como fortes representates no projeto as o Insituto de Ciências Agrárias da UFMG, a ESALQ, da Universidades de São Paulo e a Universiade Federal de Campina Grande. Na área de Geotecnia, cita-se a Escola de Engenharia da UFMG e a Escola Politécnica da USP. No caso da área de recursos hídricos, também podese dizer que todos os parceiros desenvovem pesquisa na área. Com relação à sustentabilidade, além do ICA, pode ser citada a eswcola de Arquitetura da UFMG. Alguns tópicos e linhas de ações de pesquisa englobados pela área e subárea do objeto desta parceria são descritos logo abaixo, o que facilitará a descrição das próprias área e subárea em si. Estes tópicos incluem abordagem sobre escassez de água, desenvolvimento de padrões e processos de manejo em terras áridas e semi-áridas, produção agrícola e de negócios nesses mesmos ambientes, efeitos de obras de engenharia tais como a construção de barragens, canais e estradas nas características dos solos e o efeito nestas obras causados pela variação do teor de umidade do solo, dentre outros. a) Preservação de recursos hídricos: A escassez de água tem um impacto importante sobre a vida humana em todos os lugares em nosso planeta, mas este impacto é mais fortemente sentido em ecossistemas de de regiões áridas e semiáridas, devido à relação direta entre a disponibilidade de água eo acesso à alimentação humana e animal. A gestão dos recursos naturais, especialmente dos recursos hídricos, é necessária para protegê-los dos efeitos de atividades humanas. Nestes locais, existe a dependência de água de uma fonte específica (por exemplo, o Rio São Francisco), para fins agrícolas, industriais e uso humano. Esta é uma situação em que a conservação e bom uso destes recursos hídricos depende da aplicação de métodos cientìficos para controlar e rastrear poluentes, além de desenvolver projetos de sistemas para assimilição e captação de água. Neste último tópico, a Geotecnia entra como uma ciência primordial, estudando o comportamento mecãnico e hidráulico do solo, levando em consideração o efeito de ciclos de secagem e umedecimento, que podem afetar sobremaneira a resposta de enegenharia destes materiais. 11

13 Vários dos pesquisadores envolvidos no projeto desenvolvem pesquisas nestas áreas, tendo como campo experimental, o norte de Minas, uma das regiões incluídas no chamado Polígono das Secas, bem como toda a Bacia do Rio São Francisco, trabalho este desenvolvido pelo Departamento de Engenharia Hidráulica e de Recursos Hídricos e pelo Instituto de Ciências Agrárias da UFMG. No caso dos pesquisadores da Universidade Federal de Campina Grande, pesquisas são realizadas em todo o sertão nordestino, sem falar na tecnologia desenvolvida para na ESALQ. Todo estes pesuisadores em contato e ainda tendo conhecimento direto das ações que são desenvolvidas em locais similares nos USA, poderão acelerar em muito o desenvolvimento de metodologias mais eficazes para aplicação nestes locais. As pesquisas realizadas inclui o desenvolvimento de um quadro global de apoio às decisões, o entendimento do comportamento de poluentes nestas regiões semi-áridas, ações de recuperação de áreas degradadas bem como o estudo de impactos causados por ações como a transposição do Rio São Francisco. Os investigadores e tomadores de decisão precisam reconhecer que o abastecimento limitado de água doce e mudanças climáticas nos ecossistemas de regiôes áridas e semi-áridas pode dificultar futuras melhorias no bem-estar humano e, além de tudo, reverter as melhorias já realizadas em algumas regiões. E os resultados de pesquisa nestas regiões pode contribuir para mostrar isso de uma maneira mais efeitva. Os efeitos da escassez de água e as alterações climáticas são sentidas primeiro e mais intensamente nos ecossistemas das terras áridas e semiáridas do que em ecossistemas que não são secos. Isso ressalta ainda mais a necessidade de investigação nestas regiões de tecnologias que irão reforçar ou aumentar potenciais hídricos locais, através de recuperação e reutilização da água, coleta e/ou armazenamento de água e outras técnicas (Banks, Williams e Harris, 1984), o que pode ser muito mais efetivo com o intercâmbio. b) Revitalização do Rio São Francisco: Um projeto a cargo de um dos pesquisadores do grupo é voltado especificamente a revitalização do Rio São Francisco por meio de práticas de conservação do solo e da água com recursos provenientes do resgate do passivo ambiental do Norte de Minas Gerais, desenvolvido pelo Prof. Luiz Arnaldo Fernandes, do ICA/UFMG. Este tipo de projeto exemplifica claramente a linha de ação da área tema desta parceria. Ele tem como metas a elaboração de relatórios e avaliação de impactos ambientais para subsidiar o Ministério Público no resgate do passivo ambiental do Norte de Minas; procura identificar locais prioritários para a aplicação dos recursos financeiros; acompanha a implantação de técnicas de conservação do solo e da água para a efetiva revitalização do Rio São Francisco e melhoria da qualidade de vida das pessoas, além de monitorar a efetividade das práticas de conservação do solo e da água na revitalização do Rio São Francisco. Uma das ações previstas neste projeto após para a recuperação e conservação dos recursos naturais, é a construção de terraços e pequenas barragens, pequenos açudes com 12

14 a função de conter as águas da enxurrada, além de proporcionar melhores condições para as famílias do meio rural e diminuir os danos ambientais, principalmente a erosão do solo e o assoreamento dos cursos d água. Esse sistema teria a função de forçar a recarga das reservas subterrâneas e armazenar água de boa qualidade no solo, por meio da infiltração ocorrida durante o ciclo chuvoso. Isso amenizaria os efeitos das secas e veranicos em lavouras localizadas em partes úmidas de baixadas. Também permitiria o plantio de pomares, hortas e canaviais nas partes baixas destes pequenos açudes, bem como a construção de cacimbas e cisternas para o fornecimento de água para consumo humano e animal. Tal medida diminui ou elimina a necessidade do caminhão pipa nessas regiões. A iniciativa gera renda, emprego, sustentabilidade agrícola e fortalecimento regional. Há, ainda, outros benefícios: elevação do nível do lençol freático, maior tempo de umidade dos solos de baixada e diminuição dos efeitos de enchentes. A técnica deve ser útil para regiões onde a chuva provoca danos ao solo e na região Semi-Árida, onde a escassez de chuvas traz problemas socioeconômicos às comunidades. Todos estas atividades e propostas podem ser disseminadas entre a equipe, e as metas serão melhor e claramente atigidas num processo multidisciplinar, sendo um vasto campo para desenvolvimento de tecnologias conjuntas entre os parceiros brasileiros e os norte-americanos. É um processo que coloca em ação conjunta todas as áreas de conhecimento desta proposta: ciências agrárias, geotecnia, recursos hídricos, sustentabilidade etc. O projeto FIPSE-CAPES permite a interação de professores e alunos, integrando seus conhecimentos sobre os E.U. e do Brasil e, a área de intercâmbio escolhida permite que eles (a) começar a compreender como os vários controladores de mudança global afeta padrões e processos em ecossistemas de regiôes áridas e semiáridas, b) desenvolver, testar e contribuir para o desenvolvimento de uma teoria ecológica geral e, c) contribuir para um programa abrangente que integra a pesquisa com o treinamento e formação de alunos de graduação e pós-graduação. E qualquer instituição escolhida para o intercâmbio aqui no Brasil poderá proporcionar este processo. No caso da área de Agronomia, as subáreas são: agrometrologia, agronomia, ciência do solo, extensão rural, fitossanidade, fottecnia, floricultura, parques e jardins. O agrônomo executa todas as tarefas relacionadas à produção de alimentos para o homem e para os animais domésticos, do plantio à chegada do produto, ao natural ou industrializado, ao consumidor. O profissional pode atuar nos setores públicos e privados, em atividades de planejamento, ensino, pesquisa, extensão e produção. Algumas atividades do agrônomo: manejo e exploração de culturas de cereais e plantas frutíferas, ornamentais, oleaginosas, estimulantes, forrageiras e medicinais; melhoramento genético vegetal e animal; produção de sementes e mudas; construções rurais; irrigação e drenagem; mecanização e implementos agrícolas; paisagismo de parques e jardins; manejo de plantas daninhas, doenças e pragas de plantas; manejo, classificação e conservação de solos, bacias 13

15 hidrográficas e de recursos naturais renováveis; controle de poluição na agricultura; transformação e conservação de produtos de origem vegetal e animal; nutrição e alimentação animal; planejamento e administração de propriedades agrícolas e extensão rural; educador social junto a Organizações Não-Governamentais (ONGs), movimentos sociais e instituições filantrópicas. Outra área importante do projeto é a Engenharia Civil, cujas subáreas são construção civil; engenharia civil, engenharia hidráulica, estruturas, geotécnica; infra estrutra e transportes. A três universidades parceiras atuam nestas áreas. Engenharia civil é o ramo da engenharia que projecta e executa obras como edifícios, pontes, viadutos, estradas, barragens e outras obras da engenharia hidráulica fluvial e da Hidráulica Marítima, assim como da engenharia sanitária. No caso específico da Geotecnia, esta ciência lida com a interferência de obras de infra-estrutura de qualquer natureza com a sua fundação, seja ela em solo ou rocha. O Engenheiro Geotécnico atua em projectos de escavação, túneis, compactação de aterros, tratamentos de fundações, instrumentação de obras, percolação de fluxos em solos e rochas, contenções entre outros. A geotecnia também está ligada à terramecânica, à petrologia e à todos os ramos da geologia de uma forma geral. Um profissional especializado em geotecnia está apto a trabalhar em processos que lidem directa ou indirectamente com o solo. No caso da Engenharia Agrícola, as subáreas são construções rurais e ambiência, energização rural, engenharia agrícola; engenharia de água e solo; engenharia de processamento de produtos agrícolas, máquinas e implementos agrícolas. Nesta área, o profissional usa a precisão das ciências exatas para trazer soluções ambientais para o campo. O campo de atuação é: Irrigação e drenagem;armazenamento e processamento de produtos agrícolas; Eletrificação rural; Construções rurais; Máquinas e mecanização agrícola; Planejamento e gestão de recursos hídricos; Tratamento e disposição final de resíduos; Gestão e qualidade dos recursos ambientais; Recuperação de áreas degradadas; Fontes alternativas de energia Número de docentes e número de alunos de graduação ICA/UFMG Discentes de Graduação: Estudantes de Graduação (total) 735 Discentes de Pós-Graduação: Especialização (Lato sensu) 50; Mestrado (Stricto sensu) 47 Docentes: Doutores 32, Mestres 11, Especialistas 04, Graduação 02 Funcionários e Técnicos Administrativos em Educação: Total 59 Bolsistas de Iniciação Científica 30, Projetos de Pesquisa

16 Publicações Científicas 306, Extensão: Bolsistas 40 ESALQ/USP Graduação: Alunos matriculados nos cursos de graduação: Engenharia Agronômica: 940; Engenharia Florestal: 141; Ciências Econômicas: 150; Ciências dos Alimentos: 171; Gestão Ambiental: 169; Ciências Biológicas: 137; Somente Licenciatura em Ciências Agrárias: 150; Somente Licenciatura em Ciências Biológicas: 08; Total: 1.866; Total de vagas anuais: 390; Profissionais formados: Total: Pós-graduação: Mestrado e Doutorado: são oferecidos 16 Programas de Pós-Graduação e 2 Programas de Pós-Graduação Interunidades. Alunos matriculados: 876 Títulos outorgados: mestres e doutores. Total (11/03/2010): Servidores: docentes: 236 (assistentes: 2, doutores: 94, associados: 77 e titulares: 63); não-docentes: 537 ESCOLA POLITÉCNICA DA USP 473 docentes, sendo: 434 com titulação mínima de doutor; 327 em tempo integral. 509 funcionários. Relações Internacionais: 31 Convênios Internacionais com 27 diferentes países Cursos de Graduação: 10 cursos semestrais; 3 cursos quadrimestrais cooperativos com a indústria; alunos Cursos de Pós-Graduação: 16 cursos de Mestrado, alunos de Mestrado, 827 alunos de Doutorado; alunos Especiais. Educação Continuada: 222 cursos; alunos UFMG GRADUAÇÃO: Cursos Presenciais: 75; Cursos a distância: 5 Total de alunos: (2º semestre 2009) PÓS-GRADUAÇÃO Doutorado: Cursos: 57; Alunos: (forma cerca de 600 doutores/ano) Mestrado: Cursos: 66; Alunos: (forma cerca de mestres/ano) Especialização: Cursos Presenciais: 79, Cursos a distância: 4, Alunos: Residência Médica: Alunos: 315 Total de alunos:

17 PESQUISA Grupos de pesquisa: 732, Linhas de pesquisa: Publicações científicas: (2007) CORPO DOCENTE Professores (titulação referente a 2008): Graduados: 69 (3%), Especialistas: 85 (3,6%), Mestres: 318 (13,4%), Doutores: (80%) 2.4. Espaço físico: área construída, instalações (salas, laboratórios, etc.) e número de computadores, equipamentos principais, etc., informatização do ensino, biblioteca, etc;) ICA/UFMG Fazenda Experimental Professor Hamilton de Abreu Navarro: pertence à UFMG desde a década de Está localizada a 7 km do Centro de Montes Claros. A Fazenda Experimental dispõe de toda a infraestrutura necessária para as aulas práticas dos cursos de graduação, especialização e mestrado oferecidos pelo ICA, além de possibilitar a realização de pesquisas em diversas áreas. Na Fazenda, são mantidas várias áreas de criação de animais, No setor de fitotecnia, há várias culturas instaladas e em processo de instalação nas mais diversas áreas: fruticultura (citrus, banana, pequi, goiaba etc.), olericultura orgânica (beterraba, cenoura, alface, couve, alho, cebola etc.) e outras culturas (feijão, milho, mandioca, sorgo etc.). Área da fazenda (ha) 232; Área de pastagem (ha) 130; Área de plantio de milho e sorgo (ha) 20; Área irrigada (ha) 13; Área de cana-de-açúcar e capineira (ha) 04; Área de fruticultura e olericultura (ha) 04; Área de reserva florestal (ha) 46; Bovinos de leite 69; Vacas de lactação 22; Produção de leite (kg/dia) 340; Bovinos de corte 81; Suínos 185; Aves de postura 300; Equinos Mangalarga Marchador 17; Caprinos e ovinos 24; * Poços tubulares 06; Tratores 04; Biblioteca: Periódicos títulos, Monografias (livros, dissertação e teses) exemplares, Fitas e vídeos e CD-rom 343 títulos ESCOLA POLITÉCNICA DA USP Quinze departamentos de ensino e pesquisa; Área Construída: m2, Nove prédios, Bibliotecas com acervo de obras ESALQ/USP Área territorial total: 3.825,4 hectares (corresponde a 48,85% da área total da USP) Área do Campus "Luiz de Queiroz" (Piracicaba): 914,5 hectares 16

18 Área de estações experimentais em Anhembi, Anhumas e Itatinga: 2.910,9 hectares Departamentos: 12, Laboratórios: 148 Área construída no Campus "Luiz de Queiroz": m2 Dados do Posto Agrometeorológico da ESALQ: Latitude: 22 42' 30" sul, Longitude: 47 38' 30" oeste, Altitude: 546 m. UFMG Área total (m2): , Área construída (m2): , Campi universitários: 03 Unidades acadêmicas: 20, Unidades especiais: 02, Número de bibliotecas: PLANO DE AÇÃO - AS AÇÕES CONJUNTAS NA PROPOSTA DEVERÃO ESTAR VINCULADAS A UM CURSO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA E APONTAR (MÁXIMO DEZ PÁGINAS): O projeto consórcio Preservação dos Recursos Hídricos e Desenvolvimento Sustentável de Regiões Áridas e Semi-Áridas: Um Consórcio Brasil-EUA para Ações Interdisciplinares pretende expandir os horizontes acadêmicos, culturais e profissionais dos estudantes brasileiros e americanos, contribuindo para o desenvolvimento dos seus interesses em tópicos relacionados à agricultura e ao manejo de recursos hídricos e comportamento de solos em regiôes áridas e semiáridas. As instituições parceiras desenvolverão um currículo multi institucional com as disciplinas já existentes nas áreas de ciências agrárias, recursos hídricos, ciências atmosféricas e geociências, engenharia hidráulica, e de recursos hídricos, geotecnia, saneamento e meio ambiente. O componente principal do projeto está centralizado no intercâmbio de 36 alunos de graduação entre as universidades parceiras brasileiras e americanas com ênfase na participação das minorias e esforços para garantir a sustentabilidade do programa além do período original do financiamento. A proposta inclui ainda encontros anuais entre os coordenadores, visitas anuais nas universidades parceiras, seminários e workshops com a participação de estudantes e professores. Docentes e estudantes não diretamente envolvidos no projeto terão que desenvolver um melhor entendimento sobre outras culturas, economias e o impacto das mudanças climáticas na agricultura, recursos hídricos e sobre uso e manejo do solo tanto para fins agrários como para engenharia, no Brasil e nos Estados Unidos. Os parceiros do consórcio esperam vários benefícios para estudantes, docentes, como se descreve a seguir: Estudantes: Entendimento da importância relativa de problemas tecnológicos em diferentes ambientes físicos, sociais e culturais; exposição em ambiente acadêmico e cultural nos Estados Unidos; aprendizado do idioma inglês; oportunidade de construir relações pessoais e profissionais no exterior; a experiência de vida no exterior será compartilhada com amigos e membros da família; 17

19 Docentes: viajar para os Estados Unidos para estreitar laços de colaboração em ensino e pequisa; aumentar as oportunidades profissionais na carreira; Universidades, Faculdades e Departamentos: estabelecer uma parceria em vários níveis com Instituições de excelência no E.U.A. e no Brasil; expandir as oportunidades para estudantes interessados em estudo no exterior; facilitar a mobilidade internacional de estudantes e docentes; participar no reconhecido e valorizado programa CAPES-FIPSE; a integração de uma experiência internacional nos cursos de graduação Mobilidades estudantil e docente O projeto apoiará o intercâmbio de 36 estudantes entre as universidades parceiras americanas e brasileiras (18 de cada nacionalidade), a formação no idioma Português para os estudantes americanos e na língua Inglisa para os brasileiros, estimulando a participação dos estudantes das minorias. Além disso, vai continuar a fazer esforços para garantir a sustentabilidade do programa para além do período de financiamento original. As agências financiadoras irão organizar reuniões anuais de Diretores de Projetos ou nos USA ou no Brasil, e o projeto dará apoio a visitas às universidades parceiras, realização de seminários e workshops, com a participação de alunos e professores. A vantagem do programa é que, enquanto as viagens internacionais enquanto na universidade estrangeira, docentes e estudantes das universidades parceiras não diretamente envolvidos no projecto terão, necessariamente, desenvolver uma melhor compreensão de outras culturas, ampliando sua rede pessoal de contatos profissionais e obter oportunidades de participar em projetos conjuntos internacionais, como resultado de intercâmbios pessoais patrocinados pelo projeto. Realizações do projeto serão avaliados por um avaliador externo, tal como descrito em outra seção desta proposta. A população alvo de estudantes nos dois países será aqueles que já cursaram pelo menos dois anos do curso de graduação, de acordo com as particularidades de cada país. Estudantes americanos, por exemplo, cursam disciplinas básicas em ciências e engenharias durante os dois primeiros anos da faculdade e depois escolhem uma especialidade. Portanto será dada prioridade a estudantes de terceiro e quarto anos. O recrutamento dos estudantes americanos, no entanto, deverá ter como alvo os alunos de primeiro e segundo anos devido à necessidade de preparação dos estudantes americanos em cursos de português que os habilitarão a estudar no Brasil. Já os estudantes brasileiros da UFMG, da USP e da UFCG que se deslocarão para a TTU e UF estarão preferencialmente cursando o terceiro e quarto ano de programas de graduação de ciências e engenharias. Uma diferença significativa entre os programas de ambos os países é que estudantes americanos levam 4 anos para completar a graduação, 18

20 enquanto que no Brasil este tempo é em média 5 anos. No entanto, tal diferença não deve ter impacto na participação no programa. A inclusão das minorias será uma importante meta no projeto. A TTU apóia fortemente e promove a diversidade como um componente indispensável na excelência acadêmica. O ex-reitor da TTU, Dr. Jon Whitmore, afirmou, "Um corpo crescente da pesquisa nos campi universitários mostra que a diversidade será um componente chave para a excelência educacional no século 21". Cada instituição parceira irá proporcionar a oportunidade de estudar no exterior com uma bolsa de estudos FIPSE a 9 estudantes durante a vigência do projeto. Portanto, o projeto vai apoiar 18 alunos de 18 e os USA. do Brasil (ver Tabela 1). Estudantes adicionais serão recrutados para tirar vantagem do programa e de estudos no exterior dentro de um acordo de reciprocidade que não envolva FIPSE ou financiamento da CAPES. A direção do projeto vai buscar verbas adicionais ou patrocínio para apoiar estes alunos. Os alunos dos USA serão aconselhados a viajar ao Brasil para a primavera, opq eu corresponde ao primeiro semestre do ano. E os estudantes brasileiros que vêm para os USA. serão encorajados a fazê-lo no outono dos USA, equivalente a primavera do Brasil, ou seja, no segundo semestre. Este modelo de troca tem sido usado com sucesso em programas anteriores Dr. Correa na FIPSE, e permite que estudantes brasileiros que chegam os USA se encontrem com alunos americanos que irão viajar para as universidades brasilieras posteriormente. Assim, o aluno brasileiro poderá ajudá-los no Brasil. Tabela 1. Cronograma de mobilidade e número de estudantes no programa CAPES/FIP CRONOGRAMA DE INTERCÂMBIO E NÚMERO DE ESTUDANTES Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Totais EUA - BR BR - EUA EUA- BR BR - EUA EUA - BR BR - EUA EUA- BR BR - EUA UFMG USP UFCG Totais A duração do programa de intercâmbio para os estudantes beneficiados de todas as instituições será de no mínimo 1 semestre, mas serão encorajados a permanecer na instituição hospedeira em todo o ano acadêmico, incluindo a chegada antecipada para ambientação no país antes do período letivo. O recrutamento terá início no primeiro ano do programa de modo a poder divulgá-lo para a comunidade acadêmica via s e anúncios na página da Universidade. Uma página do programa na Internet será desenvolvida e hospedada em uma das universidades 19

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos CAPES/FIPSE Edital Nº 8/2010 CAPES A Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), por meio de sua Diretoria

Leia mais

Programa UNIBRAL Edital CGCI n. 014 /2007

Programa UNIBRAL Edital CGCI n. 014 /2007 Programa UNIBRAL Edital CGCI n. 014 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa UNIBRAL, apoiado no acordo de cooperação assinado entre Brasil e Alemanha em 31 de outubro de 2000, tem como objetivo estimular

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO RECURSOS HÍDRICOS EM SISTEMAS AGRÍCOLAS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO RECURSOS HÍDRICOS EM SISTEMAS AGRÍCOLAS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO RECURSOS HÍDRICOS EM SISTEMAS AGRÍCOLAS O Programa de Pós-Graduação Recursos Hídricos em Sistemas Agrícolas será regido pelo Regulamento Geral dos Programas de

Leia mais

EDITAL 02/2014 - SELEÇÃO PARA INGRESSO NO MESTRADO 2014

EDITAL 02/2014 - SELEÇÃO PARA INGRESSO NO MESTRADO 2014 EDITAL 02/2014 - SELEÇÃO PARA INGRESSO NO MESTRADO 2014 A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola, no uso de suas atribuições, torna pública e estabelece as normas do processo de

Leia mais

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO CAPES/FIPSE

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO CAPES/FIPSE PROGRAMA DE INTERCÂMBIO CAPES/FIPSE Michigan State University (MSU) University of Georgia (UGA) Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) EDITAL DE SELEÇÃO

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. Código: CFDN/ABC/HAITI

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. Código: CFDN/ABC/HAITI 1 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA Código: CFDN/ABC/HAITI 1. OBJETO DA CONSULTORIA Prestação de serviços de consultoria de pessoa física especializados para apoiar a estruturação

Leia mais

Programa CAPES/BRAFITEC. Brasil/França Ingénieur Technologie. Edital CGCI n. 022/2007

Programa CAPES/BRAFITEC. Brasil/França Ingénieur Technologie. Edital CGCI n. 022/2007 Programa CAPES/ Brasil/França Ingénieur Technologie Edital CGCI n. 022/2007 1 Do programa O Programa (Brasil/França Ingénieur Technologie) é uma iniciativa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal

Leia mais

Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/UC

Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/UC Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/ Edital 035/2010/CAPES A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), por meio de sua Diretoria de Relações Internacionais, e com

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Convocação. Documentos necessários para submissão

Convocação. Documentos necessários para submissão Convocação Seleção de estudantes de graduação dos cursos de engenharia elétrica, engenharia da computação e engenharia mecânica para estágio nas Universidades Norte Dakota (NDSU) e Universidade Tecnológica

Leia mais

Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/UC

Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/UC Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/ Edital nº 008/2011/CAPES A Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), por meio de sua Diretoria de Relações Internacionais,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO DE SELEÇÃO TURMA 2013 (Aprovado no

Leia mais

1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL

1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL 1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL O Programa de Pós-Graduação em Tecnologias e Inovações Ambientais modalidade mestrado profissional

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal)

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Curso: Engenharia Agrícola e Ambiental Matriz Curricular 1 Período IB 157 Introdução à Biologia 4 (2-2) IT 103 Técnicas Computacionais em Engenharia 4 (2-2)

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br

ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br 70 Currículos dos Cursos do CCA UFV Engenheiro Agrícola e Ambiental ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrícola e Ambiental

Leia mais

POR UMA CIÊNCIA AGRONÔMICA: caminhos para a formação sistêmica nas ciências agrárias

POR UMA CIÊNCIA AGRONÔMICA: caminhos para a formação sistêmica nas ciências agrárias POR UMA CIÊNCIA AGRONÔMICA: caminhos para a formação sistêmica nas ciências agrárias Aquiles Simões Universidade Federal do Pará COMPREENDER UMA REALIDADE AGRÁRIA EM SUA DIVERSIDADE, OS DIFERENTES MODOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA O PROGRAMA CAPES-FIPSE DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL, NO ÂMBITO DO PROJETO MULTIDISCIPLINAR

Leia mais

Programa Centros Associados da Pós-Graduação Brasil-Argentina (CAPG-BA)

Programa Centros Associados da Pós-Graduação Brasil-Argentina (CAPG-BA) Programa Centros Associados da Pós-Graduação Brasil-Argentina (CAPG-BA) Processo Seletivo 2009-2010 Edital CGCI nº 3/2010 A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Fundação

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES AO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÃO NO SEMESTRE LETIVO 2015-2

NORMAS COMPLEMENTARES AO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÃO NO SEMESTRE LETIVO 2015-2 NORMAS COMPLEMENTARES AO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÃO NO SEMESTRE LETIVO 2015-2 1) DAS INSCRIÇÕES 1.1. O período, procedimento e local das inscrições no processo seletivo do Programa de Pós-

Leia mais

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco.

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. I A INTEGRAÇÃO REGIONAL NO BRASIL OBJETIVOS Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. Assunto 5: O PROJETO CISTERNAS E A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REPRODUÇÃO, SANIDADE E BEM-ESTAR ANIMAL. (MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO) SELEÇÃO TURMA 2014/2015

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REPRODUÇÃO, SANIDADE E BEM-ESTAR ANIMAL. (MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO) SELEÇÃO TURMA 2014/2015 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REPRODUÇÃO, SANIDADE E BEM-ESTAR ANIMAL. (MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO) SELEÇÃO TURMA 2014/2015 EDITAL DPPG N. 09/2013 A DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

BOLSA CAPES EMBAIXADA AMERICANA FULBRIGHT CERTIFICAÇÃO NOS ESTADOS UNIDOS PARA PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA

BOLSA CAPES EMBAIXADA AMERICANA FULBRIGHT CERTIFICAÇÃO NOS ESTADOS UNIDOS PARA PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA BOLSA CAPES EMBAIXADA AMERICANA FULBRIGHT CERTIFICAÇÃO NOS ESTADOS UNIDOS PARA PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA Edital nº. 52/2010/CAPES 1. DA APRESENTAÇÃO A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO)

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) Ingressantes a partir de 2015 1º SEMESTRE HORAS 2º SEMESTRE HORAS Introdução à Engenharia Agronômica 60 Metodologia Científica 60 Álgebra Linear 60 Desenho

Leia mais

EDITAL PRPG 044/2013 CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA

EDITAL PRPG 044/2013 CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA MINISTERIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO Rua: Aprígio Veloso, 882 - Bloco BQ Bodocongó 58.429-140 Campina Grande PB EDITAL PRPG 044/2013 CENTRO DE SAÚDE

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS PARA PROFESSOR E FORMAÇÃO NECESSÁRIA

DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS PARA PROFESSOR E FORMAÇÃO NECESSÁRIA 06/ 05/ INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROCESSO SELETIVO DO º SEMESTRE 05 ANEXO II EDITAL Nº 8/05 DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS PARA PROFESSOR E FORMAÇÃO NECESSÁRIA Técnico em Redes de Computadores

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1 APRESENTAÇÃO Com o objetivo de definir políticas de desenvolvimento integrado para o setor sisaleiro, nos âmbitos estaduais, nacional e internacional, e consolidar a posição brasileira para a 32 a Reunião

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº 085/2015

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº 085/2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº 085/2015 SELEÇÃO DE CANDIDATOS A ALUNO REGULAR DOS CURSOS DE MESTRADO E DOUTORADO DO

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ECOLOGIA APLICADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA 2013 APRESENTAÇÃO Os programas das Áreas de Concentração

Leia mais

Programa CAPES/FIPSE Programa de Consórcios em Educação Superior entre Brasil e Estados Unidos

Programa CAPES/FIPSE Programa de Consórcios em Educação Superior entre Brasil e Estados Unidos Programa CAPES/ Programa de Consórcios em Educação Superior entre Brasil e Estados Unidos Edital CAPES nº 010/2011 A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES, Fundação Pública,

Leia mais

Edital de Retificação nº 357, de 21 de novembro de 2013

Edital de Retificação nº 357, de 21 de novembro de 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO

Leia mais

Programa de Apoio a Projetos de Cooperação Internacional da UFMG Propostas de Consolidação e de Contrapartida Fundo para Internacionalização da UFMG

Programa de Apoio a Projetos de Cooperação Internacional da UFMG Propostas de Consolidação e de Contrapartida Fundo para Internacionalização da UFMG Programa de Apoio a Projetos de Cooperação Internacional da UFMG Propostas de Consolidação e de Contrapartida Fundo para Internacionalização da UFMG Edital de Seleção 006-2013 O Diretor de Relações Internacionais

Leia mais

SEMINÁRIO AVALIAR PARA AVANÇAR

SEMINÁRIO AVALIAR PARA AVANÇAR SEMINÁRIO AVALIAR PARA AVANÇAR Brasília, 9 e 10 de novembro de 2006 Oficina 1: O futuro do mestrado profissional Vahan Agopyan Roberto Lobo 1. INTRODUÇÃO Dentre as comemorações dos 55 anos da CAPES e dos

Leia mais

A EXO 2 - LISTA DE VAGAS - DOCE TES

A EXO 2 - LISTA DE VAGAS - DOCE TES A EXO 2 - LISTA DE VAGAS - DOCE TES Campus Graduação na área de Artes Ministrar aulas em disciplinas relacionadas à área de Artes em geral. Desenvolver projetos e atividades extra-curriculares nas Artes

Leia mais

DISSEMINAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS BARRAGINHAS E LAGO DE MÚLTIPLO USO PARA SEGURANÇA HÍDRICA DE LAVOURAS E ALIMENTAR DE COMUNIDADES

DISSEMINAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS BARRAGINHAS E LAGO DE MÚLTIPLO USO PARA SEGURANÇA HÍDRICA DE LAVOURAS E ALIMENTAR DE COMUNIDADES XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 DISSEMINAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS BARRAGINHAS E LAGO DE MÚLTIPLO USO PARA SEGURANÇA HÍDRICA DE LAVOURAS E ALIMENTAR

Leia mais

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR CAPES, no uso das atribuições conferidas pelo art. 26, inciso IX, do Decreto nº 6.316,

Leia mais

Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Norte GOVERNO DO ESTADO

Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Norte GOVERNO DO ESTADO EDITAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO VINCULADAS AO PROJETO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL ATER PARA INTEGRAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NOS TERRITÓRIOS DO RIO GRANDE DO NORTE N 016/2007/MDA/EMATER-RN O

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil PROGRAMA DE AÇÃO A NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Coordenação de Combate à Desertificação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA/PRODUÇÃO VEGETAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA/PRODUÇÃO VEGETAL EDITAL PROPEG Nº 016 /2013 EXAME DE SELEÇÃO PARA ADMISSÃO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA, ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL, EM NÍVEL DE DOUTORADO A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

Leia mais

Roteiro para apresentação de projetos de cooperação internacional, inclusive seu Plano Operacional. Identificação das Associações Universitárias

Roteiro para apresentação de projetos de cooperação internacional, inclusive seu Plano Operacional. Identificação das Associações Universitárias Roteiro para apresentação de projetos de cooperação internacional, inclusive seu Plano Operacional O objetivo deste roteiro é facilitar a apresentação e a análise das propostas de projetos encaminhadas,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS COORDENADORIA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS EDITAL CAI 10/2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS COORDENADORIA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS EDITAL CAI 10/2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS COORDENADORIA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS EDITAL CAI 10/2015 PROGRAMA DE BOLSAS LUSO-BRASILEIRAS SANTANDER UNIVERSIDADES A Coordenadoria de Assuntos

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AGRONOMIA/ENTOMOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DO PROEX (2015)

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DO PROEX (2015) UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Instituto de Medicina Social Rua São Francisco Xavier, 524 / 7º andar / Bloco D - Maracanã CEP: 20550-013 - Rio de Janeiro - BRASIL TEL: 55-021- 2334-0235 FAX:

Leia mais

EDITAL SELEÇÃO DE ESTUDANTES DA UNOESTE PARA O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS BOLSAS SANDUÍCHE NA GRADUAÇÃO (SWG)

EDITAL SELEÇÃO DE ESTUDANTES DA UNOESTE PARA O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS BOLSAS SANDUÍCHE NA GRADUAÇÃO (SWG) EDITAL SELEÇÃO DE ESTUDANTES DA UNOESTE PARA O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS BOLSAS SANDUÍCHE NA GRADUAÇÃO (SWG) A Reitoria da Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE), através da Assessoria para Relações

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO E CONSERVAÇÃO DE ECOSSISTEMAS NATURAIS E AGRÁRIOS EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2013/II

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO E CONSERVAÇÃO DE ECOSSISTEMAS NATURAIS E AGRÁRIOS EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2013/II MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CAMPUS FLORESTAL INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Campus Universitário Florestal, MG - 35690-000 Telefone

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA

REGULAMENTO GERAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA REGULAMENTO GERAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA 2014 São Luís de Montes Belos Goiás Faculdade Montes Belos Curso de Engenharia Agronômica São Luis de Montes Belos - Goiás

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 029 DE 1º DE OUTUBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integra ção Latino-Americana UNILA. O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Faculdade Presidente Antônio Carlos De Governador Valadares. Núcleo De Investigação Cientifica e Extensão

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Faculdade Presidente Antônio Carlos De Governador Valadares. Núcleo De Investigação Cientifica e Extensão REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO NICE Governador Valadares 2011 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS Faculdade Presidente Antônio Carlos De Governador Valadares Núcleo De Investigação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM Programa de Educação Tutorial PET 2006 MEC/SESu/DEPEM ANEXO I Proposta

Leia mais

Projeto IAG2020. Não há como fazer uma administração ou um planejamento eficientes sem o estabelecimento de metas.

Projeto IAG2020. Não há como fazer uma administração ou um planejamento eficientes sem o estabelecimento de metas. Projeto IAG2020 O objetivo deste projeto é fazer um planejamento estratégico para o IAG, que identifique ações a serem tomadas e que tenha, além de um caráter norteador, um sentido prático, auxiliando

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Texto compilado Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de

Leia mais

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional Missão do Curso A função primordial do Engenheiro Agrônomo consiste em promover a integração do homem com a terra através da planta e do animal, com empreendimentos de interesse social e humano, no trato

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil Nome do Processo de Seleção: Consultor Bioma Mata Atlântica da Cooperação Técnica BR-X1028 O Ministério da Agricultura,

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Capítulo I Do Regulamento Art. 1º. O presente Regulamento define e regula a Política de Formação e Desenvolvimento

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS, BOLSAS DE ESTUDO NO EXTERIOR GRADUAÇÃO

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS, BOLSAS DE ESTUDO NO EXTERIOR GRADUAÇÃO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS, BOLSAS DE ESTUDO NO EXTERIOR GRADUAÇÃO A Direção de Pós- Graduação e Pesquisa da Universidade Veiga de Almeida, no uso de suas atribuições, torna público o presente Edital

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação 2011 197 ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br

UFV Catálogo de Graduação 2011 197 ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 197 ENGENHARIA AMBIENTAL COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br 198 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Ambiental ATUAÇÃO O curso de Engenharia Ambiental da UFV

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO EDITAL Nº 01

PROGRAMA DE PÓS-DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO EDITAL Nº 01 PROGRAMA DE PÓS-DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO EDITAL Nº 01 A Universidade Metodista de São Paulo convida os pesquisadores doutores que tiverem interesse em continuar

Leia mais

Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde

Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde BLOCO I ANFITEATRO A 78 carteiras c/ PG - EA Manutenção e Lubrificação de Máquinas Agrícolas PG -EA Ensaio de Máquinas Agrícolas Radiação Solar- SALA 2 SALA 3 SALA 4 50 carteiras c/ SALA 7 SALA 8 SALA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RECURSOS HÍDRICOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RECURSOS HÍDRICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RECURSOS HÍDRICOS EDITAL DE SELEÇÃO PARA ALUNO ESPECIAL Período 2015/2 (Publicado em 06/08/2015)

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Termo de Referência TdR Coordenador Técnico Geral

Termo de Referência TdR Coordenador Técnico Geral Termo de Referência TdR Coordenador Técnico Geral x Consultoria Capacitação Serviço Técnico Especializado PRAZO PARA ENTREGA DE PROPOSTAS: 25 DE JULHO DE 2014 EMAIL: redeh@redeh.org.br; thaisc@redeh.org.br

Leia mais

Políticas para a Educação Superior

Políticas para a Educação Superior Políticas para a Educação Superior A experiência da UFERSA Prof. Augusto Carlos Pavão Pró-Reitor de Graduação A Universidade Políticas Públicas Expansão Acesso Interiorização SISU Lei das Cotas PIBID Bolsas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMIÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL EDITAL N 01/2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMIÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL EDITAL N 01/2015 EDITAL N 01/2015 PPGPA O coordenador Geral do Programa de Pós-Graduação em Produção Animal - Universidade Federal do Rio Grande do Norte (), em associação ampla com a Universidade Federal Rural do Semiárido

Leia mais

Palavras-Chave: Barragem subterrânea; Participação.

Palavras-Chave: Barragem subterrânea; Participação. Título do Trabalho: Barragem Subterrânea: uma alternativa de convivência com o semi-árido e a participação das comunidades rurais do sertão pernambucano. Tema: Recursos Hídricos Autora: Luciana Cibelle

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

INTEGRAÇÃO GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO ENGENHARIA URBANA - UFSCar

INTEGRAÇÃO GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO ENGENHARIA URBANA - UFSCar INTEGRAÇÃO GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO ENGENHARIA URBANA - UFSCar Sergio Antonio Röhm sarohm@power.ufscar.br Bernardo Arantes do Nascimento Teixeira bernardo@power.ufscar.br Archimedes Azevedo Raia Jr. raiajr@power.ufscar.br

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

CHAMADA DE PROPOSTAS DE PESQUISA Acordo de Cooperação FAPESP-FACEPE

CHAMADA DE PROPOSTAS DE PESQUISA Acordo de Cooperação FAPESP-FACEPE CHAMADA DE PROPOSTAS DE PESQUISA Acordo de Cooperação FAPESP-FACEPE A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo FAPESP e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Pernambuco FACEPE, tornam

Leia mais

Programa Binacional Centros Associados de Pós-graduação Brasil/Argentina - (CAPG/BA) Edital CGCI n. /2008

Programa Binacional Centros Associados de Pós-graduação Brasil/Argentina - (CAPG/BA) Edital CGCI n. /2008 Programa Binacional Centros Associados de Pós-graduação Brasil/Argentina - (CAPG/BA) Edital CGCI n. /2008 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAPG/BA (Programa de Centros Associados de Pós-Graduação),

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV)

PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV) PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV) Termo de Referência para contratação de Gestor de Projetos Pleno 14 de Agosto de 2015 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE GESTOR DE PROJETOS PLENO O presente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV Dispõe da aprovação do Regimento Geral de Pós- Graduação Lato Sensu. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DO RN CAMPUS NATAL CENTRAL INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL - ITNC

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DO RN CAMPUS NATAL CENTRAL INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL - ITNC INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DO RN CAMPUS NATAL CENTRAL INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL - ITNC EDITAL Nº 02/2015 - SELEÇÃO DE IDEIAS EMPREENDEDORAS E MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

Projeto: Atualização da Infra-estrutura de Comunicação por Videoconferência, para promover as Atividades de Pesquisa multicampus.

Projeto: Atualização da Infra-estrutura de Comunicação por Videoconferência, para promover as Atividades de Pesquisa multicampus. FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO (FAPESP) AUXÍLIO À PESQUISA: Reserva Técnica Institucional Faculdade de Engenharia Unesp Campus de Bauru Relatório Científico Processo 2013/24395-4

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS PARA ESTUDOS DE DOUTORADO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA (UNESP) DO BRASIL

PROGRAMA DE BOLSAS PARA ESTUDOS DE DOUTORADO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA (UNESP) DO BRASIL PROGRAMA DE BOLSAS PARA ESTUDOS DE DOUTORADO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA (UNESP) DO BRASIL PROGRAMA DE APOIO A ESTUDANTES DE DOUTORADO DO EXTERIOR (PAEDEX) CONVOCATÓRIA 2015 APRESENTAÇÃO O Programa

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Gerência e Monitoramento Ambiental

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO

FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO APRESENTAÇÃO: A região Semi-árida é caracterizada de um modo geral pela aridez do clima, deficiência hídrica, precipitações

Leia mais

EDITAL ARI 004/2010 PROGRAMA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL PARA GRADUAÇÃO - PIIG

EDITAL ARI 004/2010 PROGRAMA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL PARA GRADUAÇÃO - PIIG EDITAL ARI 004/2010 PROGRAMA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL PARA GRADUAÇÃO - PIIG O Gabinete da Reitoria, no uso de suas atribuições legais e através da Assessoria de Relações Internacionais, torna pública

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTACIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTACIO DE SÁ EDITAL DE CONCURSO PARA SELEÇÃO DE DOCENTES PARA APOIO FINANCEIRO NAS MODALIDADES DE PESQUISA E EXTENSÃO A UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ - RJ (UNESA) torna público o presente EDITAL de abertura de inscrições

Leia mais

Auxílios à Participação Individual em Eventos Científicos (APE) - FAPERGS

Auxílios à Participação Individual em Eventos Científicos (APE) - FAPERGS Auxílios à Participação Individual em Eventos Científicos (APE) - FAPERGS Objetivo Esta modalidade de auxílio destina-se a apoiar pesquisadores doutores, com expressiva produção científica, tecnológica,

Leia mais

UNI VERSI DADE DE PERNAMBUCO PEDRO DE ALCÂNTARA NETO

UNI VERSI DADE DE PERNAMBUCO PEDRO DE ALCÂNTARA NETO UNI VERSI DADE DE PERNAMBUCO PEDRO DE ALCÂNTARA NETO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Naval e Offshore na UPE desenvolvem a capacidade para planejar, desenvolver

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

CONSIDERANDO que este Conselho compete normatizar esse procedimento; R E S O L V E:

CONSIDERANDO que este Conselho compete normatizar esse procedimento; R E S O L V E: RESOLUÇÃO N o 03/90, CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Aprova as Normas para elaboração de Projetos de Cursos de Especialização (Pós-Graduação lato sensu ). O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais