I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA. Salvador Bahia 11 a 16 Julho de 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA. Salvador Bahia 11 a 16 Julho de 2010"

Transcrição

1 I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA Salvador Bahia 11 a 16 Julho de 2010

2 MONICA SILVA SILVEIRA AVALIAÇÃO DAS CASCAS DE COCO VERDE PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES EM SALVADOR-BA

3 INTRODUÇÃO O trabalho pretende abordar as seguintes questões: Como é realizado o fluxo do coco verde na orla de Salvador da produção até o destino final? Qual a forma de armazenamento? Como são coletadas? Qual o destino final? Qual o diagnóstico da situação existente com relação quantidade de cascas de coco verde geradas diariamente pelos ambulantes e pelas barracas? Existe viabilidade para o aproveitamento deste resíduo?

4 INTRODUÇÃO Quais os ganhos econômicos, sociais e ambientais com o aproveitamento destes resíduos? Deve ser feita coleta seletiva? Os vendedores de água de coco têm interesse em viabilizar esta questão?

5 INTRODUÇÃO OBJETIVO Objetivo Geral Avaliar o potencial de aproveitamento das cascas de coco verde para produção de briquete. Objetivos Específicos Fazer o diagnóstico do resíduo do coco verde das barracas e ambulantes do trecho da orla de Salvador Porto da Barra a Ondina; Coletar dados por meio da revisão da literatura relacionada com a utilização do resíduo do coco verde; Levantar os impactos ambientais gerados pela disposição do resíduo do coco verde;

6 INTRODUÇÃO METODOLOGIA Classificação do Estudo Aplicada Quali-quantitativa Descritiva Levantamento Delimitação da pesquisa Técnicas de coleta de dados

7 O COQUEIRO E O COCO A ORIGEM DO COQUEIRO O COQUEIRO E O FRUTO

8 O COQUEIRO E O COCO O COQUEIRO E O FRUTO 1 Epicarpo 2 Mesocarpo 3 Endocarpo 4 Albúmen

9 PRINCIPAIS IMPACTOS CAUSADOS COM A DISPOSIÇÃO DAS CASCAS DE COCO VERDE DEMANDA DE ÁREA Aterros sanitários AMC 07 milhões de m 3 de resíduos ocupam 30 ha Usina 56 m 3 /dia ocupam 0,00024ha/dia = 2,4 m 2 /dia PROLIFERAÇÃO DE VETORES

10 PRINCIPAIS IMPACTOS CAUSADOS COM A DISPOSIÇÃO DAS CASCAS DE COCO VERDE PRODUÇÃO DE METANO (CH 4 ) TABELA 05 CARACTERÍSTICAS DOS PRINCIPAIS GASES DO EFEITO ESTUFA Gás/fórmula Préindustrial Concentração Em 1994 Anos de vida Principais fontes antropogênicas GWP Dióxido de carbono (CO 2 ) ~ 208 ppmv 358 ppmv 50 a 200 Combustíveis fósseis, mudança no uso da terra, produção de cimento. 1 Metano (CH 4 ) ~700 ppbv 1720 ppbv 7 a 17 Combustíveis fósseis, plantações de arroz alagado, depósito de lixo, criação de gado. 21 Óxido nitroso (N 2 O) Tetrafluoreto de carbono (CF 4 ) Hexafluoreto de enxofre (SF 6 ) Herofluorcarbonos (HCFCs) ~275 ppbv ppbv 72 pptv 32 pptv 120 Uso de fertilizantes, combustão industrial Produção de alumínio Fluido dielétrico pptv 121 Fluído refrigerante. ~1.300

11 PRINCIPAIS IMPACTOS CAUSADOS COM A DISPOSIÇÃO DAS CASCAS DE COCO VERDE POLUIÇÃO VISUAL

12 A FIBRA DE COCO COMPOSIÇÃO DA FIBRA DE COCO Principais componentes: celulose, hemicelulose e lignina. Constituição estrutural de uma fibra vegetal.

13 A FIBRA DE COCO CARACTERÍSTICAS DA FIBRA DE COCO TABELA 07 VALORES MÉDIOS DAS PRINCIPAIS PROPRIEDADES DA FIBRA DE COCO VERDE Propriedades Valores ph 5,4 Condutividade elétrica 1,8 ds/m Relação C/N 132 Densidade 70g/L Porosidade total 95,6% Retenção de água 538 ml/l Água facilmente assimilável 19,8% Percentagem de lignina 35 a 45% Percentagem de celulose 23 a 43% Percentagem de hemicelulose 3 a 12%

14 A FIBRA DE COCO ETAPAS DO BENEFICIAMENTO DA CASCA DE COCO VERDE PARA OBTENÇÃO DE FIBRA E PÓ 1-Coleta dos resíduos 2- Recepção dos resíduos 2 -Trituração 3- Prensagem 4-Seleção (fibra e pó) 5-Prensagem 6-Embalagem 7-Armazenamento 8-Comercialização

15 A FIBRA DE COCO ETAPAS DO BENEFICIAMENTO DA CASCA DE COCO VERDE PARA OBTENÇÃO DE FIBRA E PÓ

16 A FIBRA DE COCO USOS DA FIBRA E PÓ DE COCO VERDE Fabricação de briquetes

17 Fluxo do coco verde na orla de Salvador - da produção até a destinação final

18 LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE CASCAS DE COCO VERDE NA ORLA DE SALVADOR - TRECHO PORTO DA BARRA A ONDINA LOCALIZAÇÃO TABELA 10 QUANTIDADE DE BARRACAS E AMBULANTES NA ÁREA DE Praia Porto da Barra Farol da Barra Barracas de coco Barracas de praia Logradouro Ambulantes Areia da praia (a) 01 (b) 18 (a) 08 (b) (a) 04 (b) 10 (a) 03 (b) Ondina

19 LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE CASCAS DE COCO VERDE NA ORLA DE SALVADOR - TRECHO PORTO DA BARRA A ONDINA ANALISE DOS DADOS FIGURA 03 QUANTIDADE DE CASCAS DE COCO GERADAS PELAS BARRACAS DE COCO (B) DAS PRAIAS DO PORTO DA BARRA (P), FAROL DA BARRA (F) E ONDINA (O) NO PERÍODO OUT/06 A OUT/07

20 LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE CASCAS DE COCO VERDE NA ORLA DE SALVADOR - TRECHO PORTO DA BARRA A ONDINA ANALISE DOS DADOS FIGURA 04 QUANTIDADE DE CASCAS DE COCO GERADAS PELAS BARRACAS DE PRAIA E AMBULANTES (AMB) DAS PRAIAS DO PORTO DA BARRA (P), FAROL DA BARRA (F) E ONDINA (O) NO PERÍODO DE 0UT/06 A OUT/07

21 LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE CASCAS DE COCO VERDE NA ORLA DE SALVADOR - TRECHO PORTO DA BARRA A ONDINA ANALISE DOS DADOS FIGURA 05 QUANTIDADE TOTAL DE CASCAS DE COCO GERADAS NAS PRAIAS DO PORTO DA BARRA, FAROL DA BARRA E ONDINA NO PERÍODO 0UT/06 A OUT/07

22 LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE CASCAS DE COCO VERDE NA ORLA DE SALVADOR - TRECHO PORTO DA BARRA A ONDINA ANALISE DOS DADOS FIGURA 06 QUANTIDADE TOTAL DE CASCAS DE COCO GERADAS PELAS BARRACAS DE COCO (B) E AMBULANTES (AMB) NA ÁREA DE ESTUDO NO PERÍODO DE 0UT/06 A OUT/07

23 LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE CASCAS DE COCO VERDE NA ORLA DE SALVADOR - TRECHO PORTO DA BARRA A ONDINA ANALISE DOS DADOS FIGURA 07 QUANTIDADE TOTAL DE CASCAS DE COCO NA ÁREA DE ESTUDO NO PERÍODO DE 0UT/06 A OUT/07

24 LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE CASCAS DE COCO VERDE NA ORLA DE SALVADOR - TRECHO PORTO DA BARRA A ONDINA RESULTADO DO LEVANTAMENTO Total de cascas de coco: unidades Barracas de praia: unidades Ambulantes: unidades Alta estação média unidades (mínimo = 1.100, máximo = 5.680) Baixa estação média unidades (mínimo = 713, máximo = 3.615)

25 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DAS CASCAS DE COCO VERDE GERADAS EM SALVADOR PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES BRIQUETES TABELA 16 CARACTERÍSTICAS DOS BRIQUETES Características Valor Umidade 10 a 12% Carbono Fixo 13,6% Cinzas 2% Materiais Voláteis 84,4% Poder Calorífico 4300 a Kcal/Kg Densidade a 1300 Kg/m 3

26 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DAS CASCAS DE COCO VERDE GERADAS EM SALVADOR PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES BRIQUETES Vantagens do uso de briquetes Devido a baixa umidade a temperatura se eleva rapidamente, produzindo menos fumaça, cinza e fuligem; Maior temperatura de chama e queima regular; Não danifica a fornalha no manuseio de abastecimento; Menor custo; São fornecidas em embalagens padronizadas; Produto 100% reciclado e ecológico; Menor necessidade de estoque, já que o produto é seco e pronto para o uso;

27 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DAS CASCAS DE COCO VERDE GERADAS EM SALVADOR PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES BRIQUETES Vantagens do uso de briquetes Maior higiene e melhor aparência, ideal para indústria alimentícia; Formato geométrico que facilita o transporte, manipulação e armazenamento; Redução do impacto, principalmente sobre as florestas nativas, para retirada da lenha; Menor índice de poluição, pois se trata de um combustível renovável; Não há necessidade de Regulamentação ambiental pelos órgãos Federal, Estadual e Municipal;

28 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DAS CASCAS DE COCO VERDE GERADAS EM SALVADOR PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES BRIQUETES Vantagens do uso de briquetes Permite o aproveitamento de resíduos das indústrias de base florestal, agro-agrícolas agros alimentares, dentre outras de origem vegetal; Maior densidade; Maior Poder Calorífico; 01 tonelada de briquete pode substituir até 1,96 tonelada de lenha.

29 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DAS CASCAS DE COCO VERDE GERADAS EM SALVADOR PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES BRIQUETES Mercado Consumidor TABELA 17 - CONSUMO DE BRIQUETES EM RELAÇÃO A LENHA Estabelecimento Briquetes Consumo Mensal (t) Lenha Padarias forninho 1,5 3,08 Pizzaria forno 06 pizzas 2,0 3,92 Lareiras média 1,0 1,96 Caldeiras ,4 Caldeiras ,8 Fogões a lenha 1,0 1,96

30 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DAS CASCAS DE COCO VERDE GERADAS EM SALVADOR PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES BRIQUETES Mercado Consumidor TABELA 18 QUANTIDADE DE ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS TIPO: CHURRASCARIAS, PADARIAS E PIZZARIAS EXISTENTES EM SALVADOR Estabelecimento Quantidade Churrascarias Padarias 167 Pizzarias Total 4.031

31 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DAS CASCAS DE COCO VERDE GERADAS EM SALVADOR PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES MONTAGEM DA USINA Usina de Briquetagem 1 - Recebimento da matéria - prima 2 Triturador/picotador 3 Secador 4 Briquetagem 5 Embalagem 6 Estocagem para expedição

32 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DAS CASCAS DE COCO VERDE GERADAS EM SALVADOR PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES MONTAGEM DA USINA Proposta para implantação da usina Demanda de matéria-prima TABELA 19 QUANTIDADE, EM PESO, DE CASCAS DE COCO VERDE GERADAS DIARIAMENTE, NA ALTA E BAIXA ESTAÇÃO, NA ÁREA DE ESTUDO E QUANTIDADE NECESSÁRIA PARA ABASTECER A USINA Quantidade de cascas de coco verde na área de Estudo Alta Estação Peso (Kg) Baixa Estação Cascas do coco verde Sem 85% de umidade (água embibição) Sem 15% de umidade (água de impregnação) Quantidade de cascas de coco verde necessárias para abastecer a usina em 06 horas Alta Estação Peso (Kg) Baixa Estação* Cascas do coco verde Sem 85% de umidade (água embibição) Sem 15% de umidade (água de impregnação)

33 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DAS CASCAS DE COCO VERDE GERADAS EM SALVADOR PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES MONTAGEM DA USINA Alternativas para equipamentos da Usina TABELA 20 RELAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES, COM SUAS RESPECTIVAS POTÊNCIAS ALTERNATIVA 01 Equipamento Potência (cv) Picador 50 Silo úmido 3,5 Secador Tambor 06 Silo seco 02 Ventilador de exaustão 14 Ventilador de transporte 02 Briquetadeira (capacidade de 600 kg/h) 45 Total (122,5 x 0,7355) 122,5 = 90kwh

34 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DAS CASCAS DE COCO VERDE GERADAS EM SALVADOR PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES MONTAGEM DA USINA Alternativas para equipamentos da Usina TABELA 21 CUSTOS DOS EQUIPAMENTOS E ENERGIA ALTERNATIVA 01 Custos Preço (R$) Equipamento completo* ,00 Energia/h (90kw x R$ 0,54) 48,57 Energia/mês (R$ 48,57x 6hx22dias) 6.411,24

35 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DAS CASCAS DE COCO VERDE GERADAS EM SALVADOR PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES MONTAGEM DA USINA Alternativas para equipamentos da Usina TABELA 22 RELAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES, COM SUAS RESPECTIVAS POTÊNCIAS ALTERNATIVA 02 Equipamentos Potência (cv) Baia (recebimento da matéria-prima) - Guilhotina (fatiamento da matéria-prima) - Prensa 05 Secador solar - Baia (matéria-prima para processamento) - Briquetadeira (capacidade de 600 kg/h) 45 Total 50 = 36,78 kw

36 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DAS CASCAS DE COCO VERDE GERADAS EM SALVADOR PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES MONTAGEM DA USINA Alternativas para equipamentos da Usina TABELA 23 CUSTOS DOS EQUIPAMENTOS E ENERGIA ALTERNATIVA 02 Custos Preço (R$) Prensa ,00 Secador solar 6.000,00 Briquetadeira (capacidade de 600 kg/h) ,00 Total equipamentos ,00 Energia/h (36,78kw x R$ 0,54) 19,85 Energia/mês (R$ 19,85x 6hx22dias) 2.621,32

37 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DAS CASCAS DE COCO VERDE GERADAS EM SALVADOR PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES MONTAGEM DA USINA TABELA 24 CUSTO DA LIMPURB COM OS SERVIÇOS DE COLETA E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS Serviço Custo/ tonelada (R$/t) 1 Coleta 71, Disposição na Estação de Transbordo 3 Disposição final no AMC 19,32 33,34

38 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DAS CASCAS DE COCO VERDE GERADAS EM SALVADOR PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES MONTAGEM DA USINA TABELA 25 CUSTO COM A COLETA E DISPOSIÇÃO FINAL DAS CASCAS DE COCO GERADAS NA ÁREA DE ESTUDO E NECESSÁRIA PARA A USINA Local de geração das cascas de coco Peso (T/dia) Alta estação Custo (R$/dia) e (R$/mês) Área de estudo (Porto da Barra a Ondina) 4, ,38 e15.581,4 Orla (Rio Vermelho a Itapuã)* 20, ,46 e ,8 Total necessário para usina 25, ,84 e ,2 Local de geração das cascas de coco Peso (T/dia) Baixa estação Custo (R$/dia) e (R$/mês) Área de estudo (Porto da Barra a Ondina) 2, ,18 e 7.655,4 Orla (Rio Vermelho a Itapuã)* 10, ,68 e ,26 Total necessário para usina 12, ,86 e ,30

39 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DAS CASCAS DE COCO VERDE GERADAS EM SALVADOR PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES MONTAGEM DA USINA CUSTO COM A COLETA E DISPOSIÇÃO FINAL DAS CASCAS DE COCO GERADAS NA ÁREA DE ESTUDO E NECESSÁRIA PARA A USINA Custo alta estação - R$ ,20 (mensal), R$ ,20 (total). Custo baixa estação - R$ ,30 (mensal), R$ ,80 (total) Custo total em um ano - R$ ,00.

40 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DAS CASCAS DE COCO VERDE GERADAS EM SALVADOR PARA PRODUÇÃO DE BRIQUETES MONTAGEM DA USINA DIRETRIZES ESTRUTURAIS PARA A AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DAS CASCAS DE COCO VERDE PARA A PRODUÇÃO DE BRIQUETES Diretriz Tecnológica Diretriz Social CONTROLE DE PROCESSO Poder calorífico inferior e superior (inclui umidade e enxofre) Cinzas Materiais voláteis

41 CONCLUSÕES Aumentar a vida útil dos aterros; Reduzir a emissão de metano para a atmosfera; Melhorar a saúde pública; Acabar com o impacto visual; Agregar valor a um resíduo; Reduzir os gastos com a limpeza pública; Gerar emprego e renda; Diminuir o impacto causado pela supressão de vegetação nativa; Conscientizar/orientar a população para o aproveitamento dos resíduos.

42 RECOMENDAÇÕES Estudos de equipamentos urbanos para acondicionamento e coleta das cascas de coco; Realizar um diagnóstico do coco verde para toda área da RMS; Desenvolver novas pesquisas de como utilizar o líquido resultante da prensagem do coco verde; Elaborar estudos para criar cooperativas a fim de trabalhar com o beneficiamento das cascas de coco verde e suas diversas aplicações.

43 OBRIGADA!

WOOD BRIQUETE BIOBRIQUETE BAGAÇO CANA BIOBRIQUETE CASCA CAFÉ

WOOD BRIQUETE BIOBRIQUETE BAGAÇO CANA BIOBRIQUETE CASCA CAFÉ WOOD BRIQUETE BIOBRIQUETE BAGAÇO CANA BIOBRIQUETE CASCA CAFÉ A solução para a questão vai incluir uma mudança substancial em relação ao modelo de produção, consumo e desenvolvimento. Para isso, será necessário

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA Workshop - Madeira Energética: Principais questões envolvidas na organização e no aperfeiçoamento do uso energético da lenha - 29/05/2007 DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA - O que é briquete e pelete

Leia mais

Sandro Fábio César (1), Monica Silva Silveira (2), Rita Dione Araújo Cunha (3)

Sandro Fábio César (1), Monica Silva Silveira (2), Rita Dione Araújo Cunha (3) Aproveitamento das Cascas de Coco Verde para Produção de Briquete em Salvador - uma Alternativa Sustentável para a Destinação de Resíduos do Coco In Natura. Sandro Fábio César (1), Monica Silva Silveira

Leia mais

O H.D.B. NÃO é briquete. O H.D.B. é MADEIRA DENSIFICADA.

O H.D.B. NÃO é briquete. O H.D.B. é MADEIRA DENSIFICADA. É É uma madeira densificada, 100% natural, com altíssima concentração energética. É, portanto, um combustível ecologicamente correto. Energia limpa e renovável. O H.D.B. NÃO é briquete. O H.D.B. é MADEIRA

Leia mais

Estudo de viabilidade de implantação de uma usina de briquetagem

Estudo de viabilidade de implantação de uma usina de briquetagem Estudo de viabilidade de implantação de uma usina de briquetagem A madeira tem sido empregada como combustível substituindo, em muitos casos, o óleo de origem fóssil, não renovável, principalmente no meio

Leia mais

Densificação da Madeira

Densificação da Madeira Densificação da Madeira Carlos Fraza Diretor da Ipaussu Briquetes MADEN 2008-1º Seminário Madeira Energética 02 e 03 de Setembro de 2008 - Rio de Janeiro - RJ Histórico 1983 Montagem da primeira marcenaria

Leia mais

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Capítulo 8 Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Maior é o consumo de energia: -Economia dinâmica; - Elevado padrão de consumo da população Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com A biomassa florestal As florestas portuguesas são constituídas por uma enorme variedade de espécies que apresentam poderes caloríficos

Leia mais

PRODUÇÃO DE BRIQUETE INDUSTRIAL: ENERGIA LIMPA E SUSTENTÁVEL

PRODUÇÃO DE BRIQUETE INDUSTRIAL: ENERGIA LIMPA E SUSTENTÁVEL Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 PRODUÇÃO DE BRIQUETE INDUSTRIAL: ENERGIA LIMPA E SUSTENTÁVEL Carolina Rovira Pereira Fernandes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, Estudante

Leia mais

EMBALAGENS DE ALIMENTOS COM FIBRA DE COCO VERDE Gilberto Alves Rodrigues

EMBALAGENS DE ALIMENTOS COM FIBRA DE COCO VERDE Gilberto Alves Rodrigues EMBALAGENS DE ALIMENTOS COM FIBRA DE COCO VERDE Gilberto Alves Rodrigues Orientadora: Prof.ª MSc. Maria Luiza de Moraes L. Padilha Co-orientadora: Esp. Susi Uhren Meira Santos Coordenador: Prof. MSc. Fernando

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Projeto Container de Carbonização Rima Industrial S/A www.rima.com.br

Projeto Container de Carbonização Rima Industrial S/A www.rima.com.br Projeto Container de Carbonização Rima Industrial S/A www.rima.com.br Ricardo Antônio Vicintin José Urbano Alves Adriana de Oliveira Vilela Flávio Lúcio Eulálio de Souza Belo Horizonte, Outubro 2008 Rima

Leia mais

Estudos da Universidade Federal de Alagoas com Biomassa para o Aproveitamento Energético

Estudos da Universidade Federal de Alagoas com Biomassa para o Aproveitamento Energético Seminar Energies from Biomass Maceió, Alagoas, Brazil, 21-23 November, 2012 Estudos da Universidade Federal de Alagoas com Biomassa para o Aproveitamento Energético Aline da Silva Ramos (CTEC/UFAL, aline@lccv.ufal.br)

Leia mais

GESTÃO INTEGRAL DE RESÍDUOS MUNICIPAIS INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS

GESTÃO INTEGRAL DE RESÍDUOS MUNICIPAIS INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS GESTÃO INTEGRAL DE RESÍDUOS MUNICIPAIS INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS O Instituto Brasil Ambiente apresenta uma proposta de Gestão Integral de Resíduos Municipais desenvolvida pelo Prof. Dr.

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

Soluções em Gestão Ambiental

Soluções em Gestão Ambiental Soluções em Gestão Ambiental QUEM SOMOS A Silcon Ambiental Empresa de engenharia ambiental, especializada em serviços e soluções para o gerenciamento, tratamento e destinação final de resíduos e na produção

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

O BRIQUETE COMO COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO PARA A PRODUÇÃO DE ENERGIA

O BRIQUETE COMO COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO PARA A PRODUÇÃO DE ENERGIA O BRIQUETE COMO COMBUSTÍVEL ALTERNATIVO PARA A PRODUÇÃO ENERGIA Arícia Pessoa Dantas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. Estudante de Controle Ambiental no curso técnico integrado e bolsista

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS AGENDA GESTÃO INTEGRAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) CARACTERÍSTICAS DA SOLUÇÃO EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL COM SOLUÇÃO INTEGRADA BENEFÍCIOS

Leia mais

Introdução àpegada de carbono

Introdução àpegada de carbono Introdução àpegada de carbono Judith Sykes Gases de Efeito Estufa 1 Gases de Efeito Estufa Gas Concentration in 1988 (ppmv) GWP** Dióxido de carbono (CO 2 ) 365 1 Metano (CH 4 ) 1,75 23 Óxido nitroso (N

Leia mais

ELOBiomass.com. Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica!

ELOBiomass.com. Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica! ELOBiomass.com Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica! ÍNDICE Introdução... I Biomassa Lignocelulósica Energética... 1 Energia de Fonte Renovável... 2 Nova Matriz Energética Mundial... 3 Geração

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini 1 1.0 COLHEITA / TRANSPORTE / RECEPÇÃO DE CANA - HISTÓRICO 1ª FASE (1960/ 70): Cana queimada Corte manual Carregamento

Leia mais

APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL

APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL XIV Seminário de Atualização Sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal Curitiba, Agosto 2006 1. Introdução O preço do petróleo

Leia mais

Soluções Biomassa. Recuperadores de calor ventilados a lenha. Recuperadores de calor ventilados a pellets. Recuperadores de calor a água a lenha

Soluções Biomassa. Recuperadores de calor ventilados a lenha. Recuperadores de calor ventilados a pellets. Recuperadores de calor a água a lenha Soluções Biomassa Recuperadores de calor ventilados a lenha Recuperadores de calor ventilados a pellets Recuperadores de calor a água a lenha Recuperadores de calor a água a pellets Salamandras ventiladas

Leia mais

INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA. INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009)

INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA. INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009) INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009) INFORMAÇÕES IMPORTANTES O Inventário Nacional de Emissões

Leia mais

UEM FACULDADE DE ENGENHARA DEMA

UEM FACULDADE DE ENGENHARA DEMA UEM FACULDADE DE ENGENHARA DEMA PROJECTO DE CURSO TEMA: projecção de um gerador de vapor para aquecer água de uma piscina AUTOR: Kapella Maria SUPREVISOR: Prof. Dr eng Jorge Nhambiu Kapella,Maria 1 EXTRUTURA

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

Av. Dr. Léo de Affonseca Netto n 750 Jd. Novo Horizonte Lorena / SP CEP: 12605-720 Fone/Fax: (12) 3157-4244 E-mail: rm@rm-gpc.com.

Av. Dr. Léo de Affonseca Netto n 750 Jd. Novo Horizonte Lorena / SP CEP: 12605-720 Fone/Fax: (12) 3157-4244 E-mail: rm@rm-gpc.com. Av. Dr. Léo de Affonseca Netto n 750 Jd. Novo Horizonte Lorena / SP CEP: 12605-720 Fone/Fax: (12) 3157-4244 E-mail: rm@rm-gpc.com.br PROBEM Programa Biomassa Energia Materiais Refinaria de Biomassa Érica

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Suprimento (geração, transmissão e distribuição) de energia elétrica: aspectos socioambientais Lineu Belico dos Reis REQUISITOS BÁSICOS: Atendimento ao arcabouço legal ambiental

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Apresentação Grupo Solví

Apresentação Grupo Solví Apresentação Grupo Solví Mesa redonda Mercado de Metano Experiência Brasileira do Grupo Solvi com Gás G s Metano O Grupo Solví Resíduos Valorização Energética Saneamento O Grupo Solví Grupo Solví Valorização

Leia mais

Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental

Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental João Wagner Alves 1 Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental Agradecimentos: Prof. Dr. Ronaldo Balassiano

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

1 Introdução 1.1. A necessidade de se reforçar os solos

1 Introdução 1.1. A necessidade de se reforçar os solos 1 Introdução 1.1. A necessidade de se reforçar os solos Um dos muitos desafios dos engenheiros geotécnicos é garantir, através de um projeto de engenharia, que um determinado solo resista mecanicamente

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL 1 Novas necessidades da indústria - Redução do consumo de água - Proibição da queimada da cana de açúcar - Mecanização da colheita de cana de açúcar 2 Interferência

Leia mais

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor. Entre no Clima, Faça sua parte por um MUNDO melhor. Aquecimento Global Conheça abaixo os principais gases responsáveis pelo aquecimento global: MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O AQUECIMENTO GLOBAL Desde a revolução

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt)

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) Digestão anaeróbia Santino Di Berardino em Porto santo Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) 1 1 Introdução O desenvolvimento

Leia mais

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE Ricardo Blandy Vice - Presidente Nexsteppe Sementes do Brasil Novembro 2015 Nexsteppe Sede mundial em São Franscisco, CA Empresa de comercialização de SEMENTES DE

Leia mais

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Reciclagem Energética Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Claudio Marcondes Engenheiro de Materiais com especialização em Polímeros pela Universidade Federal de São Carlos. Pós graduado

Leia mais

A FABRICAÇÃO DE BRIQUETES COMO ALTERNATIVA PARA DESTINAÇÃO ADEQUADA DOS RESÍDUOS DE MADEIRA NA INDÚSTRIA MOVELEIRA NO ES.

A FABRICAÇÃO DE BRIQUETES COMO ALTERNATIVA PARA DESTINAÇÃO ADEQUADA DOS RESÍDUOS DE MADEIRA NA INDÚSTRIA MOVELEIRA NO ES. 1 A FABRICAÇÃO DE BRIQUETES COMO ALTERNATIVA PARA DESTINAÇÃO ADEQUADA DOS RESÍDUOS DE MADEIRA NA INDÚSTRIA MOVELEIRA NO ES. Júllia Tedesco Moraes(1) Engenheira Ambiental pelas Faculdades Integradas Espírito-santenses

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Grupo de Trabalho: Fernanda - Solvay Lorena Oxiteno Luis

Leia mais

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL BRITCHAM SP 18/08/06 São Paulo samuel barbosa 3 DET NORSKE VERITAS Introdução FUNDAÇÃO - Fundação independente estabelecida na Noruega em 1864. OBJETIVO

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO Balanço dos cinco anos da Política Municipal de Mudança do Clima de São Paulo Rede Nossa São Paulo 20/05/2014 Plano de Metas da PMSP

Leia mais

Trasix Soluções Ambientais

Trasix Soluções Ambientais A Empresa A Empresa A Trasix Soluções Ambientais surge da união de grandes expertises das empresas Trimap Business Management, especializada em representação de marcas estrangeiras para a comercialização

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

COLETA SELETIVA VIDRO

COLETA SELETIVA VIDRO PROJETO COLETA SELETIVA VIDRO Florianópolis, 29 de abril de 2013 Assessoria Técnica - ASTE Departamento Técnico DPTE 2 1. CONTEXTUALIZAÇÃO As obrigações impostas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos

Leia mais

Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano

Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano Kuttner do Brasil Patrick Pottie 10-08-2009 Produção de Energia Ecologicamente Limpa pela Biometanização Anaeróbica do Lixo Orgânico e Poda Verde... pela...

Leia mais

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica).

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). 1 Biomassa é uma substância orgânica, produzida pelo processo de acumulação de energia solar. O seu maior potencial

Leia mais

Viver Confortável, Morar Sustentável

Viver Confortável, Morar Sustentável Viver Confortável, Morar Sustentável A Verde Lar foi criada em Março de 2009, dando início a uma jornada com o compromisso e ética das questões ambientais no mercado habitacional oferecendo soluções para

Leia mais

PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL

PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL 1º SEMINÁRIO PARANAENSE DE ENERGIA DE BIOMASSA RESIDUAL AGRÍCOLA 06 DE DEZEMBRO DE 2013 LOCAL: SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL

Leia mais

Explora. Materiais: recuperação para efeitos energéticos

Explora. Materiais: recuperação para efeitos energéticos 1 Ciências Físico-Químicas 7.º ANO Explora Duarte Nuno Januário Eliana do Carmo Correia Ângelo Filipe de Castro Materiais: recuperação para efeitos energéticos Público-alvo Alunos de Ciências Físico-Químicas

Leia mais

Carvão vegetal Aspectos Sociais e Econômicos. 1º SEMINÁRIO MADEIRA ENERGÉTICA INEE 2-3 Setembro 2008

Carvão vegetal Aspectos Sociais e Econômicos. 1º SEMINÁRIO MADEIRA ENERGÉTICA INEE 2-3 Setembro 2008 Carvão vegetal Aspectos Sociais e Econômicos 1º SEMINÁRIO MADEIRA ENERGÉTICA INEE 2-3 Setembro 2008 APRESENTAÇÃO Apresentação preparada por: Ronaldo Sampaio PhD. - Diretor da RSConsultants Paulo César

Leia mais

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - I COBESA ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS Matheus Paiva Brasil (1) Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 6 Armazenamento e Coleta. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 6 Armazenamento e Coleta. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015 Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 6 Armazenamento e Coleta Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março

Leia mais

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade Artigo por: Suani T Coelho, Javier Escobar Como implementar a Biomassa na Matriz Energética Brasileira? 1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade O tema das energias renováveis na matriz

Leia mais

Padrões de produção e consumo

Padrões de produção e consumo INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 113 Padrões de produção e consumo Recicloteca da COMLURB - Gávea 114 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ÁGUA ATMOSFERA SOLO BIODIVERSIDADE

Leia mais

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs:

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs: Institucional A Unidade de Recuperação Energética (URE) Barueri é um empreendimento da Foxx Haztec, empresa líder em serviços ambientais no Brasil com atuação nas áreas de resíduos sólidos, consultoria

Leia mais

APLICAÇÃO E POTENCIAL DAS BIOMASSAS NA INDÚSTRIA CERÂMICA

APLICAÇÃO E POTENCIAL DAS BIOMASSAS NA INDÚSTRIA CERÂMICA APLICAÇÃO E POTENCIAL DAS BIOMASSAS NA INDÚSTRIA CERÂMICA EDVALDO MAIA CONSULTOR TECNICO DA FUNDACER ISAC MEDEIROS CONSULTOR TECNICO DA FUNDACER AQUECIMENTO GLOBAL REFLORESTAMENTO A emergência das questões

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Já foi o tempo em que podíamos considerar de lixo os resíduos sólidos urbanos

Já foi o tempo em que podíamos considerar de lixo os resíduos sólidos urbanos RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Já foi o tempo em que podíamos considerar de lixo os resíduos sólidos urbanos pois, com as palavras do Aurélio, lixo são coisas inservíveis, o que indica a sua inexistência, uma

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 418, DE 2011 Proíbe o envasamento e a comercialização de bebida em embalagem PET e dá providências correlatas Autor: Deputado

Leia mais

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO 1) Analise as alternativas sobre aspectos relacionados ao lixo e marque (V) para as verdadeiras e (F) para as falsas. ( ) O lixo é caracterizado como tudo aquilo

Leia mais

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Belo Horizonte, 26 de Abril de 2011 Jim Michelsen SCS Engineers & Frederico

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

DESINFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL

DESINFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DESINFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL Antonio José Migliorini * 1. INTRODUÇÃO Todas as industrias que utilizam a madeira como matéria-prima, têm ao final do processamento uma grande quantidade de resíduos,

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 429/12 Data: 26/11/12 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA DE SOJA E MILHO

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 20 - Biomassa Sorocaba, Maio de 2015. ATLAS de Energia Elétrica do Brasil. Agência Nacional de Elétrica

Leia mais

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário 1º ENCONTRO LUSO-ANGOLANO DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO RURAL Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário BIAVANGA GUEVARA ZIONE 16 a 18 de Outubro de 2008, Universidade

Leia mais

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc.

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc. Ciclo de Vida Papel Há divergência quanto ao período de surgimento do papel, pois foi um processo que foi sendo desenvolvido ao longo dos anos, porém há registros deste sendo utilizado primeiramente pelos

Leia mais

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações WORKSHOP ASPECTOS RELEVANTES DA PRÁTICA EMPRESARIAL EM GESTÃO AMBIENTAL CAMPINAS, 17 DE ABRIL 2010 As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações Profa. Josilene T.V.Ferrer Estado de São

Leia mais

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira.

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Artigo - Ficam aqui definidos os limites máximos para a emissão de

Leia mais

Viagem Técnica Ecocitrus

Viagem Técnica Ecocitrus Resíduos INTERESSE ALTO Viagem Técnica Ecocitrus Central de tratamento de resíduos Compostagem e Biogás Objeto: Conhecer a central de tratamento de resíduos e o modelo de produção de biometano da Cooperativa

Leia mais

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br Principais atividades da Zetec Tecnologia Ambiental Engenharia de Combustão Diagnósticos energéticos.

Leia mais

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012 Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA São Paulo 23/10/2012 1 Composição Composição do biogás: Metano CH 4 45 75 Vol% Dióxido

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM Para atender às regulamentações ambientais de hoje, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana e outros tipos de biomassa similares devem, obrigatoriamente,

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011 Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP Florianópolis, 03 setembro de 2011 Missão Prestar serviços públicos p de saneamento ambiental com eficiência, qualidade e responsabilidade social. COMCAP

Leia mais

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração;

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração; GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DEFINIÇÃO A geração distribuída de eletricidade consiste na produção da eletricidade no local de seu consumo, ou próximo a ele; Eventuais excedentes desta geração podem ser vendidos

Leia mais

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos;

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

I. INTRODUÇÃO III. MATERIAL E MÉTODOS. A. Amostras Utilizadas no Processo de Conversão a Baixa Temperatura

I. INTRODUÇÃO III. MATERIAL E MÉTODOS. A. Amostras Utilizadas no Processo de Conversão a Baixa Temperatura Geração de Energia Elétrica a partir de Combustível Inovador Proveniente da Conversão a Baixa Temperatura de Biomassas e Resíduos e Análise de Desempenho em Motores R.G. Pereira 1 ; G. A. Romeiro 2 ; R.

Leia mais