Radar de Abertura Sintética (SAR): uma breve apresentação sobre o funcionamento e capacidades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Radar de Abertura Sintética (SAR): uma breve apresentação sobre o funcionamento e capacidades"

Transcrição

1 1 Radar de Abertura Sintética (SAR): uma breve apresentação sobre o funcionamento e capacidades Cap Diogo EMILIÃO Pinto Bacharel em Ciências Militares AMAN/2002 Pós-graduado em Artilharia de Costa e Antiaérea EsACosAAe/2006 RESUMO O Radar de Abertura Sintética (SAR) surge como ferramenta fundamental nos levantamentos de inteligência dos cenários atuais. Este artigo se propõe a apresentar de forma simplificada os princípios de funcionamento do SAR, assim como suas principais capacidades no campo militar. Tem por objetivo também, divulgar tão importante tecnologia pouco conhecida no âmbito do Exército Brasileiro. Palavras-chave: SAR, Sensoriamento Remoto, Inteligência 1. INTRODUÇÃO Desde a Antiguidade, a busca por informações sobre o inimigo foi considerada uma forma de se obter vantagem tática e estratégica no campo de batalha [1]. Sun Tzu já dizia que se conhecemos o inimigo e a nós mesmos, não precisamos temer o resultado de uma centena de combates. Numa assertiva mais atual, diz-se que o conhecimento é poder. Durante o século XX, mais especificamente no pós 2ª Guerra Mundial, diversas inovações tecnológicas surgiram para revolucionar a arte da guerra. Áreas como aviação, armamento, comunicações, entre outras, tiveram consideráveis evoluções desde o fim dos anos 50. Carreada pela tecnologia, a Inteligência de Combate também teve sua grande mudança: o surgimento do ramo chamado Sensoriamento Remoto. Por definição, Sensoriamento Remoto é o conjunto de técnicas, baseadas em instrumentos, empregadas na aquisição de dados e informações do mundo físico a partir da detecção e medição de sinais compostos de radiação, partículas e campos emanados de objetos localizados na vizinhança imediata de um sensor [2].

2 2 Os sensores são divididos em duas classes: passivos e ativos. Os sensores passivos são aqueles que recebem energia irradiada partindo de uma fonte externa, como o Sol, por exemplo. Por sua vez, os sensores ativos são aqueles que geram energia e a irradiam para o meio externo, captando e medindo posteriormente uma fração do sinal emanado. O Radar é um exemplo de sensor ativo. Este artigo trata particularmente do dispositivo de sensoriamento remoto ativo chamado Radar de Abertura Sintética (SAR Syntetic Aperture Radar), que apesar de ser um Radar, não tem como produto final uma simples detecção em tela, mas sim a geração de uma imagem, que dependendo da resolução, pode fornecer com alto grau de detalhamento o terreno em posse do inimigo e até mesmo os meios que possui. Também é intuito deste texto dar maior divulgação ao referido tema, haja vista que não é comum a veiculação de informações sobre o Radar de Abertura Sintética no âmbito do Exército Brasileiro. 2. HISTÓRICO No início do século XIX, com a produção das primeiras fotografias, surge concomitantemente o sensoriamento remoto como tecnologia. Em 1860, são tiradas as primeiras fotografias aéreas, com registros feitos a partir de balões. Décadas mais tarde, em 1889, abordagens alternativas aparecem, como a instalação de câmeras em pipas, com o acionamento feito por dispositivos remotos. A partir da 1ª Guerra Mundial, o avião consolida-se como principal plataforma para realização de fotografias aéreas. Instaladas nas aeronaves ou, de forma mais comum, portada pelos pilotos, as câmeras provinham visões aéreas de grandes extensões de terra, possuindo valor incalculável para o reconhecimento militar. Por mais de 150 anos, a câmera fotográfica serviu como o sensor primário para sensoriamento remoto. Com a explosão da 2ª Guerra Mundial em 1939, uma severa corrida armamentista impulsiona a evolução tecnológica do mundo. Como produto dessa inovação, tem-se o desenvolvimento de novos tipos de sensores, dentre eles o Radar.

3 3 O Radar SAR teve sua concepção original descrita primeiramente por Carl Wiley, da Goodyear, em Entretanto, foi o Dr. L. J. Cutrona, da Universidade de Michigan, que obteve os primeiros resultados satisfatórios em imageamento SAR [3]. Desde então, a tecnologia do Radar de Abertura Sintética vem sofrendo constantes aprimoramentos. 3. O FUNCIONAMENTO DO RADAR SAR Uma análise aprofundada da teoria que envolve a operação do Radar SAR seria muito complexa e iria além do foco deste trabalho. Portanto, este artigo tem a intenção de apresentar como o Radar de Abertura Sintética funciona de forma bastante simplificada. O SAR é um radar de visada lateral que transmite pulsos de microondas transversalmente à sua trajetória, isto é, sua antena é disposta ao longo da fuselagem de uma aeronave voltada para um dos lados, inclinada para a superfície, produzindo um feixe que produz imagens transversalmente à linha de voo, enquanto o movimento da aeronave produz a cobertura longitudinal [4]. Tipicamente, o SAR produz imagens em duas dimensões (2-D). Uma dimensão da imagem é chamada de alcance (ou cross track) e é a medida da distância em linha reta do radar para o alvo. A medição e a resolução em alcance são alcançadas no radar de abertura sintética da mesma maneira que na maioria dos outros radares: o alcance é determinado pela medição precisa do tempo entre a transmissão de um pulso e o recebimento do eco do alvo e, nos SAR mais simplificados, a resolução em alcance é determinada pela largura de pulso, isto é, pulsos estreitos produzem boas resoluções em alcance. A outra dimensão é chamada de azimute (ou along track) e é perpendicular ao alcance. A habilidade do SAR em produzir uma ótima resolução em azimute destaca-o de outros radares. Para obter tal resolução em azimute, seria necessária uma grande antena física para focalizar a energia transmitida e recebida em um feixe estreito. Quanto mais estreito for o feixe, maior será a resolução em azimute. Similarmente, sistemas óticos, como telescópios, requerem grandes aberturas (espelhos e lentes, os quais são análogos à antena do radar) para obterem imagens com altas resoluções. Tendo o SAR frequências muito mais baixas que sistemas

4 4 óticos, até mesmo radares SAR de resolução moderada, necessitariam de antenas fisicamente maiores, com centenas de metros, o que seria impraticável o transporte por plataformas aéreas. Entretanto, uma plataforma aérea pode coletar dados enquanto voa e então processá-los como se estes viessem de uma grande antena física. A distância em que a aeronave voa simulando a antena física é conhecida como abertura sintética. Uma largura de feixe sintético estreita resulta de uma grande abertura sintética, o que produz uma resolução mais alta do que é possível por uma antena física real. ALCANCE AZIMUTE DOPPLER LARGURA DE PULSO Fig. 1. Conceito do Imageamento SAR A obtenção de uma alta resolução em azimute também pode ser explicada através do processamento da frequência doppler. A frequência doppler é gerada pelo movimento da antena em relação ao alvo, a partir da compensação coerente de cada eco, pela sua fase respectiva em razão da distância antena-alvo. Como a resolução é aproximadamente a razão entre o comprimento de onda (λ), pela distância percorrida pelo SAR enquanto o objeto estava no campo de visada (S), quanto mais aumentarmos sinteticamente S, maior a resolução [5]. A conjugação da resolução em alcance e a resolução em azimute formam a célula de resolução, que representa o lugar geométrico no espaço que está sendo imageado por um conjunto de pulsos eletromagnéticos. Cada célula de resolução por sua vez representa um pixel da imagem lida pelo SAR, traduzindo a

5 5 intensidade do eco do recebido de forma gráfica numa escala de tons de cinza. Na figura a seguir, compare-se uma imagem gerada por um radar SAR, à esquerda, com outra gerada por um sensor ótico, à direita. Fig. 2. Comparação da imagem SAR (esquerda) com a imagem ótica (direita) A definição da imagem é tão melhor quanto menor for a célula de resolução, normalmente expressa em metros, conforme exemplifica a imagem a seguir. Fig. 3. Comparação de diversas resoluções de uma mesma imagem

6 6 4. AS CAPACIDADES O Radar de Abertura Sintética apresenta como principal característica a capacidade de operar independente das condições atmosféricas ou de luminosidade, haja vista, como já foi apresentado, não se trata de um processo ótico, mas sim da interpretação de ecos eletromagnéticos. Além disso, o SAR também encontra outras aplicações, pois é capaz de renderizar diferentes visões de um mesmo alvo variando a banda utilizada pelo radar. Dentre as principais capacidades militares do SAR tem-se: a. Reconhecimento, vigilância e busca de alvos Por operar de dia, de noite, e em qualquer tempo, o SAR pode providenciar uma suficiente resolução para distinguir características do terreno, reconhecer e identificar potenciais alvos do inimigo. b. Verificação de ameaças e tratados de não proliferação A necessidade de monitorar se outras nações estão cumprindo tratados de não proliferação de armas nucleares, químicas e biológicas vem crescendo drasticamente. Muitas vezes, o monitoramento é possível somente em períodos específicos, quando sobrevoos são permitidos. Porém é necessário manter a capacidade de monitoramento em condições climáticas adversas ou à noite, para assegurar que o inimigo não está se valendo dessas condições para esconder determinada atividade. O SAR provém esta capacidade em todas as condições climáticas e complementa informações disponíveis em outros sensores embarcados, como sensores óticos, termais e infravermelhos. c. Navegação e guiamento Um sistema de navegação georeferenciado pode ser implementado correlacionando a imagem obtida do terreno por um SAR com referências armazenadas (fotografias óticas ou imagens SAR previamente geradas). Dessa maneira, um SAR pode gerar a imagem de um alvo e guiar uma munição com alta precisão.

7 7 d. Penetração de folhagens e solo O Radar de Abertura Sintética oferece a capacidade de penetração em materiais oticamente opacos, ou que não são visíveis usando técnicas óticas ou infravermelhas. A baixa frequência utilizada pelo SAR, sob determinadas condições, pode penetrar folhagens e até mesmo o solo. Isto permite imagear alvos normalmente escondidos sob árvores, arbustos, e alguns tipos de coberturas terrestres. Para se obter a penetração adequada em folhagens e solo, o SAR deve operar em frequências relativamente baixas (de 10 MHz a 1 GHz). 5. CONCLUSÃO Como foi apresentado neste artigo, o emprego do radar de abertura sintética se faz fundamental para o levantamento de informações táticas em qualquer teatro de operações e na busca de informações estratégicas. No cenário atual, torna-se imperativo o conhecimento e o domínio de tecnologias avançadas como o SAR, visando manter a soberania nacional. É interessante ressaltar que são poucos os países no mundo que detém a tecnologia do SAR, entretanto o Brasil já possui desenvolvimento próprio e com resultados extremamente satisfatórios, com resoluções da casa de 1 metro. REFERÊNCIAS [1] ROCHA, Alexandre Barboza. A Guerra Eletrônica na Era da Informação. Informativo Antiaéreo Publicação Científica, Nr 03. Brigada de Artilharia Antiaérea e Escola de Artilharia de Costa Antiaérea [2] SHORT, Dr. Nicholas M. Remote Sensing Tutorial. Disponível em: <http://rst.gsfc.nasa.gov/>. Acessado em 07 Out [3] SKOLNIK, Merryll. Radar Handbook. 3ª Edição. Mc Graw Hill Books [4] RIBEIRO, Luciano Melo R.. Radar SAR Conhecendo a Tecnologia Israelense em Radares de Abertura Sintética. Revista Força Aérea, Nr 23. Action Editora

8 8 [5] JUNIOR, Ali Kamel Issmael. Aplicações Operacionais do Radar de Abertura Sintética (SAR) e da câmera Infravermelha de Visada Direta (FLIR): um quadro comparativo e implementações futuras. VIII Simpósio de Guerra Eletrônica

Sistemas Sensores. Introdução

Sistemas Sensores. Introdução Sistemas Sensores 5ª Aulas Introdução O sol foi citado como sendo uma fonte de energia ou radiação. O sol é uma fonte muito consistente de energia para o sensoriamento remoto (REM). REM interage com os

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO 04/04/2013 Leonardo Scharth Loureiro Silva Sumário 1 Fundamentos básicos de Sensoriamento Remoto 2 Levantamento aerofotogramétrico para fins de cadastro

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber SENSORIAMENTO REMOTO Revisão de conteúdo Prof. Marckleuber Engenharia de Agrimensura - 2013 SENSORIAMENTO REMOTO - Conceitos De um modo geral, o Sensoriamento Remoto pode ser definido como: O conjunto

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe Cap João André França da Silva 1 RESUMO O presente trabalho visa apresentar alguns aspectos relacionados a modernização da artilharia antiaérea. Esta modernização

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 1 2 PROCESSAMENTO DE IMAGENS espectro visível

Leia mais

Vigilância Industrial

Vigilância Industrial Vigilância Industrial Câmeras Obzerv com Seleção de Profundidade Ativa (ARGC) ARGC-750 ARGC-2400 ARGC-2400 thermovision 2 APLICAÇÕES Vigilância de perímetro e proteção contra terroristas e invasores Proteção

Leia mais

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO 1 SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO VISÃO GERAL O Sistema de Rastreio Óptico, ou simplesmente SISROT, foi desenvolvido com o objetivo de rastrear foguetes nos primeiros instantes de

Leia mais

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU d 1 diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 diâmetro da fibra óptica (núcleo + casca) de 125 µm a 280 µm (tipicamente 125 µm)

Leia mais

Características das Imagens de SAR

Características das Imagens de SAR Características das Imagens de SAR Natural Resources Ressources naturelles Canada Canada Características das Imagens de SAR - Tópicos - Elementos de interpretação Tonalidade Textura Artefatos em imagens

Leia mais

www.omnisys.com.br Importância da FAPESP na história da Omnisys

www.omnisys.com.br Importância da FAPESP na história da Omnisys www.omnisys.com.br Importância da FAPESP na história da Omnisys 1 / Sumário 1. Quem somos nós? 2. Nossas instalações 3. Distribuição de receita 4. Áreas de atuação 5. A importância da FAPESP 6. Conclusão

Leia mais

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015 SENSORES REMOTOS Daniel C. Zanotta 28/03/2015 ESTRUTURA DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 COMPONENTES DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 LANÇAMENTO FOGUETES DE LANÇAMENTO SISTEMA SENSOR TIPOS DE SENSORES

Leia mais

Livro: Imagens de Satélite para Estudos Ambientais Autor: Teresa Gallotti Florenzano. Capítulo 1: IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO

Livro: Imagens de Satélite para Estudos Ambientais Autor: Teresa Gallotti Florenzano. Capítulo 1: IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO Livro: Imagens de Satélite para Estudos Ambientais Autor: Teresa Gallotti Florenzano Capítulo 1: IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO Os sensores instalados em satélites artificiais são o resultado

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

Figura 2.1: Coordenadas esféricas

Figura 2.1: Coordenadas esféricas 2 Conceitos Radar Neste capítulo serão tratados os conceitos necessários para se entender um sistema radar. É preciso entender quais são as principais medidas que um radar detecta, quais são os componentes

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II Profa. Adriana Goulart dos Santos Aerofotogrametria Fotogrametria é a ciência aplicada que se propõe a registrar,

Leia mais

O Radar Meteorológico

O Radar Meteorológico O Radar Meteorológico Demilson Quintão PY2UEP Bauru, 2014 1 Previsão Meteorológica 1-Climática: indica tendência das estações em escalas regionais, continentais, globais. 2-Previsão Meteorológica comum

Leia mais

Radar de Abertura Real, RAR, apresenta resolução espacial pobre me range e azimute. Solução = Usar SAR

Radar de Abertura Real, RAR, apresenta resolução espacial pobre me range e azimute. Solução = Usar SAR João Vianei Soares Fundamentos de Radar Página nº 36 Como SAR funciona... Radar de Abertura Real, RAR, apresenta resolução espacial pobre me range e azimute Solução = Usar SAR SAR é uma técnica de processamento

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto por RADAR

Introdução ao Sensoriamento Remoto por RADAR Introdução ao Sensoriamento Remoto por RADAR Natural Resources Ressources naturelles Canada Canada Introdução ao Sensoriamento Remoto por RADAR -Sinopse do curso- Por que usar RADAR em Sensoriamento Remoto?

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO

NOÇÕES BÁSICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL NOÇÕES BÁSICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário

Leia mais

Realização. Apoio. Patrocínio

Realização. Apoio. Patrocínio Realização Apoio Patrocínio Ações Indutoras na Área de Defesa MCT/FINEP 4ª CNCTI AÇÕES FINEP NA ÁREA DE VANT Seminário Internacional de Veículos Aéreos Não Tripulados A Missão da FINEP Promover e financiar

Leia mais

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria Geomática Aplicada à Engenharia Civil 1 Fotogrametria Conceitos 2 Segundo Wolf (1983), a Fotogrametria pode ser definida como sendo a arte, a ciência e a tecnologia de se obter informações confiáveis de

Leia mais

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE-13139-PRE/8398 SENSORIAMENTO REMOTO Tania Sausen Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE São José dos Campos 2005 MEIO AMBIENTE E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS 8 Sensoriamento Remoto Tania Sauzen

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Processamento de Imagem Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Visão Humana Sistema complexo Conceitos Básicos e Terminologia

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto Definição; Breve Histórico; Princípios do SR; Espectro Eletromagnético; Interação Energia com a Terra; Sensores & Satélites; O que é Sensoriamento

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS DO SISTEMA LASER

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS DO SISTEMA LASER INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS DO SISTEMA LASER Leonardo Ercolin Filho Engefoto Engenharia e Aerolevantamentos S.A. Consultoria de Pesquisas e Tecnologias leonardoercolin@engefoto.com.br Fone: +55 41 3071 4252

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Exemplo da Importância do Sistema Metrológico na Área de P&D

Exemplo da Importância do Sistema Metrológico na Área de P&D CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL INSTITUTO DE AERONÁUTICA E ESPAÇO entro Técnico Aerospacial CTA Instituto de Aeronáutica e Espaço Exemplo da Importância do Sistema Metrológico na Área de P&D Mirabel Cerqueira

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

Sensoriamento 55. Este capítulo apresenta a parte de sensores utilizados nas simulações e nos

Sensoriamento 55. Este capítulo apresenta a parte de sensores utilizados nas simulações e nos Sensoriamento 55 3 Sensoriamento experimentos. Este capítulo apresenta a parte de sensores utilizados nas simulações e nos 3.1. Sensoriamento da Simulação O modelo de robô utilizado neste trabalho é o

Leia mais

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2 2- Câmaras Fotogramétricas Generalidades (fotografia) Elementos Fotografia aérea Espectro Eletromagnético 1 Fotogrametria é a arte, ciência, e tecnologia de obtenção

Leia mais

O SENSORIAMENTO REMOTO E SUAS TÉCNICAS DE ANÁLISE: UMA COMPARAÇÃO ENTRE NOVAS E VELHAS TECNOLOGIAS, UM ESTUDO DE CASO SOBRE A TECNOLOGIA LIDAR.

O SENSORIAMENTO REMOTO E SUAS TÉCNICAS DE ANÁLISE: UMA COMPARAÇÃO ENTRE NOVAS E VELHAS TECNOLOGIAS, UM ESTUDO DE CASO SOBRE A TECNOLOGIA LIDAR. O SENSORIAMENTO REMOTO E SUAS TÉCNICAS DE ANÁLISE: UMA COMPARAÇÃO ENTRE NOVAS E VELHAS TECNOLOGIAS, UM ESTUDO DE CASO SOBRE A TECNOLOGIA LIDAR. (O mapeamento de território através das arvores). Diogo Caio

Leia mais

Imagens de Satélite (características):

Imagens de Satélite (características): Imagens de Satélite (características): São captadas por sensores electro ópticos que registam a radiação electromagnética reflectida e emitida pelos objectos que se encontram à superfície da terra através

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo IFRS Campus POA Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite Prof. Sergio Mittmann Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira Caroline Silva Tolfo Claudia Silva Machado Marcelo Lucas A Fibra Óptica é um filamento extremamente

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA x = Como pode cair no enem (ENEM) Os radares comuns transmitem micro-ondas que refletem na água, gelo e outras partículas na atmosfera. Podem, assim,

Leia mais

Fotografia aérea e foto-interpretação

Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografias aéreas e foto-interpretação são elementos e técnicas de trabalho fundamentais para um conhecimento aprofundado do território e para a elaboração ou actualização

Leia mais

Atividade experimental - Produzindo e detectando ondas eletromagnéticas

Atividade experimental - Produzindo e detectando ondas eletromagnéticas Atividade experimental - Produzindo e detectando ondas eletromagnéticas Como você já sabe, de todos os tipos de radiação conhecidos, o homem consegue enxergar apenas uma pequena parte: a chamada luz visível.

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg.

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg. UFSM-CTISM Comunicação de Dados - Exemplos práticos Aula-05 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Meio de é o caminho físico entre o transmissor e o receptor. Como visto numa aula anterior

Leia mais

Lúcio Ma>as Eng. Diretor Lucio.ma>as@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br

Lúcio Ma>as Eng. Diretor Lucio.ma>as@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br Lúcio Ma>as Eng. Diretor Lucio.ma>as@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br Carlos Jamel Biólogo, Diretor cjamel@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br Webinar - A Invasão dos VANTs 13/08/2012

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão não guiados

Camada Física: Meios de transmissão não guiados Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Meios de transmissão não guiados Transmissão sem Fio Pessoas cada vez mais dependente das redes; Alguns especialistas afirmam

Leia mais

SIGNIFICADO DO COTIDIANO SIGNIFICADO DA FÍSICA

SIGNIFICADO DO COTIDIANO SIGNIFICADO DA FÍSICA SIGNIFICADO DO COTIDIANO SIGNIFICADO DA FÍSICA O QUE É A LUZ? Se alguém lançar uma pedra sobre um local que contenha água parada, como uma piscina, perceberá a formação de circunferências que sairão do

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S D E S E N S O R I A M E N T O R E M O T O E l i s a b e t e C a r i a d e M o r a e s 1 INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS-INPE 1 e.mail : bete@ltid.inpe.br

Leia mais

MARINHA DO BRASIL INSTITUTO DE PESQUISAS DA MARINHA CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO. Nossa meta é desenvolver tecnologias necessárias à Marinha

MARINHA DO BRASIL INSTITUTO DE PESQUISAS DA MARINHA CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO. Nossa meta é desenvolver tecnologias necessárias à Marinha MARINHA DO BRASIL INSTITUTO DE PESQUISAS DA MARINHA Nossa meta é desenvolver tecnologias necessárias à Marinha CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO COMANDANTE DA MARINHA Almirante-de-Esquadra Júlio Soares de Moura

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) no contexto do monitoramento agrícola Lúcio André de Castro Jorge

Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) no contexto do monitoramento agrícola Lúcio André de Castro Jorge Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) no contexto do monitoramento agrícola Lúcio André de Castro Jorge lacjorge@gmail.com VANTS NA AGRICULTURA Vantagens sobre aeronaves convencionais e satélites Custo

Leia mais

Nos links abaixo você encontrará maiores informações sobre o AirVIEW: página do produto software de instalação simulador web do AirVIEW

Nos links abaixo você encontrará maiores informações sobre o AirVIEW: página do produto software de instalação simulador web do AirVIEW AIRVIEW 2 - O Analisador espectro AirVIEW da Ubiquiti Networks é uma ferramenta que permite ao administrador de redes wireless determinar canais sobrecarregados e possíveis fontes de interferência que

Leia mais

ISRAEL at LAAD 2013. Dsit Solutions Ltd.

ISRAEL at LAAD 2013. Dsit Solutions Ltd. Dsit Solutions Ltd. Ao longo das duas últimas décadas, a DSIT Solutions tem desenvolvido e empregado as tecnologias mais modernas para criar avançados sistemas de sonar e aplicações em comando e controle

Leia mais

RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br

RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br Graduado em Sistemas de Informação FASAM Mestrado em andamento em Ciência da Computação INF/UFG PRIMEIROS PASSOS Surgiu na Segunda Guerra

Leia mais

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS 2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS Neste capítulo vamos apresentar um breve estudo de técnicas e sistemas de detecção de vazamentos mais utilizados atualmente. Nosso objetivo é demonstrar que

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 2 espectro visível ultravioleta Sol infravermelho

Leia mais

O 3DLevelScanner II da APM incorpora

O 3DLevelScanner II da APM incorpora 3DLevelScanner II O 3DLevelScanner II da APM incorpora tecnologia avançada para a medição precisa de sólidos a granel e pós armazenados em silos e compartimentos abertos de todos os tipos, formatos e tamanhos,

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Questão 02 - A distância média de Goiânia a Taguatinga é de 200 km. Se um automóvel gasta 2,5h para fazer a viagem, sua velocidade média será de:

Questão 02 - A distância média de Goiânia a Taguatinga é de 200 km. Se um automóvel gasta 2,5h para fazer a viagem, sua velocidade média será de: Questão 01 - Uma estrela emite radiação que percorre a distância de 1 bilhão de anos-luz até chegar à Terra e ser captada por um telescópio. Isto quer dizer que: a) A estrela está a 1 bilhão de km da Terra.

Leia mais

COMUNICAÇÕES VIA SATÉLITE. Prof. MSc. Sandro M Malta

COMUNICAÇÕES VIA SATÉLITE. Prof. MSc. Sandro M Malta COMUNICAÇÕES VIA SATÉLITE Prof. MSc. Sandro M Malta Satélite Definição É chamado de satélite todo objeto que gira em torno de outro objeto. Ele é classificado em dois tipos: satélite natural satélite artificial.

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

EXERCÍCIOS Introdução

EXERCÍCIOS Introdução FACULDADE PITÁGORAS Curso Superior em Tecnologia: Redes de Computadores REDES SEM FIO Prof. Ulisses Cotta Cavalca EXERCÍCIOS Introdução Belo Horizonte/MG 2015 1. A tecnologia

Leia mais

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO Peterson Ricardo Fiorio Definição: Sensoriamento Remoto É a ciência ou a arte de se obterem informações sobre um objeto, área ou fenômeno, através de dados coletados

Leia mais

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio 1 Introdução O estudo da propagação óptica no espaço livre recebeu considerável impulso após a Segunda Guerra Mundial com a descoberta do laser. Os cientistas iniciaram diversas pesquisas nessa área com

Leia mais

FANTASMA C-47 em combate no Século XXI

FANTASMA C-47 em combate no Século XXI FANTASMA C-47 em combate no Século XXI Roberto Portella Bertazzo, Bacharel em História pela UFJF e Membro da Sociedade Latino Americana de Historiadores Aeronáuticos (LAAHS) Membro de Centro de Pesquisas

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

A Guerra Eletrônica no Mundo

A Guerra Eletrônica no Mundo O ENSINO DE GUERRA ELETRÔNICA NO CIGE Perspectivas para o futuro Pedro Eduardo de Sousa Dias, Cap Com Ch Sec Psq do CIS Flávio Oliveira da Silva Netto, Cap Com Instr CIGE A Guerra Eletrônica no Mundo Nos

Leia mais

Câmera CFTV Digital Sem Fio

Câmera CFTV Digital Sem Fio Câmera CFTV Digital Sem Fio Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

PRÉ-VESTIBULAR Física

PRÉ-VESTIBULAR Física PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: Exercícios Fenômenos Lista de sites com animações (Java, em sua maioria) que auxiliam a visualização de alguns fenômenos: Reflexão e refração:

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2015. (Do Senhor Otavio Leite)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2015. (Do Senhor Otavio Leite) PROJETO DE LEI N.º, DE 2015 (Do Senhor Otavio Leite) Estabelece regras sobre o licenciamento e operação de veículos aéreos não tripulados (VANT s) e aeronaves remotamente pilotadas (ARP s), bem como os

Leia mais

O SISTEMA DE IMAGENS E INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS. DO EXÉRCITO ( SIMAGEx) Gen Div PAIVA DE SÁS

O SISTEMA DE IMAGENS E INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS. DO EXÉRCITO ( SIMAGEx) Gen Div PAIVA DE SÁS e 1 2º ENCONTRO DE USUÁRIOS DE SENSORIAMENTO REMOTO O SISTEMA DE IMAGENS E INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS DO EXÉRCITO ( ) Gen Div PAIVA DE SÁS Diretor do Serviço Geográfico e 2 Introdução Objetivos Visão Contextual

Leia mais

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Projeto de Engenharia Ambiental Sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Sensoriamento

Leia mais

O GPS IKE 1000 oferece velocidade, segurança e verificação. Com este equipamento a carga de trabalho e tempo dispendidos são minimizados devido a:

O GPS IKE 1000 oferece velocidade, segurança e verificação. Com este equipamento a carga de trabalho e tempo dispendidos são minimizados devido a: Os equipamentos IKE 1000 são equipamentos GPS de elevada precisão, robustos, adequados para recolher diferentes tipos de informação no campo, tais como dados geoespaciais com informação alfanumérica associada,

Leia mais

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira São Cristóvão/SE 2010 Elaboração de Conteúdo José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira Projeto Gráfico e Capa Hermeson Alves de Menezes

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes Sem Fio Fabricio Breve Tipos de transmissão sem fio Rádio Infravermelho Laser Aplicações Em ambientes internos: Ideal para situações onde não é possível utilizar cabeamento

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão guiados. Meios de transmissão guiados Fibra óptica

Camada Física: Meios de transmissão guiados. Meios de transmissão guiados Fibra óptica Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Fibra Óptica Mas afinal de onde veio essa ideia de transmitir dados no vidro? Isso é coisa de Extraterrestre! 1 O termo Fibra

Leia mais

Biofísica Bacharelado em Biologia

Biofísica Bacharelado em Biologia Biofísica Bacharelado em Biologia Prof. Dr. Sergio Pilling PARTE A Capítulo 4 Luz como uma onda, refração, polarização, difracão e interferência. Formação de imagens e instrumentos óticos. Objetivos: Nesta

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO É importante tomarmos consciência de como estamos imersos em ondas eletromagnéticas. Iniciando pelos Sol, a maior e mais importante fonte para os seres terrestres, cuja vida depende do calor

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

Soluções em Imagens da Terra para Uso. Cooporativo TÍTULO APRESENTAÇÃO. aplicações do mapeamento 3D a partir de

Soluções em Imagens da Terra para Uso. Cooporativo TÍTULO APRESENTAÇÃO. aplicações do mapeamento 3D a partir de Soluções em Imagens da Terra para Uso TÍTULO APRESENTAÇÃO Cooporativo CURITIBA MÊS / 2010 Novas aplicações do mapeamento 3D a partir de laser imagens Marco Antônio Néia CONCEITOS Tecnologia: LASER (Light

Leia mais

Professora Florence. Resposta:

Professora Florence. Resposta: 1. (G1 - ifsp 2012) Ondas eletromagnéticas só podem ser percebidas pelos nossos olhos quando dentro de determinada faixa de frequência. Fora dela não podem ser vistas, apesar de ainda poderem ser detectadas

Leia mais

Informativo de Segurança e Saúde

Informativo de Segurança e Saúde Informativo de Segurança e Saúde 03/2010 Introdução: O Grupo Técnico de Estudos de Espaços Confinados GTEEC, coordenado pela CPFL Energia e ligado ao Comitê de Segurança e Saúde no Trabalho - CSST da Fundação

Leia mais

Foscam é Referência Mundial

Foscam é Referência Mundial INSTITUCIONAL Foscam é Referência Mundial A FOSCAM foi fundada em 2007 com o objetivo de fornecer ao mercado câmeras de monitoramento de vídeo por IP com alta qualidade a preços competitivos, tornando

Leia mais

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá 1. ALTA RESOLUÇÃO Câmeras baseadas em IP não estão restritas à baixa resolução das câmeras

Leia mais

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Antonio Vivaldi Rodrigues Diretor de Engenharia CelPlan 2/32 Í N D I C E 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 2. INTRODUÇÃO... 6 3. SETUP

Leia mais

MOTO LINK VÍDEO MONITORAMENTO DIGITAL. Divisão Relm Monitoramento. Divisão Relm Monitoramento

MOTO LINK VÍDEO MONITORAMENTO DIGITAL. Divisão Relm Monitoramento. Divisão Relm Monitoramento MOTO LINK VÍDEO MONITORAMENTO DIGITAL 3G NOV/2014 MULTI-APLICAÇÕES OPERADORA CDMA/EDGE/GPRS/3G INTERNET CENTRAL DE MONITORAMENTO Evento / Foto ilustrativa Evento / Foto ilustrativa Software de Reprodução

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Objetivos: Camada física

Leia mais

Demonstração da técnica de detecção sensível à fase: uma aplicação óptica. Davi R. Ortega, Túlio C. Rizuti da Rocha Orientador: Flávio Caldas da Cruz

Demonstração da técnica de detecção sensível à fase: uma aplicação óptica. Davi R. Ortega, Túlio C. Rizuti da Rocha Orientador: Flávio Caldas da Cruz Demonstração da técnica de detecção sensível à fase: uma aplicação óptica I - Introdução Davi R. Ortega, Túlio C. Rizuti da Rocha Orientador: Flávio Caldas da Cruz No relatório parcial, mostramos a teoria

Leia mais

Astrofotografia do sistema solar

Astrofotografia do sistema solar Astrofotografia do sistema solar Jéssica de SOUZA ALVES 1 ; Mayler MARTINS 2 1 Estudante do curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio, Bolsista de Iniciação Científica Júnior (PIBICJr) FAPEMIG.

Leia mais

S I S F R O N SISTEMA INTEGRADO DE MONITORAMENTO DE FRONTEIRAS C R E D N / C D. 06 Mai 14 SENSORES

S I S F R O N SISTEMA INTEGRADO DE MONITORAMENTO DE FRONTEIRAS C R E D N / C D. 06 Mai 14 SENSORES S I S F R O N C R E D N / C D 06 Mai 14 SENSORES SISTEMA INTEGRADO DE MONITORAMENTO DE FRONTEIRAS O SISFRON é um sistema de sensoriamento, apoio à decisão e apoio à atuação integrada, para fortalecer a

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Designação de Aerovias ROTAS CONTINENTAIS: São aerovias traçadas sobre o continente ligando pontos e/ou auxílios de

Leia mais