(Regulamentação do D.L. N.º 68/2002, de 25 de Março)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(Regulamentação do D.L. N.º 68/2002, de 25 de Março)"

Transcrição

1 PROCEDIMENTOS DE LICENCIAMENTO DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE MICROPRODUÇÃO COM AUTOCONSUMO DO GRUPO II Aprovados por Despacho do Director-Geral de Energia, de 29 de Outubro de (Regulamentação do D.L. N.º 68/2002, de 25 de Março) 1 - Definições Microgerador equipamento principal autónomo de produção de energia: motores, microturbinas ou pilhas de combustível, que utilizem geradores síncronos, geradores assíncronos, painéis solares fotovoltaicos e outros equipamentos autónomos de produção de energia eléctrica; Instalação de produção conjunto ou conjuntos de equipamentos principais (microgeradores) e auxiliares de produção e consumo de energia e obras que os servem pertencentes ao produtor-consumidor, incluindo, quando necessário, as linhas directas de cedência de energia eléctrica a terceiros; Para efeitos de licenciamento as instalações de microprodução com autoconsumo classificam-se em dois Grupos: Grupo I - Microprodução com autoconsumo com injecção na rede pública de BT até 16 A por fase (3,68 kva em monofásico e 11,04 kva em trifásico); Grupo II - Microprodução com autoconsumo com injecção na rede pública de BT superior a 16 A por fase (3,68 kva em monofásico e 11,04 kva em trifásico) e potência máxima não superior a 150 kw; Produtor-consumidor entidade detentora de uma ou mais instalações de produção nos termos do DL n.º68/2002, de 25 de Março; Ponto de ligação ponto que separa a instalação de produção da rede pública; Ponto de recepção Ponto da rede do SEP, existente ou previsto à data do pedido de ligação, onde se vai ligar o ramal da instalação de produção; Potência de ligação potência activa máxima que o produtor-consumidor pode injectar na rede do SEP; SEP Sistema eléctrico de Serviço Público; SEI Sistema Eléctrico Independente. 1

2 2 - Base legal aplicável O licenciamento e a execução de instalações eléctricas de produção tem como suporte legal a seguinte legislação: - Regulamento de Licenças para Instalações Eléctricas (Decreto-Lei n.º 26852, de 30 de Julho de 1936, alterado pelo Decreto-Lei n.º 446/76 de 5 de Junho, pelo Decreto-Lei n.º 517/80, de 31 de Outubro e outros); - Guia Técnico das Instalações de Produção Independente de Energia Eléctrica, aprovado pela D.G.E., constituindo, em conjugação com as regras previstas nos diplomas aplicáveis à cogeração e à produção de energia eléctrica através do recurso a energias renováveis, as normas técnicas e de segurança das instalações eléctricas de microprodução com autoconsumo do Grupo II; - Decreto-Lei n.º 68/2002, de 25 de Março, que regula o exercício da actividade de produção de energia eléctrica em baixa tensão, desde que a potência a entregar à rede pública não seja superior a 150 kw, e o consumo próprio, ou o fornecimento a terceiros, seja pelo menos 50% da energia eléctrica produzida. Não são aplicáveis a estas instalações eléctricas as disposições do Decreto-Lei n.º 517/80, de 31 de Outubro. 3 - Procedimentos de Licenciamento O licenciamento de uma instalação eléctrica de Microprodução com autoconsumo do Grupo II (com injecção na rede pública de BT superior a 16 A por fase e potência máxima não superior a 150 kw), deve observar o seguinte: Condições de licenciamento A entidade que requer o licenciamento da unidade de microprodução deve ser a entidade que também é consumidora de energia eléctrica (Produtor-consumidor); A entidade licenciadora (DRE) deverá analisar e validar o projecto em termos de balanço entre a energia eléctrica produzida versus a energia eléctrica consumida, para efeitos da verificação do disposto no n.º 2 do Art.º. 2 do D.L. n.º 68/2002, de 25 de Março; 2

3 A entidade licenciadora (DRE) deverá indicar na licença de estabelecimento o limite máximo da energia eléctrica que o produtor pode vender à rede pública, nos termos do D.L. n.º 68/2002, de 25 de Março (Anexo 8); Admite-se que o produtor-consumidor possa vender à rede mais energia do que a prevista do D.L. n.º 68/2002, de 25 de Março, desde que acorde com a EDP Distribuição a respectiva tarifa e demais cláusulas contratuais; Após a emissão da licença de estabelecimento as DRE devem enviar uma cópia à EDP Distribuição ; A venda de energia eléctrica a terceiros, deverá ser efectuada através de uma alimentação directa e exclusiva (linha directa mencionada na definição de instalação de produção), não sendo admitido que esses terceiros estejam ligados à rede pública ou utilizem as instalações colectivas dos edifícios e entradas; Quando houver venda a terceiros, estes passarão a ser alimentados na totalidade pelo produtor-consumidor, podendo este adquirir à rede pública a energia necessária para complementar o fornecimento a esses terceiros, incluindo a energia a fornecer durante os tempos de indisponibilidade da instalação de produção; Em alternativa ao disposto em 3.1.7, a utilização da rede pública para venda de energia eléctrica a terceiros será admitida nas condições que futuramente vierem a ser estabelecidas pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, no Regulamento do Acesso às Redes e às Interligações Documentos para o licenciamento de uma instalação de microprodução com autoconsumo do 2º Grupo Requerimento de Licença de Estabelecimento dirigido ao Director Regional do Ministério da Economia (Anexo 1); 3

4 Ficha de INFORMAÇÕES PARA PROJECTO, com informação fornecida pelo distribuidor público de energia eléctrica referente à potência de ligação, tensão, ponto de recepção, potência de curto-circuito mínima, ramal de ligação, ponto de ligação, regime de neutro compatível com a rede pública e dispositivos de segurança (Anexo 2); Comprovativo do licenciamento municipal, ou da isenção, das edificações da instalação de utilização; Termo de responsabilidade pelo projecto das instalações de produção- -consumo e eventual rede de venda de energia a terceiros (Anexo 3); Projecto eléctrico, em duplicado, incluindo os seguintes elementos: a) Ficha de identificação do projecto (Anexo 4); b) Memória descritiva e justificativa indicando a natureza, importância, função e características das instalações de utilização, de produção- -consumo e as de eventuais terceiros consumidores, as condições gerais do seu estabelecimento e da sua exploração, sistema de ligação à terra compatível com a do distribuidor público, as disposições principais do equipamento de produção de energia eléctrica (microgeradores), origem e destino da energia a produzir, as características dos aparelhos de protecção contra sobreintensidades, sobretensões, poder de corte e os respectivos cálculos; c) Descrição, tipos e características dos equipamentos de produção de energia eléctrica (microgeradores), aparelhagem de corte e protecção, bem como a indicação das Normas e certificação a que obedecem; d) Planta geral de localização da instalação, devidamente assinalada, em escala não inferior a 1/25 000; e) Planta com implantação de toda a instalação do produtor-consumidor e de eventuais terceiros, em escala não inferior a 1/2000; f) Plantas, alçados e cortes, em escala não inferior a 1/200, da instalação com a disposição do equipamento de produção, da interligação e de toda a instalação de utilização consumidora, com pormenor suficiente para se verificar o cumprimento das disposições regulamentares de segurança; 4

5 g) Esquemas unifilares dos quadros e esquemas eléctricos gerais das instalações, com indicação de todos os aparelhos de medida, contagem, protecção, comando e características dos cabos e condutores Todas as peças do projecto serão rubricadas pelo técnico responsável, à excepção da última peça escrita, onde deverá constar a assinatura, o nome por extenso e as referências da sua inscrição no Ministério da Economia As peças escritas e desenhadas que constituem o projecto deverão ter dimensões normalizadas, ser elaboradas e dobradas de acordo com as normas em vigor e regras da técnica e serem numeradas sequencialmente Cada exemplar do projecto deve ser capeado, devidamente fixado e disposto por forma a permitir a fácil consulta Quando se tratar de ampliação ou alteração de instalação de utilização já existente deverá ser indicado, tanto nas peças escritas como desenhadas, a interligação entre a instalação existente e a ampliação ou alteração objecto do projecto e apresentado comprovativo da certificação de exploração da instalação eléctrica existente Entrada em exploração Após a execução da instalação, de acordo com o projecto aprovado e eventuais cláusulas de aprovação, deverão ser apresentados: a) Requerimento de Vistoria - (Anexo 5); b) Termo de Responsabilidade pela Execução da Instalação - (Anexo 6); c) Termo de Responsabilidade pela Exploração das Instalações - (Anexo 7); d) Ficha de Execução - (Modelo nº 936 da IN-CM); e) Relatório tipo do Técnico Responsável - (Modelo 937 da IN-CM); f) Fotocópia do contrato de prestação de serviços (anexo IV do Dec. Reg. 31/83, de 18-4), ou declaração assinada pelo técnico responsável e o requerente, a atestar que foi cumprido o prescrito no artigo 23º. do Estatuto do Técnico Responsável por Instalações Eléctricas de Serviço Particular; g) Comprovativo da inscrição do instalador no IMOPPI. 5

6 A entrada em exploração só poderá ter início após a realização de vistoria aprovativa e emissão da respectiva Licença de Exploração. 4 Medição da energia vendida ao SEP Cliente alimentado directamente pela rede pública BT com Potência contratada não superior a 41,40 kva Neste caso, a contagem da energia eléctrica consumida na instalação de utilização (cliente) é feita por meio de um contador de energia activa de ligação directa e o controlo da potência contratada é feito por meio de um disjuntor de entrada calibrado para a corrente correspondente a essa potência. Quando esse cliente passar a Produtor, deve ser suprimido o disjuntor de entrada, a fim de permitir ao Produtor injectar, na rede, a potência que pretenda, com respeito pela regra legal de consumir (ou vender a terceiros e consumir) um mínimo de 50 % da energia produzida. O controlo da potência contratada deve passar a ser feito por um contador que permita a medição da ponta tomada em 15 min, pelo que deve ser substituído o antigo (ou colocado, se se tratar de um novo cliente, um contador com estas características) 6

7 Na localização do Órgão de Corte de Segurança (aparelho da responsabilidade do Produtor mas que deve ser permanentemente acessível ao pessoal do Distribuidor, destinado a isolar a instalação de Produção para operações de manutenção na rede de distribuição) pode optar-se por colocá-lo num invólucro situado no limite da propriedade, do lado da via pública, em local permanentemente acessível ou, por acordo entre as partes, localizá-lo na portinhola que alimenta a instalação, substituindo os fusíveis que normalmente equipam as portinholas por interruptores-fusíveis com poder de corte adequado. Para permitir o consumo de energia pelas instalações de utilização do produtor-consumidor ou dos seus clientes, quando, por razões de segurança do pessoal do Distribuidor, não seja conveniente a injecção de energia do microgerador na rede de distribuição pública, poderá optar-se por substituir o Órgão de Corte de Segurança por um dispositivo de comando à distância, do Órgão de Corte da Interligação. Este dispositivo de comando à distância, a instalar num local apenas acessível ao pessoal do Distribuidor, deve garantir o encravamento do Órgão de Corte da Interligação, na posição de aberto, bem como permitir a sua religação mediante manobra intencional apenas realizável pelo pessoal do Distribuidor. Deve ser obtida a aprovação prévia do Distribuidor para o tipo e localização do dispositivo de comando a distância a usar e para a forma de garantir a sua inacessibilidade a terceiros. A medição da energia entregue ao SEP deve ser feita por meio de um contador idêntico ao do distribuidor (mas propriedade do Produtor). Deve ainda existir um outro contador que permita a medição da energia total produzida pela instalação de produção e de cujos registos o produtor deve dar conhecimento à entidade licenciadora da instalação para efeitos de controlo da relação entre as energias produzida e entregue ao SEP. As instalações de utilização alimentadas por este Produtor (clientes aos quais ele vende parte da energia produzida) devem ser alimentadas por meio de circuitos provenientes dos QGBT ou do QGG ( linhas directas ), podendo ser usada a rede pública apenas quando o Regulamento do Acesso às Redes e às Interligações o permitir e no respeito pelas condições que aí forem estabelecidas. 7

8 4.2 - Cliente alimentado directamente pela rede pública BT com Potência contratada superior a 41,40 kva Neste caso, a contagem da energia eléctrica consumida na instalação de utilização (cliente) é feita por meio de um contador de energia activa com dispositivo de medição da potência tomada num período de 15 min e de um contador da energia reactiva, com ligação a Transformadores de Corrente. Na localização do Órgão de Corte de Segurança (aparelho da responsabilidade do Produtor mas que deve ser permanentemente acessível ao pessoal do Distribuidor, destinado a isolar a instalação de Produção para operações de manutenção na rede de distribuição) pode optar-se por colocá-lo num invólucro situado no limite da propriedade, do lado da via pública, em local permanentemente acessível ou, por acordo entre as partes, localizá-lo na portinhola que alimenta a instalação, substituindo os fusíveis que normalmente equipam as portinholas por interruptores-fusíveis com poder de corte adequado. 8

9 Para permitir o consumo de energia pelas instalações de utilização do produtor-consumidor ou dos seus clientes, quando, por razões de segurança do pessoal do Distribuidor, não seja conveniente a injecção de energia do microgerador na rede de distribuição pública, poderá optar-se por substituir o Órgão de Corte de Segurança por um dispositivo de comando à distância, do Órgão de Corte da Interligação. Este dispositivo de comando à distância, a instalar num local apenas acessível ao pessoal do Distribuidor, deve garantir o encravamento do Órgão de Corte da Interligação, na posição de aberto, bem como permitir a sua religação mediante manobra intencional apenas realizável pelo pessoal do Distribuidor. Deve ser obtida a aprovação prévia do Distribuidor para o tipo e localização do dispositivo de comando a distância a usar e para a forma de garantir a sua inacessibilidade a terceiros. A medição da energia entregue ao SEP deve ser feita por meio de contadores idênticos aos do distribuidor (mas propriedade do Produtor) ligados aos mesmos Transformadores de Corrente. Deve ainda existir um outro contador que permita a medição da energia total produzida pela instalação de produção e de cujos registos o produtor deve dar conhecimento à entidade licenciadora da instalação para efeitos de controlo da relação entre as energias produzida e entregue ao SEP. As instalações de utilização alimentadas por este Produtor (clientes aos quais ele vende parte da energia produzida) devem ser alimentadas por meio de circuitos provenientes dos QGBT ou do QGG ( linhas directas ), podendo ser usada a rede pública apenas quando o Regulamento do Acesso às Redes e às Interligações o permitir e no respeito pelas condições que aí forem estabelecidas. 9

10 4.3 - Cliente alimentado a partir de uma instalação colectiva de um edifício com Potência contratada não superior a 41,40 kva (Serviços Comuns do Edifício) Neste caso, e tal como na situação descrita em 4.1, a contagem da energia eléctrica consumida na instalação de utilização (Serviços Comuns do Edifício) é feita por meio de um contador de energia activa de ligação directa e o controlo da potência contratada é feita por meio de um disjuntor de entrada calibrados para a corrente correspondente a essa potência. Quando esse cliente passar a Produtor, há que suprimir o disjuntor de entrada, a fim de permitir ao Produtor injectar, na rede, a potência que pretenda, com respeito pela regra legal de consumir (ou vender a terceiros e consumir) um mínimo de 50 % da energia produzida. O controlo da potência contratada deve passar a deve passar a ser feito por um contador que permita a medição da ponta tomada em 15 min, pelo que deve ser substituído o antigo (ou colocado, nos novos, um contador com estas características) Na localização do Órgão de Corte de Segurança (aparelho da responsabilidade do Produtor mas que deve ser permanentemente acessível ao pessoal do Distribuidor, destinado a isolar a instalação de Produção para operações de manutenção na rede de distribuição) pode optar-se 10

11 por colocá-lo na Caixa de Protecção da Saída que o alimenta, substituindo os fusíveis que normalmente equipam estas Caixas por interruptores-fusíveis com poder de corte adequado. Para permitir o consumo de energia pelas instalações de utilização do produtor-consumidor ou dos seus clientes, quando, por razões de segurança do pessoal do Distribuidor, não seja conveniente a injecção de energia do microgerador na rede de distribuição pública, poderá optar-se por substituir o Órgão de Corte de Segurança por um dispositivo de comando à distância, do Órgão de Corte da Interligação. Este dispositivo de comando à distância, a instalar num local apenas acessível ao pessoal do Distribuidor, deve garantir o encravamento do Órgão de Corte da Interligação, na posição de aberto, bem como permitir a sua religação mediante manobra intencional apenas realizável pelo pessoal do Distribuidor. Deve ser obtida a aprovação prévia do Distribuidor para o tipo e localização do dispositivo de comando a distância a usar e para a forma de garantir a sua inacessibilidade a terceiros. A medição da energia entregue ao SEP deve ser feita por meio de um contador idêntico ao do distribuidor (mas propriedade do Produtor). Deve ainda existir um outro contador que permita a medição da energia total produzida pela instalação de produção e de cujos registos o produtor deve dar conhecimento à entidade licenciadora da instalação para efeitos de controlo da relação entre as energias produzida e entregue ao SEP. As instalações de utilização alimentadas por este Produtor (clientes aos quais ele vende parte da energia produzida) devem ser alimentadas por meio de circuitos provenientes dos QGBT ou do QGG ( linhas directas ), podendo ser usada a rede pública apenas quando o Regulamento do Acesso às Redes e às Interligações o permitir e no respeito pelas condições que aí forem estabelecidas. A coluna (ou as colunas, se houver mais do que uma) não podem ser usadas para este fim, pois isso inviabilizaria a possibilidade de os outros clientes serem clientes da rede de distribuição. 11

12 4.4 - Cliente alimentado a partir de uma instalação colectiva de um edifício com Potência contratada superior a 41,40 kva (Serviços Comuns do Edifício) Neste caso, e tal como no caso descrito em 4.2, a contagem da energia eléctrica consumida na instalação de utilização (Serviços Comuns do Edifício) é feita por meio de um contador de energia activa com dispositivo de medição da potência tomada num período de 15 min e um contador da energia reactiva, com ligação a Transformadores de Corrente. Na localização do Órgão de Corte de Segurança (aparelho da responsabilidade do Produtor mas que deve ser permanentemente acessível ao pessoal do Distribuidor, destinado a isolar a instalação de Produção para operações de manutenção na rede de distribuição) pode optar-se por colocá-lo na Caixa de Protecção da Saída que o alimenta, substituindo os fusíveis que normalmente equipam estas Caixas por interruptores-fusíveis com poder de corte adequado. Para permitir o consumo de energia pelas instalações de utilização do produtor-consumidor ou dos seus clientes, quando, por razões de segurança do pessoal do Distribuidor, não seja conveniente a injecção de energia do microgerador na rede de distribuição pública, poderá optar-se por substituir o Órgão de Corte de Segurança por um dispositivo de comando à 12

13 distância, do Órgão de Corte da Interligação. Este dispositivo de comando à distância, a instalar num local apenas acessível ao pessoal do Distribuidor, deve garantir o encravamento do Órgão de Corte da Interligação, na posição de aberto, bem como permitir a sua religação mediante manobra intencional apenas realizável pelo pessoal do Distribuidor. Deve ser obtida a aprovação prévia do Distribuidor para o tipo e localização do dispositivo de comando a distância a usar e para a forma de garantir a sua inacessibilidade a terceiros. A medição da energia entregue ao SEP deve ser feita por meio de contadores idênticos aos do distribuidor (mas propriedade do Produtor) ligados aos mesmos Transformadores de Corrente. Deve ainda existir um outro contador que permita a medição da energia total produzida pela instalação de produção e de cujos registos o produtor deve dar conhecimento à entidade licenciadora da instalação para efeitos de controlo da relação entre as energias produzida e entregue ao SEP. As instalações de utilização alimentadas por este Produtor (clientes aos quais ele vende parte da energia produzida) devem ser alimentadas por meio de circuitos provenientes dos QGBT ou do QGG ( linhas directas ), podendo ser usada a rede pública apenas quando o Regulamento do Acesso às Redes e às Interligações o permitir e no respeito pelas condições que aí forem estabelecidas. A coluna (ou as colunas, se houver mais do que uma) não podem ser usadas para este fim, pois isso inviabilizaria a possibilidade de os outros clientes serem clientes da rede de distribuição. 13

14 (Anexo 1) REQUERIMENTO DE LICENÇA DE ESTABELECIMENTO Exmo Senhor Director Regional d do Ministério da Economia (Nome ou designação social do produtor-consumidor) com sede em (lugar, freguesia, concelho) telefone, fax, com o número fiscal de contribuinte, desejando estabelecer a seguinte instalação eléctrica de microprodução com autoconsumo do 2º Grupo: (1), na sua (indicar e caracterizar o tipo de actividade comercial, industrial, agrícola, prestação de serviços, doméstica), sita em (lugar, freguesia, concelho), de harmonia com o projecto, em duplicado, em anexo, vem solicitar a necessária autorização para o estabelecimento da instalação de produção-consumo de energia eléctrica, ao abrigo do disposto no artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 68/2002, de 25 de Março. Pede deferimento Local e data Assinatura (1) Indicar as características da instalação eléctrica de produção-consumo e de eventual fornecimento a terceiros, potência, tensão, tipo de equipamento de produção, tipo de energia utilizada. 14

15 (Anexo 2) MICROPRODUÇÃO COM AUTOCONSUMO (DEC. LEI Nº 68/2002) PROC. Nº INFORMAÇÕES PARA PROJECTO (nº 3 do Artº 3º) REQUERENTE (1): PROMOTOR: NIF: INSTALAÇÃO: Localização (CIL): Freguesia: Concelho: Distrito: (1) Devidamente mandatado pelo promotor POTÊNCIA DE LIGAÇÃO: kva TENSÃO: 400 V (+6%, 10%) 230 V (+6%, 10%) PONTO DE RECEPÇÃO: Localização: Potência de curto-circuito mínima: kva RAMAL DE LIGAÇÃO Constituição : Comprimento: m PONTO DE LIGAÇÃO: REGIME DE NEUTRO DA REDE BT: Neutro ligado directamente à terra DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA: (A preencher de acordo com as Normas Técnicas e de Segurança a publicar pela DGE) NOTA(S) IMPORTANTE(S): Data: 15

16 (Anexo 3) TERMO DE RESPONSABILIDADE PELO PROJECTO Eu, abaixo assinado (1), (2), inscrito no Ministério da Economia com o nº, portador do bilhete de identidade nº, passado pelo serviço de Identificação de, em - -, domiciliado em, autor do projecto junto da seguinte instalação eléctrica de microprodução com autoconsumo do 2º Grupo: (3), declaro que nele se observaram as disposições regulamentares em vigor, bem como outra legislação aplicável. Declaro também que esta minha responsabilidade terminará com a provação do projecto ou dois anos após a sua entrega ao proprietário da instalação, caso o projecto não seja submetido a aprovação. Data: - - (Assinatura) (1) Nome. (2) Categoria profissional. (3) Identificação do local e principais características. 16

17 (Anexo 4) FICHA DE IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO ELÉCTRICO DE PRODUÇÃO-CONSUMO Câmara Municipal de : Distribuidor: Direcção Regional da Economia de 1- Requerente: 1.1 Nome do Produtor-Consumidot 1.2 Número fiscal de contribuinte: 1.3 Morada: 2- Instalação: 2.1 Local: 2.2 Freguesia: 2.3 Concelho: 2.4 Descrição sumária: 3- Técnico responsável pelo projecto: 3.1 Nome: 3.2 Morada: Telefone: 3.3 Número de inscrição no Ministério da Economia; 17

18 (Anexo 5) REQUERIMENTO PARA PEDIDO DE VISTORIA Exmo Senhor Director Regional d do Ministério da Economia (Nome ou designação social do produtor-consumidor), com sede em (lugar, freguesia, concelho) telefone, fax, com o número de contribuinte, tendo concluído os trabalhos de estabelecimento da seguinte instalação eléctrica de microprodução com autoconsumo do 2º Grupo: (1), na sua (indicar e caracterizar o tipo de actividade comercial, industrial, agrícola, prestação de serviços, doméstica), sita em (lugar, freguesia, concelho), correspondente ao processo n.º, conforme projecto aprovado em , vem solicitar a respectiva vistoria e emissão da licença de exploração ao abrigo do n.º 3, do artigo 4.º, do Decreto-Lei n.º 68/2002, de 25 de Março. Para os devidos efeitos junta: Termo de Responsabilidade pela Execução da Instalação Eléctrica; Termo de Responsabilidade pela Exploração da Instalação Eléctrica; Relatório do técnico responsável pela Exploração da Instalação Eléctrica (mod. 937 IN-CM); Ficha de execução (mod. 936 IN-CM); Cópia do contrato de prestação de serviços entre o técnico responsável pela exploração e o produtor-consumidor ; Comprovativo da inscrição do instalador no IMOPPI. Data (Assinatura) (1) Indicar as características da instalação eléctrica de produção-consumo e de eventual fornecimento a terceiros, potência, tensão, tipo de equipamento de produção, tipo de energia utilizada. 18

19 (Anexo 6) TERMO DE RESPONSABILIDADE PELA EXECUÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS Eu, abaixo assinado (1), (2), inscrito no Ministério da Economia com o nº, portador do bilhete de identidade nº, passado pelo serviço de Identificação de, em - -, domiciliado em, ao serviço de (3), declaro que tomo toda a responsabilidade pela execução das seguintes instalações eléctricas de microprodução com autoconsumo do 2º Grupo : (4) (5) em, de acordo com o respectivo projecto aprovado e as disposições regulamentares em vigor., de Data: - - (Assinatura) (1) Nome. (2) Categoria profissional. (3) Entidade ou no caso de ser por conta própria deve também ser indicado. (4) Indicar as características da instalação eléctrica de produção-consumo e de eventual fornecimento a terceiros, potência, tensão, tipo de equipamento de produção, tipo de energia utilizada. (5) Produtor-consumidor da instalação eléctrica. 19

20 TERMO DE RESPONSABILIDADE (Anexo 7) PELA EXPLORAÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉCTRICA Eu, abaixo assinado (1), ( 2 ), inscrito no Ministério da Economia com o nº, portador do bilhete de identidade nº, passado pelo serviço de Identificação de, em - -, domiciliado em, declaro que tomo toda a responsabilidade técnica pela boa exploração das seguintes instalações eléctricas de microprodução com autoconsumo do 2º Grupo : (3), de (4), sitas em, de acordo com as disposições regulamentares de segurança em vigor e demais legislação aplicável, e da exploração das instalações que o mesmo venha a estabelecer, desde que estas sejam do meu conhecimento expresso. Declaro, também, que esta minha responsabilidade durará enquanto aquelas instalações estiverem em exploração, salvo declaração expressa em contrário. Data: - - (Assinatura) (1) Nome. (2) Categoria profissional. (3) Indicar as características da instalação eléctrica de produção-consumo e de eventual fornecimento a terceiros, potência, tensão, tipo de equipamento de produção, tipo de energia utilizada. (4) Produtor-consumidor da instalação eléctrica. 20

21 (Anexo 8) Exmo. Senhor SUA REFERÊNCIA SUA COMUNICAÇÃO DE NOSSA REFERÊNCIA PROC. N.º Assunto: Licença de estabelecimento Para os devidos efeitos comunico a V. Exa. de que por despacho de, nos termos do Decreto-Lei n.º 68/2002, de 25 de Março, foi concedida a licença de estabelecimento para: Instalação de produção-consumo de energia eléctrica e fornecimento a (indicar o nome de outros consumidores, se os houver), constituída por microgeradores (indicar as suas características), com a potência de kw ( kva), instalação de consumo com kva, V, respectivo equipamento de corte, comando, protecção e medição, a estabelecer em (lugar, freguesia, concelho). Esta licença fica condicionada ao cumprimento das seguintes cláusulas: 1. A potência a entregar à rede pública fica limitada a kw, a energia entregue não excederá kwh, anualmente; 2. O autoconsumo ou o fornecimento a terceiros de energia eléctrica não deverá ser inferior a kwh, anualmente; 3. A energia entregue à rede pública não deverá, anualmente, exceder 50% da energia eléctrica autoconsumida (ou fornecida a terceiros). Em anexo se remete um exemplar do respectivo projecto, devidamente visado, o qual servirá para provar, perante as entidades competentes, que a licença foi concedida, podendo V. Exa. iniciar os trabalhos de estabelecimento da referida instalação de produção-consumo. Logo que as obras estejam concluídas, deverá V. Exa. nos termos do artigo 41º e seguinte do Regulamento de Licenças para Instalações Eléctricas, aprovado pelo Dec.-Lei n º , de 30 de Julho de 1936 e alterado pelo Dec.-Lei n º 446/76, de 5 de Junho, e artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 68/2002, de 25 de Março, solicitar a respectiva vistoria, em requerimento dirigido ao Director Regional da Economia de. Com os melhores cumprimentos, O Director Regional Anexo: 1 ex. projecto 21

Registo n.º. Data / / O Funcionário

Registo n.º. Data / / O Funcionário Registo n.º Data / / O Funcionário LICENCIAMENTO SIMPLIFICADO E AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE INSTALAÇÃO DE ARMAZENAGEM DE PRODUTOS DE PETRÓLEO E DE POSTOS DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS com realização

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO

DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO A disponibilização para consulta do teor de diplomas legislativos não dispensa a consulta do Diário da República, não se responsabilizando a ERSE pelo seu conteúdo. DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO

Leia mais

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO ANEXO Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas abrangidos pelo

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre F.., residente em.com o número de contribuinte, [ou 1 ] F..., com sede em,, com o capital social de. euros, matriculada na Conservatória

Leia mais

Microgeração de Energia Enquadramento Legal

Microgeração de Energia Enquadramento Legal Microgeração de Energia Enquadramento Legal Inês Saraiva Azevedo Junho 2008 Enquadramento Legislativo Decreto-Lei n.º 363/2007 Benefícios Fiscais Confidencial 2 Enquadramento Legislativo Confidencial 3

Leia mais

Deliberação n.º 513/2010, de 24 de Fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010)

Deliberação n.º 513/2010, de 24 de Fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010) (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010) Define os requisitos de funcionamento dos postos farmacêuticos móveis (Revoga tacitamente o Anexo II, da Deliberação n.º 2473/2010, de 28 de Novembro) O

Leia mais

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO 1 CONDIÇÕES PRÉVIAS Antes de iniciar qualquer trabalho de montagem, ou antes de adquirir um posto de transformação (PT),

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS Registo de entrada RESERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS (Art.º 76º do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo D.L. 177/2001

Leia mais

APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS (Portaria n.º 1107/2001, de 18 de Setembro) O Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, que aprovou o novo regime

Leia mais

1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008

1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 inferior a 0,8 m 1,2 m, ou, caso se trate de operação urbanística em fracção já existente, confinante com arruamento ou espaço de circulação

Leia mais

DIRECTOR DE OBRA E DIRECTOR DE FISCALIZAÇÃO DE OBRA

DIRECTOR DE OBRA E DIRECTOR DE FISCALIZAÇÃO DE OBRA DIRECTOR DE OBRA E DIRECTOR DE FISCALIZAÇÃO DE OBRA Anexo C A Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho, define: No artigo 13.º a qualificação das funções do director de obra e no artigo 14.º os deveres do director

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

CIRCUITO DE UM PROCESSO PARA ABASTECIMENTO

CIRCUITO DE UM PROCESSO PARA ABASTECIMENTO CIRCUITO DE UM PROCESSO PARA ABASTECIMENTO O presente documento visa fornecer indicações sobre a elaboração e constituição de um processo para abastecimento, quer este se apresente sob a forma de Processo

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DO ALVARÁ DE LICENÇA DE OBRA DE EDIFICAÇÃO E/OU DEMOLIÇÃO

PEDIDO DE EMISSÃO DO ALVARÁ DE LICENÇA DE OBRA DE EDIFICAÇÃO E/OU DEMOLIÇÃO Registo n.º Data / / O Funcionário PEDIDO DE EMISSÃO DO ALVARÁ DE LICENÇA DE OBRA DE EDIFICAÇÃO E/OU DEMOLIÇÃO Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Cascais IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher

Leia mais

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Jorge Mendonça e Costa jmcosta@cogenportugal.com Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador: Motivação Manual de

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

Nome. Morada. Freguesia Código Postal - E-Mail. Na qualidade de: Proprietário Outra (indique qual)

Nome. Morada. Freguesia Código Postal - E-Mail. Na qualidade de: Proprietário Outra (indique qual) DEPARTAMENTO TÉCNICO DIVISÃO DE PLANEAMENTO E ADMINISTRAÇÃO URBANÍSTICA Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Moura PEDIDO DE APROVAÇÃO DOS PROJECTOS DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO APRESENTAÇÃO DA COMUNICAÇÃO

Leia mais

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO, DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS, DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA SAÚDE Declaração de Instalação,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13)

Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13) d) Livro de obra, com menção do termo de abertura; e) Plano de segurança e saúde. 2 Quando a emissão do alvará seja antecedida de deferimento

Leia mais

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Documento complementar ao Guia de medição, leitura e disponibilização de dados Regras relativas à instalação, manutenção e verificação de equipamentos de medição, cabos e outros

Leia mais

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL:

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 55202 TURISMO NO ESPAÇO RURAL NOÇÃO:

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE PROJETO REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA NOTA JUSTIFICATIVA Nos termos do Decreto-lei n.º 204/2012, de 29 de Abril, conjugado com o nº 3 do artigo 16.º da Lei nº 75/2013,

Leia mais

A CERTIEL EM 2012. Redes particulares de distribuição de energia elétrica e iluminação exterior. Urgeiriça, 13 de Abril. Jornadas CERTIEL 2012 P 1

A CERTIEL EM 2012. Redes particulares de distribuição de energia elétrica e iluminação exterior. Urgeiriça, 13 de Abril. Jornadas CERTIEL 2012 P 1 A CERTIEL EM 2012 Redes particulares de distribuição de energia elétrica e iluminação exterior Urgeiriça, 13 de Abril CERTIEL 2012 P 1 CERTIEL 2012 P 3 Condomínios fechados Uniformização de critérios Melhores

Leia mais

M U N I C Í P I O D E B R A G A

M U N I C Í P I O D E B R A G A REGULAMENTO MUNICIPAL RESPEITANTE AO FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS EM RECINTOS ITINERANTES OU IMPROVISADOS E À REALIZAÇÃO ACIDENTAL DE ESPECTÁCULOS DE NATUREZA ARTÍSTICA

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL Entre EDP Serviço Universal, S.A., com sede na Rua Camilo Castelo Branco, 43, em Lisboa, com o capital social de 10 100 000 (dez

Leia mais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais Página: 1 de 14 das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas Acções ambientais Acção 7.3 Recuperação de energia a partir de resíduos de colheitas e outras matérias orgânicas Acção 7.4

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO Entre [ ]., com sede em [ ], matriculada na Conservatória do Registo Comercial de [ ], com o número de matrícula e pessoa coletiva

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO

MANUAL DE PREENCHIMENTO MANUAL DE PREENCHIMENTO CONDIÇÕES PARTICULARES DO CONTRATO BTN DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉCTRICA V 01/2012 TODOS OS CONTRATOS DEVEM SER PREENCHIDOS COM LETRA MAIÚSCULA E DE FORMA LEGÍVEL, RESPEITANDO

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre, residente em com o número de contribuinte, adiante designado(a) abreviadamente por Produtor; e EDP Serviço Universal, S.A., com sede

Leia mais

Associação de Futebol de Viseu

Associação de Futebol de Viseu Associação de Futebol de Viseu ANEXOS ANEXO 1 BOLETIM DE FILIAÇÃO O Clube: (Nome completo) Com Sede na: Freguesia de: Concelho de: Código - Contribuinte nº: Email: Em cumprimento do disposto no Estatuto

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA NA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM S. FRANCISCO DAS MISERICÓRDIAS TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito)

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013)

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Novembro de 2012 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre, com sede em, com o capital social de ( Euros), matriculada na Conservatória do Registo Comercial de, com o número de matrícula e

Leia mais

de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador Outro (especificar)

de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador Outro (especificar) 1/10 REQUERIMENTO PARA: EMISSÃO DE ALVARÁ Despacho: Espaço reservado aos serviços Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra (nome do requerente),

Leia mais

a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora.

a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui FUNCHAL a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. CAE Rev_3: 49310, 49391 e 49392 TRANSPORTE RODOVIÁRIO

Leia mais

DELIBERAÇÃO n.º 86 /CD/2010

DELIBERAÇÃO n.º 86 /CD/2010 DELIBERAÇÃO n.º 86 /CD/2010 Assunto: Modelo de Alvará das Farmácias de Dispensa de Medicamentos ao Público nos Hospitais do Serviço Nacional de Saúde. A entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 241/2009, de

Leia mais

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE 1. Localização e montagem... 2 1.1. Equipamento de contagem... 2 1.2. Dispositivos

Leia mais

Licenciamento de Instalações Desportivas

Licenciamento de Instalações Desportivas Licenciamento de Instalações Desportivas 1 Finalidade O licenciamento dos projetos de Instalações Desportivas Especializadas e Especiais para Espetáculos (Artigos 8º e 9º do D.L. n.º 141/2009, de 16 de

Leia mais

Área Temática Unidades de Micro-Produção de Electricidade. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual.

Área Temática Unidades de Micro-Produção de Electricidade. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual. Área Temática Unidades de Micro-Produção de Electricidade A) Constituição Formal da Empresa 1.Empresário em Nome Individual Procedimentos: 1.º Passo Pedido de Certificado de Admissibilidade de Firma ou

Leia mais

Documentos. Aplicável nos casos de pedidos de admissão a concurso para atribuição de licenças de guardas-nocturnos 11- Duas fotografias (tipo passe);

Documentos. Aplicável nos casos de pedidos de admissão a concurso para atribuição de licenças de guardas-nocturnos 11- Duas fotografias (tipo passe); (A preencher pelos serviços) Ex.mo(a) Senhor(a) Presidente da Câmara Municipal de Odivelas Processo n.º Pedido de Licenciamento da Actividade de Guarda-nocturno (Decreto-Lei n.º 310/2002, de 18/12, conjugado

Leia mais

INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS

INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS CONDIÇÕES E DOCUMENTAÇÃO PARA REQUERER CONCESSÃO / RENOVAÇÃO DE ALVARÁ PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Objectivos...2 2 - Legislação aplicável...2 3 - Enquadramento legal...2 3.1 - Limites de fornecimento...2 3.2 - Descrição de encargos...2 3.2.1 - Encargos do adjudicatário...2 3.3 - Encargos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei n. 295/98, de 22 de Setembro, que transpôs para o direito interno a Directiva

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS DE ENGENHARIA DAS ESPECIALIDADES E OUTROS ESTUDOS

APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS DE ENGENHARIA DAS ESPECIALIDADES E OUTROS ESTUDOS Registo n.º Data / / O Funcionário APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS DE ENGENHARIA DAS ESPECIALIDADES E OUTROS ESTUDOS artº. 20º, nº. 4 do Decreto-Lei nº. 555/99, de 16 de Dezembro, na redação do Decreto-Lei nº.

Leia mais

FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora PROJECTO DE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CANAVIAIS

FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora PROJECTO DE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CANAVIAIS PROJECTO DE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CANAVIAIS Ao abrigo do disposto no artigo 241º da Constituição da Republica Portuguesas, e dos artigos 114º a 119º do Código do Procedimento

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO DE SOCIEDADES PROFISSIONAIS DE TÉCNICOS OFICIAIS DE CONTAS E NOMEAÇÃO PELAS SOCIEDADES DE CONTABILIDADE DO RESPONSÁVEL TÉCNICO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito O

Leia mais

Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas

Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas 1. Legislação e Regulamentos Aplicáveis Decreto-Lei n.º 38/2007, de 19 de Fevereiro, do

Leia mais

Apresentação Requisitos O Processo Localização Recursos Humanos Legislação Investimento Inicial Prestações mensais

Apresentação Requisitos O Processo Localização Recursos Humanos Legislação Investimento Inicial Prestações mensais Apresentação Requisitos O Processo Localização Recursos Humanos Legislação Investimento Inicial Prestações mensais Para criar este negócio vai precisar de em primeiro lugar criar a sua própria empresa

Leia mais

COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios

COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios ESQUEMAS TIPO DE UNIDADES DE PRODUÇÃO PARA AUTOCONSUMO (UPAC) março 2015 A secção 712: Instalações Solares Fotovoltaicas

Leia mais

Regulamento relativo à manutenção e inspecção de ascensores, monta-cargas, escadas mecânicas e tapetes rolantes da Câmara Municipal da Trofa

Regulamento relativo à manutenção e inspecção de ascensores, monta-cargas, escadas mecânicas e tapetes rolantes da Câmara Municipal da Trofa Regulamento relativo à manutenção e inspecção de ascensores, monta-cargas, escadas mecânicas e tapetes rolantes da Câmara Municipal da Trofa Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Setembro de 2003 e em

Leia mais

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO De acordo com as disposições combinadas previstas na alín. u), do nº1, alín. f), do nº2 e na

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO Registo n.º Data / / O Funcionário AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Cascais IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher com letra maiúscula) Nome/Designação Domicílio/Sede

Leia mais

FORMULÁRIO DE REGISTO DE ESTABELECIMENTO INDUSTRIAL DO TIPO 3 (N.º 2 DO ARTIGO 40.º DO DECRETO-LEI N.º 209/2008, DE 29 DE OUTUBRO)

FORMULÁRIO DE REGISTO DE ESTABELECIMENTO INDUSTRIAL DO TIPO 3 (N.º 2 DO ARTIGO 40.º DO DECRETO-LEI N.º 209/2008, DE 29 DE OUTUBRO) SERVIÇO DE COORDENAÇÃO TÉCNICA MUNICIPIO DE PENAMACOR Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Penamacor Registo n.º ; Livro n.º Data / / Processo n.º / O Funcionário FORMULÁRIO DE REGISTO DE ESTABELECIMENTO

Leia mais

FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO. Instituto da Segurança Social I.P. e Câmara Municipal competente.

FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO. Instituto da Segurança Social I.P. e Câmara Municipal competente. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO

Leia mais

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

EMISSÃO DE CERTIDÃO DE PLANO DE PORMENOR PARA EFEITOS DE REGISTO PREDIAL

EMISSÃO DE CERTIDÃO DE PLANO DE PORMENOR PARA EFEITOS DE REGISTO PREDIAL Registo n.º Data / / O Funcionário Exmº. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Cascais EMISSÃO DE CERTIDÃO DE PLANO DE IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher com letra maiúscula) Nome/Designação/Representantes

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO LOGÍSTICO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DE PRODUTOS CONTROLADOS (DFPC - 1982)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO LOGÍSTICO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DE PRODUTOS CONTROLADOS (DFPC - 1982) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO LOGÍSTICO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DE PRODUTOS CONTROLADOS (DFPC - 1982) INSTRUÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVA Nº 22A/01 - DFPC PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE

Leia mais

FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Dezembro de 2015 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE GALEGOS Em conformidade com o disposto na alínea d) do n.º 1 do artigo 9.º, conjugada

Leia mais

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares Reg. N.º Em / / Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vieira do Minho IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome: BI/Cartão de Cidadão: Arquivo: Validade: / / N.º de Identificação Fiscal: Morada: Freguesia:

Leia mais

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º2 do artigo 17º, conjugada com a alínea b) do n.º5 do artigo 34º da Lei das Autarquias Locais (Lei n.º169/99,

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Assim, o conselho diretivo do IMT, I.P., em reunião ordinária, realizada em 22 de fevereiro de 2013, delibera o seguinte:

DELIBERAÇÃO. Assim, o conselho diretivo do IMT, I.P., em reunião ordinária, realizada em 22 de fevereiro de 2013, delibera o seguinte: DELIBERAÇÃO CONTRATO DE GESTÃO DE CENTRO DE INSPEÇÃO DE VEÍCULOS A Lei n.º 11/2011, de 26 de abril, que estabelece o regime jurídico de acesso e permanência na atividade de inspeção técnica a veículos

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2. REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º 2 do artigo 17.º, conjugada com a alínea b) do n.º 5 do artigo 34.º da Lei das

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

EXECUÇÃO DE TRABALHOS DE DEMOLIÇÃO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA

EXECUÇÃO DE TRABALHOS DE DEMOLIÇÃO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA Registo nº. Exmº. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Cascais Data: / / O Funcionário EXECUÇÃO DE TRABALHOS DE DEMOLIÇÃO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher com letra

Leia mais

MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1

MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1 MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1 Nota Justificativa A simplificação do exercício de atividades decorrente da publicação e entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de abril

Leia mais

à rede eléctrica do serviço público

à rede eléctrica do serviço público manual de ligações à rede eléctrica do serviço público guia técnico e logístico de boas práticas junho 2011 3.ª edição manual de ligações à rede eléctrica do serviço público guia técnico e logístico de

Leia mais

Exm.º Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos

Exm.º Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos REGISTO DE ENTRADA Requerimento n.º de / / Processo n.º / Pago por Guia n.º,. Ao Serviço O Funcionário, Exm.º Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos 1. IDENTIFICAÇÂO DO COMUNICANTE Nome:......

Leia mais

Lagos. Nome:... Coletiva

Lagos. Nome:... Coletiva REGISTO DE ENTRADA Requerimento n.º de / / Processo n.º / Pago por Guia n.º,. Ao Serviço O Funcionário, Exm.º Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos 1. REQUERENTE Nome:...... NIF Singular Coletiva

Leia mais

Regulamento Do Arquivo da Junta de Freguesia de Avanca. Junta de Freguesia de Avanca Sector de Arquivo

Regulamento Do Arquivo da Junta de Freguesia de Avanca. Junta de Freguesia de Avanca Sector de Arquivo Regulamento Do Arquivo da Junta de Freguesia de Avanca Junta de Freguesia de Avanca Sector de Arquivo Avanca 2009 Preâmbulo O Arquivo é, sem dúvida, a materialização da memória colectiva. É com base neste

Leia mais

10- Cópia da Licença de Representação, emitida pelo IGAC ou delegado concelhio do IGAC;

10- Cópia da Licença de Representação, emitida pelo IGAC ou delegado concelhio do IGAC; Ex.mo(a) Senhor(a) Presidente da Câmara Municipal de Odivelas (A preencher pelos serviços) Processo n.º / / Pedido de Licença de Utilização para Recintos de Diversão e de Recintos de Espectáculos de Natureza

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO

PROGRAMA DE CONCURSO MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE Concurso Público ALIENAÇÃO DE LOTES DE TERRENO PARA CONSTRUÇÃO URBANA Loteamento Municipal de Castro Verde 7 Lotes Loteamento Municipal de Santa bárbara de Padrões 15 Lotes Loteamento

Leia mais

Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição

Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição 1. Quais as instruções a seguir pelos técnicos que pretendam exercer

Leia mais

REQUERIMENTO DE CANDIDATURA. II Programa Regional de Apoio à Comunicação Social Privada PROMEDIA II

REQUERIMENTO DE CANDIDATURA. II Programa Regional de Apoio à Comunicação Social Privada PROMEDIA II REQUERIMENTO DE CANDIDATURA II Programa Regional de Apoio à Comunicação Social Privada PROMEDIA II Exmo. Sr. Secretário Regional da Presidência 1 : ( 2 ) ( 3 ) vem, para efeitos do disposto no Decreto

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO RESPOSTA ÀS QUESTÕES MAIS FREQUENTES Agosto 2006 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa

Leia mais

Autorização para o exercício da actividade de seguros

Autorização para o exercício da actividade de seguros Autorização para o exercício da actividade de seguros Entidade competente: Seguros (AMCM DSG) Autoridade Monetária de Macau Departamento de Supervisão de Endereço :Calçada do Gaio, N 24 e 26, Macau Telefone

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

Licenciamento de instalações de armazenamento de GPL GUIA DE PROCEDIMENTOS

Licenciamento de instalações de armazenamento de GPL GUIA DE PROCEDIMENTOS Licenciamento de instalações de armazenamento de GPL GUIA DE PROCEDIMENTOS (de acordo com Decreto-Lei nº217/2012 e Portarias nº 1188/2003 e nº 1515/2007) Introdução Por força do Programa de Simplificação

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA Preâmbulo Com a publicação da Lei 53-E/2006, de 29 de Dezembro, alterada pela Lei 64-A/2008 de 31 de Dezembro, tornou-se necessário a adaptação da Tabela

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS PROGRAMA DE CONCURSO Artigo 1.º OBJECTO E VALIDADE DO CONCURSO 1.

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O novo regime jurídico dos espectáculos de natureza artística e não artística, tendo transferido

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E CEDÊNCIA DE SALAS E SALÃO DA JUNTA DE FREGUESIA

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E CEDÊNCIA DE SALAS E SALÃO DA JUNTA DE FREGUESIA PREÂMBULO As instalações da Junta de Freguesia têm como fim a satisfação das necessidades da Autarquia e das suas populações. As salas não ocupadas permanentemente pelos Serviços da Junta, destinam-se

Leia mais

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE ALJEZUR APROVADO POR UNANIMIDADE JUNTA DE FREGUESIA DE ALJEZUR 07/04/2014

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE ALJEZUR APROVADO POR UNANIMIDADE JUNTA DE FREGUESIA DE ALJEZUR 07/04/2014 APROVADO POR UNANIMIDADE JUNTA DE FREGUESIA DE ALJEZUR 07/04/2014 APROVADO POR MAIORIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALJEZUR 30/04/2014 REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia em instalações MT e BTE

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia em instalações MT e BTE Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia em instalações MT e BTE 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONTAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA EM MÉDIA E BAIXA TENSÃO ESPECIAL... 3 2.1. Características

Leia mais

Artigo 1.º (Âmbito) Artigo 2.º (Empresas e Pró-Empresas) Artigo 3.º (Serviços Base) Artigo 4.º (Serviços Extra)

Artigo 1.º (Âmbito) Artigo 2.º (Empresas e Pró-Empresas) Artigo 3.º (Serviços Base) Artigo 4.º (Serviços Extra) REGULAMENTO O conceito de CENTRO DE EMPRESAS consiste na disponibilização de espaços destinados a empresas e pró-empresas, visando a promoção, desenvolvimento e consolidação das mesmas, com a finalidade

Leia mais

COMISSÃO DA MARCA DE QUALIDADE LNEC SECÇÃO DE INSCRIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO

COMISSÃO DA MARCA DE QUALIDADE LNEC SECÇÃO DE INSCRIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO COMISSÃO DA MARCA DE QUALIDADE LNEC SECÇÃO DE INSCRIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO QUALIFICAÇÃO COMO GESTOR GERAL DA QUALIDADE DE EMPREENDIMENTOS DA CONSTRUÇÃO INSTRUÇÕES DE CANDIDATURA 1. DESTINATÁRIOS A Marca de

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

Regulamento de Manutenção e Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes

Regulamento de Manutenção e Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Regulamento de Manutenção e Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Nota Justificativa Considerando que em prol dos princípios da descentralização administrativa e da

Leia mais

TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011

TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011 TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011 Despacho nº 15/2010 da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, RT Regulamento tarifário RRC Regulamento de Relações comerciais Tarifário

Leia mais

ISEL. Subestação de Alto Mira. Relatório de Visita de Estudo. 27 Maio 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Subestação de Alto Mira. Relatório de Visita de Estudo. 27 Maio 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 27 Maio 2005 Secção de Sistemas de Energia Junho 2005 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

Guia para a certificação de uma unidade de microprodução

Guia para a certificação de uma unidade de microprodução Guia para a certificação de uma unidade de microprodução V 009-10/09 Página 1 Índice Página 0 Alterações efectuadas ao Guia relativamente à versão anterior 3 1 Siglas e definições 3 2 Regime remuneratório

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Portaria n. o 138/2007 Manda o Governo, pelo Secretário de Estado Adjunto, das

Leia mais

Jornal da República SUPLEMENTO SUMÁRIO. DIPLOMA MINISTERIAL Nº 13 /2013 de 28 de Agosto

Jornal da República SUPLEMENTO SUMÁRIO. DIPLOMA MINISTERIAL Nº 13 /2013 de 28 de Agosto Quarta-Feira, 8 de Agosto de Série I, N. $.5 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE SUPLEMENTO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS : SUMÁRIO Modelo de Certificado das Empresas de Construção

Leia mais

Para ser Publicado no Diário da República Despacho nº

Para ser Publicado no Diário da República Despacho nº Para ser Publicado no Diário da República Despacho nº PROCEDIMENTO DE CERTIFICAÇÃO ATP DE EQUIPAMENTOS UTILIZADOS EM VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ALIMENTARES PERECÍVEIS Tornando-se necessário estabelecer

Leia mais

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA Filipe Fernandes Arouca, 2010 A JPM Automação e Equipamentos Industrias SA - Apresentação Historial Fundada há mais de uma década, a JPM é uma empresa tecnologicamente

Leia mais

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO 1. O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos diferentes cursos das Escolas integradas

Leia mais