Software Livre Versus Software Proprietário: Análise Multicritério de Apoio à Decisão. Autoria: Maria das Graças Rolim Bilich, André di Lauro Rigueira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Software Livre Versus Software Proprietário: Análise Multicritério de Apoio à Decisão. Autoria: Maria das Graças Rolim Bilich, André di Lauro Rigueira"

Transcrição

1 Software Livre Versus Software Proprietário: Análise Multicritério de Apoio à Decisão Autoria: Maria das Graças Rolim Bilich, André di Lauro Rigueira Resumo O objetivo do estudo foi verificar a viabilidade de utilização do Linux e os demais softwares livres como um fator de redução dos custos com tecnologia, especificamente com licenciamento de software numa importante organização governamental, sem perder qualidade e produtividade. Esse estudo baseou-se em levantar e testar o sistema operacional Linux e os diversos aplicativos disponíveis do ponto de vista de utilização pelos usuários corporativos, analisando os aspectos de funcionalidade, operacionalidade, facilidade de uso, performance, facilidade de instalação, facilidade de manutenção, aspectos positivos e negativos e os custos de treinamento. Ao término do estudo concluiu-se que a migração para soluções baseadas em software livre podem ser viáveis em alguns caso, entretanto, descartar o que já está licenciado e funcionando pode representar um desperdício de dinheiro e recursos desnecessários. 1. Introdução A maioria das organizações já adotaram um modelo de sistema de informações adequado à sua realidade, entretanto a estrutura existente acaba sendo insuficiente para atender a demanda. Quando uma organização chega nesse ponto, ela fica num dilema: melhorar o que já existe, ou substituir o que já não é mais suficiente por algo menos dispendioso? Esta avaliação pode definir o sucesso ou insucesso de uma organização, fazer com que amargue prejuízos advindos de uma avaliação errada ou de uma estratégia mal calculada. 2. O software livre e o software aberto O software livre é uma nova tendência que está tomando mais força a cada dia que passa. Um movimento surgido em 1984 e liderado por Richard Stallman, um pesquisador da área de inteligência artificial do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), pautou seus trabalhos em desenvolver programas de computador (softwares) com a característica de terem seu código-fonte aberto, ou seja, livre para modificação, distribuição e principalmente utilização. Este movimento foi chamado de Projeto GNU, pelo próprio autor, Gnu is Not a Unix. Esta iniciativa surgiu, quando Stallman solicitou uma cópia dos códigos fontes do driver de uma impressora ao seu fabricante, afim de melhorá-lo, já que ela não funcionava adequadamente. Tendo recebido uma resposta negativa por parte do fabricante da impressora, Stallman decidiu criar o movimento GNU, visando garantir a liberdade de estudo, modificação, utilização e distribuição de softwares e códigos com que tivesse interesse em fazê-lo. Para garantir a continuidade da gratuidade e da liberdade de modificação, distribuição e utilização, foi criada a GPL (GNU Public License), que tem por linhas básicas que todos podem copiar e distribuir livremente cópias literais desta licença, mas que fica proibido alterar a licença. Com isso o autor da GPL garantiu que todos os softwares que estivessem sob a égide da GPL pudessem ser distribuídos, modificados e utilizados livremente, sem que estas 1

2 alterações ou mesmo os produtos originais tivessem sua característica de software livre alterada. Apesar do esforço inicial de Richard Stallman em desenvolver e regulamentar esta categoria de software, o personagem mais ilustre da história do software livre é o finlandês Linus Torvalds, que em 1991 tomou por base o sistema operacional Minix, um sistema derivado do Unix utilizado no meio acadêmico, para desenvolver o Kernel, ou seja o núcleo do sistema operacional que unido aos esforços de Richard Stallman formou o que é chamado hoje de GNU/Linux, o mais ilustre representante da linhagem de software livre. Este sistema operacional conta com aproximadamente 40 milhões de usuários no mundo, e este número vem crescendo a cada dia. Mais de 50% dos servidores web existentes no mundo utilizam o sistema operacional Linux, contra aproximadamente 30% de servidores que utilizam o sistema operacional da Microsoft, que ocupa o segundo lugar na classificação (vide Figura 1 e Tabela 1). Figura 1: Linux versus Microsoft Tabela 1: Servidores WEB existentes no mundo Fonte: Netcraft Web Server Survey WEB SERVER QUANTIDADE % APACHE ,90% Microsoft IIS ,98% NSCA ,02% Nestcape Enterprise ,79% Zeus ,34% Iplanet Enterprise Web Server 29 0,00008% Outros ,97% TOTAL % Fonte: Netcraft Web Server Survey 2

3 A própria Microsoft, empresa líder no ramo de softwares proprietários, vem mudando sua estratégia, e lançou recentemente no mercado uma nova plataforma de desenvolvimento, chamada NET, que congrega todos os sistemas operacionais e plataformas. Esta medida veio como resposta ao crescimento da concorrência no mercado, a fim de que pudessem recuperar os mercados perdidos. Um programa é software livre se os usuários tem todas essas liberdades. Portanto, você deve ser livre para redistribuir cópias, seja com ou sem modificações, seja de graça ou cobrando uma taxa pela distribuição, para qualquer um em qualquer lugar. Ser livre para fazer essas coisas significa (entre outras coisas) que você não tem que pedir ou pagar pela permissão. (Manifesto GNU, 1985) Esta diferença de ideologia às vezes causa certa confusão principalmente pelo fato de um erro de tradução do inglês para o português onde free software não significa software grátis ou software aberto, mas sim software livre. O outro movimento, Software Aberto vem da expressão Open Source, que literalmente traduzido significa caminho aberto. É preciso deixar claro que são movimentos distintos, com ideais, aparentemente semelhantes, entretanto se houver um estudo mais aprofundado e detalhado, é possível perceber que o conceito de software aberto é mais abrangente que o conceito de software livre. 3. A legislação do software livre Com a popularização do software livre, diversas pessoas começaram a defender o seu uso nas diversas áreas do governo, fosse ele federal, estadual, ou municipal. A alegação era que se existia algo que atendia as necessidades e tinha um custo menor, esta opção deveria ser adotada, visando aplicar de forma mais adequada os recursos públicos. Para que isto se tornasse uma realidade, a maneira mais viável de impor esta situação seria criando Leis que definissem tal situação. Entretanto, a maioria das áreas da administração pública já possuíam uma estrutura de informática montada e em produção. Isto foi um ponto restritivo, uma vez que muitos destes órgãos públicos desenvolveram suas próprias soluções, criando aplicativos que atendessem às suas necessidades diretas. Impor pura e simplesmente a adoção de solução que não fosse proprietária, poderia acarretar em uma perda de produtividade e em uma inoperância que trariam prejuízos maiores que continuar com as plataformas e modelos existentes. Desta forma, procurou-se flexibilizar um modelo de legislação que desse prioridade para a utilização de software livre, mas não uma imposição irrestrita. Foi assim que surgiu a primeira legislação para defender o uso do software livre no Brasil, através da iniciativa do Deputado Federal pelo Partido dos Trabalhadores da Bahia (PT-BA) Walter Pinheiro, através do Projeto de Lei apresentado a Câmara dos Deputados em Depois desta iniciativa, outros deputados e vereadores se entusiasmaram com a idéia e resolveram disseminá-la no âmbito de seus estados e municípios, como é o caso do estado do Rio Grande do Sul, através do Projeto de Lei Estadual 059 de 16 de março de 2000, por iniciativa do Deputado Estadual Elvino Bohn Gass do Partido dos Trabalhadores (PT-RS); da cidade de Recife-PE, através do Projeto de Lei Municipal 20 de 22 de março 2000, de iniciativa do Vereador Waldemar Borges do Partido Popular Socialista (PPS); e da cidade de Amaro-SP, com o Projeto de Lei Municipal 57/2001, de 14 de maio de 2001, de autoria do Vereador pelo Partido dos Trabalhadores Dimas Marchi. 3

4 Inúmeros outros projetos já foram apresentados, especialmente no Rio Grande do Sul, no âmbito de municípios como Pelotas, Santa Maria e Caxias do Sul que seguem a mesma receita. A Câmara Legislativa de Caxias do Sul está prestes a aprovar o projeto de lei do vereador Alfredo Tatto do PT. O município já adota plataformas livres em toda a parte de Internet dos serviços da prefeitura. O site de Caxias do Sul, a propósito, foi premiado com o Top Cadê, como o melhor endereço da Web na categoria página governamental. Agora os planos incluem o desenvolvimento da Central de Atendimento do Cidadão - uma espécie de SAC - rodando totalmente em software livre e também a implantação do Direto - programa aberto de agenda, catálogo e correio eletrônico criado pela PROCERGS - em todos os órgãos e secretarias. Outros órgãos como o Tribunal Regional do Trabalho de Pernambuco, Furnas, Programa Micro Popular de Minas Gerais, Universidade Federal da Bahia (UFBa) e Polícia Militar do Distrito Federal já aderiram à utilização de software livre. 4. Metodologia O estudo baseou-se em testar o sistema operacional Linux, e os diversos aplicativos disponíveis do ponto de vista de utilização pelos usuários corporativos em suas funções diárias que exigem o uso de computadores. O estudo focalizou os seguintes aspectos no que diz respeito ao sistema operacional: Funcionalidade; Operacionalidade; Facilidade de uso (amigabilidade); Performance; Facilidade de instalação; Facilidade de manutenção; Aspectos positivos; Aspectos negativos; Aspectos gerais. Estes fatores foram assim definidos, para que fosse avaliado mais de uma distribuição, isto se fez necessário tendo em vista a quantidade de distribuições existentes. Da mesma forma, estes critérios foram utilizados para avaliar os softwares existentes que comporiam uma possível solução para a utilização do Linux e seus aplicativos por parte dos usuários da organização. No que diz respeito a softwares, foram incluídos, obrigatoriamente, as seguintes categorias: Ambiente gráfico; Suite Office (Editor de texto, Planilha, Editor de Apresentações); Cliente de ; Browser para Internet; Editor de imagens; Calculadora; Reprodutor multimídia (áudio e vídeo); Software de compactação e descompactação de arquivos; Ferramentas de flowchart (fluxogramação); Emulador de terminal. Reuniões de nivelamento semanais foram feitas, visando passar as informações e impressões à respeito dos testes que se seguiram. Com a absoluta escassez de livros que abordavam a questão do software livre, o estudo valeu-se, principalmente, do cerne do conhecimento voltado para a área de tecnologia e local onde nasceu o software livre, a Internet. Foi montado um laboratório, que ficou à disposição para a consecução dos testes, onde todos as pessoas envolvidas nesse estudo deveriam, obrigatoriamente, usar todos os computadores, a fim de avaliar as diferenças de performance e funcionalidade com os três modelos de equipamentos disponibilizados, que possuíam as principais características dos equipamentos existentes na organização, apresentado na Tabela 2. 4

5 Tabela 2: Equipamentos existentes na organização e características Especificações Computador tipo 1 Computador tipo 2 Computador tipo 3 Processador Pentium 100 MHz Pentium 200 MMX Celerom 466 MHz Memória RAM 16 Mb 32 Mb 128 Mb Hard Disk 1.2 Gb 2.4 Gb 10.2 Gb Placa de vídeo Trident 1Mb SIS620 Trio 3D/2X Placa de rede 10 Mbits 10/100 Mbits 10/100 Mbits Drive de CD-ROM Sim Sim Sim Drive de 3 ½ Sim Sim Sim Foram 7 (sete) as pessoas envolvidas no estudo sendo: um especialista em Rede; um especialista em Banco de Dados; um especialista em Programação; um especialista em Suporte; um usuário em nível iniciante; um usuário em nível intermediário e um usuário em nível avançado. Ao longo da pesquisa percebeu-se que seria de extrema importância pesquisar os custos de treinamento que eventualmente estariam incluídos em um futuro projeto de migração ou implantação deste novo sistema operacional. Isto porque o ambiente de trabalho não era exatamente igual ao que os usuários estavam acostumados a utilizar, no caso da organização, o Microsoft Windows 95 e Microsoft Windows 98. Este problema foi detectado quando o usuário de nível iniciante e de nível intermediário começaram a ter problemas considerados relativamente simples pelos demais integrantes da equipe, o que caracterizou o impacto com relação às diferenças de interface, e operação do sistema. 4.1 Distribuições Foram escolhidas algumas distribuições para serem testadas. Esta escolha deveu-se ao fato da facilidade de aquisição das mídias de instalação (CD-ROM). Das distribuições selecionadas, foram instaladas as seguintes versões: Conectiva Linux 6.0; Conectiva Linux 7.0; Red Hat 7.1; Open Linux 2.4; Mandrake 8.0; Debian 2.2r3; Corel Linux 2.0; Houveram algumas diferenças na interface de instalação, o que não apresentou nenhum problema extra. 4.2 Softwares O principal meio de consulta e aprendizado utilizado foi a Internet, onde se seguiram diversas pesquisas, principalmente nos sites especializados, em listas de discussão, e juntamente com outros órgãos que vem desenvolvendo pesquisa no mesmo sentido, a fim de identificar os principais softwares disponíveis para atender às necessidades das categorias previamente definidas chegando-se a conclusão de que deveriam ser testados os seguintes 5

6 aplicativos: Ambiente Gráfico: KDE, Gnome, Windows Maker, Sawfish, FVMW; Suite Office: StarOffice 5.2, Siag Office, Open Office, e Koffice; Cliente de Kmail, Sylpheed, Balsa, e Netscape Mail; Browser para Internet: Konqueror, Netscape, e Opera ;Editor de imagens: Gimp, Corel PhotoPaint, KDEGraphics, Qdraw; Calculadora: Kcalc, The Calculator; Reprodutor multimídia (áudio e vídeo): KDE Multimidia, MPG123, XMMS, Kjunkebox, Real Player ; Software de compactação e descompactação de arquivos: Tar, gzip; Ferramentas de flowchart (fluxogramação): Dia, Qcad; Emulador de terminal: TN5250, eterm, aterm, Wine. 5. Resultados obtidos Dentro das limitações de conhecimento dos participantes envolvidos, todas as distribuições, exceto a Corel Linux 2.0 e Debian 2.2r3 que não puderam ser instaladas, se mostraram muito semelhantes quanto ao funcionamento, interfaces e recursos, com os seguintes destaque positivos: Conectiva Linux 7.0 sistema operacional em português; assistente no processo de instalação; muitos recursos adicionais já incluídos; Kernel 2.4. Red Hat 7.1 interface agradável; assistente no processo de instalação; firewall pessoal já incluído. Mandrake 8.0 assistente no processo de instalação, sistema operacional em português. Open Linux 2.4 instalação que menos ocupou espaço em disco e utilizou recursos das máquinas. Todavia, houveram fatores negativos, dos quais pode-se citar: Red Hat 7.1 foi a instalação que mais ocupou espaço nos equipamentos, além de consumir mais recursos de máquina. Open Linux 2.4 limitação quanto aos recursos extras. Mandrake 8.0 consumiu muitos recursos de máquina; Em vista destas semelhanças ficou decidido que os testes que se seguiriam seriam feitos com a distribuição Conectiva Linux 7.0, por ter sido a distribuição que não apresentou fatores negativos nos processos de instalação e configuração do sistema operacional, além de ser de uma empresa nacional, facilitando a obtenção de suporte e treinamento, caso o modelo do software viesse a ser adotado. Após testar os diversos aplicativos disponíveis, cada um dos integrantes da equipe preencheu uma ficha (Anexo 1) para cada aplicativo testado, onde foi atribuída uma nota. Uma vez que a nota de todos os atributos foram apresentadas, foi feita uma média, observando o peso de cada atributo, obtendo-se assim uma nota por usuário. A média das notas atribuídas pelos usuários resultou numa classificação dos aplicativos por categoria, tendo-se obtido os resultados apresentados na Tabela 3. 6

7 Tabela 3: Classificação dos aplicativos por categoria Categoria 1º Lugar 2º Lugar 3º Lugar Ambiente gráfico KDE Gnome Windows Maker Suite Office Open Office StarOffice K Office Cliente de Sylpheed Balsa Kmail Browser Internet Konqueror Opera Netscape Editor de Imagens Gimp Corel PhotoPaint KDEGraphics Calculadora Kcalc The Calculator --x-- Multimídia XMMS KDE Multimidia Real Player Compactação Gzip Tar --x-- Flowchart Qcad Dia --x-- Emulador Wine eterm TN5250 Entretanto, esta classificação não significa que o aplicativo estaria apto a ser adotado como software padrão para o usuário. Essas considerações foram levantadas, porque não foi possível traçar um perfil de usuário que envolvesse todas as suas necessidades. Ficou bem claro que para uma tomada decisão definitiva, seria necessário executar mais testes, com um número maior de usuários. Outro resultado obtido foi com relação à questão dos custos envolvidos, e baseou-se em dois pontos principais: o preço da distribuição e os custos com treinamento. Mediante uma pesquisa nas principais lojas de informática (Tabela 4), obteve-se uma média de preços por produto dos softwares que foram usados ou comparados no estudo. Tabela 4: Preço de softwares SISTEMA OPERACIONAL PREÇO Conectiva Linux 7.0 (1)(2) R$ 92,40 Red Hat 7.2 (1)(3) R$ 149,88 Windows Me (4) R$ 642,27 Windows 2000 Pro (4) R$ 816,97 Windows XP (4) R$ 588,69 (1) Preço da cópia, podendo ser instalado em quantos computadores forem necessários. (2) Incluso: 6 CDs, Manuais e 90 dias de suporte técnico. (3) Valor convertido para o Real, com taxa de câmbio em U$ 1,00 = R$ 2,50 (4) Preço de uma licença. Só pode ser instalado em um computador. Estes valores mostram a grande distorção de preços existente entre sistemas operacionais baseados em software livre se comparado com os softwares proprietários. É 7

8 importante ressaltar que o custo das distribuições Conectiva Linux e Red Hat podem ser quase zero, caso a organização opte por fazer download das distribuições na Internet. Enquanto os aplicativos baseados em software livre são gratuitos, podendo ser baixados da Internet ou em alguns casos já são disponibilizados com as próprias distribuições, os aplicativos proprietários, têm um custo extremamente alto, e a Tabela 5 mostra esta distorção. Tabela 5: Aplicativos proprietários - preços SISTEMA OPERACIONAL PREÇO MS Office XP Standard (1) R$ 1.235,77 MS Visio Standard 2002 (1) R$ 658,71 Adobe PhotoShop 6.0 (1) (2) R$ 1.522,50 (1) Preço de uma licença. Só pode ser instalado em um computador. (2) Valor convertido para o Real, com taxa de câmbio em U$ 1,00 = R$ 2,50 O custo com treinamento é um ponto que merece toda atenção porque a diferença pode ser percebida pelo fato do próprio mercado ser seletivo. Existem muito menos cursos e treinamentos de Linux e seus aplicativos no mercado, que os baseado em soluções proprietárias. Isto acontece provavelmente porque a maior parte dos instrutores não teve uma formação técnica tradicional, tendo que aprender por meios próprios na Internet ou em livros importados, quase como um autodidata, o que faz deste profissional, alguém muito requisitado e caro. Pelos motivos apresentados os custos com treinamento em Linux e softwares abertos além de mais escassos, são um pouco mais altos, conforme pode ser observado nas Tabelas 6 e 7. Tabela 6: Custo em treinamento - Linux TREINAMENTO DURAÇÃO PREÇO Introdução ao Linux 16 horas (4 dias) R$ 300,00 StarOffice I 30 horas (8 dias) R$ 600,00 StarOffice II 30 horas (8 dias) R$ 600,00 Administração Linux I 30 horas (8 dias) R$ 600,00 Administração Linux II 30 horas (8 dias) R$ 650,00 Tabela 7: Custo em treinamento - Microsoft TREINAMENTO DURAÇÃO PREÇO Windows horas (4 dias) R$ 180,00 Office Completo 140 horas (35 dias) R$ 1.000,00 Windows horas (8 dias) R$ 500,00 Todavia, este custo acaba sendo compensado pela economia com a compra das licenças do sistema operacional e levando-se em consideração que a maioria dos usuários não recebeu nenhum tipo de treinamento para operar o sistema operacional e as ferramentas 8

9 atuais, tendo desenvolvido suas próprias habilidades individualmente e intuitivamente. O Linux e seus aplicativos estão adquirindo esta potencialidade, e por que não facilidade. Esse mesmo estudo a três anos atrás, com certeza não chegaria a esta conclusão. A evolução das interfaces, dos aplicativos está crescendo a cada dia. Ainda não atingiu a potencialidade existente no MS Windows, mas existem previsões que apontam um período de mais quatro anos, até que ambos os sistemas possuam igual amigabilidade, com uma forte tendência ao Linux ganhar os mercados por ter como diferencial competitivo a robustez e o custo. 6. Conclusão O estudo teve por objetivo verificar se era possível substituir, ou mesmo agregar uma nova plataforma à plataforma existente. Todavia, o objetivo era mais que simplesmente descobrir, era preciso verificar se além desta possibilidade era possível fazê-lo sem perder qualidade e produtividade. Com um público extremamente exigente, e com tarefas de importância estratégica para o apoio às autoridades, era preciso estudar o novo sistema operacional e sua integração com o que já existiam em funcionamento. Analisando o processo de migração em outros órgãos, foi possível verificar que este processo sempre foi parcial, no sentido de envolver apenas uma parte dos serviços ou dos servidores, e não como solução completa. O processo de adoção do Linux, na maioria das organizações estudadas, ocorreu como fator de crescimento e não de substituição total. Ou seja, as situações em que o software livre atendeu as necessidades, foram aquelas que agregavam valor ao legado existente, e não substitua pura e simplesmente o que já existia funcionando. O Linux foi utilizado para somar. Quanto a respeito da utilização do Linux como o sistema operacional para os clientes (usuários) pode-se concluir que por mais amigável que o Linux esteja, ainda existem muitas facilidades que devem ser implementadas. Não se pode querer comparar o desenvolvimento de uma interface gráfica que vem sendo o principal foco de um produto a mais de dez anos, como acontece com os produtos da Microsoft, com o desenvolvimento de algo no mesmo sentido porém, com a metade deste tempo, e sem ser o principal objetivo ( apenas pela iniciativa de alguns grupos). Infelizmente, quando se trata de usuários com pouco ou nenhum conhecimento, uma interface gráfica amigável torna-se o ponto chave de toda a questão. O Linux, pelo que se estudou, e pelas tendências levantadas, tem muito a crescer nesta área e com certeza tornar-seá um concorrente que começa a preocupar a gigante do software, a Microsoft. Existem alguns fatores que se apresentaram como impeditivos a uma migração da plataforma atualmente utilizada pelos clientes da organização estudada. São elas: O tempo que se levaria para preparar cada máquina, pois os equipamentos já estão em produção, e a equipe técnica por mais especializada que esteja é pequena, o que levaria meses até que todo o parque computacional da organização pesquisada fosse migrado; A inexistência, de algumas aplicações utilizadas hoje, que fossem suportadas pelo Linux. Dentre algumas destas aplicações, a mais crítica foi o sistema Lotus Notes, que hoje funciona como banco de dados e ferramenta de workflow; 9

10 A dificuldade de migração dos aplicativos desenvolvidos localmente e especificamente na organização em estudo. A maior parte dos aplicativos utilizados hoje na organização foram desenvolvidos localmente para atender necessidades específicas. Estes aplicativos foram escritos para a plataforma da Microsoft. Uma migração, envolveria mais que a necessidade de rescrever, e recompilar os aplicativos, e principalmente redesenhar o banco de dados existente para a nova plataforma; A dificuldade inicial dos usuários para se adaptar à nova plataforma, o que resultaria em uma grande perda de produtividade. Toda mudança gera impacto e resistência. Por mais parecido que os sistemas operacionais possa ser, em suas interfaces, ainda existem muitas diferenças conceituais. O próprio fato de dizer para o usuário que os sistemas seriam trocados, já acarretaria um impacto e resistência muito grande, mesmo que fossem explicados os motivos e as necessidades; A grande variedade de equipamentos existentes na organização, o que seria uma incógnita quanto ao fato do Linux suportar todas as configurações possíveis. Por ser relativamente recente, o Linux ainda tem alguns problemas em suportar determinados tipos de periféricos e componentes. Com uma diversidade muito grande de equipamentos, algumas surpresas no decorrer de uma possível migração poderiam surgir, o que atrasaria ainda mais a entrega dos equipamentos. Todavia, a possibilidade de utilização do Linux para usuários não deve ser de todo descartada. Como foi levantado, não são todos os usuários que utilizam todos os serviços. Usuários que utilizam apenas os serviços básicos como correio eletrônico, Internet, editor de texto, planilha eletrônica, calculadora, poderiam perfeitamente ter o Linux em suas máquinas, que suas necessidades seriam atendidas sem nenhum impacto. Para que isso ocorresse de maneira efetiva, seria necessário fazer um mapeamento dos serviços utilizados pelos usuários, e a partir deste levantamento fazer uma realocação de equipamentos. Hoje, a organização estudada possui 95% das licenças dos softwares que utiliza, fazendo com que alguns equipamentos fiquem parados. Caso sejam identificados estes usuários considerados básicos, todos poderiam ter suas necessidades atendidas, sem nenhum custo adicional, fazendo ainda com que todo o seu parque fosse efetivamente utilizado. O que não faria sentido seria descartar os sistemas operacionais e softwares proprietários já licenciados, em prol de utilizar apenas software livre. Isto sim seria um descaso com o dinheiro público. O estudo em questão não analisou a funcionalidade do Linux como servidor, limitouse a testar o sistema operacional Linux e os demais aplicativos disponíveis do ponto de vista de utilização pelos usuários corporativos, como um fator de redução dos custos com tecnologia, especificamente com licenciamento de software. BIBLIOGRAFIA ALKALAY, Avi. IBM is delivering on Linux. Brasília, BIO, Sérgio Rodrigues. Sistemas de Informação: um enfoque gerencial. São Paulo:Atlas,1988. BAREINBOIM, Elias. O que é Linux? Primeiro Passo. Site acessado às 23h40m, dia 04 de novembro de

11 BAREINBOIM, Elias. Por que o Linux é gratuito? site acessado às 23h, dia 04 de novembro de BORGES, Waldemar. Projeto de Lei Municipal 20 de 22 de março de Sala das Sessões da Câmara Municipal do Recife. BRUNS NETO, Romeu de. Software Livre Projetos de Lei. Revista do Linux, publicada no site site acessado às 14h30m, dia 16 de novembro de CARAVANTES, Geraldo R. e BJUR, Wesley E. Magia & Gestão aprendendo a readministrar sua vida pessoal. São Paulo: Makron Books, COELHO NETO, Antero. Planejamento Estratégico para Melhoria da Qualidade. Rio de Janeiro: Qualitymark, CORRÊA, Fernando Ribeiro. Entrevista com Marcelo Branco - PROCERGS: todos os estados deveriam ter uma. REVISTA DO LINUX, site acessado às 15h40m, dia 15 de novembro de COVEY, Stephen R. As Dez Chaves para uma Era de Mudanças. site acessado às 15h5m, dia 15 de novembro de EMPÓRIO LINUX. Linux versus NT. site acessado às 21h30m, dia 03 de novembro de EMPÓRIO LINUX. O que é Linux?. site acessado às 21h40m, dia 03 de novembro de EMPÓRIO LINUX. Porque Linux?. site acessado às 22h, dia 03 de novembro de FIGUEIRAS, Márcia Cristina da Costa, BIER, Marcelo. Sistemas de Informação Definição. site acessado às 15h10mh, dia 15 de novembro de FILIPE, Alécio. Software Livre. Brasília, s.n.t., FRAZÃO JR., Ari. A experiência do TRT-PE com o Linux. site acessado às 23h40m, dia 02 de novembro de GASS, Elvino Bohn. Projeto de Lei Estadual RS 59 de 16 de março de Sala das Sessões da Câmara Estadual do Rio Grande do Sul GNU.ORG. Manifesto GNU. site acessado 15h55m, dia 15 de novembro de GREVE, Georg. Admirável Mundo GNU. site acessado às 22h40m, dia 02 de novembro de INFO EXAME As maiores empresas de tecnologia do Brasil. Edição Especial. São Paulo: Abril, INFO EXAME. KDE ou Windows São Paulo: Abril, v. 16, n. 188, novembro, INFO EXAME. Linux vai bem com NetWare. São Paulo: Abril, v.16, n. 186, setembro, INFO EXAME. Um pingüim a jato. São Paulo: Abril, v.16, n. 186, setembro, JÚNIOR, Aldery Silveira e VIVACQUA, Guilherme. Planejamento estratégico como instrumento de mudança organizacional. São Paulo: Atlas,

12 LAURINI, Márcio. Linux, Monopólios e Código-Fonte Aberto site acessado às 16:00h, dia 10 de outubro de MAÑAS, Antonio Vico. Gestão de tecnologia e inovação. São Paulo: Erica, MANHÃES, Marcos Martins. O que é Open Source? site acessado às 23h20m, dia 04 de novembro de MARCHI, Dimas. Projeto de Lei Municipal 57 de 14 de maio de Sala das Sessões, Câmara Municipal de Amparo - SP MESQUITA, Renata. Minas já usa micro popular. Plantão INFO Exame On-line, site acessado às 15h, dia 15 de novembro de MICHELAZZO, Paulino. O gigante treme. site acessado às 15h49m, dia 16 de novembro de NETCRAFT.COM. October Web Server Survey. site acessado às 15h50m, dia 15 de novembro de NETWORK COMPUTING BRASIL. O desafio de integrar Unix e NT. São Paulo: GABC, v. 2, n.20, outubro, NETWORK COMPUTING BRASIL. A robustez do Linux. São Paulo: GABC, v.3, n.29, julho, OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de Oliveira. Estratégia empresarial uma abordagem empreendedora. São Paulo: Atlas, Sistemas, organização & métodos uma abordagem gerencial, São Paulo: Atlas, OPENSOURCE.ORG. The open source definition. site acessado às 16h15m, dia 10 de outubro de PCWORLD. Pesquisa avalia uso de software livre nas empresas. site acessado às 11h25m, dia 9 de Novembro de PINHEIRO, Walter. Liberdade vai ser Lei - A discussão em torno do software livre chega ao Congresso. Sala das Sessões em 15 de dezembro de PINHEIRO, Walter. Software livre: A liberdade chegou. Brasília: Câmara dos Deputados, REIS, Emerson. O que é o Linux? site acessado às 15h, dia 10 de outubro de SCHAEFER, Maximiliano Matos, CHRISTOFF, Paulo Luiz, BONIN, Rafael. Tecnologia da informação. site acessado às 14h40m, dia 15 de novembro de STALLMAN, Richard. Carta ao Editor do Dr. Dobb s Journal. site acessado às 15h30m, dia 10 de outubro de

13 ANEXO 1 PROJETO SOFTWARE LIVRE FICHA DE AVALIAÇÃO DE SOFTWARE Nome do Avaliador: Software: Categoria: Período de Avaliação: / /. Nota Final: ATRIBUTO NOTA PESO Funcionalidade 3 Operacionalidade 2 Facilidade de uso (amigabilidade) 3 Performance 1 Facilidade de instalação 1 Facilidade de manutenção 1 Aspectos positivos 2 Aspectos negativos 2 Tabela para classificação dos softwares MÉDIA CATEGORIA SOFTWARE CATEGORIA SOFTWARE KDE Kmail Gnome Sylpheed Cliente de Ambiente Gráfico Windows Maker Netscape Mail Sawfish Balsa FVMW Konqueror Staroffice 5.2 Browser para Internet Netscape Suite Office Siag Office Opera Open Office Gimp Koffice Corel PhotoPaint Editor de imagens KDE Multimidia KDEGraphics MPG123 QDraw Reprodutor multimídia XMMS Dia Ferramentas de flowchart Kjunkebox QCad Real Player Kcalc Calculadora TN5250 The Calculator Emulador de terminal eterm Tar Software de compactação Wine gzip 13

Universidade Federal de Goiás. Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG

Universidade Federal de Goiás. Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG Universidade Federal de Goiás Ubuntu Desktop Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG Conpeex / 2010 Agenda Introdução Conceitos Categorias de Software História do Linux Arquitetura do Linux Ubuntu Projeto

Leia mais

Informática Básica: aplicativos de escritório Aula 2 Instrutores: Arisneuza Gonçalves Isail Araújo Danilo Azevedo

Informática Básica: aplicativos de escritório Aula 2 Instrutores: Arisneuza Gonçalves Isail Araújo Danilo Azevedo Informática Básica: aplicativos de escritório Aula 2 Instrutores: Arisneuza Gonçalves Isail Araújo Danilo Azevedo História do Linux 1987 S.O Minix Andrew S. Tanembaum 1960 Multics Unics - Unix S.O Ken

Leia mais

Software de sistema Software aplicativo

Software de sistema Software aplicativo SOFTWARE O que é Software? Software, logicial ou programa de computador é uma sequência de instruções a serem seguidas e/ou executadas, na manipulação, redireccionamento ou modificação de um dado/informação

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Aula 34 Software livre e código aberto Aula 34 2 Gestão em Sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta

Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta Dailson Fernandes www.dailson.com.br contato@dailson.com.br Facebook: dailson.fernandes Twitter: @dailson_ Habilidades Instalar o sistema operacional; Instalar

Leia mais

Aula 01. Introdução ao Linux

Aula 01. Introdução ao Linux Aula 01 Introdução ao Linux Introdução Objetivos aprender a usar um novo sistema aprender a usar uma nova interface Como no Windows navegar pela internet (e-mails, facebook, etc) criar pastas e arquivos

Leia mais

Software Livre Introdução ao Linux

Software Livre Introdução ao Linux Software Livre Introdução ao Linux Instituto Granbery 06/03/2004 Carlos de Castro Goulart Departamento de Informática-UFV goulart@dpi.ufv.br Parte I - Software Livre O que é Software Livre? Vantagens da

Leia mais

SOFTWARE LIVRE: LINUX

SOFTWARE LIVRE: LINUX UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA SOFTWARE LIVRE: LINUX Autores: Gustavo Henrique Porto de Carvalho Diego Reynaldo Lira Llamoca Zarate Disciplina: Informática e Sociedade Agosto

Leia mais

História. Sistema Operacional

História. Sistema Operacional História Linux é o termo geralmente usado para designar qualquer sistema operacional que utilize o núcleo Linux. Foi desenvolvido pelo Finlandês Linus Torvalds, inspirado no sistema Minix. O seu código

Leia mais

Introdução 12/06/2012. Software Livre

Introdução 12/06/2012. Software Livre Software Livre Introdução Software Livre, software de código aberto ou software aberto é qualquer programa de computador cujo código-fonte deve ser disponibilizado para permitir o uso, a cópia, o estudo

Leia mais

O que é software livre

O que é software livre O que é software livre Publicado por brain em Sáb, 2006-03-25 17:12. :: Documentação [http://brlinux.org/linux/taxonomy/term/13] por Augusto Campos Este artigo responde a diversas dúvidas comuns de novos

Leia mais

Prof. Jefferson Costa www.jeffersoncosta.com.br

Prof. Jefferson Costa www.jeffersoncosta.com.br O que é Linux? Open Source (software Livre) é a mesma coisa que Software Gratuito? Quem é melhor? Qual é mais seguro? Encontramos muitas diferenças entre as distribuições de Linux? Posso desinstalar o

Leia mais

ICE INSTITUTO CUIABADO DE EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 4º SEMESTRE RECURSOS HUMANOS CARLOS EDUARDO JULIANI

ICE INSTITUTO CUIABADO DE EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 4º SEMESTRE RECURSOS HUMANOS CARLOS EDUARDO JULIANI ICE INSTITUTO CUIABADO DE EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 4º SEMESTRE RECURSOS HUMANOS CARLOS EDUARDO JULIANI SOFTWARE LIVRE E SOFTWARE PROPRIETARIO Software Livre. O software livre foi desenvolvido,

Leia mais

1 / 6. Cartilha O ABC do Software Livre. O que é PcLivre?

1 / 6. Cartilha O ABC do Software Livre. O que é PcLivre? 1 / 6 Cartilha O ABC do Software Livre O que é PcLivre? O PC Livre é um projeto de iniciativa do PSL-Brasil, coordenado por voluntários e operado por vários parceiros que apoiam a iniciação de novos usuários

Leia mais

Curso Introdução ao Linux. Desmistificando o Software Livre. Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com.

Curso Introdução ao Linux. Desmistificando o Software Livre. Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com. Curso Introdução ao Linux Desmistificando o Software Livre Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com.br Índice 1 O que é Software Livre? 2 A história por trás do Software Livre.

Leia mais

GNU/Linux - Conhecimento e Oportunidades. Agenda Currículo Objetivo GNU/Linux. Free Software e Open Source

GNU/Linux - Conhecimento e Oportunidades. Agenda Currículo Objetivo GNU/Linux. Free Software e Open Source AS2MWPC Agenda Currículo Objetivo GNU/Linux Free Software e Open Source AS2MWPC Agenda (continuação) Estudo de Casos Instituto Dom Bosco AS2MWPC / Projeto Incubadora da FATEC-SP Agregando conhecimento

Leia mais

Conhecer as características e possibilidades do SO GNU Linux como servidor em uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema em OM do

Conhecer as características e possibilidades do SO GNU Linux como servidor em uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema em OM do OBJETIVOS Conhecer as características e possibilidades do SO GNU Linux como servidor em uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema em OM do Exército Brasileiro. SUMÁRIO 1. Introdução 2.

Leia mais

SISTEMA OPERACIONAL & SOFTWARE LIVRE

SISTEMA OPERACIONAL & SOFTWARE LIVRE Curso Técnico em Redes de Computadores Disciplina de Sistemas Operacionais Livres SISTEMA OPERACIONAL & SOFTWARE LIVRE Professora: Juliana Cristina dos Santos E-mail: professora@julianacristina.com Site:

Leia mais

Capítulo 1. Exército Brasileiro. Exército Brasileiro. 1.1 Plano de Migração para Software Livre no Exército. www.exercito.gov.br. 1.1.

Capítulo 1. Exército Brasileiro. Exército Brasileiro. 1.1 Plano de Migração para Software Livre no Exército. www.exercito.gov.br. 1.1. Capítulo 1 Exército Brasileiro Instituição: Sítio: Caso: Responsável: Palavras- Chave: Exército Brasileiro www.exercito.gov.br Plano de Migração para Software Livre no Exército Brasileiro Coronel Carlos

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 1 Introdução aos Sistemas Operacionais GNU/Linux. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 1 Introdução aos Sistemas Operacionais GNU/Linux. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 1 Introdução aos Sistemas Operacionais GNU/Linux Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS... 3 Monousuário x Multiusuário...

Leia mais

Paulo Trezentos (Paulo.Trezentos@iscte.pt) 29/9/2005

Paulo Trezentos (Paulo.Trezentos@iscte.pt) 29/9/2005 Open-Source na Administração Pública Accenture Paulo Trezentos (Paulo.Trezentos@iscte.pt) 29/9/2005 Agenda / Terminologia / Contexto open source Modelos de desenvolvimento Estratégia Empresarial Razões

Leia mais

INSS. Prof. Rafael Araújo. Informática. software assim licenciado. A esta versão de copyright, dá-se o nome de copyleft.

INSS. Prof. Rafael Araújo. Informática. software assim licenciado. A esta versão de copyright, dá-se o nome de copyleft. SOFTWARE LIVRE Software Livre é todo programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado, modificado e redistribuído sem nenhuma restrição. O software livre tem seu modelo de desenvolvimento baseado

Leia mais

São programas de computador com a função de interagir a maquina com o usuário. Licenciados Livres - Gratuitos ou uso limitados 18/10/2010 1

São programas de computador com a função de interagir a maquina com o usuário. Licenciados Livres - Gratuitos ou uso limitados 18/10/2010 1 Softwares São programas de computador com a função de interagir a maquina com o usuário Tipos : Licenciados Livres - Gratuitos ou uso limitados 18/10/2010 1 Licenciados São software autorizados, cedidos

Leia mais

São programas de computador utilizados para realizar diversas tarefas É a parte lógica do computador, o que faz o computador realmente funcionar.

São programas de computador utilizados para realizar diversas tarefas É a parte lógica do computador, o que faz o computador realmente funcionar. São programas de computador utilizados para realizar diversas tarefas É a parte lógica do computador, o que faz o computador realmente funcionar. Quais são eles? Vários outros programas 1 Sistema Básico

Leia mais

Introdução 13/06/2012. Software Livre

Introdução 13/06/2012. Software Livre Software Livre Introdução Software Livre, software de código aberto ou software aberto é qualquer programa de computador cujo código-fonte deve ser disponibilizado para permitir o uso, a cópia, o estudo

Leia mais

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre 16:21:50 Introdução à Informática com Software Livre 1 16:21:50 Hardware & Software 2 16:21:50 Hardware Hardware é a parte física de um computador, é formado pelos componentes eletrônicos, como por exemplo,

Leia mais

CC Montagem e manutenção de hardware Docente: Nataniel Vieira 1 sem Técnico em Informática Roteiro 06: Atividade sobre o Documentário RevolutionOS

CC Montagem e manutenção de hardware Docente: Nataniel Vieira 1 sem Técnico em Informática Roteiro 06: Atividade sobre o Documentário RevolutionOS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CC Montagem e manutenção de hardware Docente: Nataniel Vieira 1 sem Técnico em Informática Roteiro 06: Atividade sobre o

Leia mais

Administração de Sistemas Livres. Prof. Lais Farias Alves

Administração de Sistemas Livres. Prof. Lais Farias Alves Administração de Sistemas Livres Prof. Lais Farias Alves Administração de Sistemas Livres Software e Suas Licenças O que é um Software Livre? Software Livre x Software Proprietário Software e Suas Licenças

Leia mais

AULA 1. Bruno L. Albrecht Felipe A. Chies Lucas F. Zawacki. PET Computação UFRGS

AULA 1. Bruno L. Albrecht Felipe A. Chies Lucas F. Zawacki. PET Computação UFRGS M i n i - C u r s o d e I n t r o d u ç ã o a o G N U / L i n u x AULA 1 Bruno L. Albrecht Felipe A. Chies Lucas F. Zawacki PET Computação UFRGS Março/Abril 2008 O b j e t i v o s d o M i n i - C u r s

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 03 CONCEITOS DE SOFTWARE

INFORMÁTICA APLICADA AULA 03 CONCEITOS DE SOFTWARE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 03 CONCEITOS DE SOFTWARE Profª Danielle Casillo SUMÁRIO O que é software? Software x Hardware

Leia mais

Informática Software. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc.

Informática Software. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Informática Software Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Objetivos Definir e classificar os principais tipos de softwares Básico Aplicativos Software Categorias Principais de Software Básico Chamado de

Leia mais

Sistemas operativos unix

Sistemas operativos unix Sistemas operativos unix Escola Eça de Queirós Trabalho realizado por: Dimas Marques e-mail :dmarques@ecaredes6.net Paulo silva e-mail: psilva@ecaredes6.net Turma :S12 Ano Lectivo : 2009/2010 1-caixa mágica

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Linux: Introdução Fabricio Breve Introdução O que é Linux? Uma versão do UNIX (re-implementação do padrão POSIX) Principais diferenciais: Gratuito

Leia mais

ÍNDICE. www.leitejunior.com.br 06/10/2009 10:21 Leite Júnior

ÍNDICE. www.leitejunior.com.br 06/10/2009 10:21 Leite Júnior ÍNDICE SOFTWARE LIVRE / OPEN SOURCE...2 PROPRIEDADE INTELECTUAL...2 GRAUS DE RESTRIÇÃO EM LICENÇAS DE SOFTWARE...2 LICENÇAS DE SOFTWARE...2 OPEN SOURCE...2 SOFTWARE LIVRE...2 GNU GPL...4 GNU LGPL...4 SOFTWARE

Leia mais

Tiago Eugenio de Melo

Tiago Eugenio de Melo "TCO: Reduzindo custos com Software Livre*" Tiago Eugenio de Melo *original elaborado por Marcelo de Jesus Ferreira1 Por que usar Software (Livre )? 2 Software livre x Software gratuito 3 4 Medidas quantitativas

Leia mais

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Software Livre Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) - A liberdade de executar

Leia mais

software livre: a tecnologia que liberta!

software livre: a tecnologia que liberta! software livre: a tecnologia que liberta! conteúdo original de www.cachorrosurtado.blogspot.com www.escolaep.blogspot.com copyleft 2010 (((SLIDE 01))) RELEMBRANDO O CONCEITO DE SOFTWARE SOFTWARE é o mesmo

Leia mais

Manifesto Software Livre

Manifesto Software Livre Manifesto Software Livre Histórico iniciou com a elaboração de um documento denominado: " Manifesto GNU " por Richard Stallman 1.984; marco histórico do surgimento de uma nova forma de criação de Software;

Leia mais

Oficina de ferramentas de Gerência para Redes em Linux. Prof. Jefferson Santiago

Oficina de ferramentas de Gerência para Redes em Linux. Prof. Jefferson Santiago Oficina de ferramentas de Gerência para Redes em Linux Prof. Jefferson Santiago Apresentação Qual seu nome? Já possui experiência na área? Questionário avaliativo Acesse: http://goo.gl/forms/4rfaomufim

Leia mais

Circuito Curitibano de Software Livre

Circuito Curitibano de Software Livre Circuito Curitibano de Software Livre 1ª etapa: UniBrasil Software Livre e a Paulo Henrique de Lima Santana 19 de maio de 2015 Paulo Henrique de Lima Santana Bacharel em Ciência da Computação na UFPR.

Leia mais

CC Montagem e manutenção de hardware Docente: Nataniel Vieira 1 sem Técnico em Informática Roteiro 06: Atividade sobre o Documentário RevolutionOS

CC Montagem e manutenção de hardware Docente: Nataniel Vieira 1 sem Técnico em Informática Roteiro 06: Atividade sobre o Documentário RevolutionOS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CC Montagem e manutenção de hardware Docente: Nataniel Vieira 1 sem Técnico em Informática Roteiro 06: Atividade sobre o

Leia mais

Como é o desenvolvimento de Software?

Como é o desenvolvimento de Software? Como é o desenvolvimento de Software? Fases do Desenvolvimento Modelo Cascata Define atividades seqüenciais Outras abordagens são baseadas nesta idéia Especificação de Requisitos Projeto Implementação

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Informática Instrumental

Informática Instrumental 1º PERÍODO.: GRADUAÇÃO EM REDES DE COMPUTADORES :. Madson Santos madsonsantos@gmail.com 2 Unidade I Unidade I Software 3 Software o é uma sentença escrita em uma linguagem de computador, para a qual existe

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Fábio Rodrigo Barby Informática - IFPR

SOFTWARE LIVRE. Fábio Rodrigo Barby Informática - IFPR SOFTWARE LIVRE Fábio Rodrigo Barby Informática - IFPR Software Livre x Software Proprietário Software Proprietário O que é? Copyright; Cópia é proibida; Redistribuição é proibida; Modificação é proibida;

Leia mais

Fazer um paralelo entre os dois sistemas Apresentar diferenças e semelhanças Apresentar compatibilidades Resolver questões

Fazer um paralelo entre os dois sistemas Apresentar diferenças e semelhanças Apresentar compatibilidades Resolver questões L i n u x X Wi n d o w s 1/29 O B J E T I VO S Fazer um paralelo entre os dois sistemas Apresentar diferenças e semelhanças Apresentar compatibilidades Resolver questões 2/29 L i n u x X Wi n d o w s Licenças

Leia mais

CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE

CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE Reinaldo Candido da Costa 1 * Rosaria Ferreira Otoni dos Santos* Resumo O presente artigo busca instigar a reflexão dos usuários dos meios de comunicação e disseminação da informação

Leia mais

1 / 13. O ABC do Software Livre. O que é PcLivre?

1 / 13. O ABC do Software Livre. O que é PcLivre? 1 / 13 O ABC do Software Livre O que é PcLivre? O PC Livre é um projeto de iniciativa do PSL-Brasil, coordenado por voluntários e operado por vários parceiros que apoiam a iniciação de novos usuários de

Leia mais

Modelos de Negócio com Software Livre

Modelos de Negócio com Software Livre Modelos de Negócio com Software Livre Marcelo Souza (marcelo@cebacad.net) Tech Jr. Empresa Júnior de Informática UCSal CEBACAD Centro Baiano de Computação de alto Desempenho PSL-BA Projeto Software Livre

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Tipos de Sistemas Operacionais Com o avanço dos computadores foram surgindo alguns tipos de sistemas operacionais que contribuíram para o desenvolvimento do software. Os tipos de

Leia mais

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS I N F O R M Á T I C A Sistemas Operacionais Campus Itaqui-RS Sistemas Operacionais É o software que gerencia o computador! Entre suas funções temos: inicializa o hardware do computador fornece rotinas

Leia mais

Linux Terminal Server - Vantagens e Limitações

Linux Terminal Server - Vantagens e Limitações Linux Terminal Server Vantagens e Limitações IV Encontro de Informática Inmetro & Rbmlq 19 a 21 de Outubro de 2004. Daniel Cordeiro de Morais Neto APRESENTAÇÃO Daniel Cordeiro de Morais Neto João Pessoa

Leia mais

O B B J E E T T I V V O O S

O B B J E E T T I V V O O S OBJ E T I VOS Conhecer as características e possibilidades do SO Linux, como workstation simples ou elemento componente de uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema numa corporação. SU

Leia mais

Software. Livre. Será que é isso mesmo que eu quero? João Eriberto Mota Filho Eriberto jun. 10

Software. Livre. Será que é isso mesmo que eu quero? João Eriberto Mota Filho Eriberto jun. 10 Software Livre Será que é isso mesmo que eu quero? João Eriberto Mota Filho Palmas, TO, 11 de junho de 2010 Sumário O que é o Software Livre? O que é o Linux? O licenciamento de software Alguns mitos,

Leia mais

Projecto SDAC 2010. Sistema Operativo Open Source. Curso: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos

Projecto SDAC 2010. Sistema Operativo Open Source. Curso: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Projecto SDAC 2010 Sistema Operativo Open Source Curso: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Disciplina: Sistemas Digitais e Arquitectura de Computadores Professores: Catarina Santos/Paulo Guimarães

Leia mais

SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL FUNÇÃO:

SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL FUNÇÃO: SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br FUNÇÃO: GERENCIAR, ADMINISTRAR OS RECURSOS DA MÁQUINA. SISTEMA OPERACIONAL EXEMPLOS MS-DOS WINDOWS 3.1 WINDOWS 95 WINDOWS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS INCUBADORA DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS PROJETO TELECENTROS COMUNITÁRIOS APPEL MICROSOFT LINUX GOOGLE É um controlador

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

NÚCLEO DE CIDADANIA DIGITAL Caminho Livre para o novo mundo! Conceitos básicos de Linux. www.ncd.ufes.br

NÚCLEO DE CIDADANIA DIGITAL Caminho Livre para o novo mundo! Conceitos básicos de Linux. www.ncd.ufes.br NÚCLEO DE CIDADANIA DIGITAL Caminho Livre para o novo mundo! Conceitos básicos de Linux www.ncd.ufes.br Licença Este trabalho é licenciado sob a licença Creative Commons Attribution NonCommercial-ShareAlike

Leia mais

GNU/LINUX: A OBRA-PRIMA DA COLABORATIVIDADE

GNU/LINUX: A OBRA-PRIMA DA COLABORATIVIDADE GNU/LINUX: A OBRA-PRIMA DA COLABORATIVIDADE Felipe Peixoto Araujo, Izabela Karennina Travizani Maffra, Laura Rolla Antuña, Tatiana Schmidt Gonçalves Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de

Leia mais

Introdução a Sistemas Abertos

Introdução a Sistemas Abertos Introdução a Sistemas Abertos Apresentação filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistemas Abertos Qualquer programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído inclusive com seu código fonte

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais

CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais De modo semelhante ao Linux, o Windows é considerado um software microbásico. Uma característica desse tipo

Leia mais

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Tipos de Software (Básico) Tipos de Software. Curso Conexão Noções de Informática

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Tipos de Software (Básico) Tipos de Software. Curso Conexão Noções de Informática Curso Conexão Noções de Informática Aula 2 Arquitetura de Computadores (Software) Agenda Introdução; Tipos de Software; Básico; Aplicativo; Livre; Proprietário. Pirataria de Software; Demos, Freewares

Leia mais

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL LINUX Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL Para que o computador funcione e possibilite a execução

Leia mais

O que é software livre

O que é software livre CAMPOS, Augusto. O que é software livre. BR-Linux. Florianópolis, março de 2006. Disponível em . Consultado em 16 de Dezembro de 2008. O que é software livre

Leia mais

Software Livre. Carlos José Pereira carlao2005@gmail.com

Software Livre. Carlos José Pereira carlao2005@gmail.com Software Livre Carlos José Pereira carlao2005@gmail.com Professor Ens. Bas. Tecnológico - IFSP - São Carlos, SP Doutor em Geografia - UNESP - Rio Claro, SP http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.5/br/

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE Luciara Wanglon Afonso 1 Daniele Pinto Andres 2 RESUMO Este artigo tem por objetivo apresentar algumas questões

Leia mais

Fundamentos de Software Livre

Fundamentos de Software Livre Fundamentos de Software Livre 01 de Agosto de 2011 Augusto Vinhaes Agenda 1) Software Conceitos básicos Tipos: Software básico e aplicativos 2) Sistemas Operacionais Conceitos básicos Estrutura Alguns

Leia mais

PORTARIA Nº 178 DE 25 DE OUTUBRO DE 2012.

PORTARIA Nº 178 DE 25 DE OUTUBRO DE 2012. PORTARIA Nº 178 DE 25 DE OUTUBRO DE 2012. Acrescenta a arquitetura de padrões tecnológicos de Interoperabilidade - e- PINGRIO, no segmento recursos tecnológicos o padrão tecnológico sistemas operacionais

Leia mais

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social.

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Palestrante: Paulo Cesar Alves 19/09/2005 Agenda Formulação

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Papel do Software Livre na Inclusão Digital Cristiano César Wazlawick * RESUMO A inclusão digital como ação para a inclusão social está no foco de ações do governo federal brasileiro.

Leia mais

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional Curso de Linux Básico com o Felipe Buarque de Queiroz felipe.buarque@gmail.com Unidade Gestora de Tecnologia da Informação - UGTI Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Alagoas - FAPEAL Maio de 2009

Leia mais

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1 Sistema Operacional Slide 1 Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos do computador (CPU, dispositivos periféricos). Estabelece

Leia mais

Salvando arquivos em PDF nos Sistemas Mainframes, utilizando emuladores de terminal

Salvando arquivos em PDF nos Sistemas Mainframes, utilizando emuladores de terminal DIRETORIA DE OPERAÇÕES DO GERÊNCIA DE GESTÃO DE AMBIENTES GGA Salvando arquivos em PDF nos Sistemas Mainframes, utilizando emuladores de terminal Documento Versão 1.0.1 Adaptado por Coordenação Data de

Leia mais

Guia do Sistema. =// GNU/Linux //= para o Usuário Desktop. Baseado no sistema. Slackware 11.0 / KDE 3.5. ### 4a. Edição ###

Guia do Sistema. =// GNU/Linux //= para o Usuário Desktop. Baseado no sistema. Slackware 11.0 / KDE 3.5. ### 4a. Edição ### Guia do Sistema =// GNU/Linux //= para o Usuário Desktop Baseado no sistema Slackware 11.0 / KDE 3.5 ### 4a. Edição ### Rio, 12 de Novembro de 2006. Copyright (C) 2002-2005 Ednei Pacheco de Melo. Permission

Leia mais

S o f t w a r e L i v r e e S u m m e r o f C o d e. Adriano Monteiro Marques

S o f t w a r e L i v r e e S u m m e r o f C o d e. Adriano Monteiro Marques <py.adriano@gmail.com> S o f t w a r e L i v r e e S u m m e r o f C o d e Adriano Monteiro Marques A g e n d a Software Livre Vantagens Mitos e Verdades Como fazer dinheiro com Software Livre Summer of

Leia mais

O que é o GNU/LINUX? O que e o Kernel?

O que é o GNU/LINUX? O que e o Kernel? O que é o GNU/LINUX? Muita gente confunde Linux com sistema operacional. Digamos que parcialmente não esteja errado. O Linux(núcleo, coração do sistema), ele e responsável pelo funcionamento do computador,

Leia mais

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação.

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. 1.Todo software livre deve ser desenvolvido para uso por pessoa física em ambiente com sistema

Leia mais

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves Conceitos Básicos de Informática Antônio Maurício Medeiros Alves Objetivo do Material Esse material tem como objetivo apresentar alguns conceitos básicos de informática, para que os alunos possam se familiarizar

Leia mais

Conteúdo SOFTWARE LIVRE. Terminologia. Histórico de Software Livre. Terminologia: Software livre. Terminologia: Software livre

Conteúdo SOFTWARE LIVRE. Terminologia. Histórico de Software Livre. Terminologia: Software livre. Terminologia: Software livre Conteúdo SOFTWARE LIVRE SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Histórico de Software Livre Terminologia Fases do Licença de Software Livre

Leia mais

Conteúdo. Uma visão social. O que é? Dá certo? Custos. Recomendações. Apresentação Ricardo Gazoni Semiotic Systems. Software Livre Junho de 2011

Conteúdo. Uma visão social. O que é? Dá certo? Custos. Recomendações. Apresentação Ricardo Gazoni Semiotic Systems. Software Livre Junho de 2011 Conteúdo Uma visão social O que é? Dá certo? Custos Recomendações Apresentação Ricardo Gazoni Semiotic Systems Página 2 Uma visão social História da computação: o começo de tudo 1936 década de 40 Máquina

Leia mais

Publicado por brain em Sáb, 2006-03-25 19:35. :: Documentação [http://brlinux.org/linux/taxonomy/term/13]

Publicado por brain em Sáb, 2006-03-25 19:35. :: Documentação [http://brlinux.org/linux/taxonomy/term/13] O que é Linux Publicado por brain em Sáb, 2006-03-25 19:35. :: Documentação [http://brlinux.org/linux/taxonomy/term/13] por Augusto Campos Este artigo responde a diversas dúvidas comuns de novos usuários,

Leia mais

Sistema Operativo Linux

Sistema Operativo Linux Sistema Operativo Linux Linux É um sistema operativo da família UNIX, desenvolvido colaborativamente através da internet. É um software livre ou open source, com o código fonte disponível em www.kernel.org

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO PARA CAIXA ECONÔMICA

PREPARATÓRIO RIO PARA CAIXA ECONÔMICA PREPARATÓRIO RIO PARA CAIXA ECONÔMICA O que é Software Livre? Software Livre (Free Software) é o software disponível com a permissão para qualquer um usá-lo, copiá-lo, e distribuí-lo, seja na sua forma

Leia mais

Fundamentos e Prática em Informática Ensino Médio Integrado em Informática. Lara Popov Zambiasi Bazzi Oberderfer

Fundamentos e Prática em Informática Ensino Médio Integrado em Informática. Lara Popov Zambiasi Bazzi Oberderfer Fundamentos e Prática em Informática Ensino Médio Integrado em Informática Lara Popov Zambiasi Bazzi Oberderfer Interface amigável e de fácil instalação; Maior compatibilidade de programas

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL www.tc.df.gov.br Software Livre - Motivação produto de elevada qualidade a baixo custo (treinamento) aumento da vida útil do parque computacional simplificação da

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. O Mundo dos Softwares e Introdução aos Sistemas Operacionais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. O Mundo dos Softwares e Introdução aos Sistemas Operacionais Informática Prof. Macêdo Firmino O Mundo dos Softwares e Introdução aos Sistemas Operacionais Macêdo Firmino (IFRN) Informática Março de 2012 1 / 26 Software O Hardware não consegue executar qualquer ação

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software; Sistemas Operacionais: Evolução; Conceitos Básicos; Tipos; Exemplos. DEINFO/UFRPE

Leia mais

Linux, Windows, Antivírus, Teclado e Email.

Linux, Windows, Antivírus, Teclado e Email. Linux, Windows, Antivírus, Teclado e Email. Criador do Linux Linux foi, originalmente, escrito por Linus Torvalds do Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Helsinki, Finlândia, com a

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Ambiental Prof.: Maico Petry SISTEMAS OPERACIONAIS DISCIPLINA: Informática Aplicada DEFINIÇÃO É um programa de controle do computador. O

Leia mais

Projeto de extensão Linux no Campus

Projeto de extensão Linux no Campus Projeto de extensão Linux no Campus Universidade Federal de Santa Maria Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação Evandro Bolzan Contatos: ebolzan@inf.ufsm.br, http://www.inf.ufsm.br/~ebolzan BUG BUG

Leia mais

Principais Sistemas Operacionais. Prof. Fernando Nakayama de Queiroz

Principais Sistemas Operacionais. Prof. Fernando Nakayama de Queiroz Principais Sistemas Operacionais Prof. Fernando Nakayama de Queiroz Principais S.O. Unix Linux Windows Mac OS Microsoft Windows Criado por Bill Gates e Paul Allen em 1985. Sistema proprietário (pago).

Leia mais