DESINFECÇÃO E DESINFETANTES

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESINFECÇÃO E DESINFETANTES"

Transcrição

1 43 Disciplina: HIGIENE ZOOTÉCNICA Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ-UNESP-Botucatu DESINFECÇÃO E DESINFETANTES A limpeza e a desinfecção são consideradas como principais métodos de prevenção de doenças. É indispensável que se adote um programa de limpeza e desinfecção abrangente e de uso rotineiro, visando a diminuição e manutenção de uma concentração baixa de microrganismos patogênicos no ambiente, dificultando desta forma, a probabilidade de infecções. A desinfecção consiste em controlar ou eliminar os microrganismos indesejáveis, utilizando-se processos químicos ou físicos, que atuam na estrutura ou metabolismo dos mesmos. Desinfetante: É um agente, normalmente químico, que mata as formas vegetativas, mas não necessariamente as formas esporuladas de microrganismos patogênicos. Geralmente essas substâncias são aplicadas em objetos inanimados. Germicida: É o termo aplicado à substância química ou processo físico capaz de destruir todos os microrganismos, incluindo também suas formas de resistência, denominadas de esporos, como aqueles produzidos por bactérias do gênero Clostridium sp e Bacillus sp. Bactericida: São todas as substâncias químicas ou processos físicos capazes de destruir bactérias na sua forma vegetativa, não necessariamente os esporos bacterianos.

2 44 Anti-séptico: É uma substância química que pode não ter efeito germicida, impedem ou bloqueiam o desenvolvimento, ou a ação dos microrganismos, tanto pela inibição de sua atividade, quanto por sua destruição. Fungicida e viricida: são os processos físicos, ou substâncias químicas que destroem fungos, ou vírus respectivamente. Sanitizante: O sanitizante reduz o número de contaminante bacterianos até um nível seguro. O termo se refere à condição de limpeza. Alguns detergentes se qualificam como sanitizante. Não é necessário que um sanitizante seja germicida. No manejo zoosanitário aplicado às diferentes espécies de interesse zootécnico, no que se refere à higiene, é bom frisar que um programa de limpeza e desinfecção é um suporte, e não um substituto de outras medidas higiênicas, tais como: o banho e troca de roupa do pessoal operacional, ou de pessoas visitantes da granja, a proibição ou controle da entrada de veículos na granja, o destino adequado das carcaças de animais mortos, o depósito e tratamento dos dejetos dos animais, e a utilização de baia ou área de quarentena, para novos animais que serão introduzidos na granja. O objetivo de um programa de limpeza e desinfecção é manter uma concentração baixa de agentes patogênicos, diminuindo-se, conseqüentemente, a probabilidade de infecções. Resultando nos seguintes benefícios: o aumento da produtividade; a diminuição na incidência de doenças infecciosas e parasitárias; diminuição do número de animais refugos (debilitados); diminuição de gastos com medicamentos, por animal/ano; bem como a diminuição de gastos com mão-de-obra. No planejamento e programação do processo de limpeza e desinfecção devem ser considerados alguns parâmetros, como: 1) Superfícies e volumes a limpar e a desinfetar. 2) Intervalos e freqüências de limpeza e desinfecção, em consonância com o sistema de produção.

3 45 3) Tipo de desinfetante que será utilizado, sua concentração ou diluição, e tempo de atuação. 4) Determinação de uma seqüência lógica para as operações de limpeza e desinfecção. 5) Estabelecer a qualificação e número de operadores necessários, para cada fase do serviço. 6) Treinar os operadores, instruindo-os sobre os equipamentos de proteção individual e processos de limpeza e desinfecção. 7) Determinar custos em função dos métodos empregados, número de operadores, e desinfetante a utilizar. 8) Registrar em livro especial, a data, o material de limpeza usado, o desinfetante com sua concentração/diluição e forma de aplicação, e o responsável pela operação. 9) Realizar teste de controle da qualidade microbiológica, colocando placas de Petri ou por amostragens com swabs, analisando-se em laboratório, especializado. 10) Programar o rodízio de desinfetantes, para garantir a eficiência da desinfecção, e evitar o aparecimento de cepas de microrganismos resistentes a determinados desinfetantes. Existem dois sistemas de desinfecção, um deles realizado por processo químico e o outro físico. A desinfecção química é obtida utilizando-se os produtos químicos minerais, sintéticos ou naturais, enquanto que a desinfecção física é procedida pelo calor e radiação solar. DESINFECÇÃO POR AGENTES FÍSICOS Radiação solar: Esta tem efeito germicida pelos raios ultravioletas. Em ambientes de laboratórios, existem lâmpadas ultravioletas, com o objetivo de desinfetar o local. Este método de desinfecção é superficial, sua ação é lenta, e não penetra a fundo nos materiais. Nas criações extensivas, a pasto, a ação da luz solar sobre

4 46 microrganismos patógenos controla a ocorrência de enfermidades nos animais, pois a sobrevivência dos microrganismos é bem maior quando abrigados da luz solar direta. Calor: Utilizado de diferentes maneiras, principalmente na forma de vapor sob pressão, ou ebulição em ambiente livre. O processo de compostagem sólida de dejetos dos animais (esterco) e carcaças de animais mortos, também produz calor em sua profundidade, atingindo em média 70 C, destruindo desta forma muitos microrganismos patogênicos. O calor também é utilizado no processo de pasteurização, incineração e vassoura de fogo. Quanto ao frio, é utilizado apenas para retardar o crescimento dos microrganismos, sendo muito utilizado para conservação de alimentos. DESINFECÇÃO QUÍMICA A desinfecção por meios químicos é a prática mais usual e efetiva em saúde animal. Atualmente há um grande número de produtos químicos à disposição no comércio para a prática da desinfecção. Embora as marcas comerciais sejam as mais variadas, os princípios ativos são restritos, principalmente, a compostos fenólicos e derivados do alcatrão de hulha, halogênios, álcoois e aldeídos, agentes tensoativo como os detergentes, agentes oxidantes, derivados de metais pesados, corantes, álcalis, ácido e ainda os compostos orgânico-naturais. CRITÉRIOS PARA A ESCOLHA DE UM DESINFETANTE Não existe o desinfetante ideal, assim a escolha deverá recair sobre aquele que cumprir com maior número de requisitos à finalidade desejada, lembrando-se, entretanto que um bom desinfetante, é aquele que na mesma concentração e no mesmo espaço de tempo elimina bactérias, vírus, fungos, protozoários e parasitos.

5 47 Características desejáveis de um desinfetante: ser germicida. ser de baixo custo e de aplicação econômica (relação custo x benefício). ser atóxico para o homem e animais, não devendo irritar a pele e mucosas. ser estável frente a matéria orgânica, ph, luz. ser solúvel em água. não conferir odor ou sabor aos alimentos e objetos. ter poder residual. ser de fácil aplicação. apresentar poder de penetração e rapidez de ação. não ser corrosivo. ser biodegradável. MÉTODOS DE DESINFECÇÃO (TÉCNICAS) As técnicas de desinfecção empregadas dependem dos objetos e dos materiais a serem desinfetados, levando-se em consideração as necessidades, e facilidade de aplicação. A seguir, as principais técnicas utilizadas: Pedilúvio: É colocado à porta das instalações para desinfecção dos calçados das pessoas, mesmo para aqueles que trabalhem no próprio estabelecimento ou propriedade. É muito importante no caso de visitas às propriedades rurais, pois muitas vezes os microrganismos podem ser introduzidos nestas, pela sola dos calçados. É de uso rotineiro nas granjas de suínos e avícolas, e em caso de exposições e feiras de animais. A prática do pedilúvio deve ser de rotina em granjas leiteiras para profilaxia e controle de afecções podais, como as pododermatite infecciosas. O pedilúvio deve ser instalado no caminho de entrada ou retorno da sala de ordenha.

6 48 Rodolúvio: É utilizado na entrada das granjas para desinfecção dos pneus de veículos que adentram a propriedade, evitando-se a veiculação de agentes infecciosos de uma propriedade rural para a outra. Imersão: Mergulham-se os objetos, na água em ebulição, ou na solução contendo o desinfetante a ser utilizado. Pulverização: É obtida pulverizando-se o desinfetante, por meio de bombas costais ou sob a forma de spray. Aspersão: Espalha-se o desinfetante sobre o material a ser desinfetado. Difere da pulverização, pois na aspersão, as partículas são menores. Fumigação: Aproveitam-se as emanações anti-sépticas obtidas de certas substâncias, por meio de gás. É obtida, por exemplo, com a queima de pastilhas e pó, de diversas composições. Geralmente é utilizado formol e permanganato de potássio. PROPRIEDADES E USOS DOS DESINFETANTES As propriedades dos desinfetantes variam de acordo com o seu princípio ativo. A Tabela 2 ilustra as propriedades e usos de alguns desinfetantes (O.I.E., 1986).

7 49 Tabela 2 Propriedades e a indicação do uso dos desinfetantes na prática da desinfecção. PROPRIEDADES GLUTA- RALDEIDO CLORHE- XIDINA DESINFETANTES CLORO IODO FENOL AMÔNIA QUATER- NÁRIA FORMOL Bactericida Fungicida ± + Viricida + + ± + + ± + Toxicidade Faixa de ph efetivo alcalino alcalino ácido ácido neutro alcalino alcalino Ação na presença matéria orgânica USOS Equipamentos de ± incubatório Desinfecção da água Pessoas Lavagem de ovos Pisos + ± Pedilúvio Habitações + ± + ± : Atividade do desinfetante : Ausência de atividade ± : Atividade limitada a condições especiais Fonte: Código Zoosanitário Internacional -O.I.E. - 5a. ed., EFICÁCIA DOS DESINFETANTES A eficácia dos desinfetantes químicos depende de vários fatores, como: Concentração ou diluição do produto: deve-se seguir as recomendações do fabricante quanto à forma de aplicação, e o volume a ser utilizado. Tempo de atuação ou exposição, seguindo-se as recomendações do fabricante. Temperatura: a temperatura alta acelera o processo de desinfecção.

8 50 Presença de matéria orgânica: a retirada prévia de sujidades melhora a ação do desinfetante. Material a ser desinfetado: quanto mais poroso o material, menor a eficácia do desinfetante. Sensibilidade e quantidade de microrganismos presentes no material ou ambiente a ser desinfetado. Educação sanitária dos usuários. IMPORTÂNCIA DA LIMPEZA PRÉVIA NO PROCESSO DE DESINFECÇÃO Antes de proceder à desinfecção é importante que se faça uma limpeza prévia do local ou material a ser desinfetado, pois além da maioria dos desinfetantes, diminuírem a sua ação em presença de matéria orgânica, este procedimento elimina mecanicamente grande quantidade de microrganismos presentes no local. A limpeza permite uma ação direta e mais eficiente do desinfetante sobre os microrganismos presentes na superfície a ser desinfetada. A limpeza pode ser realizada por varredura, lavagem com água e sabão ou detergente, removendo-se fezes, restos de alimentos, gordura, entre outras sujidades. Os resíduos contaminados não devem ser deixados ao ar livre, pelo risco de contaminação imediata do local, ou pela dispersão dos contaminante, pelo vento ou água pluvial. RODÍZIO DE DESINFETANTES Em um programa de desinfecção devem ser ainda considerados alguns aspectos para se garantir o êxito da mesma. Não se deve misturar, ou combinar desinfetantes, pois este procedimento pode causar efeitos negativos, como a neutralização do poder desinfetante, reação química produzindo subprodutos tóxicos; e ainda por poder incrementar a resistência de determinados microrganismos. Deve-se ainda evitar o uso de desinfetantes tóxicos, irritantes e/ou com odores penetrantes, na presença de animais, reduzir o uso de

9 51 desinfetantes corrosivos, e empregar os produtos desinfetantes com amplo espectro germicida, garantindo-se assim êxito no processo de desinfecção. DESINFETANTES QUÍMICOS 1. Fenóis e derivados do alcatrão de hulha: 1.1. Fenol ou ácido carbólico: Foi descoberto no alcatrão de hulha, sendo denominado inicialmente como ácido carbólico. Foi o primeiro anti-séptico a ser usado em cirurgia asséptica Cresol (ácidos cresílicos, tricresol): São os produtos derivados do fenol mais conhecidos, e utilizados. Estes produtos são recomendados na desinfecção de pisos, esgotos e instalações sanitárias. A sua ação se baseia na combinação com a proteína celular bacteriana, desnaturando-a. A creolina contém 10% de cresóis e o lisol 50% de cresóis Fenóis halogenados: A atividade do fenol é aumentada, quando associado com halogênios, como o flúor, cloro, bromo e iodo. O hexaclorofeno é um difenol branco, cristalino que possui seis átomos de cloro. É inodoro e virtualmente insolúvel em água, porém solúvel em álcali, álcool e acetona. A alcalinidade do sabão é suficiente para conservar o hexaclorofeno em solução aquosa. O hexaclorofeno (0,75%), se incorpora em sabões sólidos e líquidos, cremes detergentes como o Phisohex, e outros veículos para desinfecção cutânea pré-operatória. Um grupo de microrganismos importantes em saúde animal e em saúde pública são os Mycobacterium spp, que resistem muitas horas ou dias aos desinfetantes comuns, sendo que os fenóis orgânicos conseguem inativá-los em 30 minutos, se utilizados na concentração de 3% (ZANON et al., 1974). 2. Alcalinos: Os álcalis são usados como desinfetantes desde os tempos antigos. O mecanismo ação relaciona-se com a concentração de íon hidroxila.

10 52 Sabe-se que um ph superior a 9,0 inibe o crescimento e desenvolvimento da maioria das bactérias. A maior parte do poder anti-séptico dos sabões, se deve ao seu conteúdo de álcali. Possuem um amplo espectro de ação, entretanto, não tem efeito sobre os esporos bacterianos. São recomendados para desinfecção de pisos e paredes das instalações. São tóxicos, corrosivos e irritantes, e não biodegradáveis Soda cáustica: A lixívia de soda encerra aproximadamente 94% de hidróxido de sódio e é amplamente utilizada. É indicada para desinfecção de estábulos, em solução a 2% em água quente, durante 10 minutos. A eficiência da solução de lixívia pode ser aumentada com a adição de 1 Kg de cal, pois este retarda a conversão de hidróxido de sódio em carbonato de sódio, aumentando, conseqüentemente a sua ação desinfetante Carbonato de sódio: É conhecido comercialmente como soda de lavar. Quando associado à lixívia aquecida, melhora-se o seu poder desinfetante. É indicado sob forma de uma solução na concentração de 4%, para desinfecção de instalações, e objetos contaminados Cal (óxido de cálcio, cal viva): A cal viva (CaO), combinada com água, desenvolve grande quantidade de calor, transformando-se em Ca(OH) 2, cal apagada ou cal extinta, apresentando elevado valor desinfetante. A cal comercial é um desinfetante de baixo custo, e comumente utilizado para desinfecção de estábulos e instalações dos animais. Pode ser aplicada como pó ou sob a forma de mistura espessa com água, conhecida como leite de cal. As grandes vantagens da cal, como desinfetante, são além de sua fácil disponibilidade, o baixo custo. A cal hidratada ou cal extinta: Quando misturada a quatro volumes de água, forma-se uma suspensão alcalina, denominada água de cal. O leite de cal é obtido utilizando-se 2,5 litros de água para 9,0Kg de cal. Esta solução deve ser preparada no momento de sua utilização, para não perder o seu poder de ação.

11 53 3. Aldeídos 3.1. Formaldeido ou Formol: O formaldeido sob a forma gasosa tem excelente propriedade bactericida e germicida. Possui a capacidade de reagir com o grupo amina da proteína celular, produzindo, assim, o efeito letal sobre as bactérias. O formaldeido (37% a 40%) mais água, recebe o nome de formalina, conhecido como formol comercial. Quando associado a detergentes, melhora a sua eficiência. Para uso em instalações é recomendado nas concentrações entre 4% a 10%. O mesmo é indicado para desinfecção de incubadoras, câmaras assépticas e ambientes fechados, sendo muito utilizado na desinfecção de galpões na criação de frangos. O gás deve atuar por oito a dez horas no ambiente a ser desinfetado. O formol, também tem aplicação em pedilúvio, principalmente para controle do Foot-Rot, doença dos ovinos, conhecida como podridão dos cascos, bem como para lesões podais de bovinos Glutaraldeido: É um aldeído relativamente novo, sendo menos tóxico que o formol. O glutaraldeido tem largo espectro de ação, e é ativo na presença de matéria orgânica. É biodegradável, e seus resíduos contaminam alimentos. É usado na desinfecção de instrumento cirúrgico, na instalação dos animais, equipamentos e salas de incubação. 4. Halogênios e seus derivados 4.1. Iodo: É um germicida, com alto poder de penetração, reagindo com o substrato protéico da célula bacteriana. É solúvel no álcool, e proporciona efetiva ação contra as bactérias existentes na pele íntegra. A tintura de iodo é muito utilizada para fins anti-sépticos, principalmente na desinfecção do umbigo de animais recém-nascidos.

12 Iodóforos ou Iodophor: São conhecidos como, transportadores de iodo, constituindo-se de uma mistura de iodo, com detergentes e solubilizadores. Esta é a melhor forma de se utilizar o iodo principalmente na desinfecção de instalações. A eficácia do iodo aumenta à medida que se diminui o ph. Em ph neutro ou alcalino, a atividade antimicrobiana é mínima. Assim, os iodóforos devem ser formulados como soluções ácidas, a fim de se obter maior eficácia. O ácido fosfórico é o mais freqüentemente utilizado para esta finalidade. Soluções de iodóforos mantém boa atividade bactericida na presença de matéria orgânica. Pode-se considerar os iodóforos como substâncias seguras, com baixa toxicidade, sendo destituídos de odor, e que apresentam boa estabilidade. São indicados, principalmente, para a desinfecção dos tetos dos animais, antes (prédipping) e após a ordenha (pós-dipping), na prevenção e controle das mastites em rebanhos leiteiros Cloro: Foi utilizado inicialmente, como alvejante na indústria têxtil. Teve suas propriedades desinfetantes demonstradas sob condições laboratoriais, pelo bacteriologista alemão Kock, em Em 1886, a American Public Health Association aprovou o uso dos hipocloritos como desinfetantes. Em 1908, foi introduzido o uso do cloro, na purificação da água consumida pela população dos Estados Unidos. As indústrias de laticínios e as de alimentos, rapidamente aderiram ao uso do cloro para melhorar a qualidade da água que utilizavam e, também, na higienização de pisos, paredes, utensílios e equipamentos. Pode ser utilizado como desinfetante, sob as formas de gás, compostos inorgânicos, e os orgânicos. Os principais compostos clorados, disponíveis no comércio, com suas respectivas porcentagens de cloro ativo em Cl 2, são apresentados na Tabela 3.

13 55 Tabela 3. Compostos clorados, com suas respectivas porcentagens de cloro ativo. inorgânicos Nome Químico % de cloro ativo em Cl 2 Hipoclorito de sódio 1-15 Hipoclorito de cálcio Hipoclorito de lítio Fosfato trissódico clorado 3,5 Dióxido de cloro 17 Cloro gás 100 orgânicos Nome Químico % de cloro ativo em Cl 2 Ácido Dicloroisocianúrico 70,9 Ácido Tricloroisocianúrico Sulfonamida p-tolueno de sódio (cloramina-t) Sulfonamida p-tolueno (Dicloramina-T) Diclorodimetil Hidantoína 66 No Brasil, os hipocloritos, são amplamente usados na indústria de laticínios e nas propriedades produtoras de leite para desinfecção de equipamentos, utensílios de ordenha e higienização do úbere dos animais antes da ordenha. O hipoclorito de sódio é o mais usado, na forma líquida com teores de 1 a 15% de cloro ativo, expresso em Cl 2. Todos os compostos clorados, à exceção do dióxido de cloro, apresentam o mesmo mecanismo de ação. Quando estes produtos estão em solução aquosa, libera-se o ácido hipocloroso, em sua forma não dissociada, que apresenta capacidade de penetrar na célula bacteriana e destruí-la. O cloro é considerado como desinfetante universal para a água, e a parte que permanece nesta, após período de ação média de 20 minutos, constitui o cloro livre, de grande poder desinfetante. Nas concentrações recomendadas, os hipocloritos desinfetam superfícies limpas. Quando há considerável resíduo de matéria orgânica e/ou minerais, estas se combinam à solução de cloro, dando origem ao cloro combinado, que apresenta baixa ação desinfetante.

14 56 5. Clorhexidina O cloridrato de clorhexidina é um composto sintético. Quimicamente é o dicloridrato de 1,1-hexametil-enobis (p-clorofenil) biguanida. Tem reação alcalina, é levemente hidrossolúvel e relativamente atóxico. A clorhexidina é ativa contra diversas bactérias gram-positivas e gram-negativas, e outros microrganismos. Tem boa ação na presença de matéria orgânica. A clorhexidina demonstrou ser útil na desinfecção de equipamentos e instalações contaminadas, panos de limpeza do úbere e equipamentos de ordenha. Tem boa ação no controle da mastite, pela imersão das tetas após a ordenha (pós-dipping). Normalmente, a concentração recomendada para esta finalidade é de 0,2% a 1% (RADOSTITS & BLOOD, 1986). A redução de novas taxas de infecção na mastite bovina foi significativa com a utilização de digliconato de clorhexidina a 0,5% com glicerina a 6% (HICKS et al., 1981). 6. Substâncias tensoativas ou detergentes As substâncias tensoativas possuem a capacidade de diminuir a tensão superficial dos líquidos. Tem boa solubilização, dispersão, emulsificação e umectação. Classifica-se em substâncias: aniônicas, catiônicas, não iônicas e anfóteras Compostos de amônio quaternário: São substâncias tensoativas catiônicas, de baixa tensão superficial, que atuam aumentando a permeabilidade da membrana celular dos microrganismos, possibilitando a hidratação das células e sua implosão com perda de nitrogênio e potássio, e inativação do sistema enzimático bacteriano. Os compostos de amônio quaternário mais conhecidos são: cloreto de benzetônio e o cloreto de benzalcônio Substâncias aniônicas ou sabões e detergentes: O mecanismo de ação é similar aos catiônicos, mas com atividade bactericida fraca, provavelmente, por

15 57 serem repelidos pela carga elétrica negativa da superfície bacteriana. São eficientes na eliminação da maioria dos microrganismos da pele. Não funcionam em água dura, ou seja, naquelas com altas concentrações de cálcio e magnésio. Possuem grupo polar COO ou SO 2. São mais ativos quando constituídos à base de ácidos graxos insaturados, como por exemplo, ácido oleico. Não são biodegradáveis Substâncias anfóteras: Possuem um grupo catiônico, que é responsável pela ação bactericida; e um grupo aniônico, responsável pelo efeito detergente. O ph considerado ótimo para atuação desses compostos é variável e depende do número de grupos nitrogenados. O dodecil-glicina atua melhor em ph = 3,0, enquanto que o dodecil-diamino-etil-glicina age em faixas de ph entre 9,0 a 9,5. 7. Álcoois Os álcoois alifáticos comuns são bons solventes anti-sépticos e desinfetantes. O álcool etílico ou etanol é tradicionalmente o mais comum e também o mais utilizado. É conhecido, ainda, como álcool de cereal, porque é produzido pela fermentação de grãos de cereais. Os álcoois possuem pronunciada ação bacteriana. O etanol é comumente usado na diluição de 70%. Aparentemente, os álcoois produzem seu efeito pela desnaturação de proteínas solúveis, e diminuição da tensão superficial. O álcool a 70% é considerado como bom anti-séptico, tendo a sua ação melhorada quando adicionado de 2% de tintura de iodo; conhecido como álcool iodado. É muito recomendado como anti-séptico da pele, e desinfecção de material clínico-cirúrgico.

16 58 8. Substâncias oxidantes 8.1. Água oxigenada (H 2 O 2 ) ou peróxido de hidrogênio: Pela ação da catalase existente nas bactérias ou em tecidos orgânicos, nos casos de ferimentos, sangue e pus, ocorre a liberação de oxigênio nascente, promovendo a desinfecção por oxidação. A água oxigenada, na concentração de 3%, tem indicação principalmente como anti-séptico e também na limpeza, pelo borbulhamento de lesões, e feridas. Sua ação é rápida e instável, não sendo corrosiva nem tóxica. É biodegradável. É muito utilizada na limpeza e desinfecção de feridas, entretanto o seu espectro de ação é reduzido, não agindo também sobre esporos Permanganato de potássio (KMnO 4 ) : Ocorre sob a forma de cristais púrpura-escuros, que são solúveis em água na proporção de 1:15. É um oxidante enérgico com ação desinfetante e desodorizante. Em contato com a matéria orgânica libera oxigênio. Não penetram profundamente, apresentando somente ação superficial. Dependendo da sua concentração, as soluções podem ser bacteriostáticas, adstringentes, irritantes ou cáusticas Ozônio (O 3 ) : Decompõe-se facilmente liberando oxigênio nascente. É usado principalmente na desinfecção do ar e da água. A sua ação tóxica, o impede de ser utilizado na desinfecção de locais habitados. 9. Compostos orgânicos naturais Na natureza encontram-se muitos compostos complexos orgânicos, de origem vegetal, com características bactericida e germicida. QUINTERO (1994), aponta alguns fitofarmacos recentemente estudados com características germicidas:

17 59 Extrato de sementes cítricas: Grapefruit (Citrus paradise), Bergamot (Citrus aurantium), Tangerina (Citrus reticulata), Laranja (Citrus sinensis). Extrato de Andrografis peniculata, planta da Índia, estudada em 1992 por Kumar & Prassad, Universidade de Bhagalpur, Índia. Extrato fluído de alecrim (Rosmarinus off) Extrato fluído de angélica (Angélica off) Extrato fluído de eucalipto (Eucalyptus globulus) 9.1. Extrato de sementes cítricas (Kilol ): Trata-se de um composto complexo orgânico-natural, extraído de frutas cítricas brasileiras, ativadas por processo biológico e estabilizado por métodos físico-químicos. Foi desenvolvido pela Quinabra - Química Natural Brasileira Ltda., em São José dos Campos, SP. É integrado por traços orgânico-químicos, classificados como GRAS (Generally Recognized As Grass) pela F.D.A. (Food and Drug Administration) dos Estados Unidos, a saber: ácido ascórbico, bioflavonóides cítricos, ácido cítrico, pectina cítrica, aminoácidos e grupos aminas, ácidos graxos e glicerídeos, tocoferóis e açucares.

18 60 Utilização de diferentes desinfetantes em algumas enfermidades infecciosas dos animais (COSTA, 1987). Doenças Desinfetantes Febre aftosa Carbonato de sódio a 4% Hidróxido de sódio a 2% Óxido de cálcio a 5% Iodophor Cresóis a 10% Formol a 10% Tuberculose Cresóis a 3% Iodophor Fenóis orgânicos a 3% (Tersyl) - Fonte: Corrêa & Corrêa, Brucelose Carbonato de sódio a 2% Fenol a 1% Formol a 2% Permanganato de potássio 1:5000 Álcool etílico (mãos, materiais clínico-cirúrgico). Peste suína Carbonato de sódio a 4% Hidróxido de sódio a 2% Cloro a 3% Formol a 10% Fenol a 3% Doença de Aujeszky Doença de Newcastle Hidróxido de sódio a 3% Cal a 2% Formol a 1% Hipoclorito de sódio a 3% Fenol a 5% Amônio quaternário Iodophor Formol a 2% Permanganato de potássio a 1:5000 Hidróxido de sódio a 2% Cal Amônio quaternário a 1% para bandeja de ovos, bebedouros e comedouros. Lixívia de soda a 5%

19 61 BIBLIOGRAFIA ANDRADE, N.J. O uso de compostos clorados na indústria de laticínios. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v.13, n.155, p.48-52, COSTA, D.E.M. Desinfetantes em saúde animal. Boletim de Defesa Sanitária Animal, Ministério da Agricultura, Brasília, DF, p. DAVIES, R.C. Effects of regular formalin foot baths on the incidence of foot lameness in dairy catle. Vet. Rec., v.111, p.394, HICKS, W.G., KENNEDY, T.J., KEISTER, D.M. et al. Evaluation of a teat dip of chorhexidine digluconato 0,5% with glicerin 6%. J. Dairy Science, v.64, p , HOFFMANN, F.L., GARCIA-CRUZ, C.H., VINTURIM, T.M. Determinação da atividade antibacteriana de desinfetantes. Higiene Alimentar, v.9, n.39, p.29-34, HUBER, W.G. Antissépticos e desinfetantes. In: JONES, L.M. et al. Farmacologia e terapêutica em veterinária. 4 a. ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan. Cap.45, p QUINTERO, W. Desinfecção moderna - Curso ministrado na VIII SEAB, UNESP, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Botucatu, SP, p. (Apostila) SOBESTIANSKY, J. et al. Limpeza e desinfecção na suinocultura. Aspectos técnicos e econômicos. Concórdia, SC, Circular Técnica, n.3. EMBRAPA, CNPSA, p. STEWART, G.A., PHILPOT, W.W. Efficiency of a quaternary ammonium teat dip for preventive intrammamary infections. J. Dairy Sci., v.65, p , WIEST, J.M. Desinfecção e desinfetantes. In: GUERREIRO, M.G. et al. Bacteriologia Especial: com interesse em saúde animal e saúde pública. Porto Alegre, Sulina, Cap. 5, p ZANON, U., MAGARÃO, M.F., MONDIN, E.L. A atividade tuberculicida de desinfetantes hospitalares. Rev. da Divisão Nacional de Tuberculose, v.18, p.5-15, 1974.

DESINFECÇÃO E DESINFETANTES. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ-UNESP-Botucatu 2006

DESINFECÇÃO E DESINFETANTES. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ-UNESP-Botucatu 2006 DESINFECÇÃO E DESINFETANTES Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ-UNESP-Botucatu 2006 1 Limpeza e desinfecção Deve ser abrangente e rotineiro Microrganismos

Leia mais

04/06/2009. 1. Introdução. Esterilização: É a destruição de todas as formas de vida microbiana, incluindo endosporos.

04/06/2009. 1. Introdução. Esterilização: É a destruição de todas as formas de vida microbiana, incluindo endosporos. CONTROLE DO CRESCIMENTO MICROBIANO Verônica Ortiz Alvarenga 1. Introdução Esterilização: É a destruição de todas as formas de vida microbiana, incluindo endosporos. Esterilização comercial: É o tratamento

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

Esterilização e desinfecção

Esterilização e desinfecção Esterilização e desinfecção História 1683 Leeuwenhoek 1857 Pasteur Ignatz Semmelweis (1816-1865) Joseph Lister (1827-1912) Introduz a higienização hospitalar: - Lavagem de mãos - Lavagem de material cirúrgico

Leia mais

EQUILIBRIO da ÁGUA. TRATAMENTO DE ÁGUA DETERGÊNCIA INDUSTRIAL CONSUMÍVEIS p/ RESTAURAÇÃO E HOTELARIA DETERGENTES TÊXTEIS

EQUILIBRIO da ÁGUA. TRATAMENTO DE ÁGUA DETERGÊNCIA INDUSTRIAL CONSUMÍVEIS p/ RESTAURAÇÃO E HOTELARIA DETERGENTES TÊXTEIS EQUILIBRIO da ÁGUA NíVEIS de ph e alcalinidade ph mais sólido PRODUTO NO.: FORUSPLUS PH Produto: FORUSPLUS PH - ph Mais Sólido Categoria: Equílibrio da Água 15Kg COD: Q082 Descrição: Incrementador de ph

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo.

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo. ANEXO IV ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS. No laboratório, almoxarifado e em locais em que se tenha que armazenar ou manipular substâncias químicas, deve-se ter em conta sua composição, pois muitas delas

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Descontaminação de equipamentos Químico Agnaldo R. de Vasconcellos CETESB DEFINIÇÃO CONTAMINAÇÃO: contato

Leia mais

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO Como fazer a ordenha correta Para fazer a ordenha mecânica, você deve seguir os mesmos passos da ordenha manual. Siga as etapas abaixo indicadas: 1 Providencie um ambiente para a

Leia mais

2. DEFINIÇÕES E CONCEITOS

2. DEFINIÇÕES E CONCEITOS NORMA Utilização de antisséticos Elaborado em: Abril 2014 Revisão: 2017 Aprovado em: 09.04.2014 1. INTRODUÇÃO Devido à incidência crescente de infeções nosocomiais e ao aparecimento de estirpes de bactérias

Leia mais

TIPOS DE SUJIDADES O QUE É SUJIDADE?

TIPOS DE SUJIDADES O QUE É SUJIDADE? TIPOS DE SUJIDADES O QUE É SUJIDADE? A sujidade é um residual físico, químico ou biológico considerado estranho ao produto original, que pode ser capaz de provocar efeitos deterioráveis, detectados visualmente

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DAS SUPERFÍCIES EM CONTATO COM ALIMENTOS

HIGIENIZAÇÃO DAS SUPERFÍCIES EM CONTATO COM ALIMENTOS A palavra "higienização" vem do grego hygieiné que significa "saúde". A higienização é um processo que consiste na remoção de materiais indesejados nas superfícies em contato direto ou indireto com os

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti PREPARAÇÃO DO FUNDO, ADUBAÇÃO, CALAGEM E MANEJO DO FLUXO DE ÁGUA DOS VIVEIROS

Leia mais

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido

Leia mais

LIMPEZA. Água / sabão /escova Solução multi - uso Soluções desencrostrantes Detergentes enzimáticos

LIMPEZA. Água / sabão /escova Solução multi - uso Soluções desencrostrantes Detergentes enzimáticos DESINFECÇÃO É o processo de eliminação de formas vegetativas, existentes em superfícies inanimadas, mediante a aplicação de agentes químicos e/ou físicos. LIMPEZA Antes do procedimento de Desinfecção deve-se

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM HIDROPONIA Qualidade da água Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM CURIOSIDADES DA ÁGUA 75% da terra está coberta com água Terra plana: cobertura de 2,5 km de água 0,005% se move por dia no ciclo hidrológico

Leia mais

E 200. linha floor care. limpeza e manutenção de pisos. Limpador Alcalino de Uso Geral. cleanup

E 200. linha floor care. limpeza e manutenção de pisos. Limpador Alcalino de Uso Geral. cleanup cleanup linha floor care limpeza e manutenção de pisos E 200 Limpador Alcalino de Uso Geral Desenvolvido para limpeza leve e pesada em todos os tipos de superfícies laváveis (bancadas, paredes, máquinas

Leia mais

Higienização em ambientes de produção animal. Fernando Bandeira Faculdade de Veterinária Novembro de 2017

Higienização em ambientes de produção animal. Fernando Bandeira Faculdade de Veterinária Novembro de 2017 Higienização em ambientes de produção animal Fernando Bandeira Faculdade de Veterinária Novembro de 2017 Introdução Medidas gerais de profilaxia Doença Evitar a introdução Controlar Objetivos Evitar o

Leia mais

Introdução. Desinfecção e Desinfetantes. Benefícios. Conceitos. Conceitos 19/05/2014. Limpeza e desinfecção. Prevenção de doenças

Introdução. Desinfecção e Desinfetantes. Benefícios. Conceitos. Conceitos 19/05/2014. Limpeza e desinfecção. Prevenção de doenças Introdução Desinfecção e Desinfetantes Limpeza e desinfecção Prevenção de doenças Microrganismos no ambiente Jean Berg Risco de infecções Sanidade e produtividade animal 1 2 Benefícios Produtividade Doenças

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR Enf.ª Fabiane da Silva SCIH HCAN/MT ccih@hcancer.com.br Histórico da Higienização Hospitalar... Florence Nigthingale em 1854, revolucionou a forma de se pensar e planejar os hospitais.

Leia mais

Higienização do Ambiente Hospitalar

Higienização do Ambiente Hospitalar Higienização do Ambiente Hospitalar Enfª Mirella Carneiro Schiavon Agosto/2015 O serviço de limpeza tem por finalidade preparar o ambiente de saúde para suas atividades, mantê-lo em ordem e conservar equipamentos

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS Alessandra Lima PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS 2005: 5 ENF 2006: 2 ENF 2007: 3 ENF CONSULTÓRIOS MÉDICOS 2009: 2 ENF 2008 3 ENF Necessidade de mudança do foco: Preocupação

Leia mais

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES SUSPENSÕES E SOLUÇÕES Definições SUSPENSÃO Mistura heterogênea de substâncias Ex.: sangue (suspensão de plasma e células) água e óleo; água e areia, água e açúcar SOLUÇÃO Mistura homogênea de substâncias

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes. Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares

TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes. Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares Tensão superficial Força existente na superfície de líquidos em repouso. Fortes

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

: fórmula mínima M = (1. 12 + 4. 1) g/mol M = 16g/mol. b) A equação química do processo é: (g) + 2O 2. (g) CO 2. (g) + 2H 2

: fórmula mínima M = (1. 12 + 4. 1) g/mol M = 16g/mol. b) A equação química do processo é: (g) + 2O 2. (g) CO 2. (g) + 2H 2 20 A Bolívia é um grande produtor de gás natural (metano) e celebrou com o Brasil um acordo para a utilização deste importante recurso energético. Para seu transporte até os centros consumidores, há um

Leia mais

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp.

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Síntese das investigações desde a descoberta de novos antimicrobianos Final do século XIX: Pasteur efetuou relatos sobre antagonismo entre diferentes

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO AMACIANTE DE ROUPAS 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO AMACIANTE DE ROUPAS 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO AMACIANTE DE ROUPAS 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA a) Nome do Produto: AMACIANTE DE ROUPAS. b) Código do Produto: c) Nome da Empresa: ICARAÍ

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS SANEANTES A BASE DE HIPOCLORITOS ADITIVADOS (REVOGACAO DA RES. GMC Nº 57/98)

REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS SANEANTES A BASE DE HIPOCLORITOS ADITIVADOS (REVOGACAO DA RES. GMC Nº 57/98) MERCOSUL/XLIII SGT N 11/P. RES. N /15 REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS SANEANTES A BASE DE HIPOCLORITOS ADITIVADOS (REVOGACAO DA RES. GMC Nº 57/98) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de

Leia mais

Que é necessário ter um regulamento para produtos à base de Hipocloritos Aditivados (Água Lavandina Aditivada / Alvejante / Água Clorada Aditivada).

Que é necessário ter um regulamento para produtos à base de Hipocloritos Aditivados (Água Lavandina Aditivada / Alvejante / Água Clorada Aditivada). MERCOSUL/GMC/RES. N 57/98 REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS DOMISANITARIOS A BASE DE HIPOCLORITOS ADITIVADOS (AGUA LAVANDINA ADITIVADA/ALVEJANTE/AGUA CLORADA ADITIVADA) (REVOGA RES. GMC Nº 46/97) TENDO

Leia mais

"A vantagem do alumínio"

A vantagem do alumínio "A vantagem do alumínio" Comparativo entre os Evaporadores para Amônia fabricados com tubos de alumínio e os Evaporadores fabricados com tubos de aço galvanizado Os evaporadores usados em sistemas de amônia

Leia mais

DESINFETANTES, EFICACIA E CUSTO

DESINFETANTES, EFICACIA E CUSTO DESINFETANTES, EFICACIA E CUSTO TOZZETTI, Danilo Soares. SANTOS, Luana Maria. MAIA JR., João Francisco. EDUARDO, Carlos NEGRI, Daísa De Acadêmicos da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia FAMED/Garça.

Leia mais

«Solução em produtos de limpeza e higienização» CATÁLOGO DE PRODUTOS

«Solução em produtos de limpeza e higienização» CATÁLOGO DE PRODUTOS «Solução em produtos de limpeza e higienização» CATÁLOGO DE PRODUTOS Apresentamos a seguir, nossa linha de produtos, desenvolvidos para atender suas necessidades e proporcionando à sua empresa economia

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

Química. Resolução das atividades complementares. Q9 Diluição e concentração

Química. Resolução das atividades complementares. Q9 Diluição e concentração Resolução das atividades complementares 1 Química Q9 Diluição e concentração p. 45 1 (UFSM-RS) A soda cáustica (NaOH) é uma das bases mais usadas pela indústria química na preparação de compostos orgânicos,

Leia mais

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO Provas 2º Bimestre 2012 CIÊNCIAS DESCRITORES DESCRITORES DO 2º BIMESTRE DE 2012

Leia mais

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TECNOLOGIA DE ALIMENTOS NUTRIÇÃO UNIC Profª Andressa Menegaz Conservação por irradiação A irradiação pode servir para: -destruir os microrganismos; -retardar a germinação de certos legumes; -destruir os

Leia mais

Lauril éter sulfato de sódio

Lauril éter sulfato de sódio Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável DCB/ DCI: 05177 - lauriletersulfato de sódio CAS: 1335-72-4 INCI: Sodium laureth-2 sulfate Sinonímia: LESS

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

Desinfecção de alto nível ou esterilização de endoscópios: o necessário, o bom e o suficiente.

Desinfecção de alto nível ou esterilização de endoscópios: o necessário, o bom e o suficiente. Desinfecção de alto nível ou esterilização de endoscópios: o necessário, o bom e o suficiente. Dr Dirceu Carrara Enfermeiro Chefe CCIH InCor HCFMUSP Rutala, W. In: Mayhall, 1999 Desinfetante É um agente

Leia mais

O DESINFECTANTE LIDER PARA A PREVENÇÃO DE MAMITES RENOVA-SE E INVENTA O PLATINUM

O DESINFECTANTE LIDER PARA A PREVENÇÃO DE MAMITES RENOVA-SE E INVENTA O PLATINUM A EVOLUÇÃO DO OURO O DESINFECTANTE LIDER PARA A PREVENÇÃO DE MAMITES RENOVA-SE E INVENTA O PLATINUM IMPLACÁVEL CONTRA OS GERMES O Novo Platinum 4XLA melhorou ainda mais suas características bactericidas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR MANUAL DE ANTISSÉPTICOS PADRONIZADOS DO HC/UFTM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR MANUAL DE ANTISSÉPTICOS PADRONIZADOS DO HC/UFTM A. ANTISSEPSIA 1 - INTRODUÇÃO Antissepsia é o processo de eliminação ou inibição do crescimento dos microrganismos na pele ou em outros tecidos vivos. É realizada através de antissépticos que são formulações

Leia mais

LÍQUIDO F. coesão = F. repulsão

LÍQUIDO F. coesão = F. repulsão Tensoativos Tensoativos 1 Forças Tensões - Força de coesão: força que tende a reunir as moléculas. - Força de repulsão: força que tende a separar as moléculas. SÓLIDO F. coesão > F. repulsão LÍQUIDO F.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Data: Agosto/2003 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Óleos e gorduras são constituintes naturais dos ingredientes grãos usados nas formulações de rações para animais. Podem

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Volumetria ácido-base (continuação) Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B

Volumetria ácido-base (continuação) Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B Volumetria ácido-base (continuação) Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B Curvas de titulação ² A curva de titulação é a representação gráfica de como

Leia mais

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES INTRODUÇÃO Onaldo Souza 1 Mariah Tenório de Carvalho Souza 2 Izabele Emiliano dos Santos 3 Cereal é a denominação

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS

APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS Soluções Tecnoecológicas com ozônio APOIO PARCEIROS ESTRATÉGICOS A BrasilOzônio Localizada no CIETEC/USP Mais de 5 anos de pesquisa; Parcerias com especialistas e grandes centros tecnológicos do país como

Leia mais

EQB353 Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ

EQB353 Microbiologia Industrial Escola de Química / UFRJ DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO O crescimento de micro-organismos pode ser controlado através de métodos químicos e físicos. Este controle pode levar à eliminação total dos micróbios ou não. Dentre os métodos

Leia mais

NOÇÕES DE HIGIENIZAÇÃO NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

NOÇÕES DE HIGIENIZAÇÃO NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOÇÕES DE HIGIENIZAÇÃO NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Nástia Rosa Almeida Coelho Processamento de Frutas e Hortaliças Universidade Católica de Goiás Curso de Engenharia de Alimentos Em qualquer tipo de processamento

Leia mais

DEFUMAÇÃO. Aplicação da defumação. Defumação: DEFUMAÇÃO. Efeito conservante da defumação MECANISMO DE AÇÃO DA FUMAÇA

DEFUMAÇÃO. Aplicação da defumação. Defumação: DEFUMAÇÃO. Efeito conservante da defumação MECANISMO DE AÇÃO DA FUMAÇA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS ALM024- Processamento de Alimentos DEFUMAÇÃO Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano 2011 Defumação: alimentícios Defumação aplicação da fumaça aos

Leia mais

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Instalação Ergonomia Controle de infecção Instalação O

Leia mais

Econômico no uso Supersol LG é composto com alto teor de tensoativos, que permite sua utilização em altas diluições para uma limpeza perfeita.

Econômico no uso Supersol LG é composto com alto teor de tensoativos, que permite sua utilização em altas diluições para uma limpeza perfeita. JohnsonDiversey Suma Supersol LG Detergente em pó para limpeza geral. Versátil A formulação balanceada permite que o detergente Supersol LG seja utilizado tanto para limpeza geral, quanto para lavagem

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS POLYSELL

PERGUNTAS E RESPOSTAS POLYSELL PERGUNTAS E RESPOSTAS POLYSELL PRODUTOS 1) Quais as diferenças entre os produtos AVT 450 e AVT 500? Quando devo usar um ou outro? O AVT 500 é um produto que associa uma amônia quaternária e glutaraldeído,

Leia mais

PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS

PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS Meio Ambiente Tudo que está a nossa volta: todas as formas de vida e todos os elementos da natureza. Ecologia Ciência que estuda a relação dos seres vivos

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353. Ano IX Número 16 Janeiro de 2011 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353. Ano IX Número 16 Janeiro de 2011 Periódicos Semestral PRINCIPAIS MÉTODOS DE DESINFECÇÃO E DESINFECTANTES UTILIZADOS NA AVICULTURA: REVISÃO DE LITERATURA (The main disinfection methods and antiseptic used in poultry production: a review) Bruno Rogério RUI

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos VEDAPREN FAST - TERRACOTA

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos VEDAPREN FAST - TERRACOTA 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Códigos internos de identificação do produto: 111690, 111691, 121714 e 111689 Nome da empresa: Otto Baumgart Ind. e Com. S/A Endereço: Rua Coronel

Leia mais

Ozônio Q1 Ambiental Home 25 sem timer Para piscinas de até 25.000 litros

Ozônio Q1 Ambiental Home 25 sem timer Para piscinas de até 25.000 litros VENDA DO GERADOR DE OZÔNIO Q1 AMBIENTAL ATRAVÉS DA INTERNET. Ozônio Q1 Ambiental Home 25 sem timer Para piscinas de até 25.000 litros O que é? Ozônio é um agente oxidante extremamente poderoso. É 1,5 vezes

Leia mais

Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas

Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas Apresentação Este manual foi criado para fornecer importantes informações sobre o tratamento de piscinas e todos os processos envolvidos. Um guia que traz conceitos

Leia mais

Processamento do Iogurte Gordo Sólido

Processamento do Iogurte Gordo Sólido Escola Superior Agrária De Coimbra Processamento Geral dos Alimentos Processamento do Iogurte Gordo Sólido Trabalho realizado por: Pedro Sá nº20603025 Ana Oliveira nº 20603030 Lénia Belas nº 20603031 Elisabete

Leia mais

Ações de higienização geral

Ações de higienização geral Ações de higienização geral Limpeza e consciência ampla de higiene são as regras mais importantes na limpeza e desinfecção de granjas suinícolas e conseqüentemente o requisito essencial para uma desinfecção

Leia mais

Informação Técnica 10.08.01 E 09.2003 Offset Serviços. Molhagem em impressão offset Fatos importantes para o uso nos aditivos de molhagem offset 1/5

Informação Técnica 10.08.01 E 09.2003 Offset Serviços. Molhagem em impressão offset Fatos importantes para o uso nos aditivos de molhagem offset 1/5 Informação Técnica 10.08.01 E 09.2003 Offset Serviços Molhagem em impressão offset Fatos importantes para o uso nos aditivos de molhagem offset 1/5 O processo de impressão offset Offset continua a ser

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 FISPQ NRº. 005 1/7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Bicarbonato de Sódio Nome Comercial : Estabilizador de ph Sinônimo: Bicarbonato Ácido de Sódio N CAS: 144-55-8 Nome da Empresa:

Leia mais

RESOLUÇÃO COMENTADA DA PROVA DA UNESP DE 2014

RESOLUÇÃO COMENTADA DA PROVA DA UNESP DE 2014 RESOLUÇÃO COMENTADA DA PROVA DA UNESP DE 2014 1-Alguns historiadores da Ciência atribuem ao filósofo pré-socrático Empédocles a Teoria dos Quatro Elementos. Segundo essa teoria, a constituição de tudo

Leia mais

Osmose Reversa Conheça este processo de purificação de água

Osmose Reversa Conheça este processo de purificação de água Osmose Reversa Conheça este processo de purificação de água Antes de falarmos sobre Osmose Reversa, precisamos entender o que é Osmose. Osmose é o nome dado ao movimento da água entre meios com concentrações

Leia mais

Formulações de Adjuvantes Agrícolas

Formulações de Adjuvantes Agrícolas ADJUVANTES Formulações de Adjuvantes Agrícolas ADJUVANTES: - Substância inerte adicionados à formulação ou à calda para melhorar a eficiência da aplicação. Podem ser divididos em 2 grupos: a) Surfatantes:

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

Solução em produtos de limpeza e higienização CATÁLOGO DE PRODUTOS

Solução em produtos de limpeza e higienização CATÁLOGO DE PRODUTOS Solução em produtos de limpeza e higienização CATÁLOGO DE PRODUTOS Apresentamos a seguir, nossa linha de produtos, desenvolvidos para atender suas necessidades e proporcionando à sua empresa economia e

Leia mais

Aula 2: O estudo da matéria

Aula 2: O estudo da matéria KROTON S.A. UNIC EDUCACIONAL LTDA. ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2015/1 Aula 2: O estudo da matéria A Matéria Conceitos; Tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. - O que é massa? - Como se afere a massa de

Leia mais

BT 0013 BOLETIM TÉCNICO RESINA FLOOR REPAIR PLUS_ ENDURECEDOR FLOOR REPAIR PLUS_ SÍLICA F-036

BT 0013 BOLETIM TÉCNICO RESINA FLOOR REPAIR PLUS_ ENDURECEDOR FLOOR REPAIR PLUS_ SÍLICA F-036 BT 0013 BOLETIM TÉCNICO RESINA FLOOR REPAIR PLUS_ ENDURECEDOR FLOOR REPAIR PLUS_ SÍLICA F-036 Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina Floor Repair Plus_Endurecedor

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO (FISPQ) NOME DO PRODUTO: BIOFLOC 1601

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO (FISPQ) NOME DO PRODUTO: BIOFLOC 1601 NOME DO PRODUTO: BIOFLOC 1601 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: BIOFLOC 1601 Escritório: Nome da empresa: Biofloc Comercio e Representação de Produtos Químicos. Endereço: Av. Francisco

Leia mais

Helena Campos (Engenharia Química)

Helena Campos (Engenharia Química) Tipos de água Laboratorial e suas aplicações Helena Campos (Engenharia Química) 28 de Setembro de 2010 Principais contaminantes da água Particulas Suspensas: Sílica (SiO 2 ) Resíduos das tubagens Matéria

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) LAT 54

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) LAT 54 LAT 54 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto: LAT 54 - DETERGENTE SEMIPASTOSO ESPUMANTE Identificação da Empresa: Química Foz do Iguaçu Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda.

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PÁGINA: 1/5 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: BIOCLEANER CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO: 0120/5521 NOME DO FABRICANTE: BIOCHEMICAL PRODUTOS QUIMICOS LTDA ENDEREÇO: RUA: PAPA SÃO

Leia mais

Nome do produto: BIOCOMPOSTO BLF. Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5

Nome do produto: BIOCOMPOSTO BLF. Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5 Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Biocomposto BLF - Código interno de identificação do produto: 020 - Nome da empresa: Biotecma Biotecnologia

Leia mais

Limpeza de superfícies

Limpeza de superfícies Limpeza de superfícies Gama de produtos de limpeza neutros e potentes para uma limpeza profunda de casas de banho / instalações sanitárias e que proporcionam um acabamento com brilho. Uma empresa do GRUPO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE OS INGREDIENTES

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE OS INGREDIENTES Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Limpa Vidros Nome da Empresa: Guimarães Produtos Químicos e de Limpeza Ltda Contato da Empresa: Fone: (48) 3623-1175 e-mail: guimaraespl@terra.com.br

Leia mais

Petróleo e Meio Ambiente

Petróleo e Meio Ambiente Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Petróleo e Meio Ambiente Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Maio de 2012 Completação Objetivo da Completação Deixar o poço

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 43 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 3. 1 METODOLOGIAS DE ANÁLISES 3.1.1 Método de Quantificação de Surfactantes (MBAS) em Águas 3.1.2 Princípio e aplicabilidade Os surfactantes aniônicos SLS (Lauril Sulfato

Leia mais

PRODUTO: PEROX BECKER Limpador concentrado

PRODUTO: PEROX BECKER Limpador concentrado FICHA TÉCNICA DE PRODUTO PRODUTO: PEROX BECKER Limpador concentrado FT-0316 Folha: 01 Revisão: 00 Emissão: 13/01/2014 1. CARACTERÍSTICAS É um eficiente limpador concentrado com peróxido de hidrogênio e

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC )

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC ) RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁGUA SANITÁRIA Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger do sol, do calor e da umidade.

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii)

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 09 Síntese do cloreto

Leia mais

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico AMINA TERCIÁRIA C12 FISPQ 014 1 de 4 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: AMINA TERCIÁRIA C12 Fornecedor: Multichemie Indústria e Comércio de Produtos Químicos Ltda. R. Howard Archibald

Leia mais

Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS. UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner

Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS. UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner Risco biológico Definição Agente de origem biológica que possui a capacidade de produzir efeitos deletérios em

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LABORATÓRIOS ECOLYZER LTDA QUÍMICOS COSMÉTICOS, VETERINÁRIOS,

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

Reacções de precipitação

Reacções de precipitação Precipitados Reacções de precipitação Introdução teórica O interesse das reacções de precipitação manifesta-se em diversos domínios, nomeadamente a nível geológico, biológico e industrial. Já ouviste falar

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO GRUPO HUMMA Eng Fawler Morellato Av. Fagundes Filho, 191 - Cj. 103D Depto. Engenharia e Desenvolvimento

Leia mais