MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS INFESTANTES CULTIVOS DE VERÃO

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS INFESTANTES CULTIVOS DE VERÃO"

Transcrição

1

2 MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS INFESTANTES CULTIVOS DE VERÃO HENRIQUE JOSÉ DA COSTA MOREIRA (Engº Agrônomo) HORLANDEZAN BELIRDES NIPPES BRAGANÇA (Engº Agrônoma - M.Sc.) CAMPINAS SP

3 Agradecimentos Aos nossos familiares, que sempre acreditaram em nossos esforços. À equipe de campo da FMC e da EMATER-DF, pelo apoio na obtenção das imagens. À equipe de apoio do escritório: Paula Gomes, Gabriela Abdala e Kamila Fassarella. 2 3

4 SUMÁRIO Prefácio Introdução ÍNDICE POR FAMÍLIA Amaranthaceae Achyranthes aspera L Alternanthera tenella Colla Amaranthus deflexus L Amaranthus hybridus L Amaranthus lividus L Amaranthus retroflexus L Amaranthus spinosus L Amaranthus viridis L Chenopodium album L Chenopodium ambrosioides L Gomphrena celosioides Mart Apiaceae Apium leptophyllum (Pers.) Muell Asteraceae Acanthospermum australe (Loefl.) Kuntze Acanthospermum hispidum DC Ageratum conyzoides L Ambrosia artemisiifolia L Baccharis dracunculifolia DC Baccharis trimera (Less.) DC Bidens alba (L.) DC Bidens pilosa L Bidens subalternans DC Bidens sulphurea (Cav.) Sch. Bip Blainvillea biaristata DC Blainvillea rhomboidea Cass Centratherum punctatum Cass Chromolaena laevigata (Lam.) R. M. King & H. Rob Chromolaena maximilianii (Schrader ex. DC.) King & Robinson Cirsium vulgare (Savi.) Ten Conyza bonariensis (L.) Cronquist Conyza canadensis (L.) Cronquist Eclipta alba (L.) Hassk Emilia coccinea (Sims) G. Don Emilia fosbergii Nicolson Erechtites hieraciifolius (L.) Raf. ex. DC Galinsoga parviflora Cav Galinsoga quadriradiata Ruiz & Pav Gnaphalium coarctatum Willd Hypochoeris radicata L Lourteigia ballotifolia (Kunth) R. M. King & H. Rob Melampodium divaricatum (Rich.) DC Melampodium perfoliatum (Cav.) HBK Mikania cordifolia (L. F.) Willd Parthenium hysterophorus L Pluchea sagittalis (Lam.) Cabrera Porophyllum ruderale (Jacq.) Cass Praxelis pauciflora (Kunth) R. M. King & H. Rob Pterocaulon virgatum (L.) DC Senecio brasiliensis (Spreng.) Less Solidago chilensis Meyen Soliva pterosperma (Juss.) Less Sonchus asper (L.) Hill Sonchus oleraceus L Synedrella nodiflora (L.) Gaertn

5 Synedrellopsis grisebachii Hieron & Kuntze Tagetes minuta L Taraxacum officinale F. H. Wigg Tridax procumbens L Xanthium strumarium L Bignoniaceae Pyrostegia venusta (Ker Gawl.) Miers Boraginaceae Echium plantagineum L Heliotropium elongatum (Lehm.) I. M. Johnst Heliotropium indicum L Heliotropium lanceolatum Ruiz & Pav Heliotropium polyphyllum Lehm Heliotropium procumbens Mill Heliotropium salicioides Cham Brassicaceae Brassica rapa L Cleome affinis DC Coronopus didymus (L.) Smith Lepidium virginicum L Raphanus raphanistrum L Raphanus sativus L Rapistrum rugosum (L.) All Sinapsis arvensis L Cannabaceae Trema micrantha (L.) Blume Caryophyllaceae Silene gallica L Spergula arvensis L Commelinaceae Commelina benghalensis L Commelina communis L Commelina diffusa Burm Commelina erecta L Tripogandra diuretica (Mart.) Handlos Convolvulaceae Ipomoea cairica (L.) Sweet Ipomoea hederifolia L Ipomoea indivisa (Vell.) Hallier Ipomoea nil (L.) Roth Ipomoea purpurea (L.) Roth Ipomoea quamoclit L Ipomoea ramosissima (Poir.) Choisy Ipomoea triloba L Merremia aegyptia (L.) Urb Merremia cissoides (Lam.) Hall. f Cucurbitaceae Momordica charantia L Cyperaceae Cyperus difformis L Cyperus distans L. f Cyperus esculentus L Cyperus flavus (Vahl) Nees Cyperus hermaphroditus (Jacq.) Stand Cyperus iria L Cyperus odoratus L Cyperus rotundus L

6 Fimbristylis miliacea (L.) Vahl Kyllinga odorata Vahl Rhynchospora nervosa (Vahl) Boeck Euphorbiaceae Chamaesyce hirta (L.) Milisp Chamaesyce hyssopifolia (L.) Small Chamaesyce prostrata (Aiton) Small Croton glandulosus L Croton lobatus L Euphorbia heterophylla L Ricinus communis L Fabaceae Aeschynomene denticulata Rudd Aeschynomene fluminensis Vell Aeschynomene rudis Benth Calopogonium muconoides Desv Chamaecrista conferta (Benth) H. S. Irwin & Barneby Chamaecrista desvauxii (Collad.) Killip Chamaecrista hispidula (Vahl) H. S. Irwin & Barneby Chamaecrista nictitans (L.) Moench Chamaecrista orbiculata (Benth) H. S. Irwin & Barneby Chamaecrista ramosa (Vogel) H. S. Irwin & Barneby Chamaecrista rotundifolia (Pers.) Greene Crotalaria incana L Crotalaria lanceolata E. Mey Crotalaria micans Link Crotalaria pallida Aiton Crotalaria retusa L Crotalaria spectabilis Roth Desmodium incanum DC Desmodium tortuosum (Sw.) DC Indigofera hirsuta L Indigofera suffruticosa Mill Indigofera truxillensis Kunth Macroptilium atropurpureum (DC.) Urban Medicago polymorpha L Melilotus albus Medik Mimosa candollei R. Grether Mimosa invisa Mart Mimosa pudica L Senna alata (L.) Roxb Senna hirsuta (L.) H. S. Irwin & Barneby Senna obtusifolia (L.) H. S. Irwin & Barneby Senna occidentalis (L.) Link Senna rizzini H. S. Irwin & Barneby Senna rugosa (G. Don) H. S. Irwin & Barneby Vicia sativa L Hypoxidaceae Hypoxis decumbens L Lamiaceae Hyptis brevipes Poit Hyptis lophanta Mart. ex. Benth Hyptis mutabilis (Rich.) Briq Hyptis suaveolens (L.) Poit Leonotis nepetifolia (L.) W. T. Aiton Leonurus sibiricus L Leucas martinicensis (Jacq.) W. T. Aiton Marsypianthes chamaedrys (Vahl) Kuntze Malvaceae Malvastrum coromandelianum (L.) Garcke Sida acuta Burm. f Sida cordifolia L

7 Sida glaziovii K. Schum Sida rhombifolia L Sida spinosa L Sidastrum micranthum (St.-Hil.) Fryxell Triumfetta rhomboidea Jacq Triumfetta semitriloba Jacq Waltheria indica L Molluginaceae Mollugo verticillata L Nyctaginaceae Boerhavia diffusa L Oxalidaceae Oxalis corniculata L Oxalis divaricata Mart. ex. Zucc Oxalis latifolia Kunth Papaveraceae Argemone mexicana L Phyllanthaceae Phyllanthus niruri L Phyllanthus tenellus Roxb Plantaginaceae Plantago major L Plantago tomentosa Lam Poaceae Andropogon bicornis L Andropogon gayanus Kunth Andropogon leucostachyus Kunth Aristida longiseta Steud Avena sativa L Brachiaria brizantha (Hochst. ex. A. Rich.) Stapf Brachiaria decumbens Stapf Brachiaria plantaginea (Link.) Hitchc Bromus catharticus Vahl Cenchrus echinatus L Chloris barbata (L.) Sw Cynodon dactylon (L.) Pers Dactyloctenium aegyptium (L.) Willd Digitaria horizontalis Willd Digitaria insularis (L.) Fedde Digitaria sanguinalis (L.) Scop Eleusine indica (L.) Gaertn Eragrostis airoides Ness Eragrostis ciliaris (L.) R. Br Eragrostis pilosa (L.) P. Beauv Eustachys distichophylla (Lag.) Ness Hyparrhenia rufa (Ness.) Stapf Leptochloa filiformis (Lam.) P. Beauv Lolium multiflorum Lam Melinis minutiflora P. Beauv Panicum dichotomiflorum Michx Panicum maximum Jacq Paspalum conspersum Schrad Paspalum notatum Flüggé Paspalum paniculatum L Pennisetum americanum (L.) Leeke Pennisetum purpureum Schumach Pennisetum setosum (Sw.) Rich

8 Poa annua L Rhynchelitrum repens (Willd.) C. E. Hubb Rottboellia cochinchinensis (Lour.) Clayton Setaria parviflora (Poir.) Kerguélen Setaria poiretiana (Schult.) Kunth Sorghum arundinaceum (Willd.) Stapf Sorghum bicolor (L.) Moench Sorghum halepense (L.) Pers Polygonaceae Rumex crispus L Rumex obtusifolius L Pontederiaceae Eichhornia crassipes (Mart.) Solms Portulacaceae Portulaca oleracea L Talinum paniculatum (Jacq.) Gaertn Pteridaceae Pteridium aquilinum (L.) Kuhn Rubiaceae Diodella teres (Walter) Small Richardia brasiliensis Gomes Richardia grandiflora (Cham. & Schltdl.) Steud Richardia scabra L Spermacoce capitata Ruiz & Pav Spermacoce latifolia Aubl Spermacoce palustris (Cham. & Schltdl.) Delprete Spermacoce suaveolens (G. Mey.) Kuntze Spermacoce verticillata L Sapindaceae Cardiospermum halicacabum L Solanaceae Datura stramonium L Nicandra physaloides (L.) Pers Physalis angulata L Solanum americanum Mill Solanum asperolanatum Ruiz & Pav Solanum capsicoides All Solanum grandiflorum Ruiz & Pav Solanum guaraniticum St.-Hil Solanum mauritianum Scop Solanum palinacanthum Dun Solanum paniculatum L Solanum pseudocapsicum L Solanum robustum H. Wendl Solanum scuticum M. Nee Solanum sisymbrifolium Lam Solanum stipulaceum Roem & Schult Solanum subumbellatum Roem. & Schult Solanum viarum Dunal Verbenaceae Stachytarpheta cayennensis (Rach.) Vall Glossário Índice por nome científico Índice por nome vulgar Bibliografia

9 PREFÁCIO Em mais de 30 anos de caminhada em minha profissão percorri muito chão, vi a terra sendo plantada e aprendi que cada lugar e cada campo tem seu jeito de crescer. Aprendi que não há vitória sem batalha, mas onde existe o trabalho e a dedicação as conquistas tendem a brotar com mais intensidade. Nesses anos, também tive a oportunidade de acompanhar muitas transformações na atividade agrícola, evoluções que ajudaram o produtor a controlar o que existe de pior nas lavouras: as pragas, doenças e plantas invasoras. Porém essas transformações só me trouxeram a fé inabalável de que é possível vencer essa luta, ir adiante. A chave de um futuro glorioso está em nossas mãos. A agricultura, que antes carregava em sua semente o conceito da arte, passa a assumir o caráter da ciência e caminha a passos largos no rumo da produtividade. Esse desenvolvimento me traz profunda felicidade, afinal tem sido feito de forma harmônica, procurando influir o mínimo no equilíbrio do meio ambiente. É a tecnologia. Nessa busca pelo conhecimento, consciente do valor das informações técnicas para o exercício da atividade agrícola, uma das iniciativas de valor e respeito por quem trabalha a terra está neste manual. Haja vista que nele estão detalhadas de forma minuciosa informações que certamente serão de grande valia para os profissionais que atuam no campo. Ele é uma mostra valiosa da atualização desse forte setor da economia e, mais do que isso, uma ferramenta inestimável para os agricultores. É também uma aposta e um voto de confiança no futuro do agronegócio no Brasil, que tende a crescer não só em tamanho, mas em importância. A FMC estará sempre ao lado dessa constante evolução, acreditando e investindo na agricultura, buscando impulsionar de forma sustentável o crescimento dos mais diversos segmentos do agronegócio em todo o país. Antonio Carlos Zem Diretor-Presidente América Latina 14 15

10 INTRODUÇÃO A habilidade de identificação das plantas em seu desenvolvimento e os desafios enfrentados a cada safra nas culturas de verão motivaram a criação deste livro, que, pela sua importância, promete ser, desde já, uma referência para estes cultivos. Tenho certeza de que esse material se tornará um verdadeiro guia para os profissionais envolvidos no trabalho dessas culturas, auxiliando-os no dia a dia da sua atividade. Fruto de um trabalho primoroso executado pelos consultores Henrique José da Costa Moreira e Horlandezan Belirdes Nippes Bragança, o manual traz fotos e descrições que ajudam a identificar as plantas, visto que cada uma delas possui diferentes níveis potenciais de danos, e, dessa forma, constitui-se em uma fonte de consultas indispensável para identificar as plantas presentes nas culturas; ponto primordial na definição de uma estratégia no controle e manejo responsáveis. São mais de 600 páginas, contendo 251 plantas com fotos, devidamente identificadas, que resultam de um estudo realizado pelos autores, nos últimos anos, em suas visitas a lavouras. Associada às fotos, há no livro, também, uma minuciosa descrição que derivou de consulta a literaturas conhecidas, de onde foram extraídas as informações sobre as plantas, indicando suas características distintas. Por tudo isso, apoiar essa iniciativa é mais do que uma prestação de serviço da FMC ao produtor. É, principalmente, uma forma de contribuirmos com o agronegócio brasileiro, tornando mais simples o trabalho de quem atua diretamente no campo. Kedilei Roncato Duarte Gerente de Produto - FMC Agricultural Products 16 17

11 Família Amaranthaceae Encontra-se representada em todo o país por espécies anuais ou perenes com porte variando de subarbustivo a herbáceo ereto ou prostrado. Ocorrem com muita frequência em áreas ocupadas com agricultura ou pecuária. Normalmente as plantas apresentam caules carnosos glabros e folhas simples, ovaladas ou lanceoladas com filotaxia alternada ou oposta, sem estípulas. Inflorescência do tipo espiga de glomérulos ou somente glomérulos, constituídos por flores pequenas, monoperiantadas, hermafroditas ou de sexo separado, sempre protegidas por brácteas endurecidas ou espinescentes. O perianto apresenta as tépalas com consistência seca e de coloração branca a esverdeada, raramente avermelhada. Androceu formado por 5 estames soldados na base ou formando um tubo e gineceu com ovário ovalado. Fruto seco do tipo cápsula opercular ou aquênio, contendo uma ou várias sementes. Família Amaranthaceae 18

12 Família Amaranthaceae Achyranthes aspera L. N.V.: carrapicho rabo de coati, espiga de espinhos, flor de palha, picete do mato, prega-prega, rabo de coati, rapa. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste e Sudeste do país, onde foi introduzida acidentalmente, instalando-se em áreas cultivadas, pastagens, terras abandonadas, margens de rodovias e terrenos baldios. Quando ocorre em pastagens passa a ser inconveniente, pois a planta possui princípios tóxicos, podendo causar morte quando ingerida pelos animais na fase vegetativa. Apresenta caule levemente quadrático, verde com pigmentação vermelha, entrenós longos com nós engrossados e achatados, completamente glabro, pouco carnoso e algo ceríceo. Folhas simples, opostas e cruzadas, curto-pecioladas e com o limbo em formato obovado, pouco pubescente, com margens sinuosas a onduladas. Inflorescência terminal do tipo espiga, constituída por flores que se inserem à volta de um longo eixo também carnoso. Flores sésseis, hermafroditas, com cálice verde-amarelado protegido por brácteas com o ápice rígido e modificado em ponta espinescente sempre orientado para baixo. Fruto do tipo cápsula que carrega consigo as brácteas espinescentes. Esta espécie pode ser identificada em campo por meio dos frutos protegidos pelas brácteas espinhosas voltadas para a base da planta. Propagação por meio de sementes

13 Família Amaranthaceae Alternanthera tenella Colla. N.V.: alecrim, apaga fogo, carrapichinho, corrente, mangerico, manjericão, perpétua do campo. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve em todo o país, formando grandes colônias em áreas cultivadas, pastagens e terrenos abandonados, em função da propagação facilitada e do incremento do crescimento. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule prostrado com os ramos terminais ascendentes. No início do desenvolvimento o caule principal apresenta ramificação radial e estes se ramificam em dicotomia ou 3 ramos. As folhas simples são desprovidas de pecíolo, de inserção oposta, limbo lanceolado com margem inteira e apículo terminal. Inflorescência em glomérulos contendo tépalas brancas, secas e livres entre si. Os estames são soldados formando um tubo, o qual possui no ápice parte dos filetes com anteras, alternando-se com peças semelhantes a estaminoides desprovidos de anteras. A espécie pode ser diferenciada das afins do mesmo gênero, pelo que segue: A. brasiliana possui a inflorescência do tipo glomérulo sobre longos eixos, ao passo que A. tenella possui os glomérulos sésseis. A. philoxeroides possui folhas com limbo oblongo cuja base é arredondada, ao passo que que A. tenella possui limbo lanceolado estreitando-se em direção à base. Propaga-se por meio de sementes, no entanto a planta consegue alastrar-se com facilidade por intermédio da formação de raízes junto aos nós dos ramos

14 Família Amaranthaceae Amaranthus deflexus L. N.V.: bredo, bredo rasteiro, caruru, caruru rasteiro. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país ocupando áreas cultivadas, terras abandonadas, terrenos baldios, jardins e pomares residenciais. Apresenta caule ereto com ramos decumbentes ou então caule prostrado, verde, cilíndrico e canaliculado. Folhas simples alternadas helicoidais, longo-pecioladas, pecíolo canaliculado e limbo com predominância da forma romboidal ou em forma de losango, podendo aparecer limbo ovalado. Margens irregularmente onduladas. Inflorescência do tipo espiga, situada nas porções terminais dos ramos e nas axilas das folhas, constituída por flores sésseis. As espigas terminais são cilíndricas e mais desenvolvidas que as das axilas das folhas. As flores inserem-se em verticílios curtamente espaçados ao redor do eixo da espiga. Fruto seco indeiscente. Assemelha-se muito com A. lividus, o qual possui as folhas com o ápice emarginado formando dois lobos visíveis. Propagação por meio de sementes

15 Família Amaranthaceae Amaranthus hybridus L. N.V.: bredo, bredo gigante, caruru, caruru bravo, caruru gigante, caruru de folha larga. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, instalando-se em áreas cultivadas, terrenos baldios e outras áreas ocupadas com atividades agropecuárias, a exemplo de currais e pocilgas onde a planta é encontrada com frequência. Apresenta caule ereto e ramificado, verde com pigmentação vermelha e totalmente desprovido de espinhos. Folhas simples lanceoladas com margem levemente ondulada ou inteira, com pecíolo longo e vermelho, dispostas de forma alternada helicoidal. Inflorescência na axila de folhas e terminais, com eixo principal longo e constituída por espigas de glomérulos com coloração avermelhada, podendo ainda apresentar-se verde pigmentada de vermelho. As flores são de sexo separado, ficando as masculinas nas pontas das inflorescências e as femininas na base, e tanto as masculinas quanto as femininas são rodeadas por brácteas. Flores com 5 tépalas, estas últimas substituem o cálice e a corola de cada flor. Dentre todos os Amaranthus, esta espécie é a que mais se assemelha à A. retroflexus, da qual pode ser diferenciada pelos seguintes critérios: em A. hybridus as tépalas são lanceoladas ou ovalado-lanceoladas com ápice agudo, ao passo que em A. retroflexus as tépalas são em forma de espátula, cujo ápice é arredondado e com reentrância, podendo ainda existir um apículo. Propaga-se por meio de sementes

16 Família Amaranthaceae Amaranthus lividus L. N.V.: bredo, caruru, caruru folha de cuia, caruru rasteiro. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, instalando-se em todos os ambientes onde ocorrem atividades agropecuárias, como também ao longo de rodovias e terrenos baldios. Apresenta caule ereto ou prostrado, de coloração verde com pigmentação avermelhada nas porções mais velhas, e totalmente desprovido de espinhos. Folhas simples ovaladas, com ápice emarginado, ou seja, com reentrância significativa, pecíolo longo verde ou avermelhado. Inflorescência axilar e terminal pouco ramificada, do tipo espiga de glomérulos, de coloração verde. As flores são de sexo separado, ficando as masculinas nas pontas das inflorescências e as femininas na base. Tanto as masculinas quanto as femininas são rodeadas por brácteas e 3 tépalas de coloração verde; estas últimas substituem o cálice e a corola de cada flor. Esta espécie pode ser diferenciada por meio das folhas que se apresentam sempre com o ápice profundamente reetrante, simulando um ápice bilobado. Propagação por meio de sementes

17 Família Amaranthaceae Amaranthus retroflexus L. N.V.: bredo, caruru, caruru áspero, caruru de raiz vermelha, caruru gigante. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país vegetando em áreas ocupadas por lavouras anuais ou perenes, hortas, pomares, entre outros locais antropizados. Apresenta caule cilíndrico anguloso, verde a avermelhado, engrossado em toda a sua extensão, pouco áspero, ramificado desde a base, com os ramos inferiores podendo emitir raízes adventícias. Folhas simples longo-pecioladas dispostas de forma alternada helicoidal. Limbo lanceolado ou romboidal com a base cuneada, podendo ser pouco assimétrica, ápice longamente acuminado, discretamente piloso em ambas as faces e com as margens inteiras. Inflorescência terminal e axilar do tipo cacho de espigas, sendo as terminais muito desenvolvidas, ambas cilíndricas e de coloração verde. Espigas constituídas por númerosas flores de sexo separado e dispostas congestamente. Tanto as flores masculinas quanto as femininas são constituídas por 3 brácteas pontiagudas e 5 tépalas de coloração verde, persistentes no fruto. Fruto seco do tipo pixídio. Pode ser identificada em campo por meio do caule grosso e anguloso, acrescentando-se a observação das raízes principais que se apresentam avermelhadas, característica que aparece também em A. lividus, que tem folhas com ápice emarginado. Propagação por meio de sementes

18 Família Amaranthaceae Amaranthus spinosus L. N.V.: bredo bravo, bredo de espinho, bredo vermelho, caruru bravo, caruru de espinho, caruru de porco. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, instalando-se em locais onde ocorrem atividades agropecuárias, como também ao longo de margens de rodovias e terrenos baldios. Apresenta caule ereto muito ramificado e de coloração verde ou avermelhada. Folhas simples com pecíolo verde ou avermelhado, formato lanceolado com margem levemente ondulada ou inteira e com pequena ponta no ápice. Inserem-se no caule alternadamente, onde aparecem 2 espinhos em cada axila de folha. Inflorescência axilar e terminal do tipo espiga de glomérulos, com eixo principal avermelhado. As flores são de sexo separado, ficando as masculinas nas pontas das inflorescências e as femininas na base. Tanto as masculinas quanto as femininas são rodeadas por brácteas e 5 tépalas de coloração amarelada ou esverdeada ou até em tons róseos, as quais substituem o cálice e a corola de cada flor. A singularidade desta espécie está representada pelos espinhos localizados nas axilas das folhas. Propaga-se por meio de sementes

19 Família Amaranthaceae Amaranthus viridis L. N.V.: bredo, bredo verdadeiro, caruru, caruru de mancha, caruru de porco, caruru de soldado, caruru verdadeiro. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, instalando-se em locais onde se pratica alguma atividade agropecuária, como também em terrenos baldios e ao longo das margens de rodovias. Apresenta caule ereto ou decumbente com predomínio de coloração verde, podendo apresentar pigmentação vermelha. Folhas simples alternadas, com longo pecíolo verde ou com pigmento avermelhado. Limbo lanceolado com manchas irregulares nos tons róseos, acinzentados, avermelhados, com margem levemente ondulada e ápice com pequena reentrância. Inflorescência axilar e terminal do tipo espiga de glomérulos de coloração verde. As flores são de sexo separado, ficando as masculinas nas pontas das inflorescências e as femininas na base. Tanto as masculinas quanto as femininas são rodeadas por brácteas e de 3 a 4 tépalas de coloração verde clara, as quais substituem o cálice e a corola de cada flor. A singularidade desta espécie está nas folhas, que se apresentam sempre com máculas de coloração diferente, podendo ser grandes ou pequenas e distribuídas aleatoriamente. Propaga-se por meio de sementes

20 Família Amaranthaceae Chenopodium album L. N.V.: ançarinha branca, erva formigueira branca, erva de são joão, falsa erva de santa maria. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil, vegetando em áreas onde se praticam atividades agropecuárias; no meio urbano ocorre em terrenos baldios e inseridas junto das demais plantas hortícolas e ornamentais. Apresenta caule ereto, pouco tetrágono, com poucas ramificações, verde e com pilosidade branca. Folhas simples, alternadas, pecioladas, com formato variado, de ovaladas, lanceoladas até pouco ou profundamente recortadas e com uma cobertura farinosa procedente de glândulas. Inflorescência axilar e terminal em espigas. Flores de tamanho reduzido, hermafroditas e com 5 tépalas verdes que protegem o androceu com 5 estames e o gineceu, o qual projeta os estigmas para fora das tépalas. Espécie muito parecida com C. ambrosioides, podendo ser diferenciada levando-se em consideração as folhas. Em C. album as folhas apresentam-se longo-pecioladas, limbo ovalado ou em forma de losango e recoberto por uma substância pulverulenta branca passível de ser removida. Já C. ambrosioides possui folhas curto-pecioladas e limbo lanceolado desprovido de substância pulverulenta. Propagação por meio de sementes

21 Família Amaranthaceae Chenopodium ambrosioides L. N.V.: ambrosia, chá dos jesuítas, chá do méxico, erva formigueira, erva lombrigueira, erva mata pulga, erva de santa maria, erva pomba rola, mastruz, mastruço, mentruço, mentruz, quenopódio. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país como planta ruderal. Vegeta preferencialmente no entorno das pequenas construções rurais formando pequenos grupamentos. A espécie é amplamente utilizada na medicina popular como anti-helmíntica e ainda para facilitar o fluxo menstrual, sendo também utilizada como planta inseticida. Apresenta caule ereto, verde e com pigmentação castanho-avermelhada, pouco tetrágono, muito ramificado e com pilosidade branca. Folhas simples, pedunculadas, alternadas, lanceoladas e que exalam um odor característico quando esmagadas. As folhas da base e do caule principal apresentam margens recortadas irregularmente, ao passo que as folhas inseridas junto dos ramos da inflorescência são mais longas e estreitas, com margens menos recortadas ou até inteiras. Inflorescência axilar e terminal em espigas. Flores de tamanho reduzido, hermafroditas e com 5 tépalas verdes que protegem o gineceu e o androceu, o qual projeta os estames com filetes brancos. Propagação por meio de sementes

22 Família Amaranthaceae Gomphrena celosioides Mart N.V.: perpétuo, perpétua brava. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil vegetando em áreas ocupadas por lavouras, terrenos baldios e margens de rodovias. A planta oferece potencialidades para o paisagismo, podendo ser utilizada para forração de canteiros em substituição aos gramados. O uso como ornamental é interessante para áreas ajardinadas das edificações de unidades de conservação. Apresenta caule cilíndrico, prostrado, ramificação abundante dicotômica ou em verticílio, ramos de coloração avermelhado Ferrugínea recobertos por pelos brancos, com nós bem espaçados. Folhas opostas cruzadas, lanceoladas ou ovaladas, desprovidas de pecíolos, pilosas e de margem inteira. Inflorescência em espiga globosa, que se torna cilíndrica em função do crescimento do eixo, assentadas sobre 2 brácteas foliáceas e constituída por númerosas flores de coloração branca, rósea ou lilacina dependendo da variedade. Flores hermafroditas evidenciando o androceu e o gineceu protegidos por tépalas oblongas, com apículo terminal e secas. Propaga-se por meio de sementes

23 Família Apiaceae Conhecida e referida algumas vezes como família Umbelliferae. Encontra-se representada em todo o país por espécies anuais ou perenes com porte herbáceo a subarbustivo. Ocorrem com muita frequência em áreas ocupadas com agricultura ou pecuária, e algumas espécies são cultivadas como plantas hortícolas ou aromáticas. Apresentam caules eretos a prostrados, ou então são acaules, folhas sésseis ou pecioladas com o limbo simples, inteiro ou profundamente partido, dispostas de forma alternada ou oposta, às vezes formando uma roseta. Inflorescência do tipo umbela simples ou composta, quase sempre rodeada por um invólucro de brácteas ou então glomérulos densos, globosos ou oblongos. Flores pedunculadas, cálice soldado, corola constituída por 5 pétalas livres, androceu com 5 estames e gineceu bicarpelar. Fruto seco do tipo esquizocarpo com costelas longitudinais. Família Apiaceae 42

24 Família Apiaceae Apium leptophyllum (Pers.) Muell. N.V.: aipo bravo, gertrudes, mastruço, mastrurço. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve mais nas regiões Sudeste e Sul do Brasil, instalando-se em quintais, hortas, pequenos pomares e viveiros de produção de mudas. Apresenta caule ereto ou prostrado, estriado, coloração verde opaca, sendo internamente oco. Folhas com longos pecíolos, dispostas alternadamente, apresentando limbo muito recortado simulando folha composta. Inflorescência axilar e terminal do tipo umbela composta com eixo principal longo e eixos secundários curtos. Os eixos apresentam-se desprovidos de invólucro de brácteas. Flores pedunculadas com corola constituída por 5 pétalas livres de coloração branca. Frutos ovoides ou orbiculares bem desenvolvidos. Planta muito parecida com a salsa, o coentro e a erva-doce, espécies introduzidas no Brasil e cultivadas como condimento, das quais se diferencia pelo odor das folhas. Propagação por meio de sementes

25 Família Asteraceae Conhecida e referida algumas vezes como família Compositae. Encontra-se representada em todo o país por númerosas espécies anuais ou perenes cujos portes vão desde o herbáceo, lianescente, subarbustivo, arbustivo a arbóreo. Muitas delas são invasivas, heliófitas e ocorrem em áreas ocupadas por agricultura ou pecuária. Apresentam caules eretos ou prostrados e folhas de filotaxia alternada ou oposta, às vezes formando uma roseta, limbo simples com formas variadas até profundamente recortado, simulando folha composta. A singularidade da família está na inflorescência do tipo capítulo, caracterizado por possuir flores tubulosas, frequentemente liguladas na periferia, as quais se inserem em um receptáculo comum e são circundadas por um invólucro de brácteas de coloração verde ou com cores atrativas. As flores de um capítulo podem ser todas hermafroditas, hermafroditas associadas às de sexo separado ou então somente de sexo separado. Formam frutos do tipo aquênio, normalmente com alguma estrutura de dispersão por meio do vento ou aderidos às vestes do homem ou então aos pelos dos animais. Família Asteraceae 46

26 É soja no limpo Gamit é a sua boa companhia no manejo de resistência das plantas difíceis. É soja no limpo, é colheita mais produtiva. fmcagricola.com.br Fazendo Mais pelo Campo

27 Família Asteraceae Acanthospermum australe (Loefl.) Kuntze N.V.: amor de negro, carrapicho, carrapicho do campo, carrapicho de carneiro, carrapicho miúdo, carrapicho rasteiro, carrapichinho, chifrinho, maroto, picão da praia, picão da prata. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, instalando-se em campos cultivados, áreas de pastagens, margens de rodovias e estradas rurais. Apresenta caule prostrado muito ramificado de coloração castanha com pilosidade branca. Folhas curtopecioladas de disposição oposta com limbo simples ovalado e margem levemente lobada de coloração castanha. Inflorescência do tipo capítulo axilar, rodeado por brácteas semelhantes a sépalas, pedúnculo também castanho e que reúne aproximadamente 8 flores femininas inseridas na margem do capítulo, as quais se transformam em frutos do tipo aquênio. As flores masculinas, com anteras visíveis, localizam-se no centro do mesmo capítulo e são envolvidas por brácteas brancas, iguais entre si, semelhantes a pétalas. Diferencia-se de A. hispidum por apresentar caule prostrado e aquênios com projeções não espinescentes. Propagação por meio de sementes

28 Família Asteraceae Acanthospermum hispidum DC. N.V.: amor de negro, benzinho, carrapicho, carrapicho de carneiro, carrapicho cabeça de boi, carrapicho chifre de veado, camboeiro, espinho de agulha, espinho de cigano, federação, poejo da praia, retirante. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país. Instala-se em campos cultivados, pastagens e em outras áreas abertas onde se torna indesejável pelos incômodos propiciados pelos carrapichos que grudam em roupas e pelos dos animais, além dos ferimentos causados pelos espinhos do fruto. Partes da planta são utilizadas na medicina empírica. Apresenta caule ereto ou prostrado, ramificação dicotômica, coloração verde clara e com pelos esbranquiçados. Folhas desprovidas de pecíolos com disposição oposta, limbo simples ovalado, mas com a base estreitada e margens levemente lobadas e serradas. Inflorescência do tipo capítulo axilar, rodeado por brácteas semelhantes a sépalas e que reúne de 6 a 8 flores femininas inseridas na margem do capítulo, os quais se transformam em frutos do tipo aquênio providos de 2 pontas divergentes na extremidade superior. As flores masculinas localizam-se no centro do mesmo capítulo e são envolvidas por brácteas amarelas, iguais entre si, semelhantes a pétalas. Diferencia-se das espécies afins por apresentar os frutos com 2 pontas divergentes e espinescentes. Propagação por meio de sementes

29 Família Asteraceae Ageratum conyzoides L. N.V.: cacália mentrasto, camará opela, catinga de barão, catinga de bode, cúria, erva de são joão, erva de santa lúcia, mentraste, mentrasto, picão branco, picão roxo. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, ocupando áreas cultivadas, pastagens e áreas abandonadas. Partes da planta são utilizadas na medicina empírica e também como repelentes a insetos. Apresenta caule ereto de coloração verde ou castanha recoberto por pelos brancos. Folhas pecioladas, simples e ovaladas, sendo as inferiores opostas e as superiores alternadas com margem ondulada. Eixo principal da inflorescência bem desenvolvido. Inflorescência do tipo corimbo de capítulos, a qual reúne númerosos capítulos com pedúnculos de diferentes tamanhos. Cada capítulo é rodeado por brácteas verdes e contém númerosas flores cujo cálice é substituído por pelos e a corola apresenta-se tubulosa de coloração arroxeada ou lilás. Espécie muito parecida com Lourteigia ballotifolia, que possui folhas sésseis ou curtamente pecioladas com limbo mais carnoso; os capítulos são mais adensados no corimbo, cujas flores possuem coloração rósea. Assemelha-se também com Lessingianthus souzae. Propagação por meio de sementes

30 Família Asteraceae Ambrosia artemisiifolia L. N.V.: ambrósia, ambrósia americana, artemija, artemísia, artemísia da terra, carprineira, cravo da roça, cravorana, losna do campo. Espécie herbácea a subarbustiva podendo alcançar até 1,5 metro de altura, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil, vegetando em áreas ocupadas por lavouras anuais ou perenes, pastagens, pomares, hortas, terras abandonadas, entre outros locais antropizados. Apresenta caule cilíndrico a anguloso, verde com intensa pigmentação violácea, revestido por pilosidade branca e com ramificação mais acentuada na base. Folhas pecioladas e com o limbo profundamente recortado até o nervo central, simulando uma folha composta; normalmente ocorrem 5 segmentos. Segmentos também com as margens muito recortadas irregularmente e com as faces pubescentes. As folhas inserem-se de forma oposta na base da planta e alternadamente ao longo dos ramos. Inflorescência do tipo capítulo inserido em espigas cilíndricas no ápice dos ramos e fascículos de capítulos nas axilas das últimas folhas. Capítulos formados por brácteas soldadas de coloração verde e de sexo separado: os masculinos localizam-se à partir da porção mediana até o ápice das espigas e são retrorsos, os femininos inserem-se na base das espigas e nas axilas das últimas folhas. Fruto do tipo aquênio encerrado pelas brácteas soldadas. Pode ser identificada em campo por meio das folhas profundamente segmentadas de filotaxia oposta na base da planta e alternadas no ápice, acrescentando-se a morfologia do capítulo, o qual é constituído por brácteas soldadas em toda a sua extensão. Propagação por meio de sementes

31 Família Asteraceae Baccharis dracunculifolia DC. N.V.: alecrim, alecrim de vassoura, alecrim do campo, cilca, vassoura, vassoureira, vassourinha. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolve em todo o país, instalando-se principalmente em áreas ocupadas por pastagens e áreas abandonadas, onde se torna indesejável pelo fato de rebrotar com facilidade após a roçada. Partes da planta são utilizadas na medicina popular e as flores são muito visitadas por abelhas. Apresenta caule muito ramificado, canaliculado e com ramos bem enfolhados. Tanto o caule principal quanto os ramos mais velhos são de coloração castanha. Folhas simples, lanceoladas, engrossadas, com 1 nervura, margem inteira, desprovidas de pecíolo e dispostas de forma alternada helicoidal. Inflorescências nas axilas das folhas, constituídas por capítulos pedunculados, margeados por brácteas de coloração verde clara, que se tornam castanhas na fase de maturação. Capítulos de sexo separado. Os femininos com flores cujo cálice é transformado em pelos e a corola com 5 pétalas em forma de tubo fino de coloração branca. Pode ser diferenciada de B. salzmanii em função do porte e por meio das folhas com formato lanceolado e com margens inteiras. Propagação por meio de sementes

32 Família Asteraceae Baccharis trimera (Less.) DC. N.V.: bacanta, bacórida, bacorida, cacaia amarga, cacália, cacália amarga, carque, carqueja, carquejaamarga, carqueja do mato, condamina, condamine, quina de condamine, vassoura, vassourinha. Espécie herbácea, perene, rizomatosa, entouceirada e que se desenvolve nas regiões Sudeste e Sul do Brasil, vegetando em ambientes secos ou úmidos. Ocorre com muita frequência em áreas de pastagens, lavouras, terras abandonadas e margens de estradas rurais. Partes da planta são muito utilizadas na medicina popular. A parte aérea verde está representada por um estrutura que desempenha as funções do caule e das folhas conjuntamente, denominadas de cladódio. O cladódio é de coloração verde, provido de um nervo central ladeado por 3 alas com margens irregulares em toda a sua extensão e ramificado desde a base. Ocasionalmente podem aparecer folhas reduzidas. Inflorescência do tipo capítulo, isolado ou em conjunto, localizado nos nós do cladódio. Capítulos com flores de sexo separado na mesma planta e de coloração branco paleácea. Assemelha-se com B. articulata, que apresenta cladódios com 2 alas em toda a sua extensão. Propagação por meio de sementes e por fragmentação do rizoma

33 Família Asteraceae Bidens alba (L.) DC. N.V.: picão, picão preto. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, instalando-se em todos os ambientes onde ocorrem atividades agropecuárias, como também ao longo das margens de rodovias e terrenos baldios. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule anguloso, verde com manchas avermelhadas e com pilosidade branca. Folhas opostas com limbo dotado de 5 recortes profundos que atingem a nervura central e com margem serrada, pecíolos verdes ou avermelhados, pilosos. Inflorescência axilar e terminal do tipo capítulo, longo-pedunculado. Capítulos rodeados por um invólucro de brácteas foliáceas semelhante a um cálice e um segundo invólucro de 5 brácteas de coloração branca semelhante a uma corola. Flores centrais tubulosas e de coloração amarela. Fruto aquênio preto com 2 dentes. Diferencia-se de B. pilosa por apresentar o capítulo rodeado por brácteas mais desenvolvidas e de coloração branca. Propagação por meio de sementes

34 Família Asteraceae Bidens pilosa L. N.V.: amor seco, carrapicho, carrapicho de agulha, carrapicho de duas pontas, erva picão, fura-capa, goambu, guambu, picão, picão amarelo, picão das horas, picão do campo, picão preto. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, instalando-se em todos os ambientes onde ocorrem atividades agropecuárias, como também ao longo das margens de rodovias e terrenos baldios. A planta é amplamente utilizada na medicina popular. Apresenta caule anguloso, verde com manchas avermelhadas e com pilosidade branca. Folhas opostas com limbo dotado de 5 recortes profundos que atingem a nervura central e com margem serrada, pecíolos verdes ou avermelhados pilosos. Inflorescência axilar e terminal do tipo capítulo, longo-pedunculado. Capítulos rodeados por um invólucro de brácteas foliáceas semelhante a um cálice e um segundo invólucro de 5 a 6 brácteas não muito desenvolvidas de coloração amarela semelhante a uma corola. Flores centrais tubulosas e de coloração amarela. Fruto aquênio preto com 2 dentes, podendo ocorrer um 3º dente não muito desenvolvido. Bidens pilosa pode ser diferenciada de B. alba por apresentar o capítulo rodeado por brácteas pequenas e de coloração amarela, acrescentando-se ainda o fruto ou picão com 2 dentes podendo ocorrer um 3 de tamanho reduzido. Propagação por meio de sementes

35 Família Asteraceae Bidens subalternans DC. N.V.: carrapicho de pontas, coambi, erva picão, fura capa, goambu, picão, picão do campo, picão preto. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil, vegetando em áreas ocupadas por lavouras anuais ou perenes, onde se torna indesejável por ser hospedeira de determinadas pragas, como também pelas aristas espinescentes dos frutos que aderem ao corpo dos animais. Apresenta caule levemente quadrático com ramificação dicotômica na parte inferior da planta e alternada a partir da porção mediana. Folhas pecioladas, dispostas de forma oposta na base e alternada no ápice, limbo recortado em 3 a 7 segmentos ovalados ou lanceolados, simulando uma folha composta. Inflorescência do tipo capítulo, reunido em grupos de 3 a 4 sobre um eixo comum, localizados nas axilas das últimas folhas ou no ápice dos ramos. Capítulos pedunculados, em formato oblongo e protegidos por um invólucro de brácteas, as quais protegem flores hermafroditas com corola tubulosa e amarela no centro e as flores femininas com corola ligulada também amarelada na periferia. Fruto seco do tipo aquênio com 4 aristas. Pode ser identificada em campo por meio da forma do capítulo, acrescentando-se os aquênios com superfície tetragonal e providos de 4 aristas. Propagação por meio de sementes

36 Família Asteraceae Bidens sulphurea (Cav.) Sch. Bip. N.V.: áster do méxico, cosmo, picão, picão amarelo, picão grande. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil. A planta serviu ao paisagismo, no entanto extrapolou os limites dos jardins instalando-se em áreas cultivadas, terrenos baldios, margens de rodovias, entre outros locais. Apresenta caule verde canaliculado com manchas avermelhadas e esparsa pilosidade. Folhas opostas com limbo dotado de númerosos recortes profundos que atingem a nervura central e cujas margens também são recortadas, pecíolos verdes ou avermelhados. Inflorescência axilar e terminal do tipo capítulo, longo-pedunculado. Capítulos rodeados por um invólucro de brácteas foliáceas semelhante a um cálice e um segundo invólucro com aproximadamente 8 brácteas muito desenvolvidas de ápice tridentado de coloração alaranjada, semelhante a uma corola. Flores centrais tubulosas com a mesma cor das brácteas. Fruto aquênio escuro provido de pelos plumosos. A cor e o tamanho das brácteas do capítulo singularizam esta espécie. Propagação por meio de sementes

37 Família Asteraceae Blainvillea biaristata DC. N.V.: erva palha, picão, picão grande. Espécie subarbustiva, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil, ocupando áreas agricultáveis, pastagens, terrenos baldios e margens de rodovias. Apresenta caule verde com intensa pigmentação castanho-avermelhada recoberta por pelos brancos. A ramificação é dicotômica. Folhas simples, curto-pecioladas, opostas, com limbo ovalado, grosso, piloso e margens levemente serradas. Inflorescência do tipo capítulo localizado nos ângulos dos ramos e terminais. Capítulos longo-pedunculados rodeados por brácteas de coloração verde, contendo internamente as flores tubulosas e brancas. Fruto aquênio com 2 aristas apicais. As espécies de Blainvillea podem ser separadas utilizando-se a morfologia da folha e do fruto. Em B. biaristata a folha apresenta o limbo ovalado e o fruto ou picão com 2 aristas, ao passo que em B. rhomboidea o limbo se assemelha a um losango e o fruto ou picão possui 3 aristas apicais. Propaga-se por meio de sementes

38 Família Asteraceae Blainvillea rhomboidea Cass. N.V.: canela de urubu, erva palha, picão grande. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o Brasil vegetando em áreas cultivadas, áreas de pastagens, terras abandonadas e margens de rodovias. Apresenta caule levemente achatado, verde ou completamente avermelhado, recoberto por pilosidade branca e com ramificação em dicásio. Folhas opostas cruzadas, pecioladas e com o limbo romboidal, ou seja, em forma de losango e recoberto por pelos em ambas as faces. As folhas superiores podem ser ovaladas. Margens serradas a partir da parte mais larga da folha em direção ao ápice. Inflorescência do tipo capítulo distribuído por toda a planta, ou seja, nas axilas dos pares de folhas, nos ângulos dos ramos em dicásio e terminais. Capítulos longo-pedunculados, oblongos, margeados por númerosas brácteas verdes que se tornam visivelmente paleáceas na maturação, constituídos por flores hermafroditas de posição central e as femininas localizadas na periferia. Ambas as flores de coloração branca. Fruto aquênio provido de 3 aristas do mesmo tamanho. Assemelha-se muito com B. biaristata, a qual apresenta as folhas com formato ovoide e os aquênios são providos de 2 aristas iguais e uma terceira reduzida. Propagação por meio de sementes

39 Família Asteraceae Centratherum punctatum Cass. N.V.: perpétua, perpétua do mato, perpétua roxa. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve em todo o país, vegetando em todos os ambientes onde ocorrem atividades agropecuárias, como também ao longo de rodovias e terrenos baldios. A planta pode ser recomendada para o uso no paisagismo do entorno de edificações das unidades de conservação ou no paisagismo urbano como componente de alegretes ou mesmo como forração. Apresenta caule ereto que tende a prostrar-se, coloração castanha e com pilosidade, ramificação dicótoma ou tricótoma. Folhas simples alternadas, pilosas, pecíolo muito curto, limbo lanceolado com margens serradas. Inflorescência do tipo capítulo simples, terminal, assentado sobre uma roseta de folhas e brácteas castanho-avermelhadas com ápices pontudos. Flores hermafroditas contendo corola tubulosa rósea ou violácea. Fruto aquênio com 10 costelas, desprovido de pelos. Propagação por meio de sementes

40 Família Asteraceae Chromolaena laevigata (Lam.) R. M. King & H. Rob. N.V.: cambará falso. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolvem nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil vegetando em áreas abertas desocupadas, áreas de pastagens e bordos de fragmentos florestais. Apresenta caule com coloração arroxeada, ramificação dicotômica dística nas porções superiores da planta, sendo as bifurcações em ângulo mais fechado. Folhas simples, opostas cruzadas, pecioladas, lanceoladas, margem inteira do meio até a base e serrada do meio até o ápice. Limbo com 3 nervuras grossas que saem do pecíolo e irradiam para o ápice. As folhas nesta espécie se dispõem tomando uma posição quase paralela em relação aos ramos. Inflorescência do tipo corimbo de capítulos, caracterizada pelos diferentes tamanhos dos pedúnculos dos capítulos, mas alcançando todos quase a mesma altura. Capítulos margeados por brácteas escamosas dispostas de forma helicoidal. Flores do capítulo com corola lilacina. Espécie muito parecida com C. maximilianii da qual pode ser diferenciada levando-se em consideração os seguintes caracteres, a saber: em C. laevigata as ramificações são opostas dísticas, folhas opostas, curto-pecioladas e dispostas rentes ao caule, já em C. maximilianii as ramificações são opostas cruzadas, folhas opostas com pecíolo maior e dispostas de maneira afastada do caule. Propagação por meio de sementes

41 Família Asteraceae Chromolaena maximilianii (Schrader ex. DC.) King & Robinson N.V.: mata-pasto. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil vegetando em áreas abertas desocupadas, áreas de pastagens e bordos de fragmentos florestais. Apresenta caule com coloração verde com intensa pigmentação arroxeada, ramificação dicotômica cruzada nas porções superiores da planta, sendo as bifurcações em ângulo mais aberto. Folhas simples, opostas cruzadas, pecioladas, ovaladas, com a margem serrada até bem próximo da base. Limbo com 4 ou 5 nervuras que saem da base e irradiam para o ápice. As folhas nesta espécie se dispõem tomando uma posição quase perpendicular em relação aos ramos. Inflorescência do tipo pleiocásio de capítulos, caracterizada por apresentar númerosos capítulos pedunculados saindo de um mesmo ponto e alcançando quase a mesma altura, sendo que os capítulos mais velhos, cujas flores são as primeiras a se abrirem, ocupam a posição central. Capítulos margeados por brácteas escamosas dispostas de forma helicoidal. Flores do capítulo com corola lilacina. Diferencia-se de C. laevigata pela posição dos ramos dicotômicos cruzados e pelas folhas com pecíolo mais desenvolvido e limbo mais afastado do caule. Propagação por meio de sementes

42 Família Asteraceae Cirsium vulgare (Savi.) Ten. N.V.: cardo, cardo de costela, cardo negro. Espécie subarbustiva, bianual e que se desenvolve espontaneamente na região Sul do Brasil. Trata-se de uma espécie que foi introduzida no país e que se instalou em áreas antropizadas onde se torna indesejável em função das estruturas espinescentes que ocorrem em todos os órgãos aéreos da planta, além de competir por espaço com as plantas nativas. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta, no início do ciclo, apenas folhas rosuladas e, numa fase mais adiantada, desenvolvem-se caules ramificados recobertos por folhas reduzidas pontiagudas e folhas simples alternadas, profundamente recortadas, que terminam em ponta espinescente. Inflorescências terminais do tipo capítulo, constituído por flores róseas, assentadas sobre um receptáculo grande e cônico, o qual é rodeado por brácteas terminadas em espinhos retos. Propagação por meio de sementes

43 Família Asteraceae Conyza bonariensis (L.) Cronquist N.V.: acatoia, buva, capiçoba, capetiçoba, catiçoba, enxota, erva lacenta, margaridinha do campo, rabo de raposa, salpeixinho, voadeira. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil onde ocupa áreas cultivadas, pastagens, terras abandonadas, margens de rodovias e terrenos baldios no meio urbano. Em função da propagação facilitada pelo vento e da germinação quase uniforme das sementes é comum encontrar populações densas desta espécie. Apresenta caule cilíndrico, muito enfolhado, verde, pouco ramificado, podendo surgir alguns ramos apenas nas proximidades do ápice do caule principal. Folhas simples, desprovidas de pecíolos, alternadas e helicoidais, limbo longo lanceolado com predomínio de margens inteira ou muito raramente aparecendo poucos acidentes serreados. Inflorescência terminal do tipo cacho de capítulos. Capítulos globosos, pedunculados, margeados por brácteas de coloração verde, as quais protegem as flores femininas localizadas na periferia e as hermafroditas ocupam o centro. Na maturação rompem-se as brácteas para liberação dos frutos. Fruto do tipo aquênio coroado por um tufo de pelos sedosos. Esta espécie pode ser facilmente reconhecida em campo por meio das folhas longo-lanceoladas e com margem inteira, acrescentando-se ainda a posição da inflorescência, que é sempre inclusa nos ramos, e também os capítulos globosos

44 Família Asteraceae Conyza canadensis (L.) Cronquist N.V.: buva, buva do canadá, voadeira. Espécie herbácea, anual ou bianual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil vegetando em áreas sob cultivo, áreas de pastagens e ao longo das margens de rodovias, entre outros locais. Apresenta caule anguloso verde, desprovido de ramificações, enfolhado e com pilosidade velutina. Pode apresentar pouca ou muita pigmentação avermelhada. Folhas simples, alternadas e helicoidais, longolanceoladas e desprovidas de pecíolo. Folhas da base da planta com margens recortadas irregularmente e as dos eixos da inflorescência linear, lanceoladas e com margem inteira. Inflorescência do tipo cacho de capítulos, capítulos pedunculados, rodeados por um arranjo apertado de brácteas esverdeadas, as quais se abrem na maturação para liberar os frutos do tipo aquênio, que são providos de coroa de pelos. Flores do capítulo branco-amareladas e de sexo separado; as da margem são femininas e as do centro hermafroditas. Esta espécie se assemelha muito com C. bonariensis, podendo utilizar a seguinte característica diferencial: em C. canadensis as folhas são longo-lanceoladas com margens recortadas de forma irregular, apenas as folhas do eixo da inflorescência possuem margens inteira, já em C. bonariensis as folhas também se apresentam longo-lanceoladas mas com as margens inteiras. Propagação por meio de sementes

45 Família Asteraceae Eclipta alba (L.) Hassk. N.V.: agrião do brejo, coacica, coatiá, cravo brabo, erva-botão, erva lanceta, lanceta, quebra-pedra, sucurima, surucuína, tangaracá. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Norte e Sudeste do Brasil vegetando em áreas cultivadas, pastagens ou então inserida entre as demais plantas comuns a terrenos baldios e margens de rodovias. Tem preferência por locais mais úmidos, mas adapta-se também em solos secos. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule ereto ou pouco decumbente, cilíndrico, levemente achatado na região nodal, carnoso, coloração avermelhada e recoberto por indumento de pelos brancos. Folhas simples, desprovidas de pecíolos, opostas e cruzadas, limbo ovalado-lanceolado com margens levemente ondulada ou serrada. Inflorescência axilar e terminal constituída por 2 a 3 capítulos longo-pedunculados, avermelhados e com pilosidade branca. Cada capítulo está rodeado por um invólucro de até 12 brácteas, que se assemelham a um cálice e reúnem um aglomerado de flores tubulosas de coloração branca e de sexo diferenciado, assentadas sobre o receptáculo plano. As flores do centro do capítulo são hermafroditas e as da margem são femininas. Propaga-se por meio de sementes e por formação de raízes adventícias junto dos nós caulinares

46 Família Asteraceae Emilia coccinea (Sims) G. Don N.V.: pincel, pincel de estudante, serralha mirim, serralhinha. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil vegetando preferencialmente nas planícies do litoral em áreas cultivadas, margens de rodovias, terrenos baldios, entre outros locais antropizados. Apresenta caule cilíndrico, ereto, tenro, carnoso e de coloração verde com esparsos pelos. Folhas simples e sésseis, as localizadas na base da planta formando uma roseta e as do caule dispostas de forma alternada helicoidal. Limbo pubescente com formato variado, ovalado assimétrico com margens pouco ou muito recortadas na porção basal da planta e sagitada amplexicaule com margens irregularmente recortadas ou denteadas na porção superior. Inflorescência terminal do tipo cacho de capítulos. Capítulos cilíndricos assentados sobre longo pedúnculo e margeados por númerosas brácteas verdes que se mantêm unidas antes da maturação. Flores do capítulo tubulosas, hermafroditas e de coloração lilacina, e que após a fecundação e formação do fruto forçam o rompimento das brácteas para disseminação das sementes. Fruto do tipo aquênio coroado por um tufo de pelos brancos, mecanismo que facilita a dispersão através do vento. Diferencia-se de E. fosbergii por meio da coloração das flores do capítulo que se apresentam avermelhadas, e também pelas folhas caulinares não amplexicaule. Propagação por meio de sementes

47 Família Asteraceae Emilia fosbergii Nicolson N.V.: algodão de preá, bela emília, brocha, falsa serralha, pincel, pincel de estudante, serralha, serralha brava, serralhinha. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, vegetando em áreas antropizadas. No inicio do ciclo a planta consiste de uma roseta de folhas de onde surge um caule curto, verde, carnoso, cilíndrico e com intensa pilosidade branca. As folhas apresentam formas e disposição variadas, as inferiores são desprovidas de pecíolos, rosuladas, de limbo ensiforme, ou seja, pouco ou muito estreitado na base e convexo lateralmente, cujas margens vão desde a ondulada, levemente recortada até a serrada. As folhas do caule e dos ramos que carregam as inflorescências são alternadas, possuem limbo sagitado ou lanceolado com bases que envolvem parcialmente o caule, margens onduladas, serradas ou serrilhadas. A inflorescência está constituída por um eixo principal que apresenta ramificação dicotômica, onde cada ramo apresenta um corimbo de capítulos. O corimbo pode ser caracterizado por apresentar os capítulos com pedúnculos de tamanhos diferentes, mas alcançam todos quase a mesma altura. Os capítulos são rodeados por um invólucro de brácteas verdes, semelhante a um cálice, em número de 10 a 12, parcialmente soldadas, e que se rompem na maturação para liberar os frutos. As flores do capítulo são hermafroditas, possuem o cálice transformado em papus, representado por um tufo de pelos, a corola é tubulosa, pentâmera e de coloração vermelha. Os frutos de um capítulo formam uma estrutura globosa, constituída por aquênios providos de uma coroa de pelos finos, sedosos e de coloração branca. Esta espécie também aparece descrita em outras obras com a designação de E. sonchifolia. Assemelha-se muito com E. coccinea, no entanto ambas apresentam singularidades, a saber: E. fosbergii apresenta as folhas do eixo da inflorescência verdes em ambas as faces e a base envolve parcialmente o caule, já em E. coccinea as folhas do eixo são bicolores, verdes na metade ventral e claras na dorsal, e a base envolve quase que totalmente o caule. Propaga-se por meio de sementes

48 Família Asteraceae Erechtites hieraciifolius (L.) Raf. ex. DC. N.V.: capeçoba, capiçoba, caperiçoba, caperiçoba vermelha, caramuru, caruru, caruru amargo, caruru amargoso, erva gorda, serralha brava. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil vegetando frequentemente em áreas desbravadas ou áreas ocupadas por lavouras anuais ou perenes. Ocasionalmente é consumida como verdura em alguns estados do Sudeste. Apresenta caule ereto anguloso, podendo atingir até 1 metro de altura, com pouca ou nenhuma ramificação lateral, consistência grossa e carnosa, revestido por tênue pilosidade e de coloração verde a avermelhada. Folhas da base da planta rosetadas, sésseis, largo-lanceoladas com as margens irregularmente recortadas, já as folhas caulinares inserem-se de forma alternada, também são sésseis e o limbo é mais estreito com margens recortadas serreadas. Inflorescência terminal do tipo capítulo disposto em corimbo e capítulos isolados assentados em longos pedúnculos ramificados nas axilas das últimas folhas. Capítulos oblongos envolvidos por brácteas involucrais verdes ou avermelhadas, as quais protegem flores femininas, periféricas, e as hermafroditas, centrais, ambas com corola tubulosa e amarelada. Fruto do tipo aquênio com tufo de pelos para facilitar a dispersão através do vento. Pode ser identificada em campo por meio das folhas rosetadas na base e alternadas no caule, acrescentando-se o corimbo de capítulos no ápice da planta e a coloração verde-avermelhada presente em todas as partes aéreas, com exceção das flores. Propagação por meio de sementes

49 Família Asteraceae Galinsoga parviflora Cav. N.V.: botão de ouro, fazendeiro, picão branco. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, instalando-se em áreas cultivadas onde passa a competir por espaço com a cultura em estágio inicial ou tardiamente, desde que haja luminosidade para o seu desenvolvimento. Apresenta caule ereto ou decumbente com ramos ascendentes, cilíndrico, verde com leve pigmentação avermelhada e revestido por esparsa pilosidade. Folhas opostas cruzadas, pecioladas, as do ápice sésseis ou quase. Limbo ovalado ou longo-ovalado com 3 nervuras e recoberto por poucos e pequenos pelos. Margens irregularmente onduladas ou serradas. Inflorescência terminal do tipo dicásio de capítulos. Capítulos pedunculados com receptáculo cônico margeado por um invólucro de brácteas verdes e glabras. Flores do interior do capítulo hermafroditas, tubulosas e de coloração amarela. Flores femininas situadas na margem do capítulo, com corola branca ligulada, cujo ápice é bífido ou trífido, podendo estar associado. A característica que determina esta espécie é a morfologia da lígula. Fruto seco do tipo aquênio. Propaga-se por meio de sementes

50 Família Asteraceae Galinsoga quadriradiata Ruiz & Pav. N.V.: botão de ouro, fazendeiro, fazendeiro de folha dentada, fazendeiro peludo, picão branco. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, instalando-se em áreas cultivadas onde passa a competir por espaço com a cultura em estágio inicial ou tardiamente, desde que haja luminosidade para seu desenvolvimento. Apresenta caule ereto ou decumbente com ramos ascendentes, cilíndrico, verde com pigmentação avermelhada e revestido por esparsa pilosidade. Folhas opostas cruzadas pecioladas, as do ápice sésseis. Limbo ovalado ou longo-ovalado com 3 nervuras e recoberto por poucos e pequenos pelos. Margens fortemente serradas. Inflorescência terminal do tipo dicásio de capítulos. Capítulos pedunculados, com receptáculo cônico margeado por um invólucro de brácteas verdes e glandulosas. Flores do interior do capítulo hermafroditas, tubulosas e de coloração amarela; flores da margem do capítulo femininas e com corola branca ligulada cujo ápice é inteiro ou trífido, podendo estar associados. A característica que determina esta espécie é a morfologia da lígula. Fruto seco do tipo aquênio. Propagação por meio de sementes

51 Família Asteraceae Gnaphalium coarctatum Willd. N.V.: erva macia, macela branca, meloso. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Sul e Sudeste do Brasil vegetando em áreas ocupadas por lavouras anuais ou perenes, algo sombreadoras, ou ainda instalando-se em capoeirinhas, terrenos baldios e margens de rodovias. Apresenta caule ereto, cilíndrico, verde, carnoso, recoberto por intenso indumento de pelos brancos lanuginosos, ramificado na parte inferior da planta onde os ramos basais podem prostrar-se. Folhas alternadas helicoidais, desprovidas de pecíolos, também revestidas com indumento de pelos longolanceolados estreitando-se em direção à base, margens inteiras ou muito levemente onduladas e com pequeno apículo no ápice que é obtuso. Inflorescência do tipo capítulo localizado nas axilas das folhas dos ramos superiores e terminais, reunidos em espigas. Os capítulos das espigas terminais são mais númerosos, já os das axilas de folhas em número de 6 a 8, ambos assentados sobre brácteas foliáceas. Os capítulos com flores femininas e hermafroditas branco-amareladas que se tornam castanhas possuem a forma de um carpelo típico e são margeados por um invólucro de brácteas que se rompem na maturação para liberar os frutos, deixando na planta-mãe as bases dos capítulos com forma de urna e rodeados por pelos, fornecendo nesta fase um aspecto cotonoso à inflorescência. Esta espécie se assemelha muito com as afins, G. pensylvanicum e G. purpureum, podendo ser diferenciadas em campo principalmente por meio das folhas da seguinte maneira: G. pensylvanicum apresenta as folhas longo-oblongas, ou seja, o diâmetro da base ao ápice é quase uniforme e as margens são praticamente inteiras, já G. purpureum possui as folhas longo-lanceoladas estreitando-se gradativamente em direção à base, margens inteiras ou muito levemente onduladas e com o ápice agudo. Propaga-se por meio de sementes

52 Família Asteraceae Hypochoeris radicata L. N.V.: almeirão, almeirão de roseta, almeirão do campo, erva das tetas, leiteirigas, leituga, leiteiregas, orelha de gato. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve nas regiões Sudeste e Sul do Brasil vegetando em áreas alteradas. Planta desprovida de caule, apresentando somente um falso caule, denominado de escapo, com coloração verde que tem a função de transportar a inflorescência. Folhas rosuladas, desprovidas de pecíolos, limbo lanceolado estreitando-se para a base com as margens pouco ou profundamente onduladas. Inflorescência do tipo capítulo, inserido no escapo que pode ramificar-se e apresentar pequena bráctea ou não, sendo que cada ramo termina por um capítulo isolado. Capítulos margeados por brácteas dispostas de forma helicoidal e em várias séries que protegem as flores hermafroditas. Flores assentadas sobre um disco com corola de pétalas amarelas que protegem o androceu e o gineceu. As flores da periferia do capítulo formam aquênios constituídos por uma coroa de pelos com tamanho diferenciado ao passo que as do centro formam aquênios com um prolongamento fino apical. Esta espécie se assemelha muito com H. brasiliensis, a qual possui folhas longo-lanceoladas inseridas no escapo ou eixo da inflorescência. Propagase por meio de sementes

53 Família Asteraceae Lourteigia ballotifolia (Kunth) R. M. King & H. Rob. N.V.: aleluia, picão roxo. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve na região Nordeste do Brasil vegetando em ambientes úmidos ou com solos bem drenados. Aparece com frequência em áreas cultivadas, áreas de pastagens, margens de rodovias, entre outras localidades. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule ereto, bastante ramificado, cilíndrico, verde e recoberto por um indumento de pelos que confere aos ramos uma coloração acinzentada. Folhas simples, curto-pecioladas, alternadas, com o limbo em formato ovalado e de consistência grossa, verde na face superior e acinzentado na inferior, margens regularmente serreadas. Inflorescência terminal do tipo corimbo de capítulos, caracterizado por apresentar os pedúnculos dos capítulos em tamanhos diferenciados. Capítulos númerosos e constituídos por flores congestas assentadas sobre um invólucro de brácteas, as quais protegem as flores com corola tubulosa e de coloração rósea. Androceu e gineceu com filetes e estiletes bem evidentes e projetados para fora das flores. Fruto do tipo aquênio. Assemelha-se muito com Ageratum conyzoides, a qual possui o limbo largoovalado e inflorescência com menor número de capítulos. Propagação por meio de sementes

54 Família Asteraceae Melampodium divaricatum (Rich.) DC. N.V.: estrelinha, flor amarela, flor de ouro. Espécie herbácea, anual indiferente às condições físico-químicas do solo e que se desenvolve em todo o país vegetando em áreas ocupadas por lavouras anuais ou perenes, hortas, pomares, terras abandonadas, margens de rodovias, entre outros locais antropizados onde forma uma população densa. Ocorre tanto em áreas abertas, como solos bem drenados, quanto em áreas sombreadas e solos encharcados. Apresenta caule cilíndrico, ereto ou decumbente, coloração verde com manchas violáceas, amplamente ramificado desde a base, ramos dicotômicos revestidos por densa pilosidade branca. Folhas simples com curto pecíolo levemente alado e tomentoso, dispostas de forma oposta cruzada. Limbo em formato ovalado, romboidal ou lanceolado revestido por pelos em ambas as faces, percorrido por 3 nervuras bem evidentes e com as margens serreadas ciliadas. Inflorescência do tipo capítulo, frequentemente 1 para cada par de folhas. Capítulos discoides com longos pedúnculos tomentosos, encimados por uma série de brácteas verdes e desiguais entre si, as quais protegem as flores de sexo separado. Flores femininas com lígulas amareladas, oblongas, de ápice arredondado ou emarginado, ocupam a periferia do capítulo. Flores masculinas tubulosas, também em tonalidade amarelada, ocupam o centro do capítulo. Fruto seco do tipo aquênio heteromorfo. Pode ser identificada em campo por meio da ramificação dicotômica e das folhas trinervadas, acrescentando-se a presença de normalmente um capítulo vistoso para cada par de folhas. Propagação por meio de sementes

55 Família Asteraceae Melampodium perfoliatum (Cav.) HBK N.V.: botão de cachorro, estrelinha Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste e Sudeste do Brasil, estabelecendo populações significativas que avançam sobre os sistemas produtivos, causando danos econômicos. Apresenta caule anguloso, tenro, coloração vermelho-acastanhada, piloso e com ramos dispostos em dicotomia superposta. Folhas opostas cruzadas, perfoliadas, ou seja, as bases dos pares são unidas e os pecíolos providos de alas em continuidade ao limbo. Limbo piloso e com formato variável na mesma planta, podendo ocorrer lanceolado típico, assimétrico, ovalado, ovalado com aurículas, no entanto há predomínio do romboidal, ou seja, formato de losango com as margens irregularmente serradas. Inflorescência do tipo capítulo, situado nos ângulos das bifurcações e nas axilas das folhas. Cada capítulo constitui-se de longo eixo, encimado por um conjunto de 5 brácteas foliáceas semelhante a um cálice, as quais dão assento a númerosas flores de coloração amarela e de sexo separado. As femininas ocupam a periferia do capítulo e as masculinas o centro. Fruto seco do tipo aquênio disposto radialmente nos capítulos. Pode diferenciar-se de M. divaricatum porque nesta a posição dos ramos é dicotômica cruzada e a perfoliação é menos expressiva, acrescentando-se ainda o tamanho dos capítulos, que são sempre menores. M. perfoliatum também pode ser diferenciada de M. paniculatum, a qual apresenta a perfoliação também menos expressiva, capítulos maiores e mais vistosos. Propagação por meio de sementes

56 Família Asteraceae Mikania cordifolia (L. F.) Willd. N.V.: cacália, cipó cabeludo, cipó catinga, cipó coração de jesus, cipó sicuriju, erva de cobra, guaco. Espécie herbácea, anual ou perene e que se desenvolve espontaneamente em todo o país, sendo utilizada amplamente em medicina popular. Apresenta caule trepador volúvel, anguloso, verde ou ferrugíneo nas partes mais velhas e revestido por pilosidade branca. Folhas opostas cruzadas, simples, pecioladas e também pilosas nas duas faces. Limbo cordiforme típico ou ovalado de base cordata com margens inteiras ou pouco serradas. Inflorescência axilar e terminal constituída por corimbo de capítulos, caracterizada por apresentar um longo eixo principal que origina no ápice vários eixos secundários de tamanhos diferentes, os quais são encimados pelos capítulos. Os capítulos são infundibuliformes e compõem-se de 4 brácteas verdes claras na base e até 5 flores tubulosas, brancas e hermafroditas. Fruto seco do tipo aquênio com coroa de pelos no ápice. Propaga-se por meio de sementes e por meio de fragmentos do caule

57 Família Asteraceae Parthenium hysterophorus L. N.V.: coentro do mato, fazendeiro, losna branca. Espécie herbácea, anual e com populações estabelecidas nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil, onde ocupa áreas cultivadas, pastagens e margens de rodovias, o que facilita a rota de dispersão, acrescentando-se ainda a precocidade reprodutiva da espécie. Apresenta caule verde, piloso e muito ramificado, anguloso, canaliculado nas porções mais velhas e pouco tetrágono nos ramos novos. A ramificação superior tende a ser dicotômica. As folhas iniciais das plantas são rosuladas, no entanto, assim que se forma o caule, inserem-se alternadamente. Limbo piloso e profundamente recortado em númerosos segmentos, os quais quase atingem o meio central, margens dos segmentos também irregularmente recortadas. Inflorescência terminal do tipo capítulo localizado quase sempre nos ápices dos dicásios. Capítulos com longos pedúnculos encimados por um invólucro de 5 brácteas verdes onde se assentam númerosas flores brancas e de sexo separado. As femininas localizam-se na periferia e destacam-se das demais por apresentar lígula trígona. As masculinas com corola tubulosa reúnem-se no centro do capítulo. Fruto seco do tipo aquênio. Esta espécie se assemelha bastante com Erechtites valerianifolius, que possui também folhas profundamente recortadas, mas os segmentos apresentam-se com margens serradas e capítulos são oblongos, ao passo que em P. hysterophorus as margens dos segmentos ainda são recortadas e os capítulos são semiglobosos. Propaga-se por meio de sementes

58 Família Asteraceae Pluchea sagittalis (Lam.) Cabrera N.V.: erva lucera, lucera, lucero, madrecravo, quitoco, tabacarana. Espécie herbácea a subarbustiva, anual ou perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil vegetando em áreas úmidas ocupadas por lavouras ou pastagens, entre outros ambientes antropizados e com as mesmas características edáficas, onde pode formar populações densas. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule ereto, cilíndrico, notadamente alado nas porções jovens, ramificado desde a base, podendo ser revestido por pilosidade branca. Folhas simples, desprovidas de pecíolos, dispostas de forma alternada helicoidal. Limbo em formato lanceolado com a base decorrente, característica que permite a formação das alas caulinares, recoberto por pelos glandulares associados ou não a pelos velutinos na face dorsal e margens irregularmente serreadas. Inflorescência terminal e nas axilas das últimas folhas do tipo corimbo de capítulos, cujos eixos também são providos de alas. Capítulos disciformes com pedúnculos de tamanhos diferenciados encimados por 2 ou mais séries de brácteas que protegem as flores de sexo separado. Na periferia localizam-se as flores femininas com corola filiforme de coloração branca que se torna acastanhada após a fecundação e no centro inserem-se flores hermafroditas de corola tubulosa, também de coloração branca e que assume um tom ferrugíneo no envelhecimento. Fruto seco do tipo aquênio provido de um tufo de pelos que facilitam a dispersão através do vento. Pode ser identificada em campo por meio da morfologia da planta, que apresenta alas no caule principal, em todas as ramificações laterais e ainda nos eixos das inflorescências. Propagação por meio de sementes

59 Família Asteraceae Porophyllum ruderale (Jacq.) Cass. N.V.: couve cravinho, couvinha, cravo de urubu, erva fresca. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve de forma espontânea em todo o país, instalando-se em áreas antropizadas. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule cilíndrico, verde, pouco enfolhado e com os ramos dispostos de forma oblíqua. Folhas alternadas, simples, pecioladas, limbo verde claro, completamente glabro, lanceolado com margens irregularmente onduladas. Inflorescência axilar e terminal do tipo capítulo isolado ou então capítulos em corimbos. Capítulos cilíndricos localizados sobre um eixo delgado e constituídos por um invólucro de brácteas verdes e soldadas em uma só estrutura, contendo no interior númerosas flores hermafroditas. À época da polinização as brácteas se abrem no ápice para expor os lacínios da corola amarelada e os órgãos reprodutivos. Na maturação dos frutos as brácteas se abrem para expor os frutos do tipo aquênio coroados por pelos sedosos. A planta pode ser reconhecida por meio das folhas com textura carnosa e com glândulas de óleo distribuídas ao longo das margens, sendo visíveis à vista desarmada. Propaga-se por meio de sementes

60 Família Asteraceae Praxelis pauciflora (Kunth) R. M. King & H. Rob. N.V.: botão azul, cambará, chirca, eupatório, mata-pasto, mentrasto. Espécie herbácea anual que se desenvolve em todo o país vegetando em áreas ocupadas por lavouras, pastagens, margens de rodovias, terrenos baldios, entre outros locais. Frequentemente forma povoações densas em função da facilidade de germinação das sementes, cujos frutos são facilmente transportados pelo vento. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule pouco ramificado, levemente quadrático nas porções mais velhas, como também junto dos nós, entrenós longos e revestidos por pilosidade branca. Folhas simples, pecioladas, dispostas de forma oposta cruzada. Limbo em formato ovalado ou romboidal com a base cuneada e ápice agudo, pubescente em ambas as faces, sendo a inferior provida de glândulas aromáticas, margens pouco ou profundamente serreadas. Inflorescência axilar e terminal do tipo capítulo em número de 6 a 8 por ramo. Capítulos cilíndricos, com pedúnculos, encimados por 2 a 3 séries de brácteas involucrais que protegem as flores hermafroditas, tubulosas e de coloração azul clara a lilacina, androceu com estames inclusos e gineceu com estilete bífido, longo e também de coloração lilacina. Fruto seco do tipo aquênio com tufo de pelos no ápice. Assemelha-se com Ageratum conyzoides que possui folhas opostas na base e alternadas no ápice, acrescentando-se ainda as folhas de margens onduladas e inflorescência com maior número de capítulos. Propagação por meio de sementes

61 Família Asteraceae Pterocaulon virgatum (L.) DC. N.V.: barbasco, branqueja, calção de velho, verbasco, verbasco do brasil. Espécie subarbustiva, anual ou perene que se desenvolve em todo o país de forma espontânea, ocupando áreas de pastagens, margens de rodovias e terrenos baldios no meio urbano. Apresenta caule quadrangular, ramificado na porção mediana, formando ramos retilíneos também quadrangulares, pouco enfolhados, todos com alas foliáceas nos ângulos e recobertos por intenso indumento de pelos. Folhas alternadas, desprovidas de pecíolos, revestidas por pilosidade branca, limbo lanceolado ou ovalado com margens ou irregularmente onduladas ou serradas. Inflorescência do tipo capítulo reunidas em númerosos fascículos e inseridas na porção terminal dos ramos. Cada fascículo contém até 10 capítulos. Capítulos imaturos com forma cilíndrica, margeadas por brácteas dispostas em séries contendo em seu interior flores de sexo separado. Na maturação rompem-se as brácteas para liberar os frutos do tipo aquênio coroados por uma série de pelos sedosos e brancos. A espécie pode ser reconhecida em campo por meio do caule com expansões aladas e pelas folhas alternadas helicoidais. Propaga-se por meio de sementes

62 Família Asteraceae Senecio brasiliensis (Spreng.) Less. N.V.: berneira, capitão, cardo morto, catião, craveiro do campo, cravo do campo, erva lacenta, flor das almas, flor de finados, maria-mole, senécio, tasneirinha. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil ocupando áreas cultivadas, terras abandonadas e principalmente áreas de pastagens onde oferece algum perigo ao rebanho por encerrar substâncias tóxicas. Em meio a pastagens encontram-se plantas de senecio repletas de uma espécie de ácaro, os famosos micuins. Apresenta caule cilíndrico, verde, ceríceo e muito ramificado na base. Folhas alternadas helicoidais, pecioladas e com o limbo profundamente recortado em númerosos segmentos linear-lanceolados de margens inteiras, simulando uma folha composta. Inflorescência terminal do tipo corimbo de capítulos amarelos. Capítulos com flores de sexo separado, os periféricos com corola ligulada são femininos e os centrais com corola tubulosa são hermafroditos. Fruto do tipo aquênio. A planta pode ser identificada em campo por meio do conjunto, das folhas altamente recortadas simulando folha composta e dos capítulos amarelados que lembram as margaridas de jardins. Propagação por meio de sementes

63 Família Asteraceae Solidago chilensis Meyen. N.V.: arnica, arnica brasileira, arnica do campo, arnica silvestre, erva de lagarto, erva lanceta, espiga de ouro, lanceta, marcela miúda, rabo de rojão, sapé macho. Espécie subarbustiva ou arbustiva, perene e que se desenvolve em todo o país de forma espontânea. As plantas são utilizadas na medicina popular em substituição à arnica verdadeira. Apresenta caule rizomatoso o que permite a formação de um adensado de plantas com caules aéreos, retilíneos, verdes ou com pigmentação avermelhada e bastante enfolhados. Folhas alternadas helicoidais, dispostas em nós muito aproximados, desprovidos de pecíolos e com o limbo lanceolado típico. Toda a margem com exceção do ápice é percorrida por diminutas serras. Inflorescência terminal e axilar subterminal do tipo cacho de capítulos. Os capítulos assentam-se de forma alternada helicoidal no ápice da planta e apenas em um dos lados do eixo nas inflorescências axilares subterminais. Cada capítulo é margeado por duas séries de brácteas que protegem as flores femininas localizadas na periferia e as hermafroditas localizadas no centro do capítulo. Todas as flores possuem corola em tom de amarelo ouro. Fruto seco do tipo aquênio coroado por uma série de pelos sedosos de coloração amarelo paleácea. A espécie pode ser reconhecida em campo por apresentar caules retilíneos com entrenós muito curtos e folhas longo-lanceoladas dispostas de forma alternada helicoidal. No ápice dos caules eleva-se uma longa inflorescência amarela. Propaga-se por meio de sementes

64 Família Asteraceae Soliva pterosperma (Juss.) Less. N.V.: cuspe de caipira, cuspe de tropeiro, espinho de cachorro, roseta, roseta rasteira. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Sudeste e Sul do Brasil vegetando em áreas onde se praticam pequenas atividades agrícolas, a exemplo de hortas, pomares e jardins. Pode ser encontrada em terrenos baldios e margens de rodovias. Planta desprovida de caule, apresentando apenas uma roseta de folhas pecioladas com limbo profundamente recortado em segmentos de 1ª, 2ª e 3ª ordens e com tamanho variado, simulando uma folha bipinada ou recomposta. Os pecíolos são carnosos e desempenham a função do caule, pois são dotados de gemas, podendo ser esverdeados ou avermelhados. Inflorescência do tipo capítulo séssil, globoso e espinescente localizado no centro da roseta, podendo surgir na mesma planta outros capítulos idênticos ao inicial, localizados nos pontos onde os pecíolos se ramificam. Assemelha-se com S. anthemifolia, podendo ser diferenciada pelas folhas com pecíolos que se ramificam e pelo número de capítulos no centro da roseta, nesta espécie apenas 1, os demais localizam-se nas ramificações dos pecíolos. Propagação por meio de sementes

65 Família Asteraceae Sonchus asper (L.) Hill. N.V.: dente de leão, serralha, serralha áspera, serralha espinhenta, sonchu. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país vegetando em áreas cultivadas, margens de estradas rurais, hortas e pomares, aparece com muita frequência em quintais, onde suas folhas são utilizadas na alimentação e ainda na medicina popular. Apresenta caule grosso, carnoso, verde, provido de canalículos, latescente, enfolhado da base ao ápice e desprovido de ramificações. Folhas simples, alternadas helicoidais, desprovidas de pecíolos mas com base amplexicaule. Limbo com forma violada, ou seja, é oblonga com estreitamento nas imediações da porção mediana e margens regularmente denteadas. Inflorescência terminal do tipo capítulo. Capítulos númerosos, pedunculados, margeados por brácteas verdes, as quais protegem as flores hermafroditas com corola tubulosa e ligulada de coloração amarela. Fruto do tipo aquênio. Pode ser diferenciada de S. oleraceus por meio da folha que nesta espécie possui margem denteada, já em S. oleraceus a folha apresentase altamente recortada, sendo os recortes denteados. Propagação por meio de sementes

66 Família Asteraceae Sonchus oleraceus L. N.V.: chicória brava, ciumo, serralha, serralha branca, serralheira, serralha lisa, serralha verdadeira. Espécie herbácea, anual ou bianual e que se desenvolve espontaneamente em todo o país. Instala-se em áreas sob cultivo com grandes culturas, áreas hortícolas, pomares e áreas abandonadas, preferindo locais com maior umidade. Folhas da planta são utilizadas na alimentação humana e na medicina popular, acrescidas de outras partes da planta. Apresenta caule cilíndrico, canaliculado, latescente, verde e ceríceo, exibindo poucas ramificações. Folhas alternadas, as inferiores com pecíolo alado e as superiores sésseis, mas com a base reentrante, a qual abraça o caule e se estende além dele. Limbo das folhas basais altamente recortado simulando folha composta e os das folhas superiores com recortes irregulares ou limbo ovalado com ápice agudo e margens onduladas, serradas ou dentadas irregularmente. Inflorescência terminal do tipo cacho de capítulos. Capítulos sustentados por um longo eixo, margeado por brácteas involucrais verdes que protegem númerosas flores hermafroditas de corola amarela. Fruto seco do tipo aquênio coroado por pelos brancos, longos e sedosos. Assemelha-se muito com S. asper que apresenta todas as folhas recortadas, estando os recortes ainda finamente denteadas. Propaga-se por meio de sementes

67 Família Asteraceae Synedrella nodiflora (L.) Gaertn. N.V.: barbatana, botão de ouro, corredeira, vassourinha. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste e Sudeste do país vegetando em áreas ocupadas por cultura anual ou perene, pastagens, terras abandonadas e outros locais antropizados onde forma uma densa cobertura do solo. Apresenta caule ereto a decumbente, ligeiramente quadrático, com nós bem espaçados, pilosos e ramificação dicotômica. Folhas simples, curto-pecioladas, dispostas de forma oposta cruzada. Limbo em formato lanceolado ou ovalado, pubescente e áspero em ambas as faces e com as margens serreadas. Inflorescência do tipo capítulo isolado ou em grupos de 2 a 3 localizados no ápice ou na bifurcação dos ramos. Capítulos cilíndricos, curtamente pedunculados ou sésseis, estando rodeados por 2 a 3 séries de brácteas verdes parcialmente soldadas que protegem as flores de sexo separado. Flores femininas ocupam a periferia e apresentam a corola ligulada em tom amarelado, as do centro do capítulo são hermafroditas e também com tonalidade amarelada. Fruto do tipo aquênio com 2 cerdas apicais, sendo os periféricos originados por meio das flores femininas providas de pequenas alas. Pode ser identificada m campo por meio dos ramos levemente quadráticos, decumbentes ou eretos e sempre com ramificação dicotômica, acrescentando-se a morfologia dos aquênios, que se apresentam alados e desprovidos de alas num mesmo capítulo. Propagação por meio de sementes

68 Família Asteraceae Synedrellopsis grisebachii Hieron & Kuntze N.V.: agrião do pasto, agriãozinho, agriãozinho do pasto, poejinho. Espécie herbácea perene que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil vegetando em áreas ocupadas por lavouras anuais e perenes, pastagens, terras desocupadas, entre outros locais antropizados. Recomendada para uso em áreas de bota-foras de rejeitos, provenientes da extração de rochas, em função da rusticidade e da capacidade de fixar e recobrir o solo em curto espaço de tempo. Apresenta caule cilíndrico, prostrado, enraizante nos nós, de coloração verde clara, revestido por densa pilosidade e amplamente ramificado em toda a sua extensão. Folhas simples, curto-pecioladas, estando dispostas de forma oposta cruzada ao longo dos nós bem espaçados. Limbo em formato ovalado com o ápice brevemente agudo ou obtuso, pubescente em ambas as faces e com as margens ligeiramente serreadas e apiculadas em direção ao ápice. Inflorescência do tipo capítulo isolado ou reunidos em pequenos grupos localizados nas axilas das folhas. Capítulos sésseis, pouco evidentes, estando constituídos por duas séries de brácteas soldadas que protegem as flores de sexo separado. Flores femininas e hermafroditas em número de 4 por capítulo, ambas com corola tubulosa amarelada. Fruto do tipo aquênio heteromorfo. Os aquênios de um mesmo capítulo apresentam-se com as seguintes formas: enrugados e com 2 cerdas apicais; alados e com 2 cerdas apicais; lisos, desprovidos de alas e de cerdas. Pode ser identificada em campo por meio do porte herbáceo reptante, acrescentando-se a morfologia da folha, cuja margem é ofuscadamente serreada-apiculada, e ainda a morfologia dos aquênios. Propagação por meio de sementes e por fragmentação do caule

69 Família Asteraceae Tagetes minuta L. N.V.: alfinete do mato, coari bravo, cravo bravo, cravo de defunto, cravo de urubu, cravo do mato, cravinho de defunto, erva fedorenta, rabo de foguete, rabo de rojão, rosa de lobo, vara de rojão, voadeira. Espécie subarbustiva, anual e que se desenvolve espontaneamente em todo o país, instalando-se em áreas cultivadas, áreas abandonadas e margens de rodovias. Utilizada na medicina popular como antihelmíntica e também como planta de ação repelente a determinados insetos. Apresenta caule cilíndrico, ramificado, lenhoso e ferrugíneo na porção mais velha da planta. Folhas alternadas helicoidais, pecioladas, bainha envolvente, compostas penadas imparipenadas com 7 a 13 folíolos sésseis, linear-lanceolados e com as margens onduladas e providas de glândulas que contém óleo essencial. Inflorescência terminal e poucas axilares do tipo corimbo de capítulos. Os corimbos reúnemse em conjuntos, sendo que o conjunto transporta de 3 a 5 capítulos. Capítulos cilíndricos margeados por um invólucro de brácteas verdes, ceríceas e glandulosas, as quais protegem as flores tubulosas de coloração amarelada e de sexo separado. As femininas situam-se na periferia do capítulo, possuem corola ligulada com uma reentrância e o gineceu com o estigma bífido. As hermafroditas situam-se no centro do capítulo. Fruto seco do tipo aquênio, longo e estriado. Pode ser reconhecida em campo por meio dos capítulos amarelados e pelo odor que exala ao macerar as folhas. Propaga-se por meio de sementes

70 Família Asteraceae Taraxacum officinale F. H. Wigg N.V.: alface de cão, amargosa, amor dos homens, chicória louca, chicória silvestre, dente de leão, dente de leão dos jardins, salada de toupeira, taraxaco. Espécie herbácea, anual ou perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil. Por se tratar de um planta com ampla utilização na medicina popular, acredita-se que esteja espalhada para outras regiões. Instala-se em áreas cultivadas com grandes culturas, sendo bastante comum em hortas, pomares e jardins. Planta desprovida de caule, apresentando apenas uma roseta de folhas lactíferas, longas e recortadas até a nervura central, originando até 15 segmentos, permanecendo o pecíolo e a nervura central com uma expansão alada. Segmentos laterais assimétricos com margens irregularmente serradas ou onduladas. Segmento terminal muito desenvolvido, triangular e de margens também serradas ou onduladas de forma irregular. Inflorescência do tipo capítulo, em número de 5 a 6 por planta, inserido em escapos ou falsos caules. Flores de coloração amarela, todas liguladas e hermafroditas. Na maturação os capítulos transformam-se em estruturas globosas contendo os frutos secos do tipo aquênio, encimados por um estilete coroado de pelos sedosos com função de dispersão através do vento. Pode ser reconhecida em campo por meio das folhas rosetadas altamente recortadas e pelos grandes capítulos amarelados. Propaga-se por meio de sementes

71 Família Asteraceae Tridax procumbens L. N.V.: erva de touro. Espécie herbácea, anual ou bianual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste e Sudeste do Brasil instalando-se em áreas cultivadas e em pastagens. As plantas são utilizadas na medicina empírica para o tratamento de diarreias e secreções brônquicas, além do uso como antisséptica e inseticida. Apresenta caule verde ou com pigmentação avermelhada, ramos prostrados ascendentes capazes de originar raízes e recobertos por pilosidade branca. Folhas opostas cruzadas, curto-pecioladas e com o limbo ovalado ou em forma de losango com as margens irregularmente serradas e as faces também revestidas por pilosidade. Inflorescência terminal do tipo capítulo isolado. Capítulos oblongos assentados sobre um longo eixo piloso e margeados por brácteas verdes que protegem númerosas flores de sexo diferenciado. As flores periféricas possuem lígula tridentada, podendo ocorrer também lígulas bidentadas ou inteiras e de coloração amarela ou branca, e são masculinas. No centro do capítulo inserem-se flores hermafroditas com corola amarela. Na maturação rompem-se as brácteas que margeiam o capítulo para dar lugar à disseminação dos frutos do tipo aquênio coroados por um tufo de pelos sedosos. Pode ser identificada em campo por meio do conjunto formado pelos capítulos abertos com coloração amarelada e branca, associados a capítulos globosos frutificados exibindo númerosos pelos sedosos. Propaga-se por meio de sementes

72 Família Asteraceae Xanthium strumarium L. N.V.: abrolho, bardana maior, carrapichão, carrapicho bravo, carrapicho de carneiro, carrapicho de carneiro graúdo, carrapicho grande, erva dos pergamaços, espinho de carneiro, pergamaço. Espécie subarbustiva, anual e que se desenvolve de forma espontânea nas regiões Sudeste e Sul do Brasil, instalando-se em áreas cultivadas e pastagens onde se torna indesejável em função dos frutos espinescentes que se prendem as lãs das ovelhas. Folhas da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule verde ou com pigmentação avermelhada, cilíndrico e canaliculado, revestido por esparsos pelos ásperos. Folhas alternadas helicoidais, longo-pecioladas e com base breve cuneada em forma de V. Limbo largo triangular com as margens irregularmente recortadas e os recortes apresentando dentes ou serras. Inflorescência axilar e terminal constituída por um fascículo de capítulos de sexo separado. Capítulos masculinos situados sempre acima dos femininos e de tamanho reduzido. Capítulos femininos com formato oblongo, margeados por um invólucro de brácteas soldadas e providas de cerdas rígidas as quais protegem apenas os carpelos do gineceu. Na maturação o invólucro de brácteas incorpora os frutos do tipo aquênio tornando-se uma só estrutura, a qual denominamos de fruto. Propaga-se por meio de sementes

73 Família Bignoniaceae Encontra-se representada em todo o país por espécies perenes com porte lianescente a arbóreo. Os gêneros Pyrostegia e Fridericia são os mais importantes sob o enfoque de plantas invasivas pelo fato de competirem por luz. Normalmente as espécies destes gêneros possuem caule trepador por gavinhas. Muitas Bignoniaceae são cultivadas como plantas ornamentais. Apresenta folhas opostas, geralmente compostas digitadas ou compostas bifoliadas a trifoliadas ou ainda compostas penadas. A singularidade da família está na constituição da flor que possui a corola vistosa com 5 pétalas soldadas formando um tubo ligeiramente curvo, androceu incluso com 4 estames, didínamos, acrescido de um estaminódio e gineceu bicarpelar. Geralmente formam frutos secos do tipo cápsula alongada e deiscente, contendo númerosas sementes leves e aladas favorecendo a dispersão através do vento. Família Bignoniaceae 140

74 Família Bignoniaceae Pyrostegia venusta (Ker Gawl.) Miers N.V.: cipó bela flor, cipó de fogo, cipó de lagartixa, cipó de lagarto, cipó de são joão, flor de são joão, marquesa de belas. Espécie de trepadeira provida de gavinhas, perene e que se desenvolve em todo o país de forma espontânea. Pela beleza da florada recomenda-se o uso no paisagismo. As flores apresentam arquitetura que favorece atrativos para beija-flores. Apresenta caule cilíndrico, muito ramificado, lenhoso nas partes velhas, tenro, verde e piloso nas pontas dos ramos. Folhas opostas, pecioladas, compostas trifoliadas ou bifoliadas, neste caso o folíolo superior é transformado em gavinha filiforme e com o ápice trífido. Folíolos com peciólulos, formato longo-ovalado e com superfície lisa brilhante de margem inteira. Inflorescência corimbiforme localizada no ápice dos ramos. Flores númerosas, vistosas, pedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas, corola de tubo longo, ligeiramente curvo e com 5 lobos encurvados. Androceu com 4 estames e gineceu com estigma bilobado, ambos extrorsos. Fruto seco do tipo cápsula linear contendo sementes aladas. Propaga-se por meio de sementes

75 Família Boraginaceae Família de larga distribuição no país estando representada por espécies anuais ou perenes de porte herbáceo, arbustivo e arbóreo, raramente porte lianescente. Os gêneros Heliotropium e Cordia são os mais importantes considerando enfoque de plantas invasivas; poucas espécies dentro desta família são cultivadas como ornamentais. Os caules são eretos e carnosos nas espécies herbáceas, folhas simples e estipuladas, geralmente alternadas. A característica da família está no tipo de inflorescência cimeira escorpioide, caracterizada por apresentar o ápice do eixo sempre enrolado e geralmente contendo flores abertas e em estágio de botão. Flores hermafroditas, actinomorfas, pentâmeras com cálice e corola tubulosos, androceu com 5 estames, gineceu bicarpelar. Fruto carnoso do tipo drupa, colorido na maturação e disseminado pela avifauna. Família Boraginaceae 144

76 Família Boraginaceae Echium plantagineum L. N.V.: borragem, barrago do campo, flor morada, flor roxa. Espécie herbácea, bianual e que se desenvolve na região Sul do Brasil onde se instala especialmente em áreas de pastagens e às vezes em áreas cultivadas. Trata-se de uma planta que foi introduzida no país com finalidade ornamental, no entanto extrapolou os limites dos jardins passando a ocupar outros ambientes, porque ocupa o local das nativas e causa danos econômicos em função da competição e dos custos para o controle. A espécie é desprovida de caule, apresentando no início do ciclo apenas uma grande roseta de folhas dispostas em séries. As mais inferiores são sésseis e com formato espatulado, logo acima apresentam um curto pecíolo, também espatulado ou lanceolado. Após o período vegetativo a planta emerge do centro da roseta de folhas um ou vários escapos de calibre variável. Os escapos transportam folhas que reduzem de tamanho progressivamente em direção ao ápice. Na axila dessas folhas, como também na porção apical dos escapos, surgem os cachos de flores. Flores constituídas por cálice com 5 sépalas livres, corola com 5 pétalas de coloração rósea ou arroxeada quando velhas, as quais protegem o androceu com filetes róseos e o gineceu. Fruto do tipo carcerulídeo. Esta espécie pode ser facilmente identificada em campo pela morfologia da inflorescência. Propagação por meio de sementes

77 Família Boraginaceae Heliotropium elongatum (Lehm.) I. M. Johnst. N.V.: crista de galo, trompa de elefante. Espécie herbácea a subarbustiva, anual e que se desenvolve nas regiões Nordeste e Sudeste do Brasil vegetando especialmente no bioma caatinga e ao longo do litoral. Apresenta caule ereto, podendo chegar a 0,90 m de altura, bastante ramificado desde a base, cilíndrico, fistuloso e com esparsos pelos brancos e longos. Folhas simples com pecíolo parcialmente alado e de disposição alternada a suboposta. Limbo em formato ovalado, base assimétrica, ápice agudo a acuminado, face superior fortemente bulada, ou seja, não plana, e com o mesófilo foliar elevando-se ou formando espécies de almofadas para cima do sistema de nervação, face inferior com pelos curtos intercalados por pelos longos, margens inteiras com sinuosidades. Inflorescência terminal e axilar do tipo cimeira escorpioide com eixo de até 12 cm, estando constituída por frutos com cálice persistente na base e flores na porção apical. Flores sésseis, cálice com 5 sépalas soldadas e persistentes no eixo da inflorescência após a queda dos frutos, corola pubescente com 5 pétalas de coloração branca a arroxeada soldadas formando um tubo, androceu e gineceu inclusos. Fruto do tipo nuculâneo com 2 sementes. Assemelha-se muito com H. indicum, a qual apresenta folhas com a face superior plana ao passo que esta espécie apresenta as folhas com a face superior fortemente bulada. Propagação por meio de sementes

78 Família Boraginaceae Heliotropium indicum L. N.V.: aguaraá, aguaraciunha-açu, borracha, borracha brava, borragem brava, cravo urubu, crista de galo, escorpião, erva de são fiacre, fedegoso, jacuacanga, tureroque, turiri. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país vegetando em áreas abertas ocupadas por lavouras ou por pastagens, ou ainda instalando-se em terrenos baldios e margens de rodovias. Apresenta caule ereto, bastante ramificado, ramos cilíndricos de coloração verde e recobertos por pelos brancos. Folhas alternadas helicoidais, simples, lanceoladas ou ovaladas com o pecíolo apresentando expansões bilaterais do limbo, podendo uma expansão diferenciar-se da outra ou esta ser nula. Limbo piloso, margens onduladas e com sistema de nervuras formando um reticulado característico. Inflorescência terminal longa, com a ponta enrolada para baixo, sendo as flores dispostas de duas a duas em um só lado do eixo. Flores hermafroditas de coloração branca, rósea ou lilacina constituídas por cálice com 5 sépalas soldadas, corola tubulosa com 5 pétalas soldadas que protegem o androceu e o gineceu. A espécie assemelha-se com H. lanceolatum e H. transalpinum, podendo ser diferenciada utilizando-se a morfologia da folha, a saber: H. indicum apresenta folhas com limbo largo-lanceolado ou ovalado, este último predominando, cujos pecíolos são alados, já H. lanceolatum possui folha com limbo lanceolado típico, com pecíolo também alado. Em H. transalpinum as folhas são largo-lanceoladas e o pecíolo é desprovido de alas. Propaga-se por meio de sementes

79 Família Boraginaceae Heliotropium lanceolatum Ruiz & Pav. N.V.: borragem, jacuacanga, sete sangrias. Espécie herbácea, anual ou perene e que se desenvolve na região Nordeste do Brasil e em alguns estados do Sudeste, ocorrendo com frequência mediana em áreas cultivadas, áreas de pastagens e terrenos baldios. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule cilíndrico, verde, ramificado desde a base e recoberto por pilosidade branca. Folhas simples, sésseis ou curtamente pecioladas e de disposição alternada helicoidal. Limbo lanceolado típico com ambas as faces revestidas por pelos, sistema de nervação bem marcado e com margens inteiras ou levemente onduladas. Inflorescência axilar e terminal do tipo cimeira escorpioide caracterizada por apresentar um longo eixo com crescimento indeterminado cujo ápice é circinado, ou seja, enrolado; flores mais velhas localizadas na base, abrindo-se progressivamente em direção ao ápice. As inflorescências localizadas nas axilas das folhas mais inferiores tendem para a cor branca ao passo que aquelas do ápice tendem para a cor rósea clara. As flores dispõem-se sempre aos pares alternados ao longo do eixo, no entanto, após a fecundação, permanece apenas uma renque de frutos em desenvolvimento. Flores com cálice e corola tubulosos tetrâmeros, os quais protegem o androceu e o gineceu inclusos. Fruto do tipo esquizocarpo. Assemelha-se com H. indicum, que possui flores róseas lilacinas e limbo ovalado, e com H. transalpinum, que possui todas as flores de coloração branca. Propagação por meio de sementes

80 Família Boraginaceae Heliotropium polyphyllum Lehm. N.V.: crista de galo, relógio, sete sangrias. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve no bioma caatinga do semiárido do Nordeste e em zonas áridas de todo o país, onde forma populações densas associadas às demais plantas que ocorrem nesses ambientes. Recomendada para uso no paisagismo especialmente para a forração de canteiros em função de porte adequado, textura das folhas e pela inflorescência atrativa. Apresenta caule prostrado, carnoso, cilíndrico, verde claro e recoberto por pilosidade áspera. Frequentemente a parte terminal dos ramos pode ser ascendente. Folhas simples, sésseis ou curtamente pecioladas, estipuladas e de disposição oposta e alternada na mesma planta. Limbo carnoso em formato lanceolado com ápice agudo, pubescente em ambas as faces e com as margens inteiras. Inflorescência terminal do tipo escorpioide transportando uma série de flores ao longo do eixo cujo ápice é sempre curvado. Flores sésseis ou com curtíssimo pedúnculo, cálice com 5 sépalas, corola com 5 pétalas soldadas de coloração branca formando um tubo amarelado, androceu e gineceu inclusos. Fruto carnoso do tipo drupa. Assemelha-se com H. procumbens, a qual possui folhas lanceoladas com o ápice obtuso ou arredondado. Propagação por meio de sementes

81 Família Boraginaceae Heliotropium procumbens Mill. N.V.: borragem, borragem rasteira. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil vegetando em áreas cultivadas, áreas de pastagens, margens de rodovias, jardins, hortas, pomares e terrenos baldios. Partes da planta são utilizadas na medicina popular e ocasionalmente é cultivada como ornamental. Apresenta caule ereto a prostrado, cilíndrico, verde, carnoso, revestido por densa pilosidade lanuginosa. Ramos terminais posicionados em dicásio. Folhas simples pecioladas e de disposição alternada helicoidal. Limbo carnoso, pubescente e com formato lanceolado, espatulado ou ovalado de ápice arredondado e margens inteiras. Inflorescência axilar e terminal do tipo cimeira escorpioide, normalmente 2 por eixo, estando constituídas por flores dispostas sobre um só lado de cada eixo e unisseriadas. Flores desprovidas de pedúnculo, cálice com 5 sépalas soldadas e persistentes no fruto, corola com 5 pétalas brancas soldadas formando um tubo, androceu com 5 estames e gineceu bicarpelar, ambos inclusos no tubo da corola. Fruto seco do tipo carcerulídeo. Pode ser identificada em campo por meio do hábito prostrado a replante e por meio das folhas carnosas, pubescentes e com polimorfismo na mesma planta. Propagação por meio de sementes

82 Família Boraginaceae Heliotropium salicioides Cham. N.V.: heliotrópio. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul vegetando em áreas abertas ocupadas por lavouras ou por pastagens, ou ainda instalando-se em terrenos baldios e margens de rodovias. Apresenta caule ereto, bastante ramificado, ramos cilíndricos, de coloração verde, recoberto por pelos brancos. Folhas alternadas helicoidais, simples, lanceoladas e desprovidas de pecíolos. Limbo piloso, de consistência carnosa e com margem levemente enrolada. Inflorescência terminal, longa com ponta enrolada para baixo, sendo as flores dispostas de duas a duas em um só lado do eixo. Flores hermafroditas de coloração amarela constituídas por cálice com 5 sépalas soldadas, corola tubulosa com 5 pétalas soldadas que protegem o androceu e o gineceu. Esta espécie diferencia-se das demais por apresentar a inflorescência constituída por flores com pétalas amareladas. Propaga-se por meio de sementes

83 Família Brassicaceae Conhecida e referida algumas vezes como família Cruciferae. Grande parte das espécies possui ciclo anual, são herbáceas e bem adaptadas a diferentes ambientes. Muitas são cultivadas como plantas hortícolas. Considerando o enfoque de plantas invasivas, encontra-se representada por muitos gêneros introduzidos de forma acidental no Brasil, a exemplo de Brassica, Cardamine, Cleome, Raphanus, Rapistrum e Sinapsis. Normalmente as folhas basais são rosetadas e as dos caules são alternadas com o limbo simples ou profundamente recortado, ou então folhas compostas. As flores estão reunidas em cachos terminais. As características da família podem ser vistas no androceu, geralmente constituído por 6 estames tetradínamos, 4 deles são maiores e 2 menores, algumas vezes númerosos, e também na tipologia do fruto, classificado para a maioria das espécies como sendo síliqua e que após a deiscência deixa aderido à planta-mãe o pedúnculo e o sistema de placenta onde estavam aderidas as sementes. Família Brassicaceae 160

84 Família Brassicaceae Brassica rapa L. N.V.: couve nabeira, mostarda, nabo branco. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil, instalandose rapidamente em função da facilidade de germinação das sementes em áreas de cultivo de cereais, áreas abandonadas e margens de rodovias, onde passa a competir por espaço, luminosidade e nutrientes do solo. Apresenta caule cilíndrico, verde e com pilosidade velutina. Folhas de disposição alternada, as inferiores profundamente recortadas simulando folha composta e as superiores com limbo lanceolado, bainha envolvendo parcialmente o caule e margens levemente denteadas. Inflorescência em cachos terminais, constituídas por flores amarelas, longo-pedunculadas, cálice com 4 sépalas, corola com 4 pétalas em forma de cruz, androceu com 6 estames, sendo 4 maiores iguais e 2 menores, gineceu com ovário verde e alongado. Fruto do tipo síligua, mais longo do que largo, deiscente, contendo númerosas sementes. Propagação por meio de sementes

85 Família Brassicaceae Cleome affinis DC. N.V.: mussambê, sojinha. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país ocupando áreas de cultivo e áreas de pastagens. A planta pode ferir trabalhadores que transitam no local, pelo fato de apresentar espinhos na base do pecíolo. Apresenta caule verde com intensa pigmentação castanha. Folhas alternadas, pecioladas, compostas trifoliadas, sendo o folíolo terminal lanceolado e os outros 2 com base assimétrica. Flores isoladas, axilares, longo-pedunculadas, cálice com 5 sépalas verdes e livres, corola com 4 a 5 pétalas branco- amareladas livres que protegem o androceu e o gineceu. Cada flor apresenta na base do pedúnculo uma bráctea que se assemelha ao folíolo terminal das folhas compostas e que permanece durante a frutificação. Assemelhase com Cleome spinosa, a qual possui folhas digitadas, característica muito simples para diferenciar as espécies. Propagação por meio de sementes

86 Família Brassicaceae Coronopus didymus (L.) Smith N.V.: mastruço, mastruz, mentruz, mentrusto. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve preferencialmente nas regiões Sudeste e Sul do Brasil ocupando áreas onde pratica-se atividades agropecuárias. No meio urbano aparece com frequência em jardins, hortas e terrenos baldios. Partes da planta são utilizadas na medicina popular sob a forma de chás para tratamento dos distúrbios menstruais. Apresenta caule prostrado, ramificado, cujos ramos se orientam radialmente ao caule principal. Folhas alternadas, profundamente partidas, simulando folha composta. Inflorescência do tipo cacho, contendo flores de tamanho reduzido, hermafroditas, pedunculadas, cálice com 4 sépalas livres, corola com 4 pétalas brancas e livres, androceu com 4 estames, sendo 2 maiores e 2 menores, e gineceu com 2 carpelos. Fruto síligua constituído por 2 metades orbiculares. Propagação por meio de sementes

87 Família Brassicaceae Lepidium virginicum L. N.V.: mastruço, mastruz, mentrusto, mentruz. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil ocupando ambientes secos ou úmidos e vegetando em áreas cultivadas, áreas de pastagens, terrenos baldios, margens de rodovias, jardins e hortas residenciais. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule verde, cilíndrico, muito ramificado e com cerosidade. Folhas alternadas helicoidais, as da base da planta muito recortadas simulando folha composta e as do ápice longo-lanceoladas com margens espaçadamente serradas. Inflorescência axilar do tipo cacho, situada na porção superior da planta. Flores de tamanho reduzido de coloração branca constituídas por longo pedúnculo, cálice com 4 sépalas, corola com 4 pétalas livres dispostas em forma de cruz, que protegem o androceu com os estames encurvados sobre o gineceu com amplo ovário globoso e verde. Fruto do tipo síliqua arredondada que se separa em 2 metades, cada uma contendo uma semente e deixando sempre aderido à planta-mãe o pedúnculo e na sua extremidade o sistema placentário. Assemelha-se muito com L. ruderale, a qual pode ser diferenciada por meio dos frutos. Em L. virginicum o fruto do tipo síliqua é arredondado com ápice pouco emarginado, já L. ruderale apresenta síliqua oblonga, ou seja, mais longa que larga e também com o ápice pouco emarginado. Propagação por meio de sementes

88 Família Brassicaceae Raphanus raphanistrum L. N.V.: nabiça, nabo, nabo bravo, rabanete, rabanete de cavalo, saramago. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste e Sul do Brasil instalada em áreas cultivadas, margens de rodovias, terras abandonas, hortas, jardins e terrenos baldios, entre outros locais, onde forma consideráveis populações pelo fato de ser muito prolífica e com os ciclos vegetativo e reprodutivo curtos. Trata-se de uma planta que foi introduzida e que escapou do cultivo, causando danos ao meio ambiente. Apresenta caule cilíndrico, verde e ceríceo, muito ramificado e enfolhado na base. Folhas alternadas, pecioladas e com o limbo profundamente recortado até atingir ou não a nervura central, formando de 3 a 8 lobos, o superior sempre mais desenvolvido e com as faces pubescentes. Margens irregularmente serreadas a onduladas. Folhas localizadas nos eixos da inflorescência mais estreitadas, desprovidas de recortes mas com as margens serreadas. Inflorescência terminal do tipo cacho composto, constituído por númerosas ramificações as quais comportam grande número de flores. Flores pedunculadas, cálice com 4 sépalas, corola com 4 pétalas livres e obovadas. Androceu com 6 estames e gineceu bicarpelar. Fruto do tipo síliqua contendo númerosas sementes separadas por meio de constrições. A espécie pode ser diferenciada de R. sativus por meio dos frutos, que apresentam sempre constrições entre as sementes. Propagação por meio de sementes

89 Família Brassicaceae Raphanus sativus L. N.V.: nabo, nabiça, nabiça roxa, rabanete, rábano, rabanete silvestre. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Sudeste e Sul do Brasil como plantas espontâneas. Algumas variedades desta espécie são cultivadas como plantas hortícolas, quais sejam: nabo e rabanete. Apresenta caule cilíndrico, bastante ramificado, ceroso e com esparsa pilosidade. Folhas alternadas, pecioladas e com o limbo profundamente recortado, em até 9 segmentos, os quais chegam à nervura central ou próximo, simulando folha composta, segmentos laterais de forma oblonga ou assimétricos. Segmento superior mais desenvolvido e com ápice em ângulo agudo ou obtuso. Folhas da porção superior da planta com limbo simples. Inflorescência axilar e terminal do tipo cacho, constituída por númerosas flores e frutos em desenvolvimento. Flores pedunculadas, cálice com 4 sépalas, corola com 4 pétalas livres dispostas em forma de cruz e de coloração rósea ou azulada antes da polinização e fecundação, as quais protegem o androceu com 6 estames e o gineceu bicarpelar. Fruto do tipo síliqua cilíndrica, com nenhum ou pouco estrangulamento entre os alojamentos das sementes, e afilado em direção ao ápice, simulando um cone. Propaga-se por meio de sementes. Esta espécie se diferencia de R. raphanistrum em três características, a saber: acentuada constrição entre os alojamentos das sementes, afilamento do ápice da síliqua não uniforme e flores de coloração branco-amarelada antes da polinização e fecundação

90 Família Brassicaceae Rapistrum rugosum (L.) All. N.V.: mostarda, rapistro. Espécie herbácea, anual ou bianual e que se desenvolve nas regiões Sudeste e Sul do Brasil instalandose como planta introduzida em áreas cultivadas, áreas de pastagens, terrenos abandonados, margens de rodovias, hortas, pomares, terrenos baldios, entre outros locais. Tolera ambientes com solos secos e solos com boa umidade. Apresenta caule cilíndrico, pouco anguloso, verde, bastante ramificado desde a base e recoberto por pilosidade baixa, invisível à vista desarmada. Folhas alternadas com pecíolo canaliculado e levemente pubescentes. Limbo em formato variável, na base da planta recortado em lobos com formato e número irregulares e em forma lanceolada no ápice da planta junto da inflorescência. Ambos com margens irregularmente serreadas. Inflorescência terminal do tipo cacho em longos eixos, podendo ocorrer também na axila das folhas. Flores pedunculadas, cálice com 4 sépalas livres, corola com 4 pétalas obovadas amareladas também livres, androceu com 6 estames, sendo 4 maiores e 2 menores, e gineceu bicarpelar. Fruto do tipo silícola indeiscente, constituído por dois artículos superpostos, o superior globoso, rugoso e fértil. Assemelha-se com Sinapis arvensis tanto no porte quanto na coloração das flores e no hábitat, no entanto podem ser diferenciadas por meio da morfologia dos frutos que em S. arvensis é uma síliqua alongada. Propagação por meio de sementes

91 Família Brassicaceae Sinapsis arvensis L. N.V.: mostarda, mostarda dos campos. Espécie herbácea a subarbustiva, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil, onde foi introduzida acidentalmente, estabelecendo-se em áreas ocupadas por culturas anuais, hortas, pomares, entre outros ambientes antropizados nos quais pode formar populações densas e quase dominantes. Apresenta caule cilíndrico, que pode alcançar até 1 metro de altura, resistente nas partes inferiores, pouco carnoso e ceríceo no ápice, sulcado longitudinalmente, verde claro e ramificado desde a base. Folhas com formato e disposição diferenciados em função da fase de desenvolvimento da planta. No início do ciclo as folhas são rosetadas, pecioladas e com o limbo oblongo ou obovalado. A partir da formação do caule inserem-se alternadamente e são providas de um longo pecíolo com o limbo recortado irregularmente, sendo os recortes pouco ou muito profundos. Nas proximidades do eixo da inflorescência apresentam-se pecioladas a sésseis, no sentido base-ápice, e o limbo torna-se lanceolado com margens irregularmente serreadas. Inflorescência terminal do tipo cacho constituída por frutos em várias fases de desenvolvimento na porção basal e flores em vários estágios na porção apical. Flores pedunculadas, cálice com 4 sépalas livres, corola amarelada constituída por 4 pétalas também livres e dispostas em forma de cruz, androceu com 6 estames tetradínamos e gineceu bicarpelar. Fruto do tipo síliqua cilíndrica provida de rostro contendo númerosas sementes. Pode ser identificada em campo por meio das folhas pecioladas a sésseis, nunca amplexicaules, localizadas nas proximidades do eixo da inflorescência, acrescentando-se ainda a síliqua com 1 ou 2 sementes no rostro definido como um prolongamento em bico presente no fruto. Propagação por meio de sementes

92 Família Cannabaceae Pequena família que reúne dois gêneros introduzidos no Brasil e dois gêneros nativos, quais sejam: Celtis e Trema, ambos com espécies arbustivas a arbóreas consideradas plantas pioneiras ou que se instalam primeiramente em áreas degradadas. As espécies nativas apresentam folhas alternadas, simples, com o limbo ovalado ou oblongo de base assimétrica, flores pequenas e não vistosas e de sexo separado reunidas em fascículos axilares. Os frutos são drupas carnosas atrativas e mantenedoras da avifauna. Família Cannabaceae 178

93 Família Cannabaceae Trema micrantha (L.) Blume N.V.: candiuba, candiuva, coatidiba, crandiuva, crindiuva, gurindiba, grandiuva, motamba, orindeuva, pau-pólvora, periquiteira, seriuva, taleira. Espécie de porte arbóreo baixo que se desenvolve em todo o país vegetando em bordos de fragmentos florestais, áreas de capoeiras e de pastagens mal manejadas. Recomendada para uso em projetos de reflorestamento em função do rápido crescimento e da frutificação precoce. Os frutos são avidamente consumidos pela avifauna, que faz o papel de dispersor das sementes. Apresenta caule do tipo tronco com fuste baixa, revestido por casca pouco fissurada, lenticelada e de coloração vermelho-ferrugínea. Ramos novos cilíndrico-angulosos, verde ou ferrugíneos recobertos por pilosidade branca. Folhas simples, pecioladas, dispostas de forma alternada dística. Limbo em formato ovalado com a base sempre assimétrica e com três nervuras principais, densamente híspido em ambas as faces, tornando-o áspero ao toque, margens regularmente serreadas. Inflorescência nas axilas das últimas folhas constituída por pequenos e númerosos cachos de dicásios. Flores não vistosas, unissexuadas e de tamanho reduzido contendo pedúnculo, cálice com 5 sépalas soldadas, corola com 5 pétalas de coloração branca também soldadas. Flores masculinas com 5 estames e as femininas com ovário globoso anguloso. Fruto carnoso do tipo drupáceo amarelo-avermelhado na maturação. Pode ser identificada em campo por meio da morfologia da folha que se apresenta sempre com a base assimétrica e trinervada, acrescentandose a superfície hispidulosa ou áspera em ambas as faces. Propagação por meio de sementes

94 Família Caryophyllaceae Encontra-se representada por gêneros nativos e gêneros introduzidos instalados preferencialmente nas regiões Sudeste e Sul do Brasil, a exemplo de Silene e Spergula, considerados invasivos, e Dianthus e Gypsophila, que são cultivados como ornamentais. A família está constituída por espécies de porte herbáceo, geralmente de ciclo anual e com o caule ereto ou prostrado; as folhas são simples e de filotaxia oposta com o limbo em formato variado desde linearfiliforme, lanceolado, ovalado até orbicular-cordiforme. Flores reunidas em inflorescências axilares ou em flores isoladas tetrâmeras ou pentâmeras e actinomorfas, em geral, androceu de 10 estames e gineceu com 2 a 5 carpelos. Os frutos são cápsulas deiscentes contendo númerosas sementes altamente viáveis em algumas espécies. Família Caryophyllaceae 182

95 Família Caryophyllaceae Silene gallica L. N.V.: alfinete, alfinete da terra, flor roxa. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve nas regiões Sul e Sudeste do Brasil onde instalou-se como planta introduzida acidentalmente e vem ocupando gradativamente áreas cultivadas, terras abandonadas e margens de rodovias, onde forma populações consideráveis em função da facilidade propagativa e ainda por tolerar ambientes edafoclimáticos diversificados. Apresenta caule cilíndrico ereto ou prostrado com ramificação ascendente, sendo os ramos terminais em dicásio e com coloração verde ou fortemente pigmentado de vermelho-acastanhado, revestido por indumento de pelos algo pegajosos. Folhas simples, opostas cruzadas, desprovidas de pecíolos e também revestidas por pilosidade pegajosa. Limbo em formato obovalado para as folhas localizadas na base da planta e oblongo a espatulado para aquelas localizadas na parte terminal, margens inteiras a disfarçadamente sinuosas. Flores isoladas, uma para cada par de folhas, junto dos ramos terminais. Flores com pedúnculo curtíssimo, cálice com 5 sépalas soldadas, corola com 5 pétalas de cor branca a rósea também soldadas, formando um tubo estreito e reto, androceu com 5 estames e gineceu tricarpelar com estigma trífido. Fruto do tipo cápsula. A espécie pode ser reconhecida em campo por meio da anisofilia que ocorre nos ramos terminais, ou seja, uma folha de cada par é mais desenvolvida que a outra, acrescentando-se ainda a contagem do número de dentes apicais do fruto, que é sempre o dobro do número de estigmas. Propagação por meio de sementes

96 Família Caryophyllaceae Spergula arvensis L. N.V.: esparguta, espérgula, espérguta, gorga, gorja, pega-pinto. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve na região Sul do Brasil onde foi introduzida para atender a atividade de produção de alimentos para animais de grande e pequeno portes. Escapou dos cultivos, passando a ocupar áreas destinadas a lavouras. Apresenta caule cilíndrico e oco com superfície esparsamente pilosa, provido de entrenós longos e com ramificação radial na base e dicotômica na porção superior da planta. Folhas simples, númerosas, dispostas em verticílio e desprovidas de pecíolos. Limbo carnoso em formato quase roliço, sendo a face superior arredondada e a inferior achatada. Inflorescência axilar e terminal em longos eixos do tipo dicásio típico ou pouco modificado. Flores pedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas na base e persistente no fruto, corola com 5 pétalas livres de coloração branca, androceu com filetes filiformes e gineceu com estiletes livres. Fruto seco do tipo capsular. A planta pode ser identificada em campo por meio da filotaxia verticilada e pelo número e pela superfície arredondada das folhas. Propagação por meio de sementes

97 Família Commelinaceae Família que reúne gêneros em sua maioria nativos, alguns amplamente distribuídos e frequentes em todo o país, a exemplo de Commelina e Tradescantia, entre outros considerados invasivos e de ciclo perene. Trata-se de espécies com caules eretos ou prostrados, sucosos e com capacidade de enraizar ao longo dos nós, mesmo depois de cortadas. Folhas simples, ovaladas a lanceoladas com bainha fechada. Inflorescência terminal reunindo flores quase sempre protegidas por brácteas foliáceas ou brácteas espatáceas. Flores trímeras normalmente de coloração rósea a lilacina, às vezes branca, corola zigomorfa ou actinomorfa, androceu com 3 a 6 estames, incluindo estames férteis e estaminódios, gineceu também tricarpelar. Os frutos são classificados como cápsulas deiscentes e na espécie C. benghalensis ocorre formação deles também na parte subterrânea com formação de sementes partenocárpicas. Família Commelinaceae 188

98 Com ele, você acerta o ano inteiro Falar em Aurora 400 EC é falar em versatilidade no controle das plantas daninhas. É falar em algodão, arroz irrigado, café, cana, citros, eucalipto, milho, soja. Em modalidades específicas de aplicação para cada cultura: dessecação plantio, jato dirigido, desfolha, pós-emergência, maturação, dessecação pós-colheita. É tanta versatilidade que só tem jeito de definir: com Aurora 400 EC você acerta sempre! fmcagricola.com.br Fazendo Mais pelo Campo

99 Família Commelinaceae Commelina benghalensis L. N.V.: andaca, andacá, andarca, erva de santa luzia, maria-mole, marianinha, marianinha branca, rabo de cachorro, trapoeraba. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve em todo o país instalando-se em áreas cultivadas, terras abandonadas, hortas, pomares, jardins e terrenos baldios, preferindo solos ricos, secos ou úmidos e com boa luminosidade. Apresenta caule rizomatoso e caule aéreo ereto a decumbente, muito ramificado, cilíndrico, verde e com esparsa pilosidade. Folhas simples, alternadas, sésseis ou curtamente pecioladas, bainha envolvendo o entrenó, mas aberta de um lado, estriada de vermelho e também pilosa. Limbo largo-ovalado com ápice agudo ou com ápice obtuso e revestido por indumento de pelos esparsos em ambas as faces, margem inteira e ciliada. Inflorescência terminal constituída por 3 flores, podendo ocorrer maior número, e sempre protegidas por uma ou um conjunto de brácteas espatáceas sésseis, triangulares com ápice agudo e com a base fechada. Flores pedunculadas, cálice com 3 sépalas livres, corola com 3 pétalas sendo 2 maiores reniformes, com unha desenvolvida e ápice arredondado, e 1 pétala menor ovalada com ápice agudo. As pétalas são azuladas, podendo aparecer em tons muito claros inclusive o branco. Androceu com 3 estames férteis e 3 estaminódios, gineceu tricarpelar. Fruto do tipo capsular. Esta espécie pode ser reconhecida em campo, inclusive no estado vegetativo, pelas folhas largo-ovaladas que não ocorrem nas outras espécies afins. Propagação por meio de fragmentação do rizoma, fragmentação do caule aéreo e algumas vezes por sementes

100 Família Commelinaceae Commelina communis L. N.V.: capoeraba, erva de santa luzia, macarrão, maria-mole, marianinha, mata brasil, trapoeraba. Espécie herbácea, perene e que desenvolve-se em todo país ocupando áreas cultivadas, margens de rodovias e terrenos baldios. Aparece com frequência em locais úmidos e algo sombreados, a exemplo de áreas cultivadas úmidas, margens de canais e ao longo de cursos d água. Apresenta caules do tipo rizoma e caule aéreo ereto a decumbente, ramificado, verde e com intensa pigmentação avermelhada, glabro e enraizante. Folhas simples, alternadas, curtíssimo-pecioladas, limbo lanceolado, pubescente na face superior e com margens inteiras, bainha fechada em tonalidade verde a avermelhada e também pubescente. Inflorescência terminal contendo 3 flores em média. Flores protegidas por bráctea espatácea, pedunculada e ciliada nas margens, cálice com 3 sépalas, uma dorsal e duas ventrais, livres ou as duas ventrais soldadas na base, corola com 3 pétalas livres sendo as 2 dorsais maiores azuis, com formato reniforme e base em unha mais clara, a terceira pétala menor com formato ovalado e de coloração alva transparente, androceu com 3 estames e 3 estaminódios, gineceu tricarpelar. Assemelha-se muito com C. diffusa, podendo ser diferenciada por meio da bráctea espatácea menor e pela pétala ventral alva transparente. Propagação por meio de sementes e por fragmentação do caule

101 Família Commelinaceae Commelina diffusa Burm. N.V.: andaca, capim gomoso, erva de santa luzia, grama da terra, grama do maranhão, maria-mole, marianinha, trapoeraba, trapoeraba azul. Espécie herbácea, anual ou perene e que se desenvolve em todo o país, instalando-se em áreas cultivadas, terras abandonadas, hortas, pomares, jardins e terrenos baldios, preferindo solos úmidos ou até alagados e ambientes mais sombreados. Apresenta caule aéreo, ereto a decumbente, pouquíssimo ramificado, glabro, cilíndrico, verde ou fortemente pigmentado por coloração avermelhada. Folhas simples, alternadas, sésseis ou curtamente pecioladas com a bainha envolvendo o entrenó, mas aberta de um lado com as margens lisas e de coloração verde ou levemente vinácea. Limbo lanceolado, glabro ou pouco piloso em ambas as faces, base cuneada a arredondada. Inflorescência terminal ou nos últimos nós dos ramos, constituída por 3 ou mais flores pedunculadas sempre protegidas por uma bráctea solitária pedunculada e de formato cordiforme. O pedúnculo é ereto com ápice levemente recurvado. Flores pedunculadas, cálice com 3 sépalas livres, corola com 3 pétalas sendo 2 reniformes e com unha desenvolvida e a terceira oblonga a orbicular. Androceu com 3 estames férteis e 3 estaminódios, gineceu com 3 carpelos. Fruto capsular. Esta espécie é facilmente reconhecida em campo por meio da bráctea que envolve a inflorescência, apresentando-se sempre isolada, pedunculada e com formato cordiforme. Propagação por meio da fragmentação do caule e algumas vezes por sementes

102 Família Commelinaceae Commelina erecta L. N.V.: capoeraba, erva de santa luzia, maria-mole, marianinha, mata-brasil. Espécie herbácea, perene e que desenvolve-se em todo o país ocupando grandes ou pequenas áreas onde pratica-se atividades agropecuárias. No meio urbano aparece com frequência em terrenos baldios e em jardins. Apresenta caule cilíndrico, verde com intensa pigmentação vermelha, muito ramificado, cujos ramos ora se apóiam no solo e emitem raízes adventícias, ora se elevam. Folhas simples alternadas, lanceoladas, desprovidas de pecíolos mas com a base do limbo circundando parcialmente o caule, bainhas fechadas e com estrias vermelhas. Inflorescência axilar composta por 2 flores protegidas por uma grande bráctea verde do tipo espata. Flores trímeras constituídas por cálice com 3 sépalas esbranquiçadas, corola com 3 pétalas reniformes de coloração azul intenso, sendo uma delas muito rudimentar, androceu constituído por 3 estames férteis e 3 estaminóides e o gineceu com 3 carpelos. Fruto capsular. As espécies de Commelina são muito semelhantes, pode-se separa-las utilizando as características exibidas na inflorescência, a saber: C. erecta apresenta a bráctea espatácea fechada no dorso e as flores apresentam as 2 pétalas maiores bem encostadas e a terceira muito reduzida. C. benghalensis apresenta a bráctea espatácea fechada apenas na base e laterais, simulando um barco e as flores apresentam as 2 pétalas maiores afastadas entre si e a terceira com coloração diferente. C. diffusa apresenta a bráctea espatácea conivente, ou seja, com as margens fortemente encostadas, mas não soldadas e as flores com as 3 pétalas iguais no tamanho, a terceira diferindo-se apenas no formato. Propagação por meio de sementes e por fragmentação do caule

103 Família Commelinaceae Tripogandra diuretica (Mart.) Handlos N.V.: marianinha, tracoeraba, trapoeraba, trapoeraba rosa, trapoeraba verdadeira, trapoerava, olhos de santa luzia, ondas do mar. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país vegetando em ambientes sombreados a exemplo de bordos de fragmentos florestais ou em áreas ocupadas normalmente por lavouras de café, cacau, banana, entre outras com o mesmo comportamento. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule cilíndrico, enraizante junto dos nós, consistência carnosa, glabro, verde com pigmentação violácea e ampla ramificação ascendente. Folhas simples e sésseis com bainha tubulosa pouco ciliada no ápice, dispostas de forma alternada dística. Limbo longo-ovalado com a base às vezes auriculada, glabro e com as margens inteiras levemente ciliadas. Inflorescência terminal constituída por fascículos de flores assentadas sobre eixos cilíndricos, em número de 2 a 6 por ramo. Flores pedunculadas, cálice verde claro com 3 sépalas livres cuja base e bordos são violáceos, corola com 3 pétalas livres de coloração rósea, androceu constituído por 3 estames cujas anteras amarelas são tetratecas e outros 3 em tom branco violáceo com filetes curtos e anteras bitecas, todos envoltos por pilosidade densa, e gineceu com 3 carpelos soldados. Fruto seco do tipo capsular envolvido pelo cálice persistente. Pode ser identificada em campo por meio da morfologia da flor, que se apresenta desacompanhada de brácteas espatáceas, acrescentando-se ainda a observação dos estames com anteras constituídas por 4 tecas visíveis à vista desarmada. Propagação por meio de sementes e por fragmentação dos ramos

104 Família Convolvulaceae A família apresenta ampla distribuição no Brasil e está representada em sua maioria por gêneros nativos que incluem espécies espontâneas ou cultivadas com finalidade ornamental ou alimentícia. Ipomoea e Merremia destacam-se entre os gêneros invasivos em função de sua competição por luz e por dificultar a colheita mecânica. Grande parte das espécies são trepadeiras volúveis, heliófitas e anuais. Folhas simples, alternadas e com o limbo normalmente bastante polimórfico em algumas espécies do gênero Ipomoea. Às vezes, neste mesmo gênero, as folhas apresentam-se recortadas em 5 lobos simulando uma folha composta digitada. Apresentam flores grandes e vistosas normalmente reunidas em inflorescências axilares. O cálice está constituído por 5 sépalas, e suas características auxiliam na identificação, e a corola formada por 5 pétalas soldadas revela quase sempre manchas epissepálicas. Geralmente os estames são inclusos e o gineceu possui estigma lanceolado, globoso, plano-oblongo ou bilobado, características que também auxiliam na distinção dos gêneros. Os frutos são cápsulas deiscentes às vezes com o cálice persistente e de coloração paleácea. Família Convolvulaceae 200

105 Família Convolvulaceae Ipomoea cairica (L.) Sweet N.V.: campainha, corda de viola, corriola, enrola semana, jetirana. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve em todo o país, utilizando como substrato para seu crescimento cercas, troncos e copas de árvores e arbustos alambrados, entre outros. Apresenta caule trepador volúvel ou então cresce apoiada ao solo emitindo raízes adventícias. Possui coloração verde, aparecendo ainda os tons pálido ou avermelhado. Folhas alternadas, pecioladas e com o limbo profundamente recortado em 5 segmentos desiguais, podendo os 2 segmentos basais apresentar ainda pequeno recorte. Inflorescência axilar composta por poucas flores, normalmente 2, grandes e vistosas e de coloração variável: branca, rósea, azul ou violácea. Flores pedunculadas, cálice persistente no fruto e com 5 sépalas iguais, sendo 2 externas, todas com o ápice em ponta fina. Corola com tubo reto alongando-se gradualmente em direção ao ápice, evidenciando internamente coloração mais escura no fundo do tubo, nas linhas de soldadura das 5 pétalas e nas linhas das interplicas com formato triangular. Androceu com 5 estames e gineceu com estigma bigloboso inclusos no tubo da corola. Fruto capsular assemelhando-se a uma flor seca. Esta espécie se assemelha muito com I. wrightii, podendo ser diferenciada em campo observando-se a base dos pecíolos novos e pedúnculos que apresentam estípulas semelhantes a pequenas folhas próprias da espécie. Propagação por meio de sementes

106 Família Convolvulaceae Ipomoea hederifolia L. N.V.: amarra-amarra, corda de viola, corriola, jetirana, jitirana. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, ocupando áreas cultivadas, terras abandonadas e margens de rodovias, crescendo sobre quaisquer substratos que se encontram no entorno. A planta oferece atributos para o paisagismo. Apresenta caule trepador volúvel, anguloso, verde ou pigmentado de vermelho. Folhas alternadas, pecioladas, limbo com formato variadíssimo, desde cordiforme até pouco ou profundamente lobado, com número de lobos variando de 3 a 5 mas com as margens inteiras. Inflorescência axilar do tipo dicásio, que normalmente a partir da primeira bifurcação forma um só ramo monocásio. Flores pedunculadas, cálice com 5 sépalas terminadas em cornículo, corola avermelhada com 5 pétalas formando um tubo internamente alaranjado em toda a sua extensão. Androceu com estames de anteras brancas que se prolongam para fora da garganta da corola e gineceu com ovário bigloboso também branco. Fruto do tipo cápsula. Esta espécie assemelha-se com I. indivisa a qual possui o tubo da corola alaranjado, coloração que alcança a garganta e chega até a base dos lobos. Propagação por meio de sementes

107 Família Convolvulaceae Ipomoea indivisa (Vell.) Hallier N.V.: campainha, cardeal, cipó coração, corda de viola, corriola, enredadeira, flor de cardeal, jetirana, jitirana, primavera, primavera de caiena. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, crescendo sobre substratos diversos. Quando instala-se em áreas cultivadas enrola-se às plantas dificultando as práticas agrícolas, a exemplo da colheita. Apresenta caule trepador volúvel, cilíndrico, verde ou avermelhado, recoberto por esparsos pelos. Folhas alternadas, pecioladas com limbo cordiforme típico, podendo ter o ápice muito alongado. Inflorescência axilar com eixo principal longo, o qual se divide no ápice em 2 eixos secundários que terminam normalmente por 2 flores, formando um dicásio. Flores vistosas menores que as folhas, pedunculadas, cálice persistente no fruto e com 5 sépalas desiguais, cujo ápice forma um prolongamento estreito. Corola avermelhada com tubo reto e fino que se expande na região da garganta, simulando um funil. Tubo alaranjado internamente, coloração que perpassa a garganta em forma de anel e chega até a base dos lobos vermelhos. Androceu com 5 estames com anteras exclusas em relação ao tubo e gineceu com estigma bigloboso também excluso. Fruto do tipo cápsula. Esta espécie se assemelha muito com I. hederifolia, que apresenta também flores tubulosas avermelhadas ressaltando que o tubo se apresenta alaranjado apenas até a garganta da corola. Propagação por meio de sementes

108 Família Convolvulaceae Ipomoea nil (L.) Roth. N.V.: amarra-amarra, campainha, campainha azul, campanha, corda de viola, corriola, jetirana, jitirana, suspiro. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, ocupando áreas cultivadas onde cresce enrolando-se às plantas e dificultando as práticas agrícolas. Apresenta caule trepador volúvel, verde ou avermelhado, revestido por intenso indumento de pelos brancos visíveis. Folhas alternadas, pecioladas, limbo com formato variável, cordiforme típico, recortado em 3 lobos, sendo o lobo superior terminado em ponta estreita progressivamente ou abruptamente e revestido por pelos brancos na face superior. Inflorescência axilar constituída por 2 ou mais flores, podendo surgir até 5. Flores grandes e vistosas de coloração azul passando para tons róseos ou violáceos com a senescência. Apresentam pedúnculo, cálice persistente no fruto e com 5 sépalas pilosas, longas e com a ponta estreita, corola com tubo reto alargando-se gradualmente em direção ao ápice, evidenciando internamente a coloração branca do tubo e as interplicas mais claras e com formato triangular. Androceu com 5 estames e gineceu bilobado, inclusos no tubo da corola. Fruto do tipo cápsula. Assemelha-se muito com I. hederacea, a qual possui a mesma coloração da flor ressaltando que aparece apenas 1 flor por axila, a qual possui gineceu com estigma globoso. Propaga-se por meio de sementes

109 Família Convolvulaceae Ipomoea purpurea (L.) Roth. N.V.: bom dia, campainha, corda de viola, corriola, glória da manhã, jitirana. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país como planta cultivada por ser altamente ornamental, ou instalando-se naturalmente como ocorre nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, onde ocupa áreas cultivadas. Apresenta caule trepador volúvel, verde ou avermelhado, piloso, podendo aparecer em toda a sua extensão projeções em forma de ponta, semelhantes a acúleos. Folhas alternadas, pecioladas, limbo com formato variado, cordiforme típico, recortado pouco ou profundamente, em 3 lobos ou assimétrico. Inflorescência axilar do tipo corimbo, constituída por um longo eixo encimado por até 5 flores cujos pedúnculos possuem tamanhos diferentes mas alcançam todos quase a mesma altura. Flores grandes e vistosas de coloração rósea ou purpúrea, pedunculadas, cálice persistente no fruto e com 5 sépalas, 2 delas externas menores e as demais longas e estreitas, corola com tubo reto alargando-se gradualmente em direção ao ápice, evidenciando internamente o tubo da corola em tom mais claro ou branco e as interplicas com tonalidade distinta considerando a cor da corola. Androceu com 5 estames e gineceu trilobado. Fruto do tipo cápsula. Esta espécie pode ser diferenciada das demais por apresentar flores purpúreas ou com outras colorações, mas sempre acrescidas de pequenas manchas; o estigma do carpelo é sempre trilobado e os pedúnculos dos frutos em início de desenvolvimento apresentam calibre grosso, diferente do calibre dos pedúnculos florais. Propaga-se por meio de sementes

110 Família Convolvulaceae Ipomoea quamoclit L. N.V.: boa tarde, campainha, campainha vermelha, cardeal, cipó esqueleto, corda de viola, corriola, esqueleto, flor de cardeal, primavera, primavera grande. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país como planta cultivada pelos atributos ornamentais ou então instalada naturalmente em áreas cultivadas. Apresenta caule trepador volúvel ou rastejante, verde com pigmentação avermelhada e ramificado. Folhas alternadas, pecioladas e com o limbo profundamente recortado até a nervura central, sendo os recortes linear-lanceolados, simulando folha composta. Inflorescência axilar constituída por um longo eixo que se divide no ápice formando um dicásio, podendo também ocorrer flores isoladas. Flores vistosas, longopedunculadas e de coloração vermelha, cálice constituído por 5 sépalas desiguais e escuras, corola com tubo reto, internamente branco e que se alarga gradualmente da base para o ápice, terminando em lobos triangulares. Androceu com 5 estames e gineceu com estigma bigloboso, ambos brancos e exclusos no tubo da corola. Fruto do tipo cápsula. Esta espécie diferencia-se das demais pela morfologia das folhas, cujo limbo se apresenta altamente recortado em segmentos lineares. Propagação por meio de sementes

111 Família Convolvulaceae Ipomoea ramosissima (Poir.) Choisy N.V.: campainha, corda de viola, corriola, gramofone, jetirana, jitirana. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, instalando-se naturalmente em áreas agrícolas, onde cresce enrolando-se às plantas cultivadas e dificultando as práticas agrícolas, a exemplo da colheita. Apresenta caule trepador volúvel, verde com pigmentação vermelho-ferrugínea e recoberto por indumento de pelos. Folhas alternadas, pecioladas e com limbo de forma variada, recortado pouco ou profundamente em 3 lobos, sendo o lobo apical pouco ou muito desenvolvido, ovalado com base cordata, e limbo cordiforme típico. Inflorescência axilar constituída por um longo eixo encimado por um corimbo, caracterizado por apresentar os pedúnculos das flores com tamanhos diferentes, mas alcançando todos quase a mesma altura. Flores vistosas, pedunculadas e de coloração rósea, cálice com 5 sépalas oblongas, sendo 2 externas, corola com tubo reto, largo e de coloração escura, apresentando no ápice das pétalas soldadas ondulações irregulares, mas sempre depressivas nas linhas de dobradura e soldadura. Androceu com 5 estames e gineceu com estigma bigloboso inclusos no tubo. Fruto do tipo cápsula. Diferencia-se da espécie afim, I. triloba, por apresentar as sépalas oblongas com ápice obtuso e fortemente unido, porém não soldado ao receptáculo da flor. Propagação por meio de sementes

112 Família Convolvulaceae Ipomoea triloba L. N.V.: campainha, corda de viola, corriola, jetirana. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país vegetando em ambientes secos, úmidos ou até alagados, a exemplo de lavouras que exigem lâmina d água. Quando instaladas em áreas cultivadas, cresce enrolando-se às plantas, podendo ocorrer competição por luz, além de dificultar as práticas agrícolas, a exemplo da colheita. Apresenta caule trepador volúvel ou então cresce apoiada ao solo emitindo raízes adventícias. Possui coloração verde ou avermelhada, sendo recoberto por indumento de pelos brancos. Folhas alternadas, longo-pecioladas, limbo muito desenvolvido e com formato variando na mesma planta, havendo predomínio de cordiforme típico, podendo ocorrer ainda o cordiforme com lobos basais discretos e o recortado em 3 lobos mas cujos recortes nunca atingem a nervura central, sendo o lobo apical muito longo. Inflorescência axilar do tipo corimbo, constituída por um longo eixo encimado por até 10 flores e cujos pedúnculos possuem tamanhos diferentes, mas alcançam todos quase a mesma altura. Flores sempre menores que as folhas, vistosas e de coloração rósea, pedunculadas, cálice persistente no fruto, constituído por 5 sépalas verdes de base larga e ápice acuminado, corola com tubo reto alargando-se gradualmente em direção ao ápice, evidenciando internamente coloração mais escura no tubo com mais destaque para as linhas de soldadura das 5 pétalas. Androceu com 5 estames e gineceu com estigma bigloboso inclusos no tubo. Fruto do tipo cápsula. Assemelha-se muito com I. ramosissima, pois ambas copiam a mesma cor de flor e as folhas também se igualam, no entanto podem ser diferenciadas utilizando-se as sépalas como características diferenciais, a saber: I. triloba possui sépalas agudas e I. ramosissima possui sépalas obtusas. Propaga-se por meio de sementes e por fragmentos do caule

113 Família Convolvulaceae Merremia aegyptia (L.) Urb. N.V.: batatão roxo, jetirana, jetirana cabeluda, jitirana, jitirana cabeluda, jitirana de batata, mata me embora. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país como planta espontânea ou cultivada, em função dos atributos ornamentais que a planta oferece. Os frutos secos assemelham-se a flores e por isso são utilizados no artesanato. Apresenta caule do tipo trepador volúvel, muito ramificado, cilíndrico, verde ou com pigmentação avermelhada, revestido em toda a sua extensão por intenso indumento de pelos rígidos. Folhas alternadas, longo-pecioladas e com o limbo recortado até a inserção do pecíolo em 5 segmentos, simulando uma folha composta. Os segmentos apresentam formato diferente dentro da mesma folha, no entanto todos tendem para a forma lanceolada com margem inteira. Inflorescência axilar do tipo dicásio, constituída por um longo eixo que se divide em 2 eixos secundários encimados por flores, todos revestidos por pilosidade semelhante à dos ramos. Flores com pedúnculo piloso, cálice com 5 sépalas soldadas e persistentes no fruto, sendo 3 delas pilosas, corola de tubo reto, largo e com 5 lobos sinuosos de coloração branca. Androceu com 5 estames e gineceu com estigma bilobado, inclusos no tubo. Fruto seco do tipo cápsula orbicular, achatada na base e levemente estreitada em direção ao ápice, rodeada pelas 5 sépalas, sendo 3 externas pilosas e 2 internas glabras. Esta espécie se diferencia das afins pela morfologia das folhas, que se apresentam sempre com 5 segmentos desiguais e com margens inteiras, sendo que um ou dois segmentos se destacam pelo ápice longo e estreitado. Acrescente-se ainda que a base dos segmentos não simula pseudopecíolos, o que acontece em M. macrocalix. Propagação por meio de sementes

114 Família Convolvulaceae Merremia cissoides (Lam.) Hall. f. N.V.: amarra-amarra, campainha, corda de viola, corriola, jetirana, jitirana. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país como planta espontânea ou cultivada, em função dos atributos ornamentais que oferece. Apresenta caule do tipo trepador volúvel, muito ramificado, cilíndrico, de coloração verde ou ferrugínea, revestido ou não de pelos também ferrugíneos. Folhas alternadas, pecioladas e com o limbo recortado até a inserção do pecíolo em 5 segmentos, simulando folha composta. Os segmentos apresentam formato diferente dentro da mesma folha, no entanto todos tendem para a forma lanceolada com margens irregularmente serradas. Inflorescência axilar constituída por um fascículo de flores. Flores curto-pedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas e persistentes no fruto, 3 delas com alas e revestidas por um emaranhado de pelos pegajosos, corola de tubo reto, largo e com 5 lobos sinuosos de coloração branca. Androceu com 5 estames e gineceu com estigma bilobado inclusos no tubo. Fruto seco do tipo cápsula quadrangular, evidenciando perfeitamente 4 lóculos rodeados por 5 sépalas, sendo 3 externas pilosas e 2 internas glabras. Esta espécie se diferencia das espécies afins pela morfologia das folhas que se apresentam sempre recortadas até a inserção do pecíolo em 5 segmentos, cujas margens são serradas. Propagação por meio de sementes

115 Família Cucurbitaceae Encontra-se representada em todo o país por gêneros nativos e introduzidos, este último conta com a maioria das espécies cultivadas. Momordica é o gênero mais importante sob o enfoque de plantas invasivas. Geralmente o caule é rastejante ou trepador por gavinha e as folhas são alternadas com o limbo recortado em lobos, pouco ou muito profundos. As flores são axilares, isoladas ou reunidas em inflorescência e sempre de sexo separado na mesma planta ou em plantas diferentes. Geralmente as flores femininas, desprovidas de néctar e pólen, imitam as masculinas no formato e na coloração; tal característica auxilia no processo de polinização. Os frutos formados pela maioria das espécies são peponídeos carnosos, exceção apenas para as cápsulas carnosas deiscente, ocorrente em Momordica charantia, e seca opercular ocorrente, nas espécies de Luffa. Família Cucurbitaceae 222

116 Família Cucurbitaceae Momordica charantia L. N.V.: erva das lavadeiras, erva de lavadeira, erva de são caetano, erva de são vicente, fruto de cobra, fruto de negro, melão de são caetano, melão de são vicente, melãozinho. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve de forma espontânea em todo o país sendo amplamente utilizada na medicina empírica e em outras práticas no meio rural, a exemplo de servir como alvejante para roupas. Apresenta caule muito ramificado, cilíndrico, verde, recoberto por pilosidade, do tipo trepador, utilizando-se de gavinhas simples para se fixar aos substratos. Folhas alternadas, longo-pecioladas, pilosas em ambas as faces e com o limbo recortado em 5 segmentos que quase alcançam a nervura central. Segmentos com margem irregularmente ondulada ou serrada. Flores de sexo separado na mesma planta e localizadas nas axilas das folhas, onde aparecem 2 brácteas reniformes. Flores masculinas longo-pedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas na base, corola com 5 pétalas também soldadas, que protegem o androceu constituído por 5 estames cujas anteras são volumosas e amareladas. Flores femininas também com longo pedúnculo, cálice com 5 sépalas soldadas na base, corola com 5 pétalas soldadas que protegem o gineceu constituído por ovário longo, com projeções espinescentes e o estigma que se assemelha às anteras. Fruto em cápsula carnosa deiscente e com sementes envoltas em tecido avermelhado. Propaga-se por meio de sementes

117 Família Cyperaceae Representada no Brasil por gêneros nativos, alguns deles com espécies ornamentais ou utilizadas em arranjos florais a exemplo de Eleocharis. Destaca-se como família de plantas invasivas, especialmente as espécies pertencentes aos gêneros Cyperus, Fimbristylis, Bulbostylis, Fuirena, Rhynchospora, Sclearia, entre outros. Preferem vegetar em locais úmidos, sombreados ou abertos e formam colônias de difícil controle que competem por espaço e nutrientes principalmente. Geralmente são plantas providas de caules subterrâneos do tipo rizoma ou bulbos com capacidade de originar partes aéreas constituídas por folhas e escapos florais. As folhas são lineares, normalmente formam uma roseta na base das plantas e possuem bainha fechada. Os escapos podem ser trígonos, como ocorre no gênero Cyperus, ou arredondados, ocorrentes no gênero Eleocharis, ou então achatados, como em Fimbristylis. As flores reunidas em espigas são pequenas, aperiantadas e de coloração verde a marrom-avermelhada. As Cyperaceae formam frutos e sementes viáveis, mas em algumas espécies a propagação vegetativa por fragmentação das estruturas subterrâneas é a mais facilitada. Família Cyperaceae 226

118 Família Cyperaceae Cyperus difformis L. N.V.: junça, junquinho, tiririca do brejo, três quinas. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve na região Sul do país instalada em ambientes úmidos ou alagados, a exemplo das várzeas cultivadas, margens e leitos de canais de irrigação e drenagem e margens de cursos d água, onde forma populações significativas em função da propagação facilitada e pelo curto ciclo reprodutivo. Apresenta caule aéreo denominado de escapo que pode chegar a 0,60 metro de altura, verde, glabro, trígono e provido de sulco profundo e amarelado em cada lado. Folhas da base da planta trísticas, verdes e menores que o eixo da inflorescência. Escapo encimado por 3 brácteas verdes e coriáceas, sendo uma muito longa, outra mediana e a terceira muito curta, não ultrapassando a altura da inflorescência. Pode ocasionalmente ocorrer uma quarta bráctea de tamanho mediano. A base das brácteas apresenta pigmentação avermelhada. Inflorescência terminal do tipo espiga, originada do centro do invólucro das brácteas e nas axilas. Espigas em formato globoso a cilíndrico, em número médio de 6 a 8 por planta e possuindo coloração amarelo-pálea, acastanhada passando para castanho escuro na maturação, estando constituídas por númerosas espiguetas dispostas frouxamente ao redor do ápice do raio. Espiguetas hermafroditas cujo androceu possui de 2 a 3 estames e o gineceu apresenta estigma trífido. Assemelha-se muito com C. laetus, a qual apresenta rizomas lenhosos e de superfície irregular. Propagação por meio de sementes

119 Família Cyperaceae Cyperus distans L. f. N.V.: junça, junquinho, tiririca, tiririca de três quinas. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve em todo o país vegetando em áreas úmidas onde forma grandes tapetes homogêneos ou associados a outras espécies. Apresenta caule rizomatoso curto. Folhas da base da planta saindo de alturas diferentes, disposição espirotrística, todas com formato linear. Eixo principal da inflorescência denominado de escapo, apenas um, verde e com forma triangular, contendo no seu ápice 2 séries com até 10 brácteas, sendo 3 a 4 delas muito desenvolvidas, distanciando-se dos eixos secundários, os quais também são guarnecidos por brácteas, todas lineares. Inflorescência do tipo espiga, de coloração castanha, inserida no ápice dos eixos secundários, que somam aproximadamente 14 raios. Flores númerosas, não vistosas, desprovidas de perianto, gineceu gamocarpelar, androceu com 3 estames. O número e o tamanho das brácteas assentadas sobre o escapo trígono, bem como o número de raios e a coloração da inflorescência, permitem a determinação da espécie. Propaga-se por meio de sementes e do desenvolvimento de rizoma

120 Família Cyperaceae Cyperus esculentus L. N.V.: junça, junquinho, tiririca, tiririca amarela, tiririca mansa, tiriricão. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve em todo o país formando grandes tapetes homogêneos em áreas úmidas. Vegeta também em solos secos, áreas de pastagens, margens de rodovias e terrenos baldios. Trata-se de uma das tiriricas mais indesejáveis em função do difícil controle. Apresenta caules subterrâneos dos tipos bulbo, rizoma e em tubérculos. O rizoma origina-se de bulbo e de tubérculos. O bulbo origina-se de sementes e do crescimento do rizoma. O tubérculo origina-se a partir do crescimento do rizoma. Folhas da base da planta rosulada, em número de 3, lineares e quase do tamanho do eixo principal da inflorescência, o qual possui forma triangular e contém no seu ápice até 6 brácteas, sendo 2 muito longas, 1 mediana e as demais curtas, todas lineares. Inflorescência do tipo espiga, de coloração castanha, inserida em aproximadamente 9 eixos secundários, sendo 4 maiores e os demais menores. Flores númerosas, não vistosas, desprovidas de perianto, gineceu gamocarpelar com estilete trífido, androceu com 3 estames. O número e o tamanho das folhas da base da planta, bem como das brácteas assentadas sobre o escapo trígono, e a coloração das espigas permitem identificar a espécie. Propagação por meio de sementes e pelas estruturas caulinares subterrâneas

121 Família Cyperaceae Cyperus flavus (Vahl) Nees. N.V.: junça, junquinho, tiririca, tiririca de três quinas. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve em todo o país, ocupando áreas secas e úmidas formando populações consideráveis. Apresenta caule rizomatoso curto e de crescimento radial, permitindo a formação de amplas colônias. Folhas da base da planta rosuladas em número de até 10, lineares e mais curtas que o eixo da inflorescência, o qual contém no seu ápice até 10 brácteas, sendo 3 a 4 muito longas e 4 a 6 curtas, todas lineares. Inflorescência do tipo espiga cilíndrica, de coloração verde-amarelada até castanha, engrossada e em número de 7 a 8. A espiga central ocupa posição ereta e as demais posição oblíqua. Variedades dessa espécie possuem as espigas assentadas sobre eixos secundários, os quais também são guarnecidos por brácteas. Flores númerosas, não vistosas, desprovidas de perianto, gineceu gamocarpelar com estilete trífido, androceu com 3 estames. O número e o tamanho das brácteas sobre o escapo e a posição e coloração das espigas permitem determinar a espécie. Propagação por meio de sementes e por meio do crescimento do rizoma

122 Família Cyperaceae Cyperus hermaphroditus (Jacq.) Stand N.V.: junça, junquinho, tiririca, tiririca de três quinas. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve em todo o país ocupando áreas cultivadas, áreas de pastagens, terras abandonadas, margens de rodovias e terrenos baldios. Prefere instalar-se em locais com maior umidade onde forma populações densas. Apresenta caule subterrâneo do tipo rizoma curto e grosso, sendo que as partes aéreas podem chegar até 1 metro de altura. Folhas da base menores ou equivalentes ao tamanho do escapo, trísticas ou com até 6, ásperas nas margens e no nervo central. Escapo verde escuro e trígono contendo no ápice de 5 a 10 brácteas de tamanhos diferentes. Inflorescência terminal esverdeada ou amarelada constituída por 6 a 12 raios sempre ascendentes, os quais sustentam as espigas cilíndricas, oblongas ou oblongas lanceoladas. Os raios apresentam-se levemente contraídos no ápice. Espigas isoladas ou reunidas em grupos de 3 ou em maior número. Assemelha-se muito com C. acicularis, que possui maior número de brácteas no ápice do escapo e raios que sustentam as espigas em posição oblíqua ou quase deitados sobre as brácteas. Fruto do tipo núcula. Propagação por meio de sementes e por fragmentação do rizoma

123 Família Cyperaceae Cyperus iria L. N.V.: junça, junquinho, tiririca, tiririca de três quinas, tiririca do brejo. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país vegetando em áreas úmidas ou alongadas formando populações consideráveis. As plantas são desprovidas de rizomas mas apresentam na base estruturas capazes de originar perfilhos. Folhas da base da planta em número de 2 a 3, verdes, lineares e mais curtas do que o eixo da inflorescência. Eixo principal da inflorescência com formato triangular, contendo em seu ápice 7 a 8 brácteas, sendo as duas da 1ª série muito longas, excedendo quase em dobro o tamanho dos eixos secundários, uma a duas da 2ª série apresentando o tamanho dos maiores eixos secundários e as demais de tamanho menor e estreitas. Inflorescência do tipo espiga achatada, de coloração amarelado-ferrugínea, assentadas sobre eixos secundários que podem apresentar pigmentação avermelhada na base. Flores númerosas, não vistosas, desprovidas de perianto, gineceu gamocarpelar com estilete trífido, androceu constituído por 2 estames. O número e tamanho das folhas da base da planta como também de brácteas assentadas sobre o escapo trígono, combinados com a observação das colorações da base dos eixos secundários e das espigas, permitem determinar a espécie. Propagação por meio de sementes

124 Família Cyperaceae Cyperus odoratus L. N.V.: capim de cheiro, chufa, junça, junça de ouriço, pelo de sapo, tiriricão, três quinas. Espécie herbácea, anual ou perene e que se desenvolve nas regiões Sudeste e Sul do Brasil ocupando especialmente áreas de cultivo que exigem lâmina d água, margens de canais de irrigação e drenagem e margens de cursos d água. Apresenta caule subterrâneo do tipo rizoma, curto e grosso, que exala odor agradável e com capacidade de formar porções aéreas permitindo a formação de touceiras e populações densas. Folhas da base da planta com tamanhos bastante variáveis, algumas ultrapassando a altura do escapo. Escapo trígono, verde, encimado por um conjunto de brácteas distribuídas em 2 séries, somando ao todo entre 5 e 9. Brácteas com tamanhos diferenciados, 1 a 2 delas sempre muito desenvolvidas. Inflorescência no ápice do escapo, constituída por vários eixos que apresentam na base uma bainha bífida, e no ápice ramificam-se em outros eixos terminados por númerosas espigas que em conjunto formam uma estrutura globosa ou e forma de ouriço. Espigas cilíndricas de coloração paleácea na maturação. Fruto seco do tipo núcula. Algumas espécies do gênero Cyperus são complicadas para o reconhecimento em campo. Uma das maneiras de determinar esta espécie é por meio da remoção da planta com isolamento e maceração dos rizomas, com a finalidade de sentir o odor exalado. Propagação por meio de sementes e por fragmentação do rizoma

125 Família Cyperaceae Cyperus rotundus L. N.V.: capim dandá, junça, tiririca, tiririca vermelha, tiririca de três quinas. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve em todo o país ocorrendo em todas as áreas onde se pratica alguma atividade agropecuária. De todas as tiriricas esta espécie é a mais agressiva. Apresenta caules do tipo bulbo e rizoma longo e com engrossamentos arredondados em determinadas partes da sua extensão. Folhas da base da planta em número de 3 a 5, pouco menores que o eixo da inflorescência, todas lineares. Eixo principal da inflorescência de forma triangular, contendo em seu ápice 3 brácteas, mais longas que os eixos secundários e semelhantes às folhas basais, uma delas destacandose pelo seu comprimento. Brácteas de menor tamanho e filiformes podem aparecer junto dos eixos secundários. Inflorescências do tipo espiga lanceolada vermelho-ferrugínea, assentadas sobre 5 a 6 eixos secundários. Flores aglomeradas nas espigas, não vistosas, desprovidas de perianto, gineceu gamocarpelar com estilete trífido, androceu com 3 estames. Parte dos órgãos reprodutivos pode ser evidenciada em plantas jovens com inflorescência. A observação do porte da planta e também do sistema subterrâneo, onde ocorre um emaranhado de rizomas dotados de pseudotubérculos de espaço em espaço e ainda o conjunto brácteas e espigas, permitem determinar a espécie. Propaga-se por meio de sementes, por meio de bulbos e também por meio dos engrossamentos dos rizomas, os quais contêm gemas

126 Família Cyperaceae Fimbristylis miliacea (L.) Vahl N.V.: cabelo de negro, cuminho, falso cominho, pelunco. Espécie herbácea, anual ou perene e que desenvolve-se em todo o país, ocupando áreas alagadas e solos saturados, instalando-se em cultivos que requerem lâmina d água, canais de irrigação e drenagem, açudes e remansos de reservatórios de hidroelétricas. Planta muito perfilhada com caules quadráticos apresentando a mesma espessura da base ao ápice. Folhas da base da planta lineares, firmes, algumas mais longas do que o caule. Inflorescência do tipo panícula, ramificada, aberta e constituída por espigas assentada sobre pequenas brácteas em número de 1 a 3. Espigas ovóides de coloração acastanhada ou ferrugínea inseridas em eixos de 2ª ou 3ª ordem. Fruto do tipo aquênio. Diferencia-se das demais espécies do gênero por apresentar o caule levemente quadrático. Propaga-se por meio de sementes

127 Família Cyperaceae Kyllinga odorata Vahl N.V.: capim de cheiro, capim santo, jacapé, junquinho, manubre. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve nas regiões Sudeste e Sul do Brasil vegetando em áreas úmidas, margens de canais de drenagem e irrigação ou em áreas secas como as pastagens. Apresenta caule rizomatoso curto. Folhas da base da planta em número de até 5 e mais curtas que o eixo principal da inflorescência, todas lineares. Eixo principal da inflorescência de forma triangular contendo em seu ápice brácteas em número de 3 a 4, normalmente 3, de tamanho variado e sempre com os ápices direcionados para a base da planta. Inflorescência do tipo conjunto de espigas cilíndricas, de coloração branco-amarelada ou paleácea, sendo uma espiga central e de 2 a 3 na base do conjunto. Todo o conjunto ou apenas a espiga central assenta-se sobre o eixo principal da inflorescência. Flores númerosas, não vistosas, gineceu com estilete bífido, androceu com 2 estames. A observação do número de brácteas sobre o escapo e a posição delas voltada em direção à base permitem determinar a espécie. Propagação por meio de sementes e por meio do rizoma

128 Família Cyperaceae Rhynchospora nervosa (Vahl) Boeck N.V.: capim estrela, estrelinha, tiririca branca. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Norte, faixa litorânea do Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil. Apresenta caule do tipo rizoma curto e parte aérea representada pelo escapo pouco trígono. Folhas da base da planta com bainhas abertas, folhas da base do escapo trísticas e com bainha fechada, folha da porção mediana do escapo também com bainha fechada e mais longa que o escapo. Folhas do ápice do escapo em número de 6 e com tamanhos diferentes, as maiores apresentando uma mancha branca na base e as menores quase que totalmente brancas. Inflorescência do tipo espiga assentada diretamente sobre as brácteas. Espigas sésseis constituídas por flores hermafroditas desprovidas de perianto, o qual é substituído por brácteas de coloração parda ou ferrugínea. A planta pode ser reconhecida em campo por meio das máculas de coloração branca nas brácteas do ápice do escapo. Propaga-se por meio de sementes

129 Família Euphorbiaceae Encontra-se representada em todo o país por númerosas espécies anuais ou perenes cujos portes vão desde o herbáceo ao arbóreo. Muitas delas são invasivas, heliófitas e ocorrem em áreas ocupadas por agricultura ou pecuária. Destacam-se como invasivas algumas espécies do gênero Euphorbia, Cnidoscolus, Chamaesyce, Cróton, Dalechampia e Ricinus, este último introduzido no Brasil. Muitas são cultivadas com finalidade ornamental. Geralmente possuem látex no caule como também em outras partes, folhas alternadas com o limbo simples ou profundamente recortado ou ainda folhas compostas providas de glândulas nectaríferas. Inflorescência em cacho ou espigas ou ainda flores reunidas em ciátio. Flores normalmente aperiantadas ou monoperiantadas não vistosas e de sexo separado na mesma planta ou em plantas separadas. Flores masculinas com um a muitos estames e as femininas com ovário súpero tipicamente trilocular. Os frutos são cápsulas que normalmente apresentam deiscência explosiva. Família Euphorbiaceae 250

130 O abre-caminhos, seja qual caminho for As pesquisas comprovam: Boral é o pré-emergente com melhor controle de matocompetição, troca de flora e pressão de seleção, potencializando a colheita. fmcagricola.com.br Fazendo Mais pelo Campo

131 Família Euphorbiaceae Chamaesyce hirta (L.) Milisp. N.V.: alcanjoeira, burra leiteira, erva andorinha, erva de cobre, erva de santa luzia, erva de sangue, leiteira. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, vegetando em áreas onde se pratica atividades agropecuárias, margens de rodovias e no meio urbano é facilmente encontrada em jardins, terrenos baldios e ao longo das fendas nas calçadas. A planta é amplamente utilizada na medicina popular. Apresenta caule prostrado, verde com manchas avermelhadas, lactífero e com pilosidade branca. Folhas simples, opostas, assimétricas, verdes com intensa pigmentação avermelhada, margem serrada, pecíolo muito curto e avermelhado. Inflorescência do tipo ciátio reunida em fascículos nas axilas de folhas e terminais. Cada ciátio contém uma flor feminina constituída apenas pelo pedúnculo e gineceu com ovário avermelhado trilocular. Flores masculinas, abaixo das femininas, em número de 2 a 8 constituídas apenas pelos estames. Espécie muito parecida com Chamaesyce hyssopifolia, a principal diferença encontra-se nas folhas e inflorescência, a saber: C. hirta apresenta folhas com base muito assimétrica e a inflorescência possui pedúnculo mais curto e ciátios mais aglomerados, ao passo que em C. hyssopifolia as folhas possuem bases pouco assimétricas e a inflorescência possui pedúnculo mais longo e os ciátios mais laxos. Propagação por meio de sementes

132 Família Euphorbiaceae Chamaesyce hyssopifolia (L.) Small. N.V.: burra leiteira, erva andorinha, erva de andorinha, erva de santa lúzia. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, vegetando em áreas onde praticam-se atividades agropecuárias, margens de rodovias e no meio urbano é facilmente encontrada em terrenos baldios, jardins e ao longo das fendas nas calçadas. A planta é amplamente utilizada na medicina popular. Apresenta caule ereto ou prostrado verde com manchas avermelhadas, lactífero e com ramificação dicotômica. Folhas simples, opostas, assimétricas, verdes, margens levemente serradas e com pecíolo muito curto. Inflorescência do tipo ciátio, reunida em dicásios e um ciátio na axila das folhas. Cada ciátio contém uma flor feminina constituída apenas pelo pedúnculo e gineceu com ovário verde trilocular. Flores masculinas abaixo das femininas, assentadas sobre um receptáculo verde-avermelhado, que contém 4 brácteas brancas que margeiam os estames. Propagação por meio de sementes

133 Família Euphorbiaceae Chamaesyce prostrata (Aiton) Small. N.V.: beldroega pequena, caá-bambuí, erva de santa luzia, quebra-pedra, quebra-pedra rasteira. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país ocupando áreas antropizadas. Aparece com muita frequência no meio urbano vegetando em jardins, terrenos baldios e junto de calçadas e outros tipos de pavimentação de ruas. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule prostrado, carnoso, glabro, pouco lactífero e com muitas ramificações radiais de coloração avermelhada. Folhas simples, opostas, curto-pecioladas, quase desprovidas de pilosidade, limbo em formato variado, podendo ocorrer as formas oblonga, ovalada, obovada e até assimétrica com coloração variando de verde até o avermelhado, margens inteiras. Inflorescência axilar do tipo ciátio caracterizado por apresentar na mesma estrutura uma flor feminina pedunculada e reduzida apenas a um ovário trilocular com estigma trífido, ocupando sempre a posição mais alta da inflorescência e abaixo dela flores masculinas constituídas por estames. Fruto do tipo trícoco. Diferencia-se das espécies afins por apresentar folhas menores e com menor predomínio de limbos assimétricos. Propagação por meio de sementes

134 Família Euphorbiaceae Croton glandulosus L. N.V.: gervão, gervão branco, malva vermelha, velame. Espécie subarbustiva, anual e que se desenvolve em todo o país vegetando em todas as áreas onde se pratica alguma atividade agropecuária. No meio urbano aparece com frequência em terrenos baldios. Apresenta caule verde com pigmentação ferrugínea e recoberto por indumento piloso. Apresenta ramificações verticiladas nas porções terminais, o que torna o caule bastante ramificado. Folhas opostas cruzadas, simples e pecioladas, oblongo-lanceoladas com esparsa pilosidade, margens irregularmente serradas. Folhas alternadas podem aparecer nos ramos com inflorescência. No limite entre o limbo e o pecíolo ocorrem 2 glândulas, em folhas jovens são esverdeadas e nas adultas ferrugíneas. Inflorescência terminal constituída por fascículo de flores de sexo separado, assentadas sobre folhas verticiladas. Flores femininas com 5 sépalas livres evidenciando bem o ovário e o estigma, localizadas abaixo das flores masculinas, estas evidenciam bem os estames. Espécie muito parecida com C. lundianus diferenciando-se desta por apresentar 2 glândulas inseridas no limite entre o limbo e o pecíolo. As glândulas, visíveis à vista desarmada, apresentam-se esverdeadas em folhas jovens e ferrugíneas em folhas adultas. Propagação por meio de sementes

135 Família Euphorbiaceae Croton lobatus L. N.V.: café bravo, mandioquinha, sangregão, velame. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, vegetando em áreas cultivadas onde compete por luz com as culturas de porte baixo. Apresenta caule verde ou ferrugíneo com pilosidade esparsa, ramos superiores dicótomos. Folhas alternadas na base do caule e opostas na base do eixo da inflorescência, limbo profundamente recortado em 3 lobos, margem dos recortes serrada. Inflorescência axilar e terminal do tipo cacho, constituída por flores de sexo separado. As femininas localizadas na base do cacho, constituídas por 5 sépalas verdes e livres, as quais protegem o ovário verde trilocular e com 3 estigmas bipartidos de coloração brancoamarelada. As masculinas no ápice do cacho, de tamanho reduzido e com pétalas branco-amareladas, as quais protegem os estames. Diferencia-se das demais espécies por apresentar a folha recortada em lobos distintos. Propagação por meio de sementes

136 Família Euphorbiaceae Euphorbia heterophylla L. N.V.: adeus-brasil, amendoim bravo, café do bispo, café do diabo, flor de porta, leiteira, leiteiro, mata-brasil, parece mas não é. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, especialmente nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil onde aparece vegetando em áreas alteradas. Apresenta caule ereto, podendo desenvolver alguns ramos decumbentes, lactífero, cilíndrico, verde ou apresentando pigmentação vermelha. Na porção superior da planta ocorre ramificação dicotômica. Folhas de vários formatos, desde simples largo-lanceoladas, assimétricas, oblongas, obovadas até ovaladas, limbo podendo apresentar pigmentação avermelhada na base, inclusive o vermelho cardeal, com pecíolo curto de coloração verde ou avermelhada, margem podendo ser ondulada, recortada, serrada e íntegra. Podem aparecer folhas alternadas na base da planta e folhas opostas cruzadas nos ramos mais altos. Inflorescência terminal do tipo dicásio de ciáticos, caracterizada por apresentar os eixos da inflorescência divididos em 2 conjuntos de flores. Flores de sexo separado na mesma inflorescência. As flores femininas são sempre mais altas, constituídas por um pedicelo que sustenta um ovário verde com pigmentação avermelhada, visivelmente trilocular, e estigma trífido. Sob a flor feminina, situam-se as flores masculinas, constituídas apenas por estames. Junto do receptáculo identifica-se uma glândula aberta, onde é possível observar um líquido nectarífero. A espécie pode ser reconhecida em campo pelas seguintes características: apresenta látex, heterofilia muito evidente dentro da mesma planta e glândula nectarífera em forma de taça. Propagação por meio de sementes

137 Família Euphorbiaceae Ricinus communis L. N.V.: baga, bajureira, carrapato, carrapateira, castor, mamona, mamoeira, palma de cristo. Espécie arbustiva, perene e que desenvolve-se em todo o país marcando sua presença onde o homem passa e habita mesmo temporariamente. As plantas são cultivadas para a obtenção de óleo utilizado como combustível e nas industrias química e farmacêutica. Foi introduzida no país e atualmente comporta-se como pioneira de ambientes degradados e contaminados a exemplo dos locais que servira para deposito de lixo. Ocorre em áreas cultivadas, pastagens e frequentemente ocupa lugar das espécies nativas ao longo das rodovias e cursos d água. Apresenta caule ereto, muito ramificado, verde ceríceo e internamente oco. Folhas alternadas helicoidais, com longo pecíolo também oco, encimado por um limbo palmatilobado recortado em até 10 lobos. Inflorescência do tipo cacho situado no ápice dos ramos terminais contendo flores de sexo separado. Flores masculinas reunidas em fascículos, localizadas na base do cacho e constituídas por pedúnculo, cálice com 5 sépalas e númerosos estames com as anteras amareladas. Flores femininas dispostas ao redor do eixo e constituídas por pedúnculo grosso, cálice com 5 sépalas e gineceu com ovário globoso, trilocular cujos estigmas são ramificados e de coloração vermelho alaranjado funcionando como atrativo para a polinização. Propaga-se por meio de sementes

138 Família Fabaceae Citada e conhecida tradicionalmente como família Leguminosae e que é subdividida em subfamílias. Encontra-se representada em todo o país por númerosos gêneros nativos ou introduzidos, anuais ou perenes, cujos portes vão desde o herbáceo, lianescente, subarbustivo, arbustivo a arbóreo. Muitas espécies são cultivadas por atender a alimentação humana e animal, especialmente por constituir-se no banco de proteínas vegetais. Espécies das subfamílias Papilionoideae e Mimosoideae apresentam associação com bactérias nitrificantes no sistema radicular. Dentre os gêneros invasivos destacam-se, principalmente, Senna, Aeschynomene, Crotalaria, Desmodium e Mimosa. A família pode ser caracterizada por apresentar folhas compostas bi ou trifoliadas, compostas penadas ou folhas recompostas, flores normalmente reunidas em cachos com corola zigomorfa, assimétrica ou actinomorfa conforme a subfamília e frutos do tipo legume com variações em craspédios, lomentos, sâmaras, entre outras. Família Fabaceae 266

139 Família Fabaceae Aeschynomene denticulata Rudd. N.V.: angiquinho, corticeirinha, maricazinho, paquinha, pinheirinho. Espécie subarbustiva anual que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil vegetando em áreas úmidas a alagadas ocupadas por lavouras anuais. Ocorre com frequência em margens e calhas de canais de irrigação e drenagem e áreas encharcadas desocupadas. Apresenta caule cilíndrico e ereto com ramificações abundantes a partir da base, coloração verde a avermelhada, partes jovens revestidas por longos pelos brancos, sendo glabro e com porções verrucosas nas partes velhas. Folhas compostas penadas e paripenadas, dispostas alternadamente e estando constituídas por curto pecíolo provido de um par de estípulas avermelhadas que se fixam na axila por meio da região mediana, permanecendo o ápice e a base livres. Raque transportando em média 25 a 30 pares de folíolos sésseis, opostos, oblongos com base assimétrica, ápice arredondado mucronado e margens finamente ciliadas. Inflorescência axilar do tipo cacho contendo normalmente 5 flores acompanhadas por brácteas e bracteolas estipuliformes, cujas margens se apresentam providas de dentículos e cílios. Flores pedunculadas, cálice com sépalas também de margens denticuladas, corola papilionoidea pentâmera com o vexílio orbicular, amarelado na base, róseo estriado de vermelho no ápice que é emarginado, androceu com 2 grupos de estames e gineceu unicarpelar. Fruto seco do tipo lomento levemente curvo. Pode ser identificada em campo por meio das brácteas que se apresentam com formato de estípulas cujas margens são denticuladas ciliadas, visíveis à vista desarmada. Propagação por meio de sementes

140 Família Fabaceae Aeschynomene fluminensis Vell. N.V.: cortiça. Espécie arbustiva, perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Norte e Sudeste do Brasil vegetando nos biomas Pantanal e Mata Atlântica onde ocupa campos inundáveis e áreas brejosas. Ocorre associada a gramíneas forrageiras, sendo também pastoreada. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule cilíndrico, ereto-retilíneo, vermelho-ferrugíneo e com ramificações laterais curtas em toda a sua extensão, sendo todo o conjunto revestido por pelos lanuginosos. Folhas alternadas, compostas penadas, cujo pecíolo engrossado e de coloração amarelada se revela parcialmente transformado em um púlvino, que tem a função de recolher os folíolos em número de 10 a 20 pares. Folíolos com formato oblongo de base levemente assimétrica e ápice pouco apiculado. Inflorescência axilar do tipo cacho contendo poucas flores. Flores com curto pedúnculo, cálice com 5 sépalas livres, corola com 5 pétalas também livres, sendo a pétala externa quase orbicular e com estrias vináceas, androceu com estames soldados e gineceu com ovário longo. Fruto do tipo lomento com 7 a 11 artículos ferrugíneos, verrucoso e cortiçado na maturação. Pode ser reconhecida em campo por meio do revestimento lanuginoso de caule e ramos, acrescentando-se ainda o púlvino amarelado e os artículos do fruto com superfície verrucosa e cortiçados, o que favorece a dispersão por meio da água. Propagação por meio de sementes

141 Família Fabaceae Aeschynomene rudis Benth N.V.: angiquinho, cortiça, maricazinho, paquinha, pinheirinho. Espécie subarbustiva a arbustiva, anual e que se desenvolve em todo o país vegetando em áreas úmidas alagadas ocupadas por lavouras anuais. Ocorre com frequência em margens e calhas de canais de irrigação e drenagem e em áreas encharcadas desocupadas. Apresenta caule ereto, cilíndrico, verde brilhante, lenticelado, grosso e ramificado a partir da base. Folhas compostas penadas, paripenadas dispostas de forma alternada helicoidal, estando constituídas por curto pecíolo provido de um par de estípulas caducas, frequentemente amareladas e que se fixam na axila por meio da região mediana, permanecendo o ápice e a base livres. Raque transportando em média 15 a 25 pares de folíolos sésseis, opostos, oblongos com base oblíqua assimétrica, ápice arredondado e margens inteiras. Inflorescência axilar do tipo cacho contendo normalmente 3 flores acompanhadas por brácteas e bracteolas ovaladas, levemente serreadas. Flores pedunculadas, cálice constituído por 5 sépalas, corola papilionoidea pentâmera com o vexílio orbicular amarelado, discretamente estriado de vermelho, androceu com 2 grupos de estames e gineceu unicarpelar. Fruto seco do tipo lomento ligeiramente curvo. Pode ser identificada em campo por meio das brácteas ovaladas, amareladas, caducas, cujas margens se apresentam serreadas. Propagação por meio de sementes

142 Família Fabaceae Calopogonium muconoides Desv. N.V.: amendoim selvagem, calopogônio, calopogônio índico, falso orá, marmelada de boi, orelha de onça. Espécie herbácea perene e que se desenvolve em todo o país vegetando normalmente consorciada com gramíneas como constituinte do banco de proteínas ou então ocupando áreas de lavouras anuais ou perenes. Ocorre com frequência em terrenos baldios, hortas, pomares e margens de rodovias. Apresenta caule amplamente ramificado, prostrado ou trepador volúvel, ramos achatados e revestidos por densa pilosidade ferrugínea. Folhas alternadas com pecíolo tomentoso, estipuladas e com o limbo composto trifoliado. Folíolo superior em formato ovalado de margem inteira e os inferiores assimétricos anisófilos, também com margem inteira, todos pubescentes em ambas as margens. Inflorescência axilar constituída por um fascículo de 3 a 5 flores. Flores com curto pedúnculo, cálice com 5 sépalas soldadas, corola papilionoidea azul-lilacina constituída por 5 pétalas livres, a externa denominada vexílio com formato orbicular, androceu com estames soldados e gineceu unicarpelar. Fruto seco do tipo legume reto, apiculado e revestido por pelos ferrugíneos. Pode ser identificada em campo por meio dos frutos que se apresentam recobertos por pelos ferrugíneos sendo as margens intensamente ciliadas. Propagação por meio de sementes

143 Família Fabaceae Chamaecrista conferta (Benth) H. S. Irwin & Barneby N.V.: empenada. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste e Sudeste do Brasil, em especial em áreas de cerrado, vegetando principalmente em áreas ocupadas por pastagens. A planta pode ser utilizada no paisagismo em função do porte e da beleza da florada. Apresenta caule ereto, verde com pigmentos avermelhados, pouco ramificado e muito enfolhado. Folhas alternadas, compostas com 2 pares de folíolos grandes, grossos e opostos. Folíolos lanceolados de margem inteira com pequena ponta no ápice. Flores isoladas, axilares, com longo pedúnculo, cálice com 5 sépalas desiguais, livres e de coloração amarelo-avermelhada, corola com 5 pétalas desiguais entre si, livres e amarelas. Androceu com estames livres e anteras bem desenvolvidas, gineceu com ovário longo. Fruto do tipo legume achatado. Propagação por meio de sementes

144 Família Fabaceae Chamaecrista desvauxii (Collad.) Killip. N.V.: empenada, mata-pasto. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolve nas regiões do litoral brasileiro, vegetando em áreas de pastagens, terrenos baldios e margens de rodovias. A planta pode ser recomendada para uso no paisagismo em especial a ornamentação de canteiros de rodovias, pois, além do porte adequado, a tonalidade das folhas permite a reflexão da luz à noite. Apresenta caule ramificado, ereto mas com os longos ramos curvados para baixo e praticamente encobertos pelas grandes estípulas foliáceas semelhantes aos folíolos. Folhas alternadas, compostas por 2 pares de folíolos sésseis, assimétricos, grossos, ceríceos, de margem inteira, ápice largo e nervuras que irradiam a partir da base. Flores isoladas, axilares, pedunculadas, cálice com 5 sépalas livres e desiguais de coloração verde-amarelada, corola com 5 pétalas livres e desiguais de coloração amarela. Androceu com estames livres e anteras bem desenvolvidas. Gineceu com ovário longo. Fruto do tipo legume achatado. Propagação por meio de sementes

145 Família Fabaceae Chamaecrista hispidula (Vahl) H. S. Irwin & Barneby N.V.: melosa, melosa da praia, mudubim brabo. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolve no bioma caatinga e ao longo do litoral brasileiro em áreas de solos arenosos e salinos onde vegeta associada a gramíneas, sendo inclusive aproveitada como forrageira. Recomendada para uso na prática de revegetação de áreas degradadas em função do porte adequado, ainda por exibir partes caulinares subterrâneas que, além de fixar as partículas de solos, contribuem para a garantia do desenvolvimento da planta em épocas desfavoráveis. Apresenta caule subterrâneo e porções aéreas rastejantes sendo as partes velhas lenhosas. Ramificação abundante e com superfície áspera estando revestida nas porções jovens por pelos viscosos. Folhas com curto pecíolo dispostas alternadamente e com o limbo composto por 4 folíolos coriáceos e ceríceos em formato largo-lanceolado, ovalado ou obovalado com manchas verde claro a avermelhadas e de margens inteiras. Inflorescência axilar do tipo cacho constituída por flores amareladas e avermelhadas dependendo do grau de envelhecimento. Flores pedunculadas, cálice com 5 sépalas coriáceas e livres, corola com 5 pétalas livres e desiguais entre si, androceu com estames livres e gineceu unicarpelar com ovário longo. Fruto do tipo legume piloso. Assemelha-se com Chamecrista desvauxii podendo ser diferenciada por meio do porte rastejante e dos folíolos que exibem manchas avermelhadas. Propagação por meio de sementes

146 Família Fabaceae Chamaecrista nictitans (L.) Moench N.V.: falsa dormideira, falsa sensitiva, mata-pasto, peninha. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve em todo o país, vegetando em todos os ambientes onde ocorrem atividades agropecuárias, como também ao longo de rodovias e terrenos baldios. Apresenta caule ereto, verde-acastanhado, ramificado na base, sendo os ramos de posição oblíqua. Folhas alternadas, compostas trifoliadas, curto-pecioladas, folíolos em número de até 20 pares, oblongos e com uma glândula inserida na base dos folíolos inferiores. Flores axilares, de coloração amarela, curtopedunculadas, cálice com 5 sépalas, corola com 5 pétalas um pouco desiguais entre si e livres, androceu com até 10 estames e gineceu com ovário longo e verde. Fruto do tipo legume achatado e deiscente. A espécie é muito parecida com Chamaecrista flexuosa, a principal diferença encontra-se no caule, a saber: C. nictitans apresenta caule reto ao passo que em C. flexuosa o caule forma desvios ou pequenas dobras ao longo dos nós. Propaga-se por meio de sementes

147 Família Fabaceae Chamaecrista orbiculata (Benth) H. S. Irwin & Barneby N.V.: moeda. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolve em regiões do cerrado brasileiro e campos rupestres, vegetando principalmente em áreas de pastagens e áreas desocupadas. A planta pode ser utilizada no paisagismo pelos atributos que oferece, tais como o porte, a textura das folhas e a beleza das flores. Apresenta caule principal e ramos de coloração avermelhada, enfolhado na porção inferior da planta. Folhas alternadas, compostas com 2 pares de folíolos sésseis e opostos, de consistência coriácea e de forma orbicular. Inflorescência terminal em longos cachos com poucas flores, eixos e pedúnculos florais avermelhados. Flores com cálice de 5 sépalas livres e desiguais entre si, de coloração amarelo-avermelhada, corola com 5 pétalas livres e desiguais entre si, de coloração amarela. Androceu com estames livres. Gineceu com ovário longo. Fruto do tipo legume achatado. Propagação por meio de sementes

148 Família Fabaceae Chamaecrista ramosa (Vogel) H. S. Irwin & Barneby N.V.: dormideira. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolve nas planícies litorâneas, incluindo restingas e zona de dunas. Possui potencial forrageiro quando instalada em meio a pastagens. Recomendada para revegetar áreas degradadas em função do porte e do rápido desenvolvimento, além de contribuir com a fertilidade dos solos destes ambientes. Recomendada ainda para uso no paisagismo pelo fato de exibir flores atrativas e com coloração diferenciada na mesma planta. Frequentemente vegeta conjuntamente com C. hispidula. Apresenta caule ereto ou prostrado, amplamente ramificado e com capacidade de originar raízes adventícias ao longo dos ramos em contato com o solo. Ramos cilíndricos de coloração verde a ferrugínea e ceríceos. Folhas alternadas curtamente pecioladas e providas de duas estípulas grandes em formato cordiforme. Limbo composto por 4 folíolos obovados a oblongos de consistência carnosa, glabros, ceríceos e com margens inteiras. Flores axilares, isoladas, constituídas por um longo pedúnculo o qual ultrapassa a altura das folhas, cálice com 5 sépalas livres e desiguais no tamanho de coloração amarelada, corola com 5 pétalas livres desiguais entre si e em tons de amarelo ou alaranjado na mesma planta, androceu com estames livres e muito poliníferos, gineceu unicarpelar com ovário longo. Fruto do tipo legume linear com coloração marrom na maturidade. Pode ser identificada em campo por meio da arquitetura da planta e também por exibir flores bicolores no mesmo ramo. Propagação por meio de sementes e fragmentação do caule

149 Família Fabaceae Chamaecrista rotundifolia (Pers.) Greene N.V.: acácia rasteira, alfafa nativa, coração, erva de coração, fedegoso, mata-pasto, pasto rasteiro. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve em todo o país vegetando em áreas cultivadas, pastagens, terras abandonadas, margens de rodovias, terrenos baldios, jardins, entre outros locais. Apresenta caule prostrado, muito ramificado, cujos ramos são ascendentes e de coloração verde, podendo apresentar pigmentação avermelhada a ferrugínea com revestimento de pelos longos e ásperos. Folhas alternadas helicoidais, curto-pecioladas e com o limbo composto por 2 folíolos sésseis, coriáceos e assimétricos da base ao ápice, que é arredondado, margens inteiras. Flores isoladas ou até 2 nas axilas das folhas, constituídas por longo pedúnculo, cálice com 5 sépalas livres amarelo-ferrugíneas, corola com 5 pétalas livres de coloração amarelada, sendo as pétalas diferentes entre si, androceu com 5 estames perfeitos de tamanho desigual, associados a estaminódios, gineceu unicarpelar com ovário longo. Fruto do tipo cápsula. Pode ser identificada em campo e diferenciada das demais espécies do gênero por meio da folha composta bifoliada cujos folíolos são assimétricos lateralmente. Propagação por meio de sementes

150 Família Fabaceae Crotalaria incana L. N.V.: chocalho, chocalho de cascavel, crotalária, guizo de cascavel, xique-xique. Espécie subarbustiva, anual e que se desenvolve em todo o país vegetando principalmente em áreas ocupadas por pastagens onde oferece algum perigo aos animais pelo fato de conter partes tóxicas. Apresenta caule verde, ramificado com manchas avermelhadas e pilosidade revelada pela cor branca. Folhas alternadas, compostas trifoliadas, folíolos obovados com peciólulos muito curtos e com pequena ponta nos ápices, folíolo terminal pouco mais curto do que o pecíolo da folha. Inflorescência terminal do tipo cacho, contendo flores hermafroditas, curto-pedunculadas, cálice com 5 sépalas, corola com 5 pétalas amarelas, sendo uma delas, a mais externa, totalmente diferente das demais e apresentando estrias avermelhadas. Androceu com 10 estames e gineceu com ovário alongado e verde. Fruto legume verde, piloso e inflado. Assemelha-se muito com C. pallida, que apresenta também folhas compostas trifoliadas com folíolos obovados, mas cujo ápice é emarginado ou com reentrância. Propagação por meio de sementes

151 Família Fabaceae Crotalaria lanceolata E. Mey. N.V.: crotalária, chocalho, chocalho de cascavel, guizo de cascavel, xique-xique. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil ocupando principalmente áreas de pastagens e barrancos onde houve tratamento de talude de corte, neste caso as sementes foram incorporadas ao coquetel utilizado para a recuperação vegetacional. Apresenta caule cilíndrico, verde e canaliculado. Folhas alternadas, compostas trifoliadas, folíolos linearlanceolados, mais claros na face inferior e com peciólulos muito curtos. Inflorescência terminal do tipo cacho com as flores inseridas espaçadamente. Flores com pedúnculos curtos, hermafroditas, cálice com 5 sépalas, corola com 5 pétalas amarelas, sendo uma delas, a mais externa, totalmente diferente das demais e apresentando estrias avermelhadas. Androceu com 10 estames, gineceu com ovário verde e longo. Fruto legume escuro, desprovido de pelos e inflado. As folhas compostas com folíolos longo-lanceolados diferencia esta espécie das demais crotalárias. Propagação por meio de sementes

152 Família Fabaceae Crotalaria micans Link N.V.: chocalho, chocalho de cascavel, crotalária, guizo de cascavel, xique-xique. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolve em todo o país ocupando áreas de pastagens onde é indesejável pelo fato de apresentar toxicidade. Plantas desta espécie também são frequentes em barrancos de rodovias ou de outras estruturas onde houve recuperação vegetacional utilizando-se um coquetel de sementes de gramíneas e leguminosas. Apresenta caule bastante ramificado, estriado, de coloração ferrugínea e com pilosidade. Folhas alternadas helicoidais, compostas trifoliadas, bicolores, sendo a face inferior mais clara, com pedúnculo que se iguala ao tamanho do folíolo terminal. Folíolos lanceolados terminados com apículo, o superior mais longo que os inferiores, todos curto-pedicelados. Inflorescência terminal em cacho com flores muito aglomeradas. Flores hermafroditas com pedúnculo curto e grosso, cálice com 5 sépalas, corola com 5 pétalas amarelas, sendo 1 delas totalmente diferente das demais por tamanho e forma, esta ainda apresenta pequenas máculas ferrugíneas. Androceu com 10 estames e gineceu com ovário verde e alongado. Flores da base da inflorescência podem apresentar corolas com coloração vermelho-alaranjada. Fruto legume inflado contendo no ápice uma projeção encurvada que é o estilete do carpelo. As folhas compostas trifoliadas com folíolos tipicamente lanceolados diferenciam esta espécie das demais crotalárias. Propagação por meio de sementes

153 Família Fabaceae Crotalaria pallida Aiton N.V.: cascaveleira, chocalho, chocalho de cascavel, crotalária, guiseiro, guizo de cascavel, maracá, matapasto branco, mata-pasto pé de pinto, xique-xique. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste e Sudeste do Brasil vegetando em terras abandonadas, margens de rodovias e áreas ocupadas por pastagens onde se torna inconveniente por encerrar princípios tóxicos. Ocasionalmente é cultivada para ser incorporada ao solo como adubo verde. Apresenta caule bastante ramificado desde a base, ramos cilíndricos e recobertos por indumento ceroso fornecendo à planta uma coloração verde pálida. Folhas alternadas helicoidais, longo-pecioladas e com o limbo composto trifoliado sendo os folíolos subsésseis. Os dois inferiores possuem formato obovalado com o ápice arredondado terminado em uma projeção mucronada e o superior em formato largo-lanceolado e também mucronado. Inflorescência terminal do tipo cacho constituída por flores inseridas em pares na base do eixo e isoladas no ápice. Flores pedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas, corola zigomorfa com 5 pétalas amareladas e livres, sendo a pétala externa denominada de vexílio, diferente das demais, tanto na forma quanto no tamanho, revelando ainda finas estrias de coloração marrom, androceu com estames soldados e gineceu unicarpelar com ovário longo. Fruto seco do tipo legume, verde e ceríceo na fase de desenvolvimento e ferrugíneo na maturação. Pode ser diferenciada das demais do mesmo gênero por meio da morfologia dos 2 folíolos basais, sempre com o ápice arredondado e mucronado, acrescentando-se ainda o indumento ceroso branco que reveste o caule, além de os frutos serem mais longos do que nas outras espécies. Propagação por meio de sementes

154 Família Fabaceae Crotalaria retusa L. N.V.: chocalho, chocalho de cascavel, crotalária, guizo de cascavel, xique-xique. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, vegetando em terras abandonadas, margens de rodovias e especialmente em áreas de pastagens onde passa a ser indesejável em função de a planta encerrar compostos tóxicos. Encontrada com frequência em taludes de corte de rodovias onde houve revegetação por meio de hidrossemeadura, utilizando-se coquetel de sementes de gramíneas e leguminosas. Apresenta caule verde, cilíndrico-anguloso, glabro e bastante ramificado. Folhas simples, alternadas helicoidais, curto-pecioladas, estipuladas, ceríceas e com o limbo em formato obovalado de margens inteiras e ápice com pequena reentrância. Inflorescência terminal do tipo cacho constituída por númerosas flores que se abrem de baixo para cima. Flores pedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas e persistentes nos frutos, corola com 5 pétalas livres, amareladas e estriadas de vermelho, a mais externa totalmente diferente das demais, tanto no tamanho quanto na forma, androceu com estames soldados e gineceu unicarpelar com ovário longo. Fruto seco do tipo legume inflado, amarelo-avermelhado na maturação e contendo númerosas sementes que se desprendem na maturação. Assemelha-se muito com C. spectabilis podendo ser diferenciada por meio da morfologia das folhas, que são obovaladas e com ápice emarginado, e ainda pela coloração dos frutos amarelo-avermelhados. Propagação por meio de sementes

155 Família Fabaceae Crotalaria spectabilis Roth. N.V.: cascavel, chocalho, chocalho de cascavel, crotalária, guizo de cascavel, xique-xique. Espécie subarbustiva, anual e que se desenvolve em todo o país ocupando principalmente áreas de pastagens onde se torna indesejável pelo fato de encerrar compostos tóxicos. Aparece com frequência em áreas que passaram por tratamento de recuperação vegetacional. Apresenta caule verde, canaliculado, pouco ramificado e com cerosidade. Folhas alternadas helicoidais, simples, espatuladas e com pecíolo muito curto. Inflorescência terminal do tipo cacho com as flores inseridas de forma alternada helicoidal. Flores hermafroditas, pedúnculo curto, cálice com 5 sépalas verdes, corola com 5 pétalas amarelas, sendo uma delas, a mais externa, totalmente diferente das demais, por tamanho e forma, esta ainda apresenta estrias avermelhadas na face externa. Androceu com 10 estames e gineceu com ovário verde e longo. Fruto legume inflado verde com pigmentação avermelhada em um dos lados, contendo no ápice uma projeção encurvada que representa o resto do estilete do carpelo. Na maturação os frutos adquirem coloração negra. Assemelha-se muito com C. retusa, que apresenta também folhas simples e limbo espatulado, mas cujo ápice se apresenta emarginado, ou seja, com leve reentrância. Propagação por meio de sementes

156 Família Fabaceae Desmodium incanum DC. N.V.: agarra-agarra, amores de vaqueiro, amores do campo, baba de boi, carrapicho, carrapicho beiço de boi, marmelada de cavalo, mata-pasto, pega-pega. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve em todo o país vegetando em áreas ocupadas por lavouras, áreas de pastagens, terrenos baldios e margens de rodovias. A inconveniência da planta é encontrada nos frutos que grudam nas roupas e nos pelos dos animais. Apresenta caule ereto, canaliculado, pouco decumbente, com pigmentação avermelhada e intenso indumento de pelos brancos. Folhas alternadas, compostas trifoliadas, pecioladas e com 2 estípulas parcialmente concrescidas. Folíolo superior oblongo ou lanceolado pouco diferente dos 2 inferiores, todos com curtos peciólulos e com margens inteiras. Inflorescência terminal do tipo cacho, constituída por flores róseas, em número de 2 a 4 por cada nó do eixo da inflorescência. Flores pedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas e persistentes no fruto, corola com 5 pétalas livres sendo a mais externa mais larga e com reentrância no ápice. Androceu com estames soldados e gineceu com um carpelo. Fruto do tipo lomento, uma variação do legume, com 4 a 6 segmentos que individualizam as sementes, formato plano comprimido com a borda superior reta e a inferior ondulada, terminado com apículo ligeiramente curvo e de superfície pilosa e pegajosa. Esta espécie assemelha-se a D. adscendens e D. uncinatum podendo ser diferenciada em campo utilizando-se as folhas e os frutos, a saber: em D. incanum folhas compostas trifoliadas com folíolos oblongos ou lanceolados e frutos do tipo lomento terminados em ponta ligeiramente curva. D. adscendens apresenta folhas compostas trifoliadas com folíolos quase orbiculares e os frutos apresentam ápice de ponta reta, já D. uncinatum possui folhas compostas trifoliadas com folíolos largo-lanceolados ou em forma de losango e os frutos terminam em ponta curva ou em forma de gancho. Propaga-se por meio de sementes

157 Família Fabaceae Desmodium tortuosum (Sw.) DC. N.V.: carrapicho, carrapicho beiço de boi, desmódio, pega-pega. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil, ocupando áreas cultivadas, áreas de pastagens, terras abandonadas, margens de rodovias e terrenos baldios. Apresenta caule cilíndrico, verde ou acastanhado, recoberto por esparsa pilosidade e ramificado desde a base. Folhas alternadas helicoidais, pecioladas, providas de um par de estípulas e com limbo composto trifoliado. Folíolos peciolulados de formato oblongo ou longo-romboidal com as faces pilosas e margens inteiras. Inflorescência terminal e nas axilas das últimas folhas do tipo cacho composto. Flores pedunculadas, cálice com 5 sépalas verdes, corola altamente zigomorfa constituída por 5 pétalas róseas, a mais externa totalmente diferente das demais. Androceu com estames soldados e gineceu unicarpelar com ovário longo. Fruto do tipo lomento, o qual é dividido em artículos arredondados e de bordas sinuosas. Esta espécie se diferencia de D. incanum por apresentar a inflorescência mais ampla e o lomento com bordos sinuosos. Propagação por meio de sementes

158 Família Fabaceae Indigofera hirsuta L. N.V.: anil, anileira, anil do pasto, anil da índia, anileira do pasto, anileira verdadeira, anil roxo, coá chica, mata-pasto preto. Espécie herbácea, de base lenhosa e cujos ramos são longos, ascendentes ou prostrados. Possui ciclo perene e que se desenvolve em todo o país ocupando áreas cultivadas, áreas de pastagens, terrenos baldios e margens de rodovias. O caule possui coloração verde nas partes jovens da planta, no entanto pode apresentar em toda a sua extensão pigmentação vermelho-ferrugínea, sendo todo recoberto por pelos longos, duros e grossos, e ásperos ao tato. Folhas alternadas helicoidais, com par de estípulas, compostas penadas e imparipenadas, constituídas normalmente por 2 a 3 pares de folíolos laterais e um terminal sempre mais desenvolvido. Folíolos de inserção oposta na raque da folha e com forma variada, lanceolados, ovalados, obovados e oblongos, com peciólulos curtos. Inflorescência do tipo cacho com longo eixo cilíndrico, situada nas axilas das folhas das porções terminais dos ramos. Os cachos sempre são maiores que as folhas. Flores númerosas inseridas ao redor do eixo e constituídas por um curto pedúnculo, cálice com 5 sépalas longas e estreitando no ápice, soldadas, corola com 5 pétalas livres, sendo a mais externa diferente das demais, tanto na forma quanto no tamanho e de coloração rósea intensa. Androceu constituído por estames soldados e gineceu com 1 carpelo de ovário longo. Fruto do tipo legume cilíndrico, verde, piloso, com apículo terminal e que passa a vermelho-ferrugíneo na maturação. Esta espécie pode ser facilmente identificada em campo por meio do desenvolvimento prostrado ou ascendente dos seus ramos e legumes retos. Propaga-se por meio de sementes

159 Família Fabaceae Indigofera suffruticosa Mill. N.V.: anil do campo, anileira, anileira da índia, anileira verdadeira, coá chica, caobi índigo, guajaná-timbó, índigo, indigueira, mata-pasto preto, naileiro, timbó-mirim, timbozinho. Espécie arbustiva, perene e que se desenvolve em todo o país vegetando principalmente em áreas ocupadas por pastagens onde se torna indesejável pelo fato de encerrar compostos tóxicos. Apresenta caule ereto, cilíndrico, verde, pouco ramificado e pouco piloso. Folhas alternadas helicoidais, estípulas, compostas penadas e imparipenadas, normalmente com 5 a 7 pares de folíolos laterais e um terminal. Folíolos de inserção oposta na raque da folha, curto-peciolulados, lanceolados, sendo o terminal quase sempre de forma obovada. Inflorescência axilar do tipo cacho, sendo estes sempre menores do que as folhas. Flores númerosas, inseridas ao redor do eixo da inflorescência, constituídas por um curto pedúnculo, cálice com 5 sépalas soldadas, corola com 5 pétalas livres, sendo a mais externa diferente das demais, tanto na forma quanto no tamanho e de coloração rósea clara. Androceu constituído por estames soldados e gineceu com 1 carpelo de ovário longo. Fruto do tipo legume cilíndrico, verde, encurvado e com apículo terminal. Esta espécie se assemelha muito com I. truxillensis, ambas apresentam as seguintes características diferenciais: I. suffruticosa apresenta caule ereto, folhas compostas penadas e imparipenadas, cujos folíolos são lanceolados e quase todos com o ápice obtuso, legumes curvos, já I. truxillensis também apresenta caule ereto, folhas compostas penadas e imparipenadas, cujos folíolos são lanceolados com ápice agudo, legumes também levemente encurvados. Propaga-se por meio de sementes

160 Família Fabaceae Indigofera truxillensis Kunth N.V.: anil, anileira, índigo. Espécie arbustiva, perene e que se desenvolve em todo o país ocupando principalmente áreas de pastagens, terrenos baldios e margens de rodovias. Fornece material tintorial para a indústria têxtil. Partes da planta são tóxicas para o gado, sendo sua presença em pastagens indesejável. Apresenta caule verde ou pigmentado de vermelho, cilíndrico, canaliculado, pouco ou nada ramificado desde a base. Folhas alternadas helicoidais, compostas penadas e imparipenadas, glabras e ceríceas. Folíolos em número de 17 a 19 por folha, peciolulados, opostos, de formato lanceolado com ápice agudo. Inflorescência axilar do tipo cacho, constituída por númerosas flores róseas de tamanho reduzido. Flores curto-pedunculadas, cálice com 5 sépalas, corola com 5 pétalas, a mais externa diferente das demais tanto em tamanho quanto na forma. Androceu constituído por estames soldados e gineceu unicarpelar com ovário longo. Fruto do tipo legume cilíndrico. Esta espécie se diferencia de I. suffruticosa por apresentar os folíolos lanceolados com ápice agudo e frutos retos e ligeiramente encurvados. Propagação por meio de sementes

161 Família Fabaceae Macroptilium atropurpureum (DC.) Urban N.V.: siratro, siratrus. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve em todo o país, sendo encontrada tanto em áreas cultivadas quanto em outros ambientes. Foi utilizada como forrageira, consorciada com gramíneas em complemento à alimentação animal, no entanto extrapolou os limites das pastagens e passou a ocupar áreas de cultivo, terrenos baldios, gramados e margens de rodovias. Apresenta caule cilíndrico, verde, piloso do tipo trepador volúvel ou desenvolve-se apoiado paralelo ao solo. Folhas alternadas, longo-pecioladas, providas de 2 estípulas e com limbo composto trifoliado, sendo os 2 folíolos inferiores bastante heterogêneos quanto à forma, dentro da mesma planta, normalmente possuem recortes. O folíolo superior possui forma ovalada. Inflorescência axilar do tipo cacho com poucas flores com pedúnculo curtíssimo ou ausente, cálice com 5 sépalas soldadas e desiguais, corola purpúrea com 5 pétalas livres sendo 1 delas mais externa e mais desenvolvida, totalmente diferente das demais. Fruto seco do tipo legume. Diferencia-se de M. lathyroides nos seguintes critérios básicos: porte e morfologia da folha, que em M. lathyroides se apresenta ereto ou levemente ascendente e com folhas compostas trifoliadas cujos folíolos são lanceolados. Propagação por meio de sementes

162 Família Fabaceae Medicago polymorpha L. N.V.: alfafinha, trevinho. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve na Região Sul do Brasil onde foi introduzida para atender a forragicultura, tornando-se subespontânea e ocupando áreas cultivadas, terras abandonadas, margens de rodovias, terrenos baldios, hortas e jardins. Apresenta caule prostrado com os ramos terminais ascendentes, porções velhas achatadas de cor de madeira e ramificações novas cilíndricas e esverdeadas. Folhas alternadas helicoidais, pecioladas e providas de um par de estípulas. Limbo composto trifoliado sendo os 2 folíolos inferiores desiguais e obovados, o superior longo ou largo-romboidal, glabros e todos com as margens disfarçadamente serreadas. Inflorescência axilar, uma por nó e do tipo umbeliforme constituída por um longo eixo. Flores curtíssimo-pedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas, corola com 5 pétalas de coloração amarela e livres, a pétala mais externa totalmente diferente das demais tanto pelo tamanho quanto pela forma. Fruto do tipo legume curto e arredondado lembrando uma drupa. A planta pode ser identificada em campo por meio da morfologia dos caules velhos e também por meio da morfologia dos frutos. Propagação por meio de sementes

163 Família Fabaceae Melilotus albus Medik N.V.: trevo cheiroso, trevo doce, trevo doce branco, trevo gigante da sibéria. Espécie herbácea, anual ou bianual que se desenvolve espontaneamente nas regiões Sudeste e Sul do Brasil, sendo em algumas áreas cultivada como planta apícola, para tanto sementes da espécie são comercializadas. Apresenta caule cilíndrico, verde claro e pouco ramificado. Folhas alternadas, pecioladas, providas de um par de estípulas, limbo composto trifoliado com os folíolos inferiores assimétricos ou lanceolados e o superior peciolulado e também de forma lanceolada. Inflorescência axilar do tipo cacho, constituída por númerosas flores inseridas ao redor do eixo. Flores com pedúnculo curtíssimo, cálice com 5 sépalas desiguais e soldadas, corola com 5 pétalas livres de coloração branca, sendo uma delas externa, cuja forma e tamanho diferem das demais. Androceu constituído por estames soldados e gineceu com ovário oblongo capaz de formar fruto do tipo núcula unisseminado. A planta pode ser reconhecida em campo por ser uma leguminosa com folhas compostas trifoliadas que exalam odor agradável ao serem maceradas. Propagação por meio de sementes

164 Família Fabaceae Mimosa candollei R. Grether N.V.: arranhadeira, dorme-dorme, dorme-maria, dormideira, juquiri, juquiri rasteiro, malícia, malícia das mulheres, malícia roxa, mimosa, morre-joão, vergonha. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolve nas regiões Norte e Nordeste vegetando em áreas úmidas ou ao longo da costa litorânea, onde forma populações consideráveis em função da facilidade na germinação das sementes. Apresenta caule quadrangular verde a avermelhado, lenhoso, bastante ramificado e revestido por estruturas espinescentes curvas. Folhas dispostas alternadamente com longo pecíolo também quadrático, espinescente e provido de púlvino na base com a função de recolher os foliólulos. Limbo recomposto ou bipinado com 2 ou 3 pares de folíolos opostos que transportam em média 16 a 18 pares de foliólulos. Foliólulos sésseis, pouco pilosos, em formato oblongo com o ápice levemente agudo e margens inteiras. Inflorescência axilar do tipo capituliforme globoso em número de 1 a 2 por axila. Flores sésseis, cálice constituído por 5 sépalas soldadas, corola rósea arroxeada ou lilacina com 5 pétalas também soldadas, androceu com 10 estames e gineceu unicarpelar com ovário longo. Fruto do tipo craspédio linear tetragonal de coloração castanha na maturação. Assemelha-se com M. pudica podendo ser diferenciada por meio do caule quadrático e glabro. Propagação por meio de sementes

165 Família Fabaceae Mimosa invisa Mart. N.V.: dorme-maria, dormideira, juquiri, juquiri rasteiro, malícia, malícia de mulher, sensitiva. Espécie subarbustiva com longos ramos escandentes ou com ramos prostrados, perene e que se desenvolve em todo o país como planta espontânea, podendo causar ferimentos em animais, quando ocorre em áreas de pastagens, em função das estruturas pontiagudas denominadas de acúleos que revestem toda a planta. Apresenta caule anguloso e estriado, de coloração verde e revestido por pilosidade e acúleos com as pontas direcionadas para baixo. Folhas alternadas, pecioladas e com capacidade de recolher os folíolos quando tocadas. Limbo recomposto constituído por raque aculeada, 5 a 7 pares de folíolos que transportam em média 15 foliólulos oblongo lineares. Inflorescência terminal constituída por cacho de capítulos. Tanto o eixo principal do cacho quanto os eixos secundários dos capítulos são aculeados. Capítulos constituídos por flores sésseis, cálice com 4 sépalas soldadas, corola tubulosa com 4 pétalas, androceu com 8 estames longos e muito exertos, gineceu com ovário longo. As pétalas e os estames possuem coloração rósea. Fruto seco do tipo craspédio com margens aculeadas. Propaga-se por meio de sementes

166 Família Fabaceae Mimosa pudica L. N.V.: arranhadeira, dorme-dorme, dormideira, dorme-maria, erva viva, juquiri rasteiro, malícia, malícia das mulheres, malícia de mulher, malícia roxa, morre-leão, não me toques, sensitiva, vergonha. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil vegetando em áreas cultivadas, pastagens, hortas, pomares, terrenos baldios, margens de rodovias, entre outros locais antropizados. Apresenta caule prostrado, muito ramificado, cujos ramos são longos, cilíndricos, verde a avermelhados e revestidos por densa pilosidade, acrescentando-se a presença de um par de acúleos junto das axilas das folhas e ocasionalmente um acúleo nos entrenós. Folhas alternadas, bipinadas ou recompostas, normalmente com 4 folíolos ou pinas, estando constituídas por longo pecíolo tomentoso, provido de um pulvínio na base com função de recolher os foliólulos. Folíolos ou pinas com curto peciólulo e pulvinados, os quais apresentam em média 18 a 20 pares de foliólulos opostos e de formato oblongo. Inflorescência globosa de coloração rósea, longo-pedunculada e em número de 1 a 3 por axila de folha. Flores númerosas, congestas e sésseis, cálice e corola com peças soldadas pouco visíveis, androceu com estames róseos, longos e exclusos e gineceu unicarpelar com estilete branco. Fruto seco do tipo craspédio que se fragmenta em artículos unisseminados, permanecendo na planta-mãe as bordas dos carpelos. Assemelha-se muito com M. candollei, que apresenta ramos quadráticos, glabros e com númerosos acúleos curvos em toda a extensão. Propagação por meio de sementes

167 Família Fabaceae Senna alata (L.) Roxb. N.V.: café, dartrial, fedegoso, fedegoso grande, mangerioba grande, mata-pasto. Espécie arbustiva, anual ou perene e que se desenvolve espontaneamente em todo o país instalando-se tanto em áreas cultivadas quanto em ambientes de pastagens. Aparece com frequência formando uma população densa em áreas ao longo de córregos, logo após o período das cheias. Apresenta caule ereto, bastante ramificado, cilíndrico e de coloração verde nas partes jovens. Folhas alternadas helicoidais, compostas penadas com bainha e pulvino bem desenvolvido na base da raque, a qual transporta em média 10 pares de folíolos oblongos, coriáceos, opostos e sésseis, podendo apresentar o ápice com pequena reentrância. Os folíolos do último par tendem para a forma obovada. Inflorescência terminal do tipo cacho constituída por flores curto-pedunculadas, cálice com 5 sépalas livres, corola com 5 pétalas livres, desiguais e de coloração amarela que protegem o androceu com estames livres e o gineceu unicarpelar com ovário longo e verde. Fruto do tipo legume deiscente e provido de 4 asas laterais, 2 delas mais desenvolvidas, contendo númerosas sementes negras. Esta espécie se diferencia das demais por apresentar os frutos com expansões aladas. Propaga-se por meio de sementes

168 Família Fabaceae Senna hirsuta (L.) H. S. Irwin & Barneby N.V.: feijão bravo amarelo, paramarioba, fedegoso peludo. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolve em todo o país ocupando áreas cultivadas, pastagens, terras abandonadas, margens de rodovias, entre outras áreas. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule cilíndrico canaliculado, verde ou com forte pigmentação avermelhada e ramificado desde a base. Folhas de disposição alternada helicoidal e providas de uma glândula nectarífera junto à base do pecíolo, que apresenta pilosidade hirsuta ou levemente áspera. Limbo composto penado e paripenado com raque também hirsuta transportando em média 5 pares de folíolos opostos. Folíolos em formato obovado e revestidos por pilosidade em ambas as faces e de margens inteiras. Inflorescência terminal e axilar constituída por um fascículo de 3 a 5 flores. Flores pedunculadas, cálice com 5 sépalas livres, corola com 5 pétalas amareladas também livres e desiguais entre si, androceu com estames livres de tamanhos diferentes e com anteras poricidas, gineceu unicarpelar e com ovário longo. Fruto do tipo legume linear. Assemelhase com Senna occidentalis, que possui pilosidade macia e fruto do tipo legume achatado. Propagação por meio de sementes

169 Família Fabaceae Senna obtusifolia (L.) H. S. Irwin & Barneby N.V.: fedegoso, fedegoso branco, mata-pasto, mata-pasto liso. Espécie subarbustiva, anual e que se desenvolve de forma espontânea em todo país ocupando áreas sob cultivo, pastagens, terrenos baldios e orlas de fragmentos florestais. Apresenta caule verde, levemente quadrático e bastante ramificado. Folhas alternadas helicoidais, compostas penadas, estipuladas e com bainha e pulvino bem desenvolvidos na base da raque, a qual transporta em média 3 pares de folíolos obovados, membranáceos, opostos e com curtos peciólulos. Todos sempre com o ápice em ângulo obtuso acrescido de uma pequena ponta estreita. Inflorescência terminal do tipo cacho e flores isoladas ou com pares nas axilas das folhas. Flores pedunculadas, cálice com 5 sépalas livres, corola com 5 pétalas livres, desiguais e de coloração amarela que protegem o androceu com estames livres e o gineceu unicarpelar com ovário longo e verde. Fruto do tipo legume deiscente, cilíndrico e encurvado contendo númerosas sementes esverdeadas ou acastanhadas. Esta espécie se diferencia das demais por apresentar a folha composta penada cujos folíolos são obovados, ou seja, possuem o ápice em ângulo arredondado ou obtuso. Propaga-se por meio de sementes

170 Família Fabaceae Senna occidentalis (L.) Link N.V.: fedegoso, fedegoso verdadeiro, lava-pratos, mamangá, manjerioba, mata-pasto, tararaçu, tarararubu. Espécie arbustiva, anual e que se desenvolve de forma espontânea em todo o país ocupando áreas sob cultivo, pastagens, terrenos baldios e orla de fragmentos florestais. Apresenta caule verde ou com pigmentação avermelhada, bastante ramificado, cilíndrico nas partes velhas e quadrático nas partes jovens da planta. Folhas alternadas helicoidais, compostas penadas, estipuladas e com bainha e pulvino bem desenvolvidos na base da raque, a qual transporta de 5 a 8 pares de folíolos lanceolados ou ovalados, membranáceos, opostos e com curtos peciólulos. Todos sempre com o ápice em ângulo agudo e com a base levemente assimétrica. Inflorescência terminal do tipo cacho e flores aos pares nas axilas das folhas. Flores pedunculadas, cálice com 5 sépalas livres, corola com 5 pétalas livres, desiguais e de coloração amarela que protegem o androceu com estames livres e o gineceu unicarpelar com ovário longo e verde. Fruto do tipo legume levemente encurvado e achatado contendo númerosas sementes acastanhadas. Assemelha-se com S. hirsuta, a qual apresenta folhas compostas penadas cujos folíolos são predominantemente ovalados e os frutos do tipo legume mais cilíndrico. Propaga-se por meio de sementes

171 Família Fabaceae Senna rizzini H. S. Irwin & Barneby N.V.: flor de besouro, flor de padre, folha de padre, lava-prato. Espécie arbustiva, perene e que se desenvolve na Região Nordeste, no bioma caatinga e nas áreas litorâneas na zona de dunas costeiras. Recomendada para uso no paisagismo em função dos atributos que oferece, quais sejam: porte adequado, flores atrativas, textura e singularidade das folhas. Apresenta caule lenhoso ramificado desde a base, cujos ramos são longos e pendentes, cilíndricos a ligeiramente quadráticos e glabros. Folhas de disposição alternada helicoidal, pecioladas, estipuladas, providas de glândulas nectaríferas junto da raque e com o limbo composto por 4 folíolos oblongos assimétricos, consistência coriácea, glabros e ceríceos. Inflorescência axilar do tipo cacho contendo poucas flores. Flores grandes e vistosas, pedunculadas, cálice com 5 sépalas oblongas, côncavas e de coloração verde-amarelada, corola com 5 pétalas amarelas, livres e desiguais, androceu com estames de filetes curtos, anteras longas e poricidas estriadas de vermelho, gineceu unicarpelar com ovário longo. Fruto do tipo legume pequeno e encurvado. Pode ser diferenciada das demais espécies do gênero por meio da morfologia da folha, que nas demais se apresentam compostas penadas com maior número de folíolos. Propagação por meio de sementes

172 Família Fabaceae Senna rugosa (G. Don) H. S. Irwin & Barneby N.V.: casiruba, raiz preta, sene, unha de boi. Espécie arbustiva, perene e que se desenvolve espontaneamente nas regiões Centro-Oeste e Sudeste do Brasil, especialmente em áreas de cerrado. As plantas são utilizadas na medicina popular. Consta da lista de plantas prioritárias para ações de recuperação deste bioma. Apresenta caule ereto, bastante ramificado, cilíndrico, verde nas porções mais jovens da planta, ferrugíneo nas porções mais velhas e recoberto por intenso indumento de pelos esbranquiçados. Folhas alternadas helicoidais, compostas penadas, pecíolo curtíssimo, raque transportando 2 pares de folíolos, assim distribuídos: o par inferior com folíolos oblongos, porém pouco assimétricos, e o par superior com folíolos obovados e também pouco assimétricos. Folíolos coriáceos, com sistema de nervação reticulada e de superfície rugosa. Inflorescência axilar e terminal do tipo cacho. Flores pedunculadas, cálice com 5 sépalas amareladas, livres, oblongas e côncavas, corola com 5 pétalas amarelas, livres, desiguais, oblongas e côncavas que protegem o androceu com estames livres cujas anteras são robustas e longas e o gineceu unicarpelar com ovário longo e verde. Fruto do tipo legume cilíndrico revestido por pelos negros quando maduros. Propaga-se por meio de sementes

173 Família Fabaceae Vicia sativa L. N.V.: avica, ervilhaca, viça. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, pois, trata-se de uma planta que foi introduzida no Brasil para atender a forragilcultura, no entanto escapou dos cultivos e passou a ocupar áreas destinadas a lavouras, terras abandonadas, margens de rodovias, entre outros locais. Apresenta caule trepador muito ramificado, verde, quadrangular ou cilíndrico-anguloso, esparsamente pubescente. Folhas alternadas, curto-pecioladas e providas de um par de estípulas. Limbo composto penado e paripenado constituído por 5 a 6 pares de folíolos sésseis, longo-lanceolados, ceríceos, glabros, ápice apiculado e margens disfarçadamente denteadas. O ápice da folha possui um folíolo transformado em gavinha trífida, mecanismo utilizado pela planta para fixação em diversos substratos. Flores isoladas axilares, ou raramente 2 por cada nó, constituídas por um curto pedúnculo, cálice com 5 sépalas soldadas com ápice acuminado, corola com 5 pétalas livres de coloração rósea, sendo a mais externa diferente das demais tanto na forma quanto no tamanho, androceu constituído por estames soldados e gineceu unicarpelar com ovário longo. Fruto seco do tipo legume achatado e apiculado. Pode ser diferenciada em campo por meio das folhas compostas, cujo folíolo terminal é transformado em gavinha trífida. Propagação por meio de sementes

174 Família Hypoxidaceae Família constituída por apenas dois gêneros nativos, quais sejam: Curculigo e Hypoxis. As espécies de Curculigo são cultivadas como ornamentais e Hypoxis decumbens assemelha-se a uma Cyperaceae, sendo considerada invasiva em quase todo o país. Apresentam caule subterrâneo do tipo bulbo, que cresce horizontalmente formando rizomas radiais. As partes aéreas representadas por folhas e escapos florais são originadas por meio do bulbo. Diferenciamse das Cyperaceae e das Poaceae por apresentar flores trímeras com coloração amarelada e os frutos são carnosos em Curculigo e capsulares em Hypoxis. Família Hypoxidaceae 338

175 Família Hypoxidaceae Hypoxis decumbens L. N.V.: grama-estrela, falsa tiririca, mariçó bravo, maririçó bravo, mariçó silvestre, tiririca de flor amarela. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve nas regiões Sudeste e Sul do Brasil vegetando preferencialmente em ambientes com altitude elevada e áreas úmidas, sombreadas ou não. Ocorre com frequência em pomares, hortas, jardins e terrenos baldios. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule subterrâneo do tipo bulbo engrossado, continuado por um rizoma carnoso e cilíndrico, os quais dão origem à parte aérea da planta representada pelas folhas rosetadas e pelo escapo contendo a inflorescência. Folhas sésseis com limbo em formato linear-lanceolado revestido por esparsos pelos finos e brancos, especialmente nas margens e sobre o sistema de nervação. Escapos em número de 1 a 8 por planta, mais curtos que as folhas, cilíndricos e pilosos, contendo também de 1 a 8 flores. Flores com curto pedúnculo ou sésseis, cálice com 3 sépalas livres, verdes e pilosas externamente e de coloração amarelada na face interna, persistentes no fruto, corola com 3 pétalas amarelas, androceu com 6 estames e gineceu tricarpelar. Fruto seco do tipo capsular. Assemelha-se com as espécies de Cyperus podendo ser diferenciada a partir do escapo cilíndrico e pelas flores periantadas. Propagação por meio de sementes e de fragmentação do rizoma

176 Família Lamiaceae Conhecida e referida algumas vezes como família Labiatae pelo fato de apresentar a corola bilabiada. Encontra-se representada em todo o país por gêneros nativos e introduzidos, cujos portes vão desde o herbáceo, ao arbustivo até o arbóreo. Muitos são invasivos, heliófitos e ocorrem em áreas ocupadas por agricultura ou pecuária, com destaque para Hyptis, Leonotis, Leonorus, Leucas e Marsypianthes. A família pode ser caracterizada por apresentar caules quadrangulares, folhas opostas cruzadas com o limbo simples ou recortado profundamente, como acontece em Leonorus, e flores com corola bilabiada, reunidas em cachos ou glomérulos sésseis ou pedunculados. Geralmente as espécies invasivas possuem frutos secos esquizocarpáceos. Família Lamiaceae

177 Família Lamiaceae Hyptis brevipes Poit. N.V.: fazendeiro, hortelã brava. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve em todo o país vegetando em ambientes secos ou úmidos de áreas ocupadas com lavouras ou pastagens. Apresenta caule ereto, quadrangular, piloso, de coloração verde com pigmentação castanha, ramificado na base e com os nós bem espaçados. Folhas opostas cruzadas, com pecíolo curto, limbo piloso, lanceolado e com margens serradas irregularmente. Inflorescência do tipo glomérulo globoso, normalmente uma para cada axila de folha, longo-pedunculadas, assentadas sobre um invólucro de númerosas brácteas verdes e desiguais. Glomérulo constituído por númerosas flores cujos cálices persistentes e com 5 sépalas verdes, desiguais e pontiagudas formam o arranjo adensado e globoso do glomérulo, corola tubulosa com 5 pétalas de coloração branca e de curta duração na inflorescência, carregando consigo os estames. Esta espécie é facilmente identificada em campo por apresentar a inflorescência do tipo glomérulo globoso e com aspecto espinescente. Assemelha-se com H. atrorubens, que possui inflorescência mais achatada quase umbeliforme e com aspecto não espinescente. Propagação por meio de sementes

178 Família Lamiaceae Hyptis lophanta Mart. ex. Benth. N.V.: catirina, fazendeiro, hortelã de espiga, hortelã. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país vegetando em áreas alteradas, principalmente áreas ocupadas com pastagens. Apresenta caule ereto, quadrangular, piloso, de coloração verde com pigmentação castanha, ramificado na base e com os nós bem espaçados. Folhas opostas cruzadas, pecioladas, limbo piloso e de forma lanceolado romboidal, ou seja, assemelha-se a um losango, com margens serradas. Inflorescência do tipo espiga axilar e terminal, em longo eixo. Espigas assentadas sobre brácteas foliáceas lanceoladas, constituídas por flores distribuídas ao redor do eixo em númerosos verticílios denominados de pseudoverticílios florais ou verticilastros. Flores com cálice tubuloso persistente e com 5 sépalas pontiagudas, corola também em tubo e com 5 pétalas lilacinas de curta duração na inflorescência, que carregam consigo os estames. Esta espécie se diferencia das outras do gênero por apresentar a inflorescência constituída por flores reunidas em verticílios congestos, ou seja, muito adensados. Propaga-se por meio de sementes

179 Família Lamiaceae Hyptis mutabilis (Rich.) Briq. N.V.: betônica, betônica brava, cheirosa, hortelã brava. Espécie subarbustiva, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil ocupando áreas cultivadas, terras abandonadas, muito frequente em áreas de pastagens. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule verde, quadrático, revestido por indumento de pelos quase invisíveis à vista desarmada, podendo ainda apresentar pequenos espinhos nos ângulos dos caule. Nós e entrenós bem espaçados e providos de um canalículo nas quatro faces. Folhas simples, opostas cruzadas, grossas a quase carnosas, pecioladas, limbo ovalado com margens serradas, revelando um nervo central reto, o qual origina nervos laterais que se bifurcam próximo da margem. Todas as partes da folha estão também revestidas por pelos brancacentos. Inflorescência terminal e axilar constituída por eixos opostos cruzados, os quais contêm númerosos fascículos de flores distribuídos da base ao ápice. Flores curtíssimo-pedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas de ápice denteado, corola rósea ou lilacina com 5 pétalas soldadas, formando 2 lábios que protegem o androceu com 5 estames e o gineceu bicarpelar. Fruto seco do tipo carcerulídeo. Esta espécie pode ser diferenciada de H. pectinata por meio da morfologia da folha, em especial a textura, sistema de nervação e ápice. Propagação por meio de sementes

180 Família Lamiaceae Hyptis suaveolens (L.) Poit N.V.: alfavaca de caboclo, alfavacão, alfazema brava, alfa de caboclo, bamburral, betônia branca, betônia brava, chá de frança, cheirosa, mentrasto do grande, mentrasto-guaçu, pataquera, sambacoite, são pedro coá. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo território nacional vegetando em áreas cultivadas e com muita frequência em áreas de pastagens e margens de rodovias. Apresenta caule ereto, quadrangular, piloso, de coloração verde, mas com pigmentação castanhoavermelhada, bastante ramificado e com os nós bem espaçados. Folhas opostas cruzadas, pecíolo curto, limbo piloso e de formato ovalado com margens irregularmente serradas. Inflorescência constituída por fascículos com até 20 flores localizadas ao redor dos nós e junto das axilas de folhas. Flores pedunculadas, cálice tubuloso persistente e com 5 sépalas pontiagudas, corola também em tubo e com 5 pétalas lilacinas e com os lobos evidentes, de curta duração na inflorescência e que carrega consigo os estames. Esta espécie pode ser facilmente identificada em campo por meio da inflorescência do tipo fascículo de flores reunido ao redor do caule tetrágono, cujos cálices apresentam-se muito pontiagudos, quase espinescentes, e por serem persistentes na planta assumem uma coloração paleácea na maturidade. Propaga-se por meio de sementes

181 Família Lamiaceae Leonotis nepetifolia (L.) W. T. Aiton N.V.: cauda de leão, coração de frade, coração de frade verdadeiro, cordão de frade, cordão de são franscico, coindiba, pau de praga, rubim, rubim de bola, tolomba. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país ocupando áreas cultivadas por pastagens, terras abandonadas e margens de rodovias. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule ereto, verde, quadrangular, canaliculado, cujos canalículos possuem linhas com tom verde escuro bem visíveis e estando revestidos por indumento de pelos quase invisíveis à vista desarmada, pouco ramificado na porção superior da planta, onde os internódios são mais desenvolvidos. Folhas opostas cruzadas, longo-pecioladas, inclinadas para a base. Limbo com formato ovalado para as folhas situadas junto dos nós e lanceolado para as situadas junto das inflorescências, ambas com margens serradas. Inflorescência do tipo glomérulo, localizado ao redor do caule na porção superior da planta, caracterizado por apresentar flores desprovidas de pedúnculo, muito próximas entre si, aglomeradas de configuração mais ou menos globosa, cujo cálice é persistente, resistente e na maturação paleáceo. Flores númerosas, cálice com tubo ligeiramente curvo, constituído por sépalas soldadas, corola alaranjada, também com tubo ligeiramente curvo e de forma bilabiada, estando o lábio inferior constituído por 3 lobos e o lábio superior com um lobo côncavo. Androceu com 4 estames e gineceu com estigma bífido. Fruto seco de coloração castanha na maturação. A planta pode ser facilmente identificada em campo por meio dos grandes glomérulos espinescentes que circundam os nós caulinares. Propagação por meio de sementes

182 Família Lamiaceae Leonurus sibiricus L. N.V.: chá de frade, cordão de são franscisco, erva das lavadeiras, erva do santo filho, erva dos zangões, erva macaé, lavanderia, lavantina, marroio, pau pra tudo, quinino dos pobres, rubim. Espécie herbácea, anual ou bianual e que se desenvolve em todo o país ocupando áreas cultivadas, áreas de pastagens, terrenos baldios e margens de rodovias. Partes da planta são amplamente utilizadas na medicina popular. Apresenta caule ereto, verde, quadrangular, canaliculado, cujos canalículos possuem uma tonalidade verde escura e estando revestido por indumento de pelos quase invisíveis à vista desarmada, pouco ramificado na porção superior da planta. Folhas opostas cruzadas, as da base longo-pecioladas e inclinadas para baixo. Limbo profundamente recortado em plantas mais velhas. Inflorescência do tipo glomérulo, localizados ao redor do caule na porção superior da planta, caracterizado por apresentar flores desprovidas de pedúnculo, muito próximas entre si, aglomeradas, de configuração mais ou menos globosa, cujo cálice é persistente, resistente e na maturação paleáceo. Flores númerosas, cálice com tubo ligeiramente curvo, constituído por 5 sépalas soldadas, corola róseo-lilacina também com tubo ligeiramente curvo e de forma bilabiada, estando o lábio inferior constituído por 3 lobos e o lábio superior com um lobo côncavo. Androceu com 4 estames e gineceu com estigma bífido. Fruto seco e de coloração escura na maturação. A espécie pode ser reconhecida em campo por meio das folhas altamente recortadas e cromáticas e pelos glomérulos mais laxos. Propagação por meio de sementes

183 Família Lamiaceae Leucas martinicensis (Jacq.) W. T. Aiton N.V.: falsa menta, hortelã, mentinha. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste e Sudeste do Brasil, especialmente em cerrados, onde ocupa áreas cultivadas, áreas de pastagens, margens de rodovias e terrenos baldios. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule ereto, pouco ramificado, verde, quadrangular, anguloso, cujos ângulos possuem uma tonalidade verde escura e estando revestido por indumento de pelos quase invisíveis à vista desarmada. Folhas opostas cruzadas, revestidas por indumento de pelos, as da base com curto pecíolo e as superiores sésseis. Limbo de forma lanceolada com margens regularmente serradas. Inflorescência do tipo glomérulo, localizado ao redor do caule na porção superior da planta, assentado sobre brácteas lineares e caracterizado por apresentar flores desprovidas de pedúnculo, muito próximas entre si, aglomeradas, de configuração mais ou menos globosa, cujo cálice é persistente, resistente e na maturação paleáceo. Flores númerosas, cálice com tubo ligeiramente curvo, constituído por 5 sépalas soldadas, corola também com tubo ligeiramente curvo, visivelmente bilabiada de cor branca. Androceu e gineceu inclusos. Fruto seco de coloração castanha na maturidade. Assemelha-se com Leonotis nepetifolia podendo ser diferenciada por apresentar folhas lanceoladas e glomérulos menores constituídos por flores de coloração branca. Propagação por meio de sementes

184 Família Lamiaceae Marsypianthes chamaedrys (Vahl) Kuntze N.V.: alfavaca, alfavaca de cheiro, betônica brava, coração de frade, erva de cabra, erva de paracari, hortelã do campo, rabugem de cachorro, vassoura. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país ocupando áreas cultivadas, áreas de pastagens, áreas desocupadas, terrenos baldios e margens de rodovias. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule ereto ou pouco decumbente, quadrangular, sendo os ângulos mais visíveis nos ramos novos, revestido por pilosidade branca, de coloração verde, podendo apresentar discreta pigmentação castanha, ramificado na base e com os nós bem espaçados. Folhas opostas cruzadas, pecioladas, limbo piloso e de formato ovalado com margens regularmente serradas logo acima da base e chegando até o ápice. Inflorescência semelhante a um capítulo, uma para cada par de folhas, com eixo pouco maior que o pecíolo da folha, o qual se bifurca no ápice, originando dois conjuntos de flores que se abrem do centro para a periferia. Os conjuntos assentam-se sobre brácteas foliáceas com diferentes formas e tamanhos. Flores vistosas constituídas por cálice com 5 sépalas soldadas e que não terminam em ponta rígida, corola lilacina com 5 pétalas soldadas, cujos lobos são desiguais, de curta duração na inflorescência, e que carregam consigo os estames. A espécie pode ser reconhecida em campo por apresentar caule quadrático e inflorescência capituliforme distribuída sempre de um só lado do ramo. Propaga-se por meio de sementes

185 Família Malvaceae Encontra-se representada em todo o país por espécies anuais ou perenes com porte variando do herbáceo ao arbóreo. Os gêneros Corchorus, Malachra, Malvastrum, Melochia, Peltaea, Sida, Sidastrum e Triumfetta são considerados invasivos em áreas agrícolas e pastagens. Geralmente possuem folhas alternadas providas de estípulas e limbo simples com margens inteiras a serreadas ou então com profundos recortes. Flores isoladas ou reunidas em inflorescências axilares e terminais. Apresentam cálice e corola pentâmeros e frequentemente uma estrutura denominada calículo, semelhante ao cálice e localizada abaixo dele. O androceu fornece características importantes e de cunho diferencial dentro da família, normalmente os estames se apresentam soldados na base, em grande ou pequena extensão, ou estames soldados em tubo. Gineceu com dois a muitos carpelos. Os frutos são carnosos do tipo bacoide ou drupoide. Em geral nas espécies invasivas são secos capsulares ou esquizocarpáceos, providos de estruturas aderentes ao corpo dos animais para facilitar a dispersão. Família Malvaceae 360

186 Família Malvaceae Malvastrum coromandelianum (L.) Garcke N.V.: guaxima, guaxuma, guanxuma, malvastro, vassoura. Espécie subarbustiva, anual ou perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil como planta espontânea, ocorrendo em áreas cultivadas, pastagens, áreas abandonadas e margens de rodovias. Os ramos da planta são muito utilizados como vassoura no meio rural. Apresenta caule cilíndrico, verde ou avermelhado, ramificado, resistente e recoberto por pilosidade branca. Folhas alternadas helicoidais, longo-pecioladas, providas de 2 estípulas, pilosas, limbo lanceolado com margens inteiras na base e serradas em direção ao ápice. Flores reunidas em fascículos de até 6 por axila ou isoladas, pedunculadas, providas de brácteas do tipo calículo situado sob o cálice, o qual está constituído por 5 sépalas soldadas, persistentes no fruto e de ápice estreitado, corola com 5 pétalas pouco soldadas de coloração amarelada. Androceu formado por númerosos estames soldados parcialmente formando uma coluna que abriga partes do gineceu, deixando o estigma ramificado à mostra. Fruto seco do tipo esquizocarpo que se separa na maturação em unidades denominadas mericarpos. Esta espécie se diferencia de outras do mesmo gênero ou das espécies de Sida e Sidastrum por apresentar os mericarpos em forma de meia-lua acrescidos de uma longa arista acompanhada por uma série de pelos. A espécie que mais se assemelha a esta é a Sida cordifolia, a qual apresenta sempre a folha com base cordiforme, já nesta a base da folha é sempre em forma de cunha. Propaga-se por meio de sementes

187 Família Malvaceae Sida acuta Burm. f. N.V.: guaxima, guaxuma, guanxuma, malva baixa, malva brava, relógio de vaqueiro, relógio-vassoura, vassoura preta, vassourinha, vassoura tupitixá, tupitixá, tupixá. Espécie subarbustiva perene que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil vegetando em áreas antropizadas. Partes da planta são utilizadas na medicina popular e os ramos, cortados em igual tamanho após amarração, são usados no meio rural como vassouras para terreiros. Apresenta caule cilíndrico, lenhoso e com ramos persistentes, dispostos disticamente. Folhas simples, curto-pecioladas, providas de duas estípulas desiguais e inseridas de forma alternada dística ao longo dos ramos. Limbo lanceolado ou ovalado, glabro na face superior e levemente piloso na dorsal, margens finamente serreadas em quase toda a extensão, excetuando-se a região basal da folha. Flores isoladas nas axilas das folhas ou agrupadas em fascículos em número de 2 a 10, todas pedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas na base e persistentes no fruto, corola amarelada contendo 5 pétalas também soldadas, androceu com númerosos estames soldados pelos filetes formando um tubo, gineceu frequentemente com 5 ou até 8 carpelos unidos. Fruto seco do tipo esquizocarpáceo contendo de 5 a 8 carpídios ou mericarpos biaristados no ápice. Pode ser identificada em campo por meio da disposição alternada dística de ramos e folhas, acrescentando-se ainda a forma arredondada e dobrada do pecíolo, em sua face dorsal e no ponto de união com o limbo. Propagação por meio de sementes

188 Família Malvaceae Sida cordifolia L. N.V.: guaxima, guaximba, guaxuma, guanxuma branca, malva, malva branca, malva-veludo, vassoura, vassourinha, vassourinha alegre. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolve em todo o país instalando-se em áreas cultivadas, pastagens, áreas abandonadas e terrenos baldios. A casca do caule é utilizada no meio rural para a confecção de embiras, substituindo cordas para o amarrio de pequenos feixes. Apresenta caule cilíndrico, bastante ramificado, verde, recoberto por pilosidade branca ou com pigmentação vermelho-ferrugínea também revestido de pelos. Folhas alternadas helicoidais com longos pecíolos canaliculados, pilosas e providas de um par de estípulas lineares. Limbo com as duas faces pilosas e base sempre cordiforme, possuindo as seguintes formas: cordiforme típico, ovalado de ápice agudo ou obtuso; quase orbicular com ápice lobado e ate assimétrico. A margem apresenta-se ondulada ou serrada desde o ponto de inserção do pecíolo. Inflorescência axilar e terminal do tipo corimbo. Os corimbos terminais possuem maior número de flores. Flores com pedúnculos de tamanhos diferentes, cálice com 5 sépalas soldadas, corola amarelada ou alaranjada com 5 pétalas diferentes e soldadas parcialmente formando um tubo, garganta da corola em anel avermelhado ou amarelo mais escuro para as flores mais claras. Androceu com estames soldados e gineceu com estigma dividido conforme o número de locúlos do ovário. Fruto seco do tipo esquizocarpo, que se separa ao esfregaço e em muitos mericarpos, cada um com 2 longas aristas com pelos voltados para a base. Pode ser diferenciada das demais do gênero por apresentar limbo com a base sempre cordata, pecíolo canaliculado, desprovido de púlvino, margem ondulada ou serrada em toda extensão. Propaga-se por meio de sementes

189 Família Malvaceae Sida glaziovii K. Schum. N.V.: guaxima, guaxuma, guaxuma branca, malva guaxima. Espécie subarbustiva, perene ereta ou podendo prostrar os ramos. Desenvolve-se em todo o país, instalando-se em áreas cultivadas, pastagens, terrenos baldios e margens de estradas. Apresenta caule cilíndrico, verde ou de coloração ferrugínea e recoberto por pilosidade branca. Folhas alternadas helicoidais, curto-pecioladas, providas de um par de estípulas lineares e longas e de um púlvino na junção do limbo com o pecíolo. O púlvino é uma estrutura engrossada do ápice do pecíolo e funciona no recolhimento da folha em resposta à luminosidade. Limbo com as duas faces pilosas e de formato lanceolado, ovalado, obovalado até em forma de losango, sendo as margens inteiras próximas da base, e onduladas ou serradas em direção ao ápice. Inflorescência axilar e terminal do tipo corimbo. Os corimbos terminais apresenta maior número de flores. Flores com pedúnculos de tamanhos diferentes, cálice com 5 sépalas soldadas, corola na cor amarelo claro constituída por 5 pétalas parcialmente soldadas formando um tubo, garganta da corola em anel avermelhado. Androceu com estames soldados e gineceu com estigma dividido conforme o número de lóculos do ovário. Fruto seco do tipo esquizocarpo, que se separa ao esfregaço em muitos mericarpos, cada um com 2 pequenas aristas semelhantes a orelhas pilosas. Pode ser diferenciada das demais espécies por apresentar heterofilia, mas as folhas apresentam o limbo sempre com a base atenuada, margem inteira da porção mediana em direção à base e serradas ou onduladas em direção ao ápice. Pecíolo sempre com púlvino no ápice. Propagação por meio de sementes

190 Família Malvaceae Sida rhombifolia L. N.V.: guaxima, guaxuma, guaxuma preta, guaxumba, malva, malva preta, mata-pasto, relógio, vassoura, vassourinha, vassourinha do campo, tupitixa. Espécie subarbustiva, perene, ereta ou podendo prostrar os ramos. Desenvolve-se em todo o país, instalando-se em todos os ambientes antropizados. Apresenta o caule cilíndrico, verde e recoberto por esparsa pilosidade nas partes jovens, avermelhado e glabro nas partes velhas da planta. Folhas alternadas helicoidais, com pecíolo curtíssimo e providas de um par de estípulas capiláceas. Limbo possuindo a face inferior pouco pilosa e com formato de losango largo ou estreitado, sendo a base de margem inteira e a partir de maior largura do limbo em direção ao ápice com margem serrada. Inflorescência terminal do tipo corimbo e axilar com flores isoladas. Flores com longo pedúnculo articulado e que pode separar, restando na planta-mãe a parte inferior do artículo, cálice com 5 sépalas soldadas, corola amarelada com 5 pétalas soldadas parcialmente formando um tubo, garganta da corola e fundo do tubo em tons de amarelo mais escuro ou alaranjado. Androceu com estames soldados e gineceu com estigma dividido conforme número de lóculos do ovário. Fruto seco do tipo esquizocarpo que se separa ao esfregaço em muitos mericarpos, cada um com 2 aristas largas semelhantes a orelhas pilosas. Pode ser diferenciada das demais espécies do gênero por apresentar o limbo em forma de losango largo ou estreitado, pecíolo muito curto, margem inteira da porção mais larga da folha em direção à base e serrada em direção ao ápice. Pedúnculos florais com artículo que pode separar-se em duas metades. Propagação por meio de sementes

191 Família Malvaceae Sida spinosa L. N.V.: guaxima, guaximba, guaxuma, guaxuma de espinho, malva lacenta, malvinha, vassourinha de relógio, zunzo. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolve espontaneamente em todo o país instalando-se em áreas cultivadas, pastagens, terrenos baldios e margens de rodovias. Apresenta caule cilíndrico, de base pouco pilosa, no entanto mais abundante da região caulinar mediana em direção ao ápice. Folhas alternadas helicoidais, pecioladas, providas de um par de estípulas de tamanho maior ou quase o mesmo tamanho dos pecíolos. Limbo oblongo em toda a extensão da planta ou apenas na parte superior, com margens serradas em toda a extensão, ápice e base do limbo em ângulo obtuso, ou arredondado, podendo ocorrer ápice agudo e base obtusa. Inflorescência terminal do tipo corimbo e flores isoladas axilares. Flores com pedúnculos de tamanhos diferentes, cálice com 5 sépalas soldadas, corola amarelada com 5 pétalas desiguais e soldadas parcialmente formando um tubo, garganta da corola e fundo do tubo amarelo mais escuro. Androceu com estames soldados e gineceu com estigma dividido conforme o número de lóculos do ovário. Fruto seco do tipo esquizocarpo, que se separa ao esfregaço em mericarpos oblongos reticulados, cada um com 2 longas aristas divergentes e pilosas. Pode ser diferenciada das demais espécies do gênero por apresentar limbo oblongo em toda a planta ou apenas na porção superior e com margem serrada em toda a extensão, base e ápice arredondados ou base arredondada e ápice agudo. Propaga-se por meio de sementes

192 Família Malvaceae Sidastrum micranthum (St.-Hil.) Fryxell N.V.: falsa-guaxima, guaximba, guaxuma, guanxuma, malva preta, malvisco, malvona. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolve de forma espontânea em todo o país. Instala-se em áreas cultivadas e em áreas de pastagens formando populações densas. Apresenta caule cilíndrico, verde, revestido por pilosidade branca áspera ao tato, pouco ramificado, normalmente formando ramos retilíneos. Folhas alternadas helicoidais, com pecíolos variando no tamanho, sendo maiores nas folhas basais. Limbo de base cordata e com formato variado, cordiforme típico, ovalado, quase orbicular e até lobado com recortes pouco profundos, cujas margens são onduladas ou serradas regularmente. Todas as partes das folhas se apresentam recobertas por pelos. Inflorescência axilar e terminal corimbiforme, caracterizada por apresentar verticílios de flores com pedúnculos de tamanhos diferentes assentados em vários planos sobre eixos da inflorescência. Flores reduzidíssimas e com pedúnculos diferenciados no tamanho, cálice com 5 sépalas soldadas, corola amarelada com 5 pétalas soldadas formando um tubo que protege o androceu com estames parcialmente soldados e o gineceu com 5 estigmas. Fruto seco do tipo esquizocarpo que se separa ao esfregaço em 5 mericarpos convexos em um lado, retos no outro e com 2 pequenas aristas paralelas. Pode ser reconhecida em campo por meio das folhas, com predomínio da forma cordiforme típica, sempre com base cordata até para as demais formas que a planta exibe. Propaga-se por meio de sementes

193 Família Malvaceae Triumfetta rhomboidea Jacq. N.V.: amor do campo, barba de boi, carrapichão, carrapicho, carrapicho de calçada, carrapicho redondo. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil instalando-se em áreas de pastagens, áreas cultivadas, terrenos baldios e margens de rodovias. Apresenta caule ereto, lenhoso nas partes velhas, muito ramificado e de coloração ferrugínea. Folhas alternadas, pecioladas, curto-estipuladas e pubescentes. Limbo polimórfico na mesma planta, predominando folhas com limbo ovalado de ápice trilobado e nas pontas dos ramos folhas com limbo romboidal ou em forma de losango com margens serradas. Inflorescência axilar do tipo cacho, localizada de forma oposta às folhas e distribuída ao longo dos ramos. Flores com pedúnculo curto, cálice com 5 sépalas avermelhadas, livres e do tamanho maior que as pétalas, corola com 5 pétalas amareladas que protegem o androceu com númerosos estames e o gineceu com estigma bífido. Fruto seco do tipo nuculânio. Propaga-se por meio de sementes. Esta espécie também aparece descrita em outras obras com a designação de T. bartramia e diferencia-se de T. semitriloba por apresentar o ápice das primeiras estruturas serrado na margem das folhas desprovidas de nectários

194 Família Malvaceae Triumfetta semitriloba Jacq. N.V.: carrapichão, carrapicho, carrapicho de calçada, carrapicho de boi, carrapicho de linho, guanxuma, juta nacional. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil instalando-se em áreas de pastagens, áreas cultivadas, terrenos baldios e margens de rodovias. Apresenta caule ereto, lenhoso nas partes velhas, cilíndrico, muito ramificado e de coloração ferrugínea. Folhas alternadas, pecioladas, curto-estipuladas e pubescentes. Limbo polimórfico na mesma planta, predominado as formas largo-lanceoladas e ovaladas de ápice trilobado, margens da folha serradas, sendo que no ápice das primeiras 3 a 5 serras da base da folha e em ambas as margens se localizam nectários, caracterizados por terem coloração mais escura e formato oblongo à vista desarmada. Inflorescência axilar do tipo cacho, localizada de forma oposta às folhas e distribuída ao longo dos ramos. Flores com pedúnculo curto, cálice com 5 sépalas avermelhadas, livres e do tamanho das pétalas, corola com 5 pétalas amareladas que protegem o androceu com númerosos estames e o gineceu. A presença de glândulas nectaríferas, extraflorais, situadas nas margens da base das folhas, identifica esta espécie. Fruto seco do tipo nuculânio. Propaga-se por meio de sementes

195 Família Malvaceae Waltheria indica L. N.V.: falsa guanxuma, falsa guaxuma, guanxuma branca, guaxuma branca, malva branca, malva branca de santarém, malva sedosa, malva-veludo. Espécie herbácea, perene e que desenvolve-se em todo o país ocupando áreas cultivadas, pastagens, áreas abandonadas, terrenos baldios, entre outros locais. Partes da planta são utilizadas na medicina empírica. Apresenta caule cilíndrico, verde, ramificado desde a base e revestido por um indumento de pelos lanuginosos. Folhas alternadas helicoidais, também recobertas por pilosidade semelhante à do caule, pecioladas, providas com 1 par de estípulas e com o limbo polimórfico, podendo ser ovalado ou lanceolado ou oblongo. Inflorescência axilar e terminal do tipo glomérulo. Glomérulos sésseis, pegajosos, assentados sobre os ramos ou no ápice de eixos originados nas axilas das folhas, bracteados e constituídos por númerosas flores. Flores com cálice de 5 sépalas soldadas, corola com 5 pétalas parcialmente soldadas e de coloração amarelada, androceu com 5 estames e gineceu gamocarpelar. Fruto seco do tipo cápsula. Esta espécie pode ser diferenciada de W. douradinha por apresentar folhas pecioladas e inflorescências distribuídas regularmente ao longo dos ramos. Propaga-se por meio de sementes

196 Família Molluginaceae Representada no Brasil por 3 gêneros considerados invasivos em diversos biomas com áreas alteradas. Mollugo é o gênero mais conhecido. Geralmente apresentam porte herbáceo, à exceção de Glischrothamnus. Folhas simples, alternadas, opostas ou verticiladas com o limbo linear-lanceolado a obovalado. Flores pequenas, actinomorfas, mono ou diperiantadas e hermafroditas, reunidas em fascículos nas axilas das folhas. Em geral os frutos são capsulares. Família Molluginaceae 382

197 Família Molluginaceae Mollugo verticillata L. N.V.: agrião, cabelo de guia, capim-tapete, mofungo, molungo. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país ocupando áreas cultivadas, terrenos baldios, margens de rodovias e outros locais perturbados, onde forma um amplo tapete. Aprece com muita frequência em hortas e jardins. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule aéreo ou caule prostrado com ramos ascendentes, ramificado amplamente e dicotomicamente desde a base. Possui coloração verde, glabro e superfície redonda um pouco angulosa abaixo dos nós, os quais são mais grossos e achatados. Folhas simples, verticiladas em número de 4 a 8 por nó, sésseis, glabras e com o limbo em formato espatulado com uma nervura central proeminente e margens inteiras. Flores isoladas de 1 até 5, pedunculadas, localizadas nas axilas da folhas e constituídas por uma corola com 5 pétalas livres, brancas com linhas verde externamente, androceu com 3 estames e gineceu tricarpelar. Fruto cápsula contendo númerosas sementes. Pode ser reconhecida em campo por meio da dicotomia dos ramos acrescentando-se também a presença das folhas verticiladas. Propagação por meio de sementes

198 Família Nyctaginaceae Encontra-se representada em todo o país por gêneros nativos. Boerhavia é um gênero introduzido acidentalmente que estabeleceu populações, sendo considerado invasivo. Apresentam porte variável, do herbáceo ao arbóreo, folhas alternadas ou opostas com o limbo simples lanceolado ou ovalado. Flores monoperiantadas com as peças soldadas em maior ou menor extensão, actinomorfas e hermafroditas. Às vezes as flores são protegidas por brácteas grandes e vistosas. A maioria das espécies possui frutos com acessórios para facilitar a dispersão por meio do vento ou por aderência ao corpo dos animais, a exemplo de Boerhavia. Família Nyctaginaceae

199 Família Nyctaginaceae Boerhavia diffusa L. N.V.: agarra-pinto, amarra-pinto, batata de porco, beldroega grande, celidônia, erva-tostão, pega-pinto, solidônia, tangará, tangacaracá. Espécie herbácea, de ciclo bienal ou superior a 2 anos e que se desenvolve em todo o país ocupando espaços sombreados das áreas cultivadas, terras abandonadas, hortas, jardins e terrenos baldios. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule prostrado no início do desenvolvimento com ramificação ascendente, passando para ereto na fase adulta. Ramos cilíndricos, glabros, de coloração verde com intensa pigmentação rósea. Folhas simples pecioladas e opostas, sendo que no mesmo par uma folha apresenta pecíolo mais desenvolvido e o limbo ovalado, oblongo ou romboidal e a outra possui o pecíolo mais curto, o limbo menor e com formato mais orbicular. Ambas glabras e com as margens sinuosas ou levemente onduladas. Inflorescência terminal do tipo dicásio constituído por longos eixos com poucas flores de tamanho reduzido. Flores de coloração avermelhada, pedunculadas e rodeadas por brácteas que se assemelham a um cálice, corola glandulosa com 5 pétalas soldadas em um tubo que se estreita na porção mediana, o qual protege o androceu e o gineceu. Fruto carnoso do tipo núcula pegajosa, achatada e obovóide. Esta espécie pode ser facilmente identificada em campo por meio das folhas opostas, estando o par constituído por folhas desiguais. Propagação por meio de sementes

200 Família Oxalidaceae Encontra-se representada em todo o país por dois gêneros nativos e um gênero introduzido cultivado na fruticultura Averrhoa. Dos gêneros nativos destaca-se Oxalis, com númerosas espécies herbáceas e perenes consideradas invasivas e de difícil controle. Apresentam caule subterrâneo do tipo bulbo e rizoma superficial frequentemente confundido com estolão. Folhas alternadas com o limbo profundamente dividido em 3 segmentos de ápice arredondado emarginado ou não, semelhante a uma folha composta. Flores isoladas ou reunidas em inflorescência geralmente pentâmeras, actinomorfas e hermafroditas. Fruto seco do tipo cápsula costelada deiscente. Família Oxalidaceae 390

201 Família Oxalidaceae Oxalis corniculata L. N.V.: azedinha, pé de pombo, trevo, trevo azedo, três corações. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil, ocupando áreas cultivadas. No meio urbano é uma das espécies mais frequentes em jardins e hortas residenciais. Apresenta caule prostrado muito ramificado, cujos ramos podem desenvolver-se sob ou sobre o solo na forma de estolos, e normalmente possuem coloração avermelhada. Folhas alternadas com longos pecíolos de coloração verde ou avermelhada e providas de estípulas reduzidíssimas. Limbo recortado em 3 segmentos, simulando folha composta. Cada segmento com o ápice emarginado acompanhado de uma linha que permite o recolhimento ou dobramento. Flores axilares, isoladas ou em fascículos constituídos por até 5 flores. Flores com longo pedúnculo dividido em 2 artículos, aparecendo no ápice do primeiro artículo 2 brácteas em forma de cornículo ou chifre. Cálice com 5 sépalas soldadas na base, corola com 5 pétalas de coloração amarela que protegem o androceu com os estames de tamanhos diferentes e o gineceu com 5 carpelos soldados. Fruto seco do tipo cápsula angulosa e elástica. A planta pode ser reconhecida em campo por meio da observação dos pedúnculos florais, que se apresentam articulados e providos de 2 cornículos. Propaga-se por meio de sementes e fragmentação do caule estolonífero

202 Família Oxalidaceae Oxalis divaricata Mart. ex. Zucc. N.V.: azedinha, azedinho, trevo. Espécie herbácea a subarbustiva, perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil vegetando nos biomas caatinga, cerrado e Mata Atlântica, em áreas ocupadas por lavouras ou pastagens, hortas, pomares, terrenos baldios, margens de rodovias, entre outros locais antropizados. Recomendada para uso no paisagismo em função das flores atrativas. Apresenta caule subterrâneo do tipo rizoma que dá origem a númerosos ramos aéreos, de superfície cilíndrica, carnosos, verdes e revestidos por pilosidade branca. Folhas alternadas, opostas ou verticiladas na mesma planta, estando constituídas por pecíolo longo-tomentoso e limbo composto por três folíolos peciolulados. Folíolo superior em formato oblongo ou obovalado com o ápice arredondado, podendo ser emarginado, e folíolos inferiores em igual formato, porém pouco menores. Inflorescência axilar e terminal do tipo dicásio com longo eixo também tomentoso. Flores pedunculadas, cálice com 5 sépalas livres, triangulares, externamente pilosas, verdes com bordos vináceos ou todas vináceas, corola amarela com 5 pétalas soldadas formando um tubo largo e reto com estrias avermelhadas internamente, androceu constituído por estames de tamanhos diferentes e gineceu pluricarpelar com estigmas lobados. Fruto seco do tipo capsular. Pode ser identificada em campo por meio do porte, da pilosidade que reveste os ramos, pecíolos e pedúnculos e pelas flores amarelas e volumosas. Propagação por meio de sementes

203 Família Oxalidaceae Oxalis latifolia Kunth N.V.: azedinha, azedinha de folha cortada, trevo, trevo azedo. Espécie herbácea, perene e que desenvolve-se em todo o país, sendo às vezes cultivada como planta ornamental. Aparece com frequência em jardins e hortas residenciais onde forma amplos tapetes chegando a cobrir e sufocar a grama. Apresenta caule subterrâneo do tipo bulbo escamoso capaz de originar folhas e estolões, os quais contribuem na ampliação da população, pois têm a função de originar novos bulbos em suas extremidades. Folhas com longo pecíolo, geralmente de coloração avermelhada, encimado pelo limbo recortado em 3 segmentos largos, simulando folha composta. Cada segmento apresenta-se verde ou com máculas avermelhadas e com o ápice e emarginado acompanhado de uma linha que permite o recobrimento ou dobramento. Inflorescência do tipo pleiocásio caracterizada por apresentar um longo eixo, originado a partir também do bulbo, em cujo ápice se assentam númerosas flores pedunculadas e que se abrem do centro para a periferia, simulando uma inflorescência do tipo umbela invertida. Flores róseas, pedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas, corola com tubo esverdeado e 5 pétalas de ápice obtuso. Fruto seco do tipo cápsula. Esta espécie se assemelha muito com O. corymbosa. Podem ser diferenciadas por meio da morfologia da folha que se apresentam com os segmentos trígonos e emarginados em O. latifolia, ao passo que em O. corymbosa os segmentos são quase orbiculares com o ápice cordiforme. Propagação por sementes e mais facilitada por meio de bulbos

204 Família Papaveraceae Família representada por poucos gêneros introduzidos no Brasil, dentre eles destacam-se Argemone e Fumaria que se instalaram e estabeleceram populações nas regiões Sudeste e Sul, sendo considerados invasivos. Constituída principalmente por espécies de porte herbáceo a arbustivo e de ciclo anual ou perene, algumas podem ser espinescentes e lactíferas. Folhas alternadas com o limbo pouco ou profundamente recortado simulando uma folha composta. Flores vistosas, axilares, isoladas ou reunidas em inflorescências, diperiantadas, frequentemente assimétricas ou zigomorfas, tetrâmeras ou hexâmeras e hermafroditas. Fruto seco capsular com deiscência ao longo dos lóculos ou deiscência explosiva. Família Papaveraceae 398

205 Família Papaveraceae Argemone mexicana L. N.V.: cardo amarelo, cardo santa maria, cardo santo, figo do inferno, papoula de espinho, papoula espinhosa, papoula do méxico. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve no Nordeste do Brasil espontaneamente e sob cultivo nas demais regiões como planta ornamental, em função do aspecto peculiar que oferece, qual seja: flores e frutos vistosos, folhagem curiosa e decorativa. Quando ocupa de forma espontânea áreas com atividades agrícolas torna-se indesejável por causar ferimentos em trabalhadores. Apresenta caule verde, espinescente, que exsuda látex amarelado ao ser cortado. Folhas desprovidas de pecíolos, inseridas no caule de forma alternada helicoidal, limbo com muitos recortes terminados por espinhos e apresentando manchas mais claras ao longo das nervuras na face inferior. Flores isoladas, longo-pedunculadas, cálice com 2 sépalas mas ausentes na flor aberta, corola com 5 pétalas livres e desiguais de coloração amarela. Androceu com muitos estames, estigma escuro e que permanece no fruto do tipo capsular, espinescente e deiscente. Propaga-se por meio de sementes

206 Família Phyllanthaceae Representada por gêneros nativos e introduzidos que foram transportados da família Euphorbiaceae por apresentarem características próprias, a saber: ausência de látex e nectários extraflorais. Dos gêneros nativos destaca-se Phyllanthus com espécies amplamente disseminadas e que preferem vegetar em locais úmidos e sombreados. Apresentam porte herbáceo e ciclo anual, caule tenro e ereto, folhas simples com o limbo oblongo a lanceolado, pouco assimétrico, distribuídas em ramos curtos. Flores isoladas axilares e de sexo separado na mesma planta, a feminina com longo pedúnculo. Fruto cápsula tricoca deiscente. Família Phyllanthaceae 402

207 Família Phyllantaceae Phyllanthus niruri L. N.V.: arrebenta-pedra, arranca-pedra, conani, erva-pombinha, fura-parede, quebra-pedra, quebra-pedra branca. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve espontaneamente em todo o país. As plantas são utilizadas na medicina popular. Aparece com frequência em terrenos baldios, hortas e jardins residenciais. Apresenta caule cilíndrico, tenro nas partes novas, verdes e com ramificações curtas e delgadas. Folhas alternadas com pecíolos curtíssimos ou desprovidos, limbo oblongo ou levemente assimétrico de margem inteira e base sempre assimétrica. Flores de sexo separado na mesma planta, pêndulas ou eretas. Flores masculinas pedunculadas e com perianto petaloide branco que protege o androceu com 3 estames. Flores femininas com perianto sepaloide que protege o gineceu com ovário trilocular. Fruto seco do tipo esquizocarpo. A planta pode ser reconhecida facilmente em campo por meio das folhas em limbo oblongo de base assimétrica. Propaga-se por meio de sementes

208 Família Phyllantaceae Phyllanthus tenellus Roxb. N.V.: arrebenta-pedra, erva-pombinha, quebra-pedra. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve espontaneamente nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil, com as plantas sendo amplamente utilizadas na medicina popular. Aparece com frequência em terrenos baldios, jardins e hortas medicinais. Apresenta caule cilíndrico, tenro nas partes novas, verde e com ramificações curtas e delgadas. Folhas alternadas com pecíolos muito curtos, às vezes avermelhado e provido de estípulas, limbo largo-lanceolado ou ovalado de margem inteira. Flores de sexo separado na mesma planta, quase sempre pêndulas, ocorrendo ambas na mesma axila, ou 2 a 3 femininas na mesma axila ou ainda só masculinas na mesma axila. Flores masculinas pedunculadas e com perianto petaloide branco que protege o androceu com 5 estames. Flores femininas com pedúnculo mais desenvolvido e com perianto sepaloide que protege o gineceu trilocular. Fruto seco do tipo esquizocarpo. Propaga-se por meio de sementes. Esta espécie se assemelha muito com P. niruri; ambas podem ser diferenciadas por meio das folhas, que em P. tenellus se apresenta com o limbo largo-lanceolado ou raramente ovalado, já em P. niruri o limbo é assimétrico com base assimétrica

209 Família Plantaginaceae Amplamente disseminada no país e representada por gêneros nativos e introduzidos, muitos deles transportados de outras famílias, em especial das Scrophulariaceae. Dentre os gêneros nativos destacamse Bacopa, Plantago e Scoparia, considerados invasivos e encontrados com frequência em locais úmidos e sombreados. Em geral apresentam porte herbáceo a arbustivo, algumas são acaules, formando uma roseta na base da planta ou folhas opostas, sésseis e com o limbo predominantemente ovalado de margens acidentadas. Flores isoladas axilares ou reunidas em escapos, frequentemente diperiantadas e zigomorfas ou então monoperiantadas a aperiantadas, todas hermafroditas. Fruto capsular deiscente. Família Plantaginaceae 408

210 Família Plantaginaceae Plantago major L. N.V.: língua de vaca, plantagem, tanchagem, tanchagem maior, tansagem, tranchagem. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve nas regiões Sudeste e Sul do Brasil vegetando em terrenos baldios, hortas, pomares, viveiros de produção de mudas e até em áreas ocupadas por culturas anuais. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. A planta apresenta-se acaule ou com curta estrutura aérea capaz de dar fixação às folhas e às inflorescências. Folhas simples dispostas em forma de roseta constituídas por pecíolo largo e canaliculado, limbo em formato largo-ovalado percorrido por nervuras curvas, base obtusa a levemente decorrente, estando revestido por esparsa pilosidade em ambas as faces e com margens ligeiramente sinuosas. Inflorescência do tipo espiga cilíndrica localizada na porção apical de escapos de superfície arredondada, carnosos, pilosos e violáceos na base. Flores de tamanho reduzido, sésseis, bracteadas, cálice com 4 sépalas, corola com 4 pétalas de coloração branca a creme, androceu com 4 estames e gineceu com 2 carpelos. Fruto seco do tipo capsular. A espécie pode ser identificada em campo por meio das folhas com morfologia ovalada e peciolada, estando dispostas em forma de roseta. Propagação por meio de sementes

211 Família Plantaginaceae Plantago tomentosa Lam. N.V.: língua de vaca, plantagem, tanchagem, tranchagem, transagem. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve espontaneamente nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil. Por ser uma espécie amplamente utilizada na medicina popular, acredita-se que as plantas sejam encontradas em todo o território nacional. Plantas desprovidas de caule, apresentando na base apenas uma roseta de folhas desprovidas de pecíolo, limbo espatulado às vezes um pouco assimétrico, sistema de nervação constituído por nervuras laterais curvas em relação à principal e com as margens inteiras ou irregularmente denticuladas e ápice agudo. Inflorescência do tipo espiga em número de até 5 por planta, caracterizada por apresentar um longo eixo cilíndrico denominado de escapo, que transporta flores sésseis em quase toda a extensão do escapo. Flores de tamanho reduzido, mas com o perianto externo e reprodutivo completo. Fruto seco do tipo pixídio. Esta espécie se assemelha muito com as demais do mesmo gênero, as quais sejam: Plantago major apresenta folhas ovaladas com base larga e pecioladas. Escapos retos com o mesmo calibre da base ao ápice, cujas flores se inserem a partir da porção mediana; Plantago berroi apresenta folhas largo-espatuladas com margem irregularmente ondulada e ápice obtuso, desprovidas de pecíolo. Escapos encurvados e de base estreitada, cujas flores também inserem-se a partir da porção mediana; Plantago lanceolata apresenta folhas longo-espatuladas, quase lanceoladas, com a base estreitada. Escapos finos com o mesmo calibre da base ao ápice, cujas flores se inserem no alto do escapo. Propaga-se por meio de sementes

212 Família Poaceae Conhecida e referida tradicionalmente como família Gramineae. Encontra-se representada em todo o país por númerosos gêneros nativos e outros introduzidos com finalidade de atender a produção de cereais e grãos e também a forragicultura. Dentre os gêneros nativos destacam-se especialmente Andropogon, Cenchrus, Imperata, Ischaemum, Leerzia e Luziola, e Brachiaria dentre os introduzidos. A família pode ser caracterizada por apresentar caules do tipo colmo arredondado ou achatado, ocos ou sólidos, nós e entrenós bem evidenciados, folhas alternadas dísticas com bainha fendida de cima para baixo e que envolve o colmo, lâmina linear paralelinérvea desprovida de pecíolo, presente em gramíneas das matas tropicais, na junção da bainha com a lâmina ocorre a lígula, uma pequena estrutura membranácea ou constituída por um anel de pelos. As flores são pequenas, bracteadas, aperiantadas, hermafroditas ou de sexo separado, androceu com 1 a 3 estames de filetes longos, gineceu com ovário unilocular e 2 a 3 estigmas plumosos. Fruto do tipo cariopse com semente aderida ao pericarpo. Família Poaceae 414

213 Família Poaceae Andropogon bicornis L. N.V.: capim de bezerro, capim persa, capim rabo de burro, capim-rabo-de-raposa, capim rabo de zorro, capim-vassoura, cola de zorro, macega, sacupé. Gramínea perene, ereta, entouceirada e que se desenvolve em todo o país, ocupando principalmente áreas de pastagens e áreas desocupadas em estado de degradação; prefere instalar-se em locais com maior umidade. Apresenta caules do tipo rizoma e colmos aéreos que podem chegar a até 2 m de altura. Colmos cilíndricos, verdes e paleáceos, ramificados na base, cujos ramos são retilíneos e muito adpressos ao colmo principal. Folhas com bainha que envolve praticamente todo o entrenó, glabras e com fenda lateral pouco aberta, lígula membranácea e cortada transversalmente. Lâmina linear lanceolada para as folhas basais e linear para as superiores, glabra, margens finamente serrilhadas e ápice longamente acuminado. Inflorescência do tipo panícula onde cada ramificação do colmo termina por uma unidade de inflorescência. Panícula com ramificações também retilíneas e adpressas, constituídas por racemos plumosos de coloração branca, paleácea ou avermelhada. Racemos com ráquis articulada contendo espiguetas em conjunto de 3 com glumas endurecidas e afastadas na maturação. Diferencia-se de A. leucostachyus pela coloração e textura da panícula. Fruto do tipo cariopse, o qual é uma das unidades de propagação juntamente com fragmentos do rizoma

214 Família Poaceae Andropogon gayanus Kunth N.V.: capim andropogon, capim-gambá. Gramínea perene, ereta, entouceirada e que desenvolve-se especialmente no Brasil Central em áreas de cerrado e também em outros estados das regiões Norte e Nordeste. Foi introduzida no Brasil com finalidade de servir como forrageira, no entanto vem apresentando comportamento com forte tendência de ocupação dos ambientes cultivados, instalando-se próxima das áreas onde se encontra implantada. Apresenta colmos com até 2 metros de altura, levemente achatados, ramificados e com capacidade de emitir raízes nos nós basais e formar perfilhos. Folhas com bainha pouco pilosa e levemente avermelhada na parte superior e com fenda lateral aberta, lígula membranácea ciliada. Lâmina linear lanceolada, pubescente em ambas as faces, pelos maiores na base da face inferior da folha, margens finamente serrilhadas e ápice agudo. Inflorescência do tipo panícula onde cada ramificação do colmo termina em uma unidade de inflorescência, formada por uma folha de lâmina muito curta, quase reduzida somente à bainha foliar. Panícula com númerosos racemos branco-prateados tendendo para um só lado do eixo, os quais portam espiguetas pareadas sobre o nó da ráquis, uma sempre pedicelada e a outra séssil ou subséssil, singularizam esta espécie. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de dispersão

215 Família Poaceae Andropogon leucostachyus Kunth N.V.: capim-colchão, capim cauda de zorro, capim-membeca, capim-rabo-de-raposa, falsa barba de bode. Gramínea perene, entouceirada e que se desenvolve em todo o país de forma espontânea ocupando áreas abandonadas ou inserida na pastagem em meio a outras espécies forrageiras. No meio rural de determinadas regiões as folhas secas são utilizadas para enchimento de colchões. Apresenta colmos com até 70 cm de altura, delgados, ramificados e com os nós mais escuros. Folhas com bainha glabra apresentando fenda lateral, lígula membranácea e cortada transversalmente. Lâmina ereta, linear, pubescente em ambas as faces, margens finamente serrilhadas com o ápice agudo. Inflorescência do tipo panícula terminal em cada ramificação do colmo, constituída opor até 5 racemos. Espiguetas aos pares e formadas pelas glumas, ráquis ou eixo e flósculos ou flores em glumas endurecidas envolvendo os flósculos. Diferencia-se de A. bicornis pelas espiguetas envolvidas em pilosidade lanuginosa e macia ao tato. Fruto do tipo cariopse que é a estrutura de propagação

216 Família Poaceae Aristida longiseta Steud. N.V.: capim barba de bode, capim de bode. Gramínea perene, entouceirada e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil ocupando áreas abandonadas ou inserida na pastagem em meio a outras espécies forrageiras. Partes da planta são utilizadas na medicina popular e folhas secas têm serventia para enchimento de colchões. Apresenta colmos com até 50 cm de altura, delgados, glabros, estriados e com os nós avermelhados. Folhas com bainha concrescida ao colmo e lígula provida de uma série de pelos curtos e aproximados. Lâmina estreita, quase filiforme, rígida, pubescente na face superior e quase glabra na inferior, margens finamente serrilhadas e com o ápice agudo. Inflorescência do tipo panícula ramificada e de posição terminal e coloração avermelhada. Espiguetas formadas pelas glumas, ráquis ou eixo e um flósculo ou uma flor. Pode ser determinada em campo por meio das touceiras globosas e também por meio da inflorescência contendo aristas muito longas de coloração paleácea, passando para avermelhada. Fruto do tipo cariopse com 3 longas aristas, o qual é a unidade de propagação da espécie

217 Família Poaceae Avena sativa L. N.V.: aveia branca. Gramínea anual, ereta, perfilhada e que se desenvolve nas regiões Sudeste e Sul do Brasil, como planta cultivada em função do valor nutricional das partes verdes e dos grãos para atender a alimentação animal. Cultivada ainda com a finalidade de servir como cobertura verde ou morta nos solos, onde as cariopses podem vir a germinar, após a implantação de outras culturas. Apresenta colmo com até 1 m de altura, cilíndrico, ereto, verde e que origina de 4 a 5 perfilhos na base. Folhas com bainha que envolve o entrenó, lígula membranácea, obtusa e provida de pequenos dentes no ápice. Lâminas lanceoladas, glabras e finamente serrilhadas nas margens. Inflorescência do tipo panícula ramificada e aberta, constituída por racemos que se inserem em verticílio no eixo principal. Racemos com eixos filiformes contendo de 1 a 3 espiguetas. Espiguetas com grandes glumas longamente acuminadas e páleas, originando a partir do dorso aristas muito desenvolvidas. Fruto do tipo cariopse. Pode ser reconhecida em campo por meio da inflorescência aberta e com ramos em verticílio e pelas aristas das lemas. Propagação por meio de sementes

218 Família Poaceae Brachiaria brizantha (Hochst. ex. A. Rich.) Stapf. N.V.: braquiarão, braquiária do alto, braquiária do morro, capim-marandu. Gramínea perene, entouceirada e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste e Sudeste do Brasil, onde foi introduzida como forrageira e escapou do cultivo instalando-se em áreas ocupadas por lavouras anuais ou perenes, ainda assim continua sendo utilizada amplamente para a finalidade pretensa. Apresenta caule subterrâneo do tipo rizoma, capaz de originar númerosos colmos aéreos cilíndricos de base prostrada, geniculada, e terminações ascendentes que podem alcançar até 1,5 metro de altura. Folhas com bainhas tubulosas, pilosas, sendo mais longas que os entrenós, lígula formada por uma cortina de cílios amarelados. Lâmina linear lanceolada de ápice longamente acuminado, pubescente em ambas as faces e com as margens finamente serreadas. Inflorescência terminal do tipo panícula constituída geralmente por 3 a 5 rácemos dispostos de forma alternada e espaçados irregularmente. Rácemos de eixo ereto, canaliculado, base engrossada, revestidos de pelos glandulosos e que transportam em média 20 a 25 espiguetas em apenas um dos lados. Espiguetas subsésseis, oblongas, verdes com o ápice vináceo, dispostas linearmente na base dos rácemos e aos pares no ápice. Fruto do tipo cariopse o qual é a unidade de propagação da espécie, acrescentando-se ainda a fragmentação dos rizomas. Pode ser identificada em campo por meio da característica dos rácemos que transportam espiguetas em apenas um dos lados, estando distribuídas de forma linear na base e aos pares no ápice dos rácemos

219 Família Poaceae Brachiaria decumbens Stapf. N.V.: braquiária, capim braquiária. Gramínea perene, entouceirada ereta ou com colmos decumbentes e que se desenvolve em todo o país. Nas regiões Centro-Oeste e Sudeste é a gramínea mais cultivada para formação de pastos, no entanto, quando essas áreas são utilizadas para outros cultivos, torna-se a planta mais indesejável, em função de sua rusticidade e do difícil controle. Apresenta caule subterrâneo do tipo rizoma com a formação de colmos eretos, ramificados e com até 1 metro de altura ou colmos prostrados, do tipo estolão, levemente achatados, também ramificados e com capacidade de enraizar ao longo dos nós. Folhas com bainha fendida envolvendo completamente o entrenó e lígula com longos pelos sedosos. Lâmina lanceolada, com a base levemente auriculada, pubescente em ambas as faces e com as margens inteiras ou pouco revolutas. Inflorescência do tipo panícula terminal em cada ramificação, constituída em média por 3 rácemos espaçados, sendo que o último deles assentase pouco abaixo do ápice da inflorescência. Rácemo com base pilosa e contendo númerosas espiguetas dispostas apenas em um dos lados do eixo achatado. Espiguetas pareadas, assentadas de forma alternada. Assemelha-se muito a B. humidicola a qual apresenta também panículas contendo de 2 a 3 rácemos, no entanto estes são bem menores e com menor número de espiguetas. Fruto do tipo cariopse, que é uma das estruturas de propagação

220 Família Poaceae Brachiaria plantaginea (Link.) Hitchc. N.V.: capim doce, capim-guatemala, capim-marmelada, capim milha branca, capim papuã, capim parlote, capim são paulo, grama branca, grama major, grama paulista, marmelada, milhã branca. Gramínea anual, entouceirada, ereta ou com colmos decumbentes e que se desenvolve em todo o país sendo utilizada para a formação de pastos, no entanto, quando essas áreas são utilizadas para outros cultivos, torna-se a planta mais frequente e indesejável em função de sua competição e agressividade. Apresenta colmos robustos, eretos e ramificados com até 1 metro de altura e com capacidade de emitir raízes nos nós inferiores ou os colmos são prostrados. Folhas com bainha verde ou avermelhada com fenda longa, lígula membranácea ciliada. Lâmina verde clara, lanceolada, base auriculada, glabra em ambas as faces e com as margens discretamente sinuosas e serrilhadas. Inflorescência do tipo panícula terminal em cada ramificação, constituída em média por 5 rácemos espaçados e dispostos alternadamente. Rácemo contendo númerosas espiguetas de coloração verde clara e dispostas em apenas um dos lados do eixo achatado. Espiguetas pareadas assentadas de forma alternada. Pode ser determinada em campo por meio da base das folhas que apresentam-se muito auriculadas, quase amplexicaule, acrescentando-se ainda o número de rácemos na panícula. Fruto do tipo cariopse, que é a estrutura de propagação

221 Família Poaceae Bromus catharticus Vahl N.V.: aveia louca, cavadilha, falsa cevada. Gramínea anual, entouceirada e que se desenvolve na Região Sul do Brasil em ambientes de altitudes onde é utilizada na forragicultura. Ocorre com frequência em áreas cultivadas, especialmente aquelas ocupadas por cereais de inverno, terrenos baldios e margens de rodovias. Apresenta colmo aéreo cilíndrico e glabro que pode atingir até 1 metro de altura. Nós basais radicantes, o que permite a formação de númerosos perfilhos. Folhas com bainha fechada revelando no ápice um colar em forma de anel oblíquo e esbranquiçado e a lígula membranácea. Lâmina linear lanceolada provida de pilosidade áspera ao tato. Inflorescência terminal do tipo panícula aberta e ramificada cujos eixos das espigas são de calibre fino, achatados, bem espaçados e pendentes, notoriamente os da base da panícula. Espiguetas em número variável por espiga e de coloração verde a violácea. Fruto do tipo cariopse; o qual é a unidade de dispersão da espécie. A planta pode ser reconhecida em campo através das espigas achatadas contendo as espiguetas verde-violáceas inseridas de forma alternada congesta, acrescentando-se ainda o colar em anel oblíquo de coloração esbranquiçada

222 Família Poaceae Cenchrus echinatus L. N.V.: arroz do diabo, benzinho, bosta de baiano, capim amoroso, capim-carrapicho, capim-roseta, capimtimbete, carrapicho, carrapicho da praia, carrapicho de roseta, espinho de roseta, timbetre, trigo bravo. Gramínea anual, entouceirada ereta ou ocasionalmente prostrada e que se desenvolve espontaneamente em todo o país ocupando áreas cultivadas, áreas de pastagens, margens de rodovias e terrenos baldios, sendo indesejável pelo fato de possuir os frutos espinescentes, os quais ferem os trabalhadores e grudam nas vestimentas e nos pelos dos animais, auxiliando no processo de disseminação da espécie. Apresenta colmos levemente achatados, eretos, ramificados com até 60 cm de altura e com capacidade de emitir raízes nos nós inferiores ou então colmos prostrados. Folhas com bainha verde ou pigmentada de vermelho, com fenda lateral cuja margem é percorrida por pelos sedosos, lígula pilosa. Lâmina lanceolada com base auriculada, glabra em ambas as faces e com as margens serrilhadas. Inflorescência terminal do tipo espiga. Espigas cilíndricas constituídas por númerosas estruturas espinescentes, as quais contêm as espiguetas, característica que singulariza a espécie. Estas estruturas são os diásporos ou unidades de propagação da planta

223 Família Poaceae Chloris barbata (L.) Sw. N.V.: capim-pé-de-galinha, pé-de-galinha. Gramínea anual ou perene, entouceirada, ereta e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil de forma espontânea, sendo utilizada como forrageira. Vegeta em áreas cultivadas, terras abandonadas e margens de rodovias. Apresenta colmos cilíndricos com até 1 m de altura, intensamente ramificados na base e de coloração verde. Folhas com bainha que envolve todo entrenó e com pequena fenda lateral, lígula com tufo de pelos sedosos. Lâmina linear lanceolada ligeiramente pilosa e com margens finamente serrilhadas. Inflorescência terminal do tipo verticílio de espigas. Espigas em número de 8 a 14, todas quase no mesmo tamanho e de coloração avermelhada, espiguetas inseridas em apenas um dos lados do eixo. Espiguetas com longos cílios e aristadas. Esta espécie se assemelha muito com C. elata e C. radiata podendo ser diferenciada pelas seguintes características: C. elata apresenta a inflorescência também em verticílio de espigas, no entanto, na base do verticílio, algumas espigas se inserem abaixo dele e são de coloração amarelada. C. radiata também possui inflorescência em verticílio de espigas, mas algumas espigas acima dele se distribuem ao longo do eixo principal, formando uma espiga. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de propagação da espécie

224 Família Poaceae Cynodon dactylon (L.) Pers. N.V.: capim da bermuda, capim da cidade, capim de burro, grama das boticas, grama de ganso, grama de marajó, grama de são paulo, grama fina, grama paulista, grama rasteira, grama roxa, gramão. Gramínea perene de hábito prostrado, podendo as ramificações tornarem-se ascendentes. Desenvolvese espontaneamente em todo o país ocupando áreas cultivadas, margens de rodovias, terrenos baldios ou muito frequentemente inserida em meio à pastagem cultivada. Utilizada às vezes como gramado em jardins. Recomendada para estabilizar o solo em aterros de cortes, para tanto indica-se iniciar a revegetação usando placas da grama retiradas das imediações. Apresenta colmos levemente achatados e amplamente ramificados, associados a estolões, e caule rizomatoso, ambos também com ramificações abundantes. Todos com capacidade de enraizar e formar partes aéreas. Folhas com bainha em fenda bem aberta, pigmentada de vermelho e estriada, lígula membranácea com tufo de pelos brancos e sedosos dispostos lateralmente. Lâmina lanceolada com as faces glabras e base levemente auriculada, margens inteiras. Inflorescência terminal do tipo panícula constituída em média por 5 espigas dispostas em um verticílio. Espigas com númerosas espiguetas inseridas em apenas um dos lados do eixo. Assemelha-se com C. plectostachyus, a qual apresenta folhas mais longas e panícula também verticilada contendo maior número de espigas. Fruto do tipo cariopse. Propaga-se mais facilmente a partir da fragmentação dos estolões e do rizoma

225 Família Poaceae Dactyloctenium aegyptium (L.) Willd. N.V.: calandrini, capim calandrini, capim egípcio, capim-mão-de-sapo, capim mimoso do piauí, capimpé-de-galinha, capim-pé-de-papagaio, grama, pé-de-galo, pé-de-papagaio. Gramínea anual, estolonífera e que se desenvolve em todo o país onde foi introduzida acidentalmente, passando a vegetar em áreas ocupadas por lavouras anuais ou perenes, hortas, pomares, terrenos baldios, entre outros locais antropizados nos quais forma uma densa cobertura sobre o solo. Pode ser considerada uma planta ruderal. Apresenta caule do tipo estolonífero capaz de crescer paralelo ao solo, ampliando a população, e de formar colmos aéreos levemente achatados, fistulosos, radicante nos nós basais, tornando-o pouco decumbente e cujas terminações são ascendentes, podendo alcançar até 50 cm de altura. Folhas com bainha tubulosa, levemente fendida na parte superior e com margens sobrepostas, lígula membranácea com ápice denteado. Lâmina linear lanceolada de ápice agudo, pouco pubescente em ambas as faces e com as margens discretamente serreadas. Inflorescência terminal do tipo panícula constituída normalmente por 4 espigas dispostas em verticílio cujos eixos são achatados e terminados por uma curta projeção apiculada estéril. Pode ocorrer número menor ou maior de espigas. Espigas transportando espiguetas pareadas de formato ovalado com gluma e lema aristadas, dispostas em apenas um dos lados do eixo. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de propagação da espécie acrescentando-se a fragmentação dos estolões. Pode ser identificada em campo por meio da inflorescência constituída normalmente por 4 espigas, podendo ocorrer em número maior ou menor, cujos eixos finalizam por uma breve projeção apiculada e desprovida de espiguetas

226 Família Poaceae Digitaria horizontalis Willd. N.V.: capim-colchão, capim-colchão miúdo, capim de roça, capim milhã, capim tinga, milhã. Gramínea anual, entouceirada e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil vegetando em áreas ocupadas por lavouras anuais e perenes, hortas, pomares, margens de rodovias, entre outros locais antropizados. Apresenta colmos cilíndricos a achatados, finos, fistulosos, canaliculados, eretos, podendo alcançar até 60 cm de altura, nós basais radicantes, característica que torna a planta pouco decumbente em sua porção inferior. Folhas com bainha tubulosa envolvendo parcialmente o colmo, bordos superpostos, geralmente pilosas nas proximidades da lígula, que é membranácea. Lâmina linear lanceolada sendo a região basal provida de um tufo de pelos e margens onduladas, acidente que se torna ofuscado em direção ao ápice, face dorsal discretamente pilosa. Inflorescência terminal do tipo panícula em longo eixo cujo ápice assenta normalmente 6 a 12 rácemos assim distribuídos: um grupo disposto em um verticílio basal e os demais inseridos de forma alternada helicoidal em torno do eixo principal. Rácemos com eixos finos, tortuosos ou em zigue-zague e que transportam em apenas um dos lados espiguetas pareadas e pediceladas dispostas alternadamente, todas acompanhadas por um pelo longo e hialino perceptível à vista desarmada. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de propagação. Pode ser identificada em campo por meio das folhas, que apresentam a região basal com margens onduladas, acrescentando-se ainda a presença do pelo hialino que acompanha as espiguetas

227 Família Poaceae Digitaria insularis (L.) Fedde N.V.: capim-açu, capim amargoso, capim-flecha, capim pororó, milheto gigante, vassourinha. Gramínea anual, entouceirada e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil ocupando áreas cultivadas, áreas de pastagens, terras abandonadas, terrenos baldios, sendo muito frequente em margens de rodovias, o que favorece a rota de dispersão. Prefere locais secos, mas instala-se também em locais úmidos. Apresenta caule subterrâneo do tipo rizoma e colmos aéreos, cilíndricos e canaliculados que podem chegar a 1 metro de altura, pouco ou nada ramificado. Folhas com bainha aberta que envolve quase todo o entrenó, lígula membranácea curtíssima e colar evidente. Lâmina linear lanceolada com esparsos pelos em ambas as faces e margens finamente serrilhadas. Inflorescência do tipo panícula ramificada e terminal, constituída por númerosas espigas, compressas quando jovens e laxas e pendentes para um lado quando adultas. Espigas de coloração branco-prateada contendo númerosas espiguetas rodeadas por pelos sedosos. A planta pode ser reconhecida em campo por meio da inflorescência laxa, pendente e de coloração branco-prateada na maturação. Fruto do tipo cariopse, o qual é uma das unidades de dispersão juntamente com a fragmentação do rizoma

228 Família Poaceae Digitaria sanguinalis (L.) Scop. N.V.: capim-colchão, capim-colchão pelado, capim milhão, capim sanguinário, colchão, milhã, pé-degalinha. Gramínea anual ou perene, entouceirada e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil vegetando em áreas ocupadas por lavouras anuais ou perenes, hortas, pomares, margens de rodovias, entre outros locais antropizados onde pode formar densas populações chegando a dominar a área. Ocasionalmente é aproveitada como forrageira para vacas estabuladas em lactação. Apresenta colmos cilíndricos a achatados, finos, fistulosos, longamente decumbentes, nós radicantes quando em contato com o solo e que se elevam na parte terminal, podendo alcançar entre 25 e 50 cm de altura. Folhas com bainha tubulosa envolvendo parcialmente o colmo, bordos superpostos, frequentemente glabras e com lígula membranácea. Lâmina linear lanceolada, base provida por um tufo de cílios, ápice agudo e discretamente pilosa em ambas as faces. Inflorescência terminal do tipo panícula em longo eixo cujo ápice assenta normalmente 3 a 7 rácemos, dispostos em um verticílio, podendo chegar a 2 verticílios na mesma planta. Rácemos com eixos finos, tortuosos ou em zigue-zague e que transportam em apenas um dos lados espiguetas subsésseis e ovaladas dispostas alternadamente. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de propagação. Assemelha-se muito com D. ciliaris que também apresenta inflorescência paniculada verticilada, sendo os eixos dos rácemos pouco sinuosos e dorsalmente marcados por uma linha branca visível, acrescentando-se ainda a presença de cílios seriados em ambas as faces das espiguetas, visível através de lupa

229 Família Poaceae Eleusine indica (L.) Gaertn. N.V.: capim da cidade, capim de burro, capim d ouro, capim de coroa d ouro, capim de pomar, capim-fubá, capim-pé-de-galinha, flor de grama, grama de coradouro, grama-sapo, pé-de-galinha, pé-de-papagaio. Gramínea anual, entouceirada e que se desenvolve espontaneamente em todo o país ocorrendo com muita frequência em áreas cultivadas, margens de rodovias, pomares e terrenos baldios. Partes da planta são utilizadas na medicina popular para o tratamento de pneumonias. O nome vulgar, grama de coradouro, vem do uso dos tapetes dessa grama para quarar roupas, ou seja, expor ao sol as roupas ensaboadas. Apresenta colmos eretos com até 50 cm de altura ou então colmos prostrados, ramificados, achatados e de coloração mais clara na base. Folhas com bainha aberta em longa fenda, lígula membranácea e com ápice cortado transversalmente ou com reduzidos cílios. Lâminas das folhas basais de formato lanceolado e a dos colmos com formato linear, ambas com base levemente arredondada, ápice agudo, faces glabras e margens serrilhadas. Inflorescência do tipo verticílio de até 7 espigas, tendo na maioria das vezes uma espiga situada abaixo do verticílio. Espigas lineares contendo númerosas espiguetas verdes e apiculadas inseridas em apenas um dos lados da raque. A morfologia da inflorescência singulariza esta espécie. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de propagação

230 Família Poaceae Eragrostis airoides Ness. N.V.: capim-joio, capim mimoso, capim-névoa, capim-pendão roxo, cheira cu. Gramínea perene, entouceirada, e que se desenvolve nas Região Sul e em alguns estados da Região Sudeste ocorrendo com mediana frequência em áreas cultivadas, áreas de pastagens, terras abandonadas e margens de rodovias. Raramente pode ser utilizada como forrageira. Apresenta colmos eretos com até 1 metro de altura, cilíndricos e com enraizamento nos nós basais formando perfilhos. Folhas com bainha fechada mostrando pequena fenda lateral, e menores que o entrenó, lígula ciliada e com coloração amarelada evidente. Lâminas linear-lanceoladas, algumas quase atingem a altura da inflorescência, faces pouco glabras e margens finamente serrilhadas. Inflorescência terminal do tipo panícula ramificada, aberta e muito longa, constituída por finos eixos secundários e terciários os quais contêm as espiguetas muito caidiças. Espiguetas de coloração roxo-acastanhada com cariopses acastanhados, orbiculares e muricados, ou seja, rugosos. Pode ser diferenciada das demais espécies de Eragrostis considerando o porte da planta e a dimensão da inflorescência. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de dispersão

231 Família Poaceae Eragrostis ciliaris (L.) R. Br. N.V.: capim bosta de rola, capim de canário, capim de rato, capim de rola, capim fino, capim mimoso, capim-penacho. Gramínea anual, entouceirada e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste e Sudeste do Brasil vegetando em áreas ocupadas por lavouras anuais ou perenes, áreas de pastagens, entre outros locais antropizados. Apresenta colmos cilíndricos e finos com capacidade de originar númerosos perfilhos, os quais são de base prostrada e ápice ascendente. Folhas com bainha tubulosa, pouco fendida e revestida por pelos longos, lígula membranácea coroada de cílios longos. Lâmina linear lanceolada com ápice acuminado, pilosa na face dorsal e com as margens enroladas para o centro. Inflorescência terminal do tipo panícula fechada em formato lanceolado oblongo, constituída por espigas curtas e congestas no ápice e espigas laxas na porção basal. Espigas de coloração marrom-avermelhada com eixos curtíssimos, quase paralelos ao eixo principal, contendo espiguetas com quilhas longo-ciliadas dispostas de forma aglomerada. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de dispersão da espécie. Pode ser identificada em campo por meio dos colmos finos e muito aproximados na touceira, acrescentado-se ainda as lâminas foliares com margens involutas ou enroladas para o centro e a morfologia da panícula, que se apresenta lanceolado-oblonga em função de as espigas serem curtas e quase paralelas ao eixo central

232 Família Poaceae Eragrostis pilosa (L.) P. Beauv. N.V.: barbicha de alemão, capim barbicha de alemão, capim mimoso, capim panasco, capim peludo, capim-orvalho. Gramínea anual, entouceirada e que se desenvolve espontaneamente em todo o país vegetado em áreas cultivadas ou associada a outras gramíneas em meio a pastagens, áreas abandonadas, margens de rodovias, leito de estradas rurais e no meio urbano em terrenos baldios. Apresenta colmos eretos com até 50 cm de altura, cilíndricos, delgados e bastante enfolhados na base da planta que apresenta muitos perfilhos. Folhas com bainha fechada mostrando pequena fenda lateral e lígula com pelos sedosos acompanhando a marca do colar. Lâminas lineares de base levemente arredondada, ápice agudo, faces glabras e margens serrilhadas. Inflorescência do tipo panícula, em eixos finos muito ramificada, fornecendo um aspecto piramidal, estando constituída por númerosas espigas avermelhadas com ráquis geniculada. Espiguetas achatadas lateralmente e inseridas de forma helicoidal na ráquis. Pode ser diferenciada em campo por meio da ráquis geniculada ou tortuosa dos eixos secundários, acrescentando-se ainda a coloração avermelhada das espigas. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de propagação

233 Família Poaceae Eustachys distichophylla (Lag.) Ness. N.V.: capim branco, capim-pé-de-galinha, falso capim-pé-de-galinha, pé-de-galinha. Gramínea perene, entouceirada e que se desenvolve espontaneamente nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil vegetando associada a outras espécies nas áreas ocupadas por pastagens; instala-se ainda em áreas abandonadas e margens de estradas. Apresenta colmos eretos com até 80 cm de altura, cilíndricos, robustos, bastante enfolhados na base da planta. Folhas com bainha pouco aberta, lígula ausente e colar avermelhado. Lâminas lanceoladas, rígidas com ápice arredondado quase obtuso, glabras nas duas faces, margens disfarçadamente serrilhadas. Inflorescência do tipo corimbo de espigas. Espigas lineares, flexíveis, contendo númerosas espiguetas com aristas maleáveis. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de propagação. Assemelha-se a espécies do gênero Chloris, no entanto em Chloris a inflorescência apresenta-se em forma de verticílio

234 Família Poaceae Hyparrhenia rufa (Ness.) Stapf. N.V.: capim paraguá, capim provisório, capim vermelho, paraguá, provisório. Gramínea perene, entouceirada e que se desenvolve como planta forrageira nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Norte e Sudeste do Brasil. Ocasionalmente pode vegetar em áreas utilizadas para outros fins ou então em terrenos abandonados e margens de rodovias. Apresenta colmos eretos, bastante enfolhados e ramificados na base, podendo ultrapassar 2 metros de altura, entrenós longos e fibrosos e nós engrossados de coloração paleácea ou acastanhada. Folhas com bainhas muito abertas, menores que os entrenós e lígula membranácea. Lâminas lanceoladas, de base estreitada, glabras em ambas as faces, ápice atenuando-se até terminar em ponta fina, margens serrilhadas. Inflorescência terminal do tipo panícula ramificada em espigas para cada unidade de colmo. Espigas em número de 5 a 10 reunidas em fascículo. Espiguetas pareadas de coloração castanho-avermelhada e longamente aristadas. Pode ser identificada em campo por meio dos colmos amarelados e pela panícula muito ampla, constituída por feixes ou fascículos de espigas inseridas em eixos secundários. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de propagação

235 Família Poaceae Leptochloa filiformis (Lam.) P. Beauv. N.V.: capim mimoso, capim nungá. Gramínea perene, entouceirada e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Norte e Sul do Brasil, ocorrendo em áreas úmidas, podendo causar competição com espécies cultivadas nesse ambiente. Apresenta colmos eretos, podendo chegar à altura de 1,20 metro, cilíndricos, resistentes e com capacidade de emitir ramificações nos nós basais. Folhas com bainha pouco aberta, pilosa, com expressiva pigmentação avermelhada e revestida por pilosidade, lígula membranácea e pilosa. Lâmina linear-lanceolada de base estreitada, apresentando curtos pelos silicosos em ambas as faces e também nas margens. Inflorescência terminal do tipo panícula, ramificada, aberta, em forma de losango e de coloração avermelhada. Panícula constituída por númerosas espigas com eixos de tamanho variado, menores na base e no ápice e mais desenvolvidos na porção mediana. Espigas contendo númerosas espiguetas inseridas de forma alternada espaçada. Pode ser identificada em campo por meio das amplas panículas em forma de losango com coloração avermelhada e posicionadas acima da folhagem. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de propagação

236 Família Poaceae Lolium multiflorum Lam. N.V.: azevém, azevém italiano, joio. Gramínea anual ou bianual, entouceirada e que se desenvolve na Região Sul do Brasil onde foi introduzida para atender a forragicultura, no entanto tem escapado dos cultivos formando populações densas em áreas ocupadas por outras culturas. Apresenta colmos eretos que podem prostrar-se, cilíndricos, glabros e bastante enfolhados desde a base. Folhas com bainha aberta e sobreposta, levemente achatadas e com estrias em tom violáceo, lígula membranácea cortada transversalmente, onde aparecem as projeções denticuladas. Lâmina linearlanceolada, de base auriculada, levemente violácea, face superior cerícea e a inferior provida de reduzidos pelos silicosos. Inflorescência aberta, não ramificada, do tipo espiga, inserida em um eixo geniculado, ou seja, em zigue-zague. Espigas lanceoladas dispostas de forma alternada dística, contendo númerosas espiguetas aristadas que também se inserem de forma alternada dística. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de propagação da espécie. A planta pode ser identificada em campo por meio da morfologia do eixo principal da inflorescência, acrescentando-se ainda a forma e disposição das espigas

237 Família Poaceae Melinis minutiflora P. Beauv. N.V.: capim-cabelo-de-negro, capim catingueiro, capim de frei luiz, capim gordo, capim-gordura, capim melado, capim meloso, capim roxo, catingueiro, meloso. Gramínea perene com capacidade de formar amplos e compactos tapetes, pelo fato de ter hábito prostrado com ramificações ascendentes. Desenvolve-se como forrageira nas regiões Centro-Oeste, Norte, Nordeste e Sudeste do Brasil. Ocasionalmente pode extrapolar os limites da pastagem e instalar-se em áreas cultivadas, a exemplo de lavouras de café, e áreas com reflorestamento, como as do eucalipto. Quando vegeta nas proximidades de unidades de conservação passa a ser uma ameaça, pelo fato de incendiar-se com facilidade na época de estiagem. Apresenta os colmos prostrados achatados, e os ascendentes cilíndricos, verdes ou com pigmentação avermelhada e revestidos por pilosidade branca. Folhas com bainha aberta e maior que o entrenó, normalmente rósea ou avermelhada e também revestida por pelos pegajosos, lígula com uma linha de cílios bem desenvolvidos. Lâminas lanceoladas verdes ou com pigmentação avermelhada, também pilosas, pegajosas e ciliadas. Inflorescência terminal do tipo panícula ramificada aberta constituída por númerosas espiguetas longamente aristadas. Podes ser identificada em campo por meio da pilosidade pegajosa que reveste as folhas. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de propagação

238 Família Poaceae Panicum dichotomiflorum Michx. N.V.: capim do banhado. Gramínea perene, com capacidade de formar amplos tapetes e que se desenvolve em todo o país, preferindo vegetar em locais úmidos, a exemplo de várzeas alagadas, margens de cursos d água e de canais de irrigação e drenagem, e ainda ao longo de açudes e reservatórios. Apresenta colmo levemente achatado, verde ou avermelhado, prostrado, capaz de enraizar ao longo dos nós. Cresce em ramificação dicotômica cujos ramos novos são ascendentes até eretos, podendo até alcançar 60 cm de altura. Folhas com bainha aberta sobreposta e do tamanho do entrenó, lígula ciliada e colar amarelado. Lâmina linear lanceolada, pubescente, ápice abruptamente agudo e margens finamente serrilhadas. Inflorescência do tipo panícula aberta, muito ramificada e de posição axilar e terminal constituída por númerosas espigas. A base do eixo da panícula fica sempre inserida e ofuscada pela última folha. Espigas com eixos geniculados onde se inserem as espiguetas em apenas um dos lados do eixo. Assemelha-se muito com P. repens, a qual apresenta a base do eixo da panícula evidente e o porte da planta é ereto entouceirado. Fruto do tipo cariopse, o qual é uma das unidades de propagação da espécie juntamente com a fragmentação dos colmos prostrados

239 Família Poaceae Panicum maximum Jacq. N.V.: capim-colonião, capim-coloninho, capim da colônia, capim de cavalo, capim de corte, capim de mula, capim de planta, capim de guaçu, capim-guiné, capim-murumbu, capim-navalha, capim sempre verde, milhã. Gramínea perene, entouceirada e que se desenvolve como forrageira em todo o país. Ocasionalmente pode extrapolar os limites da pastagem e instalar-se em áreas cultivadas, onde passa a ser uma ameaça em função da propagação facilitada por diversos meios, ampliando a população aliada ao difícil controle. Apresenta caule do tipo rizoma e colmos aéreos que podem alcançar 3 metros de altura, cilíndricos ou pouco achatados na base e com capacidade de enraizar nos nós basais e de originar perfilhos. Colmos enfolhados desde a base, com os entrenós glabros e nós pilosos. Folhas com bainha longa, pouco aberta e pilosa no ápice, podendo apresentar coloração rósea, lígula com tufo de pelos sedosos e colar amarelado. Lâmina lanceolada, muito longa e com a base levemente involuta, nervo central saliente e amarelado, margens serrilhadas. Inflorescência terminal do tipo panícula aberta com ramificação solitária, fasciculada e verticilada formando a unidade, a qual é distribuída para cada colmo, podendo surgir outras panículas nos últimos nós do mesmo colmo. Ramificações basais maiores, fornecendo à unidade um aspecto piramidal. Ramificações constituídas por númerosas espiguetas de coloração verde clara, passando para avermelhada na maturação. Pode ser identificada por meio do porte alto, das lâminas largas e com nervo amarelado e pela inflorescência muito ampla constituída por ramificações solitárias, fasciculadas e verticiladas associadas num mesmo eixo. Fruto do tipo cariopse, o qual é uma das unidades de propagação juntamente com a fragmentação do rizoma

240 Família Poaceae Paspalum conspersum Schrad N.V.: capim-colônia-do-brejo, capim do brejo, capim-ferro, capim milhã, capim milhã do brejo. Gramínea perene, entouceirada e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil onde ocorre em áreas úmidas, podendo causar competição com espécies cultivadas nesses ambientes ou então obstruir canais de irrigação e drenagem. Apresenta colmos eretos, mas decumbentes na base e com capacidade de enraizar. Colmos podendo atingir 2 metros de altura, entrenós glabros e nós escuros, mas também glabros. Folhas com bainha aberta e com esparsa pilosidade, lígula membranácea e de coloração amarela. Lâminas lanceoladas, rígidas, glabras em ambas as faces e com margens serrilhadas. Inflorescência terminal do tipo panícula aberta, constituída por até 30 espigas solitárias avermelhadas. Espigas da base mais desenvolvidas que as superiores e constituída por númerosas espiguetas de coloração vermelha escura, fornecendo um aspecto piramidal pouco assimétrico. Diferencia-se de P. paniculatum pelo maior número de espigas na panícula, que apresenta coloração avermelhada. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de propagação

241 Família Poaceae Paspalum notatum Flüggé N.V.: capim-batatais, capim-pasto, grama, grama-bahia, grama-batatais, grama comum, grama cuiabana, grama de são sebastião, grama do rio grande, grama-forquilha, grama-mato-grosso, grama-pensacola. Gramínea perene com capacidade de formar amplos tapetes e que se desenvolve em todo o país de forma espontânea, quando então passa a atender a forragicultura, ou então sob cultivo para atender ao paisagismo na formação de gramados. Frequentemente extrapola os limites e passa a ocupar áreas cultivadas. Apresenta caules do tipo rizoma curto e colmos aéreos prostrados, achatados e de coloração verde ou avermelhada, os quais crescem de forma simpodial, recobrindo rapidamente a área onde a planta se instala. Folhas pouco espaçadas, com bainha aberta e de coloração avermelhada, equivalente ao tamanho do entrenó, lígula com um tufo de pelos sedosos. Lâmina linear-lanceolada glabra e com margens inteiras a levemente sinuosas. Inflorescência do tipo panícula constituída por duas espigas opostas e divergentes. Espigas com eixo tortuoso em um dos lados onde se inserem as espiguetas desprovidas de aristas e de coloração verde. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de dispersão, juntamente com a fragmentação dos colmos prostrados

242 Família Poaceae Paspalum paniculatum L. N.V.: capim-guiné, capim de burro, capim milhã, grama da guiné, grama-touceira. Gramínea perene, entouceirada e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste e Sudeste do Brasil, ocorrendo em áreas úmidas e podendo causar competição com as espécies cultivadas nesses ambientes. Apresenta colmos eretos, decumbentes na base e com capacidade de enraizar, associados a estolões. Os colmos podem atingir até 1,30 metro de altura, com os entrenós glabros e os nós mais escuros e pilosos. Folhas com bainha concrescida, pilosa e ciliada nas margens, lígula membranácea, curta e cortada transversalmente. Lâminas lanceoladas, de base subauriculada, glabra na face dorsal e com pelos tênues na ventral e de margens serrilhadas. Inflorescência terminal do tipo panícula aberta, constituída por até 15 espigas solitárias com tufo de pelos na base e de coloração branco-paleácea. Espigas dispostas paralelas ao eixo principal, associadas a espigas inseridas de forma oblíqua, inclusive algumas levemente curvas. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de propagação e por fragmentos do estolão. As espécies P. conspersum e P. paniculatum podem ser diferenciadas nos seguintes pontos: o colmo de P. conspersum pode chegar a 2 metros de altura ao passo que em P. paniculatum chega a 1,30 metro. P. conspersum não apresenta estolões. P. paniculatum apresenta folha com bainha subauriculada no ápice ao passo que em P. conspersum não ocorre aurículas. P. paniculatum apresenta tufo de pelos na base da espiga ao passo que em P. conspersum a base da espiga é glabra

243 Família Poaceae Pennisetum americanum (L.) Leeke N.V.: milheto. Gramínea anual, pouco entouceirada, cultivada em todo o país com a finalidade de produção de biomassa vegetal para a incorporação aos solos. Esta prática permite a instalação da espécie nas novas áreas para cultivos. Apresenta colmos cilíndricos, enfolhados desde a base, podendo chegar a 3 metros de altura, entrenós glabros e providos de uma canaleta, nós ciliados e engrossados. Folhas com bainha fechada pela sobreposição das margens e desprovidas de pêlos, lígula com linha avermelhada e densamente ciliada, colar provido de pelos. Lâmina lanceolada com a face ventral pubescente e margens serrilhada. Inflorescência terminal do tipo Rácemo cilíndrico de coloração esverdeada, uma para cada colmo e com eixo principal pubescente. Á partir do eixo principal saem pedicelos os quais contém espiguetas de coloração brancacenta, paleácea ou amarelada, inseridas em meio a curtos cílios. Pode ser identificada em campo através da morfologia dos racemos. Fruto do tipo cariopse o qual é a unidade de propagação

244 Família Poaceae Pennisetum purpureum Schumach. N.V.: capim-elefante, capim-cameron, capim-napier, erva-elefante. Gramínea perene, muito entouceirada, cultivada em todo o país com finalidade de atender a forragicultura, no entanto extrapolou os limites da área de pastagem passando a estabelecer populações em baixadas úmidas, ilhas pluviais e margens de estradas, limitando o cultivo ou podendo causar danos econômicos em função do controle. O capim-napier tem ampla utilização de patamares em áreas de bota-foras. Apresenta rizomas longos e colmos cilíndricos, enfolhados desde a base, podendo chegar a 5 metros de altura, entrenós glabros e ceríceos de coloração amarelada com pigmentação vermelha e nós engrossados. Folhas com bainha aberta e glabra na face dorsal, lígula ciliada. Lâmina lanceolada com até 90 cm de comprimento, pilosas em ambas as faces, verdes com máculas vermelhas e margens serrilhadas. Inflorescência terminal do tipo rácemo cilíndrico de coloração esverdeada, amarelada, castanha ou ferrugínea, uma para cada colmo e com o eixo principal cerdoso. A partir do eixo principal saem pedicelos curtos, os quais contêm espiguetas inseridas em meio a pelos e cerdas. Pode ser identificada em campo por meio da morfologia do rácemo cilíndrico o qual consta de um eixo principal revestido por cerdas longas persistentes e que ladeiam as espiguetas. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de propagação, contando ainda com fragmentação de rizomas e fragmentação de colmos, este último mais facilitado

245 Família Poaceae Pennisetum setosum (Sw.) Rich. N.V.: capim-avião, capim-custódio, capim da praia, capim dos nhambiquaras, capim-elefante brasileiro, capim mandante, capim oferecido, rabo de mucura, taquari de cavalo. Gramínea perene, entouceirada e que se desenvolve em todo o país vegetando em áreas cultivadas, margens de rodovias e terras abandonadas, onde forma densas populações propiciadas pelo desenvolvimento dos rizomas. Ocasionalmente atende a forragicultura. Apresenta caules do tipo rizoma e colmos aéreos cilíndricos, verdes ou amarelados em plantas mais velhas, os quais podem atingir até 150 cm de altura. Nós bem definidos por meio de um anel engrossado e avermelhado. Folhas com bainha pouco aberta e quase do tamanho do entrenó, estriadas em tons de vermelho, lígula com um tufo de pelos sedosos. Lâmina linear-lanceolada sempre mais baixa que as inflorescências, pilosas e com margens finamente serrilhadas. Inflorescência terminal do tipo panícula lanceolada fechada e de coloração avermelhada, constituída por númerosas espiguetas sésseis e rodeadas por númerosos cílios que facilitam a dispersão por meio do vento. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de dispersão mais frequente; contribui também na propagação a fragmentação dos rizomas. Em campo pode ser confundida com Setaria parviflora, no entanto esta apresenta porte menor e inflorescência amarelada

246 Família Poaceae Poa annua L. N.V.: pastinho de inverno, pasto de inverno, pé-de-galinha. Gramínea anual com capacidade de formar pequenas e compactas touceiras que se desenvolve nas regiões Sudeste e Sul do Brasil vegetando em áreas com altitude elevada ocupadas por lavouras anuais ou perenes, hortas, pomares, jardins, entre outros locais antropizados. Aproveitada como forrageira e ocasionalmente utilizada como grama de jardim. Recomendada para uso como fixadora de solos em áreas de terras removidas. Apresenta caule do tipo colmo achatado, decumbente ou ereto, que pode alcançar até 24 cm de altura, sendo radicante nos nós inferiores e bastante enfolhado desde a base, característica esta que ofusca parte dos eixos das inflorescências. Folhas com bainhas tubulosas fechadas de coloração verde intensa evidenciando o colar amarelado e a lígula membranácea. Lâmina pouco carnosa, glabra em ambas as faces, de coloração idêntica à da bainha e em formato linear-lanceolado com o ápice brevemente agudo e margens inteiras. Inflorescência do tipo panícula aberta e piramidal localizada no ápice dos colmos, muitas vezes escondida pela folhagem exuberante. Panículas constituídas por eixo principal achatado e de 8 a 10 rácemos laterais de calibre fino e que reduzem de tamanho progressivamente em direção ao ápice. Espiguetas achatadas localizadas na parte terminal dos rácemos. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de propagação da espécie, acrescentando-se ainda a divisão das touceiras. Pode ser identificada em campo por meio do porte e aspecto compacto das touceiras, acrescentando-se ainda a morfologia da folha com consistência pouco carnosa, nervuras pouco evidentes e de ápice brevemente agudo

247 Família Poaceae Rhynchelitrum repens (Willd.) C. E. Hubb N.V.: capim-bandeira, capim de tenerife, capim favorito, capim-gafanhoto, capim-molambo, capim rosado. Gramínea anual, com capacidade de formar amplas touceiras em função do perfilhamento que ocorre na base. Desenvolve-se de forma espontânea em todo o país, instalado-se em lavouras de ciclo curto e pastagens, onde compete com as espécies cultivadas. Aparece com frequência em margens de rodovias e estradas rurais, facilmente identificada pela panícula aberta e avermelhada e pela disseminação por meio do vento das espiguetas com plumas. Apresenta colmos cilíndricos, ramificados e enfolhados desde a base, entrenós glabros e verdes e nós róseos. Folhas com bainha pouco aberta menores que os entrenós, lígula percorrida por tufo de pelos. Lâmina linearlanceolada, glabra em ambas as faces e podendo apresentar pigmentação róseo-avermelhada. Inflorescência terminal do tipo panícula aberta e ramificada com eixo principal delgado e com alguma tortuosidade. Ramificações também algo tortuosas, constituída por espiguetas róseo-avermelhadas, pilosas e que se dispõem isoladamente ou em grupos. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de propagação

248 Família Poaceae Rottboellia cochinchinensis (Lour.) Clayton N.V.: capim alto, capim-camalote, rabo de lagarto. Gramínea anual ou perene, entouceirada e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil em áreas úmidas ocupadas por cultivos, onde se torna inconveniente em função dos incômodos que a planta causa à pele dos trabalhadores. Consumida como forrageira na fase inicial do desenvolvimento. Apresenta colmos cilíndricos, estriados e com aerênquima nos entrenós, sugerindo a adaptação para o meio aquático, os quais podem alcançar até 2 metros de altura, radicantes na base e com capacidade de emitir inúmeros perfilhos. Folhas com bainha frouxa, afiladas na base e abertas achatadas no ápice, revestidas por densa pilosidade curta e rígida, lígula membranácea com ápice ciliado. Lâminas linear-lanceoladas, levemente pubescentes, de base arredondada com a nervura central mais clara que as secundárias, margens percorridas por dentes triangulares cortantes. Inflorescência terminal do tipo espiga cilíndrica, uma para cada colmo da touceira. Espigas constituídas por espiguetas largas e pareadas de coloração verde-amarelada que no amadurecimento se desarticulam do eixo principal da espiga sempre no sentido ápice-base. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de dispersão da espécie juntamente com fragmentos da base do colmo. Assemelha-se com Ischaemum rugosum, que apresenta a inflorescência terminal constituída por espigas geminadas, as quais se abrem na maturação formando duas distintamente, acrescentando-se ainda as espiguetas também largas mas providas de glumas com rugosidades lineares transversais

249 Família Poaceae Setaria parviflora (Poir.) Kerguélen N.V.: bambuzinho, capim-rabo-de-gato, capim-rabo-de-raposa, capim-rabo-de-rato, capim-penasco-detabuleiro, espartilho. Gramínea perene, entouceirada e que se desenvolve em todo o país ocupando áreas cultivadas, terras abandonadas, margens de rodovias ou então está associada a outras espécies de gramíneas forrageiras, podendo ser utilizada para tal fim. Apresenta caule do tipo rizoma curto e colmos aéreos levemente achatados, verdes ou avermelhados, que podem alcançar até 1 metro de altura. No início do ciclo os colmos são prostrados. Folhas com bainhas bem aderentes e sobrepostas, lígula ciliada. Lâmina linear-lanceolada de base truncada e pilosa na face ventral. Inflorescência fechada, cilíndrica do tipo espiga, constituída por númerosas espiguetas de coloração paleácea ou avermelhada, sempre envoltas por númerosas cerdas persistentes na ráquis após a dispersão das cariopses. Pode ser identificada em campo por meio das inflorescências, que na mesma planta apresentam espigas completas e espigas desprovidas de espiguetas mas com a presença das cerdas. Propagação por meio de sementes e por fragmentação do rizoma

250 Família Poaceae Setaria poiretiana (Schult.) Kunth N.V.: capim amargoso, capim-canoão, canoão, capim-gerivá, capim-jirivá, capim-leque, capim-palmeirinha, capim-coqueirinho. Gramínea perene, entouceirada e que pode desenvolver-se em todo o país, cultivada ou espontaneamente, pois a planta apresenta atributos para uso no paisagismo. Sob forma espontânea ocupa áreas agrícolas ou não com elevada umidade e algo sombreadas, a exemplo da cultura de banana e cacau. Aparece com frequência em bordas de fragmentos florestais e até mesmo no interior de clareiras, crescimento evidenciado pela presença de um pecíolo, o que caracteriza essa espécie e que só aparece em gramíneas de ambiente sombreado. Apresenta caule do tipo rizoma e colmos aéreos pouco enfolhados, cilíndricos, verdes e que passam para a cor paleácea na maturação das espiguetas. Folhas apresentando um pecíolo que une a lâmina à bainha, característica singular desta espécie. Lâmina larga, tipicamente lanceolada, sistema de nervação paralelo e muito evidente. Inflorescência terminal do tipo panícula longa, ramificada em rácemos de coloração esverdeada ou ferrugínea. Rácemos distribuídos de forma helicoidal em torno do eixo da panícula contendo númerosas espiguetas. Pode ser identificada em campo por meio das folhas que apresentam um breve pecíolo, característica que determina a preferência pela planta em vegetar em locais sombreados em especial o sub-bosque de fragmentos florestais. Fruto do tipo cariopse, o qual é usada a unidade de propagação, acrescida da fragmentação do rizoma

251 Família Poaceae Sorghum arundinaceum (Willd.) Stapf. N.V.: falso massambará, sorgo selvagem. Gramínea anual ou perene, entouceirada e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste e Sudeste do Brasil onde foi introduzida com a finalidade de atender a forragicultura, no entanto extrapolou os limites das pastagens e passou a ocupar áreas cultivadas, terras abandonadas, margens de rodovias, entre outros locais. Apresenta colmos eretos com até 1,50 metro de altura, cilíndricos, verdes e com capacidade de formar perfilhos por meio dos nós basais. Folhas com bainha envolvendo todo o entrenó, fechadas mas mostrando pequena fenda lateral, lígula com base membranácea e o ápice ciliado branco ou avermelhado. Lâmina linear-lanceolada com o nervo central engrossado na face dorsal e muito mais claro, base da folha estreitada e ápice longamente acuminado com margens finamente serrilhadas. Inflorescência terminal, aberta, ramificada, constituída por númerosas espigas pêndulas de coloração paleácea, rósea ou pouco avermelhada. Espigas inseridas a partir da porção mediana da panícula contendo espiguetas sésseis e pediceladas. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de propagação. Assemelha-se muito com S. helepense, a qual possui a panícula constituída por espigas planas ou ascendentes dispostas em verticílio

252 Família Poaceae Sorghum bicolor (L.) Moench N.V.: sorgo, sorgo forrageiro. Gramínea anual, entouceirada e que se desenvolve em todo o país onde foi introduzida com afinidade de atender a forragicultura. Ocasionalmente pode ser encontrada fora do ambiente cultivado, ocupando áreas com lavouras distintas. Apresenta colmos eretos que podem chegar a até 3 metros de altura dependendo da variedade, cilíndricos, grossos, suculentos e com capacidade de formar perfilhos. Folhas com bainha que envolve o entrenó de margens sobrepostas, lígula membranácea branca curtíssimo-ciliada. Lâmina larga com a base arredondada que envolve parcialmente o colmo. Inflorescência do tipo panícula, fechada ou aberta também na dependência da variedade, constituída por curtos cachos não ramificados cujos eixos são tortuosos ou em zigue-zague. Cachos cilíndricos, verdes e/ou avermelhados, cujas espiguetas se inserem a partir da porção mediana em direção ao ápice. Fruto do tipo cariopse pedicelada, orbicular-achatada, também esverdeada ou avermelhada e bastante notável. Assemelha-se muito com S. halepanse, que possui a panícula constituída por cachos curtos porém ramificados

253 Família Poaceae Sorghum halepense (L.) Pers. N.V.: arroz bravo, capim argentino, capim-aveia, capim-cevada, capim-guiné, capim de cuba, capimmassambará, capim mexicano. Gramínea perene, entouceirada, introduzida no Brasil de forma acidental onde se instalou formando populações autos suficientes causando danos ao meio ambiente e danos econômicos à agricultura. Desenvolvese nas regiões Sudeste e Sul do Brasil. Apresenta caule do tipo rizoma, muito ramificado e vigoroso, e colmos aéreos com altura entre 0,50 e 2 metros, cilíndricos de coloração verde, com entrenós glabros e ceríceos, nós pilosos. Os colmos originamse tanto a partir da germinação de sementes quanto do desenvolvimento das gemas do rizoma. Folhas com bainhas abertas e margens sobrepostas, lígula alta e membranácea. Lâmina linear-lanceolada, glabra e cerícea, margens inteiras. Inflorescência terminal do tipo panícula aberta e ramificada em espigas inseridas de forma verticilada ao longo do eixo. Espigas de coloração paleácea, avermelhada ou ferrugínea. Fruto do tipo cariopse, o qual é a unidade de propagação e por fragmentação do rizoma. Diferencia-se das demais espécies por apresentar rizomas longos e ramificados, o que permite formar rapidamente densas colônias

254 Família Polygonaceae Encontra-se representada em todo o país por gêneros nativos e dois gêneros introduzidos. Dentre os nativos cabe destacar Polygonum e Rumex, que preferencialmente vegetam em áreas úmidas e alagadas, formando populações densas e com algumas espécies sendo consideradas invasivas. Dentre os gêneros introduzidos destaca-se Fagopyrum, estabelecido nas regiões Sudeste e Sul. Apresentam porte herbáceo em sua maioria, algumas são de hábito trepador, a exemplo de Antigonum, e outras são arbóreas. A família pode ser caracterizada por apresentar folhas simples alternadas com a bainha modificada em ócrea, estrutura que envolve o caule, sendo resultante do concrescimento de estípulas. Flores diperiantadas ou monoperiantadas, hermafroditas ou de sexo separado por planta, como ocorre em Triplaris, todas reunidas em inflorescência do tipo cacho ou espiga. Fruto seco do tipo aquênio ou núcula sempre trígona. Família Polygonaceae 498

255 Família Polygonaceae Rumex crispus L. N.V.: azeda crespa, labaça crespa, labaça selvagem, língua de vaca. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve nas regiões Sudeste e Sul do Brasil ocupando áreas cultivadas, pastagens, terras abandonadas, margens de rodovias, entre outras áreas onde forma populações densas. Apresenta caule cilíndrico, verde, canaliculado, anguloso, com nós e entrenós bem definidos. Ao longo dos nós ocorre uma ócrea em forma de anel róseo. Folhas da base da planta em roseta, com limbo lanceolado, muito desenvolvido, peciolado, carnoso e com as margens irregularmente sinuosas ou onduladas. Folhas do eixo da inflorescência mais estreitadas. Inflorescência terminal e axilar do tipo cacho constituído por númerosas flores. Flores curto-pedunculadas formando fascículos ou verticílios ao longo do eixo da inflorescência, constituídas por tépalas verdes, ovaladas e coniventes, ou seja, unidas sem serem soldadas, as quais protegem o androceu e o gineceu. Fruto do tipo núcula. Pode ser identificada em campo por meio das flores, que apresentam apenas uma estrutura engrossada e oblonga em uma das tépalas, e pela presença de folhas na inflorescência. Propagação por meio de sementes

256 Família Polygonaceae Rumex obtusifolius L. N.V.: labaça, língua de vaca. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve nas regiões Sudeste e Sul do Brasil ocupando áreas cultivadas, pastagens, terras abandonadas, margens de rodovias, entre outras áreas onde forma populações densas. Apresenta caule cilíndrico, verde, canaliculado, anguloso, com nós e entrenós bem definidos. Ao longo dos nós ocorre uma ócrea em tecido mais engrossado e anelar, a qual recobre o nó. Folhas inferiores da planta em roseta superposta com limbos peciolados de forma lanceolada com base cordata, e limbos oblongos, a maioria com o ápice arredondado ou em ângulo obtuso e margens sinuosas. Folhas do eixo da inflorescência mais estreitadas e com pecíolos menores. Inflorescência terminal e axilar do tipo cacho constituído por númerosas flores. Flores curto-pedunculadas formando fascículos ou verticílios ao longo do eixo da inflorescência, constituída por tépalas verdes, ovaladas e coniventes, ou seja, unidas sem serem soldadas, as quais protegem o androceu e o gineceu. Fruto do tipo núcula. Pode ser identificada em campo por meio das flores, que apresentam três estruturas engrossadas e oblongas no dorso de cada tépala, no entanto uma delas se destaca pelo maior tamanho, acrescentando-se ainda o porte terminal da inflorescência, a qual é desprovida de folhas. Propagação por meio de sementes

257 Família Pontederiaceae Representada no Brasil por 5 gêneros nativos: Eichornia, Heteranthera, Hydrothrix, Pontederia e Reussia, todos considerados invasivos em áreas alagadas, lagos artificiais ornamentais, reservatórios de água para utilização em irrigação e também em remansos de reservatórios de usinas hidrelétricas. Apresentam porte herbáceo e são de ciclo perene. Normalmente o caule é do tipo rizoma ou estolão, sempre muito desenvolvido e originando em espaços regulares as partes aéreas constituídas normalmente por eixo formado por pecíolos e bainhas foliares, as quais desenvolvem internamente um volumoso aerênquima responsável pela flutuabilidade das espécies. Folhas alternadas com o limbo carnoso e em formato cordiforme, ovalado, lanceolado ou sagitado. Inflorescência em geral do tipo cacho, reunindo flores vistosas com 6 tépalas ou distintamente sépalas e pétalas trímeras, androceu com 6 estames perfeitos ou 3 não férteis e gineceu tricarpelar. Fruto capsular. Família Pontederiaceae 504

258 Família Pontederiaceae Eichhornia crassipes (Mart.) Solms N.V.: aguapé, aguapé de flor roxa, baronesa, camalote, dama do lago, jacinto d água, murerê, mureru, muriru, murumuru, orelha de veado, orquídea d água, pareci, rainha do lago. Espécie aquática, perene e que se desenvolve em todo o país ocupando várzeas alagadas, cursos d água, canais de irrigação e de drenagem, açudes e reservatórios de usinas hidrelétricas, dificultando o fluxo d água e impedindo a penetração de luz para que o fitoplâncton possa efetuar a fotossíntese. Serve de abrigo para animais aquáticos. Apresenta caule aquático, carnoso, fixo ou flutuante e chegando a até 0,50 metro de comprimento pelo fato de ser simpodial, ou seja, caules mais curtos e muito ramificados. Origina folhas submersas com formato estreito e dispostas de forma alternada helicoidal. Folhas aéreas com pecíolo carnoso e provido de uma parte globosa e inflada constituída por um amplo aerênquima. Limbo reniforme, glabro, carnoso e brilhante. Inflorescência com longo eixo também carnoso, representado pelo escapo, constituído por númerosas flores grandes e vistosas. Flores com 6 tépalas róseas, lilacinas ou violáceas de bordo franjado. Uma das tépalas diferencia-se das demais pelo tamanho e por apresentar uma mancha colorida. Androceu com 6 estames e gineceu tricarpelar. Após a polinização e fecundação a inflorescência curvase e submerge para formar os frutos do tipo cápsula que liberam as sementes, sendo a água o vetor de dispersão. Diferencia-se de E. azurea por possuir folhas com a base do pecíolo muito engrossada e inflada e pelo limbo reniforme. Propagação por meio de sementes e por fragmentação do caule

259 Família Portulacaceae Encontra-se representada em todo o país por 2 gêneros nativos, a saber: Portulaca e Talinum, ambos com algumas espécies consideradas invasivas e outras cultivadas como ornamentais. Em geral as espécies preferem vegetar em ambientes sombreados, são herbáceas, anuais ou perenes, com caules carnosos e folhas simples alternadas ou opostas com o limbo grosso e sucoso. Inflorescência terminal ou flores isoladas no ápice dos ramos. Frequentemente as flores são vistosas, monoperiantadas ou diperiantadas, pentâmeras ou com maior número de peças e hermafroditas. A família reúne aproximadamente 30 espécies com frutos capsulares contendo númerosas sementes pequenas, negras e brilhantes. Família Portulacaceae 508

260 Família Portulacaceae Portulaca oleracea L. N.V.: beldroega, berdoega, bredo de porco, caruru de porco, ora pro nóbis. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país de forma espontânea. Foi utilizada como verdura, daí o epíteto específico, e nos tempos atuais ainda é fornecida aos porcos e galinhas em propriedades que praticam a agricultura de subsistência. Apresenta caule cilíndrico, ramificado, rastejante, com enraizamento ao longo dos nós, carnoso, verde ou com pigmentação avermelhada com intenso brilho. Folhas alternadas pouco distanciadas, desprovidas de pecíolos, carnosassucosas, limbo obovalado com o ápice em ângulo obtuso pouco reentrante, margem inteira. Inflorescência terminal ou no ângulo dos ramos dicotômicos constituída por um fascículo de até 8 flores desprovidas de pedúnculos. Flores com receptáculo desenvolvido para abrigar ovário ínfero. Sobre o receptáculo assentam-se o cálice com 2 sépalas, corola de 5 pétalas de coloração amarela que protegem o androceu e o gineceu. Fruto do tipo pixídio. A planta pode ser reconhecida por meio do hábito rastejante e pela textura carnosa das folhas. Propaga-se por meio de sementes e por fragmentação do caule

261 Família Portulacaceae Talinum paniculatum (Jacq.) Gaertn. N.V.: beldroega grande, bênção de deus, bredo, bredo major gomes, bunda mole, carne gorda, caruru, erva gorda, joão gomes, língua de vaca, mariagombe, maria gomes, maria gorda, manjogome, manjongome. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país ocupando áreas cultivadas, terras abandonadas, margens de rodovias, hortas, pomares, jardins, entre outros locais. Instalou-se preferencialmente em solos com mais umidade e locais mais sombreados. A planta é utilizada na alimentação humana, alimentação de animais, na medicina popular e ocasionalmente no paisagismo. Apresenta caule cilíndrico, verde ou com pigmentação vermelho-arroxeada, carnoso, glabro, ceríceo e bastante ramificado na base. Folhas simples, curtíssimo-pecioladas ou sésseis, carnosas e de disposição alternada helicoidal. Limbo em formato obovalado, com a base cuneada, ápice obtuso ou arredondado, glabro em ambas as faces e de margens inteiras. Inflorescência terminal em longo cacho composto constituída por númerosas flores e frutos. Flores pedunculadas, cálice com 2 sépalas, corola com 5 pétalas livres de coloração amarelada, alaranjada, rósea ou avermelhada, androceu com númerosos estames e gineceu tricarpelar. Fruto do tipo cápsula globosa, amarelo-avermelhado na maturação. Diferencia-se de T. triangulare por meio da coloração e tamanho das flores, acrescentando-se ainda a morfologia das folhas. Propagação por meio de sementes

262 Família Pteridaceae Família representada por samambaias ou fetos exclusivamente terrestres e nativos com destaque para Pteridium aqualinum, considerada invasiva e de difícil controle em áreas recém-desbravadas de altitude elevada e solos ácidos. Apresenta caule do tipo rizoma longo, às vezes engrossado. Frondes ou folhas simples a variadamente pinadas. Soros localizados nas margens das frondes protegidas pelo indúsio ou pelas margens revolutas. Família Pteridaceae 514

263 Família Pteridaceae Pteridium aquilinum (L.) Kuhn N.V.: samambaia, samambaia das taperas, samambaia do campo. Espécie de samambaia, perene e que se desenvolve em todo o país vegetando preferencialmente em solos ácidos e em regiões com altitude elevada e clima frio onde forma populações densas e dominantes. Ocorre com frequência em bordos de fragmentos florestais, mas também em campo aberto onde as áreas são ocupadas por pastagens, tornando-se inconveniente por possuir compostos tóxicos. Vegeta também em locais onde houve recente implantação de cultura perene ou reflorestamento. Apresenta caule subterrâneo do tipo rizoma longo, ramificado e vigoroso, o qual dá origem a folhas, que são denominadas botanicamente de frondes, que pode chegar a 1,5 metro de comprimento ou mais. As folhas apresentam longo pecíolo acastanhado, brilhante e resistente e o limbo altamente recortado em segmentos de até 3ª ordem, simulando folhas compostas. Os segmentos são duros e coriáceos e neles estão contidos os soros, estruturas arredondadas, de coloração amarela e ferrugínea, situados na face dorsal, sendo responsáveis pela reprodução sexuada da espécie. Quando jovens se mostram com a ponta enrolada ou báculo e quando adultas podem tornar-se decumbentes semelhantes a ramificações. Pode ser reconhecida em campo por meio do porte e das longas folhas coriáceas e duras. Propagação por meio da fragmentação do rizoma e por meio de soros, o que é mais dificultado e lento

264 Família Rubiaceae Família representada por númerosos gêneros nativos e de ocorrência ampla em todo o país, alguns cultivados como ornamentais a exemplo de Ixora. Considerando o enfoque de plantas invasivas, cabe destacar Diodella, Diodia, Richardia e Spermacoce como ocorrentes em áreas agrícolas e pastagens onde formam populações densas e dominantes. Apresentam porte herbáceo, arbustivo e arbóreo, a exemplo de Genipa. As folhas fornecem características que identificam a família e auxiliam na distinção dos gêneros. Trata-se de folhas simples, sempre dispostas de forma oposta e com as estípulas pouco ou muito concrescidas localizadas entre os pecíolos foliares. Flores reunidas em inflorescências ou isoladas, cálice tetrâmero ou pentâmero, corola com 4 a 8 pétalas, estames em número igual e gineceu pluricarpelar normalmente com ovário ínfero. Os frutos são secos do tipo esquizocarpo ou cápsulas ou então carnosos do tipo drupoide ou bacoide. Família Rubiaceae 518

265 Família Rubiaceae Diodella teres (Walter) Small N.V.: mata-pasto, quebra tigela de folha estreita. Espécie herbácea, anual que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil vegetando em áreas ocupadas por lavouras anuais ou perenes e áreas de pastagens, entre outros locais antropizados, onde pode formar uma população densa e dominante. Apresenta caule quadrático com entrenós longos e revestidos por pilosidade tênue. Normalmente os ramos são prostrados ascendentes. Folhas simples desprovidas de pecíolos e providas de estípulas com base membranácea e ápice com segmentos cilíndricos, dispostas de forma oposta cruzada. Limbo ovalado-lanceolado, pubescente em ambas as faces e com as margens inteiras. Inflorescência constituída por grupos de 2 a 6 flores localizadas nas axilas das folhas. Flores sésseis, cálice com 4 sépalas, corola rósea com 4 pétalas formando um tubo curto, androceu com 4 estames e gineceu bicarpelar com ovário ínfero. Fruto seco do tipo esquizocarpo que se divide na maturação em duas metades. Assemelha-se muito com Diodia saponariifolia, a qual possui caules cilíndricos, estípulas interpeciolares com apenas 1 segmento e flores alvas. Propagação por meio de sementes

266 Família Rubiaceae Richardia brasiliensis Gomes N.V.: poaia, poaia branca, poaia do campo. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país de forma espontânea. Apresenta caule prostrado, muito ramificado, cilíndrico ou quadrangular, verde ou com forte pigmentação acastanhada, vestido por um indumento de pelos brancos e com os nós e entrenós bem desenvolvidos. Os ramos terminais que transportam a inflorescência tendem a ser dicótomos ou tricótomos. Folhas opostas cruzadas, com pecíolo muito curto ou ausente. Entre as bases das folhas opostas evidenciam-se um par de estípulas de coloração branca e com ápice cerdoso. Limbo carnoso, largo-lanceolado recoberto por pilosidade baixa e macia ao tato. Inflorescência localizada sempre no final dos ramos. Inflorescência do tipo glomérulo localizada sempre no ápice dos ramos. Glomérulos assentados sobre um invólucro de 4 ou 2 brácteas opostas; quando 4, 2 maiores e 2 menores, foliáceas, sésseis e com númerosas flores de coloração branca que se abrem do centro para a periferia. Flores desprovidas de pedúnculo, cálice com 5 a 6 sépalas soldadas e persistentes no fruto, corola com 5 a 6 pétalas soldadas na base formando um pequeno tubo. Androceu constituído por 6 estames e gineceu tricarpelar. Fruto esquizocarpo constituído por 3 mericarpos. Diferencia-se de outras espécies do mesmo gênero levando-se em consideração as seguintes características: em R. grandiflora as flores são maiores e de coloração rósea ou rosada; em R. scabra as folhas são recobertas por pilosidade áspera ao tato e limbo lanceolado típico. Propaga-se por meio de sementes

267 Família Rubiaceae Richardia grandiflora (Cham. & Schltdl.) Steud. N.V.: bernarda, ervanço, ipeca-mirim, poaia, poaia da praia, poaia rasteira, poaia rósea. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, inclusive no bioma Pantanal. Forma grande populações em áreas cultivadas, pastagens, terras abandonadas e margens de rodovias. Partes da planta são utilizadas na medicina popular e ocasionalmente a planta é cultivada como ornamental, em especial para forração de canteiros. Apresenta caule prostrado com ramos ascendentes, recoberto por pilosidade branca e densa, coloração verde e contorno quadrangular com os ângulos em linha acentuada em tom avermelhado. Folhas simples curtamente pecioladas ou sésseis, providas de estípulas ramificadas em pelos avermelhados localizados entre o par de folhas opostas cruzadas e com as faces pubescentes. Limbo carnoso em formato lanceolado com as margens inteiras. Inflorescência terminal do tipo glomérulo assentado sobre 4 brácteas foliáceas e anisófilas, ou seja, diferentes entre si no tamanho. Flores sésseis e com cálice de 6 sépalas soldadas, corola com 6 pétalas brancas ou róseas também soldadas formando um tubo que se alarga em direção ao ápice. Androceu com estames de filetes e anteras brancas e gineceu com um estilete contendo no ápice 3 estigmas globosos também de coloração branca. Fruto do tipo esquizocarpo com 3 cocas. Diferencia-se das demais espécies do gênero por meio do tamanho da flor como revela o próprio epíteto específico. Propagação por meio de sementes

268 Família Rubiaceae Richardia scabra L. N.V.: poaia do cerrado. Espécie herbácea, anual ou perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste e Nordeste nos biomas cerrado e caatinga onde ocupa áreas cultivadas, pastagens, margens de rodovias e terrenos baldios. Apresenta caule ereto ou prostrado, dicotômico, visivelmente quadrático, coloração verde com intensa pigmentação avermelhada e revestido por pilosidade áspera ao tato. Folhas simples, sésseis ou curtamente pecioladas com estipulas interpeciolares e dispostas de forma oposta cruzada. Limbo carnoso, ovalado ou largamente lanceolado, às vezes ligeiramente assimétrico com o ápice agudo ou obtuso, faces superior e inferior recobertas também por pilosidade áspera e margens inteiras. Inflorescência terminal do tipo glomérulo assentada sobre 4 brácteas foliáceas anisófilas. Flores sésseis, cálice com sépalas de tamanho reduzido, corola branca com 6 pétalas soldadas formando um tubo com linhas violáceas e lobos com margens em coloração idêntica, androceu com 6 estames com filetes também violáceos, gineceu bicarpelar com o estigma bilobado. Fruto seco do tipo esquizocarpo. Assemelha-se com R. brasiliensis, a qual possui folhas com pilosidade esparsa na face superior, acrescentando-se ainda as brácteas foliáceas que podem ser em número de 4 ou 2; quando com 4, o 2 par apresenta-se sempre menor. Propagação por meio de sementes

269 Família Rubiaceae Spermacoce capitata Ruiz & Pav. N.V.: hortelã, poaia da praia, poaia-botão, poaia do campo, vassourinha. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil espontaneamente; instala-se em áreas sob cultivo, áreas de pastagens, áreas abandonadas, margens de rodovias e no meio urbano vegeta em jardins e terrenos baldios. Apresenta caule pigmentado de vermelho, cilíndrico na base, quadrangular no ápice, desprovido ou com poucas ramificações e com os entrenós longos. Folhas opostas cruzadas, desprovidas de pecíolos e providas de um par de estípulas membranáceas e concrescidas na base e com o ápice geralmente trífido, localizado entre as bases foliares. Limbo linear-lanceolado com as margens inteiras ou irregularmente ondulada na parte apical da folha. Inflorescência terminal do tipo glomérulo semiorbicular ou disciforme, assentado sobre 4 brácteas foliáceas sempre maiores que o glomérulo e planas. Flores desprovidas de cálice, cálice com 4 sépalas concrescidas, corola com 4 pétalas soldadas que protegem o androceu com 4 estames e o gineceu gamocarpelar com estigma bífido. Fruto seco do tipo cápsula. Assemelha-se muito com duas outras espécies: S. verticillata e S. suaveolens, que no entanto podem ser diferenciadas utilizando-se as brácteas e os glomérulos. Em S. verticillata o glomérulo terminal é mais globoso e as 2 brácteas sob ele são menores ou do mesmo tamanho e sempre posicionadas em direção à base da planta, ao passo que em S. suaveolens o glomérulo terminal também é globoso e as 4 brácteas sob ele são maiores e posicionadas em direção à base da planta. Propaga-se por meio de sementes

270 Família Rubiaceae Spermacoce latifolia Aubl. N.V.: cordão de frade branco, erva de lagarto, erva quente, perpétua do mato, poaia do arador, poaia do campo. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país vegetando em áreas ocupadas por lavouras anuais e/ou perenes, terras abandonadas, jardins, hortas, terrenos baldios, comportando-se como planta indiferente em relação aos fatores físico-químicos dos solos e em relação à luminosidade. Apresenta caule ereto ou prostrado, bastante ramificado, tenro, quadrático nos ramos novos, coloração verde a avermelhada e com tênue pilosidade especialmente junto dos ângulos. Nós caulinares abruptamente engrossados. Folhas simples, sésseis ou curtamente pecioladas de disposição oposta cruzada e com as estípulas localizadas entre os pecíolos. Limbo ovalado ou lanceolado, glabro, nervuras bem evidentes e margens inteiras. Inflorescência axilar do tipo glomérulo caracterizado por apresentar as flores assentadas em uma série sobre o nó caulinar dilatado e guarnecidas por brácteas lanceoladas. Flores sésseis, cálice com 4 sépalas soldadas na base, corola com 4 pétalas brancas também soldadas e com os lobos curvados para baixo, androceu com 4 estames alternipétalos brancos e gineceu com estigma bilobado. Fruto do tipo cápsula. Assemelha-se com S. suaveolens, que apresenta também inflorescência do tipo glomérulo, no entanto mais congesta e com maior número de flores

271 Família Rubiaceae Spermacoce palustris (Cham. & Schltdl.) Delprete N.V.: erva de lagarto, poaia do brejo. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve nas regiões Sudeste e Sul do Brasil vegetando nos biomas Mata Atlântica e restinga, ocupando áreas com solos úmidos e até encharcados, a exemplo dos canais de irrigação e drenagem. Utilizada na medicina popular como planta antiofídica. Apresenta caule prostrado com ramos ascendentes, verdes, carnosos, glabros e de superfície tetragonal provida de alas com acúleos retrorsos, enraizantes na base. Folhas simples, curtamente pecioladas, disposição oposta cruzada e estípulas filiformes localizadas entre os pecíolos. Limbo em formato largo-lanceolado ou ovalado com a face inferior pubescente e de margens inteiras. Inflorescência terminal e axilar do tipo glomérulo congesto, alguns deles pedunculados e sempre acompanhados por brácteas semelhantes às que ocorrem nos pares de folhas. Flores com curtíssimo pedúnculo, cálice com 2 sépalas, corola branca com 4 pétalas soldadas formando um tubo que se alarga em direção ao ápice, androceu com 4 estames e gineceu bicarpelar com estigma bilobado e excluso ao tubo. Fruto do tipo coca com 2 mericarpos. Esta espécie pode ser diferenciada das demais por apresentar o caule tetragonal provido de alas coma as margens aculeadas. Propagação por meio de sementes

272 Família Rubiaceae Spermacoce suaveolens (G. Mey.) Kuntze N.V.: poaia, poaia do campo, vassoura de botão, vassourinha. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste e Sudeste do Brasil vegetando em áreas cultivadas, terras abandonadas, margens de rodovias e terrenos baldios. Apresenta caule quadrático e canaliculado, verde ou avermelhado, recoberto por intenso indumento de pelos brancos, nós e entrenós bem definidos, ramificado na base cujos ramos podem ser prostrados com as pontas ascendentes ou ramos eretos. Folhas simples, desprovidas de pecíolos, opostas cruzadas com limbo lanceolado ou ovalado mais ligeiramente assimétrico. Inflorescência axilar e terminal em glomérulos globosos que circundam o caule ao longo dos nós, constituídos por flores de coloração branca. O útimo glomérulo assentado sobre 4 brácteas foliáceas, 2 externas maiores e 2 internas menores e anisófilas. Flores sésseis, cálice com sépalas soldadas, corola com 4, 5 até 6 pétalas soldadas que protegem o androceu e o gineceu. Fruto do tipo cápsula. Assemelha-se muito com S. verticillata, a qual apresenta o último glomérulo assentado sobre 4 ou 2 brácteas foliáceas, acrescentando-se ainda as folhas verticiladas mais estreitadas. Propagação por meio de sementes

273 Família Rubiaceae Spermacoce verticillata L. N.V.: cordão de frade, erva-botão, falsa poaia, perpétua do mato, poaia preta, poaia-rosário, vassourinha, vassoura de botão. Espécie herbácea, perene e que se desenvolve em todas as regiões do país ocupando áreas antropizadas. Partes da planta são utilizadas na medicina popular. Apresenta caule quadrático nas partes jovens e revestido por indumento de pelos brancos, nós e entrenós bem definidos e amplamente ramificado na base. Folhas simples, desprovidas de pecíolos e em forma de verticílios ao longo dos nós. Limbo linear-lanceolado com uma nervura bem acentuada. Inflorescência axilar e terminal em glomérulos globosos que circundam o caule ao longo dos nós, constituída por flores de coloração branca. O último glomérulo assentado sobre 4 ou mais frequentemente 2 brácteas foliáceas quase sempre em posição pendente. Flores sésseis, cálice com 4 sépalas soldadas, corola com 4 pétalas soldadas que protegem o androceu e o gineceu. Fruto do tipo cápsula. Pode ser identificada em campo por meio das folhas dispostas em verticílio com o limbo linear-lanceolado e pelo último glomérulo assentado sobre brácteas pendentes. Propagação por meio de sementes

274 Família Sapindaceae Encontra-se representada em todo o país por gêneros nativos em sua maioria e gêneros introduzidos. Como invasivos de áreas recém-desbravadas destacam-se Cardiospermum e Serjania, que competem por luz e dificultam a colheita mecanizada. Apresentam caules trepadores por gavinhas ou então são árvores bastante frequentes no bioma Mata Atlântica. As folhas geralmente são compostas trifoliadas ou compostas penadas, inseridas de forma alternada. Uma característica singular da família é a presença de apículo localizado no lado oposto do último folíolo. Flores pequenas, mono ou diperiantadas, actinomorfas ou zigomorfas, hermafroditas em sua maioria. A família reúne algumas espécies com frutos ou sementes providos de acessórios para facilitar a dispersão através do vento ou estrutura carnosa e atrativa na semente. Normalmente os frutos são samarídeos ou cápsulas, os drupoides são raros. Família Sapindaceae 538

275 Família Sapindaceae Cardiospermum halicacabum L. N.V.: baga de chumbo, balão, balãozinho, camapum, paúna, paratudo, saco de padre. Espécie de trepadeira dotada de gavinhas, anual e que se desenvolve em todo o país, instalando-se em áreas cultivadas onde se torna indesejável pelo fato de fixar-se às plantas cultivadas dificultando as práticas agrícolas e a operação de colheita, além de competir por luminosidade. Pode ser utilizada no paisagismo em função da própria arquitetura da planta, como também pelo aspecto dos frutos com formato triangular, característica que valoriza a ornamentação. As sementes são aproveitadas em trabalhos artesanais e partes da planta são amplamente usadas na medicina popular, daí vem o nome popular paratudo. Folhas alternadas, compostas trifoliadas, sendo os folíolos altamente recortados também em três segmentos. Inflorescência axilar com eixo constituído por flores e gavinhas. Flores de sexo separado ou hermafroditas, contendo cálice com 4 sépalas e corola com 4 pétalas amareladas. Fruto capsular inflado, sementes globosas e escuras com o hilo claro e cordiforme. Propagação por meio de sementes

276 Família Solanaceae Família representada no Brasil por gêneros nativos, muitos deles cultivados para atender a horticultura. Destacam-se como invasivas de áreas agrícolas algumas espécies de Solanum, as quais são suscetíveis a determinadas doenças afins das solanáceas cultivadas. Entre os gêneros introduzidos cabe ressaltar Brugmansia, Datura e Nicandra, também considerados invasivos e que podem causar alelopatia inibindo o desenvolvimento das raízes de plantas cultivadas, além de dificultar a colheita mecanizada em função da população dominante. Apresentam porte herbáceo, arbustivo ou mais raramente árboreo. Algumas espécies exibem acúleos no caule, em folhas e nas sépalas. Folhas alternadas com o limbo simples ou então recortado. Flores reunidas em inflorescências axilares e terminais ou isoladas, constituídas por cálice pentâmero quase sempre persistente ou acrescente no fruto, corola pentâmera com 5 lobos frequentemente estrelados, estames de anteras longas com deiscência poricida ou rimosa e gineceu bicarpelar com ovário súpero. Grande número de espécies apresentam frutos carnosos bacoides, outras possuem frutos capsulares deiscentes. Família Solanaceae 542

277 Família Solanaceae Datura stramonium L. N.V.: bem-casado, erva dos feiticeiros, estramônio, figueira brava, figueira do inferno, mata zombando, quinquilho, saia branca, zabumba. Espécie herbácea ou subarbustiva, anual e que se desenvolve em todo o país como planta introduzida. Estabeleceu populações em campos cultivados, áreas de pastagens, terrenos baldios, margens de rodovias e ao longo de cursos d água. Considerada tóxica, mais utilizada com finalidade medicinal. Apresenta caule verde, cilíndrico, canaliculado e com pigmentação avermelhada. Folhas simples, pecioladas, alternadas com limbo muito desenvolvido cujas margens são irregularmente recortadas formando lobos de ponta fina. Flores isoladas nas axilas das folhas e nas bifurcações dos ramos, curtopedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas, corola com 5 pétalas brancas e soldadas formando um tubo mais largo no ápice. Inclusos no interior do tubo o androceu com 5 estames e o gineceu com 2 carpelos. Fruto do tipo capsular, deiscente, ovoide e espinescente contendo númerosas sementes de coloração negra. Esta espécie se assemelha com outras pertencentes ao mesmo gênero e com as do gênero Brugmansia, as quais apresentam as folhas de margens inteiras ou com leve sinuosidade, com destaque para a base que é sempre assimétrica. Propaga-se por meio de sementes

278 Família Solanaceae Nicandra physaloides (L.) Pers. N.V.: balãozinho, bexiga, joá de capote, juá de capote, lanterna da china, quintilho. Espécie subarbustiva, anual e que se desenvolve em todo o país pelo fato de ser cultivada como ornamental ou medicinal. Trata-se de uma espécie que foi introduzida no país, onde as populações se estabeleceram e passaram a avançar sobre ambientes naturais ou áreas cultivadas, causando impactos econômicos. Apresenta caule verde, pouco tetrágono, canaliculado, ramificado com tendência a ramificação dicotômica. Folhas alternadas helicoidais, simples, pecioladas e com o limbo muito desenvolvido e de forma ovalada, margens muito irregularmente recortadas ou serradas. Flores isoladas, axilares, pedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas que continuam o crescimento para isolar o fruto em desenvolvimento, corola de tubo reto, largo com 5 lobos de coloração variando do branco ao lilacino. Androceu com 5 estames e gineceu pluricarpelar soldado inclusos no tubo. Fruto carnoso, globoso do tipo bacoide, localizado internamente ao cálice concrescente, que se torna paleáceo e se abre na maturação do fruto. Assemelha-se muito com as espécies do gênero Physalis, as quais possuem folhas com pecíolo cilíndrico ao passo que esta possui o pecíolo levemente alado. Propaga-se por meio de sementes

279 Família Solanaceae Physalis angulata L. N.V.: balão rajado, balãozinho, joá de capote, buchão de rã, camambu, camapu, camapum, camaru, matafome. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país de forma espontânea, ocupando áreas sob cultivo, pastagens e terrenos baldios. Partes da planta são utilizadas em medicina popular. Apresenta caule quadrangular, ereto, muito ramificado, verde ou com pigmentação avermelhada. Folhas alternadas com longo pecíolo canaliculado, limbo lanceolado ou ovalado com base levemente assimétrica e margens irregularmente onduladas ou serradas. Flores axilares, isoladas, de coloração branca, pedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas e acrescente durante o desenvolvimento do fruto, corola com 5 pétalas soldadas na base que protege o androceu com 5 estames de anteras coloridas e o gineceu com ovário globoso. Fruto carnoso do tipo bacoide oculto pelo cálice crescido que se torna paleáceo e com abertura apical na maturação do fruto. Assemelha-se muito com P. pubescens, mas ambas podem ser diferenciadas observando-se as folhas e as flores que em P. angulata apresentam-se com o limbo lanceolado ou raramente ovalado com as bases assimétricas, e as flores são amareladas com tubo mais escuro, já em P. pubescens as folhas são ovaladas típicas com a base pouco ou nada assimétrica e as flores amareladas possuem 5 manchas orbiculares escuras. Propagação por meio de sementes

280 Família Solanaceae Solanum americanum Mill. N.V.: aguaraguá, aguaraquiá, caraxixá, caraxixu, erva de bicho, erva mocó, erva moura, guaraquinha, maria-pretinha, pimenta, pimenta de cachorro, pimenta de galinha, pimenta de rato. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país de forma espontânea. Utilizada na medicina popular e os frutos maduros são avidamente procurados pela avifauna, no entanto a planta encerra compostos tóxicos. Apresenta caule cilíndrico, às vezes canaliculado, verde e ramificado desde a base, apresentando concaulescência de gemas. Folhas alternadas com base estreitada continuando pelo pecíolo, limbo de forma ovalada ou lanceolada com margens onduladas irregularmente. Inflorescência do tipo umbela e de posição extra-axilar em função da concaulescência das gemas, ou seja, as gemas originam-se na axilas das folhas mas coalescem-se com o caule logo abaixo da axila, modificando o ponto de origem. Flores númerosas, todas com os pedúnculos do mesmo tamanho, que saem do ápice do eixo principal, cálice com 5 sépalas soldadas e persistentes no fruto, corola com 5 pétalas brancas soldadas parcialmente formando um tubo, quando aberta lembra uma estrela. Androceu com 5 estames, gineceu gamocarpelar com ovário globoso e estigma único. Fruto carnoso do tipo bacoide, roxo escuro ou negro na maturidade. Pode ser reconhecida em campo por meio das flores estreladas de coloração branca e pelas inflorescências umbeliformes localizadas fora das axilas das folhas, e ainda pela coloração dos frutos. Propaga-se por meio de sementes

281 Família Solanaceae Solanum asperolanatum Ruiz & Pav. N.V.: jupeba, jurubeba, jurubeba grande. Espécie arbórea, perene e que se desenvolve em todo o país, pois trata-se de uma planta com amplo uso na medicina popular, muitas vezes em substituição à verdadeira jurubeba. Apresenta caule cilíndrico, muito ramificado, verde, recoberto por indumento de pelos baixos ásperos ao tato e provido de poucos espinhos. Folhas alternadas, também pilosas, pecioladas, e com limbo em formato variado, largo-lanceolado, ovalado e oblongo, sempre com a base assimétrica e com as margens irregularmente onduladas ou em profundos recortes, acrescidas ainda de espinhos no pecíolo e na nervura dorsal. Inflorescência do tipo corimbo de posição extra-axilar, por coalescência das gemas. Flores com pedúnculos de tamanhos diferentes dispostas sobre um eixo principal, cálice com 5 sépalas soldadas e persistentes no fruto, corola estrelada constituída por 5 pétalas brancas soldadas parcialmente formando um tubo. Androceu com 5 estames e gineceu gamocarpelar com ovário globoso e estigma único. Fruto carnoso do tipo bacoide, amarelado na maturação. Assemelha-se muito com S. paniculatum, que apresenta flores com corola lilacina ou violeta. Propaga-se por meio de sementes

282 Família Solanaceae Solanum capsicoides All. N.V.: arrebenta-boi, arrebenta-cavalo, baga de espinho, gogoia, joá vermelho, juá vermelho, juá-ti, melancia da praia. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, facilitada pela dispersão junto com as sementes de gramíneas forrageiras. Todas as partes vegetativas aéreas da planta são recobertas por espinhos. Apresenta caule cilíndrico, grosso e bastante ramificado. Folhas alternadas helicoidais, pecioladas e com limbo recortado em lobos e os recortes atingem a metade da distância entre a nervura central e a margem. Inflorescência extra-axilar do tipo fascículo com até 4 flores. Flores pedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas e persistentes no fruto, corola com 5 pétalas brancas soldadas parcialmente com as pontas encurvadas para baixo. Androceu com 5 estames, gineceu gamocarpelar com ovário globoso e com estigma único. Fruto carnoso do tipo bacoide, vermelho alaranjado na maturação. Assemelha-se muito com S. palinacanthum, que apresenta maior número de espinhos nos pecíolos e no limbo, e os frutos de coloração amarela na maturação. Propaga-se por meio de sementes

283 Família Solanaceae Solanum grandiflorum Ruiz & Pav. N.V.: fruta de lobo, lobeira, beringela. Espécie arbustiva, perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste e Sudeste do país em especial nas áreas de cerrado. Os frutos da planta são consumidos por animais frugívoros e utilizada na medicina popular. Apresenta caule cilíndrico, muito ramificado, recoberto totalmente por intensa pilosidade longa, rígida e de coloração ferrugínea ou verde acrescida ainda de estruturas espinescentes. Folhas alternadas helicoidais, pecioladas e de base sempre em lobos assimétricos. Limbo de forma ovalada ou lanceolada com margens percorridas por elevações e depressões alternadas e irregulares. Inflorescência terminal do tipo cacho, constituída por flores lilacinas ou violetas. Flores pedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas e persistentes no fruto, corola com 5 pétalas soldadas formando um tubo, que se alarga no ápice, deixando evidentes internamente linhas mais escurecidas. Androceu com 5 estames, gineceu com ovário globoso e com estigma único. Fruto carnoso do tipo bacoide verde-amarelado ou amarelado na maturação. Assemelha-se muito com S. lycocarpum, podendo ser diferenciadas por meio das flores que nesta espécie as apresenta com os lobos da corola mais estreitados e progressivamente agudos ao passo que em S. lycocarpum os lobos da corola são mais largos terminando bruscamente em ponta fina. Propaga-se por meio de sementes

284 Família Solanaceae Solanum guaraniticum St.-Hil. N.V.: jurubeba, jurubeba do sul, jurubeba-velame, velame. Espécie arbustiva, perene e que se desenvolve nas regiões Sudeste e Sul do Brasil espontaneamente, instalando-se em áreas cultivadas, áreas de pastagens e áreas abandonadas, preferindo vegetar em margens de cursos d água ou locais com alta umidade. Utilizada na farmacopeia popular em substituição à verdadeira jurubeba, no entanto têm sido registrados casos de intoxicação em bovinos que ingeriram partes da planta. Os frutos são avidamente consumidos pela avifauna. Apresenta caule cilíndrico, de coloração acinzentada nas partes velhas e verde nas ramificações jovens, as quais são providas de muitos ou poucos espinhos, dependendo da variedade, e com pilosidade áspera. Folhas alternadas helicoidais com a base sempre assimétrica, pecioladas, limbo podendo ser recortado em número desigual de segmentos, largo-lanceolado ou assimétrico, com margens onduladas ou levemente sinuosas ou limbo de margem inteira. Inflorescência do tipo dicásio de corimbo, terminal ou localizada na porção terminal dos ramos, em posição extra-axilar. Flores com pedúnculos em tamanhos diferentes no mesmo corimbo, cálice com 5 sépalas soldadas e persistentes no fruto, corola branca com 5 pétalas de ápices ondulados, soldadas parcialmente formando um tubo. Androceu com 5 estames, gineceu gamocarpelar com ovário globoso e estigma único. Fruto carnoso do tipo bacoide, alaranjado na maturação. Pode ser reconhecida em campo por meio das flores de coloração branca com estames de anteras longas e de coloração amarelo-alaranjada. Propaga-se por meio de sementes

285 Família Solanaceae Solanum mauritianum Scop. N.V.: couvetinga, cuvetinga, fumeira, fumo bravo. Espécie arbórea, perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil, instalandose em áreas cultivadas, pastagens e áreas desocupadas onde praticamente domina; prefere vegetar nas proximidades de cursos d água. Os frutos são consumidos pela avifauna e outros animais frugívoros e a planta é utilizada na medicina popular. Apresenta caule lenhoso na base, bastante ramificado na parte alta, embora os ramos velhos sejam grossos e desprovidos de pilosidade. Folhas alternadas helicoidais, pecioladas e providas de um par de estípulas grandes e foliáceas. Limbo largo-lanceolado com as duas faces recobertas por pilosidade baixa e áspera. Inflorescência terminal do tipo corimbo, constituída por númerosas flores de coloração lilacina. Flores com pedúnculos de tamanhos diferentes dentro da mesma inflorescência, cálice com 5 sépalas soldadas e persistentes no fruto, corola com 5 pétalas soldadas parcialmente formando um tubo, androceu com 5 estames, gineceu gamocarpelar com ovário globoso e estigma único. Fruto carnoso do tipo bacoide, amarelo-alaranjado na maturação e com epicarpo áspero. Assemelha-se muito com S. erianthum, no entanto podem ser diferenciadas por meio das folhas. S. mauritianum apresenta sempre um par de estípulas foliáceas ao passo que em S. erianthum as folhas são desprovidas de estípulas. Propaga-se por meio de sementes

286 Família Solanaceae Solanum palinacanthum Dun. N.V.: arrebenta-boi, arrebenta-cavalo, babá, bobó, joá, joá bagudo, joá bravo, juá, melancia da praia, mingola. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, especialmente em áreas de pastagens recémimplantadas ou onde houve substituição do capim por outra espécie de gramínea forrageira. Apresenta caule cilíndrico, verde, pouco ramificado, recoberto por espinhos, acrescido ainda de pelos longos. Folhas alternadas helicoidais, pecíolos e principalmente as nervuras mais claros e também com estruturas espinescentes. Limbo recortado em lobos simétricos ou lobos assimétricos com margens onduladas ou dentadas irregularmente. Inflorescência axilar do tipo corimbo, constituída por até 10 flores lilacinas, pedúnculos de tamanhos diferentes, cálice com 5 sépalas soldadas e persistentes no fruto, corola com 5 pétalas soldadas na base formando um pequeno tubo, androceu com 5 estames com longas anteras amarelas fortemente encostadas uma às outras e gineceu gamocarpelar com ovário globoso e estigma único. Fruto carnoso do tipo bacoide variegado em tons de verde, com predomínio do verde escuro quando jovem e de coloração amarela na maturação. Pode ser determinada em campo por meio dos espinhos distribuídos por toda a planta, com exceção dos frutos, que são variegados enquanto jovens e de coloração amarela no amadurecimento. Propaga-se por meio de sementes

287 Família Solanaceae Solanum paniculatum L. N.V.: gerobeba, joá manso, jubeba, jupeba, jurubeba, jurubeba branca, jurubeba verdadeira, jurubebinha, jurupeba, juena, juuna. Espécie arbustiva, perene e que se desenvolve em todo o país de forma espontânea ou cultivada com fins medicinais. Instala-se em áreas cultivadas, pastagens, áreas abandonadas e terrenos baldios. Em determinadas regiões os frutos são consumidos por animais frugívoros e utilizados na alimentação humana, cozidos ou sob a forma de conservas ou ainda incorporados a bebidas alcoólicas. Apresenta caule do tipo rizoma e caule aéreo cilíndrico, verde e recoberto por lenticelas, que promovem o intercâmbio gasoso entre este e o meio externo nas partes mais velhas da planta, piloso e espinescente nas partes jovens. Folhas alternadas helicoidais, com pecíolo também piloso e espinescente. Limbo recoberto profundamente e com base em lobos assimétricos e margens percorridas por elevações e depressões irregulares ou limbo lanceolado com face inferior mais clara e margens inteiras. Inflorescência terminal constituída por um dicásio que se bifurca em média 4 vezes. Flores pedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas e persistentes no fruto, corola com 5 pétalas lilacinas ou violetas soldadas formando um tubo que se alarga no ápice, androceu com 5 estames de anteras amarelas unidas sem estar soldadas, gineceu com ovário globoso e estigma que ultrapassa a altura das anteras. Fruto carnoso do tipo bacoide, verdeamarelado na maturação. A espécie pode ser reconhecida em campo por meio das folhas bicolores, da face dorsal, que possui coloração branco-acinzentada em função da pilosidade, e pelas flores lilacinas com os ápices dos lobos pouco trífidos. Propaga-se por meio de sementes e por desenvolvimento dos rizomas

288 Família Solanaceae Solanum pseudocapsicum L. N.V.: cereja de jerusalém, cereja de natal, ginjeira da terra, laranjinha de jardim, peloteira, tomatinho. Espécie subarbustiva, perene e que se desenvolve em todo o país espontaneamente ou cultivada como planta ornamental onde merece atenção pelo fato de encerrar princípios tóxicos em seus frutos, que são atrativos. Vegeta normalmente em áreas de capoeiras, hortas, pomares e jardins. A planta é utilizada no paisagismo em função dos frutos, que são sempre eretos, coloridos e de longa duração. Apresenta caule cilíndrico e bastante ramificado dicotomicamente desde a base, glabro ou então revestido por um indumento piloso áspero, curto e de coloração ferrugínea. Folhas simples com pecíolo curto, grosso e também piloso de disposição alternada helicoidal. Limbo lanceolado glabro ou pubescente com a base levemente decorrente e margens sinuosas. Flores isoladas em número de 1 a 2 nas axilas das folhas do ápice da planta e providas de um pedúnculo curto e de pêndulo, cálice com 5 sépalas soldadas e persistentes no fruto, corola branca também soldada formando 5 lobos estrelados, androceu com 5 estames de anteras fortemente encostadas e amareladas, gineceu bicarpelar. Fruto carnoso do tipo bacoide de coloração alaranjada a avermelhada na maturação. A espécie pode ser reconhecida em campo por meio das flores brancas e com aspecto estrelado, sempre pêndulas, e dos frutos eretos e coloridos de laranja-avermelhado. Propagação por meio de sementes

289 Família Solanaceae Solanum robustum H. Wendl. N.V.: joá, joá-açu. Espécie arbustiva perene podendo alcançar até 2 metros de altura e que se desenvolve nas regiões Sudeste e Sul do Brasil, vegetando em áreas de altitude, ocupadas por lavouras anuais ou perenes, pastagens, terras abandonadas e margens de rodovias. Apresenta caule muito ramificado desde a base, lenhoso, cilíndrico-angulado, revestido por pubescência ferrugínea especialmente nas partes jovens e com númerosos acúleos levemente curvos e de base larga, distribuídos ao longo dos ramos. Folhas simples com pecíolos amplamente alados, pubescente-aculeados na face dorsal, estando dispostas de forma alternada helicoidal. Limbo volumoso em formato largolanceolado, discolor, base decorrente, pilosidade áspera em ambas as faces, nervuras grossas e margens irregularmente recortadas. Inflorescência axilar do tipo cacho constituído por 5 a 7 flores. Flores com pedúnculos que se alargam no ápice, também revestidos por pelos e canaliculados, cálice constituído por 5 sépalas cinza-ferrugíneas externamente, soldadas na base, corola branca com estrias amarelas formada por 5 pétalas soldadas, androceu com 5 estames de anteras amarelas e poricidas, gineceu bicarpelar. Fruto carnoso do tipo bacoide, hirsuto, verde-amarelado na maturação. Pode ser identificada em campo por meio das folhas de margens irregularmente recortadas, cujos pecíolos se apresentam com alas laterais foliáceas e aculeados no dorso. Propagação por meio de sementes

290 Família Solanaceae Solanum scuticum M. Nee N.V.: juá. Espécie arbustiva que alcança entre 1,5 a 3 metros de altura, perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e parte do Sul do Brasil vegetando no bioma cerrado e extracerrado. Ocorre em terras abandonadas, margens de rodovias ou então inseridas nas pastagens. Apresenta caule inerte com ramificação abundante e longa, formando dicásios desde a base, ramos velhos com casca acinzentada, lenticelada e com os nós evidenciando as cicatrizes deixadas pelas folhas antigas. Ramos novos recobertos por pilosidade ferrugínea. Folhas simples, com o pecíolo também piloso ferrugíneo e de inserção alternada helicoidal. Limbo discolor muito polimórfico apresentando predominância das formas lanceolada típica, ovalada e oblonga, cujas bases são sempre assimétricas. Nesse polimorfismo ocorre também uma associação de folhas grandes com folhas pequenas, todas revestidas em ambas as faces por um tomento branco a ferrugíneo em especial nas folhas jovens, margens desde inteiras a levemente sinuosas até pouco crenadas irregularmente. Inflorescência terminal do tipo cacho, cujo eixo também se apresenta tomentoso ferrugíneo. Flores com pedúnculo copiando o indumento dos pecíolos, cálice com 5 sépalas acuminadas e desiguais, corola com pétalas brancas soldadas formando um pequeno tubo, sendo os 5 lobos com margens sinuosas e ápice pontiagudo, androceu com 5 estames de anteras amarelas, não coniventes e poricidas, gineceu com estigma capitado. Fruto carnoso do tipo bacoide, glabro, de coloração verde-amarelada. Pode ser identificada em campo por meio do polimorfismo e da variação de tamanhos encontrados nas folhas, acrescentando-se ainda a disposição não conivente das anteras. Propagação por meio de sementes

291 Família Solanaceae Solanum sisymbrifolium Lam. N.V.: arrebenta-cavalo, joá, joá bravo, juá, juá bravo, juá da roça, juá das queimadas, mata-cavalo. Espécie herbácea ou subarbustiva, perene e que se desenvolve espontaneamente em todo o país facilitada pelo transporte acidental das sementes misturadas às das plantas cultivadas. Instala-se em áreas cultivadas, áreas ocupadas por pastagens, áreas abandonadas e terrenos baldios. Os frutos são consumidos pela avifauna e outros animais frugívoros. Apresenta caule cilíndrico, canaliculado, verde, piloso e espinescente. Folhas alternadas helicoidais com longos pecíolos providos de espinhos. Limbo profundamente recortado formando númerosos segmentos com margens pouco ou acentuadamente recortadas. Os recortes são pouco irregulares. Inflorescência do tipo cacho terminal ou localizada fora das axilas das folhas terminais, por concaulescência das gemas. Flores distribuídas de forma alternada dística no eixo, compostas por curtos pedúnculos, cálice com 5 sépalas acrescentes no fruto, corola com 5 pétalas soldadas, encurvadas para a base e franjadas, as quais formam um tubo que se alarga no ápice, androceu com 5 estames e gineceu com ovário globoso e estigma bífido. Fruto carnoso do tipo bacoide, envolto pelo cálice que se rompe e evidencia a cor vermelha na maturação. A espécie pode ser reconhecida em campo por meio dos longos espinhos retos e amareloferrugíneos que revestem toda a planta, inclusive o cálice concrescente no fruto. Propaga-se por meio de sementes

292 Família Solanaceae Solanum stipulaceum Roem. & Schult. N.V.: fumo bravo, jurubeba. Espécie herbácea ou subarbustiva, anual e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil de forma espontânea. A planta é utilizada na etnomedicina e seus frutos são consumidos pela avifauna e mastofauna frugívora que auxilia na dispersão. Apresenta caule cilíndrico, verde e recoberto por indumento de pelos baixos lanuginosos. Folhas alternadas helicoidais, quase opostas no ápice dos ramos, pecioladas e providas de um par de estípulas semiamplexicaule. Limbo lanceolado,verde claro na face dorsal, sendo ambas revestidas por pelos baixos. Inflorescência terminal do tipo dicásio de corimbo, constituída por númerosas flores lilacinas ou violetas com pedúnculos em diferentes tamanhos. Flores com cálice formado por 5 sépalas soldadas, corola com 5 pétalas soldadas formando um tubo que se alarga no ápice. Androceu com 5 estames e gineceu com ovário globoso. Fruto carnoso do tipo bacoide. Assemelha-se muito com S. erianthum, a qual não apresenta estípulas foliáceas na base dos pecíolos. Propaga-se por meio de sementes

293 Família Solanaceae Solanum subumbellatum Roem. & Schult. N.V.: couvetinga. Espécie arbustiva, perene e que se desenvolve nas regiões Centro-Oeste e Sudeste no bioma cerrado, onde vegeta em áreas ocupadas por pastagens ou terras abandonadas. Apresenta caule ereto, amplamente ramificado desde a base e completamente recoberto por tomento amarelado, revestimento que aparece em todas as partes da planta, com exceção da corola e dos frutos, coloração que fornece à planta uma característica singular. Folhas simples com pecíolo curto e de filotaxia alternada helicoidal. Limbo carnoso a coriáceo em formato lanceolado típico, face superior pouco verrucosa e margens inteiras. Inflorescência terminal localizada no caule principal e no ápice dos ramos laterais do tipo cacho, mas com os pedúnculos florais do mesmo tamanho e pêndulos simulando uma umbela invertida. Flores longo-pedunculadas com o cálice obcônico constituído por 5 sépalas soldadas acrescentes e persistentes nos frutos, corola branca lilacina com 5 pétalas formando um tubo cuja garganta mostra uma mancha estrelada de coloração avermelhada, androceu com 5 estames de anteras coniventes, amarelas e com a porção mediana também em tom avermelhado, gineceu com estigma capitado. Fruto carnoso do tipo bacoide avermelhado na maturação. A planta pode ser reconhecida em campo por meio da coloração amarelado-ferrugínea em todas as partes vegetativas. Propagação por meio de sementes

294 Família Solanaceae Solanum viarum Dunal N.V.: arrebenta-cavalo, joá, joá bravo, juá, juá bravo, mata-cavalo. Espécie herbácea, anual e que se desenvolve em todo o país, especialmente em áreas de pastagens recémimplantadas ou onde houve substituição do capim por outra espécie de gramínea forrageira. Apresenta caule cilíndrico, bastante ramificado, verde ou com pigmentação avermelhada, revestido por indumento de pelos baixos quase invisíveis ao olho nu, acrescidos de númerosos espinhos, longos e retos. Folhas alternadas helicoidais, pecíolos e nervuras também com estruturas espinescentes. Limbo recortado em lobos simétricos. Inflorescência extra-axilar, por concaulescência das gemas, constituída por um fascículo com 1 a 3 flores. Flores pedunculadas, cálice com 5 sépalas soldadas e persistentes no fruto, corola branca com 5 pétalas soldadas formando um tubo. Androceu com 5 estames com anteras longas e encostadas fortemente uma às outras, gineceu gamocarpelar com ovário globoso. Fruto carnoso do tipo bacoide, apresentando um reticulado de coloração verde e branca ou verde escura e verde clara quando jovem, passando para amarelo na maturação. Esta espécie se diferencia de Solanum palinacanthum por apresentar o caule e os pecíolos desprovidos de pelos longos e rígidos, e também pelas folhas com recortes mais simétricos. Propaga-se por meio de sementes

295 Família Verbenaceae Família representada no Brasil por gêneros nativos com porte herbáceo a arbustivo, nos quais raramente ocorrem árvores. Alguns gêneros foram transferidos para a família Labiatae. Congea foi introduzido para atender ao paisagismo. Dentre os gêneros nativos cabe destacar especialmente Lantana, Priva e Stachytarpheta, considerados invasivos de áreas agrícolas e pastagens. A família pode ser caracterizada por apresentar o caule ou os ramos mais novos com superfície quadrática, folhas opostas com o limbo simples e margens serreadas, raramente limbo recortado. Inflorescências axilares e terminais reunindo flores vistosas, cálice pentâmero, corola também pentâmera com tubo ligeiramente curvo, zigomorfas e hermafroditas. Frutos esquizocárpicos ou drupáceos. Família Verbenaceae 580

296 Família Verbenaceae Stachytarpheta cayennensis (Rach.) Vall N.V.: gervão, gervão azul, gervão de folha verônica. Espécie herbácea, anual ou perene que se desenvolve em todo território nacional de forma espontânea, sendo utilizada na medicina empírica. Apresenta caule verde ou com pigmentação avermelhada, pouco ramificado, ramos novos quadrangulares e levemente achatados na região nodal. Folhas opostas cruzadas, pecioladas ou com a base atenuada, pouco ásperas ao tato e com limbo de forma ovalada, sendo a margem percorrida totalmente ou apenas a porção mediana em direção ao ápice por ondulações ou então margem serrada. Inflorescência terminal do tipo espiga cilíndrica linear, constituída por númerosas flores desprovidas de pedúnculos. Flores com cálice de 5 sépalas soldadas, corola lilacina ou azulada com 5 pétalas soldadas formando um tubo curto, estreito e ligeiramente curvo. Androceu com 4 estames sendo 2 férteis e 2 não férteis, e gineceu gamocarpelar com ovário oblongo. Fruto seco do tipo carcerulídeo. Assemelha-se muito com S. elatior, a qual apresenta folhas longo-lanceoladas. Propaga-se por meio de sementes

SISTEMÁTICA DE EUDICOTILEDONEAS PARTE I

SISTEMÁTICA DE EUDICOTILEDONEAS PARTE I SISTEMÁTICA DE EUDICOTILEDONEAS PARTE I Chave A- Flores Aclamídeas ou Monoclamídeas (Flores sem pétalas nem sépalas ou com apenas cálice/corola) Aclamídeas Euphorbiaceae Araceae Cyperaceae Poaceae Monoclamídeas

Leia mais

Identificação de Espécies de Plantas Daninhas

Identificação de Espécies de Plantas Daninhas Identificação de Espécies de Plantas Daninhas capim-marmelada, capim-papuã, marmelada, grama-paulista Brachiaria plantaginea - BRAPL http://www.plantasdaninhasonline.com.br 1 2 Capim colchão Digitaria

Leia mais

3/6/2012 SISTEMÁTICA DE DICOTILEDÔNEAS SISTEMÁTICA DE DICOTILEDÔNEAS. Formato da folha e/ou cotilédone. Arranjo foliar no caule alternado oposto

3/6/2012 SISTEMÁTICA DE DICOTILEDÔNEAS SISTEMÁTICA DE DICOTILEDÔNEAS. Formato da folha e/ou cotilédone. Arranjo foliar no caule alternado oposto SISTEMÁTICA DE DICOTILEDÔNEAS SISTEMÁTICA DE DICOTILEDÔNEAS Plantas daninhas folhas largas Folhas alternadas Pecíolo Folhas opostas Folhas cotiledonares (sempre opostas) Margens das folhas denteadas Nervura

Leia mais

SISTEMÁTICA DE DICOTILEDÔNEAS

SISTEMÁTICA DE DICOTILEDÔNEAS SISTEMÁTICA DE DICOTILEDÔNEAS Características importantes para identificação das dicotiledôneas: Arranjo foliar no caule Alternadas Opostas Formato foliar e/ou cotiledonar Outras características a considerar:

Leia mais

SISTEMÁTICA DE DICOTILEDÔNEAS

SISTEMÁTICA DE DICOTILEDÔNEAS Características importantes para identificação das dicotiledôneas: SISTEMÁTICA DE DICOTILEDÔNEAS Arranjo foliar no caule Plantas daninhas folhas largas Formato das folhas Alternadas Opostas Folhas alternadas

Leia mais

SISTEMÁTICA DAS PLANTAS DANINHAS DICOTILEDÔNEAS. Características importantes para identificação de seedlings de dicotiledôneas:

SISTEMÁTICA DAS PLANTAS DANINHAS DICOTILEDÔNEAS. Características importantes para identificação de seedlings de dicotiledôneas: SISTEMÁTICA DAS PLANTAS DANINHAS DICOTILEDÔNEAS Características importantes para identificação de seedlings de dicotiledôneas: Arranjo foliar no caule Alternadas Opostas Formato foliar e/ou cotiledonar

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Soja Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Documentos 274

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Soja Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Documentos 274 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ISSN 1516-781X Abril, 2015 Documentos 274 Manual de identificação de plantas daninhas da cultura da soja

Leia mais

LEVANTAMENTO DE PLANTAS DANINHAS EM REGIÕES PRODUTORAS DE MILHO E SOJA NOS ESTADOS DE GOIÁS E MINAS GERAIS

LEVANTAMENTO DE PLANTAS DANINHAS EM REGIÕES PRODUTORAS DE MILHO E SOJA NOS ESTADOS DE GOIÁS E MINAS GERAIS LEVANTAMENTO DE PLANTAS DANINHAS EM REGIÕES PRODUTORAS DE MILHO E SOJA NOS ESTADOS DE GOIÁS E MINAS GERAIS Karam, D. (Embrapa Milho e Sorgo - Sete Lagoas/MG decio.karam@embrapa.br), SILVA, W. T. (UFSJ

Leia mais

Produção Integrada da Batata

Produção Integrada da Batata Produção Integrada da Batata Grade de Agroquímicos para a Cultura da Batata Herbicidas Afalon SC linurom (uréia) III Acanthospermum australe carrapichinho; carrapicho-rasteiro; maroto 2,2-4,4 L/ha - Seletivo,

Leia mais

4 Habranthus sylvaticus AMARYLLIDACEAE. 2 Froelichia humboldtiana AMARANTHACEAE. 1 Alternanthera tenella AMARANTHACEAE

4 Habranthus sylvaticus AMARYLLIDACEAE. 2 Froelichia humboldtiana AMARANTHACEAE. 1 Alternanthera tenella AMARANTHACEAE 1 1 Alternanthera tenella AMARANTHACEAE 2 Froelichia humboldtiana AMARANTHACEAE 3 Froelichia humboldtiana AMARANTHACEAE 4 Habranthus sylvaticus AMARYLLIDACEAE 5 Mandevilla moricandiana 6 Mandevilla scabra

Leia mais

SISTEMÁTICA DE MONOCOTILEDONEAS

SISTEMÁTICA DE MONOCOTILEDONEAS SISTEMÁTICA DE MONOCOTILEDONEAS Monocotiledônea Embrião com apenas 1 cotilédone ou sem diferenciação Commelinaceae Distribuição trópicos 40 gêneros, 650 espécies Sementes aéreas Sementes subterrâneas Exemplos:

Leia mais

Levantamento florístico de plantas daninhas nos estados de Minas Gerais, Mato Grosso, Tocantins e Goiás.

Levantamento florístico de plantas daninhas nos estados de Minas Gerais, Mato Grosso, Tocantins e Goiás. Levantamento florístico de plantas daninhas nos estados de Minas Gerais, Mato Grosso, Tocantins e Goiás. Leonara Rezende Anastácio 1 e Décio Karam 2 1 Estudante do Curso de Engenharia Agronômica da Univ.

Leia mais

Espaçamento entrelinhas largo da cana (1,4 a 1,5 m) Baixa sensibilidade da semente à luz -> infestação em cana crua

Espaçamento entrelinhas largo da cana (1,4 a 1,5 m) Baixa sensibilidade da semente à luz -> infestação em cana crua Corda de viola Plantas daninhas de infestação tardia Espaçamento entrelinhas largo da cana (1,4 a 1,5 m) Baixa sensibilidade da semente à luz -> infestação em cana crua Baixa eficácia de alguns pré-emergentes

Leia mais

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 46, DE 24 DE SETEMBRO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FLORÍSTICA DE BANCOS DE SEMENTES EM SISTEMAS SOLTEIROS E INTEGRADOS DE PRODUÇÃO

CARACTERIZAÇÃO FLORÍSTICA DE BANCOS DE SEMENTES EM SISTEMAS SOLTEIROS E INTEGRADOS DE PRODUÇÃO CARACTERIZAÇÃO FLORÍSTICA DE BANCOS DE SEMENTES EM SISTEMAS SOLTEIROS E INTEGRADOS DE PRODUÇÃO MENEGATTI, L. (UFMT, Sinop/MT menegatti._lukas@hotmail.com), IKEDA, F. S. (Embrapa Agrossilvipastoril, Sinop/MT

Leia mais

FITOSSOCIOLOGIA DE PLANTAS DANINHAS HERBÁCEAS DURANTE O PERÍODO SECO NO PARQUE FLORESTAL DE NOVA PONTE/MG

FITOSSOCIOLOGIA DE PLANTAS DANINHAS HERBÁCEAS DURANTE O PERÍODO SECO NO PARQUE FLORESTAL DE NOVA PONTE/MG FITOSSOCIOLOGIA DE PLANTAS DANINHAS HERBÁCEAS DURANTE O PERÍODO SECO NO PARQUE FLORESTAL DE NOVA PONTE/MG HERBACEOUS WEED PHYTOSOCIOLOGY DURING THE DRY SEASON IN THE PARK FOREST PERIOD OF NOVA PONTE/MG

Leia mais

FITOSSOCIOLOGIA DE PLANTAS DANINHAS HERBÁCEAS DURANTE O PERÍODO SECO NO PARQUE FLORESTAL DE NOVA PONTE/MG

FITOSSOCIOLOGIA DE PLANTAS DANINHAS HERBÁCEAS DURANTE O PERÍODO SECO NO PARQUE FLORESTAL DE NOVA PONTE/MG FITOSSOCIOLOGIA DE PLANTAS DANINHAS HERBÁCEAS DURANTE O PERÍODO SECO NO PARQUE FLORESTAL DE NOVA PONTE/MG AQUILES JUNIOR DA CUNHA 1 ROSÂNGELA DE OLIVEIRA ARAÚJO 2 MARISA DINIZ GONÇALVES MACHADO 3 JORGE

Leia mais

NOTAS CIENTÍFICAS Cadastramento fitossociológico de plantas daninhas na cultura de girassol (1)

NOTAS CIENTÍFICAS Cadastramento fitossociológico de plantas daninhas na cultura de girassol (1) Cadastramento fitossociológico de plantas daninhas 651 NOTAS CIENTÍFICAS Cadastramento fitossociológico de plantas daninhas na cultura de girassol (1) Alexandre Magno Brighenti (2), Cesar de Castro (2),

Leia mais

Documentos. ISSN Dezembro, Levantamento de Plantas Daninhas em Regiões Produtoras de Milho e Soja nos Estados de Goiás e Minas Gerais

Documentos. ISSN Dezembro, Levantamento de Plantas Daninhas em Regiões Produtoras de Milho e Soja nos Estados de Goiás e Minas Gerais Documentos ISSN 1518-4277 Dezembro, 2014 175 Levantamento de Plantas Daninhas em Regiões Produtoras de Milho e Soja nos Estados de Goiás e Minas Gerais ISSN 1518-4277 Dezembro, 2014 Empresa Brasileira

Leia mais

Mais eficiência. Com o intuito de tornar próspera a. Milho

Mais eficiência. Com o intuito de tornar próspera a. Milho Milho Fotos Décio Karam Mais eficiência Ao manejar plantas daninhas na cultura do milho é importante observar aspectos como escolha e densidade da semente, conhecimento sobre os herbicidas disponíveis

Leia mais

BANCO DE SEMENTES DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA MANDIOCA NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

BANCO DE SEMENTES DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA MANDIOCA NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO BANCO DE SEMENTES DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA MANDIOCA NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Eurico HUZIWARA 1 ; Juares OGLIARI 2 ; Silvério de Paiva FREITAS 3 ; Herval Martinho Ferreira PAES

Leia mais

tecnologia com o controle de sempre.

tecnologia com o controle de sempre. tecnologia com o controle de sempre. Fazendo Mais pelo Campo É da tradição gaúcha preservar seus hábitos, seu folclore e seu estilo de vida próprio. Conhecido por seu modo de se vestir, pelo sotaque e

Leia mais

SISTEMÁTICA DE MONOCOTILEDÔNEAS. Prática - 1ª Semana

SISTEMÁTICA DE MONOCOTILEDÔNEAS. Prática - 1ª Semana SISTEMÁTICA DE MONOCOTILEDÔNEAS Prática - 1ª Semana Principais publicações de identificação de plantas daninhas: Manual de identificação (autor - H. Lorenzi) Plantas Daninhas do Brasil (autor - H. Lorenzi)

Leia mais

LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA MANDIOCA NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ

LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA MANDIOCA NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA MANDIOCA NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ Eurico HUZIWARA 1 ; Juares OGLIARI 2 ; Silvério de Paiva FREITAS 3 ; Herval Martinho Ferreira

Leia mais

19/02/ Aulas práticas e Herbários 2 - Sistemática das monocotiledôneas

19/02/ Aulas práticas e Herbários 2 - Sistemática das monocotiledôneas Aulas práticas: a) Prova prática: 15ª semana 03 a 05 de junho - Peso: 2,0 50% da prova Identificação (plântulas e plantas adultas) 50% da prova aulas práticas e relatórios (Obs.: guardar cópia dos relatórios)

Leia mais

Os seguintes conceitos devem ser conhecidos antes da realização do teste:

Os seguintes conceitos devem ser conhecidos antes da realização do teste: Teste de pureza Tem o objetivo de avaliar a qualidade física da amostra em exame e consequentemente a do lote de sementes. Entende-se por lote de sementes como sendo uma quantidade definida e limitada

Leia mais

FITOSSOCIOLOGIA E COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA DE COMUNIDADES DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE CAFÉ ORGÂNICO E CONVENCIONAL, MACHADO-MG

FITOSSOCIOLOGIA E COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA DE COMUNIDADES DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE CAFÉ ORGÂNICO E CONVENCIONAL, MACHADO-MG 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG FITOSSOCIOLOGIA E COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA DE COMUNIDADES DE PLANTAS DANINHAS

Leia mais

14/02/2016. Aula Prática Sistemática das plantas daninhas: monocotiledôneas. 1 - Atividades Práticas e Herbários 2 - Sistemática das Monocotiledôneas

14/02/2016. Aula Prática Sistemática das plantas daninhas: monocotiledôneas. 1 - Atividades Práticas e Herbários 2 - Sistemática das Monocotiledôneas Aulas práticas: a) Prova prática: 18ª semana 14 a 16 de junho - Peso: 2,0 50% da prova Identificação (plântulas e plantas adultas) 50% da prova aulas práticas e relatórios (Obs.: guardar cópia dos relatórios)

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS PLANTAS DANINHAS NAS ÉPOCAS SECA E CHUVOSA EM ÁREAS DE PASTAGENS PLANTADAS NO SUDOESTE DE MATO GROSSO

LEVANTAMENTO DAS PLANTAS DANINHAS NAS ÉPOCAS SECA E CHUVOSA EM ÁREAS DE PASTAGENS PLANTADAS NO SUDOESTE DE MATO GROSSO LEVANTAMENTO DAS PLANTAS DANINHAS NAS ÉPOCAS SECA E CHUVOSA EM ÁREAS DE PASTAGENS PLANTADAS NO SUDOESTE DE MATO GROSSO MIRIAM HIROKO INOUE 1 *, GUSTAVO PATRICK DOS SANTOS PALERMO 2, RIVANILDO DALLACORT

Leia mais

SISTEMÁTICA DE MONOCOTILEDÔNEAS. Prática - 1ª Semana

SISTEMÁTICA DE MONOCOTILEDÔNEAS. Prática - 1ª Semana SISTEMÁTICA DE MONOCOTILEDÔNEAS Prática - 1ª Semana b) Principais publicações de identificação de plantas daninhas: Manual de identificação (autor - H. Lorenzi) Plantas Daninhas do Brasil (autor - H. Lorenzi)

Leia mais

2.1 DIVERSIDADE NAS PLANTAS CONSTITUIÇÃO DAS PLANTAS COM FLOR

2.1 DIVERSIDADE NAS PLANTAS CONSTITUIÇÃO DAS PLANTAS COM FLOR 2.1 DIVERSIDADE NAS PLANTAS CONSTITUIÇÃO DAS PLANTAS COM FLOR Como são constituídas as plantas com flor? As plantas com flor são constituídas por raiz, caule e folhas. Apresentando em certas épocas do

Leia mais

Prof. Dra. Núbia M. Correia Departamento do Fitossanidade FCAV/UNESP-Campus de Jaboticabal

Prof. Dra. Núbia M. Correia Departamento do Fitossanidade FCAV/UNESP-Campus de Jaboticabal Prof. Dra. Núbia M. Correia Departamento do Fitossanidade FCAV/UNESP-Campus de Jaboticabal Introdução Interferência e danos ocasionados Principais plantas daninhas Resistência x tolerância Manejo químico

Leia mais

Documentos ISSN Abril, 2015

Documentos ISSN Abril, 2015 Documentos ISSN 2176-2937 Abril, 2015 274 Manual de identificação de plantas daninhas da cultura da soja 2ª edição Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Soja Ministério da Agricultura, Pecuária

Leia mais

Juglans regia L. 7 Exemplares no Parque

Juglans regia L. 7 Exemplares no Parque Juglans regia L. 7 Exemplares no Parque Família Juglandaceae Nome Comum nogueira, nogueira-comum, nogueira-europeia Origem Grécia e região Balcânica, naturalizada a sul e oeste da Europa e norte de Portugal.

Leia mais

3/6/ Aulas práticas e Herbários 2 - Sistemática das monocotiledôneas

3/6/ Aulas práticas e Herbários 2 - Sistemática das monocotiledôneas Aulas práticas: a) Prova prática: 17ª semana 19 a 21 de junho - Peso: 2,0 50% da prova Identificação (plântulas e plantas adultas) 50% da prova aulas práticas e relatórios (Obs.: guardar cópia dos relatórios)

Leia mais

Material didático do Prof. Leonardo Bianco de Carvalho UNESP - Câmpus de Jaboticabal MATOLOGIA. Introdução à Matologia (conceito e importância)

Material didático do Prof. Leonardo Bianco de Carvalho UNESP - Câmpus de Jaboticabal MATOLOGIA. Introdução à Matologia (conceito e importância) MATOLOGIA Introdução à Matologia (conceito e importância) 1 Cronograma da aula Apresentação da disciplina Conceitos e definições sobre plantas daninhas Importância das plantas daninhas 2 Apresentação,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS APODI. Prof.ª M. Sc. Hélida Campos de Mesquita.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS APODI. Prof.ª M. Sc. Hélida Campos de Mesquita. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS APODI Prof.ª M. Sc. Hélida Campos de Mesquita Apodi-RN 2016 O que é uma planta daninha? É qualquer espécie vegetal que,

Leia mais

EFEITO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA EM CAPIM-TANZÂNIA IRRIGADO NA FITOSSOCIOLOGIA DA COMUNIDADE VEGETAL INFESTANTE

EFEITO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA EM CAPIM-TANZÂNIA IRRIGADO NA FITOSSOCIOLOGIA DA COMUNIDADE VEGETAL INFESTANTE EFEITO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA EM CAPIM-TANZÂNIA IRRIGADO NA FITOSSOCIOLOGIA DA COMUNIDADE VEGETAL INFESTANTE MASCARENHAS, M.H.T. (EPAMIG Centro Oeste, Prudente de Morais/MG, mhtabimm@epamig.br); LARA,

Leia mais

LEVANTAMENTO DE PLANTAS DANINHAS NA REGIÃO DO BAIXO PARNAÍBA

LEVANTAMENTO DE PLANTAS DANINHAS NA REGIÃO DO BAIXO PARNAÍBA AGROPECUÁRIA CIENTÍFICA NO SEMI-ÁRIDO ISSN 1808-6845 Artigo Científico LEVANTAMENTO DE PLANTAS DANINHAS NA REGIÃO DO BAIXO PARNAÍBA Maria da Conceição da Costa de Andrade Vasconcelos Eng.ª Agrônoma, Chapadinha,

Leia mais

Plantas espontâneas como indicadoras da qualidade do solo

Plantas espontâneas como indicadoras da qualidade do solo Plantas espontâneas como indicadoras da qualidade do solo Weeds as indicators of soil quality CALIXTO, Juliana Sena 1 ; BRASILEIRO, Beatriz Gonçalves 2 ; DUARTE, Edivania Maria Gourete 3 ; PAIVA, Milheny

Leia mais

CAMBARÁ. Grosso do Sul até Rio Grande do Sul. Informações ecológicas: semidecídua ou decídua,

CAMBARÁ. Grosso do Sul até Rio Grande do Sul. Informações ecológicas: semidecídua ou decídua, CAMBARÁ Nome científico: Gochnatia polymorpha (Less.) Cabrera Nome popular: cambará Família: Asteraceae Classificação: espécie pioneira Porte arbóreo: (13-20 m) Zona de ocorrência natural: Bahia, Minas

Leia mais

LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DO FEIJÃO-CAUPI NO AGRESTE ALAGOANO. Triângulo Mineiro Campus Uberlândia

LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DO FEIJÃO-CAUPI NO AGRESTE ALAGOANO. Triângulo Mineiro Campus Uberlândia LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DO FEIJÃO-CAUPI NO AGRESTE ALAGOANO Larissa Silva de Oliveira 1, Reinaldo Silva Oliveira Canuto 2, Débora Maria Ferreira Oliveira Canuto 3 1

Leia mais

Curso de graduação em ENGENHARIA AGRONÔMICA MATOLOGIA. Origem e evolução de plantas daninhas

Curso de graduação em ENGENHARIA AGRONÔMICA MATOLOGIA. Origem e evolução de plantas daninhas Curso de graduação em ENGENHARIA AGRONÔMICA MATOLOGIA Origem e evolução de plantas daninhas Introdução Definição e considerações... Planta daninha é qualquer vegetal que cresce espontaneamente em uma área

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FLORÍSTICA DE BANCOS DE SEMENTES EM SISTEMAS INTEGRADOS DE PRODUÇÃO COM DIFERENTES NÍVEIS DE SOMBREAMENTO

CARACTERIZAÇÃO FLORÍSTICA DE BANCOS DE SEMENTES EM SISTEMAS INTEGRADOS DE PRODUÇÃO COM DIFERENTES NÍVEIS DE SOMBREAMENTO CARACTERIZAÇÃO FLORÍSTICA DE BANCOS DE SEMENTES EM SISTEMAS INTEGRADOS DE PRODUÇÃO COM DIFERENTES NÍVEIS DE SOMBREAMENTO IKEDA, F. S. (Embrapa Agrossilvipastoril, Sinop/MT fernanda.ikeda@embrapa.br), MENEGATTI,

Leia mais

Levantamento florístico das plantas daninhas em um parque público de Campina Grande, Paraíba, Brasil

Levantamento florístico das plantas daninhas em um parque público de Campina Grande, Paraíba, Brasil Biotemas, 21 (4): 7-14, dezembro de 2008 ISSN 0103 1643 7 Levantamento florístico das plantas daninhas em um parque público de Campina Grande, Paraíba, Brasil Ana Maria Alves da Silva 1 * Ivan Dantas Coelho

Leia mais

Cultivo de Feijão-Caupi

Cultivo de Feijão-Caupi ultivo de Feijão-Caupi 1 de 10 27/06/2017 18:36 Feijão Cultivo de Feijão-Caupi Dados Sistema de Produção Embrapa Meio-Norte Sistema de Produção, 2 Sumário Manejo integrado de plantas daninhas ISSN 1678-8818

Leia mais

Referências para próxima aula (banco de sementes)

Referências para próxima aula (banco de sementes) Referências para próxima aula (banco de sementes) Referência 4 - Ikeda, F.S.; Mitja, D.; Carmona, R.; Vilela, L. Caracterização florística de bancos de sementes em sistemas de cultivo lavoura-pastagem.

Leia mais

Levantamento de plantas daninhas após cultivo de melancia no município de Normandia, Roraima (1)

Levantamento de plantas daninhas após cultivo de melancia no município de Normandia, Roraima (1) Levantamento de plantas daninhas após cultivo de melancia no município de Normandia, Roraima (1) Davair Lopes Teixeira Junior (2) ; Cleidiane Ribeiro Silva (3) ; José de Anchieta Alves de Albuquerque (4)

Leia mais

8/31/2011. Identificação de espécies de plantas daninhas resistentes à herbicidas

8/31/2011. Identificação de espécies de plantas daninhas resistentes à herbicidas 3 8/31/2011 Heap 2010 - www.weedscience.org Resistência de plantas daninhas a herbicidas Definições Identificação de espécies de plantas daninhas resistentes à herbicidas é a capacidade herdável de uma

Leia mais

Manejo de Plantas Daninhas. Saul Carvalho

Manejo de Plantas Daninhas. Saul Carvalho Manejo de Plantas Daninhas Saul Carvalho 1. Introdução O que é uma Planta Daninha? Uma planta fora de lugar ou crescendo onde ela não é desejada (Blatchley, 1912). Qualquer planta cujas virtudes não têm

Leia mais

Castanea sativa Mill. 257 Exemplares no Parque

Castanea sativa Mill. 257 Exemplares no Parque Castanea sativa Mill. 257 Exemplares no Parque Família Fagaceae Nome Comum castanheiro, reboleiro, castanheiro-comum, castanheiro-vulgar Origem Originária da Europa, da zona dos Balcãs, Ásia Menor e Cáucaso,

Leia mais

Celtis australis L. 3 Exemplares no Parque

Celtis australis L. 3 Exemplares no Parque Celtis australis L. 3 Exemplares no Parque Família Ulmaceae Nome Comum lódão, agreira, ginginha-de-rei, lódão-bastardo Origem Sul da Europa, oeste da Ásia e norte de África. Amplamente difundido por toda

Leia mais

Acacia dealbata Link. 20 Exemplares no Parque

Acacia dealbata Link. 20 Exemplares no Parque Acacia dealbata Link. 20 Exemplares no Parque Família Leguminosae Nome Comum mimosa, acácia-dealbada, acácia-dealbata, acácia-praga, acácia, acácia-mimosa Origem Austrália (Sudeste da Austrália e Tasmânia).

Leia mais

As informações contidas neste documento somente poderão ser reproduzidas com a autorização expressa do Comitê de Publicações da Embrapa Soja

As informações contidas neste documento somente poderão ser reproduzidas com a autorização expressa do Comitê de Publicações da Embrapa Soja - As informações contidas neste documento somente poderão ser reproduzidas com a autorização expressa do Comitê de Publicações da Embrapa Soja Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Soja Ministério

Leia mais

Aluna: Maria Daniela Martins Guimarães Orientadora: Profª. Drª. Blandina Felipe Viana Co-orientadora: Msc. Camila Magalhães Pigozzo

Aluna: Maria Daniela Martins Guimarães Orientadora: Profª. Drª. Blandina Felipe Viana Co-orientadora: Msc. Camila Magalhães Pigozzo Caracterização das potenciais fontes de recursos tróficos para abelhas do gênero ylocopa e Apis mellifera nas áreas de entorno do distrito de Maniçoba (Juazeiro BA) Aluna: Maria Daniela Martins Guimarães

Leia mais

Distribuição fitossociológica da comunidade de plantas espontâneas na bananicultura.

Distribuição fitossociológica da comunidade de plantas espontâneas na bananicultura. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável Artigo Científico http://revista.gvaa.com.br ISSN 1981-8203 Distribuição fitossociológica da comunidade de plantas espontâneas na bananicultura.

Leia mais

Vitória da Conquista, 10 a 12 de Maio de 2017

Vitória da Conquista, 10 a 12 de Maio de 2017 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS COM OXYFLUORFEN APLICADO VIA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA CULTURA DO EUCALIPTO 1 Gabriela Leite Silva 2, Aderson Costa Araujo Neto 3, Caroline Boaventura Nascimento Penha 2, Raelly

Leia mais

Guia de PLANTAS APÍCOLAS PROBIO. Manejo Agrícola e Riqueza de Polinizadores

Guia de PLANTAS APÍCOLAS PROBIO. Manejo Agrícola e Riqueza de Polinizadores Guia de PLANTAS APÍCOLAS PROBIO Manejo Agrícola e Riqueza de Polinizadores Guia de Plantas Apícolas Editado por Thais Essington Brown e Bruno Ferreira Coordenação: Maria José de Oliveira Campos Autores:

Leia mais

Manejo de Plantas Daninhas

Manejo de Plantas Daninhas 9 Seminário de Atualização em Eucalipto Manejo de Plantas Daninhas Fábio Marques 130 anos de história (1883). Atuação global. Uma das 100 maiores Corporações dos EUA FMC Corporation Atuação Global 34 Países

Leia mais

Controle de plantas daninhas

Controle de plantas daninhas 50 Sistema Embrapa de Produção Agroindustrial de Sorgo Sacarino para Bioetanol três cultivos para verificar se há necessidade de reaplicação dos micronutrientes. Quando a deficiência é detectada na cultura

Leia mais

LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM CULTIVO DE AÇAIZEIRO SOLTEIRO

LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM CULTIVO DE AÇAIZEIRO SOLTEIRO LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM CULTIVO DE AÇAIZEIRO SOLTEIRO Ueliton Oliveira de Almeida 1 ; Romeu de Carvalho Andrade Neto 2 ; José Tadeu de Souza Marinho 3 ; Romário Rodrigues Gomes

Leia mais

1. Objetivos da disciplina. 2. Programa da disciplina. 3. Cronograma das Aulas (T = aula teórica e P = aula prática)

1. Objetivos da disciplina. 2. Programa da disciplina. 3. Cronograma das Aulas (T = aula teórica e P = aula prática) Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" Departamento de Produção Vegetal Disciplina: LPV - 0671 - Controle de Plantas Daninhas - 1 O Semestre de 2014 Professores: Ricardo Victoria Filho Pedro

Leia mais

1. Objetivos da disciplina. 2. Programa da disciplina. 3. Cronograma das Aulas (T = aula teórica e P = aula prática)

1. Objetivos da disciplina. 2. Programa da disciplina. 3. Cronograma das Aulas (T = aula teórica e P = aula prática) Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" Departamento de Produção Vegetal Disciplina: LPV - 0671 - Controle de Plantas Daninhas - 1 O Semestre de 2015 Professores: Ricardo Victoria Filho Pedro

Leia mais

Acabar com o mato sem restrição não é mais coisa do outro mundo.

Acabar com o mato sem restrição não é mais coisa do outro mundo. Soberan, mais que uma evolução, uma revolução na sua lavoura de milho. www.soberan.com.br Advertências: Proteção a saúde humana, animal e ao meio ambiente. Acabar com o mato sem restrição não é mais coisa

Leia mais

Plantas daninhas em pastagem cultivada em Coluna, Vale do Rio Doce, Minas Gerais

Plantas daninhas em pastagem cultivada em Coluna, Vale do Rio Doce, Minas Gerais ...,--, Plantas daninhas em pastagem cultivada em Coluna, Vale do Rio Doce, Minas Gerais José Roberto Antoniol Fontes 1, Alexandre Magno Brighenti 2 1 Embrapa Amazônia Ocidental, Rodovia AM 010, km 29,

Leia mais

Reação de Espécies de Plantas Daninhas a Meloidogyne incognita Raças 1 e 3, a M. javanica e a M. paranaensis

Reação de Espécies de Plantas Daninhas a Meloidogyne incognita Raças 1 e 3, a M. javanica e a M. paranaensis ARTIGO Reação de Espécies de Plantas Daninhas a Meloidogyne incognita Raças 1 e 3, a M. javanica e a M. paranaensis Reação de Espécies de Plantas Daninhas a Meloidogyne incognita Raças 1 e 3, a M. javanica

Leia mais

AULA FINAL / PARTE 2. Gil Miguel de Sousa Câmara Professor Associado

AULA FINAL / PARTE 2. Gil Miguel de Sousa Câmara Professor Associado AULA FINAL / PARTE 2 Gil Miguel de Sousa Câmara Professor Associado 5.1 PLANTAS DANINHAS E A CULTURA DA SOJA PLANTAS DANINHAS Competição: Água, Luz e Nutrientes Hospedeiras: Pragas, Doenças e Nematóides

Leia mais

Aulas práticas e Herbários Sistemática das monocotiledôneas

Aulas práticas e Herbários Sistemática das monocotiledôneas Aulas práticas e Herbários Sistemática das monocotiledôneas Prof. Associado Pedro Jacob Christoffoleti ESALQ-USP LPV Área de Biologia e Manejo de Plantas Daninhas Sistemáticas das Monocotiledôneas Aulas

Leia mais

1.6. Sida acuta Burm. Fl. Ind Prancha 1, fig. A.

1.6. Sida acuta Burm. Fl. Ind Prancha 1, fig. A. 18 1.5. Sidastrum paniculatum (L.) Fryxell, Brittonia 30(4): 453. 1978. Prancha 1, fig. H. Arbusto, ca. 1-3 m alt.; ramos cilíndricos, pubescentes, tricomas estrelados; estípulas ca. 3-6 x 1-2 mm, lanceoladas,

Leia mais

BIOLOGIA E MANEJO DE PLANTAS DANINHAS

BIOLOGIA E MANEJO DE PLANTAS DANINHAS BIOLOGIA E MANEJO DE PLANTAS DANINHAS Prof. Dr. RICARDO VICTORIA FILHO ÁREA DE BIOLOGIA E MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL ESALQ/USP PIRACICABA/SP BIOLOGIA E MANEJO DE PLANTAS

Leia mais

12º Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC a 03 de agosto de 2018 Campinas, São Paulo ISBN

12º Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC a 03 de agosto de 2018 Campinas, São Paulo ISBN PLANTAS DANINHAS NA Crotalaria Spectabilis EM SUCESSÃO AO CONSÓRCIO DE MILHO SAFINHA COM CAPIM-RUZIZIENSIS RECEBENDO DOSES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA Gabriel Martins Amancio 1 ; Leticia Batista Lacerda

Leia mais

ANEXO I III. EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE DISTINGÜIBILIDADE, HOMOGENEIDADE E ESTABILIDADE - DHE

ANEXO I III. EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE DISTINGÜIBILIDADE, HOMOGENEIDADE E ESTABILIDADE - DHE ANEXO I INSTRUÇÕES PARA EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE DISTINGÜIBILIDADE, HOMOGENEIDADE E ESTABILIDADE DE CULTIVARES DE GOIABEIRA SERRANA (Acca sellowiana (O. Berg) Burret). I. OBJETIVO Estas instruções visam

Leia mais

Revista Agrarian ISSN: Composição do banco de sementes em diferentes profundidades de uma área cultivada com capim Aruana

Revista Agrarian ISSN: Composição do banco de sementes em diferentes profundidades de uma área cultivada com capim Aruana https://doi.org/10.30612/agrarian.v11i40.5274 Composição do banco de sementes em diferentes profundidades de uma área cultivada com capim Aruana Composition of the seed bank in different depths of a cultivated

Leia mais

Departamento de Produção Vegetal Disciplina: LPV Controle de Plantas Daninhas - 1 O Semestre de 2013

Departamento de Produção Vegetal Disciplina: LPV Controle de Plantas Daninhas - 1 O Semestre de 2013 1 Departamento de Produção Vegetal Disciplina: LPV - 671 - Controle de Plantas Daninhas - 1 O Semestre de 2013 1. Objetivos da disciplina Professores: Ricardo Victoria Filho Pedro Jacob Christoffoleti

Leia mais

3º CAMPEONATO BRASILEIRO DE HERBOLOGIA REGULAMENTO

3º CAMPEONATO BRASILEIRO DE HERBOLOGIA REGULAMENTO 3º CAMPEONATO BRASILEIRO DE HERBOLOGIA - 2017 ENTIDADE PROMOTORA: Sociedade Brasileira de Ciência das Plantas Daninhas DATA: 20 e 21 de novembro de 2017 LOCAL: Estação Experimental Dow AgroScience Mogi

Leia mais

LEVANTAMENTO DA FLORA INFESTANTE NO ALGODOEIRO EM CAMPO GRANDE - MS

LEVANTAMENTO DA FLORA INFESTANTE NO ALGODOEIRO EM CAMPO GRANDE - MS LEVANTAMENTO DA FLORA INFESTANTE NO ALGODOEIRO EM CAMPO GRANDE - MS Denis Santos da Silveira (Curso de Agronomia da Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal UNIDERP / denisx@terra.com.br),

Leia mais

FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA COUVE MANTEIGA EM SÂO FRANCISCO DO SUL

FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA COUVE MANTEIGA EM SÂO FRANCISCO DO SUL LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA COUVE MANTEIGA EM SÂO FRANCISCO DO SUL Modalidade: ( ) Ensino ( X ) Pesquisa ( ) Extensão Nível: ( ) Médio ( X ) Superior ( ) Pós-graduação

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ" DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL DISCIPLINA: LPV - 671 - CONTROLE DAS PLANTAS DANINHAS 1 O SEMESTRE DE 2012 Professores: RICARDO VICTORIA FILHO PEDRO JACOB

Leia mais

Prunus laurocerasus L. 108 Exemplares no Parque

Prunus laurocerasus L. 108 Exemplares no Parque Prunus laurocerasus L. 108 Exemplares no Parque Família Rosaceae Nome Comum louro-cerejo, loiro-cerejo, loiro-inglês, loureiro-cerejeira, loureiro-de-trebizonda, loureiro-real, loureiro-romano Origem Europa

Leia mais

Taxus baccata L. 43 Exemplares no Parque

Taxus baccata L. 43 Exemplares no Parque Taxus baccata L. 43 Exemplares no Parque Família Taxaceae Nome Comum teixo Origem Europa, oeste da Ásia e norte de África. Tipo de Origem autóctone Autor L. Descrição Árvore ou arbusto de folhagem verde-escuro,

Leia mais

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS INFESTANTES ARROZ

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS INFESTANTES ARROZ MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS INFESTANTES ARROZ HENRIQUE JOSÉ DA COSTA MOREIRA (Engº. Agrônomo) HORLANDEZAN BELIRDES NIPPES BRAGANÇA (Engª. Agrônoma - M.Sc.) CAMPINAS SP 2010 1 2010. Henrique José

Leia mais

Workshop Integração-Lavoura-Pecuária-Floresta na Embrapa

Workshop Integração-Lavoura-Pecuária-Floresta na Embrapa Composição florística de plantas daninhas em pastagem cultivada no sistema integração lavoura-pecuária-floresta no estado do Amazonas José Roberto Antoniol Fontes 1, Rogério Perin 1, Geraldo Max Linhares

Leia mais

Reação de Espécies de Plantas Daninhas a Meloidogyne paranaensis*

Reação de Espécies de Plantas Daninhas a Meloidogyne paranaensis* ARTIGO Reação de Espécies de Plantas Daninhas a Meloidogyne paranaensis Reação de Espécies de Plantas Daninhas a Meloidogyne paranaensis* Ana Paula do A. Mônaco 1,4 **, Rui G. Carneiro 2, Walter M. Kranz

Leia mais

BANCO DE SEMENTES DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREAS DE CULTIVO DE TOMATEIRO INDUSTRIAL EM GOIÁS

BANCO DE SEMENTES DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREAS DE CULTIVO DE TOMATEIRO INDUSTRIAL EM GOIÁS BANCO DE SEMENTES DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREAS DE CULTIVO DE TOMATEIRO INDUSTRIAL EM GOIÁS Sebastião Nunes da Rosa Filho 1 *, Nadson de Carvalho Pontes 1, Ana Carolina Pacheco Nunes 2, Aroldo Lopes Machado

Leia mais

1. Objetivos da disciplina. 2. Programa da disciplina. 3. Cronograma das Aulas (T = aula teórica e P = aula prática)

1. Objetivos da disciplina. 2. Programa da disciplina. 3. Cronograma das Aulas (T = aula teórica e P = aula prática) Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" Departamento de Produção Vegetal Disciplina: LPV0671 - Controle de Plantas Daninhas - 1 O Semestre de 2018 Professores: Ricardo Victoria Filho Pedro Jacob

Leia mais

LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DAS PLANTAS DANINHAS NA PRÉ-COLHETA DA CULTURA DO SORGO GRANIFERO EM UBERABA/MG

LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DAS PLANTAS DANINHAS NA PRÉ-COLHETA DA CULTURA DO SORGO GRANIFERO EM UBERABA/MG 68 Agronomia/Agronomy LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DAS PLANTAS DANINHAS NA PRÉ-COLHETA DA CULTURA DO SORGO GRANIFERO EM UBERABA/MG DOMINGOS, M. K. R. 1 ; LACA-BUENDIA, J. P. 2 1 Graduada em Agronomia,

Leia mais

Angiospermas. Monocotiledôneas

Angiospermas. Monocotiledôneas Angiospermas Monocotiledôneas Arecaceae Sch. Sch. (Palmae) 200 gên. (2000 spp); Brasil: 40 gên. (200 spp.) Posição taxonômica Distribuição Características morfológicas Exemplos Próxima Posição taxonômica

Leia mais

Embrapa Hortaliças, Caixa Postal 218, CEP 70.359-970 Brasília DF, Email: wellpe@cnph.embrapa.br

Embrapa Hortaliças, Caixa Postal 218, CEP 70.359-970 Brasília DF, Email: wellpe@cnph.embrapa.br Influência da Solarização, Fumigação e Uso de Suplementos Orgânicos Sobre o Banco de Sementes no Solo e Ocorrência de Plantas Daninhas na Cultura do Tomate. Welington Pereira ; Mírian Josefina Baptista

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Belém, PA 2014 AVALIAÇÃO FENOLÓGICA DA ESPÉCIE Hyptis crenata POHL EX BENTH

Leia mais

Nome científico: Nomes populares: Come-se: Precauções: Medicinal: Propriedades: Nome científico: Nomes populares: Come-se: Precauções:

Nome científico: Nomes populares: Come-se: Precauções: Medicinal: Propriedades: Nome científico: Nomes populares: Come-se: Precauções: Tanchagem Nome científico: Plantago major Família Plantaginaceae Nomes populares: Transagem, Plantagem, Sete-nervos Come-se: folhas e sementes cruas ou cozidas Precauções: contra-indicado para gestantes.

Leia mais

POPULATION SURVEY OF WEEDS IN CULTIVATION OF SWEET POTATO GENOTYPES

POPULATION SURVEY OF WEEDS IN CULTIVATION OF SWEET POTATO GENOTYPES LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM CULTIVO DE GENÓTIPOS DE BATATA-DOCE Jair Tenório Cavalcante 1, Paulo Vanderlei Ferreira 1, Jorge Luiz Xavier Lins Cunha 2, Moisés Tiodoso da Silva 3,

Leia mais

Angiospermas. Monocotiledôneas

Angiospermas. Monocotiledôneas Angiospermas Monocotiledôneas Arecaceae Sch. Sch. (Palmae) 200 gên. (2000 spp); Brasil: 40 gên. (200 spp.) Posição taxonômica Distribuição Características morfológicas Exemplos Próxima Posição taxonômica

Leia mais

RESPOSTA DE DOSES DE INDAZIFLAM 500 SC NO CONTROLE DAS PRINCIPAIS PLANTAS DANINHAS INFESTANTES DOS CAFEZAIS.

RESPOSTA DE DOSES DE INDAZIFLAM 500 SC NO CONTROLE DAS PRINCIPAIS PLANTAS DANINHAS INFESTANTES DOS CAFEZAIS. RESPOSTA DE DOSES DE INDAZIFLAM 500 SC NO CONTROLE DAS PRINCIPAIS PLANTAS DANINHAS INFESTANTES DOS CAFEZAIS. Autores: Rodolfo San Juan - Johann Reichenbach - José A. Paranaiba - Raimundo J. Andrade - Eng.

Leia mais

Betula pendula Roth. 18 Exemplares no Parque

Betula pendula Roth. 18 Exemplares no Parque Betula pendula Roth 18 Exemplares no Parque Família Betulaceae Nome Comum bétula-pendula, abedul, bétula, vidoeiro-pendula Origem Quase toda a Europa, oeste da Sibéria, este da Ásia e África (norte de

Leia mais

Reino Plantae. Angiospermas

Reino Plantae. Angiospermas Reino Plantae Angiospermas Angiospermas A palavra angiosperma vem do grego angeios, que significa 'bolsa', e sperma, 'semente'. Essas plantas representam o grupo mais variado em número de espécies entre

Leia mais

Você de olho no controle e na produtividade.

Você de olho no controle e na produtividade. LibertyLink. Você de olho no controle e na produtividade. GUIA TÉCNICO MATERIAL DE USO EXCLUSIVAMENTE INTERNO . UM OLHAR TÉCNICO SOBRE A RESISTÊNCIA DE OLHO NO CENÁRIO O objetivo deste guia é posicionar

Leia mais

Principais características de gramíneas e leguminosas

Principais características de gramíneas e leguminosas Principais características de gramíneas e leguminosas Plantas Forrageiras Plantas forrageiras Poaceae (gramínea) Fabales (leguminosas) 1 Plantas Forrageiras - Poaceae Reino: Vegetal. Divisão: Magnoliophyta

Leia mais

Eucalyptus globulus Labill. subsp. globulus. 124 Exemplares no Parque

Eucalyptus globulus Labill. subsp. globulus. 124 Exemplares no Parque Eucalyptus globulus Labill. subsp. globulus 124 Exemplares no Parque Família Myrtaceae Nome Comum Eucalipto, eucalipto-comum, calipse, calipes, calipto, eucalipto, gomeiro-azul Origem Oceânia (Região litoral

Leia mais

Olea europaea L. var. europaea. 10 Exemplares no Parque

Olea europaea L. var. europaea. 10 Exemplares no Parque Olea europaea L. var. europaea 10 Exemplares no Parque Família Oleaceae Nome Comum oliveira Origem Região mediterrânica (Sul da Europa, Norte de África e Médio Oriente). Tipo de Origem autóctone Autor

Leia mais