Documento legal de criação: Lei X Decreto Portaria Federal Estadual Municipal. Numero e data do documento legal Decreto de 1984

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Documento legal de criação: Lei X Decreto Portaria Federal Estadual Municipal. Numero e data do documento legal Decreto 90225 de 1984"

Transcrição

1 Ficha Resumo de Unidade de Conservação/Área Protegida Informações Básicas Nome da Unidade/Área Protegida Área de Proteção Ambiental de Guapimirim Estado Municipio (s) RJ Magé, Guapimirim, Itaboraí e São Gonçalo Nome Instituição Gestora IBAMA Tipo de instituição X governamental não governamental empresa mista X Federal Estadual Municipal Documento legal de criação: Lei X Decreto Portaria Federal Estadual Municipal Numero e data do documento legal Decreto de 1984 Área da Unidade Perimetro há km Nome do Responsável Direto Breno Herrera da Silva Coelho Profissão Ecólogo, doutorando em Gestão Ambiental e A Escolaridade fundamental nivel médio X superior X mestre doutor Endereço da sede da unidade Estrada BR 493, km 13, Vale das Pedrinhas Guapimirim Telefone (21) , (21) Endereço Eletrônico da unidade Acesso principal à sede Rodovia BR 101 e BR 493 sigla Estrada Distância da capital a partir da sede ~80 km Área de Propriedade da Federação/Estado/Município ha porcentagem do total %

2 Documento de Planejamento X Plano de Manejo Plano de Gestão Outro X concluido em elaboração em revisão 2004 ano ano inicio Base cartográfica digital existente X em elaboração escala base Conselho Consultivo X sim não 2004 ANO visitantes/2005 em processo de criação n. estimado n. monitorado n. registrado principais atrativos trilhas praias mata montanhas maciços rochosos cachoeiras pat historico X patrimonio cultural cavernas campos de altitude campos rupestres X manguesais Ocupação Humana uso do solo em % da área total - estimada Mata maciços rochosos campos de altitude campos rupestres restinga 45% manguesais 10% campos antrópicos 45% ambientes marinhos ilhas cultura temporaria cul permanente pastagens ocupação urbana Ocupantes - habitantes ou familias (assinalar opção) no estimado F 3500 hab no registrado F hab Edificações de terceiros no. Projetos de pesquisa concluidos em andamento total estimado não sabe não tem Administração

3 Aquisições/contratos sim ou não nao Novas instalações nao Reforma Instalaçõessim Novos equipamentos nao Novos veiculos não totalizou Total investimento 2005 não tem acesso no. no. no. Equipe Técnica (nivel 2 superior) 2 Fiscalização Vigilancia terceirizada 2 apoio administrativo apoio operacional voluntarios estagiarios outros Infra estrutura X Sede X interior da UC Fora da UC X Propria alugada outra instituicão Centro de visitantes m2 sala exposições ~25 m2 museu m2 sala de reunioes ~25 m2 capacidade 40 pessoas sala de reunioes m2 capacidade pessoas alojamento visitantes m2 capacidade leitos alojamento visitantes m2 capacidade leitos Bases (ou nucleos) no. no. no. fiscalização visitação ambas funções administração alojamento pesquisa Outros Problemas Ambientais Qualificar de 1 a 5, conforme gravidade crescente. ~R$ ,00 Total custeio 2005 (sem RH do quadro) Considerar gravidade pontual da atividade, reversibilidade, área de abrangencia do problema e tendencia a piorar ou resolver Ocupação Rural X rarefeita adensada monocultura X pastagens X interior da UC entorno da UC

4 X X Urbana/residencial/turistica rarefeita (pequenos nucleos) interior da UC entorno da UC desordenada adensada consolidada c/ infra estrutura residencial pontual Acessos X estrada pavimentada estrada de terra interior da UC caminho (4x4) dá acesso à UC ferrovia Pressões e impactos somente no interior da UC 4 uso público descontrolado X Outras Estruturas Duto (água, der.petróleo, gás) X linha de alta tensãox antenas outros captação de água Utilização ilegal dos recursos naturais desmatamento X fogo X area afetada/ano caça/captura fauna s. X pesca extração de X madeira ornamentais palmito pedra e areia contaminação biológica X efluentes domésticos X peixes exóticos X resíduos sólidos agrotóxicos X animais domésticos X fauna exótica residuos espécies de industriais flora Gestão Efetividade de Manejo - pontuar de 0 a 5 em ordem crescente conforme atendimento a necessidades básicas 3 recursos humanos 2 rec. financeiros 4 infra estrutura 2 eq informatica 3 veiculos 1 telecomunicação

5 0 radiocomunicação 0 geoprocessamento 1 internet 4 interinstitucional 3 técnica 1 financeira 3 proteção 2 pesquisa 2 uso publico interação sócio 4 ambiental 1 reg. fundiária 3 sinalização 0 brigada de incendio Prioridades de gestão e manejo - pontuar de 1 a 5, conforme prioridade, em ordem crescente 4 recursos humanos 3 rec. financeiros 4 infra estrutura 3 eq informatica 3 veiculos 3 telecomunicação 3 radiocomunicação 4 geoprocessamento 3 internet 5 interinstitucional 3 técnica 3 financeira 5 proteção 2 pesquisa 3 uso publico interação sócio 5 ambiental 4 reg. fundiária 3 sinalização Parcerias X prefeitura estado federação X formal formal formal informal informal informal Universidades Agentes financiadores ONGs x formal formal X formal informal informal informal empresas privadas operadores turismo monitores/guias formal formal formal X informal X informal X informal IMPORTÂNCIA E JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA UC NO MOSAICO (utilize quantas linhs for necessário) As Unidadades de Conservação APA Guapimirim e ESEC Guanabara compoe o ultimo grande trecho de manguezais conservados do estado do Rio de Janeiro. A maior parte dos rios que atravessam estes bosques de mangue nascem nas enconstas protegidas das Serras dos Orgaos e dos Tres Picos. Com a implantacao do mosaico podem ser realizados interessantes projetos de recuperacao das matas ciliares destes rios, visando sua protecao desde as nascentes ate as desembocaduras.

6 Observações/complementações ANEXAR MAPA DIGITALIZADO DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO (enviar em CD-ROM devido ao tamanho do arquivo ou caso não possua representar e enviar na base cartográfica do IBGE escala 1:50.000) Preenchido por nome Breno Herrera função Chefe da APA Guapimirim e responsavel interino da ESEC Guanabara data 29/5/2006

7 Nome da Unidade/Área Protegida Estacao Ecologica da Guanabara Estado Municipio (s) RJ Guapimirim e Sao Goncalo Nome Instituição Gestora IBAMA Tipo de instituição X governamental não governamental empresa mista X Federal Estadual Municipal Documento legal de criação: Lei X Decreto Portaria Federal Estadual Municipal Numero e data do document Decreto s/n de 15/02/06 Área da Unidade Perimetro 2000 há km

AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DE RESENDE (AMAR)

AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DE RESENDE (AMAR) Ficha Resumo de Unidade de Conservação/Área Protegida Informações Básicas Nome da Unidade/Área Protegida APA da Serrinha do Alambari Estado Municipio (s) RJ RESENDE Nome Instituição Gestora AGÊNCIA DO

Leia mais

Ficha Resumo de Unidade de Conservação/Área Protegida. Informações Básicas. Nome da Unidade/Área Protegida Parque Estadual da Ilha Anchieta

Ficha Resumo de Unidade de Conservação/Área Protegida. Informações Básicas. Nome da Unidade/Área Protegida Parque Estadual da Ilha Anchieta Ficha Resumo de Unidade de Conservação/Área Protegida Informações Básicas Nome da Unidade/Área Protegida Parque Estadual da Ilha Anchieta Estado Municipio (s) São Paulo Ubatuba Nome Instituição Gestora

Leia mais

Área de Propriedade da Federação/Estado/Município ha porcentagem do total %

Área de Propriedade da Federação/Estado/Município ha porcentagem do total % Ficha Resumo de Unidade de Conservação/Área Protegida Informações Básicas Nome da Unidade/Área Protegida RPPN Mitra do Bispo Estado Municipio (s) Minas Gerais Bocaina de Minas Nome Instituição Gestora

Leia mais

Nome Instituição Gestora INSTITUTO FLORESTAL Tipo de instituição X governamental não governamental empresa mista Federal x Estadual Municipal

Nome Instituição Gestora INSTITUTO FLORESTAL Tipo de instituição X governamental não governamental empresa mista Federal x Estadual Municipal Ficha Resumo de Unidade de Conservação/Área Protegida Informações Básicas Nome da Unidade/Área Protegida PARQUE ESTADUAL DE CAMPOS DO JORDÃO Estado Municipio (s) SÃO PAULO CAMPOS DO JORDÃO Nome Instituição

Leia mais

Endereço da sede da unidade Estrada do Parque Nacional, km 8,5 Municipio Itatiaia - RJ Telefo(24) /7001 Endereço Eletrônico da unidade

Endereço da sede da unidade Estrada do Parque Nacional, km 8,5 Municipio Itatiaia - RJ Telefo(24) /7001 Endereço Eletrônico da unidade Ficha Resumo de Unidade de Conservação/Área Protegida Informações Básicas Nome da Unidade/Área Protegida Parque Nacional do Itatiaia Estado Municipio (s) RJ e MG Itatiaia e Resende (RJ), Itamonte e Bocaina

Leia mais

Ficha Resumo de Unidade de Conservação/Área Protegida. Informações Básicas

Ficha Resumo de Unidade de Conservação/Área Protegida. Informações Básicas Ficha Resumo de Unidade de Conservação/Área Protegida Informações Básicas Nome da Unidade/Área Protegida Area de Proteção Ambiental da Serra da Mantiqueira Estado Municipio (s) MG,SP,RJ Liberdade, Passa

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO MOSAICO MATA ATLÂNTICA CENTRAL FLUMINENSE

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO MOSAICO MATA ATLÂNTICA CENTRAL FLUMINENSE 1 CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO MOSAICO MATA ATLÂNTICA CENTRAL FLUMINENSE Contexto O fortalecimento de Corredores Ecológicos e a criação Mosaicos de UCs foram definidos no Planejamento

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Reserva da Biosfera da Amazônia Central

Reserva da Biosfera da Amazônia Central Reserva da Biosfera da Amazônia Central Estudo de caso da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã Seminário Internacional sobre Mineração e Sustentabilidade Socioambiental em Reservas da Biosfera

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

FUNDAÇÃO TOYOTA DO BRASIL

FUNDAÇÃO TOYOTA DO BRASIL FUNDAÇÃO TOYOTA DO BRASIL Criada em 2009 Unificação dos esforços sociais da Toyota do Brasil Respeito pelo meio ambiente Contribuir com o desenvolvimento sustentável Promover a sustentabilidade, por meio

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 075-MA

FICHA PROJETO - nº 075-MA FICHA PROJETO - nº 075-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: CENTRO DE REFERÊNCIA EM BIODIVERSIDADE DA SERRA DOS ÓRGÃOS: UMA ALIANÇA ENTRE EDUCAÇÃO, TURISMO E CONSERVAÇÃO. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Ituiutaba MG. Córrego da Piriquita AMVAP 2003. Estrada Municipal 030. Lázaro Silva. O Proprietário. Córrego

Ituiutaba MG. Córrego da Piriquita AMVAP 2003. Estrada Municipal 030. Lázaro Silva. O Proprietário. Córrego SÍTIO NATURAL 01. Município Ituiutaba MG 02. Distrito Sede 03. Designação Córrego da Piriquita 03.1. Motivação do Inventário 04. Localização Coordenadas Geográficas S 19 00 892 WO 49 23 784 05. Carta Topográfica

Leia mais

ENCARTE 1 INFORMAÇÕES GERAIS DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO

ENCARTE 1 INFORMAÇÕES GERAIS DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO ENCARTE 1 INFORMAÇÕES GERAIS DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1.1. Ficha Técnica da Unidade de Conservação A ESEC Carijós localiza-se no noroeste da Ilha de Santa Catarina, junto à Baía Norte, compreendendo duas

Leia mais

Seminário de Atualização para Jornalistas sobre a COP 9 da Convenção sobre a Diversidade Biológica

Seminário de Atualização para Jornalistas sobre a COP 9 da Convenção sobre a Diversidade Biológica Seminário de Atualização para Jornalistas sobre a COP 9 da Convenção sobre a Diversidade Biológica Biodiversidade e Áreas Protegidas Anael Aymoré Jacob Coordenador do Bioma Amazônia - DIREP/ICMBIO Convenção

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO Deverá ser apresentado relatório de conformidade comprovando o atendimento dos limites de exposição a campos elétricos, magnéticos e eletromagnéticos, na faixa de radiofreqüências

Leia mais

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 Programa Áreas Protegidas da Amazônia Departamento de Áreas Protegidas Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 APOIO FINANCEIRO AO PROCESSO DE

Leia mais

CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Na área dos municípios de Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália, existem as seguintes unidades de conservação (Anexo II): Parque Nacional de Monte Pascoal Parque Nacional

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Mosaico Litoral Sul de São Paulo e Litoral do Paraná MOSAICO LAGAMAR

Mosaico Litoral Sul de São Paulo e Litoral do Paraná MOSAICO LAGAMAR Curso de Gestão Mosaicos Acadebio, Iperó/SP, 15 de agosto de 2012 Mosaico Litoral Sul de São Paulo e Litoral do Paraná MOSAICO LAGAMAR Aroldo Correa da Fonseca Chefe da Estação Ecológica de Guaraqueçaba

Leia mais

IV. Fomentar a solidariedade e a união, dos praticantes da atividade em Joinville e região;

IV. Fomentar a solidariedade e a união, dos praticantes da atividade em Joinville e região; CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE A CRIAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL MONTE CRISTA Este documento tem por objetivo fornecer informações que possam contribuir com a discussão sobre a criação do Parque

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Formação Socioambiental 3º Encontro Planejando intervenções Polo 6 P.E. Serra do Mar Núcleo Caraguatatuba Algo que pode provocar ou, também, inspirar...

Leia mais

As unidades de conservação do bioma Caatinga

As unidades de conservação do bioma Caatinga As unidades de conservação do bioma Caatinga The Nature Conservancy do Brasil Associação Caatinga 295 André Pessoa INTRODUÇÃO Parque Nacional da Serra da Capivara, PI A Caatinga, região semi-árida única

Leia mais

Vista Aérea do Rio de Janeiro

Vista Aérea do Rio de Janeiro ECOTURISMO E ESTRATÉGIAS COLABORATIVAS PARA A SUSTENTABILIDADE DOS PARQUES NATURAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Marcos Cohen, D.Sc. Departamento de Administração - IAG Rio de Janeiro 30 de Outubro de 2012

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

Secretaria de Turismo da Bahia Bahiatursa

Secretaria de Turismo da Bahia Bahiatursa Secretaria de Turismo da Bahia Bahiatursa Secretaria de Turismo da Bahia Bahiatursa Secretaria de Turismo da Bahia Bahiatursa 3 Secretaria de Turismo da Bahia Bahiatursa Secretaria de Turismo da Bahia

Leia mais

Marco legal, definições e tipos

Marco legal, definições e tipos Unidades de conservação Marco legal, definições e tipos Prof. Me. Mauricio Salgado " Quando vier a Primavera, Se eu já estiver morto, As flores florirão da mesma maneira E as árvores não serão menos verdes

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Monumento Natural das Árvores Fossilizadas RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Monumento Natural das Árvores Fossilizadas RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES Proteção Manejo Proteção PPA RELATÓRIO DE ATIVIDADES Monumento Natural das Árvores Fossilizadas Janeiro/Fevereiro/Março RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES MISSÃO: Realizar a gestão da UC visando a conservação

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL COSTA DOS CORAIS APACC

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL COSTA DOS CORAIS APACC TAMANDARÉ - 2013 - CONTEXTUALIZAÇÃO; - PRINCIPAIS ESTRATÉGIAS; - PROBLEMAS; - AVANÇOS RESULTADOS; - DESAFIOSEMETAS2013. CONTEXTUALIZAÇÃO - Área de Proteção Ambiental: Fragilidade Legislação; Ordenamento,

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

PROBLEMÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS E DE GESTÃO DA FLORESTA ESTADUAL DO PALMITO NO LITORAL DO PARANÁ

PROBLEMÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS E DE GESTÃO DA FLORESTA ESTADUAL DO PALMITO NO LITORAL DO PARANÁ Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 PROBLEMÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS E DE GESTÃO DA FLORESTA ESTADUAL DO PALMITO NO LITORAL DO PARANÁ Fernanda de Souza Sezerino Acadêmica do curso de Bacharelado em Gestão Ambiental

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL Eduardo de Mércio Figueira Condorelli desenvolvimentosustentavel@farsul.org.br Ibirubá (RS), 08 de maio de 2014 O TAMANHO DA AGROPECUÁRIA NACIONAL Área

Leia mais

O que é uma área protegida?

O que é uma área protegida? O que é uma área protegida? Um espaço geográfico definido, reconhecido e destinado ao manejo, através de instrumento legal ou outro meio efetivo, com o objetivo de promover a conservação da natureza a

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.548, DE 2015 Dispõe sobre a criação, gestão e manejo de Reserva Particular do Patrimônio Natural RPPN, e dá

Leia mais

Praias em Processo de Urbanização

Praias em Processo de Urbanização Praias em Processo de Urbanização Conforme citado anteriormente, os perfis 3, 4, 6, (Passo de Torres), 11, 12, 15, 16, 18, 43 (Balneário Gaivota), 20, 22, 23, 26,44, 45 (Arroio do Silva), 28, 29, 30, 32,

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS NA BTS: SITUAÇÃO ATUAL E RISCOS POTENCIAIS

IMPACTOS AMBIENTAIS NA BTS: SITUAÇÃO ATUAL E RISCOS POTENCIAIS IMPACTOS AMBIENTAIS NA BTS: SITUAÇÃO ATUAL E RISCOS POTENCIAIS PABLO ALEJANDRO COTSIFIS Diretor. (71) 3245 3100 / bma@biomon.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A BTS apresenta um mosaico de ambientes incluindo

Leia mais

VISITAS DE ESCOLAS E UNIVERSIDADES À ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DE GUAPIMIRIM (RJ), COM ÊNFASE NOS ANOS DE 2011 E 2012

VISITAS DE ESCOLAS E UNIVERSIDADES À ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DE GUAPIMIRIM (RJ), COM ÊNFASE NOS ANOS DE 2011 E 2012 VISITAS DE ESCOLAS E UNIVERSIDADES À ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DE GUAPIMIRIM (RJ), COM ÊNFASE NOS ANOS DE 2011 E 2012 Juliana Cristina Fukuda 1 Andressa Pieroni Santana 1 Zuth da Silva Coelho 1 Maurício

Leia mais

Documento para discussão no GT estratégia para conservação

Documento para discussão no GT estratégia para conservação UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NA CAATINGA Preparado por The Nature Conservancy do Brasil e Associação Caatinga com base em informações fornecidas pelo IBAMA (DEUC, Programa RPPN e Superintendências do PI e RN),

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL: INSTRUMENTOS UTILIZADOS PELA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE VIANA ES

GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL: INSTRUMENTOS UTILIZADOS PELA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE VIANA ES I CONGRESSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL: INSTRUMENTOS UTILIZADOS PELA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE VIANA ES Karla Casagrande Lorencini Bacharel em Ciências

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS José Irivaldo Alves Oliveira Silva, Elizandra Sarana Lucena Barbosa Universidade Federal de Campina

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

PROJETO MOSAICOS DO CORREDOR DA SERRA DO MAR (IA-RBMA / CEPF )

PROJETO MOSAICOS DO CORREDOR DA SERRA DO MAR (IA-RBMA / CEPF ) 1 PROJETO MOSAICOS DO CORREDOR DA SERRA DO MAR (IA-RBMA / CEPF ) RELATÓRIO DA II OFICINA REGIONAL DE ARTICULAÇÃO DO MOSAICO CENTRAL FLUMINENSE 18 e 19 de setembro de 2006 Parque Estadual dos Três Picos

Leia mais

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Contratantes: O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Tópicos da apresentação: Turismo Sustentável sob a Ótica da PSLN. Tópicos: I Informações gerais sobre a PSLN; II Diagnóstico

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Movimento Movimento Nacional de Proteção à de Proteção à Vida Vida MMA / PNEA MMA / IBAMA /Est. RJ / Prefeituras RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Agosto/2000 a Agosto/2001 APRESENTAÇÃO O Projeto de Educação

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

FUNDAÇÃO GRUPO BOTICÁRIO DE PROTEÇÃO À NATUREZA ORIENTAÇÕES PARA PESQUISA NA RESERVA NATURAL SALTO MORATO

FUNDAÇÃO GRUPO BOTICÁRIO DE PROTEÇÃO À NATUREZA ORIENTAÇÕES PARA PESQUISA NA RESERVA NATURAL SALTO MORATO FUNDAÇÃO GRUPO BOTICÁRIO DE PROTEÇÃO À NATUREZA ORIENTAÇÕES PARA PESQUISA NA RESERVA NATURAL SALTO MORATO 2013 A FUNDAÇÃO GRUPO BOTICÁRIO DE PROTEÇÃO À NATUREZA Criada em 1990, a Fundação Grupo Boticário

Leia mais

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI)

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI) DESMATAMENTO ECOLOGIA Unidade 5 MADEIRA CARVÃO PASTAGENS AGRICULTURA MINERAÇÃO LOTEAMENTOS DESMATAMENTO DESMATAMENTO RONDÔNIA RONDÔNIA EROSÃO - DESMATAMENTO - SOLO DESPROTEGIDO - CHUVAS - DESAGREGAÇÃO

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA EM COMUNICAÇÃO - IMAGENS Abril de 2011 DETALHAMENTO DO TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO PLANO PLURIANUAL 2010-2013 CÓDIGO ESPECIFICAÇÃO - FUNCIONAL PROGRAMÁTICA 18000000 GESTÃO AMBIENTAL 18542000 CONTROLE AMBIENTAL 18542010 PROGRAMA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 185420102.074 COORDENAÇÃO DOS

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB)

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Geraldo Stachetti Rodrigues Maria Cristina Tordin Jaguariúna, junho 2005. A equipe de pesquisadores

Leia mais

ÍNDICE. 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4. 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação...

ÍNDICE. 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4. 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação... 2324-00-EIA-RL-0001-01 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI ÍNDICE 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação... 3/4 agosto de 2009

Leia mais

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária Consolidação Territorial de Unidades de Conservação Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária CONSOLIDAÇÃO TERRITORIAL Implantação e gestão territorial das UCs REGULARIZAÇÃO DA SITUAÇÃO

Leia mais

44201 - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

44201 - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis 44201 - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Quadro Síntese Código / Especificação Exec 2002 LOA 2003 PLOA 2004 LOA 2004 Total 578.251.701 569.734.112 563.626.155 570.156.155

Leia mais

2. ESTADO DE CONSERVAÇÃO DA ESTRADA

2. ESTADO DE CONSERVAÇÃO DA ESTRADA Relatório do Reconhecimento de Campo da BR-319, Voltado à Elaboração dos Planos de Manejo das Unidades de Conservação Federal do Interflúvio Purus-Madeira 1. INTRODUÇÃO Entre os dias 4 e 8 de novembro

Leia mais

Programa Município Verde Azul 2011

Programa Município Verde Azul 2011 Programa Município Verde Azul 2011 OBJETIVOS DO PMVA PARA O CICLO 2011 FORTALECER o planejamento ambiental no cotidiano do Município INCENTIVAR a participação da Sociedade Civil na agenda ambiental local

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

GUIA TÉCNICO LIFE 02. Versão 2.0 Internacional - Português. LIFE-BR-TG02-2.0-Português (DEZEMBRO/2012)

GUIA TÉCNICO LIFE 02. Versão 2.0 Internacional - Português. LIFE-BR-TG02-2.0-Português (DEZEMBRO/2012) LIFE-BR-TG02--Português Versão Internacional - Português (DEZEMBRO/2012) LIFE-BR-TG02--Português Avaliação do Desempenho em Ações de Conservação da 20/12/2012 2 Instituto LIFE Direitos reservados pela

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo

Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo Conectando pessoas e florestas Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica ti Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo Objetivos PCE 1. Objetivo Geral: Demonstrar a viabilidade

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

Resíduos Sólidos Programa Lixo Alternativo Situação atual de Guaraqueçaba: Volume diário 4m³ (aproximadamente 1 tonelada/dia) Coleta: Diária em 980 unidades domésticas / 135 comerciais / 2 industriais

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.3 Programa de Compensação Ambiental

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.3 Programa de Compensação Ambiental - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.3 Programa de Compensação Ambiental Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.3 Programa de Compensação Ambiental

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

Protocolo nº: Item: Contratação de empresa para o fortalecimento e implantação da gestão Obras Instalações. Prestação de Serviços

Protocolo nº: Item: Contratação de empresa para o fortalecimento e implantação da gestão Obras Instalações. Prestação de Serviços 1) Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2013 Ações prioritárias de apoio à gestão da Reserva Particular do Patrimônio Natural RPPN Bacchus: elaboração do Plano de Manejo e apoio à proteção. Assunto: Protocolo

Leia mais

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA Caxias do Sul Rio Grande do Sul 96 km POA região nordeste, altitude média 760 m População: 404.187 hab.ibge 2010 território: 165.731,00 ha; urbano: 13.344,00

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Políticas Públicas para as Unidades de Conservação de Santa Catarina: novos rumos e desafios

Políticas Públicas para as Unidades de Conservação de Santa Catarina: novos rumos e desafios Políticas Públicas para as Unidades de Conservação de Santa Catarina: novos rumos e desafios Resultados do Workshop Técnico Florianópolis/SC 26 de fevereiro de 2015 Relatório Executivo Projeto de Fortalecimento

Leia mais

(Favor digitar ou preencher com letra de forma.) Como soube deste programa de assistência?... ... ... (1) Nome da organização:... (2) Endereço:...

(Favor digitar ou preencher com letra de forma.) Como soube deste programa de assistência?... ... ... (1) Nome da organização:... (2) Endereço:... ASSISTÊNCIA A PROJETOS COMUNITÁRIOS E DE SEGURANÇA HUMANA FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO (Favor digitar ou preencher com letra de forma.) SOBRE O PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DO GOVERNO DO JAPÃO Como soube deste

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ INDICADORES Fronteira: Pará, Guiana Francesa e Suriname Municípios: 16 Área: 143.453,71 km 98% de cobertura florestal conservada População: 613.164

Leia mais

APPAC Tororó Sana - RJ

APPAC Tororó Sana - RJ Sistematização e disseminação da educação ambiental, no distrito do Sana\busca pelo padrão sustentável para a bacia Córrego Peito de Pombo\otimização da proposta sustentável na APA distrital do Sana. PLANO

Leia mais

O Lavrado de Roraima:

O Lavrado de Roraima: DIAGNÓSTICO O Lavrado de Roraima: importância biológica, desenvolvimento e conservação na maior savana do Bioma Amazônia Ciro CAMPOS, Flavia PINTO, Reinaldo Imbrozio BARBOSA ciro.roraima@yahoo.com.br,

Leia mais

saico das Ilhas e Áreas Marinhas Protegidas o Litoral de Sao Paulo

saico das Ilhas e Áreas Marinhas Protegidas o Litoral de Sao Paulo saico das Ilhas e Áreas Marinhas Protegidas o Litoral de Sao Paulo É cada vez mais exíguo o tempo para agir e preservar as diversidades características dos sistemas costeiros e marinhos G. Carleton Ray,

Leia mais

Justificativa para a criação da Unidade de Conservação. - Ponta de Pirangi

Justificativa para a criação da Unidade de Conservação. - Ponta de Pirangi Justificativa para a criação da Unidade de Conservação - Ponta de Pirangi Os recifes de corais são ecossistemas que abrigam grande biodiversidade marinha, tendo, portanto uma grande relevância ecológica,

Leia mais

Uso do GeoProcessamento em Análise de Impacto Ambiental da Expansão do Sistema Elétrico

Uso do GeoProcessamento em Análise de Impacto Ambiental da Expansão do Sistema Elétrico 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE Uso do GeoProcessamento em Análise de Impacto Ambiental da Expansão do Sistema Elétrico Flavia Piovani L. Aieta Júlio César Mello di Paola Cláudia Varricchio Afonso

Leia mais

Ações de Educação Ambiental do INEA com foco em recursos hídricos. Gerência de Educação Ambiental (GEAM/DIGAT/INEA)

Ações de Educação Ambiental do INEA com foco em recursos hídricos. Gerência de Educação Ambiental (GEAM/DIGAT/INEA) Ações de Educação Ambiental do INEA com foco em recursos hídricos Gerência de Educação Ambiental (GEAM/DIGAT/INEA) Ações: Agenda Água na Escola (SEA); Cartilha de atividades de sensibilização, pesquisa

Leia mais

Capítulo 3 Área de Estudo

Capítulo 3 Área de Estudo Capítulo 3 Área de Estudo A Baía de Guanabara constitui a segunda maior baía, em extensão, do litoral brasileiro, com uma área de aproximadamente 380 km². As profundidades médias na baía são de 3 metros

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 INFORMAÇÕES GERAIS A Estação Ecológica de Corumbá é uma unidade de conservação de proteção integral situada no Centro-Oeste de MG, região do Alto São Francisco, na porção

Leia mais

A seguir serão apresentados os detalhes de cada módulo dos três níveis.

A seguir serão apresentados os detalhes de cada módulo dos três níveis. Plano Integrado de Mapeamento (PIM) O Plano Integrado de Mapeamento nasceu de uma necessidade de otimização de esforços e recursos, qualificação das informações obtidas e minimização da carga de formulários

Leia mais

Levantamento Sócioambiental do Município de Vera Cruz do. Loana B. dos Santos, Daniela Mondardo, Luciane Luvizon, Patrícia P.

Levantamento Sócioambiental do Município de Vera Cruz do. Loana B. dos Santos, Daniela Mondardo, Luciane Luvizon, Patrícia P. Levantamento Sócioambiental do Município de Vera Cruz do Oeste PR Loana B. dos Santos, Daniela Mondardo, Luciane Luvizon, Patrícia P. Bellon, Cristiane C. Meinerz, Paulo S. R. Oliveira INTRODUÇÃO Nestes

Leia mais

técnica à Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral

técnica à Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral TERMO DE REFERÊNCIA Nº. 03 / 2012 Projeto: Assunto: Serviços Técnicos especializados de Engenharia consultiva de Gerenciamento de Obras e Assessoria técnica para elaboração de projetos de implantação das

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

O uso do ArcGIS Online como ferramenta de gestão e controle social do saneamento municipal

O uso do ArcGIS Online como ferramenta de gestão e controle social do saneamento municipal O uso do ArcGIS Online como ferramenta de gestão e controle social do saneamento municipal Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado SEA PSAM Programa de Saneamento Ambiental dos Muniípios

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO PLANO DE AÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO 2014 1 -OBJETIVO GERAL APA Serra do Lajeado foi instituída pela Lei nº 906 de 20 de maio de 1997, está no entorno do Parque Estadual do Lajeado e tem

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SITUAÇÃO ATUAL

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SITUAÇÃO ATUAL UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SITUAÇÃO ATUAL (**) Tutela compartilhada com o Governo do Estado do Rio de Janeiro (***) Excluindo a Reserva Biológica do Pau da Fome e Camorim, cuja Lei não apresenta delimitação.

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais