Cliente/Servidor. Cliente/Servidor em Web. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cliente/Servidor. Cliente/Servidor em Web. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1"

Transcrição

1 Cliente/Servidor Cliente/Servidor em Web Graça Bressan Graça Bressan/LARC

2 Cliente/Servidor Cliente/Servidor e Internet Histórico: Internet - TCP/IP TCP/IP - foi desenvolvido na década de 70 para a rede ARPANET patrocinada pelo Departamento de Defesa (DoD) dos Estados Unidos. O nome correto é DARPA Internet protocol suite. Em meados da década de 80, sob o patrocínio do National Science Foundation e do governo dos EUA, foi desenvolvido e incorporado em uma grande rede Internet. Milhões de computadores ligados na Internet (DARPA ) em 39 países, 7 continentes. O número de usuários tem dobrado a cada ano (estimativa de 56 milhões em novembro de 1996). Internet e a Arquitetura Cliente/Servidor A Internet é o maior sistema Cliente/Servidor. Exemplos de aplicações Cliente/Servidor na Internet: Ftp Gopher - entre o ftp e a WWW World Wide Web (WWW) Telnet World Wide Web O WWW é um repositório de informações on-line e distribuído utilizando para buscas e consultas uma aplicação cliente interativa denominada Browser. É considerado um sistema distribuído hipermídia com acesso interativo pois contem, não apenas textos, mas informações em outras representações, tais como imagens fotográficas digitalizadas ou gráficas. Graça Bressan/LARC

3 O CERN (um laboratório de pesquisa europeu) inventou a WWW em 1989, para resolver problemas internos de distribuição de informações. Em 1992, o CERN compartilhou sua invenção com a Internet, e seu uso explodiu desde então. O trabalho de padronização das tecnologias utilizadas na Internet é realizado por um consórcio formado por diversas empresas e entidades : o World Wide Web Consortium (W3C). Alguns dos membros do W3C são: IBM, Microsoft, Silicon Graphics, Digital Equipament Corp, Sun Microsystems, Netscape, Oracle, OSF. Evolução da Tecnnologia WebWorld Wide Web World Wide Web: Arquitetura Graça Bressan/LARC

4 URL - Universal Resource Locators Identifica os objetos endereçáveis na WWW, isto é, permite localizar o computador, a porta do serviço e as páginas a serem endereçadas. Sua forma geral é: O número da porta é opcional. Exemplos: ftp://ftp.larc.usp.br:2003/palestras/curso.ppt HTTP - HyperText Transfer Protocol Protocolo de transferência de arquivos entre o servidor WWW e o Browser (cliente WWW). Este protocolo está acima do TCP/IP. O protocolo HTTP possui diversos métodos sendo o Get o principal deles. Este método é o que solicita ao servidor Web o envio de um arquivo definido por uma URL. Requisição HTTP Forma geral: <método> <identificação do recurso> <HTTP versão> <crlf> [<header<header> : <valor>] <crlf>... [<header<header> : <valor>] <crlf> Graça Bressan/LARC

5 linha em branco <crlf> [corpo da entidade] Exemplo1: GET /caminho/arquivo.html HTTP/1.0 Accept: text/html Accept: audio/x User-agent: MacWeb Exemplo 2: POST /Scripts/internet.dll/SALDOS HTTP/1.0 Referer: Connection: Keep-Alive User-Agent: Mozilla/3.0b4 (WinNT; I) Host: Accept: image/gif, image/x-xbitmap, image/jpeg, image/pjpeg, */* Content-type: application/x-www-form-urlencoded Content-length: 24 CTL= &IV=on Resposta HTTP Forma geral: <HTTP versão> <code de retorno> [<explicação>] <crlf> [<header<header> : <valor>] <crlf>... [<header<header> : <valor>] <crlf> linha em branco <crlf> [corpo da entidade] Graça Bressan/LARC

6 Exemplo: HTTP/ OK Server: NCSA/1.3 Mime_version:1.0 Content-type: text/html Content-length: 2000 <HTML>... </HTML> Segurança em Web HTTPS Definido pela Netscape e implementa o tratamento de segurança SSL (Secure Socket Layer) Provê: Autenticação do servidor através de certificados (RSA/Verisign - EUA). Interação cliente/servidor com privacidade através de encriptação (DES dentro de uma sessão). Verificação de integridade entre cliente e servidor através de mensagens para evitar "grampeamento". Suportado pelos browsers Netscape Navigator, Internet Explorer 2.0. e utiliza a porta 443. S-HTTP Definido pela EIT Suportado por diversas versões de browser Mosaic (Spry, NCSA, etc). Graça Bressan/LARC

7 HTML - HyperText Markup Language Linguagem de definição do conteúdo das páginas manipuladas pelos browsers. O HTML permite o encadeamento de páginas e a inclusão de objetos hipermídia tais como fotos, audio, animações e vídeo. Os objetos a serem incluídos devem estar em formato MIME (Multipurpose Internet Mail Extension). Exemplos de tipos de objetos: text/html image/gif application/postscript HTML - HyperText Markup Language Os documentos HTML são divididos em: Head - cabeçalho do documento Body - corpo do documento. As ações a serem realizadas pelo Browser durante a apresentação do documento são indicadas através de Tags. O início da ação ou texto sobre o qual a ação será realizada é definido na forma <TAG>, seguido de um texto e em geral finalizado com </TAG> onde TAG é o nome da Tag que determina a ação. Algumas Tags HTML <HTML> e </HTML> - indicam o início e fim do documento HTML. <HEAD> e </HEAD> - delimitam o cabeçalho <BODY> e </BODY> - delimitam o corpo do documento <TITLE> e </TITLE> - delimitam o título do documento <H1> e </H1> - definem sub-títulos de nível 1. São permitidos até seis níveis de subtítulos. <UL> e </UL> - delimitam uma lista. Cada item da lista deve ser precedido de <LI>. <IMG SRC="imagem" ALIGN=middle> - define uma imagem em representação gif a ser inserida na página e o alinhamento, no caso no Graça Bressan/LARC

8 meio da página. <A HREF="URL"> e </A> - especificam uma referência denominada âncora (Anchor) e um texto associado. É o mecanismo que permite a navegação para outra página WWW. <BR> - mudança de linha. OBS.: A aparência da página exibida irá depender do browser utilizado. Exemplo de Texto HTML <HTML> <HEAD> <TITLE> Exemplo de documento HTML </TITLE> </HEAD> <BODY> Início do corpo do documento. <BR> Este é um exemplo HTML. <H1> Este é um sub-título de nível 1 </H1> <BR>Continuação. <UL> Início de uma lista de nomes: <LI> Ana <LI> Carlos <LI> Luis </UL> Continuação do texto <IMG SRC="Figura.gif" ALIGN=middle> Home page do <A Ref="http://www.larc.usp.br"> LARC </A> </BODY> </HTML> Graça Bressan/LARC

9 Página Exibida pelo Exemplo HTML Exemplo de documento HTML Início do corpo do documento. Este é um exemplo HTML. Este é um sub-título de nível 1 Continuação. Início de uma lista de nomes: Ana Carlos Luis Continuação do texto. Home page do LARC Arquitetura do Browser Arquitetura do Browser Além de HTTP, o Browser pode utilizar outros protocolos tais como Ftp para trazer arquivos do servidor. O Web Browser mantém em cache local as páginas trazidas mais recentemente. Desta forma, antes de trazer uma página através da Graça Bressan/LARC

10 rede/conexão discada, o Browser verifica se a página já está no cache. Alguns Browsers permitem que o cliente ajuste sua política de manipulação do cache, tal como definir um limite de tempo para as páginas do cache. Tipos Básicos de Documentos Web Estático - reside em um arquivo HTML associado com um servidor Web. O seu conteúdo é determinado no instante de sua gravação e não é alterado. Cada requisição traz exatamente o mesmo documento. Dinâmico - Não existe em uma forma pré-determinada. Seu conteúdo é criado no servidor Web através de um programa CGI (Common Gateway Interface) sempre que uma página for requisitada. Ao chegar uma requisição o servidor Web executa uma aplicação CGI que cria o documento. O documento criado é enviado ao browser que fez a requisição. Ativo - o documento ativo consiste inclui um programa que calcula e exibe os valores. Quando o browser requisita um documento ativo, o servidor retorna uma cópia do programa que o browser deve executar localmente. O conteúdo do documento nunca é fixo, podendo mudar a cada execução. Os programas utilizados em documentos ativos podem ser applets Java (outra alternativa é ActiveX da Microsoft). World Wide Web: Documentos Dinâmicos Graça Bressan/LARC

11 World Wide Web: Documentos Ativos Estáticos x Dinâmicos Ativos Vantagens Desvantagens Estáticos Simplicidade, confiabilidade e desempenho. A formatação é direta e permite a exibição rápida pelo browser. A página pode ser mantida em cache agilizando as requisições futuras. Pouco flexível. As mudanças são introduzidas através de alterações do documento original. Dinâmicos Ativos Permitem definir documentos específicos da requisição do cliente, por exemplo, preços de itens, quantidades em estoque, condições meteorológicas, condições de tráfego, etc. Do ponto de vista do cliente não existe diferença entre uma página estática e uma dinâmica. Ambas são HTML. Podem obter e atualizar as informações continuamente. Como executa na própria máquina local, permite a geração de imagens animadas com a velocidade necessária. Custo adicional em gerar e executar o documento. Exige maiores conhecimentos para a programação. Deve ser programado de forma a ser independente do computador. Custo adicional em gerar e executar o documento. Exige maiores conhecimentos para a programação. Deve ser programado de forma a ser independente do computador. Graça Bressan/LARC

12 Implementação Documentos Dinâmicos O Web Server deve ser capaz de executar um programa separado que cria um documento ao chegar cada requisição. Deve ser capaz de capturar a saída do programa e retornar para o Browser. Deve ser escrita uma aplicação para cada documento dinâmico. O servidor deve ser configurado de forma a saber quais URLs correspondem a documentos estáticos e quais a dinâmicos. O padrão CGI - Common Gateway Interface Desenvolvido pelo NCSA ( National center for Supercomputers Applications) para uso com o NCSA Server. Define como o servidor Web interage com o programa CGI que implementa o documento dinâmico. O padrão permite o uso com diferentes linguagens: C, C++, Fortran e linguagens de script tais como Perl, TCL, Unix Shell. O padrão CGI - Common Gateway Interface Saída de um programa CGI Por ser documentos HTML, textos puros ou imagens digitais, entre outros. Existe um header para definir o tipo de saída. O header de saída CGI utiliza o mesmo formato que os servidores Web utilizam para enviar documentos ao Browser: uma ou mais linhas de texto seguidas de uma linha em branco. Graça Bressan/LARC

13 Chamada de um programa CGI A chamada de um programa CGI pode ser da forma: onde exemplo é o nome de um programa CGI. O header de retorno gerado pelo programa CGI inclui linhas como as seguintes Content-type:text/html <linha em branco> Este header indica ao servidor Web que o tipo de retorno é texto HTML. Retorno de um programa CGI No retorno pode exigir uma redireção indicando que o documento está em uma nova localização. Isto é feito quando o programa CGI gera as seguintes linhas como saída: Location:/novo/documento.txt <linha em branco> O servidor ao interpretar este comando localiza o documento e retorna para o Browser como se o cliente houvesse pedido este documento. Exemplo de Programa CGI O programa CGI a seguir é escrito em Unix Shell e informa a data e hora: #!bin/sh # Script CGI que imprime a data e a hora # Header do documento com linha em branco echo Content-type:text/plain echo # saída da data Graça Bressan/LARC

14 echo Este documento foi criado em `date` A saída do Script será: Content-type:text/plain <linha em branco> Este documento foi criado em Mon Jun 3 14:19:37 EST 1997 Em cada chamada do documento será retornada a hora atual. Passagem de Parâmetros para o Programa CGI A passagem de parâmetros para o programa CGI é feito na URL de chamada acrescentando "?" Seguido dos parâmetros: Parametros Comunicação com o Programa CGI A comunicação no programa CGI é feita através de variáveis de ambiente ou environment: Nome da variável SERVER_NAME GATEWAY_INTERFAC E SCRIPT_NAME QUERY_STRING REMOTE_ADDR Significado Nome do domínio do computador executando o servidor. Versão do programa CGI que o servidor está utilizando. Caminho no URL após o nome do servidor. Informações seguindo o "?"no URL. Endereço IP do computador executando o Browser. CGI - Informações de Estado O servidor Web não mantém estado entre as requisições. Para cada arquivo requisitado pelo browser é feita uma conexão e ao final da transferência é feita a desconexão. A CGI, por sua vez, pode precisar armazenar informações de estado quando está interagindo com um usuário. Tipos de armazenamento de estado Graça Bressan/LARC

15 De longo prazo - mantidas entre chamadas de browser. De curso prazo - mantidas apenas durante uma chamada Exemplo: CGI com Informações de Estado de Longo Prazo CGI para armazenar em um arquivo o endereço de quem chamou. #!bin/sh FILE=ipaddrs echo Content-type:text/plain echo # Procurar o endereço IP do computador do browser no arquivo ipaddrs if grep -s $REMOTE_ADDR $FILE > /dev/null 2>%1 then echo O computador $REMOTE_ADDR requisitou a URL anteriormente. else # Acrescentar o endereço IP do browser ao arquivo ipaddrs echo $REMOTE_ADDR >> $FILE echo Este é o primeiro contato do computador $REMOTE_ADDR. fi Se o endereço IP do computador do browser é , as saídas do CGI serão as seguintes: Na primeira chamada: "Este é o primeiro contato do computador " Nas próximas chamadas: "O computador requisitou a URL anteriormente." Neste exemplo, $REMOTE_ADDR é uma variável de ambiente que informa o IP do computador que se conectou. Na linguagem shell as variáveis são precedidas de $. Informações de Estado de Curto Prazo Em uma URL, o que estiver após o caráter "?" serão passadas ao programa CGI como parâmetros. Desta forma, documentos dinâmicos poderão ser gerados de acordo com os parâmetros. Graça Bressan/LARC

16 Os parâmetros passados na URL são obtidos pelo CGI através da variável de ambiente QUERY_STRING. Exemplo: Informações de Estado de Curto Prazo #!bin/sh echo Content-type:text/html echo N=$QUERY_STRING echo "<HTML>" case "x$n" in x) N=1 echo "Esta é a primeira vez que esta página foi carregada.<br><br>" ;; x[0-9]*) N= expr $N + 1 echo "Esta página foi recarregada $N vezes.<br><br>" ;; *) echo "Esta URL que voce usou é inválida.</html>" exit 0 ;; esac echo "<AREF=\"http://$SERVER_NAME$SCRIPT_NAME?$N\">" echo "Clique aqui para recarregar a página.</a></html>" A primeira chamada desta CGI é da forma : O CGI mandará ao browser a página HTML: Content-type:text/html <HTML> Esta é a primeira vez que esta página foi carregada.<br><br> <AREF="http://www.dominio.com/cgi/exerc4?1> Graça Bressan/LARC

17 Clique aqui para recarregar a página.</a></html> O browser mostrará na tela Esta é a primeira vez que esta página foi carregada. Clique aqui para recarregar a página. Clicando no lugar indicado, haverá uma nova chamada da CGI com parâmetro 1. O CGI mandará ao browser a página HTML: Content-type:text/html <HTML> Esta página foi recarregada 1 vezes.<br><br> <AREF="http://www.dominio.com/cgi/exerc4?2> Clique aqui para recarregar a página.</a></html> O browser mostrará na tela Esta página foi recarregada 1 vezes. Clique aqui para recarregar a página. Formulários e Interação O HTML permite que um documento seja um formulário contendo botões e itens que o usuário deve fornecer. As informações fornecidas pelo usuário são codificadas como parâmetros na URL para transmissão a um documento. Exemplo: Considere o seguinte formulário Que animal voce gostaria de ter? Gato Cavalo Cachorro Sim Não Talvez Se o usuário digitou sim, não e talvez para cada uma das caixas de texto, então o browser acrescentará à URL a cadeia:?gato=sim,cavalo=não,cachorro=talvez Graça Bressan/LARC

18 Documentos WEB Ativos Documentos dinâmicos não atendem a todas necessidades pois a informação contida no documento se torna fixa após o envio ao browser. As informações não podem ser atualizadas na tela como é exigido por aplicações de animação. Técnicas para atualização da tela do usuário: Server push - o servidor envia periodicamente cópias atualizadas para a tela do usuário. Desvantagens: Para cada cliente pode ser necessária a geração de uma cópia atualizada. O envio da cópia consome capacidade dos canais e estão sujeitos a atrasos. Documentos ativos - o browser envia um programa que será executado localmente pelo browser. Quando o browser requisita um documento dinâmico, o servidor envia um programa que será executado pelo browser localmente. As atualizações são feitas localmente e como o documento ativo não muda e sim o que é apresentado na tela, o documento ativo pode ser armazenado em cache e em forma comprimida. JAVA É uma linguagem orientada a objeto e também é um ambiente operacional portável. É um primeiro passo na criação da Object Web. O termo Applet denomina em Java os programas de documentos ativos. O compilador Java, ao compilar os Applets, produz um código intermediário, bytecode, que é interpretado na máquina cliente. Esta característica é responsável pela portabilidade do sistema, a custo de um pior desempenho. Graça Bressan/LARC

19 Documentos Ativos JAVA JAVA Histórico da Linguagem Java Eletrônica de Consumo: Confiabilidade Recursos de sistema limitados Custo Flexibilidade de CPUs Após tentativas com C++, surge a Linguagem Oak TV Interativa Internet/WWW Componentes do Java Java Virtual Machine: Interpretador Java. Interpreta os applets em bytecode. "Sistema Operacional Java": Linguagem Java: threads, monitores, gerenciamento de memória, arquivos seguros. Bibliotecas Java: Java.applet, Java.net, JDBC, Java.io, Java.util. Componentes de serviço: Java ORBlets, Java IDL, Applets, Plug-ins. Java Beans. Graça Bressan/LARC

20 Ambiente de aplicação Java Browser Hot Java, Serviços CORBA. Linguagem Java É de alto nível e de propósito geral, isto é, pode ser utilizada em programação que não seja applet. Semelhante ao C++ mas possui características que a tornam mais segura. Orientada a objeto. Dinâmica: instâncias de objetos são criadas dinamicamente. Fortemente tipada: todo dado deve ser declarado com um tipo e operações não são permitidas com dados de tipos diferentes daquele a que a operação se destina. Tipos são checados estaticamente: a verificação de tipos é feita durante a compilação. Concorrente: permite o projeto de programas com múltiplos threads que executar concorrentemente. Semelhanças com C++ Sintaxe e semântica semelhantes Muitos dos comandos em C++ existem em Java. O mecanismo de tipos utiliza hierarquia de classes. Diferenças Menos comandos que C++ Não possui as características que costumam levar a erros. Ex.: não existem sobrecarga de operadores, herança múltipla ou extensiva coerção de dados. Algumas características estão presentes, mas com restrição de uso. Ambiente de Execução Java Execução interpretada: embora possa ser compilada em código para computadores específicos, foi projetada para ser interpretada. O compilador traduz programas Java em uma notação binária independente de máquina denominada Java bytecode representation. Um interpretador lê o bytecode e executa. Graça Bressan/LARC

21 Garbage collection automático: em lugar de utilizar rotinas tais como malloc e free, as rotinas de tempo de execução realizam a recuperação de memória alocada aos objetos e que não está sendo utilizada. Execução multithread: provê suporte a execução concorrente de threads, com recursos de escalação e chaveamento de contexto através dos recursos de um microkernel. Acesso Internet: inclui biblioteca de sockets para o desenvolvimento de aplicações cliente/servidor utilizando TCP ou UDP. Suporte gráfico: permite a aplicações cliente e a applets a criação de janelas contendo textos ou gráficos. Independência de Máquina e Portabilidade Pelo fato de ser compilada na representação bytecode, pode ser portada para diferentes arquiteturas através do porte do interpretador de bytecode. A portabilidade e independência de máquina é essencial para o desenvolvimento de applets pois o browser pode realizar o download do applet em diferentes arquiteturas. O documento ativo não é diferenciado em relação à arquitetura da máquina onde será carregado. Biblioteca Java Possui mais de 2000 métodos. Exemplos: Manipulação gráfica: permite o controle sobre o vídeo, possuindo recursos para apresentar textos, gráficos, imagens, caixas de diálogo, etc. E/S de rede: biblioteca de sockets. Interação com servidor WEB: permitem o acesso a documentos estáticos e dinâmicos através de URL s. Acesso ao sistema de tempo de execução: permite criar threads, por exemplo. E/S de arquivos locais e remotos. Estruturas de dados convencionais. Captura de eventos tais como cliques de mouse e digitação. Manipulação de exceções. Graça Bressan/LARC

22 Ferramentas Gráficas O conjunto de ferramentas gráficas do sistema Java possui: Recursos de alto-nível para interfaces gráficas fornecidos pela biblioteca Java. Suporte dentro do ambiente de tempo de execução para manipulação da tela de vídeo. O conjunto de ferramentas gráficas é denominado Abstract Window Toolkit (AWT). Os applets necessitam interagir com documentos estáticos de forma análoga a browsers. Para isso o AWT inclui classes tais como, dada uma URL, obter e exibir um documento HTML estático ou imagens e áudio. Java DataBase Connection - JDBC Especificação da Sun desenvolvida em conjunto com Oracle, Sybase, Informix, entre outros. É um conjunto de classes Java que provêm um serviço de acesso a SQL de forma análoga ao ODBC. Consiste de: JDBC Driver Manager que é a API para uso de aplicações Java. Driver para o DBMS específico (Oracle, Informix,...). Compilando um Programa Java O ambiente Java inclui um compilador que é denominado javac. Os programas fonte possuem a extensão.java. O javac converte um programa fonte em Java na representação de bytecode que é armazenado em em arquivo com extensão.class. Um item que é declarado public é exportado para outros applets enquanto um item private não pode ser referenciado externamente. O programa fonte deve possuir exatamente uma classe pública com o mesmo nome do arquivo fonte do programa Java. Exemplo: um arquivo aaa.java pode possuir as declarações public class aaa{... } class bbb {... } Graça Bressan/LARC

23 class ccc {... } Após compilar este programa o javac irá gerar o arquivo aaa.class. Exemplo de Applet Java import java.applet.*; import java.awt.*; public class contaclique extends Applet { } int contador; TextField f; public void init() { contador = 0; add (new Button("Clique aqui")); f = new TextField("O botão ainda não foi clicado."); f.seteditable(false); add(f); } public boolean action (Event e, Object arg) { } if (((Button) e.target).getlabel() == "Clique aqui") { contador += 1; f.settext("o botão foi clicado "+ contador + " vezes."); } return true; Exemplo de Applet Java O comando import java.applet.*; indica que o compilador deve importar todas as classes com nomes que começam com java.applet. O exemplo define uma subclasse do tipo Applet denominada contaclique. E a classe contaclique redefine os métodos init e action. Quando o browser chama a referência ao applet, o objeto contaclique é criado. Dois itens são definidos em contaclique: o inteiro contador e o Graça Bressan/LARC

24 TextField f. Na criação do objeto, é chamado o método init de inicialização do objeto que, entre outras ações, cria o botão e a caixa de texto. O método action é responsável por incrementar o contador cada vez que o botão for clicado, alterando o texto da caixa de texto. Todo este processamento é local à máquina cliente. Chamando um Applet Uma forma de chamada é através da especificação da URL. Por exemplo, se a máquina possui o applet bbb.class armazenado no diretório exemplo, a URL será: Outra forma é utilizar uma tag applet que permite especificar a máquina e caminho em codebase e o código que em code. No caso acima, a tag será: <applet codebase="www.serweb.br/exemplo" code="bbb.class"> Exemplo de Interação com Browser import java.applet.*; import java.net.*; import java.awt.*; public class botao extends Applet { public void init () { } add (new button ("Usp")); add (new button ("Larc")); public boolean action (Event e, Object arg) { if (((Button) e.target). getlabel() == "Usp") { try { Graça Bressan/LARC

25 getappletcontext ().showdocument ( new URL("http://www.usp.br/escolas")); } catch ( Exception ex ) { // Incluir aqui o código para tratar a exceção // } } else if (((Button) e.target).getlabel() == "Larc") { try { getappletcontext ().showdocument ( new URL("http://www.larc.usp.br/cursos")); } catch ( Exception ex ) { // Incluir aqui o código para tratar a exceção // } } return true; } } Exemplo de Interação com Browser Quando o browser inicializa o applet, chama o método init que, entre outras coisas, cria os botões Usp e Larc. A interação com o browser está no método action que ao ocorrer o evento de clicar um dos botões, trará um documento contido na URL especificada. Por exemplo, ao clicar o botão Larc, o browser trará o documento cursos, especificado pelo comando: new URL("http://www.larc.usp.br/cursos")) O comando que solicita ao interpretador HTML exibir a página é: getappletcontext ().showdocument Graça Bressan/LARC

26 Arquitetura Microsoft para Web Internet Explorer: browser incorporado aos SOs Windows. Active X: de forma simplificada é um Objeto OLE que equivale ao conceito de Applet Java, Microsoft Internet Studio: Ambiente que permite o desenvolvimento aplicações Web, inclusive Active X. Microsoft Internet Information Server: servidor Web. Outras ferramentas: Active server pages, Media Server para vídeo via internet, etc. Fim do Módulo Cliente/Servidor em Web Graça Bressan/LARC

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP Décio Jr. Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP de Décio Jr. Copyright 2001 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É proibida

Leia mais

O protocolo HTTP. O que é o protocolo HTTP?

O protocolo HTTP. O que é o protocolo HTTP? O protocolo HTTP Você aprenderá: O que é e como funciona o protocolo HTTP. Quais são as partes de um pedido HTTP. Quais são as partes de um a resposta HTTP. IIS - HTTP 1 O que é o protocolo HTTP? Hyper

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

1.264 Lição 11. Fundamentos da Web

1.264 Lição 11. Fundamentos da Web 1.264 Lição 11 Fundamentos da Web Navegadores e servidores da Web A Internet é apenas um conjunto de redes interconectadas livremente. Um conjunto de redes de área local conectado via redes de área ampla

Leia mais

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala Programação para a Internet Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala A plataforma WEB Baseada em HTTP (RFC 2068) Protocolo simples de transferência de arquivos Sem estado

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL 1 HTTP Uma página WWW é composta de objetos e endereçado por uma

Leia mais

Tecnologias para Web Design

Tecnologias para Web Design Tecnologias para Web Design Introdução Conceitos básicos World Wide Web (Web) Ampla rede mundial de recursos de informação e serviços Aplicação do modelo de hipertexto na Web Site Um conjunto de informações

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Departamento de Informática Unidades Curriculares Serviços de Acesso a Informação Licenciatura em Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 6 - Sumário ü Introdução ü World

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Módulo 11 A Web e seus aplicativos

Módulo 11 A Web e seus aplicativos Módulo 11 A Web e seus aplicativos Até a década de 90, a internet era utilizada por acadêmicos, pesquisadores e estudantes universitários para a transferência de arquivos e o envio de correios eletrônicos.

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso

Universidade Federal de Mato Grosso Universidade Federal de Mato Grosso Programação III Curso de Ciência da Computação Prof. Thiago P. da Silva thiagosilva@ufmt.br Material basedado em [Kurose&Ross 2009] e [Gonçalves, 2007] Agenda Internet

Leia mais

Internet. Protocolos. Principais Serviços. E-MAIL Chat TELNET FTP. Definições Básicas

Internet. Protocolos. Principais Serviços. E-MAIL Chat TELNET FTP. Definições Básicas Internet A Internet surgiu a partir de um projeto da agência norte-americana ARPA com o objetivo de conectar os computadores dos seus departamentos de pesquisa. Essa conexão iniciou-se em 1969, entre 4

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

Protocolo HTTP. Palavras-chave: Navegador, aplicativos, web, cliente, servidor.

Protocolo HTTP. Palavras-chave: Navegador, aplicativos, web, cliente, servidor. 1 Protocolo HTTP RODRIGO PREIS BEOCK, Leandro 1 ; DE FREITAS CONSONE, Cibele 2 ; RODRIGUES LIMA, Leandro 3 ; PETRICA, Eder 4 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO/UNEMAT - COLÍDER 5 RESUMO: O presente

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Professora: Sheila Cáceres Computador Dispositivo eletrônico usado para processar guardar e tornar acessível informação. Tópicos de Ambiente

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

O código JavaScript deve ser colocado entre tags de comentário para ficar escondido no caso de navegadores antigos que não reconhecem a linguagem.

O código JavaScript deve ser colocado entre tags de comentário para ficar escondido no caso de navegadores antigos que não reconhecem a linguagem. 1 - O que é JAVASCRIPT? É uma linguagem de script orientada a objetos, usada para aumentar a interatividade de páginas Web. O JavaScript foi introduzido pela Netscape em seu navegador 2.0 e posteriormente

Leia mais

WWW, CGI e HTTP Java Deployment Course: Aula 2. por Jorge H. C. Fernandes (jhcf@di.ufpe.br) DI-UFPE 28 de Abril de 1999

WWW, CGI e HTTP Java Deployment Course: Aula 2. por Jorge H. C. Fernandes (jhcf@di.ufpe.br) DI-UFPE 28 de Abril de 1999 WWW, CGI e HTTP Java Deployment Course: Aula 2 por Jorge H. C. Fernandes (jhcf@di.ufpe.br) DI-UFPE 28 de Abril de 1999 WWW, CGI e HTTP Copyright 1999, 1998, 1997 Jorge H. C. Fernandes (jhcf@di.ufpe.br)

Leia mais

O sucesso da WWW. Atualização de Hiperdocumentos. Atualização de Hiperdocumentos. Cuidados. Exemplo. Passos. Motivos :

O sucesso da WWW. Atualização de Hiperdocumentos. Atualização de Hiperdocumentos. Cuidados. Exemplo. Passos. Motivos : Atualização de Hiperdocumentos Links Estrutura lógica Estruturas de apresentação Conteúdo (textual, imagens paradas, imagens em movimento e sons) Conclusões O sucesso da WWW Motivos : Facilidade de utilização

Leia mais

Linux - Servidor de Redes

Linux - Servidor de Redes Linux - Servidor de Redes Servidor Web Apache Prof. Roberto Amaral WWW Breve histórico Início 1989 CERN (Centro Europeu de Pesquisas Nucleares) precisava de um meio de viabilizar o trabalho cooperativo

Leia mais

Programação para Internet Flávio de Oliveira Silva, M.Sc.

Programação para Internet Flávio de Oliveira Silva, M.Sc. INTERNET Grande conjunto de redes de computadores interligadas pelo mundo. Começou como uma rede interligando Universidades no E.U.A A partir de 1993 a Internet começou a ser explorada comercialmente.

Leia mais

Introdução à Linguagem Java

Introdução à Linguagem Java Introdução à Linguagem Java Histórico: Início da década de 90. Pequeno grupo de projetos da Sun Microsystems, denominado Green. Criar uma nova geração de computadores portáveis, capazes de se comunicar

Leia mais

Lista de Exercício: PARTE 1

Lista de Exercício: PARTE 1 Lista de Exercício: PARTE 1 1. Questão (Cód.:10750) (sem.:2a) de 0,50 O protocolo da camada de aplicação, responsável pelo recebimento de mensagens eletrônicas é: ( ) IP ( ) TCP ( ) POP Cadastrada por:

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA conceito inicial Amplo sistema de comunicação Conecta muitas redes de computadores Apresenta-se de várias formas Provê

Leia mais

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Conteúdo Arquitetura de Aplicações Distribuídas na Web Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.2/tcc-00.226

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

Arquiteturas de Aplicações Distribuídas

Arquiteturas de Aplicações Distribuídas Arquiteturas de Aplicações Distribuídas Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando Tópicos Introdução. HTTP / CGI. API sockets. JDBC. Remote Method Invocation.

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

Objetivos do Curso. Você será capaz de:

Objetivos do Curso. Você será capaz de: Objetivos do Curso Ao término do curso você entenderá: Aplicativos Java e applets Tipos de dados primitivos Fluxo de Controle em Java Métodos Outros: exceções, multithreading, multimedia, I/O, redes. Objetivos

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Introdução ao Paradigma OO

Leia mais

Manual de configurações do Conectividade Social Empregador

Manual de configurações do Conectividade Social Empregador Manual de configurações do Conectividade Social Empregador Índice 1. Condições para acesso 2 2. Requisitos para conexão 2 3. Pré-requisitos para utilização do Applet Java com Internet Explorer versão 5.01

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet Noções de Internet: O que é Internet; História da Internet; Recursos da Internet; Serviços não-web.

Leia mais

Desenvolvimento Web com JSP/Servlets

Desenvolvimento Web com JSP/Servlets Desenvolvimento Web com JSP/Servlets Requisitos Linguagem Java; Linguagem SQL; Noções de HTML; Noções de CSS; Noções de Javascript; Configuração do ambiente JDK APACHE TOMCAT MySQL Instalando o JDK Instalando

Leia mais

A Linguagem Java. Apresentação. Java. A Linguagem da Internet

A Linguagem Java. Apresentação. Java. A Linguagem da Internet Apresentação Java A Linguagem da Apresentação (continuação) Histórico da Linguagem Objetivos Características Diferenças do C++ Java versus Java Script Principais Ferramentas Perspectivas da Linguagem 2

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Lista de Revisão. 3. Analise a afirmativa a seguir como verdadeira ou falsa e justifique.

Lista de Revisão. 3. Analise a afirmativa a seguir como verdadeira ou falsa e justifique. Lista de Revisão 1. Nos sistemas web, geralmente os usuários apresentam dois problemas típicos, a desorientação e a sobrecarga cognitiva. Discorra sobre esses problemas. 2. Apresente as principais diferenças

Leia mais

Java Enterprise Edition. by Antonio Rodrigues Carvalho Neto

Java Enterprise Edition. by Antonio Rodrigues Carvalho Neto Java Enterprise Edition by Antonio Rodrigues Carvalho Neto Enterprise Edition Architecture O que é Java Enterprise Edition? Java EE é uma plataforma que reune diversas especificações relacionadas a computação

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas)

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Web Container: e JSP Sumário Protocolo HTTP Exemplos de JSP (Java Server Pages) Exemplos JSP 2 Protocolo HTTP URL: Um URL (Uniform

Leia mais

Internet e protocolos web. A Internet é uma rede descentralizada de recursos computacionais. Topologia tem de fornecer caminhos alternativos

Internet e protocolos web. A Internet é uma rede descentralizada de recursos computacionais. Topologia tem de fornecer caminhos alternativos Internet e protocolos web A Internet é uma rede descentralizada de recursos computacionais Tolerante a falhas (no single point of failure) Topologia tem de fornecer caminhos alternativos entre 2 computadores

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Prof. Evandro Cantú

REDES DE COMPUTADORES. Prof. Evandro Cantú REDES DE COMPUTADORES Prof. Evandro Cantú Prof. Evandro Cantú, evandro.cantu@ifpr.edu.br Slides adaptados de J. Kurose & K. Ross 2 Curso de Capacitação Intelbras Redes Computadores Maio 2007 Camada de

Leia mais

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli Objetivo; Roteiro da Apresentação Visão Geral sobre Internet,

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP Alan Jelles Lopes Ibrahim, alan.jelles@hotmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br

Leia mais

ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP

ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP CURITIBA 2006 ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP Trabalho apresentado para a disciplina de REDES,

Leia mais

A Camada de Aplicação

A Camada de Aplicação A Camada de Aplicação Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Afinal, o que faz a camada de aplicação?... 2 Paradigma Cliente/Servidor [4]... 2 Endereçamento... 2 Tipo de Serviço... 2

Leia mais

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Neste capítulo iremos estudar como montar um curso à distância que, embora acessível via a Internet, tenha acesso controlado. Para isto, teremos

Leia mais

Desenvolvendo aplicações

Desenvolvendo aplicações Desenvolvendo aplicações 22 para a Web Uma aplicação Java pode ser executada sem modificação em qualquer plataforma que tenha a máquina virtual Java instalada. Esta característica faz com que as aplicações

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA EDITAL DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÕES EM COMPUTAÇÃO MACK COMPUTING CERTIFICATION MCC 2º SEMESTRE DE 2014 O Diretor da Faculdade de Computação e Informática (FCI), no uso de suas atribuições estatutárias

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca Desenvolvimento de Aplicações Web Lista de Exercícios Métodos HTTP 1. No tocante ao protocolo de transferência de hipertexto (HTTP), esse protocolo da categoria "solicitação e resposta" possui três métodos

Leia mais

Um pouco do Java. Prof. Eduardo

Um pouco do Java. Prof. Eduardo Um pouco do Java Prof. Eduardo Introdução A tecnologia JAVA é composta pela linguagem de programação JAVA e pela plataforma de desenvolvimento JAVA. Os programas são escritos em arquivos-texto com a extensão.java.

Leia mais

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Regilan Meira Silva Professor de Informática do Campus Ilhéus Formação em Ciência da Computação com Especialização

Leia mais

CAPÍTULO 7 JAVA 7.1 CARACTERÍSTICAS DA LINGUAGEM

CAPÍTULO 7 JAVA 7.1 CARACTERÍSTICAS DA LINGUAGEM CAPÍTULO 7 JAVA Java é uma linguagem orientada a objeto cujo projeto foi desenvolvido pela Sun Microsystems no início de 1991. Ela foi originalmente concebida para ser utilizada na programação de dispositivos

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

Introdução ao PHP. Prof. Késsia Marchi

Introdução ao PHP. Prof. Késsia Marchi Introdução ao PHP Prof. Késsia Marchi PHP Originalmente PHP era um assíncrono para Personal Home Page. De acordo com convenções para atribuições de nomes recursivas do GNU foi alterado para PHP Hypertext

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

Programação para a Web - I. José Humberto da Silva Soares

Programação para a Web - I. José Humberto da Silva Soares Programação para a Web - I José Humberto da Silva Soares Fundamentos de Internet Rede Mundial de Computadores; Fornece serviços, arquivos e informações; Os computadores que têm os recursos são chamados

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II Na aula de hoje iremos conhecermos e relembrarmos duas ferramentas do Windows, chamadas de ipconfig e nslookup. Além disso, iremos discutirmos

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

Desenvolvimento Web Protocolos da Internet

Desenvolvimento Web Protocolos da Internet Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Campus Currais Novos Desenvolvimento Web Protocolos da Internet Professor: Bruno E. G. Gomes Currais Novos, 2013 Introdução Histórico da Internet Cliente

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

Web. Até a década de 1990, a Internet era utilizada. por pesquisadores, acadêmicos e universitários, para troca de arquivos e para correio eletrônico.

Web. Até a década de 1990, a Internet era utilizada. por pesquisadores, acadêmicos e universitários, para troca de arquivos e para correio eletrônico. A Web e o HTTP Web Até a década de 1990, a Internet era utilizada por pesquisadores, acadêmicos e universitários, para troca de arquivos e para correio eletrônico. Então, no início dessa década, iniciou-se

Leia mais

Introdução à Linguagem Java. Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva

Introdução à Linguagem Java. Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva Introdução à Linguagem Java Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva Breve Histórico Sun Microsystems, 90/91: projeto de uma linguagem de programação pequena que pudesse ser usada em dispositivos

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Desenvolvedor Web Docente André Luiz Silva de Moraes

Desenvolvedor Web Docente André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Introdução a Linguagem HTML Neste roteiro é explorada a linguagem HTML. A linguagem HTML (Hypertext Markup Language) é amplamente utilizada na construção de páginas de internet e é responsável

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Internet. O que é a Internet?

Internet. O que é a Internet? O que é a Internet? É uma rede de redes de computadores, em escala mundial, que permite aos seus utilizadores partilharem e trocarem informação. A Internet surgiu em 1969 como uma rede de computadores

Leia mais

Sistemas Distribuídos na Web. Pedro Ferreira DI - FCUL

Sistemas Distribuídos na Web. Pedro Ferreira DI - FCUL Sistemas Distribuídos na Web Pedro Ferreira DI - FCUL Arquitetura da Web Criada por Tim Berners-Lee no CERN de Geneva Propósito: partilha de documentos Desde 1994 mantida pelo World Wide Web Consortium

Leia mais

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível Versão 1.0 Janeiro de 2011 Xerox Phaser 3635MFP 2011 Xerox Corporation. XEROX e XEROX e Design são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. São feitas alterações periodicamente

Leia mais

Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Docente André Luiz Silva de Moraes

Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Docente André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Introdução a Linguagem HTML Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Neste roteiro é explorada a linguagem HTML. A linguagem HTML (Hypertext Markup Language) é amplamente utilizada na construção

Leia mais

O protocolo HTTP. Você aprenderá: O que é e como funciona o protocolo HTTP. Quais são as partes de um pedido HTTP.

O protocolo HTTP. Você aprenderá: O que é e como funciona o protocolo HTTP. Quais são as partes de um pedido HTTP. HTTP O protocolo HTTP Você aprenderá: O que é e como funciona o protocolo HTTP. Quais são as partes de um pedido HTTP. Quais são as partes de um a resposta HTTP. O que é o protocolo HTTP? Hyper Text Transfer

Leia mais

Redes - Internet. Sumário 26-09-2008. Aula 3,4 e 5 9º C 2008 09 24. } Estrutura baseada em camadas. } Endereços IP. } DNS -Domain Name System

Redes - Internet. Sumário 26-09-2008. Aula 3,4 e 5 9º C 2008 09 24. } Estrutura baseada em camadas. } Endereços IP. } DNS -Domain Name System Redes - Internet 9º C 2008 09 24 Sumário } Estrutura baseada em camadas } Endereços IP } DNS -Domain Name System } Serviços, os Servidores e os Clientes } Informação Distribuída } Principais Serviços da

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB

DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB FRWTC-220 32 horas CAPÍTULO 1 PLATAFORMA WEB... 10 1.1. Introdução... 10 1.2. A Plataforma WEB... 10 1.2.1. Cliente HTTP... 11 1.2.2. Servidor HTTP... 11 1.3. Protocolo

Leia mais

Como foi exposto anteriormente, os processos podem ter mais de um fluxo de execução. Cada fluxo de execução é chamado de thread.

Como foi exposto anteriormente, os processos podem ter mais de um fluxo de execução. Cada fluxo de execução é chamado de thread. 5 THREADS Como foi exposto anteriormente, os processos podem ter mais de um fluxo de execução. Cada fluxo de execução é chamado de thread. 5.1 VISÃO GERAL Uma definição mais abrangente para threads é considerá-lo

Leia mais

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico Fundamentos de Java Prof. Marcelo Cohen 1. Histórico 1990 linguagem Oak; desenvolvimento de software embutido para eletrodomésticos S.O. para o controle de uma rede de eletrodomésticos o surgimento da

Leia mais

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Surgimento da internet Expansão x Popularização da internet A World Wide Web e a Internet Funcionamento e personagens da

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Camada de Aplicação

Leia mais

Tecnologias Web. Lista de Exercícios AV02. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Tecnologias Web. Lista de Exercícios AV02. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 Um analista de sistemas deseja enviar para seu cliente um arquivo de 300 Mb referente a uma atualização do software. Para transferir esse

Leia mais