Influência de Diferentes Granulometrias de Resíduos de Pneus em Argamassas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Influência de Diferentes Granulometrias de Resíduos de Pneus em Argamassas"

Transcrição

1 Influência de Diferentes Granulometrias de Resíduos de Pneus em Argamassas Cesar Fabiano Fioriti Professor Doutor/Universidade Estadual Paulista FCT/UNESP Brasil Jorge Luís Akasaki Professor Doutor/Universidade Estadual Paulista FEIS/UNESP Brasil Leandro Cirqueira Sousa Mestrando/Universidade Estadual Paulista FEIS/UNESP Brasil Maria Lidiane Marques Mestre/Universidade Estadual Paulista FEIS/UNESP Brasil Resumo: Estudou-se argamassas com adição de 18,8% em volume de borracha de pneus em substituição parcial ao agregado miúdo. Foi analisado o comportamento de argamassas mediante a realização de ensaios de resistência mecânica à compressão e à tração, absorção de água, densidade e índice de consistência. As granulometrias de borracha de pneus utilizadas foram: 420 m, 1000 m, 1500 m e 2000 m. Os resultados indicaram perda de resistência mecânica, diminuição da absorção de água, diminuição da densidade e diminuição da trabalhabilidade. Contudo, a borracha dos pneus pode deixar de ser um problema ambiental, passando a ser uma fonte de material alternativo na construção civil. Palavras chave: argamassa, borracha de pneus, meio ambiente, material alternativo. 1. INTRODUÇÃO A necessidade de preservação do meio ambiente assim como a conscientização da população tem aumentado sensivelmente com o passar do tempo. Juntamente ao aspecto das questões ambientais vem o crescente avanço tecnológico que gera uma produção de resíduos provenientes de processos industriais, que agravam os danos ao meio ambiente gerando uma grande preocupação com métodos de reciclagem ou reaproveitamento. A construção civil vem sendo ao longo do tempo uma grande auxiliadora no reaproveitamento desses resíduos, uma vez que apresenta soluções que minimizam a degradação ambiental, proporcionando uma redução dos custos finais de seus produtos. De maneira paralela, os resíduos de borracha vulcanizada procedentes de pneus inservíveis são alguns desses materiais que causam danos ao meio ambiente, porém podem ser reaproveitados na construção civil, seja pelo seu valor energético em fornos de cimenteiras, como adição em misturas betuminosas para pavimentação asfáltica ou ainda em argamassas e concretos. Em busca de fornecer alternativas de uso para os resíduos de pneus inservíveis, vários pesquisadores propuseram o uso da borracha de pneus através da incorporação em

2 concretos e argamassas. Seu uso é aconselhado quando a resistência mecânica não é a principal característica e sim, a absorção ao impacto, baixa densidade e maior tenacidade. Todavia, Cincotto (1988) alerta para os critérios gerais na avaliação de materiais residuais para uso na construção civil: - a quantidade disponível em um local deve ser suficientemente grande para que se possa justificar o desenvolvimento de sistemas de manuseio, processamento e transporte; - as distâncias de transporte envolvidas devem ser competitivas com os materiais convencionais; - o material não deve ser potencialmente nocivo durante a construção ou posteriormente à sua incorporação na estrutura. Dessa forma, o objetivo geral deste trabalho foi avaliar experimentalmente a incorporação de borracha de pneus em argamassas por meio de ensaios de resistência mecânica à compressão e à tração, absorção de água, densidade, e índice de consistência. 2. MATERIAIS E MÉTODOS Os ensaios foram realizados no Laboratório de Engenharia Civil da Companhia Energética de São Paulo (CESP) e no Laboratório de Engenharia Civil da Universidade Estadual Paulista (UNESP), ambos situados no município de Ilha Solteira, Brasil. Os materiais utilizados foram o cimento CPV-ARI, areia natural e a borracha de pneus. Inicialmente foram determinadas as massas específicas (unitária e absoluta) dos materiais, com a finalidade de caracterizá-los. A caracterização dos materiais utilizados esta apresentada na Tabela 1. Tabela 1 Resultado de massa específica absoluta e aparente dos materiais utilizados. Massa específica aparente (g/cm³) Massa específica absoluta (g/cm³) Cimento 1,05 Cimento 3,05 Água 1,00 Água 1,00 Areia 1,48 Areia 2,65 Borracha 0,35 Borracha 1,09 As várias granulometrias de borracha utilizadas foram obtidas através dos processos de trituração, moagem e peneiramento de pneus inservíveis. A amostra de borracha de pneus utilizada no trabalho foi doada por uma empresa brasileira que trabalha com a reciclagem e regeneração de pneus inservíveis. A empresa forneceu o material nas seguintes granulometrias: 420 m, 1000 m, 1500 m e 2000 m. 2.1 Tratamento da Borracha de Pneus Com o objetivo de melhorar a aderência entre as partícular de borracha e a matriz de cimento, foi realizado um tratamento superficial da borracha de pneus com uma solução saturada de hidróxido de sódio (NaOH). Para os traços de argamassa composta de borracha de pneus tratada, inicialmente a borracha foi submetida a uma lavagem em uma solução saturada (composição 1:1 em massa) de NaOH e água a 20 C, ficando o material imerso por aproximadamente 30 minutos, sendo agitado periodicamente, e depois lavado com água corrente para retirada do NaOH. A água com NaOH foi neutralizada para posterior descarte. Para garantir que todo NaOH tivesse sido eliminado da borracha de pneus, verificou o ph inicial da água (antes do tratamento) utilizando papel de tornassol e lavou-se a borracha até que o ph da água residual voltasse a ser o ph inicial. Terminada esta etapa, a borracha

3 de pneus foi colocada para secar ao ar livre por 24 horas. Após a secagem esta foi embalada em sacos plásticos para consumo no decorrer do trabalho. A Figura 1 mostra os procedimentos utilizados. (a) (b) (c) (d) Figura 1 a) Papel de tornassol utilizado na verificação do ph da borracha tratada; b) Borracha de pneus imersa na solução de NaOH; c) Lavagem da borracha de pneus; d) Borracha de pneus sendo seca ao ar livre. 2.2 Composições das Argamassas Para a confecção da argamassa controle, que serviu de parâmetro de comparação, foi utilizado o traço de 1: 3: 0,5 (em massa). Na Tabela 2 são apresentados o consumo de materiais e as porcentagens em massa e volume dos componentes desta argamassa. Tabela 2 Composição da mistura referente ao traço controle (sem borracha). Materiais % Massa % Volume Consumo de materiais (kg/m 3 ) Cimento 25,19 27,37 509,77 Água 12,59 14,37 254,89 Areia 75,56 58, ,32 Relação água/cimento 0,50 Na confecção das argamassas com borracha de pneus foi utilizado o traço 1: 2,4: 0,25: 0,5 (em massa), com 18,8% (em volume) de substituição do agregado miúdo por borracha de pneus. O percentual de borracha de pneus foi definido, levando-se em consideração resultados obtidos nas referências Siddique e Naik (2004), Sukontasukkul e Chaikaew (2006), Marques et al (2008), que utilizaram teores de borracha que variaram de 3% a 20% (em volume) em suas composições cimentícias, e constataram que essa faixa de consumo de borracha tem tendência à perda de resistências mecânicas menores do que quando se utilizaram percentuais acima de 20%. Nesta etapa foram confeccionados 8 traços de argamassas com borracha de pneus, sendo que 4 traços utilizaram a borracha com tratamento de NaOH e 4 traços utilizaram a borracha sem nenhum tratamento. Na Tabela 3 são apresentados o consumo de materiais e as porcentagens em massa e volume dos componentes desta argamassa. Tabela 3 Composição da mistura referente aos traços com borracha de pneus. Materiais % Massa % Volume Consumo de materiais (kg/m 3 ) Cimento 24,11 25,17 509,77 Água 12,00 13,21 254,89 Areia 57,87 42, ,46 Borracha 5,97 18,77 126,00 Relação água/cimento 0, Determinação do Índice de Consistência Este ensaio foi realizado seguindo as prescrições da NBR (ABNT, 2005) onde após a preparação da argamassa, lubrificou-se a mesa do aparelho de consistência com óleo

4 mineral e colocou-se sobre ela a fôrma tronco-cônica, com sua base maior apoiada na mesa. Manteve-se a fôrma na mesma posição enquanto colocava-se a argamassa na fôrma, com auxílio de uma espátula. Com o soquete, deram-se 20 golpes distribuídos, respectivamente, nas primeiras e segundas camadas. Após o enchimento, retirou-se a fôrma levantando-a verticalmente e, em seguida, moveuse a manivela do aparelho, fazendo com que esta caísse 25 vezes em 25 segundos. O valor do índice de consistência foi a média aritmética das medidas de 3 diâmetros ortogonais, após o ensaio, menos a medida do diâmetro inicial (base da fôrma tronco-cônica padronizada e igual 100mm). Na Figura 2 são apresentadas imagens do índice de consistência antes e depois do ensaio. (a) (b) (b) Figura 2 a) Argamassa antes do ensaio de consistência; b) Argamassa depois do ensaio de consistência. 2.4 Adensamento e Cura das Argamassas O adensamento das argamassas nas fôrmas de dimensões 5cm x 10cm foi executado manualmente com auxílio de um soquete de aço. Conforme recomenda a NBR-5738 (ABNT, 2003) a cura dos corpos de prova confeccionados em laboratório foi feita com o auxílio da câmara úmida, com temperatura em torno de 22,5ºC. 2.5 Ensaio de Densidade O ensaio de densidade foi realizado conforme a NBR-9778 (ABNT, 2005). Nele foram confeccionados 3 corpos de prova cúbicos com dimensões de 10cm x 10cm x 10cm, para cada granulometria de borracha de pneus (sem tratamento) e para o traço controle. Para a determinação da densidade da argamassa no estado fresco, pesou-se inicialmente a fôrma vazia, em seguida fez-se a moldagem com argamassa para posterior pesagem. A densidade obtida foi a média aritmética da subtração do peso da fôrma moldada com a argamassa, com o peso da fôrma vazia, dividido por A determinação da densidade dos corpos de prova secos aos 28 dias, foi obtida colocando os mesmos em uma estufa por 24 horas e em seguida pesando-os. Para os corpos de prova úmidos, foi feito o mesmo procedimento, colocando-os imersos no tanque por 24 horas, decorrido este tempo os mesmos foram pesados. A densidade obtida foi a média aritmética do peso dos corpos de prova dividido por Ensaio de Resistência à Compressão A determinação da resistência à compressão simples foi efetuada de acordo com as prescrições da NBR-7215 (ABNT, 1996). Depois de capeados com uma mistura de enxofre (60%) e pozolana (40%), os corpos de prova foram rompidos em uma prensa universal para ensaios, sob velocidade de carregamento de 2,5 kgf/cm²xs, seguindo as especificações de norma e dimensões da amostra.

5 Os ensaios de resistência à compressão foram realizados em 5 corpos de prova de cada granulometria de borracha de pneus, com tratamento e sem tratamento, tomando-se como valor final a média aritmética dos mesmos, nas idades de 7, 28, 56, 90 e 180 dias. A Figura 3 ilustra o ensaio de rompimento dos corpos de prova. Figura 3 Ensaio de resistência à compressão. 2.7 Ensaio de Resistência à Tração por Compressão Diametral A determinação da resistência à tração por compressão diametral foi efetuada conforme a NBR-7222 (ABNT, 2011), através do ensaio Lobo Carneiro que correlaciona a tensão de ruptura à compressão diametral com a tensão de ruptura à tração. Os ensaios de resistência à tração foram realizados em 5 corpos de prova de cada granulometria de borracha de pneus, com tratamento e sem tratamento, tomando-se como valor final a média aritmética dos mesmos, nas idades de 7, 28, 56 e 90 dias. A Figura 4 ilustra o ensaio de rompimento dos corpos de prova. Figura 4 Ensaio de resistência à tração. 2.8 Ensaio de Absorção de Água Neste ensaio seguiu-se as recomendações da NBR-9778 (ABNT, 2005). Os ensaios de absorção de água foram realizados em 3 corpos de prova de cada granulometria de resíduos de pneus, com tratamento e sem tratamento, tomando-se como valor final a média aritmética dos mesmos, nas idades de 7, 28, 56 e 90 dias. Na Figuras 5 encontramse os corpos de prova imersos no tanque e sendo secos na estufa. (a) (b) Figura 5 a) Corpos de prova imersos na água; b) Corpos de prova na estufa.

6 3. RESULTADOS E DISCUSSÕES 3.1 Índice de Consistência A seguir são apresentados os resultados de índice de consistência para os corpos de prova controle e constituídos de borracha de pneus (Figura 6). Figura 6 Comparação do índice de consistência para os traços de argamassa com adição de borracha de pneus sem tratamento, com tratamento e controle. A consistência é diretamente determinada pelo conteúdo de água, sendo influenciada pelos seguintes fatores: relação água/aglomerante, relação aglomerante/areia, granulometria da areia, natureza e qualidade do aglomerante. Observa-se pela Figura 6 que quanto maior a granulometria de borracha utilizada, mais fluida a argamassa ficou, resultando no aumento do seu índice de consistência, tanto para as argamassas tratadas quanto para as não tratadas. Huynh e Raghavan (1997) também observaram tal ocorrência quando estudaram a trabalhabilidade da argamassa incorporada de borracha de pneus. Nota-se que as argamassas com borracha de granulometria 420 m (CS-1 e CT-1) proporcionaram os menores índices de consistência, e as argamassas contendo borracha com granulometria de 2000 m (CS-4 e CT-4) obtiveram os maiores índices de consistência. A diferença nos resultados do índice de consistência das argamassas constituídas com borracha não tratada com relação as argamassas adicionadas com borracha tratada é de 0,7%, de 4,2% e de 6,7% para as granulometrias de 420μm, 1000μm e 1500μm, respectivamente. Apenas para a granulometria de 2000μm, a argamassa com borracha

7 tratada (CT-4) apresentou melhor trabalhabilidade do que à argamassa contendo borracha não tratada (CS-4), e essa diferença foi de 3,6%. O traço controle (sem borracha) teve um índice de consistência de 95,5% com uma diferença de 42,7% em relação à granulometria de 420 m, diferença de 34,8% em relação à granulometria de 1000 m, diferença de 11,6% em relação à granulometria de 1500 m, e diferença de 8,2% em relação à de 2000 m. Assim, podemos dizer que os grãos de borracha se assemelham aos grãos de areia. Pois, quanto mais fina for a areia, maior quantidade de água será necessário para manter a mesma trabalhabilidade (sem levar em consideração o fenômeno do inchamento, pensando só em área superficial). Logo, a menor área superficial que as grunulometrias maiores apresentaram, proporcionou que elas obtivessem uma trabalhabilidade maior. 3.2 Densidade A Figura 7 mostra os valores de densidade para as argamassas (no estado fresco e no estado endurecido) adicionadas com os 4 tipos de granulometrias e para o traço controle. Figura 7 Densidade das argamassas constituídas com as 4 granulometrias x idade. Em função da baixa densidade que a borracha de pneus apresenta, todos os traços incorporados com a borracha apresentaram valores inferiores ao do traço controle. Porém, pela Figura 7, percebe-se que os valores de densidade das argamassas em relação as 4 granulometrias estudadas estão muito próximos, e que em relação à idade manteve uma determinada constância, sofrendo poucas variações. A diferença nos valores da densidade para o traço controle (sem borracha) no estado fresco em relação às argamassas adicionadas com borracha também no estado fresco foi de 12,2%, de 12,7%, de 11,3% e de 10,4% para as granulometrias de 420 m, 1000 m, 1500 m e 2000 m, respectivamente. Ressalta-se que neste ensaio toda a borracha de pneus utilizada não possuia o tratamento com a solução de NaOH. Para as argamassas no estado endurecido (seco em estufa aos 28 dias) a diferença entre os resultados das argamassas controle em relação às argamassas constituídas com borracha foram de 13,0%, de 13,5%, de 12,1% e de 11,1% para as granulometrias de 420 m,

8 1000 m, 1500 m e 2000 m, respectivamente. No estado endurecido (úmido aos 28 dias) essa diferença passou a ser de 15,9%, de 16,8%, de 13,2% e de 11,8% para as granulometrias de 420 m, 1000 m, 1500 m e 2000 m, respectivamente. 3.3 Resistência à Compressão A Figura 8 apresenta os resultados de resistência à compressão das argamassas adicionadas com os 4 tipos de granulometrias, com tratamento e sem tratamento, e para o traço controle. Figura 8 Resistência à compressão x idade para as 4 granulometrias de borracha com e sem tratamento e do traço controle. Como pode ser observado na Figura 8, a utilização de borracha de pneus tende a diminuir a resistência à compressão, de maneira geral em comparação ao traço de controle, confirmando os resultados obtidos por Minatel et al (2008) e Marques et al (2008), que também incorporaram borracha de pneus em argamassas e seus resultados de resistência à compressão decrescesseram até 50% do traço controle (sem borracha). Dessa forma, a Figura 8 mostra que os resultados do ensaio mantiveram-se próximos com relação a diferença de granulometria da borracha incorporada a argamassa, dificultando a indicação de uma granulometria ideal. As argamassas contendo borracha com tratamento e sem tratamento apresentaram valores muito próximos de resistência, desde a idade de 7 à idade de 180 dias. Fazendo uma comparação entre os valores de resistência, nota-se que as argamassas contendo borracha sem tratamento obtiveram melhores resultados do que argamassas adicionadas de borracha tratada. Salvo as argamassas que utilizaram borracha com a granulometria de 1500μm (CS-3 e CT-3), que obteveram um resultado inverso.

9 O aumento dos valores nos resultados de resistência da argamassa com borracha sem tratamento para os resultados da argamassa com borracha com tratamento foi de 6,4% para a granulometria de 420μm, de 9,9% para a granulometria de 1000μm e de 2,6% para a granulometria de 2000μm. Para a granulometria de 1500μm, a resistência da argamassa com borracha tratada foi maior do que a argamassa com borracha sem tratamento, e esse aumento foi de 2,3% analisando a idade de 180 dias. Quando se incorpora borracha de pneus em argamassas a tendência da resistência é diminuir. Essa queda na resistência para as argamassas constituídas com borracha sem tratamento foi de 54,8%, de 53,4%, de 54,6% e de 53,2% para as granulometrias de 420μm, 1000μm, 1500μm e 2000μm, respectivamente, quando comparadas com a argamassa controle (sem borracha). Para as argamassas constituídas com borracha tratada, a queda na resistência quando comparadas com a argamassa controle foi de 56,7%, de 57,7%, de 53,2% e de 53,2% para as granulometrias de 420μm, 1000μm, 1500μm e 2000μm, respectivamente. 3.4 Resistência à Tração A Figura 9 apresenta os resultados de resistência à tração para as argamassas com os 4 tipos de granulometrias, com tratamento e sem tratamento, e para o traço controle. Figura 9 Resultados de resistência à tração para as idades de 7, 28, 56 e 90 dias. Diversos estudos realizados tanto com argamassa quanto com concreto mostram que o valor da resistência à tração diminui com a incorporação de borracha de pneus. Segundo Akasaki et al (2001) e Siddique e Naik (2004), que trabalharam com adição de borracha de pneus em concretos, seus resultados de resistência à tração seguiram o mesmo modelo dos resultados de compressão, ou seja, quanto maior a resistência à compressão, maior a resistência à tração.

10 Na Figura 9 percebe-se que os valores de resistência à tração estão bem próximos dificultando a indicação de uma granulometria ideal. Porém, todas as granulometrias de borracha com tratamento e sem tratamento apresentaram o mesmo comportamento, tendo-se um aumento na resistência aos 28 dias, um decréscimo aos 56 dias, e depois aumento da resistência até a idade de 90 dias. Fazendo uma comparação entre os resultados da argamassa contendo borracha tratada e sem tratamento, nota-se que até a idade de 56 dias o tratamento com solução de NaOH não influênciou no valor de resistência à tração. Na idade de 90 dias as duas granulometrias mais finas (420μm e 1000μm) não apresentaram aumento no valor da resistência, da borracha tratada para a não tratada, caracterizando dessa maneira a não influência do tratamento com a solução de NaOH. Já para as granulometrias de 1000μm e 2000μm esse aumento foi de 4,54% e de 4,44%, respectivamente. Quando comparamos a argamassa controle com as argamassas adicionadas de borracha sem tratamento, a redução na resistência foi de 30%, de 31,7%, de 30% e de 28,3% para as granulometrias de 420μm, 1000μm, 1500μm e 2000μm, respectivamente. Já para as argamassas com borracha tratada essa queda foi de 30%, de 31,7%, de 26,7% e de 25% para as granulometrias de 420μm, 1000μm, 1500μm e 2000μm, respectivamente. 3.5 Absorção de Água A Figura 10 apresenta os resultados referentes ao ensaio de absorção de água. Figura 10 Resultados de absorção de água das argamassas para as idades de 7, 28, 56 e 90 dias. Na Figura 10 nota-se que as granulometrias mais finas absorveram menos água que as granulometrias mais grossas, independente do tratamento com a solução de NaOH na borracha. E que a tendência da absorção de água é diminuir com o tempo.

11 Observa-se um aumento na absorção de água quando se compara argamassas com borracha tratada e argamassas com borracha sem tratamento. Esse aumento na absorção das argamassas com borracha tratada foi de 27,9% e de 17,7% para as granulometrias de 420µm e 1000µm, respectivamente. A granulometria de 1500µm apresentou uma perda na absorção de 18,6% quando compararado o traço de borracha sem tratamento com o traço de borracha tratada. Já a granulometria de 2000µm não apresentou diferença nos resultados das duas argamassas estudadas, analisando a idade de 90 dias. Quando se compararam as argamassas constituídas de borracha sem tratamento e com tratamento, com a argamassa controle, nota-se que todas as granulometrias, até a idade de 90 dias, apresentaram resultados menores ou iguais ao traço controle. Essa diferença para as argamassas constituídas com borracha sem tratamento foi de 43,6%, de 44,8%, de 27,5% e de 6,1% para as granulometrias de 420µm, 1000µm, 1500µm e 2000µm, respectivamente. E de 21,8%, de 32,9%, de 41% e de 6,1% para as argamassas constituídas com borracha tratada para as granulometrias de 420µm, 1000µm, 1500µm e 2000µm, respectivamente, na idade de 90 dias. Analisando os resultados da absorção de água com as resistências à compressão, nota-se que houve redução da absorção à medida que a idade (dias) dos corpos de prova foram aumentando, enquanto ocorreu o inverso com as resistências à compressão. Segundo Segre e Joekes (2000) e Bauer et al (2001), que estudaram pastas de cimento, argamassas e concretos, foram obtidos resultados favoráveis quando usado a borracha de pneus, pois a absorção de água por capilaridade foi diminuída. Minatel et al (2008), que trabalharam com a a incorporação de borracha de pneus em argamassas, consideraram seus resultados de absorção de água por imersão como satisfatórios. Segre e Joekes (2000) observaram também que as amostras contendo borracha de pneus tratados com NaOH apresentaram menor absorção de água, do que as amostras contendo borracha de pneus submetidos a outros tipos de tratamento. 4. CONCLUSÕES No ensaio de índice de consistência, observou-se que argamassas compostas com granulometrias de borracha maiores apresentaram melhores resultados de trabalhabilidade que as argamassas compostas com granulometrias mais finas. As argamassas constituídas com borracha sem tratamento apresentaram melhor trabalhabilidade do que argamassas constituídas com borracha tratada com a solução de NaOH. Salvo a granulometria de 2000μm que apresentou resultado inverso. A adição de borracha de pneus em argamassas proporcionou uma redução no valor da densidade. Conclui-se que dentro da faixa das granulometrias estudadas, a mesma não teve influência nos resultados, o mesmo ocorre quando se compara argamassa fresca e argamassa seca aos 28 dias, ficando os valores quase que constantes. Analisando os valores referentes à resistência a compressão, verificou-se que a variação granulométrica da borracha de pneus não teve influência entre os resultados, mantendo-se próximos a 21 MPa, e que o tratamento da borracha de pneus com a solução de NaOH para o mesmo ensaio também não influenciou, com uma variação menor que 10%. Para o ensaio de tração, os resultados seguiram a mesma tendência que os encontrados no ensaio de resistência à compressão. Na idade de 90 dias as duas granulometrias mais finas (420μm e 1000μm) não apresentaram aumento na resistência à tração da argamassa composta com borracha de pneus tratada para a borracha não tratada, caracterizando a não influência do tratamento com a solução de NaOH. Já para as granulometrias de 1000μm e 2000μm o aumento foi menor que 5%, não tendo influência significativa.

12 Com relação ao ensaio de absorção de água, percebeu-se que para as argamassas constituídas com borracha de pneus sem tratamento, a absorção de água foi menor para as granulometrias mais finas, sendo que estas aumentaram quase linearmente à medida que se aumentou a granulometria da borracha de pneus. Diante do exposto, o uso de argamassa utilizando grãos de borracha de pneus pode ser atrativo como adição, pois poderá produzir um material mais leve e com características para isolamento, além de contribuir para deixar de ser um problema ambiental. Contudo, é necessário ampliar mais o conhecimento sobre o comportamento da borracha de pneus na produção de argamassas. 5 REFERÊNCIAS [1] Cincotto, M. A. Utilização de subprodutos e resíduos na indústria da construção civil. Tecnologia das Edificações. São Paulo: Editora Pini Ltda, 1988, p [2] Siddique, R.; Naik, T. R. Properties of concrete containing scrap-tire rubber an overview. Waste Management, 2004, p.1-7. [3] Sukontasukkul, P.; Chaikaew, C. Properties of concrete pedestrian block mixed with crumb rubber. Construction and Building Materiais, n. 20, 2006, p [4] Marques, A. C.; Akasaki, J. L.; Trigo, A. P. M.; Marques, M. L. Influence of the surface treatment of tire rubber residues. Ibracon Structures and Materials Journal, v. 2, 2008, p.1-9. [5] Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT. NBR 13276: Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos Determinação do teor de água para obtenção do índice de consistência-padrão Método de ensaio. Rio de Janeiro, [6] Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT. NBR 5738: Concreto Procedimento para moldagem e cura de corpos de prova. Rio de Janeiro, [7] Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT. NBR 9778 Argamassa e concreto endurecidos Determinação da absorção de água por imersão Índice de vazios e massa específica. Rio de Janeiro, [8] Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT. NBR 7215 Cimento Portland Determinação da resistência à compressão. Rio de Janeiro, [9] Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT. NBR 7222 Argamassa e concreto Determinação da resistência à tração por compressão diametral de corpos de prova cilíndricos. Rio de Janeiro, [10] Huynh, N.; Raghavan, D. Durability of simulated shredded rubber tire in higly alkaline enviroments. Washington: Howard University, (Department Chemisty). [11] Minatel, M. A. F.; Prado, B. S.; Akasaki, J. L.; Marques, M. L.; Macedo, P. C. Waterproof covering study using tire rubber residue. In: SYMPOSIUM BRAZIL JAPAN IN ECONOMY, n1, 2008, São Paulo. Proceedings... São Paulo: Ibracon, CD- ROM. [12] Akasaki, J. L.; Fioriti, C. F.; Nirschil, G. C. Análise experimental da resistência à compressão do concreto com adição de fibras de borracha vulcanizada. In: CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO, 43, 2001, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu: Arte Interativa, CD-ROM. [13] Segre, N.; Joekes, I. Use of tire rubber particles as addition to cement paste. Cement and Concrete Research, Elmsford, v.30, 2000, p [14] Bauer, R. J. F.; Tokudome, S.; Gadret, A. D. Estudo de concreto com pneu moído. In: CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO, 43, 2001, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu: Arte Interativa, CD-ROM.

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Wendersen Cássio de Campos Faculdade de Engenharia Civil CEATEC wendersen_campos@puccamp.edu.br Ana Elisabete P. G.

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo Esta pesquisa tem como proposta

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

5 Resultados e Discussões

5 Resultados e Discussões 5 Resultados e Discussões O mercado para reciclagem existe e encontra-se em crescimento, principalmente pelo apelo exercido pela sociedade por produtos e atitudes que não causem agressão ao meio ambiente,

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO

TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO Thaís Do Rosário 1 Carlos Eduardo Nunes Torrescasana 2 Resumo: Diante do contexto atual de preservação do meio ambiente e de reaproveitamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA KREUZ, Anderson Luiz (1); CHERIAF, Malik (2); ROCHA, Janaíde Cavalcante (3) (1) Engº. Civil, Mestrando do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO

O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO Giovana Davanço Sabeh 1 ; Judson Ricardo Ribeiro da Silva 2 RESUMO: A importância da sustentabilidade está cada dia mais presente na sociedade, métodos são pesquisados

Leia mais

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha A. C. A Romualdo a, D. E. dos Santos a, L. M. de Castro a, W. P. de Menezes b, A. Pasqualetto c, O. R. dos Santos c

Leia mais

Confecção de argamassa utilizando areia residual do processo de fundição.

Confecção de argamassa utilizando areia residual do processo de fundição. Confecção de argamassa utilizando areia residual do processo de fundição. Patrícia Krüger (Universidade Estadual de Ponta Grossa) E-mail: pkruger@uepg.br Luana Aparecida Cabral (Universidade Estadual de

Leia mais

III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL Keilla Boehler Ferreira (1) Engenheira Agrícola pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Especialista

Leia mais

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Influência do índice de forma do agregado graúdo na resistência a compressão do concreto Resumo Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Josué A. Arndt(1); Joelcio de

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES Angelo Just da Costa e Silva (1); João Manoel de Freitas Mota (2); Fred Rodrigues Barbosa (3); José Orlando Vieira Filho (4) (1)

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE AERONAVES NA PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE AERONAVES NA PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE AERONAVES NA PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO Maressa Soares de Sousa (1) Mestranda em Tecnologia e Gestão Ambiental pelo IFCE.

Leia mais

Adição de Borracha de Pneu ao Concreto Convencional e Compactado com Rolo

Adição de Borracha de Pneu ao Concreto Convencional e Compactado com Rolo 1 Adição de Borracha de Pneu ao Concreto Convencional e Compactado com Rolo A.C. Albuquerque (1) ; W.P. Andrade (2) ; N.P. Hasparyk (1) ; M.A.S.Andrade (1) ; R.M.Bittencourt (1) Resumo- A incorporação

Leia mais

ESTUDO E ANÁLISE DA FABRICAÇÃO DE CONCRETO A PARTIR DO USO DE RESÍDUOS DE BORRACHA DE PNEUS

ESTUDO E ANÁLISE DA FABRICAÇÃO DE CONCRETO A PARTIR DO USO DE RESÍDUOS DE BORRACHA DE PNEUS 99 ESTUDO E ANÁLISE DA FABRICAÇÃO DE CONCRETO A PARTIR DO USO DE RESÍDUOS DE BORRACHA DE PNEUS Camila Dias Pinaffi¹; Nayara Coelho Silva¹; Marina Ramos Furlan Solina¹; Filipe Bittencourt Figueiredo²; Leila

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A CONCRETO Profa. Lia Lorena Pimentel CONCRETO 1. DEFINIÇÃO Aglomerado resultante da mistura de cimento, água, agregados

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Adailton de O. Gomes; (2) Cleber M. R. Dias; (3) Alexandre T. Machado; (4) Roberto J. C. Cardoso;

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES Prof Dr.Jorge Creso Cutrim Demetrio OBJETIVOS 1. Analisar a viabilidade

Leia mais

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO COMPARAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TIJOLO DE SOLO-CIMENTO INCORPORADO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROVENIENTES DE CATAGUASES - MG E O RESÍDUO DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DAS INDÚSTRIAS PERTENCENTES

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO Jéssica Spricigo da Rocha Bonifácio (1), Daiane dos Santos da Silva Godinho (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO EMPACOTAMENTO DE PARTÍCULAS NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO. Caueh Salzedas Teixeira ¹; Heloísa Cristina Fernandes Cordon ²

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO EMPACOTAMENTO DE PARTÍCULAS NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO. Caueh Salzedas Teixeira ¹; Heloísa Cristina Fernandes Cordon ² ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO EMPACOTAMENTO DE PARTÍCULAS NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO Caueh Salzedas Teixeira ¹; Heloísa Cristina Fernandes Cordon ² ¹ Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS.

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. Alexsandro Luiz Julio (1) Biólogo pela Universidade Comunitária

Leia mais

Recifes artificiais marinhos de concreto com adição de raspa de pneus.

Recifes artificiais marinhos de concreto com adição de raspa de pneus. Recifes artificiais marinhos de concreto com adição de raspa de pneus. Lídia Ineia Krefer 1, Laura Duda Lourenço 1, Regiani Cristina Menegheli 1, Wellington Mazer 2 (1) Tecnóloga em Construção Civil modalidade

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE POLIPROPILENO PÓS-CONSUMO NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO LEVE

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE POLIPROPILENO PÓS-CONSUMO NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO LEVE INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE POLIPROPILENO PÓS-CONSUMO NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO LEVE Priscila Marques Correa e-mail: priengenheira@gmail.com Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Avenida Bento

Leia mais

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA AUTORES : Engº Roberto J. Falcão Bauer (Diretor técnico) Engº Rubens Curti (Gerente técnico) Engº Álvaro Martins

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto CASTRO, M. V. a, ANTUNES, M. L. P. a* a. UNESP, Campus Sorocaba, NATEL Núcleo de Automação e Tecnologias

Leia mais

Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado

Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado Carlos Cabreira Gomes (1), Fernando Pelisser (2). (1) Acadêmico do curso de Engenharia Civil, Universidade do Extremo Sul Catarinense. (2)

Leia mais

III-046 USO DE RESÍDUO DE CURTUME EM PEÇAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

III-046 USO DE RESÍDUO DE CURTUME EM PEÇAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL III-046 USO DE RESÍDUO DE CURTUME EM PEÇAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL Ana Luiza Ferreira Campos Maragno (1) Engenheira Civil pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Professora Adjunto 1 da Faculdade

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA Alessandra L. de Castro; Rafael F. C. dos Santos; Givani Soares de Araújo 54º Congresso Brasileiro do Concreto

Leia mais

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS)

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) Janaina de Melo Franco 1, Célia Regina Granhen Tavares 2,

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU VIVIANE DA COSTA CORREIA 1, JOSÉ DAFICO ALVES 2, CÍRIO JOSÉ COSTA 3 1 Bolsista PBIC/UEG, acadêmico do curso de Engenharia Agrícola da UnUCET - UEG

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205. Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA

RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205. Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA RELATÓRIO TÉCNICO Nº 99 922-205 Ensaios de caracterização de argamassa para revestimento CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA Laboratório de Materiais de Construção Civil Cliente: Usina Fortaleza

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Engenharia Civil Trabalho de Conclusão de Curso. Curso de Engenharia Civil Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Engenharia Civil Trabalho de Conclusão de Curso. Curso de Engenharia Civil Trabalho de Conclusão de Curso Brasília - DF 2014 Pró-Reitoria de Graduação Curso de Engenharia Civil Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Graduação Curso de Engenharia Civil Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de

Leia mais

Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos

Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos William Fedrigo Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, williamfedrigo@hotmail.com

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA Jean Pier Vacheleski 1, Mauro Leandro Menegotto 2, RESUMO: Com o grande número de pneus descartados surge

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CONCRETO UTILIZANDO AGREGADOS ALTERNATIVOS OBTIDOS NA INDÚSTRIA DE CERÂMICA VERMELHA

DESENVOLVIMENTO DE CONCRETO UTILIZANDO AGREGADOS ALTERNATIVOS OBTIDOS NA INDÚSTRIA DE CERÂMICA VERMELHA 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 1 DESENVOLVIMENTO DE CONCRETO UTILIZANDO AGREGADOS ALTERNATIVOS OBTIDOS NA INDÚSTRIA DE CERÂMICA VERMELHA C. A. MARTINS (1); J. B. BALDO, (1); V. L. SORDI,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS Lucas Palma Tasca 1 ; Francislaine Facina 2, Janaina de Melo Franco³, Judson Ribeiro RESUMO: O concreto é um dos materiais mais utilizados

Leia mais

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DE AREIA ASFALTO USINADA A QUENTE (AAUQ) COM ADIÇÃO DE FIBRAS METÁLICAS

RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DE AREIA ASFALTO USINADA A QUENTE (AAUQ) COM ADIÇÃO DE FIBRAS METÁLICAS RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DE AREIA ASFALTO USINADA A QUENTE (AAUQ) COM ADIÇÃO DE FIBRAS METÁLICAS PRISCILA FIOCHI BENTO Mestre Universidade de Brasília - UNB Brasília - Brasil JOSÉ CAMAPUM DE CARVALHO PhD Universidade

Leia mais

ARGAMASSA COM PARTÍCULAS DE BORRACHA DERIVADA DA RECICLAGEM DE PNEUS INSERVÍVEIS

ARGAMASSA COM PARTÍCULAS DE BORRACHA DERIVADA DA RECICLAGEM DE PNEUS INSERVÍVEIS ARGAMASSA COM PARTÍCULAS DE BORRACHA DERIVADA DA RECICLAGEM DE PNEUS INSERVÍVEIS Mara Regina Pagliuso Rodrigues Escola de Engenharia de São Carlos. USP Brasil marar@sc.usp.br Osny Pellegrino Ferreira Escola

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DO BLOCO DE CONCRETO COM ADIÇÃO DE FRESAGEM ASFÁLTICA.

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DO BLOCO DE CONCRETO COM ADIÇÃO DE FRESAGEM ASFÁLTICA. AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DO BLOCO DE CONCRETO COM ADIÇÃO DE FRESAGEM ASFÁLTICA. Luiz Humberto de Souza (*),Vanessa Rosa Fidelis, Breno França Martins, Laianne Batista Vieira Fogaça, Lara Letícia Galdino

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO João Maurício Fernandes Souza¹; José Dafico Alves² ¹ Bolsista PIBIC/CNPq, Engenheiro Agrícola, UnUCET - UEG 2 Orientador, docente do Curso de Engenharia Agrícola, UnUCET

Leia mais

Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade

Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade Eduardo Mesquita Cortelassi

Leia mais

Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade.

Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade. Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade. Proporção da quantidade de agregados e água para uma certa

Leia mais

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Sidiclei Formagini 1, Matheus Piazzalunga Neivock 1, Paulo Eduardo Teodoro 2, Mario Henrique Quim Ferreira 2, Willian de Araujo Rosa 1, Cristian

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Período: 2º semestre de 2014 Docente: Priscila Borges Alves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Prontuário: 20.006-2 Regime de trabalho: [ X ] RDE [ ] 40h [ ] 20h Área: [ ]

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA. Bruno Carlos de Santis 1. João Adriano Rossignolo 2

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA. Bruno Carlos de Santis 1. João Adriano Rossignolo 2 ENTECA 2013 IX Encontro Tecnológico da Engenharia Civil e Arquitetura 1 a 3 de outubro de 2013 AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA Bruno Carlos de Santis

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

Influência do capeamento de corpos-de-prova cilíndricos na resistência à compressão do concreto

Influência do capeamento de corpos-de-prova cilíndricos na resistência à compressão do concreto pesquisa e desenvolvimento controle tecnológico do concreto Influência do capeamento de corpos-de-prova cilíndricos na resistência à compressão do concreto Fred R.Barbosa Pr o f e s s o r João M. F. Mota

Leia mais

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Agregados para concreto Os agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto

Leia mais

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP Paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo

Leia mais

FABRICAÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO COM RESÍDUOS DE BORRACHA DE PNEUS. MANUFACTURE OF CONCRETE BLOCKS WITH TIRE RUBBER RESIDUES.

FABRICAÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO COM RESÍDUOS DE BORRACHA DE PNEUS. MANUFACTURE OF CONCRETE BLOCKS WITH TIRE RUBBER RESIDUES. FABRICAÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO COM RESÍDUOS DE BORRACHA DE PNEUS. MANUFACTURE OF CONCRETE BLOCKS WITH TIRE RUBBER RESIDUES. César Fabiano FIORITI 1, Jorge Luís AKASAKI 2 1 Mestre em Engenharia de Estruturas,

Leia mais

ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO

ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO Ana Maria Gonçalves Duarte Mendonça 1, Milton Bezerra das Chagas Filho 2, Taíssa Guedes 3, Yane Coutinho Lira 4, Daniel Beserra

Leia mais

Qualidade do concreto em modelos de estacas escavadas

Qualidade do concreto em modelos de estacas escavadas Qualidade do concreto em modelos de estacas escavadas Mauro Leandro Menegotto Universidade Comunitária da Região de Chapecó, Chapecó, Brasil, maurolm@unochapeco.edu.br Marcelo Alexandre Gusatto Universidade

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes II Materiais de Construção CONCRETO Definição:

Leia mais

CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS

CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS Vicente Coney Campiteli (1); Sérgio Luiz Schulz (2) (1) Universidade Estadual de Ponta Grossa, vicente@uepg.br

Leia mais

INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE TRAÇOS PARA BLOCOS DE CONCRETO PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO COM ADIÇÃO DE RESÍDUOS DE PNEUS RECICLADOS

INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE TRAÇOS PARA BLOCOS DE CONCRETO PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO COM ADIÇÃO DE RESÍDUOS DE PNEUS RECICLADOS INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE TRAÇOS PARA BLOCOS DE CONCRETO PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO COM ADIÇÃO DE RESÍDUOS DE PNEUS RECICLADOS Eylisson A. Santos 1, Edilberto Vitorino Borja 2 1 Aluno de graduação do

Leia mais

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial.

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial. INFLUÊNCIA DO MATERIAL DE CAPEAMENTO NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DOS CORPOS-DE-PROVA DE CONCRETO E ARGAMASSAS: COMPARAÇÃO ENTRE ENXOFRE, PASTA DE CIMENTO E PASTA DE GESSO Rodrigo Boesing (1); Rogério A.

Leia mais

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Texto base para o Mini-curso da Comunidade da Construção da Cidade do Recife TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Apresentação Os textos apresentados como base para o este mini-curso são artigos publicados

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL: UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE POLIESTIRENO EXPANDIDO COMO MATERIAL NÃO CONVENCIONAL

SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL: UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE POLIESTIRENO EXPANDIDO COMO MATERIAL NÃO CONVENCIONAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL: UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE POLIESTIRENO EXPANDIDO COMO MATERIAL NÃO CONVENCIONAL Maria Betania Gama Santos (UFCG) betaniagama@uaep.ufcg.edu.br

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO PARA BLOCOS CONTENDO RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE CIMENTO

DOSAGEM DE CONCRETO PARA BLOCOS CONTENDO RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE CIMENTO DOSAGEM DE CONCRETO PARA BLOCOS CONTENDO RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE CIMENTO Afonso Maria Araújo (1) (1) Mestrando, Programa de Pós-Graduação em Geotecnica e Construção Civil, Universidade Federal

Leia mais

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO Ronaldo Alves de Medeiros Junior Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco (POLI/UPE), Recife, Brasil,

Leia mais

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho.

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. 3. METODOLOGIA O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. DEFINIÇÃO E OBTENÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS CARACTERIZAÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS

Leia mais

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM SUBSTITUIÇÃO À AREIA (PARTE 1) SELF-COMPACTING CONCRETE: EVALUATION OF INDUSTRIAL WASTES REPLACING THE SAND (PART 1) Silva, Cláudia

Leia mais

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS Helton Gomes ALVES 1, Kátya Dias NERI 1, Eudésio Oliveira VILAR 1 1 Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q.

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q. 01 / 07 SINOPSE O trabalho apresenta aspectos conceituais do comportamento das relações físicas envolvidas no sistema, e misturas tipo C.B.U.Q., levando em consideração as características físicas rotineiras

Leia mais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais Khalil Elias Khalil Ajaime. Itapeva São Paulo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE TÉCNICA DE CONCRETOS CONTENDO BORRACHA, APLICADOS À SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA

AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE TÉCNICA DE CONCRETOS CONTENDO BORRACHA, APLICADOS À SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE TÉCNICA DE CONCRETOS CONTENDO BORRACHA, APLICADOS À SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA Alessandra Gonçalves Kobayashi Engenharia Ambiental CEATEC alessandragk@puc-campinas.edu.br Lia Lorena

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ORDEM DE MISTURA DE AGREGADO GRAÚDO RECICLADO DE CONCRETO (AGRC) NO DESEMPENHO MECÂNICO DE CONCRETO.

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ORDEM DE MISTURA DE AGREGADO GRAÚDO RECICLADO DE CONCRETO (AGRC) NO DESEMPENHO MECÂNICO DE CONCRETO. ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ORDEM DE MISTURA DE AGREGADO GRAÚDO RECICLADO DE CONCRETO (AGRC) NO DESEMPENHO MECÂNICO DE CONCRETO. Luciana de Nazaré Pinheiro Cordeiro (1), Edison Estivalete Bilhalva Junior

Leia mais

3 Programa Experimental

3 Programa Experimental 3 Programa Experimental 3.1.Planejamento dos experimentos Com o objetivo de quantificar a diferença entre as resistências à compressão de corpos-de-prova moldados e de testemunhos extraídos, e de verificar

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO Evaluation of the effect of recycled aggregate concrete in mechanical properties of composite cimentitius

Leia mais

Avaliação da Viabilidade Técnica de Concreto Elaborado com Agregado Graúdo Reciclado

Avaliação da Viabilidade Técnica de Concreto Elaborado com Agregado Graúdo Reciclado Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.11, p.43-53, Abril, 2008 Avaliação da Viabilidade Técnica de Concreto Elaborado com Agregado Graúdo Reciclado Analysis of the Concrete Developed With Recycled Coarse

Leia mais

Concreto de Cimento Portland

Concreto de Cimento Portland Concreto de Cimento Portland Concreto é uma mistura de agregados miúdos e graúdos, cimento e água. Estes três materiais, reunidos e bem misturados, constituem uma massa plástica que endurece no fim de

Leia mais

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM João A. Rossignolo Professor outor, epartamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos USP, e-mail:

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Anais do XX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Caio Henrique Tinós Provasi

Leia mais

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Rodrigo Cézar Kanning rckanning@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica SUBSTITUIÇÃO DE PARTE DO CIMENTO POR FINOS INERTES DE PEDREIRA EM CONCRETOS COM BAIXO FATOR A/C Tiago Lopes Garcia 1,4 ;Vitor Cunha Naves 1,4 ; José Dafico Alves 2,4 ; Bruno de Carvalho Barros 3,4 ; Cristiano

Leia mais

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS ANTÔNIO QUERIDO JÚNIOR Graduando do curso de Engenharia Civil Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo / Brasil antonioquerido@yah oo.com.br RITA MOURA FORTES Prof. Doutora Universidade Presbiteriana

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Disciplina: Materiais de Construção I Assunto: Concreto II Prof. Ederaldo Azevedo Aula 5 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br A trabalhabilidade é influenciada pela consistência e pela coesão. As principais

Leia mais

Identificação DAHER Tecnologia

Identificação DAHER Tecnologia 1 Interessado: Jacson Polese dos Santos - ME. Rua Bandeirantes, 976. - Sítio Cercado. CEP 81.900-490. Curitiba Paraná. 1 de 6 Curitiba, 19 de setembro de 2006. 2 Referência: Avaliação de Triângulos pac

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO TECNOLOGIA DO CONCRETO CR - CONCRETO ROLADO CS - CONCRETO SIMPLES CONCRETO ROLADO CONCEITUAÇÃO Concreto de consistência seca e trabalhabilidade que permita

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II Dosagem de concreto Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Histórico - Egípcios e os etruscos empregava argamassa na construção

Leia mais

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO Engº Rubens Curti DOSAGEM DEFINIÇÃO DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados, adições e aditivos 2 DOSAGEM

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais