TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO"

Transcrição

1 TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO Thaís Do Rosário 1 Carlos Eduardo Nunes Torrescasana 2 Resumo: Diante do contexto atual de preservação do meio ambiente e de reaproveitamento de resíduos, estudos que visam materiais e técnicas de construção alternativas vêm ganhando maior espaço e destacando-se no setor da construção civil. Este trabalho tem por objetivo analisar a eficiência e a viabilidade da produção de tijolos de solo-cimento com adição de resíduos de concreto. Para tal, foram estudadas seis dosagens de solo, resíduo de concreto e cimento. Inicialmente foram realizados ensaios de retração linear e ensaios de caracterização geotécnica do solo natural e das dosagens utilizadas. Após os ensaios foram confeccionados tijolos com solo natural, 10% e 12% de cimento em relação a massa de solo; tijolos com solo natural, 40% de resíduo em relação a massa de solo, 10% e 12% de cimento em relação a massa da mistura solo-resíduo e tijolos com solo natural, 60% de resíduo em relação a massa de solo, 10% e 12% de cimento em relação a massa da mistura solo-resíduo. Aos 14 e 28 dias de idade foram realizados ensaios de resistência à compressão, e aos 28 dias foi realizado o ensaio de absorção de água dos tijolos. Com posse dos resultados obtidos nos ensaios de resistência a compressão, absorção de água dos tijolos e nos ensaios de caracterização do solo, observou-se que o solo estudado não apresenta as características necessárias para a produção de tijolos de solo cimento. Da mesma maneira, as quantidades de resíduo incorporado ao solo não foram suficientes para alcançar a viabilidade técnica dos tijolos de solo cimento. Apesar dos tijolos produzidos não terem atingido os valores de resistência a compressão e absorção de água exigidos pela NBR 10834(1994), a adição do resíduo de concreto ao solo melhorou significativamente as características do mesmo, e consequentemente a resistência e absorção de água dos tijolos produzidos. Palavras-chave: Concreto. Resíduo. Solo-cimento. 1. Introdução A necessidade de preservar o meio ambiente, aliada a escassez de recursos naturais, vem fazendo com que o setor da construção civil busque o desenvolvimento de novos materiais e técnicas voltados para o conceito de sustentabilidade. O reaproveitamento de resíduos e a redução no desperdício de materiais são fundamentais nesse setor, uma vez que além de produzir uma grande quantidade de resíduos, a construção civil também consome um grande percentual dos recursos naturais extraídos do planeta. Vários trabalhos envolvendo a reciclagem de resíduos vêm sendo realizados, e a grande maioria destes apresenta resultados favoráveis referentes ao aproveitamento dos resíduos gerados na construção civil, sendo que uma grande parte do aproveitamento pode ser realizada dentro do próprio setor. 1 Acadêmica do Curso de Engenharia Civil, Universidade Comunitária da Região de Chapecó, 2 Mestre em Engenharia Civil, Universidade Comunitária da Região de Chapecó,

2 Os resíduos da construção e demolição (RCD) constituem-se de materiais como restos de brita e areia, argamassas, concretos, materiais cerâmicos, madeira, metais, papéis, plásticos, tijolos, fios entre outros. De acordo com Ângulo et al. (2005), a fração de materiais de origem mineral como concretos e argamassas representam a maior quantidade da massa de RCD produzida pela construção civil (em torno de 90%). Em virtude da escassez de recursos naturais, de um destino adequado aos resíduos da construção e demolição, da necessidade de preservar o meio ambiente e visando a sustentabilidade, se faz necessário o desenvolvimento de materiais alternativos e o aproveitamento dos resíduos produzidos pelo setor da construção civil. No contexto de materiais alternativos pode-se destacar o tijolo de solo-cimento. O tijolo de solo-cimento é um material cuja maior parte da matéria prima é constituída de solo, acrescida de cimento e água. Esse tijolo é produzido por prensagem, ganhando resistência sem a necessidade de queima, o que faz dele uma boa opção quando se tem como meta a preservação do meio ambiente. O tijolo de solo-cimento apresenta um processo construtivo simples, não necessita de mão de obra especializada, utiliza máquinas simples, de pequeno porte e baixo custo. Sua principal matéria prima é abundante, de fácil obtenção e baixo custo. Na produção do tijolo de solo-cimento não são usadas fontes de energia provenientes da degradação do meio ambiente, nem gerados efluentes que possam causar danos ao mesmo. Em vista disso o tijolo de solo cimento pode ser dito ecológico. Segundo Silva (2005) apesar da grande diversidade de solos existentes, não é todo tipo de solo que pode ser usado para confecção do solo-cimento, sendo importante fazer a escolha correta da granulometria do solo a ser usado. O solo deve apresentar algumas características básicas, como ser facilmente desagregável e manter uma proporção adequada de tamanho entre os grãos. Conforme o CEPED (1984), todos os tipos de solo apresentam uma melhoria das suas propriedades mecânicas quando são misturados com o cimento e compactados. Porém, existem limitações quanto ao uso de alguns tipos de solo, tanto por questões de trabalhabilidade, como de consumo de cimento, ou seja, razões técnicas e econômicas. Quanto a granulometria, os solos arenosos são os mais adequados para a produção do solo-cimento, sendo da granulometria e da uniformidade dos grãos que depende o consumo do cimento. O acréscimo de silte e

3 argila, ou de grãos de tamanhos muito uniformes, resultam em um consumo elevado de cimento. Diferentemente, a existência de grãos maiores, areia grossa e pedregulhos e benéfica, sendo que estes servem de enchimento, reduzindo a quantidade de cimento para aglomerar os grãos de granulometria menor. Porém, um teor mínimo da fração fina de solos se faz necessária, uma vez que a resistência inicial do solo-cimento compactado é devida a coesão da fração fina do solo compactado. De acordo com alguns autores quando não se dispõe de um solo que apresente as características ideais para a produção do tijolo de solo cimento, podese obter de um material apropriado através da mistura de diferentes tipos de solo. Outra possibilidade para a obtenção de um solo adequado é realizar a adição de areia grossa, no entanto, de forma que o resultado seja favorável não só tecnicamente, mas também economicamente. Alguns tipos de resíduos gerados na construção civil, como o concreto e argamassa, quando triturados podem chegar a uma granulometria semelhante a uma areia grossa. De acordo com alguns trabalhos realizados, esses resíduos podem ser acrescidos ao tijolo de solo-cimento, melhorando significativamente algumas características do mesmo. O presente trabalho refere-se à produção de tijolos de solo-cimento com adição de resíduos de concreto. A adição de resíduo tem o intuito de melhorar as propriedades dos tijolos de solo-cimento, uma vez que para confecção destes foi utilizado solo coletado na cidade de Chapecó SC, o qual não apresenta condições necessárias para um solo-cimento de qualidade. 2. Materiais e métodos 2.1 Materiais utilizados Para realização deste trabalho foram utilizados os seguintes materiais: -Solo: utilizou-se para a realização desta pesquisa solo obtido no Bairro Jardim América na cidade de Chapecó (região Oeste de Santa Catarina). As características do solo foram determinadas através de ensaios de caracterização no laboratório de engenharia civil da Unochapecó. -Cimento: foi utilizado Cimento Portland composto CP II Z-32, pois este tipo de cimento é bastante utilizado e comercializado na região Oeste do estado.

4 -Água: para a realização dos ensaios de caracterização foi utilizada água potável proveniente de poço artesiano da universidade, e para a confecção dos tijolos utilizou-se água proveniente do abastecimento público da cidade de Chapecó. -Resíduos de concreto: foram utilizados resíduos de concreto coletados em uma fábrica de blocos, pavers e telhas de concreto, localizada na cidade de Chapecó - SC. Foram usados os resíduos gerados durante a fabricação das peças de concreto. Como o resíduo apresentava uma granulometria próxima da desejada, após a coleta, apenas uma pequena parte foi passada por processo manual de trituração. O resíduo foi passado na peneira de malha 4,8 mm, pois a NBR 1033(1989) cita que 100% do material utilizado para a confecção de tijolos de solo-cimento deve passar nesta peneira. O resíduo utilizado ficou com aspecto semelhante a uma areia industrial. 2.2 Dosagens Foram estudadas para a produção dos tijolos seis dosagens, sendo estas compostas por: -Solo natural e 10% de cimento em relação a massa de solo; -Solo natural e 12% de cimento em relação a massa de solo; -Solo natural, 40% de resíduo em relação a massa de solo e 10% de cimento em relação a massa da mistura solo-resíduo; -Solo natural, 40% de resíduo em relação a massa de solo e 12% de cimento em relação a massa da mistura solo-resíduo; -Solo natural, 60% de resíduo em relação a massa de solo e 10% de cimento em relação a massa da mistura solo-resíduo; -Solo natural, 60% de resíduo em relação a massa de solo e 12% de cimento em relação a massa da mistura solo-resíduo. 2.3 Ensaios de caracterização A caracterização do solo, do resíduo e das misturas foi realizada em conformidade com as Normas Brasileiras pertinentes. O solo usado para os ensaios foi preparado de acordo com os procedimentos descritos na NBR 6457 (1986) - Amostras de solo - Preparação para ensaios de compactação e ensaios de caracterização e na Norma DNER-ME 041/94 Solos-preparação de amostras para ensaios de caracterização. Foram realizados os seguintes ensaios:

5 -Limite de liquidez: DNER-ME 122/94(Determinação do limite de liquidez método de referência e método expedito). -Limite de plasticidade: DNER-ME 082/94(Determinação do limite de plasticidade). -Massa específica dos sólidos: DNER-ME 093/94 (Solos- Determinação da densidade real). - Análise granulométrica de solos: para determinação do tamanho dos grãos e suas respectivas porcentagens de ocorrência, realizou-se os ensaios conforme as especificações da norma NBR 7181 (1984) Análise Granulométrica. Para a realização deste ensaio também foi consultada a norma DNER-ME 051/94 (Solos - Análise Granulométrica). Para determinação da granulometria do resíduo foi realizada apenas a etapa do peneiramento. -Ensaio de compactação: para o ensaio de compactação foi utilizada a NBR 7182 (1986) - Ensaios de compactação. Utilizou-se nos ensaios realizados a energia de compactação Proctor Normal. Sendo assim, foram utilizados o soquete e o cilindro pequenos, e o solo compactado em três camadas, sendo em cada uma destas aplicados 26 golpes. O ensaio foi realizado sem reuso de material, sobre amostras preparadas com secagem previa até a umidade higroscópica. 2.4 Retração linear A avaliação da retração linear do solo natural e das composições foi feita a partir do ensaio de retração seguindo o método sugerido pelo CEPED (1984) e também por Beraldo e Myrrha (2003). Para realização desse ensaio o solo foi umedecido até alcançar uma consistência plástica (semelhante a uma argamassa de assentamento), e então colocado dentro de uma caixa de madeira com 60,0 cm de comprimento, 8,5 cm de largura e 3,5 cm de altura. Inicialmente foi aplicada uma demão de óleo mineral na caixa; posteriormente colocou-se o material no interior da mesma e feita realização do adensamento manual. Na sequência o material foi colocado à sombra em local nivelado aonde permaneceu em repouso durante sete dias. Após, realizou-se com auxilio de um paquímetro as leituras da retração do solo no sentido do comprimento da caixa.

6 2.5 Fabricação dos tijolos Para fabricação dos tijolos inicialmente fez-se a coleta, transporte e a secagem do solo ao ar livre. Após, o solo foi peneirado (peneira de malha 4,8mm) e armazenado. Na sequência, foram separadas as quantidades referentes a cada uma das dosagens. Para tal os materiais foram pesados, armazenados em sacos estanques e estes identificados. Determinou-se as umidades dos materiais e a partir dos valores obtidos nos ensaios de compactação, foram então definidas as quantidades de água necessárias para alcançar a umidade ótima das misturas para a moldagem dos tijolos. Os tijolos foram produzidos em uma pequena fábrica localizada no Bairro Efapi na cidade de Chapecó - SC, sendo que a mesma encontrava-se desativada. Para produção dos tijolos foi utilizada uma prensa hidráulica modelo ECO PREMIUM 2600 CH. Foram produzidos tijolos com 25 cm de comprimento, 12,5cm de largura e alturas que variaram de 6,25 cm até 7,0 cm em função das diferentes dosagens e granulometria dos materiais utilizados. Os tijolos foram confeccionados e curados conforme a NBR Fabricação de tijolo maciço e bloco vazado de solo-cimento com utilização de prensa hidráulica. Inicialmente realizou-se a mistura seca (esta foi feita manualmente) até homogeneização dos materiais, na sequência a mistura foi colocada em uma betoneira e feita a adição da água. Após a homogeneização dos materiais a mistura foi colocada na prensa e os tijolos moldados. Após a moldagem, os tijolos foram armazenados em palets de madeira identificados, em local coberto, fechado e nivelado, bem como foram separados de acordo com sua respectiva dosagem. Durante sete dias realizou-se a cura úmida dos mesmos, sendo que estes permaneceram no local da moldagem. Sete dias depois da confecção, os tijolos foram transportados e armazenados no laboratório de engenharia civil onde permaneceram até a realização dos ensaios. 2.6 Resistência a compressão Devido aos tijolos serem vazados, depois de confeccionados e curados os mesmos foram rompidos de acordo com a NBR 10836(1994) - Bloco vazado de solo cimento sem função estrutural- Determinação da resistência à compressão e da

7 absorção de água. Os ensaios de resistência a compressão foram realizados aos 14 e aos 28 dias de idade dos tijolos. Para realização do ensaio inicialmente identificou-se os tijolos; na seqüência foram obtidas as medidas de largura e comprimento dos mesmos para determinação da área de trabalho, para o cálculo da resistência dos tijolos. Devido aos tijolos apresentarem uma saliência (encaixes) foi necessário retirar as mesmas, para então fazer o capeamento (para o capeamento utilizou-se enxofre). Os tijolos identificados, medidos e capeados foram então colocados em um tanque de água, aonde permaneceram por 24h. Decorridas às 24h os tijolos foram retirados do banho e as suas superfícies foram levemente secas. Posteriormente, os mesmos foram submetidos ao ensaio de compressão. 2.7 Absorção de água A mesma norma usada para o ensaio de resistência a compressão foi utilizada para realização de ensaio de absorção de água dos tijolos. Este ensaio foi realizado aos 28 dias de idade, sendo os resultados expressos em porcentagem. Para realização deste ensaio inicialmente identificou-se os tijolos e na seqüência colocou-se os mesmos em uma estufa para a secagem (até constância de massa). Estando os tijolos secos, os mesmos foram retirados da estufa e pesados para obtenção da massa (M1). Na seqüência, os mesmos foram imersos em um tanque de água, aonde permaneceram por 24h. Depois de decorridas 24h os tijolos foram retirados da imersão e pesados para obtenção da massa saturada (M2). 3. Resultados e discussões 3.1. Limites de consistência Na tabela 01 são apresentados os valores obtidos nos ensaios de limite de liquidez e limite de plasticidade. Tabela 01: Limites de consistência Material LL (%) LP (%) IP (%) solo natural 62,4 40,5 21,9 Solo + 40% resíduo 48,5 28,6 19,9 Solo + 60% resíduo 46,6 26,4 20,2 Observando a Tabela 01 nota-se que a adição do resíduo diminuiu significativamente os limites de consistência do solo natural, podendo esse

8 comportamento melhorar as características do produto final. No entanto, de acordo com a NBR 10833(1989), um solo com boas condições para a produção de tijolos de solo cimento deveria apresentar um limite de liquidez 45% e um índice de plasticidade 18%. Tanto o solo natural, como o solo com as porcentagens de resíduo adicionadas não atenderam essa condição. 3.2 Massa específica dos sólidos Na Tabela 02 é possível observar os valores da massa específica dos sólidos (relação entre a massa dos sólidos e o volume ocupado por estes) do solo natural e das dosagens estudadas. Tabela 02: Massa específica dos sólidos Material ρs(g/cm³) Solo natural 2,796 Solo + 40% resíduo 2,727 Solo + 60% resíduo 2,733 De acordo com Bueno e Vilar (1980) a massa específica dos sólidos pode ser tomada como 2,67 g/cm³ para solos arenosos, e de 2,75 a 2,90g/cm³ para solos argilosos. 3.3 Análise granulométrica de solos Tendo como referência a escala granulométrica da ABNT, com base nos ensaios de análise granulométrica foram definidas as porcentagens dos materiais constituintes dos solos analisados (Tabela 03). Tabela 03: Caracterização das amostras Material Argila (%) Silte (%) Areia fina (%) Areia média (%) Areia grossa (%) Pedregulho (%) Solo natural 87,00 10,5 1,1 1,1 0,3 0,00 Solo + 40% de resíduo 50 15,8 10,3 13,2 3,8 6,9 Solo + 60% de resíduo 34,3 24,6 6,6 15,1 7,00 12,4 Resíduo de concreto 0,00 0,00 8,00 24,6 16,0 51,4 Com base na caracterização pode-se classificar os solos como: Solo natural: argila siltosa com vestígios de areia. Solo + 40% de resíduo: argila arenosa siltosa com vestígios de pedregulho Solo + 60% de resíduo: argila arenosa com pouco de silte e pedregulho Resíduo de concreto: pedregulho arenoso.

9 Pode-se perceber pelos valores apresentados na Tabela 03 e pela caracterização que o solo utilizado é um solo argiloso e que a adição do resíduo muda significativamente a sua granulometria. No entanto, apesar das mudanças ocorridas na granulometria, esta ainda não está de acordo com as recomendações granulométricas ideais para confecção do solo cimento feitas por algumas bibliografias. De acordo com o CEPED (1894), por exemplo, a granulometria ideal para composição do solo cimento deve conter menos de 20% de argila, 10 a 55% de silte mais argila, e de 45 a 90% de areia. 3.4 Ensaio de compactação Na Tabela 04 é possível observar os valores obtidos nos ensaios de compactação. Tabela 04: Resultados da compactação Dosagem W(ot) Umidade ótima (%) ρd max Massa específica seca máxima(g/cm³) Solo natural 33,8 1,360 Solo + 10% cimento 30,6 1,370 Solo + 12% cimento 31,8 1,386 Solo + 40% resíduo+ 10% cimento 25,8 1,568 Solo + 40% resíduo+ 12% cimento 25,4 1,553 Solo + 60% resíduo+ 10% cimento 24,2 1,602 Solo + 60% resíduo+ 12% cimento 23,2 1,613 Analisando a Tabela 04 pode-se observar que os valores de umidade ótima apresentaram em todas as composições analisadas uma redução em função do incremento dos resíduos. Da mesma forma, nota-se que a massa específica seca máxima aumentou em função da adição do resíduo. Esse comportamento indica que o material apresentou-se mais compacto, e isto significa que houve uma melhor acomodação dos grãos (fator de empacotamento) no processo de compactação. Logo, a tendência, é a de se obter materiais de maior resistência e também com uma menor absorção de umidade.

10 3.5 Retração linear linear. Na Tabela 05 são apresentados os valores obtidos nos ensaios de retração Tabela 05: Retração linear Material Retração linear (mm) Solo natural 32 Solo + 40% de resíduo 23,5 Solo+ 60% de resíduo 23,3 Todos os ensaios de retração realizados apresentaram duas fendas na parte central da amostra, e os valores de retração total em cada traço foram superiores a 20 mm. De acordo com o CEPED (1984), para ser viável para a confecção de solocimento, a soma da fendas existentes entre as paredes da caixa e a amostra de solo deve ser inferior a 20 mm, bem como a amostra não deve apresentar nenhuma fenda transversal na parte central da caixa. Desta forma, tanto o solo natural como o solo com os percentuais de resíduo adicionados neste trabalho, não seriam apropriados para a confecção do solocimento. No entanto, nota-se que com a adição do resíduo houve uma diminuição considerável nos valores de retração do solo. Isso significa que em virtude da incorporação dos resíduos há uma tendência de redução da retração por secagem. 3.6 Resistência a compressão Na Tabela 06 são apresentadas as resistências médias referentes aos 14 e aos 28 dias de idade dos tijolos. Tabela 06: Resistência a compressão média dos tijolos Resistência média Dosagem (MPa) 14 dias 28 dias Solo+10%cimento 0,59 0,63 Solo+12%cimento 1,42 1,00 Solo+40% resíduo +10%cimento 1,69 1,20 Solo+40% resíduo +12%cimento 1,17 1,09 Solo+60% resíduo +10%cimento 1,46 1,44 Solo+60% resíduo +12%cimento 1,71 1,50 Analisando a Tabela 06 observa-se um aumento de resistência com a incorporação do resíduo de concreto no solo. Esse aumento foi significativo principalmente nos tijolos de solo e 10% de cimento. Com a adição de resíduo, os

11 tijolos com 10% de cimento tiveram suas resistências dobradas, sendo que nos 14 dias com 60% de resíduo a resistência chegou a ser 2,68 vezes maior. No entanto, de acordo com a NBR10834(1994), a amostra ensaiada deve apresentar aos 28 dias de idade, uma média dos valores de resistência à compressão igual ou maior que 2,0 MPa, e valores individuais iguais ou maiores que 1,7MPa. Através da Tabela 06 é possível observar que nenhuma das dosagens estudadas alcançou os valores estabelecidos pela norma. Analisando a Figura 1, nota-se que na maior parte das dosagens estudadas apresentou maior resistência aos 14dias que aos 28dias de idade. A seguir são apresentados trabalhos que apresentaram comportamentos semelhantes e citados os possíveis motivos para esse resultado. Figura 01: Evolução da resistência dos tijolos No trabalho realizado por Milani (2005), utilizando tijolos de solo-cimento com adição de casca de arroz, ocorreu um comportamento semelhante. Neste trabalho foram feitos os ensaios de compressão dos tijolos aos 07; 28 e 60 dias, sendo que parte dos traços estudados tiveram uma redução de resistência dos 07 para os 28 dias. No entanto, aos 60 dias as resistências apresentaram-se superiores. Ferreira, Gobo e Cunha (2008), utilizaram em sua pesquisa casca de arroz e de braquiária para a confecção dos tijolos de solo-cimento. Neste trabalho também houve uma redução de resistência dos tijolos com o tempo. Foram realizados ensaios 07; 28; 56; 91 e 182 dias, sendo que na idade de 91 dias alguns traços estudados apresentaram valores de resistência menores que aqueles observados

12 nos 56 dias. O mesmo ocorreu em um dos traços na idade de 56dias em relação aos 28 dias. Os autores justificam esse comportamento pelas variações ambientais de temperatura e umidade relativa do ar, ocorridas durante o processo de armazenagem dos tijolos. Realizando o ensaio aos 28 dias, notou-se que ao manipular os tijolos suas arestas se desagregavam facilmente, assim como ao colocar os mesmos na água ocorria a formação de bolhas, indicando que os mesmos encontravam-se bastante secos. Portanto, esse comportamento na resistência a compressão dos tijolos pode ter sido influenciado pelas variações de temperatura e de pela umidade relativa do ar ocorrida no armazenamento dos tijolos. Em função do comportamento apresentado pela evolução das resistências e dos resultados observados nos dois trabalhos citados acima, ensaiou-se dois tijolos de cada um dos traços que tiveram suas resistências reduzidas aos 28 dias (Tabela 07), para analisar o comportamento com o passar dos dias. Tabela 07: Resistência aos 35 dias. Dosagem Resistência aos 35 dias (MPA) Tijolo 01 Tijolo 02 Média Solo+12%cimento 1,32 0,95 1,14 Solo+40% resíduo +10%cimento 1,40 1,54 1,47 Solo+40% resíduo +12%cimento 1,07 0,93 1,00 Solo+60% resíduo +10%cimento 1,92 1,71 1,82 Solo+60% resíduo +12%cimento 2,02 1,57 1,80 Comparando-se a Tabela 06 com a Tabela 07, percebe-se que com exceção da dosagem de Solo+40% resíduo + 12% de cimento, as demais dosagens tiveram suas resistências aumentadas aos 35 dias em relação aos 28 dias. As resistências médias das dosagens com 60% de resíduo foram maiores aos 35 dias do que aos 14 dias. Esse comportamento indica que as reações químicas ocorridas no cimento, melhoram as propriedades mecânicas ao longo do tempo. 3.7 Absorção de água dos tijolos. Na Tabela 08 são apresentados os valores obtidos no ensaio de absorção

13 Tabela 08: Absorção de água dos tijolos Traço Absorção (%) Solo+10%cimento 33,62 Solo+12%cimento 30,58 Solo+40% resíduo +10%cimento 24,33 Solo+40% resíduo +12%cimento 23,32 Solo+60% resíduo +10%cimento 22,60 Solo+60% resíduo +12%cimento 25,01 A NBR 10834(1994) prescreve que a média dos valores de absorção de água deve ser menor ou igual a 20%, e os valores individuais iguais ou menores que 22%, aos 28 dias. Através da Tabela 08 percebe-se que nenhuma das dosagens estudadas esta de acordo com a Norma. Também é possível observar pela Tabela 08, que a adição do resíduo ao solo reduziu de maneira significativa a absorção de água dos tijolos. Comparando-se o solo com 10% de cimento, com o solo com adição de 60% de resíduo é observada uma redução de 11,02% de absorção de água nos tijolos. 4. Considerações Com o término desta pesquisa, tendo como base os resultados obtidos nos ensaios de resistência a compressão e absorção de água dos tijolos, e os resultados encontrados com os ensaios de caracterização do solo, observou-se que o solo estudado não apresenta as características necessárias para a produção de tijolos de solo cimento. Da mesma maneira, observou-se que as quantidades de resíduo (40% e 60%) incorporado ao solo não foram suficientes para alcançar a viabilidade técnica dos tijolos de solo-cimento. Apesar de nenhuma das dosagens dos tijolos produzidos ter atingido os valores de resistência a compressão e absorção de água prescritos pela NBR 10834(1994), a adição do resíduo de concreto ao solo melhorou significativamente as características do mesmo. A melhora nas propriedades do solo estudado, proporcionada pela adição do resíduo pode ser observada ainda nos ensaios de caracterização. Essa melhora teve como conseqüência um aumento na resistência e a uma redução na absorção de água dos tijolos. Em função dos resultados obtidos na realização da pesquisa, os resíduos de concreto mostram-se uma boa alternativa para melhorar as características dos

14 solos, visando a produção do solo-cimento. Apesar de nenhuma das dosagens estudadas ter atingido as exigências das normas pertinentes, os tijolos com a adição de resíduo tiveram suas resistências dobradas e uma redução de até mais de 10% na absorção de água. A aplicação dos resíduos de concreto destaca-se principalmente pelo aproveitamento do mesmo, que tem como conseqüência a preservação do meio ambiente. Referências ÂNGULO, Sérgio C. et al. Aperfeiçoamento da reciclagem da fração mineral dos resíduos de construção e demolição - Uso em concretos. Disponível em: Acesso em: 02 de setembro de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6457: Amostra de solo Preparação para ensaios de compactação e ensaios de caracterização. Rio de Janeiro, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10834: Bloco vazado de solo-cimento sem função estrutural. Rio de Janeiro, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10836: Bloco vazado de solo-cimento sem função estrutural-determinação da resistência a compressão e da absorção de água. Rio de Janeiro, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10833: Fabricação de tijolo maciço e bloco vazado de solo-cimento com a utilização de prensa hidráulica. Rio de Janeiro, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7181: Solo Análise granulométrica. Rio de Janeiro, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7182: Solo Ensaio de compactação. Rio de Janeiro, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10833: Tijolo maciço de solo-cimento. Rio de Janeiro, BERALDO, Antonio Ludovico; MYRRHA, Marco Aurélio de Lima. Tecnologias e materiais alternativos de construção. Campinas: UNICAMP, CENTRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO. Manual de construção com solo-cimento. 3. ed. atual. São Paulo: ABCP, DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. DNER-ME 051. Solos análise granulométrica.1994.

15 DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. DNER-ME 093. Solos - determinação da densidade real DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. DNER-ME 122. Solos - determinação do limite de liquidez - método de referência e método expedito DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. DNER-ME 082. Solos - determinação do limite de plasticidade DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. DNER-ME 041. Solos - preparação de amostras para ensaios de caracterização FERREIRA, Regis de C. GOBO, Júlio C. da C. CUNHA, Ananda H. N. Incorporação de casca de arroz e de braquiária e seu efeitos nas propriedades físicas e mecânicas de tijolos de solo-cimento. Eng. Agríc., Jaboticabal, v.28, n.1, p.1-11, jan./mar Disponível em: Acessado em 27 de maio de MILANI. Ana Paula da Silva. Avaliação físico-mecânica de tijolos de solocimento e de solo-cal adicionados de casca de arroz f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola na área de concentração em Construções Rurais e Ambiência) Engenharia Agrícola da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Disponível em: Acesso em: 27 de agosto de SILVA, Sandra Regina. Tijolos de solo-cimento reforçado com serragem de madeira f.dissertação (Mestrado em Engenharia de estruturas)- Escola de Engenharia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Disponível em: Acesso em: 07 de setembro de 2010.

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS 1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS Advento da agricultura: + 10.000 AC Terra, pedra e madeira: materiais que abrigaram a humanidade Desuso Produção industrial de materiais Novos padrões estéticos Grandes concentrações

Leia mais

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO João Maurício Fernandes Souza¹; José Dafico Alves² ¹ Bolsista PIBIC/CNPq, Engenheiro Agrícola, UnUCET - UEG 2 Orientador, docente do Curso de Engenharia Agrícola, UnUCET

Leia mais

Tijolos prensados de solo-cimento confeccionados com resíduos de concreto. Soil-cement pressed bricks made with concrete wastes

Tijolos prensados de solo-cimento confeccionados com resíduos de concreto. Soil-cement pressed bricks made with concrete wastes Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental v., n., p.5, Campina Grande, PB, UAEAg/UFCG http://www.agriambi.com.br Protocolo 5. 5/5/ Aprovado em // Tijolos prensados de solo-cimento confeccionados

Leia mais

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO Ronaldo Alves de Medeiros Junior Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco (POLI/UPE), Recife, Brasil,

Leia mais

Utilização de Solos Arenosos para Obtenção de Tijolos de Solo Cimento

Utilização de Solos Arenosos para Obtenção de Tijolos de Solo Cimento Utilização de Solos Arenosos para Obtenção de Tijolos de Solo Cimento Rinaldo J. B. Pinheiro a *, José Mario D. Soares a a Centro de Tecnologia, Universidade Federal de Santa Maria UFSM, Av. Roraima, 1000,

Leia mais

RECICLAGEM DE RESÍDUOS E CIDADANIA: PRODUÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES EM REGIME DE MUTIRÃO - PARTE II

RECICLAGEM DE RESÍDUOS E CIDADANIA: PRODUÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES EM REGIME DE MUTIRÃO - PARTE II RECICLAGEM DE RESÍDUOS E CIDADANIA: PRODUÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES EM REGIME DE MUTIRÃO - PARTE II Aline Gomes de Oliveira 1 ; Gustavo de Castro Xavier 2 ; Raphael dos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA. Bruno Carlos de Santis 1. João Adriano Rossignolo 2

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA. Bruno Carlos de Santis 1. João Adriano Rossignolo 2 ENTECA 2013 IX Encontro Tecnológico da Engenharia Civil e Arquitetura 1 a 3 de outubro de 2013 AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA Bruno Carlos de Santis

Leia mais

APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DE RECURSOS NATURAIS E DE MATERIAIS RECICLÁVEIS NA INOVAÇÃO QUÍMICA DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS

APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DE RECURSOS NATURAIS E DE MATERIAIS RECICLÁVEIS NA INOVAÇÃO QUÍMICA DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DE RECURSOS NATURAIS E DE MATERIAIS RECICLÁVEIS NA INOVAÇÃO QUÍMICA DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS Rebecca Manesco Paixão 1 ; Natália Cavalini Paganini 2 ;José Eduardo Gonçalves 3

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 PRODUÇÃO DE TELHA SEM AMIANTO USANDO FIBRAS DE COCO VERDE E CINZAS DE CANA-DE-AÇÚCAR. Ana Paula dos Santos Rodrigues¹; Daiene Lemes Pinto 2, Fernanda Luiza Mendonça Oliveira³, Guilherme Vitor Batista Correia

Leia mais

UMIDADE ÓTIMA DE COMPACTAÇÃO DE SOLO-CIMENTO PARA DIFERENTES TRAÇOS

UMIDADE ÓTIMA DE COMPACTAÇÃO DE SOLO-CIMENTO PARA DIFERENTES TRAÇOS UMIDADE ÓTIMA DE COMPACTAÇÃO DE SOLO-CIMENTO PARA DIFERENTES TRAÇOS Cristiane Zuffo da Silva(1); Evandro Marcos Kolling (2); Tobias Jun Shimosaka (3); Ney Lysandro Tabalipa (4); Caroline Angulski da Luz

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS

AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS Júlia Chaves BORGES (1); Raquel Jucá de Moraes SALES (2); Maria Elane Dias de OLIVEIRA (3); Antonio

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA Jean Pier Vacheleski 1, Mauro Leandro Menegotto 2, RESUMO: Com o grande número de pneus descartados surge

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CASCA DE ARROZ E SEMENTES DE BRAQUIÁRIA EM TIJOLOS SOLO-CIMENTO

A UTILIZAÇÃO DA CASCA DE ARROZ E SEMENTES DE BRAQUIÁRIA EM TIJOLOS SOLO-CIMENTO A UTILIZAÇÃO DA CASCA DE ARROZ E SEMENTES DE BRAQUIÁRIA EM TIJOLOS SOLO-CIMENTO RIBEIRO, Renato Rodrigo FAIT - Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva BILESKY, Luciano Rossi FAIT - Faculdade

Leia mais

BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM AGREGADOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO RCD: PROCESSO DE PRODUÇÃO.

BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM AGREGADOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO RCD: PROCESSO DE PRODUÇÃO. BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM AGREGADOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO RCD: PROCESSO DE PRODUÇÃO. Edson Antonio França Aluno do IFMT, Campus Cuiabá, bolsista PROEX Everton Gomes Queiroz Aluno

Leia mais

TIJOLOS DO TIPO SOLO-CIMENTO INCORPORADOS COM RESIDUOS DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DO POLO MOVELEIRO DE UBA

TIJOLOS DO TIPO SOLO-CIMENTO INCORPORADOS COM RESIDUOS DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DO POLO MOVELEIRO DE UBA TIJOLOS DO TIPO SOLO-CIMENTO INCORPORADOS COM RESIDUOS DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DO POLO MOVELEIRO DE UBA Sergio Celio Da Silva Lima (FIC/UNIS) serginhoblack1@hotmail.com Daniel Perez Bondi (FIC/UNIS)

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO PROVENIENTE DO DESDOBRAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLOGICOS DE SOLO-CIMENTO

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO PROVENIENTE DO DESDOBRAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLOGICOS DE SOLO-CIMENTO UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO PROVENIENTE DO DESDOBRAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLOGICOS DE SOLO-CIMENTO Joseane Damasceno Mota (1) Graduanda em Química Industrial na UEPB Djane de Fátima

Leia mais

ESTUDO PARA UTILIZAÇÃO E VIABILIDADE DE AREIA DE FUNDIÇÃO EM CONCRETO 1

ESTUDO PARA UTILIZAÇÃO E VIABILIDADE DE AREIA DE FUNDIÇÃO EM CONCRETO 1 ESTUDO PARA UTILIZAÇÃO E VIABILIDADE DE AREIA DE FUNDIÇÃO EM CONCRETO 1 Geannina Terezinha Dos Santos Lima 2, Pedro Goecks 3, Cristiane Dos Santos 4, Gabriela Blatt 5, Diorges Lopes 6, Cristina Pozzobon

Leia mais

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho.

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. 3. METODOLOGIA O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. DEFINIÇÃO E OBTENÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS CARACTERIZAÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS

Leia mais

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Ronaldo Alves de Medeiros Junior Universidade de Pernambuco-UPE, Recife, Brasil,

Leia mais

(PPGEMA), pela Escola de Engenharia Civil (EEC); joaoluizmplopes@yahoo.com.br.

(PPGEMA), pela Escola de Engenharia Civil (EEC); joaoluizmplopes@yahoo.com.br. ESTUDO DO POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE BENEFICIAMENTO DE MÁRMORE E GRANITO (RBMG), COMO FÍLER, NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS. LOPES, João Luiz Macedo Prudêncio¹; BACARJI, Edgar²; PAZINI FIGUEIREDO,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BASE DE SOLO-CIMENTO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de base de solo-cimento,

Leia mais

Título: Autores: INSTITUIÇÃO: UFCG OBJETIVOS Gerais Específicos MATERIAIS E MÉTODOS Materiais Solos -

Título: Autores: INSTITUIÇÃO: UFCG OBJETIVOS Gerais Específicos MATERIAIS E MÉTODOS Materiais Solos - Título:UTILIZAÇÃO DE SOLO-CIMENTO NA FABRICAÇÃO DE TIJOL Autores: C.R.S. Morais, R.L. Rodrigues, D.S.G. Lima, M.R. Patrício, G.A. Neves crislene@dema.ufpb.br, ricalirodrigues@yahoo.com.br, danengematl@bol.com.br,

Leia mais

TÍTULO: TIJOLO ECOLÓGICO CONFECCIONADO COM CÉDULAS DE DINHEIRO GASTAS E SEM VALOR

TÍTULO: TIJOLO ECOLÓGICO CONFECCIONADO COM CÉDULAS DE DINHEIRO GASTAS E SEM VALOR TÍTULO: TIJOLO ECOLÓGICO CONFECCIONADO COM CÉDULAS DE DINHEIRO GASTAS E SEM VALOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI

Leia mais

CAPÍTULO VII USO DO AGREGADO RECICLADO EM TIJOLOS DE SOLO ESTABILIZADO COM CIMENTO

CAPÍTULO VII USO DO AGREGADO RECICLADO EM TIJOLOS DE SOLO ESTABILIZADO COM CIMENTO CAPÍTULO VII 228 USO DO AGREGADO RECICLADO EM TIJOLOS DE SOLO ESTABILIZADO COM CIMENTO USO DO AGREGADO RECICLADO EM TIJOLOS DE SOLO ESTABILIZADO COM CIMENTO Célia Maria Martins Neves Alex Pires Carneiro

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DA LAVRA DA PEDRA MORISCA DA REGIÃO DE CASTELO DO PIAUÍ NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS RESUMO

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DA LAVRA DA PEDRA MORISCA DA REGIÃO DE CASTELO DO PIAUÍ NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS RESUMO UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DA LAVRA DA PEDRA MORISCA DA REGIÃO DE CASTELO DO PIAUÍ NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS SILVEIRA, Leonardo 1 ; MELO, Marcus 2 ; LUZ, Adão 3 1 Centro de Tecnologia Mineral CETEM

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA ENTECA 2003 303 ANÁLISE DE DESEMPENHO DE TIJOLO DE SOLO CIMENTO PARA HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL CONSIDERANDO-SE AS PRINCIPAIS PROPRIEDADES REQUERIDAS PARA O TIJOLO E O PROCESSO DE PRODUÇÃO EMPREGADO.

Leia mais

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1)

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1) A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO Paula Ikematsu (1) Gerente de área de Produto e Canais Técnicos da InterCement S/A Mestre em Engenharia Civil (Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO DA POTENCIALIDADE DA UTILIZAÇÃO DA MISTURA DE CINZA DE BAGAÇO DE CANA DE AÇÚCAR E RESÍDUOS DE PNEUS NA CONFECÇÃO DE CONCRETOS E PAVERS PARA PAVIMENTAÇÃO

Leia mais

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável Juliano Moresco Silva Especialista em Tecnologia do Concreto juliano.silva@azulconcretos.com.br

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TÉRMICAS DE TIJOLOS SOLO-CIMENTO COM E SEM ADIÇÃO DO PÓ DA FIBRA DE COCO.

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TÉRMICAS DE TIJOLOS SOLO-CIMENTO COM E SEM ADIÇÃO DO PÓ DA FIBRA DE COCO. ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TÉRMICAS DE TIJOLOS SOLO-CIMENTO COM E SEM ADIÇÃO DO PÓ DA FIBRA DE COCO. Luiz Cláudio Ferreira da Silva José Ubiragí de Lima Mendes Rasiah Ladchumananandasivam Universidade

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30 ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30 Samara Correa Gomes Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis

Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis Garcês, A. Universidade Estadual de Goiás, Anápolis-GO, Brasil, alexandregarces@gmail.com Ribeiro,

Leia mais

Blocos vazados modulares de concreto inovado com adição de cinzas do bagaço da cana-de-açúcar 1

Blocos vazados modulares de concreto inovado com adição de cinzas do bagaço da cana-de-açúcar 1 Blocos vazados modulares de concreto inovado com adição de cinzas do bagaço da cana-de-açúcar 1 Modular concrete hollow blocks innovated with addition of ash from bagasse sugar cane Felipe Lima da Costa

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

COMPARATIVO LABORATORIAL DE MISTURAS ASFÁLTICAS MOLDADAS NO CENTRO E LIMITES DAS FAIXAS B E C DO DNIT 1

COMPARATIVO LABORATORIAL DE MISTURAS ASFÁLTICAS MOLDADAS NO CENTRO E LIMITES DAS FAIXAS B E C DO DNIT 1 COMPARATIVO LABORATORIAL DE MISTURAS ASFÁLTICAS MOLDADAS NO CENTRO E LIMITES DAS FAIXAS B E C DO DNIT 1 Janaína Terhorst Pizutti 2, José Antônio Santana Echeverria 3, João Paulo Avrella 4, Ricardo Zardin

Leia mais

Utilização de Resíduos Oriundos do Corte de Rochas Graníticas Como Agregado Mineral Em Misturas de Concreto Asfáltico

Utilização de Resíduos Oriundos do Corte de Rochas Graníticas Como Agregado Mineral Em Misturas de Concreto Asfáltico Utilização de Resíduos Oriundos do Corte de Rochas Graníticas Como Agregado Mineral Em Misturas de Concreto Asfáltico Wilber Feliciano Chambi Tapahuasco Universidade Federal do Pampa, Alegrete-RS, Brasil,

Leia mais

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO COMPARAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TIJOLO DE SOLO-CIMENTO INCORPORADO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROVENIENTES DE CATAGUASES - MG E O RESÍDUO DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DAS INDÚSTRIAS PERTENCENTES

Leia mais

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Rodrigo Cézar Kanning rckanning@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste

Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste Leonardo Santos Gratão Bolsista PIBIC, Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: controle tecnológico; ensaio de arrancamento; equipamento de baixo custo e acessível

RESUMO. Palavras-chave: controle tecnológico; ensaio de arrancamento; equipamento de baixo custo e acessível POPULARIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DO CONCRETO ATRAVÉS DA CRIAÇÃO DE UM EQUIPAMENTO DE BAIXO CUSTO E ACESSÍVEL PARA DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO Thiago Dias de Araújo e Silva /IFTO /Thiagod.a.s@terra.com.br

Leia mais

Resistência de Interface entre Resíduo de Construção e Demolição Reciclado (RCD-R) e Geotêxtil Não Tecido

Resistência de Interface entre Resíduo de Construção e Demolição Reciclado (RCD-R) e Geotêxtil Não Tecido Resistência de Interface entre Resíduo de Construção e Demolição Reciclado (RCD-R) e Geotêxtil Não Tecido Débora Louyse Alpes de Melo Escola Politécnica da Universidade de Pernambuco, Departamento de Engenharia

Leia mais

SILVA, Fernando Souza da

SILVA, Fernando Souza da CASTRO, Adriana Petito de Almeida Silva Ano 02 SILVA, Fernando Souza da n. 03 INCENTIVO AO USO DE PRODUTOS DE BAIXO IMPACTO AMBIENTAL ATRAVÉS DA DISCIPLINA DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL p.50-57 Instituto

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II CBUQ Ana Elza Dalla Roza e Lucas Ribeiro anaelza00@hotmail.com - luccasrsantos@gmail.com Dosagem Marshall O primeiro procedimento de dosagem

Leia mais

Estudo da trabalhabilidade em argamassas e concretos com utilização de RCD

Estudo da trabalhabilidade em argamassas e concretos com utilização de RCD Estudo da trabalhabilidade em argamassas e concretos com utilização de RCD Patrícia Krüger (Universidade Estadual de Ponta Grossa) E-mail: pkruger@uepg.br Annelise Breus de Souza (Universidade Estadual

Leia mais

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo.

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo. Especificações Técnicas Argamassa INDUSTRIALIZADA : Produto industrializado, constituído de aglomerantes e agregados miúdos, podendo ainda ser adicionados produtos especiais (aditivos), pigmentos com a

Leia mais

ALVENARIA DE BLOCOS DE SOLO-CIMENTO FICHA CATALOGRÁFICA-27 DATA: JANEIRO/2014.

ALVENARIA DE BLOCOS DE SOLO-CIMENTO FICHA CATALOGRÁFICA-27 DATA: JANEIRO/2014. Tecnologias, sistemas construtivos e tipologias para habitações de interesse social em reassentamentos. ALVENARIA DE BLOCOS DE SOLO-CIMENTO FICHA CATALOGRÁFICA-27 DATA: JANEIRO/2014. Tecnologias, sistemas

Leia mais

SELEÇÃO DE SOLOS E MÉTODOS DE CONTROLE EM CONSTRUÇÃO COM TERRA PRÁTICAS DE CAMPO

SELEÇÃO DE SOLOS E MÉTODOS DE CONTROLE EM CONSTRUÇÃO COM TERRA PRÁTICAS DE CAMPO CYTED Programa Ibero-Americano de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento SELEÇÃO DE SOLOS E MÉTODOS DE CONTROLE EM CONSTRUÇÃO COM TERRA PRÁTICAS DE CAMPO (SELECCIÓN DE SUELOS Y MÉTODOS DE CONTROL

Leia mais

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação

Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação Mariana Santos de Siqueira Departamento de Engenharia Civil, Universidade de Pernambuco,

Leia mais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO Atualmente, no Brasil, são produzidos cerca de 20 milhões de m3 de concreto/ano em Centrais de Concreto, denominadas Empresas de Serviços de Concretagem. Uma economia de

Leia mais

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 Materiais de Construção de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 AGREGADOS AGREGADOS DEFINIÇÃO É o material particulado, incoesivo, de atividade química praticamente nula, constituído de misturas de partículas

Leia mais

Lia Lorena Pimentel Professor Doutor, Fac. Engenharia Civil Puc- Campinas CEATEC lialp@puc-campinas.edu.br

Lia Lorena Pimentel Professor Doutor, Fac. Engenharia Civil Puc- Campinas CEATEC lialp@puc-campinas.edu.br VIABILIDADE DE APROVEITAMENTO DE RESÍDUO GRAÚDO (CACOS) DE EMPRESA BENEFICIADORA DE ROCHAS ORNAMENTAIS Agatha dos Santos Engenharia Ambiental CEATEC Agatha.s@puccampinas.edu.br Lia Lorena Pimentel Professor

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Anais do XX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Caio Henrique Tinós Provasi

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA.

A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA. 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 1 A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA. Mello, Roberta Monteiro de (1) ; Oliveira, Amando Alves de (1)

Leia mais

Caracterização de Alguns Aspectos Tecnológicos de Tijolos de Solo-Cimento Confeccionados com Rejeito de Serragem de Rochas Ornamentais

Caracterização de Alguns Aspectos Tecnológicos de Tijolos de Solo-Cimento Confeccionados com Rejeito de Serragem de Rochas Ornamentais Caracterização de Alguns Aspectos Tecnológicos de Tijolos de Solo-Cimento Confeccionados com Rejeito de Serragem de Rochas Ornamentais Rodrigo Alvarenga Estagiário, Técnico em Mineração, IFES Antônio Pinheiro

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO

SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES PTR 2388 TRANSPORTE E MEIO AMBIENTE SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO 14/ABR/2016 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES RECICLAGEM

Leia mais

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.Eng.º Instrutor Abril / 2006 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UMA ARGILA PARA USO EM CERÂMICA VERMELHA Auro Tanaka 1, José Marques Luiz, Rafael Fontebasso 1. Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá, UNESP Univ. Estadual

Leia mais

Análise das características físicas do agregado reciclado de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação

Análise das características físicas do agregado reciclado de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação Análise das características físicas do agregado reciclado de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação Felipe Torres Tavares Cerveira Proença Mestrando do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Granulometria. Marcio Varela

Granulometria. Marcio Varela Granulometria Marcio Varela Granulometria Definição: É a distribuição, em porcentagem, dos diversos tamanhos de grãos. É a determinação das dimensões das partículas do agregado e de suas respectivas porcentagens

Leia mais

Estabilização de solos argilosos para a produção de blocos ecológicos. Thiago V. Lima 1, Jonas Alexandre 2, Maria G. Alves 2

Estabilização de solos argilosos para a produção de blocos ecológicos. Thiago V. Lima 1, Jonas Alexandre 2, Maria G. Alves 2 Estabilização de solos argilosos para a produção de blocos ecológicos Thiago V. Lima 1, IME Instituto Militar de Engenharia SE/4 Departamento de Engenharia Mecânica e dos Materiais Praça General Tibúrcio,

Leia mais

Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi

Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi INTRODUÇÃO: Neste trabalho será apresentado um apanhado sobre as diversas formas de concreto e agregados bem como o seu uso, dando

Leia mais

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO.

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES Prof Dr.Jorge Creso Cutrim Demetrio OBJETIVOS 1. Analisar a viabilidade

Leia mais

COMPACTAÇÃO MINI-PROCTOR

COMPACTAÇÃO MINI-PROCTOR COMPACTAÇÃO MINI-PROCTOR Entre nós o procedimento de compactação em escala reduzida em relação ao Proctor tradicional foi divulgado pelo Engº Carlos de Souza Pinto (1965), para obtenção de CP s na aplicação

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE RESUMO CONCRETO ARMADO Douglas Trevelin Rabaiolli (1), Alexandre Vargas (2) UNESC Universidade

Leia mais

Estudo de Misturas de Solo-Cimento para Utilização em Estaca

Estudo de Misturas de Solo-Cimento para Utilização em Estaca FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO: ENGENHARIA CIVIL JAYME AUGUSTO BARBOSA NETO MATRÍCULA: 20934482 Estudo de Misturas de Solo-Cimento para Utilização em Estaca Brasília

Leia mais

Figura 3.1 Curva de compactação

Figura 3.1 Curva de compactação 3. Compactação O estudo da técnica e controle da compactação é relativamente recente e tem sido desenvolvido principalmente para a construção de aterros. A compactação é um processo no qual se visa melhorar

Leia mais

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial.

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial. INFLUÊNCIA DO MATERIAL DE CAPEAMENTO NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DOS CORPOS-DE-PROVA DE CONCRETO E ARGAMASSAS: COMPARAÇÃO ENTRE ENXOFRE, PASTA DE CIMENTO E PASTA DE GESSO Rodrigo Boesing (1); Rogério A.

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO

ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO Alunos: Breno Verly Rosa e Alexandre da Rocha Rodrigues Orientador: Eurípides Vargas do Amaral Junior João Luis Teixeira de Mello

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira GESSO É um aglomerante natural resultante da queima do CaSO4 2H2O (gipsita). Também chamado de gesso de estucador, gessoparisougessodepegarápida.

Leia mais

PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA SEPARAÇÃO MECÂNICA E ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE MATERIAIS PARTICULADOS

PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA SEPARAÇÃO MECÂNICA E ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE MATERIAIS PARTICULADOS PROPOSTA EXPERIMENTAL PARA SEPARAÇÃO MECÂNICA E ANÁLISE GRANULOMÉTRICA DE MATERIAIS PARTICULADOS Giovani Renato Zonta 1 Cristian Bernardi 2 Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI RESUMO Diversos

Leia mais

APROVEITAMENTO DOS RESÍDUOS DE GRANITO E CAULIM COMO MATERIAIS ADITIVOS NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS

APROVEITAMENTO DOS RESÍDUOS DE GRANITO E CAULIM COMO MATERIAIS ADITIVOS NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS APROVEITAMENTO DOS RESÍDUOS DE GRANITO E CAULIM COMO MATERIAIS ADITIVOS NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS Joseane Damasceno MOTA 1 Djane de Fátima OLIVEIRA 2 Marinalva Ferreira TRAJANO Natália de Oliveira

Leia mais

ESTUDO DA ADIÇÃO DE RESÍDUOS DE ARGAMASSA DE CIMENTO NAS PROPRIEDADES DO SOLO-CIMENTO

ESTUDO DA ADIÇÃO DE RESÍDUOS DE ARGAMASSA DE CIMENTO NAS PROPRIEDADES DO SOLO-CIMENTO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. ESTUDO DA ADIÇÃO DE RESÍDUOS DE ARGAMASSA

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA REPOSIÇÃO DE PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO SUMÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PLANILHA ORÇAMENTÁRIA CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO MÉMORIA DE CÁLCULOS CÁLCULO

Leia mais

Eixo Temático ET-06-003 - Recuperação de Áreas Degradadas CARACTERIZAÇÃO DOS SOLOS PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA BIORRETENÇÃO EM LOTES RESIDENCIAIS

Eixo Temático ET-06-003 - Recuperação de Áreas Degradadas CARACTERIZAÇÃO DOS SOLOS PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA BIORRETENÇÃO EM LOTES RESIDENCIAIS 318 Eixo Temático ET-06-003 - Recuperação de Áreas Degradadas CARACTERIZAÇÃO DOS SOLOS PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA BIORRETENÇÃO EM LOTES RESIDENCIAIS Mayco Sullivan Araújo de Santana RESUMO Para implantar

Leia mais

siltosos quando melhorados com aditivos químicos e orgânicos

siltosos quando melhorados com aditivos químicos e orgânicos COMPORTAMENTO DE SOLOS siltosos quando melhorados com aditivos químicos e orgânicos ALESSANDER C. MORALES KORMANN* BERNARDO P.J.C.N. PERNA** O presente trabalho traz um estudo do comportamento de um solo

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE MISTURA DE SOLO-CIMENTO NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO SIMPLES

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE MISTURA DE SOLO-CIMENTO NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO SIMPLES INFLUÊNCIA DO TEMPO DE MISTURA DE SOLO-CIMENTO NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO SIMPLES Victor Antonio Cancian Raquel Souza Teixeira Heliana Fontenele Carlos Prado da Silva Junior Carlos José Marques da Costa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CIV 332 MECÂNICA DOS SOLOS I APOSTILA DE EXERCÍCIOS Parte 01 Prof. Benedito de Souza Bueno Prof.

Leia mais

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Alexandre Gonçalves Santos Fertilizantes Fosfatados S. A., Araxá, Minas Gerais, Brasil Paulo César Abrão

Leia mais

Agregados para Construção Civil

Agregados para Construção Civil Agregados para Construção Civil Agregados são fragmentos de rochas, popularmente denominados pedras e areias. É um material granular, sem forma nem volume definidos, geralmente inerte, com dimensões e

Leia mais

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível,

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível, TIJOLOS ECOLÓGICOS Casa construída com tijolos ecológicos Fonte: paoeecologia.wordpress.com TIJOLOS ECOLÓGICOS CARACTERÍSTICAS São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que

Leia mais

FUNDAÇÃO DE TECNOLOGIA DO ESTADO DO ACRE DEPARTAMENTO TÉCNICO E DE PRODUÇÃO

FUNDAÇÃO DE TECNOLOGIA DO ESTADO DO ACRE DEPARTAMENTO TÉCNICO E DE PRODUÇÃO FUNDAÇÃO DE TECNOLOGIA DO ESTADO DO ACRE DEPARTAMENTO TÉCNICO E DE PRODUÇÃO CARTILHA PARA PRODUÇÃO DE TIJOLO SOLO-CIMENTO FUNTAC FUNDAÇÃO DE TECNOLOGIA DO ESTADO DO ACRE DEPARTAMENTO TÉCNICO E DE PRODUÇÃO

Leia mais

ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO

ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO C A D E R N O D E E S P E C I F I C A Ç Õ E S ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO S E Ç Ã O D E P R O J E T O S E O B R A S SEPO/GEREN/DR/GO OBRA: REFORMA E ADAPTAÇÃO

Leia mais

Concreto - ensaio de compressão de corpos-de-prova cilíndricos RESUMO 0 PREFÁCIO ABSTRACT 1 OBJETIVO SUMÁRIO 2 REFERÊNCIAS

Concreto - ensaio de compressão de corpos-de-prova cilíndricos RESUMO 0 PREFÁCIO ABSTRACT 1 OBJETIVO SUMÁRIO 2 REFERÊNCIAS MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS MOLES DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE E SUAS MELHORIAS COM ADIÇÃO DE CAL V WORKSHOP DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NAS CONCESSÕES Apresentação Lélio A. T. Brito, MSc., CONCEPA

Leia mais

Análise laboratorial da interação entre solo-pneu utilizada em estruturas de contenção de encostas

Análise laboratorial da interação entre solo-pneu utilizada em estruturas de contenção de encostas Análise laboratorial da interação entre solo-pneu utilizada em estruturas de contenção de encostas Sidney Fernandes de Andrade Moura Escola Politécnica de Pernambuco, Recife, Brasil, sidneyfam@hotmail.com

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica 372

IV Seminário de Iniciação Científica 372 IV Seminário de Iniciação Científica 372 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA Juliane Barbosa Rosa 1,3., Renato Resende Angelim 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG

Leia mais

RELATORIO DE SONDAGEM ROTATIVA MISTA RELATORIO DE POÇO DE INSPEÇÃO RELATORIO FINAL DE ENSAIOS GEOTÉCNICOS

RELATORIO DE SONDAGEM ROTATIVA MISTA RELATORIO DE POÇO DE INSPEÇÃO RELATORIO FINAL DE ENSAIOS GEOTÉCNICOS PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE SMURBE SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS URBANAS A/C GERENTE DO CONTRATO SMURBE 097/2009 ENG.º LUIZ CARLOS MACHADO ROSA CONTRATO SMURBE 097/09 ORDEM DE SERVIÇO 21/09

Leia mais

Physical, mechanical and thermal evaluation of mixtures soilcement added of rice husk ash without pozzolanic effect

Physical, mechanical and thermal evaluation of mixtures soilcement added of rice husk ash without pozzolanic effect Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.11, p.23-30, Abril, 2008 Avaliação física, mecânica e térmica de misturas de solo-cimento adicionadas de cinza de casca de arroz sem atividade pozolânica Physical,

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES

IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES Prof. Marco Pádua Quando a construção se inicia, as fundações começam a ser executadas, os alicerces tomam forma e delimitam os cômodos,

Leia mais

ferraz@dec.feis.unesp.br Professor Assistente Doutor, FEIS, UNESP, Ilha Solteira-SP, anderson@dec.feis.unesp.br

ferraz@dec.feis.unesp.br Professor Assistente Doutor, FEIS, UNESP, Ilha Solteira-SP, anderson@dec.feis.unesp.br ENGENHARIA SUSTENTÁVEL: APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO NA COMPOSIÇÃO DE TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO André Luiz Nonato Ferraz 1 Antonio Anderson da Silva Segantini 2 1 Aluno de pós-graduação, FEC,

Leia mais

PARTE 2 METODOLOGIA DE DOSAGEM PARA BLOCOS DE CONCRETO EMPREGADOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL

PARTE 2 METODOLOGIA DE DOSAGEM PARA BLOCOS DE CONCRETO EMPREGADOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL CT 11 Artigos Técnicos podem ser encaminhados para análise e eventual publicação para alvenaria@revistaprisma.com.br PARTE 2 METODOLOGIA DE DOSAGEM PARA BLOCOS DE CONCRETO EMPREGADOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL

Leia mais

Reciclagem e Reaproveitamento de resíduos sólidos da construção civil em São Luís MA: um processo sustentável 1

Reciclagem e Reaproveitamento de resíduos sólidos da construção civil em São Luís MA: um processo sustentável 1 REVISTA DO CEDS Periódico do Centro de Estudos em Desenvolvimento Sustentável da UNDB N. 1 agosto/dezembro 2014 Semestral Disponível em: http://www.undb.edu.br/ceds/revistadoceds Reciclagem e Reaproveitamento

Leia mais