DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA"

Transcrição

1 DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA Jean Pier Vacheleski 1, Mauro Leandro Menegotto 2, RESUMO: Com o grande número de pneus descartados surge a idéia de reutilizá-los na pavimentação asfáltica, adicionando-os no ligante asfáltico. Este trabalho busca comparar as características de um concreto asfáltico usinado a quente com adição de borracha no ligante ao de um concreto asfáltico usinado a quente com ligante convencional. Inicialmente foram realizados estudos bibliográficos e analisados resultados de ensaios realizados por empresas de pavimentação. Na parte laboratorial foram realizadas 10 misturas com 5 teores de ligantes, sendo 4,5, 5,0, 5,5, 6,0 e 6,5%, sendo 5 com ligante convencional CAP e 5 com ligante modificado com borracha CAP Ecoflex B. Para cada tipo de ligante foram verificadas as características das misturas como: densidade aparente, volume e vazio, porcentual vazios cheio de betume, porcentagem dos vazios do agregado mineral e porcentagem da relação betume-vazios. Foi definido o teor ideal de ligante modificado com borracha para compor uma mistura satisfatória através dos resultados de estabilidade e fluência Marshall. O melhor resultado obtido da estabilidade foi com o teor de 5,5% da mistura com ligante modificado com borracha, sendo superior ao da mistura com ligante convencional. A mistura com ligante convencional teve o melhor resultado de estabilidade com o teor de 5,0%. A mistura com ligante modificado com borracha também teve seu resultado superior ao da mistura com ligante convencional na fluência, sendo assim, concluiu-se que as misturas com ligante modificado com adição de borracha (CAP Ecoflex B) apresentaram resultados de estabilidade e fluência Marshall melhores, comparados ao das misturas realizadas com ligante convencional (CAP50-70). Palavras-chave: cimento asfáltico modificado com borracha, ensaio Marshall, dosagem de concreto asfáltico. 1. Introdução A poluição do meio ambiente é bastante discutida nos dias de hoje, conscientizando a diminuição da geração de lixo e o reaproveitamento de materiais já descartados, surgem idéias no ramo da construção civil. Uma prática que está sendo utilizada e está mostrando resultados é a adição de borracha de pneus descartados no ramo da pavimentação asfáltica. Esse tipo de pavimento além de ser ecológico, gerando uma diminuição dos depósitos de descarte de pneumáticos, vem se mostrando como uma solução técnica positiva quanto às exigências especificadas. Muitos estudos devem ser feitos, sempre melhorando as características e impregnando uma porcentagem maior de material reciclado na mistura asfáltica. Muitas empresas estão desenvolvendo projetos de pavimentação com a utilização de ligante modificado com borracha nas misturas asfálticas, obtendo 1 Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Universidade Comunitária da Região de Chapecó, 2 Doutor em Geotecnia, Universidade Comunitária da Região de Chapecó,

2 resultados superiores na questão da resistência do pavimento em relação à utilização de misturas asfálticas com ligante convencional. Nas obras de pavimentação os asfaltos podem ser denominados ligantes asfálticos, cimentos asfálticos ou materiais asfálticos, pois aos asfaltos podem ser adicionados produtos que visam melhorar suas propriedades de engenharia (ODA, 2000). Souza (1999 apud SPECHT, 2004) realizou pesquisas utilizando ligante asfáltico convencional e modificado com 20% de borracha. Foram realizados ensaios de fadiga, módulo de elasticidade e dois tipos de ensaios de para caracterizar a deformação permanente. Os ensaios de fadiga e módulo foram realizados a partir de amostras com e sem envelhecimento (envelhecimento simulado em estufa a 85 C durante 5 dias). A resistência a fadiga das misturas com borrachas chega a ser até 10 vezes superior quando comparada ao convencional. Analisando essa e outras bibliografias, decidiu-se realizar um ensaio utilizando 10 misturas com 5 teores de ligantes, sendo 4,5, 5,0, 5,5, 6,0 e 6,5%, 5 com ligante convencional CAP e 5 com ligante modificado com borracha CAP Ecoflex B com o objetivo de encontrar um teor ótimo de ligante na mistura para cada tipo de ligante, comparar as características da mistura (densidade aparente, volume e vazio, porcentual vazios cheio de betume, porcentagem dos vazios do agregado mineral e porcentagem da relação betume-vazios) e visualizar as diferenças quanto às características de fluência e estabilidade de cada tipo de ligante. 2. Materiais e métodos Para a realização do projeto de misturas asfálticas foi adotado a especificação determinada pelo Departamento Estadual de Infra-Estrutura Deinfra SC, DEINFRA-SC-ES-P-05B (2005) no qual atende aos dois tipos de CAUQ (com e sem borracha). Para determinação da composição da mistura, a faixa granulométrica adotada foi a faixa B por ser mais utilizada em rodovias federais de nossa região e deve atender a especificação DEINFRA-SC-ES-P-05B (2005). Foi adotado o ensaio Marshall (DNER-ME 043/95), para verificação das condições de vazios, estabilidade e fluência da mistura betuminosa.

3 De acordo com o método de ensaio DNER-ME 083 (1998), foi realizada a análise granulométrica do material britado como agregado, onde realizou-se o peneiramento de cada material (brita n 1, pedrisco e pó-de-brita) através de agitação mecânica com a seguinte série de peneiras conforme a faixa de projeto B da especificação DEINFRA-SC-ES-P-05B (2005): 3/4', 1/2, 3/8, N 4, N 10, N 40, N 200, inclusive tampa e fundo. Foi realizado a pesagem do material retido em cada peneira, onde foi calculado a porcentagem de material retido e passante em cada peneira em relação à amostra total e o acumulado. O traço que melhor se enquadrou na faixa B da especificação DEINFRA-SC-ES-P-O5B (2005), foi composto por 35% de brita n 1, 12% de pedrisco e 53% de pó-de-brita, pode-se executar o pavimento com essa mistura, sendo uma mistura de boa graduação. Em virtude de resultados mais precisos, foram uniformizadas as misturas dos corpos de prova definindo o peso do agregado como 1200g + a adição do ligante conforme sua porcentagem, de acordo com a tabela 1. Tabela 1 Massa de asfalto para moldagem dos corpos de prova Agregado (g) 1200 Agregado (g) 1200 % CAP 4 % CAP 4,5 CAP (g) 50 CAP (g) 56,54 Peso Teór. CP 1250 Peso Teór. CP 1256,54 Agregado (g) 1200 Agregado (g) 1200 % CAP 5 % CAP 5,5 CAP (g) 63,16 CAP (g) 69,84 Peso Teór. CP 1263,16 Peso Teór. CP 1269,84 Agregado (g) 1200 Agregado (g) 1200 % CAP 6 % CAP 6,5 CAP (g) 76,60 CAP (g) 83,42 Peso Teór. CP 1276,60 Peso Teór. CP 1283,42 A realização das moldagens dos corpos de prova seguiu-se de acordo com o ensaio Marshal, método de ensaio DNER-ME 043 (1995), onde inicialmente todas as misturas foram colocadas em estufa para que atingissem a temperatura indicada. Com a temperatura do agregado em conformidade com a norma, iniciou-se o

4 aquecimento do ligante em um fogareiro, controlando sua temperatura com um termômetro. Com o material agregado e o ligante na temperatura exata para moldagem, iniciou a mistura, adicionando o material agregado em uma panela sobre a balança de precisão e adicionando ligante até atingir o peso da mistura Em seguida o material (agregado + ligante) foi levado ao fogareiro para que a temperatura permanecesse constante e executasse a mistura até a ligante cobrir todo material agregado e atingir a temperatura determinada. Após a mistura estar homogeneizada e a temperatura estar de acordo com o exigido (figura 14), foi retirado da estufa o molde de compactação Marshall a uma temperatura de 150 C onde foi colocado sobre o suporte de compactação. Na face inferior do molde de compactação Marshall foi colocado um filtro, após a mistura foi despejada no molde e com uma espátula foram realizados adensamentos com 15 golpes ao redor do corpo de prova e 10 no centro do corpo de prova. Em seguida colocou-se o filtro superior e iniciou-se a compactação do corpo de prova com 75 golpes em cada face com um soquete com cerca de 5 kg caído de uma altura de cerca de 50 cm. Foi retirado o molde do suporte, identificado e colocado sobre uma estante para que ele esfriasse. 3. Resultados e discussões Para se chegar ao resultado das características gerais dos corpos de prova foi determinada a densidade aparente através da pesagem ao ar e submerso dos corpos de prova realizando a média dos resultados. Através da densidade aparente determinou-se a porcentagem do volume de vazios, porcentagem de vazios cheio de betume, porcentagem de vazios do agregado mineral e a relação betume-vazios, A Tabela 22 apresenta o resultado dos parâmetros dos corpos de prova, que são conhecidos como características do ensaio Marshall. 3.1 Análise das Características Peso dos Corpos de Prova

5 O peso teórico dos corpos de prova é a soma do peso dos agregados mais o peso do ligante, este devendo ser maior ou igual ao peso dos corpos de prova ao ar, caso contrário há erro na pesagem dos agregados ou do ligante, devendo ser eliminado o corpo de prova. Analisando os resultados verifica-se que nenhuma amostra houve erro na pesagem, todas estão de acordo com estabelecido, portanto todos os corpos de prova são válidos no quesito peso Densidade aparente De acordo com o método de ensaio DNER-ME 117 (1994), os resultados obtidos da densidade aparente de dois ou mais corpos de prova de uma mesma mistura não podem diferir de mais de 0,02, caso isso ocorra, o corpo de prova deve ser descartado, ela ainda diz que para a escolha do teor ótimo de material betuminoso os resultados satisfatórios correspondem a maior densidade aparente. Verificando essa condição o corpo de prova n 3 da mistura CAP Ecoflex B 4,5%, o corpo de prova n 1 da mistura CAP Ecoflex B 5,5%, o corpo de prova n 3 da mistura CAP ,5%, foram eliminados, sendo a média considerada dos corpos de prova que obtiveram resultado satisfatório em relação a norma. Observa-se através da figura 1 que a curva típica da densidade aparente tem seu limite máximo para misturas com CAP Ecoflex B no teor 5,5%, sendo menor que nas misturas com CAP onde apresentou seus limites máximos nos teores 5,0, 5,5 e 6,0 %.

6 Densidade Aparente Densidade Aparente 2,56 2,55 2,54 2,53 2,52 2,51 2,5 Mistura CAP Mistura CAP ECOFLEX B 2,49 2, % Ligante Figura 1 Curva típica da densidade aparente Volume de Vazios Analisando a curva típica representada pela Figura 2 observa-se que quanto maior o teor de ligante nas misturas com CAP a porcentagem do volume de vazios tende a diminuir e em um determinado teor de ligante se enquadra na especificação. Nas misturas com CAP Ecoflex B do teor 5,0% para 5,5 tem-se uma queda brusca no valor do volume de vazios, estabilizando no teor 6,0 e tendo queda novamente no teor 6,5.

7 % Volume de Vazios Curva Típica Volume de Vazios (%Vv) % Ligante Mistura CAP Mistura CAP ECOFLEX B Limite Especificação Figura 2 Curva típica do volume de vazios. A especificação DEINFRA-SC-ES-P-05 indica que a mistura deve ter de 3 à 5% de volume de vazios, no entanto as misturas com CAP Ecoflex B 4,5%, CAP Ecoflex B 5,0%, CAP ,5%, CAP ,0%, CAP ,5%, apresentaram um volume de vazios fora dos parâmetros indicado na especificação, sendo assim o revestimento não poderá ser executado com esses teores. Misturas com elevado %Vv podem levar a oxidação excessiva do ligante betuminoso reduzindo significativamente a vida útil do pavimento alem de proporcionar permeabilidade ao ar e água. Os restantes das misturas se enquadraram na especificação, então poderão compor um revestimento Vazios Cheios de Betume Analisando a Figura 3 da curva típica dos vazios cheios de betume verifica-se que quanto maior a quantidade do teor do ligante maior é a porcentagem dos vazios cheio de betume. %Vcb diz respeito tanto ao asfalto que forma uma película que envolve o agregado quanto aquele absorvido pelo mesmo, então quanto maior a %Vcb melhor, ocasionando uma mistura com poucos vazios entre os agregados e o ligante. Observa-se que as misturas com CAP tem a %Vcb maior que misturas com CAP Ecoflex B, possivelmente por ser uma mistura mais fluida, tendo facilidade de penetração nos vazios do agregado.

8 (% Vcb) Curva Típica (% Vcb) Mistura CAP Mistura CAP ECOFLEX B % Ligante Figura 3 Curva típica da porcentagem de vazios cheio de betume Vazios do Agregado Mineral A porcentagem de vazios do agregado mineral de acordo com as exigências da especificação DEINFRA-SC-ES-P-05B (2005) é em função do diâmetro máximo do agregado, sendo de 19,1 mm, a porcentagem mínima de agregado mineral a ser respeitada é de 15% Analisando a curva típica da porcentagem de vazios do agregado mineral através da Figura 4 pode-se observar que as misturas se enquadraram no ideal, sendo a porcentagem de vazios do agregado mineral entre 15 a 20%, conclui-se que a mistura encontra-se bem graduada.

9 (%Vam) Curva Típica (%Vam) % Ligante Mistura CAP Mistura CAP ECOFLEX B % Vam Minima - Especificação Figura 4 Curva típica da porcentagem de vazios do agregado mineral Relação Betume-Vazios Pode-se observar que a curva típica da porcentagem da relação betume-vazios representada pela Figura 5, tem um comportamento crescente com o aumento do teor de betume. As misturas com CAP apresentaram a %Rbv maior em relação a misturas com CAP Ecoflex B. A especificação DEINFRA-SC-ES-P-05B (2005) determina que a porcentagem da relação betume-vazios deve estar entre a faixa de 70 a 82%, sendo assim as misturas CAP Ecoflex B 4,5% e CAP Ecoflex B 5,0%, apresentaram valores inferiores ao da especificação, devido suas porcentagens de Cimento Asfáltico de Petróleo(CAP) serem baixas, portanto essas misturas não poderão ser executadas como revestimento. As misturas CAP ,5%, CAP ,0%, CAP ,5% e CAP Ecoflex B 6,5% apresentaram valores superiores aos determinados pela especificação, o que conclui-se que a mistura está com a porcentagem de Cimento Asfáltico de Petróleo(CAP) superior ao ideal.

10 (% Rbv) % Relação Betume Vazios % Ligante Mistura CAP Mistura CAP ECOFLEX B Limite Especificação Figura 5 Curva típica da porcentagem da relação betume-vazios. 3.2 Análise da Estabilidade Marshall A especificação DEINFRA-SC-ES-P-05B (2005) determina que a estabilidade mínima a ser considerada é de 800 Kgf, sendo assim todas as misturas se enquadraram na recomendação da especificação. Entende-se estabilidade como sendo a grandeza que mede a resistência da massa asfáltica à aplicação da carga determinando a carga máxima que a massa asfáltica pode suportar, onde o ensaio é feito por cisalhamento e não por compressão. Observa-se na Figura 6 que a curva típica de estabilidade para mistura com CAP Ecoflex B mostrou-se que se torna crescente com o aumento da porcentagem de ligante até 5,5%, e após decrescente. Para o CAP o valor máximo da estabilidade foi atingido com 5,0% de teor de ligante na mistura.

11 Estabilidade (kgf) Curva Típica da Estabilidade 1800, , , , ,00 800,00 Mistura CAP Mistura CAP ECOFLEX B Especificação 600,00 4 4,5 5 5,5 6 6,5 7 % Ligante 3.4 Análise da Fluência Marshall Figura 6 Curva típica da Estabilidade. A especificação DEINFRA-SC-ES-P-05B (2005) determina que a fluência deve estar entre a faixa de 8 a 16 centésimos de polegadas, onde apenas a mistura CAP ,5% não atendeu a especificação, o restante das misturas estão de acordo. A fluência é a medida do quanto a massa asfáltica pode andar (esmagar, deformar) sob a ação cisalhante sem se romper. É a medida da elasticidade da massa. Se a massa asfáltica se deformar muito acarretará em esmagamento da mistura assim ocasionando ondulação na pista, é inconveniente também que a massa não se deforme onde sob ação de carregamento elevado sem a deformação ela pode trincar-se. De acordo com a Figura 7 observa-se que nas misturas com CAP conforme vai aumentando o teor do CAP a fluência aumenta. Nas misturas com CAP Ecoflex B a curva típica da fluência tem uma pequena queda na mistura com 5,0% de ligante, e depois se torna crescente até o teor 6,0%, no teor 6,5% apresenta queda novamente.

12 Fluência (1/100'') Curva Típica da fluência 18,00 16,00 14,00 12,00 10,00 8,00 Mistura CAP Mistura CAP ECOFLEX B Especificação 6,00 4 4,5 5 5,5 6 6,5 7 % Ligante Figura 7 Curva típica da Fluência. 3.5 Determinação do teor ótimo de ligante das misturas Determinação do Teor Ótimo de Ligante Para Misturas com CAP Ecoflex B Eliminando as misturas que não obtiveram aprovação em todos os quesitos quanto à especificação, restaram as misturas CAP Ecoflex B 5,5% e CAP Ecoflex B 6,0% para determinação do teor ótimo de ligante. Então o teor ótimo de ligante para misturas com CAP modificado com borracha (CAP Ecoflex B) dá-se o seguinte: Sendo assim conclui-se que o Teor Ótimo de Ligante para misturas com CAP modificado com borracha (CAP Ecoflex B) é de 5,6% Determinação do Teor Ótimo de Ligante Para Misturas com CAP Como as misturas CAP ,5%, CAP ,5%, CAP ,0%, CAP ,5%, apresentaram pelo menos uma desconformidade em relação à especificação, essas misturas foram eliminadas, restando apenas a mistura CAP ,0%, atribuindo a ela como sendo o Teor Ótimo de Ligante para misturas com CAP Comparativo final

13 Analisando as misturas com CAP Ecoflex B e CAP percebe-se que as misturas com CAP Ecoflex B apresentaram maiores desconformidades com a especificação nas misturas com baixos teores de ligante, já misturas com CAP apresentaram maiores desconformidades com a especificação nas misturas com teores de ligantes mais elevados. Outro comparativo que pode-se observar é que duas misturas com CAP Ecoflex B satisfizeram todas as recomendações da especificação, enquanto que apenas uma mistura com CAP satisfez todas as recomendações da especificação. Concluise que as misturas com CAP Ecoflex B apresentaram menor variação das características podendo trabalhar com uma variação maior no teor do ligante comparado as misturas com CAP que não apresentaram essa variação. A especificação determina que a estabilidade é medida pelo cisalhamento devido a cargas horizontais aplicadas no pavimento onde é determinada pela carga máxima que a massa asfáltica pode suportar, sendo assim as misturas com CAP Ecoflex B tiveram um valor superior comparado com misturas CAP 50-70, podendo dizer que o pavimento constituído com mistura CAP Ecoflex B tem uma melhor resistência comparada a misturas com CAP Quanto à fluência a especificação determina como sendo ideal a mistura que se enquadrar na média da especificação, nesse caso a mistura com o teor ótimo de ligante CAP Ecoflex B teve uma ligeira vantagem, comparado a mistura com teor ótimo de ligante CAP 50-70, podendo concluir que na fluência a mistura com ligante CAP Ecoflex B tem melhores parâmetros comparado com a mistura CAP Considerações finais 4.1 Conclusões Após a análise dos dados gerados pelo ensaio Marshall realizado em cada mistura e a definição do teor ótimo de ligante para cada tipo de ligante, concluiu-se que as misturas com ligante modificado com adição de borracha (CAP Ecoflex B) apresentaram resultados de estabilidade e fluência Marshall melhores, comparados ao das misturas realizadas com ligante convencional (CAP50-70).

14 Fica concluído que misturas com adição de ligante modificado por borracha superam as características das misturas com ligante convencional, porém essas misturas exigem um controle tecnológico mais avançado em relação às misturas com ligante convencional, devido as temperaturas mais elevadas de mistura e aplicação. Referências ODA, Sandra. Análise da viabilidade técnica da utilização do ligante asfalto-borracha em obras de pavimentação f. Tese (Doutorado em transportes) Universidade Escola de Engenharia de São Carlos, São Carlos, SPECHT, L. P. Avaliação de misturas asfálticas com incorporação de borracha reciclada de pneus. UFRGS Universidade federal do Rio Grande do Sul n p. 279.

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II CBUQ Ana Elza Dalla Roza e Lucas Ribeiro anaelza00@hotmail.com - luccasrsantos@gmail.com Dosagem Marshall O primeiro procedimento de dosagem

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS PROPOSIÇÃO DE MÉTODO DE DOSAGEM MARSHALL PARA MISTURA BETUMINOSA TIPO C.B.U.Q.

TRABALHOS TÉCNICOS PROPOSIÇÃO DE MÉTODO DE DOSAGEM MARSHALL PARA MISTURA BETUMINOSA TIPO C.B.U.Q. 01 / 07 SINOPSE O trabalho apresenta a seqüência operacional de procedimentos para a execução de uma Dosagem Marshall, visto exclusivamente como uma tarefa de laboratório de asfalto. Aborda-se a análise

Leia mais

COMPARATIVO LABORATORIAL DE MISTURAS ASFÁLTICAS MOLDADAS NO CENTRO E LIMITES DAS FAIXAS B E C DO DNIT 1

COMPARATIVO LABORATORIAL DE MISTURAS ASFÁLTICAS MOLDADAS NO CENTRO E LIMITES DAS FAIXAS B E C DO DNIT 1 COMPARATIVO LABORATORIAL DE MISTURAS ASFÁLTICAS MOLDADAS NO CENTRO E LIMITES DAS FAIXAS B E C DO DNIT 1 Janaína Terhorst Pizutti 2, José Antônio Santana Echeverria 3, João Paulo Avrella 4, Ricardo Zardin

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO MÉTODO MARSHALL

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO MÉTODO MARSHALL DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO MÉTODO MARSHALL Parâmetros Granulometria e teor provável de asfalto na mistura Densidade aparente da mistura (Gmb ou d) Densidade máxima teórica da mistura (DMT ou D) Porcentagem

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA SUPERESTRUTURA Tipos de Serviços em Pavimentação

CONSTRUÇÃO DA SUPERESTRUTURA Tipos de Serviços em Pavimentação CONSTRUÇÃO DA SUPERESTRUTURA Tipos de Serviços em Pavimentação IMPRIMAÇÃO (Prime Coat) ADP Bases Granulares - Aumentar coesão superficial - Impermeabilização - Aderência com revestimento ADP: CM-30 e CM-70

Leia mais

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Rodrigo Cézar Kanning rckanning@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

Prof. Jacques de Medina. Prof. Jacques de Medina COPPE/UFRJ

Prof. Jacques de Medina. Prof. Jacques de Medina COPPE/UFRJ Prof. Jacques de Medina Prof. Jacques de Medina COPPE/UFRJ Prof. Jacques de Medina COPPE/UFRJ Avaliação do comportamento de dois trechos experimentais, sob ação de tráfego real na Rodovia BR 040 - Trecho

Leia mais

Estudo comparativo de deformação permanente de CBUQ S confeccionados COM LIGANTES ASFÁLTICOS DIVERSOS

Estudo comparativo de deformação permanente de CBUQ S confeccionados COM LIGANTES ASFÁLTICOS DIVERSOS Estudo comparativo de deformação permanente de CBUQ S confeccionados COM LIGANTES ASFÁLTICOS DIVERSOS Elaborado por: Eng. José Carlos M. Massaranduba - Diretor Técnico - GRECA Asfaltos Eng. José Antonio

Leia mais

Utilização de Resíduos Oriundos do Corte de Rochas Graníticas Como Agregado Mineral Em Misturas de Concreto Asfáltico

Utilização de Resíduos Oriundos do Corte de Rochas Graníticas Como Agregado Mineral Em Misturas de Concreto Asfáltico Utilização de Resíduos Oriundos do Corte de Rochas Graníticas Como Agregado Mineral Em Misturas de Concreto Asfáltico Wilber Feliciano Chambi Tapahuasco Universidade Federal do Pampa, Alegrete-RS, Brasil,

Leia mais

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO Ronaldo Alves de Medeiros Junior Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco (POLI/UPE), Recife, Brasil,

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30 ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30 Samara Correa Gomes Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Ronaldo Alves de Medeiros Junior Universidade de Pernambuco-UPE, Recife, Brasil,

Leia mais

Prof. Engº Pery C. G. de Castro. Revisado em outubro de 2009 PARTE - III PROJETO DA MISTURA RECICLADA A QUENTE

Prof. Engº Pery C. G. de Castro. Revisado em outubro de 2009 PARTE - III PROJETO DA MISTURA RECICLADA A QUENTE Prof. Engº Pery C. G. de Castro Revisado em outubro de 2009 PARTE - III PROJETO DA MISTURA RECICLADA A QUENTE 1 ORIENTAÇÃO PARA PROJETO DA MISTURA RECICLADA A QUENTE 1) Definição das porcentagens dos materiais;

Leia mais

José Carlos Moura Massaranduba

José Carlos Moura Massaranduba José Carlos Moura Massaranduba PNEUS INSERVÍVEIS GRAVE PASSIVO AMBIENTAL Principais características: Alta viscosidade (maior recobrimento no agregado) Menor susceptibilidade térmica Aumento da elasticidade

Leia mais

Os fatores que influem na dosagem das misturas, vinculadas com as propriedades que se busca atingir no conjunto são:

Os fatores que influem na dosagem das misturas, vinculadas com as propriedades que se busca atingir no conjunto são: Misturas Betuminosas As misturas asfálticas constituem sistemas plástico-elásticos cujos componentes tem características, composta de uma fase sólida, que é constituída pelos agregados pétreos de elevado

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO DA POTENCIALIDADE DA UTILIZAÇÃO DA MISTURA DE CINZA DE BAGAÇO DE CANA DE AÇÚCAR E RESÍDUOS DE PNEUS NA CONFECÇÃO DE CONCRETOS E PAVERS PARA PAVIMENTAÇÃO

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q.

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q. 01 / 07 SINOPSE O trabalho apresenta aspectos conceituais do comportamento das relações físicas envolvidas no sistema, e misturas tipo C.B.U.Q., levando em consideração as características físicas rotineiras

Leia mais

Prof. Engº Pery C. G. de Castro. Revisado em outubro de 2009 PARTE - I INTRODUÇÃO

Prof. Engº Pery C. G. de Castro. Revisado em outubro de 2009 PARTE - I INTRODUÇÃO Prof. Engº Pery C. G. de Castro Revisado em outubro de 2009 PARTE - I INTRODUÇÃO 1 CONCEITO DE RECICLAGEM DE PAVIMENTOS É um processo que visa a melhorar as características de rolamento e a estrutura do

Leia mais

Material Fresado: Uma Opção Sustentável

Material Fresado: Uma Opção Sustentável Material Fresado: Uma Opção Sustentável Autores: Thalita Ramalho de Carvalho Msc. Danilo Fernandes de Medeiros Instituição Centro Universitário Planalto do Distrito Federal - UNIPLAN 19 a 21 maio 2014

Leia mais

Blocos vazados modulares de concreto inovado com adição de cinzas do bagaço da cana-de-açúcar 1

Blocos vazados modulares de concreto inovado com adição de cinzas do bagaço da cana-de-açúcar 1 Blocos vazados modulares de concreto inovado com adição de cinzas do bagaço da cana-de-açúcar 1 Modular concrete hollow blocks innovated with addition of ash from bagasse sugar cane Felipe Lima da Costa

Leia mais

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO João Maurício Fernandes Souza¹; José Dafico Alves² ¹ Bolsista PIBIC/CNPq, Engenheiro Agrícola, UnUCET - UEG 2 Orientador, docente do Curso de Engenharia Agrícola, UnUCET

Leia mais

RECUPERAÇÃO ASFÁLTICA DOS ACESSOS INTERNOS MEMORIAL DESCRITIVO

RECUPERAÇÃO ASFÁLTICA DOS ACESSOS INTERNOS MEMORIAL DESCRITIVO RECUPERAÇÃO ASFÁLTICA DOS ACESSOS INTERNOS MEMORIAL DESCRITIVO Concórdia, dezembro de 2008 1 - APRESENTAÇÃO Este projeto refere-se à recuperação da pavimentação asfáltica em CAUQ (Concreto Asfáltico Usinado

Leia mais

ESTUDO PARA UTILIZAÇÃO E VIABILIDADE DE AREIA DE FUNDIÇÃO EM CONCRETO 1

ESTUDO PARA UTILIZAÇÃO E VIABILIDADE DE AREIA DE FUNDIÇÃO EM CONCRETO 1 ESTUDO PARA UTILIZAÇÃO E VIABILIDADE DE AREIA DE FUNDIÇÃO EM CONCRETO 1 Geannina Terezinha Dos Santos Lima 2, Pedro Goecks 3, Cristiane Dos Santos 4, Gabriela Blatt 5, Diorges Lopes 6, Cristina Pozzobon

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS ANÁLISE E DESCRIÇÃO DE PROCEDIMENTOS DA PROPOSIÇÃO DE MÉTODO DE DOSAGEM MARSHALL PARA MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q.

TRABALHOS TÉCNICOS ANÁLISE E DESCRIÇÃO DE PROCEDIMENTOS DA PROPOSIÇÃO DE MÉTODO DE DOSAGEM MARSHALL PARA MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q. RESUMO 01 / 14 O trabalho descreve e apresenta a seqüência operacional de procedimentos para execução de uma dosagem Marshall, visto exclusivamente como uma tarefa de laboratório de asfalto. Aborda-se

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Anais do XX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Caio Henrique Tinós Provasi

Leia mais

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA 1 ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA LOCALIZAÇÃO: Avenida Jacob Wagner Sobrinho NOVA BOA VISTA / RS JUNHO DE 2013 1 2 1.0 INTRODUÇÃO

Leia mais

COMPACTAÇÃO MINI-PROCTOR

COMPACTAÇÃO MINI-PROCTOR COMPACTAÇÃO MINI-PROCTOR Entre nós o procedimento de compactação em escala reduzida em relação ao Proctor tradicional foi divulgado pelo Engº Carlos de Souza Pinto (1965), para obtenção de CP s na aplicação

Leia mais

8. MISTURAS ASFÁLTICAS

8. MISTURAS ASFÁLTICAS 8. MISTURAS ASFÁLTICAS CONCEITUAÇÃO Produtos obtidos em usina, a quente ou a frio, envolvendo agregados e ligantes asfálticos, adequadamente. CLASSIFICAÇÃO Pré misturados a quente (PMQ) - Temperatura 121

Leia mais

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1)

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1) A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO Paula Ikematsu (1) Gerente de área de Produto e Canais Técnicos da InterCement S/A Mestre em Engenharia Civil (Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO PERMANENTE DE LIGANTES ASFÁLTICOS MODIFICADOS

PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO PERMANENTE DE LIGANTES ASFÁLTICOS MODIFICADOS PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO... PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO PERMANENTE DE LIGANTES ASFÁLTICOS MODIFICADOS Adalberto Leandro Faxina Manoel Henrique Alba Sória

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE BAGÉ DEPARTAMENTO DE PROJETOS MEMORIAL DESCRITIVO

DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE BAGÉ DEPARTAMENTO DE PROJETOS MEMORIAL DESCRITIVO DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE BAGÉ DEPARTAMENTO DE PROJETOS MEMORIAL DESCRITIVO REPAVIMENTAÇÃO EM PAVIMENTOS COM PEDRA IRREGULAR, PARALELEPÍPEDO, BLOCOS DE CONCRETO E CBUQ. 2015 APRESENTAÇÃO Trata o

Leia mais

Construção. e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes. IST - DECivil. Total de páginas: 15 1. Aula T7 Pavimentos. Materiais de pavimentação:

Construção. e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes. IST - DECivil. Total de páginas: 15 1. Aula T7 Pavimentos. Materiais de pavimentação: 1/44 Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes Aula T7 Pavimentos Sumário da aula Materiais de pavimentação: Misturas betuminosas Composição Principais funções nas camadas do pavimento

Leia mais

NORMA RODOVIÁRIA ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO Pavimentação Areia Asfalto Usinada à Quente - AAUQ

NORMA RODOVIÁRIA ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO Pavimentação Areia Asfalto Usinada à Quente - AAUQ 1. OBJETIVO Esta Especificação de Serviço define os critérios que orientam a execução de Areia Asfalto Usinada à Quente em obras rodoviárias sob a jurisdição do DERBA. 2. GENERALIDADES Areia Asfalto Usinada

Leia mais

Agregados para Construção Civil

Agregados para Construção Civil Agregados para Construção Civil Agregados são fragmentos de rochas, popularmente denominados pedras e areias. É um material granular, sem forma nem volume definidos, geralmente inerte, com dimensões e

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS EENGENHARIAS Curso de Graduação em Engenharia Civil EDUARDO PASCHE ANÁLISE DO DESEMPENHO DE MISTURAS ASFÁLTICAS

Leia mais

16º. Encontro Técnico DER/PR A Importância da Reciclagem e das Soluções Sustentáveis em Pavimentação

16º. Encontro Técnico DER/PR A Importância da Reciclagem e das Soluções Sustentáveis em Pavimentação 16º. Encontro Técnico DER/PR A Importância da Reciclagem e das Soluções Sustentáveis em Pavimentação Profa. Dra. Liedi Bariani Bernucci Professora Titular Coordenadora do Laboratório de Tecnologia de Pavimentação

Leia mais

TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO

TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO Thaís Do Rosário 1 Carlos Eduardo Nunes Torrescasana 2 Resumo: Diante do contexto atual de preservação do meio ambiente e de reaproveitamento

Leia mais

Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com

Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com ASFALTO ADICIONADO COM GRANULADO DE BORRACHA IN SITU. Procuramos uma rodovia estadual

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 PRODUÇÃO DE TELHA SEM AMIANTO USANDO FIBRAS DE COCO VERDE E CINZAS DE CANA-DE-AÇÚCAR. Ana Paula dos Santos Rodrigues¹; Daiene Lemes Pinto 2, Fernanda Luiza Mendonça Oliveira³, Guilherme Vitor Batista Correia

Leia mais

08/02/2014 EDISON CAMBA JUNIOR. PROJETO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL II Orientador Professor Mestre Valter Prieto. Santos / SP

08/02/2014 EDISON CAMBA JUNIOR. PROJETO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL II Orientador Professor Mestre Valter Prieto. Santos / SP Santos / SP 1 EDISON CAMBA JUNIOR 2 Utilização de Resíduo da Construção e Demolição (RCD) como agregado na confecção do Pré - Misturados a Frio (PMF) Universidade para tapa-buraco Santa Cecília em Santos

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO MÉTODO MARSHALL

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO MÉTODO MARSHALL DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO MÉTODO MARSHALL Parâmetros Granulometria e teor provável de asfalto na mistura Densidade aparente da mistura (Gmb ou d) Densidade máxima teórica da mistura (DMT ou D) Porcentagem

Leia mais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO Atualmente, no Brasil, são produzidos cerca de 20 milhões de m3 de concreto/ano em Centrais de Concreto, denominadas Empresas de Serviços de Concretagem. Uma economia de

Leia mais

Recifes artificiais marinhos de concreto com adição de raspa de pneus.

Recifes artificiais marinhos de concreto com adição de raspa de pneus. Recifes artificiais marinhos de concreto com adição de raspa de pneus. Lídia Ineia Krefer 1, Laura Duda Lourenço 1, Regiani Cristina Menegheli 1, Wellington Mazer 2 (1) Tecnóloga em Construção Civil modalidade

Leia mais

Análise das características físicas do agregado reciclado de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação

Análise das características físicas do agregado reciclado de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação Análise das características físicas do agregado reciclado de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação Felipe Torres Tavares Cerveira Proença Mestrando do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Avaliação comparativa de comportamento entre CBUQ s produzidos com pó de borracha e resíduos de lodo

Avaliação comparativa de comportamento entre CBUQ s produzidos com pó de borracha e resíduos de lodo Avaliação comparativa de comportamento entre CBUQ s produzidos com pó de borracha e resíduos de lodo Angelo Just da Costa e Silva (1); Fred Rodrigues Barbosa (2); João Manoel F. Mota (3), Carlos Baltar

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS PAVIMENTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO CAMADAS DE MISTURAS ASFÁLTICAS USINADAS A QUENTE - COM ASFALTO BORRACHA 1. DESCRIÇÃO PÁG. 01/14 As Camadas de Misturas Asfálticas Usinadas a Quente são produtos resultantes

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO AREIA ASFALTO A FRIO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-16/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de areia asfalto

Leia mais

Influência da Energia e Temperatura de Compactação nas Propriedades Básicas de Concreto Asfáltico para Núcleo de Barragem

Influência da Energia e Temperatura de Compactação nas Propriedades Básicas de Concreto Asfáltico para Núcleo de Barragem Influência da Energia e Temperatura de Compactação nas Propriedades Básicas de Concreto Asfáltico para Núcleo de Barragem Renato Cabral Guimarães Furnas Centrais Elétricas S.A. e Universidade Estadual

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS

AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS Júlia Chaves BORGES (1); Raquel Jucá de Moraes SALES (2); Maria Elane Dias de OLIVEIRA (3); Antonio

Leia mais

RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DE AREIA ASFALTO USINADA A QUENTE (AAUQ) COM ADIÇÃO DE FIBRAS METÁLICAS

RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DE AREIA ASFALTO USINADA A QUENTE (AAUQ) COM ADIÇÃO DE FIBRAS METÁLICAS RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DE AREIA ASFALTO USINADA A QUENTE (AAUQ) COM ADIÇÃO DE FIBRAS METÁLICAS PRISCILA FIOCHI BENTO Mestre Universidade de Brasília - UNB Brasília - Brasil JOSÉ CAMAPUM DE CARVALHO PhD Universidade

Leia mais

Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis

Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis Garcês, A. Universidade Estadual de Goiás, Anápolis-GO, Brasil, alexandregarces@gmail.com Ribeiro,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q.

MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q. MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q. Inter.: PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA. 1. PESQUISA: Os logradouros contemplados com a pavimentação asfáltica deverão ser objeto de análise

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES SOBRE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA COM ADIÇÃO DE BORRACHA

ASPECTOS RELEVANTES SOBRE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA COM ADIÇÃO DE BORRACHA ASPECTOS RELEVANTES SOBRE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA COM ADIÇÃO DE BORRACHA Luisa Andreia Gachet Barbosa (1); Bianca Louize T. Leite-Saulin (2); Adriana C. Campos (3); Rosa Cristina Ceche Lintz (4) (1) Coordenação

Leia mais

cintiademarcosantos@gmail.com

cintiademarcosantos@gmail.com ECOEFICIÊNCIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA CONSTRUÇÃO DE UM CONJUNTO DE CASAS DE ALTO PADRÃO NA CIDADE DE PELOTAS/RS Cíntia de Marco Santos Instituto Federal Sul-rio-grandense,

Leia mais

Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação

Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação Mariana Santos de Siqueira Departamento de Engenharia Civil, Universidade de Pernambuco,

Leia mais

Pavimentação - concreto betuminoso reciclado a quente na usina

Pavimentação - concreto betuminoso reciclado a quente na usina MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM AGREGADOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO RCD: PROCESSO DE PRODUÇÃO.

BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM AGREGADOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO RCD: PROCESSO DE PRODUÇÃO. BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM AGREGADOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO RCD: PROCESSO DE PRODUÇÃO. Edson Antonio França Aluno do IFMT, Campus Cuiabá, bolsista PROEX Everton Gomes Queiroz Aluno

Leia mais

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA Prof. Ricardo Melo

Leia mais

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho.

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. 3. METODOLOGIA O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. DEFINIÇÃO E OBTENÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS CARACTERIZAÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS

Leia mais

ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS ESTABILIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA

ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS ESTABILIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA INTRDUÇÃ Estabilização procedimentos visando a melhoria e estabilidade de propriedades dos solos (resistência, deformabilidade, permeabilidade,...). físico-química ESTABILIZAÇÃ estabilização granulométrica

Leia mais

LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2)

LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2) LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2) Pavimentação NATURAIS ROCHAS ASFÁLTICAS XISTOS E ARENITOS LAGOS ASFÁLTICOS LIGANTES BETUMINOSOS PETRÓLEO ALCATRÃO SÓLIDOS OXIDADOS

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO

SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES PTR 2388 TRANSPORTE E MEIO AMBIENTE SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO 14/ABR/2016 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES RECICLAGEM

Leia mais

Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste

Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste Leonardo Santos Gratão Bolsista PIBIC, Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DAS USINAS

HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DAS USINAS HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DAS USINAS Histórico da evolução das Usinas de Asfalto. USINAS VOLUMÉTRICAS. USINAS BATCH ou GRAVIMÉTRICAS. USINAS DRUM MIX FLUXO PARALELO. USINAS CONTRA FLUXO O processo volumétrico

Leia mais

ESTUDO DOS COMPONENTES DA MISTURA PARA CONCRETO COMPACTADO COM ROLO (CCR) DE BARRAGEM, COM VISTAS A MELHORAR O SEU DESEMPENHO.

ESTUDO DOS COMPONENTES DA MISTURA PARA CONCRETO COMPACTADO COM ROLO (CCR) DE BARRAGEM, COM VISTAS A MELHORAR O SEU DESEMPENHO. COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 03 A 07 DE JUNHO DE 2007 T0 A24 ESTUDO DOS COMPONENTES DA MISTURA PARA CONCRETO COMPACTADO COM ROLO (CCR) DE BARRAGEM,

Leia mais

33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC

33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC 33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC APLICAÇÃO DE RECICLAGEM A FRIO COM ESPUMA DE ASFALTO NA RESTAURAÇÃO DA BR-29 NO TRECHO ENTRE ELDORADO DO SUL E PORTO ALEGRE Marcelo Archanjo Dama 1 Fernando

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA. Bruno Carlos de Santis 1. João Adriano Rossignolo 2

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA. Bruno Carlos de Santis 1. João Adriano Rossignolo 2 ENTECA 2013 IX Encontro Tecnológico da Engenharia Civil e Arquitetura 1 a 3 de outubro de 2013 AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA Bruno Carlos de Santis

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Recapagem Asfáltica contrato 1018.097-09 - 2014. Responsável Técnico: Eng. Luciano Bernardon

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Recapagem Asfáltica contrato 1018.097-09 - 2014. Responsável Técnico: Eng. Luciano Bernardon MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Recapagem Asfáltica contrato 1018.097-09 - 2014 Município: ESTAÇÃO/RS Responsável Técnico: Eng. Luciano Bernardon INTRODUÇÃO Tem este Memorial Descritivo por finalidade orientar

Leia mais

UNIVERSIDADE POSITIVO TIAGO BATISTA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS CARACTERÍSTICAS DO ASFALTO CONVENCIONAL DE DO ASFALTO BORRACHA

UNIVERSIDADE POSITIVO TIAGO BATISTA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS CARACTERÍSTICAS DO ASFALTO CONVENCIONAL DE DO ASFALTO BORRACHA UNIVERSIDADE POSITIVO TIAGO BATISTA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS CARACTERÍSTICAS DO ASFALTO CONVENCIONAL DE DO ASFALTO BORRACHA Curitiba 2010 TIAGO BATISTA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS CARACTERÍSTICAS DO

Leia mais

Granulometria. Marcio Varela

Granulometria. Marcio Varela Granulometria Marcio Varela Granulometria Definição: É a distribuição, em porcentagem, dos diversos tamanhos de grãos. É a determinação das dimensões das partículas do agregado e de suas respectivas porcentagens

Leia mais

PREFEITURA DO RECIFE ME-3

PREFEITURA DO RECIFE ME-3 ME-3 MÉTODOS DE ENSAIO GRÃOS DE PEDREGULHO RETIDOS NA PENEIRA DE 4,8 MM DETERMINAÇÃO DA MASSA ESPECÍFICA, DA MASSA ESPECÍFICA APARENTE DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG.

Leia mais

ME-42 MÉTODOS DE ENSAIO MÉTODO DA DETERMINAÇÃO DA ESTABILIDADE E DE FLUÊNCIA MARSHALL

ME-42 MÉTODOS DE ENSAIO MÉTODO DA DETERMINAÇÃO DA ESTABILIDADE E DE FLUÊNCIA MARSHALL ME-42 MÉTODOS DE ENSAIO MÉTODO DA DETERMINAÇÃO DA ESTABILIDADE E DE FLUÊNCIA MARSHALL 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES... 3

Leia mais

siltosos quando melhorados com aditivos químicos e orgânicos

siltosos quando melhorados com aditivos químicos e orgânicos COMPORTAMENTO DE SOLOS siltosos quando melhorados com aditivos químicos e orgânicos ALESSANDER C. MORALES KORMANN* BERNARDO P.J.C.N. PERNA** O presente trabalho traz um estudo do comportamento de um solo

Leia mais

FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP ENGENHARIA CIVIL

FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP ENGENHARIA CIVIL 1 FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP ENGENHARIA CIVIL EXECUÇÃO DE CONCRETO ASFÁLTICO EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO Vladimir de Souza Amorim Caruaru - 2010 2 FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP ENGENHARIA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PARA OBRAS DE DRENAGEM PAVIMENTAÇÃO, OBRAS E SINALIZAÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO PARA OBRAS DE DRENAGEM PAVIMENTAÇÃO, OBRAS E SINALIZAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO PARA OBRAS DE DRENAGEM PAVIMENTAÇÃO, OBRAS E SINALIZAÇÃO GENERALIDADES: O presente memorial tem por objetivo descrever os procedimentos que serão utilizados para a pavimentação asfáltica

Leia mais

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha A. C. A Romualdo a, D. E. dos Santos a, L. M. de Castro a, W. P. de Menezes b, A. Pasqualetto c, O. R. dos Santos c

Leia mais

Endria Rayana da Silva Costa (UEAP) endria_rayana@hotmail.com Wylckson Machado Costa (UEAP) wylckson93@gmail.com

Endria Rayana da Silva Costa (UEAP) endria_rayana@hotmail.com Wylckson Machado Costa (UEAP) wylckson93@gmail.com ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA COM CONCRETO BETUMINOSO USINADO A QUENTE E AREIA ASFALTO USINADO A QUENTE A CUSTOS DE MACAPÁ Endria Rayana da Silva Costa (UEAP) endria_rayana@hotmail.com

Leia mais

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS ANTÔNIO QUERIDO JÚNIOR Graduando do curso de Engenharia Civil Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo / Brasil antonioquerido@yah oo.com.br RITA MOURA FORTES Prof. Doutora Universidade Presbiteriana

Leia mais

5 Equipamentos e Técnicas Experimentais

5 Equipamentos e Técnicas Experimentais 5 Equipamentos e Técnicas Experimentais De acordo com Castro (2007), quando as propriedades reológicas são determinadas em laboratório, diz-se que se está realizando ensaios de reometria. Para isso, existem

Leia mais

PRÉ MISTURADOS. À FRIO (P.M.Fs) 15/06/02 Departamento Técnico

PRÉ MISTURADOS. À FRIO (P.M.Fs) 15/06/02 Departamento Técnico PRÉ MISTURADOS À FRIO (P.M.Fs) 15/06/02 Departamento Técnico Conteúdo Definição Usos Características da técnica Materiais: ligantes asfálticos/agregados Tipos de PMF s Composição da mistura Faixas granulométricas:

Leia mais

Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos

Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos 132 Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos COMPÓSITO CIMENTÍCIO COM RESÍDUOS DE EVA COMO ALTERNATIVA PARA ATENUAÇÃO DE RUÍDOS DE IMPACTOS ENTRE LAJES DE PISO NAS EDIFICAÇÕES Fabianne Azevedo

Leia mais

IE 03/2009 CAMADAS DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE

IE 03/2009 CAMADAS DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é a definição dos critérios que orientam a dosagem, usinagem e execução de camadas constituídas de misturas asfálticas do tipo concreto asfáltico usinado a quente,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DA LAVRA DA PEDRA MORISCA DA REGIÃO DE CASTELO DO PIAUÍ NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS RESUMO

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DA LAVRA DA PEDRA MORISCA DA REGIÃO DE CASTELO DO PIAUÍ NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS RESUMO UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DA LAVRA DA PEDRA MORISCA DA REGIÃO DE CASTELO DO PIAUÍ NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS SILVEIRA, Leonardo 1 ; MELO, Marcus 2 ; LUZ, Adão 3 1 Centro de Tecnologia Mineral CETEM

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Definição de solo Ciências aplicadas Contexto

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS 1. DESCRIÇÃO PÁG. 01/17 A reciclagem profunda de pavimento com adição de espuma de asfalto tem como finalidade a obtenção de uma camada de pavimento reciclada, a partir do aproveitamento dos materiais

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS 1. DESCRIÇÃO PÁG. 01/14 A reciclagem profunda de pavimento com adição de cimento Portland tem como objeto a obtenção de uma camada de pavimento reciclada, com aproveito dos materiais existentes e introdução

Leia mais

ESTUDO DA SUBSTITUIÇÃO DE AGREGADOS MIÚDOS NATURAIS POR AGREGADOS MIÚDOS BRITADOS EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND

ESTUDO DA SUBSTITUIÇÃO DE AGREGADOS MIÚDOS NATURAIS POR AGREGADOS MIÚDOS BRITADOS EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND GUILHERME TEODORO BUEST NETO ESTUDO DA SUBSTITUIÇÃO DE AGREGADOS MIÚDOS NATURAIS POR AGREGADOS MIÚDOS BRITADOS EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND Dissertação apresentada ao Programa de Pós - Graduação em

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS AGREGADOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS AGREGADOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS 1 agregado aterial granular usado na construção. O agregado pode ser natural, artificial ou reciclado. : 70 a 80% do volume do betão 2 composição de 1 m 3 de betão : por exemplo cimento água agregados

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES GERAIS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS PAVIMENTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO CAMADAS DE MISTURAS ASFÁLTICAS USINADAS A QUENTE PÁG. 01/14 1. DESCRIÇÃO As Camadas de Misturas Asfálticas Usinadas a Quente são produtos resultantes do processamento

Leia mais

3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos

3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos 3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos 3.1 INTRODUÇÃO Vários materiais sólidos empregados em construção normalmente resistem bem as tensões de compressão, porém têm uma capacidade bastante limitada

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO SOBRE OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO RODOVIÁRIA

REGULAMENTAÇÃO SOBRE OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO RODOVIÁRIA ESTUDO REGULAMENTAÇÃO SOBRE OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO RODOVIÁRIA Rodrigo César Neiva Borges Consultor Legislativo da Área XIII Desenvolvimento Urbano, Trânsito e Transportes ESTUDO OUTUBRO/2008 Câmara dos

Leia mais

Wander Omena Gerente de P&D,I

Wander Omena Gerente de P&D,I Wander Omena Gerente de P&D,I Século XX Misturas Quentes CAP, AMP e AMB Misturas Frias Emulsões e Emulsões com Polímeros { { Século XXI } Misturas Mornas CAP e AM São misturas asfálticas usinadas e

Leia mais

(PPGEMA), pela Escola de Engenharia Civil (EEC); joaoluizmplopes@yahoo.com.br.

(PPGEMA), pela Escola de Engenharia Civil (EEC); joaoluizmplopes@yahoo.com.br. ESTUDO DO POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE BENEFICIAMENTO DE MÁRMORE E GRANITO (RBMG), COMO FÍLER, NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS. LOPES, João Luiz Macedo Prudêncio¹; BACARJI, Edgar²; PAZINI FIGUEIREDO,

Leia mais

NOVO PROJETO GRÁFICO DO FATOS & ASFALTOS. Obra em Destaque: Micro Revestimento na Rodovia Presidente Dutra

NOVO PROJETO GRÁFICO DO FATOS & ASFALTOS. Obra em Destaque: Micro Revestimento na Rodovia Presidente Dutra Frota GRECA de cara nova Em 2008 os caminhões da GRECA Transportes começaram a ganhar uma nova identidade visual. Os cavalos mecânicos foram completamente adesivados com o símbolo da GRECA ASFALTOS, e

Leia mais

Resistência de Interface entre Resíduo de Construção e Demolição Reciclado (RCD-R) e Geotêxtil Não Tecido

Resistência de Interface entre Resíduo de Construção e Demolição Reciclado (RCD-R) e Geotêxtil Não Tecido Resistência de Interface entre Resíduo de Construção e Demolição Reciclado (RCD-R) e Geotêxtil Não Tecido Débora Louyse Alpes de Melo Escola Politécnica da Universidade de Pernambuco, Departamento de Engenharia

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. * escavação dos materiais constituintes do terreno natural até o greide de terraplenagem indicado no projeto;

MEMORIAL DESCRITIVO. * escavação dos materiais constituintes do terreno natural até o greide de terraplenagem indicado no projeto; MEMORIAL DESCRITIVO Município: Piratini/RS Local da obra: Rua 24 de Maio, Rua Princesa Isabel e Rua Rui Ramos. Área total: 12.057,36 m² 1) Introdução: O presente Memorial Descritivo tem por finalidade

Leia mais

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 Materiais de Construção de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 AGREGADOS AGREGADOS DEFINIÇÃO É o material particulado, incoesivo, de atividade química praticamente nula, constituído de misturas de partículas

Leia mais

Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi

Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi INTRODUÇÃO: Neste trabalho será apresentado um apanhado sobre as diversas formas de concreto e agregados bem como o seu uso, dando

Leia mais