Palavras-chave: Cinza de casca de arroz, Argamassa, Pozonanicidade, Resíduo. 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: Cinza de casca de arroz, Argamassa, Pozonanicidade, Resíduo. 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil"

Transcrição

1 Caracterização de Cinza de Casca de Arroz Com e Sem Queima Controlada Utilizadas em Argamassas RIGHI Débora P. 1, a, NAKANISHI Elizabete Y.B. 2, b e MOHAMAD Gihad 3, c 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil 2 Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Toledo, Brasil 3 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Brasil a b c Palavras-chave: Cinza de casca de arroz, Argamassa, Pozonanicidade, Resíduo. Resumo. A utilização de resíduos, como materiais alternativos, tem se mostrado satisfatória, como por exemplo, a cinza da casca de arroz (CCA) considerado um material que apresenta grande potencial para ser utilizado no setor da construção civil, podendo ser empregada como pozolana. O município de Alegrete/RS tem como principal atividade econômica o plantio de arroz, que acaba por gerar grandes volumes de resíduos da cinza da casca de arroz, oriundo do processo de beneficiamento. Então, foram utilizadas a CCA com controle de queima, e uma cinza residual, oriunda de uma beneficiadora de arroz sem qualquer controle de queima. A caracterização da CCA foi realizada por meio de ensaio de perda ao fogo, granulometria a laser, difração de raio X, espectrometria por fluorescência de raio X, massa específica e índice de atividade pozolânica. Foram realizados ensaios de índice de consistência e a análise da curva de liberação de calor de hidratação, resistência à compressão, porosimetria por intrusão de mercúrio, absorção, índice de vazios e microscopia eletrônica de varredura. Para a confecção dos corpos de prova, adotou-se o traço 1:3 como referência, relação água/aglomerante de 0,51, com substituição parcial do cimento de 10%, 15% e 20% por 2 tipos CCA e 1 tipo de sílica ativa. Os resultados mostraram-se satisfatórios quanto ao desempenho mecânico das argamassas, concluindo-se que a utilização da CCA para esta aplicação é viável tecnicamente, além de dar uma destinação final ao resíduo menos agressiva ao meio ambiente. Objetivo Avaliar o desempenho mecânico de argamassas, com a substituição parcial de cimento Portland por cinzas de casca de arroz (CCA) oriundas de queimas com e sem controle de temperatura. Materiais e Métodos Os materiais utilizados para a produção de argamassas foram o cimento Portland CP V-ARI de alta resistência inicial; a água foi utilizada da rede pública de distribuição de água (empresa CORSAN); dois agregados miúdos; areia média e areia fina, de origem natural, do tipo quartzosa proveniente do Município de Manoel Viana; sílica ativa comercial (SA); a cinza de casca de arroz (CCA) foram cedidas por empresas da região de Alegrete/RS, a primeira implantou um sistema inovador de combustão com leito fluidizado, utilizando a casca de arroz para gerar energia elétrica renovável e sílica amorfa, tendo um rigoroso controle de temperatura na queima desta nesses fornos e, a segunda utiliza a casca de arroz em fornos sem controle de temperatura na queima. A metodologia de execução seguiu o programa experimental ilustrado no fluxograma da Fig. 1, que mostra esquematicamente todas as etapas de ensaio, e que seguiram as recomendações da norma (NBR). Dosagem da argamassa Para a produção da argamassa, decidiu-se por adotar um traço padrão (referência), ou seja, de 1:3 (cimento:areia). Além disso, verificou-se que este traço é normalmente utilizado nas obras da 1

2 região, para produção de argamassa de assentamento, de modo a reproduzir a realidade dessas obras locais e assim, se for o caso, facilitar a prática das adições da cinza da casca de arroz. Os ensaios de resistências à compressão axial das argamassas foram escolhidas as idades de 3, 7, 28, 63 e 91 dias, seguindo-se as referências de Isaia et al. (2010) [1], Tashima (2006) [2] e Rodrigues (2008) [3], que afirmam que adições com a cinza de casca de arroz (CCA) necessitam de idades avançadas para que ocorram todas as hidratações nessas argamassas. As misturas e as porcentagens das substituições do cimento Portland por outros materiais finos foram de 10%, 15% e 20%, utilizando-se três tipos de materiais finos, a cinza de casca de arroz com controle de temperatura de queima (CCQ), a cinza de casca de arroz sem controle de temperatura de queima (CSQ) e a sílica ativa comercial (SA). Optou-se por manter a quantidade de água de 0,51 em todos os traços de argamassas. Figura 1: Programa experimental Análises e Discussões dos Resultados Neste apresentar-se-ão os resultados obtidos nos ensaios, quanto à caracterização das cinzas de casca de arroz estudadas, bem como o comportamento de argamassas, com e sem as adições, tanto no estado fresco, quanto endurecido. 2

3 Difração de raios-x (DRX) A Fig. 2(a) apresenta os resultados oriundos do ensaio de DRX para a cinza com controle de temperatura na queima (CCQ). Observa-se que o material passa a apresentar uma estrutura predominante amorfa, representada no difratograma pelo alargamento dos picos e aparecimento de bandas. De acordo com Dal Molin (2011) [4], a queima controlada possibilita a obtenção de cinzas amorfas de alta pozolanicidade. Já a Fig. 2(b) apresenta os resultados obtidos para a cinza sem controle de temperatura de queima (CSQ). Nota-se que o difratograma apresenta picos cristalinos característicos, indicando que o material analisado não é totalmente amorfo, pois apresenta alguma cristalinidade. Conforme mencionado por Dal Molin (2011) [4], cinzas provenientes de combustão não controlada geralmente contêm uma grande proporção de minerais de sílica não reativos e de baixo valor pozolânico, devendo ser micronizadas para desenvolver a atividade pozolânica. (a) Cinza de casca de arroz com controle - CCQ (b) cinza de casca de arroz sem controle - CSQ Figura 2: Difração de raios X de cinza de casca de arroz Espectrometria de raio X (EDX) Verifica-se através da Tabela 1 que a CCA com controle na queima contém aproximadamente 90% de sílica. Os resultados se mostram coerentes, visto que outros trabalhos como Cordeiro (2009) [5] e Pouey (2006) [6] afirmam que o controle da temperatura na queima da CCA resulta em uma cinza com alto teor de componentes amorfos. Com referência à CCA sem controle de queima, verifica-se que esta cinza, obteve uma porcentagem de sílica de 88%. É importante salientar que o material analisado foi selecionado a partir da retirada de amostras em pontos estratégicos (local central, mais homogênea de queima) no interior do forno. Portanto, a amostra selecionada não é representativa com relação à quantidade total de material oriundo da queima sem controle de temperatura, ou seja, representa em torno de 2% deste volume. Tabela 1: Espectrometria de raio X da CCA (com e sem controle de queima) Perda ao fogo A Tabela 2 apresenta os resultados do ensaio para verificação da perda ao fogo e, verifica-se que a cinza de casca de arroz com queima controlada (CCQ) ficou dentro do limite estabelecido pela norma NBR NM 18/2012 [7]. Tal fato não ocorreu com a cinza de casca de arroz sem controle de queima (CSQ), pois ultrapassou o limite máximo exigido nesta norma, ou seja, superior a porcentagem máxima de 10%. Sabe-se que valores elevados de perda ao fogo para qualquer tipo de amostra a ser utilizados em argamassas ou concretos pode implicar na atenuação da quantidade de sílica e ainda em elevados teores de carbono contidos, e como consequência, reduzir a atividade pozolânica. 3

4 Tabela 2: Perda ao fogo da CCA (com e sem controle de queima) Distribuição granulométrica A Fig. 3(a) mostra a distribuição granulométrica por difratometria a laser da CCA com controle de temperatura na queima (CCQ). Observa-se que a amostra possui uma distribuição com concentração de partículas próxima de 10µm com diâmetro médio das partículas de 13,53 µm. A distribuição granulométrica por difratometria a laser da CCA sem controle de temperatura na queima (CSQ) esta representada na Fig. 3(b). Nota-se uma distribuição com concentração de partículas próxima de 100µm (dez vezes maior que a CCQ), com diâmetro médio de 44,20µm. Percebe-se que a CCA sem controle de queima obteve um acréscimo da ordem de 30,61% em relação ao diâmetro médio da CCA com controle de queima, tendo as partículas dos grãos maiores. (a) Cinza de casca de arroz com controle - CCQ (b) cinza de casca de arroz sem controle - CSQ Figura 3: Distribuição granulométrica de cinza de casca de arroz Determinação da atividade pozolânica com cimento Portland Os resultados encontrados nos ensaios da determinação da atividade pozolânica com o cimento Portland, seguindo as recomendações da norma NBR 5752/1992 [8], bem como as resistências médias e a quantidade de água requerida, encontram-se na Tabela 3. A argamassa de referência produzida para comparação entre os dois tipos de CCA obteve resistência média, aos 28 dias, de 11,61 MPa. Observando apenas os resultados dos índices de atividade pozolânica (IAP) para as duas argamassas com as CCA, estes se encontram em conformidade com a Norma NBR 12653/1992 [9], no entanto, verifica-se que a CCA sem controle teve sua resistência abaixo da resistência de referência (11,61 MPa), e ainda, observa que a CCA com controle ultrapassou essa resistência, assim, poder-se-à aumentar a resistência de argamassa com adição no seu proporcionamento. Por fim, observa-se que a quantidade de água requerida para confeccionar a argamassa com a CCA sem controle ultrapassa a recomendação da norma NBR 12653/1992 [9], ou seja, superior aos 110 (%), portanto, caracterizando-a como um material não pozolânico. Tabela 3: Índice de atividade pozolânica (IAP) de CCA (com e sem controle de queima) 4

5 Massa específica Os valores obtidos são semelhantes aos encontrados na literatura, ou seja, a CCA com controle de queima possui uma massa especifica de 2,03g/cm 3, esta é menor em relação à massa da CCA sem controle de queima (2,10g/cm 3 ). Agopyan (1991) [10] encontrou valores que variavam na faixa de 1,88 a 2,11 g/cm³, faixa esta semelhante à encontrada na pesquisa. Avaliação da curva de liberação de calor de hidratação Para a avaliação da curva de liberação de calor de hidratação (Figs. 4(a), 4(b) e 4(c)) percebe-se um comportamento muito semelhante ao encontrado por Alves (2002) [11], ou seja, conforme aumentase a porcentagem de pozolana, a cinética de hidratação é mais lenta. Assim, as Figs. 4(a), 4(b) e 4(c) apresentam, respectivamente, as curvas de liberação de calor das argamassas nas porcentagens de 10%, 15% e 20% das substituições por cinza de casca de arroz com controle de queima (CCQ), cinza de casca de arroz sem controle de queima (CSQ) e sílica ativa (SA), todas comparadas ao traço da argamassa de referência (Ref). Para facilitar a visualização gráfica dos resultados, optou-se pela utilização de linhas de tendência polinomiais de 2ª ordem. (a) 10% (CCQ; CSQ; SA) (b) 15% (CCQ; CSQ; SA) (c) 20% (CCQ; CSQ; SA) Figura 4: Curva de liberação de calor em diferentes porcentagens de adições Nota-se na Fig. 4(a) que o traço com 10% de CCA com controle de queima (CCQ) foi o que apresentou maior liberação de calor, tendo maior pico de temperatura, proximo aos 28 C. Ao se comparar com o traço padrão (referência) houve uma diminuição de 17,64% de temperatura. A porcentagem de 10% da CCA sem controle de queima (CSQ) obteve um pico de temperatura menor que a outra CCA analisada, ficando em torno de 25 C, e apresentou uma redução da ordem de 26,47% ao traço referência. E a curva com a sílica ativa (SA) foi a que apresentou uma curva menos acentuada em relação a todas as demais, com redução de 29,41%, em relação ao traço de referência. Ao analisar a Fig. 4(b), percebe-se que todos os traços com as substituições de 15% adquiriram curvas muitos semelhantes entre si, com os picos de temperatura máxima, próximo de 23 C. As substituições de 15% também seguem o mesmo comportamento de 10% apresentando valores de temperatura menores que a curva de referência, porem, em média a redução foi maior, de aproximadamente de 32,35%. De acordo com a Fig. 4(c) é possível observar as curvas de liberação de calor de hidratação das argamassas com substituições de 20% tiveram as curvas de temperaturas menores, em relação às demais porcentagens, onde os picos de temperatura encontram-se entre as faixas de 20 C a 23 C. A diminuição de temperatura é da ordem de 35,29% em relação ao traço de referência. É notável que 5

6 na medida em que se aumentam os teores de substituições, encontraram-se curvas com menores acentuações de temperatura, ou seja, obtivem-se menores calores gerados nas primeiras horas. Investigação da microestrutura por meio da microscopia eletrônica de varredura (MEV) A seguir serão ilustradas imagens de argamassas (56 dias) para a visualização de formação dos produtos de hidratação, por exemplo, a Fig. 5 mostra o traço de argamassa de referência, onde se percebe uma estrutura com produtos de hidratação C-S-H. Para os traços de argamassas com as cinzas de casca de arroz percebe-se a presença de cristais de etringita, conforme se aumenta os teores de substituição (Figs 6 e 7). Figura 5: Argamassa - Traço de referência No traço de argamassa com 10% CCQ, ver Fig. 6(a) é notável a presença de produtos de hidratação (ver seta), o que nos leva a crer que nessa idade ainda está acontecendo reações de hidratação tardia, pois quando se analisa a resistência à compressão na idade de 63 dias, observa-se um aumento de resistência (Fig. 12). Para o traço de argamassa com teor de substituição de 15% de CCQ, ver Fig. 6(b), já é visível a presença de filamentos de etringita quando comparado com o teor de 10% CCQ. Compreende que nessa porcentagem está ocorrendo hidratações tardias. As argamassas com cinza de casca de arroz apresentam aumento de resistências em idades avançadas de ruptura, o que reforça as imagens de microestrutura, ilustrando que está ocorrendo hidratações nessas argamassas com o passar das idades. Ao analisar o traço de argamassa com 20% CCQ, ver Fig. 6(c), é possível notar um aumento da presença de etringita com produtos de hidratação em relação aos outros traços com a CCA com controle de temperatura. Também é possível notar a presença de uma fissura (ver seta). Essa fissura é gerada pela retração, pelo fato de manter-se a mesma relação a/aglomerante (0,51) em todas as substituições com a CCA, além disso, o diâmetro médio da CCA é de 13,53µm acarretando em um refinamento dos poros. (a) adição de 10% CCQ (b) adição de 15% CCQ (c) adição de 20% CCQ Figura 6: Argamassas com adição de cinza de casca de arroz com controle de queima (CCQ) Para as amostras de argamassa com as cinzas de casca de arroz sem controle de queima (CSQ), encontrou-se um comportamento semelhante as argamassas com a cinza de casca de arroz com controle de queima (CCQ), pois o aumento na porcentagem de CCA, aumenta-se a presença de 6

7 etringita (C6 ASH32) e produtos de hidratação. Para o traço de argamassa com 10% CSQ, ver Fig. 7(a), nota-se que não há grande presença de etringita, apenas produtos de hidratação do cimento. Acreditar-se-à que pelo fato de esta CCA não possuir um índice de atividade pozolânico significativo, a mesma preencheu melhor a estrutura devido ao seu efeito fíler. Para o traço de argamassa com 15% CSQ, ver Fig. 7(b), pode-se notar o mesmo comportamento encontrado no traço de 10% CSQ, presença dominante de produtos de hidratação e alguns pequenos pontos com presença de etringita. Mais uma vez esses produtos de hidratação demonstram que ainda esta em formação de cristais tardios, tal fato, poder-se-à ocorrer o aumento de resistência à compressão em idades mais avançadas de rupturas. Com o traço de argamassa com 20% CSQ, ver Fig. 7(c), é possível notar maiores presenças de filamentos de etringita e produtos de hidratação. Acreditar-se-à que pelo aumento de CCA em relação aos outros traços (10% e 15%), esse obteve hidratações ainda mais tardias devido ao aumento da proporção de CCA e, retardar ainda mais essas reações. Nessa porcentagem de 20% também é visível à presença de pequenas fissuras na massa de argamassa, embora essas fissuras sejam menores, quando comparadas com as fissuras com o traço de argamassa com 20% CCQ. (a) adição de 10% CSQ (b) adição de 15% CSQ (c) adição de 20% CSQ Figura 7: Argamassas com adição de cinza de casca de arroz sem controle de queima (CSQ) Para as argamassas com adição de sílica ativa com o traço de 10% SA, ver Fig. 8(a), observa-se, também, um comportamento semelhante ao traço de referência, indicando presença dominante de produtos de hidratação. Sabe-se que a sílica ativa acelerar o processo de hidratação, levando a formação mais rápida dos cristais de hidratação, ainda nesta figura, também, é possível notar que há presenças de vazios na massa da argamassa, mesmo com adição de sílica, grãos mais finos que os grãos de cimento, a porcentagem de 10% de SA, não são suficientes para preenchimentos dos vazios. Em relação ao traço de argamassa com 15% de sílica ativa, ver Fig. 8(b), é possível notar uma pequena presença de etringita, pois, ainda está ocorrendo formações de cristais de hidratação. Esse comportamento foi detectado também nos traços com utilização de CCA, onde com o aumento do teor de adições de CCA, ocorrem o aumento de etringita. Para a porcentagem de argamassa com 20% de SA, ver Fig. 8(c), é notável a grande presença de fissuras. Tais fissuras são devidas as retrações, pois o diâmetro médio da sílica ativa é de 0,4µm o que propicia a retração, pelo refinamento dos poros. Também pode-se correlacionar este com a resistência à compressão, onde nesse percentual (20% de SA) a resistência não teve um aumento ao longo do crescimento com a idade de ruptura. (a) adição de 10% SA (b) adição de 15% SA Figura 8: Argamassa com adição de sílica ativa (SA) 7 (c) adição de 20% SA

8 Porosidade por intrusão de mercúrio A Fig. 9 apresenta os resultados de volume de intrusão de mercúrio em função da distribuição de tamanhos de poros para os diferentes traços de argamassas. É importante salientar que, normalmente, a escala de distribuição do diâmetro de poros é dividida em 4 regiões. Assim, as regiões 1 e 4, as quais representam a distribuição de poros de gel (poros < 0,01µm) e a distribuição de macroporos (poros>1µm), respectivamente. Então, a região 2 fica compreendido em tamanhos de poros (0,01µm<poros<0,05µm), e a região 3 com poros entre (0,05µm< poros < 1µm), representando dessa forma, toda a gama de poros capilares, divididos portanto em capilares menores e capilares maiores. Portanto, na Fig. 9, comparando a argamassa de referência (Ref), com as outras argamassas com as adições de CCA (CCQ e CSQ) e SA, registram-se que, em menor ou maior grau, houve um aumento na distribuição discreta de poros capilares (regiões 2 e 3) e, uma redução dos macroporos (região 4), principalmente, para diâmetros entre 10 e 100 µm. Esse comportamento demonstra que houve um aumento da densidade da mistura, pelo preenchimento dos vazios pelas partículas das adições (efeito microfíler). Cabe salientar que esse ensaio foi realizado com as amostras na idade de 120 dias. Distribuição discreta (ml/g) 0,025 0,020 0,015 0,010 0,005 REF 10%CCQ 20%CCQ 10%CSQ 20%CSQ 10%SA 20%SA 0,000 0,01 0, Diâmetro de poros (µm) Figura 9: Volume de intrusão de mercúrio em função da distribuição de tamanho de poros Absorção de água e índice de vazios As Figs. 10 e 11 apresentam os resultados de determinações da absorção de água e das determinações dos índices de vazios, respectivamente. Assim, obteve os resultados das argamassas, após imersão em água (24horas, em temperatura ambiente) e ainda, após imersão e fervura (5horas), para cada traço de argamassa. Os resultados foram realizados em corpos-de-prova com 28 dias. Figura 10: Absorção de água 8 Figura 11: Índice de vazios

9 Os resultados de absorção de água e de índices de vazios, apresentaram em geral, baixa dispersão, antes e depois da fervura. Analisando a Fig. 10, constata-se, que ha uma similaridade entre os traços estudados, pois ocorreu aumento de absorção, conforme se aumentaram os teores de substituições das adições. Já na Fig. 11, observa-se que o aumento na porcentagem de cinza de casca de arroz, resultaram-se em elevados índices de vazios. Acreditar-se-á que tal comportamento deve-se ao fato de o ensaio ter sido realizado aos 28 dias de idade, ou seja, tempo insuficiente para o preenchimento dos vazios. Sabe-se que, as reações de cinzas de casca de arroz têm um processo mais lento de hidratação, ocorrendo em idades mais avançadas. Ao compararem esses resultados com o ensaio de porosimetria por intrusão de mercúrio, percebe-se que conforme ocorre o aumento na idade em análise, ocorrem o preenchimentos dos poros, pois se verifica que este ensaio (porosimetria por intrusão de mercúrio) foi realizado aos 120 dias. Assim, concluir-se-á que para o ensaio de índice de vazios realizados aos 28 dias, a matriz das argamassas estava mais aberta e, que ao longo de um período maior, ocorre o fechamento parcial de vazios. Resistência à compressão axial As Figs. 12(a), 12(b) e 12(c) apresentam um estudo comparativo entre os resultados de resistência à compressão simples do traço de argamassa de referência (Ref), com os resultados obtidos dos traços de argamassas contendo as adições de cinza de casca de arroz com controle de queima (CCQ), cinza de casca de arroz sem controle de queima (CSQ) e sílica ativa (SA), respectivamente e, em diferentes idades (3, 7, 27, 63 e 91 dias). Por meio de análise da Fig. 12(a) é possível observar que nas primeiras idades, as argamassas com adição de cinza com controle de queima (CCQ) apresentaram resistências semelhantes do traço de referência (acima ou abaixo). No entanto, para idades mais avançadas (63 e 91 dias), os traços com estas cinzas obtiveram resistências superiores ao traço referência, com exceção do traço contendo 10% de adição, aos 91 dias, que apresentou uma resistência bem abaixo do esperado. Acredita-se que este comportamento diferenciado pode ser resultado de um ruído experimental, na preparação dos corpos-de-prova e, que não foi eliminado no tratamento de valores atípicos. De maneira geral, pode-se concluir que a cinza, por ser um material pozolânico, apresenta uma taxa de reação baixa nas primeiras idades, mas, em idades mais avançadas a reação pozolânica é o fator dominante. (a) adição de CCQ (b) adição de CSQ (c) adição de SA Figura 12: Resistência a compressão axial Com relação a análise na Fig. 12(b), que compara o valor de referência (Ref) com o traço de argamassa contendo a cinza de casca de arroz sem controle de queima (CSQ), observa-se 9

10 novamente que nas primeiras idades, a resistência do traço referência foi superior as dos traços com a adição (com exceção do traço com 10% de adição aos 7 dias). Nota-se, também, um pequeno aumento da resistência em idades mais avançadas, principalmente, na idade de 91 dias, no entanto, menos expressivo que os obtidos nos traços de CCA com controle de queima. A Fig. 12(c) apresenta os resultados de argamassas obtidos pela adição de sílica ativa (SA), em comparação com o traço referência (Ref). Verifica-se que o traço em destaque foi o que continha 10% de adição, resultando em resistências maiores em todas as idades. De fato, Malhotra e Mehta (1996) [12] chegaram à conclusão que o teor ótimo de sílica ativa, por exemplo, em concretos, variam de 7% a 10%, podendo em algumas situações especiais, chegar a teores de 15%. Vale lembrar que o diâmetro médio das partículas de sílica ativa é aproximadamente 2 ordens de magnitude mais finas que a partícula de cimento (Dal Molin, 2005) [13]. Por isso, maiores quantidades de sílica ativa ao traço, aumentam consideravelmente a necessidade de água de amassamento. Salienta-se que neste trabalho, a relação água-aglomerante (a/c: 0,51) foi mantida constante para todos os traços e, tão pouco, fez-se o uso de aditivos redutores de água à mistura, o que dificultou o manuseio e trabalhabilidade dos traços com grandes porcentagens de sílica ativa. Resistência à tração na flexão A seguir são mostrados os resultados de resistência à tração na flexão das argamassas (Fig. 13). Verifica-se que para os traços de 10% e 15% de CCA com controle de queima (CCQ) os resultados são superiores ao traço de referência (Ref) e um decréscimo de resistência no traço de 20%. No entanto, poder-se-á ocorrer aumento da resistência para idade mais avançadas, pois acredita-se que com esta proporção (20%) ainda não houve tempo o suficiente para que ocorra a hidratação na massa da argamassa. Para a CCA sem controle de temperatura (CSQ) houve uma inversão no traço de 20% na curva de crescimento de resistência, tal comportamento deve-se ao preenchimento dos vazios, deixando uma matriz mais compacta conforme se aumenta o teor de CCA em idades mais avançadas. O comportamento da sílica ativa (SA) já era esperado, em estudos anteriores já comprovaram que a porcentagem adequada para a utilização da sílica ativa é de aproximadamente 10%, pois o aumento da mesma não proporciona o incremento de elevadas resistências. Conclusão Figura 13: Resistência à tração na flexão Para a composição granulométrica do agregado natural, o agregado apresentou uma curva de granulometria fora dos padrões estabelecidos entre a zona inferior e superior da norma NBR 7211/2009 [14]. Mesmo assim, a curva mostrou-se com grãos de forma contínuos, o que caracteriza um bom arranjo entre as partículas. 10

11 Para a difração de raios-x, os resultados obtidos para a cinza de casca de arroz com controle de queima mostrou um estado amorfo bem definido já a cinza de casca de arroz sem controle de queima não é totalmente amorfa, pois apresenta cristalinidade. Quanto à espectrometria de raios-x, ambas as cinzas de casca de arroz estudadas apresentaram um alto teor de sílica. A cinza com controle de queima confirmou a sua grande pozolanicidade com um teor de aproximadamente de 90%. A cinza sem controle de queima obteve um valor de 88% de sílica. Em relação ao ensaio de perda ao fogo, os valores encontrados para a CCA com controle de queima ficaram dentro do limite estabelecido pela NBR 12653/92 [9], ficando com uma perda de 3,62%. Entretanto, a CCA sem controle de queima ultrapassou o limite preconizado pela norma, obtendo um valor de 10,76%, portanto, não se enquadrando como um material pozolânico. Além disso, no ensaio de índice de atividade pozolânica, a CCA com controle de queima possui atividade pozolânica, pois atendeu a todos os requisitos da norma NBR 12653/1992 [9]. Todavia, a CCA sem controle de queima, apesar de apresentar um índice de atividade pozolânica acima de 75%, ultrapassou a porcentagem de água requerida estabelecida nesta norma, assim, não caracterizandose como um material pozolânico. Para o ensaio de curva de liberação de calor de hidratação das argamassas observou-se que o aumento de teores de substituições produz curvas mais lentas na hidratação dos componentes e, sem elevação de picos de temperatura. Em relação ao ensaio de investigação da microestrutura por meio da microscopia eletrônica de varredura (MEV) pode-se notar a presença de produtos de hidratação, fato que comprova a hidratação tardia aos traços com utilização de cinza de casca de arroz. Para a sílica ativa foi possível notar que devido a sua granulometria fina houve o refinamento dos poros. Também, foi possível notar que todos os traços de 20% das adições ocorreram fissurações. Com o ensaio de porosimetria por intrusão de mercúrio foi possível perceber que em idades avançadas, por exemplo, aos 120 dias, houve uma redução dos macroporos e um aumento na distribuição discreta dos poros capilares, assim resultando num preenchimento dos vazios pelas minúsculas partículas das adições. Quanto ao ensaio de absorção e índices de vazios, concluiu-se que para a idade de 28 dias de idade, quanto maior é o aumento de substituição, maior também será a absorção de água e do índice de vazios, nesta idade analisada, acredita-se que não houve tempo suficiente para as hidratações nas argamassas com as cinzas de casca de arroz. Neste estudo constatou-se que a CCA com controle de temperatura de queima, enquadrou-se como um material pozolânico, atendendo a todos os requisitos da NBR 12653/92 [9] e, nos ensaios mecânicos, mostrou os melhores resultados na porcentagem de 20%. Além disso, a CCQ atendeu os requisitos de perda ao fogo, massa específica, distribuição granulométrica, espectrometria de raio-x, difração de raio-x e índice de atividade pozolânica. Já a cinza de casca de arroz sem controle de queima (CSQ) não se enquadrou em vários requisitos como perda ao fogo, índice de atividade pozolânica e, assim, não se enquadrando como um material pozolânico. Referências [1] Isaia et al. Viabilidade do emprego de cinza de casca de arroz natural em concreto estrutural. Parte I: propriedades mecânicas e microestrutura. Ambiente Construído, [2] M. M. Tashima. Cinza de Casca de Arroz altamente reativa: método de produção, caracterização físico-química e comportamento em matrizes de cimento Portland. Ilha Solteira/São Paulo. Mestrado em Engenharia Civil da Faculdade de Engenharia UNESP. Área de Conhecimento Estruturas [3] M.S. Rodrigues. Caracterização de Cinza Residual de Casca de Arroz para a Produção de Argamassa. Dissertação de Mestrado em Engenharia Agrícola, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP,

12 [4] D.C.C.Dal Molin. Adições Minerais. Concreto: Ciência e Tecnologia / ed. G.C. Isaia, 1ª ed., São Paulo, IBRACON, 2v, 1946p [5] L. N. P. Cordeiro. Análise da Variação do Índice de Amorfismo da Cinza de Casca de Arroz sobre a Atividade Pozolânica. Porto Alegre. Mestrado em Engenharia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul [6] M. T. F. Pouey. Beneficiamento da cinza de casca de arroz residual com vistas à produção de cimento composto e/ou pozolânico. Porto Alegre. Doutorado em Engenharia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul [7] Associação Brasileira de Normas Técnicas, ABNT NBR NM 18:2012 Cimento Portland - Análise química - Determinação de perda ao fogo. [8] Associação Brasileira de Normas Técnicas, ABNT NBR 5752:2012 Materiais pozolânicos - Determinação de atividade pozolânica com cimento Portland - Índice de atividade pozolânica com cimento - Método de ensaio. [9] Associação Brasileira de Normas Técnicas, ABNT 12653/1992 Materiais pozolânicos - Requisitos. [10] V. Agopyan. Materias reforçados com fibras para a construção civil nos países em desenvolvimento: uso de fibras vegetais. Tese de Livre-docência. Escola Politécnica. Departamento de Engenharia Civil, Universidade de São Paulo, [11] S. M. S. Alves. Desenvolvimento de compósitos resistentes através da substituição parcial do cimento por resíduo da indústria cerâmica. Universidade Federal da Paraíba. Dissertação de Mestrado. João Pessoa, [12] V.M. Malhotra e P.K. Mehta, Pozzolanic and cementitious materials. Advances in Concrete Technology, v. 1, Gordon and Breach Publishers, [13] D.C.C. Dal Molin. Adições Minerais para Concreto Estrutural. Concreto: Ensino, Pesquisa e Realizações. ed.g.c.isaia São Paulo: IBRACON, 2005, 2v., 1600 p. [14] Associação Brasileira de Normas Técnicas, ABNT NBR 7211:2009 Agregados para concreto Especificação. 12

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS)

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) Janaina de Melo Franco 1, Célia Regina Granhen Tavares 2,

Leia mais

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Sidiclei Formagini 1, Matheus Piazzalunga Neivock 1, Paulo Eduardo Teodoro 2, Mario Henrique Quim Ferreira 2, Willian de Araujo Rosa 1, Cristian

Leia mais

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS.

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. Alexsandro Luiz Julio (1) Biólogo pela Universidade Comunitária

Leia mais

Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA)

Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA) Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA) GOMES, C.E.M. 1, a e MARTON, L.F.M. 2,b 1 UNICAMP Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Departamento

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo Esta pesquisa tem como proposta

Leia mais

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho.

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. 3. METODOLOGIA O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. DEFINIÇÃO E OBTENÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS CARACTERIZAÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS

Leia mais

Novo Paradigma no uso do Concreto Usinado visando cumprimento de prazos, redução de desperdícios e gastos desnecessários na construção civil

Novo Paradigma no uso do Concreto Usinado visando cumprimento de prazos, redução de desperdícios e gastos desnecessários na construção civil CONCRETO REDIMIX DO BRASIL S/A UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL SINDUSCON PREMIUM 2012 Inovação Tecnológica Novo Paradigma no uso do Concreto Usinado visando cumprimento de prazos, redução de

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA KREUZ, Anderson Luiz (1); CHERIAF, Malik (2); ROCHA, Janaíde Cavalcante (3) (1) Engº. Civil, Mestrando do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Anais do XX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Caio Henrique Tinós Provasi

Leia mais

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Rodrigo Cézar Kanning rckanning@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

III-057 CONCRETO COM CINZA DE CASCA DE ARROZ CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

III-057 CONCRETO COM CINZA DE CASCA DE ARROZ CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL III-57 CONCRETO COM CINZA DE CASCA DE ARROZ CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Antônio Luiz Guerra Gastaldini (1) Arquiteto pela Escola de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia. Doutor

Leia mais

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA AUTORES : Engº Roberto J. Falcão Bauer (Diretor técnico) Engº Rubens Curti (Gerente técnico) Engº Álvaro Martins

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Definição de concreto hidráulico e de argamassa. Componentes; indicação das proporções

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30 ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30 Samara Correa Gomes Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Dario de Araújo Dafico Resumo: Um modelo para explicar a resistência à compressão do concreto de alto desempenho foi

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Adailton de O. Gomes; (2) Cleber M. R. Dias; (3) Alexandre T. Machado; (4) Roberto J. C. Cardoso;

Leia mais

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM SUBSTITUIÇÃO À AREIA (PARTE 1) SELF-COMPACTING CONCRETE: EVALUATION OF INDUSTRIAL WASTES REPLACING THE SAND (PART 1) Silva, Cláudia

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

Leia mais

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES Prof Dr.Jorge Creso Cutrim Demetrio OBJETIVOS 1. Analisar a viabilidade

Leia mais

ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA

ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA VIEIRA, Fernanda P. (1); KULAKOWSKI, Marlova P.(2) DAL MOLIN, Denise (3); VILELA, Antônio C. F. (4) (1) Eng. Civil, Doutoranda

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Propriedades do Concreto Referência desta aula Agosto - 2008 1 Propriedades

Leia mais

ESTUDO DO CONCRETO UTILIZANDO AGREGADO MIÚDO RECICLADO: Avaliação da Resistência Mecânica

ESTUDO DO CONCRETO UTILIZANDO AGREGADO MIÚDO RECICLADO: Avaliação da Resistência Mecânica ESTUDO DO CONCRETO UTILIZANDO AGREGADO MIÚDO RECICLADO: Avaliação da Resistência Mecânica Danielle OLIVEIRA(1); Munique LIMA (2); Gibson MEIRA(3) ; Raphaele LIRA (4) Marcos PADILHA(5) (1) Centro Federal

Leia mais

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira ADITIVOS 1. OBJETIVO Reforçar ou introduzir certas características 2. UTILIZAÇÃO Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira 3. FUNÇÕES BÁSICAS DOS ADITIVOS CONCRETO

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN Daniele Kochem (PIBIC/Fundação Araucária-UNIOESTE), Jeferson Marinho Camboin, Lennon Biancato Runke, Maxer Antonio da Rosa, Giovanna

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes II Materiais de Construção CONCRETO Definição:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU VIVIANE DA COSTA CORREIA 1, JOSÉ DAFICO ALVES 2, CÍRIO JOSÉ COSTA 3 1 Bolsista PBIC/UEG, acadêmico do curso de Engenharia Agrícola da UnUCET - UEG

Leia mais

III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL Keilla Boehler Ferreira (1) Engenheira Agrícola pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Especialista

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO

ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO Ana Maria Gonçalves Duarte Mendonça 1, Milton Bezerra das Chagas Filho 2, Taíssa Guedes 3, Yane Coutinho Lira 4, Daniel Beserra

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade

Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade Eduardo Mesquita Cortelassi

Leia mais

Influência da adição de microfibras de polipropileno no fenômeno da retração por secagem em concretos empregados em pisos

Influência da adição de microfibras de polipropileno no fenômeno da retração por secagem em concretos empregados em pisos PATOLOGÍAS DE LAS CONSTRUCCIONES Influência da adição de microfibras de polipropileno no fenômeno da retração por secagem em concretos empregados em pisos Senisse, Juliana A. de Lima 1,a, Dal Molin, Denise

Leia mais

5 Resultados e Discussões

5 Resultados e Discussões 5 Resultados e Discussões O mercado para reciclagem existe e encontra-se em crescimento, principalmente pelo apelo exercido pela sociedade por produtos e atitudes que não causem agressão ao meio ambiente,

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP Paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II Dosagem de concreto Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Histórico - Egípcios e os etruscos empregava argamassa na construção

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

4. RESULTADOS & DISCUSSÃO

4. RESULTADOS & DISCUSSÃO 6 4. RESULTADOS & DISCUSSÃO 4. Estudo do comportamento da decomposição total para o precursor na fase (Bi, Pb)- Obs. As amostras desta seção foram as resultantes de tratamento feito por DTA/TGA, e foram

Leia mais

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Célula à combustível é um material eletroquimico em

Leia mais

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS Tatiana Pereira Jucá (1), Fernando Alves Teixeira (1),Cláudio Henrique de Almeida Feitosa Pereira (1), Keila Regina Bento de Oliveira

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Prof.: Mayara Moraes CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA TIPO CP XXX RR Cimento Portland Composição Classe - Resistência aos 28 dias(mpa) SIGLA Ex.:

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Texto base para o Mini-curso da Comunidade da Construção da Cidade do Recife TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Apresentação Os textos apresentados como base para o este mini-curso são artigos publicados

Leia mais

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO Engº Rubens Curti DOSAGEM DEFINIÇÃO DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados, adições e aditivos 2 DOSAGEM

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO Evaluation of the effect of recycled aggregate concrete in mechanical properties of composite cimentitius

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Idade do concreto. Verificação da resistência. Módulo de

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Apoio às aulas práticas Joana de Sousa Coutinho FEUP 2002 MC2 0 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Calda de cimento Argamassa Betão Cimento+água (+adjuvantes) Areia+ Cimento+água (+adjuvantes)

Leia mais

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO Costenaro, F. L. (1); Isa M. M. (2) (1) Graduanda de Eng. Civil. Faculdade de Engenharia de Bauru

Leia mais

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Agregados para concreto Os agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto

Leia mais

MÉTODOS EXPERIMENTAIS DE DOSAGEM PARA CONCRETO CONVENCIONAL UTILIZANDO AREIA INDUSTRIAL E DEMAIS AGREGADOS DA REGIÃO DE PASSO FUNDO

MÉTODOS EXPERIMENTAIS DE DOSAGEM PARA CONCRETO CONVENCIONAL UTILIZANDO AREIA INDUSTRIAL E DEMAIS AGREGADOS DA REGIÃO DE PASSO FUNDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. MÉTODOS EXPERIMENTAIS DE DOSAGEM PARA

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO Jéssica Spricigo da Rocha Bonifácio (1), Daiane dos Santos da Silva Godinho (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

ESTUDO DOS COMPONENTES DA MISTURA PARA CONCRETO COMPACTADO COM ROLO (CCR) DE BARRAGEM, COM VISTAS A MELHORAR O SEU DESEMPENHO.

ESTUDO DOS COMPONENTES DA MISTURA PARA CONCRETO COMPACTADO COM ROLO (CCR) DE BARRAGEM, COM VISTAS A MELHORAR O SEU DESEMPENHO. COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 03 A 07 DE JUNHO DE 2007 T0 A24 ESTUDO DOS COMPONENTES DA MISTURA PARA CONCRETO COMPACTADO COM ROLO (CCR) DE BARRAGEM,

Leia mais

MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT

MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil MÉTODO DE DOSAGEM EPUSP/IPT Bibliografia de Referência Manual de Dosagem

Leia mais

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO (CAUSAS QUÍMICAS ATAQUE ÁLCALI/AGREGADO) Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 REAÇÕES ENVOLVENDO A FORMAÇÃO DE PRODUTOS EXPANSIVOS Ataque por sulfatos Ataque

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica SUBSTITUIÇÃO DE PARTE DO CIMENTO POR FINOS INERTES DE PEDREIRA EM CONCRETOS COM BAIXO FATOR A/C Tiago Lopes Garcia 1,4 ;Vitor Cunha Naves 1,4 ; José Dafico Alves 2,4 ; Bruno de Carvalho Barros 3,4 ; Cristiano

Leia mais

RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DE AREIA ASFALTO USINADA A QUENTE (AAUQ) COM ADIÇÃO DE FIBRAS METÁLICAS

RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DE AREIA ASFALTO USINADA A QUENTE (AAUQ) COM ADIÇÃO DE FIBRAS METÁLICAS RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DE AREIA ASFALTO USINADA A QUENTE (AAUQ) COM ADIÇÃO DE FIBRAS METÁLICAS PRISCILA FIOCHI BENTO Mestre Universidade de Brasília - UNB Brasília - Brasil JOSÉ CAMAPUM DE CARVALHO PhD Universidade

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Período: 2º semestre de 2014 Docente: Priscila Borges Alves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Prontuário: 20.006-2 Regime de trabalho: [ X ] RDE [ ] 40h [ ] 20h Área: [ ]

Leia mais

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial.

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial. INFLUÊNCIA DO MATERIAL DE CAPEAMENTO NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DOS CORPOS-DE-PROVA DE CONCRETO E ARGAMASSAS: COMPARAÇÃO ENTRE ENXOFRE, PASTA DE CIMENTO E PASTA DE GESSO Rodrigo Boesing (1); Rogério A.

Leia mais

ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO

ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO E. Bacarji 1 E. W. Ramirez Perez¹ L. Hamer¹ M. A. Lima¹ M. V. Martins 2 T. F. Campos

Leia mais

Concretos de retração controlada e de pós reativos: características, aplicações e desafios.

Concretos de retração controlada e de pós reativos: características, aplicações e desafios. e de pós reativos: características, aplicações e desafios. Wellington L. Repette, Prof. Dr., Eng. Civil (Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC) Retração! Fissuras 1 Estruturas novas Reparo H2O

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Materiais constituintes do Concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Adições Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: Egydio Herve Neto Dario Dafico Silvia Selmo Rubens Curti, 3/42 Adições Adições minerais são

Leia mais

(PPGEMA), pela Escola de Engenharia Civil (EEC); joaoluizmplopes@yahoo.com.br.

(PPGEMA), pela Escola de Engenharia Civil (EEC); joaoluizmplopes@yahoo.com.br. ESTUDO DO POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE BENEFICIAMENTO DE MÁRMORE E GRANITO (RBMG), COMO FÍLER, NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS. LOPES, João Luiz Macedo Prudêncio¹; BACARJI, Edgar²; PAZINI FIGUEIREDO,

Leia mais

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM 1 Importância A dosagem do concreto: É o processo de obtenção da combinação correta de cimento, agregados, águas, adições e aditivos Os efeitos da dosagem

Leia mais

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha A. C. A Romualdo a, D. E. dos Santos a, L. M. de Castro a, W. P. de Menezes b, A. Pasqualetto c, O. R. dos Santos c

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO TECNOLOGIA DO CONCRETO CR - CONCRETO ROLADO CS - CONCRETO SIMPLES CONCRETO ROLADO CONCEITUAÇÃO Concreto de consistência seca e trabalhabilidade que permita

Leia mais

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM João A. Rossignolo Professor outor, epartamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos USP, e-mail:

Leia mais

Informativo técnico SIO2

Informativo técnico SIO2 Informativo técnico SIO2 INFORMATIVO TÉCNICO Sílica Ativa ASTM C494 Active Silic é um produto decorrente do processo de fabricação do sílico metálico ou do ferro sílico, de onde é gerado o gás SiO, que

Leia mais

Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante

Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante Bianca P. Moreira 1, Geraldo C. Isaia 2, Antônio L. G. Gastaldini 3 1

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RELATÓRIO CONVÊNIO CAMARGO CORRÊA INDUSTRIAL - NORIE/CPGEC/UFRGS 1996/1997 Porto Alegre 1997 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO COMPARAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TIJOLO DE SOLO-CIMENTO INCORPORADO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROVENIENTES DE CATAGUASES - MG E O RESÍDUO DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DAS INDÚSTRIAS PERTENCENTES

Leia mais

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto CASTRO, M. V. a, ANTUNES, M. L. P. a* a. UNESP, Campus Sorocaba, NATEL Núcleo de Automação e Tecnologias

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

E.C.S. Thomaz - Susana L.S.Costa - Claudia A. Rocha MICROSÍLICA

E.C.S. Thomaz - Susana L.S.Costa - Claudia A. Rocha MICROSÍLICA E.C.S. - Susana L.S.Costa - Claudia A. Rocha 1 / MICROSÍLICA Microsilica (SiO 2 ) é um sub-produto da fabricação do silício metálico e das ligas de ferrosilício em fornos elétricos a temperaturas de 2000

Leia mais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO Atualmente, no Brasil, são produzidos cerca de 20 milhões de m3 de concreto/ano em Centrais de Concreto, denominadas Empresas de Serviços de Concretagem. Uma economia de

Leia mais

APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DE RECURSOS NATURAIS E DE MATERIAIS RECICLÁVEIS NA INOVAÇÃO QUÍMICA DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS

APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DE RECURSOS NATURAIS E DE MATERIAIS RECICLÁVEIS NA INOVAÇÃO QUÍMICA DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DE RECURSOS NATURAIS E DE MATERIAIS RECICLÁVEIS NA INOVAÇÃO QUÍMICA DE COMPÓSITOS POLIMÉRICOS Rebecca Manesco Paixão 1 ; Natália Cavalini Paganini 2 ;José Eduardo Gonçalves 3

Leia mais

6 Constituição dos compósitos em estágio avançado da hidratação

6 Constituição dos compósitos em estágio avançado da hidratação 6 Constituição dos compósitos em estágio avançado da hidratação Este capítulo analisa a constituição dos compósitos com CCA com base nos resultados de análise termogravimétrica e microscopia. As amostras

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS

PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS XV INIC / X EPG - UNIVAP 2011 Emerson Carlos Miranda Cavalcanti1, Rogério Penna Forte

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A CONCRETO Profa. Lia Lorena Pimentel CONCRETO 1. DEFINIÇÃO Aglomerado resultante da mistura de cimento, água, agregados

Leia mais

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Influência do índice de forma do agregado graúdo na resistência a compressão do concreto Resumo Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Josué A. Arndt(1); Joelcio de

Leia mais

3 Programa Experimental

3 Programa Experimental 3 Programa Experimental 3.1.Planejamento dos experimentos Com o objetivo de quantificar a diferença entre as resistências à compressão de corpos-de-prova moldados e de testemunhos extraídos, e de verificar

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS DE AÇO E CONCRETOS ESPECIAIS. Mariana Passos de Pádua 1 ; Cassia Silveira Assis 2

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS DE AÇO E CONCRETOS ESPECIAIS. Mariana Passos de Pádua 1 ; Cassia Silveira Assis 2 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS DE AÇO E CONCRETOS ESPECIAIS Mariana Passos de Pádua 1 ; Cassia Silveira Assis 2 1 Aluna de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT); 2 Professora

Leia mais

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS 148 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 CONCLUSÕES A partir dos resultados apresentados e analisados anteriormente, foi possível chegar às conclusões abordadas neste item. A adição tanto de cinza volante, como

Leia mais

ENSAIO DE FRATURA EM CONCRETO: PARTE 2

ENSAIO DE FRATURA EM CONCRETO: PARTE 2 JORNADAS SAM/ CONAMET/ SIMPOSIO MATERIA 2003 07-03B ENSAIO DE FRATURA EM CONCRETO: PARTE 2 Effting 1, C.; Bressan 2, J.D. 1 Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC),Caixa Postal 631, Joinville,

Leia mais

ESTUDO DA RETRAÇÃO AUTÓGENA EM PASTA DE CIMENTO PORTLAND COM ADIÇÃO DE RESÍDUO DO POLIMENTO DO PORCELANATO

ESTUDO DA RETRAÇÃO AUTÓGENA EM PASTA DE CIMENTO PORTLAND COM ADIÇÃO DE RESÍDUO DO POLIMENTO DO PORCELANATO ESTUDO DA RETRAÇÃO AUTÓGENA EM PASTA DE CIMENTO PORTLAND COM ADIÇÃO DE RESÍDUO DO POLIMENTO DO RESUMO PORCELANATO Flávia Cauduro (1); Fernando Pelisser (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

Ficha Técnica de Produto

Ficha Técnica de Produto Ficha Técnica de Produto GLENIUM 3400 NV Aditivo hiperplastificante. GLENIUM 3400 NV é um aditivo com alto índice de redução de água, pronto para o uso. O GLENIUM 3400 NV é uma nova geração de aditivos

Leia mais