ESTUDO DO REAPROVEITAMENTO DE ISOLADORES ELÉTRICOS DE PORCELANA COMO AGREGADOS EM ARGAMASSAS E CONCRETOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DO REAPROVEITAMENTO DE ISOLADORES ELÉTRICOS DE PORCELANA COMO AGREGADOS EM ARGAMASSAS E CONCRETOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO ESTUDO DO REAPROVEITAMENTO DE ISOLADORES ELÉTRICOS DE PORCELANA COMO AGREGADOS EM ARGAMASSAS E CONCRETOS MARCO ANTONIO CAMPOS Campinas 2009 i

2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO MARCO ANTONIO CAMPOS ESTUDO DO REAPROVEITAMENTO DE ISOLADORES ELÉTRICOS DE PORCELANA COMO AGREGADOS EM ARGAMASSAS E CONCRETOS Dissertação apresentada à Comissão de Pós-graduação da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual de Campinas, como parte dos requisitos para obtenção do título de Mestre em Engenharia Civil, na área de concentração de Arquitetura e Construção. Orientador: Ana Elisabete Paganelli Guimarães de Ávila Jacintho Co-Orientador: Gladis Camarini Campinas 2009 i

3 FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA PELA BIBLIOTECA DA ÁREA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA - BAE - UNICAMP C157e Campos, Marco Antonio Estudo do reaproveitamento de isoladores elétricos de porcelana como agregados em argamassas e concretos / Marco Antonio Campos. --Campinas, SP: [s.n.], Orientadores: Ana Elisabete Paganelli Guimarães de Ávila Jacintho, Gladis Camarini. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo. 1. Residuos industriais. 2. Agregados (Materiais de construção). 3. Concreto. 4. Argamassa. I. Jacintho, Ana Elisabete Paganelli Guimarães de Ávila. II. Camarini, Gladis. III. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo. IV. Título. Título em Inglês: Reutilization study of porcelain electric insulator as aggregates in mortars and concretes Palavras-chave em Inglês: Factory waste, Aggregates (Building materials), Concrete, Mortar Área de concentração: Arquitetura e Construção Titulação: Mestre em Engenharia Civil Banca examinadora: Vladimir Antonio Paulon, André Luiz Bortolacci Geyer Data da defesa: 29/04/2009 Programa de Pós Graduação: Engenharia Civil ii

4 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO MARCO ANTONIO CAMPOS ESTUDO DO REAPROVEITAMENTO DE ISOLADORES ELÉTRICOS DE PORCELANA COMO AGREGADOS EM ARGAMASSAS E CONCRETOS Dissertação apresentada à Comissão de Pós-graduação da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual de Campinas, como parte dos requisitos para obtenção do título de Mestre em Engenharia Civil, na área de concentração de Arquitetura e Construção. Campinas, 29 de Abril de iii

5 Dedicatória Aos meus pais, Antenor e Vanda, e ao meu irmão Carlos, dedico este trabalho. iv

6 Agradecimentos A Deus e aos meus santos de devoção, por terem me dado saúde e ensinamentos para persistir em meus objetivos mesmo na presença de adversidades; por terem orientado o meu caminho durante as decisões tomadas e, proporcionarem excelentes oportunidades durante toda a vida. Aos meus pais e irmão, a quem sempre deverei todo o esforço e sacrifício, que por diversas vezes tiveram de empenhar, para que hoje eu possa estar atingindo mais este objetivo. A minha orientadora, profa. Ana Elisabete, pelo apoio indispensável que ao longo desses anos de trabalho mostrou-se além de profissional extremamente competente, grande amiga, companheira e incentivadora, que mesmo com os obstáculos dos caminhos conseguimos manter o foco e a direção do trabalho. Agradecimento especial ao prof. Vladimir A. Paulon por mostrar o caminho a ser seguido na minha pesquisa colaborando em toda a parte experimental. A profa. Rosa Cristina C. Lintz, CEATEC, PUC-Campinas, pelos socorros de última hora e preciosas dicas para perfeita realização dos ensaios. Aos professores: Gladis Camarini, Vladimir Antonio Paulon, Flavio Picchi, Stelamaris Rolla Bertoli, Regina Coeli Ruschel, Mauro Augusto Demarzo, Newton de O. Pinto Jr. pela cooperação e incentivo para execução deste trabalho. Agradecimento muito especial aos técnicos do Laboratório de Estruturas e Materiais Unicamp: Ademir, o chefe, sempre encaixando meus ensaios, Marçal, excelência e precisão nos ensaios, Luciano, confiabilidade nos módulos, Marcelo, auxiliando quando tudo parecia perdido, v

7 Fábio, sempre alerta para me socorrer, Rodolfo, o administrador das crises. Ao Carlão, Lab. Hidráulica, colocando todo mundo para me ajudar. Agradecimento aos técnicos do Laboratório de Solos da Unicamp e do Laboratório de Materiais de Construção Civil do CESET-Limeira, pelo suporte nos equipamentos e dicas valiosas nos ensaios de caracterização dos agregados. Agradeço também os técnicos do Laboratório de Materiais de Construção da PUC- Campinas: Fabiano, Igor, Valquíria e João, pela colaboração na dosagem experimental e nos suporte nos moldes metálicos e materiais. A todos da Secretaria de Pós-graduação da Unicamp por sempre se prontificarem a me atender nas dúvidas e nos prazos. A todos da Biblioteca da Área de Engenharia da Unicamp, pelo apoio na revisão bibliográfica, através das citações, empréstimos de livros e boa vontade sempre a me atender. A todos os demais funcionários da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo pela amizade ao longo dos anos. Ao Sr. Saul pelo auxílio na logística do material. Agradecimento em especial ao Sr. Humberto Barbato Neto, da Cerâmica Santa Terezinha (CST), da cidade de Pedreira-SP, por ter acreditado neste trabalho e pela doação do material. Agradeço também ao Sr. Gilberto (CST) pela colaboração na doação do material e ao Eng. Marcos (CST), pela visita técnica e esclarecimentos das dúvidas. A Holcim, em especial o Sr. Mezalira, pela doação do cimento utilizado na pesquisa. Aos Srs. Iuca, Donatti e Valdecir, da Iuca Comércio de Materiais Elétricos, da cidade de Mogi Mirim-SP, pela doação dos isoladores de porcelana inservíveis, agregados graúdos. Ao Sr. Francisco J. Bernardes da Resdil Refratários São Dimas, da cidade de Pedreira- SP, pela moagem destes isoladores inservíveis. Aos colegas de Pós-graduação, pela amizade. A todos que de alguma forma colaboraram para a perfeita realização deste trabalho e eu tenha cometido o lapso de aqui não ter citado. vi

8 vii O conhecimento gera a produtividade e quando aprofundado cientificamente se reverte em benefícios para o homem e ao meio ambiente.

9 Resumo CAMPOS, MARCO ANTONIO. Estudo do reaproveitamento de isoladores elétricos de porcelana como agregados em argamassas e concretos. Campinas: Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, Universidade Estadual de Campinas, p. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, UNICAMP, Todo material de construção após certo tempo de uso apresenta um desgaste que compromete a sua eficiência, fazendo com que a substituição e o descarte sejam imprescindíveis. Os isoladores elétricos de porcelana, após um dado período de uso, perdem suas funções isoladoras, tendo necessidade de serem substituídos, e o seu descarte mensal pelas concessionárias do setor elétrico brasileiro atinge dezenas de toneladas. Em muitos casos o depósito destes isoladores é executado de forma desordenada havendo o comprometimento das áreas de preservação ambientais e de mananciais. Durante o processo de fabricação desses isoladores elétricos também são gerados resíduos, chegando até a 10% do total produzido, cujo descarte é feito no lixo pelas indústrias cerâmicas. Estes dois tipos de rejeitos causam na natureza um passivo de material que leva muitos anos para sua decomposição. Assim, a caracterização deste material cerâmico e o desenvolvimento de um estudo que viabilize seu emprego em substituição aos agregados comumente usados em argamassas e concretos, é uma alternativa para a racionalização do descarte desse material e preservação da natureza. Para o uso de resíduos dos isoladores de porcelana na construção civil é necessário sua moagem em granulometrias similares aos agregados graúdos e miúdos comuns. Este trabalho estudou dosagens de concreto e argamassa com substituições paulatinas de isoladores moídos, comparando algumas de suas propriedades com traços de referência feitos com agregados comuns. Para cada traço foram estudadas as propriedades mecânicas, a trabalhabilidade, a cura e a durabilidade. Pelo fato dos isoladores de porcelana terem características similares aos agregados comuns após a moagem, sua utilização em argamassas e concretos, para os traços moldados e tipos de cura realizados, substituindo parcialmente o agregado, foi bastante satisfatória, principalmente quando o agregado substituído foi o agregado miúdo. Palavras Chave: resíduo de porcelana, materiais alternativos, reciclagem, concreto, isolador elétrico. viii

10 Abstract CAMPOS, MARCO ANTONIO. Reutilization study of porcelain electric insulator as aggregates in mortars and concretes. Campinas: Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, Universidade Estadual de Campinas, p. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, UNICAMP, Every construction material after sometime of using presents wastages which compromises its efficiency and turns indispensable its substitution or disposal. Porcelain electrical insulators, after a certain time of use, lose their insulator functions and are needed to be substituted and its monthly disposal in the brazilian electric sector comes to more than ten tons. In many cases the deposit of these insulators is done in a messy way compromising the environment and springs. During the manufacturing process of these electric insulators, wastes are generated coming up to 10% of the total production and the disposal is done by the pottery industries in the garbage. These two types of rejection cause in nature a passive material which takes many years for its decomposition. Therefore the characterization of this pottery material and the development of a study substituting the aggregate materials used in mortars and concretes, is an alternative of the rationalization of the discard of this material and preservation of the environment. For the use of waste of the porcelain insulators in the civil construction, it is needed to grind them in grinders, similar to great and tiny common aggregates. This work studied concrete and mortar portions with gradual substitutions of ground insulators, comparing some of its properties with reference features done with common aggregates. For each feature were studied the mechanical properties, the working, the cure and the durability. Because of the porcelain insulators have similar characteristics to the common aggregates after the grind, their use in mortar and concretes for the feature patterns and types of cure performed, substituting partially the aggregates, it was quite satisfactory mainly when the substituted aggregate was the small aggregate. Keywords: porcelain waste, alternative materials, recycling, concrete, electric insulator. ix

11 LISTA DE FIGURAS Página Figura 1.1 Isoladores de porcelana descartados na zona rural... 6 Figura 1.2 Isoladores de porcelana jogados em terrenos baldios após a retirada da ferragem de seu interior... 7 Figura 1.3 Isoladores de porcelana descartados no leito do rio... 8 Figura 2.1 Isoladores de apoio para subestações (a) e redes de distribuição (b) Figura 2.2 Isoladores de suspensão Figura 2.3 Triângulo de composição da porcelana Figura 2.4 Cilindro rotativo horizontal (a) e massa já prensada (b) Figura 2.5 Massa de porcelana de isoladores tipo suporte e torneação Figura 2.6 Processo de fabricação de isoladores de disco Figura 4.1 Areia comum (a) e porcelana miúda (b) Figura 4.2 Distribuição granulométrica agregados miúdos Figura 4.3 Brita 0 (a) e brita 1(b) Figura 4.4 Porcelana graúda utilizada (a) e sua forma lamelar (b) Figura 4.5 Distribuição granulométrica agregados graúdos Figura 5.1 Abatimento traço referência (a) e traço AG 75 (b) Figura 5.2 Penetrômetro (a) e penetração (b) Figura 5.3 Início e fim de pega Figura 6.1 Resistência à penetração (NBR NM 9:2003) Figura 6.2 Resistência à compressão simples Agregado miúdo cura úmida Figura 6.3 Evolução resistência à compressão simples Agregado miúdo Cura úmida Figura 6.4 Tipos de ruptura: cônica (a) e cônica e cisalhada (b) Figura 6.5 Resistência à compressão simples Agregado miúdo cura ar livre Figura 6.6 Evolução resistência à compressão simples Agregado miúdo Cura ar livre Figura 6.7 Corpos-de-prova fissurados (a) e após a ruptura (b) Figura 6.8 Resistência à compressão diametral Agregado miúdo Figura 6.9 Corpos-de-prova de cura ao ar livre (a) e cura úmida (b) Figura 6.10 Esquema do equipamento para ensaio de tração na flexão Figura 6.11 Resistência à tração na flexão Agregado miúdo Figura 6.12 Corpos-de-prova de cura ao ar livre (a) e cura úmida (b) Figura 6.13 Módulo de elasticidade Agregado miúdo cura úmida Figura 6.14 Evolução módulo de elasticidade Agregado miúdo cura úmida Figura 6.15 Comparação módulo de elasticidade Agregado miúdo cura úmida Figura 6.16 Módulo de elasticidade Agregado miúdo cura ao ar livre x

12 Figura 6.17 Evolução módulo de elasticidade Agregado miúdo cura ao ar livre Figura 6.18 Ruptura ar livre (a) e úmida (b) após ensaios de deformação Figura 6.19 Comparação módulo de elasticidade Agregado miúdo cura ao ar livre Figura 6.20 Comparação resistência/módulo Agregado miúdo 7 dias Figura 6.21 Comparação resistência/módulo Agregado miúdo 28 dias Figura 6.22 Corpos-de-prova rompidos para medição da ascensão capilar Figura 6.23 Total de água absorvida por capilaridade Agregado miúdo Figura 6.24 Capilaridade Agregado miúdo Figura 6.25 Altura capilar Agregado miúdo Figura 6.26 Corpos-de-prova de cura ao ar livre (a) e de cura úmida (b) Figura 6.27 Resistência à compressão simples Agregado graúdo cura úmida Figura 6.28 Evolução resistência à compressão simples Agregado graúdo cura úmida Figura 6.29 Tipos de ruptura: cônica (a) e esfarelamento (b) Figura 6.30 Desprendimento da porcelana (a) e da face vidrada (b) Figura 6.31 Resistência à compressão simples Agregado graúdo cura ar livre Figura 6.32 Evolução resistência à compressão simples Agregado graúdo cura ao ar livre Figura 6.33 Corpos-de-prova rompidos (a) e detalhe da ruptura cisalhada (b) Figura 6.34 Resistência à compressão diametral Agregado graúdo Figura 6.35 Corpos-de-prova de cura ao ar livre (a) e cura úmida (b) Figura 6.36 Resistência à tração na flexão Agregado graúdo Figura 6.37 Corpos-de-prova rompidos (a) e detalhe contorno da porcelana (b) Figura 6.38 Módulo de elasticidade Agregado graúdo cura úmida Figura 6.39 Evolução módulo de elasticidade Agregado graúdo cura úmida Figura 6.40 Comparação módulo de elasticidade Agregado graúdo cura úmida Figura 6.41 Módulo de elasticidade Agregado graúdo cura ao ar livre Figura 6.42 Evolução módulo de elasticidade Agregado graúdo cura ao ar livre Figura 6.43 Ruptura cisalhada cura ao ar livre (a) e cônica cura úmida (b) Figura 6.44 Comparação módulo de elasticidade Agregado graúdo cura ao ar Figura 6.45 Comparação resistência/módulo Agregado graúdo 7 dias Figura 6.46 Comparação resistência/módulo Agregado graúdo 28 dias Figura 6.47 Total de água absorvida por capilaridade Agregado graúdo Figura 6.48 Corpos-de-prova após ensaio de capilaridade, traço AG 50 U (a) e AG 100 U (b) Figura 6.49 Capilaridade Agregado graúdo Figura 6.50 Altura capilar Agregado graúdo Figura 6.51 Corpos-de-prova de cura ao ar livre (a) e de cura úmida (b) Figura 6.52 Resistência à compressão simples Argamassa do concreto Figura 6.53 Evolução resistência à compressão simples Argamassa do concreto Figura 6.54 Ruptura do tipo cônica e cisalhada nas argamassas Figura 6.55 Total de água absorvida por capilaridade Argamassa do concreto Figura 6.56 Capilaridade Argamassa do concreto Figura 6.57 Altura capilar Argamassa do concreto xi

13 LISTA DE TABELAS Página Tabela 2.1 Dados setoriais Isoladores de porcelana Tabela 3.1 Características dos agregados Tabela 3.2 Propriedades mecânicas do concreto fresco e endurecido Tabela 4.1 Ensaios físicos cimento CP V ARI Tabela 4.2 Ensaios químicos cimento CP V ARI Tabela 4.3 Distribuição granulométrica agregados miúdos Tabela 4.4 Ensaios físicos agregados miúdos Tabela 4.5 Distribuição granulométrica agregados graúdos Tabela 4.6 Ensaios físicos agregados graúdos Tabela 4.7 Quantidades de materiais (kg) para o traço 1: 2: 1,5: 1,5: 0, Tabela 4.8 Quantidades de materiais para cada dosagem 0,090 m³ de concreto Tabela 4.9 Quantidades materiais (kg) Substituição agregado miúdo Tabela 4.10 Quantidades materiais (kg) Substituição agregado graúdo Tabela 5.1 Valores ensaio de abatimento Tabela 5.2 Tempo decorrido de início e fim de pega Tabela 5.3 Resultados ensaios substituição agregado miúdo (areia) cura úmida Tabela 5.4 Comparação resultados traços agregado miúdo/referência cura úmida Tabela 5.5 Resultados ensaios substituição agregado miúdo (areia) cura ar livre Tabela 5.6 Comparação resultados traços agregado miúdo/referência cura ao ar livre Tabela 5.7 Resultados ensaios substituição agregado graúdo (brita 1) cura úmida Tabela 5.8 Comparação resultados traços agregado graúdo/referência cura úmida Tabela 5.9 Resultados ensaios substituição agregado graúdo (brita 1) cura ar livre Tabela 5.10 Comparação resultados traços agregado graúdo/referência cura ao ar livre Tabela 5.11 Resultados ensaios argamassa do concreto Tabela 5.12 Comparação resultados argamassa do concreto/referência Tabela 6.1 Absorção por capilaridade Agregado miúdo Tabela 6.2 Absorção por capilaridade Agregado graúdo Tabela 6.3 Absorção por capilaridade Argamassa do concreto Tabela 7.1 Custo mensal moagem isolador de porcelana Tabela 7.2 Valores agregados comuns e isoladores de porcelana moídos xii

14 SUMÁRIO CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO A QUESTÃO DO LIXO DA CONSTRUÇÃO CIVIL GESTÃO DE RESÍDUOS OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico CAPÍTULO 2: AGREGADOS CERÂMICOS O SETOR CERAMISTA PROPRIEDADES DAS CERÂMICAS Histórico da Cerâmica Matérias-Primas Argila Caulim Feldspato Quartzo Propriedades das Cerâmicas Vermelhas Propriedades das Cerâmicas Brancas ISOLADORES ELÉTRICOS DE PORCELANA Definições Composição Química Processo de Fabricação Classificação quanto à reciclagem e reutilização dos isoladores de porcelana CAPÍTULO 3: CONCRETO E ARGAMASSAS COM MATERIAIS ALTERNATIVOS MATERIAIS ALTERNATIVOS A RECICLAGEM CONCRETO E ARGAMASSA COM PORCELANA Concreto com Porcelana Argamassa com Porcelana CONCRETO E ARGAMASSA COM CERÂMICA xiii

15 3.4.1 Concreto com Cerâmica Argamassa com Cerâmica CONCRETO E ARGAMASSA COM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) Concreto com RCD Argamassa com RCD ATIVIDADE POZOLÂNICA DAS CERÂMICAS CAPÍTULO 4: METODOLOGIA EXPERIMENTAL CARACTERIZAÇÃO DOS MATERIAIS Cimento Agregados Miúdos Agregados Graúdos METODOLOGIA DOS ENSAIOS COM CONCRETO Determinação do Traço Descrição das Séries de Ensaios Concreto com Isolador de Porcelana Moído Argamassa do Concreto Moldagem dos Corpos-de-prova Concreto com Isolador de Porcelana Moído Argamassa do Concreto ENSAIOS COM CONCRETO Concreto no Estado Fresco Concreto no Estado Endurecido: Ensaios Mecânicos ENSAIOS COM ARGAMASSA DO CONCRETO CAPÍTULO 5: RESULTADOS DOS ENSAIOS CONCRETO NO ESTADO FRESCO Ensaio de Abatimento Ensaio de Início e Fim de Pega CONCRETO NO ESTADO ENDURECIDO Substituição Agregado Miúdo Substituição Agregado Graúdo ARGAMASSA DO CONCRETO CAPÍTULO 6: RESULTADOS DOS ENSAIOS CONCRETO NO ESTADO FRESCO Ensaio de Abatimento Ensaio de Início e Fim de Pega CONCRETO NO ESTADO ENDURECIDO Substituição Agregado Miúdo Resistência à compressão simples Resistência à compressão diametral Resistência à tração na flexão xiv

16 Módulo de elasticidade Ensaios de capilaridade Substituição Agregado Graúdo Resistência à compressão simples Resistência à compressão diametral Resistência à tração na flexão Módulo de elasticidade Ensaios de capilaridade ARGAMASSA DO CONCRETO Resistência à Compressão Simples Ensaios de Capilaridade CAPÍTULO 7: VIABILIDADE ECONÔMICA CAPÍTULO 8: CONCLUSÕES CONCRETO COM PORCELANA Substituição do Agregado Miúdo Substituição do Agregado Graúdo ARGAMASSA DO CONCRETO CONTINUIDADE DA PESQUISA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS xv

17 CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO 1.1 APRESENTAÇÃO O recente crescimento, com pouco mais de cinco décadas, da população residente em zonas urbanas no Brasil provocou uma grande expansão imobiliária em quase todas as regiões nacionais. Este avanço foi nas áreas residencial, industrial e comercial, causando grandes impactos nas indústrias de base da construção civil. Assim, o que mais causa transtornos para a sociedade é a questão referente à quantidade de lixo e resíduos gerados pela população em geral, e também a falta de locais apropriados para seu descarte, comprometendo áreas de preservação ambiental e de mananciais, além de haver poucos programas de reciclagem e reuso destes resíduos. A produção anual brasileira de isoladores elétricos de porcelana é da ordem de toneladas, e só a perda de material fica em torno de 10% do total produzido. Além desta perda, há os isoladores inservíveis, cujo descarte pela concessionária elétrica da região de Campinas gira em torno de 25 toneladas ao mês. Todo este material é descartado no lixo, segundo dados da própria concessionária. Com uma metodologia de reciclagem de isoladores elétricos de porcelana para uso em concretos e argamassas, em substituição aos agregados, poderá haver redução da extração dos agregados comumente empregados nos concretos e argamassas, além de uma destinação mais nobre para os resíduos deste material, diminuindo sobremaneira o volume nos depósitos de lixo. 1

18 1.2 A QUESTÃO DO LIXO DA CONSTRUÇÃO CIVIL Ao se falar em resíduos o primeiro pensamento que vem a cabeça são os descartes da construção, os materiais de demolição, os chamados entulhos das caçambas espalhadas pelo Brasil afora. Mas não são só estes entulhos que são gerados com a especulação urbana brasileira, por exemplo. Para se construir uma usina hidrelétrica de concreto compactado com rolo são efetuadas inicialmente inúmeras pistas de concreto compactado com rolo para a aceitação ou não do traço de concreto a ser usado, que após o uso são descartadas. O aumento das cidades resultou em um maior número de veículos nas ruas levando a uma degradação mais rápida do pavimento asfáltico, pavimento este que ao ser trocado não possui local apropriado para despejo. Um fator que merece destaque na questão do reuso são os materiais descartados pelo controle de qualidade das indústrias, descartes que podem chegar até a 30% do total produzido, englobando todos os materiais de construção como o poste de iluminação de concreto da rua até o vidro das esquadrias, todos os setores possuem uma dada perda. Todo este descarte gerado, seja durante o processo de fabricação, no teste de qualidade do material ou a troca deste por outro mais moderno e de melhor qualidade resulta em entulhos que, em muitas de nossas cidades, são dispostos desordenadamente em áreas de proteção ambiental e de mananciais acarretando danos irreversíveis para a natureza. 2

19 Pode ocorrer a obstrução de canais e nascentes de água; destruição da mata ciliar de rios e córregos; proliferação de animais nocivos a saúde humana, pois estes entulhos formam abrigos ideais para sua reprodução, entre tantos outros danos ao ambiente. Este entulho, gerado na construção civil ou nas indústrias, em inúmeras cidades é levado para aterros sanitários, que além de ser o processo mais antigo é também o que demanda menores gastos financeiros com sua implantação e manutenção. Esses descartes em muitos casos são depositados conjuntamente com o lixo doméstico produzido, podendo gerar vários problemas ambientais. No próprio aterro sanitário os entulhos são empregados para recobrir a camada de lixo, com o propósito de evitar a exalação de odores desagradáveis (FELLENBERG, 1980). A criação do Estatuto das Cidades, Lei Federal nº (BRASIL, 2001), promulgada em 10/07/2001, determinou novas e importantes diretrizes para o desenvolvimento sustentado dos aglomerados urbanos no País. Este estatuto prevê a necessidade de proteção e preservação do meio ambiente natural e construído, com uma justa distribuição dos benefícios e ônus decorrentes da urbanização, exigindo que os municípios adotem políticas setoriais articuladas e sintonizadas com o seu Plano Diretor. Uma dessas políticas setoriais, que pode ser destacada, é a que trata da gestão dos resíduos sólidos. A aprovação da Resolução nº 307, de 05/07/2002, (BRASIL, 2002), pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA, definiu as responsabilidades e deveres, tornando obrigatória em todos os municípios do país e no Distrito Federal a implantação pelo poder público local de Planos Integrados de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil, como forma de eliminar os impactos ambientais decorrentes do descontrole das atividades relacionadas à geração, transporte e destinação desses materiais. A Resolução 307 também determina para os geradores a adoção, sempre que possível, de medidas que minimizem a geração de resíduos e sua reutilização ou reciclagem; ou, quando 3

20 for inviável, que eles sejam reservados de forma segregada para posterior utilização (CAIXA, 2005). Após a publicação da Resolução 307 do CONAMA a sociedade passou a tratar melhor da disposição destes materiais. Entretanto, esta resolução se apega aos resíduos gerados durante a obra de construção, mas que perfeitamente pode ser estendida para os materiais descartados durante o processo fabril. As disposições irregulares, geralmente em grande número, resultam na maioria das vezes de pequenas obras ou reformas realizadas pelas camadas da população urbana mais carente de recursos, por processos de autoconstrução, e que não dispõem de recursos financeiros para a contratação dos agentes coletores formais que atuam no setor. Os principais danos são, segundo SindusCon-SP (2005): - Degradação das áreas de manancial e de proteção permanente; - Proliferação de agentes transmissores de doenças; - Assoreamento de rios e córregos; - Obstrução dos sistemas de drenagem: piscinões, sarjetas, galerias entre outros; - Ocupação de vias e logradouros públicos por resíduos, gerando problemas na circulação de pessoas e veículos, degradando a paisagem urbana; - Existência e acúmulo de resíduos que podem gerar riscos por sua periculosidade, e; - Colocação em risco da estabilidade de encostas e comprometimento da drenagem urbana. Há municípios que com a intenção de diminuir um pouco destes impactos recolhem e transportam por conta própria os resíduos até um aterro municipal. Isto gera uma acomodação dos munícipes, pois estes não irão se conscientizar da importância da reciclagem e da reutilização dos entulhos, visto que são atendidos pela coleta pública municipal. É importante destacar ainda que, com grande freqüência, as disposições descontroladas dos entulhos provocam o lançamento clandestino de outros tipos de resíduos não inertes, de origem doméstica e industrial, acelerando a degradação ambiental e tornando ainda mais 4

21 complexa e cara a possibilidade de sua recuperação futura (CAIXA, 2005; SINDUSCON-SP, 2005). A indústria cerâmica que engloba desde o tijolo cerâmico, passando pelos revestimentos e louças sanitárias atingindo os isoladores elétricos de porcelana, possui um elevado descarte de material durante sua fabricação e transporte, e também por sua substituição durante os períodos de manutenção previstos. Novamente chega-se a questão da disposição desta cerâmica e devido à inexistência de políticas públicas que disciplinam e ordenam os fluxos da destinação dos resíduos nas cidades, ligada ao descompromisso dos geradores tanto no manejo como na destinação dos resíduos, ocasionam danos muitas vezes irreversíveis, como o número significativo de áreas degradadas, na forma de bota-foras clandestinos ou de disposições irregulares. O descarte dos isoladores elétricos de porcelana na natureza é fator preocupante tanto para seus fabricantes como para a sociedade como um todo, pois pode-se observar que sua disposição ocorre em todo e qualquer ambiente. Nota-se que muitas vezes estes isoladores são descartados em meio a entulhos de construção, figuras 1.1 e 1.2, em terrenos baldios e estradas rurais. Entretanto, apesar de ser um material cerâmico, alguns isoladores podem conter em seu interior materiais nocivos ao ambiente. Outro ponto importante é que estes isoladores são muitas vezes quebrados para a retirada da ferragem que há em seu interior, material este de fácil e boa venda, tendo o corpo de cerâmica descartado na natureza até com restos deste ferro. Esta prática é mais comum em empresas compradoras de sucatas elétricas e transformadores usados em geral. 5

22 Figura 1.1 Isoladores de porcelana descartados na zona rural. 6

23 Figura 1.2 Isoladores de porcelana descartados em terrenos baldios após a retirada da ferragem de seu interior. Outro local de descarte para estes isoladores são os rios, pois pressupõem, os responsáveis por esta ação, que ao descartar estas peças no leito do rio, as águas se encarregarão de levá-las a um local distante, passando a responsabilidade para outra localidade, fato este não constado na figura 1.3, pois como estes isoladores são materiais de elevada massa, necessita-se de forte correnteza para sua descida rio abaixo. 7

Resíduos cerâmicos no município de Pedreira [SP]: equacionamento e soluções de reciclagem

Resíduos cerâmicos no município de Pedreira [SP]: equacionamento e soluções de reciclagem Resíduos cerâmicos no município de Pedreira [SP]: equacionamento e soluções de reciclagem Marco Antonio Campos Professor da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Engenheiro Civil, Mestre e Doutor

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 NOME: AVALIAÇÃO DO USO DE AGREGADO MIÚDO OBTIDO ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE ENTULHOS EM CONCRETO DE CIMENTO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Anais do XX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Caio Henrique Tinós Provasi

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Adailton de O. Gomes; (2) Cleber M. R. Dias; (3) Alexandre T. Machado; (4) Roberto J. C. Cardoso;

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo Esta pesquisa tem como proposta

Leia mais

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO Ronaldo Alves de Medeiros Junior Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco (POLI/UPE), Recife, Brasil,

Leia mais

REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS

REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS Evanisa F. R. Q. Melo (1); Rubens M. Astolfi (2); Leunir Freitas (3); Ricardo Henryque Reginato Quevedo

Leia mais

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto CASTRO, M. V. a, ANTUNES, M. L. P. a* a. UNESP, Campus Sorocaba, NATEL Núcleo de Automação e Tecnologias

Leia mais

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Materiais constituintes do Concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Agregados Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: ELETROBRAS FURNAS ABNT NBR 9935:2011 ABNT NBR 7211:2009 Mehta and Monteiro, 2008 Pacelli,

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

Seminário CBCS Inauguração do Comitê Temático Gerenciamento de Riscos Ambientais Estratégias para a gestão de RCD em pequenos e grandes municípios Sérgio Angulo Prof. Dr., Poli USP Fluxo do RCD Gerador

Leia mais

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos Classificação dos materiais pétreos Fabricação de blocos cerâmicos Pedras naturais: encontradas in natura, usadas normalmente após beneficiamento. Ex.: agregados, placas de rocha para revestimento. Pedras

Leia mais

ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO

ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO Ana Maria Gonçalves Duarte Mendonça 1, Milton Bezerra das Chagas Filho 2, Taíssa Guedes 3, Yane Coutinho Lira 4, Daniel Beserra

Leia mais

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil.

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. RESÍDUOS SÓLIDOSS 1 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. 2 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do

Leia mais

Caracterização dos resíduos de construção e demolição na unidade de recebimento de resíduos sólidos no município de Campo Mourão PR

Caracterização dos resíduos de construção e demolição na unidade de recebimento de resíduos sólidos no município de Campo Mourão PR Maria Cristina Rodrigues Halmeman 1 ; Paula Cristina de Souza 2 ; André Nascimento Casarin 3 1 Professora Mestre, Universidade Tecnológica Federal Campo Mourão, Departamento de Engenharia de Produção Civil.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com.

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com. Site: www.conteste.com.br - E-mail: conteste@conteste.com.br 1 ÍNDICE 1 Controle Tecnológico em Pavimentação SOLOS 2 Controle Tecnológico em Pavimentação MATERIAIS BETUMINOSOS 3 Materiais Metálicos Ensaio

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

MATERIAIS CERÂMICOS MATERIAIS CERÂMICOS ARGILAS

MATERIAIS CERÂMICOS MATERIAIS CERÂMICOS ARGILAS Chama-se de cerâmica à pedra artificial obtida pela moldagem, secagem e cozimento de argilas ou misturas argilosas. Em alguns casos pode ser suprimida alguma das etapas citadas, mas a matéria prima essencial

Leia mais

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Wendersen Cássio de Campos Faculdade de Engenharia Civil CEATEC wendersen_campos@puccamp.edu.br Ana Elisabete P. G.

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS

PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS XV INIC / X EPG - UNIVAP 2011 Emerson Carlos Miranda Cavalcanti1, Rogério Penna Forte

Leia mais

Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil. Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151

Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil. Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151 Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151 PROBLEMATIZAÇÃO Coleta do RCD: um problema logístico Uma empresa de coleta

Leia mais

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO Problema transformado em oportunidade Hewerton Bartoli Presidente hewerton@abrecon.org.br Panorama da apresentação O que é RCC Legislação

Leia mais

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Agregados para concreto Os agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P11 BASE DE CONCRETO MAGRO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 3.1 CIMENTO... 3 3.2 AGREGADOS...

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECICLADOS DE CERÂMICA VERMELHA

UTILIZAÇÃO DE RECICLADOS DE CERÂMICA VERMELHA UTILIZAÇÃO DE RECICLADOS DE CERÂMICA VERMELHA OLIVEIRA, André, S.¹ Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva- FAIT SANTOS, Ivan, R.² Docente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias

Leia mais

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Prof.: Mayara Moraes CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA TIPO CP XXX RR Cimento Portland Composição Classe - Resistência aos 28 dias(mpa) SIGLA Ex.:

Leia mais

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes.

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Histórico A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Os romanos chamavam e sse s materiais de " caeme ntu m", termo

Leia mais

O REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SÓCIOAMBIENTAL NA CIDADE DE MONTES CLAROS-MG

O REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SÓCIOAMBIENTAL NA CIDADE DE MONTES CLAROS-MG O REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SÓCIOAMBIENTAL NA CIDADE DE MONTES CLAROS-MG Warley Barroso Silva Acadêmico do 2 Período do Curso de Engenharia Civil das

Leia mais

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila.

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. Cimento Portland O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. A calcinação dessa mistura dá origem ao clinker, um produto de natureza granulosa, cuja

Leia mais

ESTUDO DO CONCRETO UTILIZANDO AGREGADO MIÚDO RECICLADO: Avaliação da Resistência Mecânica

ESTUDO DO CONCRETO UTILIZANDO AGREGADO MIÚDO RECICLADO: Avaliação da Resistência Mecânica ESTUDO DO CONCRETO UTILIZANDO AGREGADO MIÚDO RECICLADO: Avaliação da Resistência Mecânica Danielle OLIVEIRA(1); Munique LIMA (2); Gibson MEIRA(3) ; Raphaele LIRA (4) Marcos PADILHA(5) (1) Centro Federal

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS.

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. Ana Cláudia Santos da Silva Graduanda em Engenharia Ambiental e Sanitária Faculdades Integradas de Três Lagoas - AEMS

Leia mais

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO COMPARAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TIJOLO DE SOLO-CIMENTO INCORPORADO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROVENIENTES DE CATAGUASES - MG E O RESÍDUO DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DAS INDÚSTRIAS PERTENCENTES

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES ACAL 1. Definição. Generalidades. Características Gerais. Classificação. 2. Aglomerantes

Leia mais

ESTUDO E ANÁLISE DA FABRICAÇÃO DE CONCRETO A PARTIR DO USO DE RESÍDUOS DE BORRACHA DE PNEUS

ESTUDO E ANÁLISE DA FABRICAÇÃO DE CONCRETO A PARTIR DO USO DE RESÍDUOS DE BORRACHA DE PNEUS 99 ESTUDO E ANÁLISE DA FABRICAÇÃO DE CONCRETO A PARTIR DO USO DE RESÍDUOS DE BORRACHA DE PNEUS Camila Dias Pinaffi¹; Nayara Coelho Silva¹; Marina Ramos Furlan Solina¹; Filipe Bittencourt Figueiredo²; Leila

Leia mais

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO.

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO PARA BLOCOS CONTENDO RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE CIMENTO

DOSAGEM DE CONCRETO PARA BLOCOS CONTENDO RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE CIMENTO DOSAGEM DE CONCRETO PARA BLOCOS CONTENDO RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE CIMENTO Afonso Maria Araújo (1) (1) Mestrando, Programa de Pós-Graduação em Geotecnica e Construção Civil, Universidade Federal

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes II Materiais de Construção CONCRETO Definição:

Leia mais

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Rosa do Carmo de Oliveira Lima¹ (Orientadora) - Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS E ECONÔMICOS DOS AGREGADOS NATURAIS E RECICLADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

IMPACTOS AMBIENTAIS E ECONÔMICOS DOS AGREGADOS NATURAIS E RECICLADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL IMPACTOS AMBIENTAIS E ECONÔMICOS DOS AGREGADOS NATURAIS E RECICLADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL 1. INTRODUÇÃO ALINE RIBEIRO LESSA FERREIRA Aluna de Graduação da Eng. Ambiental, 8º período, UFRJ Período PIBIC/CETEM

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Período: 2º semestre de 2014 Docente: Priscila Borges Alves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Prontuário: 20.006-2 Regime de trabalho: [ X ] RDE [ ] 40h [ ] 20h Área: [ ]

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha A. C. A Romualdo a, D. E. dos Santos a, L. M. de Castro a, W. P. de Menezes b, A. Pasqualetto c, O. R. dos Santos c

Leia mais

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Ronaldo Alves de Medeiros Junior Universidade de Pernambuco-UPE, Recife, Brasil,

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

3 Programa Experimental

3 Programa Experimental 3 Programa Experimental 3.1.Planejamento dos experimentos Com o objetivo de quantificar a diferença entre as resistências à compressão de corpos-de-prova moldados e de testemunhos extraídos, e de verificar

Leia mais

PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS RESUMO

PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS RESUMO PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS *Acadêmicos do Centro Universitário Filadélfia UniFil **Docente do Centro Universitário Filadélfia UniFil. faganello.adriana@unifil.br

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-021 - ESTAÇÃO BOTA-FORA Evandro Alceu Braga Engenheiro Mecânico pela Universidade

Leia mais

O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO

O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO Giovana Davanço Sabeh 1 ; Judson Ricardo Ribeiro da Silva 2 RESUMO: A importância da sustentabilidade está cada dia mais presente na sociedade, métodos são pesquisados

Leia mais

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP Paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo

Leia mais

PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA MCC1001 AULA 5. Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a. Carmeane Effting.

PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA MCC1001 AULA 5. Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a. Carmeane Effting. PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA MCC1001 AULA 5 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor 1. CONCEITO: Produto resultante da associação íntima entre um aglomerante mais um agregado miúdo, mais um agregado graúdo e água (+ ferragens). 2. CARACTERÍSTICAS Quanto aos esforços: compressão, tração

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

Caracterização dos Solos

Caracterização dos Solos Mecânica dos Solos Caracterização dos Solos Prof. Fernando A. M. Marinho Exemplos de obras de Engenharia Geotécnica Talude Natural Talude de corte Barragem de terra Aterro de estradas Construções em solos

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr.

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr. INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS Prof. Carlos Falcão Jr. Conformação de Materiais Metálicos Estampagem É um processo de conformação mecânica, que compreende um conjunto de operações por intermédio

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente - SEPesq Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente Micheli Gonçalves Zamarchi Arquiteta e Urbanista Centro Universitário Metodista - IPA arquiteta.mz@gmail.com

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS.

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. Alexsandro Luiz Julio (1) Biólogo pela Universidade Comunitária

Leia mais

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG

Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG Antônio Eduardo Polisseni 1 Resumo O trabalho tem por objetivo mostrar as características e qualidades da Brita Corrida que foi

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005.

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - CONSEMA RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. "Estabelece diretrizes para elaboração do Plano Integrado

Leia mais

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Influência do índice de forma do agregado graúdo na resistência a compressão do concreto Resumo Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Josué A. Arndt(1); Joelcio de

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil Materiais de Construção Civil Aula 07 Gesso para Construção Civil Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Gesso para Construção Civil O gesso é um mineral aglomerante produzido a partir da calcinação da gipsita,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU VIVIANE DA COSTA CORREIA 1, JOSÉ DAFICO ALVES 2, CÍRIO JOSÉ COSTA 3 1 Bolsista PBIC/UEG, acadêmico do curso de Engenharia Agrícola da UnUCET - UEG

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico.

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico. CONTROLE DE REVISÃO Código do Documento: Nome do Documento: ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Responsável pela Elaboração: Gerente de Segurança e Meio NE/SE Responsável

Leia mais

(PPGEMA), pela Escola de Engenharia Civil (EEC); joaoluizmplopes@yahoo.com.br.

(PPGEMA), pela Escola de Engenharia Civil (EEC); joaoluizmplopes@yahoo.com.br. ESTUDO DO POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE BENEFICIAMENTO DE MÁRMORE E GRANITO (RBMG), COMO FÍLER, NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS. LOPES, João Luiz Macedo Prudêncio¹; BACARJI, Edgar²; PAZINI FIGUEIREDO,

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CASCA DE ARROZ E SEMENTES DE BRAQUIÁRIA EM TIJOLOS SOLO-CIMENTO

A UTILIZAÇÃO DA CASCA DE ARROZ E SEMENTES DE BRAQUIÁRIA EM TIJOLOS SOLO-CIMENTO A UTILIZAÇÃO DA CASCA DE ARROZ E SEMENTES DE BRAQUIÁRIA EM TIJOLOS SOLO-CIMENTO RIBEIRO, Renato Rodrigo FAIT - Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva BILESKY, Luciano Rossi FAIT - Faculdade

Leia mais

Arquitetura Sustentável: Reciclagem de Resíduos da Construção Civil

Arquitetura Sustentável: Reciclagem de Resíduos da Construção Civil Arquitetura Sustentável: Reciclagem de Resíduos da Construção Civil Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br Texto adaptado a partir da Dissertação de Mestrado: CORCUERA,

Leia mais

Cartilha de gestão de entulho de obra

Cartilha de gestão de entulho de obra Cartilha de gestão de entulho de obra Introdução O Sinduscon-CE anualmente investe na publicação de manuais de segurança e sustentabilidade para o setor, com forma de incentivar as boas-práticas na construção

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE AERONAVES NA PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE AERONAVES NA PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE AERONAVES NA PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO Maressa Soares de Sousa (1) Mestranda em Tecnologia e Gestão Ambiental pelo IFCE.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DO BLOCO DE CONCRETO COM ADIÇÃO DE FRESAGEM ASFÁLTICA.

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DO BLOCO DE CONCRETO COM ADIÇÃO DE FRESAGEM ASFÁLTICA. AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DO BLOCO DE CONCRETO COM ADIÇÃO DE FRESAGEM ASFÁLTICA. Luiz Humberto de Souza (*),Vanessa Rosa Fidelis, Breno França Martins, Laianne Batista Vieira Fogaça, Lara Letícia Galdino

Leia mais

Lia Lorena Pimentel Professor Doutor, Fac. Engenharia Civil Puc- Campinas CEATEC lialp@puc-campinas.edu.br

Lia Lorena Pimentel Professor Doutor, Fac. Engenharia Civil Puc- Campinas CEATEC lialp@puc-campinas.edu.br VIABILIDADE DE APROVEITAMENTO DE RESÍDUO GRAÚDO (CACOS) DE EMPRESA BENEFICIADORA DE ROCHAS ORNAMENTAIS Agatha dos Santos Engenharia Ambiental CEATEC Agatha.s@puccampinas.edu.br Lia Lorena Pimentel Professor

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS

COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS Tatiana Nunes Oliveira CEFET-MG Ricardo André Fiorotti Peixoto CEFET-MG Viviane de Jesus Gomes Alves CEFET - MG Introdução

Leia mais

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI 2010 22 a 26 de novembro. São Paulo - SP - Brasil

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI 2010 22 a 26 de novembro. São Paulo - SP - Brasil XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Título do Trabalho: Reciclagem de Porcelanas danificadas para confecção de placas de concreto

Leia mais

FORTALEZA (AMARA MUNICIPAL DE

FORTALEZA (AMARA MUNICIPAL DE (AMARA MUNICIPAL DE FORTALEZA Dispõe sobre a obrigatoriedade de utilização, pelo Município de Fortaleza, de material agregado reciclado nas obras municipais., Art. 1 Fica instituída a obrigatoriedade da

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30 ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30 Samara Correa Gomes Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

A importância do equilíbrio sócio-ambiental na extração do mármore e do granito

A importância do equilíbrio sócio-ambiental na extração do mármore e do granito Ciclo Especial de Palestras 45 anos Crea-ES A importância do equilíbrio sócio-ambiental na extração do mármore e do granito Prof. Aurélio A. Barreto Neto aurelio@cefetes.br O Setor de Rochas Ornamentais

Leia mais

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a sustentabilidade da construção civil A CONSCIÊNCIA AMBIENTAL É TEMA DESTE SÉCULO, E PORQUE NÃO DIZER DESTE MILÊNIO REDUZA REUTILIZE

Leia mais

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS)

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) Janaina de Melo Franco 1, Célia Regina Granhen Tavares 2,

Leia mais

III Congresso Nacional de Meio Ambiente

III Congresso Nacional de Meio Ambiente Centro de Tecnologia Mineral Ministério da Ciência e Tecnologia Coordenação de Apoio Tecnológico a Micro e Pequena Empresa - CATE III Congresso Nacional de Meio Ambiente Aproveitamento dos Rejeitos Sólidos

Leia mais