PROJETO DE REDES I. Prof. Me. Ricardo Salvino Casado Prof. Esp. Reinaldo do Valle Jr. Faculdade de Informática CEUNSP - Salto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE REDES I. Prof. Me. Ricardo Salvino Casado Prof. Esp. Reinaldo do Valle Jr. Faculdade de Informática CEUNSP - Salto"

Transcrição

1 PROJETO DE REDES I Prof. Me. Ricardo Salvino Casado Prof. Esp. Reinaldo do Valle Jr. Faculdade de Informática CEUNSP - Salto

2 IDENTIFICANDO O ESCOPO DA REDE Qual o tipo de rede que está sendo projetada? SEGMENTO LAN Rede única usando tecnologia particular; Um conjunto de segmentos interconectados usando hubs e switches; REDE PREDIAL Múltiplas LANs dentro de um único prédio. REDE DE CAMPUS Rede abrangendo múltiplos prédios (geograficamente limitada).

3 IDENTIFICANDO O ESCOPO DA REDE Qual tipo de rede está sendo projetada? ACESSO REMOTO Uso de linhas discadas; WAN Geograficamente abrangente; REDE CORPORATIVA Rede envolvendo múltiplos campi (uma ou mais WANs);

4 IDENTIFICANDO APLICAÇÕES É importante identificar quais são os aplicativos que são utilizados pelo cliente. Pesquisar sobre aplicativos futuros que poderão vir a ser implantados na empresa. Verificar quais aplicativos têm prioridade de tráfego na rede.

5 RESTRIÇÕES DE NEGÓCIO Os fracassos não são devidos apenas a problemas técnicos. Existem as políticas da empresa e as politicagens. Informar-se sobre as políticas internas da empresa; Nas reuniões observar: guerras de poder dentro da empresa opiniões contrárias ao projeto gerentes mais comprometidos com o projeto relações entre grupos quais as áreas poderão ser removidas devido a implantação da rede.

6 RESTRIÇÕES ORÇAMENTÁRIAS Informar-se sobre o orçamento disponibilizado pela empresa para implantação da rede: Para equipamentos; Aquisição de licenças de softwares; Manutenção; Suporte; Contratação; Treinamento; Consultoria entre outros que irão surgir no decorrer do projeto.

7 CRONOGRAMA Verificar e tentar controlar o cronograma de implantação; Opine se acha o cronograma imposto pela empresa, caso achar inviável.

8 CHECKLIST O líder do projeto terá que estar pronto para responder perguntas sobre a empresa como: Sobre as características do negócio do cliente; A estrutura corporativa; O escopo do projeto; As aplicações utilizadas pelo cliente; Políticas sobre os fornecedores, uso de sistemas abertos e proprietários; Orçamento e cronograma do projeto; Treinamento do pessoal.

9 ESCALABILIDADE Refere-se ao crescimento que a rede que está sendo projetada pode suportar. Quais setores serão adicionados; Qual a abrangência de cada um; Quantos hosts e dispositivos serão adicionados à rede ao longo de período pré-determinado. Antigamente 80% do tráfego da rede era departamental e 20% era externo do departamento. Hoje com acesso a servidores corporativos, técnicas de acesso remoto (extranets) e acesso à WEB a situação se inverteu.

10 DISPONIBILIDADE A disponibilidade é o percentual de tempo que a rede ficará disponível na empresa; MTBF: Mean Time Between Failures; MTTR: Mean Time to Repair; Disponibilidade = MTBF/(MTBF+MTTR); Ex. MTBF=400h e MTTR=1h Disponibilidade da rede = 99,98%

11 DESEMPENHO Capacidade (bandwidth) capacidade de tráfego em bits/s; Utilização percentual da capacidade usada; Utilização máxima utilização de saturação da rede; Vazão quantidades de dados transferidos sem erro por segundo; Eficiência quantidade de dados úteis transmitidos menos os overheads

12 DESEMPENHO Atraso (latência) tempo médio que o frame leva da origem até o destino; Tempo de resposta (ms) tempo entre a requisição de um serviço e a recepção da resposta na rede;

13 TEMPO DE PROPAGAÇÃO Satélite Os sinais se propagam a 2/3 da velocidade da luz Aproximadamente 4 ms/km Os satélites ficam a Km de altura 270 ms para envio e retorno do sinal 540 ms para obter um echo de um caractere com Telnet.

14 Latência (delay) Existem 4 tipos e latência Tempo de Processamento Tempo na Fila Tempo de Transmissão Tempo de Propagação A soma das quatro latências resulta na latência total fim a fim. O Tempo de processamento, pode incluir vários fatores como a necessidade em checar erros no nível de bit (camada física), quando um pacote é transmitido, porém esse delay fica na ordem dos microsegundos ou menos. Pacotes geralmente aguardam na fila (queuing delay) para serem transmitidos pelo link. O tempo do pacote na fila, depende da quantidade de pacotes que estão esperando para serem transmitidos. Se não houver outros pacotes na fila para serem transmitidos, o delay será igual a 0 (zero). Porém, se o trafego estiver pesado, provavelmente muitos pacotes estarão esperando na fila, motivo esse que tornará a Latência (tempo na fila) um tanto grande, sempre na ordem de microssegundos e milessegundos. Uma boa fórmula seria: Latência do host = ( L proc + L fila + L transm + L prop )

15 Latência (delay) No momento que o bit é inserido no link físico (meio físico), ele necessita ser propagado até a outra ponta receptora. Para medir essa Latência, é preciso considerar a forte dependência do meio físico (cabo metálico, fibra, rádio, etc.). Para estimar essa latência use o seguinte intervalo para os cálculos: 2*10^8 metros/segundo a 3*10^8 metros/segundo

16 Tempo de propagação O Tempo de propagação, é a distância entre 2 roteadores dividido pela velocidade de propagação, ou seja: Tp = d/v Onde "d" é a distância entre os 2 roteadores e "v" é a velocidade de propagação do link. Isto se repete entre cada roteador até chegar no sistema final.

17 Uma tática interessante é você supor (N-1)roteadores entre 2 sistemas finais; Considere que o tempo de processamento em cada roteador, incluindo o host de origem, é (L proc) Considere que a velocidade de transmissão entre os roteadores, sem incluir o host de origem, é (R bits/seg); Considere que a propagação em cada link é (L prop); Assim, temos: L fim-a-fim (total) = N (L proc + L transm + L prop), onde: (L Transm) = L/R Sendo P o tamanho do pacote Sendo N o número de roteadores (?) Também pode-se usar (L*a)/R onde o "a" seria o "average (taxa)

18 TEMPO DE TRANSMISSÃO Cálculo Para um pacote de L (lenght) bits em um canal de R (rate) bps, o delay de transmissão é L/R segundos Delay de transmissão ou store-and-forward Ex: P = 1024 bytes Enlace E1 de 2Mbps O tempo de transmissão é de 4ms;

19 TEMPO DE CHAVEAMENTO DE PACOTES Switches e roteadores Tempo de 10 a 50ms para encaminhamento (chaveamento) de pacotes em um switch. Este tempo é um pouco mais elevado em roteadores, visto que estes precisam, além de chavear os pacotes, verificar qual é a melhor rota para o mesmo. Por esta razão são utilizados switches de Camada 3 (switches Layer 3) em entroncamentos na Internet ou em enlaces de elevado tráfego de dados.

20 TEMPO EM FILA Utilização = (N médio de pac/seg * Tamanho médio do pacote)/capacidade do link Tamanho da fila = utilização/(1- utilização) Tempo em fila = utilização* tamanho do pacote/capacidade do link; Exemplo: 5 usuários oferecem tráfego a uma taxa média de 10 pacotes/segundo cada. Os pacotes têm tamanho médio de 1000 bytes. Qual é a capacidade no enlace usado para transmitir o tráfego de forma a não exceder um atraso total de 40ms?

21 RESOLUÇÃO Utilização da rede significa quanto tempo a mesma está em uso Neste exemplo o tempo máximo aceito é de 40ms Número de pacotes = 10pac/s Tamanho médio dos pacotes = 1000 Bytes Para cada pacote o tempo máximo aceito é de 40ms 0,04 = (10 * 1000)/C C = 10000/0,04 = 0,25MB/s C = 2 MB/s

22 Metodologia Sem metodologia o projeto não tem a mínima chance de satisfazer os requisitos do cliente Funcionalidade Capacidade Desempenho Disponibilidade Escalabilidade Preço Segurança Gerenciabilidade A metodologia é estruturada no sentido de incluir o projeto lógico da rede antes da abordagem do projeto físico e também os dispositivos físicos. A metodologia é iterativa e mais detalhes entram progressivamente no projeto à medida que se conhece melhor a situação.

23 Metodologia Passos de metodologia do projeto Inclui o levantamento dos seguintes requisitos : Objetivos e restrições de negócios; Objetivos e restrições técnicas; Caracterização da rede existente Caracterização do tráfego projetado para a rede Fluxo, carga e requisitos de QoS (Qualidade do Serviço)

24 Metodologia O projeto lógico da rede Desenvolvimento da topologia da rede: Pode ser plena ou hierárquica, dependendo do tamanho Desenvolvimento de esquemas de endereçamento e naming Seleção de protocolos de switching e routing Desenvolvimento de aspectos de segurança

25 Metodologia O projeto físico da rede Seleção de tecnologias e dispositivos para rede de computadores Tecnologias: Ethernet, FastEthernet, ATM, DSL, Cable, satélite Dispositivos: switches (gerenciáveis ou não), roteador e meios físicos de comunicação

26 Metodologia Testes, otimização e documentação do projeto da rede Escrever e implementar um plano de testes Implementar uma rede piloto Otimizar o projeto da rede Documentar o projeto de rede

27 Metodologia Identificação das necessidades e objetivos do cliente Nas primeiras reuniões procure saber mais sobre a estrutura organizacional Quais são os departamentos? Quais são as linhas de negócio da empresa? Quais são os parceiros? Onde estão as filiais? Seu projeto de rede refletirá a estrutura corporativa Descubra quem são os responsáveis técnico e financeiro pelo projeto da rede Verifique qem tem poder de aceitar ou rejeitar a proposta.

28 Metodologia Conhecendo os negócios do cliente O cliente participa de que indústria ou área de serviço? Qual é o marcado do cliente? Quem são os fornecedores e parceiros do cliente? Que produtos e serviços o cliente produz? Que produtos e serviços o cliente utiliza? Quais são as vantagens competitivas do cliente?

29 CARACTERIZAÇÃO DE ENDEREÇAMENTO E NAMING Para caracterizar a estrutura lógica de uma rede, inicia-se pelo descobrimento de esquemas de endereçamento (IPv4 e IPv6) e naming usados na empresa Sufixos para roteadores e hosts (Ex.: rtr) Documentar o esquema de endereçamento IP, incluindo estratégias de subnetting, NAT (IPv4) e endereçamento privado (Ex.: ). Estes esquemas poderão afetar a forma de escolher protocolos de roteamento, por exemplo. Identifique onde estão os maiores grupos de usuários, pois isso afetará o fluxo de dados na rede

30 CARATERIZAÇÃO DO TRÁFEGO DA REDE Fluxo de tráfego (de onde vem para onde vai) Verificação de direções de tráfego e simetria Ex: uma aplicação cliente-servidor é tipicamente assimétrica, com o cliente enviando pouco e o servidor respondendo a muitos Caracterizar o tráfego dos aplicativos que utilizam a rede

31 CARACTERIZAÇÃO DOS MEIOS FÍSICOS Documentar o tipo de cabeamento usado Cabo metálico UTP cat-5 UTP cat-6 STP Fibra Otica Rádio fibra multimodo fibra monomodo Wi-Fi WiMax

32 ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DA REDE Use um analisador de pacotes (sniffer) para verificar o tamanho médio dos pacotes que circulam na rede. Analisar o fluxo de dados em diferentes momentos e nas diferentes sub-redes. Análise do atraso do tempo de resposta Medir o atraso entre hosts e dispositivos na rede Alguns comandos podem oferecer dados importantes Ping Tracert Traceroute

33 Modelos Modelo de rede hierárquica O projeto de uma rede hierárquica é composto pelas camadas Core (núcleo de rede); Camadas de distribuição; Camadas de acesso Modelo achatado Usa-se loops de roteadores, pois para redes pequenas pode ser útil. Para redes grandes há muito cruzamento de tráfego (muitos hops acabam causando atraso), onde qualquer quebra é fatal. Topologia em anel

34 PROJETO DA TOPOLOGIA DE REDE PORQUE USAR UM MODELO HIERÁRQUICO? Uma rede não estruturada (plana) cria muitas adjacências entre equipamentos. Ruim para a propagação de rotas. Minimizar custos. Equipamentos especializados para determinadas funções (usar switches mais rápidos no core). Uma rede achatada apresenta baixa escalabilidade e elevado nível de broadcast.

35 MODELO DE FLUXO DE TRÁFEGO CLIENTE-SERVIDOR É o modelo mais aplicável hoje É bidirecional e assimétrico Tem dados nas duas direções (pedidos e respostas) Pedidos pequenos e respostas maiores, pois o servidor é uma fonte de dados.

36 MODELO DE FLUXO DE TRÁFEGO CLIENTE-SERVIDOR

37 MODELO DE FLUXO DE DADOS PEER-TO-PEER Não tem direcionalidade óbvia, ou seja, não há servidores. Não há um servidor de nomes. Não um, ou mais, escopos DHCP. Não há controle de permissões por grupos, unidades organizacionais e domínios. Dados estão em dispositivos distribuídos na rede. Esses dispositivos não são servidores, mas máquinas comuns utilizadas por um usuário.

38 MODELO DE FLUXO DE DADOS PEER-TO-PEER H1 H2 Comunicação H4 H3

39 MODELO DE FLUXO DE DADOS PEER-TO-PEER

40 MODELO DE FLUXO DE TRÁFEGO SERVIDOR-SERVIDOR Quando servidores conversam entre si A simetria depende da aplicação particular Exemplos: Serviços de diretório Cache de dados Backup de dados Exemplo final Cooperativa onde um trabalho é feito por várias máquinas comandadas por um hospedeiro gerente.

41 MODELO DE FLUXO DE TRÁFEGO SERVIDOR-SERVIDOR

PROJETO DE REDES I. Prof. Me. Ricardo Salvino Casado Prof. Esp. Reinaldo do Valle Jr. Faculdade de Informática CEUNSP Salto 2012

PROJETO DE REDES I. Prof. Me. Ricardo Salvino Casado Prof. Esp. Reinaldo do Valle Jr. Faculdade de Informática CEUNSP Salto 2012 PROJETO DE REDES I Prof. Me. Ricardo Salvino Casado Prof. Esp. Reinaldo do Valle Jr. Faculdade de Informática CEUNSP Salto 2012 IDENTIFICANDO O ESCOPO DA REDE Qual o tipo de rede que está sendo projetada?

Leia mais

PROJETOS EM REDES Prof. Msc. Hélio Esperidião

PROJETOS EM REDES Prof. Msc. Hélio Esperidião Data Center do TCE/RS PROJETOS EM REDES Prof. Msc. Hélio Esperidião INTRODUÇÃO Negócios são cada vez mais dependentes de redes reduzir o tempo de desenvolvimento. acesso imediato a mais informação Informação

Leia mais

Projeto de Redes Prof Pr. of Thiag o Thiag Nelson

Projeto de Redes Prof Pr. of Thiag o Thiag Nelson Projeto de Redes Prof. Thiago Nelson Projeto de Redes de Computadores Objetivos Gerais Aprender a projetar redes de computadores de forma a satisfazer os objetivos de negócio e os objetivos técnicos de

Leia mais

Desempenho. Prof. Thiago Nelson

Desempenho. Prof. Thiago Nelson Desempenho Prof. Thiago Nelson Utilização da Rede A utilização reflete o percentual da capacidade da rede utilizada em um dado instante de tempo. Exemplo: Um tráfego de 30% em um segmento Ethernet 10 Mbpsrepresenta

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADES E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof.:Eduardo Araujo Site- http://professoreduardoaraujo.com Objetivos: Entender e assimilar conceitos, técnicas

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores

Introdução às Redes de Computadores Volnys B. Bernal (c) 1 Introdução às Redes de Computadores Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Volnys B. Bernal (c) 2 Agenda Rede de Computadores Classificação quanto à

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Roteamento e Comutação Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers 1 Capítulo 5 5.1 Configuração

Leia mais

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo RC e a Internet: noções gerais Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhares de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

RC e a Internet. Prof. Eduardo

RC e a Internet. Prof. Eduardo RC e a Internet Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhões de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria destes dispositivos

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores

Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores Análise dos Objetivos e Restrições Técnicos Analisar os objetivos técnicos do cliente é importante para poder recomendar tecnologias apropriadas para satisfazer o usuário Os objetivos técnicos que examinaremos

Leia mais

Analisar os objetivos técnicos do cliente é importante para poder recomendar tecnologias apropriadas para satisfazer o usuário

Analisar os objetivos técnicos do cliente é importante para poder recomendar tecnologias apropriadas para satisfazer o usuário Análise dos Objetivos e Restrições Técnicos Analisar os objetivos técnicos do cliente é importante para poder recomendar tecnologias apropriadas para satisfazer o usuário Os objetivos técnicos que examinaremos

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN CAMADA DE REDE UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN Modelo de Referência Híbrido Adoção didática de um modelo de referência híbrido Modelo OSI modificado Protocolos

Leia mais

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa Introdução Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar a melhor rota. Roteador default, é o roteador

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

AULA Redes de Computadores e a Internet

AULA Redes de Computadores e a Internet UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Disciplina: INF64 (Introdução à Ciência da Computação) Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores

Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores Caracterização da Rede Existente Quando há uma rede que está sendo expandida/remodelada, ela deve ser examinada e caracterizada detalhadamente A caracterização inclui: A topologia A estrutura física O

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS Profº Erinaldo Sanches Nascimento Objetivos Examinar as várias maneiras para projetar a infraestrutura de cabo para

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 3 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 3 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 3 www.marcelomachado.com Protocolo é a linguagem usada pelos dispositivos de uma rede de modo que eles consigam se comunicar Objetivo Transmitir dados em uma rede A transmissão

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores

Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores Laboratório de IER 7 o experimento Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores Introdução LANs Ethernet (padrão IEEE 802.3 e extensões) atualmente são construídas com switches

Leia mais

Redes e Conectividade

Redes e Conectividade Redes e Conectividade Camada de enlace: domínio de colisão e domínio de broadcast, segmentação, modos de switching para encaminhamento de quadros Versão 1.0 Março de 2016 Prof. Jairo jairo@uninove.br professor@jairo.pro.br

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Redes Locais Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://professoreduardoaraujo.com Modelo de Rede Hierárquico Camada de

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Redes de Computadores Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Classificação de Redes Redes de Computadores Conjunto de nós processadores capazes de trocar informações

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 1 Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 O que é uma Rede de Computadores? Vários tipos de redes: Redes Telefônicas Redes de Satélites Redes Celulares Redes de TV a cabo Internet e intranets Rede Privada

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011/2 v3 2011.07.27 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Histórico da Evolução das Redes Histórico

Leia mais

Módulo 8 Ethernet Switching

Módulo 8 Ethernet Switching CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 8 Ethernet Switching Comutação Ethernet 2 Segmentação de Redes Numa Ethernet o meio de transmissão é compartilhado Só um nó pode transmitir de cada vez. O aumento

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Aula Presencial Projeto Físico Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br O projeto deve considerar Seleção de tecnologias (conforme o projeto

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

COMPONENTES BÁSICOS DE

COMPONENTES BÁSICOS DE COMPONENTES BÁSICOS DE REDES 2ºPARTE Prof. Me. Hélio Esperidião SWITCH O SWITCH opera de forma mais inteligente. Ele analisa os pacotes de dados que chegam a ele e descobre os endereços de origem e destino.

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede Professor Carlos Gouvêa SENAIPR - Pinhais 2 Introdução Objetivos Finalidade dos equipamentos Equipamentos e descrição Nomenclatura de desenho técnico para redes Exercício de orientação

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 1 Agenda Apresentação da Disciplina Introdução Tipos de Redes Arquiteturas de Redes Nivelamento

Leia mais

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment Emissor Receptor Meio Físico Mensagem Protocolo Emissor e Receptor Data Terminal Equipment Data Communications Equipment (DTE) + (DCE) Meio Físico Mensagem ( pacote ) O meio físico É o elemento que transmite

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

Projeto de Redes Locais e a Longa Distância. Thiago Leite

Projeto de Redes Locais e a Longa Distância. Thiago Leite <thiago.leite@udf.edu.br> Projeto de Redes Locais e a Longa Distância Thiago Leite COMER, Douglas. Redes de computadores e internet: abrange transmissão de dados, ligados inter-redes, web e aplicações.

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Lembrar a estrutura organizacional do cliente ajuda a planejar a atribuição de endereços e nomes O mapa topológico também ajuda, pois indica onde há hierarquia

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva Tecnologia da Informação e Comunicação Euber Chaia Cotta e Silva Redes e a Internet Conceitos Básicos 01 Para que você possa entender o que é e como funciona a Internet é necessário primeiro compreender...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT. Professor: José Valdemir dos Reis Junior. Disciplina: Redes de Computadores II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT. Professor: José Valdemir dos Reis Junior. Disciplina: Redes de Computadores II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT Professor: José Valdemir dos Reis Junior Disciplina: Redes de Computadores II 2 3 Dispositivo que opera apenas na camada física recebendo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais