Protocolos Industriais SensorBus Redes Industriais Semestre 01/2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Protocolos Industriais SensorBus Redes Industriais Semestre 01/2015"

Transcrição

1 Protocolos Industriais SensorBus Redes Industriais Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação

2 Introdução Devido aos diferentes requisitos de comunicações industriais, existem diferentes tipos de sistemas de comunicação industrial, como partes de um sistema de automação industrial em uma empresa: Redes de Sensores/Atuadores (Sensor Bus): atuam a nível de chão de fábrica, conectando sensores, atuadores e controles simples Fieldbus: atuam a nível de chão de fabrica, coletando e distribuindo dados de e para sensores e atuadores, comunicando dados entre os dispositivos de campo e controladores programáveis e consoles de gerenciamento (IHM, SCADA, etc) Redes de controladores: atuam a nível dos controladores, transmitindo dados entre dispositivos poderosos de campo e controladores, além de transmitir dados entre controladores Redes Coorporativas: atuam a nível da empresa, conectando e transmitindo dados entre segmentos dos sistemas de automação e demais setores da empresa.

3 Honeywell PV 6000 SP 6000 AUTO 1 Tamanho dos Quadros (bytes) 10, Sensor Bus Dispositivos Simples Baixo custo Mensagens curtas (bits) Configuração fixa Não intrinsicamente seguras Par trançado Dist. Max 500m Redes de Dados Estações de trabalho, Robôs, PCs Maior custo Não energizado Mensagens longas ( , files) Não intrinsicamente seguras Fibra ótica, Dist. Max quilômetros Fieldbus Alta velocidade PLC, DCS, I/O remotos, motores Custo médio Não energizados Mensagens: valores, status Não seguras Par trançados (shielded) Dist. Max 800m ,000 Tempo de resposta, millisegundos Fieldbus Baixa Velocidade Instrumentos de processo, valvulas Custo médio Energizado (2 cabos) Mensagens: valores, status Intrinsicamente seguras Par trançados (re-uso de 4-20 ma) Dist. Max 1200m

4 HART - Highway Addressable Remote Transducer

5

6 HART ma loop de corrente fluido O dispositivo transmite dados pelo loop de corrente

7 Relembrando Loops de Corrente

8 Relembrando Loops de Corrente sensor flow transdutor i(t) = f(v) Leitor 1 Leitor 2 R L1 R1 R2 R3 R L2 R L3 R L4 i(t) = 0, ma R L4 Resistencia do meio Fonte 10V..24V O 4-20 ma é o meio mais comum de transmissão analógica na indústria O Transdutor limita a corrente para valores entre 4 ma e 20 ma, proporcionalmente ao valor a ser medido, sendo que 0 ma sinaliza um erro (quebra do loop) A tensão diminui ao longo do cabo e o numero de leitores não induzem erros OBS: 4-20mA é basicamente uma comunicação ponto-a-ponto

9 HART - Principio HART foi desenvolvido pela Fisher-Rosemount para reutilizar o loop de corrente 4-to- 20mA com comunicação digital HART modula a corrente 4-20mA com sinais senoides se afetar a média do sinal analogico. HART usa baixas frequencias (1200Hz and 2200 Hz) para lidar com cabeamentos ruins. Com taxas de1200 Bd Mas suficientes

10 HART - 2 Canais de comunicação Canal 4-20mA "Analogico Ø 4-20mA Analogico suporta grande parte do protocolo de comunicação Ø Comunicação em um sentido e de um processo Ø Um simples filtro passa baixa isola o sinal 4-20 ma Canal HART"Digital" ØAdicionado ao 4-20mA ØBaseado em modems de telefonia analógica ØComunicação em dois sentidos 33

11 HART - Protocolo Hart comunica ponto-a-ponto, sob comando de um mestre, ex.: Dispositivo de mediçao Mestre Requisição Indicação time-out Resposta Confirmação 1

12 Formato dos Quadros (Frames)

13 Hart Exemplos de Comandos Obrigatórios Identificação Medições e Unidade das Variáveis e Primarias Valor do loop de corrente (%) = mesma informação do loop de corrente Leitura de até 4 variáveis de processo pré-definidas Numero Serial do Sensor, Fabricante, modelo, descritor Opcionais Diagnosticos Limites Constantes de tempo Dados de Calibração Total: 44 comandos padroes, mais comandos definidos pelo fabricante

14 HART Praticamente todos os dispositivos baseados em loop 4-20 ma são equipados com HART Milhões de equipamentos vendidos anualmente Mais informações em:

15 ASi - Actuator Sensor Interface

16

17 ASi AS-Interface é um sistema que requer quatro componentes básicos: Um Mestre, na maioria dos casos na forma de um Gateway para alguma rede industrial de maior nível, ou uma placa de rede em um controlador programável Um certo numero de s, na maioria dos casos módulos de entradas e/ou saídas Exatamente uma fonte de suprimento de energia, utilizado para energizar os escravos e habilitar a comunicação com o Mestre Infra-estrutura de cabeamento, realizado geralmente utilizando-se um cabo chato amarelo, com conexão tipo vampiro Conectores Penetrantes

18 Construção Modular Fácil extensão Conecte um novo quando desejar Conecte uma nova Linha sempre que desejar

19 Solução de Sistemas AS-Interface módulos permite a conexão de sensores e atuadores convencionais: D0 = sensor 1 Uma conexão D1 = sensor 2 D2 = atuador 1 1 módulo anexo AS-Interface C.I. D3 = atuador 2 P0 Watchdog energia até 4 sensores e/ou 4 atuadores

20 ASi Principio Mestre - Até 31 s em uma Linha Controlador Mestre Tempo de Ciclo < 5 ms Cada escravo tem até 4 entradas digitais + 4 saidas digitais Mais 4 bits parametrizaveis por escravo Max. 248 Entradas e Saidas digitais Mestre chama A-s Mestre chama B-s 1A 2A 31A 1B 2B 1A 2A 31A 1B 2B responde A-s responde B-s

21 ASi - Topologias Sem limites para a estrutura: linha controle Mestre estrela controle Mestre Árvore controle Mestre

22 Fatos sobre ASi Princípio Mestre- Sem limites para a estrutura Cabo paralelo ( 2 fios ) para dados e energia até 8 A Cabo sem blindagem 2 x 1,5mm² 4 entradas digitais + 4 saídas digitais transmissão de valores analógicos Técnica de conexão por penetração Fiação Paralela Barramento de campo Mestre Comprimento do cabo até 100m, extensível até 500m por repetidor Transmissão de dados segura https://youtu.be/aoaayrm84ey https://youtu.be/ngrz_twppwe

23 CAN - Controller Area Network & CANOpen Automotive bus

24 Controller Area Network CAN ControllerAreaNetwork Desenvolvido inicialmente por Robert Bosch em 1980, para utilizac ão em redes de comunicac ões em veículos, o CAN veio a ser posteriormente desenvolvido para a aquisic ão de dados de sensores discretos; Desde 1994, o CAN baseia-se nas normas e definic ões: ISO11898 Camada de ligac ão de dados; e ISO Propagac ão de sinais e tambeḿ a comunicac ão de dados seŕie a baixa velocidade;

25 Caracteristicas do CAN Sistema flexivel com um ma ximo de 110 unidades num projeto com dista ncias ma ximas compreendidas entre 500m e 1Km; Para barramentos de 500m atinge ate 100kbps e para dista ncias de 50m chega a 1Mbit/s; Confiabilidade da transmissaõ de dados: permite definir a prioridade de mensagens, com late ncia ma xima garantida; Na detecc ão e sinalizac ão de erros: retransmite automaticamente as mensagens corrompidas; Em casos de colisaõ, utiliza o bitwise arbitration e o NON-Destructive Collision Resolution.

26 Funcionamento Básico A comunicac ão dos dispositivos com o barramento é realizada em modo Multicast, com identificador único de rede (os dispositivos naõ te m identificadores proṕrios) das mensagem enviada para o barramento; Os outros dispositivos que estaõ à escuta, ao receberem a mensagem, verificam se devem processa -la ou naõ atraveś de um teste de aceitabilidade; O identificador tambeḿ define a prioridade da mensagem. Quanto menor for o seu valor numeŕico, maior sera a sua prioridade; O me todo utilizado para transmissaõ de mensagens é o CSMA/CD; Utiliza a codificac ão NRZ (Non Return to Zero) com bit-stuffing para assegurar o sincronismo em comunicac ões efetuadas em cabos com 1 par trançado;

27 CAN e as Camadas Enlace e Fisica

28 CAN e o Modelo OSI Modelo OSI Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Enlace Física Camadas superiores defindas por outros padroes internacionais: DeviceNet, CANOpen, CANaerospace, MilCAN, SAE J1939, ISO1192 and others CAN define as camadas inferiores (1 e 2)

29 CAN e o Meio Físico Par trançado terminado com resistores de 120 Ohms em cada lado: - Eliminação de reflexos na comunicação Node A Node B 120 Ω 120 Ω

30 Niveis de Sinais Diferenciais Volts CAN H Recessivo 1 Dominante 0 Recessivo 1 CAN L

31 Protocolo CAN Camada Física

32 Exemplo de Pacotes e BitStuffing

33 Detecção de Erros 1 - Cyclic Redundancy Checks (CRC) usa o polino mio X15 +X12 +X1 ), com 15 bits efetivos e 1 como delimitador; 2 - Frame Checks Faz a verificac ão do quadro, identificando bits recessivos onde so pode haver bits dominantes, como SOF, EOF e os delimitadores CRC e ACK; 3 - Acknowledgement Error Checks Possui um bit de confirmac ão e um delimitador; 4 - Bit Monitoring Verifica a consiste ncia dos bits, onde a interface avalia se o bit transmitido é igual ao bit lido apoś a escrita, caso contraŕio gera um frame de erro. A verificac ão ocorre por toda a mensagem exceto para os campos de identificac ão (onde ha o processo de arbitragem) e o de confirmac ão (que valida a mensagem); 5 - Bit Stuffing ou enchimento de bits - Determina que apoś 5 bits consecutivos de mesmo valor, o 6o é o complemento dos anteriores.

34 Prioridade de Mensagens - Enlace A rede CAN é um protocolo de muĺtiplo acesso com detecc ão de portadora e de colisaõ (Carrier Sense Multiple Access/Collision Detection) e arbitragem na prioridade da mensagem (Arbitration of Message Priority) ou CSMA/CD+AMP. A detecc ão de portadora especifica que todo nodo que deseja transmitir deve antes verificar se o barramento esta livre, e se o estiver, iniciar a transmissaõ; Colisoẽs saõ detectadas e resolvidas de forma naõ destrutiva; A arbitragem do barramento é definida pela mensagem e naõ pelos nodos; Isso garante que mensagens vitais sejam transmitidas em detrimento de mensagens naõ taõ importantes.

35 Processo de Arbitragem Priorização da mensagem

36 Exemplos

37 Antes do CAN

38 Depois do CAN

39 Perguntas?

Rede DeviceNet. Fábio Soares de Lima. fabio@dca.ufrn.br

Rede DeviceNet. Fábio Soares de Lima. fabio@dca.ufrn.br Rede DeviceNet Fábio Soares de Lima fabio@dca.ufrn.br Índice Introdução e Histórico Modelo de camadas Meio Físico Topologia Números de Estações Ativas Número de Redes por CLP Protocolo DATA Frame Camada

Leia mais

Protocolo CAN Controller Area Network

Protocolo CAN Controller Area Network Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica Protocolo CAN Controller Area Network Carlo Frederico Campos Danielle Simone Prof. Luiz Affonso Maio / 2005

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.2.2, 16.7.1, 16.7.2 Moraes Engenharia de Automação Industrial 2ª. Edição LTC Cap.: 6.3.3, 6.3.2 Controller Area Network

Leia mais

Visão Geral do Protocolo CANBus

Visão Geral do Protocolo CANBus Visão Geral do Protocolo CANBus História CAN Controller Area Network. Desenvolvido, pela BOSCH, na década de 80 para a interligação dos sistemas de controle eletrônicos nos automóveis. 1. CAN, que foi

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15 até 15.2.1 Moraes Engenharia de Automação Industrial 2ª. Edição LTC Cap.: 6.3 até 6.3.1 1. Primeira prova 32 pt 2.

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

ARQUITETURAS ELETRO-ELETRÔNICAS CONCEITUAÇÃO

ARQUITETURAS ELETRO-ELETRÔNICAS CONCEITUAÇÃO ARQUITETURAS ELETRO-ELETRÔNICAS CONCEITUAÇÃO por Alexandre de A. Guimarães, MSc ELETRÔNICA EMBARCADA EM AUTOMÓVEIS Antes de explorarmos as mais variadas alternativas tecnológicas para arquiteturas elétricas,

Leia mais

Aula III Redes Industriais

Aula III Redes Industriais Aula III Redes Industriais Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) 1 Introdução Muitas

Leia mais

... Estrutura da automação industrial. Protocolos de Comunicação de Dados em Redes Industriais. Supervisor. Gerência de Informação.

... Estrutura da automação industrial. Protocolos de Comunicação de Dados em Redes Industriais. Supervisor. Gerência de Informação. Protocolos de Comunicação de Dados em Redes Estrutura da automação industrial Supervisor Base de Dados Gerência de Informação Rede de Comunicação de Dados Local Controlador Local 1 Condicionamento de sinais...

Leia mais

Manual da Comunicação Profibus DP

Manual da Comunicação Profibus DP Manual da Comunicação Profibus DP Relé Inteligente Série: SRW 01 Versão de Software: V1.3X Idioma: Português Documento: 10000089150 / 00 04/2008 Sumário SOBRE O MANUAL...5 1 A REDE PROFIBUS DP...6 1.1

Leia mais

Arquitetura de Redes de Computadores - aula 3

Arquitetura de Redes de Computadores - aula 3 Arquitetura de Redes de Computadores - aula 3 Prof. Celso Rabelo Universidade Castelo Branco 1 Objetivo 2 Conceitos Tratamento de Colisão Histórico 3 Características Regras de Controle Tipos de Cabo e

Leia mais

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto Arquitetura CAN 1 Sumário Rede CAN. Arquitetura do Sistema Implementado. Interface SPI. Controlador CAN MCP2510. Transceiver MCP2551. ADuC812. Resultados Obtidos. Conclusões. 2 REDE CAN CAN Controller

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Protocolos Industriais PROFIbus & PROFINET Redes Industriais Semestre 01/2015

Protocolos Industriais PROFIbus & PROFINET Redes Industriais Semestre 01/2015 Protocolos Industriais PROFIbus & PROFINET Redes Industriais Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução O PROFIBUS é um padrão aberto de rede de comunicação industrial, utilizado em

Leia mais

REDES INDUSTRIAIS AS-INTERFACE

REDES INDUSTRIAIS AS-INTERFACE Em 1990, na Alemanha, um consórcio de empresas elaborou um sistema de barramento para redes de sensores e atuadores, denominado Actuator Sensor Interface (AS-Interface ou na sua forma abreviada AS-i).

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 16 MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Microeletrônica equipamentos microprocessados necessidade

Leia mais

Relé Inteligente SRW 01 V4.0X

Relé Inteligente SRW 01 V4.0X Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Relé Inteligente SRW 01 V4.0X Manual da Comunicação Profibus DP Manual da Comunicação Profibus DP Série: SRW 01 Versão do Firmware:

Leia mais

CANopen Rede para Máquinas & Instalações

CANopen Rede para Máquinas & Instalações Redes & Arquiteturas - SEB01 PAE CANopen Rede para Máquinas & Instalações Palestrante: Carlos POSSEBOM, Centro de Aplicações - Schneider Electric the Redes & Arquiteturas - SEB01 PAE CANopen Rede para

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

Instrumentação Fieldbus: Introdução e Conceitos

Instrumentação Fieldbus: Introdução e Conceitos Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Instrumentação Fieldbus: Outros Processos de Introdução e Conceitos Separação custo Prof a Ninoska Bojorge Introdução Competitividade Complexidade dos

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 3 Rede AS-I Actuador - Sensor - Interface Capítulo 3 Histórico A rede AS-Interface

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 7 IEEE 802.3 Padrão Ethernet 10BASE5 É o padrão IEEE 802.3 original, taxa de transmissão de 10Mbps. Utiliza um tipo de cabo coaxial grosso

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. CANespecial 1 SCA06. Manual do Usuário

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. CANespecial 1 SCA06. Manual do Usuário Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas CANespecial 1 SCA06 Manual do Usuário Manual do Usuário CANespecial 1 Série: SCA06 Idioma: Português N º do Documento: 10002922105 /

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 2 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada Física e Componentes Funcionalidades relacionadas à transmissão de bits Codificação Modulação Sincronismo de bits Especificação

Leia mais

Rede Profibus. Process. Manufacturing PLC PROFIBUS-PA. Internet PROFINET IEC 61158-2 RS-485/FO PROFIBUS-DP IPC. AS-Interface

Rede Profibus. Process. Manufacturing PLC PROFIBUS-PA. Internet PROFINET IEC 61158-2 RS-485/FO PROFIBUS-DP IPC. AS-Interface Rede Profibus OS OS Internet PLC Manufacturing IPC PROFINET Process RS-485/FO PROFIBUS-DP IEC 61158-2 PROFIBUS-PA AS-Interface Rede Profibus PROFIBUS desenvolvido na Alemanha, inicialmente pela Siemens

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

CPs Altus PROFIBUS-DP

CPs Altus PROFIBUS-DP CPs Altus PROFIBUS-DP Programa do Workshop 1 - Redes de Campo 2 - PROFIBUS 3 - PROFIBUS-DP 4 - PROFIBUS-DP Redundante 5 - CPs Altus PROFIBUS - DP 6 - Série AL-2000 PROFIBUS-DP 7 - Série Quark PROFIBUS-DP

Leia mais

Protocolos de Comunicação: Conceitos

Protocolos de Comunicação: Conceitos Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF custo Protocolos de Comunicação: Conceitos Prof a Ninoska Bojorge Introdução competitividade desenvolvimento das empresas complexidade dos processos

Leia mais

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital Histórico IEEE 1394 1986 - primeiras idéias concretas trazidas pela Apple Computers que adotou a denominação FireWire. 1987 - primeira especificação do padrão. 1995 adoção pelo IEEE do padrão IEEE 394.

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Suporte a redes CAN para Aplicações Embarcadas

Suporte a redes CAN para Aplicações Embarcadas Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Departamento De Informática e Estatística INE Bacharelado em Ciências Da Computação Suporte a redes CAN para Aplicações Embarcadas Autor: Alessandro Barreiros

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

ISSN 1518-7179 Novembro, 2007. Redes Embarcadas em Máquinas e Implementos Agrícolas: o Protocolo CAN (Controller Area Network) e a ISO11783 (ISOBUS)

ISSN 1518-7179 Novembro, 2007. Redes Embarcadas em Máquinas e Implementos Agrícolas: o Protocolo CAN (Controller Area Network) e a ISO11783 (ISOBUS) ISSN 1518-7179 Novembro, 2007 27 Redes Embarcadas em Máquinas e Implementos Agrícolas: o Protocolo CAN (Controller Area Network) e a ISO11783 (ISOBUS) ISSN 1518-7179 Novembro, 2007 Empresa Brasileira de

Leia mais

Soft-Starter SSW-06 Manual da Comunicação Profibus DP e DeviceNet

Soft-Starter SSW-06 Manual da Comunicação Profibus DP e DeviceNet Soft-Starter SSW-06 Manual da Comunicação Profibus DP e DeviceNet 10/2007 Série: SSW-06 SSW-06: V1.4x 0899.5843 P/4 Sumário REDES FIELDBUS... 4 ABREVIAÇÕES E DEFINIÇÕES... 4 REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA... 4

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

DeviceNet Drive Profile CFW-09

DeviceNet Drive Profile CFW-09 Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas DeviceNet Drive Profile CFW09 Manual da Comunicação Manual da Comunicação DeviceNet Drive Profile Série: CFW09 Idioma: Português Versão de Software:

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE DADOS EM REDES DE AMBIENTES INDUSTRIAIS REDES PROFIBUS E DEVICENET

COMUNICAÇÃO DE DADOS EM REDES DE AMBIENTES INDUSTRIAIS REDES PROFIBUS E DEVICENET 1 COMUNICAÇÃO DE DADOS EM REDES DE AMBIENTES INDUSTRIAIS REDES PROFIBUS E DEVICENET João Paulo Pereira 1, Luís Augusto Mattos Mendes (Orientador) 1 1 Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. DeviceNet CFW700. Manual do Usuário. Idioma: Português

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. DeviceNet CFW700. Manual do Usuário. Idioma: Português Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas DeviceNet CFW700 Manual do Usuário Idioma: Português Manual do Usuário DeviceNet Série: CFW700 Idioma: Português N º do Documento: 10000828098

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Inversor de Freqüência CFW-09PM Manual da Comunicação Fieldbus

Inversor de Freqüência CFW-09PM Manual da Comunicação Fieldbus Inversor de Freqüência CFW-09PM Manual da Comunicação Fieldbus 12/2007 Série: CFW-09PM Versão: P/1 0899.5890 Sumário SOBRE O MANUAL...4 REDES FIELDBUS...4 ABREVIAÇÕES E DEFINIÇÕES...4 REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA...4

Leia mais

USB - Introdução. Meios Eletrônicos I 2011

USB - Introdução. Meios Eletrônicos I 2011 USB - Introdução Meios Eletrônicos I 2011 História USB: Universal Serial Bus Criado pela Intel em 1994, junto com outras empresas (Microsoft, HP, NEC, Apple) Facilita a conexão de dispositivos periféricos

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

5. Sistemas Supervisórios e Protocolos de Comunicação Industriais

5. Sistemas Supervisórios e Protocolos de Comunicação Industriais UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENG. DE PRODUÇÃO E SISTEMAS - DEPS INFORMÁTICA INDUSTRIAL IFD 5. Sistemas Supervisórios e Protocolos de

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

Quadro de consulta (solicitação do mestre)

Quadro de consulta (solicitação do mestre) Introdução ao protocolo MODBUS padrão RTU O Protocolo MODBUS foi criado no final dos anos 70 para comunicação entre controladores da MODICON. Por ser um dos primeiros protocolos com especificação aberta

Leia mais

REDE EM BARRENTO UTILIZANDO O MÉTODO DE ACESSO CSMA-CD ETHERNET

REDE EM BARRENTO UTILIZANDO O MÉTODO DE ACESSO CSMA-CD ETHERNET REDE EM BARRENTO UTILIZANDO O MÉTODO DE ACESSO CSMA-CD ETHERNET HISTÓRICO 1973, XEROX INICIALIZOU O DESENVOLVIMENTO DE UM REDE LOCAL DE TOPOLOGIA DE BARRAMENTO NO XEROX PALO ALTO RESEARCH CENTER (PARC);

Leia mais

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace Redes de Computadores II Módulo 1 Introdução e a camada de enlace 1 A Camada de Enlace Principal objetivo da camada: Comunicar dados entre dois equipamentos de rede conectados ao mesmo meio de transmissão

Leia mais

Manual da Comunicação DeviceNet

Manual da Comunicação DeviceNet Manual da Comunicação DeviceNet Soft-Starter Série: SSW-07/SSW-08 Idioma: Português Documento: 10000046947 / 00 03/2008 Sumário SOBRE O MANUAL... 5 ABREVIAÇÕES E DEFINIÇÕES... 5 REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA...

Leia mais

... Máquina 1 Máquina 2

... Máquina 1 Máquina 2 Exercícios Apostila Parte 1 Lista de Exercícios 1 1) Descreva sucintamente a função de (ou o que é realizado em) cada uma das sete camadas (Física, Enlace, Redes, Transporte, Sessão, Apresentação e Aplicação)

Leia mais

Redes de Campo em Automação

Redes de Campo em Automação IST MEEC - API Redes de Campo em Automação Filipe Barata 5120/M API Monografia FBarata 1 Origens das Redes de Comunicação Digital Evolução a par com a dos computadores pessoais RS232, 422, 423 1969 da

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input.

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para detecção de acionamentos e monitoração de sensores. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. Possui seis entradas digitais optoacopladas com indicação de

Leia mais

Rede de Computadores. Carlos Eduardo Pereira GCAR GCAR. IMP= Interface Message Processor. hosts. IMPs. Referência: Tanenbaum - Redes de Computadores

Rede de Computadores. Carlos Eduardo Pereira GCAR GCAR. IMP= Interface Message Processor. hosts. IMPs. Referência: Tanenbaum - Redes de Computadores Redes de Computadores Carlos Eduardo Pereira Referência: Tanenbaum - Redes de Computadores Rede de Computadores hosts IMPs IMP= Interface Message Processor 1 DTE/DCE/DSE Tarefas a serem realizadas pelas

Leia mais

ETHERNET E FIELDBUS FOUNDATION NO AMBIENTE INDUSTRIAL

ETHERNET E FIELDBUS FOUNDATION NO AMBIENTE INDUSTRIAL ETHERNET E FIELDBUS FOUNDATION NO AMBIENTE INDUSTRIAL Antônio Pereira de Araújo Júnior, Christiano Vasconcelos das Chagas Raphaela Galhardo Fernandes DCA-CT-UFRN Natal - RN Resumo Este artigo mostra um

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Evolução do Padrão Ethernet

Evolução do Padrão Ethernet Beethovem Zanella Dias bzdias@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Evolução do Padrão Ethernet Resumo A rápida evolução dos padrões de tecnologias de rede nós leva a várias

Leia mais

Vitor Amadeu Souza. vitor@cerne-tec.com.br

Vitor Amadeu Souza. vitor@cerne-tec.com.br Introdução Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Veremos agora os passos para enviar uma string de caracteres pela USB. Porém antes veremos um tutorial referente a porta USB. Tutorial USB Sistema de

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2)

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) A largura de banda,, em termos gerais, indica a quantidade máxima de dados que podem trafegar no meio em um determinado momento. É medida em bps (bits

Leia mais

REDES DE COMUNICAÇÃO INDUSTRIAL

REDES DE COMUNICAÇÃO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA REDES DE COMUNICAÇÃO INDUSTRIAL Área de Engenharia Elétrica Por Eduardo Luís da Silva Souza Débora Meyhofer Ferreira, M.ª Orientadora Campinas (SP),

Leia mais

TOPOLOGIAS FÍSICA. BARRAMENTO É a mais simples das três, pois nela um PC é ligado ao outro,usando apenas um único cabo coaxial.

TOPOLOGIAS FÍSICA. BARRAMENTO É a mais simples das três, pois nela um PC é ligado ao outro,usando apenas um único cabo coaxial. Topologia É um diagrama que descreve como os elementos de uma rede estão interligados. Esses elementos são chamados de NÓS, e podem ser computadores, impressoras e outros equipamentos. 1 Topologias de

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

O Modelo OSI Open Systems Interconection Redes Industriais Semestre 02/2015

O Modelo OSI Open Systems Interconection Redes Industriais Semestre 02/2015 O Modelo OSI Open Systems Interconection Redes Industriais Semestre 02/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução Dentro de uma rede, a comunicação entre controladores e estações é possível pela

Leia mais

Camada Física. Camada Física

Camada Física. Camada Física Camada Física Camada Física lida com a transmissão pura de bits definição do meio físico, níveis de tensão, duraçãodeumbit,taxade transmissão,comprimento máximo, construção dos conectores 1 Camada Física

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Eng.º Domingos Salvador dos Santos. email:dss@isep.ipp.pt

Eng.º Domingos Salvador dos Santos. email:dss@isep.ipp.pt Sistemas e Planeamento Industrial DOMÓTICA REDES DE CAMPO Eng.º Domingos Salvador dos Santos email:dss@isep.ipp.pt Outubro de 2010 Outubro de 2010 2/20 REDES DE CAMPO Fieldbus Fieldbus Estrutura da Apresentação

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina. Redes Industriais de Comunicação

Universidade Estadual de Londrina. Redes Industriais de Comunicação Universidade Estadual de Londrina Redes Industriais de Comunicação Redes Industriais Classificação Classificação Redes de controle Interligam o equipamentos e sistemas inteligentes de controle, como por

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Aplicação de Redes Industriais em Equipamentos de Campo para Monitoração de Processos

Aplicação de Redes Industriais em Equipamentos de Campo para Monitoração de Processos Aplicação de Redes Industriais em Equipamentos de Campo para Monitoração de Processos Cléverson Leandro de Souza 1, Luís Augusto Mattos Mendes (Orientador) 1 1 Ciência da Computação Universidade Presidente

Leia mais

Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe

Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe Pentium 4 Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe O Pentium 4 é um descendente direto da CPU 8088 usada no IBM PC original. O primeiro Pentium 4 foi lançado em novembro de 2000 com uma CPU de 42 milhõcs

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

V Seminário sobre a Eletro- Eletrônica Aplicada à Mobilidade DIAGNOSE VEICULAR

V Seminário sobre a Eletro- Eletrônica Aplicada à Mobilidade DIAGNOSE VEICULAR V Seminário sobre a Eletro- Eletrônica Aplicada à Mobilidade DIAGNOSE VEICULAR São Paulo, 27 de junho de 2003 PATROCÍNIO APOIO COORDENAÇÃO GERAL Helcio Onusic DaimlerChrysler / IFUSP Silvio Palácios DaimlerChrysler

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Sobre a arquitetura Ethernet Camadas da arquitetura Ethernet Topologias para redes Ethernet IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É a arquitetura mais comum em redes locais

Leia mais

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano REDES ETHERNET Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Redes de Comunicação 10º Ano Nome: Marcelo Filipe Rocha Assunção 2013/2014 ÍNDICE Introdução... 2 Arquitetura

Leia mais

Redes Fieldbus: Visão Geral

Redes Fieldbus: Visão Geral Redes Fieldbus: Visão Geral LOCAL AREA NETWORK I/O 4-20 ma CAMPO DPT101 PT101 FCV101 DPT102 PT102 FCV102 2 SISTEMA SUPERVISÓRIO L A N GATEWAY CAMPO DPT101 PT101 FCV101 DPT102 PT102 FCV102 3 CONCEITO FIELDBUS

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Redes Ethernet. Padrão IEEE 802.3

Redes Ethernet. Padrão IEEE 802.3 Padrão IEEE 802.3 Redes Ethernet Desenvolvido pela Xerox, Digital e Intel em meados de 1972 Largura de banda de 3 Mbps, utilizando cabo coaxial É a Rede Local mais antiga e popular da atualidade Utiliza

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados Fundamentos de Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais