Rede Profibus. Process. Manufacturing PLC PROFIBUS-PA. Internet PROFINET IEC RS-485/FO PROFIBUS-DP IPC. AS-Interface

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rede Profibus. Process. Manufacturing PLC PROFIBUS-PA. Internet PROFINET IEC 61158-2 RS-485/FO PROFIBUS-DP IPC. AS-Interface"

Transcrição

1 Rede Profibus OS OS Internet PLC Manufacturing IPC PROFINET Process RS-485/FO PROFIBUS-DP IEC PROFIBUS-PA AS-Interface

2 Rede Profibus PROFIBUS desenvolvido na Alemanha, inicialmente pela Siemens em conjunto com a Bosch e Klockner-Moeller em Em 1988 tornou-se um "Trial Use Standard" no contexto da norma DIN (DIN V 19245, parte 1), que define as camadas Física e Enlace. Posteriormente, grupo de 13 empresas e 5 centros de pesquisa propuseram alterações nas camadas Física e Enlace e definiram a camada de Aplicação (norma DIN V 19245, parte 2). Esta proposta é atualmente apoiada por mais de 300 empresas européias e internacionais.

3 Rede Profibus

4 Rede Profibus Classificação: Devicebus Mais de 300 fornecedores de equipamentos Topologia:Linha / Estrela / Anel Velocidade de transmissão: DP - Máx: 12 Mbps ; PA - Max: kbps Max. número de nós: 127 Distância Máxima: 100m entre segmentos (12Mbaud) ; 24Km (Dependente do meio e do Baudrate) Mestre-Escravo - peer to peer

5 Rede Profibus Os dispositivos mais comuns nesta rede são: Computadores; Drives AC e DC (acionamentos); Sensores e Atuadores; Controladores Programáveis.

6 Redes Profibus

7 Rede Profibus Características gerais: Profibus é uma rede multimestres. A especificação fieldbus distingue dois tipos de dispositivos: Dispositivos Mestre: Um mestre é capaz de enviar mensagens independente de solicitações externas quando tiver a posse do token. São também chamados de estações ativas. Dispositivos Escravos: Não possuem direito de acesso ao barramento e podem apenas confirmar o recebimento de mensagens ou responder a uma mensagem enviada por um mestre. São também chamadas de estações passivas. Sua implementação é mais simples e barata que a dos mestres.

8 Tipos de Rede Profibus P r o f i b u s D P ( D i s t r i b u t e d P e r i p h e r a l s) Esta rede é especializada na comunicação entre sistemas de automação e periféricos distribuídos. P r o f i b u s F M S ( F i e l d b u s M e s s a g e S p e c i f i c a t i o n ) É uma rede de grande capacidade para comunicação de dispositivos inteligentes tais como computadores, CLPs ou outros sistemas inteligentes que impõem alta demanda de transmissão de dados. FMS vem perdendo espaço para a rede Ethernet TCP/IP. P r o f i b u s P A ( P r o c e s s A u t o m a t i o n ) É uma rede para a interligação de instrumentos analógicos de campo tais como transmissores de pressão, vazão, temperatura, etc. Esta rede possui uma grande fatia do mercado de barramentos de campo geralmente chamados de fieldbus.

9 Acesso ao Meio PROFIBUS diferencia dispositivos mestre de escravo Active Devices (Masters) PLC PC PLC PROFIBUS Passive Devices (Slaves)

10 Profibus DP Monomestre Mestre (Class 1) Mestre (Class 2) PLC Ontrolador Central Controller troca dados com os dispositivos periféricos distribuidos Ferramenta de engenharia usada para configuração dos escravos PROFIBUS Escravos Dispositivos analogicos ou digitais tais como I/O, drives, transmissores, valvulas ou terminais

11 Profibus DP Multimestre Vários Mestres-DP podem ler um Escravo-DP mas apenas um Mestre pode escrever em um escravo. DP-Master (class 2) Sistema DP Multi-Mestre consiste de: - multiplos Mestres (class 1 ou 2) - 1 a 124 Escravos-DP - max. 126 dispositivos no mesmo barramento PC Mestre-DP (class 1) CNC PLC Mestre-DP (class 1) PROFIBUS Entradas e saídas distribuidas DP - Slaves Entradas e saídas distribuidas

12 Configuração da Rede Profibus PROFIBUS Ferramenta de configuração Arquivos GSD-Files contém os parâmetros de comunicação PLC Arquivos EDD-files contém os parâmetros da aplicação. PROFIBUS Uma biblioteca com arquivos GSD dos dispositivos PROFIBUS está disponível online em

13 Aplicação na Automação de Processo Sistema de Controle x Ferramenta de Engenharia RS-485 ou Fibra Ótica PROFIBUS-DP I IEC (MBP_IS) PROFIBUS-PA + x Segmentcoupler/Link transmissor Fonte 24V

14 Métodos de Comunicação Passagem lógica de bastão entre mestres P G PROFIBUS FM SV Acesso cíclico entre mestres e escravos

15 Protocolo Token Passing O token é passado para cada estação segundo sua posição no anel lógico (endereços crescentes) dentro de um tempo bem determinado. O tempo de retenção da ficha por cada mestre é determinado pelo tempo de rotação do token, que é configurável. A comunicação em Profibus é independente de conexão, o que permite executar uma comunicação broadcast (uma estação envia uma mensagem sem reconhecimento para todas as demais, mestres ou escravos) ou multicast (uma estação ativa envia uma mensagem sem reconhecimento para um determinado grupo de estações (mestre ou escravos).

16 Profibus DP

17 Meios Físicos Existem atualmente três physical profiles que definem os métodos de transmissão disponíveis para o Profibus: RS-485 para aplicações gerais da automação da manufatura; IEC para uso na automação de processos; Fibra ótica para maior imunidade a ruído e maiores distâncias.

18 18 Profibus Tecnologia de Transmissão

19 Transmissão RS 485 Profibus DP/FMS Topologia em Barramento linear, terminação ativa em ambas as extremidades, extensões de conexão são permitidas em velocidades abaixo de 1,5 Mbit/s. 32 estações em cada segmento sem repetidores, e 127 estações, com repetidores. Conector 9 pinos tipo D subminiatura (AL-2601e AL- 2602)

20 Instalação RS 485 first station VP Bus Termination Bus Termination last station VP B 390 Data Line B 390 B A Data Line A A DGND DGND A B A B Station 2 Station 3 20

21 Meio Físico RS 485

22 Transmissão IEC Profibus PA Transmissão de dados: codificação digital, bit-síncrona, Manchester. Velocidade de Transmissão: 31,25 kbit/seg, Modo Voltagem. Cabo: par trançado, com ou sem blindagem. Alimentação remota: opcional, através de linhas de dados. Tipo à prova de explosão: operações intrinsecamente seguras e nãointrinsecamente seguras são possíveis. Topologia: em linha e em árvore, ou uma combinação. Número de estações: até 32 estações por segmento de linha, total máximo de 126. Repetidores: pode ser expandido com até 4 repetidores. 22

23 Transmissão Fibra Ótica Condutores de fibra óptica podem ser usados em PROFIBUS para aplicações em ambientes com interferência eletromagnética muito alta e para aumentar a distância máxima em altas velocidades de transmissão. Dois tipos de condutores estão disponíveis. condutores baratos de fibra plástica para distâncias <= 50 m; condutores de fibra de vidro para distâncias da ordem de quilometro. 23

24 Dispositivos de Conexão Acoplador DP para PA Conectores T Caixa de Junção Terminador Conector

25 Profibus DP Profibus DP É uma rede de alta velocidade e multimestres utilizando o padrão RS 485. Os mestre podem ser de duas categorias: Classe 1: são mestres que realizam comunicações cíclicas tais como CLPs. Classe 2: São mestres que trabalham com mensagens assíncronas como estações de operação e de configuração.

26 Profibus DP - Dispositivos

27 Características PROCESS FIELD BUS Características tecnológicas: Transmissão assíncrona, padrão físico RS 485 / Fibra Óptica e IEC Topologia: Barramento Velocidade: 9,6 Kbps.. 12 Mbps. Transmite 1 kbyte de E/S em menos que 2 ms Distância: 100 m... 1,2 Km Dispositivos 127 (máximo) Parametrização e diagnóstico remotos Acesso híbrido (Token + Mestre/Escravo) protocolo FDL (FieldBus Data Link): permite mestre/escravo com token passing, multi-mestre com token ring, adicionalmente com broadcast e multicast ( nível 2 )

28 Arquiteturas PROCESS FIELD BUS Características tecnológicas (continuação): ProfiBus divide-se em ProfiBus FMS, para nível de célula ( controle ) ProfiBus DP (Decentralized Periphery), para nível de campo: Equipamentos escravos DPM1 (DP Master Class 1): controlador central ( CP ou PC ) DPM2 (DP Master Class 2): configuração, diagnóstico e programação (notebook, PC) ProfiBus PA (Process Automatation), para segurança intrínseca: semelhante ao DP

29 Arquiteturas PROCESS FIELD BUS Características tecnológicas (continuação): Configuração PROFIBUS com 3 estações ativas (mestres) e 7 estações passivas (escravas). Os 3 mestres formam um anel lógico de token:

30 Profibus DP Projetado para a rápida comunicação de dados entre dispositivos, cuja comunicação realizada é entre CLPs e seus dispositivos de E/S remotos. Indicada para o chão de fábrica, onde o volume de informações é grande e há a necessidade de uma alta velocidade de comunicação para que os eventos sejam tratados num tempo adequado. As comunicações com este tipo de dispositivos é feita de forma cíclica. Oferece funções para acesso acíclico, no caso de dispositivos de campo inteligente que necessitem configuração, diagnósticos e gerenciamento de alarmes. Característica determinística.

31 31 Profibus DP

32 Profibus DP Monomestre

33 Profibus DP Multimestre

34 34 Profibus DP Resumo

35 Profibus PA A rede Fieldbus PA é uma rede para interligar válvulas, transmissores de pressão diferencial, etc., portanto geralmente dispositivos escravos. A alimentação dos dispositivos pode se dar pela própria rede. Caso se deseje interligar esta rede de baixa velocidade a uma rede de alta velocidade (DP) ou a um CLP, deve-se utilizar um acoplador. A Profibus PA permite ligar 32 dispositivos por segmento sem segurança intrínseca (IS) ou até 9 dispositivos com segurança intrínseca. Os dispositivos podem ser conectados e desconectados para manutenção com a rede em operação, mesmo quando operando em áreas classificadas.

36 Profibus PA Profibus-PA - padrão IEC transmissão um par trançado blindado, velocidade de kbit/s. Permite alimentar os dispositivos diretamente, usando o barramento de dois fios e apresenta segurança intrínseca. Os princípios fundamentais são: Cada segmento deve ter uma única fonte de potência: a fonte de alimentação. Nenhuma potência é alimentada no barramento quando a estação está enviando dados. Cada dispositivo de campo consume uma potência fixa conhecida em regime. Os dispositivos de campo funcionam como consumidores passivos de corrente. A terminação passiva de linha é realizada nos dois extremos da linha. Topologias linear, árvore e estrela são permitidas.

37 Profibus Segurança Intrínseca Conhecida como proteção do projeto. O objetivo é limitar a energia nos circuitos elétricos do equipamento, fazendo com que os mesmos não apresentem energia suficiente com capacidade de causar a ignição de atmosferas potencialmente explosivas, mesmo nas ocorrências de falhas que venham a ocasionar centelhas ou superfícies aquecidas que estejam em contato com a atmosfera potencialmente explosiva. 37

38 Conexão Profibus DP Profibus PA

39 39 Arquivos de Configuração GSD

40 Conexão Profibus DP Profibus PA Existem duas maneiras de se realizar a conexão das duas redes: via acoplador de segmento e via DP/PA link. Acopladores são conversores de sinais que adaptam os sinais RS-485 para o nível de sinal do IEC , não possuem endereço de rede e permitem endereçar os dispositivos das sub redes diretamente. Sua maior desvantagem é limitar a velocidade da rede DP a kbps (na verdade em 45.4 kbps para a maioria dos fabricantes, somente Pepperl+Fuchs dispunha de solução a 93.75kbps em 2001). 40

41 Redes Profibus RS 485 PROFIBUS DP RS 485 PROFIBUS PA Produção Processo

42 42 Rede Profibus X Rede Devicenet

CPs Altus PROFIBUS-DP

CPs Altus PROFIBUS-DP CPs Altus PROFIBUS-DP Programa do Workshop 1 - Redes de Campo 2 - PROFIBUS 3 - PROFIBUS-DP 4 - PROFIBUS-DP Redundante 5 - CPs Altus PROFIBUS - DP 6 - Série AL-2000 PROFIBUS-DP 7 - Série Quark PROFIBUS-DP

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PROFIBUS www.profibus.org.br

ASSOCIAÇÃO PROFIBUS www.profibus.org.br Fundamentos e tecnologia do protocolo PROFIBUS Infra-estrutura de comunicação em Indústrias WORKSTATIONS Workstations Rede Industrial Fieldbus Ethernet Ethernet corporativa Rede corporativa LAN LAN Linking

Leia mais

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO g S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO SUMÁRIO 1. Objetivo 2. História 3. O Que é Profibus? 4. Profibus PA 5. Instrumentos 6. Bibliografia 1. OBJETIVO

Leia mais

Protocolos Industriais PROFIbus & PROFINET Redes Industriais Semestre 01/2015

Protocolos Industriais PROFIbus & PROFINET Redes Industriais Semestre 01/2015 Protocolos Industriais PROFIbus & PROFINET Redes Industriais Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução O PROFIBUS é um padrão aberto de rede de comunicação industrial, utilizado em

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina. Redes Industriais de Comunicação

Universidade Estadual de Londrina. Redes Industriais de Comunicação Universidade Estadual de Londrina Redes Industriais de Comunicação Redes Industriais Classificação Classificação Redes de controle Interligam o equipamentos e sistemas inteligentes de controle, como por

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE DADOS EM REDES DE AMBIENTES INDUSTRIAIS REDES PROFIBUS E DEVICENET

COMUNICAÇÃO DE DADOS EM REDES DE AMBIENTES INDUSTRIAIS REDES PROFIBUS E DEVICENET 1 COMUNICAÇÃO DE DADOS EM REDES DE AMBIENTES INDUSTRIAIS REDES PROFIBUS E DEVICENET João Paulo Pereira 1, Luís Augusto Mattos Mendes (Orientador) 1 1 Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Eng.º Domingos Salvador dos Santos. email:dss@isep.ipp.pt

Eng.º Domingos Salvador dos Santos. email:dss@isep.ipp.pt Sistemas e Planeamento Industrial DOMÓTICA REDES DE CAMPO Eng.º Domingos Salvador dos Santos email:dss@isep.ipp.pt Outubro de 2010 Outubro de 2010 2/20 REDES DE CAMPO Fieldbus Fieldbus Estrutura da Apresentação

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 16 MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Microeletrônica equipamentos microprocessados necessidade

Leia mais

Técnicas de Interfaceamento de Sinais em Áreas Classificadas. Alexandre M. Carneiro

Técnicas de Interfaceamento de Sinais em Áreas Classificadas. Alexandre M. Carneiro Técnicas de Interfaceamento de Sinais em Áreas Classificadas Alexandre M. Carneiro Liderando aplicações Ex Experiência comprovada e de longo termo Certificação Internacional Grande variedade de produtos

Leia mais

Visão Geral do Protocolo CANBus

Visão Geral do Protocolo CANBus Visão Geral do Protocolo CANBus História CAN Controller Area Network. Desenvolvido, pela BOSCH, na década de 80 para a interligação dos sistemas de controle eletrônicos nos automóveis. 1. CAN, que foi

Leia mais

Aula III Redes Industriais

Aula III Redes Industriais Aula III Redes Industriais Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) 1 Introdução Muitas

Leia mais

PROFIBUS PA E PROFIBUS DP

PROFIBUS PA E PROFIBUS DP PROFIBUS PA E PROFIBUS DP Francisco José Targino Vidal Paulo Sérgio da Câmara Vilela fjtv@ufrnet.br paulo@dca.ufrn.br LECA-DCA-UFRN Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo: Este artigo descreve

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE REDE DE CAMPO REDUNDANTE E CABEÇA DE REDE DE CAMPO REDUNDANTES PARA APLICAÇÕES EM PLATAFORMAS DE PETRÓLEO

DESENVOLVIMENTO DE REDE DE CAMPO REDUNDANTE E CABEÇA DE REDE DE CAMPO REDUNDANTES PARA APLICAÇÕES EM PLATAFORMAS DE PETRÓLEO DESENVOLVIMENTO DE REDE DE CAMPO REDUNDANTE E CABEÇA DE REDE DE CAMPO REDUNDANTES PARA APLICAÇÕES EM PLATAFORMAS DE PETRÓLEO Autores: Antonio Gabriel Rodrigues Arthur Tórgo Gómez Universidade do Vale do

Leia mais

1. Descrição do Produto

1. Descrição do Produto 1. Descrição do Produto Os repetidores óticos FOCOS/PROFIBUS AL-2431 e AL-2432 destinam-se a interligação de quaisquer dispositivos PROFIBUS, assegurando altíssima imunidade a ruídos através do uso de

Leia mais

Redes de computadores

Redes de computadores Redes de computadores Eletrônica IV Redes de Computadores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que é uma rede

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

... Estrutura da automação industrial. Protocolos de Comunicação de Dados em Redes Industriais. Supervisor. Gerência de Informação.

... Estrutura da automação industrial. Protocolos de Comunicação de Dados em Redes Industriais. Supervisor. Gerência de Informação. Protocolos de Comunicação de Dados em Redes Estrutura da automação industrial Supervisor Base de Dados Gerência de Informação Rede de Comunicação de Dados Local Controlador Local 1 Condicionamento de sinais...

Leia mais

Em 1987: 21 Cia e Inst. Pesquisas iniciam o Desenvolvimento - Alemanha Em 1996: EN50170 Em 2002: IEC Em 2003: IEC

Em 1987: 21 Cia e Inst. Pesquisas iniciam o Desenvolvimento - Alemanha Em 1996: EN50170 Em 2002: IEC Em 2003: IEC PROcess FIeldBUS 1 Profibus Vagner S. Vasconcelos vsvasconcelos@gmail.com @vsvasconcelos Em 1987: 21 Cia e Inst. Pesquisas iniciam o Desenvolvimento - Alemanha Em 1996: EN50170 Em 2002: IEC 61158 Em 2003:

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.2.2, 16.7.1, 16.7.2 Moraes Engenharia de Automação Industrial 2ª. Edição LTC Cap.: 6.3.3, 6.3.2 Controller Area Network

Leia mais

Manual de Utilização da Rede PROFIBUS. Rev. D 01/2013 Cód. Doc.: MU299026

Manual de Utilização da Rede PROFIBUS. Rev. D 01/2013 Cód. Doc.: MU299026 Manual de Utilização da Rede PROFIBUS Rev. D 01/2013 Cód. Doc.: MU299026 Condições Gerais de Fornecimento Nenhuma parte deste documento pode ser copiada ou reproduzida de alguma forma sem o consentimento

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

5. Sistemas Supervisórios e Protocolos de Comunicação Industriais

5. Sistemas Supervisórios e Protocolos de Comunicação Industriais UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENG. DE PRODUÇÃO E SISTEMAS - DEPS INFORMÁTICA INDUSTRIAL IFD 5. Sistemas Supervisórios e Protocolos de

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Arquitetura Token Ring Arquitetura FDDI IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Usada em redes que possuem computadores de grande porte da IBM Opera nas camadas 1 e 2 do

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

Manual da Comunicação Profibus DP

Manual da Comunicação Profibus DP Manual da Comunicação Profibus DP Relé Inteligente Série: SRW 01 Versão de Software: V1.3X Idioma: Português Documento: 10000089150 / 00 04/2008 Sumário SOBRE O MANUAL...5 1 A REDE PROFIBUS DP...6 1.1

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15 até 15.2.1 Moraes Engenharia de Automação Industrial 2ª. Edição LTC Cap.: 6.3 até 6.3.1 1. Primeira prova 32 pt 2.

Leia mais

Nós estamos compromissados a promover e proteger os padrões em comunicação aberta no mercado de automação e controle de processos.

Nós estamos compromissados a promover e proteger os padrões em comunicação aberta no mercado de automação e controle de processos. Compromisso Nós somos e continuaremos sendo a organização líder mundial em redes digitais para a indústria e a automação de processos, servindo nossos clientes, nossos membros com as melhores soluções,

Leia mais

Inversor de Freqüência CFW-09PM Manual da Comunicação Fieldbus

Inversor de Freqüência CFW-09PM Manual da Comunicação Fieldbus Inversor de Freqüência CFW-09PM Manual da Comunicação Fieldbus 12/2007 Série: CFW-09PM Versão: P/1 0899.5890 Sumário SOBRE O MANUAL...4 REDES FIELDBUS...4 ABREVIAÇÕES E DEFINIÇÕES...4 REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA...4

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

É uma interface Homem-Máquina em vários idiomas e trabalha em MS Windows 95, MS Windows NT4.0 e MS Windows 2000.

É uma interface Homem-Máquina em vários idiomas e trabalha em MS Windows 95, MS Windows NT4.0 e MS Windows 2000. Profibus PA PROFIBU-PA é a solução PROFIBU para automação de processos. Este protocolo conecta sistemas de automação e de controle de processos com instrumentos de campo, tais como transmissores de pressão,

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Avaliação da utilização de tecnologia de comunicação sem fio em redes PROFIBUS e FOUNDATION Fieldbus

Avaliação da utilização de tecnologia de comunicação sem fio em redes PROFIBUS e FOUNDATION Fieldbus Universidade Federal de Pernambuco Centro de Tecnologia e Geociências Curso de Especialização em Engenharia de Instrumentação Avaliação da utilização de tecnologia de comunicação sem fio em redes PROFIBUS

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Relé Inteligente SRW 01 V4.0X

Relé Inteligente SRW 01 V4.0X Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Relé Inteligente SRW 01 V4.0X Manual da Comunicação Profibus DP Manual da Comunicação Profibus DP Série: SRW 01 Versão do Firmware:

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. CANespecial 1 SCA06. Manual do Usuário

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. CANespecial 1 SCA06. Manual do Usuário Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas CANespecial 1 SCA06 Manual do Usuário Manual do Usuário CANespecial 1 Série: SCA06 Idioma: Português N º do Documento: 10002922105 /

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 3 Rede AS-I Actuador - Sensor - Interface Capítulo 3 Histórico A rede AS-Interface

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda.

Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda. Artigos Técnicos Profibus: para todas as exigências Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda. No novo contexto da automação, os barramentos de campo são normalmente

Leia mais

REDES INDUSTRIAIS AS-INTERFACE

REDES INDUSTRIAIS AS-INTERFACE Em 1990, na Alemanha, um consórcio de empresas elaborou um sistema de barramento para redes de sensores e atuadores, denominado Actuator Sensor Interface (AS-Interface ou na sua forma abreviada AS-i).

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Tipos de classificação das redes de acordo com sua topologia Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Ao longo da historia das redes, varias topologias foram

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Redes de Computadores UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI.

Redes de Computadores UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI. UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI. *Definição *Contexto Atual *Meios de Transmissão *Equipamentos de Comunicação *Arquiteturas de Redes *Tecnologias de LAN s *Protocolos

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

Soft-Starter SSW-06 Manual da Comunicação Profibus DP e DeviceNet

Soft-Starter SSW-06 Manual da Comunicação Profibus DP e DeviceNet Soft-Starter SSW-06 Manual da Comunicação Profibus DP e DeviceNet 10/2007 Série: SSW-06 SSW-06: V1.4x 0899.5843 P/4 Sumário REDES FIELDBUS... 4 ABREVIAÇÕES E DEFINIÇÕES... 4 REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA... 4

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Instrumentação Fieldbus: Introdução e Conceitos

Instrumentação Fieldbus: Introdução e Conceitos Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Instrumentação Fieldbus: Outros Processos de Introdução e Conceitos Separação custo Prof a Ninoska Bojorge Introdução Competitividade Complexidade dos

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 7 IEEE 802.3 Padrão Ethernet 10BASE5 É o padrão IEEE 802.3 original, taxa de transmissão de 10Mbps. Utiliza um tipo de cabo coaxial grosso

Leia mais

REDES DE COMUNICAÇÃO INDUSTRIAL

REDES DE COMUNICAÇÃO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA REDES DE COMUNICAÇÃO INDUSTRIAL Área de Engenharia Elétrica Por Eduardo Luís da Silva Souza Débora Meyhofer Ferreira, M.ª Orientadora Campinas (SP),

Leia mais

PROFINET. Guilherme Magalhães de Bastos e Lucas Fernandes Sousa

PROFINET. Guilherme Magalhães de Bastos e Lucas Fernandes Sousa 1 de 5 PROFINET Guilherme Magalhães de Bastos e Lucas Fernandes Sousa Pontifícia Universidade Católica de Goiás E-mails: guilherme_12_94@hotmail.com, lucas_f.s@hotmail.com Avenida Primeira Avenida, Setor

Leia mais

Rede DeviceNet. Fábio Soares de Lima. fabio@dca.ufrn.br

Rede DeviceNet. Fábio Soares de Lima. fabio@dca.ufrn.br Rede DeviceNet Fábio Soares de Lima fabio@dca.ufrn.br Índice Introdução e Histórico Modelo de camadas Meio Físico Topologia Números de Estações Ativas Número de Redes por CLP Protocolo DATA Frame Camada

Leia mais

CANopen Rede para Máquinas & Instalações

CANopen Rede para Máquinas & Instalações Redes & Arquiteturas - SEB01 PAE CANopen Rede para Máquinas & Instalações Palestrante: Carlos POSSEBOM, Centro de Aplicações - Schneider Electric the Redes & Arquiteturas - SEB01 PAE CANopen Rede para

Leia mais

Migrando das clássicas tecnologias Fieldbus

Migrando das clássicas tecnologias Fieldbus EtherCAT simplifica a arquitetura de controle Exemplo: Arquitetura de controle de uma prensa hidráulica, Schuler AG, Alemanha Arquitetura de controle com Fieldbus clássicos Desempenho dos Fieldbus clássicos

Leia mais

TOPOLOGIAS. Em redes de computadores modernos a transmissão de dados não ocorre através de bits contínuos.

TOPOLOGIAS. Em redes de computadores modernos a transmissão de dados não ocorre através de bits contínuos. TOPOLOGIAS Fundamentos de Redes Prof. Marcel Santos Silva Pacotes Em redes de computadores modernos a transmissão de dados não ocorre através de bits contínuos. Os dados são divididos em pequenos blocos

Leia mais

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Topologias e abrangência das redes de computadores Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Objetivos Tornar os alunos capazes de reconhecer os tipos de topologias de redes de computadores assim como

Leia mais

ABINEE TEC 2005. Automação. Fieldbus - Visão da Indústria. Augusto Passos Pereira

ABINEE TEC 2005. Automação. Fieldbus - Visão da Indústria. Augusto Passos Pereira Automação Fieldbus - Visão da Indústria Augusto Passos Pereira Gerente de Engenharia de Aplicações e Marketing Yokogawa América do Sul Ltda. 1 Subtítulo Adequação da escolha dos protocolos digitais de

Leia mais

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, é uma cabeça escrava para redes PROFIBUS-DP do tipo modular, podendo usar todos os módulos de E/S da série. Pode ser interligada a IHMs (visores

Leia mais

OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA

OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA MANUAL DO USUÁRIO OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA JUL / 05 OPT-700 VERSÃO 1 TM FOUNDATION O P T 7 0 0 M P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem

Leia mais

Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015

Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015 Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015 Engenharia de Controle e Automação Sistema de Controle Baseado e PC versus Controladores Industriais Formas de apresentação:

Leia mais

HSE High Speed Ethernet (Novo padrão em backbones de redes de automação fieldbus )

HSE High Speed Ethernet (Novo padrão em backbones de redes de automação fieldbus ) HSE High Speed Ethernet (Novo padrão em backbones de redes de automação fieldbus ) Disciplina: Redes de Alta Velocidade Jean Willian de Moraes 782 Odemil Camargo 971 PAUTA DA APRESENTAÇÃO Evolução dos

Leia mais

Redes Fieldbus: Visão Geral

Redes Fieldbus: Visão Geral Redes Fieldbus: Visão Geral LOCAL AREA NETWORK I/O 4-20 ma CAMPO DPT101 PT101 FCV101 DPT102 PT102 FCV102 2 SISTEMA SUPERVISÓRIO L A N GATEWAY CAMPO DPT101 PT101 FCV101 DPT102 PT102 FCV102 3 CONCEITO FIELDBUS

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Ementa Proposta CAP: 1 - INTRODUÇÃO ÀS REDES INDUSTRIAIS ; CAP: 2 - MEIOS FÍSICOS ; CAP: 3 - REDES

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática Aula 06 Redes de Computadores francielsamorim@yahoo.com.br 1- Introdução As redes de computadores atualmente constituem uma infraestrutura de comunicação indispensável. Estão

Leia mais

Programa de Treinamento. Básico

Programa de Treinamento. Básico Programa de Treinamento Básico Filosofia dos CLP s da Mauell Condições de emprego e utilização Montagem modular em um sitema local Visão do Hardware Montagem em sistemas de rede Acoplamentos de sistemas

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Aplicação de Redes Industriais em Equipamentos de Campo para Monitoração de Processos

Aplicação de Redes Industriais em Equipamentos de Campo para Monitoração de Processos Aplicação de Redes Industriais em Equipamentos de Campo para Monitoração de Processos Cléverson Leandro de Souza 1, Luís Augusto Mattos Mendes (Orientador) 1 1 Ciência da Computação Universidade Presidente

Leia mais

Profibus Process Fieldbus

Profibus Process Fieldbus Capítulo R3 Profibus Process Fieldbus 1 Profibus Introdução: Profibus é hoje um dos standards de rede mais empregados no mundo. Esta rede foi concebida a partir de 1987 em uma iniciativa conjunta de fabricantes,

Leia mais

PROFINET. O padrão em Ethernet Industrial para Automação

PROFINET. O padrão em Ethernet Industrial para Automação PROFINET O padrão em Ethernet Industrial para Automação O que é PROFINET? É um padrão aberto baseado no Industrial Ethernet É desenvolvimento da PROFIBUS & PROFINET International (PI) Utiliza padrões TCP/IP

Leia mais

Automação. Industrial. Prof. Alexandre Landim

Automação. Industrial. Prof. Alexandre Landim Automação Industrial Prof. Alexandre Landim Automação Industrial 1. Introdução Redes e Protocolos de Comunicação No nosso dia a dia utilizamos vários meios para nos locomover de um lugar a outro, onde

Leia mais

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital Histórico IEEE 1394 1986 - primeiras idéias concretas trazidas pela Apple Computers que adotou a denominação FireWire. 1987 - primeira especificação do padrão. 1995 adoção pelo IEEE do padrão IEEE 394.

Leia mais

Rede PROFIBUS DP com mestre Rockwell/ControLogix e remota Série Ponto

Rede PROFIBUS DP com mestre Rockwell/ControLogix e remota Série Ponto Nota de Aplicação NAP100 Rede PROFIBUS DP com mestre Rockwell/ControLogix e remota Série Ponto Sumário Descrição...1 1. Introdução...2 2. Instalação...3 3. Configuração...4 3.1 Projeto de Rede PROFIBUS...4

Leia mais

Camada Física. Camada Física

Camada Física. Camada Física Camada Física Camada Física lida com a transmissão pura de bits definição do meio físico, níveis de tensão, duraçãodeumbit,taxade transmissão,comprimento máximo, construção dos conectores 1 Camada Física

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves 1 Aula 03 Redes Industriais Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Plano de aula Tópicos da aula: 1 Introdução 2 Benefícios na utilização de redes 3 Dificuldades na utilização de redes

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Elementos ativos de rede e meios de transmissão. Eduardo Max A. Amaral Aula 5

Elementos ativos de rede e meios de transmissão. Eduardo Max A. Amaral Aula 5 Elementos ativos de rede e meios de transmissão Eduardo Max A. Amaral Aula 5 Hub Os hubs são dispositivos concentradores, responsáveis por centralizar a distribuição dos quadros de dados em redes fisicamente

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

DeviceNet Drive Profile CFW-09

DeviceNet Drive Profile CFW-09 Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas DeviceNet Drive Profile CFW09 Manual da Comunicação Manual da Comunicação DeviceNet Drive Profile Série: CFW09 Idioma: Português Versão de Software:

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE HARDWARE PLACA DE REDE. Professor Carlos Muniz

FUNDAMENTOS DE HARDWARE PLACA DE REDE. Professor Carlos Muniz FUNDAMENTOS DE HARDWARE Placa de Rede Uma placa de rede (também chamada adaptador de rede ou NIC, do acrônimo inglês Network Interface Card) é um dispositivo de hardware responsável pela comunicação entre

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto TIPOS DE REDE Tipos de Redes Locais (LAN - Local Area Network), Redes Metropolitanas (MAN - Metropolitan Area Network) e Redes Remotas (WAN - Wide Area Network). Redes que ocupam um pequeno espaço geográfico

Leia mais