DECLARAÇÃO. Nome curso Período realização Nome módulo/disciplina Tema Número de horas CURSO DATA DE REALIZAÇÃO MÓDULO TEMA DURAÇÃO (H)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DECLARAÇÃO. Nome curso Período realização Nome módulo/disciplina Tema Número de horas CURSO DATA DE REALIZAÇÃO MÓDULO TEMA DURAÇÃO (H)"

Transcrição

1 emitido pelo arquivo de identificação de Local, em data, desempenhou funções de formador no Instituto Superior de Agronomia, no curso de Nome do Curso, com a duração de número total de horas, de acordo com o descrito abaixo e programa em anexo. CURSO DATA DE REALIZAÇÃO MÓDULO TEMA DURAÇÃO (H) Nome curso Período realização Nome módulo/disciplina Tema Número de horas O Presidente do Conselho Directivo

2 emitido pelo arquivo de identificação de Local, em data, frequentou, no Instituto Superior de Agronomia, o curso de Nome do Curso, com a duração de número total de horas, que concluiu com a classificação final de nota (nota por extenso), no ano lectivo de ano lectivo, nos termos das disposições regulamentares do respectivo Plano de Estudos (apresentado em anexo), aprovado pela Comissão Coordenadora do Conselho Científico, a data de aprovação. A avaliação respectiva é a discriminada no quadro abaixo. Disciplina/Módulo 1 Disciplina/Módulo 2 DISCIPLINA CLASSIFICAÇÃO HORAS Nota 1 Horas 1 Nota 2 Horas 2 Lisboa, data O Presidente do Conselho Directivo

3 emitido pelo arquivo de identificação de Local, em data, se inscreveu no Nome do curso a decorrer no Instituto Superior de Agronomia, entre período de realização do curso, mas teve de desistir do mesmo por razões razões (profissionais, familiares,...). O Aluno O Coordenador do Curso Nome do aluno Nome do coordenador (Professor Auxiliar/Associado/Catedrático)

4 emitido pelo arquivo de identificação de Local, em data, se encontra inscrito(a) no Nome do curso, que decorre no Instituto Superior de Agronomia nos dias período de realização do curso, de acordo com o horário abaixo indicado. Calendário do nome do curso DATA DIA HORÁRIO LOCAL Data 1 Dia 1 Horário 1 Local Data 2 Dia 2 Horário 2 Local... O Coordenador do Curso Nome do coordenador (Professor Auxiliar/Associado/Catedrático)

5 emitido pelo arquivo de identificação de Local, em data, se encontra inscrito(a) no nome do curso, que decorreu no Instituto Superior de Agronomia no ano lectivo ano lectivo, nos termos das disposições regulamentares do respectivo Plano de Estudos (apresentado em anexo), aprovado pela Comissão Coordenadora do Conselho Científico, a data de aprovação, de acordo com o horário em anexo. O Presidente do Conselho Directivo do ISA

6 Para os devidos efeitos, o Instituto Superior de Agronomia declara que o nome do curso não será co-financiado por fundos públicos, nomeadamente o Fundo Social Europeu. O Presidente do Conselho Directivo do ISA

7 Para os devidos efeitos o Instituto Superior de Agronomia declara que Nome do curso decorreu no Instituto Superior de Agronomia, no ano lectivo ano lectivo, de período de realização do curso, de acordo com o horário abaixo indicado, perfazendo um total de número de horas total do curso. Calendário do nome do curso DATA DIA HORÁRIO Data 1 Dia 1 Horário 1 Data 2 Dia 2 Horário 2... O Presidente do Conselho Directivo do ISA

8 emitido pelo arquivo de identificação de Local, em data, aluno(a) do nome do curso, que decorre no Instituto Superior de Agronomia, realizou avaliação da disciplina nome da disciplina no dia data da avaliação das horário da avaliação. O Coordenador da disciplina Nome do coordenador (Professor Auxiliar/Associado/Catedrático)

9 emitido pelo arquivo de identificação de Local, em data, esteve presente numa visita de estudo realizada no âmbito do/a nome do curso, que teve lugar no dia data da visita, em local visitado, das horário da visita. O Coordenador do Curso Nome do coordenador (Professor Auxiliar/Associado/Catedrático)

REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA

REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA INTRODUÇÃO A unidade curricular Trabalho Experimental em Biologia Marinha, adiante designada TEBM, é uma unidade

Leia mais

R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O

R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Escola Superior de Turismo e Hotelaria Instituto Politécnico da Guarda R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Data 2008-07-22 Conselho Científico Índice 1. Introdução... 3 2. Avaliação da aprendizagem...

Leia mais

REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO E LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO E LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO E LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS ARTIGO 1 - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é um instrumento de iniciação científica

Leia mais

Regulamento do Regime de Frequência e Avaliação

Regulamento do Regime de Frequência e Avaliação Regulamento do Regime de Frequência e Avaliação CURSO DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTETRÍCIA Aprovado em Conselho Científico de 19/09/2007 A Presidente do Conselho

Leia mais

Anexo 7 CTC 25/1/2012

Anexo 7 CTC 25/1/2012 Anexo7 CTC25/1/2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE LISBOA Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso da Escola Superior de Educação de Lisboa

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS I A Comissão Directiva do POPH informa que decorre entre os dias 30 de Janeiro e 3 de Março de 2008 o período para apresentação de candidaturas ao Programa Operacional

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO Artigo 1º Objectivo e âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos processos de creditação no ISCIA para efeitos do disposto no artigo 45.º

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

Licenciatura em Biologia

Licenciatura em Biologia Licenciatura em Biologia Regulamento de Estágio Profissionalizante Para dar cumprimento ao estipulado no Despacho n.º 22 420/2001 da Reitoria da Universidade de Aveiro, publicado no Diário da República

Leia mais

Regulamento Comum para os Cursos de 1º Ciclo da Escola Superior Agrária de Coimbra

Regulamento Comum para os Cursos de 1º Ciclo da Escola Superior Agrária de Coimbra E SCOLA S UPERIOR A GRÁRIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA Regulamento Comum para os Cursos de 1º Ciclo da Escola Superior Agrária de Coimbra (Documento alterado pelo Conselho Científico na Comissão Permanente

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO A disciplina de Seminário/Estágio, do 3º ano da Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA (Com base no Regulamento de Estudos revisto e alterado em Reunião do Conselho Científico de 27 Novembro 2006) Anos Lectivos 2006/2007 e 2007/2008 Artigo 1.º

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Faculdade de Ciências e Tecnologia Diário da República, 2 série N.º 186 26 de Setembro de 2006. Resolução n.

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Faculdade de Ciências e Tecnologia Diário da República, 2 série N.º 186 26 de Setembro de 2006. Resolução n. UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências e Tecnologia Diário da República, 2 série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Resolução n.º 94/2006 Por resolução do conselho directivo da Faculdade de Ciências

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FINANÇAS E CONTABILIDADE DISCIPLINA: CONTABILIDADE DE GESTÃO. COORDENADOR: Prof. Doutor Victor Franco ÁREA CIENTÍFICA: CONTABILIDADE

DEPARTAMENTO DE FINANÇAS E CONTABILIDADE DISCIPLINA: CONTABILIDADE DE GESTÃO. COORDENADOR: Prof. Doutor Victor Franco ÁREA CIENTÍFICA: CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE FINANÇAS E CONTABILIDADE DISCIPLINA: CONTABILIDADE DE GESTÃO COORDENADOR: Prof. Doutor Victor Franco ÁREA CIENTÍFICA: CONTABILIDADE LICENCIATURA EM MARKETING ANO LECTIVO 2006/2007 1. Objectivos

Leia mais

11,00 classificações obtidas 1.4 De conclusão de curso do curso de especialização tecnológica

11,00 classificações obtidas 1.4 De conclusão de curso do curso de especialização tecnológica TABELA DE EMOLUMENTOS DO IPL 1 1 Certidões: Euros 1.1 Certidão do registo de graus e diplomas de ensino superior (licenciatura; mestrado; diploma de estudos superiores de curta duração; 15,00 conclusão

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC Artigo 1º Âmbito do regulamento 1. O presente regulamento define o regime do pagamento da propina pelos estudantes do IPVC inscritos a tempo integral,

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Centro. Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim. Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha.

Direcção Regional de Educação do Centro. Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim. Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha. Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha Regulamento Da PAP (Prova de Aptidão Profissional) Cursos Profissionais (Portaria

Leia mais

Curso de Formação para Dinamização de workshops

Curso de Formação para Dinamização de workshops Curso de Formação para Dinamização de workshops Ficha Informativa Curso de Formação para Cientistas 1. A Empresa A Science4you é uma empresa 100% Nacional que nasceu em Janeiro de 2008. É considerada uma

Leia mais

Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior

Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE ACTIVIDADES EXTRA-CURRICULARES Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento refere-se à creditação das

Leia mais

(Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05)

(Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05) Instituto Politécnico de Portalegre ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE ELVAS Normas regulamentares dos Cursos de Especialização Tecnológica (Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05) Elvas Julho de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferências e Reingressos do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferências e Reingressos do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferências e Reingressos do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Artigo 1.º Objecto e âmbito 1 - O presente regulamento disciplina, no cumprimento

Leia mais

Instituto de Cooperação Científica e Tecnológica Internacional

Instituto de Cooperação Científica e Tecnológica Internacional Registo de autoridade arquivística Instituto de Cooperação Científica e Tecnológica Internacional Identificação Tipo de entidade Entidade coletiva Forma autorizada do nome Instituto de Cooperação Científica

Leia mais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais ANEXO I Regulamento Cursos Vocacionais Março de 2014 1 REGULAMENTO do ENSINO VOCACIONAL Conteúdo Âmbito e definição... 3 Artigo 2º... 3 Destinatários e acesso... 3 Artigo 3º... 3 Organização curricular...

Leia mais

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA Pág.: 1/10 HISTÓRICO DO DOCUMENTO / EMISSÃO Data Ver. Objeto da Revisão Elab. / Verif. (Função / Nome / Assinatura(*)) C. Técnicocientífica/ S. Iglésias Aprovação (Função / Nome / Assinatura(*)) Diretora/

Leia mais

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 1. Introdução O Curso de Especialização em Administração Hospitalar (CEAH) da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Universidade

Leia mais

Instituto Politécnico de Portalegre Escola Superior de Saúde de Portalegre

Instituto Politécnico de Portalegre Escola Superior de Saúde de Portalegre Instituto Politécnico de Portalegre Escola Superior de Saúde de Portalegre Edital Cursos de Mestrado em Enfermagem (Despachos n.º 23087/2009, n.º 23089/2009, n.º 23088/2009 20 de Outubro de 2009). 1 Por

Leia mais

Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado

Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado Curso de Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem Portaria n.º 268/2002 de 13 março Instruções para o preenchimento da grelha de candidatura O documento é constituído por duas secções: 1ª Secção

Leia mais

enquadramento objectivos

enquadramento objectivos enquadramento O curso tem uma estrutura holística, integradora e procura trabalhar as competências da gestão de recursos humanos numa perspectiva de marketing interno no âmbito de temas marcadamente actuais,

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA De acordo com o art. 14 da Lei de Bases do Sistema Educativo e ao abrigo do Capítulo III do Decreto-Lei 74/2006, e para aprovação pelo Conselho

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA. Regulamento da Prática Simulada Cursos Vocacionais do Ensino Básico - 2015-2017

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA. Regulamento da Prática Simulada Cursos Vocacionais do Ensino Básico - 2015-2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA Regulamento da Prática Simulada Cursos Vocacionais do Ensino Básico - 2015-2017 (Anexo X C) Regulamento da Prática Simulada Cursos Vocacionais do Ensino Básico Artigo

Leia mais

Regulamento de Formação: CURSO DE GRAU I Treinador / Monitor de Natação Évora, Novembro de 2015

Regulamento de Formação: CURSO DE GRAU I Treinador / Monitor de Natação Évora, Novembro de 2015 Regulamento de Formação: CURSO DE GRAU I Treinador / Monitor de Natação Évora, Novembro de 2015 1. ORGANIZAÇÃO DA FORMAÇÃO O curso de Treinadores de Grau I / Monitor de Natação integrará duas fases: Curricular

Leia mais

ANO LECTIVO 2013/2014

ANO LECTIVO 2013/2014 DIVISÃO DE GESTÃO ACADÉMICA/ SERVIÇO DE FORMAÇÃO GRADUADA ANO LECTIVO 2013/2014 REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Estes regimes são regulados pela Portaria n.º 401/2007, de 5 de Abril.

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 17-CEPE/UNICENTRO, DE 6 DE ABRIL DE 2015. Aprova o Regulamento de aproveitamento, equivalência e validação de atividades acadêmicas em mobilidade internacional de graduação, na UNICENTRO.

Leia mais

Regulamento. Curso Vocacional do Ensino Secundário

Regulamento. Curso Vocacional do Ensino Secundário Regulamento Curso Vocacional do Ensino Secundário Página 1 Artigo 1. Âmbito 1 - Os cursos vocacionais do ensino secundário constituem uma oferta formativa que se desenvolve no âmbito de uma experiência-piloto

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 ÍNDICE 1. Introdução 1 2. Finalidades e objectivos educacionais 2 3. Organização interna do CEAH 2 4. Habilitações de acesso

Leia mais

Criação e Desenvolvimento de Novos Negócios no Sector Agro-Alimentar

Criação e Desenvolvimento de Novos Negócios no Sector Agro-Alimentar Curso de Formação Avançada Criação e Desenvolvimento de Novos Negócios no Sector Agro-Alimentar Em colaboração com 9 de Maio a 21 de Junho de 2008 Instituto Superior de Agronomia / Universidade Técnica

Leia mais

Universidade Aberta. Licenciatura em Ciências Sociais, Minor em Serviço Social. Regulamento de Estágio

Universidade Aberta. Licenciatura em Ciências Sociais, Minor em Serviço Social. Regulamento de Estágio Universidade Aberta Licenciatura em Ciências Sociais, Minor em Serviço Social Regulamento de Estágio Preâmbulo O Ensino a Distância possibilita o acesso ao prosseguimento dos estudos em condições vantajosas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO REGULAMENTO Artigo 1.º Designação A Escola Superior de Desporto de

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA - SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAP)

REGULAMENTO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA - SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAP) REGULAMENTO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA - SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAP) REGULAMENTO DO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA - SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS ARTIGO

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NORMAS REGULAMENTARES De acordo com o estipulado pelos artigos 14.º e 26.º do Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Regulamento n.º 487/2010,

Leia mais

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.2 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira)

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DESPACHO N.º 39/GDN/2010 Nos termos do n.º 2 do artigo 27.º do Regulamento da Escola Prática de Polícia, aprovado pelo

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS. 2ºs CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE NA UNIVERSIDADE LUSÍADA

REGULAMENTO GERAL DOS. 2ºs CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE NA UNIVERSIDADE LUSÍADA REGULAMENTO GERAL DOS 2ºs CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE NA UNIVERSIDADE LUSÍADA Artigo 1.º (Direito Aplicável) Os Mestrados na Universidade Lusíada regem-se pelo disposto no Decreto-Lei

Leia mais

EDITAL. 5- Os prazos para candidatura, selecção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1;

EDITAL. 5- Os prazos para candidatura, selecção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1; EDITAL 1- Faz-se público que está aberto concurso, de 3 de Julho a 19 de Setembro de 2008, para admissão ao Curso de Formação Especializada em Ensino da Língua Estrangeira (Inglês e Francês) na Educação

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Artigo 1.º (disposições gerais) 1. O presente Regulamento obedece aos princípios consignados nos diversos normativos que a tutela legislou

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR

REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL CURSOS LIVRES ACTIVIDADES EXTRA-CURRICULARES REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL Secção I Disposições

Leia mais

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Disciplina os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu nas modalidades Acadêmica e Profissionalizante

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM 01 APROVADO POR: CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO 16 03 2012 Data: 16/03/2012 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Formação

Regulamento do Núcleo de Formação Regulamento do Núcleo de Formação 2013 1.Nota Introdutória Qualquer processo de formação com qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que permitam garantir desempenhos de excelência

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO

ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO CURSOS DE EXTENSÃO: Caracterizados como um conjunto articulado de ações pedagógicas, de caráter teórico e/ou prático, presencial ou à distância,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FINANÇAS E CONTABILIDADE

DEPARTAMENTO DE FINANÇAS E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE FINANÇAS E CONTABILIDADE Disciplina: CONTABILIDADE DE GESTÃO II Área Científica: CONTABILIDADE Coordenação: Victor Franco LICENCIATURA: FINANÇAS ANO LECTIVO: 2006/2007 1. Objectivos A disciplina

Leia mais

FICHA DE PERCURSO PROFISSIONAL E DE FORMAÇÃO

FICHA DE PERCURSO PROFISSIONAL E DE FORMAÇÃO FICHA DE PERCURSO PROFISSIONAL E DE FORMAÇÃO NRP / (A atribuir pelo IEFP) UNIDADE ORGÂNICA RECEPTORA Data de Recepção - - Técnicos Responsáveis: O Técnico Receptor PREENCHER ESTA PÁGINA COM LETRAS MAIÚSCULAS

Leia mais

REFGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

REFGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA REFGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CANINDÉ CEARÁ 2014 R344 Regulamento das atividades complementares da licenciatura em matemática / Ana Claudia Gouveia de Sousa;

Leia mais

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar Normas regulamentares Preâmbulo O regulamento do Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança

Leia mais

CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA. Normas Regulamentares

CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA. Normas Regulamentares CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA Normas Regulamentares PREÂMBULO As presentes Normas Regulamentares do Ciclo de Estudos de Mestrado em Genética Molecular

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Março de 2015 4ª Edição Índice 1 O DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO... 3 1.1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA... 3 1.2. ESTRUTURA... 3 2 CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO GAYA

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO GAYA NORMAS REGULAMENTARES DAS LICENCIATURAS DO ISPGAYA Preâmbulo As presentes normas visam dar cumprimento ao estabelecido no artigo n.º14.º do Decreto- Lei n.º 74/2006, de 24 de março, na sua redação atual,

Leia mais

PROMOTOR. Parceria Científica com a UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

PROMOTOR. Parceria Científica com a UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA PROMOTOR Parceria Científica com a UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Apresentação O objetivo deste curso é proporcionar uma formação avançada, bem como a aquisição de competências e conhecimentos, de forma

Leia mais

Regulamentação para Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Regulamentação para Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Regulamentação para Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Material elaborado pelo corpo docente da EBRAMEC / CIEFATO Para os cursos da Escola Brasileira de Medicina Chinesa Direção Geral: Reginaldo de Carvalho

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA Preâmbulo É cada vez mais consensual a importância estratégica que as pessoas (vulgarmente chamadas de recursos humanos) desempenharão

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Celorico de Basto REGULAMENTO. Trabalho Voluntário Prestado por Docentes Aposentados

Agrupamento de Escolas de Celorico de Basto REGULAMENTO. Trabalho Voluntário Prestado por Docentes Aposentados Agrupamento de Escolas de Celorico de Basto REGULAMENTO Trabalho Voluntário Prestado por Docentes Aposentados Janeiro 2012 Introdução Desde há vários anos a esta parte que existia a possibilidade de uma

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DA MAIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS LICENCIATURA EM SEGURANÇA NO TRABALHO REGULAMENTO INTERNO

INSTITUTO SUPERIOR DA MAIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS LICENCIATURA EM SEGURANÇA NO TRABALHO REGULAMENTO INTERNO INSTITUTO SUPERIOR DA MAIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS LICENCIATURA EM SEGURANÇA NO TRABALHO REGULAMENTO INTERNO O presente regulamento é estabelecido em conformidade com o Estatuto do ISMAI,

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 2º. O TCC consiste, especificamente, em um trabalho inédito e individual de pesquisa, de natureza:

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 2º. O TCC consiste, especificamente, em um trabalho inédito e individual de pesquisa, de natureza: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE TRABALHO DE CONCLUSÃO TCC, DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSO, DA FACULADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS-FACISA E FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS FCM CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LINHARES SECRETARIA DE EDUCAÇÃO EDITAL Nº 011/2014

PREFEITURA MUNICIPAL DE LINHARES SECRETARIA DE EDUCAÇÃO EDITAL Nº 011/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE LINHARES SECRETARIA DE EDUCAÇÃO EDITAL Nº 011/2014 Processo de seleção e admissão de professores e pedagogos em regime de designação temporária, para o exercício da função de regência

Leia mais

Regulamento de Ingresso e Acesso para Estudantes Internacionais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Disposição geral Objeto

Regulamento de Ingresso e Acesso para Estudantes Internacionais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Disposição geral Objeto Regulamento de Ingresso e Acesso para Estudantes Internacionais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa SECÇÃO A Disposição geral Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as normas aplicáveis

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 3907 seguem as atribuições e competências que lhes são conferidas pelos respectivos estatutos, aprovados, respectivamente, pelos Decretos-Leis n. os 74/95,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA I + II/RELATÓRIO Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA I + II/RELATÓRIO Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA I + II/RELATÓRIO Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM ENSINO DE ARTES VISUAIS

Leia mais

Federação Nacional de Karaté Programa de Formação 2012-2015 17-03 - 2012

Federação Nacional de Karaté Programa de Formação 2012-2015 17-03 - 2012 Federação Nacional de Karaté Programa de Formação 2012-2015 Documentação Produzida http://prodesporto.idesporto.pt/ Etapas do Processo Referenciais de Formação Geral Referenciais de Formação Específica

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO COORDENADOR DA AVALIAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LAGOA - AÇORES

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO COORDENADOR DA AVALIAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LAGOA - AÇORES REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO COORDENADOR DA AVALIAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LAGOA - AÇORES Ao abrigo do disposto na alínea a) do n.º 2 do artigo 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, alterada pela Lei

Leia mais

DISPENSA DE DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CSAP

DISPENSA DE DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CSAP DISPENSA DE DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CSAP ELABORAÇÃO APROVAÇÃO APROVAÇÃO SUPERIOR Coordenação do Colegiado do Curso de Administração Pública Colegiado do Curso de Administração Pública

Leia mais

ODiretor da FACULDADE INTERNACIONAL SIGNORELLI, credenciada

ODiretor da FACULDADE INTERNACIONAL SIGNORELLI, credenciada ODiretor da FACULDADE INTERNACIONAL SIGNORELLI, credenciada pelo parecer CNE/CES41/2009, publicado no D.O.U. nº.38 de 26/03/2009, e pela Portaria Nº260 MEC, publicada no D.O.U de 24/03/2009, torna público,

Leia mais

Avaliação do Desempenho 2009

Avaliação do Desempenho 2009 Relatório Anual Instituto do Desporto de Portugal I.P. Avaliação do 2009 Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do na Administração Pública (SIADAP) Novembro 2010 I Introdução No âmbito da aplicação do

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I - DA NATUREZA Art. 1º De acordo com a Resolução 5, de 02 de fevereiro de 2004, a qual fundamenta e orienta as Diretrizes Comuns aos Cursos Correlatos,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DOSSIER ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BIBLIOTECÁRIOS, ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BIBLIOTECÁRIOS, ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BIBLIOTECÁRIOS, ARQUIVISTAS

Leia mais

Regulamento Cursos de Pós Graduação

Regulamento Cursos de Pós Graduação A Associação Amigos da Grande Idade (AAGI) é uma entidade de direito privado, sem fim lucrativos, tendo por isso capacidade para desenvolver em colaboração com o Instituto Superior de Línguas e Administração

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016. Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo

REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016. Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016 Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo CANDIDATURAS 1. O pagamento da taxa de candidatura (quando aplicável) só se efetua uma única vez, desde que

Leia mais

Curriculum Vitae I. DADOS PESSOAIS II. FORMAÇÃO ACADÉMICA III. SERVIÇO MILITAR

Curriculum Vitae I. DADOS PESSOAIS II. FORMAÇÃO ACADÉMICA III. SERVIÇO MILITAR Curriculum Vitae I. DADOS PESSOAIS Nome: Carlos de Barros Rodrigues Filiação: José Alves Rodrigues e Adelaide de Barros Fernandes Data de Nascimento: 5 de Outubro de 1953 Estado Civil: Divorciado Naturalidade:

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL Considerando que, nos termos do n 3 do artigo 45. do Decreto -Lei n 74/2006, de 24 de margo, alterado pelos Decretos-Lei n

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES. Artigo 1º Âmbito de aplicação

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES. Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES Artigo 1º Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se a todos os docentes da Faculdade de Teologia

Leia mais

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito 1. A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. OBJETIVOS O Objetivo das Atividades Complementares é estimular o aluno a participar de experiências diversificadas que contribuam para o seu futuro profissional,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SERVIÇO SOCIAL/PPGSS MESTRADO REGULAMENTO PARA INSCRIÇÃO E CONCESSÃO DE BOLSA(S)

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SERVIÇO SOCIAL/PPGSS MESTRADO REGULAMENTO PARA INSCRIÇÃO E CONCESSÃO DE BOLSA(S) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SERVIÇO SOCIAL/PPGSS MESTRADO REGULAMENTO PARA INSCRIÇÃO E CONCESSÃO DE BOLSA(S) A Coordenação do Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Serviço Social (PPGSS),

Leia mais

DECRETO N.º. Estatuto do Dador de Sangue. Artigo 1.º Objeto. Artigo 2.º Princípios Gerais

DECRETO N.º. Estatuto do Dador de Sangue. Artigo 1.º Objeto. Artigo 2.º Princípios Gerais DECRETO N.º /XII Estatuto do Dador de Sangue A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto A presente lei aprova o estatuto do

Leia mais

MESTRADO EM ENFERMAGEM VETERINÁRIA DE ANIMAIS DE COMPANHIA

MESTRADO EM ENFERMAGEM VETERINÁRIA DE ANIMAIS DE COMPANHIA Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Viseu MESTRADO EM ENFERMAGEM VETERINÁRIA DE ANIMAIS DE COMPANHIA EDITAL ANO LECTIVO: 2011/2013 1ª Edição 1. NOTA INTRODUTÓRIA O Mestrado em Enfermagem Veterinária

Leia mais

CURSOS DE COMPLEMENTO DE FORMAÇÃO EM ENSINO DE INGLÊS PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NA FCSH/UNL (PARA OS GRUPOS DE DOCÊNCIA 110, 220 E 330)

CURSOS DE COMPLEMENTO DE FORMAÇÃO EM ENSINO DE INGLÊS PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NA FCSH/UNL (PARA OS GRUPOS DE DOCÊNCIA 110, 220 E 330) CURSOS DE COMPLEMENTO DE FORMAÇÃO EM ENSINO DE INGLÊS PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NA FCSH/UNL (PARA OS GRUPOS DE DOCÊNCIA 110, 220 E 330) Artigo 1º Apresentação 1. No âmbito do Decreto Lei n.º 176/2014,

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Tomar

Escola Superior de Tecnologia de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Tomar Novos Alunos Ano Lectivo 2007/2008 Março 2008 Nota Introdutória A Escola Superior de Tecnologia de Tomar (ESTT) aplicou questionários, elaborados pelo Gabinete de

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET)

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET) Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET) Preâmbulo A criação de oportunidades de formação para públicos diversos, com necessidades específicas, tem sido, desde sempre, uma

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU N.º 41 12-10-2009 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 1535 澳 門 特 別 行 政 區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 50/2009 Ordem Executiva n.º 50/2009 Usando da faculdade conferida

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário. RESOLUÇÃO CONSEPE 09/2009 APROVA O REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO. O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, no uso das

Leia mais