Trabalho de Conclusão do Curso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho de Conclusão do Curso"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ARQUITETURA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO Trabalho de Conclusão do Curso ROTEIRO DE TRABALHO 2018/1 COMISSÃO EXAMINADORA PROF. ANDRÉA SOLER MACHADO (COORDDENADORA) PROF. JOSÉ LUIZ DE MELLO CANAL PROF. BRUNO CÉSAR EUPHRASIO DE MELLO

2 TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO 2018/1 2 ROTEIRO DE TRABALHO O Trabalho de Conclusão do Curso de Arquitetura e Urbanismo deverá ser necessariamente um projeto de Arquitetura e/ou de Desenho Urbano. DA PRIMEIRA ETAPA Os temas abordados no Trabalho de Conclusão do Curso são estabelecidos pelos próprios alunos, possibilitando escolhas de maior interesse pessoal. Os estudantes devem ter o cuidado de avaliar a adequação de temas às características do TCC e às suas próprias condições de desenvolvê-los dentro do prazo. Os temas poderão ser escolhidos dentre as seguintes alternativas: a) desenvolvimento de projetos de edificações, articulados com o entorno (tratamento de espaços abertos, relações do edifício com a cidade, ou com o ambiente natural), com programa de complexidade adequada para demonstrar habilidade e controle da ação projetual; b) desenvolvimento de projetos de transformação do espaço construído, envolvendo reciclagem de edificações existentes, complementações e substituições, agregação de novos programas e valorização de situações urbanas especiais; c) desenvolvimento de projetos urbanísticos, envolvendo tecidos urbanos novos ou transformados, sistemas de espaços abertos, equipamentos, ou estruturas de centralidade, em escala intraurbana e complexidade adequada para demonstrar entendimento da problemática e habilidade projetual; d) desenvolvimento de projetos macro-urbanos, envolvendo a estrutura espacial, subsistemas setoriais e equipamentos de uma cidade ou região metropolitana. A proposta de trabalho deverá se referir genericamente pelo menos aos seguintes elementos: o tema escolhido e sua justificativa/relevância; a área de intervenção, devidamente avaliada quanto às suas características, potenciais e restrições locais e urbanas; a instituição (ou instituições) envolvida(s) no projeto, e detalhamento dos respectivos programas; a definição dos níveis de desenvolvimento pretendidos; as relações entre programa, sítio e contexto urbano, e intenções projetuais; a estratégia de abordagem. Em termos mais específicos, para projetos de Arquitetura, requer-se: 1. Aspectos relativos ao tema 1.1. justificativa da temática escolhida, ressaltando sua relevância e suas conexões com o quadro cultural contemporâneo 1.2. análise das relações entre programa, sítio e tecido urbano de suporte 1.3. objetivos da proposta 2. Aspectos relativos ao desenvolvimento do projeto 2.1. definição dos níveis e padrões de desenvolvimento pretendidos 2.2. metodologia e instrumentos de trabalho 3. Aspectos relativos às definições gerais

3 TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO 2018/ agentes de intervenção e seus objetivos 3.2. caracterização da população alvo 3.3. aspectos temporais, com estimativa de prazo e/ou etapas de execução 3.4. aspectos econômicos, informando fontes de recursos, custos estimados e participação dos agentes 4. Aspectos relativos à definição do programa 4.1. descrição das atividades, organizadas por grupamentos e unidades espaciais 4.2. definição da população fixa e variável por atividade e unidade espacial 4.3. tabulação dos requerimentos funcionais, ambientais e dimensionais, da infraestrutura, dos equipamentos e do mobiliário específico por unidade 4.4. organização dos diferentes fluxos de pessoas, veículos e materiais, internos e externos. 5. Levantamento da área de intervenção (terreno e tecido urbano de suporte) A extensão e acuidade do levantamento deverão ser compatíveis com as exigências do trabalho a ser desenvolvido potenciais e limitações da área, identificação de sua dinâmica de transformação, situação atual, demandas, tendências de desenvolvimento, planos e projetos incidentes 5.2. morfologia urbana e relações funcionais locais, urbanas e regionais 5.3. uso do solo e atividades existentes 5.4. características especiais de edificações, espaços abertos e vegetação existentes 5.5. sistema de circulação veicular e peatonal, hierarquia, capacidade e demanda por estacionamento 5.6. redes de infraestrutura: água, drenagem, esgoto, energia e iluminação 5.7. aspectos qualitativos e quantitativos da população residente e usuária 5.8. levantamento fotográfico 5.9. levantamento plani-altimétrico, orientação solar, alinhamento, loteamento e cadastro, levantamentos aero-fotogramétricos e outros documentos históricos. Levantamento arquitetônico de edificações a serem recicladas estrutura e drenagem do solo, acidentes naturais, galerias subterrâneas micro-clima: umidade, insolação, ventos, acústica, fontes de poluição. 6. Condicionantes legais O aluno deverá examinar e avaliar as diversas incidências normativas sobre o tema e o sítio na esfera da legislação municipal, estadual e federal, como: 6.1. código de edificações e plano diretor municipal 6.2. normas de proteção contra incêndio 6.3. normas de acessibilidade universal aos espaços de uso 6.4. normas de proteção do ambiente natural e patrimônio histórico e cultural 6.5. normas de provedores de serviço de eletricidade, telefone, água, etc normas de uso do espaço aéreo, áreas de marinha, da saúde, turismo, etc. Este exame deverá resultar em relatório sucinto e circunstanciado sobre as diferentes normas que dizem respeito ao tema e terreno em questão, de forma a deixar explícito o contexto legal e institucional a condicionar as hipóteses de projeto. O material produzido deverá ser interpretativo e não simples cópia de regulamentos ou normas. 7. Fontes de informação 7.1. bibliografia, legislação, manuais técnicos, entrevistas, etc.

4 TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO 2018/1 4 Para projetos de Desenho Urbano, requer-se: 1. Aspectos relativos ao tema 1.1. definição e justificativa da temática escolhida, ressaltando a sua relevância em termos sociais, econômicos, urbanos, ambientais, assim como sua conexão com o quadro contemporâneo da cultura urbana; 1.2. com o quadro cultural contemporâneo; 1.3. análise das relações entre sítio, tema, programas possíveis, estrutura urbana de suporte e região circundante. 2. Aspectos relativos ao desenvolvimento do projeto 2.1. definição dos níveis de desenvolvimento pretendidos; 2.2. metodologia e instrumentos. 3. Aspectos relativos às definições gerais 3.1. identificação dos agentes públicos e privados envolvidos e seus objetivos; 3.2. parâmetros de controle: população urbana e suas taxas de crescimento, população alvo, demanda por espaço construído e equipamentos; 3.3. aspectos temporais: prioridades, prazos e etapas de implementação; 3.4. aspectos econômicos: fontes de financiamento, viabilidade econômica da proposta. 4. Aspectos relativos à definição do programa 4.1. descrição dos usos do solo, atividades e animação urbanos, organizados em grupamentos e unidades espaciais; 4.2. tabulação dos requerimentos morfológicos, funcionais e dimensionais básicos do espaço construído (referido às atividades e usos), dos espaços abertos (referidos ao sistema viário e outros espaços abertos) e dos sistemas setoriais como transporte público e infraestrutura. 5. Delimitação geográfica: levantamento básico A extensão e acuidade do levantamento serão adequadas às exigências do tipo de trabalho a ser desenvolvido e à disponibilidade de dados. Em termos gerais, os seguintes itens devem ser documentados: 5.1. inserção urbana: posição em relação à urbanização existente se houver, a região, aos sistemas viários e de transporte, aos centros urbanos e regionais, características morfológicas ou geográficas do entorno, fluxos e interdependências; 5.2. geografia da área de trabalho: topografia, hidrografia, solos, clima; 5.3. morfologia da área de trabalho: espaço público, forma construída, base fundiária. Tipologia dos espaços abertos e edilícia, articulações tipológicas e tipomorfológicas, hierarquias, centralidade; 5.4. funcionalidade da área de trabalho: uso do solo, atividades, animação, infraestrutura, serviços e equipamentos; 5.5. antecedentes: história, evolução, dinâmica espacial e funcional, valores e significados; 5.6. perspectivas: demandas, tendências, déficits e potenciais. 6. Condicionantes legais e institucionais Exame da incidência de normas e regulamentos estaduais e federais que limitam o desenvolvimento urbano da área em questão. Identificação dos regulamentos, normas, planos, programas e projetos municipais existentes e incidentes sobre a área de trabalho, discussão de sua validade, das conveniências e limitações impostas ao projeto pretendido.

5 TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO 2018/1 5 DA SEGUNDA ETAPA A partir da adequada delimitação do problema projetual, o aluno deverá desenvolver uma solução geral, estruturada e suficiente dos principais aspectos do mesmo. Os objetivos nesta etapa são: Para projetos de Arquitetura: 1. explorar e definir as inter-relações funcionais e morfológicas entre o(s) edifício(s) e o tecido urbano de suporte 2. estabelecer a distribuição e dimensionamento dos espaços interiores e exteriores segundo seus requisitos ambientais e funcionais 3. estabelecer a coordenação geométrica entre a série de medidas de espaço definida em cada atividade e equipamento, elementos de compartimentação e módulos estruturais 4. estabelecer os sistemas estruturais (suporte físico) das várias partes do(s) edifício(s) 5. estabelecer a natureza e organização espacial dos sistemas de instalações técnicas e dos sistemas de condicionamento ambiental 6. observar a concordância com as incidências normativas, ou crítica consistente das mesmas. Para projetos de Desenho Urbano: 1. propor uma forma urbana que articule edificações (se houver), espaços abertos públicos e privados, bem como animação (usos, atividades, equipamentos, fluxos) segundo princípios compositivos que resulte em ordem, continuidade e unidade espacial da área projetada e seu suporte. 2. definir as características básicas da forma construída, com vistas à criação dos ambientes urbanos pretendidos 3. estabelecer a coordenação entre os elementos da estrutura espacial urbana, definindo hierarquias, centralidades, ordem e identidade espacial 4. definir posição e natureza dos principais equipamentos urbanos e suas relações com espaço público e forma construída 5. definir os esquemas de distribuição da infraestrutura 6. definir os principais serviços públicos e suas implicações espaciais DA TERCEIRA ETAPA Após a discussão crítica no Painel Intermediário, os alunos desenvolverão o trabalho final com o objetivo de estabelecer definitivamente os seguintes elementos: Para projetos de Arquitetura: 1. as relações funcionais e morfológicas entre o(s) edifício(s) e o tecido urbano de suporte; 2. a distribuição e o dimensionamento dos espaços de utilização segundo seus requisitos ambientais e funcionais; 3. a coordenação geométrica entre a série de medidas de espaço definida para cada atividade, os elementos de compartimentação e estruturas; 4. os elementos dos sistemas estruturais e suas configurações geométricas e de prédimensionamento; 5. os elementos dos sistemas de vedação;

6 TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO 2018/ os elementos dos sistemas de condicionamento ambiental: ventilação, iluminação, isolamento térmico e acústico; 7. os sistemas gerais de instalações técnicas: elétrica, segurança e comunicações, hidrossanitárias, ar condicionado e outras exigidas pelo tema; 8. as especificações técnicas dos materiais de construção e acabamento a serem empregados; 9. os detalhes construtivos das articulações entre os elementos dos diferentes sistemas; 10. o tratamento dos espaços abertos; 11. a concordância com as incidências normativas, ou crítica consistente das mesmas. Para projetos de Desenho Urbano: 1. estabelecer a distribuição e o dimensionamento do espaço público e privado, segundo seus requerimentos morfológicos e funcionais; 2. definir a forma construída, com vistas à definição dos ambientes urbanos e da ocupação do solo pretendidos; 3. definir a ordem e a hierarquia do sistema espacial projetado, em articulação com o sistema urbano de suporte; 4. definir a distribuição e dimensionamento básico dos equipamentos, infraestruturas e serviços públicos constantes do projeto; 5. definir o caráter dos principais espaços públicos, em termos de: geometria e proporções, principais atividades ancoradas na forma construída e animação no âmbito público; 6. delinear o sistema de regulação urbanística necessário para o ordenamento da ação dos agentes privados, no sítio do projeto e na sua área de influência; 7. delinear um esquema de implementação, constando prioridades, etapas e estratégias principais. PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO E APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS Ao longo do processo de definição do trabalho, o estudante deverá determinar os instrumentos necessários para a completa explicitação das soluções propostas, os meios de expressão e as escalas a serem utilizadas, assim demonstrando seu domínio sobre os meios de comunicação do projeto. Como a definição dos instrumentos necessários à compreensão de um projeto e as escalas para sua representação vincula-se ao tema, o conjunto de elementos listados a seguir deve ser entendido como orientação genérica. A elaboração do material de apresentação do projeto é de inteira responsabilidade do estudante, contemplando textos e desenhos em escala, precisão e quantidade adequadas a cada trabalho e suficientes para seu completo entendimento, independente da exposição verbal. O conjunto de documentos será formatado de modo a permitir a sua exposição e interpretação em painel público. Representações não convencionais de aspectos da solução projetual podem ser utilizadas, desde que não redundantes com o material obrigatório, e fique preservada a integridade e correção técnica da documentação básica.

7 TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO 2018/1 7 PROJETOS DE ARQUITETURA: DIAGRAMAS Desenhos em planta baixa, corte, elevação ou axonometria, em escala adequada, representando abstratamente aspectos especiais do sítio e/ou do edifício, demonstrando: zoneamento: faixas de circulação e distribuição de usos elementos e princípios básicos da composição, figuras de coordenação e modulação espacial os diferentes sistemas estruturais os diferentes sistemas de instalações técnicas os sistemas de condicionamento ambiental PLANTAS DE LOCALIZAÇÃO Demonstração clara do local do projeto/da intervenção dentro do contexto regional, urbano ou rural, indicando: morfologia do tecido urbano de suporte marcos de referência espacial orientação sistema viário impactos da legislação urbanística dimensões do lote ou área de intervenção e demonstração da inserção da edificação. PLANTA DA ÁREA DE INFLUÊNCIA Planta baixa com abrangência suficiente para demonstrar as relações ou influências das áreas vinculadas à intervenção. PLANTA BAIXA GERAL DA ÁREA DE INTERVENÇÃO Implantação que inclua o entorno (forma construída, espaço público e elementos naturais circundantes), contendo: orientação solar representação da planta baixa no nível do pavimento térreo eixos de coordenação sistemas de circulação veicular, sentido dos fluxos, raios de giro, vagas de estacionamento, indicações das posições de ingresso vegetação, pavimentação, mobiliário e objetos de espaço aberto denominação dos espaços e equipamentos segundo suas funções topografia (planos e curvas de nível, declividades, rampas, taludes e arrimos) localização de cortes, ampliações e detalhes PLANTAS BAIXAS DOS PAVIMENTOS De todos os pavimentos inclusive casas de máquinas e reservatórios, nas quais devem estar presentes as seguintes informações: orientação solar eixos horizontais do sistema de coordenação indicação da posição, sentido e denominação dos cortes indicação de todos os níveis referenciais indicação das pavimentações por distinção gráfica e legenda denominação dos espaços segundo suas funções, com respectivas áreas representação da caixilharia e indicação do tipo de abertura nas esquadrias indicação do sentido de ascensão, início e final e nº de degraus nas escadas indicação de início e fim, sentido da ascensão e inclinação nas rampas equipamentos como elevadores, hidrossanitários, elétricos, ar condicionado, etc. colunas de instalações pluviais, elétricas e hidrossanitárias, de ventilação, etc. representação de todas as projeções: aberturas superiores, dutos de ventilação, limites dos pavimentos superiores, limites das coberturas, escadas, etc. mobiliário e equipamento padrão dos espaços

8 TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO 2018/1 8 locação dos pilares conforme medidas do pré-dimensionamento correspondente a cada pavimento observação de distinção gráfica para muros de arrimo e estrutura de concreto representação do entorno imediato. PLANTAS DE COBERTURA CORTES orientação solar eixos horizontais do sistema de coordenação representação dos componentes como telhas, arremates, cumeeiras, rufos, algerozes, calhas, gárgulas, ralos, condutores, ventilações, esquadrias zenitais, chaminés, alçapões, pavimentações, etc. indicação do caimento das águas indicação dos níveis de referência. De todas as situações de configuração do edifício e do entorno. eixos ou planos verticais e horizontais do sistema de coordenação, devidamente nomeados, cotas e níveis planos referenciais de nível do terreno, perfis originais, cortes, aterros, drenagens, taludes, arrimos e sistemas de fundações projetados indicação e distinção gráfica dos elementos construtivos do edifício representação em escala das caixilharias e tipo de abertura nas esquadrias mobiliário e equipamento fixo denominação dos espaços segundo suas funções demonstração das relações com o tecido urbano de suporte demonstração da escala através de figuras humanas, veículos e da vegetação localização de ampliações e detalhes. ELEVAÇÕES Todas as fachadas deverão ser representadas, assim como a inserção do edifício no sistema de fachadas do espaço público adjacente, contendo: eixos verticais e horizontais do sistema de coordenação, que podem ser posicionados perifericamente para não perturbar a percepção do desenho representação dos materiais de construção, por distinção gráfica e legenda representação em escala de figuras humanas, automóveis e vegetação representação do entorno imediato. DETALHES CONSTRUTIVOS Desenhados nas escalas 1:20, 1:25, 1:10, 1:5, devem conter: eixos verticais e horizontais do sistema de coordenação devidamente nomeados para situar os elementos da zona ampliada com o projeto cotas e níveis hierarquia e pré-dimensionamento das peças estruturais denominação dos elementos construtivos indicação dos materiais de construção, por distinção gráfica legenda com especificações técnicas. AXONOMÉTRICAS Anguladas de maneira a permitir visualização das diferentes fachadas dos edifícios e espaços abertos projetados, abrangendo o tecido urbano de suporte. PERSPECTIVAS CÔNICAS Ilustrando situações internas e externas de interesse especial dentro da composição.

9 TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO 2018/1 9 MAQUETE Apresentação obrigatória em ambos os painéis, contendo o(s) edifício(s) projetado(s), seus espaços abertos associados e o tecido urbano de suporte. PLANILHA Com pelo menos as seguintes informações: área do terreno, área ocupada, índice máximo de ocupação legal e índice obtido no projeto, área aproveitada, índice de aproveitamento e índice obtido no projeto, área total construída com a discriminação entre áreas computadas (adensáveis), não computadas (não-adensáveis) e excluídas número de vagas de estacionamento e relação com demanda. PROJETOS DE DESENHO URBANO: DIAGRAMAS Desenhos em planta baixa, corte, elevação ou axonometria, em escala adequada, representando o sistema urbano no qual o projeto se insere: mapa de figura e fundo do entorno, com identificação do sítio do projeto estrutura espacial urbana (centros, pólos, tensões, limites, relações regionais) antecedentes (elementos da evolução urbana) elementos da geografia (relevo, hidrografia, vegetação, orientação) elementos notáveis (visuais, históricos, paisagísticos, arquitetônicos). MAPAS DE LOCALIZAÇÃO Demonstração clara do local do projeto/da intervenção dentro do contexto regional, urbano ou rural, indicando: estrutura primária existente morfologia do(s) tecido(s) urbano(s) de suporte (rede de espaço público, forma construída, base fundiária) orientação sistema viário (distribuição, hierarquia, funções) equipamentos, infraestrutura e serviços existentes uso do solo, animação urbana e fluxos existentes legislação urbanística, ambiental e outras incidentes. PLANIMETRIAS DO PROJETO De todos os elementos temáticos do projeto, mostrando em plantas separadas: definição geométrica do sistema viário e demais espaços abertos definição da partição fundiária e destinação de área para equipamentos públicos distribuição da forma construída segundo tipos e elementos primários sistematização dos espaços públicos, segundo sua natureza e função (áreas verdes de diferentes tipos, conectores verdes, áreas pavimentadas, etc.) planimetria geral representando a forma construída (cobertura, telhados), os pavimentos, cobertura vegetal e eventuais planos de água. Todas as plantas deverão conter curvas de nível, níveis, orientação, denominação de áreas, zonas, vias, espaços públicos, equipamentos, indicação dos cortes, elevações, ampliações e detalhes, distinção gráfica de materiais de cobertura e pavimentação. CORTES E ELEVAÇÕES De todas as situações da estrutura primária e tecidos temáticos do projeto, contendo: perfis de vias e sua configuração interna silhueta da forma construída explicitação clara das relações entre forma construída e espaço público, e eventuais elementos intermediários demonstração de escala pelo uso de figuras humanas, veículos e vegetação.

10 TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO 2018/1 10 DETALHES Destinados a esclarecer a natureza dos espaços públicos julgados mais relevantes no projeto, e deverão conter: geometria e dimensões do espaço público caracterização geral das edificações que o constituem, em termos de volumetrias, posições em relação às demais edificações e ao espaço público caracterização particular das edificações que o constituem, em termos de permeabilidade e transparência do pavimento térreo em relação ao espaço público, e ao tipo e regime de atividades que abriga. PERSPECTIVAS AXONOMÉTRICAS E CÔNICAS Anguladas de maneira a permitir visualização dos espaços públicos mais importantes do projeto. MAQUETE De massa, abrangendo a área do projeto e elementos do entorno que permitam contextualizar o trabalho, obrigatória nos dois painéis. PLANILHAS E TEXTOS As planilhas deverão conter áreas (de terra, construída, de espaço público) e densidades (bruta e líquida, geral e por áreas, se for o caso) e regulamentos urbanísticos propostos. Os textos deverão conter descrição do sistema de regulamentação urbanística (coordenada com os dados da planilha) e da estratégia geral de implementação, incluindo viabilidade financeira.

Aula 17- ARQ-011 Desenho Técnico 1: Representação de projetos de arquitetura (seg. NBR-6492: 1994) Antonio Pedro Carvalho

Aula 17- ARQ-011 Desenho Técnico 1: Representação de projetos de arquitetura (seg. NBR-6492: 1994) Antonio Pedro Carvalho Aula 17- ARQ-011 Desenho Técnico 1: Representação de projetos de arquitetura (seg. NBR-6492: 1994) Antonio Pedro Carvalho Técnicas Desenho a mão livre De maneira geral é a representação do projeto nas

Leia mais

ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO

ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO PARA ENGENHARIA CIVIL ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ 2016/02 ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO O projeto de uma edificação é desenvolvido em fases,

Leia mais

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS Antonio Pedro Alves de Carvalho Imagem: omnistudio.com.br Qualidades de uma solução arquitetônica: Funcionalidade Economia Beleza Flexibilidade Expansibilidade

Leia mais

Aula 9. Prof. Regis de Castro Ferreira. Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira

Aula 9. Prof. Regis de Castro Ferreira. Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira rcastro@agro.ufg.br NOÇÕES DE DESENHO ARQUITETÔNICO 1. CONCEITO: (...) a representação de um projeto. Desenho arquitetônico consiste na representação geométrica das diferentes

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS HABITACIONAIS SECRETARIA DE ESTADO DA HABITAÇÃO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS HABITACIONAIS SECRETARIA DE ESTADO DA HABITAÇÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS HABITACIONAIS SECRETARIA DE ESTADO DA HABITAÇÃO 1 1. APROPRIAÇÃO FÍSICA DE GLEBAS URBANAS: 1.1. PARCELAMENTO DO SOLO (Lei Federal nº 6.766/79, alterada pela

Leia mais

IT 1819 R.4 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO

IT 1819 R.4 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO IT 1819 R.4 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 872 de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 17 de junho de 1986. 1. OBJETIVO

Leia mais

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo http://www.bancodobrasil.com.br 1 DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.6 Arquitetura - Urbanismo Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. CONDIÇÕES GERAIS... 2 3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 2 3.1 Lado Terra...

Leia mais

Procedimentos. de projetos

Procedimentos. de projetos Procedimentos para aprovação de projetos 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Professor: Philipe do Prado Santos Curso Técnico de Edificações

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA 2 o. Período Letivo 2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA 2 o. Período Letivo 2007 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA 2 o. Período Letivo 2007 Disciplina: PROJETO DE ARQUITETURA III FAP 355 Professores: Cristiane

Leia mais

Para efeito desta Instrução Técnica são adotadas as seguintes definições:

Para efeito desta Instrução Técnica são adotadas as seguintes definições: IT 1814 R.5 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE ANTEPROJETOS DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES (PERMANENTES OU TRANSITÓRIAS) GRUPAMENTOS DE EDIFICAÇÕES E CLUBES Notas: Aprovada pela Deliberação

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

Licenciamento de Obras de Edificação Alterações ao projecto licenciado durante a execução da obra que envolvam alterações da implantação ou ampliação

Licenciamento de Obras de Edificação Alterações ao projecto licenciado durante a execução da obra que envolvam alterações da implantação ou ampliação Requerimento Licenciamento de Obras de Edificação Alterações ao projecto licenciado durante a execução da obra que envolvam alterações da implantação ou ampliação Ex.mo Senhor Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO

PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO SÃO CARLOS, 03 de Julho de 2013 O Plano Diretor de Desenvolvimento Físico e Ambiental, como peça constituinte do

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Professor: Philipe do Prado Santos Curso Técnico de Edificações

Leia mais

Requerimento. sujeitas a licenciamento

Requerimento. sujeitas a licenciamento Requerimento Comunicação Prévia para alterações ao projecto Licenciado ou com Admissão de Comunicação Prévia durante a execução da obra Alterações que se fossem obra nova estariam sujeitas a licenciamento

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

Partido arquitetônico Método de projetação

Partido arquitetônico Método de projetação Conceito geral PLANEJAMENTO ARQUITETÔNICO Projetar idealizar algo a ser feito Projeto Documento demonstrativo deste algo. Conceito (ótica da arquitetura) Projetar idealizar o edifício a ser construído

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA

DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos PROJETOS ARQUITETÔNICOS

Leia mais

DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA

DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos PROJETOS ARQUITETÔNICOS

Leia mais

Grupo de Materiais de Construção Departamento de Construção Civil Universidade Federal do Paraná APROVAÇÃO DE PROJETOS - PREFEITURA

Grupo de Materiais de Construção Departamento de Construção Civil Universidade Federal do Paraná APROVAÇÃO DE PROJETOS - PREFEITURA APROVAÇÃO DE PROJETOS - PREFEITURA Disciplina: Construção civil I Departamento de construção civil Prof: Gabriel P. Marinho Assuntos - CONCEITOS INICIAIS - CREA PR - ETAPAS - DOCUMENTOS - TAXAS - REPRESENTAÇÃO

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA ESSENCIALMENTE RETANGULAR E DELGADO.

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA ESSENCIALMENTE RETANGULAR E DELGADO. FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA RUA ALEMANHA

Leia mais

PROJETO ARQUITETÔNICO 1 PA1

PROJETO ARQUITETÔNICO 1 PA1 PROJETO ARQUITETÔNICO 1 PA1 AULA 1a_REVISÃO DESENHO Profa Dra Sandra Martins Prof. Esp. Fernando Guedes ESCALAS REFERÊNCIAS DE NÍVEL Adotado em plantas para informar a cota de altura de determinados pontos

Leia mais

Venho por este meio solicitar a V. Ex.ª que se digne aprovar o respetivo projeto de arquitetura que se apresenta, em anexo.

Venho por este meio solicitar a V. Ex.ª que se digne aprovar o respetivo projeto de arquitetura que se apresenta, em anexo. Requerimento Licenciamento de Obras de Edificação Processo n.º: Data de Receção: Requerimento n.º: Recebido Por: Ex.mo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima Identificação do Titular Página

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

UNISALESIANO Curso de Engenharia Civil Desenho Arquitetônico

UNISALESIANO Curso de Engenharia Civil Desenho Arquitetônico UNISALESIANO Curso de Engenharia Civil Desenho Arquitetônico Prof. Dr. André L. Gamino Araçatuba Agosto - 2016 1 Projeto de Arquitetura: Introdução 1.1 Introdução O início da concepção do projeto arquitetônico

Leia mais

Proposta de diretrizes para elaboração de Plano Diretor de Ocupação da Área 2 do Campus de São Carlos

Proposta de diretrizes para elaboração de Plano Diretor de Ocupação da Área 2 do Campus de São Carlos 1 Comissão de Implantação do Campus 2 USP S. Carlos Proposta de diretrizes para elaboração de Plano Diretor de Ocupação da Área 2 do Campus de São Carlos Prof. Carlos Martins, Arq. Sérgio Assumpção, Prof.

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Professor: Philipe do Prado Santos Curso Técnico de Edificações

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos

Leia mais

OS SISTEMAS PREDIAIS COMO UM DOS PRINCÍPIOS ESTRUTURADORES DO PROJETO ARQUITETÔNICO

OS SISTEMAS PREDIAIS COMO UM DOS PRINCÍPIOS ESTRUTURADORES DO PROJETO ARQUITETÔNICO Capítulo 3 A síntese, compactação e coerência entre projetos de estrutura, instalações e arquitetura, foi determinante no trabalho. (Revista Projeto nº 70) 84 Estudo de Caso Banco Itaú, Agência em Pinheiros,

Leia mais

organização realização www.iabsp.org.br/concursoensaiosurbanos MOTIVAÇÃO: problemas e oportunidades A regulação do uso do solo vigente éresultado de uma matriz conceitual híbrida, que combina o zoneamento

Leia mais

IT-1302.R-1 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA REQUERIMENTO DE LICENÇAS PARA ATERROS SANITÁRIOS

IT-1302.R-1 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA REQUERIMENTO DE LICENÇAS PARA ATERROS SANITÁRIOS IT-1302.R-1 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA REQUERIMENTO DE LICENÇAS PARA ATERROS SANITÁRIOS Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 3.326, de 29 de novembro de 1994 Publicada no DOERJ de 09 de dezembro de 1994

Leia mais

Projeto Geométrico de Rodovias. Estudo de Traçado

Projeto Geométrico de Rodovias. Estudo de Traçado Projeto Geométrico de Rodovias Estudo de Traçado Estudos para a construção de uma estrada Estudos de Tráfego Estudos geológicos e geotécnicos Estudos Hidrológicos Estudos Topográficos Projeto Geométrico

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 01/2015 Análise de Projeto de Arquitetura

PROC-IBR-EDIF 01/2015 Análise de Projeto de Arquitetura INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 01/2015 Análise de Projeto de Arquitetura Primeira edição válida a partir de:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE UMA ESTRUTURA (ETAPA PRELIMINAR)

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE UMA ESTRUTURA (ETAPA PRELIMINAR) DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE UMA ESTRUTURA (ETAPA PRELIMINAR) DADOS NECESSÁRIOS PARA DEFINIR O PRODUTO (ESTRUTURA): Projeto Arquitetônico Plantas dos pavimentos tipos/subsolo/cobertura/ático Número de

Leia mais

CONJUNTO HABITACIONAL NO GUARÁ II

CONJUNTO HABITACIONAL NO GUARÁ II CONJUNTO HABITACIONAL NO GUARÁ II 1 INTRODUÇÃO 2 Por que um conjunto habitacional no Guará II? Cidade onde moro Otimizar a infraestrutura urbana existente Atender as necessidades por moradias compactas

Leia mais

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 1. Recursos SEF 1.1. Custeio - Dotação Básica - Manutenção e Reposição de Equipamentos de Informática - Treinamento de Recursos Humanos

Leia mais

Anexo IV - ESCOPO DO PROJETO COMPLETO DE EDIFICAÇÕES

Anexo IV - ESCOPO DO PROJETO COMPLETO DE EDIFICAÇÕES 1 Prefeitura do Município de São Paulo - PMSP Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano - SMDU TERRITÓRIOS CEU PLANILHA DE ESCOPO PROJETO EDIFICAÇÕES Produto 1 Plano de Trabalho e Relatório de Viabilidade

Leia mais

Oficina QUAPÁ-SEL Euro-ELECS

Oficina QUAPÁ-SEL Euro-ELECS Oficina QUAPÁ-SEL Euro-ELECS Projeto Temático Os sistemas de espaços livres na constituição da forma urbana contemporânea no Brasil: produção e apropriação QUAPÁ-SEL Temas e atividades de trabalho das

Leia mais

PURP 63 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA. AP 10 UP 8 INSTITUTO DE METEOROLOGIA (INMET), CEB e CAESB

PURP 63 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA. AP 10 UP 8 INSTITUTO DE METEOROLOGIA (INMET), CEB e CAESB AP 10 UP 8 Folha 1 / 6 AP 10 UP 8 Folha 2 / 6 DISPOSITIVOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA

Leia mais

PROJETO ARQUITETÔNICO

PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO CEG218 Desenho arquitetônico I Prof. Márcio Carboni UFPR - DEGRAF - CEG218 DESENHO ARQUITETÔNICO I - Prof. Márcio Carboni 1 ORGANIZAÇÃO DA AULA Etapas de projeto arquitetônico Elementos

Leia mais

INTRODUÇÃO A TOPOGRAFIA ARQUITETURA E URBANISMO / AGRONOMIA / ENGENHARIA CIVIL PROF. LUIZ MIGUEL DE BARROS

INTRODUÇÃO A TOPOGRAFIA ARQUITETURA E URBANISMO / AGRONOMIA / ENGENHARIA CIVIL PROF. LUIZ MIGUEL DE BARROS INTRODUÇÃO A TOPOGRAFIA ARQUITETURA E URBANISMO / AGRONOMIA / ENGENHARIA CIVIL PROF. LUIZ MIGUEL DE BARROS LUIZMIGUEL.BARROS@YAHOO.COM.BR O QUE É TOPOGRAFIA??? Grego Português Topos Lugar, ambiente Graphen

Leia mais

EDITAL REGRAS PARA A DISCIPLINA TCC ORIENTAÇÃO

EDITAL REGRAS PARA A DISCIPLINA TCC ORIENTAÇÃO EDITAL REGRAS PARA A DISCIPLINA TCC ORIENTAÇÃO Para o pleno funcionamento da disciplina TCC ORIENTAÇÃO e a articulação necessária entre professores orientadores, Coordenação do Curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

GUIAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO OU DE LICENCIAMENTO DE OBRAS (NA ÁREA DE COMPETÊNCIAS DA APSS, S.A.)

GUIAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO OU DE LICENCIAMENTO DE OBRAS (NA ÁREA DE COMPETÊNCIAS DA APSS, S.A.) 1. De acordo com a legislação em vigor (Decreto-Lei n.º 338/98, de 3 de Novembro), na sua área de jurisdição, compete à APSS, S.A. conceder licenças para a execução de obras directamente relacionadas com

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE CGEST. Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional CODIN

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE CGEST. Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional CODIN Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE CGEST Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional CODIN Coordenação de Desenvolvimento de Infraestrutura Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Leia mais

CASA ATELIER. Implantação e Partido Formal. Local Itanhangá, Rio de Janeiro Ano 2002 Escritório Carla Juaçaba Arquitetura

CASA ATELIER. Implantação e Partido Formal. Local Itanhangá, Rio de Janeiro Ano 2002 Escritório Carla Juaçaba Arquitetura CASA ATELIER Local Itanhangá, Rio de Janeiro Ano 2002 Escritório Carla Juaçaba Arquitetura Implantação e Partido Formal A Casa Atelier, idealizada por Carla Juaçaba juntamente com Mário Fraga, é um refúgio

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3.

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3. Código da Disciplina CCE0047 AULA 3 http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: INFORMAÇÕES NA PRANCHA: Nome dos ambientes: Em todo e qualquer projeto arquitetônico,

Leia mais

RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL

RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL DUNA: RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN Centro de Tecnologia CT Curso de Arquitetura e Urbanismo CAU Trabalho Final

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO.

REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO. REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO. Artigo 1º Aplicação 1. O presente Plano de Pormenor, adiante designado

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE ITEM PONTOS I IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO MAX. 10 A) MOVIMENTAÇÃO DO SOLO Implantação do projeto adequada ao perfil natural do terreno, com

Leia mais

APRESENTAÇÃO AOS ALUNOS TRABALHO DE CURSO DIURNO - 2º SEMESTRE/2015 ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG

APRESENTAÇÃO AOS ALUNOS TRABALHO DE CURSO DIURNO - 2º SEMESTRE/2015 ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG APRESENTAÇÃO AOS ALUNOS TRABALHO DE CURSO DIURNO - 2º SEMESTRE/2015 ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG O TRABALHO DE CURSO (TC) inclui duas disciplinas - INTRODUÇÃO AO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (ITCC)

Leia mais

I ENCONTRO NACIONAL DO PROINFÂNCIA DOCUMENTAÇÃO DE ENGENHARIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO

I ENCONTRO NACIONAL DO PROINFÂNCIA DOCUMENTAÇÃO DE ENGENHARIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO I ENCONTRO NACIONAL DO PROINFÂNCIA DOCUMENTAÇÃO DE ENGENHARIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação MEC SEB SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PROINFÂNCIA DADOS DO PROGAMA : Criado

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA POR SE

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA PROJETO FINAL CURRAL DE MANOBRAS 1000 ANIMAIS Trabalho apresentado como parte dos requisitos

Leia mais

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo Elementos instrutórios do pedido Elementos comuns aos procedimentos de controlo prévio (Licença), nos termos da Portaria n.º 113/2015, de 22/04 1) 2) 3) 4) 5) 6) Certidão da descrição e de todas as inscrições

Leia mais

Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas

Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas 1. Introdução As orientações aqui contidas têm o objetivo de auxiliar a FRANQUEADA na instalação da AGF. Seguindo todas as orientações e tirando

Leia mais

REVISÃO DATA DISCRIMINAÇÃO

REVISÃO DATA DISCRIMINAÇÃO TÍTULO PROJETO DE RQUITETUR ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Instrução. Projeto. rquitetura. INSTRUÇÃO DE PROJETO ago/2005 1 de 11 PROVÇÃO PROCESSO PR 007476/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI OBSERVÇÕES

Leia mais

CGEST CODIN. Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional. Coordenação de Desenvolvimento de Infraestrutura

CGEST CODIN. Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional. Coordenação de Desenvolvimento de Infraestrutura Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE CGEST Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional CODIN Coordenação de Desenvolvimento de Infraestrutura Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria) Projeto Arquitetônico Projeto Estrutural TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA

Leia mais

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE URBANISMO - ENGENHARIA CIVIL LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA Prof. Ms.

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO. Universidade Federal do Paraná Departamento de Construção Civil Construção Civil IV

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO. Universidade Federal do Paraná Departamento de Construção Civil Construção Civil IV SETOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL 2 INTRODUÇÃO TC 042 - PROJETO ARQUITETÔNICO Prof.ª: MSc.: Heloisa Fuganti Campos 2017 SOUZA (2015). 3 INTRODUÇÃO 4 INTRODUÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÃO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÃO 1 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÃO 2 ÍNDICE Lista de Abreviaturas 03 Introdução 04 Parte I 05 Instruções Gerais 05 Modelo de Selo Padrão 07 Parte II Instruções Específicas

Leia mais

Engenharia Gerencial

Engenharia Gerencial Projeto de Instalações Eletricas Metodologia e conteúdo de Etapas para Projeto. Índice deste documento: 1. Metodologia para execução dos projetos.... 2 1.1 Estudo preliminar.... 2 1.2 Produção do pré-executivo....

Leia mais

EXERCÍCIO 2: EDIFÍCIO RESIDENCIAL EM ÁREA CENTRAL

EXERCÍCIO 2: EDIFÍCIO RESIDENCIAL EM ÁREA CENTRAL Universidade São Judas Tadeu Faculdade de Letras, Artes, Comunicação e Ciências da Educação Curso de Arquitetura e Urbanismo EXERCÍCIO 2: EDIFÍCIO RESIDENCIAL EM ÁREA CENTRAL Projeto de Arquitetura II

Leia mais

Leitura e Interpretaçaão de Projetos. Prof. Osvaldo Gomes Terra Junior

Leitura e Interpretaçaão de Projetos. Prof. Osvaldo Gomes Terra Junior Leitura e Interpretaçaão de Projetos Prof. Osvaldo Gomes Terra Junior osvaldoterra.iff@gmail.com Conteuú do Programaútico Desenho Teúcnico para Informaútica Normas Brasileiras Projeto arquitetônico completo

Leia mais

IPA _ Introdução ao Projeto Arquitetônico _Aula 6 _ Prof Elizabeth Correia

IPA _ Introdução ao Projeto Arquitetônico _Aula 6 _ Prof Elizabeth Correia DEFINIÇÃO DE PROJETO ARQUITETÔNICO O pensamento arquitetônico convencional se caracteriza por examinar o fenômeno arquitetônico basicamente sob o ponto de vista: 1) morfológico (estudo da forma, da configuração);

Leia mais

Representação Desenho Arquitetônico. Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia

Representação Desenho Arquitetônico. Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia Representação Desenho Arquitetônico Prof. Dr Rossano Silva CEG012 - Agronomia OS ELEMENTOS DO DESENHO ARQUITETÔNICO Os desenhos básicos que compõem um projeto de arquitetura, a partir de projeções ortogonais,

Leia mais

SEQUÊNCIA BÁSICA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO. Decreto 56818/11 e ITs

SEQUÊNCIA BÁSICA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO. Decreto 56818/11 e ITs SEQUÊNCIA BÁSICA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO Decreto 56818/11 e ITs CLASSIFIQUE A ALTURA Decreto, artigo 3º nº I ; I Altura da Edificação: a. para fins de exigências

Leia mais

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof: Helano Abreu hasantos@sfiec.org.br www.profhelanoabreu.wordpress.com 1 PROJETO TOPOGRÁFICO 2 O que é Topografia? ETIMOLOGIA: A palavra TOPOGRAFIA

Leia mais

Figura 1: Implantação da casa no Derby O Norte Oficina de criação. Fonte: Jéssica Lucena, 2015.

Figura 1: Implantação da casa no Derby O Norte Oficina de criação. Fonte: Jéssica Lucena, 2015. CASA NO DERBY Local Recife - PE Ano 2007-08 Escritório O Norte Oficina de Criação Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e Partido Formal A Casa no Derby é uma residência unifamiliar de uso

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA GRANDES VAZIOS URBANOS, GRANDES LOTES, MARCADA PELA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA GRANDES VAZIOS URBANOS, GRANDES LOTES, MARCADA PELA JARDIM CLOSET SUÍTE MASTER ESCRITÓRIO SUÍTE 02 SUÍTE 01 SALA DE TELEVISÃO GARAGEM QUARTO DE HÓSPEDE SALA DE ESTAR/JANTAR SALA DE TELEVISÃO SUÍTE 01 WC SUÍTE 02 WC CLOSET SUÍTE MASTER WC DECK CIRCULAÇÃO

Leia mais

TEORIA & PROJETO. a. PROGRAMA DE NECESSIDADES b. ARQUITETURA RESIDENCIAL c. FERRAMENTAS DE AUXÍLIO AO PROJETO. Prof.

TEORIA & PROJETO. a. PROGRAMA DE NECESSIDADES b. ARQUITETURA RESIDENCIAL c. FERRAMENTAS DE AUXÍLIO AO PROJETO. Prof. TEORIA & PROJETO a. PROGRAMA DE NECESSIDADES b. ARQUITETURA RESIDENCIAL c. FERRAMENTAS DE AUXÍLIO AO PROJETO PROJETO & FASES 1. Programa de Necessidades: o que é? Como montar; 2. Perfil dos Usuários; 3.

Leia mais

Roteiro de Solicitação

Roteiro de Solicitação Roteiro de Solicitação Número Roteiro.LP. 3-04 Nome Roteiro: Licença Prévia para Loteamento Urbano Objetivo: Requerer a Licença Prévia para Loteamento Urbano Nota: O realiza o licenciamento ambiental de

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA CIDADE

A CONSTRUÇÃO DA CIDADE A CONSTRUÇÃO DA CIDADE O conhecimento dos aspectos antropológicos, sociológicos e econômicos relevantes e de todo o espectro de necessidades, aspirações e expectativas individuais e coletivas quanto ao

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Procuradoria Geral Departamento de Administração Coordenação de Arquitetura e Engenharia ANEXO VIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Os projetos de instalações hidrossanitárias deverão atender às recomendações e especificações

Leia mais

PAISAGEM URBANA. Subsídios para elaboração do Inventário. PR2-2015/2 COORDENADOR: Profº Pedro Batista dos Santos

PAISAGEM URBANA. Subsídios para elaboração do Inventário. PR2-2015/2 COORDENADOR: Profº Pedro Batista dos Santos PAISAGEM URBANA Subsídios para elaboração do Inventário PR2-2015/2 COORDENADOR: Profº Pedro Batista dos Santos Conceito 1960 Gordon Cullen É a arte de tornar coerente e organizado, visualmente, o emaranhado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO E DESIGN COLEGIADO DO CURSO DE DESIGN PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO COMPONENTE CURRICULAR: ATELIÊ DE PROJETO INTEGRADO API 5 UNIDADE OFERTANTE: FACULDADE DE ARQUITETURA

Leia mais

Saneamento e Meio ambiente para Arquitetura Edificações Sustentáveis Análise E1. G10. Brunieli Mori Juliana Oliveira Mayara Serra

Saneamento e Meio ambiente para Arquitetura Edificações Sustentáveis Análise E1. G10. Brunieli Mori Juliana Oliveira Mayara Serra Saneamento e Meio ambiente para Arquitetura Edificações Sustentáveis Análise E1 G10. Brunieli Mori Juliana Oliveira Mayara Serra Introdução A partir da análise do Edifício E1, entende-se que é papel do

Leia mais

Professora: Jordana Costa

Professora: Jordana Costa Professora: Jordana Costa Cartografia Cartografia, segundo a ABNT é definida como: A arte de levantamento, construção e edição de mapas e cartas de qualquer natureza. Função principal: Representar a realidade

Leia mais

Os projetos de comunicação visual deverão atender às seguintes Normas e Práticas Complementares:

Os projetos de comunicação visual deverão atender às seguintes Normas e Práticas Complementares: INSTRUÇÃO TÉCNICA 09 ARQUITETURA Revisão 00 jan/2014 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração dos Projetos

Leia mais

Câmara Municipal MUNICÍPIO DE MATOSINHOS

Câmara Municipal MUNICÍPIO DE MATOSINHOS MUNICÍPIO DE MATOSINHOS Câmara Municipal PLANO DE PORMENOR PARA O TERRENO ENTRE A AV. DOS COMBATENTES DA GRANDE GUERRA E A RUA NOGUEIRA PINTO - LEÇA DA PALMEIRA R E G U L A M E N TO NOGUEIRA PINTO LEÇA

Leia mais

Desenho Técnico. Aula 03. Normalização, Normas Técnicas ABNT

Desenho Técnico. Aula 03. Normalização, Normas Técnicas ABNT Desenho Técnico Aula 03 Normalização, Normas Técnicas ABNT Profa. Msc. Jaqueline Vicente Matsuoka Email: jaquematsuoka@gmail.com A fim de transformar o Desenho técnico em uma linguagem padronizada, foi

Leia mais

CURSO: ARQUITETURA E URBANISMO FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO TCC

CURSO: ARQUITETURA E URBANISMO FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO TCC CURSO: ARQUITETURA E URBANISMO FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO TCC CURSO: Arquitetura e Urbanismo EXAMINADOR INTERNO: 1 QUANTO À MONOGRAFIA: 1.1 Abrangência do assunto Peso = 1,0 1.2 Referencial teórico pertinente

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORA MATEUS ARRUDA SUMARA QUERINO

DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORA MATEUS ARRUDA SUMARA QUERINO DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORA MATEUS ARRUDA SUMARA QUERINO CIRCULAÇÃO VERTICAL A circulação vertical tem função de vencer os desníveis, possibilitando o livre acesso e circulação entre estes. ESCADAS

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA Página 1 de 5 INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 237, DE 4 DE AGOSTO DE 2011 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

DESENHO DE ESTRUTURAS AULA 1. Profª. Angela A. de Souza

DESENHO DE ESTRUTURAS AULA 1. Profª. Angela A. de Souza AULA 1 A CONCEPÇÃO ESTRUTURAL DE EDIFICIOS Etapas de um Projeto de Edificação A idealização de um projeto parte do princípio que devemos procurar ajuda de um profissional especializado, que irá nos ajudar

Leia mais

LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. LOCALIZAÇÃO 3 III. ENQUADRAMENTO PDM 3 VII. CEDÊNCIAS E INFRAESTRUTURAS 3 V. PROPOSTA 3 VI. ÍNDICES URBANÍSTICOS 4 VII.

Leia mais

AI Parâmetros Urbanísticos e Programa de necessidades

AI Parâmetros Urbanísticos e Programa de necessidades AI-1 2017-2 Parâmetros Urbanísticos e Programa de necessidades Parâmetros Urbanísticos: o Área de projeção máxima da(s) edificação(ões): 750,00m² o Área Total Edificada (áreas de uso fim e respectivas

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA MORADIAS-TIPO DA AUGI 24 DA RIBEIRA DO MARCHANTE MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA MORADIAS-TIPO DA AUGI 24 DA RIBEIRA DO MARCHANTE MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA MORADIAS-TIPO DA AUGI 24 DA RIBEIRA DO MARCHANTE MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA INTRODUÇÃO A presente memória descritiva e justificativa diz respeito aos projetos-tipo

Leia mais

CONSTRUINDO SUA CASA EM ALPHAVILLE. AlphaVille Teresina

CONSTRUINDO SUA CASA EM ALPHAVILLE. AlphaVille Teresina CONSTRUINDO SUA CASA EM ALPHAVILLE AlphaVille Teresina Como será a casa? ESTILO ARQUITETÔNICO Como será a casa? Sala de Estar Sala de Jantar Home theater Lareira Lavabo Sala de Almoço / Copa Cozinha Despensa

Leia mais

2. Termos de referência 2.1 Área de Intervenção 2.2 Enquadramento no PDM

2. Termos de referência 2.1 Área de Intervenção 2.2 Enquadramento no PDM Janeiro 2010 Fundamentação para a Elaboração do Plano de Pormenor do Conjunto das Azenhas do Boco Termos de Referência Índice 1. Introdução 2. Termos de referência 2.1 Área de Intervenção 2.2 Enquadramento

Leia mais

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo Elementos instrutórios do pedido Elementos comuns aos procedimentos de controlo prévio (Informação Prévia), nos termos da Portaria n.º 113/2015, de 22/04 1) 2) 3) 4) 5) 6) Certidão da descrição e de todas

Leia mais