PROJETO DE VIRTUALIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE SERVIDORES DA EMPRESA EDELBRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE VIRTUALIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE SERVIDORES DA EMPRESA EDELBRA"

Transcrição

1 PROJETO DE VIRTUALIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE SERVIDORES DA EMPRESA EDELBRA LOSS, André ¹ BRAMBATTI, Marcel ² BÜHLER, Leslie Vieira ³ RESUMO: Para entender perfeitamente o que é virtualização, deve-se traçar primeiramente um paralelo entre o que é real e o que é virtual. Seguindo essa linha de raciocínio, algo real pode ser caracterizado como um objeto físico, ocupando um lugar no ambiente, já o virtual está associado àquilo que é simulado. Dessa forma a virtualização pode ser definida como a criação de um ambiente virtual que simula um ambiente real, propiciando a utilização de diversos sistemas e aplicativos sem a necessidade de acesso físico à máquina na qual estão hospedados. É a reorganização de um ambiente operacional de servidores físicos para um ambiente de servidores virtualizados. A adoção de tecnologias como a computação em nuvens só colabora para seu inevitável progresso, assim buscou-se fazer uma análise na empresa Edelbra para implantação e incremento da virtualização de seu sistema operacional buscando maior economia e praticidade nas operações. Palavras-chave: Virtualização. Reorganização. Economia. ABSTRACT: To understand perfectly what is virtualization, it should first draw a parallel between what is real and what is virtual. Following this line of reasoning, something real can be characterized as a physical object, taking a place in the background, the virtual is already associated to what is simulated. Therefore virtualization can be defined as the creation of a virtual background that simulates a real background, providing the utilization of several systems and applications without the necessity for physical access to the machine in which they are hosted. It is the reorganizing of the operational background of the physical servers into a virtualized server background. The adoption of technologies such as cloud computing only contributes to its inevitable progress, and then it sought to analyze the company Edelbra for a implantation and development of the virtualization of its operational system seeking greater economy and practicality in the operations. Keywords: Virtualization. Reorganization. Economy. ¹ Qualificação do autor: Acadêmico do Curso de Tecnologia em Análise em Desenvolvimento de Sistemas Faculdades IDEAU 2 Orientador: Marcel Brambatti, Especialista, Professor do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas - Faculdades IDEAU. 3 Co-orientador: Professora do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas- Faculdades IDEAU.

2 2 1 INTRODUÇÃO Para Somasudaram (2011), a virtualização é uma técnica de mascarar ou abstrair recursos físicos, o que simplifica a infraestrutura e acomoda a velocidade cada vez maior das mudanças nos negócios e na tecnologia. Ela aumenta a utilização e a capacidade dos recursos de TI, como servidores, redes ou dispositivos de armazenamento, além de seus limites físicos. A virtualização simplifica o gerenciamento de recursos agrupando-os e compartilhando-os para uma máxima utilização e os faz parecer recursos lógicos com capacidade ampliada. A virtualização acontece de diferentes formas, como por exemplo, a virtualização de memória, de rede, de servidores e de armazenamento. Mas a virtualização de servidores é a mais fácil de ser justificada. Segundo Veras (2009), a virtualização é um conceito bem conhecido na área de TI. E os benefícios da virtualização tornam-se fáceis de serem entendidos pelo pessoal de TI. A dificuldade é convencer os níveis superiores sobre a real vantagem do ambiente virtualizado, considerando que o paradigma de comprar servidores físicos a cada nova demanda está sendo quebrado por uma nova forma de aquisição que implica em maior custo inicial, mas que á longo prazo, trará uma série de facilidades no atendimento de novas demandas computacionais. A virtualização de servidores trata da consolidação de vários servidores físicos e substituindo em um único servidor com alto grau de utilização, reduzindo a complexidade do gerenciamento, o espaço físico e os requisitos de energia e refrigeração. Nesse sentido um dos problemas a serem enfrentados pelo setor de TI da empresa Edelbra Gráfica Ltda consiste no projeto de virtualização do seus servidores a fim de permitir uma melhor utilização de recursos da empresa, pois com o aumento significativo de serviços e aplicações, há necessidade de compra e alocação de novos computadores acarretando gastos com infraestrutura e em um gerenciamento descentralizado. Para resolver esse problema apresenta-se uma solução que vem sendo largamente utilizada. Na virtualização de servidores uma técnica de execução paralela de sistemas operacionais com serviços distintos em um mesmo processador é utilizada. A virtualização de servidor também permite vários sistemas operacionais e aplicativos sejam executados

3 3 simultaneamente em diferentes máquinas virtuais, criadas no mesmo servidor físico. As máquinas virtuais fornecem uma camada de abstração entre o sistema operacional e o hardware correspondente. Dentro de um servidor físico, qualquer número de servidores virtuais pode ser estabelecido, dependendo da capacidade do hardware, cada servidor, parece uma máquina física para o sistema operacional, embora todos os servidores virtuais compartilhem o mesmo hardware físico. A memória física é compartilhada entre os servidores virtuais, mas o espaço endereçado não. (SOMASUDARAM, 2011) Assim, este projeto visa reduzir gastos com infraestrutura, tempo de gerenciamento, centralizar os processos de gerência evitando gargalos de serviços por computadores e não utilização de recursos ociosos, além de facilitar o aperfeiçoamento e testes de novos sistemas operacionais, gerando diminuição de custos e rapidez nos processos. E mais, propor melhorias da estrutura e reorganização dos servidores físicos para um ambiente de servidores virtualizados e padronizar suas atividades de gerenciamento dos serviços, de modo que haja alta disponibilidade de serviço aos colaboradores. De acordo com Veras (2009), a alta disponibilidade pode acontecer no nível do hardware com a utilização de componentes redundantes e tolerantes a falhas. Também acontece no nível de sistema operacional e no nível da aplicação. Significa que a aplicação ou serviço está permanentemente disponível, capacidade de executar suas funções de forma contínua (sem interrupção) por um período de tempo significativo, independentemente do momento ou fatores que possam influenciar a disponibilidade de tal recurso. 2 DESENVOLVIMENTO A empresa Edelbra Gráfica, tem sede no município de Erechim/RS, dentre suas tarefas, encontra-se a impressão de livros para todos os Estados do Brasil, atendendo grandes editoras. Possui escritórios em Porto Alegre/RS e em São Paulo S/P, e representantes comerciais, espalhados pelo país. Além da qualidade e produtividade, a empresa sempre busca criar novos processos e atender ainda mais as necessidades de seus clientes. Reorganizar o ambiente atual da empresa, apresentando uma proposta de estrutura a fim de realizar a migração dos servidores físicos, para um ambiente de servidores virtualizados, buscando aprofundar o conhecimento em virtualização de servidores, apresentando uma proposta de melhoria para a empresa, bem como flexibilizar e facilitar o gerenciamento dos processos de TI, além de proporcionar a alta disponibilidade aos servidores da empresa.

4 4 As informações necessárias para a elaboração do projeto, junto à empresa, foram devidamente repassadas pelo responsável do setor de TI, Adilmar Morandi. No ato, foi apresentada a estrutura completa da empresa, detalhando cada servidor, bem como cada serviço que a empresa possui. Também, como ponto principal de conversa, os problemas enfrentados no período atual pela TI. A estrutura atual de servidores da Edelbra encontra-se em dois cenários distintos, sendo que na figura 1, estão representados os servidores que estão localizados na bancada, sendo seis máquinas físicas (CPU). Essas máquinas físicas são ligadas aos nobreaks via cabo de energia. Figura 01: Estrutura de servidores Fonte: Autor Servidor da Central telefônica: Servidor responsável pelo serviço de telefonia da empresa, tendo como sistema operacional Windows XP. São 50 ramais, sedo um com acesso direto com a central. Servidor AD Secundário: Antivírus; Servidor Optiplex 380; Firewall Slave. Seu sistema operacional é o Windows Server 2008 com aproximadamente 110 usuários conectados. Match Print: Sistema de Imagens Pré Impressão, gerenciando as impressões e as provas de cores. O sistemas operacional é o Windows XP, com 7 usuários conectados. Servidor Zabbix: Gerenciamento de rede, tendo como seu sistema operacional Debian 6. Servidor Openfire: Comunicação Interna da empresa tendo como sistema operacional o Debian possuindo 100 usuários conectados. PagFor: Software bancário utilizado pelo setor financeiro, possuindo 1 usuário conectado. Seu sistema operacional é o Windows XP. A figura 2, representa os servidores que estão localizados no Rack, sendo oito servidores responsáveis pelos serviços.

5 5 Figura 02: Estrutura de servidores Fonte: Autor Servidor Terciário: Responsável por armazenar arquivos, armazena os backups no qual são gravados em unidades de fita com configuração LTO5. Seu sistema operacional é Windows Server Servidor Secundário: Servidor responsável de backup do servidor primário, tendo como sistema operacional Windows Server Servidor Primário: Software que gerencia e edita os trabalhos dos clientes de forma automatizadas. Possui 14 usuários conectados. Seu sistema operacional é o Windows Server Insite: Responsável pela visualização e carregamento do livro, para que a gráfica consiga trabalhar no mesmo. Possuindo aproximadamente de 300 usuários conectados. Seu sistema operacional é o Windows Server NAC: Responsável pelo gerenciamento da rede Squid, DNS, possui algumas VM s em KVM, além de FTP e . Seu sistema operacional é RedHat 5. Servidor AD: Responsável pelo serviço de diretório, armazenando as informações sobre o objeto em rede disponibilizando para os usuários e administradores de rede. Faz redundância com o AD secundário Seu Sistema operacional é Windows Server Métrics: Responsável pelo Banco de Dados do sistema Métrics e Sênior além de seus aplicativos. Possui aproximadamente 160 usuários conectados. Seu sistema operacional é Windows Server 2008.

6 6 NAS (Servidor de Arquivos): Armazenamento de Dados que são acessados via rede pelos clientes internos, além de possuir alguns backups de dados da TI, que após um tempo são backupeados para as fitas. Nos dois cenários, as estruturas estão ligadas aos nobreaks que asseguram a operação em caso de queda de energia. Observando os dados coletados na empresa observou-se as seguintes condições: Difícil Gerenciamento Gerenciamento de diversos servidores físicos; Com o grande número de servidores físicos, a um trabalho dobrado, pois tem que dar a garantia que os mesmos não vão falhar, jáque a queda de serviço traz prejuízo para toda empresa. Barreiras para Expansão 79% dos orçamentos da TI para manter os servidores funcionando; Perda de tempo para garantir a disponibilidade dos serviços, ao invés de se dedicar mais para projetar novos serviços. Novos serviços Substituição de hardware; Se optar por rodar um novo serviço na estrutura atual, alguns fatores irão barrar, como por exemplo, o pouco espaço para a nova máquina, muito processamento, falta de memória disponível, não terá uma garantia de disponibilidade. Hoje o Métrics está em um único servidor, se esse cai, toda a empresa pára. Alto TCO Consumo de energia, espaço físico, equipe técnica; Quanto mais estrutura, servidores físicos, por exemplo, mais gente para garantir o serviço.

7 7 Disponibilidade do serviço de TS (Terminal Server) -Aumento nos serviços com o Métrics, Métrics Planner, JOBTRACK, quando se implantou esses serviços, não se pensou na redundância, pois todas as máquinas da produção acessam via TS, aproximadamente, 23 máquinas acessando ao mesmo tempo, se este serviço cair, produção em toda a empresa para. Servidor Métrics Ponto de Falha Único - Sem controle da produção. Se esse serviço falhar, todos os setores da empresa são afetados, não havendo apontamento do JOBTRACK pela produção, sem emissão de nota fiscal, sem monitoramento de horas pelo RH. Servidor de Impressão Ponto de Falha Único - Sem impressão para todos os setores da empresa, em caso de falha. Servidor de Arquivos Ponto de Falha Único - Caso haja falha nesse serviço, a empresa fica sem , sem navegação interna, sem contato interno, sem FTP e sem sistema de chamados. A ocorrência de problemas diários na estrutura atual de servidores, representam significativamente um grande atraso nas operações cotidianas, pois determinados serviços necessitam de máxima disponibilidade e, nesses casos, o restabelecimento do serviço pode levar um tempo maior que o desejado devido a falta de pessoal disponível em virtude a outros atendimentos, por não serem detectados no momento exato ou pela dificuldade de encontrar o motivo desses problemas. A reorganização dos ambientes operacionais de servidores físicos para ambiente de servidores virtualizado, permite particionar um único sistema computacional em vários outros denominados de máquinas virtuais. Isso é possível através de ferramentas de hardware e software, obtendo assim as VM s (Virtual Machines). Cada máquina virtual (VM) oferece um ambiente completo, similar ao de um servidor físico. O software utilizada na virtualização denomina-se VMware EssentialPlus. Ele permite três hosts (servidores físicos) em um pool de virtualização com até 6 processadores. O ambiente da Edelbra com três hosts é suficiente. Esses terão sistema operacional (Windows Server Datacenter) e memória RAM de 96 GB. A escolha do sistema operacional é fator importante. Segundo Veras (2009), um Sistema Operacional (SO) é um software que atua como intermediário entre a aplicação e o hardware de um computador. Um SO tem os seguintes principais componentes: gerência dos processos,

8 8 gerência da memória, gerencia do I/O e gerência de arquivos. Para o usuário o sistema de arquivos é a parte mais visível do SO. Assim, o sistema operacional Windows Datacenter demonstra ser o mais adequado para o ambiente proposto e, ainda permite a possibilidade de usar várias máquinas virtuais sob apenas uma licença, sem a necessidade da compra de licença para cada serviço. Para garantir a Alta Disponibilidade que Segundo Veras (2009) pode acontecer no nível do hardware com a utilização de componentes redundantes e tolerantes a falhas. Também acontece no nível de sistema operacional e no nível da aplicação. Nesses sentido, a Alta Disponibilidade (HA - High Availability) segundo para Pitanga (2003) pode assumir modelos de clusterização (clusters) construídos para prover uma disponibilidade de serviços e recursos de maneira ininterrupta, através do uso da redundância implícita ao sistema, onde se um nó do cluster vier a falhar (failover), aplicações ou serviços estarão disponíveis em outro nó. Estes tipos de cluster são utilizados para base de dados de missões críticas, correio, servidores de arquivos e aplicações. Assim, cada host vai alocar várias VMs, divididas automaticamente. Assim, se o servidor A apresentar algum problema, o serviço é automaticamente assumido pelos demais servidores ( B e C ). Esses três hosts ficarão em ligamento cruzado através do uso dois switches e, também, fornecendo acesso ao Storage por duas vias (Figura 04). O terceiro switch da figura, apenas simula o ligamento cruzado, facilitando o entendimento. Figura 04: Estrutura de servidores Fonte: Estrutura montada juntamente com a DELL

9 9 É possível observar na Figura 4 que serão três hosts trabalhando em conjunto. Esses terão cargas divididas igualmente entre os três: quinze serviços em cada host, mas cada um com responsabilidade de executar cinco deles. Esse processo de montagem na nova estrutura de servidores para a virtualização, traz vários benefícios ao funcionamento da TI junto a empresa. Agilidade e Flexibilidade da TI - Com o crescimento da empresa, não precisará comprar novos servidores para serviços futuros, o que vai precisar, apenas, é criar uma máquina virtual. Escalabilidade para acrescer dinamicamente, acompanhando os negócios da empresa - Disponibilidade para elaborar a melhor solução para as necessidades de seus negócios e implantá-la no menor espaço de tempo. Melhor estratégia de recuperação de desastres - Níveis de disponibilidade, tolerância a falhas e proteção contra desastres que tornam a virtualização adequada até mesmo para cargas de trabalho de missão crítica. Aumento de disponibilidade de aplicações e sistema - Buscar uma forma de manter os serviços prestados por um sistema a outros elementos, mesmo que o sistema em si venha a se modificar internamente por causa de uma falha. Consolidação de servidores e datacenter - Reduz os custos da TI e aumenta o controle. Maior utilização de recursos físicos - Adequação de memória a cada serviço, sem que algum sobre ou venha a faltar memória. Promove a centralização e a segurança - Fácil gerenciamento da estrutura, deixando o controle e a manutenção desses serviços mais fáceis, do que gerenciar todos os servidores físicos. Quadro 01: Vantagens e desvantagens da virtualização VANTAGENS Acesso controlado a dados sensíveis e à propriedade intelectual mantendo-os seguros dentro do datacenter da empresa Segurança: Usando máquinas virtuais, pode-se definir qual é o melhor ambiente para executar cada serviço, com diferentes requerimentos de segurança, ferramentas diferentes e o sistema operacional mais adequado para cada serviço. Além disso, cada máquina virtual é isolada das demais. Adaptação às diferentes cargas de trabalho: A carga de trabalho pode ser tratada de forma simples. Normalmente os softwares de virtualização realocam os recursos de hardware dinamicamente entre uma máquina virtual para a outra. Balanceamento de carga: Toda a máquina virtual está encapsulada, assim é fácil trocar a máquina virtual de plataforma e aumentar o seu desempenho. DESVANTAGENS Dificuldade no acesso direto a hardware, como por exemplo, placas específicas ou dispositivos USB. Desempenho: a introdução de uma camada extra de software entre o sistema operacional e o hardware, o VMM ou hypervisor, gera um custo de processamento superior ao que se teria sem a virtualização. Grande consumo de memória RAM dado que cada máquina virtual vai ocupar uma área separada da mesma. Grande uso de espaço em disco, já que é preciso de todos os arquivos para cada sistema operacional instalado em cada máquina virtual.

10 10 Suporte a aplicações legadas: Quando uma empresa decide migrar para um novo Sistema Operacional, é possível manter o sistema operacional antigo sendo executado em uma máquina virtual, o que reduz os custos com a migração. Vale ainda lembrar que a virtualização pode ser útil para aplicações que são executadas em hardware legado, que está sujeito a falhas e tem altos custos de manutenção. Com a virtualização desse hardware, é possível executar essas aplicações em hardwares mais novos, com custo de manutenção mais baixo e maior confiabilidade. Pode-se utilizar sistemas operacionais que não possuam compatibilidade com o hardware, utilizando os recursos de virtualização de hardware. Possibilitando assim economia com a compra de hardware de menores custos. Utilização de uma VM como ambiente de desenvolvimento: possibilita testes em SO s distintos evita que falhas na configuração, ou vírus, danifiquem o hardware da máquina. Fonte: Devel Sistemas (2013) Segurança: As máquinas virtuais podem ser menos seguras que as máquinas físicas justamente por causa do seu host. Este ponto é interessante, pois se o sistema operacional hospedeiro tiver alguma vulnerabilidade, todas as máquinas virtuais que estão hospedadas nessa máquina física estão vulneráveis. Gerenciamento: Os ambientes virtuais necessitam ser instanciados, monitorados, configurados e salvos. Não se sabe exatamente quantas máquinas virtuais podem ser executadas por processador, sem que haja o prejuízo da qualidade de serviço. CONCLUSÃO Após estudos e pesquisas realizados ao longo do período de estudo, afirma-se que o trabalho trouxe conhecimentos mais aprofundados sobre a temática de virtualização, tema de grande relevância aos profissionais da área de tecnologia da informação, além de propor uma melhor forma de trabalho, possibilitando o fácil gerenciamento pelos colaboradores do setor de Tecnologia da Informação, e proporcionar a disponibilidade dos serviços aos demais colabores da empresa. Projeto esse, que possibilitou o entendimento do conceito e funcionamento da virtualização, além de proporcionar a qualificação do ambiente de servidores da empresa Edelbra, realizar a análise do problema atual da empresa e, juntamente com consultores, elaborar um projeto de estrutura a fim de garantir todos os serviços atuais da empresa, bem como proporcionar a redundância e a alta disponibilidade, constituem a eficiência e eficácia organizacional. Diante do exposto, pensou-se na expansão da empresa, uma vez que, para disponibilizar um novo serviço, não necessitará a compra de uma nova máquina física, apenas a criação de uma nova máquina virtual. O fácil gerenciamento proporciona a agilidade no atendimento aos colaboradores da empresa, a resolução de problemas e um maior tempo para pensar e projetar novos serviços suprindo a necessidade da empresa. A proposta teve uma excelente aceitação pela direção da empresa e após apresentação detalhada do funcionamento, teve sua implementação aprovada para o ano de 2014.

11 11 Portanto, os resultados desse estudo, proporcionaram a percepção da importância do perfeito funcionamento dos serviços de Tecnologia da Informação em uma empresa de médio porte. Nesse sentido, todos os colaboradores poderão perceber com essa estrutura um melhora significativa na agilidade de execução em seus trabalhos. Já o setor de TI obterá um fácil gerenciamento e promoção de alta disponibilidade dos recursos de TI. E, isso pode ser traduzido em eficiência e a eficácia organizacional. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE, Lucas. Visão geral sobre virtualização. Amitecno Disponível em: Acessado em: 20 de nov CLARK, C., FRASER, K., HAND, S., et al. Live migration of virtual machines. In: Proceedings of the 2nd conference on Symposium on Network ed Systems Design & Implementation-Volume 2. USENIX Association, DEVEL SISTEMAS. Disponível em :http://www.develsistemas.com.br/component/ content /article/111.html. Acesso em: 10 de nov Guia no Servidor Conectiva Linux, Disponível em: online/9.0/servidor/ha.html. Acesso em 10 de nov IBM. Servidores Blade. Disponível em: servers/index.phtml. Acessado em 10nov LEAL, Adailton A.; GOMES, Helena M.; LUIS, Ricardo.; GOMES, Marcio; BEZERRA, Ricardo; VELOSO, Raphael. Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Hardware. SEBRAE, ONGARO, D., COX, A. L., RIXNER, S. Scheduling I/O in virtual machine monitors. In: Proceedings of the fourth ACM SIGPLAN/SIGOPS international conference on Virtual execution environments, VEE 08, Seattle, WA, USA, PITANGA, Marcos. Computação em cluster. Disponível em: com.br/artigos /153. Acesso em: 10 de nov. de TANENBAUM, Andrew S. Distributed Operating Systems. Prentice-Hall, ISBN, SUMASUDARAM, G. Armazenamento e gerenciamento de informações. Bookman, Porto Alegre, VERAS, Manuel DATACENTER - Componentes Central de Infraestrutura de TI - BRASPORT, Rio de Janeiro, 2009.

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com VIRTUALIZAÇÃO Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com Virtualização o que é? É uma forma de esconder as características físicas de uma plataforma computacional dos usuários, emulando

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Benefícios e processos relacionados à migração e servidores dedicados para cloud servers. Juliano Simões. Diretor de Tecnologia

Benefícios e processos relacionados à migração e servidores dedicados para cloud servers. Juliano Simões. Diretor de Tecnologia Benefícios e processos relacionados à migração e servidores dedicados para cloud servers Juliano Simões Diretor de Tecnologia Agenda Comparar o modelo de servidor dedicado, orientado ao hardware, com os

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho

Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho Virtualização Microsoft: Data Center a Estação de Trabalho Estudo de Caso de Solução para Cliente Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho Visão

Leia mais

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 SERVIÇOS BÁSICOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo:

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo: INFRAESTRUTURA Para que as empresas alcancem os seus objetivos de negócio, torna-se cada vez mais preponderante o papel da área de tecnologia da informação (TI). Desempenho e disponibilidade são importantes

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Sumário Introdução... 3 Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3 Live Migration... 3 Volumes compartilhados do Cluster... 3 Modo de Compatibilidade de Processador...

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES Vitor Rodrigues Tanamachi 1, Weber Poli de Oliveira 1, Alexandre Galvani 1. 1 Departamento de Informática Faculdade de Tecnologia de Bauru (FATEC)

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Soluções em Segurança

Soluções em Segurança Desafios das empresas no que se refere a segurança da infraestrutura de TI Dificuldade de entender os riscos aos quais a empresa está exposta na internet Risco de problemas gerados por ameaças externas

Leia mais

Virtualização. Roberto de Beauclair Seixas rbs@impa.br

Virtualização. Roberto de Beauclair Seixas rbs@impa.br Virtualização Roberto de Beauclair Seixas rbs@impa.br News De acordo com a IDC, ela está a caminho de se tornar uma prática padrão entre as mil maiores empresas do mundo, listadas no ranking Fortune 1000.

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Classificação::Modelo de implantação

Classificação::Modelo de implantação Classificação::Modelo de implantação Modelo de implantação::privado Operada unicamente por uma organização; A infra-estrutura de nuvem é utilizada exclusivamente por uma organização: Nuvem local ou remota;

Leia mais

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO OBJETIVO Objetivo do deste trabalho é o autoaprendizado e a disseminação do conhecimento empregado no conceito de virtualização. Assim como a demostração de seu uso em conjunto

Leia mais

Proteção de ambientes Citrix XenServer com Arcserve

Proteção de ambientes Citrix XenServer com Arcserve Proteção de ambientes Citrix XenServer com Arcserve Desafios do cliente Hoje em dia, você enfrenta desafios como acordos de nível de serviço exigentes e limitações de equipe e orçamento. Você procura maneiras

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Computação em Nuvem Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente Computadores

Leia mais

Visão do Sistema Operacional

Visão do Sistema Operacional Visão do Sistema Operacional programadores e analistas usuários programas, sistemas e aplicativos Usuários Sistema Operacional memória discos Hardware UCP fitas impressoras monitores O que é um Sistema

Leia mais

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Introdução a Virtualização Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Por que virtualizar? Descentralização de recursos computacionais Cloud computing Plena utilização de recursos físicos

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br CLOUD COMPUTING Andrêza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

Proteção de ambientes Microsoft Hyper-V 3.0 com Arcserve

Proteção de ambientes Microsoft Hyper-V 3.0 com Arcserve Proteção de ambientes Microsoft Hyper-V 3.0 com Arcserve Desafios do cliente Hoje em dia, você enfrenta desafios como acordos de nível de serviço exigentes e limitações de equipe e orçamento. Você procura

Leia mais

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado de TI. Apresentar alguns conceitos e técnicas sobre a tecnologia

Leia mais

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles FAMÍLIA EMC VPLEX Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles GARANTINDO DISPONIBILIDADE CONTÍNUA E MOBILIDADE DE DADOS PARA APLICATIVOS ESSENCIAIS A infraestrutura de armazenamento

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe.

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtualização Virtualização? A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtual: Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa, significa: adj (lat virtuale) 1- Que não existe como realidade,

Leia mais

Virtual Operating Environment (VOE) Marcelo Tomoyose, Kodak Brasileira

Virtual Operating Environment (VOE) Marcelo Tomoyose, Kodak Brasileira Virtual Operating Environment (VOE) Marcelo Tomoyose, Kodak Brasileira Desafios da Industria de TI Os fornecedores de impressão estão procurando maneiras de reduzir os custos associados: Manipulação de

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI DA TEKSID PASSA POR ATUALIZAÇÃO COMPLETA, OBTENDO REDUÇÃO DE GASTOS E MELHORIAS NO AMBIENTE

INFRAESTRUTURA DE TI DA TEKSID PASSA POR ATUALIZAÇÃO COMPLETA, OBTENDO REDUÇÃO DE GASTOS E MELHORIAS NO AMBIENTE INFRAESTRUTURA DE TI DA TEKSID PASSA POR ATUALIZAÇÃO COMPLETA, OBTENDO REDUÇÃO DE GASTOS E MELHORIAS NO AMBIENTE Perfil O Grupo Teksid é o maior em fundição de autopeças do mundo, com capacidade produtiva

Leia mais

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com Virtualização Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com O problema...... os departamentos de TI passaram a ter consciência de que os recursos como

Leia mais

Symantec NetBackup for VMware

Symantec NetBackup for VMware Visão geral A virtualização de servidor é a maior tendência modificadora na área de TI atual. Os departamentos de TI, que dependem do orçamento, estão se apressando para aderir à virtualização por vários

Leia mais

Hospedagem Virtualizada

Hospedagem Virtualizada Conheça também Desenvolvimento de sistemas Soluções de Segurança Soluções com o DNA da Administração Pública Há 43 anos no mercado, a Prodesp tem um profundo conhecimento da administração pública e também

Leia mais

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Agenda A UTAD Virtualização Uma definição Introdução e abrangência

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING)

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) Thiago Batista de Oliveira¹, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil thiagoolyveira@gmail.com,juliocesarp@unipar.br

Leia mais

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil.

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil. Virtualização Meu nome: Nome de guerra: Meu e-mail: Marcos Vinicios Bueno Marques Professor Cidão marcos@cidao.com.br Quem sou? Professor e coordenador de cursos de TI do Senac Informática em Porto Alegre,

Leia mais

Material 5 Administração de Recursos de HW e SW. Prof. Edson Ceroni

Material 5 Administração de Recursos de HW e SW. Prof. Edson Ceroni Material 5 Administração de Recursos de HW e SW Prof. Edson Ceroni Desafios para a Administração Centralização X Descentralização Operação interna x Outsourcing Hardware Hardware de um Computador Armazenamento

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Xen - O case de virtualização da Alergs XIII Enial - Brasília Novembro/2010 DTI Superintendência Administrativa e Financeira Assembleia Legislativa do RS Tópicos abordados: A infraestrutura de TI Alergs

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos Professor: Otto Carlos Disciplina: Redes I Universidade Federal do Rio de Janeiro POLI/COPPE 1 Introdução Virtualização Divisão da máquina física

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Tecnologias WEB Virtualização de Sistemas Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Conceitos Virtualização pode ser definida como técnica que combina ou divide recursos computacionais para prover

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Cloud Computing (Computação nas Nuvens) 2 Cloud Computing Vocês

Leia mais

Impactos do Envelhecimento de Software no Desempenho dos Sistemas. Jean Carlos Teixeira de Araujo jcta@cin.ufpe.br

Impactos do Envelhecimento de Software no Desempenho dos Sistemas. Jean Carlos Teixeira de Araujo jcta@cin.ufpe.br Impactos do Envelhecimento de Software no Desempenho dos Sistemas Jean Carlos Teixeira de Araujo jcta@cin.ufpe.br 1 Agenda Introdução; Software Aging; Software Rejuvenation; Laboratório MoDCS Cloud; Dúvidas?

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO EM SERVIDORES DE BANCO DE DADOS. Resumo: A estratégia de virtualização de servidores de banco de dados é uma tendência

VIRTUALIZAÇÃO EM SERVIDORES DE BANCO DE DADOS. Resumo: A estratégia de virtualização de servidores de banco de dados é uma tendência VIRTUALIZAÇÃO EM SERVIDORES DE BANCO DE DADOS Igor Lucas Coelho Santos 1 Iremar Nunes de Lima 2 Resumo: A estratégia de virtualização de servidores de banco de dados é uma tendência recente em Tecnologia

Leia mais

Proteção de ambientes VMware vsphere/esx com Arcserve

Proteção de ambientes VMware vsphere/esx com Arcserve Proteção de ambientes VMware vsphere/esx com Arcserve Desafios do cliente Hoje em dia, você enfrenta desafios como acordos de nível de serviço exigentes e limitações de equipe e orçamento. Você procura

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Máquinas Virtuais Agenda Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Histórico Mainframe É um computador de grande porte, dedicado

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 01 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências do Módulo Instalação e configuração do

Leia mais

Relatório de Progresso

Relatório de Progresso Luís Filipe Félix Martins Relatório de Progresso Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Preparação para a Dissertação Índice Introdução... 2 Motivação... 2 Cloud Computing (Computação

Leia mais

Introdução. Sistemas Operacionais. Introdução. Roteiro (1 / 2) Por que Máquinas Virtuais Existem? Roteiro (2 / 2)

Introdução. Sistemas Operacionais. Introdução. Roteiro (1 / 2) Por que Máquinas Virtuais Existem? Roteiro (2 / 2) Sistemas Operacionais O termo máquina virtual foi descrito na década de 60 como uma abstração de software que enxerga um sistema físico. Aula 7 Máquinas Virtuais Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópico 33 e 34 Virtualização São Paulo 2009 Virtualização Ao falar em virtualização,

Leia mais

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Anatomia de uma máquina virtual Cada máquina virtual é um sistema completo encapsulado em um

Leia mais

Como usar a nuvem para continuidade dos negócios e recuperação de desastres

Como usar a nuvem para continuidade dos negócios e recuperação de desastres Como usar a nuvem para continuidade dos negócios e recuperação de desastres Há diversos motivos para as empresas de hoje enxergarem o valor de um serviço de nuvem, seja uma nuvem privada oferecida por

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE VALOR:

PROPOSIÇÃO DE VALOR: Caro Cliente, Na economia atual, você não pode permitir ineficiências ou sobreprovisionamento de nenhum recurso - recursos inativos custam dinheiro, recursos mal utilizados custam oportunidades. Você precisa

Leia mais

Aluno: Tiago Castro da Silva

Aluno: Tiago Castro da Silva Faculdade Tecnodohms I Mostra de Ciência e Tecnologia Tecnologias de Virtualização para CLOUD COMPUTING Aluno: Tiago Castro da Silva CURSO: REDES DE COMPUTADORES A Computação evoluiu e Cloud Computing

Leia mais

Otimização de recursos de TI

Otimização de recursos de TI Otimização de recursos de TI Maurício Affonso da Conceição Executivo de Unidade de Negócio, IBM Brasil mauaff@br.ibm.com 2005 IBM Corporation Agenda Systems Sales Estratégias de Otimização de Recursos

Leia mais

Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008

Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008 Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008 ÍNDICE 3 4 RECOMENDAÇÕES DE HARDWARE PARA O TRACEGP TRACEMONITOR - ATUALIZAÇÃO E VALIDAÇÃO DE LICENÇAS 2 1. Recomendações de Hardware para Instalação do TraceGP Este

Leia mais

Planejamento Estratégico para as PMEs. Tecnologia da Informação a Serviço das PMEs

Planejamento Estratégico para as PMEs. Tecnologia da Informação a Serviço das PMEs Planejamento Estratégico para as PMEs Tecnologia da Informação a Serviço das PMEs Maio/2007 Rio Quente- Goiás Nivaldo Cleto Na era da tecnologia da informação, o mercado exige um empresário dinamicamente

Leia mais

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR 6292: INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO WINDOWS 7, CLIENT Objetivo: Este curso proporciona aos alunos o conhecimento e as habilidades necessárias para instalar e configurar estações de trabalho utilizando a

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL CLOUD SERVER

PROPOSTA COMERCIAL CLOUD SERVER PROPOSTA COMERCIAL CLOUD SERVER Sobre a AbsamHost A AbsamHost atua no mercado de hosting desde 2008, fornecendo infraestrutura de data center a diversas empresas no Brasil e no mundo. Focada em servidores

Leia mais

Palestrante: Leandro Carvalho. Palestrante: Francisco Ferreira. Moderador: Thiago Cardoso

Palestrante: Leandro Carvalho. Palestrante: Francisco Ferreira. Moderador: Thiago Cardoso Palestrante: Leandro Carvalho MVP Virtual Machine http://msmvps.com/blogs/msvirtualization twitter.com/leandroeduardo Palestrante: Francisco Ferreira Especialista em Virtualização http://ferreirafco.wordpress.com/

Leia mais

Rivolta Cloud Backup

Rivolta Cloud Backup Rivolta Cloud Backup Apresentação O que é o cloud backup? Cloud backup ou backup na nuvem é a forma mais economica e segura de manter as informações da sua empresa segura e sempre atualizada, caso haja

Leia mais

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE)

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) Possuir capacidade instalada, livre para uso, de pelo menos 5.2 (cinco ponto dois) TB líquidos em discos SAS/FC de no máximo 600GB 15.000RPM utilizando RAID 5 (com no

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Xen Hypervisor Glauco Neves 07132022 Guilherme Pacheco 07232063 INE 5412-0432

Leia mais

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Institucional OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Apresentar as vantagens de se trabalhar com Thin Clients Apresentar como funciona a tecnologia Server Based Computing, Virtualização de Desktop e Aplicativos EVOLUÇÃO

Leia mais

Senado Federal Questões 2012

Senado Federal Questões 2012 Senado Federal Questões 2012 Sistemas Operacionais Prova de Analista de Sistemas Prof. Gustavo Van Erven Senado Federal Questões 2012 Rede Social ITnerante http://www.itnerante.com.br/ Vídeo Aulas http://www.provasdeti.com.br/

Leia mais

Acelere sua viagem à virtualização

Acelere sua viagem à virtualização Back to top Acelere sua viagem à virtualização Índice Acelere sua viagem à virtualização........................................ 1 Faça a virtualização trabalhar para você....................................

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

Sistemas IBM Flex & PureFlex

Sistemas IBM Flex & PureFlex Eduardo (Edu) Pacini Líder Plataforma PureFlex Brasil IBM Systems & Technology Group Sistemas IBM Flex & PureFlex A Tecnologia está liderando as mudanças que impactam os negócios 1 Fatores de impacto:

Leia mais

Projeto e Implantação de Servidores

Projeto e Implantação de Servidores SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO SISTEMA DE SELEÇÃO USINICADA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA Projeto

Leia mais

Cloud. Tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não teve paciência para explicar. {/} CLOUD SOLUTIONS

Cloud. Tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não teve paciência para explicar. {/} CLOUD SOLUTIONS Cloud Tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não teve paciência para explicar. {/} CLOUD SOLUTIONS Cloud Computing: O que é. O que faz. As vantagens. E tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não

Leia mais

05/08/2013. Sistemas Distribuídos Cluster. Sistemas Distribuídos Cluster. Agenda. Introdução

05/08/2013. Sistemas Distribuídos Cluster. Sistemas Distribuídos Cluster. Agenda. Introdução Sistemas Distribuídos Cluster Originais gentilmente disponibilizados pelos autores em http://www.cdk4.net/wo/ Adaptados por Társio Ribeiro Cavalcante Agenda 1. Introdução 2. O que é um cluster 3. Alta

Leia mais

INE651600 Sistemas Operacionais I

INE651600 Sistemas Operacionais I INE651600 Sistemas Operacionais I Thiago Machado Seminário sobre Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização Definição: Permite abstrair os recursos de hardware que uma máquina possui. Criando

Leia mais

MUM. Mikrotik User s Meeting Rio de Janeiro - 2009. Mikrotik e a Computação nas nuvens. Maila Networks

MUM. Mikrotik User s Meeting Rio de Janeiro - 2009. Mikrotik e a Computação nas nuvens. Maila Networks MUM Mikrotik User s Meeting Rio de Janeiro - 2009 Mikrotik e a Computação nas nuvens Oferece serviços de Conectividade IP, Desenvolvimento e Integração de Sistemas. Consultoria `a Provedores de Acesso,

Leia mais

Kaspersky Security for Virtualization. Overview

Kaspersky Security for Virtualization. Overview Kaspersky Security for Virtualization Overview Idéia da Virtualização Executar um sistema operacional como um programa dentro de outro sistema operacional Executar vários sistemas operacionais no mesmo

Leia mais

Plataforma na nuvem do CA AppLogic para aplicativos corporativos

Plataforma na nuvem do CA AppLogic para aplicativos corporativos FOLHA DE PRODUTOS: CA AppLogic Plataforma na nuvem do CA AppLogic para aplicativos corporativos agility made possible O CA AppLogic é uma plataforma de computação na nuvem pronta para o uso que ajuda a

Leia mais

Soluções Completas. Fundada em 1991, a.compos é pioneira na área de soluções em tecnologia, atuando nas áreas de:

Soluções Completas. Fundada em 1991, a.compos é pioneira na área de soluções em tecnologia, atuando nas áreas de: Soluções Completas Fundada em 1991, a.compos é pioneira na área de soluções em tecnologia, atuando nas áreas de: - Conexões compartilhada (.IP) e dedicada (.LINK); - Data Center com servidores virtuais

Leia mais

Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho

Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho Márcio Parise Boufleur Guilherme Piegas Koslovski Andrea Schwertner Charão LSC - Laboratório de Sistemas de Computação UFSM - Universidade

Leia mais

Alta Disponibilidade em Servidores Virtualizados

Alta Disponibilidade em Servidores Virtualizados Alta Disponibilidade em Servidores Virtualizados Andre J. Pavan 1, Isamirian F. Furlaneto 1, Rodolfo Robis 1, Gustavo C. Bruschi 1 1 Curso de Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Microsoft VDI e Windows VDA Perguntas Frequentes Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Como a Microsoft licencia o Windows das estações de trabalho em ambientes virtuais? A Microsoft

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Windows 2008 Server Construído sob o mesmo código do Vista Server Core (Instalação somente

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

Virtualização Como Base de Infra-Estruturas Dinâmicas. José Grilo Director de Negócio Servidores jose.grilo@microsoft.com

Virtualização Como Base de Infra-Estruturas Dinâmicas. José Grilo Director de Negócio Servidores jose.grilo@microsoft.com Virtualização Como Base de Infra-Estruturas Dinâmicas José Grilo Director de Negócio Servidores jose.grilo@microsoft.com 26 de Maio de 2011 Custos de Operação Inferiores Controlo da dispersão dos Servidores

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB.

IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB. IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB. Marllus de Melo Lustosa (bolsista do PIBIC/UFPI), Luiz Cláudio Demes da Mata Sousa

Leia mais

Endpoint Security Platform

Endpoint Security Platform AKER Endpoint Security Platform Proteção de endpoints dentro e fora da empresa Ataques virtuais a redes corporativas têm se tornado cada vez mais comuns. Sob constante ameaça, as empresas passaram a utilizar

Leia mais

Virtualização. P r e s e n t e e f u t u r o Andréa Garcia Trindade 2º. sem/2010. Virtualização Presente e Futuro

Virtualização. P r e s e n t e e f u t u r o Andréa Garcia Trindade 2º. sem/2010. Virtualização Presente e Futuro Virtualização P r e s e n t e e f u t u r o Andréa Garcia Trindade 2º. sem/2010 Virtualização Presente e Futuro 1 O que é virtualização? Virtualização é o processo de executar vários sistemas operacionais

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais