UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO E SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CAMPUS PATOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO E SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CAMPUS PATOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO E SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CAMPUS PATOS EUDA ANATIELLY RODRIGUES MORAIS RIBEIRO LUCENA EDUCAÇÃO SEXUAL SOB A ÓTICA DO CONSTRUTIVISMO PATOS, PB 2016

2 EUDA ANATIELLY RODRIGUES MORAIS RIBEIRO LUCENA EDUCAÇÃO SEXUAL SOB A ÓTICA DO CONSTRUTIVISMO Trabalho de conclusão de curso, apresentado à Unidade acadêmica de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Campina Grande, Campus Patos-PB, como requisito para obtenção do grau de Licenciada em Ciências Biológicas. ORIENTADORA: Profa. Dra. MERILANE DA SILVA CALIXTO PATOS, PB 2016

3 L934e Lucena, Euda Anatielly Rodrigues Morais Ribeiro Educação sexual sob a ótica do construtivismo / Euda Anatielly Rodrigues Morais Ribeiro Lucena. Patos, f.: color. Trabalho de Conclusão de Curso (Ciências Biológicas) Universidade Federal de Campina Grande, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, "Orientação: Profa. Dra. Merilane da Silva Calixto Referências. 1. Professor de ciências. 2. Sexualidade. 3. Saúde reprodutiva. 4. Construtivismo I. Título. CDU 37: 664

4

5 Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção. Paulo Freire

6 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus pela dádiva do sopro da vida e pelos dons do divino espirito santo. Agradeço a todos os meus professores, por me conduzir pelo caminho do conhecimento nessa jornada acadêmica, em especial a professora Elzenir Pereira pelas considerações norteadoras e a professora Merilane Calixto pela orientação, apoio e carinho, mesmo diante de algo tão distante do que ela desempenha. À banca examinadora por aceitar avaliar este trabalho, contribuindo para a qualidade do mesmo. A minha família, em especial minha querida mãe Socorro Rodrigues por toda confiança e investimento direcionados para que eu obtivesse esse êxito. Meu irmão Helder pela parceria e as minhas tias Graça e Glória pelas trocas de experiências. Meu pai pelo incentivo e por último, mas não menos importante, minha tão amada vó, Dona Nega, por desde pequena me orientar a ter independência através dos meus estudos. Agradeço a meu esposo Diego Moraes, por todo amor, compreensão e todo esforço dedicado para me ajudar a concluir essa jornada. Aos meus amigos que a graduação me presenteou, da turma , em especial minha amiga/irmã Rayssa Nágilla, pelo apoio em todas as adversidades e nos momentos de glória, dentro e fora da universidade e ao meu amigo Lindomar Ricardo, por toda parceria a mim atribuída. E a todos aqueles que de maneira direta ou indireta contribuíram para o meu êxito acadêmico. Aos alunos da E.M.E.F. ANAIZA LUIZ CALIXTO, da cidade de Patos-PB, pela disposição na participação desse projeto.

7 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS ANEXO A FOTOS DA EXECUÇÃO DO PROJETO ANEXO B DIRETRIZES PARA AUTORES E CONDIÇÕES PARA SUBMIÇÃO DA REVISTA EDUCAÇÃO E REALIDADE ANEXO C TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO ANEXO D CONSENTIMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO..29

8 Manuscrito a ser submetido à revista Educação e Realidade

9 EDUCAÇÃO SEXUAL SOB A ÓTICA DO CONSTRUTIVISMO SEX EDUCATION FROM THE PERSPECTIVE OF CONSTRUCTIVISM RESUMO A abordagem da Educação Sexual ainda é um assunto polemizado e os órgãos do sistema reprodutor humano ainda são encarados de forma receosa. O professor de Ciências assume a responsabilidade de abordar essa temática, pois ela está prevista no livro didático de ciências do 8º ano, mas muitas vezes por não ter formação adequada o assunto é exposto de maneira superficial. O enfoque deste estudo está baseado na concepção construtivista trazendo novas informações aos conhecimentos já adquiridos pelos adolescentes e tratando o assunto de acordo com a realidade deles, proporcionando possibilidades de exercer a sexualidade com responsabilidade e autonomia. A temática foi distribuída por etapas. Inicialmente discutiu-se sobre o sistema reprodutor masculino e feminino, com enfoques na anatomia e fisiologia de forma que foram levantados os conhecimentos prévios dos alunos sobre a temática do estudo, depois os adolescestes foram instruídos a desenhar o conteúdo abordado, de forma aleatória. Em seguida, foi discutido a abordagem das doenças sexualmente transmissíveis e os métodos contraceptivos, onde os alunos elaboraram um cartilha educativa sobre os temas referidos. Por fim, houve uma exposição dos trabalhos confeccionados e foi promovido um debate sobre a educação sexual e todos os seus eixos com ajuda de perguntas anônimas depositadas na caixinha das dúvidas. A pesquisa mostrou que uma abordagem eficaz é também uma questão de saúde pública, pois envolve os atos sexuais e a reprodução. Foi atribuído o direito à informação correta, diminuindo a vulnerabilidade, onde o professor e a metodologia empregada tiveram papel de agentes facilitadores, dando a perceptiva de ampliar possibilidades. Palavras-chave: professor de ciências; sexualidade; saúde reprodutiva; construtivismo.

10 ABSTRACT The approach to sex education is still an issue debates revolving and organs of the human reproductive system are still seen in fearful form. The science teacher takes responsibility to address this issue because it is provided in the textbook 8th grade science, but often by not having adequate training it is exposed in a superficial way. The focus of this study is based on the constructivist design bringing new information to knowledge already acquired by adolescents and treating the subject according to their reality, providing opportunities to exercise sexuality with responsibility and autonomy. The theme was distributed in stages. Initially it was discussed about the male and female reproductive system, with focuses on anatomy and physiology so that were raised prior knowledge of the students on the subject of the study, after the adolescents were instructed to draw the analyzed content, randomly. Then the approach was discussed sexually transmitted diseases and contraception, where students developed a educational booklet on those topics. Finally, there was an exhibition of works made and was promoted a debate on sex education and all their axes with the help of anonymous questions deposited in the box in case. Research has shown that an effective approach is also a public health issue because it involves sexual acts and playing. It was awarded the right to correct information, reducing vulnerability, where the teacher and the methodology used were paper facilitators, giving perceptive to expand possibilities. Keywords: science teacher; sexuality; reproductive health; constructivism.

11 9 1. INTRODUÇÃO Educação Sexual (ES) é um tema muito complexo e ainda mascarado pela sociedade em que vivemos, abrange a sexualidade com suas expressões e afetos e está relacionado aos órgãos genitais e a reprodução. A sexualidade está presente desde o nascimento através da questão do gênero masculino e feminino e esses aspectos influenciam diretamente na abordagem do conteúdo. Embora existam vários motivos que provocam discussões sobre o tema ES, dentre eles, gravidez na adolescência e doenças sexualmente transmissíveis e apesar da liberdade adquirida após alguns séculos, esse tema e a sua compreensão estão ligados diretamente a aspectos religiosos, culturais e sociais, dificultando sua abordagem (Gesser, Oltramari e Panisson, 2015). Segundo Lago (2003), com o decorrer dos anos, à partir do nosso nascimento, a sexualidade manifesta-se em cada etapa de nossa vida. As manifestações sexuais acontecem independentemente da faixa etária e muitos profissionais escolares por não estarem preparados para o acautelamento relativo à temática reprimem ou ignoram o assunto, fazendo de conta que essas coisas não estão acontecendo. A Educação Sexual e os seus eixos ganharam visibilidade a partir do início do século XX com os estudos de Freud, o criador da psicanálise. Uma abordagem voltada para aspectos biológicos e uma fundamentação mais teoria foi inserida em meados da década de 1980 pelo filósofo Michel Foucault (Costa e Coelho, 2011). De acordo com a sexóloga Marta Suplicy, é no lar que o ser humano deveria ter sua primeira educação sexual (Suplicy, 1990), entretanto, Freud tinha outra percepção, por considerar que os pais são incompetentes na tarefa de educar sexualmente os seus filhos. Para este autor, os pais esqueceram-se da sexualidade infantil e, se não falam sobre o assunto, é porque foram alvos de repressão (Kupfer, 1997), portanto, provavelmente existem resquícios de repressão e frustações que impedem os pais de orientar seus filhos de forma franca e descomplicada. A orientação sexual deve ser norteada de forma a preparar o indivíduo para a vida, porém para educar é preciso que o educador esteja apto para tal tarefa. Nossas escolas ainda esquivam-se dessa temática para não dá enfoque a um conteúdo que envolve muitos contextos complexos sem ter os recursos necessários para desempenhar essa tarefa e acaba repassando para outras instituições essa responsabilidade (Jardim e Bretas, 2006). Contudo, a escola é considerada um espaço adequado e privilegiado para valorizar a diversidade de expressões de sexualidade, garantindo aos alunos autonomia em relação a

12 10 sua saúde sexual e reprodutiva e o direito de informações corretas, promovendo a cidadania e reduzindo a vulnerabilidade dos adolescentes (Moraes e Vitalle, 2012), além de contribuir para esse processo de humanização e rompimento das ideias construídas na sociedade (Maia et al., 2012). A intenção de abordar a sexualidade de forma mais global é que os adolescentes recebam informações corretas, a informação não vai garantir o conhecimento, mas é o alicerce, pois o conhecimento se constrói a partir da informação, a pedagogia escolar utilizada deve estar fundamentada nos seguintes princípios de Figueiró (2006): Educar sexualmente é muito mais que ensinar os conteúdos de biologia e fisiologia da sexualidade. Educar sexualmente é criar oportunidades para o aluno expressar seus sentimentos, angústias e dúvidas, refletir sobre suas atitudes e rever preconceitos; para educar sexualmente é preciso saber ouvir o aluno que deve ser visto como sujeito ativo no processo ensino aprendizagem e deve ter muito espaço para falar e ouvir seus colegas. O professor deve ser a pessoa que cria as condições para que o aluno aprenda ao invés de ser um simples transmissor de conhecimentos. (2006, p.7) De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais - PCNs (Brasil, 1998) a mídia, nas suas múltiplas manifestações, e com muita força, assume relevante papel, ajudando a moldar visões e comportamentos. Muitas vezes também moraliza e reforça preconceitos. O fato de miscigenar as mensagens pode acabar orientando de forma errônea e formando opiniões equivocadas ou utópicas. Embora a preocupação da inclusão da Educação Sexual (ES) no currículo escolar seja algo antigo, que vem sendo debatido desde a década de 80, sua inclusão no currículo escolar foi por muitos anos bastante questionada (Silva e Neto, 2006). Neste contexto, o Ministério da Educação e Cultura (MEC), a partir dos PCNs (Brasil, 1998) instituiu a abordagem do tema sexualidade sob uma perspectiva transversal no currículo escolar através do tema Orientação Sexual. Dentre os objetivos desta proposta está a prevenção à AIDS e às doenças sexualmente transmissíveis, dando autonomia aos próprios estabelecimentos de ensino para decidirem a forma de abordagem desta temática. O educador tem que ter flexibilidade para atuar e usar estratégias para trabalhar o assunto. Abordar esse conteúdo torna-se um desafio para o professor, que pode até não ter tido formação especifica ou um estudo sobre o referido tema, mas é bom estar atento e aprender, pois falar de sexualidade não é outra coisa senão tratar do desenvolvimento humano. Podemos observar na atualidade altos níveis de promiscuidade dos adolescentes, afetando diretamente a saúde sexual no geral. Abordar essa temática é contribuir

13 11 positivamente no campo da saúde. É um eixo norteador para uma educação preventiva e efetiva. Contudo, as aulas de educação sexual devem ser ministradas por meio de metodologias que promovam a participação ativa e a conversação, onde o ideal são atividades lúdico-exploratórias baseadas na realidade sociocultural, desenvolvidas com criatividade e dinâmica de uma forma intimista. (Soares et al., 2008). Segundo Macedo (2005), na disciplina de Ciências as discussões da sexualidade são a reprodução especialmente a indesejada e, portanto, as formas de evitá-las e as doenças sexualmente transmissíveis que ganham a centralidade. Essa temática é necessária para evitarmos problemáticas como uma gravidez precoce e indesejada, doenças sexualmente transmissíveis, preconceitos por desinformação e também para que a sexualidade seja encarada de maneira simples, direta e sem constrangimentos, sendo o diálogo a ferramenta básica e indispensável no processo de educar para a sexualidade. As abordagens sobre sexualidade, nos espaços escolares, elegem a biologia e os territórios do ensino de ciências e os professores dessas disciplinas como locais e agentes privilegiados na construção de saberes e respostas sobre sexualidade humana (Carvalho, 2009). Entretanto, existe uma lacuna na formação dos licenciados em Ciências Biológicas, pois não há uma disciplina obrigatória que trate da sexualidade humana para além das noções biológicas e fisiológicas, dando ênfase somente ao embasamento teórico (Bonfim, 2009). O objetivo é desenvolver uma aula expositiva e dialogada com fundamentos construtivistas, considerando os conhecimentos prévios dos alunos para construção cientifica dos conhecimentos sobre o sistema reprodutor humano e suas demais implicações. O eixo central é orientar o aluno de forma correta ajudando-o a ter informações necessárias para uma vida sexual saudável e satisfatória. Ensinar com uma pedagogia diferenciada, assumindo um princípio norteador e colocando o aluno como centro da atividade, tornando a aula mais atrativa, participativa e mais perto da realidade do que a forma abordada nos livros didáticos. Altmann (2009) acredita que a falta de reconhecimento da sexualidade adolescente faz com que os jovens distancie-se dos métodos contraceptivos, pois eles temem uma possível represália. A intervenção através do método construtivista assume um papel relevante no âmbito da educação sexual. Educando de uma maneira desenvolvimentista, globalizando os assuntos e influenciando positivamente nas relações interpessoais (Santos e Gonçalves, 2013). Não impondo uma orientação sexual heteronormativa e moralizante.

14 12 Trabalhar o método construtivista é ter em mente que o aluno deve participar ativamente do próprio aprendizado. É explorar seu o conhecimento fazendo estabelecer as propriedades dos objetos e construir os atributos para tornar o mundo mais saudável (Brandão, 2015). Precisa-se fomentar o conhecimento dos adolescentes para que eles possam atuar como sujeitos transformadores das suas realidades. No construtivismo, o professor é apenas o mediador entre o aluno e a questão, proporcionando assim uma interação maior entre professores e alunos, além de promover no adolescente uma maior autonomia para solucionar problemas. Conforme Jean Piaget (1979) o aluno pode produzir uma dimensão acomodadora, produzindo transformações em si mesmo e pode transformar o mundo objetivo através da dimensão assimiladora por ser um sujeito cultural ativo. Inspirado nos ideais de Piaget o método procura estimular a curiosidade levando o aluno a encontrar respostas a partir de seus próprios conhecimentos e da sua interação com a realidade e com os colegas. Para Brandão (2015) é uma metodologia que não se utiliza da rigidez nos procedimentos de ensino, das avaliações padronizadas e da utilização de material didático demasiadamente estranho ao universo pessoal do aluno. 2. METODOLOGIA O estudo de caso, com pesquisa participante e de análise qualitativa foi desenvolvido em duas turmas do 8º ano da E.M.E.F. ANAIZA LUIZ CALIXTO (turmas A e B) com faixa etária de 12 a 18 anos em um período de quatro semanas. A escolha das turmas foi devido o sistema reprodutor humano está programado no livro didático e no plano de curso para ser lecionado no 8º ano. Na primeira semana foram utilizadas apresentações expositivas com imagens em 3D e vídeo-aulas sobre a anatomia do sistema reprodutor feminino e masculino usando a lousa digital e logo após, uma aula dialogada abordando a anatomia de ambos. A aula foi desenvolvida com a participação dos alunos e teve duração de 90 minutos (duas aulas). Na segunda semana os alunos foram divididos em cincos grupos, onde cada grupo recebeu um atlas escolar do corpo humano com ênfase no sistema reprodutor e em seguida foi instruído a desenhar em uma cartolina a anatomia do sistema reprodutor. A escolha dos desenhos ocorreu de forma aleatória. Os grupos 1 e 2 desenharam o sistema reprodutor masculino (parte interna) com vista anterior, lateral e com corte da região

15 13 pélvica. Os grupos 3 e 4 desenharam o sistema reprodutor feminino (parte interna) também com vista anterior, lateral e com corte da região pélvica e o seio (parte interna) e o grupo 5 desenharam a parte externa do sistema reprodutor feminino e masculino. A aula teve duração de noventa minutos (duas aulas). No decorrer da segunda semana houve uma aula expositiva dialogada, onde as doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e os métodos contraceptivos foram abordados. Em seguida, cada aluno construiu, de acordo com o seu conhecimento e com ajuda de livros didáticos, uma cartilha educativa englobando os conteúdos ministrados. A aula teve duração de noventa minutos (duas aulas). Na terceira semana novamente foram utilizadas apresentações expositivas com imagens em 3D e vídeo-aulas abordando as DSTs e os método contraceptivos. Após esse contato com imagens virtuais houve uma exposição de alguns métodos contraceptivos. Foi proposta uma divisão em grupos, por afinidade, e novamente foram instruídos para que desenhassem em uma cartolina métodos contraceptivos e abordassem algumas doenças sexualmente transmissíveis para apresentação e exposição na semana seguinte. A aula teve duração de noventa minutos (duas aulas). Na quarta e última semana, os alunos expuseram todos os desenhos propostos e abordaram as DSTs. Durante as apresentações os alunos foram orientados a colocar perguntas anônimas referentes ao sistema reprodutor, doenças sexuais, métodos contraceptivos e educação sexual na caixinha das dúvidas que estava exposta num cantinho da sala. No término das apresentações a caixinha de dúvidas foi aberta, revelando as perguntas, que foram esclarecidas por mim, a professora ministrante. Para finalizar houve um debate sobre o conteúdo trabalhado onde a maioria falou sobre suas descobertas, medos e experiências. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Foi observado um maior interesse dos alunos pelo tema abordado em relação aos outros conteúdos programados, desde o início da execução da metodologia. Por outro lado, teve momentos em que alguns alunos demostraram inibição para esclarecer algumas dúvidas, o que era esperado, uma vez que sexualidade é um tema difícil de se conceituar, podendo gerar grandes discussões com polêmicas e controvérsias, e que muitas vezes é associado a algo escuso, ilícito e impróprio (Moizés e Bueno, 2010), além do fato que os valores conservadores, religiosidade e escolaridade contribuem muito para a educação e

16 14 construção da sexualidade dos jovens (Viana, 2012 e Campos, 2015). Entretanto, quando as perguntas eram recebidas de forma natural e as respostas eram obtidas de forma intimista, aproximando da realidade que vivem, a inibição do princípio foi abrindo espaço para a curiosidade e a vontade de obter respostas para as suas dúvidas, mostrando que a forma como a temática foi abordada trouxe um novo entrosamento no processo de ensino-aprendizagem, a partir do método construtivista, com a participação ativa do aluno por meio da experimentação, trabalho em grupo, estímulo da dúvida e desenvolvimento do raciocínio (Brandão, 2015). A forma técnica utilizada para abordar os órgãos genitais e as conversas sexuais, que de forma geral são os conteúdos que o tema sexualidade contempla, foi aceita sem resistência. Contudo, alguns alunos usaram um linguajar mais popular e as vezes até um pouco grosseiro para denominar os órgãos genitais e relatar alguns casos relacionados à sexualidade, notando-se que em alguns momentos havia uma resistência no esclarecimento das dúvidas por não saberem como formular a pergunta de uma forma menos abrasiva e intimidadora. Foi criado um ambiente onde foi possível utilizar uma metodologia construtivista, com material didático mais próximo do cotidiano do aluno, onde questionamentos e experiências vividas foram expostas, aumentando a interação das turmas de forma tranquila e com desinibição, o que ocasionou um relacionamento mais cômodo entre professor e alunos e entre o mundo dos meninos e o mundo das meninas. Ocorreu uma maior interação entre professor e alunos, de forma que o professor foi apenas o mediador entre o aluno e a questão, promovendo uma maior autonomia para solucionar o problema. Essa metodologia proporcionou um ambiente escolar mais estimulante, construindo um processo de ensino-aprendizagem mais significativo e tornando a escola mais atrativa (Silva e Lima, 2013). Tais resultados mostram o bom rendimento do conteúdo abordado e reforçam que a metodologia aplicada, inspirada nos ideais do suíço Jean Piaget ( ), foi eficaz, uma vez que de fato estimula a curiosidade levando o aluno a encontrar respostas a partir de seus próprios conhecimentos e da sua interação com a realidade e com os colegas. A metodologia levou para os alunos conhecimentos científicos de uma maneira de fácil entendimento por ser explorada de acordo com seus conhecimentos prévios e mais próxima da realidade em que vivem. Os desenhos propostos foram feitos normalmente, sem nenhuma resistência. Dessa forma, os alunos obtiveram conhecimentos anatômicos e passaram a ver os órgãos

17 15 do sistema reprodutor masculino e feminino como algo natural da reprodução humana e não somente como objetos para atos sexuais. Além das vídeo-aulas que foram de suma importância para a abordagem da fisiologia, pois visualizando imagens do conteúdo abordado tornou-se mais fácil a aprendizagem através da assimilação dos conteúdos. Os espaços de troca que a metodologia proporcionou e a interação resultante, constituiu vários momentos relevantes de reconhecimento da capacidade de cada participante, potencializando os conhecimentos já adquiridos. Tornando cada aluno o protagonista no desenvolvimento do seu conhecimento (Zanatta et al., 2016). Levando em consideração que nos PCNs (1998) a Organização Mundial da Saúde (OMS) atrela o conceito de sexualidade ao fato de que esta é parte integral da personalidade de cada indivíduo, caracterizando-se como uma necessidade básica, não podendo ser separado de outros aspectos da vida. A sexualidade não é sinônimo de coito e também não se limita à presença de orgasmos. Pode ser considerada uma energia que motiva o indivíduo à descoberta do amor, contato e intimidade, influenciando os pensamentos, sentimentos, ações e interações. É um aspecto central da vida humana que, por conseguinte, abrange sexo, excitação, prazer, papeis sexuais, orientação sexual, procriação, envolvimento afetivo e amor, indo além do sexo. A caixinha das perguntas descontraiu completamente o ambiente, permitindo que os alunos depositassem suas dúvidas anonimamente e conseguissem obter suas respostas sem a preocupação de ser avaliado, dessa forma, essa metodologia permitiu que suas dúvidas mais íntimas fossem esclarecidas sem tabu e rotulação. A importância das aulas de Educação Sexual foi constatada ainda no decorrer do projeto. Em um dado momento uma aluna comentou que sem camisinha é mais gostoso referindo-se ao ato sexual. Rapidamente, ela foi rebatida por um aluno que respondeu e mais perigoso, uma doença não é gostoso. Dessa forma, mostrando a importância da camisinha na prevenção de doenças, e reforçando que sexualidade é um tema que pode gerar grandes discussões com polêmicas e contestações (Moizés e Bueno, 2010). Além disso, muitos alunos compartilharam que uma aula abordada de forma diferenciada estimula a sua participação de maneira mais agradável. Um outro ponto interessante foi quando alguns alunos relataram que com outros professores de ciências não teriam a coragem de esclarecer algumas dúvidas por deduzirem não ter abertura para assuntos mais íntimos, ressaltando a importância da inclusão da ES no contexto escolar. Ainda há uma certa resistência por parte das famílias e das próprias escolas em incluir tal temática no âmbito escolar. Porém, a escola precisa

18 16 contribuir para esse processo de humanização e romper as ideias construídas na sociedade (Maia et al., 2012). Além disso, os professores necessitam estar preparados para implementar o processo educativo na construção dessa cidadania. Eles precisam de embasamento teórico e didático coerentes com as demandas sociais dos estudantes (Quirino e Rocha, 2012). De acordo com os PCNs, o trabalho da ES no ambiente escolar deve levar em consideração alguns passos, onde o primeiro a ser realizado é a sua inclusão no projeto educativo da escola, definindo os objetivos e princípios para que todos da comunidade escolar se envolvam no processo. Em seguida faz-se necessária a disponibilidade por parte dos docentes para tratar sobre o tema, orientando e realizando debates sem emitir opiniões. E finalmente, uma interação entre escola e família, no entanto, a escola deve respeitar as diferenças, pois apenas deve abrir o espaço para que ocorra a pluralidade de concepções, crenças e valores acerca da ES (Brasil, 1998). No âmbito da sexualidade sob o enfoque educativo existem diferentes modelos de ES caracterizados por terem diferentes quadros de valores que orientam as práticas educativas, distintos conteúdos e metodologias pedagógicas (Souza et al., 2015). A ES necessita da oferta de condições para que os indivíduos exponham sua sexualidade por meio de ações, livres de medo, culpas, preconceitos, vergonha, bloqueios ou tabus (Moraes e Vitalle, 2012). Tal educação carece de atenção dos pais e mestres, a fim de proporcionar uma formação sexual consistente, fundada em princípios e costumes compatíveis com a preservação da vida e com os direitos humanos (Quartiero e Nardi, 2011). Em determinados momentos foi notado o interesse dos meninos em relação a fisiologia do sistema reprodutor das meninas e dos métodos contraceptivos. Com esse interesse podemos constatar que os meninos também se interessam em saber como ou por que ocorrem determinadas situações com as meninas, como por exemplo a produção de óvulos. Além disso, as apresentações feitas pelos alunos abordando os métodos contraceptivos e as doenças sexualmente transmissíveis mostrou o interesse de um conhecimento mais aprofundado sobre os assuntos. Os trabalhos foram expostos com imagens, conteúdos e explicações sobre o entendimento do conteúdo pesquisado. É uma temática necessária para tentar evitar problemáticas como gravidez precoce e indesejada e doenças sexualmente transmissíveis, além de orientar sobre preconceitos por desinformação e atua como facilitadora para que a sexualidade seja encarada de maneira simples e sem constrangimentos através do diálogo (Macedo, 2005).

19 17 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Perante os resultados obtidos, percebemos a importância de uma aula abordada de maneira diferenciada e mais próxima da realidade dos alunos. Constatamos que falar sobre sexualidade ainda gera receios em expor experiências próprias e dúvidas. A metodologia construtivista utilizada nesse estudo mostrou eficácia nos resultados, devido trazer um conhecimento técnico e aprofundado em uma abordagem mais realista com assuntos do cotidiano e do conhecimento dos alunos, incorporando novas informações sem estabelecer receitas prontas, regras ou ditar um modelo de comportamento a ser adotado. A educação sexual não é para estabelecer medidas corretivas, mas para facilitar a compressão e trazer opções, proporcionando escolhas e produzindo transformações pessoais e na sociedade em si, acarretando mudanças que favorecem a saúde pública. Dessa forma, estabelecer uma metodologia que traga bons resultados em todos os eixos da Educação Sexual é essencial para um equilíbrio nas esferas da educação, da saúde e do âmbito social. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALTMANN, Helena. Educação sexual em uma escola: da reprodução à prevenção, Cadernos de pesquisa: revista de estudos e pesquisa em educação, v. 39, n. 136, p , jan/abril BONFIM, Claudia. Ramos de Sousa. Educação Sexual e Formação de Professores de Ciências Biológicas: contradições, limites e possibilidades. Campinas: UNICAMP, p. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, BRANDÃO, Jéssica Magnany Pessoa. Uso da Metodologia construtivista para o ensino do sistema reprodutor em turmas de 8º ano em escolas de Natal/RN e Lagoa Seca/PB. Revista Scire, v. 8, n. 2, Agosto BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Apresentação dos temas transversais. (3º e 4º ciclos do ensino fundamental). Brasília: MEC, 1998.

20 18 CAMPOS, Luciana M. L. Gênero e diversidade sexual na escola: a urgência da reconstrução de sentidos e de práticas. Revista Ciência e Educação, Bauru, v. 21, n. 4, p. 1-4, dez, CARVALHO, Fabiana Aparecida de. Que saberes sobre sexualidade são esses que (não) dizemos dentro da escola? In: FIQUEIRÓ, M. N. D. (Org). Educação Sexual: em busca de mudanças. Londrina: UEL, COSTA, Lucia Helena Rodrigues; COELHO, Edméia Coelho de Almeida. Nursing and sexuality: Integrative review of papers published by the Latin-American Journal of Nursing and Brazilian Journal of Nursing. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 19, n. 3, p , mai./jun FIGUEIRÓ, Mary Neide Damico. Formação de educadores sexuais: a caminhada histórica deste trabalho. In: RIBEIRO, Paulo Rennes Marçal. Sexualidade, cultura e educação sexual: propostas para reflexão. São Paulo: Cultura Acadêmica GESSER, Marivete; OLTRAMARI, Leandro Castro; PANISSON, Gelson. DOCÊNCIA E CONCEPÇÕES DE SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Psicol. Soc., Belo Horizonte, v. 27, n. 3, p , dez JARDIM, Dulcilene Pereira; BRETAS, José Roberto da Silva. Orientação sexual na escola: a concepção dos professores de Jandira - SP. Rev. bras. enfermagem, Brasília, v. 59, n. 2, p , Apr KUPFER, Maria Cristina. Freud e a educação: o mestre do impossível. São Paulo: Scipione, LAGO, Samuel Ramos; Qual importância da Orientação Sexual? São Paulo: Revista ABC Educatio-Ed. CriarpLtda, ano 4, n. 27 p , set MACEDO, Elizateth. Esse corpo das ciências é o meu? In: MARANDINI, Martha (Orgs). Ensino de Biologia: Conhecimentos e valores em disputa. Niterói: Eduff, 2005, p MAIA, Ana Cláudia Bortolozzi; EIDT, Nadia Mara; TERRA, Bruna Mares; MAIA, Gabriela Lins. Relato de Experiência: educação sexual na escola a partir da psicologia histórico-cultural, Revista Psicologia em Estudo, Maringá, v. 17, n. 1, p , jan/mar MIRANDA, Jean Carlos. Adolescência e vida sexual: o retrato de uma escola pública da região metropolitana do Rio de Janeiro. SaBios: Rev. Saúde e Biol., v. 8, n. 2, p , MOIZÉS, Julieta Seixas; BUENO, Sonia Maria Villela. Compreensão sobre sexualidade e sexo nas escolas segundo professores do ensino fundamental. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 44, n. 1, p , 2010.

21 19 MORAES, Silvia Piedade de; VITALLE, Maria Sylvia de Souza. Direitos sexuais e reprodutivos na adolescência. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 58, n. 1, p , jan/fev NUNES, Cezar, SILVA, Edna. A educação sexual da criança. São Paulo, editora 21 autores associados, PIAGET, Jean. Aprendizagem e Conhecimento. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, QUARTIERO, Eliana Teresinha; NARDI, Henrique Caetano. A diversidade sexual na escola: produção de subjetividade e políticas públicas. Revista Mal Estar e Subjetividade, Fortaleza, v. 11, n. 2, p , jun QUIRINO, Glauberto da Silva; ROCHA, João Batista Teixeira. Sexualidade e educação sexual na percepção docente. Revista Educar em Revista, Curitiba, n. 43, p , jan/mar SANTOS, Rosana; GONÇALVES, Carlos. Educação sexual em contexto escolar: implementação e avaliação da eficácia de um projeto de intervenção numa turma do 8º ano. Revista EDUCAmazônia, v. 11, n. 1, p , SILVA, Everton Joventino; LIMA, Guilherme da Silva. Sexualidade na adolescência: concepções dos alunos do 9 ano do Ensino Fundamental. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DE CIÊNCIAS, X, 2013, Águas de Lindóia. Anais. Águas de Lindóia: ABRAPEC, Disponível em: < Acesso em: 17 agosto SILVA, Regina Célia Pinheiro da; NETO, Jorge Megid. Formação de professores e educadores para abordagem da educação sexual na escola: o que mostram as pesquisas. Revista Ciência & Educação, Bauru, v. 12, n. 2, p , SOARES, Sônia Maria; AMARAL, Marta Araújo; SILVA, Líliam Barbosa; SILVA, Patrícia Aparecida Barbosa. Oficinas sobre sexualidade na adolescência: revelando vozes, desvelando olhares de estudantes do ensino médio. Esc. Anna Nery [online], v. 12, n. 3, p , SOUZA, Laís Machado; MORAIS, Roberta Laíse Gomes Leite; OLIVEIRA, Juliana da Silva. Direitos sexuais e reprodutivos: influências dos materiais educativos impressos no processo de educação em sexualidade. Revista Saúde e Debate, Rio de Janeiro, v. 39, n.106, p , jul/set SUPLICY, Marta. Papai, Mamãe e eu. São Paulo: FTD, VIANNA, Cláudia. Gênero, sexualidade e políticas públicas de educação: um diálogo com a produção acadêmica. Revista Pró-Posições, Campinas, v. 23, n. 2, p , maio/ago

22 20 ZANATTA, Luiz Fabiano; MORAES, Silvia Piedade de; FREITAS, Maria José Dias de BRETAS, José Roberto da Silva. A educação em sexualidade na escola itinerante do MST: percepções dos(as) educandos(as), Educ. Pesqui., São Paulo, v. 42, n. 2, p , abril/jun ANEXOS

23 ANEXO A FOTOS DA EXECUÇÃO DO PROJETO 21

24 22 ANEXO B DIRETRIZES PARA AUTORES E CONDIÇÕES PARA SUBMIÇÃO DA REVISTA EDUCAÇÃO E REALIDADE. Diretrizes para Autores 1. Educação & Realidade aceita para publicação artigos que centrem sua discussão na área da Educação, resultantes de estudos teóricos, pesquisas empíricas, análises sobre práticas concretas ou debates polêmicos e atualizados na área. Os textos, em português, espanhol ou inglês, devem ser inéditos. Relatos de pesquisa devem ser transformados em artigos para publicação em revista científica, conforme padrão de Educação & Realidade. 2. A seleção dos artigos para publicação toma como referência sua contribuição à Educação, dentro da linha editorial da revista. Também são fundamentais a originalidade do tema ou do tratamento dado ao assunto, a consistência e o rigor da abordagem teórica e a qualidade do texto. 3. Os originais devem ser encaminhados pelo site da revista ( Os textos devem ser salvos no formato Word ou compatível e devem ser justificados, digitados em espaço 1,5, em fonte Times New Roman, corpo 12. As citações com mais de três linhas devem vir sempre em novo parágrafo, em corpo 10, sem aspas e endentadas. 4. Solicita-se que o nome dos autores não apareça no corpo do artigo. Pede-se também a eliminação de trechos que prejudiquem a garantia de anonimato na avaliação e de dados de identificação nas propriedades do documento. 5. Todos os dados de identificação dos autores deverão ser digitados diretamente nos campos apropriados da página de cadastramento do artigo e do/a(s) autor/a(s) no sistema, incluindo nome completo do/a autor/a ou autores, endereço postal, telefone e para contato com os leitores, com uma breve descrição do currículo (no máximo três linhas) e filiação institucional. Esses dados não devem constar do arquivo Word (ou compatível) enviado pelo portal. 6. Os artigos deverão ter entre e caracteres (incluindo os espaços), formatados para folha A4, incluindo as referências bibliográficas, notas e tabelas. Devem vir acompanhados de uma folha de rosto na qual, obrigatoriamente, devem constar resumo e abstract (entre 550 e 750 caracteres, incluindo os espaços) e palavras-chave (no máximo 5) em português e keywords em inglês. Os títulos devem ter no máximo 75 caracteres, incluindo os espaços, e também devem ser traduzidos para o inglês. A folha de rosto não pode conter nenhuma identificação dos autores. 7. Alguns itens a serem observados na digitação dos textos: aspas duplas somente para citações diretas no corpo de texto; itálico para palavras com emprego não convencional e para palavras estrangeiras, neologismos e títulos de obras e publicações. 8. As citações devem obedecer à forma (Sobrenome do Autor, ano) ou (Sobrenome do Autor, ano, p. xx). Diferentes títulos do mesmo autor, publicados no mesmo ano, deverão ser diferenciados adicionando-se uma letra depois da data (Sobrenome do Autor, anoa, p. xx).

25 23 9. As referências bibliográficas deverão conter exclusivamente os autores e os textos citados no trabalho e ser apresentadas ao final do texto, em ordem alfabética, obedecendo às normas da ABNT disponíveis em Quando for o caso, sempre indicar o nome do tradutor após o título do livro ou artigo. Abaixo, alguns exemplos de como proceder: Livros: SOBRENOME DO AUTOR, Prenomes sem Abreviatura. Título do Livro: subtítulo. Local de publicação: Editora, ano de publicação. Capítulos de livros: SOBRENOME DO AUTOR, Prenomes sem Abreviatura. Título do Capítulo: subtítulo. In: SOBRENOME DO AUTOR, Prenomes sem Abreviatura. Título do Livro. Local de publicação: Editora, ano de publicação. Páginas inicial e final. Periódicos: SOBRENOME DO AUTOR, Prenomes sem Abreviatura. Título do Artigo: subtítulo. Título do Periódico, Local de publicação, Instituição, número do volume, número do fascículo, páginas inicial e final do artigo, mês e ano de publicação. Teses e dissertações: SOBRENOME DO AUTOR, Prenomes sem Abreviatura. Título: subtítulo. Ano. Número de folhas. Dissertação ou Tese (Mestrado em ou Doutorado em) Nome do Programa, Nome da Universidade, Local, Ano. Documento eletrônico: SOBRENOME DO AUTOR, Prenomes sem abreviaturas. Título. Edição. Local: ano. N de pág. ou vol. (série) (se houver) Disponível em: Acesso em: dia mês (abreviado), ano. 10. Solicitamos que as normas acima sejam cuidadosamente seguidas; caso contrário, os textos enviados não serão considerados para avaliação. 11. O processo de avaliação dos artigos enviados à Educação & Realidade obedece ao seguinte fluxo: a) Análise quanto à forma: nessa fase, os artigos são submetidos à leitura de ao menos dois dos editores e são avaliados quanto a sua adequação aos critérios gerais da revista Educação & Realidade e à linha editorial. Assim, são devolvidos aos autores os artigos que: 1) configuram-se como relatos de experiência; 2) configuram-se unicamente como revisão bibliográfica; 3) configuram-se notadamente como simples recorte de uma dissertação ou tese, sem a devida adaptação; 4) apresentam-se sob a forma de projeto ou relatório de pesquisa; 5) não apresentam uma análise suficientemente aprofundada da temática que se propõe a discutir; 6) não têm a área da educação como eixo central da discussão; 7) possuem excessivos erros de redação, bem como de estruturação do texto, a ponto de dificultar a compreensão das partes ou mesmo do todo; 8) são meramente descritivos e não apresentam uma análise da problemática abordada; 9) não possuem a forma de artigo científico usualmente praticada nos periódicos de Educação; 10) não cumprem as normas da revista Educação & Realidade para submissão dos artigos (formatação, citações, referências...); 11) não apresentam resultados, formulações ou conclusões que apontem avanços para a temática proposta; 12) não apresentam elementos empíricos ou argumentações suficientemente desenvolvidas que fundamentem as conclusões. Tais trabalhos serão devolvidos aos autores com a sugestão de que sejam reformulados, para efeito de nova submissão e avaliação pela revista Educação & Realidade, noutra oportunidade. Os trabalhos que não se enquadram em nenhuma das características acima serão considerados aptos para a fase seguinte. b) Análise por pares quanto ao mérito: nessa segunda fase, a Editoria da revista Educação & Realidade encaminha o artigo sem a identificação do autor a, no mínimo, dois pareceristas da área temática específica do trabalho (membros do conselho editorial ou convidados ad hoc), de dois estados diferentes ou do exterior. Para a seleção dos pareceristas e das áreas temáticas, são consideradas as classificações da tabela de áreas do CNPq e o conjunto de informações acessíveis na plataforma Lattes. A avaliação levará em conta os seguintes critérios: contribuição à área da educação; originalidade do tema e/ou do tratamento dado ao tema; consistência argumentativa; rigor da abordagem teórico-metodológica; qualidade geral do texto. Os pareceristas podem aceitar plenamente o artigo, aceitar solicitando reformulações ou recusar o artigo. Qualquer uma das hipóteses é justificada por um parecer descritivo. Quando os dois pareceristas recusam o trabalho, o artigo é devolvido ao autor. Quando os dois pareceristas aceitam o trabalho, ele passa à fase seguinte. Por fim, quando um ou os dois pareceristas solicitam reformulações, o trabalho é devolvido ao autor, solicitando que o mesmo considere os pareceres e reformule o artigo no

26 24 prazo de trinta dias. Quando o autor reenvia o texto reformulado, segundo as sugestões dos pareceristas, ele é reavaliado e passa à fase final. c) Revisão e adequação do trabalho às normas da revista Educação & Realidade: uma vez aceito para publicação, o trabalho é submetido a uma revisão de linguagem e a uma normalização. O trabalho é encaminhado ao autor com as sugestões de correções e adequações, para que seja finalmente encaminhado pela Editoria para a publicação. Condições para submissão Como parte do processo de submissão, os autores são obrigados a verificar a conformidade da submissão em relação a todos os itens listados a seguir. As submissões que não estiverem de acordo com as normas serão devolvidas aos autores. 1. A identificação de autoria deste trabalho foi removida do arquivo e da opção Propriedades no Word, garantindo desta forma o critério de sigilo da revista, caso submetido para avaliação por pares (ex.: artigos), conforme instruções disponíveis em Assegurando. 2. A contribuição é original e inédita, e não está sendo avaliada para publicação por outra revista; caso contrário, justificar em "Comentários ao Editor". 3. Os arquivos para submissão estão em formato Microsoft Word ou RTF (desde que não ultrapasse os 2MB) 4. O texto está em espaço 1,5; usa fonte Times New Roman de 12-pontos; emprega itálico ao invés de sublinhar (exceto em endereços URL); com figuras e tabelas inseridas no texto, e não em seu final. 5. O arquivo com o texto tem, em sua primeira folha, o título, o resumo, as palavras-chave, o título em inglês, abstract em inglês e as keywords em inglês. 6. O texto segue os padrões de estilo e requisitos bibliográficos descritos em Diretrizes para Autores, na seção Sobre a Revista.

27 ANEXO C TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO 25

28 ANEXO D CONSENTIMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO. 26

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA PROJETO DE REVISTA CIENTÍFICA:

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA PROJETO DE REVISTA CIENTÍFICA: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA PROJETO DE REVISTA CIENTÍFICA: CONSERVAÇÃO E RESTAURAÇÃO DE DOCUMENTOS FLORIANÓPOLIS, 2016 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

CHAMADA REVISTA LITERATURA EM DEBATE

CHAMADA REVISTA LITERATURA EM DEBATE CHAMADA REVISTA LITERATURA EM DEBATE v. 8, n. 14 Está aberta a chamada para publicação na revista Literatura em Debate, do Curso de Mestrado em Letras Literatura Comparada - da Universidade Regional Integrada

Leia mais

CONVERSANDO SOBRE SEXO - EDUCAÇÃO SEXUAL PARA ADOLESCENTES DE ENSINO FUNDAMENTAL

CONVERSANDO SOBRE SEXO - EDUCAÇÃO SEXUAL PARA ADOLESCENTES DE ENSINO FUNDAMENTAL CONVERSANDO SOBRE SEXO - EDUCAÇÃO SEXUAL PARA ADOLESCENTES DE ENSINO FUNDAMENTAL Andrea da Silva Santos (1) ; Flaviany Aparecida Piccoli Fontoura (2) ; Discente do Curso de Enfermagem da UEMS, Unidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA SARA MEDEIROS SILVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA SARA MEDEIROS SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA SARA MEDEIROS SILVA saraamedeiros@gmail.com PROJETO DE REVISTA CIENTÍFICA: A BIBLIOTECA ESCOLAR FLORIANÓPOLIS,

Leia mais

Projeto Atitude para Curtir a Vida e a importância da educação sexual no ensino fundamental

Projeto Atitude para Curtir a Vida e a importância da educação sexual no ensino fundamental Projeto Atitude para Curtir a Vida e a importância da educação sexual no ensino fundamental GONCALVES, Rayane Araújo¹ ;CARNEIRO, Danielle Suzainny dos Reis Castro ²; LISBOA,Iara Alves 1 Universidade de

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA: FECUNDAÇÃO

REPRODUÇÃO HUMANA: FECUNDAÇÃO Propostas Educacionais da Diversidade no Contexto dos Direitos Humanos REPRODUÇÃO HUMANA: FECUNDAÇÃO Alice Silva Teixeira 1, Franciele da Silva Elias 2, Larissa Viana Brunelli 3, Monique Moreira Moulin

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS.

A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS. A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS. Luciana Barros Farias Lima Instituto Benjamin Constant Práticas Pedagógicas Inclusivas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA PIETRO TABARIN VOLPONI

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA PIETRO TABARIN VOLPONI 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA PIETRO TABARIN VOLPONI PROJETO DE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA: LÍNGUA E LINGUAGEM NAS ESCOLAS

Leia mais

PERCEPÇÃO DE ADOLESCENTES FRENTE À EDUCAÇÃO E SEXUALIDADE NO AMBIENTE ESCOLAR

PERCEPÇÃO DE ADOLESCENTES FRENTE À EDUCAÇÃO E SEXUALIDADE NO AMBIENTE ESCOLAR PERCEPÇÃO DE ADOLESCENTES FRENTE À EDUCAÇÃO E SEXUALIDADE NO AMBIENTE ESCOLAR Nhaára Da Vila Pereira (PIBID) Universidade Federal de Mato Grosso - (UFMT) RESUMO Subsidiar discussões sobre as práticas e

Leia mais

NORMAS PARA SUBMISSÃO DE PROPOSTAS

NORMAS PARA SUBMISSÃO DE PROPOSTAS NORMAS PARA SUBMISSÃO DE PROPOSTAS A Educação Matemática em Revista EMR tem como foco o trabalho do professor em sua prática de educador matemático. Em relação ao seu formato, a revista tem periodicidade

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E A SEXUALIDADE: O OLHAR DO PROFESSOR

EDUCAÇÃO INFANTIL E A SEXUALIDADE: O OLHAR DO PROFESSOR 1 EDUCAÇÃO INFANTIL E A SEXUALIDADE: O OLHAR DO PROFESSOR Laísa Mayda Santos Ferreira Estudante do Curso de Licenciatura em Pedagogia Universidade Federal da Paraíba UFPB Campus IV, laisa_mayda_rb@hotmail.com

Leia mais

Normas para publicação: instruções aos autores

Normas para publicação: instruções aos autores Normas para publicação: instruções aos autores Instructions for Authors 1 DIRETRIZES PARA AUTORES A InterEspaço é uma publicação online de periodicidade semestral do Curso de Licenciatura em Ciências Humanas/Geografia

Leia mais

Coleção Comportamento em Foco: Coletâneas Temáticas dos Encontros anuais da ABPMC

Coleção Comportamento em Foco: Coletâneas Temáticas dos Encontros anuais da ABPMC Coleção Comportamento em Foco: Coletâneas Temáticas dos Encontros anuais da ABPMC A Coleção Comportamento em Foco é um conjunto de livros (volumes temáticos) constituídos por artigos de estudos experimentais,

Leia mais

1.2. O manuscrito deverá ser inédito e não estar publicado ou submetido para publicação em outro veículo;

1.2. O manuscrito deverá ser inédito e não estar publicado ou submetido para publicação em outro veículo; INSTRUÇÕES PARA AUTORES 1. Características gerais: 1.1. Serão aceitos manuscrito escritos em português e/ou em inglês. Em ambos os casos a qualidade ortográfica e semântica do texto será de responsabilidade

Leia mais

VIII SDTA - SEMINÁRIO DE DISSERTAÇÕES E TESES EM ANDAMENTO

VIII SDTA - SEMINÁRIO DE DISSERTAÇÕES E TESES EM ANDAMENTO VIII SDTA - SEMINÁRIO DE DISSERTAÇÕES E TESES EM ANDAMENTO O VIII Seminário de Dissertações e Teses em Andamento, promovido pelo Programa de Pós- Graduação em Letras e Linguística da UFG, ocorrerá nos

Leia mais

REVISTA LÍNGUAS E INSTRUMENTOS LINGUÍSTICOS

REVISTA LÍNGUAS E INSTRUMENTOS LINGUÍSTICOS REVISTA LÍNGUAS E INSTRUMENTOS LINGUÍSTICOS Normas Gerais para Submissão Fonte: Times New Roman. Página: 14cm (largura) x 21cm (altura). Margens: superior 2cm; inferior 2cm; à esquerda 1,5cm; à direita

Leia mais

Chamada publica para o número 01, ano 2017, da Revista Eletrônica da Escola Superior de Advocacia - OAB/RO

Chamada publica para o número 01, ano 2017, da Revista Eletrônica da Escola Superior de Advocacia - OAB/RO Chamada publica para o número 01, ano 2017, da Revista Eletrônica da Escola Superior de Advocacia - OAB/RO Prazo final para lançamento do edital: 6.04.2017. A Revista Eletrônica da Escola Superior de Advocacia

Leia mais

NORMAS PARA PUBLICAÇÃO NA REVISTA TECNOLOGIA EDUCACIONAL

NORMAS PARA PUBLICAÇÃO NA REVISTA TECNOLOGIA EDUCACIONAL NORMAS PARA PUBLICAÇÃO NA REVISTA TECNOLOGIA EDUCACIONAL Os trabalhos submetidos para publicação na RTE/ABT serão analisados pelos membros do Conselho Editorial e pareceristas ad-hoc (especialistas nas

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE UMA OFICINA SOBRE GENÊRO E SEXUALIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR

CONTRIBUIÇÕES DE UMA OFICINA SOBRE GENÊRO E SEXUALIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR CONTRIBUIÇÕES DE UMA OFICINA SOBRE GENÊRO E SEXUALIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR MARTINS, Beatriz Rodrigues 1 ; ROSINI, Alessandra Monteiro 2 ; CORRÊA, Alessandro Sousa 3 ; DE CARVALHO, Deborah Nogueira 4 ;

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS DE FORMATAÇÃO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS AO COLÓQUIO WEB CURRÍCULO/MOSTRA DE PESQUISA EM CURRÍCULO

ORIENTAÇÕES GERAIS DE FORMATAÇÃO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS AO COLÓQUIO WEB CURRÍCULO/MOSTRA DE PESQUISA EM CURRÍCULO ORIENTAÇÕES GERAIS DE FORMATAÇÃO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS AO COLÓQUIO WEB CURRÍCULO/MOSTRA DE PESQUISA EM CURRÍCULO SUBMISSÃO DE COMUNICAÇÕES E PÔSTERES O formato para a submissão de comunicações e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA WILLER LUCIANO COELHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA WILLER LUCIANO COELHO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA WILLER LUCIANO COELHO PROJETO DA REVISTA GROOVE ELETRÔNICO Florianópolis, 2017. Willer Luciano Coelho PROJETO DA REVISTA GROOVE

Leia mais

REVISTA DOS CURSOS DE NUTIÇÃO, FARMÁCIA, FISIOTERAPIA, NUTRIÇÃO, ODONTOLOGIA E ENFERMAGEM

REVISTA DOS CURSOS DE NUTIÇÃO, FARMÁCIA, FISIOTERAPIA, NUTRIÇÃO, ODONTOLOGIA E ENFERMAGEM REVISTA DOS CURSOS DE NUTIÇÃO, FARMÁCIA, FISIOTERAPIA, NUTRIÇÃO, ODONTOLOGIA E ENFERMAGEM INSTRUÇÕES AOS AUTORES 1 GERAIS: Originais: Os artigos devem ser enviados exclusivamente por meio eletrônico para

Leia mais

FAMÍLIA E ESCOLA: UMA PARCERIA DE SUCESSO

FAMÍLIA E ESCOLA: UMA PARCERIA DE SUCESSO FAMÍLIA E ESCOLA: UMA PARCERIA DE SUCESSO Maria Isabel Francisco da Silva 1 FIP- Faculdades Integradas de Patos Isabelsilva04@hotmail.com RESUMO Neste trabalho apresenta-se uma discussão e reflexão sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA PROJETO DE REVISTA CIENTÍFICA: FONTES DE INFORMAÇÃO EM MEDICINA FLORIANÓPOLIS, 2015. UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

82 TCC em Re-vista 2012

82 TCC em Re-vista 2012 82 TCC em Re-vista 2012 MARTINS, Juleide Lopes de Miranda 1. Reflexões sobre a medicalização do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. 2012. 20 f. Trabalho de Conclusão de Curso (graduação

Leia mais

PROJETO DE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA: CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO PARA ADMINISTRADORES

PROJETO DE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA: CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO PARA ADMINISTRADORES Centro de Ciências da Educação Curso de Graduação em Biblioteconomia Disciplina: CIN5035 Editoração Científica Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima CEP: 88.040-900 - Florianópolis - SC

Leia mais

Instruções aos Autores

Instruções aos Autores Instruções aos Autores ESCOPO E POLÍTICA A Revista de Iniciação Científica (RIC) é um periódico de conteúdo multidisciplinar, aberto à comunidade científica nacional e internacional, arbitrada e distribuída

Leia mais

ADOLESCÊNCIA E SEXUALIDADE: INFLUÊNCIA DO CONHECIMENTO EMPÍRICO NO COMPORTAMENTO SEXUAL DE RISCO

ADOLESCÊNCIA E SEXUALIDADE: INFLUÊNCIA DO CONHECIMENTO EMPÍRICO NO COMPORTAMENTO SEXUAL DE RISCO ADOLESCÊNCIA E SEXUALIDADE: INFLUÊNCIA DO CONHECIMENTO EMPÍRICO NO COMPORTAMENTO SEXUAL DE RISCO SOUZA, L.P.G.; ARROXELAS-SILVA, C. L.; MOURA, G. M ; CASTRO, O.W lillynepatricia@hotmail.com; carmemarroxelas@hotmail.com;

Leia mais

Titulo: O respeito em sala de aula: relato de intervenção em um sétimo ano de escola pública

Titulo: O respeito em sala de aula: relato de intervenção em um sétimo ano de escola pública 1 Titulo: O respeito em sala de aula: relato de intervenção em um sétimo ano de escola pública Autores: Nathalia Tayaná dos Santos Souza, UNISAL, nathtdss@gmail.com João Moreira de Paula Neto, UNISAL,

Leia mais

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: TRABALHO PEDAGÓGICO DE PREVENÇÃO NO ÂMBITO ESCOLAR

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: TRABALHO PEDAGÓGICO DE PREVENÇÃO NO ÂMBITO ESCOLAR GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: TRABALHO PEDAGÓGICO DE PREVENÇÃO NO ÂMBITO ESCOLAR Rosemere Dantas Barbosa Nascimento Ana Cláudia Santos de Medeiros Francilene Francisca de Andrade Lúcia de Fátima Farias da

Leia mais

Normas para publicação: instruções aos autores

Normas para publicação: instruções aos autores Normas para publicação: instruções aos autores Instructions for Authors 1 DIRETRIZES PARA AUTORES A InterEspaço é uma publicação online de periodicidade semestral do Curso de Licenciatura em Ciências Humanas/Geografia

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS. a) cada proponente poderá inscrever até dois trabalhos, como autor principal ou como coautor;

NORMAS GERAIS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS. a) cada proponente poderá inscrever até dois trabalhos, como autor principal ou como coautor; NORMAS GERAIS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS Somente serão considerados pelo Comitê Científico os trabalhos que se pautarem estritamente pelas normas de diagramação e formatação definidas para o evento e

Leia mais

EDUCAÇÃO SEXUAL: UMA ANÁLISE DO CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO MUNICÍPIO DE UBERABA

EDUCAÇÃO SEXUAL: UMA ANÁLISE DO CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO MUNICÍPIO DE UBERABA EDUCAÇÃO SEXUAL: UMA ANÁLISE DO CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO MUNICÍPIO DE UBERABA Gabriela Marcomini de Lima 1, Ricardo Baratella 2 1 PIDIB:CAPES / UNIUBE / Universidade de Uberaba,

Leia mais

INSTRUÇÕES AOS AUTORES

INSTRUÇÕES AOS AUTORES ISSN 0104-8015 POLÍTICA & TRABALHO 337 Revista de Ciências Sociais, n. 34 Abril de 2011 - p. 337-339 INSTRUÇÕES AOS AUTORES A revista Política & Trabalho, editada semestralmente pelo Programa de Pós- Graduação

Leia mais

EDUCAÇÃO SEXUAL: UM RETRATO HISTÓRICO DO CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

EDUCAÇÃO SEXUAL: UM RETRATO HISTÓRICO DO CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA EDUCAÇÃO SEXUAL: UM RETRATO HISTÓRICO DO CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA Mariana da Silveira Cassimiro de Araújo e Lemos 1,Raquel Passos Teixeira Inácio 2, Ricardo Baratella 3, Gabriela Marcomini

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA E O PROCESSO DE INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NOS ANOS INICIAIS

A PRÁTICA PEDAGÓGICA E O PROCESSO DE INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NOS ANOS INICIAIS A PRÁTICA PEDAGÓGICA E O PROCESSO DE INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NOS ANOS INICIAIS Natalia Barbosa Verissimo Profª Dra. Célia Regina Vitaliano Danielle Nunes Martins do

Leia mais

Larissa S. de Almeida Ligia M. F. Linares Jorge H. A. Cremonine Marcelo A. da Silva. PROJETO: ORIENTAÇÃO E PREVENÇÃO DAS DST s

Larissa S. de Almeida Ligia M. F. Linares Jorge H. A. Cremonine Marcelo A. da Silva. PROJETO: ORIENTAÇÃO E PREVENÇÃO DAS DST s Larissa S. de Almeida Ligia M. F. Linares Jorge H. A. Cremonine Marcelo A. da Silva PROJETO: ORIENTAÇÃO E PREVENÇÃO DAS DST s Publico Alvo. E.E. Prof. Durvalino Grion Adamantina Terceiro ano do Ensino

Leia mais

EDITAL Nº. 01/2017- IV LEÃO JURIS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS

EDITAL Nº. 01/2017- IV LEÃO JURIS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS EDITAL Nº. 01/2017- IV LEÃO JURIS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO EXPANDIDO INSTRUÇÕES AOS AUTORES APRESENTAÇÃO O IV LEÃO JURIS com o tema: Reformas Trabalhista e Previdenciária,

Leia mais

II CONGRESSO NACIONAL DE MÚSICA E MATEMÁTICA CHAMADA DE TRABALHOS

II CONGRESSO NACIONAL DE MÚSICA E MATEMÁTICA CHAMADA DE TRABALHOS Grupo de Pesquisa MusMat www.musmat.org Programa de Pós-Graduação em Música da UFRJ www.ppgm-ufrj.org II CONGRESSO NACIONAL DE MÚSICA E MATEMÁTICA Formulações teóricas e aplicações criativas Rio de Janeiro,

Leia mais

Gabriela Esteves. Curta Metragem: Encontros e desencontros entre a sexualidade e autonomia.

Gabriela Esteves. Curta Metragem: Encontros e desencontros entre a sexualidade e autonomia. Gabriela Esteves Curta Metragem: Encontros e desencontros entre a sexualidade e autonomia. Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação Ensino em Ciências da Saúde da Universidade Federal de São

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DOCENTE: ALESSANDRA ASSIS DISCENTE: SILVIA ELAINE ALMEIDA LIMA DISCIPLINA: ESTÁGIO 2 QUARTO SEMESTRE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DOCENTE: ALESSANDRA ASSIS DISCENTE: SILVIA ELAINE ALMEIDA LIMA DISCIPLINA: ESTÁGIO 2 QUARTO SEMESTRE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DOCENTE: ALESSANDRA ASSIS DISCENTE: SILVIA ELAINE ALMEIDA LIMA DISCIPLINA: ESTÁGIO 2 QUARTO SEMESTRE PEDAGOGIA A leitura de mundo precede a leitura da palavra Paulo Freire

Leia mais

Primeira Escrita DIRETRIZES PARA AUTOR(ES)

Primeira Escrita DIRETRIZES PARA AUTOR(ES) 170 DIRETRIZES PARA AUTOR(ES) Serão aceitos artigo, resenhas, poemas e contos que apresentem contribuição inédita, acrescentem saberes à área, não violem os direitos autorais e humanos e estejam em conformidade

Leia mais

A RELEVÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A RELEVÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL A RELEVÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita Maria Luz Freitas Soares (1) ; Luciana Rocha Paula (2) ; Ernandes Damasceno da Costa (2) ; João da Paixão

Leia mais

MÉTODOS INTERDISCIPLINARES APROXIMANDO SABERES MATEMÁTICOS E GEOGRÁFICOS

MÉTODOS INTERDISCIPLINARES APROXIMANDO SABERES MATEMÁTICOS E GEOGRÁFICOS MÉTODOS INTERDISCIPLINARES APROXIMANDO SABERES MATEMÁTICOS E GEOGRÁFICOS Celso Gomes Ferreira Neto, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB Profª. Drª. Filomena Maria G. S. Cordeiro Moita, Universidade

Leia mais

Normas para publicação Correlatio

Normas para publicação Correlatio Normas para publicação Correlatio Correlatio é uma revista dedicada ao estudo das relações entre religião, teologia e cultura, em diálogo com o pensamento de Paul Tillich. Esta revista é publicada semestralmente

Leia mais

Edital de Inscrição no V Seminário Pibid História Ufac: direitos, humanidades e história Apresentação

Edital de Inscrição no V Seminário Pibid História Ufac: direitos, humanidades e história Apresentação Edital de Inscrição no V Seminário Pibid História Ufac: direitos, humanidades e história Apresentação O V Seminário Pibid História Ufac: direitos, humanidades e história, que será realizado no período

Leia mais

PRÁTICAS LÚDICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUINDO COM O PROCESSO DE INCLUSÃO NA ESCOLA

PRÁTICAS LÚDICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUINDO COM O PROCESSO DE INCLUSÃO NA ESCOLA PRÁTICAS LÚDICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUINDO COM O PROCESSO DE INCLUSÃO NA ESCOLA Edja Lillian Pacheco da Luz¹; Marília Costa de Medeiros²; ¹ Universidade Federal Rural de Pernambuco, lillian2800@hotmail.

Leia mais

SEMINÁRIO OPAJE FORMAÇÃO EM COMUNICAÇÃO, JORNALISMO E EDUCAÇÃO: PRÁTICAS, SABERES E NOVOS OLHARES CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO NAS MESAS TEMÁTICAS

SEMINÁRIO OPAJE FORMAÇÃO EM COMUNICAÇÃO, JORNALISMO E EDUCAÇÃO: PRÁTICAS, SABERES E NOVOS OLHARES CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO NAS MESAS TEMÁTICAS 1 SEMINÁRIO OPAJE FORMAÇÃO EM COMUNICAÇÃO, JORNALISMO E EDUCAÇÃO: PRÁTICAS, SABERES E NOVOS OLHARES CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO NAS MESAS TEMÁTICAS O Núcleo de Pesquisa e Extensão Observatório de Pesquisas

Leia mais

I CONGRESSO NACIONAL DE MÚSICA E MATEMÁTICA CHAMADA DE TRABALHOS

I CONGRESSO NACIONAL DE MÚSICA E MATEMÁTICA CHAMADA DE TRABALHOS Grupo de Pesquisa MusMat www.musmat.org Programa de Pós-Graduação em Música da UFRJ www.ppgm-ufrj.org I CONGRESSO NACIONAL DE MÚSICA E MATEMÁTICA Formalização de Processos Composicionais e Analíticos em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO REVISTA EDUCAÇÃO & REALIDADE EDITAL DE SELEÇÃO PARA SEÇÕES TEMÁTICAS 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO REVISTA EDUCAÇÃO & REALIDADE EDITAL DE SELEÇÃO PARA SEÇÕES TEMÁTICAS 2015 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO REVISTA EDUCAÇÃO & REALIDADE EDITAL DE SELEÇÃO PARA SEÇÕES TEMÁTICAS 2015 A revista Educação & Realidade, da Faculdade de Educação, da

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO APRESENTAÇÃO O IX Colóquio Regional de Pesquisas em Educação Profissão Professor/a: Políticas, formação docente e tecnologias é um evento promovido pelo Curso de Licenciatura em Pedagogia da Fundação Visconde

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Curso de Biblioteconomia CLEONICE INES FOLLMANN

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Curso de Biblioteconomia CLEONICE INES FOLLMANN UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Curso de Biblioteconomia CLEONICE INES FOLLMANN PROJETO DE REVISTA: MODA & ESTILISMO Florianópolis, 2013. 0 CLEONICE INES FOLLMANN

Leia mais

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO MODELO DE APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO Nome e Sobrenome do autor 1 - Nome e SIGLA DA INSTITUIÇÃO Nome e Sobrenome do autor 2 - Nome e SIGLA DA INSTITUIÇÃO Nome e Sobrenome do autor 3 - Nome e SIGLA

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Educação Física. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Educação Física. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º PLANO DE ENSINO 2016 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Educação Física Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º 1 - Ementa (sumário, resumo) Educação Física: contextualização

Leia mais

TÍTULO DO TRABALHO. Palavras-chave: Primeira palavra, Segunda palavra, Terceira palavra (máximo de 5)

TÍTULO DO TRABALHO. Palavras-chave: Primeira palavra, Segunda palavra, Terceira palavra (máximo de 5) TÍTULO DO TRABALHO SOBRENOME, nome do Autor; SOBRENOME, nome do Orientador e-mail do autor para correspondência Faculdades Oswaldo Cruz ou Centro de Pós-Graduação Oswaldo Cruz Resumo: Este documento apresenta

Leia mais

A ORIENTAÇÃO SEXUAL NO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA

A ORIENTAÇÃO SEXUAL NO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA A ORIENTAÇÃO SEXUAL NO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA Tatiani Bellettini dos Santos UNESC 1 Paulo Rômulo de Oliveira Frota UNESC 2 Resumo A sexualidade possui vários

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação. Plano de Ensino 1º Quadrimestre de 2016

Pró-Reitoria de Graduação. Plano de Ensino 1º Quadrimestre de 2016 Caracterização da disciplina Código da NHZ5021-15 Nome da Educação em saúde e sexualidade disciplina: disciplina: Créditos (T-P-I): (3-0-3) Carga horária: 36 horas Aula prática: - Câmpus: SA Código da

Leia mais

O NÚCLEO AUDIOVISUAL DE GEOGRAFIA (NAVG) TRABALHANDO A GEOGRAFIA COM CURTAS: EXPERIÊNCIA DO PIBID SUBPROJETO DE GEOGRAFIA.

O NÚCLEO AUDIOVISUAL DE GEOGRAFIA (NAVG) TRABALHANDO A GEOGRAFIA COM CURTAS: EXPERIÊNCIA DO PIBID SUBPROJETO DE GEOGRAFIA. O NÚCLEO AUDIOVISUAL DE GEOGRAFIA (NAVG) TRABALHANDO A GEOGRAFIA COM CURTAS: EXPERIÊNCIA DO PIBID SUBPROJETO DE GEOGRAFIA. Rodrigo Siqueira da Silva Luciana Lima Barbosa Leydiane Paula da Silva 1 Orientadores:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO Curso: Pedagogia a Distância Departamento: Departamento de Pedagogia a Distância Disciplina:

Leia mais

VII SEMANA ACADÊMICA INTEGRADA dos Cursos de Administração, Enfermagem e Psicologia 28 a 30 de outubro de 2015

VII SEMANA ACADÊMICA INTEGRADA dos Cursos de Administração, Enfermagem e Psicologia 28 a 30 de outubro de 2015 VII SEMANA ACADÊMICA INTEGRADA dos Cursos de Administração, Enfermagem e Psicologia 28 a 30 de outubro de 2015 NORMAS PARA ENVIO E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS Os trabalhos a serem submetidos

Leia mais

AOS COLABORADORES NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA HISTÓRIA & PERSPECTIVAS

AOS COLABORADORES NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA HISTÓRIA & PERSPECTIVAS AOS COLABORADORES NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA HISTÓRIA & PERSPECTIVAS 1. A Revista História & Perspectivas aceita artigos inéditos para publicação. 2. Os artigos poderão ser enviados por meio eletrônico

Leia mais

SUGESTÕES DE AULAS DO PORTAL DO PROFESSOR PARA A DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA, NA PRÁTICA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

SUGESTÕES DE AULAS DO PORTAL DO PROFESSOR PARA A DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA, NA PRÁTICA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL 991 SUGESTÕES DE AULAS DO PORTAL DO PROFESSOR PARA A DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA, NA PRÁTICA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Soellyn Elene Bataliotti - PPGEEs UFSCar, sol.elene@gmail.com Maria da Piedade Resende

Leia mais

Palavras-chave: Deficiência visual. Ensino-aprendizagem.

Palavras-chave: Deficiência visual. Ensino-aprendizagem. O PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DE DISCENTES COM DEFICIÊNCIA VISUAL NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Thelma Helena Costa Chahini. - Universidade Federal do Maranhão Silvania dos Santos Rabêlo - Universidade Federal

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUIMICA SECÃO I

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUIMICA SECÃO I INSTRUÇÃO NORMATIVA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUIMICA SECÃO I DA DEFINIÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º - A Coordenação do Curso de Licenciatura em Química da UTFPR Campus

Leia mais

I SEMINÁRIO NORTE E NORDESTE DE SAÚDE E AMBIENTE: INTERDISCIPLINARIDADE EM FOCO (SENNESA) NORMAS PARA SUBMISSÃO DE RESUMOS EXPANDIDOS

I SEMINÁRIO NORTE E NORDESTE DE SAÚDE E AMBIENTE: INTERDISCIPLINARIDADE EM FOCO (SENNESA) NORMAS PARA SUBMISSÃO DE RESUMOS EXPANDIDOS I SEMINÁRIO NORTE E NORDESTE DE SAÚDE E AMBIENTE: INTERDISCIPLINARIDADE EM FOCO (SENNESA) NORMAS PARA SUBMISSÃO DE RESUMOS EXPANDIDOS Os resumos enviados para o I Seminário Norte e Nordeste de Saúde e

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UMA ATIVIDADE EDUCATIVA DINÂMICA REALIZADA POR ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM COM IDOSOS EM UMA UBSF: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

A IMPORTÂNCIA DE UMA ATIVIDADE EDUCATIVA DINÂMICA REALIZADA POR ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM COM IDOSOS EM UMA UBSF: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA A IMPORTÂNCIA DE UMA ATIVIDADE EDUCATIVA DINÂMICA REALIZADA POR ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM COM IDOSOS EM UMA UBSF: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Alluska Andrezza de Andrade Reges (1); Riviane Maria Lucena da

Leia mais

Chamada de trabalhos: O "II ENCONTRO DE EDUCAÇÃO ESTÉTICA DO IFB - importância e possibilidades pedagógicas no campo da educação estética pretende

Chamada de trabalhos: O II ENCONTRO DE EDUCAÇÃO ESTÉTICA DO IFB - importância e possibilidades pedagógicas no campo da educação estética pretende Chamada de trabalhos: O "II ENCONTRO DE EDUCAÇÃO ESTÉTICA DO IFB - importância e possibilidades pedagógicas no campo da educação estética pretende enfatizar as metodologias, práticas pedagógicas e seus

Leia mais

O PAPEL DAS INTERAÇÕES PROFESSOR-ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA

O PAPEL DAS INTERAÇÕES PROFESSOR-ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA O PAPEL DAS INTERAÇÕES PROFESSOR-ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA Autor: Almir Lando Gomes da Silva (1); Co-autor: Antonio Fabio do Nascimento Torres (2); Coautor: Francisco Jucivanio

Leia mais

OFICINAS PEDAGOGICAS: COMO FORMA DE AUXILIO NO APRENDIZADO DOS EDUCANDOS NAS AULAS DE GEOGRAFIA

OFICINAS PEDAGOGICAS: COMO FORMA DE AUXILIO NO APRENDIZADO DOS EDUCANDOS NAS AULAS DE GEOGRAFIA OFICINAS PEDAGOGICAS: COMO FORMA DE AUXILIO NO APRENDIZADO DOS EDUCANDOS NAS AULAS DE GEOGRAFIA Angeline Batista da Cruz Universidade Estadual da Paraíba pibidcruz@bol.com.br Clara Mayara de Almeida Vasconcelos

Leia mais

ENSINO DE CIÊNCIAS BASEADO EM EXPERIMENTOS PARA A DIFUSÃO DOS FENÔMENOS QUE ENVOLVAM ÓTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ENSINO DE CIÊNCIAS BASEADO EM EXPERIMENTOS PARA A DIFUSÃO DOS FENÔMENOS QUE ENVOLVAM ÓTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL ENSINO DE CIÊNCIAS BASEADO EM EXPERIMENTOS PARA A DIFUSÃO DOS FENÔMENOS QUE ENVOLVAM ÓTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marianne Cássia Carvalho Teixeira 1 ; Cícera Maria da Silva 1 ; Denise Barbosa da Silva 2

Leia mais

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS UTILIZADOS PELOS ALUNOS DO PEG

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS UTILIZADOS PELOS ALUNOS DO PEG OS RECURSOS TECNOLÓGICOS UTILIZADOS PELOS ALUNOS DO PEG RESUMO CARLOS EDUARDO WEIZENMANN 1 RAFAELA JARDIM 2 KARLA MARQUES DA ROCHA 3 Este trabalho tem por objetivo apresentar os resultados obtidos por

Leia mais

Site: Contato:

Site:  Contato: III Fórum Internacional de Pedagogia FIPED Universidade Estadual do Ceará - UECE Campus da Faculdade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central FECLESC. Quixadá - Ceará Brasil 10, 11,12 e 13 de Novembro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA. Géssica de Souza Paiano

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA. Géssica de Souza Paiano UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA Géssica de Souza Paiano Projeto da revista eletrônica Vulnerabilidade em Informação Florianópolis, 2017 2 Géssica de Souza Paiano

Leia mais

Universidade Estadual do Ceará - UECE Faculdade de Veterinária - FAVET Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias PPGCV

Universidade Estadual do Ceará - UECE Faculdade de Veterinária - FAVET Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias PPGCV Universidade Estadual do Ceará - UECE Faculdade de Veterinária - FAVET Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias PPGCV NORMAS PARA QUALIFICAÇÃO - MESTRADO E DOUTORADO A qualificação consiste na

Leia mais

Inscrição com submissão de Trabalho 24/11/2014 até 15/12/2014. Inscrição sem submissão de Trabalho. Não há mais possibilidade de R$ 350,00 20/06/2015

Inscrição com submissão de Trabalho 24/11/2014 até 15/12/2014. Inscrição sem submissão de Trabalho. Não há mais possibilidade de R$ 350,00 20/06/2015 II CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO Período 15 a 17/07/2015 DIÁLOGO PEDAGÓGICO, DA EDUCAÇÃO INFANTIL AO ENSINO SUPERIOR: Prática Pedagógica a transposição didática frente aos desafios da contemporaneidade

Leia mais

NORMAS PARA PUBLICAÇÃO ARTIGO ORIGINAL

NORMAS PARA PUBLICAÇÃO ARTIGO ORIGINAL NORMAS PARA PUBLICAÇÃO ARTIGO ORIGINAL 1. INTRODUÇÃO O manuscrito dos artigos científicos originais deve seguir as regras de formatação descritas neste documento, devendo conter os resultados de pesquisas

Leia mais

LEITURA E ESCRITA COM ÊNFASE NA PRODUÇÃO DE CORDEL DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA ESTADUAL JOÃO TOMÁS NETO

LEITURA E ESCRITA COM ÊNFASE NA PRODUÇÃO DE CORDEL DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA ESTADUAL JOÃO TOMÁS NETO LEITURA E ESCRITA COM ÊNFASE NA PRODUÇÃO DE CORDEL DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA ESTADUAL JOÃO TOMÁS NETO Maria Solange de Lima Silva FCU/UNIFUTURO Sol_lyma@hotmail.com INTRODUÇÂO A característica básica

Leia mais

INSCRIÇÕES As inscrições e publicações serão gratuitas a todos os participantes.

INSCRIÇÕES As inscrições e publicações serão gratuitas a todos os participantes. II ENCONTRO DE FÍSICA IFCE CRATEÚS O II Encontro de Física IFCE Crateús, agendado para o período de 31 de maio a 02 de junho de 2017 na cidade de Crateús e promovido, pelo Colegiado do Curso de Licenciatura

Leia mais

SUBMISSÃO DE TRABALHOS

SUBMISSÃO DE TRABALHOS SUBMISSÃO DE TRABALHOS Tema: ARQUIVOLOGIA SEM FRONTEIRAS: INTERFACES DO CAMPO O XX Encontro Nacional dos Estudantes de Arquivologia terá 3 eixos, descritos a seguir: EIXO 1 A interdisciplinaridade entre

Leia mais

Plano da Intervenção

Plano da Intervenção INTERVENÇÃO Puberdade Jessica Queretti Plano da Intervenção CONTEXTUALIZAÇÃO Com o aumento da carga horária escolar, os alunos têm passado grande parte do seu dia dentro das escolas, com isso, os colégios

Leia mais

I JORNADA DE HUMANIDADES IFRJ/CAMPUS NILÓPOLIS REGULAMENTO GERAL Nº 01/2017

I JORNADA DE HUMANIDADES IFRJ/CAMPUS NILÓPOLIS REGULAMENTO GERAL Nº 01/2017 Página 1 de 6 I JORNADA DE HUMANIDADES IFRJ/CAMPUS NILÓPOLIS REGULAMENTO GERAL Nº 01/2017 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1 A I Jornada de Humanidades (JH) é um evento acadêmico organizado pelo Colegiado de

Leia mais

REVISTA MUSEUCULTURA

REVISTA MUSEUCULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA JOSELAINE TITON FALCHETTI REVISTA MUSEUCULTURA Florianópolis, 2017. JOSELAINE TITON FALCHETTI REVISTA MUSEUCULTURA Trabalho

Leia mais

NORMAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS

NORMAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS NORMAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS 1. DISPOSIÇÕES GERAIS: O I Ciclo de Estudos e Debates sobre Cidades Médias e Redes de Empresas busca oferecer oportunidades a docentes, discentes e pesquisadores vinculados

Leia mais

NORMAS EDITORIAIS FORMATAÇÃO E-BOOKS PPGCTA/UNIVALI

NORMAS EDITORIAIS FORMATAÇÃO E-BOOKS PPGCTA/UNIVALI NORMAS EDITORIAIS FORMATAÇÃO E-BOOKS PPGCTA/UNIVALI Os E-books - Free Access é um novo ambiente científico do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência e Tecnologia Ambiental da UNIVALI/PPGCTA-UNIVALI

Leia mais

REGRAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHO NA MOSTRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2017

REGRAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHO NA MOSTRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2017 REGRAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHO NA MOSTRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2017 1. INSCRIÇÕES 1.1. Poderão inscrever-se no evento: estudantes (com anuência do professor orientador do trabalho), professores,

Leia mais

X PRÊMIO BIBLIOTECONOMIA PAULISTA LAURA RUSSO

X PRÊMIO BIBLIOTECONOMIA PAULISTA LAURA RUSSO Capítulo I Do prêmio X PRÊMIO BIBLIOTECONOMIA PAULISTA LAURA RUSSO - 2011 REGULAMENTO O Prêmio Laura Russo representa relevante homenagem prestada à pioneira no exercício regulamentado da profissão de

Leia mais

o que é? Resgatar um conteúdo trabalhado em sala de aula, por meio de novas aplicações ou exercícios

o que é? Resgatar um conteúdo trabalhado em sala de aula, por meio de novas aplicações ou exercícios lição de casa F1 o que é? É um recurso didático que o professor propõe aos alunos para potencializar a relação dele com o objeto de conhecimento. A lição pode ter vários objetivos: Resgatar um conteúdo

Leia mais

Palavras-chave: Ensino de Biologia. Experimentação Científica. Microbiologia.

Palavras-chave: Ensino de Biologia. Experimentação Científica. Microbiologia. PRÁTICAS INVESTIGATIVAS DE MICROBIOLGIA NAS ESCOLAS DE ENSINO MÉDIO DO MACIÇO DE BATURITÉ (CEARÁ) Márcia Maria Rodrigues Silva 1, Bruno Roberto da Silva Queiroz 2, Vanessa Lúcia Rodrigues Nogueira 3 Resumo:

Leia mais

Direitos Humanos e Democracia em Três Atos Do Golpe Militar às Diretas Já à Criminalização dos Movimentos Sociais

Direitos Humanos e Democracia em Três Atos Do Golpe Militar às Diretas Já à Criminalização dos Movimentos Sociais CHAMADA DE TRABALHOS V Seminário Pensar Direitos Humanos do Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Direitos Humanos e do Programa de Pós- Graduação Interdisciplinar em Direitos Humanos (UFG)

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA SELEÇÃO DE ARTIGOS PARA O ANUÁRIO BRASILEIRO DE DIREITO INTERNACIONAL

PROCEDIMENTO PARA SELEÇÃO DE ARTIGOS PARA O ANUÁRIO BRASILEIRO DE DIREITO INTERNACIONAL PROCEDIMENTO PARA SELEÇÃO DE ARTIGOS PARA O ANUÁRIO BRASILEIRO DE DIREITO INTERNACIONAL O Anuário Brasileiro de Direito Internacional é um periódico publicado anualmente pelo Centro de Direito Internacional

Leia mais

MANUAL ARTIGO CIENTÍFICO

MANUAL ARTIGO CIENTÍFICO FACULDADE DOM LUIZ DE ORLEANS E BRAGANÇA COORDENAÇÃO GERAL DOS CURSOS MANUAL ARTIGO CIENTÍFICO Ribeira do Pombal - BA ARTIGO CIENTÍFICO O artigo pode ser definido como discussão de temáticas científicas

Leia mais

I ENEDAP ENCONTRO EM ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO DO AGRESTE DE PERNAMBUCO

I ENEDAP ENCONTRO EM ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO DO AGRESTE DE PERNAMBUCO I ENEDAP ENCONTRO EM ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO DO AGRESTE DE PERNAMBUCO ECONOMIA, RENDA, EMPREGO E DESENVOLVIMENTO 26 A 29 DE SETEMBRO Universidade Federal de Pernambuco Centro Acadêmico do Agreste Caruaru

Leia mais

O PROEXT A SERVIÇO DA EJA

O PROEXT A SERVIÇO DA EJA O PROEXT A SERVIÇO DA EJA Thamiriz Martins Teixeira, IF Sudeste de MG Campus Rio Pomba Paula Reis de Miranda, IF Sudeste de MG Campus Rio Pomba RESUMO O presente trabalho apresenta atividades desenvolvidas

Leia mais

DIRETRIZES PARA AUTORES

DIRETRIZES PARA AUTORES DIRETRIZES PARA AUTORES ORIENTAÇÕES PARA PUBLICAÇÃO NA REVISTA DE CIÊNCIAS DA VIDA (RCV) A REVISTA DE CIÊNCIAS DA VIDA (RCV) publica artigos sobre pesquisas no campo das Ciências (áreas de estudo definidas

Leia mais

Palavras-chave: Ensino de Química; Contextualização; Laboratório de Química; Conceitos Científicos; Experimentação. 1. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Ensino de Química; Contextualização; Laboratório de Química; Conceitos Científicos; Experimentação. 1. INTRODUÇÃO A EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA NUMA PERSPECTIVA PROBLEMATIZADORA E CONTEXTUALIZADA: UM AUXÍLIO NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS CIENTÍFICOS NO ENSINO MÉDIO Márcia Valente de Brito Dantas 1* Lígia Maria

Leia mais

OFICINA TEMÁTICA: A EXPERIMENTAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE

OFICINA TEMÁTICA: A EXPERIMENTAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE OFICINA TEMÁTICA: A EXPERIMENTAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE Vanessa Fernandes Soares; Chryslane Barbosa da Silva; Kelly Barbosa da Silva; Viviane Patrícia Pereira Félix. RESUMO Graduanda em Ciências Biológicas

Leia mais

Pesquisas em Discurso Pedagógico. Normas Para Publicação

Pesquisas em Discurso Pedagógico. Normas Para Publicação Pesquisas em Discurso Pedagógico IPEL/Departamento de Letras PUC-Rio Normas Para Publicação A revista Pesquisas em Discurso Pedagógico deseja publicar artigos inéditos na área de ensino, escrito por professores,

Leia mais

2. Língua. Os artigos deverão ser escritos preferencialmente em Português, aceitando-se textos em Inglês e Espanhol.

2. Língua. Os artigos deverão ser escritos preferencialmente em Português, aceitando-se textos em Inglês e Espanhol. NORMAS GERAIS PARA A PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS A Revista Jurídica Unigran é uma publicação de divulgação científica da Faculdade de Direito do Centro Universitário da Grande Dourados. Esta publicação incentiva

Leia mais

EDITAL Nº. 02/2017- GRUPOS DE ESTUDOS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS

EDITAL Nº. 02/2017- GRUPOS DE ESTUDOS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS UNILEÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DOUTOR LEÃO SAMPAIO CURSO DE DIREITO EDITAL Nº. 02/2017- GRUPOS DE ESTUDOS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO EXPANDIDO INSTRUÇÕES AOS AUTORES APRESENTAÇÃO

Leia mais

REGRAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHO NA VII MOSTRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DEVRY BRASIL 2016

REGRAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHO NA VII MOSTRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DEVRY BRASIL 2016 REGRAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHO NA VII MOSTRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DEVRY BRASIL 2016 1. INSCRIÇÕES 1.1. Poderão inscrever-se no evento: estudantes (com anuência do professor orientador

Leia mais