REDES DE COMPUTADORES Camada de Aplicação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDES DE COMPUTADORES Camada de Aplicação"

Transcrição

1 REDES DE COMPUTADORES Camada de Aplicação Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Revisão Princípios e Arquiteturas das aplicações de rede Camada de Aplicação Aplicações e seus Protocolos Aplicações P2P Resumo Revisão TCP/IP 1

2 Revisão TCP/IP Cada protocolo pertence a uma das camadas Cada camada fornece serviços e utiliza serviços das camadas imediatamente inferiores à ela Revisão TCP/IP Camada de aplicação: onde residem as aplicações de rede e seus protocolos Camada de transporte: recebe as mensagens da camada de aplicação e as transporta entre os lados cliente e servidor (da aplicação!) Assim, uma aplicação de rede escolhe algum protocolo da camada de transporte para o envio das mensagens Mas como escolher o protocolo? Depende da arquitetura da aplicação Princípios das Aplicações de Rede Aplicações de rede são a razão de ser de uma rede de computadores Ao desenvolver uma aplicação é necessário que: Software que execute em diferentes sistemas finais comunicantes Escolha da arquitetura da aplicação É necessário desenvolver programas também para os roteadores e switches (núcleo da rede)? Não! Arquitetura em camadas! 2

3 Princípios das Aplicações de Rede Arquiteturas das aplicações de rede Não confundir com arquitetura de rede! Arquitetura de aplicação de rede arquitetura de rede Determina como a aplicação é organizada nos sistemas finais Mais utilizadas: Cliente-Servidor; Peer-to- Peer (P2P); Híbrida Arquiteturas das aplicações de rede Cliente-Servidor Servidor: Sempre em funcionamento Atende requisições Endereço IP fixo Cliente: Não necessitam estar sempre em funcionamento Envia requisições ao servidor Endereço IP dinâmico 3

4 Arquiteturas das aplicações de rede Cliente-Servidor Arquiteturas das aplicações de rede Cliente-Servidor Vantagens Recursos centralizados Armazenamento centralizado mais fácil de gerenciar Clientes requerem pouca administração Desvantagens Um servidor sozinho não atende a todas as requisições Assim, é necessário um conjunto de servidores (Datacenter), aumentando o custo Se os servidores falharem, requisições não serão atendidas Arquiteturas das aplicações de rede Peer-to-Peer (P2P) Arquitetura de pares arbitrários que se comunicam entre si Comunicação direta entre os pares Cada nó funciona como cliente e como servidor Arquitetura distribuída e descentralizada Pouca (ou nenhuma) interação com servidor 4

5 Arquiteturas das aplicações de rede Peer-to-Peer (P2P) Arquiteturas das aplicações de rede Peer-to-Peer (P2P) Vantagens principais Auto-escalabilidade: Aumento na quantidade de nós gera mais demanda mas também maior capacidade de serviço ao sistema Não requerem infraestrutura significativa Confiabilidade: falha em um par não afeta a rede Desvantagens Complexidade maior na gerência da rede Segurança: arquitetura distribuída e exposta dificulta a proteção Arquiteturas das aplicações de rede Híbrida Arquitetura Híbrida: combina conceitos de Cliente-Servidor com P2P Muitas aplicações de mensagem instantânea são híbridas Ex: Napster Servidor central identificava quais pares tinham determinado arquivo Troca de arquivos então ocorria entre os pares, sem passar por um servidor central 5

6 Comunicação entre processos Como a aplicação vai se comunicar entre os diferentes sistemas finais? Programas executando em sistemas finais: Processos Processos executando no mesmo sistema final: Regras de comunicação definidas pelo SO Processos executando em sistemas finais diferentes: SOs podem ser diferentes! Comunicação por troca de mensagens Comunicação entre processos Um processo de uma aplicação deseja enviar uma mensagem para outro processo (em outro sistema final) Se é um processo que inicia a comunicação: Processo cliente Se é um processo que espera ser contatado: Processo servidor A mensagem de um processo deve passar pela rede Mas por onde o processo envia a mensagem? Através do Socket! Socket É a interface entre o processo e a rede de computadores Mais especificamente: interface entre a camada de aplicação e a camada de transporte Processo cliente empurra a mensagem pelo socket Processo servidor recebe a mensagem a partir do socket Socket análogo a uma porta de uma casa 6

7 Socket Nesse caso, o protocolo escolhido foi o TCP da camada de transporte Serviços da camada de transporte Quais são os serviços disponíveis para as aplicações de rede? 1. Transferência confiável de dados 2. Vazão 3. Temporização 4. Segurança Transferência confiável Um pacote pode se perder dentro de uma rede Ser descartado por um roteador, exceder um buffer Muitas aplicações requerem que não haja perda de dados Objetivo da Transferência confiável: garantir que os dados cheguem ao seu destino de forma correta 7

8 Vazão Emissores/Receptores compartilham largura de banda da rede Vazão pode oscilar com o tempo Se o protocolo da camada de transporte pode garantir uma taxa mínima de r bits/s Então o protocolo garante vazão disponível seja sempre r bits/s (pelo menos) Aplicações multimídia que possuem necessidade de vazão são conhecidas como sensíveis à largura de banda Temporização Objetivo: garantir o envio de um bit (desde o socket emissor até o socket destino) com tempo máximo pré-fixado Por exemplo, em menos de 100 milissegundos Serviço interessante para aplicações em tempo real Telefonia por internet, teleconferência, jogos multijogadores Segurança Um protocolo de transporte pode oferecer vários serviços relacionados à segurança Sigilo, integridade dos dados, autenticação, entre outros Ex: um protocolo codifica os dados de um processo emissor antes de enviar ao processo receptor 8

9 Serviços da camada de transporte Quais são os serviços disponíveis para as aplicações de rede? 1. Transferência confiável de dados 2. Vazão 3. Temporização 4. Segurança Não são disponíveis na Internet atualmente Serviços oferecidos na prática Protocolo TCP (Transmission Control Protocol): 1. Serviço Orientado para conexão 1. Conexão TCP entre os sockets do processo 2. Serviço confiável de transporte 1. TCP é capaz de enviar sem erros e na ordem correta: Transferência confiável de dados 3. Mecanismo de controle de congestionamento 1. Limita a capacidade de transmissão de um processo quando a rede está congestionada Serviços oferecidos na prática Protocolo UDP (User Datagram Protocol): um protocolo simplificado 1. Não orientado para conexão 2. Não fornece transporte confiável de dados 1. Protocolo não dá nenhuma garantia que os dados chegarão ao destino 3. Não inclui mecanismo de controle de congestionamento 1. Processo pode enviar dados à taxa que quiser 9

10 Serviços oferecidos na prática Comparativo entre a utilização dos protocolos Endereçamento de processos SOs normalmente possuem vários processos em execução Como um processo sabe qual o processo que ele quer se comunicar? Na internet, um sistema final é identificado por um endereço IP (32 bits) Para identificar o processo, são utilizados números de porta Endereçamento de processos Portas comuns: Protocolo Porta FTP 20 e 21 SSH 22 Telnet 23 SMTP 25 DNS 53 Web 80 Pop3 110 IMAP 143 (http://www.iana.org/assignments/service-names-portnumbers/service-names-port-numbers.xhtml) 10

11 Aplicações e Protocolos da camada de aplicação Um protocolo da camada de aplicação define como os processos (de sistemas finais diferentes) passam mensagens entre si 1. Tipos de mensagens trocadas (Ex: requisição, resposta) 2. Sintaxe: campos da mensagem, cabeçalho 3. Semântica: qual o significado de cada campo da mensagem 4. Regras para determinar quando e como é o envio e resposta das mensagens Aplicações e Protocolos da camada de aplicação Protocolos públicos (definidos em RFCs): Web e o HTTP Transferência de arquivos: FTP Correio Eletrônico: SMTP, POP3 e IMAP Serviço de diretório: DNS Compartilhamento de arquivos P2P Web e o HTTP Relembrando: até a década de 1990, Internet era usada por pesquisadores No inicio de 1990, surge a Web Protocolo HTTP como parte do coração da Web 11

12 Termos da Web Página Web: composta de objetos Um objeto é um arquivo qualquer (HTML, JPEG, GIF, applet Java, vídeo...) Forma de acesso: com um único URL Arquivo-base HTML e objetos nele referenciados URL (endereço web) HTTP HTTP (HyperText Transfer Protocol) Protocolo de aplicação da Web Possui arquitetura cliente-servidor Browser (navegador) solicita documentos Browser implementa o lado cliente do protocolo HTTP Servidor trata requisições de objetos que ele abriga Servidores Web populares: Apache e Microsoft IIS HTTP define como se dão as requisições e a transferência das páginas Web HTTP HTTP utiliza TCP como protocolo de transporte de mensagens Cliente realiza uma requisição HTTP para seu socket Uma conexão TCP é iniciada Servidor envia uma resposta HTTP 12

13 HTTP Vale ressaltar que o servidor HTTP não mantém informações de estado de seus clientes Se um mesmo cliente fizer a mesma solicitação duas vezes, serão enviadas duas respostas iguais HTTP é um protocolo sem estado Simplifica o projeto do servidor Gerência de maior número de conexões simultâneas HTTP: tipos de conexão Duas configurações disponíveis HTTP com conexão não-persistente (HTTP 1.0): Cada solicitação de objeto requer uma nova conexão Com a transferência concluída, a conexão é desfeita HTTP com conexão persistente (HTTP 1.1): Vários objetos podem ser transferidos com a mesma conexão Normalmente, a conexão é fechada após um tempo predeterminado de inutilização da conexão Dois tipos: Paralela e Serial HTTP com conexão não-persistente RTT (Round-Trip Time): Tempo de viagem de ida e volta 13

14 HTTP com conexão não-persistente Exemplo: ome.index Suponha que neste arquivo possua referência para 10 arquivos JPG Utilizando RTT como medida de tempo, qual o tempo necessário para a transferência desses arquivos? HTTP com conexão não-persistente - Exemplo Fluxo: 1. Cliente HTTP inicia conexão TCP ao servidor HTTP (processo) em Porta 80 é a default para o servidor HTTP 2. O cliente HTTP envia uma mensagem de requisição HTTP ao servidor através de seu socket 3. Servidor HTTP no hospedeiro encapsula o objeto requerido (home.index), localizado no seu disco ou RAM, em uma mensagem de resposta HTTP e envia ao cliente 4. Servidor HTTP ordena ao protocolo TCP o fechamento da conexão (na realidade o TCP só fechará após o cliente receber a mensagem descrita em 3 intacta Transferência confiável!) 5. O cliente recebe a resposta HTTP e a conexão é encerrada. HTTP com conexão não-persistente - Exemplo Fluxo: 1. Cliente HTTP inicia conexão TCP ao servidor HTTP (processo) em Porta 80 é a default para o servidor HTTP 2. O cliente HTTP envia uma mensagem de requisição HTTP ao servidor através de seu socket 3. Servidor HTTP no hospedeiro Para cada um dos 10 arquivos, encapsula o objeto requerido (home.index), localizado no seu disco ou RAM, os passos em uma 1-5 mensagem devem ser de resposta HTTP e envia ao cliente repetidos!! 4. Servidor HTTP ordena ao protocolo TCP o fechamento da conexão (na realidade o TCP só fechará após o cliente receber a mensagem descrita em 3 intacta Transferência confiável!) 5. O cliente recebe a resposta HTTP e a conexão é encerrada. 14

15 HTTP com conexão não-persistente - Exemplo Para o recebimento do arquivo home.index: 2 RTT + tempo de transmissão do arquivo Para receber os 10 arquivos JPG Adiciona 10*(2 RTT + tempo de transm. do arquivo) Total: 22*RTT + 11*Tempo transmissão Note que a conexão não-persistente do HTTP pode sobrecarregar servidores por esgotamento de recursos Cada conexão TCP requer alocação de buffers, manutenção de variáveis HTTP com conexão persistente Servidor deixa a conexão TCP aberta após a transferência Novas requisições podem ser enviadas pela mesma conexão Serial: Permite apenas uma nova requisição apenas se a resposta anterior tiver sido recebida 1 RTT por arquivo (requisição e recebimento) Ociosidade do cliente/servidor: aguarda recebimento HTTP com conexão persistente Paralela: Cliente envia requisições sem esperar pela resposta de cada requisição Padrão no HTTP 1.1 Menor ociosidade da conexão Menor espera (1 RTT é dividido por várias solicitações) É permitido ao usuário configurar o grau de paralelismo no navegador Por default, os navegadores abrem de 5 a 10 conexões TCP paralelas 15

16 Formato de mensagem HTTP Especificação na RFC 2616 Dois tipos: Requisição e Resposta Exemplo de requisição HTTP: GET /somedir/page.html HTTP/1.1 Host: Connection: close User-agent: Mozilla/4.0 Accept-language: fr Formato de mensagem HTTP Especificação na RFC 2616 Dois tipos: Requisição e Resposta Exemplo de requisição HTTP: Linha de requisição Linhas de cabeçalho GET /somedir/page.html HTTP/1.1 Host: Connection: close User-agent: Mozilla/4.0 Accept-language: fr Formato de mensagem HTTP 16

17 Formato de mensagem HTTP Linha de requisição: Método GET, POST, HEAD HTTP 1.1: PUT, DELETE, TRACE, OPTIONS, CONNECT URL: identificação do objeto Versão: Especifica o último campo da linha de requisição Versão do HTTP em uso Linhas de cabeçalho: Host indica o hospedeiro do objeto Connection close -> indica que a conexão não é persistente! Corpo de entidade? Fica vazio com método GET Quando um usuário preenche um formulário, normalmente utiliza o método POST Dados do formulário embutidos no corpo de entidade Formulários com GET Dados do formulário contidos na URL URL mais extensa: Formato de mensagem de resposta HTTP 17

18 Formato de mensagem de resposta HTTP Linha de Estado + cabeçalho + corpo da entidade HTTP/ OK Connection: close Date: Sat, 07 Jul :00:15 GMT Server: Apache/1.3.0 (Unix) Last-Modified: Sun, 06 May :23:24 GMT Content-Lenght: 6821 Content-Type: text/html (dados... ) Códigos de estado da mensagem de resposta HTTP Indicam o resultado da requisição Códigos comuns: 200 OK: requisição bem-sucedida e informação entregue com a resposta 301 Moved Permanently: o objeto foi removido permanentemente e o caminho é especificado no campo Location. Automaticamente o software que fez a requisição recupera o novo URL. 400 Bad Request: código de erro indicando que a requisição não pode ser atendida pelo servidor 404 Not Found: Objeto não foi encontrado no servidor... Cookies HTTP: protocolo sem informações de estado Porém essas informações podem ser necessárias! Restrições de acesso a determinados usuários Apresentação de conteúdo compatível com idade dos usuários Cookies permitem o monitoramento de informações do usuário Maioria dos sites da Web utilizam cookies 18

19 Cookies Qual a função?? Monitorar informações do usuário, manter informações de comunicação sobre um protocolo sem estado (HTTP) Necessidade de suporte no servidor HTTP Banco de dados Componentes: 1. Linha de cabeçalho de cookie na mensagem de resposta HTTP 2. Linha de cabeçalho de cookie na requisição HTTP 3. Um arquivo de cookie mantido no sistema do usuário 4. Um banco de dados de apoio no servidor Cookies Exemplo Suponha um acesso de um cliente ao site amazon.com, através de um navegador Anteriormente o mesmo cliente já havia acessado o site ebay Cookies Exemplo 1. Mensagem normal de requisição HTTP (acesso ao site amazon) 2. Quando a requisição chega ao servidor da amazon, ele cria um n de identificação exclusivo (ID) para o cliente 1. e armazena no banco de dados de apoio 3. O servidor envia a resposta contendo: 1. Set-cookie: n de identificação 4. Quando o cliente recebe a mensagem de resposta, o navegador do cliente: 1. Adiciona uma linha no arquivo de cookies 2. Essa linha possui o nome de hospedeiro e o n de identificação 19

20 Cookies Exemplo Cookies Exemplo 5. Cada nova requisição ao site amazon, o navegador do cliente insere o ID na requisição Assim, o servidor pode monitorar quais páginas foram acessadas, em qual ordem, em quais horários Sites de compra guardam informações dos interesses, itens acessados pelos usuários Anúncios personalizados 6. Com o cliente retornando ao site após uma semana, o servidor pode consultar o cookie e realizar ações específicas Anúncios personalizados! Cookies Na prática, muitas informações do usuário (além do ID) são relacionadas ao cookie Registro no site: Nome completo, endereço, n do cartão de crédito incluídas no banco de dados Serviço de compras com um só clique : dados são recuperados Apesar de simplificarem processos de compra, cookies são uma ameaça à privacidade 20

21 Caches Web (servidor proxy) Cache Web: servidor proxy Atende requisições HTTP em nome de um servidor de origem Intermediário entre a conexão do cliente e servidor Cliente envia requisições HTTP para o proxy Se o objeto existe no proxy: o proxy retorna o objeto Se o objeto não existe no proxy: o proxy faz uma requisição HTTP ao servidor original (que contém o objeto) e após o recebimento, envia o objeto ao cliente Caches Web (servidor proxy) Um proxy atua como cliente e servidor Dessa forma, um proxy tende a reduzir o tempo de resposta Caches Web (servidor proxy) Depende da taxa de acertos Proxy além de reduzir o tempo de resposta, podem diminuir o tráfego no enlace de acesso a uma instituição Com redução de tráfego, a instituição não necessita ampliar sua largura de banda da conexão Diminuindo custos Mas requer a instalação do proxy 21

22 E se o arquivo estiver desatualizado no proxy?? Mecanismo do HTTP para verificação dos objetos Comando GET Condicional Linha de cabeçalho da requisição: If-Modified-Since GET Condicional Exemplo GET Condicional Proxy faz consulta ao servidor 22

23 GET Condicional Servidor responde ao proxy GET Condicional Proxy envia o objeto ao cliente e armazena. Suponha que haja um novo acesso Após uma semana Como saber se o arquivo no proxy é atualizado?? GET Condicional GET condicional: 23

24 GET Condicional Se o arquivo não foi atualizado, o servidor responde ao proxy: 304 Not Modified Sem o objeto na resposta Se não foi modificado, o proxy envia o objeto que ele possui ao cliente O Get condicional tem esse objetivo: apenas retorne o objeto se este foi modificado FTP (File Transfer Protocol) Protocolo da camada de aplicação para transferência de arquivos pela rede Acesso através de usuário e senha Utiliza o TCP como protocolo de transporte FTP FTP utiliza duas conexões TCP paralelas para transferência de arquivos Conexão de controle: Trocar informações de controle: usuário, senha, comandos FTP específicos Conexão persistente Conexão de dados: Utilizada para o envio do arquivo É uma conexão não persistente 24

25 FTP Dessa forma, FTP mantém informações de estado sobre o usuário Como se dá o acesso a um servidor ftp? Existem servidores FTP gratuitos na web Comandos FTP user nomeuser: nome de usuário pass password: senha list: listagem de arquivos no servidor remoto retr nomearquivo: obtenção de um arquivo no servidor remoto stor nomearquivo: comando que armazena um arquivo no diretório atual Comandos FTP Outros comandos para mudança de diretório, modo da transferência, tipo (ASCII ou binário...) Códigos de erro FTP disponíveis na RFC

26 FTP Problemas de segurança Informações de usuário/senha não são codificadas Usuário mal intencionado pode interceptar pacotes e ler a senha FTPS ( FTP Secure ): a adição de mecanismos de segurança TLS e SSL para criptografia dos dados SFTP (Secure File Transfer Protocol): Transferência de dados criptografados Não é baseado no FTP, mas sim no SSH (Secure Shell) Correio Eletrônico Envio assíncrono de mensagens pela rede Três componentes principais Agentes de usuário Servidores de correio SMTP (Simple mail transfer protocol) Fluxo: A envia uma mensagem para B Agentes de usuário: leitura, resposta, composição e armazenamento de mensagens Agente de usuário envia a mensagem ao servidor de correio Quando B quer ler suas mensagens, seu agente de correio extrai de sua caixa de correio localizada no servidor Correio Eletrônico 26

27 Correio Eletrônico Servidores de correio formam o núcleo da infraestrutura do correio eletrônico Cada um dos destinatários contem uma caixa postal localizada no servidor A troca de mensagens é de servidor para servidor! Se o servidor de correio de A não puder entregar a mensagem no servidor de B Mantém uma fila de mensagens Tentará o envio mais tarde SMTP É o principal protocolo de s Porém é antigo Utiliza TCP como protocolo da camada de transporte Envia mensagens do servidor de correio do remetente até o servidor de correio do destinatário Portanto, SMTP tem dois lados: lado cliente (remetente) e lado servidor (destinatário) Quando um servidor de correio envia mensagem, age como um cliente SMTP Quando um servidor de correio recebe mensagem, age como um servidor SMTP SMTP Características Utiliza porta TCP 25 SMTP utiliza conexões persistentes Apenas envia as mensagens entre os servidores de correio dos usuários 27

28 SMTP Exemplo de mensagem Cliente: MAIL FROM: Server: 250 Sender ok Cliente: RCPT TO: Server: 250 Recipient ok Cliente: DATA Server: 354 Enter mail, end with. on a line by itself Cliente: Olá user2,... cont. da mensagem.... Server: 250 Message accepted for delivery Cliente: QUIT SMTP Em geral, o servidor de correio é mantido pelo ISP (empresa, universidade) Como se dá o acesso através do agente de usuário?? Como obter as mensagens que estão no servidor de correio?? Não pode usar SMTP: protocolo de envio (push) não de recuperação (pull) PROTOCOLOS DE ACESSO: POP3, IMAP e HTTP POP3 Post Office Protocol Protocolo de acesso simples Porém limitado Utiliza TCP porta 110 Três fases após a conexão TCP 1. Autorização: agente de usuário envia nome e senha para autenticação 2. Transação: as mensagens são recuperadas e podem ser marcadas/desmarcadas para serem apagadas 3. Atualização: servidor apaga as mensagens e o cliente é desconectado 28

29 POP3 O POP3 trabalha no modo ler-e-apagar ou ler-e-guardar O segundo é indicado quando é necessário ler s de diferentes máquinas Protocolo sem estado entre sessões Armazena pouca informação de estado: mensagens marcadas para apagar Simplifica a implementação Não há como manter uma hierarquia de pastas entre diferentes máquinas com o POP3: não há servidor remoto. IMAP Internet Mail Access Protocol Protocolo de acesso com mais recursos que o POP3 Implementação é mais complexa IMAP associa uma mensagem a uma pasta Quando a mensagem chega a um servidor, é associada a uma pasta INBOX do destinatário Destinatário pode transferir a mensagem para uma nova pasta IMAP também permite a obtenção de apenas o cabeçalho de uma mensagem Mas e na prática? Usamos IMAP ou POP3?? Na prática, atualmente se utilizam mais s através da web: protocolo HTTP (ou HTTPS) s lidos e enviados através dos browsers Hotmail, Yahoo! Mail... Usuário se comunica com sua caixa postal remota via protocolo HTTP Contudo, o envio de s de servidor de correio para servidor pode usar SMTP 29

30 DNS (Domain Name System) Conceito de facilidade de identificação (e memorização) Hostname: ou IP: Hospedeiros são identificados das duas formas DNS: o que é? 1. Um banco de dados distribuído implementado em uma hierarquia de servidores de nome 2. Protocolo que fornece o serviço de diretório da Internet 1. Permite que hospedeiros consultem o banco de dados DNS Serviço principal do DNS: Traduzir o nome do host para um IP válido Outros serviços Apelidos de Hospedeiro: um host com nome complicado pode ter um ou mais apelidos: relay1.west-coast.enterprise.com pode ter apelidos como enterprise.com e relay1.west-coast.enterprise.com é o nome canônico DNS pode obter o nome canônico Apelidos de servidor de correio: mesma situação anterior, DNS pode ser utilizado para obter o nome canônico do servidor de correio Distribuição de carga: auxiliam a realizar distribuição de carga servidores Web movimentados. O DNS associa um conjunto de endereços IP (servidores) a um único nome canônico. Assim, o DNS faz um rodízio de tradução de nome, usando um dos IPs do conjunto. 30

31 DNS Protocolo DNS utiliza porta UDP 53 Esse protocolo é comumente usado por outros protocolos da camada de aplicação HTTP, FTP, SMTP... De que forma? DNS Aplicação obtendo endereço IP 1. A própria máquina do usuário executa o lado cliente da aplicação DNS 2. Navegador (exemplo HTTP) extrai o hostname (www.someschool.edu) e o repassa para o lado cliente da aplicação DNS 3. Cliente DNS envia uma consulta contendo o nome do hospedeiro para um servidor DNS 4. Cliente recebe a resposta que inclui o endereço IP correspondente 5. Navegador pode iniciar uma conexão com o IP obtido Note que o DNS insere um atraso nas aplicações! Funcionamento do DNS DNS é constituído de um grande n de servidores ao redor do mundo Abordagem de DNS centralizada não é adequada para a Internet Único ponto de falha Volume de tráfego Banco de dados centralizado distante Manutenção Assim, é utilizada abordagem distribuída e hierárquica 31

32 Funcionamento do DNS Mapeamentos distribuídos entre os servidores de nomes Três classes de servidores Servidores de nome raiz DNS de alto nível (TLD) DNS com autoridade Funcionamento do DNS Funcionamento do DNS Servidores de nomes raiz 13 servidores na Internet Na realidade, cada um dos 13 formam um conglomerado de servidores (para fins de confiabilidade e segurança) Serv. de nomes TLD Responsáveis pelos domínios de alto nível como com, org, net, edu e gov; E também por todos os domínios de alto nível de países como fr, uk, br... Serv. de nomes com autoridade Entidades desejam que seus endereços sejam acessíveis publicamente na Internet Devem fornecer registros DNS acessíveis Esses registros são abrigados pelos Servidores de nome com autoridade Uma instituição pode implementá-lo ou pagar por algum provedor desse serviço 32

33 Funcionamento do DNS Funcionamento do DNS Fora da hierarquia existem os DNS locais: Cada ISP tem um (ou mais) servidor DNS local Para descobrir, basta acessar os detalhes da conexão no Windows ou Linux... DNS abertos surgiram como alternativa aos DNS locais dos ISPs (OpenDNS, Google Public DNS...) Quando um usuário faz uma pergunta ao DNS, a pergunta é enviada para o DNS local E então encaminhada para dentro da hierarquia Funcionamento do DNS Exemplo 33

34 Funcionamento do DNS (hierarquia) 1. Hospedeiro cis.poly.edu primeiramente envia uma mensagem de consulta ao servidor DNS local 2. O servidor DNS local transmite a mensagem a um servidor raiz 3. Servidor raiz percebe o sufixo (edu) e retorna uma lista de IPs contendo servidores DNS TLD, responsáveis pelo sufixo 4. Servidor de nomes local retransmite a mensagem de consulta a um servidor DNS TLD 5. TLD percebe o sufixo (umass.edu) e responde com o servidor de nomes com autoridade (dns.umass.edu) 6. Por fim, o serv. De nomes com autoridade responde com o endereço IP de gaia.cs.umass.edu Funcionamento do DNS 4 mensagens de consulta; 4 de resposta Consultas recursivas e iterativas Normalmente as consultas seguem esse padrão Nem sempre o servidor DNS TLD conhece o servidor de nomes com autoridade Nesse caso, pode acontecer de ocorrerem 100% de consultas recursivas Como diminuir a quantidade de consultas DNS?? Cache DNS! Cache DNS Ideia é reduzir o atraso inserido nas aplicações, por causa das buscas pelo endereço IP Reduzir a quantidade de consultas DNS Quando um servidor DNS recebe uma resposta DNS, o servidor armazena essas informações por um período determinado Normalmente servidores locais guardam por 2 dias Com o cache, o servidor local pode retornar o IP imediatamente, sem necessidade de consultar nos outros servidores 34

35 Registro DNS Mensagem de resposta carrega um registro Consiste em uma tupla: (Name, Value, Type, TTL) TTL é o tempo de vida útil do registro Exemplo (ignorando TTL): (relay1.bar.foo.com, ,A) Type=A significa que Name é um hostname e Value é um IP Type s: NS (Name é um domínio, Value um servidor DNS com autoridade), CNAME (nome canônico) MX (Value é um nome canônico e seu apelido está em Name) DNS na prática Como obter um endereço IP? nslookup Utilizando API de programação (java InetAddress, JNDI) Como os endereços são inseridos no DNS?? Quem mantém o DNS?? Através de entidades registradoras Registram domínios nos bancos de dados do DNS (e cobra uma taxa) No Brasil: A. Telecom S/A Locaweb Serviços de Internet S/A... Aplicações P2P Aplicações vistas até agora Todas na arquitetura cliente/servidor P2P (Peer-to-Peer): Pares se conectam diretamente entre si Com P2P há dependência mínima (se houver) de servidores funcionais 35

36 Aplicações P2P Segurança como principal problema Administração é descentralizada: mais difícil de gerenciar Aplicações P2P Distribuição de arquivos: BitTorrent Telefonia P2P da internet: Skype Distribuição de arquivos P2P Cada Par pode redistribuir qualquer parte de um arquivo para outros pares Auxiliando no processo de distribuição Arquiteturas P2P possuem autoescalabilidade Cada par aumenta a demanda por arquivos, mas também aumenta a capacidade de redistribuição Protocolo P2P mais popular: BitTorrent BitTorrent Normalmente, os blocos dos arquivos tem tamanho igual de 256 Kbytes Torrent: coleção de pares que participam da distribuição de determinado arquivo Quando um novo par chega ao torrent, ele se registra com o rastreador Assim o rastreador mantem registro dos pares do torrent 36

37 BitTorrent BitTorrent Quais blocos solicitar Técnica rarest first (o mais raro primeiro): Blocos mais raros dentre os seus vizinhos, para proporcionar maior rapidez na redistribuição desses blocos mais raros Quais pedidos atender A faz identificação de 4 pares com maior taxa (pares unchoked ) Novo vizinho B aleatoriamente escolhido ( optimistically unchoked ) para envio de dados (a cada 30 segundos) Se A e B estão satisfeitos com a troca, A adiciona B em sua lista de 4 pares (e B adiciona A) A prioridade é dada a vizinhos que fornecem dados com a maior taxa de upload Aplicações P2P Métodos de consulta de arquivo para P2P Diretório centralizado Inundação de consultas 37

REDES DE COMPUTADORES Camada de Aplicação. Alexandre Augusto Giron

REDES DE COMPUTADORES Camada de Aplicação. Alexandre Augusto Giron REDES DE COMPUTADORES Camada de Aplicação Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Revisão Princípios e Arquiteturas das aplicações de rede Camada de Aplicação Aplicações e seus Protocolos Aplicações P2P Resumo

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Profa. Priscila Solís Barreto

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Profa. Priscila Solís Barreto Redes de Computadores Camada de Aplicação Profa. Priscila Solís Barreto Criando uma nova aplicação de rede Escrever programas que Executem sobre diferentes sistemas finais e Se comuniquem através de uma

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Prof. Evandro Cantú

REDES DE COMPUTADORES. Prof. Evandro Cantú REDES DE COMPUTADORES Prof. Evandro Cantú Prof. Evandro Cantú, evandro.cantu@ifpr.edu.br Slides adaptados de J. Kurose & K. Ross 2 Curso de Capacitação Intelbras Redes Computadores Maio 2007 Camada de

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 21: 06 de julho de 2010 1 2 3 (RFC 959) Sumário Aplicação de transferência de arquivos de/para um host remoto O usuário deve prover login/senha O usa duas conexões TCP em

Leia mais

2Arquitetura cliente-servidor

2Arquitetura cliente-servidor Redes de computadores e a Internet Capítulo Camada de aplicação Nossos objetivos: Conceitual, aspectos de implementação de protocolos de aplicação de redes Paradigma cliente-servidor Paradigma peer-to-peer

Leia mais

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Web Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Agentes de usuário para a Web (browsers) Servidores Web Protocolo de transferência de hipertexto (HyperText Transfer Protocol HTTP) Web

Leia mais

FPROT HTTP(s), FTP, DHCP, SQUID e SAMBA. Aula 1 SENAC TI Fernando Costa

FPROT HTTP(s), FTP, DHCP, SQUID e SAMBA. Aula 1 SENAC TI Fernando Costa FPROT HTTP(s), FTP, DHCP, SQUID e SAMBA Aula 1 SENAC TI Fernando Costa Camada de Aplicação Objetivos: aspectos conceituais dos protocolos de aplicação em redes modelos de serviço da camada de transporte

Leia mais

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL 1 HTTP Uma página WWW é composta de objetos e endereçado por uma

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

Redes de Computadores Camada de Aplicação. Prof. MSc. Hugo Souza

Redes de Computadores Camada de Aplicação. Prof. MSc. Hugo Souza Redes de Computadores Camada de Aplicação Prof. MSc. Hugo Souza É a camada que dispõe a programação para as aplicações de rede através dos protocolos de aplicação; Provém a implantação da arquitetura de

Leia mais

Web. Até a década de 1990, a Internet era utilizada. por pesquisadores, acadêmicos e universitários, para troca de arquivos e para correio eletrônico.

Web. Até a década de 1990, a Internet era utilizada. por pesquisadores, acadêmicos e universitários, para troca de arquivos e para correio eletrônico. A Web e o HTTP Web Até a década de 1990, a Internet era utilizada por pesquisadores, acadêmicos e universitários, para troca de arquivos e para correio eletrônico. Então, no início dessa década, iniciou-se

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Aplicação 2 Camada de Aplicação Algumas aplicações de rede E-mail Web Mensagem instantânea Login remoto P2P file sharing Jogos de rede multiusuário Telefonia

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES. Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação. Programação WEB

Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES. Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação. Programação WEB Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES Programação WEB Desenvolvimento de Sistemas para WEB

Leia mais

Aulas 4 e 5 Camada de Aplicação Princípios, arquiteturas e requisitos, HTTP e FTP

Aulas 4 e 5 Camada de Aplicação Princípios, arquiteturas e requisitos, HTTP e FTP Departamento de Ciência da Computação Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense Aulas 4 e 5 Camada de Aplicação Princípios, arquiteturas e requisitos, HTTP e FTP Igor Monteiro Moraes Redes

Leia mais

Camada de Aplicação, sistemas de nomes de domínio, correio eletrônico e world wide web

Camada de Aplicação, sistemas de nomes de domínio, correio eletrônico e world wide web Camada de Aplicação, sistemas de nomes de domínio, correio eletrônico e world wide web Apresentação dos protocolos da camada de aplicação do modelo OSI. DNS É mais fácil de lembrar de um nome de host do

Leia mais

Imagem digital. Configuração de 640 x 480 e 24 bits/pixel (RGB) 7,37 Mbits Solução compactação

Imagem digital. Configuração de 640 x 480 e 24 bits/pixel (RGB) 7,37 Mbits Solução compactação Imagem digital Configuração de 640 x 480 e 24 bits/pixel (RGB) 7,37 Mbits Solução compactação Imagem digital - compactação - JPEG Joint Photographic Experts Group Definido no padrão internacional 10918

Leia mais

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com SERVIÇOS DE REDES DE COMPUTADORES Prof. Victor Guimarães Pinheiro/victor.tecnologo@gmail.com www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com Modelo TCP/IP É o protocolo mais usado da atualidade

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Camada de Aplicação

Leia mais

Camada de Aplicação. Prof. Tiago Semprebom. tisemp@sj.cefetsc.edu.br www.sj.cefetsc.edu.br/~tisemp. 2: Camada de aplicação 1

Camada de Aplicação. Prof. Tiago Semprebom. tisemp@sj.cefetsc.edu.br www.sj.cefetsc.edu.br/~tisemp. 2: Camada de aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Camada de Aplicação Prof. Tiago Semprebom tisemp@sj.cefetsc.edu.br

Leia mais

Capítulo 2 Camada de aplicação

Capítulo 2 Camada de aplicação Capítulo 2 Camada de aplicação Nota sobre o uso destes slides ppt: Estamos disponibilizando estes slides gratuitamente a todos (professores, alunos, leitores). Eles estão em formato do PowerPoint para

Leia mais

Transferência de arquivos (FTP)

Transferência de arquivos (FTP) Transferência de arquivos (FTP) Protocolo de transferência de arquivos (File Transfer Protocol) Descrito na RFC 959 Usa o TCP, a porta 21 (conexão de controle) e a porta 20 (conexão de dados) Em uma mesma

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 2.5 - DNS Prof. Jó Ueyama Março/2014 1 DNS: Domain Name System Pessoas: muitos identificadores: RG, nome, passaporte. Hosts e roteadores na Internet: endereços IP (32 bits)

Leia mais

REC- Redes de Computadores. Capítulo 5 Camada de Aplicação

REC- Redes de Computadores. Capítulo 5 Camada de Aplicação REC- Redes de Computadores Capítulo 5 Camada de Aplicação Capítulo 5: Camada de aplicação Princípios de aplicações de rede A Web e o HTTP FTP Correio eletrônico SMTP, POP3, IMAP DNS Programação de sockets

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Camada de aplicação. Camada de aplicação

Camada de aplicação. Camada de aplicação Camada de aplicação Camada de aplicação Nossos objetivos: Conceitual, aspectos de implementação de protocolos de aplicação de redes Modelos de serviço da camada de transporte Paradigma cliente-servidor

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade II REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade II REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade II REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade II Estudar, em detalhes, as camadas: Aplicação Apresentação Sessão Redes

Leia mais

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP SMTP "Protocolo de transferência de correio simples (ou em inglês Simple Mail Transfer Protocol ) é o protocolo padrão para envio de e- mails através da

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

A Camada de Aplicação

A Camada de Aplicação A Camada de Aplicação Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Afinal, o que faz a camada de aplicação?... 2 Paradigma Cliente/Servidor [4]... 2 Endereçamento... 2 Tipo de Serviço... 2

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Nível de Aplicação Responsável por interafir com os níveis inferiores de uma arquitetura de protocolos de forma a disponibilizar

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Servidor de E-mails e Protocolo SMTP Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Definições Servidor de Mensagens Um servidor de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 2 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - Protocolos de Internet Mensagem M Aplicação HTTP, SMTP, FTP, DNS Segmento Ht M Transporte TCP, UDP Datagrama Hr Ht M Rede

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2011 Camada de Aplicação

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso

Universidade Federal de Mato Grosso Universidade Federal de Mato Grosso Programação III Curso de Ciência da Computação Prof. Thiago P. da Silva thiagosilva@ufmt.br Material basedado em [Kurose&Ross 2009] e [Gonçalves, 2007] Agenda Internet

Leia mais

FTP: protocolo de transferência de arquivos

FTP: protocolo de transferência de arquivos FTP: protocolo de transferência de arquivos no hospedeiro interface cliente de FTP FTP sistema de arquivo local transf. de arquivos servidor FTP sistema de arquivo remoto transfere arquivo de/para hospedeiro

Leia mais

Aula-28 Camada Aplicação - DNS. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-28 Camada Aplicação - DNS. Prof. Dr. S. Motoyama Aula-28 Camada Aplicação - DNS Prof. Dr. S. Motoyama 1 Camada Aplicação Escrever programas que Executem sobre diferentes sistemas finais e Se comuniquem através de uma rede. Ex.: Web software de servidor

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Introdução ao protocolo TCP/IP Camada de aplicação Camada de transporte Camada de rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É o protocolo mais usado da atualidade 1 :

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Sockets, FTP, Correio Eletrônico, P2P Prof. Jó Ueyama Março/2014 1 Capítulo 2.7 e 2.8 - Camada de Aplicação Programação de sockets 2 Programação de Sockets Objetivo: Socket: aprender

Leia mais

DNS: Domain Name System

DNS: Domain Name System DNS: Domain Name System Pessoas: muitos identificadores: RG, nome, passaporte Internet hospedeiros, roteadores: Endereços IP (32 bits) - usados para endereçar datagramas nome, ex.: gaia.cs.umass.edu -

Leia mais

Correio Eletrônico e os protocolos SMTP, POP3 e IMAP

Correio Eletrônico e os protocolos SMTP, POP3 e IMAP Correio Eletrônico e os protocolos, POP3 e IMAP Thiago Cunha Pinto Correio eletrônico Três componentes principais: s do servidores de Simple Mail Transfer Protocol: Agente do também chamado leitor de redigir,

Leia mais

10/07/2013. Camadas. Principais Aplicações da Internet. Camada de Aplicação. World Wide Web. World Wide Web NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO

10/07/2013. Camadas. Principais Aplicações da Internet. Camada de Aplicação. World Wide Web. World Wide Web NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

Redes de Computadores 1

Redes de Computadores 1 Universidade Federal do Piauí UESPI Centro de Tecnologia e Urbanismo CTU Ciências da Computação Redes de Computadores 1 Prof. José BRINGEL Filho bringeluespi@gmail.com h?p://bringel.webnode.com/ Capitulo

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Rede de Computadores (REC)

Rede de Computadores (REC) Rede de Computadores (REC) Aula 04 Camada de Aplicação Prof. Jackson Mallmann dcc2jm@joinville.udesc.br Exemplos de requisição via telnet. iniciar / executar / cmd (Windows) telnet endereço telnet 192.168.1.3

Leia mais

Resolução de Nomes e o protocolo DNS

Resolução de Nomes e o protocolo DNS Resolução de Nomes e o protocolo DNS Thiago Cunha Pinto DNS: Domain Name System pessoas: muitos identificadores: CPF, nome, passaporte hospedeiros da Internet, roteadores: endereço IP (32 bits) usado para

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Camada de Aplicação!

Camada de Aplicação! !! Camada de Aplicação! Camada de aplicação 2.1 Princípios de aplicações de rede 2.2 Web e HTTP 2.3 FTP 2.4 Correio electrônico SMTP, POP3, IMAP 2.5 DNS 2-1 Algumas aplicações de rede E-mail Web Mensagem

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3

Redes de Computadores Aula 3 Redes de Computadores Aula 3 Aula passada Comutação: circuito x pacotes Retardos e perdas Aula de hoje Protocolo em camadas Aplicações C/S x P2P Web Estruturando a Rede Como organizar os serviços de uma

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Camada de Aplicação

Leia mais

Questionário de RC Nota3

Questionário de RC Nota3 Questionário de RC Nota3 Entrega: Individual e escrita à mão. Data de entrega: 30/10. Em todas as questões deverão constar o desenvolvimento da sua resposta, caso contrário a questão será desconsiderada.

Leia mais

Permite o acesso remoto a um computador;

Permite o acesso remoto a um computador; Telnet Permite o acesso remoto a um computador; Modelo: Cliente/Servidor; O cliente faz um login em um servidor que esteja conectado à rede (ou à Internet); O usuário manipula o servidor como se ele estivesse

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TROCAS DE MENSAGENS DO PROTOCOLO HTTP ATRAVÉS DE UM SIMULADOR DE REDES DE COMPUTADORES

UMA ANÁLISE DAS TROCAS DE MENSAGENS DO PROTOCOLO HTTP ATRAVÉS DE UM SIMULADOR DE REDES DE COMPUTADORES UMA ANÁLISE DAS TROCAS DE MENSAGENS DO PROTOCOLO HTTP ATRAVÉS DE UM SIMULADOR DE REDES DE COMPUTADORES Alan Jelles Lopes Ibrahim Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul alan.jelles@hotmail.com Eduardo

Leia mais

Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho

Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho Obs: Não há necessidade de entregar a lista Questões do livro base (Kurose) Questões Problemas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Aula 1 Comunicação de Dados Professor Leandro Redes de Computadores e a Internet James F. Kurose e Keith W. Ross

Aula 1 Comunicação de Dados Professor Leandro Redes de Computadores e a Internet James F. Kurose e Keith W. Ross 1 Aula 1 Comunicação de Dados Professor Leandro Redes de Computadores e a Internet James F. Kurose e Keith W. Ross Rede Mundial de Computadores (Internet) componentes básicos de hardware e software que

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capítulo2. Camada de aplicação

Redes de computadores e a Internet. Capítulo2. Camada de aplicação Redes de computadores e a Internet Capítulo Camada de aplicação Camada de aplicação.1 Princípios de aplicações de rede. Web e HTTP.3 FTP.4 Correio eletrônico SMTP, POP3, IMAP.5 DNS Pilha de protocolos

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Universidade Federal do Rio Grande do Norte Redes de Computadores - Camada de Aplicação Curso de Engenharia de Software Prof. Marcos Cesar Madruga/Thiago P. da Silva Material basedado em [Kurose&Ross 2009]

Leia mais

INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES. Alan Nakai

INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES. Alan Nakai INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES Alan Nakai ROTEIRO Introdução Tipos de Redes de Computadores Protocolos Modelo em Camadas Internet Introdução O que é uma rede de computadores? Coleção de computadores

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Aplicação POP3 IMAP DNS Slide 1 SMTP Rede de Computadores Protocolos de Acesso protocolo utilizado para a comunicação entre os servidores (push protocol); POP3 (Post Office

Leia mais

Redes de Computadores. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br ricardo.souza@ifpa.edu.br

Redes de Computadores. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br ricardo.souza@ifpa.edu.br Redes de Computadores Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br www.ricardojcsouza.com.br CAMADA DE APLICAÇÃO Desempenha funções específicas de utilização dos sistemas Identificação de parceiros

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

1.264 Lição 11. Fundamentos da Web

1.264 Lição 11. Fundamentos da Web 1.264 Lição 11 Fundamentos da Web Navegadores e servidores da Web A Internet é apenas um conjunto de redes interconectadas livremente. Um conjunto de redes de área local conectado via redes de área ampla

Leia mais

Módulo 11 A Web e seus aplicativos

Módulo 11 A Web e seus aplicativos Módulo 11 A Web e seus aplicativos Até a década de 90, a internet era utilizada por acadêmicos, pesquisadores e estudantes universitários para a transferência de arquivos e o envio de correios eletrônicos.

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Sistemas Distribuídos (DCC/UFRJ)

Sistemas Distribuídos (DCC/UFRJ) Sistemas Distribuídos (DCC/UFRJ) Aula 8: 2 de maio de 2016 Aplicações de email Eletronic mail é uma forma de comunicação assíncrona (pessoas não precisam coordenar/sincronizar o tempo de envio e recebimento

Leia mais

Computadores Digitais 2. Prof. Rodrigo de Souza Couto

Computadores Digitais 2. Prof. Rodrigo de Souza Couto Computadores Digitais 2 Linguagens de Programação DEL-Poli/UFRJ Prof. Miguel Campista ATENÇÃO Esta apresentação foi retirada e adaptada dos seguintes trabalhos: Notas de aula do Prof. Miguel Campista da

Leia mais

Camada de Aplicação. DNS Domain Name System. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camada de Aplicação. DNS Domain Name System. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camada de Aplicação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camada de Aplicação A camada de aplicação fornece os serviços "reais" de rede para os usuários. Os níveis abaixo da aplicação fornecem

Leia mais

Lista de Exercícios 03 - Camadas de Transporte e de Aplicação e Segurança de Redes

Lista de Exercícios 03 - Camadas de Transporte e de Aplicação e Segurança de Redes BCC361 Redes de Computadores (2012-02) Departamento de Computação - Universidade Federal de Ouro Preto - MG Professor Reinaldo Silva Fortes (www.decom.ufop.br/reinaldo) Lista de Exercícios 03 - Camadas

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

Introdução. Caixa postal (mailbox) Componentes do sistema de correio eletrônico. Correio eletrônico (SMTP, POP e IMAP)

Introdução. Caixa postal (mailbox) Componentes do sistema de correio eletrônico. Correio eletrônico (SMTP, POP e IMAP) Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Rd Redes de Computadores td Correio eletrônico (, POP e IMAP) Aula 26 Correio eletrônico é uma das aplicações mais populares da Internet Originalmente

Leia mais

efagundes com Como funciona a Internet

efagundes com Como funciona a Internet Como funciona a Internet Eduardo Mayer Fagundes 1 Introdução à Internet A Internet é uma rede de computadores mundial que adota um padrão aberto de comunicação, com acesso ilimitado de pessoas, empresas

Leia mais

Redes de Computadores (PPGI/UFRJ)

Redes de Computadores (PPGI/UFRJ) Redes de Computadores (PPGI/UFRJ) Aula 1: Apresentação do curso e revisão de interface de sockets 03 de março de 2010 1 2 O que é a Internet 3 4 Objetivos e página do curso Objetivos Apresentar a motivação,

Leia mais

Protocolo HTTP. Palavras-chave: Navegador, aplicativos, web, cliente, servidor.

Protocolo HTTP. Palavras-chave: Navegador, aplicativos, web, cliente, servidor. 1 Protocolo HTTP RODRIGO PREIS BEOCK, Leandro 1 ; DE FREITAS CONSONE, Cibele 2 ; RODRIGUES LIMA, Leandro 3 ; PETRICA, Eder 4 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO/UNEMAT - COLÍDER 5 RESUMO: O presente

Leia mais

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP Professor Leonardo Larback Protocolo SMTP O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é utilizado no sistema de correio eletrônico da Internet. Utiliza o protocolo TCP na camada

Leia mais

Roteiro Resumido. Aplicações: O Que Mudou? Parte III. Aplicações: O Que São? Importância das Aplicações. Redes de Computadores

Roteiro Resumido. Aplicações: O Que Mudou? Parte III. Aplicações: O Que São? Importância das Aplicações. Redes de Computadores Roteiro Resumido Princípios básicos da Internet Redes de Computadores Prof. Miguel Elias Mitre Campista http://www.gta.ufrj.br/~miguel Princípios básicos de comunicação em redes Descrição das diferentes

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Kurose Redes de Computadores e a Internet Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Pearson Cap.: 1 até 1.2.2 2.1.2 2.1.4 Como funciona uma rede? Existem princípios de orientação e estrutura?

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Camada de Aplicação

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP Alan Jelles Lopes Ibrahim, alan.jelles@hotmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada de Aplicação Março, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@dsc.ufcg.edu.br Camada de aplicação 2.1 Princípios de aplicações em rede de computadores 2.2 Web e HTTP

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada de Aplicação 2.1 Princípios de aplicações em rede de computadores 2.2 Web e HTTP 2.3 FTP 2.4 Correio electrônico SMTP, POP3, IMAP 2.5 DNS 2.6 Compartilhamento de

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

4. Qual seria o impacto da escolha de uma chave que possua letras repetidas em uma cifra de transposição?

4. Qual seria o impacto da escolha de uma chave que possua letras repetidas em uma cifra de transposição? Prova de 2011-02 1. Descreva duas maneiras de estabelecer uma conexão entre processos na camada de transporte sem o conhecimento da porta (TSAP) ao qual o servidor remoto esteja associado. 2. Estabelecer

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada de Aplicação Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Outubro de 2011 1 / 73 Introdução Aplicações de rede são a razão de ser de uma rede de computadores.

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais