Banco de Dados. Exercícios CESPE. Material preparado por: Ilka Kawashita

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Banco de Dados. Exercícios CESPE. Material preparado por: Ilka Kawashita ikawashi@gmail.com"

Transcrição

1 Banco de Dados Exercícios CESPE

2 TCU 2007 Considerando a figura acima, que apresenta um esquema da arquitetura ANSI/SPARC, utilizada para representar características de sistemas de gerenciamento de bancos de dados (SGBDs), julgue os itens a seguir, acerca de conceitos de bancos de dados.

3 TCU 2007 Considerando a figura acima, que apresenta um esquema da arquitetura ANSI/SPARC, utilizada para representar características de sistemas de gerenciamento de bancos de dados (SGBDs), julgue os itens a seguir, acerca de conceitos de bancos de dados. 139 Em uma aplicação de banco de dados, scripts escritos na linguagem SQL nativa de um SGBD podem representar: o esquema conceitual dessa aplicação; a visão externa dos usuários finais; e as características físicas de armazenamento do esquema interno. CERTO Os SGBD possuem extensões SQL que permitem tratar os 3 níveis da arquitetura ANSI/SPARC.

4 TCU 2007 Considerando a figura acima, que apresenta um esquema da arquitetura ANSI/SPARC, utilizada para representar características de sistemas de gerenciamento de bancos de dados (SGBDs), julgue os itens a seguir, acerca de conceitos de bancos de dados. 140 Considere a situação na qual uma mesma aplicação de banco de dados tenha sido implementada utilizando-se quatro diferentes técnicas de modelagem: relacional, rede, hierárquica, e orientada a objetos. Nesse caso, espera-se que o uso de polimorfismo seja mais intenso junto à aplicação que empregou a técnica orientada a objetos; o armazenamento de ponteiros em disco que representam registros em listas circulares duplamente encadeadas seja mais comum junto à aplicação que empregou a técnica em rede; dificuldades para representar relacionamentos m:n sejam mais comuns junto à aplicação que empregou a técnica de modelagem hierárquica; e maiores facilidades para alcance da terceira forma normal estejam presentes na aplicação que empregou a modelagem relacional. CERTO

5 Tipos de bancos de dados n n n Rede q Dados são organizados em registros, coleções de itens de dados que podem ser armazenados ou recuperados de forma conjunta q É possível que um registro possua uma estrutura interna, e elementos contínuos podem ser agrupados q Principal característica é permitir a navegação por meio de Conjuntos de Dados, que possuem um registro proprietário e registros membros, implementados por meio de ponteiros Hierárquico q Subconjunto particular do modelo de rede, limita os relacionamentos a uma estrutura de árvore Relacional (ANSI/SPARC) q Coleção de estruturas de dados, formalmente chamadas de relações, ou informalmente tabelas, compondo o nível conceitual q Coleção de operadores, álgebra e cálculo relacionais, que constituem a base da linguagem SQL q Coleção de restrições da integridade, definindo o conjunto consistente de estados de base de dados e de alterações de estados

6 TCU 2007 Considerando a figura acima, que apresenta um esquema da arquitetura ANSI/SPARC, utilizada para representar características de sistemas de gerenciamento de bancos de dados (SGBDs), julgue os itens a seguir, acerca de conceitos de bancos de dados. 141 Durante o projeto de um esquema de dados relacional, a partir de um modelo entidade-relacionamento de uma aplicação, espera-se que as seguintes operações sejam realizadas: para cada tipo de entidade forte do modelo, será criada uma relação que conterá a mesma quantidade de atributos dessa entidade; para cada relacionamento binário m:n, será criada uma nova relação que inclua como atributos de chave estrangeira as chaves primárias das duas relações já mapeadas a partir das entidades que fazem parte desse relacionamento binário. ERRADO As chaves primárias das entidades fortes compõem a chave primária da entidade associativa.

7 Entidade associativa n Representa um relacionamento que possui atributos ou um relacionamento N:M (via normalização) q q q Não possui existência própria, é criada a partir do relacionamento entre duas ou mais tabelas Sua chave primária é composta, no mínimo, pela junção das chaves primárias das tabelas associadas Uma vez criada, pode se relacionar com outras tabelas SETOR REQUISIÇÃO MATERIAL DEU ORIGEM PEDIDO GERAL DE COMPRA

8 TCU 2007 Considerando a figura acima, que apresenta um esquema da arquitetura ANSI/SPARC, utilizada para representar características de sistemas de gerenciamento de bancos de dados (SGBDs), julgue os itens a seguir, acerca de conceitos de bancos de dados. 142 Considere um cenário no qual há necessidade de desenvolvimento de uma aplicação transacional empregando bancos de dados federados. Nesse caso, uma das técnicas indicadas para assegurar a atomicidade de transações seria o emprego de coordenadores de transação embasados em protocolos de commit em duas fases: rollback e commit. ERRADO As duas fases são preparação e commit.

9 Protocolo Two-Phase Commit Fase 1 - Preparação Fase 2 - Commit

10 TCU 2007 Considerando a figura acima, que apresenta um esquema da arquitetura ANSI/SPARC, utilizada para representar características de sistemas de gerenciamento de bancos de dados (SGBDs), julgue os itens a seguir, acerca de conceitos de bancos de dados. 143 Considere uma situação na qual um administrador de banco de dados de uma organização execute atividades rotineiras de manutenção de um SGBD. Nessa situação, é razoável supor que esse profissional proverá maior suporte aos usuários finais por meio da realização de mudanças junto à visão externa da aplicação do que por meio de mudanças no esquema conceitual da aplicação. CERTO Mudanças no esquema conceitual, em geral, são solicitadas pela equipe de desenvolvimento da aplicação, e não pelo usuário final.

11 Arquitetura ANSI/SPARC n n n Nível interno q Esquema interno que descreve a estrutura de armazenamento físico da base de dados q Usa um modelo de dados físico e descreve todos os detalhes de armazenamento de dados e caminhos de acesso à base de dados Nível conceitual q Esquema conceitual que descreve a estrutura de toda a base de dados q Descrição global da base de dados, que omite detalhes da estrutura de armazenamento físico e se concentra na descrição de entidades, tipos de dados, relacionamentos e restrições. Nível externo q Esquemas externos ou visões de usuários q Cada esquema externo ou visão descreve a parte da base de dados que interessa a um grupo de usuários e esconde deste o restante da base de dados

12 TCU 2007 Considerando a figura acima, que apresenta um esquema da arquitetura ANSI/SPARC, utilizada para representar características de sistemas de gerenciamento de bancos de dados (SGBDs), julgue os itens a seguir, acerca de conceitos de bancos de dados. 144 São características de uma aplicação de banco de dados aderente ao paradigma de modelagem multidimensional: visões internas que usam uma menor quantidade de operações de junção de tabelas, menor latência durante a execução de consultas que trabalham com valores agregados e esquema em baixos níveis de normalização. CERTO

13 Modelagem multidimensional n n n Principal modelo é chamado modelo estrela (ou star schema), com uma tabela no centro (tabela fato) com múltiplas junções conectando-a a outras tabelas (dimensões) A tabela de fatos contém valores e medidas do negócio da empresa, como transações de vendas ou compras. q Cada valor das medidas representa a interseção de todas as dimensões q Os fatos mais úteis são numéricos, continuamente valorados e aditivos, o que facilita a geração do conjunto de respostas As tabelas de dimensão armazenam as descrições textuais das dimensões do negócio q As principais funções das dimensões são permitir restrições em uma consulta e servir como cabeçalhos no conjunto de resposta do usuário q Tabelas de dimensão possuem registros muito mais longos que os das tabelas fato, mas em pouca quantidade q As tabelas de fatos podem utilizar até 95% da área destinada ao DW

14 ANTAQ Aplicações de business intelligence (BI) oferecem visões históricas e atuais de operações de negócios empregando unicamente dados operacionais ERRADO

15 Análise da questão n Aplicações de business intelligence (BI) oferecem visões históricas e atuais de operações de negócios q CERTO n Empregando unicamente dados operacionais. q ERRADO. Os dados utilizados são visões gerenciais, consolidadas, dos dados operacionais

16 ANTAQ Data mining (mineração de dados) consiste na análise de grandes quantidades de dados a fim de encontrar padrões e regras que possam, por exemplo, ser usados para orientar a tomada de decisões. É o processo de explorar grandes quantidades de dados à procura de padrões consistentes, como regras de associação ou seqüência temporais, para detectar relacionamentos sistemáticos entre variáveis, detectando assim novos subconjuntos de dados. Utiliza várias técnicas da estatística, recuperação de informação, inteligência artificial e reconhecimento de padrões. ERRADO

17 Data Mining Conceitos básicos n Mineração de dados ou Data Mining é o processo de varrer grandes bases de dados a procura de padrões como associações, sequências temporais, classificação ou agrupamento de itens q q Mineração de dados é uma etapa de um processo conhecido como extração de conhecimento em bases de dados ou Knowledge-Discovery in Databases (KDD). Quando os dados são do tipo não-estruturados ou textos, chamamos de Text Data Mining ou simplesmente Text Mining, ou ainda Knowledge Discovery from Text (KDT). n São exemplos de técnicas de mineração de dados: regras de associação, clustering, algoritmos genéticos, árvores de decisão

18 Anatel Um data warehouse (armazém de dados) é um sistema de computação utilizado para armazenar informações relativas às atividades de uma organização, em banco de dados, de forma consolidada. O desenho da base de dados favorece a geração de relatórios, a análise de grandes volumes de dados e a obtenção de informações estratégicas que podem facilitar a tomada de decisão. O data warehouse possibilita a análise de grandes volumes de dados, coletados dos sistemas transacionais (OLTP). São as chamadas séries históricas que possibilitam uma melhor análise de eventos passados, oferecendo suporte às tomadas de decisões presentes e à previsão de eventos futuros. Por definição, os dados em um data warehouse não são voláteis, salvo quando é necessário fazer correções de dados previamente carregados. Os dados estão disponíveis somente para leitura e não podem ser alterados. CERTO

19 Data Warehouse x Data Mart n Definições dos problemas e requisitos de dados são essencialmente os mesmos q q Modelagem multidimensional Dados orientados por assuntos, integrados, variáveis com o tempo e não voláteis, para dar suporte ao processo de tomada de decisão n Diferenças apenas com relação ao tamanho e ao escopo do problema a ser resolvido q q Data marts atendem as necessidades de unidades específicas de negócio Data warehouse visa o suporte a decisões em todos os níveis da organização

20 TCU - ACE Sistemas colaborativos são ferramentas de software utilizadas em redes de computadores para facilitar a execução de trabalhos em grupos. Essas ferramentas devem ser especializadas o bastante, a fim de oferecer aos seus usuários formas de interação, facilitando o controle, a coordenação, a colaboração e a comunicação entre as partes envolvidas que compõem o grupo. A taxonomia bidimensional de tempo e espaço é a forma mais usada de classificar sistemas colaborativos. No eixo de tempo, são apresentados o tempo síncrono e o assíncrono. No eixo de espaço, são apresentadas as dimensões: mesmo local e locais geograficamente diferentes. Como exemplo de aplicação síncrona em espaços geográficos diferentes, é correto citar o . ERRADO

21 TCU - ACE 2008

22 TCU - ACE 2008 A figura acima apresenta os elementos básicos da arquitetura de um sistema de suporte a decisão que foi, de forma fictícia, implantado em uma organização de monitoramento, usando-se a tecnologia de SGBDs relacionais. Esse sistema atende ao objetivo de se aprimorarem a gestão e o uso de recursos de TI em mais de órgãos públicos federais, não tendo sido consideradas as subunidades que compõem esses órgãos. O principal negócio dessa organização é o monitoramento e controle da governança de TI desses órgãos, por meio de: aplicação e análise de questionários com questões fechadas (objetivas) e abertas (subjetivas) que, disponíveis via web, abordem aspectos relacionados à governança de TI conforme o modelo COBIT; análise de informações oriundas de coletores de dados online sobre os níveis de serviços e o emprego de recursos de TI nas organizações; prestação de serviço online visando à orientação e à normatização de compras de bens e serviços de TI; auditorias regulares. Algumas das informações produzidas a cada dia pelos coletores de dados online de cada organização monitorada são: quantidade de computadores desktop em funcionamento dentro da rede; horas de disponibilidade de cada um dos serviços online prestados pela organização (sítio web, servidor de webmail, FTP, sistemas aplicativos, atendimento a usuários por meio de birô de serviços etc.); despesas e investimentos planejados (empenhados) e executados na aquisição de bens e serviços de TI registrados no sistema de administração financeira. Para bem planejar e desempenhar sua missão, a organização de monitoramento implementou um sistema de apoio à decisão, conforme a arquitetura esboçada na figura acima.

23 TCU - ACE No cenário apresentado, a produção dos dados online de cada organização monitorada deverá ser efetuada por meio das ferramentas apresentadas nas camadas #B, #C e #D. ERRADO (na camada #A)

24 TCU - ACE A mineração de dados no sistema com a arquitetura acima, se aplicável a todo o conjunto de informações produzidas em decorrência das atividades da organização de monitoramento, contribuirá diretamente para o aprimoramento dos indicadores de desempenho das organizações monitoradas. ERRADO (contribuirá indiretamente)

25 Data Mining Conceitos básicos n Processo de varrer grandes bases de dados a procura de padrões como associações, sequências temporais, classificação ou agrupamento de itens q Etapa de um processo conhecido como extração de conhecimento em bases de dados ou Knowledge-Discovery in Databases (KDD) q Quando os dados são do tipo não-estruturados ou textos, chamamos de Text Data Mining ou simplesmente Text Mining, ou ainda Knowledge Discovery from Text (KDT)

26 TCU - ACE Os dados de controle de processamento da camada #B serão acessíveis a poucos funcionários servidores da organização de monitoramento e controle. A fim de agilizar o processo de extração, transformação e carga dos dados operacionais, estes devem ser armazenados de forma denormalizada na camada #B. CERTO (Staging Area = Cozinha )

27 TCU - ACE Se, visando à criação de uma datamart cujo objetivo é analisar o processo de disponibilidade de serviços online prestados pelas organizações monitoradas, criar-se uma tabela de fatos que representa a quantidade de horas de disponibilidade diária de cada serviço provido por cada órgão, nesse caso, será correto afirmar que, nessa datamart, em vez do uso de um esquema do tipo floco de neve (snow flake), será viável o uso de um esquema do tipo estrela, e as dimensões poderão ser: tipo de serviço; órgão prestador do serviço; data em que o serviço foi disponibilizado. Na tabela fatos dessa datamart, uma das colunas deverá conter o quantitativo de horas de disponibilidade. CERTO

28 Modelo Estrela (star schema)

29 Modelo Snow Flake n Resultado da normalização das dimensões n Economiza espaço em disco (pouco), mas prejudica (muito) o desempenho de consultas e a flexibilidade de análise

30 TCU - ACE Tendo em vista a criação, na arquitetura proposta, de um conjunto de datamarts integradas, deve-se sugerir o compartilhamento das tabelas de dimensões entre as tabelas de fatos, de modo que cada tabela de fatos possua a mesma quantidade de dimensões comuns. ERRADO

31 Análise da questão n Tendo em vista a criação, na arquitetura proposta, de um conjunto de datamarts integradas q CERTO. A presentation area deve ser sempre composta por datamarts integrados n deve-se sugerir o compartilhamento das tabelas de dimensões entre as tabelas de fatos q CERTO. A integração se dá justamente pelas dimensões n cada tabela de fatos possua a mesma quantidade de dimensões comuns q ERRADO. As tabelas de fatos vão possuir dimensões comuns que as integram, mas não necessariamente a mesma quantidade de dimensões

32 TCU - TI 2008 Nos sistemas de suporte a decisão (SSD), os dados são coletados em data warehouses e a análise de dados pode ser realizada por meio de processamento analítico online (OLAP) e datamining. Julgue os itens seguintes, sobre SSD, OLAP e datamining. 148 No data warehouse, o instantâneo (snapshot) disparado por um evento é composto de quatro componentes básicos: uma chave, uma unidade de tempo, dados primários relacionados apenas à chave e dados secundários que não possuem relacionamento direto nem com os dados primários nem com a chave. CERTO

33 TCU - TI 2008 Nos sistemas de suporte a decisão (SSD), os dados são coletados em data warehouses e a análise de dados pode ser realizada por meio de processamento analítico online (OLAP) e datamining. Julgue os itens seguintes, sobre SSD, OLAP e datamining. 149 Assim como no ciclo de vida de desenvolvimento de sistemas clássicos, o ciclo de vida de desenvolvimento do data warehouse é também baseado em requisitos. ERRADO O ciclo de vida de DW é centrado nos dados.

34 Desenvolvimento de DW - Inmon

35 TCU - TI 2008 Nos sistemas de suporte a decisão (SSD), os dados são coletados em data warehouses e a análise de dados pode ser realizada por meio de processamento analítico online (OLAP) e datamining. Julgue os itens seguintes, sobre SSD, OLAP e datamining. 150 Quanto ao nível de granularidade dos dados do data warehouse, é correto afirmar que quanto maior for o nível de detalhe, mais alto será o nível de granularidade dos dados e maior será a possibilidade de o sistema responder a qualquer consulta. ERRADO Granularidade alta = baixo nível de detalhe Granularidade baixa = alto nível de detalhe

36 TCU - TI 2008 Nos sistemas de suporte a decisão (SSD), os dados são coletados em data warehouses e a análise de dados pode ser realizada por meio de processamento analítico online (OLAP) e datamining. Julgue os itens seguintes, sobre SSD, OLAP e datamining. 151 No datamining, o agrupamento e a classificação funcionam de maneira similar: o agrupamento reconhece os padrões que descrevem o grupo ao qual um item pertence, examinando os itens existentes; a classificação é aplicada quando nenhum grupo foi ainda definido. ERRADO As definições dos conceitos estão invertidas.

37 TCU - TI 2008 Nos sistemas de suporte a decisão (SSD), os dados são coletados em data warehouses e a análise de dados pode ser realizada por meio de processamento analítico online (OLAP) e datamining. Julgue os itens seguintes, sobre SSD, OLAP e datamining. 152 O processamento OLAP é mais flexível do que aquele que ocorre no nível estruturado organizacional do data warehouse. CERTO

38 Datawarehouse Componentes básicos

39 OLAP Online Analytical Processing n Abordagem tecnológica para gerar respostas rápidas a consultas analíticas de natureza tipicamente multidimensional q Bases de dados para OLAP empregam um modelo dimensional, que permite consultas analíticas complexas com tempo de execução pequeno n Existem diversas alternativas para implementação de bases de dados multidimensionais para OLAP q q q MOLAP: baseado em SGBD multidimensional ROLAP: baseado em SGBD relacional DOLAP: baseado em arquivos no desktop do cliente

40 STF Dado um conjunto de relacionamentos R binário entre os conjuntos de entidades A e B, é correto afirmar que, em um mapeamento de cardinalidade muitos para muitos, uma entidade A está associada a qualquer número de entidades em B e uma entidade em B está associada a um número qualquer de entidades em A. CERTO

41 RELACIONAMENTOS BINÁRIOS n A cardinalidade máxima é usada para classificar os relacionamentos binários, aqueles nos quais os relacionamentos se dão entre duas entidades. n 1:1 ( um-para-um ); n 1:n ( um-para-muitos ); e n n:n ( muitos-para-muitos).

42 STF As características do atributo CEP numérico, seqüencial e não repetido permitem utilizá-lo como chave primária em um banco de dados destinado ao cadastro de clientes de uma loja. ERRADO Chave Primária deve conter valores únicos e ser não nula

43 STF A operação de junção externa (outer join) é uma extensão da operação de junção para tratar informações omitidas. CERTO

44 Operadores Relacionais n OUTER JOIN (Junção Externa): q q Utilizado quando desejamos manter todas as tuplas de uma das duas relações ou todas as tuplas das duas relações em uma operação de junção: Pode ser: n LEFT OUTER JOIN (Junção Externa à Esquerda). n RIGHT OUTER JOIN (Junção Externa à Direita). n FULL OUTER JOIN (Junção Externa Completa).

45 STF Qualquer relação que não faça parte do modelo lógico, mas seja visível para o usuário como uma relação virtual, é denominada visão. CERTO

46 n n n Visões Não é desejável que todos os usuários tenham acesso ao esquema conceitual/ => visões precisam ser definidas. Visão: é uma relação virtual que não faz parte do esquema conceitual mas que é visível a um grupo de usuários. A visão é definida por uma DDL e é computada cada vez que são realizadas consultas aos dados daquela visão. n O catálogo do SGBD é o repositório que armazena as definições das visões. n Uma visão possui nome, uma lista de atributos e uma query que computa a visão. n Uma visão é uma tabela virtual que é definida a partir de outras tabelas, contendo sempre os dados atualizados. n Especificação de Visão em SQL Sintaxe: CREATE VIEW nomevisão AS expressão_de_consulta Ex.: CREATE VIEW Alocaçao1(nomeE, nomep, Horas) AS SELECT E.nome, P.nome, horas FROM Empregado E, Projeto P, Alocação A WHERE E.matricula = A.matricula and P.codproj=A.codigop

47 STF Em uma consulta SQL, o operador DISTINCT irá remover todas as colunas duplicadas do conjunto que forma o resultado. ERRADO O operador DISTINCT remove linhas duplicadas do resultset

48 STF Apenas as operações union e intersect são disponibilizadas pela linguagem SQL para manipulação de conjuntos. ERRADO

49 Álgebra relacional - Operadores n Operadores adicionais q Summarize - Agrupa registros da relação em grupos (Group by) q Extend - Adiciona campos calculados a uma relação

50 STF Integridade referencial pode ser definida como uma condição imposta a um conjunto de atributos de uma relação para que valores que apareçam nesse conjunto também apareçam em um certo conjunto de atributos de uma outra relação. CERTO

51 Integridade Referencial n É uma regra de consistência de dados que é garantida pelo próprio SGBD. n Restrições de Integridade Básicas; q Integridade de Domínio; q Integridade de Vazio; q Integridade de Chave; q Integridade Referencial; q Integridade de Unicidade; n São garantidas automaticamente pelo SGBD Relacional. O programador não precisa implementá-las.

52 STF Chaves estrangeiras podem ser definidas como sendo um conjunto de atributos pertencentes a um esquema de relação que constituem chaves primárias ou candidatas em outros esquemas independentes. CERTO

53 Chave Estrangeira n Coluna ou combinação de colunas, cujos valores aparecem na chave primária (candidata) de uma tabela do banco. n Mecanismo que permite a implementação de relacionamentos em um banco de dados relacional.

54 STF Quando uma regra de integridade referencial é violada, o procedimento normal a ser adotado é rejeitar a ação que ocasionou essa violação. CERTO

55 STF Regras de datalog podem ser classificadas como sendo um tipo de gatilho (trigger) utilizado, geralmente, para o tratamento na definição de visões no banco de dados. ERRADO

56 STF Duas exigências devem ser satisfeitas para a definição de um mecanismo de gatilho: especificar as condições nas quais o gatilho deve ser executado; e especificar as ações que devem ser tomadas quando um gatilho for disparado. CERTO

57 STF A execução de transações de maneira concorrente possibilita o surgimento de inconsistências dos dados armazenados em um banco de dados. A responsabilidade pela consistência dos dados é única e exclusiva do banco de dados, mais especificamente, do componente de controle de concorrência. CERTO

58 STF O protocolo de falha do coordenador é executado em um sistema de banco de dados distribuídos quando um nó participante do sistema, por alguma razão, não recebe uma resposta do coordenador do sistema por determinado período de tempo. CERTO

59 STF Um dos problemas inerentes a uma arquitetura distribuída de banco de dados é o problema de tolerância a falhas, causado pelo fato de os dados estarem distribuídos entre os nós pertencentes ao banco distribuído. Entretanto, esse problema é resolvido mantendo-se uma cópia de cada dado pertencente ao banco em um único nó, conhecido como coordenador. ERRADO

60 Banco de Dados Distribuidos n Técnica do site primário (principal): q q q q q q q q Todas as cópias distintas dos itens de dados são mantidas no mesmo site; Um único site é designado coordenador; Todos os bloqueios são mantidos neste site; Todas as solicitações de bloqueio e desbloqueio são enviadas para este site; É uma extensão do bloqueio centralizado; Causa sobrecarga do site; Falha do site primário paralisa o sistema; Uma vez que uma transação obtenha um bloqueio em um item de dado no site primário, ela pode acessar qualquer cópia desse item de dado.

61 STF Em um sistema de banco de dados distribuídos, a comunicação entre nós pertencentes ao sistema é feita de maneira não-transparente para o usuário do banco. ERRADO

62 TST Acerca da modelagem de dados e projeto de aplicações e bancos de dados para ambiente relacional, julgue os próximos itens. 96 Uma chave primária é usada para identificar tuplas individuais em uma relação, não podendo ter o valor nulo. CERTO

63 TST Acerca da modelagem de dados e projeto de aplicações e bancos de dados para ambiente relacional, julgue os próximos itens. 97 O operador SELECT da álgebra relacional opera com uma relação de cada vez e resulta em uma relação com o mesmo grau da relação original. Questão Anulada Segundo o Cespe, porque não existe Select na álgebra relacional, o nome do operador seria Seleção (em inglês, select).

64 Álgebra relacional - Operadores n Operadores adicionais q Summarize - Agrupa registros da relação em grupos (Group by) q Extend - Adiciona campos calculados a uma relação

65 TST Acerca da modelagem de dados e projeto de aplicações e bancos de dados para ambiente relacional, julgue os próximos itens. 98 Duas relações de mesmo grau e com atributos correspondentes que pertencem ao mesmo domínio são compatíveis quanto à operação UNION. CERTO

66 TST Acerca da modelagem de dados e projeto de aplicações e bancos de dados para ambiente relacional, julgue os próximos itens. 99 A existência de uma tupla em uma relação que faz referência a uma tupla não-existente em outra relação constitui uma violação das restrições de chave da primeira relação. ERRADO Isso constitui uma violação das restrições de integridade referencial da relação.

67 TST Acerca da modelagem de dados e projeto de aplicações e bancos de dados para ambiente relacional, julgue os próximos itens. 100 No modelo entidade-relacionamento (ER), a modelagem analisa e representa os dados da aplicação de forma independente do processamento que transforma os dados. CERTO

68 STJ

69 STJ Segundo a figura I, para identificar uma entidade do tipo CRIANCA, é necessário identificar uma entidade do tipo HOSPEDE; para cada entidade do tipo HOTEL, o atributo NOME tem valor único; para cada entidade do tipo FUNCIONARIO, o atributo APELIDO pode ter um conjunto de valores. O atributo HORAS pode ser migrado para a entidade FUNCIONARIO. ERRADO O atributo NOME de HOTEL não tem valor único. O atributo HORAS descreve o relacionamento entre FUNCIONARIO e HOTEL. Ele não faz parte de FUNCIONARIO. 69

70 STJ Segundo a figura I, o número de horas que um funcionário trabalha em um hotel é determinado combinando-se entidades dos tipos HOTEL e FUNCIONARIO; uma entidade do tipo HOTEL pode estar associada a apenas uma entidade do tipo HOSPEDE; os valores do atributo NOME são distintos para cada entidade do tipo CRIANCA. ERRADO A entidade HOTEL pode estar associada a vários HOSPEDES 70

71 STJ A partir do modelo de entidades e relacionamentos e do esquema resumido do banco de dados relacional, é correto inferir que o esquema descreve incorretamente parte do projeto de um banco de dados para o modelo apresentado, uma vez que há atributos e entidades incorretamente mapeados para as relações. ERRADO

72 Modelo Entidade-Relacionamento n Entidades representam elementos (coisas) do mundo real q Para ser incluída no MER, uma entidade deve ser relevante para o objetivo do negócio e necessária para a sua operação. n Os relacionamentos entre entidades podem necessitar de atributos próprios, distintos daqueles existentes nas entidades q Nesse caso, ocorre a definição de uma entidade associativa vinculada ao relacionamento n Relação é o modelo formal para tabelas de um BD relacional (diferente de relacionamento, portanto)

73 Entidade Fraca n Uma entidade Fraca é uma entidade cuja existência depende de outra entidade e que herda a totalidade ou parte da sua chave primária q No Diagrama E-R representa -se uma entidade fraca como um retângulo com linha dupla

74 STJ A normalização é um processo no qual são analisados esquemas de relações, com base em dependências funcionais e chaves primárias, visando minimizar redundâncias e anomalias de inserção, exclusão e atualização. Na normalização, se ocorrer a decomposição de uma relação, cada dependência funcional existente antes da decomposição terá de ser representada em alguma relação existente depois da decomposição. CERTO

75 Normalização n n n Primeira Forma Normal q Uma relação está na primeira forma normal se todos os seus atributos são monovalorados e atômicos Segunda Forma Normal q Uma relação está na segunda forma normal quando duas condições são satisfeitas: n n a relação estiver na primeira forma normal todos os atributos primos dependerem funcionalmente de toda a chave primária Terceira Forma Normal q Uma relação está na terceira forma normal quando duas condições forem satisfeitas: n n a relação estiver na segunda forma normal todos os atributos primos dependerem não transitivamente de toda a chave primária

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios CESPE 2009/2010 Material preparado: Prof. Marcio Vitorino TCE/RN - 2009 Acerca das tecnologias de bancos de dados e de data warehouse, julgue os itens que se seguem.

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 Exercícios Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 1. A linguagem SQL apresenta uma série de comandos que permitem a definição dos dados, chamada de DDL (Data Definition Language). Assinale a alternativa

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language)

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language) Básico da Linguagem SQL Definição de Esquemas em SQL SQL(Structured Query Language) Desenvolvida como a linguagem de consulta do protótipo de SGBD Sistema R (IBM, 1976). Adotada como linguagem padrão de

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado DW OLAP BI Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Sumário OLAP Data Warehouse (DW/ETL) Modelagem Multidimensional Data Mining BI - Business

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL Banco de Dados Exercícios SQL 1 TRF (ESAF 2006) 32. Analise as seguintes afirmações relacionadas a Bancos de Dados e à linguagem SQL: I. A cláusula GROUP BY do comando SELECT é utilizada para dividir colunas

Leia mais

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3.

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3. Sumário Data Warehouse Modelagem Multidimensional. Data Mining BI - Business Inteligence. 1 2 Introdução Aplicações do negócio: constituem as aplicações que dão suporte ao dia a dia do negócio da empresa,

Leia mais

Todas as alterações feitas nos dados durante a transação são temporárias até que a transação seja submetida a commit.

Todas as alterações feitas nos dados durante a transação são temporárias até que a transação seja submetida a commit. A Instrução MERGE: Fornece a habilidade de atualizar ou inserir dados condicionalmente em uma tabela de banco de dados. Ela executa uma operação UPDATE se a linha existir ou uma operação INSERT se for

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

MSc. Daniele Carvalho Oliveira

MSc. Daniele Carvalho Oliveira MSc. Daniele Carvalho Oliveira AULA 2 Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE BANCO DE DADOS Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 3 Conceitos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação ão? Como um sistema de gerenciamento

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Parte V

Disciplina de Banco de Dados Parte V Disciplina de Banco de Dados Parte V Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Modelo de Dado Relacional O Modelo Relacional O Modelo ER é independente do SGDB portanto, deve ser o primeiro modelo gerado após

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

Data Warehouses. Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos

Data Warehouses. Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos Data Warehouses Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos Conceitos Básicos Data Warehouse(DW) Banco de Dados voltado para

Leia mais

Gerenciamento de um Sistema de

Gerenciamento de um Sistema de SBD Gerenciamento de um Sistema de Banco de Dados Prof. Michel Nobre Muza ua michel.muza@ifsc.edu.br Prof. Marcos Antonio Viana Nascimento Por que é importante: Motivação Participar na organização e no

Leia mais

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com SQL Prof. Márcio Bueno {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com Material dos professores Ana Carolina Salgado, Fernando Foncesa e Valéria Times (CIn/UFPE) SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Modelagem e Projeto de Banco de Dados Especialização em Tecnologia da Informação - Ênfases Março- 2009 1 Modelo Físico Introdução

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cláudio Luís V. Oliveira Janeiro de 2010 Definição "Um sistema cujo objetivo principal é gerenciar o acesso, a correta manutenção e a integridade dos

Leia mais

Banco de Dados I Ementa:

Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados Sistema Gerenciador de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados Etapas de Modelagem, Projeto e Implementação de BD O Administrador de Dados e o Administrador

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br Na última aula estudamos Unidade 4 - Projeto Lógico Normalização; Dicionário de Dados. Arquitetura

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

S Q L 31/03/2010. SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada

S Q L 31/03/2010. SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Apesar do QUERY no nome, não é apenas de consulta,

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

S Q L 15/01/2013. Enfoques de SQL. Enfoques de SQL SQL. Usos de SQL. SQL - Origem/Histórico. Gerenciamento de Dados e Informação

S Q L 15/01/2013. Enfoques de SQL. Enfoques de SQL SQL. Usos de SQL. SQL - Origem/Histórico. Gerenciamento de Dados e Informação Enfoques de SQL Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Valeria Times Bernadette Loscio Linguagem interativa de consulta (ad-hoc): usuários podem definir consultas independente

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

Sistema de Processamento de Arquivos

Sistema de Processamento de Arquivos Banco de Dados Banco de Dados; Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados; Modelo Entidade-Relacionamento; Banco de Dados Relacional; Banco de Dados Distribuído; Banco de Dados Federado; Projeto de Banco

Leia mais

Unidade III - BD Relacional

Unidade III - BD Relacional Structured Query Language (SQL) Conceitos Iniciais Álgebra Relacional - muito formal Cálculo Relacional de Tupla SEQUEL (Structured English QUEry Language) IBM - Sistema R SQL-86 SQL-92 SQL-3 102 Structured

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Modelo de dados do Data Warehouse

Modelo de dados do Data Warehouse Modelo de dados do Data Warehouse Ricardo Andreatto O modelo de dados tem um papel fundamental para o desenvolvimento interativo do data warehouse. Quando os esforços de desenvolvimentos são baseados em

Leia mais

Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01

Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01 Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01 1 1- Bancos de dados compreendem desde agendas telefônicas até sistemas computadorizados. (Sim) 2- Só podemos instalar o SQL Server Express se tivermos

Leia mais

Data Warehouses Uma Introdução

Data Warehouses Uma Introdução Data Warehouses Uma Introdução Alex dos Santos Vieira, Renaldy Pereira Sousa, Ronaldo Ribeiro Goldschmidt 1. Motivação e Conceitos Básicos Com o advento da globalização, a competitividade entre as empresas

Leia mais

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I Roteiro Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB. Disciplina: Banco de Dados Professora: Cheli Mendes Costa Modelo de Dados

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB. Disciplina: Banco de Dados Professora: Cheli Mendes Costa Modelo de Dados Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Banco de Dados Professora: Cheli Mendes Costa Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD. define um conjunto de conceitos para

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Introdução a Banco de Dados O modelo relacional Marta Mattoso Sumário Introdução Motivação Serviços de um SGBD O Modelo Relacional As aplicações não convencionais O Modelo Orientado a Objetos Considerações

Leia mais

Projeto e Implementação

Projeto e Implementação Felipe Nery Rodrigues Machado Banco de Dados Projeto e Implementação 2 Edição 4 Reimpressão São Paulo 2011 Editora Érica Ltda. 3 Projeto Sumário Capítulo 1 O Que É Projeto de Banco de Dados 15 Modelagem

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Banco de Dados. Um momento crucial na organização dos dados é a forma com que cadastramos estes dados, a estrutura de armazenamento que criamos.

Banco de Dados. Um momento crucial na organização dos dados é a forma com que cadastramos estes dados, a estrutura de armazenamento que criamos. Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Este assunto é muito vasto, tentaremos resumi-lo para atender as questões encontradas em concursos públicos. Já conhecemos o conceito de dado, ou seja, uma informação

Leia mais

FEAP - Faculdade de Estudos Avançados do Pará PROFª LENA VEIGA PROJETOS DE BANCO DE DADOS UNIDADE V- SQL

FEAP - Faculdade de Estudos Avançados do Pará PROFª LENA VEIGA PROJETOS DE BANCO DE DADOS UNIDADE V- SQL Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação. O Departamento de Pesquisas da IBM desenvolveu a SQL como forma de interface para

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

Modelando um Data Warehouse GRIMALDO OLIVEIRA

Modelando um Data Warehouse GRIMALDO OLIVEIRA Modelando um Data Warehouse GRIMALDO OLIVEIRA Sobre Grimaldo Grimaldo Oliveira grimaldo_lopes@hotmail.com Formação Mestre em Tecnologias Aplicadas a Educação pela Universidade do Estado da Bahia. Especialização

Leia mais

BANCO DE DADOS Parte 4

BANCO DE DADOS Parte 4 BANCO DE DADOS Parte 4 A Linguagem SQL Introdução Desenvolvida pelo depto de pesquisa da IBM na década de 1970 (System R) Linguagem padrão de BD Relacionais; Apresenta várias padrões evolutivos: SQL86,

Leia mais

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas:

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas: Álgebra Relacional Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída operação (REL 1 ) REL 2 operação (REL 1,REL 2 ) REL 3 Operações básicas: seleção projeção

Leia mais

Banco de Dados. Arquitetura e Terminologia. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. Arquitetura e Terminologia. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados Arquitetura e Terminologia Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Modelo de Dados e Esquemas O modelo de Banco de Dados é como um detalhamento

Leia mais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD define um conjunto de conceitos para a representação de dados exemplos: entidade, tabela, atributo,... existem modelos para diferentes níveis

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto OLPT x OLAP Roteiro OLTP Datawarehouse OLAP Operações OLAP Exemplo com Mondrian e Jpivot

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Banco de Dados Prof Dr Rogério Galante Negri Tradicionalmente O armazenamento dos dados utilizava arquivos individuais, sem nenhum relacionamento Cada programa utilizava seu próprio sistema de arquivo

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados INTRODUÇÃO Diferente de Bando de Dados 1 INTRODUÇÃO DADOS São fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado. Ex: venda de gasolina gera alguns dados: data da compra, preço, qtd.

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Manipulação de Dados Banco de Dados SQL DML SELECT... FROM... WHERE... lista atributos de uma ou mais tabelas de acordo com alguma condição INSERT INTO... insere dados em uma tabela DELETE

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

SQL S Q L. Introdução. Enfoques de SQL. SQL - Origem/Histórico. Usos de SQL. SQL - Vantagens. Banco de Dados. Fernando Fonseca Ana Carolina

SQL S Q L. Introdução. Enfoques de SQL. SQL - Origem/Histórico. Usos de SQL. SQL - Vantagens. Banco de Dados. Fernando Fonseca Ana Carolina Introdução Banco de Dados SQL Fernando Fonseca Ana Carolina SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Apesar do QUERY no nome, não é apenas de consulta, permitindo definição (DDL)

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional e as Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional Conceitos do Modelo Relacional Representa o banco de dados como uma coleção de relações. Comparação

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 04 SGBD Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Conceitos Básicos DADOS: são fatos em sua forma primária. Ex: nome do funcionário,

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS Esclarecimento Licenciamento de Uso Este documento é propriedade intelectual 2012 da NRSYSTEM COMÉRCIO E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA LTDA-ME, consiste de uma compilação de diversos materiais entre livros,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Modelo de Dados. Modelo para organização dos dados de um BD

Modelo de Dados. Modelo para organização dos dados de um BD Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD define um conjunto de conceitos para a representação de dados exemplos: entidade, tabela, atributo,... existem modelos para diferentes níveis

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER

EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER Gerenciando Tabelas: DDL - DATA DEFINITION LANGUAG Criando uma tabela: CREATE TABLE CLIENTES ID VARCHAR4 NOT NULL, NOME VARCHAR30 NOT NULL, PAGAMENTO DECIMAL4,2 NOT NULL;

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca dos conceitos básicos de gerenciamento de projetos e considerando o PMBOK, julgue os itens a seguir. 51 No gerenciamento de um projeto, deve-se utilizar não apenas as ferramentas

Leia mais

Conceitos básicos. Aplicações de banco de dados. Conceitos básicos (cont.) Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada.

Conceitos básicos. Aplicações de banco de dados. Conceitos básicos (cont.) Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada. Conceitos básicos Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br Conceitos introdutórios de Modelagem de dados Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada.

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) (Structured Query Language) I DDL (Definição de Esquemas Relacionais)... 2 I.2 Domínios... 2 I.3 Criação de Tabelas... 2 I.4 Triggers... 4 II DML Linguagem para manipulação de dados... 5 II.2 Comando SELECT...

Leia mais

Nessa reta final, nada como um resumão, não acham? Então vamos

Nessa reta final, nada como um resumão, não acham? Então vamos Ola amigos (as), a ele. Nessa reta final, nada como um resumão, não acham? Então vamos RESUMO Um Banco de dados é um conjunto de informações que guardam uma correlação de forma que criem um sentido. Os

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais