Checklist de divulgação: IFRS/CPC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Checklist de divulgação: IFRS/CPC - 2010"

Transcrição

1 Checklist de divulgação: IFRS/CPC

2 Checklist de divulgação: IFRS/CPC 2010 Introdução... 5 Estrutura do checklist de divulgação... 6 Formato do checklist de divulgação... 6 Seção A Divulgações aplicáveis às entidades A1 Divulgações gerais Divulgações gerais Moeda de apresentação e moeda funcional Outras divulgações A2 Políticas contábeis Divulgações gerais Políticas específicas Mudanças de política contábil A3 Demonstrações do resultado e do resultado abrangente e respectivas notas explicativas Divulgações gerais Itens individuais Imposto de renda Itens extraordinários A4 Demonstração das mutações do patrimônio líquido e respectivas notas explicativas Demonstração das mutações do patrimônio líquido Divulgações gerais A5 Balanço patrimonial e respectivas notas explicativas Divulgações gerais Incerteza de mensuração Imobilizado Propriedade para investimento Ativos intangíveis (excluindo ágio) Redução ao valor recuperável de ativos Coligadas Joint ventures Controladas Investimentos - ativos financeiros Estoques Contas a receber de clientes e outras contas a receber Impostos de renda Contas a pagar a fornecedores e outras contas a pagar Provisões Benefícios pós-emprego - planos de benefício definido Obrigações de arrendamento (leasing) Empréstimos e outros passivos Subvenções governamentais Transações com partes relacionadas Compromissos Contingências Eventos após o período de relatório

3 Checklist de divulgação: IFRS/CPC A6 Demonstração dos fluxos de caixa Apresentação geral Itens individuais Mutações nas participações em subsidiárias e outros negócios A7 Combinações de negócios e alienações Divulgações gerais Ajustes Período de mensuração Contraprestação contingente Passivos contingentes Ágio Avaliação dos efeitos financeiros de ganhos e perdas reconhecidos no período de relatório corrente Outras divulgações impactadas pela adoção antecipada do IFRS 3 - "Impostos de Renda" A8 Instrumentos financeiros Divulgações gerais Categorias de ativos financeiros e passivos financeiros Ativos financeiros ou passivos financeiros ao valor justo por meio do resultado Reclassificação Baixa Garantia Provisão para perdas de crédito Instrumentos financeiros compostos com múltiplos derivativos embutidos Inadimplências e violações Itens de receita, despesa, ganhos ou perdas Outras divulgações Natureza e extensão dos riscos decorrentes de instrumentos financeiros Divulgações qualitativas Divulgações quantitativas Divulgações de capital Garantias financeiras A9 Dividendos A10 A11 Seção B IFRIC 17 - "Distribuições de Ativos que Não Envolvem Caixa a Proprietários" Ativos não circulantes mantidos para venda e operações descontinuadas Divulgações aplicáveis a todas as entidades em situações específicas B1 Correção de erros de período comparativo B2 Relatório na moeda de uma economia hiperinflacionária B3 Incertezas sobre a continuidade operacional

4 Checklist de divulgação: IFRS/CPC 2010 B4 Desvio do IFRS B5 Mudança de encerramento de exercício B6 Controladora intermediária - demonstrações financeiras consolidadas não apresentadas B7 Pagamentos baseados em ações B8 Adoção inicial do IFRS Divulgações gerais Explicação da transição para o IFRS Designação de ativos financeiros ou passivos financeiros Utilização do valor justo como custo atribuído Seção C Divulgações para setores específicos C1 Contratos de construção C2 Ativo biológico Divulgações gerais Divulgações adicionais quando o valor justo de ativos biológicos não pode ser mensurado C3 Acordos de concessão de serviço público C4 Contabilização por um arrendador C5 Fundos de desativação, restauração e reabilitação ambiental Seção D Divulgações adicionais exigidas para companhias abertas D1 Segmentos operacionais Divulgações gerais Lucro ou prejuízo, ativos e passivos Explicação do lucro ou prejuízo do segmento, ativos e passivos do segmento Reconciliações Reapresentação de informações anteriormente reportadas Divulgações em toda a entidade Outras divulgações impactadas pela adoção antecipada do IFRS D2 Lucro por ação D3 Seção E Divulgações adicionais requeridas pelas normas brasileiras de contabilidade Divulgações adicionais exigidas de entidades que emitem contratos de seguro

5 Checklist de divulgação: IFRS/CPC 2010 Introdução Esta publicação leva em consideração as normas e interpretações a serem aplicadas para o exercício a encerrar em 31 de dezembro de O checklist não aborda as exigências de mensuração e reconhecimento do IFRS/CPC. Para isso, é necessária uma leitura completa das correspondentes normas e interpretações. Este checklist de divulgação não é aplicável a demonstrações financeiras intermediárias condensadas elaboradas de acordo com o IAS 34 - "Relatório Financeiro Intermediário". É possível que as normas e interpretações aplicáveis a demonstrações financeiras para períodos iniciados em 1 o de janeiro de 2010 possam ser alteradas. Quaisquer alterações e exigências adicionais precisarão ser consideradas ao elaborar demonstrações financeiras de acordo com o IFRS/CPC. Na Seção D3 - "Divulgações adicionais requeridas pelas normas brasileiras de contabilidade", inserimos as principais diferenças das normas brasileiras para as divulgações. É importante destacar que o objetivo dessa seção não é exaurir as diferenças, mas sim dar destaque aos assuntos que entendemos serem mais relevantes. Este checklist foi elaborado como referência geral e não deve substituir uma leitura das próprias normas, interpretações, leis e dos requerimentos específicos de órgãos reguladores, tampouco do julgamento profissional quanto à adequação da apresentação. Informações específicas adicionais podem ser exigidas para assegurar uma apresentação adequada de acordo com o IFRS/CPC dependendo das circunstâncias. Divulgações contábeis adicionais podem ser exigidas para cumprir normas de leis específicas e/ou o regulamento da bolsa de valores. 5

6 Checklist de divulgação: IFRS/CPC 2010 Estrutura do checklist de divulgação Seção A Seção B Seção C Seção D Seção E Divulgações aplicáveis às entidades Divulgações aplicáveis a todas as entidades em situações específicas Divulgações para setores específicos Divulgações adicionais exigidas para companhias abertas Divulgações adicionais exigidas de entidades que emitem contratos de seguro Formato do checklist de divulgação O checklist de divulgação é apresentado em um formato destinado a facilitar a obtenção e revisão de divulgações para cada componente das demonstrações financeiras. Todas as divulgações foram agrupadas por assunto, quando apropriado. As referências na margem esquerda do checklist representam os parágrafos das normas em que as exigências de divulgação aparecem - por exemplo, "8p40" indica IAS 8, parágrafo 40. A designação "DV" (divulgação voluntária) indica que o respectivo IFRS incentiva, mas não exige, a divulgação. Observações e explicações adicionais são apresentadas em itálico. A caixa na margem direita de cada página é destinada a auxiliar no preenchimento do checklist. Na caixa do lado esquerdo (intitulada ""), deve-se escolher uma das seguintes alternativas para cada item de divulgação:. S ("Sim") - a divulgação apropriada foi efetuada.. NA ("Não aplicável") - o item não é aplicável à entidade que relata.. NR ("Não relevante") - o item é considerado como não relevante às demonstrações financeiras da entidade reportada. A relevância é definida no IAS 1, parágrafo 11, e nos parágrafos 29 e 30 da Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação de Demonstrações Financeiras do IASB. O IAS 1, parágrafo 31, afirma que uma exigência de divulgação específica em uma norma ou em uma interpretação não precisa ser atendida se a informação não for relevante. A caixa do lado direito de cada página (intitulada "") pode ser utilizada para inserir uma referência à parte pertinente às demonstrações financeiras (por exemplo, Nota 7) para todos os itens assinalados com "S" na caixa do lado esquerdo. 6

7 Checklist de divulgação: IFRS/CPC 2010 Para facilitar a correlação das normas brasileiras com as internacionais, segue tabela das normas do IFRS para a dos CPCs. IASB Pronunciamento Técnico Framework CPC 00 Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Financeiras IAS 1 CPC 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis IAS 2 CPC 16 Estoques IAS 7 CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa IAS 8 CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro IAS 10 CPC 24 e Evento Subsequente ICPC 08 IAS 11 CPC 17 Contratos de Construção IAS 12 CPC 32 Tributos sobre o Lucro IAS 16 CPC 27 Ativo Imobilizado IAS 17 CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil IAS 18 e CPC 30 Receitas IFRIC 13 IAS 19 e CPC 33 Benefícios a Empregados IFRIC 14 IAS 20 CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais IAS 21 CPC 02 Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis IAS 23 CPC 20 Custos de Empréstimos IAS 24 CPC 05 Divulgação sobre Partes Relacionadas IAS 27 CPC 36 Demonstrações Consolidadas IAS 28 CPC 18 Investimento em Coligada e em Controlada IAS 31 CPC 19 Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) IAS 32 CPC 39 Instrumentos Financeiros: Apresentação IAS 33 CPC 41 Resultado por Ação IAS 34 e CPC 21 Demonstração Intermediária IFRIC 10 IAS 36 CPC 01 Redução ao Valor Recuperável de Ativos IAS 37 CPC 25 Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes IAS 38 CPC 04 Ativo Intangível IAS 39 (partes) CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários IAS 39 e CPC 38 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração IFRIC 9 IAS 40 CPC 28 Propriedade para Investimento IAS 41 CPC 29 Ativo Biológico e Produto Agrícola IFRS 1 CPC 37 Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 1 CPC 43 Adoção Inicial dos Pronunciamentos Técnicos CPC 15 a CPC 40 IFRS 2 CPC 10 Pagamento Baseado em Ações IFRS 3 CPC 15 Combinação de Negócios IFRS 4 CPC 11 Contratos de Seguro IFRS 5 CPC 31 Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada IFRS 7 CPC 40 Instrumentos Financeiros: Evidenciação IFRS 8 CPC 22 Informações por Segmento IFRS for CPC PME Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas SMEs - CPC 09 Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - CPC 12 Ajuste a Valor Presente 7

8 Checklist de divulgação: IFRS/CPC 2010 IASB Pronunciamento Técnico - CPC 13 Adoção Inicial da Lei n o /07 e da Medida Provisória n o 449/08 - CPC 35 Demonstrações Separadas IASB Interpretações Técnicas IFRIC 1 ICPC 12 Mudanças em Passivos por Desativação, Restauração e Outros Passivos Similares IFRIC 4, SIC ICPC 03 Aspectos Complementares das Operações de Arrendamento 15 e SIC 27 Mercantil IFRIC 5 ICPC 13 Direitos a Participações Decorrentes de Fundos de Desativação, Restauração e Reabilitação Ambiental IFRIC 8 ICPC 04 Alcance do Pronunciamento Técnico CPC 10 - "Pagamento Baseado em Ações" IFRIC 9 e IAS CPC 38 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração 39 IFRIC 10 e CPC 21 Demonstração Intermediária IAS 34 IFRIC 11 ICPC 05 Pronunciamento Técnico CPC 10 - "Pagamento Baseado em Ações" - Transações de Ações do Grupo e em Tesouraria IFRIC 12 ICPC 01 Contratos de Concessão IFRIC 13 e CPC 30 Receitas IAS 18 IFRIC 14 e CPC 33 Benefícios a Empregados IAS 19 IFRIC 15 ICPC 02 Contrato de Construção do Setor Imobiliário IFRIC 16 ICPC 06 Hedge de Investimento Líquido em uma Operação no Exterior IFRIC 17 ICPC 07 Distribuição de Lucros in Natura IFRIC 18 ICPC 11 Recebimento em Transferência de Ativos de Clientes - ICPC 09 Demonstrações Contábeis Individuais, Demonstrações Separadas, Demonstrações Consolidadas e Aplicação do Método de Equivalência Patrimonial - ICPC 10 Interpretação sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado e à Propriedade para Investimento dos Pronunciamentos Técnicos CPCs 27, 28, 37 e 43 IFRIC 12 ICPC 01 Contratos de Concessão IFRIC 15 ICPC 02 Contrato de Construção do Setor Imobiliário IFRIC 4, SIC ICPC 03 Aspectos Complementares das Operações de Arrendamento 15 e SIC 27 Mercantil IFRIC 8 ICPC 04 Alcance do Pronunciamento Técnico CPC 10 - "Pagamento Baseado em Ações" IFRIC 11 ICPC 05 Pronunciamento Técnico CPC 10 - "Pagamento Baseado em Ações" - Transações de Ações do Grupo e em Tesouraria IFRIC 16 ICPC 06 Hedge de Investimento Líquido em uma Operação no Exterior IFRIC 17 ICPC 07 Distribuição de Lucros in Natura IAS 10 ICPC 08 Contabilização da Proposta de Pagamento de Dividendos - ICPC 09 Demonstrações Contábeis Individuais, Demonstrações Separadas, Demonstrações Consolidadas e Aplicação do Método de Equivalência Patrimonial - ICPC 10 Interpretação sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado e à Propriedade para Investimento dos Pronunciamentos Técnicos CPCs 27, 28, 37 e 43 8

9 Checklist de divulgação: IFRS/CPC 2010 IASB Interpretações Técnicas IFRIC 18 ICPC 11 Recebimento em Transferência de Ativos de Clientes IFRIC 1 ICPC 12 Mudanças em Passivos por Desativação, Restauração e Outros Passivos Similares IFRIC 5 ICPC 13 Direitos a Participações Decorrentes de Fundos de Desativação, Restauração e Reabilitação Ambiental IFRIC 6 ICPC 15 Passivo Decorrente de Participação em Mercado Específico - Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos 9

10 Checklist de divulgação: IFRS/CPC 2010 Seção A Divulgações aplicáveis às entidades Seção A Divulgações aplicáveis às entidades 10

11 Checklist de divulgação: IFRS/CPC Seção A1 A1 Divulgações gerais 1p15 1. Divulgações gerais 1. As demonstrações financeiras apresentam adequadamente a posição financeira, o desempenho financeiro e os fluxos de caixa de uma entidade. A apresentação adequada exige a representação fiel dos efeitos de transações, outros eventos e condições, de acordo com as definições e os critérios de reconhecimento para ativos, passivos, receitas e despesas definidos na "Estrutura Conceitual para Elaboração e Apresentação de Demonstrações Financeiras" (Estrutura Conceitual). Presume-se que a aplicação dos IFRS/CPCs, com divulgação adicional quando necessário, resulte em uma apresentação adequada das demonstrações financeiras. Seção A1 Divulgações gerais 1p27 1p10(a), (b), (c), (d), (e), (f) 1p12 1p10(f) 1p11 1p29 1p32 1p16 Uma entidade elabora suas demonstrações financeiras, exceto as informações de fluxos de caixa, utilizando a contabilização pelo regime de competência. 2. Inclua as seguintes demonstrações financeiras: (a) Demonstração da posição financeira (balanço patrimonial) no fim do período. (b) Demonstração do resultado abrangente para o período. (c) Demonstração do resultado separada para o período (se apresentada como uma demonstração separada). (d) Demonstração das mutações do patrimônio líquido para o período. (e) Demonstração dos fluxos de caixa para o período. (f) Notas explicativas, incluindo um resumo das principais políticas contábeis e outras informações explicativas. Quando uma demonstração do resultado separada é apresentada (como é o caso no Brasil), deve constar imediatamente antes da demonstração do resultado abrangente. 3. Quando uma entidade aplica uma política contábil retrospectivamente, efetua uma reapresentação retrospectiva dos itens ou os reclassifica em suas demonstrações financeiras. Inclua uma demonstração da posição financeira no início do período comparativo mais antigo. 4. Apresente todas as demonstrações financeiras com igual importância. 5. Apresente separadamente cada classe relevante de itens similares. Apresente separadamente itens de natureza ou função diferente, exceto se não forem relevantes. 6. Ativos e passivos ou receitas e despesas não são compensados, exceto se exigidos ou permitidos por algum IFRS. 7. Divulgue nas notas explicativas que as demonstrações financeiras estão em conformidade com o IFRS. As demonstrações financeiras não devem ser descritas como estando em conformidade com o IFRS, a menos que cumpram todas as exigências do IFRS. 1p49 1p51 8. As demonstrações financeiras devem ser claramente identificadas e distinguidas de outras informações no mesmo documento publicado. 9. Identifique claramente cada demonstração financeira e as notas explicativas. 11

12 Checklist de divulgação: IFRS/CPC Seção A1 1p51(a), (c), (d), (e) 10. Apresente as seguintes informações de forma clara e repita-as quando necessário para que as informações apresentadas sejam compreendidas: (a) O nome da entidade que reporta ou outros meios de identificação e qualquer mudança nessas informações desde a data de encerramento do período comparativo. (b) Se as demonstrações financeiras são para uma entidade individual ou para um grupo de entidades. (c) A data do encerramento do período corrente ou o período coberto pelas demonstrações financeiras e pelas notas explicativas. (d) A moeda de apresentação (definida no IAS 21). (e) O nível de arredondamento utilizado na apresentação dos valores nas demonstrações financeiras. Seção A1 Divulgações gerais 1p31 1p36 (a), (b) 10p17 21p53 21p54 21p55 21p56 Uma entidade não precisa fornecer uma divulgação específica exigida por algum IFRS se a informação não for relevante. 11. Quando uma entidade alterar o fim de seu período de relatório e elaborar demonstrações financeiras para um período inferior ou superior a um ano, divulgue: (a) o período coberto pelas demonstrações financeiras; (b) a razão para utilizar um período maior ou menor; e (c) o fato de que os valores apresentados nas demonstrações financeiras não são totalmente comparáveis. 12. Inclua o seguinte nas notas explicativas às demonstrações financeiras: (a) A data em que a emissão das demonstrações financeiras foi autorizada. (b) O órgão que concedeu essa autorização. (c) Se os proprietários da entidade ou outros têm o poder de alterar as demonstrações financeiras após a emissão. 2. Moeda de apresentação e moeda funcional 1. Quando a moeda de apresentação for diferente da moeda funcional, divulgue esse fato com a publicação da moeda funcional e da razão da utilização de uma moeda de apresentação diferente. 2. Quando há uma mudança na moeda funcional da entidade que reporta ou de uma operação significativa no exterior, divulgue esse fato e a razão da mudança na moeda funcional. 3. Se as demonstrações financeiras são apresentadas em uma moeda diferente da moeda funcional, descreva as demonstrações financeiras como estando em conformidade com o IFRS apenas se cumprirem todas as exigências de cada norma e de cada interpretação aplicáveis, incluindo o método de conversão definido no IAS 21, parágrafos 39 e Às vezes, uma entidade apresenta suas demonstrações financeiras ou outras informações financeiras em uma moeda que não é a sua moeda funcional sem aplicar os métodos de conversão definidos no IAS 21, parágrafos 39 e 42. Por exemplo, uma entidade pode converter apenas os itens selecionados de suas demonstrações financeiras para outra moeda, ou uma entidade cuja moeda funcional não seja a moeda de uma economia hiperinflacionária pode converter as demonstrações financeiras para outra moeda, convertendo todos os itens à taxa de fechamento mais recente. Essas conversões não estão de acordo com o IFRS, e as divulgações definidas no IAS 21, parágrafo 57, são exigidas (vide adiante). 12

13 Checklist de divulgação: IFRS/CPC Seção A1 21p57 1p112(a), (b), (c) 5. Se as demonstrações financeiras ou outras informações financeiras são apresentadas em uma moeda diferente da moeda funcional ou da moeda de apresentação sem aplicar os métodos de conversão definidos no IAS 21, parágrafos 39 e 42: (a) identifique claramente as informações como suplementares para distingui-las das que estão em conformidade com o IFRS. 3. Outras divulgações 1. Divulgue nas notas explicativas: (a) as informações sobre a base de elaboração das demonstrações financeiras e as políticas contábeis específicas utilizadas; (b) as informações exigidas pelos IFRS que não são apresentadas em nenhum outro lugar nas demonstrações financeiras; e (c) as informações que não são apresentadas em nenhum outro lugar, mas que são relevantes para uma compreensão das demonstrações financeiras. Seção A1 Divulgações gerais 1p113 As notas explicativas são fornecidas de forma sistemática, quando praticável, com cada item com referência cruzada no balanço patrimonial e na demonstração do resultado abrangente, na demonstração do resultado separada (se apresentada) e nas demonstrações das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa a quaisquer respectivas informações nas notas explicativas. 1p114, 115 As notas explicativas são normalmente apresentadas na seguinte ordem para ajudar os usuários a compreenderem as demonstrações financeiras e a compará-las com as demonstrações financeiras de outras entidades (exceto se for considerado necessário ou desejável variar a ordem): 1p114(a) (a) Declaração de conformidade com os IFRS (vide o IAS 1.16). 1p114(b) (b) Resumo das principais políticas contábeis aplicadas (vide o IAS 1.117). 1p114(c) (c) Informações-suporte para itens apresentados no balanço patrimonial, na demonstração do resultado abrangente, na demonstração do resultado separada (se apresentada) e nas demonstrações das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa, na ordem em que cada demonstração e cada rubrica são apresentadas. 1p114(d) (d) Outras divulgações, incluindo: (i) passivos contingentes (vide o IAS 37) e compromissos contratuais não reconhecidos; (ii) divulgações não financeiras (vide o IFRS 7). 1p116 1p17(c) 1p38 1p39 Notas explicativas, fornecendo informações sobre a base de elaboração das demonstrações financeiras e políticas contábeis específicas, podem ser apresentadas como uma seção separada das demonstrações financeiras. Forneça divulgações adicionais quando o cumprimento de exigências específicas nos IFRS for insuficiente para permitir que os usuários compreendam o impacto de transações específicas, outros eventos e condições sobre a posição financeira e o desempenho financeiro da entidade. 2. Divulgue informações comparativas em relação ao período comparativo para todos os valores apresentados nas demonstrações financeiras do período corrente, exceto quando os IFRS permitirem ou exigirem de outro modo. Isso inclui informações comparativas tanto para informações narrativas quanto para informações descritivas quando forem pertinentes para a compreensão das demonstrações financeiras do período corrente. 3. Uma entidade que divulga informações comparativas apresenta, no mínimo, dois balanços patrimoniais, duas de cada uma das outras demonstrações e as 13

14 Checklist de divulgação: IFRS/CPC Seção A1 1p41(a), (b), (c) respectivas notas explicativas. Quando uma entidade aplica uma política contábil retrospectivamente ou efetua uma reapresentação retrospectiva dos itens em suas demonstrações financeiras, ela apresenta, no mínimo, três balanços patrimoniais, duas de cada uma das outras demonstrações e as respectivas notas explicativas. Uma entidade apresenta balanços patrimoniais: (a) no fim do período corrente; (b) no fim do período comparativo (que é o mesmo que o início do período corrente); e (c) no início do período comparativo mais antigo. 4. Quando uma entidade tiver reclassificado valores comparativos por causa de uma mudança na apresentação ou classificação de itens em suas demonstrações financeiras, divulgue: (a) a natureza da reclassificação; (b) o valor de cada item ou classe de item que é reclassificado; e (c) a razão da reclassificação. Seção A1 Divulgações gerais 1p42 1p45 1p138(a), (b), (c), (d) 24p12 24p12 24p12 DV IFRS6p24(b) Quando uma entidade mudar a apresentação ou classificação de itens em suas demonstrações financeiras, reclassifique os valores comparativos, a menos que a reclassificação seja impraticável. 5. Quando uma entidade mudar a apresentação ou classificação de itens, mas for impraticável reclassificar os valores comparativos, divulgue: (a) a razão para não reclassificar os valores; e (b) a natureza dos ajustes que teriam sido feitos se os valores tivessem sido reclassificados. 6. Mantenha a apresentação e classificação de itens nas demonstrações financeiras de um período a outro, exceto se: (a) for aparente, após uma mudança significativa na natureza das operações da entidade ou após uma revisão de suas demonstrações financeiras, que outra apresentação ou classificação seria mais apropriada, considerando os critérios para a escolha e aplicação das políticas contábeis; ou (b) um IFRS exigir uma mudança na apresentação. 7. Divulgue o seguinte: (a) O domicílio e a natureza jurídica da entidade, o país em que ela está constituída e o endereço de sua sede registrada (ou sede principal de negócios, se diferente da sede registrada). (b) Uma descrição da natureza das operações da entidade e suas principais atividades. (c) O nome da entidade controladora direta e, se for diferente, da parte controladora final do grupo. (d) Nome da controladora intermediária (ou outro acionista controlador). (e) Se a entidade controladora direta e a parte controladora final não elaborarem demonstrações contábeis disponíveis para uso público; o nome da controladora do nível seguinte, se houver, também deve ser divulgado. Se nem a controladora nem a controladora final apresentam demonstrações financeiras disponíveis para uso público, divulgue o nome da controladora principal mais próxima que as apresente. 8. As entidades podem apresentar fora das demonstrações financeiras uma revisão financeira da administração que descreve e explica as principais características do desempenho financeiro e da posição financeira da entidade e as principais incertezas que ela enfrenta. Consulte a Seção F. 9. Entidades com atividades de exploração e avaliação divulgam os valores de ativos, passivos, receita e despesa e fluxos de caixa de atividades operacionais e de investimento provenientes da exploração e avaliação de recursos minerais. 14

15 Checklist de divulgação: IFRS/CPC Seção A2 A2 Políticas contábeis 1p117(a), (b) 1p22 1. Divulgações gerais 1. Divulgue no resumo das principais políticas contábeis: (a) a base (ou as bases) de mensuração utilizada(s) na elaboração das demonstrações financeiras; e (b) outras políticas contábeis utilizadas que sejam relevantes para uma compreensão das demonstrações financeiras. 2. Divulgue, no resumo das principais políticas contábeis ou em outras notas explicativas, os julgamentos separadamente daqueles envolvendo estimativas que a administração efetuou ao aplicar as políticas contábeis da entidade e que têm o impacto mais significativo sobre os valores reconhecidos nas demonstrações financeiras. Seção A2 Políticas contábeis 1p125(a), (b) 1p Divulgue informações sobre as premissas feitas sobre o futuro e outras principais formas de incerteza de estimativa no encerramento do período corrente que têm um risco significativo de resultar em ajustes relevantes nos valores contábeis de ativos e passivos no próximo exercício financeiro. Em relação a esses ativos e passivos, divulgue: (a) sua natureza; e (b) seu valor contábil no fim do período. Exemplos dos tipos de divulgações que uma entidade efetua são: (a) a natureza da premissa ou outra incerteza de estimativa; (b) a sensibilidade dos valores contábeis aos métodos e as premissas e estimativas subjacentes ao seu cálculo, inclusive as razões da sensibilidade; (c) a resolução esperada de uma incerteza e o intervalo de resultados razoavelmente possíveis no próximo exercício financeiro em relação aos valores contábeis dos ativos e passivos afetados; e (d) uma explicação das mudanças feitas em premissas passadas em relação a esses ativos e passivos, se a incerteza permanecer não resolvida. 1p131 27p28 28p26 31p33 8p28 1p18 Quando for impraticável divulgar a extensão dos possíveis efeitos de uma premissa ou outra fonte de incerteza de estimativa no encerramento do período corrente, divulgue que: (a) é razoavelmente possível, com base no conhecimento existente, que os resultados no próximo exercício financeiro que forem diferentes da premissa poderão exigir um ajuste relevante no valor contábil do ativo ou passivo afetados; e (b) a natureza e o valor contábil do ativo ou passivo específico (ou classe de ativos ou passivos) afetados pela premissa. 4. Nas demonstrações financeiras consolidadas, os resultados de todas as controladas, coligadas ou joint ventures devem ser consolidados, contabilizados pelo método de equivalência patrimonial ou consolidados proporcionalmente, conforme aplicável, utilizando políticas contábeis uniformes para transações e outros eventos similares em circunstâncias similares. 5. De acordo com as disposições transitórias de cada norma, divulgue se quaisquer normas foram adotadas pela entidade que reporta antes da data de vigência. 6. Políticas contábeis inapropriadas não são retificadas por meio divulgação das políticas contábeis utilizadas ou mediante notas explicativas ou outros materiais explicativos. 15

16 Checklist de divulgação: IFRS/CPC Seção A2 1p119 1p119 31p57 1p Políticas específicas A divulgação das seguintes políticas contábeis é exigida: 1. Princípios de consolidação, incluindo a contabilização de: (a) controladas; e (b) coligadas. 2. Combinações de negócios. 3. Joint ventures, incluindo o método que o empreendedor utiliza para reconhecer suas participações em entidades controladas em conjunto. 4. Transações e conversão em moeda estrangeira. Seção A2 Políticas contábeis 16p73 (a)-(c) 40p75 (a)-(e) 1p119 38p118(a) 38p118(a), (b) 38p108 1p119 1p119, 23p9, p29(a) 5. Imobilizado - para cada classe: (a) base de mensuração (por exemplo, custo menos depreciação acumulada e perdas por redução ao valor recuperável); (b) método de depreciação (por exemplo, o método linear); e (c) as vidas úteis ou as taxas de depreciação utilizadas. 6. Propriedade para investimento. Divulgue: (a) se a entidade aplica o modelo de valor justo ou o modelo de custo; (b) se ela aplica o modelo de valor justo, se, e em quais circunstâncias, as participações em propriedade detidas sob arrendamentos (leasing) operacionais são classificadas e contabilizadas como propriedade para investimento; (c) quando a classificação for difícil, os critérios que a entidade utiliza para distinguir propriedade para investimento de propriedade ocupada pelo proprietário e de propriedade mantida para venda no curso normal dos negócios; (d) os métodos e as premissas significativas aplicados ao determinar o valor justo da propriedade para investimento, inclusive uma declaração sobre se a determinação do valor justo estava amparada por evidência de mercado ou estava mais baseada em outros fatores (que devem ser divulgados) por causa da natureza da propriedade e da falta de dados de mercado comparáveis; e (e) a extensão em que o valor justo da propriedade para investimento (como mensurado ou divulgado nas demonstrações financeiras) é baseado em uma avaliação por um avaliador independente que tem uma qualificação profissional reconhecida e relevante e que tem experiência recente na localização e categoria da propriedade para investimento sendo avaliada. 7. Outros ativos intangíveis. Divulgue, para cada classe (distinguindo entre ativos gerados internamente e ativos adquiridos): (a) tratamento contábil (custo menos amortização ou, em casos muito raros, reavaliação menos amortização subsequente); (b) se as vidas úteis são indefinidas ou definidas; (c) para ativos intangíveis com vidas úteis definidas, o período de amortização e os métodos de amortização utilizados (por exemplo, o método linear); e (d) para ativos intangíveis com vidas úteis indefinidas, que eles foram testados pelo menos anualmente quanto à redução ao valor recuperável e também quando há uma indicação de que o ativo intangível possa estar com problema de redução ao valor recuperável. 8. Tratamento de custos de pesquisa e base para a capitalização de custos de desenvolvimento e custos de desenvolvimento de website. 9. Custos de empréstimos (por exemplo, lançados como despesas ou capitalizados como parte de um ativo elegível). 16

POSIÇÃO ATUAL DOS PRONUNCIAMENTOS, INTERPRETAÇÕES E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS

POSIÇÃO ATUAL DOS PRONUNCIAMENTOS, INTERPRETAÇÕES E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS POSIÇÃO ATUAL DOS PRONUNCIAMENTOS, INTERPRETAÇÕES E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC 00 CPC 01 CPC 02 CPC 03 CPC 04 CPC 05 CPC 06 CPC 07 CPC 08 EMITIDOS Pronunciamento Técnico

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010 Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010 Equipe técnica Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Ed Ruiz Rogério Mota Emerson Ferreira Jonas Dal

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009 Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009 2 Demonstrações financeiras para o exercício findo em 31 de dezembro de 2009 As demonstrações financeiras, modelo

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) Investimento em Coligada, em Controlada e em Empreendimento Controlado em Conjunto Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS)

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) Miguel Silva RTD REGIME TRIBUTÁRIO DEFINITIVO (Vigência e Opção pela Antecipação de seus Efeitos) 1 Para efeito de determinação do IRPJ, CSLL, PIS-PASEP e

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 (IASB) (parte) Descrição Item Objetivo 1 Alcance e Finalidade

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 40. Instrumentos Financeiros: Evidenciação

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 40. Instrumentos Financeiros: Evidenciação COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 40 Instrumentos Financeiros: Evidenciação Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 7 Índice Item OBJETIVO 1 2 ALCANCE 3 5

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2013

Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2013 Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2013 Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 12 (IASB - BV 2012) Índice Item

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.198/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.198/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 19.34 para NBC TG 40 e de outras normas citadas: de NBC T 17 para NBC TG 05; de NBC T 7 para NBC TG 02; de NBC T 19.11

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

AUDIT. Modelo ABC. Demonstrações financeiras ilustrativas: Adoção inicial. kpmg.com.br. Dezembro de 2010

AUDIT. Modelo ABC. Demonstrações financeiras ilustrativas: Adoção inicial. kpmg.com.br. Dezembro de 2010 AUDIT Modelo ABC Demonstrações financeiras ilustrativas: Adoção inicial kpmg.com.br Dezembro de 2010. Modelo ABC - Demonstrações financeiras ilustrativas: Adoção inicial 1 Sobre a publicação Conteúdo

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009 Prazo: 15 de junho de 2009 A Comissão de Valores Mobiliários CVM, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), submete à Audiência Pública, nos termos do art. 8º, 3º, I, da Lei nº 6.385,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 01 (R1) Redução ao Valor Recuperável de Ativos

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 01 (R1) Redução ao Valor Recuperável de Ativos COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 01 (R1) Redução ao Valor Recuperável de Ativos Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 36 (BV2010) Sumário OBJETIVO 1 Item

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT CPC 15 Combinações de Negócios Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT Agenda Introdução e Objetivos Alcance Definições e Escopo Tipos de Aquisições Aplicação do Método de Aquisição Ativos e Passivos

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

Demonstrações financeiras Exercício de 2013 O aperfeiçoamento das regras contábeis brasileiras

Demonstrações financeiras Exercício de 2013 O aperfeiçoamento das regras contábeis brasileiras Demonstrações financeiras Exercício de 2013 O aperfeiçoamento das regras contábeis brasileiras Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br e por meio do aplicativo Deloitte Publicações, disponível

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 (R1) Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 (R1) Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 (R1) Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 (IASB BV 2011) Índice OBJETIVO 1 ALCANCE 2 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

Checklist de divulgação dos CPCs e IFRSs 2014

Checklist de divulgação dos CPCs e IFRSs 2014 AUDIT Checklist de divulgação dos CPCs e IFRSs 2014 Departamento de Práticas Profissionais (DPP) kpmg.com/br Janeiro de 2015 Sobre esta publicação Este Checklist de Divulgação dos CPCs e IFRSs foi elaborado

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2014

Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2014 Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2014 Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 (R1) Apresentação das Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 (R1) Apresentação das Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 (R1) Apresentação das Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 (IASB BV 2011) Índice PRONUNCIAMENTO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 03. Aspectos Complementares das Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 03. Aspectos Complementares das Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 03 Aspectos Complementares das Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRIC 4, SIC 15 e

Leia mais

Exercício 2008. Checklist para elaboração de demonstrações financeiras

Exercício 2008. Checklist para elaboração de demonstrações financeiras Exercício 2008 Checklist para elaboração de demonstrações financeiras 2 Checklist De acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil Este checklist foi desenvolvido com a finalidade de auxiliar na

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 36. Demonstrações Consolidadas

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 36. Demonstrações Consolidadas COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 36 Demonstrações Consolidadas Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 27 Índice Item ALCANCE 1 3 DEFINIÇÕES 4 8 APRESENTAÇÃO

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 16 / 2008. Prazo: 4 de dezembro de 2008

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 16 / 2008. Prazo: 4 de dezembro de 2008 EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 16 / 2008 Prazo: 4 de dezembro de 2008 A Comissão de Valores Mobiliários CVM submete, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), à Audiência Pública,

Leia mais

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 José Félix de Souza Júnior Objetivo e Alcance Deve ser aplicado na contabilização e na divulgação de subvenção governamental

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Adoção Inicial da Lei n o 11.638/07 e da Medida Provisória n o 449/08 Observação: Este sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS. Banco Santander (Brasil) S.A.

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS. Banco Santander (Brasil) S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS Banco Santander (Brasil) S.A. 31 de Dezembro de 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS ÍNDICE

Leia mais

Checklist Apresentação e Divulgação IFRS e BR GAAP 2014. Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br

Checklist Apresentação e Divulgação IFRS e BR GAAP 2014. Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br Checklist Apresentação e Divulgação IFRS e BR GAAP 2014 Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

ABC Aberta S.A. www.pwc.com.br

ABC Aberta S.A. www.pwc.com.br www.pwc.com.br ABC Aberta S.A. Demonstrações financeiras ilustrativas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2014 Demonstrações financeiras ilustrativas

Leia mais

Parque Eólico Assuruá VII. Relatório dos Auditores Independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014

Parque Eólico Assuruá VII. Relatório dos Auditores Independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 Parque Eólico Assuruá VII Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 Parque Eólico Assuruá VII Demonstrações contábeis Referentes aos exercícios findos em 31

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (DMPL)

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (DMPL) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO Prof. Emanoel Truta Conceito É uma demonstração contábil que visa evidenciar as variações ocorridas em todas as contas que compõem o Patrimônio

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre

Leia mais

BR GAAP vs. IFRS. Visão Geral. Junho de 2009

BR GAAP vs. IFRS. Visão Geral. Junho de 2009 BR GAAP vs. IFRS Visão Geral Junho de 2009 Índice Introdução 4 Normas convergidas CPC 01 - Redução ao Valor Recuperável de Ativos CPC 02 - Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

Pontuação homologada para o PEPC - 2014

Pontuação homologada para o PEPC - 2014 100 PORCENTO AUDIT 100 PORCENTO AUDIT AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL

Leia mais

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 13. Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória n o 449/08

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 13. Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória n o 449/08 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 13 Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória n o 449/08 Índice Itens Introdução 1 4 Objetivo 5 6 Alcance 7 9 Práticas contábeis

Leia mais

Comparações entre Práticas Contábeis

Comparações entre Práticas Contábeis IAS 12, SIC-21, SIC-25 SFAS 109, I27, muitas questões EITF NPC 25 do Ibracon, Deliberação CVM 273/98 e Instrução CVM 371/02 Pontos-chave para comparar diferenças D i f e r e n ç a s S i g n i f i c a t

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB CURSO DE PÓS-MBA Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB Código no SIGA: PMBACBIC09/00 Coordenação Acadêmica

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 24/2009 Prazo: 25 de setembro de 2009 PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 40 INSTRUMENTOS FINANCEIROS: EVIDENCIAÇÃO

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 24/2009 Prazo: 25 de setembro de 2009 PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 40 INSTRUMENTOS FINANCEIROS: EVIDENCIAÇÃO Prazo: 25 de setembro de 2009 PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 40 INSTRUMENTOS FINANCEIROS: EVIDENCIAÇÃO A Comissão de Valores Mobiliários CVM, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), submete

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

IFRS para PMEs: Seção 35 Adoção Inicial

IFRS para PMEs: Seção 35 Adoção Inicial Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

Officer Distribuidora de Produtos de Informática S.A.

Officer Distribuidora de Produtos de Informática S.A. Officer Distribuidora de Produtos de Informática S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Aplicação 1 - As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance 1. Uma entidade que prepare e apresente demonstrações contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma na contabilização

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 (R1) Apresentação das Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 (R1) Apresentação das Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 (R1) Apresentação das Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 (IASB BV 2011) Índice PRONUNCIAMENTO

Leia mais

Lorenge S.A. Participações

Lorenge S.A. Participações Lorenge S.A. Participações Demonstrações Financeiras referente ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Deloitte

Leia mais

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

Art. 1º Aprovar a NBC TG 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa que tem por base o Pronunciamento Técnico CPC 03 (R2) (IAS 7 do IASB).

Art. 1º Aprovar a NBC TG 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa que tem por base o Pronunciamento Técnico CPC 03 (R2) (IAS 7 do IASB). A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 3.8 para NBC TG 03 e de outras normas citadas: de NBC T 7 para NBC TG 02; de NBC T 19.11 para NBC TG 23; de NBC T 19.36 para

Leia mais

Patrimônio Líquido. Políticas Contábeis, Mudanças de Estimativas e Retificação de Erro. Agosto 2012. Elaborado por:

Patrimônio Líquido. Políticas Contábeis, Mudanças de Estimativas e Retificação de Erro. Agosto 2012. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas

Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas 31 de dezembro de 2012 com o Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Demonstrações contábeis 31 de dezembro

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 (R1) Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 (R1) Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 (R1) Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (BV2010) Índice Item ALCANCE 1

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1) Demonstrações Contábeis Individuais, Demonstrações Separadas, Demonstrações Consolidadas e Aplicação do Método de Equivalência Patrimonial

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.255/09 Aprova a NBC T 19.41 Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (BV2010) Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE

Leia mais

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS, em 31 de dezembro de 2013 e Relatório dos

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

NBC TSP 7 - Investimento em Coligada e em Controlada. Alcance

NBC TSP 7 - Investimento em Coligada e em Controlada. Alcance NBC TSP 7 - Investimento em Coligada e em Controlada Alcance 1. Uma entidade que elabora e apresenta demonstrações contábeis segundo o regime de competência deve aplicar esta Norma na contabilização dos

Leia mais

GRUPO VIRGOLINO DE OLIVEIRA AGROPECUÁRIA NOSSA SENHORA DO CARMO S.A.

GRUPO VIRGOLINO DE OLIVEIRA AGROPECUÁRIA NOSSA SENHORA DO CARMO S.A. GRUPO VIRGOLINO DE OLIVEIRA AGROPECUÁRIA NOSSA SENHORA DO CARMO S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS INDIVIDUAIS E CONSOLIDADAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 30 DE ABRIL DE 2010 E 2009 E PARECER DOS AUDITORES

Leia mais

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2)

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Deliberação CVM nº 640, de 7 de outubro de 2010 (Pág. 57) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre efeitos das mudanças

Leia mais

Conta Descrição (em R$ mil) 31/03/2011 31/12/2010. 1 Ativo Total 13.623.774 13.422.948. 1.01 Ativo Circulante 1.403.533 1.180.328

Conta Descrição (em R$ mil) 31/03/2011 31/12/2010. 1 Ativo Total 13.623.774 13.422.948. 1.01 Ativo Circulante 1.403.533 1.180.328 Conta Descrição (em R$ mil) /0/0 //00 Ativo Total.6.77..98.0 Ativo Circulante.0.5.80.8.0.0 Caixa e Equivalentes de Caixa 69.7 8.657.0.0.0 Bens Numerários.0 05.0.0.0 Depósitos Bancários.07.57.0.0.0 Aplicações

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORÍA, DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO DA TELEFONICA, S.A. CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2009

RELATÓRIO DE AUDITORÍA, DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO DA TELEFONICA, S.A. CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2009 RELATÓRIO DE AUDITORÍA, DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO DA TELEFONICA, S.A. CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2009 TELEFÓNICA, S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO CORRESPONDENTES

Leia mais

RBS Participações S.A. e empresas controladas

RBS Participações S.A. e empresas controladas Demonstrações consolidadas do resultado Exercícios findos em 31 de dezembro Em milhares de reais, exceto valor por ação (Tradução livre do original em inglês) Nota 2014 2013 Receita líquida 18 (a) 487.758

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 Pronunciamento CPC 013 Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória no 449/08 Antônio Carlos Palácios Vice-Presidente

Leia mais

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs 1 Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs Seção 35 - Adoção inicial (AI) 2 Primeiro conjunto de demonstrações contábeis no qual a entidade faz

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes... 3. Relatório do Comitê de Auditoria... 4. Demonstração Consolidada do Resultado... 5

Relatório dos Auditores Independentes... 3. Relatório do Comitê de Auditoria... 4. Demonstração Consolidada do Resultado... 5 Demonstrações Contábeis Consolidadas de acordo com as Normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo International Accounting Standards Board - IASB 2014 Bradesco 1 Sumário oação de

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

Demonstrações contábeis em 31 de março de 2014 e 2013

Demonstrações contábeis em 31 de março de 2014 e 2013 e 2013 KPDS: 87915 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 6 Demonstrações de resultados abrangentes 7 Demonstrações

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.159, de 13/02/2009 DOU 1 de 04/03/2009 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº 11.638/07 e MP

Leia mais

Abril S.A. e empresas controladas

Abril S.A. e empresas controladas Abril S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010 e Relatório dos Auditores Independentes 1 Abril S.A. e empresas controladas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 27. Ativo Imobilizado. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 16

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 27. Ativo Imobilizado. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 16 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 27 Ativo Imobilizado Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 16 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 RECONHECIMENTO

Leia mais

TAM S.A. TAM S.A e suas controladas Demonstrações Financeiras individuais e consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores

TAM S.A. TAM S.A e suas controladas Demonstrações Financeiras individuais e consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores TAM S.A e suas controladas Demonstrações Financeiras individuais e consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Índice das Demonstrações Financeiras Balanços patrimoniais

Leia mais

RBS Participações S.A. e empresas controladas

RBS Participações S.A. e empresas controladas Balanços patrimoniais consolidados em 31 de dezembro Em milhares de reais (Tradução livre do original em inglês) Ativo Nota 2013 2012 Passivo e patrimônio líquido Nota 2013 2012 Circulante Circulante Caixa

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços e metais,

Leia mais

T4F Entretenimento S.A.

T4F Entretenimento S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche Tohmatsu

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R2)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R2) Sumário COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R2) Demonstrações Contábeis Individuais, Demonstrações Separadas, Demonstrações Consolidadas e Aplicação do Método da Equivalência

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.262/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.262/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 09 para ITG 09 e de outras normas citadas: de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL; de NBC T 7 para NBC TG

Leia mais

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA CURSO DE PÓS-MBA Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB Coordenação Acadêmica:

Leia mais