Workshop ANP Regulação em Importação e Exportação de Petróleo, Derivados e Biocombustíveis

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Workshop ANP Regulação em Importação e Exportação de Petróleo, Derivados e Biocombustíveis"

Transcrição

1 Workshop ANP Regulação em Importação e Exportação de Petróleo, Derivados e Biocombustíveis Propostas da Petrobras Data de Realização:

2 Ambiente Regulatório Requisitos para autorização para o exercício da atividade Refinador Importador Formulador Distribuidor Resolução ANP n. 16/2010 Outorga vinculada à concessão de AC/AO de Refinarias. Qualquer alteração nas instalações industriais existentes que altere as condições de segurança operacional, o perfil de produção ou a qualidade final dos produtos deve ser comunicada à ANP, antes de iniciada a alteração. Portarias ANP 203/98: GLP ANP 204/98: QAV ANP 085/99: OC Qualquer empresa ou consórcio de empresas constituída sob leis brasileiras com sede e administração no país pode ser autorizada a importar, desde que comprove habilitação jurídica, regularidade fiscal e qualificação econômicofinanceira ANP 313 e 314/01: Diesel, Biodiesel e Gasolinas Autorização de importação concedida somente a Produtores, Importadores (objeto social contempla atividade de importação e não exerce outra atividade regulada pela ANP, exceto exportação) e Consumidores Finais (somente diesel) Resol. ANP n. 5/2012 Outorga vinculada à concessão de AC/CO para Plantas de Formulação Resol. ANP n. 58/2014 (diesele gasolina) Resolução ANP n.17/2006 (QAV) Resolução ANP n.49/2016 (GLP) Para os combustíveis acima: -Propriedade de pelo menos 1 instalação de Armazenamento/ Distribuição ou fração em base compartilhada -Comprovação de instalação compatível com volume a ser comercializado -Instalação deverá ter AO da ANP -Contrato de Cessão de Espaço ou Contrato de Carregamento Não há requisitos de infraestrutura Objeto do WS

3 Ambiente Regulatório Obrigação de Manter Estoques Mínimos por Região Resoluções ANP: n.45/2013 (diesel e gasolina) n.5/2015 (GLP) n.6/2015 (combustíveis de aviação) Produtor Importador Formulador Distribuidor NÃO Sobreaviso no Abastecimento Resolução ANP 53/2015 -Envio diário de informações de estoques e relato de evento que deu causa ao sobreaviso à ANP NÃO Comunicação à ANP sobre interrupções programadas ou não e reduções de capacidade instalada, com impactos no abastecimento NÃO

4 Ambiente Regulatório Refinador Importador Formulador Distribuidor Controle da Qualidade na Importação Portaria ANP n.311/2001 (correntes para formulação de gasolina ou diesel) NÃO Não tem permissão para importar diesel e gasolina (GLP, QAV, OC) Aquisição junto ao Produtor deve ser realizada sob regime de contrato de fornecimento ou de pedido mensal (este último só para gasolina, diesel e OCTE). Pré-Requisitos/ Prazos para Comercialização (vide condições para o distribuidor) NÃO (vide condições para o distribuidor) Contrato deve ser submetido À homologado da ANP: 30 dias antes da vigência (exceto OC) Antecedência para colocação de pedidos junto ao produtor. Ex: Diesel e Gasolina: N-2 no contrato particular e N-1 no CGV, (N: mês de comercialização do produto) Envio à ANP de dados de comercialização NÃO (GLP, QAV, OC) (Gasolina, Diesel e Biodiesel) Resol. ANP 5/2012

5 Propostas Petrobras 1) Criar obrigação de manutenção de nível mínimo de estoques relativo aos volumes atendidos por importação de agentes que não sejam produtores, para cada tipo de produto, em locais compatíveis com os fluxos logísticos, de forma a restabelecer o patamar de estoque mínimo de derivados na cadeia de suprimento. Justificativa: Analisando a cadeia de forma integrada, temos que pelas Resoluções vigentes, o estoque mínimo requerido para cada região consiste da soma dos estoques assegurados pelo produtor com os estoques assegurados pelo distribuidor. Considerando que: (i) O estoque mínimo requerido do produtor para cada semana de determinado mês é calculado com base no volume do produto comercializado entre o produtor e o distribuidor no mês corrente do ano anterior (CP); (ii) Entre 2015 e 2017 os importadores tiveram uma participação crescente no atendimento da demanda das distribuidoras; (iii) Uma maior participação de importadores implica num menor CP atribuído ao produtor, a cada ano, nesse horizonte de tempo ( ), o estoque mínimo requerido do produtor, em volume (m³), foi menor. Assim, para manter o mesmo nível de estoques na cadeia, visando à segurança do abastecimento nacional, faz-se necessário atribuir responsabilidade por assegurar um nível mínimo de estoques compatível com a parcela de volume advindo de importações dos agentes que não são produtores que passaram a atender parte do mercado brasileiro.

6 Propostas Petrobras 2) Estabelecer prazo mínimo e requisitos básicos para uma empresa autorizada a exercer a atividade de importadora iniciar a comercialização de produto com as distribuidoras/consumidores finais, de maneira semelhante ao estabelecido na Resolução ANP n.58/2014 para a relação comercial entre os produtores e distribuidores. Justificativa: Esta proposta tem como objetivo disciplinar a atuação dos importadores como agentes integrantes do abastecimento nacional de combustíveis, aplicando-se critérios semelhantes aos vigentes na relação comercial entre produtores e distribuidores que adquirem produto pelo regime de pedido mensal. Considerando a crescente participação de importadores no mercado brasileiro, que atingiu 70% das vendas de gasolina na área de Ipojuca e 50% das vendas de diesel do PR/SC em dez/2016, por exemplo, entendemos que esse agente tem um papel relevante no abastecimento do mercado, podendo complementar o atendimento das demandas, influenciar o desempenho dos fluxos logísticos e o nível de estoques de combustíveis dos demais agentes. A definição de uma antecedência mínima para o início da comercialização de produtos entre os importadores e os distribuidores propicia o melhor planejamento das operações (alocação de pedidos, gestão de estoques, movimentação de produtos entre os sistemas, etc.) entre os diversos agentes, acarretando maior eficiência e segurança ao suprimento do país.

Workshop sobre Regulação em Importação e Exportação de Petróleo, Derivados e Biocombustíveis. Rio de Janeiro 16 de fevereiro de 2017

Workshop sobre Regulação em Importação e Exportação de Petróleo, Derivados e Biocombustíveis. Rio de Janeiro 16 de fevereiro de 2017 Workshop sobre Regulação em Importação e Exportação de Petróleo, Derivados e Biocombustíveis Rio de Janeiro 16 de fevereiro de 2017 CENÁRIO ATUAL E REVISÕES NECESSÁRIAS Incremento da Movimentação de Derivados

Leia mais

Distribuição Missão e Valores

Distribuição Missão e Valores EBDQUIM 2016 Abastecimento de Derivados e Biocombustíveis Distribuição Missão e Valores Antonio José Valleriote Superintendência de Abastecimento 11 de Março de 2016 Atividades da ANP ANP A Agência Nacional

Leia mais

RESOLUÇÃO ANP Nº 67, DE DOU RETIFICADA DOU

RESOLUÇÃO ANP Nº 67, DE DOU RETIFICADA DOU Page 1 of 5 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO ANP Nº 67, DE 9.12.2011 - DOU 13.12.2011 RETIFICADA DOU 16.12.2011 O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS

Leia mais

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Marco Antônio Martins Almeida Secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis spg@mme.gov.br Rio de Janeiro, 21

Leia mais

Taller de Estadísticas Energéticas TALLER DE ESTADÍSTICAS ENERGÉTICAS JOINT OIL DATA INITIATIVE (JODI)

Taller de Estadísticas Energéticas TALLER DE ESTADÍSTICAS ENERGÉTICAS JOINT OIL DATA INITIATIVE (JODI) Taller de Estadísticas Energéticas TALLER DE ESTADÍSTICAS ENERGÉTICAS JOINT OIL DATA INITIATIVE (JODI) Ney Cunha Superintendente Adjunto de Planejamento e Pesquisa da ANP 1 APRESENTAÇÃO Indústria do Petróleo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.336, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2001. Institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e

Leia mais

Combustível Brasil Bloco III Desafios para o abastecimento. Rio de Janeiro, 08 de março de 2017

Combustível Brasil Bloco III Desafios para o abastecimento. Rio de Janeiro, 08 de março de 2017 Combustível Brasil Bloco III Desafios para o abastecimento Rio de Janeiro, 08 de março de 2017 Refino precisa de investimentos e atração de capital privado é importante para servir o mercado brasileiro

Leia mais

Consulta Pública No N v o a v a Re R g e u g l u a l m a en e t n a t ç a ã ç o ã pa p r a a r o o Et E a t n a o n l o

Consulta Pública No N v o a v a Re R g e u g l u a l m a en e t n a t ç a ã ç o ã pa p r a a r o o Et E a t n a o n l o Consulta Pública Nova Regulamentação para o Etanol Considerações O objetivo da regulamentação proposta é garantir o abastecimento de anidro no mercado nacional. No entanto, as medidas anunciadas não garantem

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Impactos Econômicos da Resolução 05/15 da ANP Fórum Permanente do Gás LP 7º Encontro Rio de Janeiro, 28 de Abril de 2015 Resolução n 05/15 da ANP Obrigatoriedade de formação

Leia mais

Balanço da Atividade da Fiscalização da ANP no Mercado de GLP. Encontro Técnico do GLP de de dezembro de 2015 São Paulo - SP

Balanço da Atividade da Fiscalização da ANP no Mercado de GLP. Encontro Técnico do GLP de de dezembro de 2015 São Paulo - SP Balanço da Atividade da Fiscalização da ANP no Mercado de GLP Encontro Técnico do GLP de 2015 09 de dezembro de 2015 São Paulo - SP Fiscalização do Abastecimento 2 Agentes Econômicos Sujeitos à Fiscalização

Leia mais

4. A Infra-Estrutura logística da Indústria de Petróleo no Brasil

4. A Infra-Estrutura logística da Indústria de Petróleo no Brasil 4. A Infra-Estrutura logística da Indústria de Petróleo no Brasil Para permitir o fluxo dos produtos através da Cadeia de Suprimentos de Petróleo, iniciando na produção ou importação de óleos crus, passando

Leia mais

CANA & ENERGIA. Estoques Estratégicos de Combustíveis. Carlos Valois Maciel Braga

CANA & ENERGIA. Estoques Estratégicos de Combustíveis. Carlos Valois Maciel Braga CANA & ENERGIA Estoques Estratégicos de Combustíveis Carlos Valois Maciel Braga Superintendente de Comercialização e Movimentação de Petróleo e seus Derivados Agência Nacional do Petróleo - ANP Coordenador

Leia mais

LEI DE PENALIDADES: O PODER SANCIONADOR ULTRAPASSANDO OS OBJETIVOS EDUCATIVOS.

LEI DE PENALIDADES: O PODER SANCIONADOR ULTRAPASSANDO OS OBJETIVOS EDUCATIVOS. LEI DE PENALIDADES: O PODER SANCIONADOR ULTRAPASSANDO OS OBJETIVOS EDUCATIVOS. OBJETIVOS DA SANÇÃO ADMINISTRATIVA AS SANÇÕES SÃO UM MEIO E NÃO UMA FINALIDADE. O ADMINISTRADOR DEVE CONSIDERAR O INTERESSE

Leia mais

A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil. Ivan Camargo Assessor da Diretoria

A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil. Ivan Camargo Assessor da Diretoria A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil Ivan Camargo Assessor da Diretoria Sumário 1. Marco Regulatório Brasileiro. Resultados. 2. Atuação da Agência Nacional de Energia Elétrica. 3. Principais Desafios.

Leia mais

PORTARIA ANP Nº 202, DE DOU REPUBLICADA DOU

PORTARIA ANP Nº 202, DE DOU REPUBLICADA DOU PORTARIA ANP Nº 202, DE 30.12.1999 - DOU 31.12.1999 - REPUBLICADA DOU 3.5.2004 Estabelece os requisitos a serem cumpridos para acesso a atividade de distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo,

Leia mais

SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 15, DE 22 DE JANEIRO DE 2009

SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 15, DE 22 DE JANEIRO DE 2009 DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 8ª Região Fiscal SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 15, DE 22 DE JANEIRO DE 2009 Assunto: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - Cofins TRIBUTAÇÃO CONCENTRADA. REGIME DE APURAÇÃO

Leia mais

Hidrocarbonetos - O Pré-Sal - Dificuldades e Oportunidades. Adriano Pires Março de 2011

Hidrocarbonetos - O Pré-Sal - Dificuldades e Oportunidades. Adriano Pires Março de 2011 Hidrocarbonetos - O Pré-Sal - Dificuldades e Oportunidades Adriano Pires Março de 2011 1 Metas Nacionais de Produção e Reservas da Petrobras 7,4% a.a. 5.059 1.109 ia d / p e b il M 1.752 1.791 1.758 252

Leia mais

Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil

Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil SEMINÁRIO INTERNACIONAL: USO EFICIENTE DO ETANOL Aurélio César Nogueira Amaral Diretor 20.09.2016 Missões da ANP REGULAR Estabelecer as normas

Leia mais

Programa Temático 2022 Combustíveis

Programa Temático 2022 Combustíveis Programa Temático 2022 Combustíveis Objetivo 0054 Expandir e modernizar o parque nacional de refino e adequar a infraestrutura industrial no exterior, de modo a buscar atender integralmente o mercado interno

Leia mais

Regulação de solventes hidrocarbônicos

Regulação de solventes hidrocarbônicos Regulação de solventes hidrocarbônicos Dirceu Cardoso AMORELLI Junior, M.Sc. Superintendente de Abastecimento Superintendência de Abastecimento - SAB Superintendência de Abastecimento - SAB Upstream Midstream

Leia mais

Resolução ANP Nº 30 DE 29/06/2015

Resolução ANP Nº 30 DE 29/06/2015 Resolução ANP Nº 30 DE 29/06/2015 Publicado no DO em 30 jun 2015 Altera a Resolução ANP nº 40 de 2013, que regula as especificações das gasolinas de uso automotivo, consoante as disposições contidas no

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA INDÚSTRIA DE REFINO NO BRASIL

PERSPECTIVAS PARA INDÚSTRIA DE REFINO NO BRASIL PERSPECTIVAS PARA INDÚSTRIA DE REFINO NO BRASIL Jorge Celestino Diretor Executivo de Refino e Gás Natural 24.10.2016 Transformações na indústria do petróleo mundial Mudança no cenário competitivo: shale

Leia mais

RESOLUÇÃO ANP Nº 14, DE DOU

RESOLUÇÃO ANP Nº 14, DE DOU RESOLUÇÃO ANP Nº 14, DE 06-07-2006 DOU 07-07-2006 O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso de suas atribuições, tendo em vista as disposições da Lei

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS ANP RESOLUÇÃO N 46, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 A DIRETORAGERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS ANP, no uso de suas

Leia mais

Importação de Petróleo Bruto e seus Derivados, para fins de Exportação (REPEX)

Importação de Petróleo Bruto e seus Derivados, para fins de Exportação (REPEX) Mercadores Importação de Petróleo Bruto e seus Derivados, para fins de Exportação (REPEX) Coletânea (Versão Histórica) Versão 2.01 - Dezembro de 2010 Atualizada até: Instrução Normativa RFB nº 1.078, de

Leia mais

1ª Feira dos Produtores de Lubrificantes FEILUB 20/05/2015

1ª Feira dos Produtores de Lubrificantes FEILUB 20/05/2015 1ª Feira dos Produtores de Lubrificantes FEILUB 20/05/2015 PRINCIPAIS OBJETIVOS DA SAB/ANP - LUBRIFICANTES TRANSPARÊNCIA REGULAÇÃO Publicação de dados do mercado Reuniões periódicas com MME Respostas ao

Leia mais

Panorama dos biocombustíveis no Brasil. Marcela Flores SBQ/ANP

Panorama dos biocombustíveis no Brasil. Marcela Flores SBQ/ANP Panorama dos biocombustíveis no Brasil Marcela Flores SBQ/ANP Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

28 de novembro de 2016

28 de novembro de 2016 Impactos sobre a Concorrência e a Regulação da Indústria do Gás Natural do Processo de Desinvestimento da Petrobras Superintendência de Comercialização e Movimentação de Petróleo, seus Derivados e Gás

Leia mais

6º Congresso Nacional Simepetro. Superintendência de Fiscalização

6º Congresso Nacional Simepetro. Superintendência de Fiscalização 6º Congresso Nacional Simepetro Superintendência de Fiscalização Rio de Janeiro, 04/10/2013 Fundamentos Legais Constituição Federal (art. 174) Como agente normativo e regulador da atividade econômica,

Leia mais

3 Apresentação do problema

3 Apresentação do problema 3 Apresentação do problema 3.1 A cadeia de suprimentos da indústria petrolífera Conforme se definiu no início do capítulo anterior, a cadeia de suprimentos é um processo em que fornecedores, fabricantes,

Leia mais

2 A Indústria do Petróleo no Brasil

2 A Indústria do Petróleo no Brasil 2 A Indústria do Petróleo no Brasil A Indústria do Petróleo no Brasil passou por grandes mudanças na última década, dentre as quais destacamos a abertura do mercado brasileiro após a criação da Lei do

Leia mais

Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel. Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis

Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel. Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis Estrutura Organizacional Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria de Planejamento

Leia mais

GÁS NATURAL GÁS CANALIZADO

GÁS NATURAL GÁS CANALIZADO Desmistificando e Desmitificando o Mercado de Gás Natural Diferenças Jurídico-regulatórias GÁS NATURAL GÁS CANALIZADO Introdução A presente apresentação tem o escopo de desmistificar e desmitificar temas

Leia mais

Distribuidoras: O Impacto do Aumento da Mistura

Distribuidoras: O Impacto do Aumento da Mistura Conferência BiodieselBR 2010 Distribuidoras: O Impacto do Aumento da Mistura Alisio Vaz Vice-Presidente Executivo Guarulhos 27 de Outubro de 2010 Conteúdo SINDICOM Mercado de Combustíveis Premissas PNPB

Leia mais

16/02/2010. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção

16/02/2010. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção A logística integrada envolve o gerenciamento de informações, transporte, estoque, armazenamento, manuseio de materiais

Leia mais

Reunião entre a ANP e representantes dos produtores de etanol

Reunião entre a ANP e representantes dos produtores de etanol Reunião entre a ANP e representantes dos produtores de etanol Apresentação da Resolução que regulamenta a produção de etanol no País 6 de outubro de 2014 SRP Ementa Estabelece a regulação e a obrigatoriedade

Leia mais

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste Campinas/SP 30 mar. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Leia mais

Rotas de Produção de Diesel Renovável

Rotas de Produção de Diesel Renovável Petrobras - Tecnologia A preocupação mundial com o desenvolvimento sustentável evidenciou a necessidade da definição de limites de emissão para as tecnologias automotivas. Desde então, pesquisadores têm

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Relatório Anexo VIII do Ato Cotepe 23 de 2008 para Distribuidora de Combustível

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Relatório Anexo VIII do Ato Cotepe 23 de 2008 para Distribuidora de Combustível Distribuidora de Combustível 17/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 6 4. Conclusão... 6 5. Informações Complementares...

Leia mais

SEÇÃO 3 - COMERCIALIZAÇÃO

SEÇÃO 3 - COMERCIALIZAÇÃO SEÇÃO 3 - COMERCIALIZAÇÃO Distribuição de Derivados de Petróleo 3.1 Bases de Distribuição 3.2 Vendas das Distribuidoras Revenda de Derivados de Petróleo 3.3 Postos Revendedores 3.4 Transportadores-Revendedores-Retalhistas

Leia mais

FICHA CADASTRAL DE POSTO REVENDEDOR

FICHA CADASTRAL DE POSTO REVENDEDOR RESOLUÇÃO ANP Nº41, DE 06/11/2013 Exclusiva para pedido de autorização 1/2 01 TIPO DE VAREJISTA 02 INSCRIÇÃO CNPJ COMBUSTÍVEL LÍQUIDO GNV AMBOS / - 04 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME ( firma, razão social

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 12.490, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011. Mensagem de veto Altera as Leis n os 9.478, de 6 de agosto de 1997, e 9.847, de 26 de outubro de 1999, que

Leia mais

Perspectivas para o biodiesel no Brasil

Perspectivas para o biodiesel no Brasil Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Palma de Óleo Perspectivas para o biodiesel no Brasil Fábio Guerra Assessor Econômico Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília DF 17 de março

Leia mais

Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. Brasília, 22/06/2016

Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. Brasília, 22/06/2016 Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. JARBAS BARBOSA Diretor-Presidente ANVISA Brasília, 22/06/2016 A ANVISA Primeira Agência da área

Leia mais

Lei do Gás. Hirdan Katarina de Medeiros Costa Advogada Pesquisadora Visitante PRH04/ANP/MCTI/IEE/USP

Lei do Gás. Hirdan Katarina de Medeiros Costa Advogada Pesquisadora Visitante PRH04/ANP/MCTI/IEE/USP Lei do Gás Hirdan Katarina de Medeiros Costa Advogada Pesquisadora Visitante PRH04/ANP/MCTI/IEE/USP n Histórico normativo n Lei do Gás n Quadro Comparativo Lei do Petróleo e Lei do Gás n Evolução Oferta

Leia mais

Interface das Indústrias de Gás e Energia Elétrica

Interface das Indústrias de Gás e Energia Elétrica V Congresso Brasileiro de Regulação Associação Brasileira de Agências de Regulação - ABAR Interface das Indústrias de Gás e Energia Elétrica José Cesário Cecchi Superintendente de Comercialização e Movimentação

Leia mais

Petróleo e Biocombustíveis: A eterna busca pela autossuficiência. Suani Teixeira Coelho Sao Paulo, 5 de agosto de 2013

Petróleo e Biocombustíveis: A eterna busca pela autossuficiência. Suani Teixeira Coelho Sao Paulo, 5 de agosto de 2013 Petróleo e Biocombustíveis: A eterna busca pela autossuficiência Suani Teixeira Coelho Sao Paulo, 5 de agosto de 2013 No segmento de refino, a produção de derivados atingiu 2,02 milhões de barris/dia,

Leia mais

Emissões de Veículos a Diesel O DIESEL: ESPECIFICAÇÕES E SUPRIMENTO FREDERICO KREMER PETROBRAS

Emissões de Veículos a Diesel O DIESEL: ESPECIFICAÇÕES E SUPRIMENTO FREDERICO KREMER PETROBRAS Emissões de Veículos a Diesel O DIESEL: ESPECIFICAÇÕES E SUPRIMENTO FREDERICO KREMER PETROBRAS RESUMO DO ACORDO Acordo MPF Diesel S-1800 1. Substituição do diesel S-2000 para S-1800 em 2009 2. Redução

Leia mais

DECRETO N 1.717, DE 24 DE NOVEMBRO DE DECRETA:

DECRETO N 1.717, DE 24 DE NOVEMBRO DE DECRETA: DECRETO N 1.717, DE 24 DE NOVEMBRO DE 1995. Estabelece procedimentos para prorrogação das concessões dos serviços públicos de energia elétrica de que trata a Lei n 9.074, de 7 de julho de 1995, e dá outras

Leia mais

Desafios do Mercado de Gás Natural no Brasil

Desafios do Mercado de Gás Natural no Brasil Desafios do Mercado de Gás Natural no Brasil 6% (0.5) 10% (0.7) Álvaro Ferreira Tupiassú Gerente Geral de Comercialização de Gás Natural e GNL - Petrobras AGENDA I A Cadeia do Gás Natural II Participação

Leia mais

WORKSHOP ANP PRODUTORES DE ETANOL 2017 UBERLÂNDIA - MG. Novas regras do I-SIMP

WORKSHOP ANP PRODUTORES DE ETANOL 2017 UBERLÂNDIA - MG. Novas regras do I-SIMP WORKSHOP ANP PRODUTORES DE ETANOL 2017 UBERLÂNDIA - MG Novas regras do I-SIMP Luciana Tavares S. de Almeida Resolução ANP nº17 / 2004 Workshop ANP Produtores de Etanol Obrigatoriedade de envio de informações

Leia mais

Ofício n. 0474/2015/SCM Rio de Janeiro, 13 de agosto de 2015.

Ofício n. 0474/2015/SCM Rio de Janeiro, 13 de agosto de 2015. 9, ANP AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS Superintendência de Comercialização e Movimentação de Petróleo, seus Derivados e Gás Natural Avenida Rio Branco, 65-17 andar 20090-004

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores:

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores: USINAS TERMELÉTRICAS Autores: Hermínio Fonseca Almeida ONS Joel Mendes Pereira ONS José Renato Dantas ONS Marcelo Prais ONS Ney Fukui da Silveira ONS Paulo César P. da Cunha ONS Túlio Mascarenhas Horta

Leia mais

Impactos da Regulamentação da Lei do

Impactos da Regulamentação da Lei do Impactos da Regulamentação da Lei do Gás para Região Sul Superintendência de Comercialização e Movimentação de Petróleo, seus Derivados e Gás Natural Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis

Leia mais

PARECER TÉCNICO N.º 036/SCM/2015 Processo ANP Nº /

PARECER TÉCNICO N.º 036/SCM/2015 Processo ANP Nº / - 1 - PARECER TÉCNICO N.º 036/SCM/2015 Processo ANP Nº 48610.002140/2015-55 1. ASSUNTO Autorização para o Exercício da Atividade de Comercialização de Gás Natural e obtenção de Registro de Agente Vendedor

Leia mais

LIMITES DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL

LIMITES DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL Escola de Química da UFRJ LABCOM Laboratório de Combustíveis e Derivados de Petróleo LIMITES DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL Luiz Antonio d Avila Escola de Química da UFRJ LABCOM Laboratório de Combustíveis

Leia mais

Tabela 2.1: Contas Agregadas do Petróleo (Barril).

Tabela 2.1: Contas Agregadas do Petróleo (Barril). PETRÓLEO Rafael Nogueira Julia Febraro sendo 24,7% da produção óleo leve (>=31 API), 46,4% óleo médio (>=22 API e

Leia mais

1.2- Metodologia da Pesquisa

1.2- Metodologia da Pesquisa 1- Introdução Nos últimos anos no Brasil, verificou-se um aumento significativo no uso do transporte aéreo, motivado principalmente pelo aumento da renda da população brasileira. De acordo com Lee et al.

Leia mais

Mercado de Combustíveis em Portugal Conferência Produtos Petrolíferos e a Sustentabilidade

Mercado de Combustíveis em Portugal Conferência Produtos Petrolíferos e a Sustentabilidade Mercado de Combustíveis em Portugal Conferência Produtos Petrolíferos e a Sustentabilidade Lisboa, 18 de Outubro de 2016 A ENMC possui responsabilidades em quarto áreas de atuação, sendo uma delas a área

Leia mais

O Regime Jurídico das SPEs, Sócios Estatais e Privados, Financiamento do setor. São Paulo 30 de outubro de 2014

O Regime Jurídico das SPEs, Sócios Estatais e Privados, Financiamento do setor. São Paulo 30 de outubro de 2014 O Regime Jurídico das SPEs, Sócios Estatais e Privados, Financiamento do setor. São Paulo 30 de outubro de 2014 Sociedade de Propósito Específico Legislação Antes 2004 Lei 8.666/93 (Lei de Licitações):

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE SAO MIGUEL DAS MISSOES ATA

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE SAO MIGUEL DAS MISSOES ATA Pregão Modalidade 55 / 2015 1 Aquisiçao de combustíveis, óleo diesel comum, óleo diesel S10, gasolina comum e etanol combustível comum Pregao Ata de reunião realizada às 09:00 horas do dia 06 de janeiro

Leia mais

Administração Logística

Administração Logística INTRODUÇÃO A LOGÍSTICA AULA PARA A TURMA DE ADMINISTRAÇÃO 2º SEMESTRE DE 2010 2 Administração Logística Processo de planejar, implementar e controlar o fluxo e armazenamento eficiente e eficaz em termos

Leia mais

LEI DO PETRÓLEO - Nº 9.478, DE 6 DE AGOSTO DE Presidência da República - Subchefia para Assuntos Jurídicos

LEI DO PETRÓLEO - Nº 9.478, DE 6 DE AGOSTO DE Presidência da República - Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI DO PETRÓLEO - Nº 9.478, DE 6 DE AGOSTO DE 1997 Presidência da República - Subchefia para Assuntos Jurídicos Dispõe sobre a política energética nacional, as atividades relativas ao monopólio do petróleo,

Leia mais

A Petrobras anunciou nesta quarta-feira (14) que decidiu reduzir o preço médio nas

A Petrobras anunciou nesta quarta-feira (14) que decidiu reduzir o preço médio nas Petrobras reduz preço do diesel em 5,8% e da gasolina em 2,3% Trata-se da segunda redução de preços nas refinarias em 20 dias. Empresa anuncia que reajustes serão mais frequentes Matéria publicada em 14

Leia mais

Comercialização de Biodiesel no Mercado Brasileiro

Comercialização de Biodiesel no Mercado Brasileiro Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis Comercialização de Biodiesel no Mercado Brasileiro Ricardo Borges Gomide

Leia mais

Portaria CAT 53, de

Portaria CAT 53, de Publicado no D.O.E. (SP) de 25/05/2013 Portaria CAT 53, de 24-05-2013 Disciplina a atribuição, por regime especial, da condição de sujeito passivo por substituição tributária, conforme inciso VI do artigo

Leia mais

POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS

POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS 13/5/2016 Informação Pública ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 PRINCÍPIOS... 4 5 DIRETRIZES... 5 6 RESPONSABILIDADES... 6 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 8 13/5/2016 Informação

Leia mais

CONSIDERANDO a necessidade de revisão e unificação das normas e critérios referentes à operação da Seção Farmacêutica do IMASF;

CONSIDERANDO a necessidade de revisão e unificação das normas e critérios referentes à operação da Seção Farmacêutica do IMASF; REGULAMENTA A OPERAÇÃO, A COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS E A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELA FARMÁCIA DO IMASF, CRIA O FUNDO DE CAIXA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. OVÍDIO PRIETO FERNANDES, Presidente do 19º Conselho

Leia mais

Economista Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis

Economista Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis IBP1726_08 ASPECTOS TÉCNICO-ECONÔMICOS DA LOGÍSTICA DA DISTRIBUIÇÃO DE COMBUSTÍVEIS NO BRASIL Heloisa Borges B. Esteves 1, Lúcia N. Bicalho 2. Copyright 2008, Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Leia mais

PORTARIA Nº 28, DE 5 DE FEVEREIRO DE 1999

PORTARIA Nº 28, DE 5 DE FEVEREIRO DE 1999 PORTARIA Nº 28, DE 5 DE FEVEREIRO DE 1999 Estabelece a regulamentação para o exercício das atividades de construção, ampliação de capacidade e operação de refinarias e de unidades de processamento de gás

Leia mais

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Sumário: I. Modelo de Projeção II. Principais Premissas da Matriz Energética III.

Leia mais

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Aula Inaugural Introdução as Boas Práticas da Farmácia Hospitalar Kelly Braga Farmácia Hospitalar Unidade clínica, administrativa a e econômica,

Leia mais

A PETROBRAS E AS MEDIDAS ADOTADAS NA BOLÍVIA

A PETROBRAS E AS MEDIDAS ADOTADAS NA BOLÍVIA A PETROBRAS E AS MEDIDAS ADOTADAS NA BOLÍVIA Rio, 06 de maio de 2006 LINHA DO TEMPO: A PETROBRAS NA Outubro 1996 SÍsmica em SAL Início construção GASBOL Agosto 1998 Descoberta de SAL Fevereiro 1999 Inauguração

Leia mais

Ministério de de Minas Minas e e Energia PROPOSTA DE NOVO MARCO DA MINERAÇÃO

Ministério de de Minas Minas e e Energia PROPOSTA DE NOVO MARCO DA MINERAÇÃO Ministério de de Minas Minas e PROPOSTA DE NOVO MARCO DA MINERAÇÃO 18 de Junho de 2013 Sumário 1 1. OBJETIVOS DA PROPOSTA 2. MODIFICAÇÕES INSTITUCIONAIS CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA MINERAL (CNPM) PODER

Leia mais

Biodiesel: produção e benefícios

Biodiesel: produção e benefícios Audiência Pública da Comissão Especial sobre Motores a Diesel para Veículos Leves Biodiesel: produção e benefícios Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia Câmara dos Deputados Brasília DF 2 de março 2016

Leia mais

Despacho Aduaneiro de Importação. Declaração de Importação (DI) NCM Habilitação SISCOMEX. Tratamento Administrativo. Deferido.

Despacho Aduaneiro de Importação. Declaração de Importação (DI) NCM Habilitação SISCOMEX. Tratamento Administrativo. Deferido. 1 Despacho Aduaneiro de Importação Declaração de Importação (DI) NCM Habilitação SISCOMEX Tratamento Administrativo Importação Dispensada de Licenciamento Deferido Licença de Importação (LI) Licenciamento

Leia mais

PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS

PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS Consórcio público é uma pessoa jurídica criada por lei com a finalidade de executar a gestão associada de serviços públicos, onde

Leia mais

4.1- Análises da Cadeia Logística do QAV em São Paulo

4.1- Análises da Cadeia Logística do QAV em São Paulo 4- Estudo de caso 4.1- Análises da Cadeia Logística do QAV em São Paulo De acordo com Oshiro (2008) a área São Paulo é composta de uma malha de dutos relativamente complexa, na qual trafegam diversos produtos

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR

Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR O Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular é um programa de eficiência energética para veículos leves coordenado

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

OBJETIVO FOMENTAR O DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DO ABC NAS OPERAÇÕES LOGISTICAS

OBJETIVO FOMENTAR O DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DO ABC NAS OPERAÇÕES LOGISTICAS OBJETIVO FOMENTAR O DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DO ABC NAS OPERAÇÕES LOGISTICAS CONSOLIDAR A REGIÃO COMO PONTO DE APOIO E SUPORTE PARA AS OPERAÇÕES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO DA ÁREA PORTUARIA DE SANTOS

Leia mais

PERGUNTA 1: O Edital do Pregão Eletrônico prevê, em seu item 4.1.1:

PERGUNTA 1: O Edital do Pregão Eletrônico prevê, em seu item 4.1.1: Esclarecimentos I PERGUNTA 1: O Edital do Pregão Eletrônico prevê, em seu item 4.1.1: 4.1.1 Deverão ser protocolados na ANP, Avenida Rio Branco nº 65, 16º andar, Superintendência de Abastecimento, Centro,

Leia mais

Segurança energética: Geração térmica no Brasil

Segurança energética: Geração térmica no Brasil III Seminário sobre a Matriz e Segurança Energética -FGV Segurança energética: Geração térmica no Brasil Silvia Calou Diretora-Presidente CSPE ARSESP (Lei Complementar 1025/2007) Multissetorial: Gás Canalizado

Leia mais

O PNPB e a Organização da Produção de Biodiesel

O PNPB e a Organização da Produção de Biodiesel O PNPB e a Organização da Produção de Biodiesel Renata Lèbre La Rovere GEI/IE/UFRJ Selena Herrera LIMA/COPPE/UFRJ 1 O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel - PNPB BIODIESEL: combustível produzido

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Ministério de Minas e Energia e Agentes do Setor Elétrico.

VOTO. INTERESSADO: Ministério de Minas e Energia e Agentes do Setor Elétrico. VOTO PROCESSO: 48500.002827/2013-76. INTERESSADO: Ministério de Minas e Energia e Agentes do Setor Elétrico. RELATOR: Diretor Romeu Donizete Rufino. RESPONSÁVEL: Comissão Especial de Licitação - CEL e

Leia mais

As Experiências de Regulação dos Países de Língua. Edson Menezes da Silva Superintendente de Abastecimento Lisboa 28 de maio de 2008

As Experiências de Regulação dos Países de Língua. Edson Menezes da Silva Superintendente de Abastecimento Lisboa 28 de maio de 2008 Regulação de Energia nos Países de Língua Oficial Portuguesa RELOP Fundação Calouste Gulbenkian As Experiências de Regulação dos Países de Língua Oficial i Portuguesa Edson Menezes da Silva Superintendente

Leia mais

Muito consumo para pouca infraestrutura

Muito consumo para pouca infraestrutura cenários Muito consumo para pouca infraestrutura O ano de 212 foi complicado para o abastecimento nacional, exigindo agilidade e coordenação milimétrica entre ANP e os diversos agentes regulados para garantir

Leia mais

Exploração de terminais portuários

Exploração de terminais portuários Exploração de terminais portuários 30º ENAEX Rio de Janeiro, 19 de agosto de 2011 Wilen Manteli Presidente da ABTP Exploração de portos Decreto Imperial nº 1.746, de 1869 Art. 1º. Fica o Governo autorizado

Leia mais

Contratos e Faturamento da Demanda de Potência

Contratos e Faturamento da Demanda de Potência Contratos e Faturamento da Demanda de Potência (REN 414/2010) JORGE AUGUSTO LIMA VALENTE Especialista em Regulação Superintendência de Regulação da Comercialização da Eletricidade Sertãozinho SP 22 de

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES

REGULAMENTAÇÃO DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES REGULAMENTAÇÃO DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES 20 E 21 de SETEMBRO DE 2012 5º CONGRESSO NACIONAL SIMEPETRO Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP Superintendência de Abastecimento -

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º trimestre de Teleconferência / Webcast 18 de Maio de 2015

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º trimestre de Teleconferência / Webcast 18 de Maio de 2015 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º trimestre de 2015 Teleconferência / Webcast 18 de Maio de 2015 1 AVISOS Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas

Leia mais

Regulação e Antitruste no Setor Portuário frente às inovações da Lei n /13 Victor Oliveira Fernandes

Regulação e Antitruste no Setor Portuário frente às inovações da Lei n /13 Victor Oliveira Fernandes Regulação e Antitruste no Setor Portuário frente às inovações da Lei n. 12.815/13 Victor Oliveira Fernandes Regulação e Concorrência: o planejamento de mercados Aproximações e distanciamentos Importância

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE BIODIESEL: EDIÇÃO Nº 17 JUNHO DE 214 A, documento elaborado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ABIOVE, possui o intuito de levar ao mercado informações

Leia mais

5 O Modelo de Planejamento Estratégico da Cadeia Integrada de Petróleo

5 O Modelo de Planejamento Estratégico da Cadeia Integrada de Petróleo 5 O Modelo de Planejamento Estratégico da Cadeia Integrada de Petróleo No intuito de auxiliar o planejamento estratégico da cadeia integrada de petróleo foi desenvolvido no âmbito desta dissertação um

Leia mais

- Novo RUE: Resolução nº 671/2016 (DOU 07/11/16) Facilidade de acesso ao espectro: maior ocupação do espectro e aumento do número de prestadoras

- Novo RUE: Resolução nº 671/2016 (DOU 07/11/16) Facilidade de acesso ao espectro: maior ocupação do espectro e aumento do número de prestadoras 1 - Novo RUE: Resolução nº 671/2016 (DOU 07/11/16) Facilidade de acesso ao espectro: maior ocupação do espectro e aumento do número de prestadoras Simplificação do pedido de autorização de uso de RF (documentação)

Leia mais

RESOLUÇÃO ANP Nº 8, DE DOU

RESOLUÇÃO ANP Nº 8, DE DOU AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO ANP Nº 8, DE 9.2.2011 - DOU 10.2.2011 O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso

Leia mais

RELAÇÃO DE ANEXOS AO EDITAL

RELAÇÃO DE ANEXOS AO EDITAL ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA RELAÇÃO DE ANEXOS AO EDITAL [CONTENDO AS INFORMAÇÕES E DADOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E ECONÔMICO-FINANCEIROS DO EMPREEENDIMENTO: PROJETO BÁSICO E ORÇAMENTO DA EXECUÇÃO DAS OBRAS

Leia mais

4 Produtos do Petróleo

4 Produtos do Petróleo 30 4 Produtos do Petróleo 4.1 Principais Derivados do Petróleo De acordo com FARAH (1989), os derivados do petróleo podem ser distribuídos em duas categorias: Derivados Leves e Derivados Pesados. Conforme

Leia mais

Constituição Federal:

Constituição Federal: Constituição Federal: "Art. 177. Constituem monopólio da União:... III - a importação e exportação dos produtos e derivados básicos resultantes das atividades previstas nos incisos anteriores IV - o transporte

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes. Deputado Arnaldo Jardim

Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes. Deputado Arnaldo Jardim SEMINÁRIO POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes Deputado Arnaldo Jardim 21.07.11 Política Nacional de Resíduos SólidosS Diretrizes Internalizar

Leia mais