SETOR SUCROALCOOLEIRO E A REGULAÇÃO DO ETANOL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SETOR SUCROALCOOLEIRO E A REGULAÇÃO DO ETANOL"

Transcrição

1 SETOR SUCROALCOOLEIRO E A REGULAÇÃO DO ETANOL Antonio de Padua Rodrigues Presidente Interino da União da Indústria de Cana-de-açúcar São Paulo, 07 de agosto de 2012

2 ROTEIRO 1. Situação atual e margens do setor produtivo Evolução recente da produção Retração dos investimentos Custos e margens na produção Situação financeira das empresas 2. Regulação da produção e mercado de etanol 3. Perspectivas de longo prazo e retomada dos investimentos no setor sucroenergético Projeção de oferta e demanda de combustíveis Mandatos de longo prazo Matriz de combustíveis

3 EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL Desaceleração do crescimento Milhões ton neladas de cana /01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 e A moagem de cana-de-açúcar neste ano será similar aquela observada na safra 2008/2009 (quatro anos atrás) Fonte: UNICA e MAPA. Nota: * estimativa

4 EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE NOVAS UNIDADES PRODUTORAS NA REGIÃO CENTRO-SUL / / / / / / / /13* Até 2015 apenas 4 novas unidades produtoras deverão ser construídas. Não existem projetos previstos para início de operação após essa data Fonte: UNICA. Nota: 2012/13* - estimativa.

5 POR QUE HOUVE RETRAÇÃO NOS INVESTIMENTOS E QUEDA NO RITMO DE CRESCIMENTO DA PRODUÇÃO? 1. Fatores conjunturais Econômicos/financeiros Crise financeira mundial em 2008 e preços pouco remuneradores promoveram maior endividamento das unidades, deslocamento dos investimentos para a compra de empresas em dificuldades e redução na taxa de replantio dos canaviais. Agronômicos/climáticos Problemas climáticos nas últimas três safras reduziram a produtividade agrícola da lavoura e o rendimento industrial (excesso de chuva em 2009, seca em 2010, florescimento e geada em 2011, etc). 2. Fatores estruturais Aumento nos custos de produção e teto virtual para o preço do etanol levaram à redução de margens do setor produtivo

6 PREÇOS DA GASOLINA NA REFINARIA 1,80 Preço de faturamento com impostos federais (CIDE e Pìs/Cofins) 1,60 1,40 Preço líquido recebido pela Petrobrás R$/litro 1,20 1,00 0, % 0,60 Enquanto os preços de bomba permaneceram estáveis, o preço líquido recebido pelas refinarias aumentou 26% via redução da tributação 0,40 0,20 0, Fonte: ANP. Elaboração: UNICA jul-12

7 AGRAVAMENTO DA CONDIÇÃO FINANCEIRA DO SETOR PRODUTIVO Unidades produtoras que interromperam suas atividades nos últimos anos unidades produtoras encerraram as suas operações no País Até jun/12 Fonte: UNICA.

8 AGRAVAMENTO DA CONDIÇÃO FINANCEIRA DO SETOR PRODUTIVO As 41 unidades que encerraram as suas atividades promoveram uma redução da capacidade de processamento de 32 milhões de toneladas de cana, com perda de 13 mil empregos diretos e outros 32 mil indiretos (somente indústria). Desde 2008, 37 unidades produtoras registraram pedido de recuperação judicial Nesse mesmo período, houve requerimento de falência para 9 unidades

9 AGRAVAMENTO DA CONDIÇÃO FINANCEIRA DO SETOR PRODUTIVO 1/6 das unidades em operação no setor possuem dívida superior a R$ 100/t de cana processada. No último ano, o faturamento médio por tonelada de cana foi de R$ 115/t de cana Portanto, nessas empresas a dívida é equivalente ao faturamento bruto Se esse cenário não for revertido, poderemos ter uma perda adicional de capacidade produtiva equivalente a 100 milhões de toneladas de cana nos próximos anos

10 ROTEIRO 1. Situação atual e margens do setor produtivo Evolução recente da produção Retração dos investimentos Custos e margens na produção Situação financeira das empresas 2. Regulação da produção e mercado de etanol 3. Perspectivas de longo prazo e retomada dos investimentos no setor sucroenergético Projeção de oferta e demanda de combustíveis Mandatos de longo prazo Matriz de combustíveis

11 REGULAÇÃO DO ETANOL COMBUSTÍVEL Lei Federal nº /2011 (Publicada em 19/09/2011 Origem: MP 532/2011). Alterou: (i) a Lei do Petróleo (Lei.9478/97) e (ii) a Lei do Abastecimento Nacional de Combustíveis (Lei 9.847/99). Novos Objetivos da Política Energética Nacional: 1. Incrementar a participação dos biocombustíveis na matriz energética nacional em bases econômicas, sociais e ambientais (desde 2005). 2. Incentivar a geração de energia elétrica a partir da biomassa. 3. Promover a competitividade no mercado internacional de biocombustíveis. 4. Atrair investimentos em infraestrutura para transporte e estocagem de biocombustíveis. 5. Fomentar a pesquisa e o desenvolvimento relacionados à energia renovável. 6. Mitigar as emissões de gases causadores de efeito estufa e de poluentes nos setores de energia e de transportes, inclusive com o uso de biocombustíveis.

12 REGULAÇÃO DO ETANOL COMBUSTÍVEL ESTOQUES MÍNIMOS E CONTRATOS DE FORNECIMENTO ( único do art. 8º da Lei 9.478/97): ANP pode exigir de agentes (combustíveis e biocombustíveis): (i) (ii) Manutenção de estoques mínimos instalações próprias ou de terceiros. Garantia e comprovação de capacidade de atendimento ao mercado, como, por exemplo, apresentação de contratos de fornecimento entre os agentes. Condições Necessárias: (i) Ênfase na garantia do abastecimento nacional de combustíveis; e (ii) Bases econômicas sustentáveis. Impossibilidade de imposição de obrigação de estocagem ou contratação sem instrumentos que as viabilizem economicamente.

13 PRINCIPAIS RESOLUÇÕES DA ANP, APÓS A MP 532: (I) COMERCIALIZAÇÂO DE ETANOL ANIDRO: RESOLUÇÃO ANP 67/2011. Etanol Anidro: é aquele com baixo teor de água (> 99%), adicionado na gasolina vendida nos postos, entre 18% a 25% (Hoje é 20%). Induz a contratação do fornecimento de etanol anidro entre produtor e distribuidor. Prazo: por pelo menos uma safra, até 30 de abril do ano seguinte. Contratação compatível: Até 1º de abril: contratação de 70% do volume comercializado pelo distribuidor no ano anterior. Até 1º de junho: contratação de 90% do volume comercializado pelo distribuidor no ano anterior. Distribuidora que não contratar: terá de demonstrar mensalmente estoque físico de anidro para adquirir gasolina.

14 PRINCIPAIS RESOLUÇÕES DA ANP, APÓS A MP 532: (I) COMERCIALIZAÇÂO DE ETANOL ANIDRO: RESOLUÇÃO ANP 67/2011 (CONT). PONTOS RELEVANTES SOBRE A CONTRATAÇÃO: Segurança para Contratos: Planejamento indispensável. Nível da Mistura (de 18% a 25%) deve ser definido antes do início da Safra (setembro ou outubro) e mantido inalterado durante a Safra. Volume a Contratar: Necessário o aperfeiçoamento do planejamento, de forma a compatibilizar o volume contratado com as necessidades da nova Safra (e não ser um percentual do volume da Safra encerrada). Atualização Periódica: a cada Safra, na medida em que são testadas as regras da Resolução, de forma a garantir máxima efetividade. Etanol Hidratado (vendido puro para o consumidor): Contratos são o melhor instrumento de garantia de produções e de abastecimento; importante a realização de estudos sobre normas indutoras de contratação de hidratado por longo prazo.

15 PRINCIPAIS RESOLUÇÕES DA ANP, APÓS A MP 532: (II) ESTOCAGEM DE ETANOL ANIDRO: RESOLUÇÃO ANP 67/2011 (CONT). INDÚSTRIAS DE ETANOL: Que não contratarem 90% do comercializado na safra anterior: 25% de estoque mantido em 31 de janeiro. Que contratarem 90% ou mais: 8% em 31 de março. DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS: Estoque em 31 de março: 15 dias da comercialização no mesmo mês do ano anterior.

16 PRINCIPAIS RESOLUÇÕES DA ANP, APÓS A MP 532: (III) RESOLUÇÃO EM ELABORAÇÃO: PRODUÇÃO DE ETANOL. i. Etanol: poderá ser originado de qualquer biomassa (cana, sorgo, arroz etc.). ii. iii. iv. Indústria Autorizada: Entre a fermentação e o carregamento de etanol. Projetos Novos: dependerão de autorização pela ANP, atendidos requisitos, tais como, a apresentação de projeto técnico e de licença ambiental. Projetos Antigos: 5 anos para adequação às novas regras. v. Tancagem Mínima: Suficiente para armazenar 1/3 da produção anual (pode ser compartilhada com indústrias do mesmo grupo). vi. Controle de Produção: Previsão de instalação de medidores de produção, conforme normas técnicas a serem expedidas pela ANP (já previsto em lei do PIS/Cofins). vii. Informações: Envio mensal de dados de produção/comercialização (Acompanhamento) e de estimativa de safra anualmente (Planejamento).

17 ROTEIRO 1. Situação atual e margens do setor produtivo Evolução recente da produção Retração dos investimentos Custos e margens na produção Situação financeira das empresas 2. Regulação da produção e mercado de etanol 3. Perspectivas de longo prazo e retomada dos investimentos no setor sucroenergético Projeção de oferta e demanda de combustíveis Mandatos de longo prazo Matriz de combustíveis

18 DEMANDA BRASILEIRA DE ETANOL CARBURANTE PROJETADA PELA EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA Valores em mil barris/dia ? Nº de novas usinas projetadas pela EPE Ano Novas usinas Se o cenário atual com baixo incentivo para investimento em novas unidades permanecer, a produção máxima de etanol carburante projetada para 2020 será muito inferior a demanda estimada pela EPE Fonte: UNICA e EPE (Plano Decenal de Expansão de Energia 2020). Nota: na estimativa de novas unidades, para 2012 e 2013 EPE considerou os projetos anunciados; para considerou a capacidade média de moagem das futuras unidades produtoras e os volumes incrementais de etanol necessários a cada ano para atendimento da demanda projetada.

19 DEMANDA POR COMBUSTÍVEIS EM 2021 Mil barris de ga asolina eq. dia Gap atualmente suprido por importação (aprox. 100 mil barris/dia ou 6 bilhões de litros) Projeção para o mercado de combustíveis do ciclo Otto Demanda ciclo Otto Gap futuro Como será suprido? 535 mil barris/dia ou 31 bilhões de litros Oferta atual de etanol Oferta projetada de GNV Produção atual de gasolina Oferta de etanol e de gasolina precisarão crescer para atender a demanda prevista Elaboração: UNICA. Nota: a oferta potencial de etanol pode sofrer pequenas variações de acordo com a proporção de etanol anidro e de hidratado no consumo total (esse valor poderá ser ajustado quando a oferta de gasolina for inserida no modelo); a conversão do volume anual para barris/dia foi obtida a partir da divisão do valor por 365; para a composição do cenário, assumiu-se que o volume produzido durante o ano safra é equivalente aquele disponível para consumo no ano civil; consumo total do ciclo Otto foi calculado a partir da seguinte equação: consumo ciclo Otto = consumo GNV + consumo de gasolina C + consumo de etanol hidratado * 0,7 ; para a conversão do volume de etanol hidratado em gasolina equivalente, foi utilizada a equivalência técnica de 70%.

20 PRODUTIVIDADE E PRODUÇÃO DE ETANOL POR HECTARE NA REGIÃO CENTRO-SUL litros de etanol/ha ,2 78,6 85,3 89,1 86,9 86,7 84, ,8 93,5 85, ,9 74, ton cana/ha * Litros de etanol/ha Produtividade (ton/ha) 0 Em 2020 espera-se que a produção de etanol atinja litros por hectare. Fonte: CTC e Unica. Elaboração: Unica.

21 Objetivos finais VISÃO DO FUTURO Plano Estratégico do Etanol e da Bioeletricidade da Cana 2012/ Cumprimento da meta de 30% de redução de CO 2 no País para energia 2. Participação na matriz energética, que hoje está em 15,7%, da energia total consumida 3. Participação do etanol na matriz de ciclo Otto, atualmente é 36%, mas já foi 50%. 4. Participação na oferta de eletricidade pela cogeração de cana-de-açúcar, incluindo retrofit, que hoje está em 3% Qual deverá ser a participação do etanol na matriz energética, no Ciclo Otto e na oferta de eletricidade em 2020?

22 MANDATOS DE PRAZO LONGO COMO INDUTORES DO INVESTIMENTO PRIVADO 1. Etanol anidro: De 18% a 25% (2012) De 25% a 30% (2020) a ser tecnicamente viabilizado e fixado anualmente até 30 de setembro do ano anterior em função da oferta prevista 2. Etanol hidratado: índices de participação anual na matriz do ciclo Otto 3. Contratação: estabelecimento de mecanismos de contratação que assegurem o suprimento de combustível sem sobressaltos (benchmarks avaliam energia elétrica, biodiesel) 4. Desenvolvimento de mercado futuros de etanol: aumento dos volumes transacionados

23 COMO RESTAURAR A COMPETITIVIDADE DO ETANOL? GAP DE COMPETITIVIDADE Business plan para usina state of the art indica que é necessário visão de longo prazo para o preço do etanol no mercado doméstico, parametrizado ao preço da gasolina no mercado internacional risco conhecido pelos investidores

24 CONSIDERAÇÕES FINAIS O papel da ANP não se encerra na regulação da produção e do mercado de etanol combustível A agência deve participar do planejamento estratégico e energético médio e longo prazos de No papel de agência reguladora é a detém os dados relevantes do setor para o planejamento (capacidade instalada, produção/comercialização anual etc.), bem como o domínio dos instrumentos regulatórios mais eficazes para a consecução do planejamento energético (juntamente com o EPE e o Ministério responsáveis).

25 Obrigado!

Coletiva de Imprensa REVISÃO DE SAFRA 2012/2013

Coletiva de Imprensa REVISÃO DE SAFRA 2012/2013 Coletiva de Imprensa REVISÃO DE SAFRA 2012/2013 São Paulo, 20 de setembro de 2012 ROTEIRO I. Metodologia e fonte de dados II. Aspectos climáticos e condições agrícolas III. Evolução da safra da região

Leia mais

Panorama do setor sucroenergético para a safra atual e perspectivas para 2012/13

Panorama do setor sucroenergético para a safra atual e perspectivas para 2012/13 Panorama do setor sucroenergético para a safra atual e perspectivas para 2012/13 Vanessa Nardy Agribusiness Research & Knowledge Center Pricewaterhouse Coopers Situação do setor sucroenergético no Brasil

Leia mais

Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade

Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade Zilmar de Souza Bioeletricidade CIBIO - Congresso Internacional de Biomassa Curitiba PR 16 de junho de 2016

Leia mais

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Posição até 16/11/2016 Informações adicionais Safra 2016/2017 1ª quinzena de novembro A moagem pelas unidades produtoras da região Centro-Sul atingiu

Leia mais

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Zilmar José de Souza XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA Rio de Janeiro 23 de outubro de 2012 A UNICA A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA)

Leia mais

RENOVABIO - propostas do setor sucroenergético e agenda para 2030

RENOVABIO - propostas do setor sucroenergético e agenda para 2030 RENOVABIO - propostas do setor sucroenergético e agenda para 2030 Momento propício para a discussão de agenda de revitalização do etanol combustível: DÉFICIT DE COMBUSTÍVEIS LEVES Falta de planejamento

Leia mais

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS Potencial Agrícola e de Mercado no Brasil para Biocombustíveis e Biodiesel Centro de Tecnologia Mineral - CETEM Cia. Nacional de Abastecimento - Conab ÂNGELO BRESSAN

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar Cana-de-açúcar 85 86 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 DÉFICIT NA PRODUÇÃO MUNDIAL DE AÇÚCAR, AUMENTO DA DEMANDA E QUEDA NOS ESTOQUES MANTERÃO TENDÊNCIA DE PREÇOS ALTOS A perspectiva é de

Leia mais

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Zilmar José de Souza Planejamento Termelétrico Brasileiro Rio de Janeiro RJ 11 de abril de 2012 A

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa pouco mais de 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia 2010-2019 III Workshop INFOSUCRO INSTITUTO DE ECONOMIA UFRJ 26 de novembro de 2010 Lei 10.847 de 15 de março de

Leia mais

Relatório final da safra 2013/2014. Região Centro-Sul

Relatório final da safra 2013/2014. Região Centro-Sul Relatório final da safra 2013/2014 Região Centro-Sul Tabela 1. Balanço final da safra 2013/2014 na região Centro-Sul Comparativo com a safra 2012/2013 Produtos Safra 2012/2013 2013/2014 Var. (%) Cana-de-açúcar

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil

Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil SEMINÁRIO INTERNACIONAL: USO EFICIENTE DO ETANOL Aurélio César Nogueira Amaral Diretor 20.09.2016 Missões da ANP REGULAR Estabelecer as normas

Leia mais

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT Biodiesel: Panorama e perspectivas 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT 1 Sumário Tecnologias de produção; A biomassa na matriz energética; Capacidade agrícola brasileira; Histórico do PNPB; Mercado; Novo marco

Leia mais

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste Campinas/SP 30 mar. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Leia mais

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Marco Antônio Martins Almeida Secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis spg@mme.gov.br Rio de Janeiro, 21

Leia mais

A bioeletricidade no setor sucroenergético

A bioeletricidade no setor sucroenergético A bioeletricidade no setor sucroenergético Zilmar Souza Bioeletricidade Audiência Pública Comissão de Serviços de Infraestrutura Senado Federal Brasília DF 22 de agosto de 2016 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/

Leia mais

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Gerson Teixeira Diretor de Economia e Meio Ambiente Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Ministério do

Leia mais

II SEMINÁRIO DE MATRIZ ENERGÉTICA Perspectivas e desafios à produção e exportação de Biocombustíveis

II SEMINÁRIO DE MATRIZ ENERGÉTICA Perspectivas e desafios à produção e exportação de Biocombustíveis II SEMINÁRIO DE MATRIZ ENERGÉTICA Perspectivas e desafios à produção e exportação de Biocombustíveis Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis 29 de Maio de 2012 Bioenergia

Leia mais

Reunião Pública com Analistas e Investidores

Reunião Pública com Analistas e Investidores 2014 Reunião Pública com Analistas e Investidores Grupo São Martinho 300.000 Ha Área agrícola de colheita 4 usinas São Martinho, Iracema, Santa Cruz e Boa Vista 20 milhões de toneladas Capacidade de processamento

Leia mais

POTENCIAL BRASILEIRO PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS

POTENCIAL BRASILEIRO PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS Seminário Internacional de Energias Renováveis Brasília, DF 11 de Abril de 2006 POTENCIAL BRASILEIRO PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS Paulo C. R. Lima, M.Sc., Ph.D. Consultor Legislativo da Câmara dos

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS Marcelo Khaled Poppe, Secretário de Desenvolvimento Energético MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BRASIL- MATRIZ ENERGÉTICA Petróleo 47,1% Nuclear 1,2%

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO:

IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO: IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO: SETOR DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Caderno FGV Energia: Carros Elétricos Rio de Janeiro 24 maio 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis Energia Dimensões da Energia Tecnológica Física Energia

Leia mais

Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel. Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis

Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel. Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis Estrutura Organizacional Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria de Planejamento

Leia mais

Financiamento de longo prazo e estabilidade são importantes para o investimento no setor sucroenergético

Financiamento de longo prazo e estabilidade são importantes para o investimento no setor sucroenergético Financiamento de longo prazo e estabilidade são importantes para o investimento no setor sucroenergético Embora o BNDES ofereça financiamento de longo prazo, o ambiente instável afetou a habilidade dos

Leia mais

O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas. João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV

O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas. João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV 2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA Agosto de 2002 Produção Mensal na Região Centro-Sul Álcool

Leia mais

Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009

Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009 Biocombustíveis em um Contexto Global José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009 MERCADO PARA BIOCOMBUSTÍVEIS A manutenção das metas dos governos para biocombustíveis, nos

Leia mais

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Reunión Ministerial Iberoamericana

Leia mais

Panorama da Inovação no Setor e Efeitos Econômicos da Paridade. Depto de Biocombustíveis BNDES Marcelo Soares Valente

Panorama da Inovação no Setor e Efeitos Econômicos da Paridade. Depto de Biocombustíveis BNDES Marcelo Soares Valente Panorama da Inovação no Setor e Efeitos Econômicos da Paridade Depto de Biocombustíveis Marcelo Soares Valente Principais Pontos Tratados Panorama e importância histórica (e para o futuro) da Inovação

Leia mais

RESOLUÇÃO ANP Nº 67, DE DOU RETIFICADA DOU

RESOLUÇÃO ANP Nº 67, DE DOU RETIFICADA DOU Page 1 of 5 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO ANP Nº 67, DE 9.12.2011 - DOU 13.12.2011 RETIFICADA DOU 16.12.2011 O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 10 Agosto, 2015 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA Nesta edição do boletim entrevistamos Luciano Rodrigues, Gerente de Economia e Análise

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2016 CEPEA AÇÚCAR & ETANOL I Análise Conjuntural II Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional (paridade

Leia mais

Indústria sucroenergética: Açúcar e etanol importância e cenário atual

Indústria sucroenergética: Açúcar e etanol importância e cenário atual Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN AÇÚCAR E ÁLCOOL - LAN 1458 Indústria sucroenergética: Açúcar

Leia mais

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética no Brasil e o impacto na geração Cilene Victor 1 Professora de Jornalismo e Relações Públicas e coordenadora do Centro Interdisciplinar de Pesquisa da

Leia mais

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis Biodiesel no Brasil Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis São Paulo, 18.11.2011 Papel do Biodiesel 2 Biodiesel como mais um Energético na Matriz 3 Concorre com outros produtos e

Leia mais

Desafios e Oportunidades no Setor Sucroenergético: Perspectivas para os produtos derivados da cana-de-açúcar

Desafios e Oportunidades no Setor Sucroenergético: Perspectivas para os produtos derivados da cana-de-açúcar Desafios e Oportunidades no Setor Sucroenergético: Perspectivas para os produtos derivados da cana-de-açúcar Paulo Andrés Trucco da Cunha Jales, 07 de Outubro de 2016. Índice 1ª Ciclo da Cana-de-açúcar

Leia mais

Consulta Pública No N v o a v a Re R g e u g l u a l m a en e t n a t ç a ã ç o ã pa p r a a r o o Et E a t n a o n l o

Consulta Pública No N v o a v a Re R g e u g l u a l m a en e t n a t ç a ã ç o ã pa p r a a r o o Et E a t n a o n l o Consulta Pública Nova Regulamentação para o Etanol Considerações O objetivo da regulamentação proposta é garantir o abastecimento de anidro no mercado nacional. No entanto, as medidas anunciadas não garantem

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia medina@uel.br AGRICULTURA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PRODUÇÃO DE ENERGIA A GRANDE REVOLUÇÃO ESTÁ

Leia mais

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO O Brasil tem o programa mais bem sucedido de substituição de combustível fóssil por combustível renovável no mundo. Esse resultado só foi possível pela resposta do

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO. Waste Expo 2016

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO. Waste Expo 2016 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO Waste Expo 2016 ASSOCIADOS ALIMENTOS BIOGÁS E A ECONOMIA CIRCULAR ENERGIA BIOGÁS RESÍDUOS BIODIGESTÃO EFLUENTE NPK FERTILIZANTE AMBIENTE REGULATÓRIO DEZ 2012

Leia mais

Panorama dos biocombustíveis no Brasil. Marcela Flores SBQ/ANP

Panorama dos biocombustíveis no Brasil. Marcela Flores SBQ/ANP Panorama dos biocombustíveis no Brasil Marcela Flores SBQ/ANP Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

Cadeia da Cana de Açúcar. Acadêmicos: Adriana Espinosa, Ricardo Theisen, Victor Ferreira

Cadeia da Cana de Açúcar. Acadêmicos: Adriana Espinosa, Ricardo Theisen, Victor Ferreira Cadeia da Cana de Açúcar Acadêmicos: Adriana Espinosa, Ricardo Theisen, Victor Ferreira ORIGEM DA CANA DE AÇÚCAR A cultura da cana-de-açúcar sempre foi muito importante para a economia brasileira. As primeiras

Leia mais

COLETIVA DE SAFRA 2017/2018. Mário Campos Presidente SIAMIG

COLETIVA DE SAFRA 2017/2018. Mário Campos Presidente SIAMIG COLETIVA DE SAFRA 2017/2018 Mário Campos Presidente SIAMIG UBERABA 28/04/2017 MOAGEM DE CANA EM MINAS GERAIS ( mil toneladas) MIX DE PRODUÇÃO SAFRA MG 2016/2017 POSIÇÃO: 01-04-2017 PRODUTOS SAFRA VAR(%)

Leia mais

CANA & ENERGIA. Estoques Estratégicos de Combustíveis. Carlos Valois Maciel Braga

CANA & ENERGIA. Estoques Estratégicos de Combustíveis. Carlos Valois Maciel Braga CANA & ENERGIA Estoques Estratégicos de Combustíveis Carlos Valois Maciel Braga Superintendente de Comercialização e Movimentação de Petróleo e seus Derivados Agência Nacional do Petróleo - ANP Coordenador

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO QUEM SOMOS Fundadada em dezembro de 2013 Missão ser um canal de interlocução com a sociedade civil, os governos federal e estaduais, as autarquias e os órgãos

Leia mais

Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país.

Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. PERFIL DA PRODUÇÃO Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. 935 mil empregos formais (RAIS 2014). Divisas Externas: US$

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA São Paulo, 05/09/2012 Ministério de Minas e Energia ABINEE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA ABINEE TEC 2012 TALK SHOW MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Altino Ventura Filho Secretário

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Impactos Econômicos da Resolução 05/15 da ANP Fórum Permanente do Gás LP 7º Encontro Rio de Janeiro, 28 de Abril de 2015 Resolução n 05/15 da ANP Obrigatoriedade de formação

Leia mais

BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS. Zilmar José de Souza

BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS. Zilmar José de Souza BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Zilmar José de Souza Câmara Consultiva do Açúcar e Etanol na BM&F-Bovespa São Paulo - 9 de setembro de 2014 Bioeletricidade: capacidade instalada (em MW)

Leia mais

Desafios para o Investimento em Novas Usinas de Etanol no Brasil

Desafios para o Investimento em Novas Usinas de Etanol no Brasil Desafios para o Investimento em Novas Usinas de Etanol no Brasil Dezembro, 2011 11 Sumário SEÇÃO 1 SEÇÃO 2 SEÇÃO 3 SEÇÃO 4 Rápida Avaliação Setorial Desempenho Econômico-Financeiro Quadro Evolutivo Setorial

Leia mais

Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável

Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável Versão 02/03/16 Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável Donizete Tokarski Diretor Superintendente Audiência Pública da Comissão Especial da Câmara dos Deputados

Leia mais

DESTAQUES DO 2T12. Resumo dos Destaques Operacionais - 2T12. Revisão do Guidance de Produção 2T11 2T12

DESTAQUES DO 2T12. Resumo dos Destaques Operacionais - 2T12. Revisão do Guidance de Produção 2T11 2T12 Resultados DISCLAIMER Eventuais declarações que possam ser feitas durante esta apresentação, relativas às perspectivas de negócios da Companhia, projeções e metas operacionais e financeiras, constituem-se

Leia mais

Distribuição Missão e Valores

Distribuição Missão e Valores EBDQUIM 2016 Abastecimento de Derivados e Biocombustíveis Distribuição Missão e Valores Antonio José Valleriote Superintendência de Abastecimento 11 de Março de 2016 Atividades da ANP ANP A Agência Nacional

Leia mais

A bioeletricidade e o setor sucroenergético brasileiro: oportunidades e desafios

A bioeletricidade e o setor sucroenergético brasileiro: oportunidades e desafios A bioeletricidade e o setor sucroenergético brasileiro: oportunidades e desafios Zilmar Souza 5ª Edição do CampetroEnergy Bioeletricidade Campinas SP 29 de novembro de 2016 Geração da biomassa em 2014

Leia mais

Setor Sucroalcooleiro

Setor Sucroalcooleiro A partir da crise de 2009, o setor sucroalcooleiro vem sofrendo em termos de preço e mercado. Ao abrir os jornais, são frequentes as notícias sobre pedidos de recuperação judicial e de falências de usinas

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MAIO/2016 CEPEA AÇÚCAR & ETANOL I Análise Conjuntural II Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional (paridade

Leia mais

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017 Destaques: A capacidade instalada atualmente pela biomassa (14.619 MW) supera a capacidade instalada pela usina Itaipu. Com 9% da matriz elétrica brasileira, a fonte biomassa em geral ocupa a 2ª posição

Leia mais

Um Projeto para Aproveitar a Biomassa da Cana. Ribeirão Preto, Agosto 2016

Um Projeto para Aproveitar a Biomassa da Cana. Ribeirão Preto, Agosto 2016 Um Projeto para Aproveitar a Biomassa da Cana Ribeirão Preto, Agosto 2016 Quem somos e em que áreas atuamos Energia + Química Renovável Desenvolvimento e investimento em projetos de geração com biomassa

Leia mais

Oportunidades da Cana-de- Açúcar na região da Amazônia Legal. Biosol Agroindústria SA. Apresentação ao Congresso Nacional

Oportunidades da Cana-de- Açúcar na região da Amazônia Legal. Biosol Agroindústria SA. Apresentação ao Congresso Nacional Apresentação ao Congresso Nacional 1 Oportunidades da Cana-de- Açúcar na região da Amazônia Legal Biosol Agroindústria SA Álcool e Energia Elétrica Estado Roraima Maio de 2012 Índice 2 1. Setor Sucroalcoleiro

Leia mais

Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios

Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios Zilmar Souza Federação das Indústrias do Estado de Goiás FIEG Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios 18ª Reunião Goiás - GO 18 de agosto de 2015 BIOELETRICIDADE DA CANA

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura Rio de Janeiro, 04/julho/2013 Ministério de Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Leia mais

O Setor Brasileiro de Cana-de-açúcar Perspectivas de Crescimento por Plinio M. Nastari, Ph.D. (DATAGRO - Brasil)

O Setor Brasileiro de Cana-de-açúcar Perspectivas de Crescimento por Plinio M. Nastari, Ph.D. (DATAGRO - Brasil) O Setor Brasileiro de Cana-de-açúcar Perspectivas de Crescimento por Plinio M. Nastari, Ph.D. (DATAGRO - Brasil) São Paulo, Brasil Posição atual do Brasil em Açúcar e Álcool 2 Maior produtor e exportador

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2020 e Plano de Negócios

Plano Estratégico Petrobras 2020 e Plano de Negócios PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano Estratégico Petrobras 2020 e Plano de Negócios 2008 2012 Rio de Janeiro, 14 de agosto de 2007 PETRÓLEO BRASILEIRO S/A PETROBRAS,

Leia mais

Segurança energética: Geração térmica no Brasil

Segurança energética: Geração térmica no Brasil III Seminário sobre a Matriz e Segurança Energética -FGV Segurança energética: Geração térmica no Brasil Silvia Calou Diretora-Presidente CSPE ARSESP (Lei Complementar 1025/2007) Multissetorial: Gás Canalizado

Leia mais

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS EDIÇÃO N o 43 Julho/2011 SUMÁRIO

Leia mais

Rotas de Produção de Diesel Renovável

Rotas de Produção de Diesel Renovável Petrobras - Tecnologia A preocupação mundial com o desenvolvimento sustentável evidenciou a necessidade da definição de limites de emissão para as tecnologias automotivas. Desde então, pesquisadores têm

Leia mais

Reunião entre a ANP e representantes dos produtores de etanol

Reunião entre a ANP e representantes dos produtores de etanol Reunião entre a ANP e representantes dos produtores de etanol Apresentação da Resolução que regulamenta a produção de etanol no País 6 de outubro de 2014 SRP Ementa Estabelece a regulação e a obrigatoriedade

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA "Polí&cas Públicas: Buscando Estabilidade e Previsibilidade" MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Ricardo de Gusmão Dornelles Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis

Leia mais

PRODUÇÃO E USO DE. Coordenador da Comissão Executiva Interministerial Biodiesel

PRODUÇÃO E USO DE. Coordenador da Comissão Executiva Interministerial Biodiesel O PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL: DIRETRIZES, LEGISLAÇÃO E TRIBUTAÇÃO Rodrigo Augusto Rodrigues Coordenador da Comissão Executiva Interministerial Biodiesel Seminário Regional sobre Produção

Leia mais

Teleconferência dos Resultados do 1T10 Ano Safra 2009/2010

Teleconferência dos Resultados do 1T10 Ano Safra 2009/2010 Teleconferência dos Resultados do 1T10 Ano Safra 2009/2010 DISCLAIMER Eventuais declarações que possam ser feitas durante esta apresentação, relativas às perspectivas de negócios da Companhia, projeções

Leia mais

Planejamento Energético Matriz Futura

Planejamento Energético Matriz Futura Planejamento Energético Matriz Futura Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor PROMOÇÃO Belo Horizonte, MG 24 de Abril de 2014 O planejamento energético é orientado para atender

Leia mais

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE POLÍTICA PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Segundo Diálogo Nacional Rio de Janeiro (21/11/2014) CINDES Professor Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br ROTEIRO Novo contexto

Leia mais

Fato Relevante. São Martinho compra participação na Santa Cruz e Agropecuária Boa Vista

Fato Relevante. São Martinho compra participação na Santa Cruz e Agropecuária Boa Vista Fato Relevante São Martinho compra participação na Santa Cruz e Agropecuária Boa Vista São Paulo, 31 de outubro 2011 - São Martinho S.A. (BM&FBovespa: SMTO3; Reuters: SMTO3 SA e Bloomberg: SMTO3 BZ), um

Leia mais

Perspectivas do Mercado e a Importância da Gestão de Risco. Novembro de 2016

Perspectivas do Mercado e a Importância da Gestão de Risco. Novembro de 2016 Perspectivas do Mercado e a Importância da Gestão de Risco Novembro de 2016 A Evolução da Produção no Centro-Sul OcrescimentomédioanualdaproduçãodecananoCentro-Sulnosúltimos8anosfoide4.59%; no entanto,

Leia mais

Tecnologia Etanol Celulósico E2G-CTC. Piracicaba, 27 de novembro de 2014.

Tecnologia Etanol Celulósico E2G-CTC. Piracicaba, 27 de novembro de 2014. Tecnologia Etanol Celulósico E2G-CTC Piracicaba, 27 de novembro de 2014. Programa de Desenvolvimento do E2G CTC 2007 2009 2011 2013 2014 2016 2018 PAISS BNDES/FINEP Planta Demonstração Usina São Manoel

Leia mais

O PNPB e a Organização da Produção de Biodiesel

O PNPB e a Organização da Produção de Biodiesel O PNPB e a Organização da Produção de Biodiesel Renata Lèbre La Rovere GEI/IE/UFRJ Selena Herrera LIMA/COPPE/UFRJ 1 O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel - PNPB BIODIESEL: combustível produzido

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 06 Abril, 2015 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA Qual a expectativa para o setor sucroenergético em 2015? Essa é a pergunta do ano.

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS EDIÇÃO N o 87 Abril/2015 SUMÁRIO

Leia mais

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético 23 de julho de 2015 Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético Antonio de Padua Rodrigues Diretor técnico ROTEIRO I. Perspectivas para a safra 2015/2016 II. Mercados de açúcar e de etanol

Leia mais

VENDAS DE GASOLINA CAEM 13% EM JANEIRO

VENDAS DE GASOLINA CAEM 13% EM JANEIRO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XI 10/março/2016 n. 486 VENDAS DE GASOLINA CAEM 13% EM JANEIRO Os dados mais recentes sobre as vendas de combustíveis nos postos brasileiros disponibilizados

Leia mais

Energias Renováveis: políticas públicas para o desenvolvimento do setor. Antonio Celso de Abreu Jr Subsecretário de Energias Renováveis

Energias Renováveis: políticas públicas para o desenvolvimento do setor. Antonio Celso de Abreu Jr Subsecretário de Energias Renováveis Energias Renováveis: políticas públicas para o desenvolvimento do setor Antonio Celso de Abreu Jr Subsecretário de Energias Renováveis Outubro de 2016 Agenda o Panorama o Políticas Públicas de Incentivos

Leia mais

1 Introdução Contextualização

1 Introdução Contextualização 1 Introdução 1.1. Contextualização O etanol como combustível para automóveis tem se destacado como um importante produto no cenário internacional, no qual o Brasil é um dos principais players ao lado dos

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Pós Graduação em Economia Aplicada

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Pós Graduação em Economia Aplicada Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Pós Graduação em Economia Aplicada Potencial e disponibilidade de biomassa de cana-de-açúcar na região Centro-Sul do

Leia mais

Biogás e Biometano Nova Fronteira da Energia Renovável Produção, Usos e Comercialização. Carlos Roberto Silvestrin

Biogás e Biometano Nova Fronteira da Energia Renovável Produção, Usos e Comercialização. Carlos Roberto Silvestrin Biogás e Biometano Nova Fronteira da Energia Renovável Produção, Usos e Comercialização Carlos Roberto Silvestrin silvestrin@coneconsultoria.com.br Workshop SIAMIG Belo Horizonte, 05/10/2016 1 Indústria

Leia mais

APIMEC - SP 16 de dezembro de 2008

APIMEC - SP 16 de dezembro de 2008 APIMEC - SP 16 de dezembro de 2008 DISCLAIMER Eventuais declarações que possam ser feitas durante esta apresentação, relativas às perspectivas de negócios da Companhia, projeções e metas operacionais e

Leia mais

CEPEA ETANÓIS ANIDRO E HIDRATADO. 1. Evolução dos Indicadores CEPEA/ESALQ dos etanóis anidro e hidratado (valores nominais) I - Análise Conjuntural

CEPEA ETANÓIS ANIDRO E HIDRATADO. 1. Evolução dos Indicadores CEPEA/ESALQ dos etanóis anidro e hidratado (valores nominais) I - Análise Conjuntural AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência:fevereiro/2016 CEPEA - AÇÚCAR & ETANOL I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional

Leia mais

Oportunidades do GLP no Brasil

Oportunidades do GLP no Brasil Oportunidades do GLP no Brasil GLP no Brasil: a indústria do GLP :: 100% do território nacional :: 95% residências :: 56 milhões de lares :: 33 milhões de botijões vendidos mensalmente :: 7,1 milhões de

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Silvicultura

Balanço 2016 Perspectivas Silvicultura Silvicultura 105 106 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 CRESCIMENTO DO SETOR DE FLORESTAS PLANTADAS E REDUÇÃO DA INSEGURANÇA JURÍDICA SÃO PRINCIPAIS APOSTAS A redução dos investimentos em

Leia mais

POTENCIAL E AÇÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO

POTENCIAL E AÇÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO POTENCIAL E AÇÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO BIOELETRICIDADE: Desafios para Crescer ETHANOL SUMMIT 2011 José Aníbal Secretário de Energia do Estado de São Paulo São Paulo 6 de Junho de 2011 Nuclear 5,8% Secretaria

Leia mais

O SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL E EM MINAS GERAIS. LUIZ CUSTÓDIO COTTA MARTINS PRESIDENTE SIAMIG/SINDAÇÚCAR-MG Belo Horizonte 21/08/2008

O SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL E EM MINAS GERAIS. LUIZ CUSTÓDIO COTTA MARTINS PRESIDENTE SIAMIG/SINDAÇÚCAR-MG Belo Horizonte 21/08/2008 O SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL E EM MINAS GERAIS LUIZ CUSTÓDIO COTTA MARTINS PRESIDENTE SIAMIG/SINDAÇÚCAR-MG Belo Horizonte 21/08/2008 SETOR SUCROALCOOLEIRO BRASILEIRO CANA-DE- AÇÚCAR AÇÚCAR ETANOL

Leia mais

Hidrocarbonetos - O Pré-Sal - Dificuldades e Oportunidades. Adriano Pires Março de 2011

Hidrocarbonetos - O Pré-Sal - Dificuldades e Oportunidades. Adriano Pires Março de 2011 Hidrocarbonetos - O Pré-Sal - Dificuldades e Oportunidades Adriano Pires Março de 2011 1 Metas Nacionais de Produção e Reservas da Petrobras 7,4% a.a. 5.059 1.109 ia d / p e b il M 1.752 1.791 1.758 252

Leia mais

ETANOL & O SETOR SUCROENERGÉTICO Situação atual e perspectivas

ETANOL & O SETOR SUCROENERGÉTICO Situação atual e perspectivas ETANOL & O SETOR SUCROENERGÉTICO Situação atual e perspectivas Antonio de Padua Rodrigues Presidente Interino da União da Indústria de Cana-de-açúcar Brasília, 22 de novembro de 2012 QUESTÕES CENTRAIS

Leia mais

A crise financeira e o. setor de energia

A crise financeira e o. setor de energia A crise financeira e o setor de energia PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos MARÇO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 2009 Câmara dos Deputados.

Leia mais

Financiamento de Projetos de P&D Produção de Etanol 2G. Elias Ramos de Souza SUPERINTENDENTE DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO

Financiamento de Projetos de P&D Produção de Etanol 2G. Elias Ramos de Souza SUPERINTENDENTE DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Financiamento de Projetos de P&D Produção de Etanol 2G Elias Ramos de Souza SUPERINTENDENTE DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Seminário ANP/CTC BDEP, Rio de Janeiro, 24 de Setembro de 2013 Por

Leia mais

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Sumário: I. Modelo de Projeção II. Principais Premissas da Matriz Energética III.

Leia mais