Laudo Técnico referente à aplicação do Item da Lei municipal 11228/92 da Prefeitura da Cidade de São Paulo para a operação com Gruas.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Laudo Técnico referente à aplicação do Item 9.4.1 da Lei municipal 11228/92 da Prefeitura da Cidade de São Paulo para a operação com Gruas."

Transcrição

1 Laudo Técnico referente à aplicação do Item da Lei municipal 11228/92 da Prefeitura da Cidade de São Paulo para a operação com Gruas. ELABORADO PELO GRUPO FORMADO PELO SINDUSCON, SECOVI, CBIC, LOCADORES, FABRICANTES DE GRUAS E OUTROS COLABORADORES SOB COORDENAÇÃO DA DIRETORIA DO SEGUIMENTO GRUAS DA ALEC-SP. Este documento tem como objetivo demonstrar, através de subsídios técnicos e de práticas de uso, parecer do seguimento da construção civil referente à aplicação e interpretação do item da lei municipal 11228/92 (Código de Obras) da Cidade de São Paulo. O código de obras teve sua última alteração no ano de 1992; por quase 20 anos o segmento da construção civil praticou a utilização de equipamentos em geral, principalmente de transportes vertical, entre eles as gruas. Durante todo este período utilizando-se deste recurso (gruas) nunca o setor foi autuado por infringir qualquer norma, lei ou código de obras. Ou seja, nada de errado estava se praticando com relação às gruas nas obras em execução. 1. Da Interpretação e Possibilidade de Aplicação Item do Código de Obras - Lei municipal 11228/ EQUIPAMENTOS MECÂNICOS Caput: Todo equipamento, independentemente de sua posição no imóvel, deverá ser instalado de forma a não transmitir ao imóvel vizinho e aos logradouros públicos ruídos, vibrações e temperaturas (1) em níveis superiores aos previstos nos regulamentos oficiais próprios Os guindastes, ponte-rolante e outros equipamentos assemelhados (2) que possuírem, junto às divisas, altura superior a 9,00m (nove metros) medidos a partir do perfil original do terreno, ficarão condicionados, a partir desta altura, a afastamento mínimo de 3,00m (três metros) no trecho em que ocorrer tal situação(3) Note-se que no Caput do item 9.4, observação (1), deixa-se bastante claro que o objetivo do item é proteger vizinhos e o logradouro público de ruídos, vibrações e temperatura, não definindo quaisquer regras para utilização do espaço aéreo. Atendendo as especificações com relação á ruídos, vibrações e temperatura, entendemos que a utilização do espaço aéreo não desrespeita o referido artigo do código de obras.. Nas gruas, os sistemas mecânicos estão posicionados no centro do equipamento ou na contralança, local que está a uma distância muito superior a 3 metros de vizinhos. No caso das gruas, a distância a ser considerada deve ser a real, não no plano vertical ou horizontal.

2 Gruas têm como característica a possibilidade da montagem da lança horizontal com diferentes comprimentos. Para se ter diferentes configurações de lança não há alteração da posição dos sistemas eletromecânicos. Vale ressaltar que estes equipamentos otimizam os transportes verticais dos materiais, reduzindo os prazos das obras e conseqüentemente minimizando os desconfortos inevitáveis seja aos vizinhos, ao trânsito e a população em geral, principalmente nas Zonas de Restrição de Transito. A Secretaria dos Transportes estimula a utilização de equipamentos que minimize o tempo de descarga (do meio fio para dentro da obra), sendo a grua um excelente equipamento para tal finalidade. 2. Da Normatização Específica para o uso de Gruas As gruas são equipamentos destinados ao içamento e movimentação de cargas para obras de construção civil. Da mesma forma que o código de obras define os parâmetros para os ruídos e vibrações, há uma norma regulamentadora, com abrangência em todo o país, que define as condições de segurança para o uso de Gruas no ambiente da construção civil. Trata-se da NR18, subitem publicado no Diário Oficial da União em 17 de Janeiro de Esta norma, além de definir itens de segurança e operação de Gruas, define também condição mínima de afastamento de edificações vizinhas, bem como de redes de distribuição elétrica. No item temos: A ponta da lança e o cabo de aço de levantamento da carga devem ficar, no mínimo, a 3m (três metros) de qualquer obstáculo e ter afastamento da rede elétrica que atenda à orientação da concessionária local Para distâncias inferiores a 3m (três metros), a interferência deverá ser objeto de análise técnica, por profissional habilitado, dentro do plano de cargas A área de cobertura da grua, bem como interferências com áreas além do limite da obra, deverão estar previstas no plano de cargas respectivo. Entendemos que a questão da utilização do espaço aéreo está definida pela NR18, pois está relacionada a riscos/ segurança e está totalmente direcionada para proteção de pessoas em todo seu texto. 3. ABNT NBR7678 Segurança na execução de obras e serviços de construção A NBR7678 em seu item 4.5 define com toda clareza os parâmetros para segurança de terceiros em obras de construção civil.

3 4.5 Segurança de terceiros Nunca se deve permitir que cargas levantadas por gruas, guindastes, guinchos ou outro equipamento pairem acima de transeuntes, a não ser que exista proteção apropriada. Este item da NBR demonstra claramente que é previsto que as gruas possuam alcance além do limite dos terrenos, pois em alguns casos, é a única forma de promover cargas e descargas no canteiro. É importante salientar que para este tipo de atividade há medidas de segurança apropriadas que garantem a segurança a transeuntes e terceiros. A mesma norma define que não é permitido passar com cargas sobre pessoas. A questão fundamental é que não é permitido passar com cargas sobre pessoas ou edificações habitadas dentro ou fora do canteiro de obras. Devemos sempre zelar pela segurança de pessoas dentro e fora dos canteiros, com a mesma importância, pois todas são vidas humanas. 5. Considerações Entendemos que é fundamental seguir rigorosamente as normas de segurança quanto à manutenção, conservação, implantação e operação de gruas, pois independentemente da lança ou contra-lança estarem ou não passando além dos limites do canteiro, um eventual colapso do equipamento poderia atingir pessoas, edificações vizinhas ou vias públicas mesmo estando com 100% de sua estrutura dentro dos limites do terreno. As gruas podem ser montadas em edifícios de mais de 40 pavimentos, por exemplo. A partir de uma altura de 20 ou 30 metros não se consegue prever onde poderiam cair peças de um equipamento em caso de colapso, da mesma forma que helicópteros, aviões ou qualquer outro tipo de equipamento de construção civil ou definitivo que se encontre a uma certa altura. Não há freqüência deste tipo de acidente que justifique questionar a confiabilidade das gruas. A interpretação equivocada do código de obras com relação à utilização de gruas, pratica esta já contemplada nos custos e planejamentos das obras por mais de 20 anos, poderá trazer sérios prejuízos aos construtores e aos adquirentes de unidades habitacionais/comercias com relação aos prazos previstos de entrega, além de marcar um retrocesso em termos de processos construtivos. As gruas têm sua utilização difundida em todo o mundo como a forma tecnicamente correta de transporte de materiais na construção civil. Somente com a utilização deste equipamento é possível se evitar acidentes de ordem ocupacional, pois geralmente a alternativa à utilização de gruas é a descarga manual de materiais o que covardemente é verificado em canteiros de obra no Brasil, que não utilizam equipamentos para aliviar a necessidade da força braçal.

4 Um dos motivos do aumento da utilização de gruas é a intensificação da fiscalização do ministério do trabalho e o maior rigor na aplicação de penalidades a empregadores em casos de acidentes de trabalho. A grua permite a retirada de trabalhadores da situação de risco, além de aumentar a produtividade. Com o aumento da produtividade temos obras mais rápidas e conseqüentemente menos transtornos a vizinhos e transeuntes, certamente um dos objetivos do código de obras. Em diversos países do mundo, desenvolvidos e em desenvolvimento que pesquisamos, a utilização de gruas com lanças que ultrapassam os limites do terreno são plenamente permitidas, pois o espaço aéreo é considerado livre, sempre obedecendo a normas de segurança pertinentes. Temos ciência que é proibido passar com cargas fora do canteiro, exceto quando previstas medidas de proteção adequadas. O que se observa nos países mais desenvolvidos como Estados Unidos, França e Reino Unido, é que os comitês para elaboração de normas e todos os trabalhos neste sentido estão direcionados para a questão de inspeção e controle das gruas, documentação das condições de montagem, manutenção, inspeção e responsabilidade técnica. A segurança dos equipamentos é que deve ser priorizada, independentemente do local de instalação da grua. O trabalho recente com a alteração da NR18 ( ) seguiu predominantemente na mesma direção onde há exigências neste sentido exigindo registros de manutenção, responsabilidade técnica com recolhimento de ART, dispositivos mínimos de segurança, laudos e inspeções obrigatórias para equipamentos com idade a partir do limite estabelecido. Como exemplo de legislação de outros países podemos citar a França. A França é o berço da utilização de gruas no mundo e possui legislação específica para o tema. Conforme legislação francesa é permitido que a estrutura das gruas efetuem sobrevôo além dos limites dos canteiros de obras, proibindo evidentemente a passagem de cargas sobre locais públicos e vizinhos. Na referida legislação é inclusive permitido posicionamento de gruas em calçadas e em vias públicas mediante autorização prévia. Em resumo, concluímos: A. Que o código de obras do município de São Paulo em seu item 9.4 / define condições para proteção de vizinhos contra ruídos, vibrações e temperatura; B. Que o código de obras ao citar outros equipamentos assemelhados não vislumbrava gruas quando define parâmetros de distância de vizinhos; seria incompatível com o próprio conceito de grua, ou seja, o aproveitamento (com devida segurança) do espaço aéreo além dos limites dos canteiros de obras verticais urbanas. C. Que podemos considerar nos itens acima que os elementos geradores de ruídos, vibrações e temperatura nas gruas, estão situados no centro de giro ou no contra-lança das gruas que estão normalmente a uma grande distância de vizinhos e vias públicas; D. Que a norma mais recente e que é a mais adequada para definir parâmetros de segurança para a operação com gruas é a NR18 ( ), por tratar especificamente deste tema;

5 E. Que a NBR 7678 prevê situações onde há de fato alcance de gruas fora dos limites do canteiro, definindo condições para tal situação; F. Que restringir o uso destes equipamentos, além de ser um retrocesso tecnológico contrario a que está acontecendo nos países desenvolvidos é, na verdade, exigir dos construtores que utilizem alternativas paliativas, colocando em risco a saúde e a vida de trabalhadores. Este grupo de trabalho está à disposição para o debate sobre o tema, sempre com o objetivo de zelar pela segurança, desenvolvendo o seguimento de forma sustentável e em harmonia com a sociedade como um todo. Atenciosamente, SINDUSCON SP Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo Sr. Sergio Tiaki Watanabe Presidente SECOVI SP Sindicato da Habitação Sr. Carlos Borges CBIC Câmara Brasileira da Indústria da Construção Sr. Yves Mifano Engº Antonio Pereira do Nascimento Auditor fiscal do trabalho SRTE/SP Coordenador do CPR Membro do CPN ALEC Seguimento Gruas Engº Paulo Melo Alves de Carvalho Diretor

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS DEFINIÇÃO DE GRUA: GUINDASTE UNIVERSAL DE TORRE PARA TRANSPORTE DE CARGAS, TANTO NA HORIZONTAL COMO NA VERTICAL SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO

Leia mais

O Brasil tem utilizados desses equipamentos em todas as obras como os Estádios de Futebol, Portos, Aeroportos, Construção Civil, etc.

O Brasil tem utilizados desses equipamentos em todas as obras como os Estádios de Futebol, Portos, Aeroportos, Construção Civil, etc. GRUAS Os modernos Canteiros de Obras se utilizam de GRUAS para reduzirem o número de operários, auxiliar no cumprimento de prazos apertados e viabilizar a implantação de diversos sistemas de pré-moldados

Leia mais

18.14.24.2 É proibida a utilização de gruas para o transporte de pessoal.

18.14.24.2 É proibida a utilização de gruas para o transporte de pessoal. Texto aprovado pelo CPN e CTPP. GRUAS 18.14.24 Gruas 18.14.24.1 A ponta da lança e o cabo de aço de levantamento da carga devem ficar no mínimo a 3,00m (três metros) de qualquer obstáculo e ter afastamento

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional. Procedimento de Grua

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional. Procedimento de Grua 1) OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos e condições mínimas objetivando a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores

Leia mais

ANEXO I FICHA DE ACIDENTE DO TRABALHO Sem afastamento ( ) Com afastamento ( ) Fatal ( ) Doença do trabalho ( ) Data / /

ANEXO I FICHA DE ACIDENTE DO TRABALHO Sem afastamento ( ) Com afastamento ( ) Fatal ( ) Doença do trabalho ( ) Data / / ANEXO I FICHA DE ACIDENTE DO TRABALHO Sem afastamento ( ) Com afastamento ( ) Fatal ( ) Doença do trabalho ( ) Data / / NR 18 CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Empresa: CGC:

Leia mais

S I N D U S C O N S P 1 8 / 0 2 / 2 0 1 1 A N T O N I O P E R E I R A D O N A S C I M E N T O

S I N D U S C O N S P 1 8 / 0 2 / 2 0 1 1 A N T O N I O P E R E I R A D O N A S C I M E N T O Modificações recentes e em fase de aprovação para trabalhos com andaimes, gruas e elevadores de obras dentro do âmbito federal e municipal S I N D U S C O N S P 1 8 / 0 2 / 2 0 1 1 A N T O N I O P E R

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 3 CONTROLE DE FUMAÇA NATURAL EM INDÚSTRIAS, DEPÓSITOS

Leia mais

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 A SECRETÁRIA DE INSPEÇAO DO TRABALHO e o DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições legais que lhe conferem o Decreto n.º

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 3 Controle de fumaça natural em indústrias... 331 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Item 35.5 da NR-35 (Equipamentos de Proteção Individual, Acessórios e Sistemas de Ancoragem)

CONSULTA PÚBLICA Item 35.5 da NR-35 (Equipamentos de Proteção Individual, Acessórios e Sistemas de Ancoragem) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Item 35.5 (Equipamentos de Proteção Individual,

Leia mais

Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo

Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo Principais tipos de plataformas aéreas Mastro Telescópica Tesoura Unipessoal Articulada A segurança As plataformas foram desenvolvidas

Leia mais

CUIDADOS BÁSICOS NA ESCOLHA E USO DE ELEVADORES DE OBRAS. Engº. Gilberto Mian

CUIDADOS BÁSICOS NA ESCOLHA E USO DE ELEVADORES DE OBRAS. Engº. Gilberto Mian CUIDADOS BÁSICOS NA ESCOLHA E USO DE ELEVADORES DE OBRAS Engº. Gilberto Mian SOBRE A METAX A Metax é especializada em Engenharia de Acesso, fornecendo soluções para acesso e elevação de carga, atuando

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade 08/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

AGENDA PROTEÇÃO DE QUEDAS NR35 TRABALHO EM ALTURA 21/05/2014

AGENDA PROTEÇÃO DE QUEDAS NR35 TRABALHO EM ALTURA 21/05/2014 PROTEÇÃO DE QUEDAS NR35 TRABALHO EM ALTURA Eng. Alberto Delgado Gerente de Treinamento Região América Latina 2 AGENDA Estatísticas dos Acidentes no Trabalho Riscos típicos de Trabalhos em Altura Revisão

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

Relatório de Inspeção

Relatório de Inspeção Relatório de Inspeção Obra: Recuperação do sistema de bondes de Santa Teresa Local: Rua Joaquim Murtinho, Santa Teresa, Rio de Janeiro-RJ Executante: Consórcio Elmo-Azvi Gerente da Obra: Sr. Angel Técnico

Leia mais

18.14.6 Os acessos da obra devem estar desimpedidos, possibilitando a movimentação dos equipamentos de guindar e transportar. (118.

18.14.6 Os acessos da obra devem estar desimpedidos, possibilitando a movimentação dos equipamentos de guindar e transportar. (118. 18.14. Movimentação e transporte de materiais e pessoas. 18.14.1 Os equipamentos de transporte vertical de materiais e de pessoas devem ser dimensionados por profissional legalmente habilitado. (118.256-0

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.14 Movimentação e Transporte de Materiais e Pessoas 18.14.1 Os equipamentos de transporte vertical de materiais e de pessoas

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Sistematizar os procedimentos de execução de trabalho em altura acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda. 2. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Esta instrução de

Leia mais

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS ELEVADOR A CABO ELEVADOR DE CREMALHEIRA Elevador de cremalheira e pinhão Maior custo compra / aluguel; Maior padrão de segurança;

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NR 18-Construção Civil-Alterações Orientador Empresarial PORTARIA SIT nº 201/2011: 24.01.2011, com

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

SIMULADOS - Professor Flávio Nunes Segurança e Saúde no Trabalho

SIMULADOS - Professor Flávio Nunes Segurança e Saúde no Trabalho 1. Com base na CLT e com a Norma Regulamentadora 07 (PCMSO), julgue os itens a seguir. I. Quando na fase de reconhecimento dos riscos ambientais não for detectado risco específico, o controle médico poderá

Leia mais

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 -

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Informativo 21/2011 NR 12 NOVO ANEXO (XII - EQUIPAMENTOS DE GUINDAR PARA ELEVAÇÃO DE PESSOAS E REALIZAÇÃO DE TRABALHO

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA NORMA REGULAMENTADORA - NR 35 Trabalho em Altura 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

Prezado colega, você sabia:

Prezado colega, você sabia: Prezado colega, você sabia: 1) Que, de maneira geral, as Normas Regulamentadoras (NRs), do MTE - Ministério do Trabalho e Emprego, estabelecem requisitos mínimos legais e condições com objetivo de implementar

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo através

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS Página: 1 de 13 Texto final APROVADO pelo CPN em 2 SET de 2010, considerando a Nota Técnica O66 2010- DSST/SIT/MTE ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.14.1 Os equipamentos de transporte vertical de materiais

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES A Câmara Técnica de Arquitetura de Interiores do CAU/PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná, terá como

Leia mais

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 1987-2012 legislação consultoria assessoria informativos treinamento auditoria pesquisa qualidade Legislação

Leia mais

PORTARIA N.º 20, DE 17 DE ABRIL DE 1998

PORTARIA N.º 20, DE 17 DE ABRIL DE 1998 PORTARIA N.º 20, DE 17 DE ABRIL DE 1998 MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições legais que lhe confere o

Leia mais

I - PROCESSO DO DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA. Os primeiros passos da equipe devem ser dados para a obtenção de informações sobre o que determina a

I - PROCESSO DO DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA. Os primeiros passos da equipe devem ser dados para a obtenção de informações sobre o que determina a A aplicação de uma competente estratégia pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento de um programa de proteção contra quedas, bem como justificar o tempo investido em sua elaboração e administração.

Leia mais

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida.

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. Campanha do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Bento do Sul e Campo Alegre contra os Acidentes de Trabalho

Leia mais

Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18. Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009

Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18. Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009 Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18 Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009 Cestos aéreosa GT- Cesto Aéreo(em discussão no CPN) É proibido a utilização de equipamentos de guindar

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01)

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01) Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01) 1 - É proibida a utilização de equipamentos de guindar para o transporte de pessoas, em cesto aéreo suspenso, exceto nos casos de operação assistida, nos seguintes

Leia mais

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 1.Cesto aéreo é um equipamento de trabalho móvel, para trabalho em altura, destinado a transportar um ou mais trabalhadores, para atividades ou acesso em locais de uma obra,

Leia mais

LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987

LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987 LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987 Dispõe sobre instalação e funcionamento de elevadores e outros aparelhos de transporte, e dá outras providências. Jânio da Silva Quadros, Prefeito do Município de

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

Instalações elétricas provisórias na construção civil

Instalações elétricas provisórias na construção civil Instalações elétricas provisórias na construção civil São Paulo, 12 de agosto de 2014 NBR-5410 NR-18 10.1. Objetivo e campo de aplicação 10.2. Medidas de controle 10.3. Segurança no projeto 10.4. Segurança

Leia mais

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga 16 Valores Introdução No âmbito da ufcd 5811 Sistemas de transporte e elevação de cargas, foi-nos

Leia mais

Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras. Artº 1º Do licenciamento

Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras. Artº 1º Do licenciamento Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras Artº 1º Do licenciamento 1. A ocupação ou utilização de vias ou locais públicos com quaisquer materiais, objectos, equipamentos

Leia mais

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia...

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia... Fortuna II PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.10 Programa de Segurança e Alerta NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 3 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

MANUAL PARA MONTADORAS

MANUAL PARA MONTADORAS 1. PERÍODO DE REALIZAÇÃO DO EVENTO: De 13 a 17 de Abril de 2015, das 08:00 às 18:00h. MANUAL PARA MONTADORAS 2. PERÍODO DE MONTAGENS E DESMONTAGENS DOS STANDS Período de montagem de stands será de 23/03/2015

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 2014

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 www.henrimak.com.br vendas@henrimak.com.br / henrimak@henrimak.com.br TEL.: 21 3391-4646 / 21 3449-4112 CEL.: 7852-4626 / ID: 645*16704 A EMPRESA A HenrimaK foi fundada

Leia mais

Segurança e Produtividade Marcelo Massaharu Yamane

Segurança e Produtividade Marcelo Massaharu Yamane Segurança e Produtividade Marcelo Massaharu Yamane Plataformas Tesoura Elétrica Características operacionais - Ideal para serviços que demandam maior espaço no deck de trabalho ou baixos níveis de ruído,

Leia mais

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008 SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS Outubro/2008 O QUE É O SAU? SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS PROJETO PILOTO ABRANGENDO 421,2 KM DE TRECHOS DAS RODOVIAS FEDERAIS BR-040, BR- 060 E BR-153, NO DISTRITO

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.15 Andaimes e Plataformas de Trabalho (Alterado pela 18.15.1 O dimensionamento dos andaimes, sua estrutura de sustentação e fixação,

Leia mais

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Eng. Joaquim Gomes Pereira ------------ Ministério do Trabalho e Emprego DRT/SP 1 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº

Leia mais

ESCOPO DE SERVIÇOS PARA ELABORAÇÃO DO CUSTO DO LAUDO TECNICO DO PAR ARAIO E ATERRAMENTO

ESCOPO DE SERVIÇOS PARA ELABORAÇÃO DO CUSTO DO LAUDO TECNICO DO PAR ARAIO E ATERRAMENTO ESCOPO DE SERVIÇOS PARA ELABORAÇÃO DO CUSTO DO LAUDO TECNICO DO PAR ARAIO E ATERRAMENTO 1-Objetivo da Cotação: Elaboração do Laudo Técnico do Para Raio e Aterramento seguindo as orientações das norma da

Leia mais

CONTRATA GRANDE POSSIBILIDADE DE CRESCIMENTO PROFISSIONAL!! CARGO: ELETROTÉCNICO JR. Requisitos e Perfil:

CONTRATA GRANDE POSSIBILIDADE DE CRESCIMENTO PROFISSIONAL!! CARGO: ELETROTÉCNICO JR. Requisitos e Perfil: CARGO: ELETROTÉCNICO JR. Requisitos e Perfil: Curso Técnico em Eletrotécnica, Eletromecânica, Eletroeletrônica ou Automação. Desejável: Conhecimento básico em montagem ou manutenção de painéis de comando

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica Primeira edição válida a partir

Leia mais

PROJETO DE LEI PREFEITURA xxxxxx

PROJETO DE LEI PREFEITURA xxxxxx PROJETO DE LEI PREFEITURA xxxxxx Dispõe sobre instalação, funcionamento, manutenção e emissão de laudo de inspeção periódica de Aparelhos de Transporte Vertical, e dá outras providências. I. Disposições

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO EM PLACAR Em / / PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS LEI COMPLEMENTAR Nº 173, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008. Faço saber que: Dispõe sobre permissão de uso, de espaço público, aéreo e subsolo, para instalação

Leia mais

CONVÊNIO PARA ELABORAÇÃO DO PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO - P.C.M.A.T

CONVÊNIO PARA ELABORAÇÃO DO PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO - P.C.M.A.T CONVÊNIO PARA ELABORAÇÃO DO PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO - P.C.M.A.T Nº XXX-XX/201X código: (XXXX) Pelo presente instrumento particular, o SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

Leia mais

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 3.1 Hidrômetro...2 3.2 A.R.T...2 3.3 Ramal predial de água...2 4. Procedimentos e Responsabilidades...3 4.1 Generalidades...3

Leia mais

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento.

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. Pólos Geradores de Tráfego As cidades brasileiras vivem um momento de mudança

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

MINI GRUA. metax.com.br

MINI GRUA. metax.com.br MINI GRUA metax.com.br mini grua metax (guincho de pequeno porte) A Mini Grua Metax é útil nas mais variadas situações. Desde obras civis de todos os portes, o equipamento possui funcionamento preciso

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Anexo II da NR-35 (Sistemas de Ancoragem)

CONSULTA PÚBLICA Anexo II da NR-35 (Sistemas de Ancoragem) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação do Anexo II da Norma Regulamentadora n.º 35

Leia mais

GRUAS CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA. UFCD 5811 Sistemas de transporte e elevação de carga Formador: David Inverno.

GRUAS CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA. UFCD 5811 Sistemas de transporte e elevação de carga Formador: David Inverno. CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 Sistemas de transporte e elevação de carga Formador: David Inverno GRUAS 16 Valores (Formador David Inverno) Introdução Gruas No âmbito da UFCD

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

Art. 2º A instalação dos equipamentos mencionados no artigo 1º não será permitida nos seguintes locais:

Art. 2º A instalação dos equipamentos mencionados no artigo 1º não será permitida nos seguintes locais: Resolução nº 001, de 25 de outubro de 2005 Estabelece normas para a instalação e operação de Estações de Rádio-Base ERB, microcélulas de telefonia celular, de rádio-difusão, de TV e equipamentos afins,

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

Caminhão Munck. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Caminhão Munck. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Caminhão Munck Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho O munck é um guindaste comandado hidraulicamente instalado sobre o chassi de um caminhão. Tem grande utilização na movimentação,

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

PETRÓLEO E GÁS. Os serviços da Cugnier abrangem:

PETRÓLEO E GÁS. Os serviços da Cugnier abrangem: PETRÓLEO E GÁS Os serviços da Cugnier abrangem: PETRÓLEO E GÁS A Cugnier está credenciada junto à estatal Petrobras através do CRCC (Certificado de Registro e Classificação Cadastral), possuindo aprovação

Leia mais

Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1

Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1 Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1 1 OBJETIVO / FINALIDADE / INTERESSADO O Parecer Técnico tem por objetivo identificar as causas do desabamento do edifício

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA DE TRABALHO

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA DE TRABALHO 1/5 1. Objetivo Estabelecer critérios para sinalizar e isolar as áreas de trabalho, com a finalidade de garantir a distância e o isolamento adequado na execução de serviços em iluminação pública em redes

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PUBLICADO NO DOM N o 80 DE 20 / OUTUBRO / 2005 DECRETO N o 1.255 Regulamenta a Lei n o 11.035/04 e dispõe sobre a instalação de Cercas Energizadas destinadas à proteção

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ELETRICA

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ELETRICA ELETRICA A ME Engenharia tem como aliados profissionais altamente qualificados com anos de experiência em Engenharia de Eletricidade. Garantindo nossos projetos e manutenção com toda a proteção adequada

Leia mais

DECRETO Nº 2.557, DE 10 DE MARÇO DE 2008.

DECRETO Nº 2.557, DE 10 DE MARÇO DE 2008. DECRETO Nº 2.557, DE 10 DE MARÇO DE 2008. Altera a redação do Decreto nº 2.378, de 16 de agosto de 2006, que regulamenta a Lei Complementar nº 112, de 25 de julho de 2006, e dispõe sobre a Autorização

Leia mais

SEDEMA DIVISÃO DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO

SEDEMA DIVISÃO DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO SEDEMA DIVISÃO DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO Lei nº 6468/09 Disciplina a veiculação de anúncios no Município de Piracicaba Decreto nº 13.512/10 Licenciamento de anúncios Decreto nº 13.513/10 Engenhos Publicitários

Leia mais

11/12/2011 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. 08/12/2011 São Paulo

11/12/2011 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. 08/12/2011 São Paulo MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO 08/12/2011 São Paulo 1 CAUSAS DE ACIDENTES GRAVES E FATAIS Queda é a uma das principais p causas acidentes fatais no Brasil eno mundo. de Início da queda Fases de uma queda

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO UTILIZADOS EM PLANO DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS

PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO UTILIZADOS EM PLANO DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 38 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO UTILIZADOS EM PLANO DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS AUTOR AUTOR: HÉLIO MARCOS DA SILVA

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

DECRETO Nº 50.943, DE 23 DE OUTUBRO DE 2009 (Regulamenta as disposições da Lei Nº 15.003, de 23 de Outubro de 2009)

DECRETO Nº 50.943, DE 23 DE OUTUBRO DE 2009 (Regulamenta as disposições da Lei Nº 15.003, de 23 de Outubro de 2009) DECRETO Nº 50.943, DE 23 DE OUTUBRO DE 2009 (Regulamenta as disposições da Lei Nº 15.003, de 23 de Outubro de 2009) Estabelece diretrizes e normas referentes à construção, instalação, reforma, ampliação

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária)

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária) MANUAL TÉCNICO (Proteção Periférica Primária e Secundária). 2 SUMÁRIO Proteção Periférica Primária e Secundária...03 Descrição Técnica...04 Sistema de Ancoragem...06 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O N. 10.944, de 13 de agosto de 2014 EMENTA: Regulamenta dispositivos da Lei Municipal n 1.198, de 14 de setembro de 1979 Código de Obras do Município de Itabuna na parte que indica e, dá outras

Leia mais

Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia

Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL 5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL Instituto Algodão Social Missão Promover aos associados do setor algodoeiro a responsabilidade social empresarial, a cidadania,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP Nº 29, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999 Estabelece a regulamentação da atividade de distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo, álcool combustível, mistura

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira Interligação das Unidades O estudo do arranjo físico das edi cações de uma indústria gera a Planta de Locação, relacionando as várias unidades de produção entre si e vinculandoas demais unidades auxiliares,

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA PST. PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA (Descrição da Obra) Empreitada: descrição da empreitada Dono da Obra: identificação do dono da obra Edição / Revisão / Código: PST. Entidade Executante/Construtor:

Leia mais

Oswaldo Antônio Biltoveni INSTITUTO OPUS SOBRATEMA

Oswaldo Antônio Biltoveni INSTITUTO OPUS SOBRATEMA Rigger Oswaldo Antônio Biltoveni INSTITUTO OPUS SOBRATEMA NOSSA FROTA TERÁ UM AUMENTO INCRÍVEL 70.000 NOVOS EQUIPAMENTOS POR ANO AS ESTATÍSTICAS DEMONSTRAM QUE EM MAIS DE 90% DOS ACIDENTES COM GUINDASTES

Leia mais