Atuação do Ministério do Turismo na Produção Associada ao Turismo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Atuação do Ministério do Turismo na Produção Associada ao Turismo"

Transcrição

1 Atuação do na Produção Associada ao Turismo

2 Atuação do na Produção Associada ao Turismo Produção Associada ao Turismo É qualquer produção artesanal, industrial ou agropecuária que detenha atributos naturais e/ou culturais de uma determinada localidade ou região capazes de agregar valor ao produtos turístico.

3 Atuação do na Produção Associada ao Turismo Manifestações culturais Culinária típica Produção Associada Fatores de atratividade para o turismo Produção agroindustrial Artesanato Gemas e jóias

4 Atuação do na Produção Associada ao Turismo Atividade Turística x Produtos Associados diversifica e agrega valor a oferta turística valoriza e fortalece os produtos gera negócios aumenta a atratividade do destino Atividade Turística Produtos Associados amplia canais de comercialização fortalece a identidade local Quem produz quer vender O turista quer comprar O destino turístico e sua cultura são valorizados oportuniza a qualificação de produtos

5 Atuação do na Produção Associada ao Turismo Coordenação-Geral de Produção Associada ao Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento Departamento de Qualificação, Certificação e de Produção Associada ao Turismo Coordenação-Geral de Qualificação e Certificação Coordenação-Geral de Projetos de Estruturação em Áreas Priorizadas Coordenação-Geral de Produção Associada ao Turismo

6 Atuação do na Produção Associada ao Turismo Programa de Estruturação da Produção Associada ao Turismo Identificação, fomento e promoção dos produtos associados ao turismo com o objetivo de agregar valor à oferta turística e incrementar o diferencial competitivo de destinos turísticos brasileiros, possibilitando o aumento da permanência e dos gastos do turista.

7 Atuação do na Produção Associada ao Turismo Programa de Estruturação da Produção Associada ao Turismo Identificar e fomentar dos produtos associados Inserir a produção local - componente de atratividade Despertar o desejo por produtos associados à destinos Agregar valor à oferta turística e incrementar o diferencial competitivo de destinos Aumentar a permanência e os gastos dos turistas nos destinos turísticos

8 Atuação do na Produção Associada ao Turismo ações voltadas para a qualificação do produto, em especial a artesanato e a promoção e valorização da gastronomia brasileira reposicionamento estratégico foco no operador, agente e receptivo apoio ao desenvolvimento de atividades turísticas com foco na produção associada, promoção dos destinos valorizando a produção associada

9 Atuação do na Produção Associada ao Turismo Presença dos Produtos Associados nos Destinos Turísticos Uso do poder de compra dos equipamentos turísticos Produtos consumidos pelos turistas como recordação do destino Qualificação dos produtos (demandas interministeriais) Canal de comercialização da produção local

10 Atuação do na Produção Associada ao Turismo Presença dos Produtos Associados nos Destinos Turísticos Verticalização da produção Oportunidades de vivências Apoio à comercialização dos destinos (maior atuação do MTur) Produtos e unidades produtivas transformados em atrativos

11 Atuação do na Produção Associada ao Turismo Linhas de Ação Apoio a Diversificação da Oferta Turística por meio dos Produtos Associados Sensibilização de operadores, agentes de viagens e guias de turismo a respeito da importância da produção associada para o aumento da competitividade dos destinos. Apoio a organização de roteiros turísticos formatados com foco em produtos associados ao turismo. blitz em operadores de turismo. produção de material promocional. participação em eventos comerciais do setor. Valorização e Divulgação dos Produtos Associados ao Turismo desenvolvimento de atividades turísticas com foco na produção associada. Apoio à divulgação dos destinos turísticos a partir da produção associada ao turismo apoio/participação em eventos promocionais. produção de material promocional.

12 Atuação do na Produção Associada ao Turismo Manual de Integração da Produção Associada Ao Turismo

13 Atuação do na Produção Associada ao Turismo Caminhos do Fazer Guia de Produtos Associados ao Turismo

14 Atuação do na Produção Associada ao Turismo Armazém da Estrada Colonial Mapa/Guia dos empreendimentos Guia de produtores, produtos e feiras

15 Atuação do na Produção Associada ao Turismo Talentos do Brasil Rural Amenities Alimentos e Bebidas Decorativos e Utilitários

16 Atuação do na Produção Associada ao Turismo Obrigada! Coordenação-Geral de Produção Associada ao Turismo Contatos: (61)

Programa Nacional de Apoio à Agricultura de Base Ecológica nas Unidades Familiares de Produção

Programa Nacional de Apoio à Agricultura de Base Ecológica nas Unidades Familiares de Produção Programa Nacional de Apoio à Agricultura de Base Ecológica nas Unidades Familiares de Produção Apresentação A sociedade brasileira vive um momento histórico marcado por um crescente processo de ecologização

Leia mais

METAS DO PLANO MUNICIPAL UBERABA MG

METAS DO PLANO MUNICIPAL UBERABA MG METAS DO PLANO MUNICIPAL UBERABA MG Outubro 2012 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERABA Anderson Adauto Pereira Prefeito Municipal Paulo José de Mesquita Vice-prefeito Fábio José Macciotti Costa Presidente

Leia mais

PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO D I R E T R I Z E S Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO. Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo SNPDTUR. Relatório de Gestão Exercício 2008

MINISTÉRIO DO TURISMO. Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo SNPDTUR. Relatório de Gestão Exercício 2008 MINISTÉRIO DO TURISMO Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo SNPDTUR Relatório de Gestão Exercício 2008 - Abril /2008 - DADOS IDENTIFICADORES DA UNIDADE JURISDICIONADA Nome completo

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

guião técnico de apoio ao EMPREENDEDOR EM TURISMO RURAL

guião técnico de apoio ao EMPREENDEDOR EM TURISMO RURAL Projecto 5x5 Redes Temáticas Integradas de Turismo Rural guião técnico de apoio ao EMPREENDEDOR EM TURISMO RURAL CRÉDITOS 5x5 Redes Temáticas Integradas de Turismo Rural é um projeto PRIVETUR Relatório

Leia mais

METAS DO PLANO NACIONAL DE CULTURA

METAS DO PLANO NACIONAL DE CULTURA METAS DO PLANO NACIONAL DE CULTURA Dezembro de 2011 METAS DO PLANO NACIONAL DE CULTURA 5 PRESIDENTA DA REPÚBLICA Dilma Rousseff VICE -PRESIDENTE DA REPÚBLICA Michel Temer MINISTRA DE ESTADO DA CULTURA

Leia mais

As metas do Plano Nacional de Cultura

As metas do Plano Nacional de Cultura As metas do Plano Nacional de Cultura PRESIDENTA DA REPÚBLICA Dilma Rousseff VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA Michel Temer MINISTRA DE ESTADO DA CULTURA Ana de Hollanda CHEFE DE GABINETE Maristela Rangel SECRETÁRIO-EXECUTIVO

Leia mais

Programas 2013. Abril de 2013

Programas 2013. Abril de 2013 Programas 2013 Abril de 2013 A nova SUDENE -Lei Complementar n 125, de 03 de janeiro de 2007 -Decreto n 6.219/2007 Autarquia especial, administrativa e financeiramente autônoma,... vinculada ao Ministério

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Dimensões do PBM Oportunidades Desafios Sistema de Gestão Desdobramento do Plano Brasil Maior na Política de Arranjos Produtivos

Leia mais

4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna

4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna 4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna 2 C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional Por que investir em Comunicação Interna PREFÁCIO Em pouco mais

Leia mais

A cultura da comunicação interna está cada vez mais consolidada em nosso mercado e as organizações sensíveis para o tema colocam-se com destaque em

A cultura da comunicação interna está cada vez mais consolidada em nosso mercado e as organizações sensíveis para o tema colocam-se com destaque em 2 Abertura O Caderno de Comunicação Organizacional intitulado Como entender a Comunicação Interna é uma contribuição da Associação Brasileira das Agências de Comunicação Abracom ao mercado. Neste caderno,

Leia mais

Governo dos Açores. Agenda Açoriana para a Criação de Emprego e Competitividade Empresarial

Governo dos Açores. Agenda Açoriana para a Criação de Emprego e Competitividade Empresarial Governo dos Açores Agenda Açoriana para a Criação de Emprego e Competitividade Empresarial Dezembro de 2012 Índice Agenda Açoriana para a Criação de Emprego e Competitividade Empresarial... 1 1 - Política

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Cartilha Qualidade Brasília maio de 2005 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministra do Meio Ambiente

Leia mais

1. Apresentação. Normalização e Certificação em Turismo. de Aventura

1. Apresentação. Normalização e Certificação em Turismo. de Aventura 1. Apresentação R e g u l a m e n t a ç ã o Normalização e Certificação em Turismo de Aventura R e l a t ó r i o D i a g n ó s t i c o Brasília, a gosto 2005 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Luiz Inácio

Leia mais

CHAMAMENTO PÚBLICO. Apresentação

CHAMAMENTO PÚBLICO. Apresentação CHAMAMENTO PÚBLICO Apresentação O Programa de Turismo de Negócios e Eventos de Belo Horizonte, torna público o presente chamamento que tem por objetivo a estruturação do passaporte turístico MINAS PASS

Leia mais

O Programa Brasil Sem Miséria e a Agricultura Familiar

O Programa Brasil Sem Miséria e a Agricultura Familiar O Programa Brasil Sem Miséria e a Agricultura Familiar Valter Bianchini 1 Com o lançamento do Programa Brasil Sem Miséria volta ao debate a caracterização da tipologia da agricultura familiar situada abaixo

Leia mais

CLUSTERS OU SISTEMAS LOCAIS DE PRODUÇÃO E INOVAÇÃO: IDENTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E MEDIDAS DE APOIO

CLUSTERS OU SISTEMAS LOCAIS DE PRODUÇÃO E INOVAÇÃO: IDENTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E MEDIDAS DE APOIO CLUSTERS OU SISTEMAS LOCAIS DE PRODUÇÃO E INOVAÇÃO: IDENTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E MEDIDAS DE APOIO Introdução...2 O Conceito de Cluster ou Sistema Local de Produção/Inovação...2 Metodologia para Identificação

Leia mais

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Políticas de Inovação para o Crescimento Inclusivo: Tendências, Políticas e Avaliação PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Rafael Lucchesi Confederação Nacional da Indústria Rio

Leia mais

O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e

O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e pesquisas sobre produção, mercado, comércio exterior,

Leia mais

EcoSol NA PRÁTICA BEM FAZER E BEM VIVER! No município de Vitória, no

EcoSol NA PRÁTICA BEM FAZER E BEM VIVER! No município de Vitória, no Boletim Informativo. Ano I. janeiro/2010 Contato Secretaria Nacional de Economia Solidária Esplanada dos Ministérios, Bloco F, Ed. Sede, Sala 347. Fone: (61) 3317-6308 Fax: (61) 3317-8221 CEP: 70059-900

Leia mais

Guia da Gestão da Capacitação por Competências

Guia da Gestão da Capacitação por Competências MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO E DESEMPENHO INSTITUCIONAL COORDENAÇÃO-GERAL DE POLÍTICAS DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Guia da

Leia mais

O QUE É UMA ACE? As ACEs são entidades da classe empresarial que congregam pessoas jurídicas e físicas de todos os setores da atividade econômica:

O QUE É UMA ACE? As ACEs são entidades da classe empresarial que congregam pessoas jurídicas e físicas de todos os setores da atividade econômica: A FACIAP tem grande interesse na constituição de novas ACEs, assim como no desenvolvimento das que já estão atuando. Para encurtar caminhos e auxiliar novas lideranças que estão assumindo as ACEs e para

Leia mais

Mais de 300 mil MEI na Bahia

Mais de 300 mil MEI na Bahia Especial Microempreendedor Individual Ano III, nº 11, Abril de 2015 Mais de 300 mil MEI na Bahia Cinco anos depois, baianos formam o quarto maior contingente de microempreendedores individuais do País

Leia mais

Cooperar para melhor Competir. Pólos de Competitividade e Tecnologia & Outros Clusters

Cooperar para melhor Competir. Pólos de Competitividade e Tecnologia & Outros Clusters Cooperar para melhor Competir Pólos de Competitividade e Tecnologia & Outros Clusters Índice 03 04 Enquadramento 06 Pólo de Competitividade e Tecnologia Engineering & Tooling 10 Pólo de Competitividade

Leia mais

A estratégia de desenvolvimento local proposta pelo Programa Comunidade Ativa: potencialidades e entraves do DLIS

A estratégia de desenvolvimento local proposta pelo Programa Comunidade Ativa: potencialidades e entraves do DLIS A estratégia de desenvolvimento local proposta pelo Programa Comunidade Ativa: potencialidades e entraves do DLIS Angela Fontes Maria Velloso Pedro Nogueira Diogo Versão Final Rio de Janeiro Maio de 2002

Leia mais

A HOSPITALIDADE NO TURISMO: O BEM RECEBER

A HOSPITALIDADE NO TURISMO: O BEM RECEBER A HOSPITALIDADE NO TURISMO: O BEM RECEBER Roni Carlos Costa Dalpiaz* Aline Dagostini** Deisi Moraes Giacomini*** Maria da Glória de Souza Della Giustina**** RESUMO O presente artigo aborda o assunto hospitalidade

Leia mais

Turismo ACESSÍVEL INTRODUÇÃO A UMA VIAGEM DE INCLUSÃO. Volume I

Turismo ACESSÍVEL INTRODUÇÃO A UMA VIAGEM DE INCLUSÃO. Volume I Turismo ACESSÍVEL INTRODUÇÃO A UMA VIAGEM DE INCLUSÃO Volume I Turismo ACESSÍVEL INTRODUÇÃO A UMA VIAGEM DE INCLUSÃO B R A S I L - 2 0 0 9 Brasil. Ministério do Turismo. Turismo Acessível: Introdução a

Leia mais

Empresa organizada tem melhor desempenho

Empresa organizada tem melhor desempenho Empresa organizada tem melhor desempenho O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio Consultorias SEBRAE Mais Programas setoriais Palestras Trilha de aprendizagem empresarial EAD Na Medida Cursos

Leia mais