O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e"

Transcrição

1 O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e pesquisas sobre produção, mercado, comércio exterior, suprimentos, questões ambientais e relações no trabalho. Adicionalmente, atua como representante do setor junto a órgãos e entidades públicas e privadas no País e no exterior, realiza atividades relacionadas com a imagem do setor, o desenvolvimento do uso do aço e mantém intercâmbio com entidades afins.

2 Sumário

3 Missão... 4 Conjunto de Princípios... 6 Cenário Atual / Variáveis Relevantes, Desafios, Oportunidades... 8 Plano de Desenvolvimento do Setor Temas Relevantes para a Siderurgia Brasileira Relações Institucionais com a Sociedade Relações Institucionais Relações com a Sociedade Imagem Investimentos Desoneração Tributária dos Investimentos e Exportações Reforma Tributária Desoneração Tributária Mercado Interno Desenvolvimento do Mercado Construção Civil Normalização e Certificação Comércio Exterior Exportação Importação Acordos Comerciais Foros de Negociações Internacionais Meio Ambiente Convenções Internacionais sobre Meio Ambiente Legislação e Regulamentação Ambiental Recursos Hídricos Co-Produtos e Resíduos Sólidos Reciclagem do Aço Recursos Humanos Desregulamentação e Modernização Saúde e Segurança no Trabalho Energia e Redutores Logística de Transportes e Portos... 51

4 4 Missão

5 5 A missão da siderurgia brasileira é prover, com eficácia, o abastecimento interno de produtos siderúrgicos e participar, de forma permanente, do comércio mundial de aço, contribuindo para o desenvolvimento sustentável e o bem estar social do País.

6 6 Conjunto de Princípios

7 7 LIVRE INICIATIVA Inspirada nas necessidades do mercado e na associação do capital e trabalho, sem discriminações ECONOMIA DE MERCADO O mercado é o melhor canal para que a sociedade expresse suas necessidades de bens e serviços, transcendendo a vontade isolada de indivíduos e instituições LUCRO E PREÇO O lucro é o principal elemento de indução e preservação da livre iniciativa e, por extensão, da economia de mercado. Deve permitir o funcionamento e o crescimento auto-sustentado das empresas, remunerando adequadamente os capitais investidos. O preço deve ser a expressão da verdade econômica, regulado pela oferta e pela procura PAPEL DO GOVERNO Prover serviços públicos essenciais para que a iniciativa privada seja desenvolvida para atendimento das necessidades do País quanto à produção de bens e serviços RESPONSABILIDADE SOCIAL E RECURSOS HUMANOS Compromisso com a melhoria da qualidade de vida da sociedade brasileira, ofertando por meio de empresas eficientes, produtivas e permanentemente orientadas pelo mercado, oportunidades de crescimento, com geração de riquezas para todas as partes interessadas: colaboradores, clientes, fornecedores, acionistas e comunidades COMÉRCIO INTERNACIONAL A maior integração da economia brasileira no mercado internacional constitui instrumento para manutenção de estrutura produtiva eficiente e competitiva, tanto pelo estímulo ao aprimoramento da qualidade, como pela possibilidade de obtenção de ganhos de escala MEIO AMBIENTE E ESTRUTURA PRODUTIVA Atuação segundo os princípios e valores do desenvolvimento sustentável, fazendo uso mais racional dos recursos naturais e insumos que utiliza e adotando tecnologias economicamente provadas e viáveis para reduzir seus impactos sobre o meio ambiente PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Apoio às atividades de pesquisa e de desenvolvimento de tecnologias nacionais, sem prejuízo de acesso às modernas tecnologias desenvolvidas no exterior

8 8 Cenário Atual

9 9 VARIÁVEIS RELEVANTES - Crescimento do mercado interno - Abertura crescente da economia - Acirramento da competição e persistência do protecionismo no mercado internacional - Aumento da concentração e poder de mercado dos segmentos fornecedores da siderurgia e consumidores de aço - Novos acordos de comércio e maior integração das economias - Avanços tecnológicos contínuos, com fortes impactos na qualidade, produtividade e competição entre materiais - Exigências sociais e ambientais crescentes - Disponiblidade de serviços de logística adequados Neste cenário apresentam-se à siderurgia brasileira inúmeros desafios e correspondentes oportunidades, entre os quais se destacam: DESAFIOS - Maior competição no mercado interno, com permanente adequação dos preços - Adequação a novas exigências ambientais - Crescente competição com materiais sucedâneos e substitutos do aço - Superação de barreiras de acesso a mercados externos - Atualização tecnológica permanente - Desenvolvimento de métodos gerenciais e de relações do trabalho ajustados a novas demandas da sociedade e do mercado - Aprimoramento de mecanismos de defesa contra práticas de comércio desleal - Maior disseminação de informações quanto à importância do aço e da siderurgia brasileira OPORTUNIDADES - Desenvolvimento de novos mercados - Enobrecimento da mistura de produtos - Crescimento das exportações e redução de barreiras de acesso a mercados - Parceria com segmentos das cadeias produtivas para aumento de competitividade e maior agregação de valor no país - Melhoria da competitividade associada a avanços nas reformas estruturais do País e redução do Custo Brasil - Crescimento da demanda de aço pelo aumento da renda, dos investimentos e, por conseqüência, do consumo per capita de aço - Expansão da capacidade de produção do parque siderúrgico

10 10 Plano de Desenvolvimento do Setor

11 11 0 crescimento equilibrado da siderurgia depende não apenas da iniciativa e esforço do próprio setor e do seu nível de integração com os demais segmentos da cadeia, mas igualmente da eficiência global do País.

12 12 INSTITUCIONAL - Manter e estreitar o diálogo com instituições nacionais, para exposição e defesa de teses de interesse do setor - Apoiar e participar das atividades de organizações com interesses afins à siderurgia, no Brasil e exterior POLÍTICA ECONÔMICA E INDUSTRIAL - Defender políticas estáveis e não intervencionistas, que eliminem entraves ao desenvolvimento e promovam condições de competitividade em cenário de mercado aberto - Eliminar a tributação sobre investimentos, bens de capital e exportação - Obter condições de financiamento similares às praticadas no mercado internacional MERCADO INTERNO - Apoiar políticas de livre mercado que possibilitem geração de lucro e rentabilidade, bases para a expansão auto-sustentada - Prover, com eficácia, o abastecimento do mercado doméstico de produtos siderúrgicos na qualidade exigida, a preços e prazos competitivos - Promover a ampliação e diversificação do uso do aço COMÉRCIO EXTERIOR - Manter posição destacada no mercado internacional, em bases permanentes - Incrementar a competitividade e a agregação de valor dos produtos destinados ao mercado internacional, tanto diretamente como em parcerias com setores consumidores - Defender que a maior abertura do mercado interno seja estreitamente relacionada com a desoneração tributária da produção e dos investimentos e com a adoção de políticas estáveis e mecanismos eficazes para sua proteção contra práticas desleais MEIO AMBIENTE - Promover o desenvolvimento de tecnologias limpas, métodos gerenciais e normas orientadas à operação das unidades siderúrgicas em padrões ambientais adequados - Apoiar o desenvolvimento de tecnologias que permitam a redução e o maior aproveitamento de resíduos gerados nos processos siderúrgicos - Colaborar na elaboração de legislação ambiental justa, equilibrada e compatível com a realidade do País - Participar do esforço global para redução dos gases de efeito estufa

13 13 QUALIDADE E PRODUTIVIDADE - Desenvolver e apoiar programas de qualidade e produtividade, dentro dos melhores padrões internacionais - Apoiar e/ou participar de pesquisas e desenvolvimento de produtos e processos que permitam redução de custos, melhorias de qualidade e menor impacto ambiental - Investir continuamente no desenvolvimento tecnológico do País e acompanhar, de forma permanente, os avanços internacionais INFRA-ESTRUTURA - Contribuir para a melhoria e adequada regulação dos sistemas de logística de transportes, de forma a promover maior competitividade dos produtos siderúrgicos nos mercados interno e internacional - Assegurar o adequado atendimento das demandas de redutores, energia e de outros insumos e serviços do setor, em termos de qualidade, confiabilidade, quantidade e preços RECURSOS HUMANOS - Promover o continuado desenvolvimento dos seus colaboradores, de forma a possibilitarlhes crescimento pessoal e profissional, atendendo aos padrões de produtividade, qualidade e segurança exigidos pelo mercado e pela sociedade - Apoiar medidas de menor regulamentação e modernização das relações do trabalho, valorizando as soluções negociadas entre as partes - Apoiar a modernização do sistema previdenciário nacional, de forma a reduzir impacto no equilíbrio das contas públicas e conseqüentes efeitos na economia nacional RESPONSABILIDADE SOCIAL E CORPORATIVA - Ampliar a implementação de modelo de desenvolvimento que respeite os princípios de responsabilidade social e corporativa e que contribua para o crescimento da economia do país e a qualidade de vida da população IMAGEM - Promover a adequada percepção pela sociedade da importância do aço e da siderurgia brasileira para o desenvolvimento nacional

14 14 Temas Relevantes para a Siderurgia Brasileira

15 15 VISÃO E POSIÇÕES Apresenta-se, a seguir, um conjunto de temas importantes para a siderurgia brasileira, sobre os quais impõe-se uma adequada visão e posicionamento aberto de forma a assegurar-lhe desenvolvimento compatível com suas potencialidades e exigências da sociedade.

16 16 Relações Institucionais com a Sociedade A siderurgia, em razão de sua importância no cenário nacional, tem responsabilidades que extrapolam seus interesses específicos e que requerem engajamento em atividades mais amplas relacionadas ao desenvolvimento do país. Nesse sentido, interage com os órgãos governamentais e integra diversos foros de âmbito nacional e internacional para promover o melhor conhecimento de suas posições, realidades e demandas. No exercício dessas atividades, elabora estudos, análises e pesquisas, bem como documentos e sugestões de medidas de políticas econômica e industrial que contribuem para o processo de modernização e capacitação da indústria. Participa ainda do processo de elaboração de normas e regulamentos nas diversas áreas que afetam suas atividades.

17 17 Relações Institucionais O IBS mantém política de relacionamento com os poderes constituídos e instituições representativas da sociedade civil, com vistas a assegurar o crescimento sustentável do setor siderúrgico e contribuir para o desenvolvimento nacional. PONTOS FOCAIS - Relações com os Poderes Públicos. Atua permanentemente junto aos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, em defesa do interesse da siderurgia brasileira e do desenvolvimento nacional. - Reformas estruturais. O IBS exerce a coordenação executiva das atividades da Ação Empresarial, que tem como objetivo a aprovação das reformas estruturais e crescimento econômico em bases sustentadas. - Formulação de Estudos. Elabora estudos e análises de natureza econômica, técnica e legal, com a finalidade de subsidiar a atuação do setor junto aos poderes públicos e à sociedade. - Relações com outras Instituições. Mantém estreito relacionamento com entidades setoriais no Brasil e no exterior. Relaciona-se, também, com organismos internacionais que têm competência para definir regras e propor soluções de controvérsias em temas de interesse setorial. - Cadeias produtivas. Como indústria de base, apóia e participa dos esforços para desenvolvimento e melhoria de competitividade das cadeias produtivas que têm o aço como insumo. PORQUE É IMPORTANTE PARA A SIDERURGIA BRASILEIRA Pela sua expressão econômica e importância no contexto nacional, a siderurgia não pode se omitir na proposição e avaliação de temas que tenham potencial para afetar suas atividades, direta ou indiretamente. Por esse motivo, tem que relacionar-se com os poderes constituídos, com vistas à defesa de seus interesses e ao correto cumprimento de seu papel no contexto sócio-econômico brasileiro. O IBS coordena e sistematiza ações de âmbito empresarial visando identificar riscos e oportunidades e solucionar problemas que possam afetar as atividades do setor. Ênfase é atribuída às cadeias produtivas que têm os produtos siderúrgicos como insumo.

18 18 Relações com a Sociedade O desenvolvimento harmônico das empresas siderúrgicas está associado ao seu relacionamento com as comunidades das regiões sob sua influência. A siderurgia atua de forma a melhorar não só a qualidade de vida dessas regiões, como também da sociedade em geral, cabendo destacar sua grande contribuição em impostos, geração direta e indireta de empregos e atração de novos empreendimentos. PONTOS FOCAIS - Política Social. As empresas desenvolvem, de forma sistemática, ações que beneficiem as comunidades próximas às áreas de atuação das usinas e ampliem sua participação no esforço do desenvolvimento do país. - Cidadania. A siderurgia está integrada aos esforços das comunidades, da sociedade e do Estado em prol de uma sociedade mais justa e equilibrada. - Responsabilidade Social. O crescimento da siderurgia brasileira está baseado nas melhores tecnologias e práticas operacionais disponíveis, mas também com grande atenção às crescentes exigências de preservação ambiental e às novas demandas da sociedade. - Geração de empregos. A atividade siderúrgica é grande geradora de empregos diretos e indiretos, tendo desse modo impactos relevantes no desenvolvimento das comunidades locais. PORQUE É IMPORTANTE PARA A SIDERURGIA BRASILEIRA A siderurgia desenvolve variadas atividades orientadas ao aprimoramento e promoção social nas comunidades. Para atingir os níveis de desenvolvimento e qualidade compatíveis com as exigências do mercado, de suas responsabilidades sociais e de seu papel no cenário nacional, a siderurgia não pode prescindir do desenvolvimento das comunidades com as quais se relaciona.

19 19 Imagem A adequada percepção pela sociedade da importância do aço e da siderurgia no cenário econômico e social é relevante para avaliação da contribuição do setor ao desenvolvimento nacional. A formação de uma imagem realista é essencial para o reconhecimento da legitimidade de suas demandas e da solução de seus problemas. PONTOS FOCAIS - Imagem do Setor Siderúrgico. O setor siderúrgico deve promover a adequada percepção de suas atividades e importância no cenário econômico nacional junto aos meios governamentais, econômicos, formadores de opinião e população em geral. - Imagem do Aço. Grande parte dos produtos imprescindíveis à sociedade moderna e que são utilizados no dia-a-dia têm componentes feitos em aço ou são produzidos por máquinas e equipamentos intensivos em aço. No entanto, a imprescindibilidade do aço ainda não é percebida em sua plenitude. O setor siderúrgico entende que deve promover a adequada divulgação junto à sociedade da importância do aço para o seu desenvolvimento. - Reciclabilidade. Embora o aço seja um dos materiais mais recicláveis e reciclados utilizados pela indústria, isto não é adequadamente percebido pelo mercado. O setor deve procurar meios de divulgação dessas características. PORQUE É IMPORTANTE PARA A SIDERURGIA BRASILEIRA A percepção adequada das potencialidades e problemas do setor siderúrgico pelos vários segmentos da sociedade é fundamental para o desenvolvimento da siderurgia brasileira.

20 20 Investimentos A siderurgia brasileira concluiu, recentemente, vultoso programa de investimentos voltado principalmente à modernização do seu parque produtor. Investimentos da ordem de US$ 19 bilhões entre 1994 e 2006, período pósprivatização, permitiram atingir o estado da arte em termos mundiais, com ênfase na competitividade e qualidade do aço, respeitando os conceitos de desenvolvimento sustentável. Novo programa de investimentos superior a US$ 35 bilhões prioriza o aumento da capacidade de produção e a maior inserção da indústria no cenário internacional, sem prejuízo dos padrões operacionais atingidos. O objetivo é assegurar, em bases competitivas, o pleno atendimento do mercado interno e preservar ou ampliar as exportações. Nesse sentido estão sendo utilizadas as melhores tecnologias, escalas de produção e modelos de gestão ambiental, social e corporativa. A siderurgia é indústria de capital intensivo e seus projetos têm prazos longos de maturação. Desse modo, precisa contar com regras e políticas governamentais estáveis e adequadas às suas características. No que se refere aos custos de natureza endógena, a siderurgia brasileira opera com padrões elevados, comparáveis aos melhores do mundo. Quanto aos fatores externos, sobre os quais o setor tem pouca influência, destacamse os ônus da carga tributária, inclusive sobre investimentos e bens de capital, além das deficiências da logística. Onera-se, assim, a siderurgia brasileira em níveis acima daqueles observados nos principais países produtores de aço, muitos dos quais dispõem de programas especiais de apoio a essa indústria.

21 21 Desoneração Tributária dos Investimentos e Exportações A total isenção de impostos incidentes sobre investimentos e bens de capital é imprescindível ao desenvolvimento do potencial da siderurgia brasileira e de outras indústrias intensivas em capital. Igualmente, a completa desoneração tributária das exportações é fundamental para ampliar a inserção competitiva do país no comércio internacional e geração de saldos comerciais. PONTOS FOCAIS - Desoneração de investimentos e bens de capital. Deve-se promover a completa isenção de tributos e/ou crédito integral dos impostos que incidem sobre bens que integram ativo permanente das empresas, de forma a acelerar o processo de desenvolvimento. - Draw-back interno. O mecanismo de draw-back interno é importante instrumento de competitividade e desenvolvimento da indústria de bens de capital do país. - Depreciação acelerada. A depreciação acelerada não implica renúncia fiscal, sendo apenas diferimento de pagamento do imposto de renda. É, entretanto, uma fonte importante de geração de caixa no período de maturação dos investimentos, principalmente em setores de capital intensivo, como o siderúrgico. - Créditos tributários nas exportações. O total ressarcimento dos créditos de ICMS gerados pelas exportações das empresas é fundamental para melhorar sua competitividade internacional e ampliar as exportações do país. PORQUE É IMPORTANTE PARA A SIDERURGIA BRASILEIRA O setor siderúrgico se caracteriza por ser de capital intensivo, com elevado investimento por unidade de produto, e projetos de longo prazo de maturação. A carga de impostos embutida nos financiamentos de máquinas e equipamentos onera ainda mais os investimentos, reduzindo a competitividade das empresas. Os países desenvolvidos desoneram integralmente os bens de capital, através de isenção, de compensação ou de restituição dos impostos incidentes nos mesmos. A isenção dos impostos de importação em equipamentos sem similar nacional contribui para que o setor se mantenha atualizado tecnologicamente, sem prejuízo da indústria nacional de bens de capital. Para manter-se competitiva nos mercados interno e internacional, a siderurgia brasileira necessita de medidas que propiciem redução nos custos de investimentos e completa desoneração das exportações.

22 22 Reforma Tributária A carga tributária no Brasil vem apresentando contínua elevação, tendo passado de 25% para mais de 35% do PIB entre 1993 e Além da carga elevada, o sistema tributário brasileiro é complexo e ineficiente, em razão do elevado número de impostos, taxas e contribuições e da incidência de impostos em cascata, que reduzem a competitividade das cadeias produtivas. Para a indispensável melhoria da competitividade do País, é imprescindível a realização de reforma tributária. O setor empresarial, através da Ação Empresarial, defende de uma reforma tributária que objetive a redução da carga tributária e a simplificação e eficiência do sistema.

23 23 Desoneração Tributária O IBS defende o equilíbrio fiscal nas contas públicas através da adequação do tamanho do Estado com redução dos gastos e tributos. PONTOS FOCAIS - Reforma tributária. A reforma tributária defendida pela Ação Empresarial deve ter como objetivo: - Reduzir o número de tributos; - Caracterizar-se pela simplicidade e transparência; - Racionalizar a tributação do consumo; - Eliminar os tributos que incidem em cascata ; - Desonerar o produto nacional e os bens de ativo fixo destinados à sua produção. - Simplificação. No Brasil há um sistema tributário dual: o clássico dos impostos e o das contribuições. Essa dualidade acarreta tributação de má qualidade, além de torná-la complexa e aumentar a carga tributária. - Eficiência. Há necessidade de aprimoramento das administrações fazendárias e combate à sonegação. PORQUE É IMPORTANTE PARA A SIDERURGIA BRASILEIRA A elevada carga tributária, juntamente com sua complexidade e ineficácia, reduz a competitividade das empresas, onera seus investimentos e limita o desenvolvimento do mercado de aço e da economia do País. No cenário de maior abertura da economia brasileira é fundamental que o sistema tributário seja reformulado.

24 24 Mercado Interno O consumo per capita de aço no Brasil, que vem se mantendo na ordem dos 100 kg/hab/ano desde 1980, está muito aquém dos valores observados nas economias desenvolvidas, superiores a 400 kg/hab/ano. O baixo consumo per capita mostra que, além da evolução normal decorrente da regular atividade econômica, há elevado potencial de crescimento que pode ser realizado através da promoção do uso do aço, a exemplo do que é normalmente feito nas economias desenvolvidas. No atual estágio da economia brasileira, a evolução do consumo de aço apresenta elasticidade de renda elevada e forte correlação com as evoluções do PIB e do produto industrial. Cinco grandes setores - construção civil, automotivo, bens de capital, utilidades domésticas e comerciais, embalagens e recipientes representam mais de 80% do consumo de aço no Brasil. A construção civil responde, sozinha, por cerca de 30%, sendo o segmento de maior potencial de crescimento. A siderurgia brasileira produz a quase totalidade dos produtos demandados pelo mercado e atende competitivamente a mais de 95% do consumo interno. Empenha-se também em promover a ampliação do mercado através de parcerias com setores consumidores para maior competitividade das cadeias e o desenvolvimento de novos usos para os produtos siderúrgicos. Estima-se que a metade dos aços usados atualmente não existia até o início dos anos 90. Essa tendência permanecerá e novos aços continuarão a ser desenvolvidos, atendendo às necessidades do mercado e mantendo a essencialidade do produto aço.

25 25 Desenvolvimento do Mercado O baixo consumo per-capita de aço no Brasil oferece amplas oportunidades para o seu crescimento. Acompanhando a tendência mundial, a siderurgia brasileira tem atuação pró-ativa no desenvolvimento do mercado, compreendendo a substituição de outros materiais e o desenvolvimento de novos usos para o aço, em estreita colaboração com os segmentos que integram as cadeias produtivas. PONTOS FOCAIS - Enobrecimento da Linha de Produtos. A siderurgia procura desenvolver a produção interna dos itens cujo consumo atinge escalas mínimas que justifiquem produção competitiva. O setor desenvolve permanente enobrecimento da mistura de produtos em consonância com as novas exigências de mercado. - Parcerias com a Indústria. A siderurgia participa do esforço de capacitação e melhoria da competitividade dos setores de transformação que integram as cadeias produtivas do aço, para atender exigências dos mercados, mediante parcerias e operações integradas de logística e produção. - Parceria com a Distribuição de aço. A siderurgia apóia o desenvolvimento do setor de distribuição e centros de serviço de aço por considerá-los parte integrante do processo de agregação de valor dos seus produtos e melhor atendimento à diversificada demanda de seus consumidores. - Pequenas Empresas. O setor incentiva o desenvolvimento técnico e econômico de pequenas empresas transformadoras de aço, tendo em vista seu grande potencial de atendimento a segmentos específicos do mercado e sua contribuição para a geração de emprego e desenvolvimento da economia nacional. - Assimetrias tributárias. O IBS defende a completa correção das assimetrias tributárias entre produtos siderúrgicos e outros de aplicação similar, na medida em que distorcem a competição de mercado. - Substituição tributária. A siderurgia opõe-se à inclusão dos produtos siderúrgicos no regime de substituição tributária, tendo em vista as distorções que acarreta na sua comercialização para os diferentes segmentos, aplicações e demandas. - Importações. Os produtos importados tendem a ter papel crescente na competição do mercado. É fundamental, portanto, que haja um sistema aberto de informações sobre importações que permitam conhecer seu perfil e identificar a ocorrência de práticas desleais de comércio. O IBS atua diretamente, ou em parceria com setores consumidores de aço, na defesa do mercado interno contra práticas desleais de comércio, tanto nos produtos siderúrgicos quanto nos seus derivados.

26 26 PORQUE É IMPORTANTE PARA A SIDERURGIA BRASILEIRA O desenvolvimento econômico, fundamentado na industrialização, tem no aço um insumo básico. Devido às suas propriedades químicas, mecânicas e físicas, baixo custo e diversidade de aplicações, é o material de maior emprego industrial. A despeito destas características, o consumo per capita de aço no Brasil ainda é muito baixo, havendo grande potencial para aumentá-io. Cabe ao IBS e as empresas desenvolverem as iniciativas nesse sentido.

27 27 Construção Civil A construção civil é um dos setores da economia de maior impacto no emprego e bem-estar da população. Os investimentos em infra-estrutura e habitação demandam grandes volumes de aço. A siderurgia apóia os programas de estímulo a esses investimentos e está expandindo a sua capacidade para continuar atendendo esses mercados. PONTOS FOCAIS - Programas Brasileiros da Qualidade na Construção civil: a má qualidade na construção civil é responsável pela deterioração do patrimônio habitacional de interesse social. Por isso, o IBS participa dos programas governamentais para apoiar o esforço brasileiro de modernização, melhoria da qualidade, aumento da produtividade e redução de custos na construção habitacional que devem ser referência para os financiadores e fomentadores. - Apoio de Entidades Setoriais. O IBS desenvolve ações articuladas com seus consumidores intensivos em aço, visando a implementação de sistemas da qualidade, plano de normalização técnica e combate à não-conformidade intencional, que acarreta concorrência desleal e representa crime contra o consumidor. - Sistemas Construtivos. A industrialização da construção civil é necessária para aumento da produtividade no setor. Neste contexto, identificam-se grandes oportunidades para o aço devido ao seu potencial em soluções estruturais. A plena realização desse potencial exige o estabelecimento de critérios mínimos de desempenho, com base em requisitos de segurança, habitabilidade e sustentabilidade. - Difusão de Informações. A maior utilização de sistemas construtivos em aço exige engajamento de todas as categorias profissionais envolvidas nos processos. Nesse sentido, o IBS, através do CBCA (Centro Brasileiro da Construção em Aço), atua junto a todos os elos da cadeia compreendendo faculdades de engenharia e arquitetura, projetistas, fabricantes de estruturas, poderes públicos e outros. PORQUE É IMPORTANTE PARA A SIDERURGIA BRASILEIRA A construção civil tem elevado potencial de crescimento e conseqüente impacto sobre a demanda de aço. A utilização desse potencial, importante para o crescimento do mercado de aço, depende, e muito, de ações pró-ativas do setor no sentido de maximizar a utilização de produtos e processos construtivos intensivos em aço.

28 28 Normalização e Certificação A normalização e a certificação de produtos e processos são fundamentais para aumento de produtividade, redução de custos e acesso a mercados, além de propiciarem ao consumidor maior segurança e confiabilidade nos produtos. Nesse sentido, o IBS apóia e coordena atividades pró qualidade através da normalização, certificação e combate à não conformidade intencional. PONTOS FOCAIS Padrões Técnicos. A siderurgia é comprometida com a elaboração de normas técnicas dentro de padrões que atendam aos interesses da sociedade e do mercado. ABNT/CB-28 Comitê Brasileiro de Siderurgia. O IBS exerce a superintendência e a secretaria do CB-28, coordenando e promovendo as atividades de normalização de produtos siderúrgicos no país, com plena observância às diretrizes estabelecidas pela ABNT. Normalização Internacional. A siderurgia vem ampliando sua participação no processo normativo internacional, visando integrar-se ao esforço conjunto da siderurgia mundial para o desenvolvimento do mercado de aço e evitar a utilização das normas como instrumentos de barreiras técnicas ao comércio. Avaliação da Conformidade de Produtos. A siderurgia promove e incentiva programas de certificação para assegurar ao consumidor a conformidade dos produtos às respectivas normas técnicas e diferenciá-los daqueles de baixa qualidade. Nesse sentido, o IBS integra dois Comitês Técnicos de Certificação de Produtos Siderúrgicos da ABNT: de aços planos e seus produtos para a construção e de aços longos. PORQUE É IMPORTANTE PARA A SIDERURGIA BRASILEIRA A siderurgia é elo importante em diversas cadeias produtivas. Demanda de seus fornecedores e é demandada por seus clientes em especificações e requisitos estritos de qualidade. Considerando que a normalização é fundamental para atender requisitos de competitividade e apoiar os programas de desenvolvimento de uso do aço, o setor não pode prescindir de promover a normalização de seus próprios produtos e de participar do processo normativo de outros setores consumidores com interfaces com a siderurgia. A certificação é um instrumento de diferenciação competitiva largamente usado em todo o mundo, e que tem apoio da siderurgia para seu desenvolvimento, particularmente nos aspectos voltados ao maior consumo de aço.

A NOVA AGENDA DA MEI PARA AMPLIAR A INOVAÇÃO EMPRESARIAL O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL

A NOVA AGENDA DA MEI PARA AMPLIAR A INOVAÇÃO EMPRESARIAL O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL A NOVA AGENDA DA MEI PARA AMPLIAR A INOVAÇÃO EMPRESARIAL O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL MEI - MOBILIZAÇÃO EMPRESARIAL PELA INOVAÇÃO 5 UMA NOVA AGENDA PARA PROMOVER A INOVAÇÃO EMPRESARIAL NO BRASIL A capacidade

Leia mais

BRASÍLIA, 2011 O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL: UMA AGENDA PARA ESTIMULAR A INOVAÇÃO

BRASÍLIA, 2011 O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL: UMA AGENDA PARA ESTIMULAR A INOVAÇÃO BRASÍLIA, 2011 O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL: UMA AGENDA PARA ESTIMULAR A INOVAÇÃO BRASÍLIA, 2011 O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL: UMA AGENDA PARA ESTIMULAR A INOVAÇÃO SUMÁRIO O ESTADO DA INOVAÇÃO NO

Leia mais

A GESTÃO DA ÁGUA NO BRASIL: UMA PRIMEIRA AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO ATUAL E DAS PERSPECTIVAS PARA 2025

A GESTÃO DA ÁGUA NO BRASIL: UMA PRIMEIRA AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO ATUAL E DAS PERSPECTIVAS PARA 2025 A GESTÃO DA ÁGUA NO BRASIL: UMA PRIMEIRA AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO ATUAL E DAS PERSPECTIVAS PARA 2025 Carlos E. M. Tucci, Ivanildo Hespanhol e Oscar de M. Cordeiro Netto Janeiro/2000 A GESTÃO DA ÁGUA NO BRASIL:

Leia mais

Incentivos Fiscais à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Brasil:

Incentivos Fiscais à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Brasil: Banco Interamericano de Desenvolvimento Divisão de Competitividade e Inovação (IFD/CTI) Incentivos Fiscais à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Brasil: Uma avaliação das políticas recentes. DOCUMENTO

Leia mais

A responsabilidade social e o Serviço Social nas organizações empresariais

A responsabilidade social e o Serviço Social nas organizações empresariais A responsabilidade social e o Serviço Social nas organizações empresariais Maria José de Oliveira Lima SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LIMA, MJO. As empresas familiares da cidade de Franca:

Leia mais

Aspectos da Construção Sustentável no Brasil e Promoção de Políticas Públicas. Subsídios para a Promoção da Construção Civil Sustentável

Aspectos da Construção Sustentável no Brasil e Promoção de Políticas Públicas. Subsídios para a Promoção da Construção Civil Sustentável Aspectos da Construção Sustentável no Brasil e Promoção de Políticas Públicas Subsídios para a Promoção da Construção Civil Sustentável CBCS - Conselho Brasileiro de Construção Sustentável Presidente do

Leia mais

Avanços da indústria. Encontro da Indústria para a Sustentabilidade

Avanços da indústria. Encontro da Indústria para a Sustentabilidade Avanços da indústria brasileira rumo ao desenvolvimento sustentável Síntese dos fascículos setoriais Encontro da Indústria para a Sustentabilidade CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI PRESIDENTE Robson

Leia mais

Localiza Fleet S/A. Plano de Gestão Ambiental

Localiza Fleet S/A. Plano de Gestão Ambiental S/A Local de instalação do Empreendimento Belo Horizonte, MG Documento Elaborado para o atendimento de requisitos de operação ambiental e sistematização de aspectos ambientais. 2ª. EDIÇÃO Janeiro / 2014

Leia mais

Documento Orientador de apoio aos debates da 15ª Conferência Nacional de Saúde

Documento Orientador de apoio aos debates da 15ª Conferência Nacional de Saúde Documento Orientador de apoio aos debates da 15ª Conferência Nacional de Saúde APRESENTAÇÃO O Conselho Nacional de Saúde (CNS), órgão vinculado ao Ministério da Saúde 1, deliberou pela realização da 15ª

Leia mais

SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA NO SETOR FINANCEIRO BRASILEIRO

SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA NO SETOR FINANCEIRO BRASILEIRO SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA NO SETOR FINANCEIRO BRASILEIRO Clarissa Lins Daniel Wajnberg Agosto 2007 Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável Rua Engenheiro Álvaro Niemeyer, 76 CEP 22610-180

Leia mais

VIVERBEM.VIVERVERDE DIRETRIZES PROGRAMÁTICAS PARA O PARTIDO VERDE 2014

VIVERBEM.VIVERVERDE DIRETRIZES PROGRAMÁTICAS PARA O PARTIDO VERDE 2014 VIVERBEM.VIVERVERDE DIRETRIZES PROGRAMÁTICAS PARA O PARTIDO VERDE 2014 INTRODUÇÃO Tratamos aqui das diretrizes para elaboração de um programa do PV para o Brasil/2014. Pedimos que sejam avaliadas, criticadas,

Leia mais

Introdução ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7

Introdução ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 Introdução ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 O quadro atual ---------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Ciência e Tecnologia no Brasil: Uma nova política para um mundo global

Ciência e Tecnologia no Brasil: Uma nova política para um mundo global Ciência e Tecnologia no Brasil: Uma nova política para um mundo global Simon Schwartzman, coordenação Eduardo Krieger, ciências biológicas Fernando Galembeck, ciências físicas e engenharias Eduardo Augusto

Leia mais

COMO AS EMPRESAS PODEM (E DEVEM) VALORIZAR A DIVERSIDADE

COMO AS EMPRESAS PODEM (E DEVEM) VALORIZAR A DIVERSIDADE COMO AS EMPRESAS PODEM (E DEVEM) VALORIZAR A DIVERSIDADE 1 Como as Empresas podem (e devem) valorizar a Diversidade é uma publicação do Instituto Ethos, distribuída gratuitamente aos seus associados Realização

Leia mais

Manual de. compras. Sustentáveis

Manual de. compras. Sustentáveis Manual de compras Sustentáveis Manual de Compras Sustentáveis Maio 2014 CEBDS Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável Manual de Compras Sustentáveis Índice O que é o CEBDS 8

Leia mais

Franquias. 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado

Franquias. 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado Franquias 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado 1 Índice 1. FRANQUIAS a. O Sistema de Franquias 1. Conhecendo o sistema 2. Quais os principais termos utilizados 3. Franquia x Licenciamento

Leia mais

O Impacto do Plano Brasil Maior na Indústria do RS

O Impacto do Plano Brasil Maior na Indústria do RS O Impacto do Plano Brasil Maior na Indústria do RS GT-MAPI Grupo Técnico de Monitoramento e Avaliação da Política Industrial GETEC Gerência Técnica e de Suporte aos Conselhos Temáticos Status das medidas

Leia mais

Guia de Sustentabilidade para Fornecedores

Guia de Sustentabilidade para Fornecedores Guia de Sustentabilidade para Fornecedores Guia de Sustentabilidade para Fornecedores índice SUSTENTABILIDADE NO GRUPO BOTICÁRIO MENSAGEM AO FORNECEDOR REQUISITOS FUNDAMENTAIS 04 05 06 ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NAS GRANDES EMPRESAS E suas demandas para as Micro e Pequenas Empresas

PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NAS GRANDES EMPRESAS E suas demandas para as Micro e Pequenas Empresas PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NAS GRANDES EMPRESAS E suas demandas para as Micro e Pequenas Empresas EXPEDIENTE PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL Roberto Simões DIRETOR-PRESIDENTE Luiz Barretto DIRETOR

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA

O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA FACULDADE LOURENÇO FILHO BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS ELIS MARIA CARNEIRO CAVALCANTE O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA FORTALEZA 2010 1 ELIS

Leia mais

Presidência da República Câmara da Reforma do Estado Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado Brasília, 1995

Presidência da República Câmara da Reforma do Estado Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado Brasília, 1995 Presidência da República Câmara da Reforma do Estado Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado Brasília, 1995 Presidência da República Presidente da República: Fernando Henrique Cardoso Câmara da

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social Brasília DF Julho 2007 Plano Decenal - SUAS Plano 10 2007 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate

Leia mais

3 EXPERIÊNCIA DESENVOLVIMENTISTA NO SÉCULO XX EM PAÍSES SELECIONADOS

3 EXPERIÊNCIA DESENVOLVIMENTISTA NO SÉCULO XX EM PAÍSES SELECIONADOS 75 3 EXPERIÊNCIA DESENVOLVIMENTISTA NO SÉCULO XX EM PAÍSES SELECIONADOS Este capítulo tem por objetivo analisar os resultados da experiência desenvolvimentista em países selecionados durante a segunda

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO VADOR DINÂMICO ADOR DEZEMBRO, 2013 INO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO VADOR DINÂMICO ADOR DEZEMBRO, 2013 INO PLANO DE DESENVOLVIMENTO R ADOR OVADOR DINÂMICO DEZEMBRO, 2013 INO INO VADOR R INOVA PLANO DE O DESENVOLVIMENTO DE DE DESEN LVI PLANO DE DESEN VOLVI DESEN VOLVI MENTO DEZEMBRO, 2013 O Futuro é o que fazemos

Leia mais

Manual Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos

Manual Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos Manual Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS Manual Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos Publicação elaborada pelo Instituto Brasileiro de Administração

Leia mais

O financiamento público na perspectiva da política social

O financiamento público na perspectiva da política social O financiamento público na perspectiva da política social Sulamis Dain Introdução Este artigo trata de uma questão normalmente obscura, que é a relação entre a necessidade de financiamento do setor público,

Leia mais

DETERMINANTES DA PRODUTIVIDADE DO TRABALHO. para a Estratégia sobre Sustentabilidade e Promoção da Classe Média

DETERMINANTES DA PRODUTIVIDADE DO TRABALHO. para a Estratégia sobre Sustentabilidade e Promoção da Classe Média DETERMINANTES DA PRODUTIVIDADE DO TRABALHO para a Estratégia sobre Sustentabilidade e Promoção da Classe Média DETERMINANTES DA PRODUTIVIDADE DO TRABALHO para a Estratégia sobre Sustentabilidade e Promoção

Leia mais

PROGRAMA DE GOVERNO PLANO DE ACÃO PARA MUDAR O BRASIL

PROGRAMA DE GOVERNO PLANO DE ACÃO PARA MUDAR O BRASIL PROGRAMA DE GOVERNO PLANO DE ACÃO PARA MUDAR O BRASIL Eleições Presidenciais 2014 Não vamos desistir do Brasil Apresentamos este Programa de Governo num momento de grande dor, em que nossa coligação Unidos

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO PÚBLICA

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO PÚBLICA 2014 MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO PÚBLICA Presidenta da República Dilma Roussef Vice-Presidente da República Michel Temer Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam Belchior Secretária Executiva

Leia mais

OS FUNDAMENTOS DA CRISE DO SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL

OS FUNDAMENTOS DA CRISE DO SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL OS FUNDAMENTOS DA CRISE DO SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL SEGUNDA EDIÇÃO REVISTA E AMPLIADA Superintendência de Informações do Agronegócio Técnico Responsável: Ângelo Bressan Filho Abril de 2010 ÍNDICE

Leia mais