TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO. José Valdemir dos Reis Junior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO. José Valdemir dos Reis Junior"

Transcrição

1 TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO José Valdemir dos Reis Junior

2 ROTEIRO Gerações das redes PON Componentes das Redes Ópticas Passivas Técnicas de acesso múltiplo nas redes PON: - Acesso Multiplo por Divisão de Tempo TDMA PON - A. Multiplo por Divisão de Comp. de Onda - WDMA PON - Acesso Multiplo por Divisão de Código CDMA PON

3 Serviços X Largura de Banda

4 REDES ÓPTICAS PASSIVAS características básicas Principais Componentes: OLT - Terminal de Linha Óptica ONU - Unidade Óptica de Rede ODN - Rede Óptica de Distribuição Variações FTTx: FTTC - Fibra até a Caixa de Emenda FTTH - Fibra Até a Casa do Assinante Evolução dos Padrões: Especificações Velocidades - APON (ATM PON ) : definida pela ITU-T G.983, 12 Mb/s a 155 Mb/s - BPON (Broadband PON ): definida pela FSAN 155 Mb/s a 622 Mb/s - EPON (Ethernet PON ): normatização IEEE 803.3ah 1.25 Gb/s - GPON (Gigabit PON ): definida pela ITU-T G Mb/s ou Mb/s

5 Gerações das redes PON 1) APON (ATM PON ) - A primeira geração de PON. - Definida pela ITU-T G Taxas de transmissão dos dados de 12 Mb/s a 155Mb/s. 2) BPON (Broadband PON) - Definida pela FSAN (Full Service Access Network). - Taxas de 155Mb/s para upstream e 622 Mb/s para downstream. 3) EPON (Ethernet PON) - Transporte de quadros no formato Ethernet - Taxas de dados de aproximadamente 1.25Gb/s - Upstream é baseado em TDMA 4) GPON (Gigabit PON) - Definida pela ITU-T G Taxas, 2.488Gb/s para downstream e Gb/s para upstream.

6 Componentes das Redes Ópticas de Acesso Terminal de Rede Óptica (OLT) - Responsável pelo gerenciamento da rede - Localizado entre a interface dos nós de serviço, pertencente ao núcleo da rede, e a PON A unidade de Rede Óptica - ONU - Interliga à OLT e a interface de rede do usuário Distribuidor de Rede Óptica ODN - Fornece os meios ópticos de transmissão ( fibras, Splitter, Multiplexador, Demultiplexador, AWG )

7 PRINCIPAIS TOPOLOGIAS

8 Esquema da topologia em Anel Um OLT pode ser interligado simultaneamente a duas ONUs; Os segmentos denominados de PON 1 e PON 2 são gerados, oferecendo uma conexão serial entre as ONUs e formando, assim, um barramento óptico; As últimas ONUs de cada segmento devem ser conectadas para fechar o anel lógico, viabilizando a formação de caminhos redundantes. Essa redundância inserida na rede é tida como um de seus maiores atrativos, pois cada ONU pode ser considerada como um derivador óptico ativo.

9 Esquema da topologia em barramento ONUs são conectadas ao OLT através do segmento central de fibra; Cada círculo nesta figura representa um splitter que, neste caso, apresenta fator de derivação 1:2;

10 Esquema da topologia em árvore As ONUs são conectadas ao OLT por um segmento de fibra individual para cada ONU, e esses são conectados a um splitter com um possível fator de derivação 1:32 ou 1:64 para redes GPON, para que posteriormente possam compartilhar um segmento único até o OLT. Uma das maiores vantagens desta topologia está na flexibilidade em termos de distância de conexão das ONUs, pois permite que sejam oferecidos serviços a ONUs afastadas do splitter, mesmo se esta estiver conectada ao primeiro derivador óptico.

11 TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NAS REDES PON

12 TDMA PON Pacotes de upstream são intervalados no tempo, exigindo bastante sincronismo dos pacotes no instante das transmissões nas ONU s A OLT orienta as ONU s quando enviar os seus respectivos pacotes. OLT com receptor em modalidade de rajada, permitindo sincronizar rapidamente pacotes vindo de diferentes ONU s e podem também ajudar os diferentes níveis de amplitude dos pacotes devido às possíveis perdas no caminho Cada assinante pode utilizar a largura de banda total para upstream na duração do seu slot de tempo predefinido.

13 WDMA PON Toda ONU usa um canal com diferente comprimento de onda para enviar seus pacotes as OLT Exige alta capacidade para isolar os comprimentos de onda no demultiplexador a fim de evitar Crosstalk Utiliza multiplexador/demultiplexador ao invés de separador de potências, apresentado no esquema TDMA- PON Apresenta para cada assinante um canal ponto a ponto dedicado para a OLT, embora eles compartilhem uma arquitetura física ponto multiponto

14 OCDMA PON Cada ONU usa uma seqüência de assinatura (código) diferente de pulso óptico Na OLT o sinal recebido e correlacionado com uma seqüência de assinatura já conhecida Utiliza multiplexador/demultiplexador na rede de distribuição Transmissão assíncrona, segura, capacidade flexível sob demanda

15 Motivação para uso de OCDMA-PON Capacidade flexível sob demanda: Alocação de novos usuários em TDMA ou WDMA reduz a largura de banda livre irreversivelmente Exibe auto nível de segurança comparado ao TDMA e WDMA que necessitam de encriptação no domínio elétrico Transmissão assíncrona simplifica o controle de acesso ao meio necessário em OTDMA Suporta maior número de usuários em relação a OTDMA e OWDMA Múltiplas taxas de transmissão para diferentes usuários na mesma rede Oferece a mesma topologia virtual (P2P) que WDMA

16 Desvantagens A Interferência de Acesso Múltiplo (MAI) é a maior fonte de degradação do sistema

PON PASSIVE OPTICAL NETWORK

PON PASSIVE OPTICAL NETWORK Cleiber Marques da Silva PON PASSIVE OPTICAL NETWORK Texto sobre a tecnologia de Redes ópticas passivas (PON) apresenta conceitos básicos, características e modelos existentes CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

Leia mais

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON É uma solução para a rede de acesso, busca eliminar o gargalo das atuais conexões entre as redes dos usuários e as redes MAN e WAN. A solução PON não inclui equipamentos ativos

Leia mais

Redes Ópticas Passivas. Rodovias Sistemas de ITS

Redes Ópticas Passivas. Rodovias Sistemas de ITS Redes Ópticas Passivas Rodovias Sistemas de ITS Fibra Óptica Meio Ideal para Backbones e Redes de Acesso Arquitetura Rede de Acesso PON para Operadoras & ISP TECNOLOGIA PON Padronização ITU & IEEE ITU-T

Leia mais

Agenda WWW.PARKS.COM.BR

Agenda WWW.PARKS.COM.BR Agenda Localização de aplicações GPON no espectro eletromagnético; Principio Fibra Óptica ; Ângulos de inserção; Relação Comprimento de onda e atenuação; Vantagens de aplicação de fibra e GPON; Cuidados;

Leia mais

REDES DE ACESSO ÓPTICO

REDES DE ACESSO ÓPTICO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO JOSÉ CURSO SUPERIOR TECNOLÓGICO EM SISTEMAS

Leia mais

Futuro das comunicações ópticas e. sistemas de mobilidade

Futuro das comunicações ópticas e. sistemas de mobilidade Futuro das comunicações ópticas e a convergência com sistemas de mobilidade Convivência de Redes Móveis com as Fixas FORA E DENTRO DA CASA DENTRO DA CASA Mercado de Tablet deverá explodir nos próximos

Leia mais

IEEE 802.3ah (EPON) Inatel. Inatel. www.inatel.br Parte III Redes Metro.: EPO e RPR. www.inatel.br. Instituto Nacional de Telecomunicações

IEEE 802.3ah (EPON) Inatel. Inatel. www.inatel.br Parte III Redes Metro.: EPO e RPR. www.inatel.br. Instituto Nacional de Telecomunicações 311 Parte III Redes Metro.: EPO e RPR 312 IEEE 802.3ah (EPON) 1 313 Tecnologias de última milha disponíveis DSL - ADSL, VDSL Cable modem - HFC Wireless - WiFi ou WiMax Power Line FTTX - FTTH, FTTB, FTTC,

Leia mais

Provedores de Internet

Provedores de Internet Fibra Óptica Meio Ideal para Backbones Fibra x Cobre Fibra x Cobre A Taxa de Transmissão no FTTH não é afetada pela distância do cliente até o equipamento da Central l(olt) Tecnologias sobre Cobre como

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA I - REDE GPON... 1. II - REDES FTTx... 8. III - DESCRIÇÃO DO PROJETO REDE FIBRAS OPTICAS FTTx... 10

TERMO DE REFERÊNCIA I - REDE GPON... 1. II - REDES FTTx... 8. III - DESCRIÇÃO DO PROJETO REDE FIBRAS OPTICAS FTTx... 10 TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo I - REDE GPON... 1 II - REDES FTTx... 8 III - DESCRIÇÃO DO PROJETO REDE FIBRAS OPTICAS FTTx... 10 IV RESUMO DE ATENDIMENTO DA REDE DE DUTOS POR SETOR... 15 1 I - REDE GPON

Leia mais

WDM e suas Tecnologias

WDM e suas Tecnologias Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Eletrônica e Computação EEL 878 Redes de Computadores I Turma EL1-2004/1 Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Aluna: Mariangela

Leia mais

É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos.

É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. REDES DE COMPUTADORES CABO COAXIAL É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. Topologias de rede A topologia de uma rede é um diagrama que descreve como

Leia mais

A Tecnologia GPON na Banda Larga Perspectivas e ideias para redes FTTx

A Tecnologia GPON na Banda Larga Perspectivas e ideias para redes FTTx A Tecnologia GPON na Banda Larga Perspectivas e ideias para redes FTTx Glauco Pereira Gerente de Produto - GPON glauco@padtec.com.br Tel.: + 55 19 2104.9727 Cel.: + 55 19 8118.0776 padtec.com Soluções

Leia mais

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Modulação e demodulação Técnicas de modulação Analógica AM, FM e PM. Digital ASK, FSK e PSK. Multiplexação e demultiplexação

Leia mais

A Tecnologia GPON na Banda Larga Perspectivas e ideias para redes FTTx

A Tecnologia GPON na Banda Larga Perspectivas e ideias para redes FTTx A Tecnologia GPON na Banda Larga Perspectivas e ideias para redes FTTx Glauco Pereira Gerente de Produto - GPON glauco@padtec.com.br Tel.: + 55 19 2104.9727 Cel.: + 55 19 8118.0776 padtec.com Soluções

Leia mais

Redes Óticas de Acesso de Banda Ultra Larga: Conservação de Potência em OLTs na arquitetura TWDM-PON

Redes Óticas de Acesso de Banda Ultra Larga: Conservação de Potência em OLTs na arquitetura TWDM-PON Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Trabalho de Graduação em Engenharia da Computação Redes Óticas de Acesso de Banda Ultra Larga: Conservação de Potência em OLTs na arquitetura TWDM-PON

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

Redes de Nova Geração e o ITED

Redes de Nova Geração e o ITED Redes de Nova Geração e o ITED A explosão da procura telefónica dos anos 80 induziu a implantação do RITA O incremento da Internet e a liberalização do mercado das telecomunicações influenciou claramente

Leia mais

GPON. Rede Óptica Passiva GigabitG. Leonardo F. Oliveira. Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br

GPON. Rede Óptica Passiva GigabitG. Leonardo F. Oliveira. Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br GPON Rede Óptica Passiva GigabitG Leonardo F. Oliveira Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br GPON O que égpon? Utilização da fibra óptica para interligar pontos distantes

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

3.1 Tecnologias de Acesso Banda Larga para Suporte aos Novos Serviços

3.1 Tecnologias de Acesso Banda Larga para Suporte aos Novos Serviços 3 Redes de Acesso Ao longo do presente capítulo são introduzidas algumas opções das tecnologias de acesso e justificada a escolha da tecnologia baseada em PON para atender as novas demandas por aumento

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

A Tecnologia GPON na Banda Larga Perspectivas e ideias para redes FTTx

A Tecnologia GPON na Banda Larga Perspectivas e ideias para redes FTTx A Tecnologia GPON na Banda Larga Perspectivas e ideias para redes FTTx Glauco Pereira Gerente de Produto - GPON glauco@padtec.com.br Tel.: + 55 19 2104.9727 Cel.: + 55 19 8118.0776 padtec.com Soluções

Leia mais

Redes PON II: Novas Tecnologias e Tendências

Redes PON II: Novas Tecnologias e Tendências Redes PON II: Novas Tecnologias e Tendências Esta série de tutoriais tem por objetivo descrever as tecnologias PON da forma mais clara possível e com o maior número de informações relevantes para uma eventual

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Slide: 1. FTTx Equipamentos GEPON

Slide: 1. FTTx Equipamentos GEPON Slide: 1 FTTx Equipamentos GEPON FTTx - Definição FTTx é um termo genérico para designar arquiteturas de redes de transmissão de alto desempenho, baseadas em tecnologia óptica. São redes totalmente passivas

Leia mais

Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso

Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso Acesso em banda base Acesso com modulação digital Acesso RDIS, HDSL Acesso com modems de banda de voz, ADSL, VDSL Códigos de linha Bipolar (AMI),

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Algoritmos para Alocação de Banda em Redes de Acesso GPON

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Anéis Ópticos em Backbone www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em 1980 foi formado o grupo de trabalho ANSI X3T9.5 com a finalidade de desenvolver

Leia mais

PROPOSTA DE UM MÉTODO PARA OTIMIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE REDES GPON

PROPOSTA DE UM MÉTODO PARA OTIMIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE REDES GPON FRANCISCO CARLOS DE LIMA PEREIRA PROPOSTA DE UM MÉTODO PARA OTIMIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE REDES GPON Projeto de Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Informática da Pontifícia

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Redes FTTx Oportunidades & Desafios

Redes FTTx Oportunidades & Desafios Redes FTTx Oportunidades & Desafios Curitiba 25/Nov/2011 A Empresa Presente no mercado desde 1987 JV com Grupo Draka em 2000 Fundação Draktel Fibras Ópticas Presença comercial em toda América do Sul Elevadas

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MAURÍCIO MODERNO DE CARVALHO UM NOVO ESQUEMA DE PROTEÇÃO PARA REDES PON TDM São Paulo 2008 MAURÍCIO MODERNO DE CARVALHO

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

REGRAS PARA SEGMENTAÇÃO

REGRAS PARA SEGMENTAÇÃO REGRAS PARA SEGMENTAÇÃO Professor Victor Sotero 1 Domínio de Colisão A conexão de vários computadores a um único meio de acesso compartilhado que não possui nenhum outro dispositivo de rede conectado cria

Leia mais

Redes PON I: Novas Tecnologias e Tendências

Redes PON I: Novas Tecnologias e Tendências Redes PON I: Novas Tecnologias e Tendências Esta série de tutoriais tem por objetivo descrever as tecnologias PON da forma mais clara possível e com o maior número de informações relevantes para uma eventual

Leia mais

Distribuição de Divisores de Potência em Redes Ópticas Passivas Utilizando Algoritmos Genéticos.

Distribuição de Divisores de Potência em Redes Ópticas Passivas Utilizando Algoritmos Genéticos. Universidade de São Paulo USP Escola de Engenharia de São Carlos EESC Departamento de Engenharia Elétrica Distribuição de Divisores de Potência em Redes Ópticas Passivas Utilizando Algoritmos Genéticos.

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI Bruno Guilhen. www.brunoguilhen.com.br 1

Redes de Computadores LFG TI Bruno Guilhen. www.brunoguilhen.com.br 1 MODELO OSI/ISO 01(CESPE STF 2008 Q93) Na arquitetura do modelo OSI da ISO, protocolos de transporte podem ser não-orientados a conexão e localizam-se na terceira camada. As responsabilidades desses protocolos

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

TECNOLOGIA NACIONAL: SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA DE COMUNICAÇÕES PARA GESTÃO DO SERVIÇO PÚBLICO

TECNOLOGIA NACIONAL: SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA DE COMUNICAÇÕES PARA GESTÃO DO SERVIÇO PÚBLICO TECNOLOGIA NACIONAL: SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA DE COMUNICAÇÕES PARA GESTÃO DO SERVIÇO PÚBLICO Maio / 2014 AGENDA DEMANDAS DA GESTÃO PÚBLICA SOBRE A TI E AS COMUNICAÇÕES SOLUÇÕES COM TECNOLOGIA NACIONAL

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

ETEP FACULDADES CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES

ETEP FACULDADES CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES ETEP FACULDADES CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES WESLLEY RICHARD FORNARI TECNOLOGIA GPON EM REDES DE FIBRA ÓPTICA MONOGRAFIA Jacareí 2015 2 ETEP FACULDADES CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Análise da Rede Óptica Passiva Baseada em Multiplexação por Divisão no Tempo como alternativa para acesso banda larga no cenário brasileiro

Análise da Rede Óptica Passiva Baseada em Multiplexação por Divisão no Tempo como alternativa para acesso banda larga no cenário brasileiro Análise da Rede Óptica Passiva Baseada em Multiplexação por Divisão no Tempo como alternativa para acesso banda larga no cenário brasileiro Rafael Jales Lima Ferreira 1, Guilherme Enéas Vaz Silva 12. 1

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

REDES GPON COMO SOLUÇÃO PARA FTTH

REDES GPON COMO SOLUÇÃO PARA FTTH UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES ANDRINE MARIANA VARELA DA CRUZ MAURICIO RICARDO KONOPACKI REDES

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 SISTEMA DE INTERCONEXÃO (BARRAMENTOS) Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento Central

Leia mais

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Topologias e abrangência das redes de computadores Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Objetivos Tornar os alunos capazes de reconhecer os tipos de topologias de redes de computadores assim como

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2)

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) A largura de banda,, em termos gerais, indica a quantidade máxima de dados que podem trafegar no meio em um determinado momento. É medida em bps (bits

Leia mais

NT 239 2015. Redes ópticas passivas para a rede de comunicação de equipamentos de ITS

NT 239 2015. Redes ópticas passivas para a rede de comunicação de equipamentos de ITS NT 239 2015 Redes ópticas passivas para a rede de comunicação de equipamentos de ITS Introdução Sun Hsien Ming Com o advento de ITS (Intelligent Transportation System), a necessidade de redes de comunicação

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Serviços Banda Larga: O uso de Rede Óptica Passiva GPON

Serviços Banda Larga: O uso de Rede Óptica Passiva GPON Serviços Banda Larga: O uso de Rede Óptica Passiva GPON Este tutorial apresenta as redes GPON (Gigabit-capable Passive Optical Network, ou Rede Óptica Passiva com capacidade Gigabit). Essas redes desempenham

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital Histórico IEEE 1394 1986 - primeiras idéias concretas trazidas pela Apple Computers que adotou a denominação FireWire. 1987 - primeira especificação do padrão. 1995 adoção pelo IEEE do padrão IEEE 394.

Leia mais

Problemas de Segurança em Redes TDM-PON

Problemas de Segurança em Redes TDM-PON Problemas de Segurança em Redes TDM-PON Guilherme Enéas Vaz Silva Departamento de Ciência da Computação Centro de Ensino Unificado de Teresina (CEUT) Teresina PI Brasil Departamento de Sistemas de Informação

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Transmissão www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Transmissão Transmissão é a técnica que é utilizada para enviar um sinal entre os dois pontos envolvidos

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

Redes de Acesso Óptico para Próxima Geração. Next Generation Optical Access Networks

Redes de Acesso Óptico para Próxima Geração. Next Generation Optical Access Networks 11 Redes de Acesso Óptico para Próxima Geração Next Generation Optical Access Networks Guilherme Enéas Vaz Silva 1 Rafael Jales Lima Ferreira 2 Resumo Abstract O artigo traz uma comparação entre duas arquiteturas

Leia mais

Projeto de Redes. Topologias padrão Principais componentes Utilizações Adequadas

Projeto de Redes. Topologias padrão Principais componentes Utilizações Adequadas Definir: Identificar as diferentes Topologias Objetivos: Descrever Vantagens/Desvantagens Topologia Adequada A topologia impacta sobre: Tipo de equipamentos utilizados A capacidade de cada equipamento

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA REDES ÓPTICAS ATÉ O ASSINANTE. Área de Engenharia Elétrica. por. Anderson Toshiake Chiba

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA REDES ÓPTICAS ATÉ O ASSINANTE. Área de Engenharia Elétrica. por. Anderson Toshiake Chiba UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA REDES ÓPTICAS ATÉ O ASSINANTE Área de Engenharia Elétrica por Anderson Toshiake Chiba João Hermes Clerici, Engenheiro Orientador Campinas (SP), Dezembro

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br Os cabos são usados como meio de comunicação há mais de 150 anos. A primeira implantação em larga escala de comunicações via

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

Redes e Serviços em Banda Larga

Redes e Serviços em Banda Larga Redes e Serviços em Banda Larga Redes Locais de Alta Velocidade Paulo Coelho 2002 /2003 1 Introdução Fast Ethernet Gigabit Ethernet ATM LANs 2 Características de algumas LANs de alta velocidade Fast Ethernet

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 2. Padrões de Redes Locais 2.1 - Criação da Ethernet 2.2 - Padrões IEEE 802.x 2.3 - Especificações 802.3 2.4 - Token Bus 2.5 - Token Ring 2.1 - Criação

Leia mais

A Tecnologia GPON na Banda Larga Perspectivas e ideias para redes FTTx

A Tecnologia GPON na Banda Larga Perspectivas e ideias para redes FTTx A Tecnologia GPON na Banda Larga Perspectivas e ideias para redes FTTx Glauco Pereira Gerente de Produto - GPON glauco@padtec.com.br Tel.: + 55 19 2104.9727 Cel.: + 55 19 8118.0776 padtec.com Empresa 100%

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA REDE DE ACESSO FTTX Área de Comunicações Ópticas por Renato Pinto de Souza Jorge Salomão Pereira, Mestre Orientador Campinas (SP), dezembro de 2006

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES LUAN BUENO BARROS SOUZA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES LUAN BUENO BARROS SOUZA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES LUAN BUENO BARROS SOUZA PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA REDE DE ACESSO USANDO TECNOLOGIA PON Curitiba

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa Subcamada de Controle de Acesso ao Meio Bruno Silvério Costa 1. O Problema de Alocação do Canal Alocação estática de canais em LANs e MANs Alocação dinâmica de canais em LANs e MANs 1.1 Alocação dinâmica

Leia mais

Anatomia de uma rede de acesso banda-larga (Parte I) GTER 33

Anatomia de uma rede de acesso banda-larga (Parte I) GTER 33 Anatomia de uma rede de acesso banda-larga (Parte I) GTER 33 2012 Grupo Algar Negócios Algar Setor TI/Telecom Setor Agro Setor Serviços Turismo Algar Telecom Negócios & Atuação: Varejo Empresas Dados &

Leia mais

INTRODUÇÃO BARRAMENTO PCI EXPRESS.

INTRODUÇÃO BARRAMENTO PCI EXPRESS. INTRODUÇÃO BARRAMENTO EXPRESS. O processador se comunica com os outros periféricos do micro através de um caminho de dados chamado barramento. Desde o lançamento do primeiro PC em 1981 até os dias de hoje,

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

O Padrão Ethernet. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br

O Padrão Ethernet. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br O Padrão Ethernet Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br Origens O início do desenvolvimento da tecnologia Ethernet ocorreu nos laboratórios da Xerox PARC,

Leia mais