Slide: 1. FTTx Equipamentos GEPON

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Slide: 1. FTTx Equipamentos GEPON"

Transcrição

1 Slide: 1 FTTx Equipamentos GEPON

2 FTTx - Definição FTTx é um termo genérico para designar arquiteturas de redes de transmissão de alto desempenho, baseadas em tecnologia óptica. São redes totalmente passivas também designadas por PON - Passive Optical Network. Slide: 2

3 FTTx - Definição Uma rede de transmissão baseada em arquitetura PON é composta pelos seguintes segmentos: Slide: 3

4 FTTx - Exemplos FTTB : Fiber-To-The-Building FTTA : Fiber-To-The-Apartment Slide: 4

5 FTTx - Exemplos FTTH : Fiber-To-The-Home FTTB: Fiber-To-The-Build Slide: 5

6 Slide: 6 FTTx Equipamentos GEPON

7 FTTx Equipamentos GEPON Transmissão de dados, voz e vídeo. Slide: 7

8 Slide: 8

9 FTTx Rede Passiva Compreende os cordões ópticos, splitters passivos, DIO, bandejas de passagens e todo acessório que compõe a rede GEPON entre a OLT até as ONT/ONUs. Slide: 9

10 Slide: 10 FTTx Rede Passiva

11 FTTx Rede Passiva Perdas nos Splitters Perdas por fusões, max. 0,30dB (EIA/TIA 568) Perdas nos conectores, max. 0,75dB (EIA/TIA 568) Slide: 11

12 FTTx Rede Passiva Perdas nos Splitters Saída da OLT tem potência de saída aproximada de +5dbm e a ONU tem sensibilidade de -9 até -27dbm. Receptor Óptico: O sinal no receptor óptico deverá estar dentro das limitações do equipamento e de acordo com a atenuação esperada na rede. Splitter Perda de Inserção 1:2 3,7 db 1:4 7,3 db 1:8 10,5 db 1:16 13,7 db 1:32 17,1 db 1:64 20,5 db Slide: 12

13 Slide: 13 FTTx Splitters distribuídos em 2 níveis

14 Slide: 14 FTTx Equipamentos GEPON

15 A solução GEPON é composta por: Plataforma GEPON OLT Optical Line Terminator Unit Slide: 15

16 OLT Optical Line Terminator Chassi acomoda 16 Cartões PON e cada cartão pode atender até 64 ONUs ONUs por Chassi. Downstream até 970 Mbps. Upstream até 950 Mbps. Comprimento de onda de Transmissão: 1490 nm. Comprimento de onda de Recepção: 1310 nm. Porta de Uplink: 100BASETX/ 1000BASE T. Slide: 16

17 OLT Conexão ótica A OLT tem a funcionalidade de concentrador no cenário GEPON. Cada placa PON se conecta ao switch Layer 3 enquanto que cada porta ótica pode ser dividida (utilizando splitters 1:2 até 1:64) e conectada na porta ótica da ONT/ONU. Ponto de acceso a rede (splitter) PTO Ponto de Convergencia Local (Splitter) Central de Equipamentos Alimentadores (Feeder) Distribuição Conexão com o usuário Slide: 17

18 Slide: 18 FTTx Equipamentos GEPON

19 ONU Optical Network Unit Responsável pela conversão do sinal óptico proveniente da rede PON em sinal elétrico. 2 Portas LAN: 1 (10BASE T/100BASETX/1000BASE T) e 1 (10BASET/100BASE TX). Administrador da rede pode monitorar, configurar e controlar a atividade de cada porta. Suporta a configuração da largura de banda (downstream/upstream) independente para cada porta ou enlace lógico (LLID) através do software de gerenciamento. Slide: 19

20 Placa de Gerência Ear Phone Jack Porta Serial Cabo Serial DB9 OLT FK-C16 Power A Power B Placas PIF De 1 até 8 Placas PIF De 9 até 16 Placa de Gerência Slide: 20

21 Slide: 21 Placa de Gerência

22 Slide: 22 Placa de Gerência

23 Slide: 23 FTTx Equipamentos GEPON

24 Conexão dos cabos e cordões óticos PC Porta PON da ONT ONT/ONU Gerência - Porta 1 Switch Layer 3 Porta 23 Acesso a gerência Porta Giga- Ethernet Porta Fast- Ethernet Porta Giga-Ethernet. Uplink da placa PON 1 Porta PON da OLT OLT FK-C16 Porta 2 Conexão da Placa PON Internet / Rede Externa Porta 24 Saída para a Internet Power A Power B Placas PON De 1 até 8 Placas PON De 9 até 16 Placa de Gerência Conexão da porta 1 no switch Layer 3 Cordão óptico monomodo Cabo FTP/UDP CAT6.A Slide: 24

25 Principais Cenários GEPON Simple Bridge Shared Vlan Dedicated Vlan Transparent Vlan Slide: 25

26 Simple Bridge Existe somente o serviço de Internet (dados). Vlan 510 representa a entrada do tráfego de dados da rede externa até o switch Layer 3. No switch Layer 3 o TAG da Vlan 510 deve ser removido, passando para frente somente os pacotes IP sem TAG. Configuração simples, porém aconselha-se utilizar essas configurações quando houver apenas um serviço. Slide: 26

27 Topologia de rede para o cenário Simple Bridge Simple Bridge ONT Port 1 Internet No Vlan Simple Bridge Gerência Vlan 509 Management Server Internet Vlan 510 Splitter Switch L3 OLT Furukawa Internet No Vlan ONT Port 1 ONT Port 2 ATA Cabo FTP Cat 6A, Gerência Cabo FTP Cat 6A, Upstream Voip No Vlan Vlan Voip Vlan Internet Vlan Gerência Cabo FTP Cat 6A Cordão óptico Monomodo Slide: 27

28 Shared Vlan Separar o tráfego de Internet e Voip utilizando Vlans. Utilizado quando existem dois ou mais serviços disponíveis. Separa o domínio de broadcast entre os tráfegos de Internet e Voip. Vlans de Internet e Voip ficam separadas, não existe o risco de sobreposição de tráfego (evita a perda de pacotes). TAG das Vlans percorre desde a nuvem da rede externa até a ONT, sendo retirados, apenas na ONT. Slide: 28

29 Topologia de rede Shared Vlan Shared Vlan Internet - Vlan 510 Voip - Vlan 511 Gerência - Vlan 509 ONT Port 1 Internet Vlan 510 IP da Vlan /24 Gerência Vlan 509 Gerência Vlan 509 Management Server Internet Vlan 510 Splitter Switch L3 Voip Vlan 511 OLT Furukawa Internet Vlan 510 ONT Port 1 ONT Port 2 ATA /24 Cabo FTP Cat 6A, Gerência Cabo FTP Cat 6A, Upstream Soft Switch Voip Vlan 511 Vlan Voip Vlan Internet Vlan Gerência Cabo FTP Cat 6A Cordão óptico Monomodo Slide: 29

30 Dedicated Vlan Cada usuário do serviço (Internet) tem uma Vlan dedicada e exclusiva. Aconselhável na interligação de empresas onde o tráfego das ONUs é bastante intenso. Separa o tráfego de cada cliente em Vlans diferentes diminuindo o volume de broadcast. Na figura foi designado um range de Vlans, partindo da Vlan 510 até a Vlan 600, podem ser utilizadasaté 4094 Vlans. Slide: 30

31 Topologia de rede Dedicated Vlan ONT Port 1 Dedicated Vlan Internet - Vlan 510 a Vlan 600 Gerência - Vlan 509 Internet Vlan 510 IP da Vlan /24 Management Server ONT Port 1 Gerência Vlan 509 Internet Vlan 511 Gerência Vlan 509 Internet Vlan 510 Vlan 511 Splitter Vlan 512 Vlan 600 ONT Port 1 OLT Furukawa Switch L3 Internet Vlan 512 ONT Port 1 Internet Vlan /24 Cabo FTP Cat 6A, Gerência Cabo FTP Cat 6A, Upstream Vlan Internet Vlan 510 Vlan Internet Vlan 511 Vlan Internet Vlan 512 Vlan Internet Vlan 600 Vlan Gerência Cabo FTP Cat 6A Cordão óptico Monomodo Slide: 31

32 Transparent Vlan Uma Vlan configurada no switch L3 será transportada até a ONU de forma transparente entregando o TAG da Vlan na porta de saída da ONU. A Vlan 700 entra no Switch L3 A e é transportada através da OLT e ONU, na porta de saída da ONU está conectado o Switch L3 B que recebe a Vlan 700. Switch L3 A Vlan 700 Switch L3 B Vlan 700 OLT Furukawa /24 Vlan 511 e Vlan 510 ONT Port 1 Vlan 511 e Vlan 510 Internet Vlan 510 ONT Port 2 ATA Voip Vlan 511 Gerência - Vlan 509 Internet - Vlan 510 Voip - Vlan 511 Vlan Voip Vlan Transparent Cabo FTP Cat 6A Cordão óptico Monomodo Slide: 32

33 Quadro Resumo das Topologias Cenário Características Utilização / Impacto Simple Bridge Shared Vlan Dedicated Vlan Transparent Vlan Q-in-Q Double Tagged Não existem Vlans. Sem Tag. 1 Vlan por serviço. Com Tag. 1 Vlan por cliente. Com Tag. Túnel* de Vlans. Com Tag. Com 2 tags. Quando há apenas 1 serviço (dados). Domínio de broadcast Alto. Quando há um grupo pequeno de máquinas (residências). Domínio de broadcast administrável e reduzido. Quando há muitas máquinas (prédios corporativos). Domínio de broadcast controlável. Quando é necessário ligar switch com switch (modo trunk). Domínio de broadcast mínimo. Domínio de broadcast com administração baixa. Slide: 33

34 Slide: 34 Acesso à Placa de Gerência

35 Acessando a Plataforma GEPON Login Default: Username: admin Password: admin Slide: 35

36 Slide: 36 Interface de Gerenciamento GEPON

37 Slide: 37 OLT View

38 Slide: 38 ONU List

39 Slide: 39 ONU List

40 Procedimentos na ONU GEPON Autorizar Adicionar Subscriber Configurar Slide: 40

41 Autorizando a ONU : 1-Adicionar à Lista Em ONU List, selecionar as ONUs que deseja autorizar. Depois clicar em Add to List. Slide: 41

42 Autorizando a ONU : 2-Autorizar ONUs escolhidas Selecionar as ONUs que serão autorizadas Depois clicar em Authorize. Slide: 42

43 Autorizando a ONU : 3-Conferir ONUs autorizadas A coluna Status indica quando uma ONU está em funcionamento ( Registered ) Yes, significa que a ONU está autorizada. Slide: 43

44 Procedimentos na ONU GEPON Autorizar Adicionar Subscriber Configurar Slide: 44

45 Adicionar Subscriber: 1- Coletar MAC da ONU Em OLT View > ONU List > ONU Information Slide: 45

46 Adicionar Subscriber: 2- Copiar MAC da ONU Em OLT View > ONU List > ONU Information Slide: 46

47 Slide: 47 Adicionar Subscriber: 3- ONU Subscriber View

48 Adicionar Subscriber: 4- Preencher os dados Preencher os espaços conforme a necessidade do projeto, sendo obrigatório o campo Mac Address e Slot. O Slot representa a placa PON que a ONU foi conectada, o Mac Address é representado pelo Mac Address da ONU. Slide: 48 Verificar o Mac Address da ONU. É possível colar (Ctrl+V) o MAC copiado anteriormente.

49 Adicionar Subscriber: 5- Conferir os dados ONU adicionada ao ONU Subscriber View. Slide: 49

50 Procedimentos na ONU GEPON Autorizar Adicionar Subscriber Configurar Slide: 50

51 Configurando uma ONT/ONU na OLT Clique sobre o Mac Address da ONU Slide: 51

52 Slide: 52 Configurando uma ONT/ONU na OLT

53 Slide: 53 Configurando uma ONT/ONU na OLT

54 Slide: 54 Configurando o cenário Simple Bridge

55 Slide: 55

56 Largura de banda - SLA 3 Modos de Prioridade: Alta prioridade: Sensitivo com BWmin = Bwmax Média prioridade: Tolerante com BWmin < BWmax, BWmin 0 Baixa Prioridade: Tolerante com BWmin < BWmax, BWmin = 0 Tolerante: existe uma faixa de largura de banda mínima e máxima. Ex.: usuário pode adquirir uma velocidade garantida mínima de 10 Mbps podendo chegar até 50 Mbps Upstream e 20 Mbps mínimo podendo chegar até 100Mbps Downstream. Sensitive: a largura de banda somente pode ser fixa, isso significa que se o usuário contratou uma largura de banda de 10Mbps para Upstream e de 20 Mbps para Downstream, não existirá variação de banda entre a OLT e ONT sendo a largura de banda garantida. Slide: 56

57 Slide: 57 Largura de banda - SLA

58 Slide: 58 Configurando a Largura de banda

59 Largura de banda Clique em Next e em seguida em Finish. Slide: 59

60 Slide: 60 Configurando o cenário Shared Vlan

61 Slide: 61 Configurando o cenário Shared Vlan

62 Slide: 62 Configurando o cenário Dedicated Vlan

63 Slide: 63 Configurando o cenário Dedicated Vlan

64 Slide: 64 Configurações de Multicast SLA

65 Slide: 65 Salvando as configurações

66 Logs - Chassis Tue Aug 03 13:53: OLT Removed [Slot 11] Tue Aug 03 13:53: OLT Inserted [Slot 11] Tue Aug 03 13:53: Fan Normal [FAN 3 : RPM] Mon Aug 02 11:51: Fan Abormal [FAN 3 : 0 RPM] Mon Aug 02 11:51: Power Abnormal [Power 2] Mon Aug 02 11:48: Power Normal [Power 2] Mon Aug 02 11:51: Voltage Abormal [0.3 V] Mon Aug 02 11:51: TemperatureUnder [0 C] Mon Jan 02 12:30: TemperatureOver [50 C] Mon Aug 02 09:56: Login [admin] Mon Aug 02 11:01: Logout [admin] Mon Aug 02 09:56: Authentication Failure Slide: 66

67 Logs Epon Log Desconexão de fibra ótica (porta PON) da ONU Tue Aug 03 17:15: [UNI Link Down],mac[DAN POWER] port[2],slotid[1],count[1] Tue Aug 03 17:15: [Epon Link Up],mac[DAN POWER:1],slotid[1] Tue Aug 03 17:15: [Epon Link Up],mac[DAN POWER],slotid[1] Tue Aug 03 17:14: [Epon Link Down],mac[DAN POWER:1],slotid[1],count[1] Tue Aug 03 17:14: [Epon Link Down],mac[DAN POWER],slotid[1],count[1] Desconexão de cabos elétricos (UTP) da ONU Tue Aug 03 09:16: [UNI Link Up],mac[ADM UNINORTE] port[1],slotid[1],count[0] Tue Aug 03 09:16: [UNI Link Down],mac[ADM UNINORTE] port[1],slotid[1],count[1] Desconexão de cabos de alimentação da ONU Fri Aug 06 18:19: [UNI Link Down],mac[Vectra Equip Hidr] port[1],slotid[1],count[1] Fri Aug 06 18:18: [UNI Link Up],mac[Vectra Equip Hidr] port[1],slotid[1],count[0] Fri Aug 06 18:17: [UNI Link Down],mac[Vectra Equip Hidr] port[1],slotid[1],count[1] Fri Aug 06 18:14: [UNI Link Down],mac[Vectra Equip Hidr] port[2],slotid[1],count[1] Fri Aug 06 18:14: [Epon Link Up],mac[Vectra Equip Hidr:1],slotid[1] Fri Aug 06 18:14: [Epon Link Up],mac[Vectra Equip Hidr],slotid[1] Fri Aug 06 18:14: [Dying Gasp Power Failure],mac[Vectra Equip Hidr],slotid[1],count[1] Fri Aug 06 18:14: [Epon Link Down],mac[Vectra Equip Hidr:1],slotid[1],count[1] Fri Aug 06 18:14: [Epon Link Down],mac[Vectra Equip Hidr],slotid[1],count[1] Slide: 67

68 Obrigado! Rafael Y. Kohiyama STI Tel: Visite nosso site:

FURUKAWA GEPON FK-C16

FURUKAWA GEPON FK-C16 FURUKAWA GEPON FK-C16 PROCEDIMENTO DE CONFIGURAÇÃO Procedimento de Configuração FURUKAWA GEPON FK-C16 APRESENTAÇÃO FURUKAWA INDUSTRIAL S.A. Produtos Elétricos Empresa especializada em soluções completas

Leia mais

Redes Ópticas Passivas. Rodovias Sistemas de ITS

Redes Ópticas Passivas. Rodovias Sistemas de ITS Redes Ópticas Passivas Rodovias Sistemas de ITS Fibra Óptica Meio Ideal para Backbones e Redes de Acesso Arquitetura Rede de Acesso PON para Operadoras & ISP TECNOLOGIA PON Padronização ITU & IEEE ITU-T

Leia mais

Provedores de Internet

Provedores de Internet Fibra Óptica Meio Ideal para Backbones Fibra x Cobre Fibra x Cobre A Taxa de Transmissão no FTTH não é afetada pela distância do cliente até o equipamento da Central l(olt) Tecnologias sobre Cobre como

Leia mais

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON É uma solução para a rede de acesso, busca eliminar o gargalo das atuais conexões entre as redes dos usuários e as redes MAN e WAN. A solução PON não inclui equipamentos ativos

Leia mais

Software EMS Manual do usuário. CTS2780

Software EMS Manual do usuário. CTS2780 Software EMS Manual do usuário. CTS2780 V2-11/07/2014 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 GERENCIAMENTO DO OLT CTS2780... 4 1. ADICIONANDO A OLT NO EMS... 4 2. GERENCIAMENTO DO CHASSI... 7 2.1. Device Information...

Leia mais

TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO. José Valdemir dos Reis Junior

TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO. José Valdemir dos Reis Junior TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO José Valdemir dos Reis Junior ROTEIRO Gerações das redes PON Componentes das Redes Ópticas Passivas Técnicas de acesso múltiplo nas redes PON: - Acesso Multiplo

Leia mais

Agenda WWW.PARKS.COM.BR

Agenda WWW.PARKS.COM.BR Agenda Localização de aplicações GPON no espectro eletromagnético; Principio Fibra Óptica ; Ângulos de inserção; Relação Comprimento de onda e atenuação; Vantagens de aplicação de fibra e GPON; Cuidados;

Leia mais

A Solução Furukawa Broadband System. FTTH e FTTA

A Solução Furukawa Broadband System. FTTH e FTTA A Solução Furukawa Broadband System FTTH e FTTA A linha Furukawa Broadband System oferece diversas opções de cabos, divisores (Splitters), equipamentos e acessórios de infraestrutura óptica. Uma linha

Leia mais

GPON. Rede Óptica Passiva GigabitG. Leonardo F. Oliveira. Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br

GPON. Rede Óptica Passiva GigabitG. Leonardo F. Oliveira. Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br GPON Rede Óptica Passiva GigabitG Leonardo F. Oliveira Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br GPON O que égpon? Utilização da fibra óptica para interligar pontos distantes

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

BAIXA CAPILARIDADE ALTO CONSUMO ENERGIA ALTO CUSTO

BAIXA CAPILARIDADE ALTO CONSUMO ENERGIA ALTO CUSTO OTIMIZAÇÃO DE REDES USO DA REDE EXISTENTE E OTIMIZAÇÃO DE FIBRA EVOLUÇÂO NATURAL DA REDE DE ACESSO ÓPTICO BAIXA CAPILARIDADE LOCAL OPERADORA PONTO A PONTO USUÁRIOS Ponto a ponto: para cada novo cliente

Leia mais

VLAN - Virtual LAN. Objectivo

VLAN - Virtual LAN. Objectivo Virtual LAN (VLAN) VLAN - Virtual LAN Objectivo Criação de redes locais virtuais sobre uma rede local física composta por um ou mais equipamentos activos Vários domínios de broadcast num (ou mais) switch

Leia mais

1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados

1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados 1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados VLANS - Virtual LANs Objectivo Criação de redes locais virtuais sobre uma rede local física composta por um ou mais equipamentos

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET. Termo de Referência para Equipamentos de Redes Ópticas Passivas - GPON. Versão 2.

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET. Termo de Referência para Equipamentos de Redes Ópticas Passivas - GPON. Versão 2. COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET Termo de Referência para Equipamentos de Redes Ópticas Passivas - GPON Versão 2.0 Revisão STE 26/01/2016 SUMÁRIO 1. OBJETIVO...3 2. INTRODUÇÃO...3 3. DEFINIÇÕES...3

Leia mais

PON PASSIVE OPTICAL NETWORK

PON PASSIVE OPTICAL NETWORK Cleiber Marques da Silva PON PASSIVE OPTICAL NETWORK Texto sobre a tecnologia de Redes ópticas passivas (PON) apresenta conceitos básicos, características e modelos existentes CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas EQUIPAMENTOS PASSIVOS DE REDES Ficha de Trabalho nº2 José Vitor Nogueira Santos FT13-0832 Mealhada, 2009 1.Diga

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO ANEXO 6 CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DA REDE DE FIBRAS ÓPTICAS INTRODUÇÃO Tecnologia de rede GPON A Concessionária, quando da implantação da Rede de Fibras Ópticas, deverá utilizar a tecnologia GPON (Gigabit-capable

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Manual de Instalação e Operação

Manual de Instalação e Operação Manual de Instalação e Operação CONVERSOR HPNA 3.1 CTS3600EC-F Versão 1.0 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta documentação pode ser reproduzida sob qualquer forma, sem a autorização da CIANET.

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PON

1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PON 1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PON As características técnicas dos elementos envolvidos no projeto são descritas a seguir. Um diagrama de blocos simplificado é apresentado na Figura abaixo e representa de forma

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Repetidores e hubs Pontes e switches Roteadores Outros equipamentos IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Um repetidor é um equipamento usado para ampliar o comprimento

Leia mais

Redes Gpon FTTH uma realidadade em portugal

Redes Gpon FTTH uma realidadade em portugal Redes Gpon FTTH uma realidadade em portugal III Jornadas Electrotécnicas ISEP A. Vilas Boas - Amisfera, lda A Tecnologia GPON está dsiponível há já alguns anos Quando falamos em Redes de Nova Geração estamos

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

ConneXium TCSESM, TCSESM-E Managed Switch

ConneXium TCSESM, TCSESM-E Managed Switch ConneXium TCSESM, TCSESM-E Managed Switch Exemplo de configuração de VLAN s com portas compartilhadas e bloqueio das portas por endereçamento IP utilizando as ferramentas Ethernet Switch Configurator e

Leia mais

Manual de Instalação e Operação

Manual de Instalação e Operação Manual de Instalação e Operação CONVERSOR HPNA 3.1 CTS3600EC MXU VERSÃO 1.0 12 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta documentação pode ser reproduzida sob qualquer forma, sem a autorização

Leia mais

AM@DEUS Manual do Usuário

AM@DEUS Manual do Usuário 80 P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Ementa 1 Apresentação

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede Professor Carlos Gouvêa SENAIPR - Pinhais 2 Introdução Objetivos Finalidade dos equipamentos Equipamentos e descrição Nomenclatura de desenho técnico para redes Exercício de orientação

Leia mais

ESTUDO DE CASO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM FTTH (Fiber-To-The-Home) EM CONDOMÍNIO RESIDENCIAL.

ESTUDO DE CASO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM FTTH (Fiber-To-The-Home) EM CONDOMÍNIO RESIDENCIAL. ESTUDO DE CASO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM FTTH (Fiber-To-The-Home) EM CONDOMÍNIO RESIDENCIAL. Matheus Henrique Sacramento Martins¹, Frederico Coelho (Orientador)¹. ¹Departamento de Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Conquistas e Novos Desafios

Conquistas e Novos Desafios Conquistas e Novos Desafios Segmento ISPs e Integradores FTTx Marcos Kazushi Futikami - VSB Mercado - Cenario CRESCIMENTO CONTÍNUO AO LONGO DOS ANOS Brasil: 100% dos municípios do Brasil são cobertos pelos

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Tecnologia de Transmissão de Rádio e Óptica para Telecomunicações. Abel Ruiter Gripp

Tecnologia de Transmissão de Rádio e Óptica para Telecomunicações. Abel Ruiter Gripp Tecnologia de Transmissão de Rádio e Óptica para Telecomunicações Abel Ruiter Gripp Agenda História Portfolio Mercado Labs P&D Principais produtos GPON WDM Radio Ponto a Ponto Gerência Conscius AsGa -

Leia mais

Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs

Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs Porta UTP Regra 5-4-3 (em desuso) Porta UTP específica Hubs são enxergados como um único equipamento (geralmente

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA I - REDE GPON... 1. II - REDES FTTx... 8. III - DESCRIÇÃO DO PROJETO REDE FIBRAS OPTICAS FTTx... 10

TERMO DE REFERÊNCIA I - REDE GPON... 1. II - REDES FTTx... 8. III - DESCRIÇÃO DO PROJETO REDE FIBRAS OPTICAS FTTx... 10 TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo I - REDE GPON... 1 II - REDES FTTx... 8 III - DESCRIÇÃO DO PROJETO REDE FIBRAS OPTICAS FTTx... 10 IV RESUMO DE ATENDIMENTO DA REDE DE DUTOS POR SETOR... 15 1 I - REDE GPON

Leia mais

Configuração de VLAN s entre DFL-210 e DGS-3024 (com DHCP Server)

Configuração de VLAN s entre DFL-210 e DGS-3024 (com DHCP Server) Configuração de VLAN s entre DFL-210 e DGS-3024 (com DHCP Server) Topologia DFL-210 Porta 1 com Vlan Default. Todas as portas estão c/ o VID da Vlan Default Tagged (Port Trunk) DGS-3024 Porta 2 à 8, correspondem

Leia mais

índice CENTRAL DE EQUIPAMENTOS REDE DE DISTRIBUIÇÃO REDE DE ACESSO REDE DE TERMINAÇÃO PARA RESIDÊNCIAS REDE DE TERMINAÇÃO PARA PRÉDIOS VANTAGENS

índice CENTRAL DE EQUIPAMENTOS REDE DE DISTRIBUIÇÃO REDE DE ACESSO REDE DE TERMINAÇÃO PARA RESIDÊNCIAS REDE DE TERMINAÇÃO PARA PRÉDIOS VANTAGENS índice 5 12 18 22 26 33 CENTRAL DE EQUIPAMENTOS REDE DE DISTRIBUIÇÃO REDE DE ACESSO REDE DE TERMINAÇÃO PARA RESIDÊNCIAS REDE DE TERMINAÇÃO PARA PRÉDIOS VANTAGENS 34 FACILIDADE DE COMPRA VIA CANAL DIRETO

Leia mais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais A resposta da fibra a uma entrada impulsiva é um pulso gaussiano. Na qual é o desvio padrão correspondente a largura do pulso no domínio

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Assessoria Especial para Modernização da Gestão Central de Compras e Contratações NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 4/2015 PROCESSO Nº 04300.003546/2014-01

Leia mais

Apresenta suas funções, como utilizar testes e como interpretar os resultados encontrados.

Apresenta suas funções, como utilizar testes e como interpretar os resultados encontrados. Prefácio: Este manual descreve como utilizar o Switch Conversor de Mídia da GTS Network dos seguintes Modelos: 75.1806C - 75.1806T - 75.1806C.S25-75.3107S - 75.1906C.SWA25-75.1906C.SWB25-75.3006C.SWA20

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Redes de Nova Geração e o ITED

Redes de Nova Geração e o ITED Redes de Nova Geração e o ITED A explosão da procura telefónica dos anos 80 induziu a implantação do RITA O incremento da Internet e a liberalização do mercado das telecomunicações influenciou claramente

Leia mais

MODEM ADSL 2+ Guia Rápido

MODEM ADSL 2+ Guia Rápido MODEM ADSL 2+ Guia Rápido Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações necessárias para a

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2)

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) A largura de banda,, em termos gerais, indica a quantidade máxima de dados que podem trafegar no meio em um determinado momento. É medida em bps (bits

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Tutorial FiberHome ANM2000 versão 6

Tutorial FiberHome ANM2000 versão 6 Como configurar o serviço de VoIP na OLT e ONU FiberHome Descrição: Com a convergência IP, a demanda por pacotes de serviços se torna cada vez maior, alguns modelos de ONU FiberHome possuem portas FXS

Leia mais

Guia DIE-100 para Cable Modem e sistema operacional Windows XP

Guia DIE-100 para Cable Modem e sistema operacional Windows XP Guia DIE-100 para Cable Modem e sistema operacional Windows XP O Express First Net Internet Kit da D-Link permitirá que você conecte seu escritório com o mundo, compartilhe o acesso à Internet com grande

Leia mais

NT 239 2015. Redes ópticas passivas para a rede de comunicação de equipamentos de ITS

NT 239 2015. Redes ópticas passivas para a rede de comunicação de equipamentos de ITS NT 239 2015 Redes ópticas passivas para a rede de comunicação de equipamentos de ITS Introdução Sun Hsien Ming Com o advento de ITS (Intelligent Transportation System), a necessidade de redes de comunicação

Leia mais

É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos.

É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. REDES DE COMPUTADORES CABO COAXIAL É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. Topologias de rede A topologia de uma rede é um diagrama que descreve como

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 03 Cabeamento

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Cidades Digitais. Convergência - Banda Larga Melhorando a vida do cidadão. José C. Alcântara Jr alcantara@furukawa.com.br

Cidades Digitais. Convergência - Banda Larga Melhorando a vida do cidadão. José C. Alcântara Jr alcantara@furukawa.com.br Cidades Digitais Convergência - Banda Larga Melhorando a vida do cidadão José C. Alcântara Jr alcantara@furukawa.com.br Sociedade Conectada A todo instante - Em qualquer lugar Sociedade Conectada A todo

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores

Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores Laboratório de IER 7 o experimento Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores Introdução LANs Ethernet (padrão IEEE 802.3 e extensões) atualmente são construídas com switches

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

Manual para configuração D-LINK DVG - 1402S

Manual para configuração D-LINK DVG - 1402S Manual para configuração D-LINK DVG - 1402S Indice Guia de instalação D-LINK DVG-1402S... 3 Qual a função de cada equipamento:... 4 Visualizando Hardware... 5 LIGAÇÕES DO VOIP ROUTER DVG-1402S... 6 Configuração

Leia mais

Padrão Ethernet. Características Gerais

Padrão Ethernet. Características Gerais O padrão ethernet surgiu em 1972 nos laboratórios da Xerox, com o pesquisador Robert Metcalfe. Inicialmente utilizava uma rede onde todas as estações(lans) compartilhavam do mesmo meio de transmissão,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

PTTMETRO. 5º PTTForum

PTTMETRO. 5º PTTForum PTTMETRO AVALIAÇÃO DE REDES ÓPTICAS METROPOLITANAS 5º PTTForum 29 de Novembro de 2011 Salvador Rodrigues Equipe de Engenharia PTT.br AGENDA: - COMPONENTES DE REDE ÓPTICA

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES RAFAEL GOES BARRETO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES RAFAEL GOES BARRETO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES RAFAEL GOES BARRETO REDES FTTx NO BRASIL DISSERTAÇÃO CURITIBA 2014 RAFAEL GOES BARRETO REDES

Leia mais

Voltar. Placas de rede

Voltar. Placas de rede Voltar Placas de rede A placa de rede é o dispositivo de hardware responsável por envio e recebimento de pacotes de dados e pela comunicação do computador com a rede. Existem placas de rede on-board(que

Leia mais

Futuro das comunicações ópticas e. sistemas de mobilidade

Futuro das comunicações ópticas e. sistemas de mobilidade Futuro das comunicações ópticas e a convergência com sistemas de mobilidade Convivência de Redes Móveis com as Fixas FORA E DENTRO DA CASA DENTRO DA CASA Mercado de Tablet deverá explodir nos próximos

Leia mais

REDES DE ACESSO ÓPTICO

REDES DE ACESSO ÓPTICO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO JOSÉ CURSO SUPERIOR TECNOLÓGICO EM SISTEMAS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas

TERMO DE REFERÊNCIA. Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas TERMO DE REFERÊNCIA Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas Deve ser montável em rack padrão EIA 19 (dezenove polegadas) e possuir kits completos para instalação; Deve possuir, no mínimo, 24

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

IEEE 802.3ah (EPON) Inatel. Inatel. www.inatel.br Parte III Redes Metro.: EPO e RPR. www.inatel.br. Instituto Nacional de Telecomunicações

IEEE 802.3ah (EPON) Inatel. Inatel. www.inatel.br Parte III Redes Metro.: EPO e RPR. www.inatel.br. Instituto Nacional de Telecomunicações 311 Parte III Redes Metro.: EPO e RPR 312 IEEE 802.3ah (EPON) 1 313 Tecnologias de última milha disponíveis DSL - ADSL, VDSL Cable modem - HFC Wireless - WiFi ou WiMax Power Line FTTX - FTTH, FTTB, FTTC,

Leia mais

DISPONIBILIDADE DE ACESSO AO USUÁRIO FINAL DOS SERVIÇOS MULTIMÍDIA DE MANEIRA RÁPIDA, PRÁTICA E FUTURE PROOF.

DISPONIBILIDADE DE ACESSO AO USUÁRIO FINAL DOS SERVIÇOS MULTIMÍDIA DE MANEIRA RÁPIDA, PRÁTICA E FUTURE PROOF. DISPONIBILIDADE DE ACESSO AO USUÁRIO FINAL DOS SERVIÇOS MULTIMÍDIA DE MANEIRA RÁPIDA, PRÁTICA E FUTURE PROOF. Furukawa Broadband System A linha Furukawa Broadband System tem produtos voltados ao segmento

Leia mais

Engenheira Eletricista com Habilitação em Telecomunicações pela Faculdade Pitágoras (Julho de 2010).

Engenheira Eletricista com Habilitação em Telecomunicações pela Faculdade Pitágoras (Julho de 2010). Soluções de Atendimento em Fibra Óptica II Esta série de tutoriais apresenta o estudo para implantação da tecnologia GPON aplicada à solução FTTH em um condomínio de alto padrão fornecendo serviços como

Leia mais

Switch 8 portas GTS Network 73.2108K Manual do Usuário

Switch 8 portas GTS Network 73.2108K Manual do Usuário Switch 8 portas GTS Network 73.2108K Manual do Usuário P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade.

Leia mais

ETEP FACULDADES CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES

ETEP FACULDADES CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES ETEP FACULDADES CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES WESLLEY RICHARD FORNARI TECNOLOGIA GPON EM REDES DE FIBRA ÓPTICA MONOGRAFIA Jacareí 2015 2 ETEP FACULDADES CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

Leia mais

ACESSO de BANDA LARGA. Uma perspectiva de Operador

ACESSO de BANDA LARGA. Uma perspectiva de Operador ACESSO de BANDA LARGA Uma perspectiva de Operador António Varanda I S T Lisboa, 8-Maio-2007 SUMÁRIO Um pouco de história e a evolução da Banda Larga Vídeo em tempo real: requisitos Análise de Operador:

Leia mais

Guia DIE-100 para Cable Modem e sistema operacional Windows 2000

Guia DIE-100 para Cable Modem e sistema operacional Windows 2000 Guia DIE-100 para Cable Modem e sistema operacional Windows 2000 O Express First Net Internet Kit da D-Link permitirá que você conecte seu escritório com o mundo, compartilhe o acesso à Internet com grande

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 10 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

REDES GPON COMO SOLUÇÃO PARA FTTH

REDES GPON COMO SOLUÇÃO PARA FTTH UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES ANDRINE MARIANA VARELA DA CRUZ MAURICIO RICARDO KONOPACKI REDES

Leia mais

REGRAS PARA SEGMENTAÇÃO

REGRAS PARA SEGMENTAÇÃO REGRAS PARA SEGMENTAÇÃO Professor Victor Sotero 1 Domínio de Colisão A conexão de vários computadores a um único meio de acesso compartilhado que não possui nenhum outro dispositivo de rede conectado cria

Leia mais

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 3 T E C N O L O G I A S D E R E D E S L O C A I S T E C N O L O G I A Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 PADRÃO

Leia mais