Manual de Regulamentação das Empresas Juniores no Âmbito da Universidade Estadual de Goiás - UEG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Regulamentação das Empresas Juniores no Âmbito da Universidade Estadual de Goiás - UEG"

Transcrição

1 Manual de Regulamentação das Empresas Juniores no Âmbito da Universidade Estadual de Goiás - UEG Estabelece o vínculo acadêmico/ pedagógico e normas para criação, funcionamento, reconhecimento e a desqualificação das Empresas Juniores no âmbito da Universidade Estadual de Goiás. Elaboração: Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis - PrE Núcleo de Empresas Juniores da Universidade Estadual de Goiás - NEJ/UEG Autores: Esp. Bruno Alencar Pereira Prof. Ms. Aurélio Marcos Silveira de Freitas Profª. Ms. Danúsia Arantes Ferreira Batista de Oliveira Prof. Esp. Valter Miron Stefani - 1 -

2 Catalogação na Fonte Comissão Técnica do Sistema Integrado de Bibliotecas Regionais (SIBRE), Universidade Estadual de Goiás U58m Universidade Estadual de Goiás. Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis. Núcleo de Empresas Juniores da Universidade Estadual de Goiás. Manual de regulamentação das empresas juniores no âmbito da Universidade Estadual de Goiás - UEG. / Pró-Reitoria de Extensão, Núcleo de Empresas Juniores da Universidade Estadual de Goiás; autores, Bruno Alencar Pereira... [et al.]. - Anápolis : Universidade Estadual de Goiás, p. 1. Empresas juniores - Universidade Estadual de Goiás. 2. Universidade Estadual de Goiás. I. Pereira, Bruno Alencar [et al.]. II. Título. CDU

3 GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS MARCONI FERREIRA PERILLO JÚNIOR Governador do Estado de Goiás MAURO FAIAD Secretário de Estado de Ciência e Tecnologia - SECTEC UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS HAROLDO REIMER Reitor VALCEMIA GONÇALVES DE SOUSA NOVAES Vice-Reitora JULIANA OLIVEIRA ALMADA Chefe de Gabinete MARIA OLINDA BARRETO Pró-Reitora de Graduação IVANO ALESSANDRO DEVILLA Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação MARCOS ANTÔNIO CUNHA TORRES Pró-Reitor de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis JOSÉ ANTÔNIO MOIANA Pró-Reitor de Planejamento, Gestão e Finanças - 3 -

4 As informações contidas neste Manual do Núcleo de Empresas Juniores da Universidade Estadual de Goiás NEJ/UEG possui direitos reservados, não podendo ter conteúdo copiado, distribuído, divulgado ou fazer qualquer uso da informação sem o explícito consentimento do NEJ/UEG. Sua utilização desautorizada é ilegal e sujeita o infrator às penas da lei

5 APRESENTAÇÃO O Manual de Regulamentação das Empresas Juniores no Âmbito da Universidade Estadual de Goiás UEG tem como objetivo regulamentar as empresas juniores no âmbito da Universidade Estadual de Goiás em comum acordo com as diretrizes utilizadas pela Confederação Brasileira das Empresas Juniores Brasil Júnior. Este material é destinado aos diretores, coordenadores, professores e alunos dos cursos de graduação da UEG, servindo de apoio para todas as áreas de conhecimento que desejarem atuar com o desenvolvimento de ações integradoras das temáticas de empreendedorismo, inovação, organização e gestão das Empresas Juniores. É um documento com caráter formativo e consultivo tanto para empresas juniores consolidadas como para aquelas em implantação, as questões nele abordadas tratam desde as bases legais até os aspectos metodológicos e práticos da estruturação dos projetos acadêmicos e das atividades que envolvem a área, de acordo com as recomendações e normas vigentes. Buscando adequar os conteúdos ao público-alvo a que o manual se destina, os capítulos foram didaticamente organizados e elaborados em linguagem clara, direta e acessível. Em prol do processo formativo da educação empreendedora nos cursos superiores, dedicamos esta publicação, de forma especial aos docentes e discentes da Universidade Estadual de Goiás UEG. Marcos Antônio Cunha Torres Pró-Reitor de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis Universidade Estadual de Goiás - UEG - 5 -

6 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR Empresa Júnior e sua constituição Legal EMPRESA JÚNIOR NO CONTEXTO ACADÊMICO/PEDAGÓGICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Aspectos Didáticos Pedagógicos das EJs EMPRESAS JUNIORES NO CONTEXTO DA POLÍTICA NACIONAL DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA MOVIMENTO EMPRESA JÚNIOR - MEJ Confederação Brasileira de Empresas Juniores - Brasil Júnior Federação Goiana de Empresas Juniores - Goiás Júnior Núcleo de Empresas Juniors da Universidade Estadual de Goiás NEJ/UEG BREVE HISTÓRICO DAS EMPRESAS JUNIORES NA UEG PROCESSO DE CRIAÇÃO DE EMPRESAS JUNIORES NO ÂMBITODA UEG Os Primeiros Procedimentos Roteiro inicial para criação de uma EJ A Elaboração do Estatuto Instalação Vedações às Empresas Juniores REGULAMENTAÇÃO DAS EMPRESAS JUNIORES NO ÂMBITO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Vínculo Institucional Cadastro da Empresa Júnior como ação extensionista Empresa Júnior como estágio curricular supervisionado obrigatório FUNCIONAMENTO DA EMPRESA JÚNIOR Documentação e critérios a serem adotados Detalhamento dos critérios Situação Jurídico-Financeira O Estatuto Regimento Interno Ata(s) de eleição e posse da gestão em exercício Ficha Cadastral de Pessoa Jurídica (FCPJ) Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) Certidão Negativa de Débito (CND) Certificado de Regularidade do FGTS CRF Reconhecimento da Instituição de Ensino Superior Autorização de Uso do Espaço Conta bancária ativa Livro Diário

7 Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) Negativa Nota fiscal - NF Declaração anual na Receita Federal Da infraestrutura da Empresa Júnior Declaração de Infraestrutura Computador com acesso a internet Telefone próprio Sede física Dos processos organizacionais Contrato de prestação de serviço Termo de voluntariado ou contrato de estágio Empregado x Estagiário Controle de membros, associados e colaboradores Cadastro em órgãos governamentais Secretaria da Receita Federal Alvará de Funcionamento Inscrição no ISS - Impostos Sobre Serviços Conta corrente Nota fiscal Contabilidade Fundamentação legal da escrituração contábil Legislação do Imposto de Renda Legislação Previdenciária Legislação Profissional Utilidade formal de escrituração contábil Demonstrações Contábeis e Financeiras Folha de Pagamento Principais problemas encontrados nas entidades sem fins lucrativos, impostos e contribuições Da eleição dos novos diretores da Empresa Júnior Associação à Goiás Júnior e Brasil Júnior ACOMPANHAMENTO DAS EMPRESAS JUNIORES CERTIFICAÇÃO E RECONHECIMENTO INSTITUCIONAL AS RESPONSABILIDADES E DESQUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS JUNIORES ENDEREÇOS ELETRÔNICOS IMPORTANTES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CONTATOS INSTITUCIONAIS

8 INTRODUÇÃO A Pró-Reitora de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis da Universidade Estadual de Goiás - PrE, considerando que: 1 - As Empresas Juniores são regulamentadas pela Confederação Brasileira de Empresas Juniores Brasil Júnior, constituindo-se em associação civil sem fins lucrativos, de direito privado, com registro próprio no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica CNPJ, sendo academicamente identificadas como ação extensionista estando institucionalmente vinculadas à PrE; 2 - As Empresas Juniores que atuam nas dependências da Universidade Estadual de Goiás UEG, utilizam-se de seu nome ou de sua infraestrutura; 3 - As Empresas Juniores são mecanismos relevantes para a realização de um conjunto de ações institucionais no sentido de desenvolver o empreendedorismo como parte das atividades acadêmicas dos alunos de graduação. Resolve, criar normatização própria que ordene os procedimentos para sua criação e funcionamento. Por meio deste Manual, visa garantir o atendimento a preceitos éticos e legais e a observância às regras relativas ao acompanhamento de seus resultados acadêmicos, orçamentários e fiscais. Este manual visa suprir, também, as necessidades básicas de informações gerais para a constituição de uma Empresa Júnior, bem como sua regulamentação institucional de funcionamento, atendendo padrões de atitudes e critérios regulamentados pela Confederação Brasileira de Empresas Juniores - Brasil Júnior, a fim de facilitar a adoção das boas práticas e normatização da execução das atividades desenvolvidas pelas Empresas Juniores - EJs como também prevê a possível desqualificação da Empresa Júnior no caso do não cumprimento desta regulamentação

9 1 CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR Conceito: As Empresas Juniores são constituídas pela união de alunos matriculados em cursos de graduação em instituições de ensino superior, organizados em uma associação civil com o intuito de realizar projetos e serviços que contribuam para o desenvolvimento do país e de formar profissionais capacitados e comprometidos com esse objetivo. O Conceito Nacional de Empresa Júnior tem como objetivo determinar todos os critérios que deverão ser respeitados e seguidos, a fim de que uma associação civil seja reconhecida como uma Empresa Júnior por parte da Confederação Brasileira de Empresas Juniores Brasil Júnior. O Conceito Nacional de Empresa Júnior não menciona aspectos determinados na Legislação Brasileira ou quaisquer outros hierarquicamente superiores a este, os quais deverão ser integralmente respeitados pelas Empresas Juniores. A finalidade da Empresa Júnior deve estar definida em estatuto como: I Desenvolver profissionalmente as pessoas que compõem o quadro social por meio da vivência empresarial, realizando projetos e serviços na área de atuação do(s) curso(s) de graduação a(s) qual(is) a Empresa Júnior for vinculada; II Realizar projetos e/ou serviços preferencialmente para micro e pequenas empresas e terceiro setor nacionais, em funcionamento ou em fase de abertura, ou pessoas físicas, visando ao desenvolvimento da sociedade; III Fomentar o empreendedorismo de seus associados. A Empresa Júnior poderá ter outras finalidades desde que não contrariem este conceito. 1.1 Empresa Júnior e sua constituição Legal Empresa Júnior é pessoa jurídica de direito privado, criada na forma jurídica de associação, de acordo com o Código Civil Brasileiro, com fins educacionais e sem fins lucrativos, econômicos, político-partidários ou religiosos, sendo regida pelo presente Estatuto, pelas leis aplicáveis e por normas internas. A Empresa Júnior possui número ilimitado de associados e tempo de duração indeterminado

10 2 EMPRESA JÚNIOR NO CONTEXTO ACADÊMICO/PEDAGÓGICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS O contato com a realidade do mercado de trabalho que as Empresas Juniores proporcionam aos acadêmicos amplia os conhecimentos técnicos e profissionais, desenvolvendo atitudes, habilidades e competências que lhes garantam um diferencial na inserção ao mercado de trabalho, levando-os ao desenvolvimento de novas metodologias e a criação de soluções inovadoras aplicáveis em diversas situações. As Empresas Juniores desenvolvem características como: criatividade, iniciativa, determinação, proatividade, liderança e o respeito à liderança, profissionalismo e capacidade de tomada de decisões dinâmicas, qualidades estas que são de extrema importância para a formação profissional de todo acadêmico e que muitas vezes não são desenvolvidas em sala de aula, direcionando suas atividades para o benefício da sociedade de forma mais acessível, promovendo a indissociabilidade ensino-pesquisaextensão. A Empresa Júnior tem por objetivos: (a) proporcionar ao estudante da Universidade Estadual de Goiás a aplicação prática de conhecimentos teóricos, relativos à área de formação profissional específica; (b) desenvolver no acadêmico da Universidade Estadual de Goiás o espírito crítico, analítico e empreendedor, contribuindo com a sociedade civil por meio de prestação de serviços acessíveis ao micro, pequeno e médio empresário goiano; (c) intensificar a relação dos alunos da Universidade Estadual de Goiás e empresas goianas; (d) facilitar o ingresso de alunos da Universidade Estadual de Goiás, como futuros profissionais no mercado, colocando-os em contato direto com o seu mercado de trabalho; (e) valorizar a imagem dos alunos da Universidade Estadual de Goiás e (f) reforçar a relação pedagógica entre alunos e professores da UEG. Assim, é possível perceber o grau de importância da Empresa Júnior na formação universitária de profissionais de caráter técnico e de gestão na Universidade Estadual de Goiás, uma vez que contribui para a inserção desses em seu âmbito profissional, permitindo a consolidação e aplicação do conhecimento adquirido a um nível acadêmico e também contribui com a sociedade civil à medida que torna as atividades de consultorias acessíveis às empresas de menor porte, possibilitando melhorar a competitividade destas. 2.1 Aspectos didáticos pedagógicos das EJs A ideia da Empresa Júnior contempla o tripé do ensino universitário, ou seja, o ensino, a pesquisa e a extensão. Em relação ao ensino, é atendido na medida em que as atividades serão monitoradas e orientadas por docentes, que estabelecerão uma relação contínua de teoria e prática quanto ao planejamento, organização e definição das atividades, bem como, da elaboração, execução e avaliação de projetos, realizados por meio de consultorias e

11 assessorias para as organizações, tanto empresariais como sociais e de movimentos sociais que solicitarem este tipo de serviço. Imprime-se, dessa forma um estilo de aprendizado no fazer propriamente dito, mas não simplesmente no fazer, pelo fazer, mas conciliando o porquê e como fazer, ou seja, ensina-se a aprender - a aprender/saber pensar, sobre a realidade e dinâmica social e de mercado. Em relação à pesquisa, é atendida, pois para realizar, tanto a organização técnica como administrativa, os alunos deverão pesquisar, comparar, quais elementos e características a Empresa Junior necessitará para sua constituição e desenvolvimento, tais como: população alvo, tipos de projetos e serviços a serem ofertados, realidade da região, necessidades, como melhor divulgar a Empresa Júnior, entre outros. Tais informações e conhecimentos, só poderão ser obtidos por meio da pesquisa e investigação contínua, elemento esse vital para a formação do futuro profissional. Em relação à extensão, é atendido, pois sua matéria prima advêm da comunidade local e regional, e decorrente a Empresa Junior não ter fins lucrativos, ou seja, não é uma empresa que visa lucros com os serviços de assessoria e consultoria, sua principal missão é servir a comunidade, estendendo a toda região serviços especializados que contribuam efetivamente para ações bem planejadas em busca de resultados efetivos e desejável qualidade, necessária e justa para construção de uma sociedade mais digna de se viver, e sem dúvida o trabalho da Empresa Junior é expressão concreta do comprometimento social da Instituição de Ensino e de seus docentes e acadêmicos. Outra dimensão a ser ressaltada e propiciada pela Empresa Júnior, e de muita importância para os alunos e futuros profissionais, é a efetiva oportunidade de se preparar para o campo de atuação da consultoria e assessoria, que vem se mostrando como um campo cada vez mais promissor e estimulante de atuação profissional nos vários ramos e atividades, e que requer determinados conhecimentos e habilidades que sem a experiência vivenciada na Empresa Júnior, não poderiam ser adquiridos, o que pode causar uma grande deficiência e dificuldade de ingresso numa atividade tão competitiva e exigente como o da consultoria e assessoria. Dessa forma, a constituição da Empresa Júnior é em si um processo de aprendizado na qual os alunos estarão participando em conjunto com os responsáveis pela Instituição de ensino e inseridos na comunidade, exercitando continuamente a relação entre teoria e prática. 3 EMPRESAS JUNIORES NO CONTEXTO DA POLÍTICA NACIONAL DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA A extensão é concebida, presentemente, como um importante fator na formação universitária atual. Seus ganhos consistem, principalmente, em estabelecer uma conexão que permite o fluxo de conhecimento, em ambos os sentidos, entre o meio acadêmico, mais especificamente entre os alunos de graduação (em sua maioria), e o ambiente social, no qual se encontra inserida a universidade (PACHECO et al., 2012)

12 Segundo o Plano Nacional de Extensão (FORPROEX, 1998, p. 5): A Extensão Universitária é o processo educativo, cultural e científico que articula o Ensino e a Pesquisa de forma indissociável e viabiliza a relação transformadora entre universidade e sociedade. A Extensão é uma via de mão-dupla, com trânsito assegurado à comunidade acadêmica, que encontrará, na sociedade, a oportunidade de elaboração da práxis de um conhecimento acadêmico. No retorno à Universidade, docentes e discentes trarão um aprendizado que, submetido à reflexão teórica, será acrescido àquele conhecimento. O Plano Nacional de Extensão define os eixos extensionistas a partir da organização de 8 (oito) áreas temáticas, são elas: Comunicação, Cultura, Direitos Humanos e Justiça, Educação, Meio Ambiente, Saúde, Tecnologia e Produção e Trabalho. A concepção e a organização conceitual das Empresas Juniores de acordo com a Política Nacional de Extensão estão estruturadas a partir das áreas temáticas de Tecnologia e Produção e Trabalho, não deixando de ter a interação interdisciplinar com as demais áreas. As ações, em cada área temática, são executadas segundo linhas programáticas prédefinidas, dentre as quais se destaca: Empreendedorismo: Desenvolvimento de programas e projetos, assessoria, consultoria e realização de eventos relativos à constituição e gestão de Empresas Juniores, pré-incubadoras, incubadoras de empresas, parques e pólos tecnológicos, cooperativas e empreendimentos solidários e outras ações voltadas para a identificação, aproveitamento de novas oportunidades e recursos de maneira inovadora, com foco na criação de empregos e negócios estimulando a pró-atividade, formação, capacitação e qualificação de pessoas que atuam na área, além da produção e divulgação de informações, conhecimentos e material didático na área. A Universidade Estadual de Goiás, por meio de sua Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis, observando as oportunidades da Política Nacional de Extensão e do potencial das Empresas Juniores viabiliza a criação e o desenvolvimento das mesmas, como ações extensionistas, em um contexto institucional, acadêmico e pedagógico, sem interferência na autonomia jurídica, estatutária e gerencial das mesmas, destacando as Empresas Juniores sob o conceito de ação extensionista universitária, que por sua vez, surge sob a finalidade de estabelecer um laço mais estreito entre teoria, prática e sociedade por meio da integração do aluno ao seu meio profissional mais precocemente

13 4 MOVIMENTO EMPRESA JÚNIOR - MEJ O Movimento de Empresa Júnior surgiu em Paris na década de 1967, por iniciativa de estudantes da École Supérieure des Sciences Économiques et Commerciales - ESSEC Business School. Eles buscavam um complemento à sua formação acadêmica através da aplicação prática de conceitos aprendidos em sala de aula. Diante disso, criaram uma associação sem fins lucrativos denominada Junior-Enterprise, que passou a oferecer às empresas pesquisas e estudos executados por estudantes de Marketing e Finanças. Apenas dois anos depois da fundação, estavam organizadas mais de vinte Empresas Juniores em plena atividade na França, que se juntaram e formaram a Confédération Nacionale des Junior-Enterprises (CNJE), que tinha como objetivo promover e representar o movimento no território francês, assegurando a qualidade dos serviços realizados. Expansão Mundial No início da década de 1980, mais de 100 Empresas Juniores faziam parte da CNJE, agora abrangendo outras áreas como arquitetura, engenharia, agronomia e veterinária. Na mesma época, surgem EJs em outros países como Bélgica, Espanha, Holanda, Portugal, Itália, Suíça, Alemanha e Hungria. O movimento chegou ao Brasil em meados de 1987 por iniciativa da Câmara de Comércio Franco-Brasileira, que difundiu junto aos estudantes de administração a ideia de organizar nas faculdades brasileiras o modelo francês. Expansão Nacional No Brasil, a causa foi rapidamente abraçada, sendo os estudantes da Fundação Getúlio Vargas os pioneiros em adotar o modelo. Baseado na Junior-Enterprise, nasce a Junior GV, prestando assessoria nas áreas de marketing, recursos humanos e finanças. Através da publicidade, a EJ ganha espaço na mídia, atraindo a atenção de micro e macroempresas e estimulando outras universidades a adotarem o sistema. A partir daí, o movimento aparece na Fundação Amparo Álvares Penteado (FAAP), Universidade Presbiteriana Mackenzie, Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). As cinco EJs se juntaram e fundaram a Federação de Empresas Juniores do Estado de São Paulo (FEJESP), com objetivos semelhantes aos da CNJE francesa, que garante a unidade do movimento, representando-o no âmbito estadual, reconhecendo como Empresa Júnior apenas associações que tenham objetivos semelhantes e incluindo preço e qualidade dos trabalhos. O Brasil é o país que possui maior número de Empresas Juniores, estima-se que atualmente existam 1000 Empresas Juniores no território brasileiro, que são regulamentadas pela Confederação Brasileira de Empresas Juniores - Brasil Júnior

14 Fonte: NEJ.UFG, adaptado pelo autor. (2013) 4.1 Confederação Brasileira de Empresas Juniores - Brasil Júnior A Brasil Júnior é a Confederação Brasileira de Empresas Juniores. Criada em 2003, a finalidade da instituição é propor e repassar diretrizes nacionais que devem ser adotadas pelas federações estaduais, de modo a regulamentar a atividade das Empresas Juniores em âmbito nacional. Além disso, trabalha com um portal de colaboração e conhecimento, que promove a integração dos empresários juniores de todo o país. A Brasil Júnior é o órgão nacional do Movimento Empresa Júnior. Trabalha para fomentar e dar suporte às Empresas Juniores em todo o Brasil e representá-las para potencializar os resultados da rede. A atuação ocorre pela definição conjunta de planos e diretrizes do Movimento, como o Conceito Nacional de Empresa Júnior. As ações são desenvolvidas por sua diretoria e, em cada estado, por sua federação local. A Brasil Júnior é formada atualmente por 14 federações, representando 13 estados e o Distrito Federal, incluindo a Federação Goiana de Empresas Juniores (Goiás Júnior). A Brasil Júnior também trabalha para a integração do Movimento, intermediando as federações por meio de reuniões e, principalmente, articulando as Empresas Juniores na realização do Encontro Nacional das Empresas Juniores (ENEJ). 4.2 Federação Goiana de Empresas Juniores - Goiás Júnior Fundada em Junho de 2012, por iniciativas da Universidade Estadual de Goiás e Universidade Federal de Goiás, a Federação Goiana de Empresas Juniores (Goiás

15 Júnior) consolida o forte Movimento Empresa Júnior (MEJ) Goiano por meio da representação dos interesses das Empresas Juniores (EJs) frente ao Estado, a sociedade e o mercado goiano. Bem como, promove e fomenta o desenvolvimento do MEJ no estado, promovendo a integração e a troca de conhecimento entre as diferentes partes e a regulação de seus agentes. Em setembro de 2012 a Goiás Júnior se confederou à Brasil Júnior, sendo a 15ª federação confederada, sendo o órgão máximo do Movimento Empresa Júnior (MEJ) no Estado de Goiás, tendo como missão: representar, regular e potencializar o MEJ no estado, promovendo a integração e o desenvolvimento das Empresas Juniores e da sociedade goiana. Pautando-se pela transparência, o empreendedorismo, a liderança e a ética, a Goiás Júnior busca ser referência no estado como um agente de formação de empreendedores capazes de impactar positivamente o estado e o país. 4.3 Núcleo de Empresas Juniores da Universidade Estadual de Goiás - NEJ/UEG O Núcleo de Empresas Juniores da Universidade Estadual de Goiás NEJ/UEG foi aprovado na 60ª Plenária do Conselho Universitário (CsU) da Universidade Estadual de Goiás (UEG), em Anápolis, aos dezessete dias do mês de abril do ano de dois mil e doze, pela Resolução CsU n. 003/2012. O NEJ/UEG é um Programa com caráter permanente e interdisciplinar que atua diretamente no apoio e orientação para as Empresas Juniores da Universidade Estadual de Goiás, promovendo atividades comuns dessas empresas, assim como ser o Núcleo representativo do MEJ da Universidade Estadual de Goiás. O NEJ/UEG promove suas Empresas Juniores associadas no mercado, servindo também como meio de troca de conhecimentos e experiências entre as empresas e empresários juniores. Vale ressaltar que estas orientações não geram vínculo trabalhista, cível, tributário, consumerista, previdenciário e/ou de quaisquer responsabilidades entre a Universidade Estadual de Goiás, suas respectivas Unidades Universitárias, Diretores e Coordenadores com as Empresas Juniores e seus clientes, tendo em vista a independência financeira e legal de duas pessoas jurídicas totalmente distintas. Para que cada Empresa Júnior da UEG faça parte do Conselho deliberativo do NEJ/UEG é necessário que a mesma assine o termo de adesão disponibilizado pelo NEJ/UEG, com a indicação dos seus representantes para o Conselho

16 5 BREVE HISTÓRICO DAS EMPRESAS JUNIORES NA UEG No quadro abaixo, observa-se cronologicamente a criação das Empresas Juniores da Universidade Estadual de Goiás, em suas respectivas Unidades Universitárias e cursos vinculantes: Empresa Júnior Cursos(s) base de Ano de Unidade criação criação Universitária Empresa Júnior de UnUCSEH Administração 2006 Administração Anápolis Sênior Agrícola Engenharia Agrícola 2008 UnUCET Anápolis Inovação Júnior Administração 2009 UnU Luziânia Semeia Júnior Agronomia e Engenharia Florestal 2009 UnU Ipameri Construir Engenharia Civil 2010 UnUCET Anápolis Inov ID - Inovação Industrial Química Industrial 2011 UnUCET Anápolis Pirineus Júnior Gastronomia e Turismo 2011 UnU Pirenópolis OPR Systems Sistemas de Informação 2012 UnUCET Anápolis Inovar Júnior Administração 2012 UnU Sancrerlândia Farmakon - Empresa Júnior Farmácia 2012 UnUCET Anápolis Coted - Centro de Sistemas de Informação Tecnologia e 2012 UnU Ceres Desenvolvimentos Panorâmica Filmes Comunicação Social 2013 UnU Laranjeiras A.G.I.R. Administração e Gastronomia 2013 UnU Caldas Novas Empresa Júnior de Ciências Contábeis Ciências Contábeis 2013 UnU Uruaçu Fonte: Núcleo de Empresas Juniores NEJ/UEG (2013) 6 PROCESSO DE CRIAÇÃO DE EMPRESAS JUNIORES NO ÂMBITO UEG 6.1 Os primeiros procedimentos É importante compreender que para iniciar uma Empresa Júnior é necessário que ocorra uma reunião de todas as partes interessadas, com a finalidade de definir os objetivos da futura organização e todo o planejamento de constituição e funcionamento da mesma. A Empresa Júnior é considerada pelo Código Civil como uma associação civil de alunos e sem fins lucrativos e deverá constituir-se através de um Estatuto, assinado por advogado inscrito na OAB/GO e registrá-lo perante o Cartório Civil de Pessoas Jurídicas. Ressaltamos que o relacionamento com a Universidade Estadual de Goiás é extremamente importante, tendo em vista, que será possível a utilização de parte das dependências da UEG, usufruindo a infraestrutura cedida pela última. Ressaltamos também que a cessão, por meio de autorização de uso de espaço, deverá partir do

17 pedido da Direção da Unidade Universitária à Gerência de Contratos e Convênios da UEG, com envio de cópia para o NEJ/UEG. Além disso, destacamos novamente o fundamental contato com diretores das Unidades Universitárias e os professores extensionistas, com o objetivo de obter o apoio educacional e pedagógico necessários ao bom funcionamento da empresa Roteiro inicial para criação de uma EJ: 1 - Submissão da intenção de criação da Empresa Júnior pelos acadêmicos, com indicação do professor coordenador da ação que a constitui feita pelo Colegiado do Curso, para aprovação do Conselho Acadêmico Universitário (CAU); 2 - Elaboração de seu estatuto e regimento, com assessoramento do NEJ/UEG; 3 - Realização da 1ª Assembleia Geral onde será avaliado e aprovado o Estatuto, momento no qual será lavrada a Ata de Fundação, no Livro de Atas, com indicação dos nomes e a respectiva estrutura organizacional da EJ; 4 - Envio da Minuta do estatuto para ao NEJ/UEG para validação; 5 - Cadastro do projeto Empresa Júnior na Plataforma Pégasus da Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis - PrE, pelo Professor Coordenador, com indicação dos participantes da EJ; 6 - Registro do Estatuto em Cartório; 7 - Solicitação da Autorização de Uso de Espaço junto à Direção da Unidade Universitária; 8-Cadastro do CNPJ; 9 - Assinatura do Termo de Adesão junto ao NEJ/UEG para participação efetiva no Conselho do Núcleo de Empresas Juniores; 10 - Criação de conta jurídica própria; 11 - Inscrição Municipal / Alvará de Funcionamento / Confecção de Nota Fiscal; 12 - Elaboração do Regimento Interno. Obs.: Durante a criação da EJ, deve ser observado, atentamente, o item 8 deste Manual, para adoção da documentação e critérios estabelecidos. 6.2 A elaboração do Estatuto Estando os objetivos e o planejamento da organização definidos, dá-se início à elaboração do Estatuto, conforme item O Estatuto da Empresa Júnior é o documento legal que contém todas as normas que regem o funcionamento da associação. Nele estão definidos a razão social, os objetivos, a previsão de duração, os deveres e direitos dos membros, a estrutura organizacional, a sede, as regras, em caso de extinção, e a destinação do seu patrimônio, que deve ser direcionado para a UEG. É necessário, também, definir se o Estatuto é passível de alteração e em que condições, e se os membros respondem ou não subsidiariamente pelas obrigações assumidas pela associação. A fundação da entidade é consolidada através de uma assembleia geral de alunos da Universidade Estadual de Goiás, para a qual são convocadas todas as partes

18 interessadas. A assembleia é presidida por uma das pessoas que compilou o Estatuto e secretariada por outra, a ser escolhida no momento. Nessa, após a apresentação e aprovação do estatuto, é realizada a eleição e a posse da diretoria. Faz-se, então, a Ata de Fundação, no livro de Atas. A estrutura organizacional de uma Empresa Júnior deve conter obrigatoriamente: Assembleia Geral; Conselho Consultivo; Conselho Fiscal; Diretoria Executiva. A Diretoria Executiva deve conter no mínimo 6 discentes, entre estes 2 cargos são obrigatórios, o de Diretor(a) Presidente(a) e Diretor(a) Administrativo-Financeiro. As demais diretorias recomendadas são: Diretor(a) de Marketing, Diretor(a) de Projetos, Diretor(a) de Qualidade e Diretor(a) de Gestão de Pessoas, não existindo a obrigatoriedade destas nomenclaturas, podendo-se adequar às necessidades de cada empresa. Os Modelos de Estatutos serão disponibilizados pelo NEJ/UEG, como demais modelos de documentos necessários para a regulamentação e funcionamento da EJ. 6.3 Instalação A EJ deverá ser instalada, preferencialmente, em espaço cedido por meio da Autorização de utilização de espaços físicos da UEG, após pedido da Direção da Unidade Universitária à Gerência de Contratos e Convênios - GECOA. É importante também destacar que havendo autorização de utilização de espaço físico da Universidade Estadual de Goiás, disposto no conforme item , por meio de documento oriundo da Reitoria, a Empresa Júnior estará obrigada a prestar contas de todas as atividades desenvolvidas dentro e fora da UEG, sob pena de descredenciamento de suas atividades. Ademais, a prestação de contas será mensal e anual, devendo ser encaminhados para o(a) professor(a) coordenador(a) do projeto que incluirá os mesmos nos relatórios mensais e final, na Plataforma Pégasus da Pró- Reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis - PrE. Deverão também, ser encaminhadas cópias para os Diretores e ao Colegiado do Curso das respectivas Unidades Universitárias. 6.4 Vedações às Empresas Juniores: É vedado às Empresas Juniores: Transformar-se em mecanismo paralelo aos objetivos da Universidade, devendo evitar concorrência desleal com o mercado; Remunerar seus membros, devendo a receita obtida ser aplicada na Empresa com a finalidade de cobrir custos dos projetos, contratação de serviços, despesas com infraestrutura, aquisição de novos equipamentos e capacitação de seus membros, podendo a receita ser direcionada para aquisição de equipamentos, material didático, periódicos, material de consumo para

19 melhorias relacionadas ao curso de graduação vinculante e à Unidade Universitária por meio de termo de doação ou de cessão de uso; Cobrar taxas para o ingresso e participação de alunos, exceto em caso de contribuição voluntária. Vincular acadêmicos de outras instituições de ensino como membros efetivos da EJ. No caso de estagiários, as vagas disponibilizadas devem ser direcionadas, preferencialmente, para acadêmicos da Universidade Estadual de Goiás. Distribuir qualquer parcela de seu patrimônio, receita, recursos ou excedentes financeiros, a título de lucro, vantagem, bonificação ou de participação, a qualquer dirigente, associado ou mantenedor, sob nenhuma forma ou pretexto, nem mesmo em razão de demissão ou exclusão; Vincular-se a qualquer partido político. 7 REGULAMENTAÇÃO DAS EMPRESAS JUNIORES NO ÂMBITO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 7.1 Vínculo Institucional As Empresas Juniores da Universidade Estadual de Goiás estarão vinculadas institucionalmente à PrE, por intermédio do Núcleo de Empresas Juniores NEJ/UEG, sendo anteriormente aprovada pelo Colegiado do Curso e Conselho Acadêmico da respectiva Unidade Universitária. O vínculo é pedagógico tendo em vista a orientação de professores extensionistas. Não há vínculo jurídico de cunho cível, trabalhista, tributário, consumerista e quaisquer outros que possam causar lesão ao patrimônio público estadual. Toda Empresa Júnior deverá estar vinculada pedagogicamente à Universidade Estadual de Goiás, em seu respectivo curso de graduação, que deverá estar determinado em estatuto. Este vínculo não provoca reflexos na área trabalhista, previdenciária, cível, comercial, tributária e outros jurídicos, isentando, assim, a UEG de quaisquer dívidas ou pendências neste sentido. Será considerada Empresa Júnior apenas aquela cujo exercício possuir aprovação oficial por parte da(s) instituição(ões) de ensino superior, a saber, Universidade Estadual de Goiás, por meio do Conselho Acadêmico da sua Unidade Universitária vinculante e da Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis. O uso do nome e da logomarca da Universidade Estadual de Goiás vinculados à Empresa Júnior, só poderão ser utilizados mediante aprovação nos respectivos órgãos mencionados no item Roteiro inicial para criação de uma EJ, e com comprovação da documentação exigida para o funcionamento mediante avaliação do NEJ/UEG

20 Ocorrendo o desenvolvimento de produtos, serviços, processos, passíveis de registros de propriedade intelectual, a Empresa Júnior deve garantir a participação da UEG, de acordo com as leis vigentes e regulamentações posteriores. 7.2 Cadastro da Empresa Júnior como ação extensionista A validação do vínculo das Empresas Juniores, como ação extensionista, dá-se por meio do registro da respectiva EJ como projeto extensionista na Plataforma Pégasus da PrE. As Unidades Universitárias, por meio do Colegiado do Curso, como norma de qualidade, devem indicar um professor(a) temporário(a) ou efetivo(a) que será o(a) professor(a) coordenador(a) da ação de extensão, que com aprovação do projeto extensionista da Empresa Júnior no Conselho Acadêmico da Unidade Universitária, efetuará o respectivo registro na Plataforma Pégasus, que garantirá após a tramitação interna da PrE a atribuição a devida carga horária ao professor responsável pela execução das atividades inerentes a EJ, obedecendo a Resolução CsA 163/2009 e Resolução CsA 164/2009, para o reconhecimento institucional da EJ sendo uma ação de extensão devidamente registrada. A função do professor coordenador do projeto extensionista da Empresa Júnior é direcionada para assessoria e orientação acadêmica-técnico-pedagógica. No caso de substituição do professor coordenador responsável pela EJ, não será necessário o envio de um novo projeto, bastando apenas comunicar a substituição por meio de memorando a ser encaminhado à PrE, que se incumbirá de fazer a substituição no sistema e atribuir carga horária, caso haja possibilidade, ao novo professor coordenador do projeto extensionista da Empresa Júnior. No caso de substituição ou inclusão de participantes da EJ (acadêmicos, colaboradores etc), será necessário que o professor coordenador do projeto extensionista da Empresa Júnior comunique a substituição ou inclusão por meio de memorando a ser encaminhado à PrE, que se incumbirá de fazer a alteração no sistema. A PrE deve disponibilizar o acesso ao cadastro do projeto extensionista da Empresa Junior e assegurar carga horária para o professor coordenador do projeto caso o mesmo tenha disponibilidade, de acordo com as demandas de criação e solicitações de cadastros das Empresas Juniores, sendo o NEJ/UEG responsável pela disponibilidade do modelo do projeto a ser cadastrado na Plataforma Pégasus. Uma vez registrado a EJ como atividade de extensão, a mesma deve ter seu acompanhamento contínuo por meio de envio de relatórios, como também a obrigatoriedade do projeto ser reeditado anualmente na Plataforma Pégasus. Os professores coordenadores do projeto extensionista da Empresa Júnior deverão apresentar mensalmente, a partir da aprovação do projeto pela PrE, relatório de

21 prestação de contas das atividades financeiras realizadas pela EJ, contendo: atividades programadas e desenvolvidas, montante arrecadado, resultado financeiro e previsão de eventuais investimentos, que deverá ser encaminhado à Direção da Unidade Universitária e ao Colegiado do Curso. Todo trabalho contratado junto à EJ deverá ser orientado pelo professor coordenador do projeto Empresa Júnior cadastrado na PrE, tal atividade deverá ser informada pelo docente nos seus relatórios mensais e final do projeto. Demais docentes da UEG, mesmo que não sejam o(s) professor(es) coordenador(es) do projeto extensionista da Empresa Júnior, mas que queiram participar do desenvolvimento da EJ específica ou até mesmo das ações do NEJ/UEG, poderão registrar suas ações extensionistas (projetos, cursos, eventos) vinculando suas ações à Unidade Universitária de origem e ao NEJ/UEG, com prévia aprovação pelo Conselho Acadêmico de sua Unidade. 7.3 Empresa Júnior como estágio curricular supervisionado obrigatório De acordo com a Resolução CsA n. 032/2011, que altera a política de estágio, atividades complementares, prática como componente curricular e trabalho de curso da Universidade Estadual de Goiás aprovada pela Resolução CsA n. 022/2010, em seu Art. 1º, 2º, esclarece: Os acadêmicos dos cursos de graduação de bacharelado e superior de tecnologia, poderão realizar Estágio Curricular Supervisionado e Obrigatório na própria Instituição de Ensino Superior - IES, mediante a existência de laboratórios que congreguem as diversas ordens práticas, tais como: Escritório Modelo, Empresa Júnior, Clínicahospital Escola, Laboratório de Informática, Núcleo de Pesquisa dentre outros. A realização do estágio na instituição deve estar prevista nas Diretrizes Curriculares e em seu respectivo Projeto Político-Pedagógico do Curso - PPC. Considerando que, a Empresa Júnior é uma nova estratégia de formação profissional e que tem entre outros, o objetivo de proporcionar ao estudante a prática de conhecimentos teóricos, relativos à área de formação profissional específica. A Pró- Reitoria de Graduação da Universidade Estadual de Goiás por meio de parecer técnico/pedagógico determina que as Empresas Juniores possam ser aproveitadas como campos de estágio, desde que previstas nas Diretrizes Curriculares e PPC, não havendo necessidade de submeter apreciação da PrG, aconselhando que, esta opção não substitua integralmente a vivência do estágio convencional, previsto no PPC, considerando a importância do professor orientador e do supervisor da concedente que se faz presente em 100% do Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório

22 8 FUNCIONAMENTO DA EMPRESA JÚNIOR 8.1 Documentação e critérios a serem adotados A Universidade Estadual de Goiás - UEG, através dos critérios referentes ao Selo Empresa Júnior referendado pela Confederação Nacional de Empresas Juniores, busca reconhecer e certificar as Empresas Juniores que cumprem os padrões jurídicos, contábeis e infraestruturais de funcionamento. A regulamentação das Empresas Juniores está embasada na Legislação em vigor, Código de Ética do Movimento Empresa Júnior e no Conceito Nacional de Empresa Júnior. Em observância das especificidades e capilaridade das Empresas Juniores da Universidade Estadual de Goiás, a Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis, regulamenta por meio deste Manual, de forma obrigatória a adoção dos seguintes critérios: Estatuto registrado Regimento Interno Ata(s) de Eleição e Posse da gestão em exercício Ficha Cadastral de Pessoa Jurídica (FCPJ) Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) Certidão Conjunta Negativa de Débitos Relativos à Tributos Federais Certidão Negativa de Débitos Relativos às Contribuições Previdenciárias Certidão Negativa de Débitos Municipais Certificado de Regularidade do FGTS - CRF Reconhecimento da Instituição de Ensino Superior - IES Autorização de uso do espaço Comprovante de conta bancária ativa Livro Diário Relação Anual de Informações Sociais - RAIS Negativa Nota fiscal Comprovante de Reconhecimento da Instituição de Ensino Superior (por meio de ação extensionista cadastrada na PrE e seu respectivo deferimento) Autorização de utilização dos espaços físicos da UEG Declaração anual na Receita Federal Declaração de Infraestrutura Contrato de prestação de serviço Termo de voluntariado ou contrato de estágio A Empresa Júnior deverá encaminhar cópia de cada documento comprobatório da documentação exigida à Coordenação do Curso e ao NEJ/UEG, que deverão manter arquivo de cada EJ com sua respectiva documentação

23 8.2 Detalhamento dos critérios Situação Jurídico-Financeira O Estatuto O estatuto é o instrumento de estruturação jurídica da empresa, definidor de todas as suas relações formais. É indispensável que contenha todas as regras que regerão a Empresa Júnior. Conforme o Novo Código Civil o Estatuto deverá conter obrigatoriamente os itens abaixo: I. A denominação, os fins e a sede da associação; II. Os requisitos para a admissão, demissão e exclusão dos associados; III. Os direitos e deveres dos associados; IV. As fontes de recursos para sua manutenção; V. O modo de constituição e de funcionamento dos órgãos deliberativos; VI. A forma de gestão administrativa e de aprovação das respectivas contas. VII. O modo por que se representa, ativa e passivamente, judicial e extrajudicialmente; VIII. Se os membros respondem, ou não, subsidiariamente, pelas obrigações sociais; IX. As condições para a alteração das disposições estatutárias, para a dissolução da pessoa jurídica e o destino do seu patrimônio, nesse caso. X. A obrigatoriedade de investimento do excedente financeiro no desenvolvimento de suas próprias atividades, contratação de serviços, despesas com infraestrutura, aquisição de novos equipamentos e capacitação de seus membros; XI. A informação de que no caso de desenvolvimento de produtos, serviços, processos, passíveis de registros de propriedade intelectual, a Empresa Júnior deve garantir a participação da UEG, de acordo com as leis vigentes e regulamentações posteriores. Importante: A composição do quadro efetivo da Empresa Júnior e as atribuições dos seus integrantes serão definidos em Estatuto próprio. Não utilizar o nome da Instituição de Ensino Superior na razão social ou nome fantasia da empresa, pois a utilização da marca da IES pela Empresa Júnior pode implicar em processo civil e penalidades aos seus representantes legais. Deve-se incluir no Estatuto cláusula que prevê as medidas cabíveis em caso de dissolvição da Empresa Júnior com observância do que é estabelecido no caput do Art.61 e parágrafos 1º e 2º do Código Civil. O estatuto da Empresa Júnior não poderá definir como finalidade gerar receita para a(s) instituição(ões) de ensino superior a que estiver vinculada. Elaborar o estatuto acompanhado por um advogado e registrá-lo em cartório. Fonte: Art. 46, 53 e seguintes da Lei /2002 (Novo Código Civil); Conceito Nacional de Empresa Júnior (CNEJ) Regimento Interno O Regimento Interno, assim como o estatuto, é um instrumento de estruturação jurídica da organização, definidor de suas relações formais. É indispensável que conste, em conjunto com o estatuto, todas as regras que regerão a Empresa Júnior e

24 as informações que a caracterizem. O documento é uma descrição das regras da Empresa Júnior, tais como direitos e deveres de cada parte e princípios de conduta, além de descrever como funcionam os processos seletivos internos e as eleições. O documento deve estar de acordo com o Estatuto da Empresa Júnior Ata(s) de eleição e posse da gestão em exercício Os atos de eleição e posse serão registrados, no mesmo documento deve conter o nome dos integrantes da gestão em exercício, é uma exigência legal Ficha Cadastral de Pessoa Jurídica (FCPJ) A Ficha Cadastral de Pessoa Jurídica deve ser preenchida pela pessoa jurídica para os procedimentos relativos ao Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) O Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) é administrado pela Receita Federal do Brasil e registra as informações cadastrais das pessoas jurídicas e de algumas entidades não caracterizadas como tais. Ele é uma exigência legal e deve estar ativo. O Código e Descrição da Atividade Econômica Principal é Atividades de apoio à educação, exceto caixas escolares. O Código e Descrição da Atividade Econômica Secundária não é obrigatória, é usada apenas por grandes empresas com atividades muito distintas. O Código e Descrição da Natureza Jurídica é Associação Privada. Modelo de cadastro de CNPJ de uma EJ na Receita Federal Obs: quando houver alteração do representante legal é necessário efetuar a alteração no Cartório e depois no programa do CNPJ e enviar pelo sistema online

25 Certidão Negativa de Débito (CND) A Certidão Negativa de Débito é uma exigência legal. Tal certificação comprova que a organização não possui dívidas nas autarquias federais, estaduais e municipais. É importante frisar que, caso a Empresa Júnior apresente débitos nas entidades em questão, o início da quitação de tais débitos possibilitará a emissão de uma Certidão Positiva de Débito com efeito de negativa, a qual também é válida para fins de auditoria para futura aquisição do Selo Empresa Jr. Ao prestar contas para a UEG, a Empresa Junior deverá enviar certidões semestrais atualizadas Certificado de Regularidade do FGTS (CRF) O Certificado de Regularidade do FGTS - CRF é o único documento que comprova a regularidade do empregador perante o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS, sendo emitido exclusivamente pela Caixa Econômica Federal (CAIXA) Reconhecimento da Instituição de Ensino Superior O reconhecimento da Empresa Júnior é uma exigência da Universidade Estadual de Goiás. A institucionalização da EJ poderá ser estabelecida com a aprovação da criação da EJ pelo Colegiado do Curso de Graduação, pelo Conselho Acadêmico da Unidade Universitária (comprovação por meio da Ata da CaU da Unidade Universitária) e posteriormente por meio do deferimento do projeto cadastrado na Plataforma Pégasus da Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis (por meio do documento de deferimento emitido pela PrE), com posterior observância da documentação e critérios exigidos no item 8 deste Manual (comprovados por meio de cópia da documentação exigida a serem encaminhadas para a Coordenação do Curso e ao NEJ/UEG) Autorização de uso do espaço A Empresa Júnior deve solicitar autorização provisória para a utilização de espaços físicos da Unidade Universitária junto à Reitoria. Após a liberação do CNPJ será solicitado Termo de Autorização de Uso de Espaço à Reitoria, com vigência de até 60 meses, o qual poderá ser renovado, de acordo com a Lei Nº , de 27 de dezembro de Comprovante de conta bancária ativa A Empresa Júnior deve ter uma conta bancária ativa sob a responsabilidade dos representantes legais para garantir a segurança e movimentação do dinheiro da empresa Livro Diário O Livro Diário é de uso obrigatório segundo as Normas Brasileiras de Contabilidade e o Novo Código Civil Brasileiro de O Código Civil Brasileiro, aprovado pela Lei nº /02, regulamenta a escrituração contábil nos artigos a 1.195, destacandose entre aqueles o seguinte dispositivo:

26 O empresário e a sociedade empresária são obrigados a seguir um sistema de contabilidade, mecanizado ou não, com base na escrituração uniforme de seus livros, em correspondência com a documentação respectiva, e a levantar anualmente o balanço patrimonial e o de resultado econômico. Apesar do Código Civil/2002 conter a previsão de que as Empresas Juniores serão constituídas sob a forma de associações civis (e não sob a forma de sociedades empresárias), o Conselho Federal de Contabilidade disciplina a necessidade de manutenção das escrituras contábeis da entidade, conforme a Resolução nº 1.409/2012 e a Interpretação Técnica Geral (ITG) Entidade sem finalidade de lucro. Os livros de escrituração obrigatórios devem conter certas formalidades legais intrínsecas e extrínsecas que seguem: Formalidades intrínsecas aos livros: I. utilizar forma e padrão contábil; II. adotar idioma e moeda nacional; III. possuir clareza e exatidão; IV. não conter rasuras, borrões, emendas, entrelinhas ou transporte para as margens; V. obedecer à rigorosa ordem cronológica; VI. guardar continuidade; VII. seguir método uniforme de escrituração - Plano de Contas. Formalidades extrínsecas aos livros: I. encadernação; II. numeração sequenciada; III. termos de abertura e encerramento; IV. registro nos órgãos de registro de pessoas jurídicas. Comprovação: Cópia do Livro Diário da associação referente ao ano de exercício, assinado pelo contador juntamente com o seu número de CRC e registrado no cartório de registro de pessoas jurídicas. Período de referência: Livro Diário referente exercício financeiro em exercício. Obtenção: Solicitar o Livro Diário junto ao contador e registrá-lo posteriormente em cartório. Os novos requisitos aprovados no final de 2012 pelo Conselho Federal de Contabilidade serão exigidos na auditoria para futura aquisição do Selo Empresa Júnior Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) Negativa A RAIS é um documento, emitido junto aos órgãos federais reguladores de vínculos empregatícios para garantir a regularidade de uma instituição que não possui empregados definidos, como Empresas Juniores e Federações de Empresas Juniores. Segundo as entidades federais, essas organizações que não possuíram empregados vinculados ou tiveram suas atividades suspensas durante o ano-base (fevereiro a fevereiro) são obrigadas a emitir a RAIS e declarar a regularidade dessas ações

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE EMPRESA JÚNIOR CAPÍTULO I DO NOME, FINALIDADE E CARACTERIZAÇÃO

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE EMPRESA JÚNIOR CAPÍTULO I DO NOME, FINALIDADE E CARACTERIZAÇÃO FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE EMPRESA JÚNIOR CAPÍTULO I DO NOME, FINALIDADE E CARACTERIZAÇÃO Art. 1º. A designação de Empresa Júnior EJ, é conferida às organizações constituídas

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil NAF

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil NAF CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil NAF Art. 1º. A Faculdade Cenecista de Bento Gonçalves - FACEBG entende que a Educação Superior além de profissionalizar deve

Leia mais

REGIMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES

REGIMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES REGIMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Crixás/GO 2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS REITOR Haroldo Reimer VICE-REITORA Valcemia Gonçalves

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil - NAF

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil - NAF CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil - NAF Art. 1º. A Faculdade INEDI CESUCA entende que a Educação Superior deve preparar os alunos para o exercício da cidadania

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o regulamento do Núcleo de Direitos Humanos das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades Ponta

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

Centro de Estudos Sociais Aplicados Comissão Executiva do Colegiado do Curso de Graduação em Administração. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO COL-ADM No.

Centro de Estudos Sociais Aplicados Comissão Executiva do Colegiado do Curso de Graduação em Administração. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO COL-ADM No. 1 Centro de Estudos Sociais Aplicados Comissão Executiva do Colegiado do Curso de Graduação em Administração INSTRUÇÃO DE SERVIÇO COL-ADM No. 03/2014 Estabelece critérios e procedimentos para o cômputo

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá

Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do I. CONSIDERAÇÕES GERAIS ART. 1º - Este regulamento tem por objetivo orientar a apresentação, tramitação, aprovação, execução,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

Chamamento Público para o Programa Educação e Cultura nas Escolas Públicas/ Pesquisa-ação em iniciativas educacionais

Chamamento Público para o Programa Educação e Cultura nas Escolas Públicas/ Pesquisa-ação em iniciativas educacionais MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DE POLÍTICAS CULTURAIS - SPC DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃO - DEC CHAMAMENTO PUBLICO N 01/2011 Chamamento Público para o Programa Educação e Cultura nas Escolas Públicas/

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR Art. 1º O presente Regimento trata do Estágio Curricular dos cursos de graduação da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

Diretrizes Nacionais em Ligas

Diretrizes Nacionais em Ligas Diretrizes Nacionais em Ligas Acadêmicas de Medicina Introdução As Ligas Acadêmicas são entidades constituídas fundamentalmente por estudantes, em que se busca aprofundar temas em uma determinada área

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Matriz 23 Junho de 2013 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (Lei Nº 11.788 / 2008) Regulamenta as atividades do Estágio Curricular da FAMEC e estabelece normas

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CAPÍTULO I DA FINALIDADE ART. 1º - O Núcleo de Prática Jurídica, subordinado à Faculdade de Direito

Leia mais

Selo Federação. Segue abaixo o 5W2H do programa com as informações pertinentes para orientação dos Diretores Administrativo-Financeiro das federações:

Selo Federação. Segue abaixo o 5W2H do programa com as informações pertinentes para orientação dos Diretores Administrativo-Financeiro das federações: Selo Federação Desde o início do Movimento Empresa Júnior, passando pela fundação da Brasil Júnior - Confederação Brasileira de Empresas Juniores, até o Projeto de Lei das Empresas Juniores, sempre se

Leia mais

CAPÍTULO I SEÇÃO I - DAS ATIVIDADES DE ENSINO

CAPÍTULO I SEÇÃO I - DAS ATIVIDADES DE ENSINO Resolução CsA nº.163/2009 Normatiza a alocação de carga horária dos docentes do quadro temporário da Universidade Estadual de Goiás. A 104ª Plenária do Conselho Acadêmico CsA da Universidade Estadual de

Leia mais

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso 1 Centro Universitário de Araraquara UNIARA Departamento de Ciências da Administração e Tecnologia Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso Capítulo I Das disposições

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O Estágio Curricular, baseado na lei nº 6.494,

Leia mais

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANO 2007 CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS INTRODUÇÃO: Tendo como objetivo propiciar ao aluno um conjunto de oportunidades que se refletirão, de forma direta

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL O QUE É?

ESTATUTO SOCIAL O QUE É? ESTATUTO SOCIAL O QUE É? O Estatuto Social é o documento que constitui a Empresa Júnior como associação civil, pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos. É o Estatuto que traz a EJ para o

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Aprovado na 22ª reunião do Conselho de Unidade (CONSUN) da Faculdade de Informática realizada dia 30 de

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 Dispõe sobre os procedimentos para cadastramento de Fundações Privadas ou Associações pela Comissão de Cadastramento de ONGs e Associações, de

Leia mais

EDITAL nº 04, de 06 de janeiro de 2015

EDITAL nº 04, de 06 de janeiro de 2015 EDITAL nº 04, de 06 de janeiro de 2015 EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS RELATIVOS A NÚCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS E CONCESSÃO DE BOLSAS DE EXTENSÃO E INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA NEABI -

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, SEQUENCIAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014.

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. DISPÕE SOBRE O SERVIÇO VOLUNTÁRIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE IRAMAIA, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB Ministério da Educação Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Pró-Reitoria de Ensino Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Extensão DIRETRIZES PARA A

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MINISTRADOS PELA FATEC-SOROCABA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MINISTRADOS PELA FATEC-SOROCABA Fatec Sorocaba REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MINISTRADOS PELA FATEC-SOROCABA Sorocaba, 2010 Reduza, Reutilize, Recicle REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB TERMO ADITIVO AO EDITAL nº 02/2013 PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS ALTERAÇÃO DE DATAS E FORMA DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Apoio: Brasília, 28 de agosto de 2013.

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Palmeiras de Goiás Rua S-7, s/ nº _ Setor Sul_ Palmeiras de Goiás-GO Fone/ Fax: (64) 3571-1198 (64) 3571-1173 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2014 Estabelece as normas para o reconhecimento e funcionamento de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

EDITAL. EDITAL DIR N o 04/2015

EDITAL. EDITAL DIR N o 04/2015 EDITAL DIR N o 04/2015 PROCESSO SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS DOCENTES PARA ATUAÇÃO JUNTO AOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS, GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS, GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DIREITO,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente documento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA.

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO São Paulo 2010 CAPÍTULO I DO CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º - O Estágio

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE)

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) PARTES ESSENCIAIS: I- QUALIFICAÇÃO DAS PARTE; II- INFORMAÇÕES RELEVANTES; III- CLÁUSULAS; IV- ASSINATURAS: das partes através de seus representantes

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Serviço Social é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO 2013 Coordenação Pedagógica: Prof. Ms José Luiz de Miranda Alves Coordenação do Núcleo de Estágio - NEST: Profª. Ms

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DO IFSULDEMINAS

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DO IFSULDEMINAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS, BACHARELADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PARA O CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UFPR

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PARA O CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UFPR REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PARA O CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UFPR DA NATUREZA Art.1 o No Projeto Pedagógico do Curso de Ciências Econômicas, as diretrizes curriculares incluem o estágio

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº. 124, DE 27 DE ABRIL DE 2009 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1

EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1 EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1 PACHECO, Jean Alves 2 ; CARDOSO, Fernando Assunção 3 ; YAMANAKA, Lie 4 Palavras-chaves: Empresa Júnior, extensão,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DEFINIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar o Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 08 A Direção Geral da Faculdades SPEI, no uso das suas atribuições, ouvido o Conselho Superior e aprovado pela Mantenedora, conforme Regimento Interno, RESOLVE: Estabelecer o

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os estágios curriculares do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo do Instituto

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Estudos em Ciências Contábeis ESTATUTO

Núcleo de Pesquisa e Estudos em Ciências Contábeis ESTATUTO Núcleo de Pesquisa e Estudos em Ciências Contábeis ESTATUTO Art. 1º O Núcleo de Pesquisa e Estudos em Ciências Contábeis (NUPECON), vinculado a Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos, constitui-se

Leia mais

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 193/2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 08/04/2011, tendo em vista o constante no processo nº 23078.032500/10-21, de acordo com o Parecer nº 022/2011 da

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas São Paulo, 20 de maio de 2009. ASSUNTO: NORMA ADMINISTRATIVA PARA A REALIZAÇÃO DE MONITORIA NO CCSA Prezado(a) Aluno(a), Considerando: I. a importância da monitoria como um dos meios para a operacionalização

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS 1. Princípios Teórico-Filosóficos A Faculdade da Região dos Lagos vem se destacando como uma das principais instituições na formação de administradores, empresários e gerentes em nossa região. Além disso,

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA FUNDAÇÃO CERTI 01/2009 SUBVENÇÃO ECONÔMICA À INOVAÇÃO PROGRAMA PRIME - PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA

SELEÇÃO PÚBLICA FUNDAÇÃO CERTI 01/2009 SUBVENÇÃO ECONÔMICA À INOVAÇÃO PROGRAMA PRIME - PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA SELEÇÃO PÚBLICA FUNDAÇÃO CERTI 01/2009 SUBVENÇÃO ECONÔMICA À INOVAÇÃO PROGRAMA PRIME - PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA 1. APRESENTAÇÃO O Programa Prime - Primeira Empresa Inovadora - visa apoiar empresas nascentes

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2010 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia

Leia mais

REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE)

REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE) APROVADO Alterações aprovadas na 27ª reunião do Conselho Superior realizada em 18/12/2013. REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE) DA ESTRUTURA Art. 1º - A

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º. O presente Regulamento baseia-se na obrigatoriedade do cumprimento de horas destinadas as Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria e Consultoria Tributária para as empresas do Arranjo Produtivo Local. 1. OBJETIVO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ)

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADES Art 1º. A Fundação Instituto Tecnológico de Joinville, doravante denominada FITEJ, entidade

Leia mais

DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES FARMÁCIA

DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES FARMÁCIA DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES FARMÁCIA CACOAL - RO 2011 Considerando as exigências da LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL, no atinente às Atividades Complementares

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

REGULAMENTO ATIVIDADE COMPLEMENTAR Curso de Ciências Contábeis

REGULAMENTO ATIVIDADE COMPLEMENTAR Curso de Ciências Contábeis REGULAMENTO ATIVIDADE COMPLEMENTAR Curso de O presente regulamento normativa as Atividades Complementares, componente do Projeto Pedagógico do Curso da Faculdade de Presidente Epitácio FAPE. DA NATUREZA

Leia mais