REGULAMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA E PROPEDÊUTICA CLÍNICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA E PROPEDÊUTICA CLÍNICA"

Transcrição

1 REGULAMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA E PROPEDÊUTICA CLÍNICA TÍTULO I DO OBJETIVO Artigo 1 - O presente Regulamento subordina-se às normas de caráter geral, estabelecidas no Estatuto e Regimento da UNESP e tem por objetivo disciplinar, naquilo que lhe é próprio, o funcionamento do Departamento de Patologia e Propedêutica Clínica. TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO Artigo 2 - O Departamento, compõe-se das disciplinas em nível de graduação, por áreas de conhecimento, estabelecidas através da legislação específica da UNESP. TÍTULO III DA ADMINISTRAÇÃO DO DEPARTAMENTO CAPÍTULO I DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO Artigo 3 - São órgãos de administração do Departamento I - o Conselho do Departamento; II a Chefia. Artigo 4 - A composição do Conselho do Departamento obedecerá ao disposto no Artigo 54 e seus incisos e parágrafos do Estatuto da UNESP. CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA Artigo 5 - Além das competências estabelecidas no Artigo 55 e seus incisos do Estatuto, ainda compete ao Conselho Departamental: I Indicar seus representantes junto ao Conselho do Curso de Graduação em Odontologia e dos Cursos de Especialização; II Estabelecer prazos para entrega de papéis e documentos a serem examinados nas reuniões do Conselho; III Indicar, consultadas as Disciplinas, ao final de cada ano, os docentes responsáveis e colaboradores das disciplinas do Departamento. Parágrafo único só poderá assumir como responsável pela Disciplina, o docente com titulação mínima de Professor Assistente, e com pelo menos 01 (um) ano de exercício.

2 CAPÍTULO III DAS REUNIÕES DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Artigo 6 - As reuniões do Conselho Departamental serão ordinárias ou extraordinárias. 1º - As reuniões ordinárias serão realizadas uma vez por mês, conforme calendário proposto pelo Presidente e aprovado por maioria simples, em exercício; 2º - As reuniões extraordinárias poderão ser convocadas, por iniciativa do Presidente ou de 2/3 dos membros em exercício, com antecedência mínima de 72 horas, salvo em caso de extrema urgência, e nelas só poderão ser discutidos e votados assuntos que determinaram a sua convocação. Artigo 7º - Às reuniões do Conselho Departamental poderão comparecer, além dos membros: I Funcionários e servidores da Faculdade, designados para prestar assistência e proceder registros necessários. II - Pessoas convidadas cuja presença for permitida pelo Conselho Departamental; Parágrafo único Com anuência do Conselho Departamental os presentes às reuniões poderão participar dos debates, para esclarecimento de assunto da pauta, sem direito a voto. Artigo 8 - As reuniões do Conselho Departamental serão instaladas em primeira convocação com a presença da metade e mais um de seus membros em exercício. Na falta de quorum, as reuniões serão instaladas em segunda convocação, 30 (trinta) minutos após o previsto em primeira convocação, independentemente do número de membros presentes. Artigo 9 - Toda matéria a ser submetida ao Conselho Departamental deverá ser encaminhada em forma de pauta aos membros em exercício, com antecedência mínima de 3 (três) dias úteis, e com os detalhes principais, visando oferecer aos membros os elementos necessários para a devida apreciação do assunto. Parágrafo único Os documentos completos ficarão na secretaria do Departamento à disposição dos conselheiros para eventuais esclarecimentos não contidos na pauta. Artigo 10 - As reuniões do Conselho Departamental serão presididas pelo Chefe do Departamento ou seu substituto legal, a quem compete, na condição de dirigente dos trabalhos: I - Abrir, suspender reuniões; II Conceder a palavra, submeter à discussão e votação os assuntos constantes da pauta, bem como anunciar o resultado; III Garantir a observância das normas estabelecidas no presente regulamento, bem como a ordem dos trabalhos; IV Determinar a retirada de assunto da pauta, quando em desacordo com as normas vigentes, ou a pedido de um dos membros, com a aprovação do Conselho; V Submeter anualmente ao Conselho Departamental, para fins de aprovação, o calendário de reuniões ordinárias para o ano seguinte. Artigo 11 O presidente será substituídos em suas faltas e impedimentos pelo Vice-Chefe e este pelo docente indicado oficialmente na forme prevista no 5º. Do Artigo 57 do Estatuto da UNESP.

3 Artigo 12 O membro impossibilitado de comparecer à reunião deverá notificar a secretaria do Departamento, que se incumbirá de informar o respectivo suplente, que o substituirá. Parágrafo único O suplente participará de reunião, com direito a voz e voto, desde que assinada a lista de presença em substituição ao membro titular, tenha ou não o colegiado considerado justo o motivo alegado à ausência deste. Artigo 13 As demais normas referentes ao processamento das reuniões do Conselho do Departamento obedecerão às disposições contida no Regimento das sessões da Congregação, baixada através da Portaria FOA-025/90. CAPÍTULO IV DA ELEIÇÃO DO CHEFE E DO VICE CHEFE Artigo 14 A eleição do Chefe e do Vice-Chefe do Departamento será convocada pelo Diretor da Faculdade, com antecedência mínima de quinze dias. Artigo 15 Poderão inscrever-se, independentemente, à função de Chefe e de Vice-Chefe os docentes lotados no Departamento, portadores de titulação mínima de Doutor, observando ao disposto no artigo 57, parágrafo 3 o do Regimento Geral da UNESP. Artigo 16 - São eleitores naturais à eleição para escolha do Chefe e do Vice-Chefe: I Todos os docentes do Departamento; II Os servidores técnico- administrativos do Departamento. Artigo 17 As eleições serão realizadas em um único dia, nas dependências do próprio Departamento, sem juízo das atividades inerentes a cada segmento. Artigo 18 - O processo eleitoral será coordenado por uma Comissão Eleitoral, composta de dois docentes e um servidor técnico- administrativo, indicados pela Chefia do Departamento, com aprovação do Conselho Departamental. Artigo 19 Em razão da necessidade de inscrição prévia será adotado o sistema de cédula única, a qual deverá conter o nome de todos os candidatos inscritos. Parágrafo único cada eleitor votará em apenas um nome para Chefe e um para Vice-Chefe, sendo possível de anulação o voto que contiver rasuras que o prejudique ou for considerado ininteligível, além daquele em que for verificada a preferência por mais de um candidato. Artigo 20 A apuração será pública e realizada após o término da votação, desde que tenham votado mais de 50% do total dos eleitores. Parágrafo único em caso de não ser alcançado o quorum exigido no caput do artigo, far-se-á nova eleição com dispensa dessa exigência. Artigo 21 Apurados os votos de cada segmento, estes serão objetos de um índice calculado para cada candidato, dividindo-se o número de votos obtidos no segmento, pelo número de eleitores desse segmento. (índice do candidato = n.º de votos obtidos no segmento). n.º de eleitores do segmento

4 Parágrafo único Aos índices obtidos em cada segmento, aplicar-se-ão os seguintes pesos: a) Corpo docente: peso 7; b) Corpo técnico- administrativo: peso3; Artigo 22 Serão considerados eleitos os candidatos que, após a obtenção do índice dos segmentos e aplicação dos pesos a eles correspondentes, totalizarem o maior número de pontos dentre os concorrentes. Parágrafo único Na ocorrência de empate será considerado eleito o candidato portador de maior título universitário. Ocorrendo novo empate, será eleito o candidato com mais tempo no cargo ou função. Artigo 23 Os casos omissos relativos à eleição, serão resolvidos pela Comissão Eleitoral e pelo Conselho Departamental. CAPÍTULO V DOS ESTÁGIOS Artigo 24 O Departamento poderá oferecer estágios nas diversas áreas de sua competência, destinados a alunos e profissionais de Odontologia e áreas afins. 1.º- Os estágios solicitados por alunos do curso de Odontologia do Campus de Araçatuba deverão ter preferência sobre os demais, ficando a seleção a critério de cada Orientador. 2.º- No caso de alunos haverá a obrigatoriedade dos mesmos já terem cursado a disciplina objeto do estágio pretendido; Artigo 25 A duração mínima de qualquer estágio será de 96 (noventa e seis) horas e 06(seis) meses de duração, que poderão ser desenvolvidas de forma contínua ou parcelada. Artigo 26 A duração máxima de cada estágio deverá ser de 12 (doze) meses e/ou 200 horas. Artigo 27- Cada estagiário poderá desenvolver, no máximo, 2 estágios simultaneamente na FOA, entre disciplinas e unidades auxiliares Artigo 28 Cada docente poderá orientar até 02 (dois) estagiários (estágio oficial) no período proposto. Nos estágios pela Disciplina / Departamento, não há limite de número de orientandos, devendo-se considerar a disponibilidade individual de cada orientador. Artigo 29- O aceite de novos estagiários compete a cada professor orientador, que deverá encaminhar ofício ao Conselho Departamental informando o programa de estágio a ser cumprido, bem como a disponibilidade de horário e carga horária semanal. Encaminhar também, em anexo, o requerimento do interessado e o seu histórico escolar (estágio acadêmico) ou currículo (estágio profissional) Parágrafo único Entende-se com estágio oficial aquele que deverá ser submetido à apreciação da Comissão de Ensino, após análise e aprovação pelo Conselho Departamental. Artigo 30 Ao final do estágio (tanto oficial como pela Disciplina / Departamento), o orientador deverá encaminhar ao Conselho Departamental ofício constando a duração em meses e o número de horas. Em anexo ao ofício, encaminhar o relatório de atividades diárias e o resumo dos casos atendidos pelo estagiário.

5 Artigo 31 Cumpridas as exigências contidas nos artigos anteriores, o Departamento fornecerá o certificado de estágio, que deverá estar à disposição do estagiário e do orientados no prazo máximo de 30 (trinta) dias, após a aprovação do relatório pelo Conselho Departamental. CAPÍTULO VI DOS AFASTAMENTOS Artigo 32 Os docentes do Departamento poderão solicitar afastamentos de suas atividades, desde que obedeçam a legislação específica em vigor na UNESP. Artigo 33 As solicitações de afastamentos serão discutidas caso a caso pelo Conselho do Departamento. Parágrafo único Solicitações de afastamentos para freqüentar Curso de Pós- Graduação deverão observar especificidade da área, de interesse ao Departamento, quando não houver cursos específicos. CAPÍTULO VII DO USO DAS INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS Artigo 34 Pessoas estranhas ao serviço, só poderão freqüentar as dependências do Departamento acompanhadas por um de seus membros ou, na ausência deste, com autorização escrita do responsável. Parágrafo único Todas as autorizações deverão ser comunicadas à secretaria do Departamento. Artigo 35 Estagiários e prestadores de serviço deverão ser apresentados pela pessoa responsável por sua presença no Departamento, antes do início de qualquer atividade. Artigo 36 Excetuando-se os membros do Departamento, fica proibido o acesso de pessoas não autorizadas às dependências da secretaria. Artigo 37 O uso da sala de reuniões é exclusivo para fins de atividades universitárias, por membros do Departamento e/ou convidados, cuja ocupação deverá ser devidamente reservada junto à secretaria. Artigo 38 O uso do telefone é exclusivo dos membros do Departamento, podendo ser cedido a outros em casos justificados. Interurbanos devem ser notificados à secretaria, informando o número, localidade, finalidade, interlocutor e horário da chamada. Todas as ligações devem ser breves. Artigo 39 A máquina fotocopiadora deve ser operada apenas por pessoas autorizadas pela Chefia do Departamento, obedecendo à cota mensal de cópias por setor e docente. Artigo 40 O computador da secretaria deve ser operado exclusivamente pelo secretário, ou excepcionalmente por pessoa autorizada pelo Chefia do Departamento. Parágrafo único: Não é permitida a utilização deste equipamento para outros fins que não de interesse às atividades universitárias do Departamento e seus membros. Artigo 41 Os equipamentos de cada Disciplina deverão ser utilizadas segundo critérios firmados entre seus membros.

6 Parágrafo único: Não é permitida a utilização desses equipamentos para outros fins que não de interesse às atividades docentes e da Disciplina. TÍTULO IV DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 42 Os casos omissos neste Regulamento serão decididos no que couber pelo Conselho do Departamento de Patologia e Propedêutica Clínica. Artigo 43 A alteração total ou parcial deste Regulamento dependerá de proposta de Membro, escrita, fundamentada e com antecedência que permita sua inclusão na Ordem do Dia, e deverá ser aprovada por maioria absoluta dos membros em exercício do Conselho do Departamento de Patologia e Propedêutica Clínica. APROVADO PELA CONGREGAÇÃO EM SESSÃO DE / / 2000

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento de Engenharia Química e Estatística DEQUE, anexo a esta Resolução.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento de Engenharia Química e Estatística DEQUE, anexo a esta Resolução. RESOLUÇÃO N o 043, de 15 de outubro de 2012. Aprova Regimento Interno do Departamento de Engenharia Química e Estatística DEQUE. A PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos CAPÍTULO 1 DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO Artigo 1º O presente Regimento Interno regulamenta a organização e o funcionamento do Departamento de Ciência

Leia mais

PORTARIA IEE Nº D007/2015

PORTARIA IEE Nº D007/2015 PORTARIA IEE Nº D007/2015 Dispõe sobre as eleições para Diretor e Vice- Diretor do Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo (USP). O Diretor do Instituto de Energia e Ambiente da Universidade

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Comissão de Capacitação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação REGIMENTO INTERNO

Universidade Federal de São Paulo Comissão de Capacitação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação REGIMENTO INTERNO Universidade Federal de São Paulo Comissão de Capacitação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação REGIMENTO INTERNO 2012 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º - A Comissão de Capacitação dos Servidores

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento de Química, Biotecnologia e Engenharia de Bioprocessos DQBIO, anexo a esta Resolução.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento de Química, Biotecnologia e Engenharia de Bioprocessos DQBIO, anexo a esta Resolução. RESOLUÇÃO N o 046, de 29 de outubro de 2012. Aprova o Regimento Interno do Departamento de Química, Biotecnologia e Engenharia de Bioprocessos DQBIO. A PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA REGULAMENTO INTERNO DOS NÚCLEOS DAS ÁREAS DE CONHECIMENTO DA

Leia mais

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRS CAMPUS CANOAS CAPÍTULO I DO CONCEITO

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRS CAMPUS CANOAS CAPÍTULO I DO CONCEITO REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRS Regulamenta o funcionamento dos Colegiados dos Cursos Superiores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Campus

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COLEGIADO DE CURSO

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COLEGIADO DE CURSO UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COLEGIADO DE CURSO São Paulo 2011 TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I Da Natureza e das Finalidades

Leia mais

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO E CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO E CONSELHO DEPARTAMENTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO PARANÁ REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO E CONSELHO DEPARTAMENTAL PPROPOSTA COMPILADA POR: PROF. CARLOS EDUARDO CANTARELLI PROF. PAULO

Leia mais

1.1. Poderão inscrever-se como candidatos a Diretor e Vice-Diretor os docentes lotados nesta Faculdade e portadores, no mínimo, do título de Doutor.

1.1. Poderão inscrever-se como candidatos a Diretor e Vice-Diretor os docentes lotados nesta Faculdade e portadores, no mínimo, do título de Doutor. Regulamentação do processo para eleição de Diretor e de Vice-Diretor da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais do Câmpus de Franca UNESP, para o mandato de 15/06/2014 a 14/06/2018. A Congregação da Faculdade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO E SISTEMA DE GESTÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO E SISTEMA DE GESTÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO E SISTEMA DE GESTÃO 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário de Estratégia, Organização e Sistema de Gestão ( Comitê ) é um

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP Dispõe sobre as atribuições Comissão de Bancas Examinadoras da EPPEN/UNIFESP, sua composição e condução

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO PREVI NOVARTIS - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO PREVI NOVARTIS - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO PREVI NOVARTIS - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA CAPÍTULO DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º Este Regimento Interno do Conselho Deliberativo da PREVI NOVARTIS ( Regimento

Leia mais

REGIMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRS CÂMPUS CAXIAS DO SUL

REGIMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRS CÂMPUS CAXIAS DO SUL REGIMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRS CÂMPUS CAXIAS DO SUL Aprovado pela Resolução do Conselho de Câmpus nº 18, de 14 de agosto de 2014. Caxias do Sul/RS, agosto de 2014. REGIMENTO DOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM JUIZ DE FORA, JULHO DE 2014 REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário Financeiro e de Relacionamento com Investidores ( Comitê ) é um

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário Financeiro e de Relacionamento com Investidores ( Comitê ) é um

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário de Governança e Conformidade ( Comitê ) é um órgão estatutário de caráter permanente,

Leia mais

PORTARIA IME n.º 500 de 12 de março de 1997

PORTARIA IME n.º 500 de 12 de março de 1997 PORTARIA IME n.º 500 de 12 de março de 1997 Dispõe sobre as normas que regem as eleições de representantes docentes, e respectivos suplentes junto aos colegiados do Instituto de Matemática e Estatística

Leia mais

Campus de Ilha Solteira

Campus de Ilha Solteira Regulamentação do processo para eleição de Diretor e de Vice-Diretor da Faculdade de Engenharia do Câmpus de Ilha Solteira UNESP, para o mandato de 20/07/2017 a 19/07/2021. A Congregação da Faculdade de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO PORTARIA IGCE/DTA nº 067/2016, de 10 de junho de 2016. Dispõe sobre normas e calendário para a realização de consulta visando à escolha do Diretor e do Vice- Diretor do Instituto de Geociências e Ciências

Leia mais

Prof. José Darcísio Pinheiro Presidente

Prof. José Darcísio Pinheiro Presidente Resolução n 002/2010-CD Aprova o Regimento Interno do Conselho Diretor da Universidade Federal de Roraima. O PRESIDENTE DO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades Art. 1º - O Colegiado de Curso é órgão normativo, deliberativo,

Leia mais

PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SUPERIOR

PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SUPERIOR 2010 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SUPERIOR SUMÁRIO SEÇÃO I DA COMPOSIÇÃO Página 03 SEÇÃO II DA COMPETÊNCIA Página 04 SEÇÃO III

Leia mais

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 001/2016 MTR /03/2016 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES/SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 001/2016 MTR /03/2016 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES/SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 001/2016 MTR-00-00 51 18/03/2016 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES/SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS A S S U N T O Assunto : Aprova Alteração do Regimento Interno do

Leia mais

Campus de Ilha Solteira

Campus de Ilha Solteira Regulamentação do processo para eleição de Supervisor e de Vice-Supervisor da Fazenda de Ensino, Pesquisa e Extensão (FEPE) da Faculdade de Engenharia do Câmpus de Ilha Solteira UNESP, para o mandato de

Leia mais

PORTARIA IME n.º 502 de 12 de março de 1997

PORTARIA IME n.º 502 de 12 de março de 1997 PORTARIA IME n.º 502 de 12 de março de 1997 Dispõe sobre as normas que regem as eleições de representantes dos servidores não docentes e respectivos suplentes junto aos colegiados do Instituto de Matemática

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO PARA FORMAÇÃO DE PSICÓLOGO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO PARA FORMAÇÃO DE PSICÓLOGO REGULAMENTO DE ESTÁGIO PARA FORMAÇÃO DE PSICÓLOGO CAPÍTULO I DA CONCEITUAÇÃO Artigo 1.º - O estágio curricular supervisionado é uma atividade de ensino, de natureza teórico-prática obrigatória, básica

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 147-CONSELHO SUPERIOR, de 18 de fevereiro de 2014.

RESOLUÇÃO Nº 147-CONSELHO SUPERIOR, de 18 de fevereiro de 2014. RESOLUÇÃO Nº 147-CONSELHO SUPERIOR, de 18 de fevereiro de 2014. APROVA O REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRR. O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º Este Regimento Interno do Conselho Fiscal da RECKITTPREV ( Regimento )

Leia mais

REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSO

REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSO REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSO MANTIDA PELA INSTITUIÇÃO PAULISTA DE ENSINO E CULTURA - IPEC TUPÃ SP 2016 LICENCIATURA EM PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ELEIÇÃO SEÇÃO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO POLÍTICO NACIONAL DO PARTIDO ECOLÓGICO NACIONAL PEN51.

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO POLÍTICO NACIONAL DO PARTIDO ECOLÓGICO NACIONAL PEN51. REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO POLÍTICO NACIONAL DO PARTIDO ECOLÓGICO NACIONAL PEN51. Aprovado em reunião ordinária realizada em Brasília no dia 30 de outubro de 2013. PREÂMBULO O Conselho Político Nacional

Leia mais

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO DO IFRS CAMPUS ERECHIM

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO DO IFRS CAMPUS ERECHIM SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Erechim REGULAMENTO DOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI TEÓFILO OTONI MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI TEÓFILO OTONI MINAS GERAIS REGIMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO INSTITUTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MUCURI - ICTM DA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI - UFVJM

Leia mais

Regulamento do processo para escolha do Diretor e Vice-Diretor da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UNESP Campus de Presidente Prudente.

Regulamento do processo para escolha do Diretor e Vice-Diretor da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UNESP Campus de Presidente Prudente. FCT/STA/ANH-raes Regulamento do processo para escolha do Diretor e Vice-Diretor da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UNESP Campus de Presidente Prudente. A Congregação da Faculdade de Ciências e Tecnologia

Leia mais

R E S O L V E PORTARIA N 023/2005/FEST

R E S O L V E PORTARIA N 023/2005/FEST PORTARIA N 023/2005/FEST DISCIPLINA A COMPOSIÇÃO, O FUNCIONAMENTO E AS ATRIBUIÇÕES DO CONSELHO SUPERIOR CONSUP - DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SANTA TEREZINHA. A DIRETORA GERAL da Faculdade de Educação Santa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 085/2010-COU, DE 9 DE JULHO DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº 085/2010-COU, DE 9 DE JULHO DE 2010. RESOLUÇÃO Nº 085/2010-COU, DE 9 DE JULHO DE 2010. Aprova a criação e o Regulamento do Núcleo de Formação Docente e Prática de Ensino (Nufope), da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA EPPEN UNIFESP/CAMPUS OSASCO

CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA EPPEN UNIFESP/CAMPUS OSASCO CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA EPPEN UNIFESP/CAMPUS OSASCO REGIMENTO INTERNO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º A Câmara de Pós-Graduação e Pesquisa (CmPOS) da Escola Paulista de Política, Economia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO NORMAS PARA ELEIÇÃO DE REPRESENTANTES DO CORPO DOCENTE PARA O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO NORMAS PARA ELEIÇÃO DE REPRESENTANTES DO CORPO DOCENTE PARA O CONSELHO UNIVERSITÁRIO NORMAS PARA ELEIÇÃO DE REPRESENTANTES DO CORPO DOCENTE PARA O TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Será realizada eleição para escolha de representantes do Corpo Docente para o Conselho Universitário

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 34, de 22 de novembro de 2006.

RESOLUÇÃO Nº. 34, de 22 de novembro de 2006. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO Nº. 34, de 22 de novembro de 2006. O CONSELHO DIRETOR DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

REGIMENTO DA CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS, QUÍMICAS E FARMACÊUTICAS, UNIFESP, CAMPUS DIADEMA.

REGIMENTO DA CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS, QUÍMICAS E FARMACÊUTICAS, UNIFESP, CAMPUS DIADEMA. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS, QUÍMICAS E FARMACÊUTICAS CAMPUS DIADEMA REGIMENTO DA CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS, QUÍMICAS

Leia mais

ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DOS CONSELHEIROS DO CAU/PR

ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DOS CONSELHEIROS DO CAU/PR ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DOS CONSELHEIROS DO CAU/PR O Regimento Interno do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná, em seu Capítulo III, nas Seções I, II e III, estabelece as atribuições e competências

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL 2016 IAB RS

REGULAMENTO ELEITORAL 2016 IAB RS A Comissão Eleitoral constituída nos termos do Art. 80 do Estatuto do IAB RS, vem, através deste Regulamento Eleitoral Eleições 2016, editado nos termos do parágrafo único do Artigo 80 do Estatuto do IAB

Leia mais

FACULDADE MACHADO DE ASSIS PORTARIA N 1.190, DE 16 DE OUTUBRO DE 1998

FACULDADE MACHADO DE ASSIS PORTARIA N 1.190, DE 16 DE OUTUBRO DE 1998 FACULDADE MACHADO DE ASSIS PORTARIA N 1.190, DE 16 DE OUTUBRO DE 1998 REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE MACHADO DE ASSIS SEÇÃO I Do Conceito do Colegiado de Curso Art. 1º

Leia mais

MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ. Criada pela Lei nº , de 24 de abril de 2002

MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ. Criada pela Lei nº , de 24 de abril de 2002 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ REGIMENTO DO CONSELHO CURADOR PREÂMBULO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA DE DIAMANTINA (FAMED) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI UFVJM

REGIMENTO INTERNO DA CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA DE DIAMANTINA (FAMED) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI UFVJM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA REGIMENTO INTERNO DA CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA DE

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA MULHER DE RIO DO SUL ENDEREÇO: RUA VERDE VALE,77 BAIRRO CANTA GALO, CRIADO PELA LEI MUNICIPAL Nº 3.

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA MULHER DE RIO DO SUL ENDEREÇO: RUA VERDE VALE,77 BAIRRO CANTA GALO, CRIADO PELA LEI MUNICIPAL Nº 3. CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA MULHER DE RIO DO SUL ENDEREÇO: RUA VERDE VALE,77 BAIRRO CANTA GALO, CRIADO PELA LEI MUNICIPAL Nº 3.949/2003 FONE/ FAX: 3525-4084 CEP: 89.163-077 RIO DO SUL SC. Edital

Leia mais

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS REGIMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA CAPÍTULO I Das Atribuições

Leia mais

Parágrafo único Somente em caráter excepcional o Reitor poderá conceder afastamentos

Parágrafo único Somente em caráter excepcional o Reitor poderá conceder afastamentos RESOLUÇÃO UNESP Nº 19, DE 07 DE MARÇO DE 1997. Estabelece normas sobre afastamento de docentes e pesquisadores da UNESP. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FI- LHO, no uso de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA UTFPR

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA UTFPR REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA UTF CAPÍTULO I DA AESENTAÇÃO Art. 1º O presente Regimento disciplina a organização, as competências e o funcionamento do Comitê Gestor

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO SICOOB JUDICIÁRIO

REGULAMENTO ELEITORAL DO SICOOB JUDICIÁRIO REGULAMENTO ELEITORAL DO SICOOB JUDICIÁRIO Art. 1º - Este Regulamento disciplina os procedimentos que regem as eleições previstas no artigo 69 do Estatuto Social da COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE RESOLUÇÃO Nº 07, DE 16 DE JULHO DE 2013 R E S O L U Ç Ã O:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE RESOLUÇÃO Nº 07, DE 16 DE JULHO DE 2013 R E S O L U Ç Ã O: UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE RESOLUÇÃO Nº 07, DE 16 DE JULHO DE 2013 Estabelece normas e procedimentos para a composição das listas tríplices destinadas à escolha do Diretor

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAI/DR-BA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO ELEITORAL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAI/DR-BA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO ELEITORAL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAI/DR-BA Estabelece diretrizes e regras para os processos eleitorais dos órgãos colegiados e representações em comissões do Centro Universitário SENAI -

Leia mais

PORTARIA GR Nº 628/2010, de 26 de julho de 2010.

PORTARIA GR Nº 628/2010, de 26 de julho de 2010. PORTARIA GR Nº 628/2010, de 26 de julho de 2010. Dispõe sobre o Regimento para a Comissão Interna de Biossegurança da UFSCar O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 029/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 029/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 029/2004-COU/UNICENTRO OBS: ESTA RESOLUÇÃO ESTÁ REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 024/2006-COU/UNICENTRO. Aprova o Regulamento da eleição para Diretor de Centro de Conhecimento da UNICENTRO. O REITOR

Leia mais

REGULAMENTO DAS ELEIÇÕES PARA O COLEGIADO DO DEPARTAMENTO DE ÁREAS ACADÊMICAS E CONSELHO DEPARTAMENTAL CAPÍTULO I DA FINALIDADE

REGULAMENTO DAS ELEIÇÕES PARA O COLEGIADO DO DEPARTAMENTO DE ÁREAS ACADÊMICAS E CONSELHO DEPARTAMENTAL CAPÍTULO I DA FINALIDADE REGULAMENTO DAS ELEIÇÕES PARA O COLEGIADO DO DEPARTAMENTO DE ÁREAS ACADÊMICAS E CONSELHO DEPARTAMENTAL A comissão eleitoral designada pela Chefia de Departamento do Instituto Federal de Goiás, campus Água

Leia mais

PORTARIA Nº 063, DE 30 DE MAIO DE 2012

PORTARIA Nº 063, DE 30 DE MAIO DE 2012 1 PORTARIA Nº 063, DE 30 DE MAIO DE 2012 ESTABELECE NORMAS PARA A ELEIÇÃO DE DIRETOR E VICE-DIRETOR DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP - CAMPUS DE MARÍLIA HERALDO LORENA GUIDA, Vice-Diretor

Leia mais

Mantenedora: Associação Educacional e Tecnológica de Santa Catarina REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE.

Mantenedora: Associação Educacional e Tecnológica de Santa Catarina REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE. REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE. 1 SUMARIO REGULAMENTO DA FORMA DE COMPOSIÇÃO DO COLEGIADO DA FTA 3 CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO... 3 CAPÍTULO

Leia mais

Regulamento Específico do Curso de Especialização em Planejamento Tributário

Regulamento Específico do Curso de Especialização em Planejamento Tributário MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Planejamento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA DU PONT DO BRASIL

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA DU PONT DO BRASIL REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA DU PONT DO BRASIL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regimento sistematiza a composição, a competência e o funcionamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO DECISÃO Nº 88/96 D E C I D E TÍTULO I DO CONSELHO TÍTULO II DO FUNCIONAMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO DECISÃO Nº 88/96 D E C I D E TÍTULO I DO CONSELHO TÍTULO II DO FUNCIONAMENTO DECISÃO Nº 88/96 O, em sessão de 18.10.96, D E C I D E aprovar o seu Regimento Interno, como segue: TÍTULO I DO CONSELHO Art.1º- O Conselho Universitário - CONSUN - é o órgão máximo de função normativa,

Leia mais

PROPOSTA DE MODELO DE REGULAMENTO PADRONIZADO

PROPOSTA DE MODELO DE REGULAMENTO PADRONIZADO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA PROPOSTA DE MODELO DE REGULAMENTO PADRONIZADO Resolução UNESP nº 32 de 24/05/2013 Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Medicina

Leia mais

Ministério da Saúde AGENCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 115, DE 3 DE NOVEMBRO DE 2005

Ministério da Saúde AGENCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 115, DE 3 DE NOVEMBRO DE 2005 Ministério da Saúde AGENCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 115, DE 3 DE NOVEMBRO DE 2005 Aprova o Regimento Interno da Câmara de Saúde Suplementar CSS. A Diretoria Colegiada

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL ELEIÇÕES DO CONSELHO DIRETOR E DO CONSELHO FISCAL GESTÃO 2018/2019

REGULAMENTO ELEITORAL ELEIÇÕES DO CONSELHO DIRETOR E DO CONSELHO FISCAL GESTÃO 2018/2019 REGULAMENTO ELEITORAL ELEIÇÕES DO CONSELHO DIRETOR E DO CONSELHO FISCAL GESTÃO 2018/2019 I Da eleição Artigo 1º. A eleição do Conselho Diretor e do Conselho Fiscal da Associação Nacional de Transportes

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO - USP Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais, aprovado na 363ª

Leia mais

Normas de funcionamento da Comissão Própria de Avaliação CPA/UCB

Normas de funcionamento da Comissão Própria de Avaliação CPA/UCB Resolução Consun nº 15/2010 de 25/06/2010 Normas de funcionamento da Comissão Própria de Avaliação CPA/UCB Brasília, 25 junho de 2010 1 2 Normas de funcionamento da Comissão Própria de Avaliação CPA/UCB

Leia mais

REGULAMENTO DE COLEGIADO DE CURSO FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR. Página 1 de 8

REGULAMENTO DE COLEGIADO DE CURSO FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR. Página 1 de 8 REGULAMENTO DE COLEGIADO DE CURSO FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR Página 1 de 8 2016 Sumário CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DAS FINALIDADES... 3 CAPÍTULO II... 3 DA CONSTITUIÇÃO E DAS ATRIBUIÇÕES... 3

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA PREVI NOVARTIS - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA PREVI NOVARTIS - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA PREVI NOVARTIS - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA CAPÍTULO DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º Este Regimento Interno da Diretoria Executiva da PREVI NOVARTIS ( Regimento

Leia mais

PORTARIA D.FCF/CAr. 15/2016

PORTARIA D.FCF/CAr. 15/2016 PORTARIA D.FCF/CAr. 15/2016 Dispõe sobre o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC do Curso de Farmácia- Bioquímica da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Unesp do Câmpus de Araraquara.

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO SOBRAL - CE

REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO SOBRAL - CE CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO SOBRAL - CE REGULAMENTO DE COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE LUCIANO FEIJÃO Art. 1.º O Colegiado de Curso é o órgão que tem por finalidade

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO

REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO Art. 1 o O Colegiado do Curso de Engenharia Química, doravante denominado Colegiado, é um

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ASSUNTOS DISCIPLINARES

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ASSUNTOS DISCIPLINARES REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ASSUNTOS DISCIPLINARES Partido dos Trabalhadores 1 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ASSUNTOS DISCIPLINARES (CAD). Art. 1º - O Conselho de Assuntos Disciplinares (CAD) é

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE REGIMENTO DO CONSELHO CURADOR APROVADO PELA RESOLUÇÃO Nº 1/2009-CC, DE 06/11/2009

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE REGIMENTO DO CONSELHO CURADOR APROVADO PELA RESOLUÇÃO Nº 1/2009-CC, DE 06/11/2009 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE REGIMENTO DO CONSELHO CURADOR APROVADO PELA RESOLUÇÃO Nº 1/2009-CC, DE 06/11/2009 CAPÍTULO I DA FINALIDADE, CONSTITUIÇÃO E COMPETÊNCIA Art. 1º O Conselho

Leia mais

I DA ELEIÇÃO II DOS CANDIDATOS

I DA ELEIÇÃO II DOS CANDIDATOS REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS DE DIRETOR (A), CHEFES DO CTIC, SERVIÇOS E LABORATÓRIOS E PARA REPRESENTANTE DOS SERVIDORES DO INSTITUTO DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EM SAÚDE

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 3745, DE 28 DE SETEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO N 3745, DE 28 DE SETEMBRO DE 2011 ~ RESOLUÇÃO N 3745, DE 28 DE SETEMBRO DE 2011 Dispõe sobre as normas para eleição de representantes do Corpo Docente, TécnicoAdministrativo e Discente junto aos Conselhos Superiores desta Universidade.

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL PARA ESCOLHA DOS MEMBROS DO CONSELHO DIRETOR DO IFPB - CAMPUS GUARABIRA TÍTULO I DO PROCESSO ELEITORAL

REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL PARA ESCOLHA DOS MEMBROS DO CONSELHO DIRETOR DO IFPB - CAMPUS GUARABIRA TÍTULO I DO PROCESSO ELEITORAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA - CAMPUS GUARABIRA COMISSÃO ELEITORAL REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO. RESOLUÇÃO nº 03/2016

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO. RESOLUÇÃO nº 03/2016 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO nº 03/2016 Aprova o Regimento Interno do Conselho Acadêmico de Pesquisa

Leia mais

Regimento do Conselho Pedagógico da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. Capítulo I (Disposições Gerais) Artigo 1.

Regimento do Conselho Pedagógico da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. Capítulo I (Disposições Gerais) Artigo 1. Regimento do Conselho Pedagógico da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa Capítulo I (Disposições Gerais) Artigo 1.º (Natureza) O Conselho Pedagógico é o órgão de gestão pedagógica da Faculdade,

Leia mais

PORTARIA D.FCF/CAr. 12/2015

PORTARIA D.FCF/CAr. 12/2015 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC PORTARIA D.FCF/CAr. 12/2015 Dispõe sobre o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC do Curso de Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia da Faculdade de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES. CAPÍTULO I Da caracterização do Estágio

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES. CAPÍTULO I Da caracterização do Estágio REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES CAPÍTULO I Da caracterização do Estágio Artigo 1 - O Estágio caracteriza-se pelo desenvolvimento de atividades de pesquisa,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º Este Regimento Interno da Diretoria Executiva da RECKITTPREV ( Regimento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ODONTOLOGIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROPOSTA RESOLUÇÃO Nº. 01/2017, DO CONSELHO DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA - Estabelece normas e procedimentos para escolha de Diretor(a) (quadriênio 2017 a 2021), Coordenador(a) de Graduação (biênio 2017

Leia mais

SEGUNDO CONTEÚDO ESTABELECIDO EM ASSEMBLÉIA NO DIA 03 DE OUTUBRO DE 2001.

SEGUNDO CONTEÚDO ESTABELECIDO EM ASSEMBLÉIA NO DIA 03 DE OUTUBRO DE 2001. ESTATUTO DO CENTRO ACADMICO DE FILOSOFIA CAFIL/ UERJ SEGUNDO CONTEÚDO ESTABELECIDO EM ASSEMBLÉIA NO DIA 03 DE OUTUBRO DE 2001. CAPTULO I Das Comissões: Art.1 - O Centro Acadêmico de Filosofia CAFIL/ UERJ

Leia mais

Do Conceito. Da Criação

Do Conceito. Da Criação REGIMENTO DAS FAZENDAS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (FEPE) DA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS DA UNESP, CAMPUS DE BOTUCATU, ELABORADO DE ACORDO COM A RESOLUÇÃO UNESP-59, DE 14-11-2008 Do Conceito Artigo

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFPE RECIFE, 2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

EDITAL IFRS Campus Alvorada Nº 008/2017

EDITAL IFRS Campus Alvorada Nº 008/2017 EDITAL IFRS Nº 008/2017 Eleição de representantes docentes, discentes e técnico-administrativos para o Conselho Superior do IFRS CONSUP O Diretor-Geral Pro Tempore do do Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Vitória da Conquista, Sala de Reuniões do CONSU, 14 de agosto de 2013.

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Vitória da Conquista, Sala de Reuniões do CONSU, 14 de agosto de 2013. Salvador, Bahia Quarta-feira 4 de Setembro de 2013 Ano XCVII N o 21.227 RES. RESOLUÇÃO CONSU N.º 07/2013 O Conselho Universitário - CONSU da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, no uso de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (COREME-FMUSP)

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (COREME-FMUSP) REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (COREME-FMUSP) TÍTULO I - DA CATEGORIA, FINALIDADE E COMPETÊNCIA DA COMISSÃO E RESIDÊNCIA MÉDICA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO PORTARIA IGCE/DTA nº 138/2015, de 11 de novembro de 2015. Dispõe sobre o Regulamento da Congregação do Instituto de Geociências e Ciências Exatas. O Diretor do Instituto de Geociências e Ciências Exatas

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO INTERNA DE SUPERVISÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINITRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UTFPR

REGULAMENTO DA COMISSÃO INTERNA DE SUPERVISÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINITRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UTFPR REGULAMENTO DA COMISSÃO INTERNA DE SUPERVISÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINITRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UTFPR 2006 1 CAPITULO I DA FINALIDADE Art. 1º - O presente Regulamento visa disciplinar

Leia mais

REGIMENTO DAS COMISSÕES LOCAIS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO CAMPUS URUGUAIANA

REGIMENTO DAS COMISSÕES LOCAIS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO CAMPUS URUGUAIANA REGIMENTO DAS COMISSÕES LOCAIS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO CAMPUS URUGUAIANA O CONSELHO DO CAMPUS URUGUAIANA da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 27 de Junho de 2016, no uso das atribuições

Leia mais

LUÍS EDUARDO BOVOLATO Vice-reitor, no exercício da Reitoria

LUÍS EDUARDO BOVOLATO Vice-reitor, no exercício da Reitoria UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CONSELHO UNIVERSITÁRIO - CONSUNI Secretaria dos Órgãos Colegiados Superiores (Socs) Bloco IV, Segundo Andar, Câmpus de Palmas (63) 3232-8067 (63) 3232-8238 socs@uft.edu.br

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 123/ CONSU/UEAP

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 123/ CONSU/UEAP UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 123/2016 - CONSU/UEAP Dispõe sobre o Regimento do Comitê das Atividades de Extensão da Universidade do Estado do Amapá O Presidente

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Pesquisa (CoPq), órgão colegiado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 3/2015, DO CONSELHO DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

RESOLUÇÃO Nº. 3/2015, DO CONSELHO DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO Nº. 3/2015, DO CONSELHO DA - Estabelece normas e procedimentos para escolha do Colegiado do Programa de Pós-graduação, da Faculdade de Odontologia, da - Universidade Federal de Uberlândia (biênio

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DO INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DO INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DO INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA SUMÁRIO Capítulo I Objeto do Regimento Interno... 3 Capítulo II Missão da Diretoria... 3 Capítulo III Competência... 3 Capítulo

Leia mais

Regimento do Conselho de Gestão. Escola de Ciências

Regimento do Conselho de Gestão. Escola de Ciências Escola de Ciências Regimento do Conselho de Gestão da Escola de Ciências Abril 2010 ÍNDICE Artigo 1º Objecto... 3 Artigo 2º Competências... 3 Artigo 3º Composição e substituições... 3 Artigo 4º Presidente

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO E NORMAS

EDITAL DE CONVOCAÇÃO E NORMAS EDITAL DE CONVOCAÇÃO E NORMAS ELEIÇÃO DE REPRESENTANTES DOCENTES E DOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS PARA COMPOSIÇÃO DO COLEGIADO DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS (CDP) E RECOMPOSIÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR (CONSUP),

Leia mais