O PAPEL DOS ADVOGADOS PÚBLICOS NO COMBATE À CORRUPÇÃO: LEGITIMIDADE E INSTRUMENTOS DE ATUAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PAPEL DOS ADVOGADOS PÚBLICOS NO COMBATE À CORRUPÇÃO: LEGITIMIDADE E INSTRUMENTOS DE ATUAÇÃO"

Transcrição

1 O PAPEL DOS ADVOGADOS PÚBLICOS NO COMBATE À CORRUPÇÃO: LEGITIMIDADE E INSTRUMENTOS DE ATUAÇÃO Rafael Santos de Barros e Silva

2 O PAPEL DOS ADVOGADOS PÚBLICOS NO COMBATE À CORRUPÇÃO: LEGITIMIDADE E INSTRUMENTOS DE ATUAÇÃO Trabalho produzido para ser apresentado no XXXIX Congresso Nacional dos Procuradores de Estado

3 Dedico aos colegas procuradores de Estado e do Distrito Federal.

4 SUMÁRIO 1. RESUMO 5 2. INTRODUÇÃO 6 3. DA LEGITIMIDADE DOS ADVOGADOS PÚBLICOS PARA ADOÇÃO DE MEDIDAS NO COMBATE À CORRUPÇÃO 7 4. ALGUNS MECANISMOS DE AUXÍLIO À ATUAÇÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS NA MISSÃO DE IDENTIFICAR E PUNIR OS AGENTES PÚBLICOS INFRATORES CONCLUSÕES REFERÊNCIAS 22

5 1. RESUMO O presente escrito tem por finalidade reafirmar a legitimidade do advogado públicos na defesa dos direitos difusos da sociedade, demonstrando a necessidade de uma paridade de armas entre os membros da Advocacia pública e do Ministério Público naquilo em que haja competência comum de atuação. Em um segundo momento, são elencados instrumentos que estão à disposição das procuradorias públicas para viabilizar o acesso de seus membros a bancos de dados geridos pelo governo federal, cujas informações são de grande valia para a instrução de processos, administrativos e judiciais, promovidos na defesa do patrimônio público.

6 6 2. INTRODUÇÃO O presente trabalho tem dois objetivos: (1) reafirmar a relevante atuação que as advocacias públicas podem exercer no combate à corrupção; (2) apresentar aos colegas procuradores públicos, principalmente os procuradores de Estado, sobre importantes instrumentos que estão à disposição das procuradorias para facilitar a identificação e punição de agentes públicos que tenham praticados ilícitos contra o patrimônio público. Dessa maneira, a primeira parte deste escrito busca informar ao leitor a respeito das funções desempenhadas pela advocacia pública, especificamente a respeito das competências que esta instituição desempenha na defesa dos interesses de toda a coletividade. Já o segundo ponto do trabalho objetiva informar aos advogados públicos a respeito de instrumentos que podem otimizar o exercício de suas atribuições na defesa do erário. O material para a produção do presente estudo foi obtido da experiência do autor como representante da Advocacia-Geral da União (em 2006) e, depois, da ANAPE (a partir de 2009) na Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro, fórum criado e gerido pelo Ministério da Justiça em 2005 e no qual os procuradores estaduais, através de sua associação nacional, possuem assento desde Dessa maneira, as informações aqui contidas passam longe de possuírem um caráter acadêmico ou doutrinário, buscam, muito mais, reforçar tão relevante função da advocacia pública, apontando a necessidade de haver igualdade de condições com outras instituições c0-legitimadas para a defesa do Patrimônio Público.

7 7 3. DA LEGITIMIDADE DOS ADVOGADOS PÚBLICOS PARA ADOÇÃO DE MEDIDAS NO COMBATE À CORRUPÇÃO Neste primeiro momento, para assinalar sobre qual ambiente estamos tratando, é importante registrar a base constitucional da advocacia pública que está nos arts. 131 e 132, da CF/88: CAPÍTULO IV DAS FUNÇÕES ESSENCIAIS À JUSTIÇA... Art A Advocacia-Geral da União é a instituição que, diretamente ou através de órgão vinculado, representa a União, judicial e extrajudicialmente, cabendo-lhe, nos termos da lei complementar que dispuser sobre sua organização e funcionamento, as atividades de consultoria e assessoramento jurídico do Poder Executivo. 1º - A Advocacia-Geral da União tem por chefe o Advogado-Geral da União, de livre nomeação pelo Presidente da República dentre cidadãos maiores de trinta e cinco anos, de notável saber jurídico e reputação ilibada. 2º - O ingresso nas classes iniciais das carreiras da instituição de que trata este artigo far-se-á mediante concurso público de provas e títulos. 3º - Na execução da dívida ativa de natureza tributária, a representação da União cabe à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, observado o disposto em lei. Art Os Procuradores dos Estados e do Distrito Federal, organizados em carreira, na qual o ingresso dependerá de concurso público de provas e títulos, com a participação da Ordem dos Advogados do Brasil em todas as suas fases, exercerão a representação judicial e a consultoria jurídica das respectivas unidades federadas. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) Parágrafo único. Aos procuradores referidos neste artigo é assegurada estabilidade após três anos de efetivo exercício, mediante avaliação de desempenho perante os órgãos próprios, após relatório circunstanciado das corregedorias. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) Assim, nos termos da Carta Magna, a existência de um corpo de advogados a serviço da União e dos Estados Federados é uma função essencial à administração da Justiça. A simples topografia da Advocacia Pública na CF/88 já evidencia que tal função não se exaure na representação judicial ou na consultoria jurídica de um

8 8 determinado ente político, mas transcende este aspecto para servir de função essencial a todo o Sistema de Justiça do país. Dessa maneira, a atuação dos advogados públicos não está restrita à defesa dos interesses do ente político que represente, vai mais além, conferindo-lhe legitimidade para promover medidas judiciais, bem como instaurar procedimentos administrativos nos quais o primeiro beneficiado é a sociedade, a população em geral. Assim, da mesma forma como ocorre com o Ministério Público, também compete à Advocacia Pública promover ações em defesa do meio ambiente, do direito à saúde, à educação, cultura, lazer e diversos outros direitos difusos. Nada obstante, a grande mídia geralmente identifique tais atuações como sendo exercidas pelos membros do Ministério Público, essas atribuições podem ser, e o são, igualmente integrantes da Advocacia Pública. Uma distinção que deve se anotada na atuação dos advogados públicos e dos membros do Ministério Público naquilo compreendido entres suas competências comuns, é a presença de uma legitimidade democrática muito mais acentuada na defesa dos interesses públicos quando essa tarefa é exercida pelos procuradores da Fazenda Pública. Com efeito, quando uma determinada procuradoria intenta medida judicial em defesa de um direito difuso, para a proteção do meio ambiente, por exemplo, está ela agindo em defesa de um plano de governo que foi escolhido pela população, através do voto direto no chefe do Poder Executivo. Esse caráter democrático da atuação dos advogados públicos em defesa de um plano de governo escolhido diretamente pelos cidadãos deve ser destacado na medida em que, até mesmo em decorrência da independência funcional quase que absoluta inerente aos membros do Ministério Público, muitas das vezes, a opinião do parquet pode não coincidir com a vontade da população ao eleger determinado plano de governo e neste ponto, deve-se registrar que, a opção por um ou outro plano de ação para realizar determinado objetivo é uma atividade plenamente política. Esse papel de defesa do patrimônio público por meio da atuação dos advogados públicos é amplamente reconhecido no âmbito do Poder Judiciário quando, inclusive, verifica-se o ajuizamento de ações civis públicas em conjunto com o Ministério Público e os entes políticos:

9 9 CONSTITUCIONAL. AMBIENTAL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. OCUPAÇÃO IRREGULAR DE CALÇADÃO E FAIXA DE PRAIA. DELIMITAÇÃO DA ÁREA E RESTRIÇÃO DE ACESSO AO PÚBLICO. CONSTRUÇÕES EM TOTAL DESCOMPASSO COM O PADRÃO DEFINIDO PELO PODER PÚBLICO MUNICIPAL, INCLUSIVE COM SUBSOLO E ATERRO SOBRE A FAIXA DE PRAIA. FLAGRANTE ILEGALIDADE NA OCUPAÇÃO DO BEM DE USO COMUM. 1. Hipótese de ação ajuizada pelo Ministério Público Federal, pela União e pelo Município de Fortaleza em face de permissionário de quiosque do calçadão da beira-mar, que estaria ocupando irregularmente parte do calçadão e da faixa de praia, promovendo, ali, construções irregulares. 2. Alegação de nulidade da sentença, haja vista o indeferimento de prova consistente no depoimento dos funcionários municipais que, num primeiro momento, teriam confirmado regularidade da obra em questão. Nulidade não configurada, ante o reconhecimento da irrelevância da declaração dos referidos, já que a questão de fato é técnica, qual seja: a (in)compatibilidade do empreendimento atual com o projeto de urbanização do calçadão de Fortaleza e a (des)caracterização do referido bem como de uso comum do povo. 3. Alegação de nulidade da sentença, em razão do indeferimento de prova consistente no depoimento de representante da SPU, que teria concedido permissão de ocupação de um outro empreendimento semelhante. Nulidade não configurada, ante à impertinência da prova. 4. Alegação de nulidade da sentença, por imprestabilidade do laudo pericial, que teria se resumido a responder afirmativa ou negativamente às questões propostas, deixando de apresentar suas razões. Questão preclusa, uma vez que resolvida em decisão interlocutória da qual não se interpôs agravo. 5. Alegação de nulidade da sentença, por imprestabilidade do laudo pericial,

10 10 que conteria algumas contradições. Nulidade que não se reconhece, haja vista configurar a hipótese em suposta baixa aptidão probatória da perícia, o que levaria a error in judicando. Prova pericial, ademais, complementada pelo perito, que esclareceu as aparentes contradições. 6. Conjunto probatório harmônico - fotografias, relatório de vistoria da SPU, Relatório Técnico do IBAMA e laudo pericial -, respaldando que a demandada: a) ocupa área no entorno do quiosque original, área esta delimitada fisicamente de modo que, a partir do calçadão, se faz acessível em um único ponto - pórtico/entrada - e b) transformou referida área em restaurante/casa de shows, mediante construções diversas, destacando-se playground, aterro sobre a faixa de praia e escritório em subsolo. 7. Conclusões reforçadas pelo laudo do perito contratado pela demandada que acaba por confessar que o que era pra ser um quiosque em um calçadão virou uma barraca de praia, com uma única entrada. 8. Apropriação privada do bem de uso comum do povo confessada pela propaganda da própria ré na internet, donde se ver que seu empreendimento se trata de uma casa de shows, acessível mediante a compra de ingressos. 9. Confirmação da sentença que determinou a demolição de todas as obras não previstas no projeto de urbanização da av. beira mar de Fortaleza, mantendose de pé unicamente o quiosque. 10. Apelação improvida. (AC , Desembargador Federal Fernando Braga, TRF5 - Segunda Turma, DJE - Data::25/07/ Página::274.) Essa co-legitimidade do Ministério Público e dos Entes Políticos para propor ações civis em defesa do patrimônio decorre da própria legislação que assim admite: Lei de Improbidade Administrativa (Lei 8.429/92): Art. 16. Havendo fundados indícios de responsabilidade, a comissão representará ao Ministério Público ou à procuradoria do órgão para que requeira ao juízo competente a decretação do

11 11 seqüestro dos bens do agente ou terceiro que tenha enriquecido ilicitamente ou causado dano ao patrimônio público. 1º O pedido de seqüestro será processado de acordo com o disposto nos arts. 822 e 825 do Código de Processo Civil. 2 Quando for o caso, o pedido incluirá a investigação, o exame e o bloqueio de bens, contas bancárias e aplicações financeiras mantidas pelo indiciado no exterior, nos termos da lei e dos tratados internacionais. Art. 17. A ação principal, que terá o rito ordinário, será proposta pelo Ministério Público ou pela pessoa jurídica interessada, dentro de trinta dias da efetivação da medida cautelar. 1º É vedada a transação, acordo ou conciliação nas ações de que trata o caput. 2º A Fazenda Pública, quando for o caso, promoverá as ações necessárias à complementação do ressarcimento do patrimônio público. Lei da Ação Civil Pública (Lei n.º 7.347/85): Art. 5 o Têm legitimidade para propor a ação principal e a ação cautelar: (Redação dada pela Lei nº , de 2007). I - o Ministério Público; (Redação dada pela Lei nº , de 2007). II - a Defensoria Pública; (Redação dada pela Lei nº , de 2007). III - a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; (Incluído pela Lei nº , de 2007). Dessa forma, o problema enfrentado pelos advogados públicos no exercício de tal mister constitucional não está na ausência de legitimidade, mas na desigualdade de armas, na falta de instrumentos materiais capazes de permitir a execução de um trabalho tão aparente e efetivo quanto o do Ministério Público. A desigualdade existente entre os instrumentos à disposição dos advogados públicos e aqueles utilizados pelos membros do Ministério Público, quando ambos atuam em demandas exatamente iguais para as quais são igualmente legitimados, é enorme. Quando se fala dessas desigualdades, não se quer, apenas, referir-se às questões estruturais e de pessoal dos órgãos (Ministério Público e Advocacia Pública) ou mesmo às disponibilidades financeiras e orçamentárias, que evidenciam a existência de um abismo entre ambos. Não é só isso. Ainda que tais pontos sejam fundamentais, existem questões que poderiam, e podem, ser solucionadas apenas por meio de uma determinada postura interpretativa ou de uma gestão pró-ativa por parte das advocacias

12 12 públicas na intenção de criar em suas estruturas unidades especializadas na defesa (próativa) do patrimônio público. Pensando em uma construção interpretativa que, por si só, poderia impulsionar a atuação da Advocacia Pública na defesa dos interesses da coletividade, temos a atuação nos procedimentos administrativos de investigação por desvios de verbas públicas. Para esses casos, o Supremo Tribunal Federal já afirmou que o Ministério Público pode requerer diretamente às instituições financeiras informações sobre contas bancárias, mesmo privadas, em que hajam sido depositados recursos públicos, hipótese em que o fornecimento das informações requeridas não configura violação ao dever de sigilo bancário 1. Apesar de essa questão ter voltado a se tornar polêmica no final do ano de 2010 quando o STF afirmou que as informações bancárias só poderiam ser acessadas por meio de decisão judicial 2, tal entendimento continua sendo aplicável, como se pode verificar em recente precedente do Tribunal Regional Federal da 5ª Região: PROCESSUAL CIVIL E CONSTITUCIONAL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. SIGILO BANCÁRIO. LEGITIMIDADE ATIVA. LIMITE TERRITORIAL DA COISA JULGADA. 1. Sentença que acolhe pretensão formulada em ação civil pública, para obrigar instituição financeira a fornecer ao Ministério Público Federal, quando requisitados, "os dados relativos a contas bancárias abertas como sendo de natureza privada, mas que tenham creditamento de recursos públicos por meio de convênio, sob pena de ser arbitrada multa diária no valor de R$ 5.000,00". 2. Apelação alegando: a) inadequação da via processual; b) formulação de pedido nocivo ao patrimônio público; c) perda de interesse processual superveniente; d) dever de sigilo com relação a contas bancárias particulares; e) descabimento da astreinte e irrazoabilidade do valor para ela arbitrado; e f) restrição da coisa julgada à Comarca de Mossoró. 3. Parecer da Procuradoria Regional Federal opinando pelo não provimento da apelação. 4. O Ministério Público tem legitimidade para propor ação civil pública em defesa do patrimônio público (Constituição Federal, art. 129, inciso III, Súmula nº 329 do STJ). 5. Como meio de desestimular o descumprimento do provimento jurisdicional eventualmente concedido, o pedido de astreinte constitui, longe de uma 1 MS , STF, Rel. p/ acórdão Min. Néri da Silveira, DJ 19/10/01 2 RE /PR, STF, Relator(a): Min. MARCO AURÉLIO, DJe

13 13 ameaça, uma garantia a mais ao patrimônio público cuja proteção se busca nesta ação. 6. O Ministério Público não precisa recorrer ao Judiciário para obter, das instituições financeiras, informações sobre contas bancárias, mesmo privadas, em que hajam sido depositados recursos públicos. Hipótese em fornecimento das informações requeridas não configura violação ao dever de sigilo bancário. Precedente do STF (MS nº , Pleno, Rel. p/ acórdão Min. Néri da Silveira, DJ 19/10/01, p. 33). 7. A "aplicação das astreintes deve nortear-se pelos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade", de modo que sua expressão monetária seja suficiente para "desestimular a inércia injustificada do sujeito passivo em cumprir a determinação do juízo, mas sem se converter em fonte de enriquecimento do autor/exeqüente" (REsp nº /GO, STJ, Primeira Seção, Min. Humberto Martins, DJe 4/5/11, julgado representativo da controvérsia). Multa diária condizente com as peculiaridades do caso. 8. "A sentença na ação civil pública faz coisa julgada erga omnes nos limites da competência territorial do órgão prolator, nos termos do art. 16 da Lei n /85, com a novel redação dada pela Lei 9.494/97 (AgRg nos EREsp nº /SP, Corte Especial, Min. Luiz Fux, DJe 1º/7/08). 9. Apelação provida, em parte, para restringir os efeitos do provimento jurisdicional ao território da Subseção Judiciária de Mossoró. (AC , Desembargador Federal Manoel Erhardt, TRF5 - Primeira Turma, DJE - Data::17/01/ Página::31.) g.n. Ora, se não há dever de sigilo oponível ao Ministério Público quando se tratam de recursos públicos depositados em conta bancária privada, por que existira este para a própria Fazenda Pública proprietária de tais recursos? Se o membro do Ministério Público pode ter acesso direto aos dados de contas bancárias na investigação de desvio de verbas públicas, igualmente o advogado público do Ente Político lesado deve ter essa prerrogativa. Necessária uma isonomia entre funções que possuem mesma competência para a matéria. Se a verba é pública, não deve haver sigilo para o representante do Poder Público. Deve-se aplicar o princípio da Paridade de Armas, tão consagrado na jurisprudência do Supremo Tribunal Federal quando se busca igualar os direitos da acusação e defesa 3, também para o caso em que se está diante de co-legitimados, na 3 RMS 21884, STF, Relator(a): Min. MARCO AURÉLIO, DJ

14 14 medida em que, se ambos podem propor determinada medida judicial na defesa do Patrimônio Público, devem, igualmente, poder utilizar os mesmos instrumentos. Essa igualdade de poderes deve ser buscada por meio de uma legislação que fortaleça as funções da Advocacia Pública, mas, também, pela inovação de posturas por parte dos procuradores e, principalmente, com a iniciativa dos gestores em criar ambientes organizacionais próprios para o desempenho dessas atividades. No próximo ponto, explanar-se-á sobre alguns instrumentos que podem ser de grande valia ao desempenho dessas funções da Advocacia Pública.

15 15 4. ALGUNS MECANISMOS DE AUXÍLIO À ATUAÇÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS NA MISSÃO DE IDENTIFICAR E PUNIR OS AGENTES PÚBLICOS INFRATORES As considerações elencadas neste capítulo decorrem da experiência e dos conhecimentos obtidos pelo autor quando exerceu o cargo de Advogado da União no Departamento de Defesa do Patrimônio da União DDPU/PGU, no âmbito da Procuradoria-Geral da União, bem como de sua atuação como representante da AGU e depois da ANAPE na Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro ENCCLA. A ENCCLA é um fórum idealizado e gerido pelo Ministério da Justiça e conta com a participação de diversos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, bem como entidades de classe, dentre essas a ANAPE. 4 A ENCCLA tem por objetivo estabelecer e executar ações que objetivem aprimorar o combate à corrupção e à lavagem de dinheiro no Brasil. A primeira questão que deve ser colocada em destaque ao se pensar numa atuação pró-ativa na defesa do patrimônio público por parte das Procuradorias da Fazenda é a existência de uma estrutura destacada para a realização deste trabalho. Não parece adequado que aquele advogado responsável pelas ações que envolvem servidores públicos, execuções fiscais, fornecimento de medicamentos e todas as inúmeras demandas na quais a Fazenda Pública ordinariamente já se depara, tenha, também, que atuar, concomitantemente, em ações civis públicas, ações de improbidade e de ressarcimento ao erário nas quais o Ente Político seja autor, demandas essas que, por vezes, exigem um trabalho extrajudicial muito intenso e que demanda muito tempo. Daí, o ideal é que haja a criação de unidades próprias para lotação de advogados públicos que atuem exclusivamente nestas demandas. Assim ocorreu no ano de 2005 no âmbito da Procuradoria-Geral da União onde foi criado o Departamento de Defesa do Patrimônio da União DDPU/PGU no qual o autor teve oportunidade de ser membro integrante da primeira composição. 4 Mais informações buscar em:

16 16 Após a criação deste departamento central no âmbito da PGU, a consequência foi a replicação deste modelo em quase todas as suas unidades espalhadas no Brasil. Importante destacar que essa estrutura pró-ativa não deve se confundir com os núcleos especializados em execuções fiscais, uma vez que o trabalho judicial envolvido é bastante diverso. O segundo ponto que se pretende explanar neste capítulo refere-se a alguns instrumentos que muitas das vezes são desconhecidos dos procuradores públicos, principalmente dos que atuam em âmbito estadual, e que servem para otimizar a instrução de processos, administrativos e judiciais, de defesa do patrimônio da União. Trata-se de bancos de dados geridos por órgãos do governo federal e que podem ser facilmente acessados pelos advogados públicos mediante celebração de convênios com as respectivas procuradorias. Os instrumentos abaixo listados podem ser úteis não apenas para essas ações na quais se busca uma atuação pró-ativa da Procuradoria, mas, também, nas ações mais comuns em que sua busca a cobrança de um crédito devido à Fazenda Pública ou simplesmente localizar o endereço de uma parte no processo. Na sequência, então, são listados os bancos de dados disponíveis, bem como algumas considerações sobre cada um deles e indicação de como iniciar o procedimento para que haja a concessão de acesso a tais informações para as procuradorias. a) Cadastro Nacional de Empresas - CNE Trata-se de cadastro desenvolvido pelo Ministério do Desenvolvimento e Comércio Exterior MDIC e conforme definição do próprio Ministério, o CNE 5 : É um instrumento do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC, criado pela Lei nº 4.726/65 e mantido pela Lei nº 8.934/94, tendo por órgão gestor o Departamento Nacional de Registro do Comércio - DNRC. Incorpora dados dos atos arquivados de empresas registradas nas 27 Juntas Comerciais do País 5

17 17 O DNRC, observando as suas atribuições legais, adotou como estratégia para a constituição e atualização do Cadastro Nacional de Empresas - CNE, a informatização das Juntas Comerciais, com a formação dos Cadastros Estaduais de Empresas. A confiabilidade no CNE depende da qualidade dos dados existentes nos Cadastros de Empresas existentes nas Juntas Comerciais que constituem a base de atendimento das necessidades operacionais das Juntas Comerciais, e que são originários dos documentos das empresas arquivados nas Juntas. São diretrizes para a formação do CNE: Consolidar em uma base integrada todas as informações relevantes e necessárias existentes nas bases de dados das Juntas Comerciais. Revisar a consistência das informações existentes na base de dados do CNE promovendo ações conjuntas entre a Coordenação-Geral de Modernização e Informática - CGMI, o Departamento Nacional de Registro do Comércio - DNRC e as Juntas Comerciais para a obtenção da necessária qualidade da informação no Cadastro. Elaborar uma sistemática de acesso e de perfis de acesso mediante senhas. Atender inicialmente as necessidades operacionais do Departamento Nacional de Registro do Comércio, das Juntas Comerciais e dos órgãos públicos de fiscalização e controle. Pelas informações contidas no CNE já se pode verificar a enorme utilidade que essa ferramenta on line pode proporcionar aos procuradores de Estado na busca de endereços, informações sobre participações societárias e bens de devedores do erário. As Procuradorias de Estado podem realizar convênio com o MDIC para ter acesso ao cadastro, para isso basta seguir as orientações constantes do site 6 b) Sistema INFOSEG O Sistema INFOSEG possibilita o acesso da Procuradoria a dados pessoais sobre cidadãos em relação aos quais se esteja buscando endereços atualizados, bens passíveis de contrição, bem como informações sobre vida pregressa. 6 Para outros esclarecimentos e para iniciar as tratativas de celebração do convênio, pode ser feito da Procuradoria interessada com o DNRC/BRASÍLIA SAUS Quadra 02 - lote 1/A Bairro: Asa Sul Brasília - DF CEP: Telefone: PABX(61)

18 18 Tais informações são de grande valia para instruir ações nas quais o órgão de representação judicial esteja executando créditos ou, ainda, nas ações de ressarcimento, ações civis públicas ou de improbidade ajuizadas para defender o patrimônio público estadual. O INFOSEG é gerido pelo Ministério da Justiça e para iniciar os trâmites para a celebração de um convênio para acesso, a Procuradoria Estadual deve encaminhar um ofício ao Coordenador Nacional da Rede INFOSEG justificando as razões pelas quais o acesso é necessário. 7 Simultaneamente ao encaminhamento do ofício, o setor responsável da procuradoria pode acessar o site no link formulário de acesso e já preencher os dados do usuário perfil de Coordenador Administrativo Titular - que será o Administrador no âmbito da Procuradoria (indicar um servidor de cargo efetivo) e enviar eletronicamente o formulário preenchido. c) CNIS Cadastro Nacional de Informações Sociais O CNIS possui dados individualizados sobre contribuintes/segurados da previdência social e que podem ser muito úteis ao trabalho desenvolvido pelas procuradorias estaduais na recuperação de créditos da Fazenda Pública. Trata-se de uma base de dados nacional que contém informações cadastrais de trabalhadores empregados e contribuintes individuais, empregadores, vínculos empregatícios e remunerações. O ofício solicitando acesso ao CNIS deve ser endereçado ao Sr. Secretário Executivo do Ministério da Previdência. 8 d) Sistema Argus O Sistema Argus foi apresentado aos órgãos componentes da ENCCLA na reunião plenária ocorrida em novembro de 2012, na Paraíba. Trata-se de uma 7 Esplanada dos Ministérios, Ministério da Justiça, Edifício Anexo II, Térreo, INFOSEG, CEP Brasília/DF. Fone: (61) Esplanada dos Ministérios, Bloco F Brasília, DF - CEP: Fone: (61) /5444 Fax: (61)

19 19 ferramenta desenvolvida pelo Ministério Público Militar para auxiliar na prevenção e na repressão da criminalidade organizada, tráfico de drogas e crimes de fronteira. Foi desenvolvido pelo Centro de Apoio à Investigação (Cpadsi) do MPM, e representa uma ferramenta de inteligência financeira e análise visual capaz de reunir, relacionar e analisar dados de quebras de sigilos bancários autorizadas pela Justiça 910. O sistema proporciona uma modernização dos procedimentos e instrumentos de investigações financeiras, promove a análise e o cruzamento dos dados tornando mais claras as informações de interesse aos peritos, esclarece. O Cpadsi constatou que os gráficos gerados pelo Argus reduzem em até 80% o tempo gasto na investigação de quebra de sigilo. A ferramenta tem capacidade de compilar todas as informações referentes à quebra numa única consulta e realizar o cruzamento contextualizando desses dados. O Argus é capaz de responder, instantaneamente, por meio de gráficos navegáveis, a questionamentos referentes a movimentação financeira tais como: Quais investigados transferiram diretamente dinheiro para as contas uns dos outros? Qual o montante das movimentações financeiras entre os investigados? Existe algum intermediador (laranja) que deveríamos solicitar também a quebra de sigilo?houve algum período de movimentação atípica? Esses são apenas exemplos das várias possibilidades de respostas que se pode obter com o sistema. O MPM já assinou termos de cooperação técnica com vários Ministérios Públicos e também com a Advocacia Geral da União, o que denota ser uma ferramenta igualmente útil à atuação dos advogados públicos quando atuam em ações promovidas na defesa do Patrimônio Público. O nome Argus é originário da mitologia grega. Argus ou Argos (Άργος) Panoptes aquele que tudo vê era um gigante com 100 olhos e um excelente vigia, pois jamais dormia plenamente. Quando 50 de seus olhos se fechavam, os outros 50 permaneciam abertos. 9 Disponível em: Acesso em: Ministério Público Militar - Procuradoria-Geral de Justiça Militar - Setor de Embaixadas Norte, lote 43, Brasília (DF), CEP Para informações sobre a celebração de convênio, contactar o Centro de Apoio à Investigação CPADSI (61)

20 20 e) Sistema CENSEC - Central Notarial de Serviços Eletrônicos Compartilhados É um sistema administrado pelo Colégio Notarial do Brasil - Conselho Federal - CNB-CF - cuja finalidade é gerenciar banco de dados com informações sobre existência de testamentos, procurações e escrituras públicas de qualquer natureza, inclusive separações, divórcios e inventários lavradas em todos os cartórios do Brasil 11. Em 08 de agosto de 2012 o Conselho Nacional de Justiça - CNJ firmou o Termo de Cooperação Técnica n.º 24/2012 objetivando viabilizar a consulta de dados sobre procurações e escrituras existentes nos bancos das centrais de informações do CNB e suas seccionais. As centrais de informações podem ser acessadas por órgãos públicos, autoridades e outras pessoas ou entidades indicadas pela Corregedoria Nacional de Justiça ou pela Presidência do CNJ 12. A celebração deste termo de cooperação entre o CNJ e o CNB teve por objetivo, também, efetivar uma ação traçada pela ENCCLA em 2011 para permitir o acesso dos órgãos integrantes às informações constantes dos cartórios extrajudiciais. Desnecessário explanar sobre a importância do acesso, on line, a testamentos, procurações e escrituras públicas de qualquer natureza registrados nos Cartórios em todo o Brasil, para a atuação dos procuradores públicos que lidam com a recuperação de ativos da Fazenda. 11 Disponível em: Acesso em: Para informações sobre como obter cadastramento para acesso ao CENSEC, contactar a Corregedoria Nacional de Justiça no CNJ.

21 21 5. CONCLUSÕES Antes de qualquer conteúdo doutrinário, a intenção da presente monografia consistiu em firmar uma posição em defesa da atuação dos advogados públicos na proteção dos interesses difusos da sociedade e a necessidade de que esses tenham as mesmas armas disponíveis para os co-legitimados no combate aos ilícitos praticados contra a Administração Pública. Ao explanar sobre os diversos bancos de dados que estão disponíveis para auxiliar na atuação dos procuradores estaduais, o objetivo é simplesmente informar aos colegas para que possam, no âmbito de suas instituições, adotar as providências necessárias à celebração dos respectivos convênios e comecem a utilizar essas valorosas as ferramentas que estão à nossa disposição. Por fim, a elaboração deste trabalho representa, também, uma prestação de contas do trabalho desenvolvido pelo autor como representante da ANAPE na ENCCLA nos últimos quatro anos.

22 22 6. REFERÊNCIAS Constituição Federal de 1988 Lei n.º 8.429/92 Lei n.º 7.347/85

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Dispõe sobre a criação do Conselho de Ética Pública e estabelece medidas de transparência e controle de atos de agentes políticos, dirigentes, empregados e servidores públicos.

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 2/2015

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 2/2015 PROVIMENTO CONJUNTO Nº 2/2015 Regulamenta os critérios para operacionalização do Sistema de Investigações Bancárias Simba no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE E O CORREGEDOR

Leia mais

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública unifesp, 23.04.2009 tópicos conhecendo o mpf unifesp e administração pública atuação do mpf/sp na unifesp tutela de direitos coletivos defesa do patrimônio

Leia mais

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA A 1 CNPJ 04.214.41910001-05 DECRETO N 3.091, DE 05 DE JANEIRO DE 2014. "Dispõe sobre a estrutura organizacional da Procuradoria Geral do Município ". O PREFEITO MUNICIPAL DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES,, no

Leia mais

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES - Evasão de divisas e lavagem de capitais as alterações da Lei 12.683/12 - Investigação de crimes financeiros - Cooperação jurídica internacional

Leia mais

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. Institui a emissão de Certidões Judiciais Cíveis e Criminais, inclusive por meio eletrônico, no âmbito da 1ª Instância do Poder Judiciário do Estado de Alagoas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº T2-RSP-2012/00079 DE 24 DE SETEMBRO DE 2012 PUBLICADA NO E-DJF2R DE 27/09/2012, ÀS FLS. 01/03.

RESOLUÇÃO Nº T2-RSP-2012/00079 DE 24 DE SETEMBRO DE 2012 PUBLICADA NO E-DJF2R DE 27/09/2012, ÀS FLS. 01/03. RESOLUÇÃO Nº T2-RSP-2012/00079 DE 24 DE SETEMBRO DE 2012 PUBLICADA NO E-DJF2R DE 27/09/2012, ÀS FLS. 01/03. Disciplina, no âmbito do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, os procedimentos relativos à

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. Institui o programa de transparência do Ministério da Justiça e estabelece medidas internas para aperfeiçoar os instrumentos preventivos de controle da atividade

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida,

Leia mais

ANO VI EDIÇÃO nº 1282 Suplemento SEÇÃO I

ANO VI EDIÇÃO nº 1282 Suplemento SEÇÃO I ANO VI EDIÇÃO nº 1282 Suplemento SEÇÃO I DISPONIBILIZAÇÃO: sexta-feira, 12 de abril de 2013 PUBLICAÇÃO: segunda-feira, 15 de abril de 2013 Senhores(as) Usuários(as), A Seção I do Diário da Justiça Eletrônico

Leia mais

CONVÊNIO BACEN / STJ / CJF 2005.

CONVÊNIO BACEN / STJ / CJF 2005. CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TÉCNICO- INSTITUCIONAL QUE FAZEM ENTRE SI O BANCO CENTRAL DO BRASIL, O SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA E O CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL, PARA FINS DE OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA BACEN

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro AASSIJUR Fundada em 13 de maio de 1963 RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS

Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro AASSIJUR Fundada em 13 de maio de 1963 RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS Para incluir no site da ABRAP A Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro -, com sede própria localizada na Travessa do Ouvidor n 8, 3 andar,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 5 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000429851 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 0226204-83.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é impetrante EDEMAR CID FERREIRA,

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça MANDADO DE SEGURANÇA Nº 10.818 - DF (2005/0116531-1) RELATOR : MINISTRO ERICSON MARANHO (DESEMBARGADOR CONVOCADO DO TJ/SP) IMPETRANTE : ADELINO SIMÕES JORGE ADVOGADO : ANNA ANDRÉA SIMÕES JORGE IMPETRADO

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 96, DE 2009

CÂMARA DOS DEPUTADOS PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 96, DE 2009 PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 96, DE 2009 Propõe que a Comissão de Defesa do Consumidor fiscalize os atos de gestão praticados pela Superintendência de Seguros Privados - SUSEP em relação à conduta

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT da 4ª Região Órgão Oficiante: Dr. Roberto Portela Mildner Interessado 1: Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região. Interessado 2: Banco Bradesco S/A. Assuntos: Meio ambiente do trabalho

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ

PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ Dispõe sobre a nomeação de defensor dativo nas Comarcas onde não exista Defensoria Pública e dá outras providências atribuições legais, O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA, no uso de

Leia mais

Artigo jurídico para publicação. Classificação: parecer. Título:

Artigo jurídico para publicação. Classificação: parecer. Título: Dados pessoais: Autora: Alessandra Chaves Braga Guerra Procuradora Federal na Advocacia-Geral da União. Graduada em direito pelo Centro Universitário de Brasília - UniCEUB e em Nutrição pela Universidade

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM ECONÔMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 009/2011 A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: D E C R E T A

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 009/2011 A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: D E C R E T A PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 009/2011 Altera o art. 57 e seus 1º e 2º da Constituição Estadual, e introduz os 4º, 5º e 6º no mesmo artigo. A DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: D E C R E T A Art. 1º O

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli APELAÇÃO CÍVEL Nº 550822-PE (2001.83.00.010096-5) APTE : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL REPTE : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE APDO : LUZIA DOS SANTOS SANTANA ADV/PROC : SEM ADVOGADO/PROCURADOR

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Estado do Rio de Janeiro Procuradoria

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Estado do Rio de Janeiro Procuradoria EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA CNJ A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, serviço público independente, dotado de personalidade jurídica e

Leia mais

Direito Constitucional. Direito Constitucional

Direito Constitucional. Direito Constitucional DIREITO CONSTITUCIONAL PEÇA PROFISSIONAL A empresa pública Água Para Todos, criada para a produção dos materiais e a prestação dos serviços pertinentes à instalação de rede hidráulica no município X, é,

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB pelo órgão de Controle Interno no âmbito da União (Controladoria Geral da União

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) Acrescenta parágrafo único ao art. 23 da Lei nº 8.906, de 04 de Julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

Assunto: RECOMENDAÇÃO CONJUNTA MPC/MPE/MPF Portais da Transparência.

Assunto: RECOMENDAÇÃO CONJUNTA MPC/MPE/MPF Portais da Transparência. Ofício PG N.º /2014 Maceió, 22 de julho de 2014. Assunto: RECOMENDAÇÃO CONJUNTA MPC/MPE/MPF Portais da Transparência. Senhor Gestor, 1. O Ministério Público de Contas, o Ministério Público Estadual e o

Leia mais

CONHEÇA A VERDADE SOBRE A EC 50

CONHEÇA A VERDADE SOBRE A EC 50 CONHEÇA A VERDADE SOBRE A Porque os interesses de Goiás e do povo goiano estão acima de interesses pessoais e corporativistas. O que é a /2014? É uma Emenda Constitucional, que disciplina a representação

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS Atualizado em 03/11/2015 4. Competência Material Ratione Materiae: Divide-se em competência da Justiça Estadual, Federal, Eleitoral e Militar (não falamos da Justiça

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL PROCESSO N. : 14751-89.2012.4.01.3400 AÇÃO ORDINÁRIA/SERVIÇOS PÚBLICOS CLASSE 1300 AUTOR (A): ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ESPECIALISTAS EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL RÉ: UNIÃO SENTENÇA TIPO

Leia mais

Honorários advocatícios

Honorários advocatícios Honorários advocatícios Os honorários advocatícios são balizados pelo Código de Processo Civil brasileiro (Lei de n. 5.869/73) em seu artigo 20, que assim dispõe: Art. 20. A sentença condenará o vencido

Leia mais

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO)

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) RELATÓRIO O EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR FEDERAL

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

1 de 5 03/12/2012 14:32

1 de 5 03/12/2012 14:32 1 de 5 03/12/2012 14:32 Este documento foi gerado em 29/11/2012 às 18h:32min. DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. Institui o Programa de Gestão do Patrimônio do Estado do Rio Grande do Sul - Otimizar,

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 440, DE 30 DE MAIO DE 2005 Dispõe sobre o pagamento de honorários de advogados dativos, peritos, tradutores e intérpretes, em casos de assistência judiciária gratuita e disciplina os procedimentos

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG.

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. Como amplamente noticiado nestes últimos dias, o Supremo Tribunal Federal, em decisão

Leia mais

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal.

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal. Autos: PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS 0001505 65.2014.2.00.0000 Requerente: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS e outros Requerido: CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

II FONACRIM ENUNCIADOS

II FONACRIM ENUNCIADOS II FONACRIM ENUNCIADOS 1. Nos crimes tributários, o parâmetro objetivo para aplicação da insignificância penal excluídas as condutas fraudulentas é o valor do credito tributário (principal e acessório)

Leia mais

Limitações na ação de consignação em pagamento. Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento.

Limitações na ação de consignação em pagamento. Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento. Limitações na ação de consignação em pagamento Kiyoshi Harada* Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento. 1 Conceito O que significa consignação em pagamento?

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL SINDICÂNCIA PATRIMONIAL A sindicância patrimonial, assim como os demais procedimentos investigativos, conforma um procedimento inquisitorial, sigiloso, não contraditório e não punitivo, que visa colher

Leia mais

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.867

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.867 PARECER Nº 14.867 TRADUTOR PÚBLICO E INTÉRPRETE COMERCIAL. INCLUSÃO, REINCLUSÃO E HABILITAÇÃO EM MAIS UM IDIOMA, SOB CONDIÇÃO PRECÁRIA. IMPOSSIBILIDADE. Vêm ao exame desta Equipe de Consultoria, encaminhados

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2012.0000122121 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9074862-42.2007.8.26.0000, da Comarca de São José do Rio Preto, em que são apelantes PREFEITURA MUNICIPAL DE

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.479 RIO DE JANEIRO RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. ROBERTO BARROSO :MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL :PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA :MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

O PAPEL DAS AUTORIDADES CENTRAIS E A SECRETARIA DE COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL DO MPF

O PAPEL DAS AUTORIDADES CENTRAIS E A SECRETARIA DE COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL DO MPF O PAPEL DAS AUTORIDADES CENTRAIS E A SECRETARIA DE COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL DO MPF Curso de Cooperação Jurídica Internacional para membros e servidores da Procuradoria da República no Paraná 31

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa

Leia mais

Conselho Nacional de Procuradores Gerais - CNPG Grupo Nacional de Direitos Humanos - GNDH Comissão Permanente de Defesa Da Saúde - COPEDS

Conselho Nacional de Procuradores Gerais - CNPG Grupo Nacional de Direitos Humanos - GNDH Comissão Permanente de Defesa Da Saúde - COPEDS Conselho Nacional de Procuradores Gerais - CNPG Grupo Nacional de Direitos Humanos - GNDH Comissão Permanente de Defesa Da Saúde - COPEDS ENUNCIADOS SOBRE TERCEIRIZAÇÃO DAS AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE Enunciado

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 Dispõe sobre a destinação dos recursos recuperados por meio de ações judiciais para o Fundo Nacional de Saúde e o Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova:

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: PROJETO DE LEI Nº 131/2010 Dispõe sobre a criação do Fundo Especial dos Procuradores, Consultores Jurídicos, Assessores Técnicos Jurídicos e Advogados Públicos Municipais de Foz do Iguaçu. Autor: Vereador

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO N. 162/2015 Institui o Regimento Interno da Escola Judicial Militar do Estado

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito de associação do servidor público militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* Constituição Federal vigente rompeu com o Estado até então existente e que era regido pela Constituição

Leia mais

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial.

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, 2013 - COMPLEMENTAR Estabelece normas gerais sobre o processo administrativo fiscal, no âmbito das administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

MESA 4 INSTRUMENTOS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE 3 AS ORGANIZAÇÕES DE CONTROLE

MESA 4 INSTRUMENTOS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE 3 AS ORGANIZAÇÕES DE CONTROLE COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DO SENADO FEDERAL MESA 4 INSTRUMENTOS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE 3 AS ORGANIZAÇÕES DE CONTROLE LIMITAÇÕES ORGANIZACIONAIS E POSSIBILIDADE

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

Medidas de Combate à Corrupção e à Impunidade

Medidas de Combate à Corrupção e à Impunidade Medidas de Combate à Corrupção e à Impunidade Âmbito de Discussão Medidas discutidas com: Casa Civil Ministério da Justiça Controladoria-Geral da União Advocacia-Geral da União Ministério do Planejamento,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 24 DE SETEMBRO DE 2010

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 24 DE SETEMBRO DE 2010 PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 24 DE SETEMBRO DE 2010 EMENTA: Dispõe sobre a participação de servidores ocupantes de cargos

Leia mais

CADASTRO NACIONAL DE CONDENAÇÕES CÍVEIS POR ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA E INELEGIBILIDADE MANUAL DO USUÁRIO

CADASTRO NACIONAL DE CONDENAÇÕES CÍVEIS POR ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA E INELEGIBILIDADE MANUAL DO USUÁRIO CADASTRO NACIONAL DE CONDENAÇÕES CÍVEIS POR ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA E INELEGIBILIDADE MANUAL DO USUÁRIO Sumário 1. Tela de login do Sistema de Controle de Acesso...3 2. Tela de seleção dos sistemas...4

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 66/2010. O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO, no uso de suas atribuições regimentais,

RESOLUÇÃO Nº 66/2010. O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO, no uso de suas atribuições regimentais, RESOLUÇÃO Nº 66/2010 Regulamenta, no âmbito da Justiça do Trabalho de primeiro e segundo graus, a responsabilidade pelo pagamento e antecipação de honorários do perito, do tradutor e do intérprete, no

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

Cristiane da Costa Nery Procuradora-Geral do Município de Porto Alegre

Cristiane da Costa Nery Procuradora-Geral do Município de Porto Alegre Cristiane da Costa Nery Procuradora-Geral do Município de Porto Alegre PROCURADORIA-GERAL ADJUNTA DE ASSUNTOS FISCAIS PGA-AF PROCURADORIA DA DÍVIDA ATIVA - PDA PROCURADORIA TRIBUTÁRIA - PTR GERÊNCIA DE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO BRAX66 - Fortalecimento da Secretaria Nacional de Justiça em cooperação jurídica

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro. Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013

PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro. Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013 PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013 Esse pequeno ensaio tem por objetivo elaborar um estudo a respeito

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Estudo Técnico n.º 1/2010 Aperfeiçoamentos no DL nº 167/67 - Emolumentos extrajudiciais e garantias reais em Cédulas de Crédito Rural-CCR e em Cédulas de Crédito Bancário-CCB Eber Zoehler Santa Helena

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 34 a Câmara Seção de Direito Privado Julgamento sem segredo de justiça: 27 de julho de 2009, v.u. Relator: Desembargador Irineu Pedrotti. Apelação Cível nº 968.409-00/3 Comarca de São Paulo Foro Central

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. AGRAVO DE INSTRUMENTO n 501.512-4/4-00, da Comarca de SÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. AGRAVO DE INSTRUMENTO n 501.512-4/4-00, da Comarca de SÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *01319002* Vistos, relatados e discutidos estes autos de AGRAVO DE INSTRUMENTO

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2015.0000770986 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Mandado de Segurança nº 2097361-61.2015.8.26.0000, da Comarca de, em que é impetrante GABRIELA DA SILVA PINTO, é impetrado

Leia mais

Responsabilidade das instituições financeiras em mútuos concedidos no âmbito do SFH segundo a hermenêutica do Superior Tribunal de Justiça

Responsabilidade das instituições financeiras em mútuos concedidos no âmbito do SFH segundo a hermenêutica do Superior Tribunal de Justiça Responsabilidade das instituições financeiras em mútuos concedidos no âmbito do SFH segundo a hermenêutica do Superior Tribunal de Justiça Por Fabio Caprio Leite de Castro Uma questão jurídica que tem

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA -CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA - CAU/SP

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA -CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA - CAU/SP EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA -CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA - CAU/SP O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP, nos termos do Convênio

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

JUIZADO ESPECIAL DA FAZENDA PÚBLICA

JUIZADO ESPECIAL DA FAZENDA PÚBLICA JUIZADO ESPECIAL DA FAZENDA PÚBLICA O termo Fazenda Pública significa a presença em juízo de pessoa jurídica de direito público interno, descritas no artigo 41 do Código Civil como sendo a União, os Estados,

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE ALTA FLORESTA 6ª VARA. Vistos.

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE ALTA FLORESTA 6ª VARA. Vistos. Autos n.º 3022-48.2012.811.0007. Código nº 101526. Ação de Obrigação de Fazer. Vistos. Trata-se de ação nominada Ação Cominatória de Obrigação de Fazer com pedido expresso de tutela de urgência interposta

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinado partido político, que possui dois deputados federais e dois senadores em seus quadros, preocupado com a efetiva regulamentação das normas constitucionais,

Leia mais

EDITAL nº 001/2013. Convocação de Audiência Pública

EDITAL nº 001/2013. Convocação de Audiência Pública EDITAL nº 001/2013 Convocação de Audiência Pública O Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), no exercício da competência fixada no artigo 130-A, parágrafo 2º, inciso II, da Constituição

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.424 - PE (2013/0315610-5) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : SANTANDER LEASING S/A ARRENDAMENTO MERCANTIL ADVOGADO : ANTÔNIO BRAZ DA SILVA E OUTRO(S) RECLAMADO : SEXTA

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO DECISÃO 2012 PROCESSO : 36098-81.2012.4.01.3400 IMPETRANTE : SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SAÚDE TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO IMPETRADO : SECRETARIO DE GESTÃO PÚBLICA DO MINISTÉRIO

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** SEGUNDA TURMA ***

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** SEGUNDA TURMA *** TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** SEGUNDA TURMA *** ANOTAÇÕES: JUST.GRAT. 95.03.010267-7 233069 AC-SP PAUTA: 13/03/2007 JULGADO: 13/03/2007 NUM. PAUTA: 00050 SANTOS RELATOR: DES.FED.

Leia mais