ESTUDO COMPARATIVO DOS PARÂMETROS GEOTÉCNICOS DE DUAS REGIÕES DO SUPERPORTO DO RIO GRANDE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO COMPARATIVO DOS PARÂMETROS GEOTÉCNICOS DE DUAS REGIÕES DO SUPERPORTO DO RIO GRANDE"

Transcrição

1 ESTUDO COMPARATIVO DOS PARÂMETROS GEOTÉCNICOS DE DUAS REGIÕES DO SUPERPORTO DO RIO GRANDE Luciano Vasconcelos Rocha Escola de Engenharia PPGEO/FURG, Rio Grande, Brasil, Cláudio Renato Rodrigues Dias Escola de Engenharia PPGEO/FURG, Rio Grande, Brasil, Cezar Augusto Burkert Bastos Escola de Engenharia PPGEO/FURG, Rio Grande, Brasil, RESUMO: Este trabalho tem como objetivo a análise geotécnica das argilas que constituem o solo da região do Super Porto de Rio Grande, comparando dados já existentes com o resultado obtidos neste presente estudo. Os dados que serão confrontados são oriundos de duas regiões importantes para o porto de Rio Grande, que são: a região do TECON, já estudada anteriormente por Dias e Kerstner (2003), e a região em que está em construção o dique seco do Estaleiro Rio Grande. Será dada ênfase na caracterização do solo e na obtenção dos diversos parâmetros necessários para a compreensão do comportamento do solo, conhecimento este de extrema importância para o projeto do dique seco e projetos que venham a ser desenvolvidos neste local. O trabalho mostrou semelhanças no comportamento geral das camadas dos depósitos, mas algumas diferenças na estatigrafia apontam maior compressibilidade dos solos do TECON, mostrando uma tendência de aumento da compressibilidade na direção da linha de praia atual. PALAVRAS-CHAVE: Parâmetros Geotécnicos, Argilas, Ensaios, Solos Sedimentares 1 INTRODUÇÃO Serão mostrados e interpretados, neste trabalho, dados obtidos em ensaios realizados no laboratório de Geotecnia da FURG referentes às amostras de solos retiradas do canteiro de obras do dique seco do Estaleiro Rio Grande, que está localizado na região do Super porto do Rio Grande. O Super Porto é faixa portuária com cerca de 10000m, entre o saco da mangueira e a Barra, limitado pelo canal e a estrada da Barra. Do lado oeste da estrada há uma grande área, pertencente ao governo, disponível à instalação de indústrias ou pavilhões de armazenamento que constituem o Distrito Industrial de Rio Grande. Hoje o complexo portuário de Rio Grande é o terceiro do Brasil em importância e o segundo em extensão, sendo, ainda, o principal porto do sul do país. Com a construção do dique seco do estaleiro, o primeiro de grande porte do país, e o projeto de aprofundamento do calado, há a perspectiva de um grande crescimento do complexo portuário de Rio Grande. Devido a este fato, e considerando o grande porte das obras existentes ou a serem instaladas, se torna importante o estudo contínuo, e mais completo, do solo desta região. 2 CLASSIFICAÇÃO DO SOLO DO DIQUE SECO DO ESTALEIRO RIO GRANDE A análise do tipo do solo do dique seco do Estaleiro Rio Grande foi feita em diversos pontos de sondagem. A seguir são analisados os dados obtidos dos ensaios feitos com material

2 recolhido, com amostradores tipo Shelby, em quatro desses furos (SP-C120, SP-C121, SP- C123 e SP-C134). Na Figura 1 apresentam-se as curvas granulométricas do material extraído desses quatro furos, na Figura 2 as frações de areia, argila e silte com a profundidade, e na Figura 3, o Gráfico de Casagrande. Analisando as curvas granulométricas se observa que na parte de cima e à esquerda no gráfico há predominância de argilas alta compressibilidade e plasticidade (35 e 38 metros), argilas siltosas entre as profundidades de 28 e 33 metros e argilas arenosas entre as profundidades de 14 e 22 metros. Figura 1. Curva granulométrica do Solo do Estaleiro Rio Grande Vale salientar que estas profundidades têm como referência o nível da água do mar, sendo na verdade a cota em relação a este nível. Consegue-se visualizar melhor, na Figura 2, essa tendência do solo aumentar o teor de silte e diminuir o de areia com o aumento da profundidade passando de argila arenosiltosa a argila siltosa. Profundidade (m) Granulometria x Profundidade Areia, Silte e Argila (%) ,64 14,94 15,05 16,03 20,97 21,1 28,05 28,23 30,07 30,53 32,04 32,29 Areia 35,22 Si l t e 36,7 Argila 37,31 Figura 2. Percentual de Areia, Silte e Argila x Profundidade Índice de plasticidade (%) Gráfico de Casagrande (Estaleiro Rio Grande) Limite de liquidez - wl (%) Linha A - IP = 0,73. (wl - 20) Linha B - wl = 50% 14,00 a 22,00m 28,00 a 33,00m 35,00 a 38,00m Figura 3. Gráfico de Casagrande relativo ao solo do Estaleiro Rio Grande Na Figura 4 mostra-se que para as argilas siltosas, entre as profundidades de 30 e 36 metros e 35 e 38 metros, a umidade natural do solo (w) varia pouco, ficando entre 29 e 33% e 43 e 50% respectivamente. Em ambos os casos o solo apresenta uma consistência média, onde é possível observar que a umidade natural está sempre em uma posição intermediária entre o limite de plasticidade (wp) e o limite de liquidez (wl). O mesmo não pode ser dito para a camada de argila arenosa, que apresenta uma grande variação na umidade relativa, entre 45 e 120%, e ora está próxima ao limite de plasticidade ora ultrapassa o limite de liquidez. No geral sua consistência pode ser considerada mole. Profundidade (m) wl, wp e wnat (%) IP wl (%) wp (%) w (%) Figura 4. Limites de Atterberg x profundidade

3 3 COMPRESSIBILIDADE DO SOLO DO DIQUE SECO DO ESTALEIRO RIO GRANDE As curvas obtidas através dos ensaios de adensamento realizados nas amostras de solo referentes aos furos de sondagem SPC-C 120, SPC-C 121, SPC-C 123 e SPC-C 134, são apresentadas na Figura 5, que engloba todos os ensaios realizados nas amostras extraídas dos quatro furos de sondagem em diversas profundidades. É possível verificar que na sua parte superior encontram-se as curvas que representam as camadas superficiais do solo, entre 14 e 22 metros de profundidade. O índice de vazios inicial (e 0 ), tanto quanto a sua variação (Δe) são mais elevados, indicando maior compressibilidade. Índice de vazios (e) 3,000 2,500 2,000 1,500 1,000 0,500 0,000 CURVA log σv x e (Profundidade) log σv (kpa) Argila Arenosiltosa (CH)- 17 a 25m Argila Siltosa (CL) - 30 a 36m Argila Siltosa (CH) - 37 a 41m Figura 5. Curvas da tensão vertical efetiva versus índice de vazios. Há uma tendência, para camadas de solos um pouco mais profundas, entre 27 e 33 metros, das curvas se posicionarem na parte inferior do gráfico. Este solo, como se pode deduzir observando as curvas acima, possui um índice de vazios inicial baixo, assim como uma baixa variação deste índice. Este fato pode ser indicativo da forte presença de areia na composição da camada argilosa (argila-areno siltosa). Por fim, analisando a camada de solo mais profunda, nota-se que as curvas tendem a se localizarem um pouco mais acima das curvas referentes à camada anterior, posicionando-se na parte intermediária do gráfico. Este solo apresenta um índice de vazios inicial (e 0 ) e sua variação (Δe) superiores do que os observados na camada anterior, mas inferiores aos obtidos na camada entre 14 e 22 metros. Nas Figuras 6(a), (b) e (c) pode-se observar melhor o índice de vazios iniciais e finais obtidos nos ensaios de adensamento para as argilas estudadas aqui. Uma conclusão, tirada a partir desta análise, é de que a classificação destas argilas quanto à compressibilidade, determinada pelo limite de liquidez e pelo índice de plasticidade (CH e CL), é corroborada nos ensaios de adensamento. Desta forma, as argilas classificadas como CH, camadas de solo de 14 a 22 metros e de 35 a 38 metros de profundidade, são mais compressíveis que a argila situada entre 27 e 33 metros que foi classificada como CL. A Tabela 1 apresenta a os valores das tensões de pré-adensamento (σ vm ), índices de compressão (C c ) e expansão (C S ), índice de vazios inicial (e 0 ), umidade natural (w) e deformação específica (ε v0 ). De acordo com Tabela 1 há, em geral, um aumento da tensão de pré-adensamento com a profundidade. Porém, para as amostras 03, 04, 05 e 12 não se verifica esse comportamento. É necessário, assim, que se analise a umidade natural (w), o índice de vazios inicial (e 0 ) bem como o índice de compressão Cc, que também são mais baixos que nas demais amostras, indicando um comportamento de argila arenosa, diferenciando-se assim do comportamento das argilas siltosas do local.

4 CURVA log σ v x e (14 a 22m) 3,0 CURVA log σ v x e (27,00 a 33,00m) 1,4 CURVA log σ v x e (35,00 a 38,00m) 1,6 Índice de vazios (e) 2,5 2,0 Índice de vazios (e) 1,2 1,0 Índice de vazios (e) 1,4 1,2 1,0 1,5 0,8 0,8 1,0 0,6 0,6 0, log σ v (kpa) 0, log σv (kpa) 0, log σ v (kpa) (a) (b) (c) Figura 6. Curvas log σ v x e para as três camadas de argila Tabela 1. Parâmetros de adensamento do solo do Estaleiro Amostra Profundidade w e 0 ε C v0 σ' vm (m) (%) (%) R (%) (kpa) C c C s 01 15,41 a 15,44 80,65 2,07 0,37 7, ,136 0, ,78 a 15,82 94,27 2,7 0,51 6, ,872 0, ,07 a 21,11 53,04 1,4 0,17 3, ,405 0, ,15 a 27,17 30,59 0,89 0,11 2, ,209 0, ,95 a 27,98 31,32 0,86 0,12 3, ,219 0, ,16 a 30,23 40,72 1,11 0,22 4, ,466 0, ,14 a 32,19 35,2 0,95 0,23 3, ,453 0, ,28 a 32,31 34,96 0,92 0,15 3, ,279 0, ,40 a 32,44 48,07 1,35 0,23 3, ,545 0, ,49 a 35,51 46,3 1,16 0,28 4, ,601 0, ,85 a 36,89 53,47 1,52 0,33 4, ,821 0, ,24 a 37,28 33,4 0,82 0,16 3, ,292 0,049

5 4 COMPARAÇÕES ENTRE OS SOLOS DO ESTALEIRO RIO GRANDE COM OS DO TECON. Como um dos objetivos deste trabalho é a comparação de solos ao longo do superporto do Rio Grande, os dados obtidos neste trabalho, para o solo do Estaleiro, serão confrontados com os dados obtidos para o solo do TECON apresentados por Dias e Kerstner (2003). Porcentagem passante (%) CURVA GRANULOMÉTRICA - CLASSIFICAÇÃO DO SOLO OH CH CL 0,001 0,01 0, Diâmetro dos grãos (mm) SM - 6,00 a 20,00m CL - 20,00 a 30,00m CH - 30,00 a 40,00m OH - >40,00m Figura 7. Curva granulométrica do Solo do TECON (Dias e Kerstner, 2003) 4.1 Nos ensaios de caracterização Em uma primeira análise encontram-se algumas diferenças entre os perfis. Na região do Estaleiro Rio Grande foi encontrada argila arenosa de alta compressibilidade (CH) na faixa de 14 e 22 metros de profundidade. Já a prospecção do solo da região do TECON (Figura 7) revelou a existência de areia siltosa na maior parte desta faixa de profundidade. Comparando-se as argilas siltosas destes dois depósitos de solo, pode-se notar semelhança entre eles. O subsolo do dique seco contém uma grande camada de argila siltosa entre 27 e 38 metros, este mesmo tipo de solo foi encontrado no TECON quando estudado por Dias e Kerstner (2003). Esta grande camada pode ser divida em duas subcamadas, de alta e baixa compressibilidade, onde também se encontram semelhanças. A camada de alta compressibilidade (CH) no subsolo do dique seco se situa entre 27 e 33 metros e no solo do TECON entre 20 e 30 metros, e a camada de baixa compressibilidade (CL) na região do dique está presente entre 35 e 38 metros de profundidade. Na região do TECON se encontra este mesmo solo nesta profundidade. SM O que determina a classificação de um solo fino como de alta ou baixa plasticidade e compressibilidade é o seu limite de liquidez (wl). O divisor na classificação é linha wl = 50%. Comparando as Tabelas 2 e 3, se conclui que mesmo as argilas sendo classificadas igualmente quanto à compressibilidade, se definidas pelo limite de liquidez (wl), apresentam valores de limites de Atterberg muito diferentes de uma região para outra. Assim, argilas siltosas CH e CL, referentes ao solo do dique seco, apresentaram índices de plasticidade (IP) superiores ou inferiores aos verificados para estes mesmos tipos de argilas no subsolo da região do TECON. Tabela 2. Limites de Atterberg relativos ao solo da região do TECON. Profundidade (m) wl wp (%) IP (%) (%) 28,00-28, ,00-29, ,00-30, ,00-31, ,00-32, ,00-33, ,00-34, ,00-35, ,00-36, ,00-37, ,00-38, Tabela 3. Limites de Atterberg relativos ao solo da região do Estaleiro Rio Grande. Profundidade (m) wl wp (%) IP (%) (%) 28,05-28, ,23-28, ,95-30, ,07-30, ,35-30, ,53-30, ,83-32, ,04-32, ,14-32, ,19-32, ,29-32, ,03-35, ,22-35, ,32-35, ,70-36, ,74-36, ,31-37,

6 Também fica evidente, conforme a Figura 8, que em ambos os depósitos de solo a relação IP x wl se distribui muito próxima a Linha A. Índice de plasticidade (%) Gráfico de Casagrande (TECON x Estaleiro Rio Grande) Limite de liquidez - wl (%) Linha A - IP = 0,73. (wl - 20) Linha B - wl = 50% Estaleiro Rio Grande TECON Figura 8. Comparação da plasticidade dos depósitos do Dique Seco e do TECON 4.2 Nos ensaios de Adensamento Comparando as Tabelas 4 e 5, nota-se que a argila da região do TECON apresenta um maior índice de compressão quando se analisam as argilas siltosas CH de ambas as regiões (na região do Estaleiro Rio Grande entre 37 e 41 metros, e do TECON entre 30 e 40 metros de profundidade). A argila de alta compressibilidade da região do TECON tem índice de compressão médio igual a 0,914 e argila do depósito do Estaleiro igual a 0,57. Diferenças de comportamento importantes são apontadas para a região do Estaleiro, pois ao analisar os valores de índices de compressão e de expansão, são observados valores muito baixos (entre 0,2 e 0,3 para Cc), o que confirma o comportamento mais arenoso destas amostras. Para as amostras relativas às argilas CH, arenosas entre 14 e 22 metros de profundidade e siltosas entre 32 e 37 metros, estes índices são mais elevados. No entanto para as amostras relativas à argila siltosa CL os índices de compressibilidade são baixos, indicando que este solo é menos compressível do que anteriores. Isto não ocorre na região do TECON. Analisando a Figura 9.b, que mostra a curva log σ v x e da região do TECON entre 28 e 40 metros, onde se localizam as argilas siltosas de alta compressibilidade (CH). Verifica-se que estas argilas possuem os índices de vazios iniciais superiores aos das argilas siltosas CH do depósito do Estaleiro Rio Grande, o que também pode ser observado comparando as tabelas 3 e 4. Da mesma figura conclui-se também, que estas argilas são mais compressíveis, que as da região do Estaleiro, pois apresentam uma maior variação dos índices de vazios quando submetidas às mesmas tensões efetivas. Isto fica evidente na Figura 9.c, que reúne as curvas log σ v x e de ambos os solos. Profundidade (m) Tabela 4. Parâmetros de adensamento do solo do TECON e0 CR εv0 (%) σ'vm (kpa) 28,00 a 28,90 1,4 0,3 8,50% 240 0,71 29,00 a 29,80 1,43 0,33 3,80% 440 0,8 30,00 a 30,70 1,47 0,37 4,80% 400 0,92 32,00 a 32,60 1,57 0,33 9,00% 260 0,86 33,00 a 33,40 1,63 0,31 12% 190 0,82 35,00 a 35,65 1,52 0,36 8,80% 340 0,9 36,00 a 36,65 1,63 0,35 12% 240 0,91 37,00 a 37,63 1,65 0,3 18% 145 0,98 38,00 a 38,50 1,55 0,41 7,80% 460 1,05 40,00 a 40,78 1,74 0,43 8,80% 340 1,19 Cc

7 Figura 9. Curvas log σ v x e dos depósitos do Estaleiro Rio Grande (a), do TECON (b) e de ambos (c) 5 CORRELAÇÕES ESTATÍSTICAS As correlações estatísticas têm sido propostas por diversos autores (Terzaghi e Peck; 1967; Dias, 1993; Coutinho 2001; Dias e Kerstner 2003), com o objetivo de determinar os parâmetros de adensamento, que são obtidos em de ensaios demorados, através de outros parâmetros do solo, que são obtidos com ensaios mais simples e rápidos (w, wl e 0 ). Neste trabalho serão apresentadas as correlações Cc x w, Ccx e 0, Cs x w e Cs x e 0, e então comparadas com as obtidas por Dias e Kerstner (2003) para a região do TECON e por Coutinho (2001) para as argilas de Pernambuco. Nota-se nas Figuras 10 e 11 que existe uma boa correlação entre o Índice de Compressão e a Umidade Natural, e entre o Índice de Compressão e o Índice de Vazios respectivamente. Estes dois gráficos mostram que o Índice de Compressão aumenta à medida que aumenta a Umidade e o Índice de vazios. Analisando as Figuras 12 e 13 constata-se que não há uma boa correlação entre o Índice de Expansão e a Umidade natural, e entre o mesmo e o Índice de Vazios. Também pode ser constatado o aumento do Índice de Expansão quando os valores da umidade dos vazios aumentam, sendo que o aumento com relação à umidade é pequeno (pouco sensível à variação da umidade).

8 C c 2,0 1,6 1,2 0,8 C c x w CC = 0,022w 0,496 R 2 = 0,911 0,4 0, w (%) Figura 10. Correlação entre umidade e Índice de Compressão. C c 2,0 1,6 1,2 0,8 0,4 0,0 C c x e 0 CC = 0,820e0-0,468 R 2 = 0, ,5 1 1,5 2 2,5 3 e 0 Figura 11. Correlação entre o Índice de Vazios e Índice de Compressão. C S 0,20 0,15 0,10 C S x w CS= 0,0008w 0,496 R 2 = 0,271 0,05 0, w (%) Figura 12. Correlação entre umidade e Índice de Expansão.

9 C S 0,12 0,10 0,08 0,06 C S x e 0 CS= 0,024e0-0,025 R 2 = 0,213 0,04 0,02 0,00 0 0,5 1 1,5 2 2,5 3 e 0 Figura 13. Correlação entre o Índice de Vazios e Índice de Expansão. Devido ao fato de as correlações mostradas nas Figuras 12 e 13 não serem boas, optou-se por excluir os pontos que estavam mais dispersos da linha de tendência. Em ambas as figuras foram escolhidos os pontos com Índice de expansão iguais a 0.057, e As correlações corrigidas estão apresentadas nas Figuras 14 e 15. 0,20 CS x w CS 0,15 0,10 CS= 0,001w 0,015 R 2 = 0,776 0,05 0, w (%) Figura 14. Correlação corrida entre umidade e Índice de Expansão.

10 0,12 0,10 0,08 C S x e 0 CS= 0,056e0-0,017 R 2 = 0,740 C S 0,06 0,04 0,02 0,00 0 0,5 1 1,5 2 2,5 e 0 Figura 15. Correlação corrigida entre o Índice de Vazios e Índice de Expansão. Com estas correções houve um aumento de aproximadamente três vezes entre os coeficientes de correlação anteriores e os coeficientes corridos. As tabelas 5, 6 e 7 apresentam as equações referentes às correlações entre estes parâmetros obtidas para o solo em estudo neste trabalho, para o solo do TECON (Dias e Kerstner, 2003) e do solo de Pernambuco (Coutinho et al., 2001). Analisando as equações obtidas para as diversas correlações, nota-se que os solos do TECON e do Dique Seco apresentaram um comportamento semelhante quanto à variação do Índice de Compressão (Cc) com o índice de vazios (equações muito parecidas). Esta é a única semelhança encontrada entre as correlações obtidas para os três solos comparados. As demais correlações diferem significativamente de solo para solo, conseguese observar isto simplesmente analisando as características das equações. Tabela 5. Correlações estatísticas obtidas por Coutinho et al. (2001). Correlação Argila Siltosa de Recife (Coutinho et al.,2001) Equação r 2 C C x w(%) C C = 0,004W(%) + 1,738 ± 0,54 0,52 C C x e 0 C c = 0,586e 0-0,165 ± 0,25 0,84 C S x w (%) C s = 0,0019W(%) + 0,0043 ± 0,04 0,81 C S x e 0 C s = 0,0084e 0-0,0086 ± 0,04 0,80 Cc x LL - - Tabela 6. Correlações estatísticas obtidas por Dias e Kerstner (2003). Correlação Argila Siltosa do depósito de TECON (2003) Equação r 2 C C x w(%) C c = 0,012w(%) + 0,2553 0,75 C C x e 0 C c = 0,8539e 0-0,479 0,89 C S x w (%) C s = 0,0078w(%) - 0,2885 0,99 C S x e 0 C s = 0,3175e 0-0,3516 0,94 Cc x LL Cc = 0,0093(LL + 20,2) 0,79

11 Tabela 7. Correlações estatísticas obtidas neste estudo. Argila do depósito do Dique Seco do Estaleiro Rio Correlação Grande Equação r 2 C C x w(%) C c = 0,022w(%) - 0,496 0,91 C C x e 0 C c = 0,820e 0-0,468 0,94 C S x w (%) C s = 0,001w(%) - 0,015 0,78 C S x e 0 C s = 0,056e 0-0,017 0,74 Cc x LL CONCLUSÕES Neste trabalho, foram apresentados os dados do solo da região onde está sendo construído o dique seco do Estaleiro Rio Grande. Estes dados foram comparados com dados de outros solos (principalmente o depósito da região do TECON, também em Rio Grande). Comparando os resultados obtidos em dois sítios de uma mesma região do superporto do Rio Grande, distando cerca de 3 km, ou seja, no Terminal de Contêineres e no Estaleiro, os parâmetros do solo em termos de classificação e compressibilidade podem apresentar algumas diferenças. Há uma tendência dos solos de perfis mais afastados da linha de praia atual serem menos compressíveis que os solos de perfis mais próximos à praia, indicando influências da histórica geológica dos sedimentos quaternários. Foi feita, também, a comparação com o solo de outra local da costa brasileira (Recife), confrontando as correlações entre os índices físicos com os parâmetros de adensamento. As correlações para os solos de Rio Grande apresentaram melhor comportamento estatístico que outras apresentadas para o Recife. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem à W TORRE Eng. pela oportunidade de estudo de dados de ensaios da obra do dique-seco do Estaleiro Rio Grande. REFERÊNCIAS Dias, C. R. R. e Kerstner, V. W. T. (2003), Argila Siltosa Orgânica do Porto de Rio Grande Parâmetros de Laboratório Coutinho, R. Q.; Oliveira, J. T. R.; Oliveira, A. T. J. (2001), Geotechnical Properties of Recife Soft Clays, Encontro Propriedades de Argilas Moles Brasileiras, UFRJ/COPPE, pp Dias, C. R. R. (2001), Parâmetros Geotécnicos e a Influência dos Eventos Geológicos Argilas Moles de Rio Grande/RS, Encontro Propriedades de Argilas Moles Brasileiras, UFRJ/COPPE, pp Marques, M. E. S. e Lacerda W. A. (2004), Caracterização geotécnica de um depósito argiloso marinho em Navegantes/SC, IV Simpósio de Prática de Engenharia Geotécnica da Região Sul GEOSUL, UFPR/PPGCC, PP Schnaid, F. (2000), Ensaios de campo e suas aplicações à Engenharia de Fundações, Oficina de textos Pinto, Carlos de Souza de (2000), Curso Básico de Mecânica dos Solos 3ª edição, Oficina de textos

Investigação Geotécnica das Argilas Moles de Rio Grande, Rio Grande do Sul

Investigação Geotécnica das Argilas Moles de Rio Grande, Rio Grande do Sul Investigação Geotécnica das Argilas Moles de Rio Grande, Rio Grande do Sul Celso Luís da Silva Pedreira FURG/UCPEL, Rio Grande e Pelotas, RS, Brasil, E-mail: celpedreira@uol.com.br Cláudio Renato Rodrigues

Leia mais

Objetivo. Material de apoio. Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto, Oficina de Textos, 2006); Sumário

Objetivo. Material de apoio. Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto, Oficina de Textos, 2006); Sumário Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc. 1 Material de apoio 2 Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto,

Leia mais

Capítulo 3 Professora: Ariel Ali Bento Magalhães

Capítulo 3 Professora: Ariel Ali Bento Magalhães M E C Â N I CA DO S S O L O S Capítulo 3 Professora: Ariel Ali Bento Magalhães arielali@gmail.com A IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO A diversidade e a enorme diferença de comportamento apresentada pelos diversos

Leia mais

CLASSIFICACÃO E IDENTIFICACÃO DOS SOLOS

CLASSIFICACÃO E IDENTIFICACÃO DOS SOLOS Introdução Dada a infinidade de solos que existem na natureza é necessário um sistema de classificação que indique características geotécnicas comuns de um determinado grupo de solos a partir de ensaios

Leia mais

7. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS ROCHAS ALTERADAS/SOLOS

7. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS ROCHAS ALTERADAS/SOLOS 7. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS ROCHAS ALTERADAS/SOLOS Na tentativa de melhor identificar os materiais de alteração de rocha, como rocha alterada ou solo residual, realizou-se a imersão das mesmas em água,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA: CARACTERIZAÇÃO DO SOLO DO BAIRRO VILA ISABEL NO MUNICÍPIO DE ITAJUBÁ MG

CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA: CARACTERIZAÇÃO DO SOLO DO BAIRRO VILA ISABEL NO MUNICÍPIO DE ITAJUBÁ MG CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA: CARACTERIZAÇÃO DO SOLO DO BAIRRO VILA ISABEL NO MUNICÍPIO DE ITAJUBÁ MG (1) Marcela Ribeiro Gomes, marcelaribeiro.mah@hotmail.com (2) Mário Vitor Pinheiro, mariovitorpinheiro@hotmail.com

Leia mais

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Profª Aline Cristina Souza dos Santos (alinecris16@hotmail.com) COMPORTAMENTO DOS SOLOS Objetivo da Mecânica dos Solos Caracterização Granulométrica

Leia mais

MECÂNICA DOS SOLOS I (TEC00259) O sistema água-argilomineral Propriedades dos Solos. Prof. Manoel Isidro de Miranda Neto Eng.

MECÂNICA DOS SOLOS I (TEC00259) O sistema água-argilomineral Propriedades dos Solos. Prof. Manoel Isidro de Miranda Neto Eng. MECÂNICA DOS SOLOS I (TEC00259) O sistema água-argilomineral Propriedades dos Solos Prof. Manoel Isidro de Miranda Neto Eng.Civil, DSc AFINIDADE ÁGUA-ARGILOMINERAL UFF-CTC-TCE-TEC-Setor de Geotecnia CAULINITA

Leia mais

Disciplina: Mecânica dos Solos e Fundações

Disciplina: Mecânica dos Solos e Fundações Disciplina: Mecânica dos Solos e Fundações Caracterização e Estado dos solos Prof. Caio Rubens Caracterização dos solos 2) Índices de Consistência (Limites de Atterberg) Somente a distribuição granulométrica

Leia mais

Obras Geotécnicas TC 066

Obras Geotécnicas TC 066 Obras Geotécnicas TC 066 Curso de Engenharia Civil 7º Semestre Vítor Pereira Faro vpfaro@ufpr.br Março 2017 Areias Solos muito permeáveis Comportamento controlado pelas forças de gravidade, logo pelo tamanho

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GOTÉCNICA DE SOLOS PARA SUBSÍDIO AO PROJETO DE BARRAGEM DE TERRA

CARACTERIZAÇÃO GOTÉCNICA DE SOLOS PARA SUBSÍDIO AO PROJETO DE BARRAGEM DE TERRA CARACTERIZAÇÃO GOTÉCNICA DE SOLOS PARA SUBSÍDIO AO PROJETO DE BARRAGEM DE TERRA Ana Patrícia Nunes Bandeira 1 José Robson de Lima Feitosa 2 1. Introdução/Desenvolvimento Entende-se por barragem qualquer

Leia mais

EFEITOS DA ADIÇÃO DE CONCRETO ASFÁLTICO FRESADO NO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE SOLOS

EFEITOS DA ADIÇÃO DE CONCRETO ASFÁLTICO FRESADO NO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE SOLOS EFEITOS DA ADIÇÃO DE CONCRETO ASFÁLTICO FRESADO NO COMPORTAMENTO MECÂNICO DE SOLOS Rafael Batezini Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, Brasil, rafaelbatezini@gmail.com Fernando José Pugliero Gonçalves

Leia mais

Determinação das Propriedades Geotécnicas dos Sedimentos Eólicos da Cidade de Natal-RN

Determinação das Propriedades Geotécnicas dos Sedimentos Eólicos da Cidade de Natal-RN Determinação das Propriedades Geotécnicas dos Sedimentos Eólicos da Cidade de Natal-RN Freitas Neto, O. Departamento de Geotecnia, Escola de Engenharia de São Carlos, São Paulo. Costa, F. A. A., Lima,

Leia mais

Disciplina: Mecânica dos Solos e Fundações

Disciplina: Mecânica dos Solos e Fundações Disciplina: Mecânica dos Solos e Fundações Classificação dos Solos - continuação Profº Caio Rubens Tipos de classificação usuais: Classificação Unificada: Considera o tamanho dos grãos e os índices de

Leia mais

Disciplina: Mecânica dos Solos e Fundações Compacidade das Areias, Consistência das Argilas e Classificação dos Solos

Disciplina: Mecânica dos Solos e Fundações Compacidade das Areias, Consistência das Argilas e Classificação dos Solos Disciplina: Mecânica dos Solos e Fundações Compacidade das Areias, Consistência das Argilas e Classificação dos Solos Prof. Caio Rubens Estado das Areias - Compacidade O estado em que se encontra uma areia

Leia mais

Ana Nery de Macedo Cadete UFPE, Recife/PE, Brasil,

Ana Nery de Macedo Cadete UFPE, Recife/PE, Brasil, XVIII Congresso Brasileiro de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica O Futuro Sustentável do Brasil passa por Minas 19-22 Outubro, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil ABMS, 2016 Resistência não Drenada

Leia mais

Investigação Geotécnica e Estudo de Adensamento da Camada de Argila Muito Mole Existente no Distrito Industrial de Itaguaí-RJ

Investigação Geotécnica e Estudo de Adensamento da Camada de Argila Muito Mole Existente no Distrito Industrial de Itaguaí-RJ Investigação Geotécnica e Estudo de Adensamento da Camada de Argila Muito Mole Existente no Distrito Industrial de ItaguaíRJ Rubenei Novais Souza Petróleo Brasileiro S.A., Rio de Janeiro, Brasil, rubenei@petrobras.com.br

Leia mais

Compacidade das areias e Limites de Atterberg

Compacidade das areias e Limites de Atterberg Conceitos Básicos P.P. (2011) GEOTÉCNIA Compacidade das areias e Limites de Atterberg Introdução (revisão) Mineralogia: argila se caracterizam por seu tamanho muito pequeno e sua atividade elétrica superficial

Leia mais

Classificação dos Solos do Ponto de Vista da Engenharia

Classificação dos Solos do Ponto de Vista da Engenharia GEOTÉCNICA Classificação dos Solos do Ponto de Vista da Engenharia T.M.P. de Campos (2011) Tamanho de Grãos Matacão Calhau Pedregulho > 200mm 60 < < 200mm 2 < < 60mm Areia Silte Argila 0,06 < < 2mm 0,002

Leia mais

3 Provas de Carga Instrumentadas

3 Provas de Carga Instrumentadas 62 3 Provas de Carga Instrumentadas Para análise comparativa da previsão de capacidade de suporte de estacas empregando-se alguns dos diferentes métodos mencionados no capítulo 2, além da simulação numérica

Leia mais

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Laboratório de Geotecnia e Pavimentação ESTUDOS GEOTÉCNICOS Prof. Dr. Ricardo Melo PAVIMENTO Estrutura construída após

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CIV 332 MECÂNICA DOS SOLOS I APOSTILA DE EXERCÍCIOS Parte 03 Prof. Benedito de Souza Bueno Prof.

Leia mais

AULA 2: INTRODUÇÃO A MECÂNICA DOS SOLOS. MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Augusto Montor

AULA 2: INTRODUÇÃO A MECÂNICA DOS SOLOS. MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Augusto Montor AULA 2: INTRODUÇÃO A MECÂNICA DOS SOLOS MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Augusto Montor 1.2 ORIGEM DOS SOLOS CONSTITUIÇÃO MINERALÓGICA Quartzo: mineral altamente resistente a degradação, apresenta baixa atividade

Leia mais

3) Todo solo é passível de receber uma grande edificação? (explique)

3) Todo solo é passível de receber uma grande edificação? (explique) CAPÍTULO 1 ORIGEM E NATUREZA DO SOLO: 1) Para a Engenharia Civil, qual a definição de solo e rocha? Solo é o material proveniente da decomposição das rochas pela ação de agentes físicos ou químicos podendo

Leia mais

Variabilidade dos Parâmetros de Deformabilidade do Solo da Cidade de Londrina/PR

Variabilidade dos Parâmetros de Deformabilidade do Solo da Cidade de Londrina/PR Variabilidade dos Parâmetros de Deformabilidade do Solo da Cidade de Londrina/PR Emerson Takashi Komori YTICOM, Londrina-PR, Brasil, emersonkomori@hotmail.com Raquel Souza Teixeira Universidade Estadual

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO CURSOS QUE ATENDE DEPARTAMENTO ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

Plasticidade e Consistência dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Plasticidade e Consistência dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Plasticidade e Consistência dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Os solos finos (silte e argila), não são caracterizados adequadamente pelo ensaio de granulometria. Necessita-se outros parâmetros:

Leia mais

5. Análise dos deslocamentos verticais

5. Análise dos deslocamentos verticais 5. Análise dos deslocamentos verticais Os deslocamentos verticais em aterros fundados em solos altamente compressíveis apresentam-se como uma das principais preocupações do engenheiro projetista. A busca

Leia mais

AULA 12: DEFORMAÇÕES DEVIDAS A CARREGAMENTOS VERTICAIS E A TEORIA DO ADENSAMENTO. Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos

AULA 12: DEFORMAÇÕES DEVIDAS A CARREGAMENTOS VERTICAIS E A TEORIA DO ADENSAMENTO. Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos AULA 12: DEFORMAÇÕES DEVIDAS A CARREGAMENTOS VERTICAIS E A TEORIA DO ADENSAMENTO Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos 8.1 RECALQUES DEVIDOS A CARREGAMENTOS NA SUPERFÍCIE As deformações ocorridas na

Leia mais

Devido a heterogeneidade os solos e a grande variedade de suas aplicações, é praticamente impossível

Devido a heterogeneidade os solos e a grande variedade de suas aplicações, é praticamente impossível 6.0 CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS 6.1 Introdução Devido a heterogeneidade os solos e a grande variedade de suas aplicações, é praticamente impossível estabelecer um único critério rio para sua classificação.

Leia mais

GEO-45. Engenharia Geotécnica II. Adensamento de Argilas Moles Slides das Figuras Complementares às Notas da Teoria tomadas em Sala de Aula

GEO-45. Engenharia Geotécnica II. Adensamento de Argilas Moles Slides das Figuras Complementares às Notas da Teoria tomadas em Sala de Aula GEO-45 Engenharia Geotécnica II Adensamento de Argilas Moles Slides das Figuras Complementares às Notas da Teoria tomadas em Sala de Aula Paulo Hemsi 2010 Adensamento de Solos Argilosos Moles Obras Portuárias

Leia mais

3. Descrição do local

3. Descrição do local 47 3. Descrição do local 3.1 Histórico O terreno objeto da presente dissertação está localizado na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, mais especificamente na região mostrada na figura 3.1.

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO: SONDAGEM À PERCUSSÃO

RELATÓRIO TÉCNICO: SONDAGEM À PERCUSSÃO Belo Horizonte, de março de 07. RL 06 RELATÓRIO TÉCNICO: SONDAGEM À PERCUSSÃO (Segundo as Normas Brasileiras NBR 68 e NBR 750) Responsável Técnico: Engenheiro Rogério Avelar Marinho Fillho (CREA:08.86/D)

Leia mais

ANEXO Estudo Geológico e Geotécnico

ANEXO Estudo Geológico e Geotécnico Secção de Urbanismo, Transportes, Vias e Sistemas Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes Licenciatura em Engenharia Civil 5º Ano 2º Semestre PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS ANEXO

Leia mais

EMPUXOS DE TERRA E ESTEDO DE TENCOES EM MACISSOS TERROSOS

EMPUXOS DE TERRA E ESTEDO DE TENCOES EM MACISSOS TERROSOS EMPUXOS DE TERRA E ESTEDO DE TENCOES EM MACISSOS TERROSOS Algumas vezes, na engenharia civil, não dispomos de espaço suficiente para fazer uma transição gradual das elevações do terreno onde queremos implantar

Leia mais

Obra Obr s Geotécnicas Geotécnicas Ensaios de de Campo Campo. Correlações Jaime A. Santos

Obra Obr s Geotécnicas Geotécnicas Ensaios de de Campo Campo. Correlações Jaime A. Santos Obras Geotécnicas Ensaios de Campo. Correlações Jaime A. Santos Ensaio de penetração dinâmica SPT O ensaio SPT (Standard Penetration Test) é realizado no interior de um furo de sondagem e consiste em cravar

Leia mais

ÍNDICES FÍSICOS DOS SOLOS

ÍNDICES FÍSICOS DOS SOLOS 2 DOS S Cap. 3 Braja (Fundamentos da Engenharia Geotécnica) Ronaldo L. S. IZZO, D.Sc. izzo@utfpr.edu.br Cap. 2 Carlos de Souza Pinto (Curso Básico de Mecânica dos Solos) http://paginapessoal.utfpr.edu.br/izzo

Leia mais

ESTUDO DE SOLOS ARENOSOS FINOS LATERÍTICOS DO NOROESTE DO RIO GRANDE DO SUL PARA EMPREGO EM PAVIMENTOS ECONÔMICOS 1

ESTUDO DE SOLOS ARENOSOS FINOS LATERÍTICOS DO NOROESTE DO RIO GRANDE DO SUL PARA EMPREGO EM PAVIMENTOS ECONÔMICOS 1 ESTUDO DE SOLOS ARENOSOS FINOS LATERÍTICOS DO NOROESTE DO RIO GRANDE DO SUL PARA EMPREGO EM PAVIMENTOS ECONÔMICOS 1 Cristiano Schmidt Della Flora 2, Anna Paula Sandri Zappe 3, Hugo Henzel Steinner 4, Mariana

Leia mais

Compactação dos Solos. Fernando A. M. Marinho 2012

Compactação dos Solos. Fernando A. M. Marinho 2012 Compactação dos Solos Fernando A. M. Marinho 2012 Por que Compactar os Solos? Objetivos da Compactação Aumentar a capacidade suporte do solo. Diminuir os recalques indesejados nas estruturas. Controlar

Leia mais

3 Aspectos Geológicos e Geotécnicos

3 Aspectos Geológicos e Geotécnicos 3 Aspectos Geológicos e Geotécnicos Nos itens a seguir serão abordados os aspectos geológicos e geotécnicos de maior interesse na área da Barragem de Terra da Margem Esquerda. 3.1. Características Gerais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL ECV 114 FUNDAÇÕES E OBRAS DE TERRA RECALQUES ana.paula.moura@live.com PROGRAMAÇÃO

Leia mais

Estudo da Plasticidade de Misturas de Bentonita-Areia

Estudo da Plasticidade de Misturas de Bentonita-Areia Estudo da Plasticidade de Misturas de Bentonita-Areia Giovana Collodetti e Kátia Vanessa Bicalho Departamento de Engenharia Civil, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Vitória, Espírito Santo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO ESTRUTURAL DE VIAS SOBRE LASTRO

AVALIAÇÃO DO ESTADO ESTRUTURAL DE VIAS SOBRE LASTRO 11 a. SEMANA DE TECNOLOGIA METROVIÁRIA FÓRUM TÉCNICO AVALIAÇÃO DO ESTADO ESTRUTURAL DE VIAS SOBRE LASTRO AUTORES: (1) CÁSSIO EDUARDO LIMA DE PAIVA - UNICAMP (2) JOÃO DINI PIVOTO MRS LOGÍSTICA (3) FERNANDO

Leia mais

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 9) com respostas dos exercícios

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 9) com respostas dos exercícios 1 Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 9) com respostas dos exercícios Helio Marcos Fernandes Viana Conteúdo da aula prática Exercícios de classificação dos solos pelo sistema HRB (Highway

Leia mais

Roberta Bomfim Boszczowski e Laryssa Petry Ligocki. Características Geotécnicas dos Solos Residuais de Curitiba e RMC

Roberta Bomfim Boszczowski e Laryssa Petry Ligocki. Características Geotécnicas dos Solos Residuais de Curitiba e RMC Roberta Bomfim Boszczowski e Laryssa Petry Ligocki Características Geotécnicas dos Solos Residuais de Curitiba e RMC MAPA GEOLÓGICO CARACTERÍSTICAS REGIONAIS Rochas do embasamento: condições muito boas

Leia mais

Investigações Geotécnicas!" " #$"""

Investigações Geotécnicas!  #$ Investigações Geotécnicas!" " #$""" Investigações Geotécnicas Investigação geotécnica de campo: levantamento de superfície, sondagens, ensaios; coleta de amostras. Investigação geotécnica de Laboratório

Leia mais

Compressibilidade Unidimensional

Compressibilidade Unidimensional Compressibilidade Unidimensional Introdução Deslocamentos em edificações (recalques): Hipótese usual do cálculo estrutural: deslocamentos nulos Natureza: sempre existem, por menores que sejam Introdução

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Índices Físico. Disciplina: Geotecnia 1. Prof a. : Melina Freitas Rocha. Geotecnia I

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Índices Físico. Disciplina: Geotecnia 1. Prof a. : Melina Freitas Rocha. Geotecnia I Pontifícia Universidade Católica de Goiás Índices Físico Disciplina: Geotecnia 1 Prof a. : Melina Freitas Rocha O ESTADO DO SOLOS Índices físicos entre as três fases: os solos são constituídos de três

Leia mais

Composição dos Solos

Composição dos Solos Composição dos Solos Composição do Solo Fragmentos de rocha Minerais primários Minerais secundários: Argilo-minerias Silicatos não cristalinos Óid Óxidos e hidróxidos hidóid de ferro e alumínio íi Carbonatos

Leia mais

AULA 3: O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS E

AULA 3: O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS E AULA 3: O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS E IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Augusto Montor ÍNDICES FÍSICOS UMIDADE (w) - % w = M água M seca. 100 w = M natural M s.estufa M s.estufa.

Leia mais

Condicionantes geotécnicos da área de implantação do Oceanário Brasil Rio Grande/RS

Condicionantes geotécnicos da área de implantação do Oceanário Brasil Rio Grande/RS Condicionantes geotécnicos da área de implantação do Oceanário Brasil Rio Grande/RS Dias, C. R. R. Escola de Engenharia - FURG, Rio Grande, RS, Brasil, claudiodias@furg.br Bastos, C. A. B. Escola de Engenharia

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Classificação de Solos

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Classificação de Solos Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas FACET Curso: Bacharelado em Engenharia Civil Estradas 2 Classificação de Solos Prof. Me. Arnaldo Taveira Chioveto

Leia mais

6 CARACTERIZAÇÃO DO SOLO

6 CARACTERIZAÇÃO DO SOLO 6 CARACTERIZAÇÃO DO SOLO Este capítulo apresenta os resultados das caracterizações física, química e mineralógica do depósito mole estudado, juntamente com suas análises e interpretações. As metodologias

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA I

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA I UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA I Aula 01 Augusto Romanini Sinop - MT 2017/2 Versão: 2.0 AULAS Aula

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DO EMPOLAMENTO DOS SOLOS

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DO EMPOLAMENTO DOS SOLOS CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DO EMPOLAMENTO DOS SOLOS Ronaldo Rocha Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Est. de São Paulo - IPT, São Paulo, Brasil, rrocha@ipt.br José Maria de Camargo Barros Instituto de

Leia mais

COMPRESSIBILIDADE E ADENSAMENTO EXERCÍCIOS PROPOSTOS

COMPRESSIBILIDADE E ADENSAMENTO EXERCÍCIOS PROPOSTOS COMPRESSIBILIDADE E ADENSAMENTO EXERCÍCIOS PROPOSTOS QUESTÕES TEÓRICAS 1. O que significa comportamento não drenado? 2. Porque, no caso de solos argilosos, deve-se estudar a resposta não drenada do solo?

Leia mais

Propriedades Geotécnicas das Argilas Moles da Estrada de Transporte de Equipamentos Pesados do COMPERJ

Propriedades Geotécnicas das Argilas Moles da Estrada de Transporte de Equipamentos Pesados do COMPERJ Propriedades Geotécnicas das Argilas Moles da Estrada de Transporte de Equipamentos Pesados do COMPERJ Rubenei Novais Souza Petróleo Brasileiro S.A., Rio de Janeiro, Brasil, rubenei@petrobras.com.br Tales

Leia mais

Região localizada no bairro Barra da Tijuca, zona oeste do RJ; Área com aproximadamente m²; Eventos: Rock in Rio e Olimpíadas de 2016.

Região localizada no bairro Barra da Tijuca, zona oeste do RJ; Área com aproximadamente m²; Eventos: Rock in Rio e Olimpíadas de 2016. Cidade do Rock Região localizada no bairro Barra da Tijuca, zona oeste do RJ; Área com aproximadamente 250.000 m²; Eventos: Rock in Rio e Olimpíadas de 2016. Caracterização do Solo Tabela 1 - Descrição

Leia mais

Os ensaios geotécnicos e a definição dos parâmetros de projetos na obra do dique seco do Estaleiro Rio Grande Definição da estratigrafia local

Os ensaios geotécnicos e a definição dos parâmetros de projetos na obra do dique seco do Estaleiro Rio Grande Definição da estratigrafia local Os ensaios geotécnicos e a definição dos parâmetros de projetos na obra do dique seco do Estaleiro Rio Grande Definição da estratigrafia local Dias, C. R. R. Escola de Engenharia - FURG, Rio Grande, RS,

Leia mais

Estudo Experimental de Misturas Areia-Cinza de Carvão Mineral com e sem Adição de Cal para Aplicação em Obras Geotécnicas

Estudo Experimental de Misturas Areia-Cinza de Carvão Mineral com e sem Adição de Cal para Aplicação em Obras Geotécnicas Estudo Experimental de Misturas Areia-Cinza de Carvão Mineral com e sem Adição de Cal para Aplicação em Obras Geotécnicas Amanda Maria Chrispim Meliande 1 Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro,

Leia mais

MECÂNICA DOS SOLOS II COMPRESSIBILIDADE DOS SOLOS

MECÂNICA DOS SOLOS II COMPRESSIBILIDADE DOS SOLOS MECÂNICA DOS SOLOS II COMPRESSIBILIDADE DOS SOLOS Aula 4 - Notas de aula DEVIDO A CARGAS APLICADAS Compressibilidade- NBR 6502/95 Propriedade de um solo relativa à sua suscetibilidade de diminuir de volume

Leia mais

Plano de Ensino de GEOTECNIA I TURMAS A02 e C01 PRELEÇÃO

Plano de Ensino de GEOTECNIA I TURMAS A02 e C01 PRELEÇÃO Plano de Ensino de GEOTECNIA I TURMAS A02 e C01 PRELEÇÃO 1. Ementa Fundamentos de geologia de engenharia. Estudo das propriedades físicas e classificação dos solos. Compactação. Pressões geostáticas e

Leia mais

Laboratório de Mecânica dos Solos. Primeiro Semestre de 2017

Laboratório de Mecânica dos Solos. Primeiro Semestre de 2017 Laboratório de Mecânica dos Solos Primeiro Semestre de 2017 Aula 2 - O estado do solo 1. Índices físicos entre as três fases Num solo, só parte do volume total é ocupado pelas partículas sólidas, que se

Leia mais

Um Estudo Preliminar Sobre a Infiltrabilidade Vertical de Alguns Solos da Cidade de Salvador-BA

Um Estudo Preliminar Sobre a Infiltrabilidade Vertical de Alguns Solos da Cidade de Salvador-BA Um Estudo Preliminar Sobre a Infiltrabilidade Vertical de Alguns Solos da Cidade de Salvador-BA Luis Edmundo Prado de Campos Universidade Federal da Bahia Paulo Cesar Burgos Universidade Federal da Bahia

Leia mais

ASPECTOS GEOTÉCNICOS EM OBRAS DE TERRA - ESTUDO DE CASO EM CANAIS DE ÁGUA NA REGIÃO DO CARIRI

ASPECTOS GEOTÉCNICOS EM OBRAS DE TERRA - ESTUDO DE CASO EM CANAIS DE ÁGUA NA REGIÃO DO CARIRI ASPECTOS GEOTÉCNICOS EM OBRAS DE TERRA - ESTUDO DE CASO EM CANAIS DE ÁGUA NA REGIÃO DO CARIRI Prof. Dra. ANA PATRÍCIA NUNES BANDEIRA (Prof. UFCA - Engenheira Civil Área de Geotecnia) OBRAS DE TERRA - Conceito

Leia mais

Espacialização do Subsolo com Dados de Sondagens a Percussão e Mista Através do Software RockWorks

Espacialização do Subsolo com Dados de Sondagens a Percussão e Mista Através do Software RockWorks Espacialização do Subsolo com Dados de Sondagens a Percussão e Mista Através do Software RockWorks Vinícius Resende Domingues Centro Universitário de Brasília, Brasília, Brasil, vinicius.rdomingues@gmail.com

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Interação solo X estrutura Recalques Recalques

Leia mais

Solo-cimento UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos

Solo-cimento UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos Solo-cimento Prof.: Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) SINOP - MT 2015 Técnicas de melhoramento

Leia mais

Compressão unidimensional de solos residuais da Formação Potengi

Compressão unidimensional de solos residuais da Formação Potengi Compressão unidimensional de solos residuais da Formação Potengi Olavo Francisco dos Santos Jr. Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN Francisco Chagas da Silva

Leia mais

Tratamento Geotécnico de Solos Moles com a Técnica Consolidação Profunda Radial (CPR) em Obra de Ampliação Portuária

Tratamento Geotécnico de Solos Moles com a Técnica Consolidação Profunda Radial (CPR) em Obra de Ampliação Portuária XVIII Congresso Brasileiro de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica O Futuro Sustentável do Brasil passa por Minas 19-22 Outubro, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil ABMS, 2016 Tratamento Geotécnico

Leia mais

ESTUDO DO COLAPSO DOS SOLOS PARA DIMENSIONAMENTO DE FUNDAÇÕES SUPERFICIAIS

ESTUDO DO COLAPSO DOS SOLOS PARA DIMENSIONAMENTO DE FUNDAÇÕES SUPERFICIAIS ESTUDO DO COLAPSO DOS SOLOS PARA DIMENSIONAMENTO DE FUNDAÇÕES SUPERFICIAIS Carlos Ernesto de Melo UFCA, Juazeiro do Norte, Brasil, eng.carlos2012@hotmail.com. Ana Patricia Nunes Bandeira UFCA, Juazeiro

Leia mais

Atuação em Obras Costeiras e Portuárias

Atuação em Obras Costeiras e Portuárias Reunião preparatória do workshop: Perspectivas Atuais e Futuras da Engenharia Costeira no Brasil Atuação em Obras Costeiras e Portuárias Prof. Dr. Claudio Renato Rodrigues Dias 06/10/2005 Centro da cidade

Leia mais

Associado à. Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS

Associado à. Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS Associado à Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS 38 ANOS MEMORIAL DESCRITIVO CLIENTE: SR. LUCIANO OLIVEIRA OBRA PRÉDIO RESIDENCIAL DATA 15/09/2011 Belém, 15 de setembro de 2011 AO SR. LUCIANO

Leia mais

REAPROVEITAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE RCD PARA REFORÇO DE SOLO COM ADIÇÃO DE FIBRAS

REAPROVEITAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE RCD PARA REFORÇO DE SOLO COM ADIÇÃO DE FIBRAS REAPROVEITAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE RCD PARA REFORÇO DE SOLO COM ADIÇÃO DE FIBRAS Thaísa Ferreira Macedo Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco, Recife/PE, Brasil, thaisa_197@hotmail.com

Leia mais

6. Análise de Estabilidade

6. Análise de Estabilidade . Análise de Estabilidade As análises de estabilidade de aterros sobre solos moles podem ser realizadas em termos de tensões totais (φ = ) ou em termos de tensões efetivas (c, φ e u ). A condição não drenada

Leia mais

Caracterização Geotécnica de Depósito de Solos Moles com Ocorrência em Obra de Duplicação da BR-101 no Vale do Rio Curimataú-RN

Caracterização Geotécnica de Depósito de Solos Moles com Ocorrência em Obra de Duplicação da BR-101 no Vale do Rio Curimataú-RN Caracterização Geotécnica de Depósito de Solos Moles com Ocorrência em Obra de Duplicação da BR-101 no Vale do Rio Curimataú-RN Alexandre da Costa Pereira 1, Roberto Quental Coutinho 2, Ricardo Flores

Leia mais

6.2 MELHORAMENTO DAS CARACTERÍSTICAS DE GRANULOMETRIA E PLASTICIDADE

6.2 MELHORAMENTO DAS CARACTERÍSTICAS DE GRANULOMETRIA E PLASTICIDADE Melhoramento dos Solos com a Adição de Cal Análise dos Resultados Obtidos 6.1 INTRODUÇÃO Neste capítulo são apresentados e analisados os resultados obtidos nos ensaios destinados a avaliar os efeitos da

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA I

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA I UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA I Aula 03 Granulometria dos solos Augusto Romanini Sinop - MT 2017/1

Leia mais

4 Caracterização física, química e mineralógica dos solos

4 Caracterização física, química e mineralógica dos solos 4 Caracterização física, química e mineralógica dos solos O presente capítulo apresenta tanto os procedimentos experimentais empregados para a realização dos ensaios de caracterização geotécnica dos materiais

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PELA METODOLOGIA MCT EXPEDITA 1

CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PELA METODOLOGIA MCT EXPEDITA 1 CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PELA METODOLOGIA MCT EXPEDITA 1 Gabriela Almeida Bragato 2, Lucas Pufal 3, Claudio Luiz Queiroz 4, Anna Paula Sandri Zappe 5, Nicole

Leia mais

Casos de Estudos Geotécnicos para Fundações de Aerogeradores em Subsolo Arenoso.

Casos de Estudos Geotécnicos para Fundações de Aerogeradores em Subsolo Arenoso. Casos de Estudos Geotécnicos para Fundações de Aerogeradores em Subsolo Arenoso. Prof. Marcos Fábio Porto de Aguiar, D.Sc. Instituto Federal do Ceará (IFCE) Universidade de Fortaleza (UNIFOR) Introdução

Leia mais

Mecânica dos Solos I (TEC00259) Compressibilidade e recalques elásticos nos solos. Prof. Manoel Isidro de Miranda Neto Eng.

Mecânica dos Solos I (TEC00259) Compressibilidade e recalques elásticos nos solos. Prof. Manoel Isidro de Miranda Neto Eng. Mecânica dos Solos I (TEC00259) Compressibilidade e recalques elásticos nos solos Prof. Manoel Isidro de Miranda Neto Eng. Civil, DSc Compressibilidade e recalques elásticos nos solos SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Compactação Exercícios

Compactação Exercícios Compactação Exercícios 1. Num ensaio de compactação foram obtidos os dados listados na tabela abaixo Identificação 1 2 3 4 5 Teor de umidade, w (%) 5,2 6,8 8,7 11,0 13,0 Massa do cilindro + solo (g) 9810

Leia mais

RESISTÊNCIA AO CISALHAMENTO EXERCÍCIOS PROPOSTOS QUESTÕES TEÓRICAS

RESISTÊNCIA AO CISALHAMENTO EXERCÍCIOS PROPOSTOS QUESTÕES TEÓRICAS RESISTÊNCIA AO CISALHAMENTO EXERCÍCIOS PROPOSTOS QUESTÕES TEÓRICAS 1) O que é envoltória de ruptura? 2) Quais os mecanismos que interferem na resistência ao cisalhamento dos solos? 3) Qual critério de

Leia mais

ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS DE ROCHAS CALCÁRIAS PARA USO EM CAMADAS DE PAVIMENTOS

ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS DE ROCHAS CALCÁRIAS PARA USO EM CAMADAS DE PAVIMENTOS ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS DE ROCHAS CALCÁRIAS PARA USO EM CAMADAS DE PAVIMENTOS Felipe Cordeiro de Lima Ricardo Almeida de Melo ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS

Leia mais

1. Rochas e formação de solos. Composição de solos.

1. Rochas e formação de solos. Composição de solos. Capítulo 1 DOS SÓLIDOS AOS SOLOS 1. Rochas e formação de solos. Composição de solos. Rocha material sólido que constitui o planeta; matéria mineral sólida e contínua. Tipos de Rochas: Magmáticas (ou ígneas

Leia mais

Princípios da Mecânica Força

Princípios da Mecânica Força Mecânica dos Solos e Fundações PEF 522 5 a Aula Conceitos de Tensões total, neutra e efetiva Capilaridade Transmissão de tensões no solo Prof. Fernando A. M. Marinho Princípios da Mecânica Força Equilíbrio

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Estados de consistência Limites de consistência

Leia mais

NOÇÕES DE SOLO. Rita Moura Fortes

NOÇÕES DE SOLO. Rita Moura Fortes NOÇÕES DE SOLO Rita Moura Fortes rita.fortes@latersolo.com.br Terminologia de solos e rochas TERMINOLOGIA Engenharia Civil Terra: construção civil material natural não consolidado, possível de ser escavado

Leia mais

PAULO DE TARSO LOPES E SILVA

PAULO DE TARSO LOPES E SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PAULO DE TARSO LOPES E SILVA PERMEABILIDADE E ADENSAMENTO DE SOLOS TÍPICOS DA FORMAÇÃO BARREIRAS EM PIRANGI-RN

Leia mais

Teor de MO e Densidade de solos

Teor de MO e Densidade de solos Teor de MO e Densidade de solos 29/01/2012 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com Introdução 2 1ª Parte Dia Mês Aula Programação Apresentação do Curso. 4 1ª Coleta e preparação de amostras. Caracterização

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS A diversidade

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS A diversidade

Leia mais

Análise Experimental de Solos Característicos do Distrito Federal Estabilizados com Cal

Análise Experimental de Solos Característicos do Distrito Federal Estabilizados com Cal XVIII Congresso Brasileiro de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica O Futuro Sustentável do Brasil passa por Minas 19-22 Outubro, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil ABMS, 2016 Análise Experimental

Leia mais

3. ESTUDOS GEOTÉCNICOS PARA PAVIMENTAÇÃO

3. ESTUDOS GEOTÉCNICOS PARA PAVIMENTAÇÃO 3. ESTUDOS GEOTÉCNICOS PARA PAVIMENTAÇÃO 3.1 ESTUDO DO SUBLEITO 3.1.1 OBJETIVOS (A) Reconhecimento dos solos do subleito - Perfis dos solos Perfis (unidades) geotécnicos - Caracterização das camadas (densidade,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2014 Análise da Resistência à Compressão Simples e Diametral de Misturas com Areia, Metacaulim e Cal Aluno: Ricardo José Wink de

Leia mais

Compressibilidade e Teoria do adensamento. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Compressibilidade e Teoria do adensamento. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compressibilidade e Teoria do adensamento Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compressibilidade É a diminuição do volume sob a ação de cargas aplicadas. É uma característica que todos os materiais possuem

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOTÉCNICA DE PERFIS DE SOLO DA VOÇOROCA CEILÂNDIA DISTRITO FEDERAL

CARACTERIZAÇÃO GEOTÉCNICA DE PERFIS DE SOLO DA VOÇOROCA CEILÂNDIA DISTRITO FEDERAL Goiânia (GO), a de maio de Pag CARACTERIZAÇÃO GEOTÉCNICA DE PERFIS DE SOLO DA VOÇOROCA CEILÂNDIA DISTRITO FEDERAL LIMA, M.C. (), CARVALHO, J.C. (), PEREIRA, H.F. (), () MSc. saides@unb.br; () PhD. camapum@unb.br;

Leia mais

P L A N O D E C U R S O. Objetivos Gerais: Estudar o solo como material de construção e como material para estruturas.

P L A N O D E C U R S O. Objetivos Gerais: Estudar o solo como material de construção e como material para estruturas. D E PA RTA M E N T O D E E N G E N H A R I A E N G 1 0 8 1 - G E O T E C N I A I T U R M A C 0 1 3 Ementa: P L A N O D E C U R S O Fundamentos de geologia de engenharia. Estudo das propriedades físicas

Leia mais

Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 6)

Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 6) 1 Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 6) Helio Marcos Fernandes Viana Tema: Plasticidade, estados de consistência e limites de consistência Conteúdo da parte 6 1 Plasticidade 2 Estados de consistência

Leia mais