7. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS ROCHAS ALTERADAS/SOLOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "7. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS ROCHAS ALTERADAS/SOLOS"

Transcrição

1 7. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS ROCHAS ALTERADAS/SOLOS Na tentativa de melhor identificar os materiais de alteração de rocha, como rocha alterada ou solo residual, realizou-se a imersão das mesmas em água, observando-se sua desintegração. Transcorridas 48 horas das amostras imersas, constatou-se que nenhuma apresentou desagregação completa, desta forma utilizou-se o termo rocha alterada/solo residual. As fotos após 48 horas de imersão podem ser apreciadas no anexo A CARACTERIZAÇÃO FÍSICA Os resultados dos ensaios de limites de Atterberg, peso específico dos sólidos e peso específico natural, que compõem a caracterização física, bem como alguns índices físicos deles derivados são mostrados na Tabela 7.1. Observa-se que os valores encontrados para a massa específica dos sólidos são relativamente elevados, especialmente no filito sericítico CMT 1B e básicas intrusivas TAM 2B e PIC 6A. Os valores da massa específica aparente natural encontrados foram aproximadamente 18 kn/m³, sendo valores comumente encontrados em solos siltosos. 87

2 Tabela 7.1: Resultados dos ensaios de caracterização física das amostras analisadas. (1) AMOSTRA LL LP IP γs γ γ d w (1) e (%) (%) (%) kn/m³ kn/m³ kn/m³ (%) CMT 1A ,92 16,95 13,66 24,14,97 CMT 1B ,85 18,55 16,2 15,82,8 CMT 1C ,81 19,94 15,54 28,3,66 CMT 4A ,42 18,43 15,35 2,11,66 CMT 4B ,6 18,78 14,97 25,44,81 TAM 2A ,8 19,34 15,11 28,1,71 TAM 2B ,34 18,93 15,51 22,9,89 PIC 6A ,21 19,82 15,74 25,9,86 Umidade natural obtida na abertura da amostra. LL Limite de Liquidez γs peso específico dos sólidos w teor de umidade LP Limite de Plasticidade γ - peso específico natural e índice de vazios IP Índice de Plasticidade γd - peso específico seco 7.1. GRANULOMETRIA CONJUNTA Apresentam-se no Gráfico 7.1, os resultados obtidos em ensaios de granulometria conjunta, realizados em laboratório, para as amostras analisadas. 1 9 Porcentagem que Passa ,1,1,1,1 1, CMT 1A CMT 1B CMT 1C CMT 4A CMT 4B TAM 2A TAM 2B PIC 6A Argila Silte Areia fina Areia média Areia grossa Pedregulho Diâmetro da Partícula (mm) Gráfico 7.1: Resultados da granulometria conjunta dos solos estudados. 88

3 Para melhor interpretação dos resultados, as porcentagens obtidas de cada fração foram agrupadas na Tabela 7.2. Tabela 7.2: Composição granulométrica dos os solos analisados. AMOSTRA ARGILA (%) SILTE (%) AREIA (%) CLASSIFICAÇÃO CMT 1A FS Silte areno-argiloso CMT 1B FS Silte areno-argiloso CMT 1C - FS Silte areno-argiloso CMT 4A BI Silte areno-argiloso CMT 4B BI Silte areno-argiloso TAM 2A BI Silte areno-argiloso TAM 2B BI Silte areno-argiloso PIC 6A BI Silte areno-argiloso Conforme apresentado na tabela supracitada, todas as amostras analisadas possuem na sua composição uma grande quantidade de silte, em média 7%, uma quantidade razoável de areia, em média 25% e uma baixa quantidade de argila com apenas 5% em média DIFRATOMETRIA DE RAIOS-X A identificação dos minerais em um solo pode ser feita utilizando-se a técnica da difração de raios-x, que é um método amplamente utilizado na identificação dos minerais presentes em solos finos e também na determinação de sua estrutura cristalina. Neste ensaio procurou-se separar as amostras nas frações areia, silte e argila para confecção das laminas de raios-x, todavia, conforme granulometria supracitada, em algumas amostras, não foi possível a separação da fração argila. Os difratogramas das amostras ensaiadas são mostrados a seguir e seus principais minerais podem ser identificados através da Tabela 7.3. Tabela 7.3: Simbologia de identificação dos minerais. Símbolo Argilomineral Símbolo Argilomineral Qz Quartzo Fd Feldspato ca Px Piroxênio Gt Goethita Há Halita Gb Gibsita He Hematita Caulinita 89

4 CMT 1A Filito Sericítico Intensidade (cps ) Figura 7.1: Diagrama de Raios-X da fração argila CMT 1A. Radiação Kα Intensidade (cps) Qz Gt Px Figura 7.2: Diagrama de Raios-X da amostra total CMT 1A. Radiação Kα 9

5 CMT 1B Filito Sericítico Intensidade (cps ) Fd Figura 7.3: Diagrama de Raios-X da fração silte CMT 1B. Radiação Kα 3 25 Qz+ Intensidade (cps) Fd Figura 7.4: Diagrama de Raios-X da amostra total CMT 1B. Radiação Kα 91

6 CMT 1C Filito Sericítico Intensidade (cps ) Fd Figura 7.5: Diagrama de Raios-X da fração argila CMT 1C. Radiação Kα 35 3 Qz+ Intensidade (cps) Fd Figura 7.6: Diagrama de Raios-X da amostra total CMT 1C. Radiação Kα 92

7 CMT 4A Rocha Básica Intrusiva 35 Intensidade (cps ) Ha Gt Figura 7.7: Diagrama de Raios-X da fração argila CMT 4A. Radiação Kα 35 3 Intensidade (cps) Gb Gb Gt Gt 5 He Figura 7.8: Diagrama de Raios-X da amostra total CMT 4A. Radiação Kα 93

8 CMT 4B Rocha Básica Intrusiva 12 1 Intensidade (cps ) Ha Figura 7.9: Diagrama de Raios-X da fração argila CMT 4B. Radiação Kα 35 Intensidade (cps) Gt He He Figura 7.1: Diagrama de Raios-X da amostra total CMT 4B. Radiação Kα 94

9 TAM 2A - Rocha Básica Intrusiva 7 6 Intensidade (cps ) Gt Ha Figura 7.11: Diagrama de Raios-X da fração argila TAM 2A. Radiação Kα 3 25 Qz Intensidade (cps) Gt Figura 7.12: Diagrama de Raios-X da amostra total TAM 2A. Radiação Kα 95

10 TAM 2B - Rocha Básica Intrusiva Intensidade (cps ) Gt Figura 7.13: Diagrama de Raios-X da fração argila TAM 2B. Radiação Kα 3 25 Intensidade (cps) Qz Gt Gt He Figura 7.14: Diagrama de Raios-X da amostra total TAM 2B. Radiação Kα 96

11 PIC 6A - Rocha Básica Intrusiva 35 3 Intensidade (cps ) Ha Figura 7.15: Diagrama de Raios-X da fração argila PIC 6A. Radiação Kα Qz+ Intensidade (cps) Qz Gt+He Gt He Figura 7.16: Diagrama de Raios-X da amostra total PIC 6A. Radiação Kα 97

12 Para as lâminas de filito sericítico, encontrou-se o mineral quartzo em todas as amostras totais. Já nas frações silte e argila, percebe-se a presença predominante de caulinita e mica. Estas amostras são a CMT 1A, CMT 1B e CMT 1C. Para a amostra CMT 1A, encontrou-se em sua fração argila, caulinita e mica e na amostra total, encontrou-se também goethita, quartzo e piroxênio. Para a CMT 1B, encontrou-se mica caulinita e feldspato em sua fração silte e em sua amostra total, encontrou-se também quartzo. Na amostra CMT 1C, foi encontrado na sua fração argila os minerais mica, caulinita e feldspatos e na sua amostra total encontrou-se também quartzo. O solo de alteração da rocha básica intrusiva CMT 4A apresentou, em sua fração argila, picos bastante nítidos de caulinita e halita, além da goethita. Já em sua amostra total, observou a presença de caulinita, gibsita, hematita e goethita. A amostra de CMT 4B, apresentou picos bem nítidos de caulinita e halita em sua fração argila e em sua amostra total os minerais caulinita, goethita e hematita. Encontrou-se na fração argila da amostra TAM 2A a presença de mica, caulinita, gothita e halita e em sua amostra total a presença de mica, caulinita, goethita e quartzo. Para a amostra TAM 2B, encontrou-se em sua fração argila a presença de mica, caulinita e goethita e em sua amostra total caulinita, goethita e quartzo. Na fração argila da amostra PIC 6A encontrou-se apenas caulinita e mica e na amostra total encontrou-se também quartzo, hematita e goethita. A halita presente no raio-x do solo (fração silte e argila) é provavelmente proveniente de impureza devido à preparação das laminas das amostras, onde foi usado o NaCl (sal). 98

13 7.3. MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA Rocha Alterada/Solo Residual Filito Sericítico Figura 7.17: Imagem do solo residual de filito a amostra CMT1A. Observa-se o predomínio de material micáceo com esfoliação. Esfoliação nos aglomerados de mica Figura 7.18: Imagem da amostra CMT1B. Observa-se grande presença de micas. Alguns aglomerados apresentam sinais de esfoliação. 99

14 Figura 7.19: Imagem do solo residual de filito da amostra CMT1C. Pode-se observar a presença predominante de material micáceo, com sinais de esfoliação. Rocha Alterada/Solo Residual Rocha Básica Intrusiva cas Figura 7.2: Imagem da amostra de solo residual de básica intrusiva CMT4A. Observa-se um aglomerado de partículas minerais, com algumas micas. 1

15 Figura 7.21: Imagem do solo residual de básica intrusiva da amostra CMT4B, mostrando predomínio de minerais da fração argila, principalmente micas. Figura 7.22: Imagem de solo residual de básica intrusiva da amostra TAM2A, mostrando predomínio de minerais planares (micas). 11

16 Figura 7.23: Imagem da amostra TAM2B (solo residual de básica intrusiva). Grande quantidade de material na fração silte, incluindo cristais de quartzo e micas. Figura 7.24: Imagem da amostra de solo residual da na do Pico (PIC6A). A textura do solo mostra predomínio de minerais, principalmente micas, da fração argila. 12

17 7.4. CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA DOS SOLOS ESTUDADOS O quadro abaixo apresenta a classificação geotécnica das amostras, segundo o Sistema Unificado de Classificação dos Solos (SUCS) de Casagrande e a Classificação do Highway Research Board (HRB), também adotada pela AASHTO, que utilizam como parâmetros de classificação a granulometria e os limites de Atterberg. Tabela 7.4: Classificação geotécnica dos solos analisados. AMOSTRA SUCS HRB CMT 1A FS CMT 1B FS CMT 1C - FS CMT 4A BI CMT 4B BI TAM 2A BI TAM 2B BI PIC 6A BI ML Silte de baixa compressibilidade ML Silte de baixa compressibilidade CL-ML Argila siltosa de baixa compressibilidade ML-CL Silte argiloso de baixa compressibilidade ML-MH Silte de média compressibilidade ML-MH CL-CH Silte argiloso de média compressibilidade CL Argila de baixa compressibilidade CL-ML Argila siltosa de baixa compressibilidade A-7-6 Argila siltosa plástica com pouco material grosso. A 6 ou A 7-6 Argila siltosa medianamente plástica com pouco material grosso A 7-6 Argila siltosa plástica com pouco material grosso. A 7-6 Argila siltosa plástica com pouco material grosso. A 7-5 Silte de baixa compressibilidade / silte com pequena quantidade de material grosso e argila plástica A 7-6 Argila siltosa plástica com pouco material grosso. A 7-6 Argila siltosa plástica com pouco material grosso. A 7-6 Argila siltosa plástica com pouco material grosso. 13

18 Como pode ser observado na Tabela 7.5, todas as amostras analisadas possuem em sua composição baixos teores de argila, todavia, estas são muito ativas, implicando ao material um comportamento geotécnico às vezes argiloso. Tabela 7.5: Cálculo do Índice de Atividade. AMOSTRA IP (%) ARGILA (%) IA (%) Plasticidade CMT 1A FS ,2 Média CMT 1B FS , Média CMT 1C - FS ,5 Média CMT 4A BI , Média CMT 4B BI ,5 Média TAM 2A BI 2 4 5, Média TAM 2B BI , Média PIC 6A BI ,6 Média Percebe-se, principalmente para as amostras CMT 1C, TAM 2A e TAM 2B, valores de índices de atividades muito elevados, proporcionando ao solo um comportamento argiloso segundo a classificação SUCS e classificação HRB, com apenas 2%, 4% e 1% de argila, respectivamente. Segundo GUSMÃO FILHO (22), pode-se classificar todas as amostras como solo de média plasticidade, uma vez que seu índice de plasticidade está compreendido no intervalo de 8% a 25% ENSAIO DE ADENSAMENTO UNIDIMENSIONAL (OEDOMÉTRICO) Os resultados dos ensaios de adensamento unidimensional estão apresentados na Tabela 7.6. A direção do carregamento em relação ao bandamento do material foi previamente esclarecida no item O método utilizado para determinação da tensão de pré-adensamento foi o de Pacheco Silva. Os gráficos e ' σ deste ensaio estão apresentados no anexo para maiores log v esclarecimentos. Nestes percebe-se nitidamente as curvas do estágio onde ocorreu a inundação da célula de adensamento, correspondente ao sétimo estágio onde este apresentava um carregamento de 8 kgf. Como citado anteriormente, as tensões de pré-adensamento (σ v ) foram determinadas pelo método de Pacheco Silva, que se inicia traçando um prolongamento 14

19 através do trecho de compressão virgem do solo até interceptar a reta que passa pelo índice de vazios inicial. Como na inundação não existiu um deslocamento considerável, não houve a necessidade de correção do procedimento. Tabela 7.6: Resultados dos ensaios de adensamento unidimensional (Oedométrico). AMOSTRA γ s γ γ d W S r σ' v Cc e kn/m³ kn/m³ kn/m³ (%) (%) kn/m² CMT 1A FS 26,92 16,95 13,66 24,14 6,69,474,971 48, CMT 1B FS 28,85 18,55 16,2 15,82 5,7,254,81 114, CMT 1C - FS 25,81 19,94 15,54 28,3 11,5,44, , CMT 4A BI 25,42 18,43 15,35 2,11 7,79,236, , CMT 4B BI 27,6 18,78 14,97 25,44 8,53,63,87 28, TAM 2A BI 25,8 19,34 15,11 28,1 1,22,28,77 78, TAM 2B BI 29,34 18,93 15,51 22,9 7,27,32,892 95, PIC 6A BI 29,21 19,82 15,74 25,9 8,85,34,855 82, Os valores de σ v encontrados foram maiores e próximos entre as amostras CMT 1B e CMT 4A. As amostras TAM 2A, TAM 2B e PIC 6A apresentaram valores intermediários e também próximos entre si. Os valores mais baixos foram apresentados pelas amostras CMT 1A, CMT 1C e CMT 4B e próximos entre si, (Gráfico 7.2). Por se tratarem de rochas alteradas/solos residuais, apresentando valores de coesão consideráveis, pode-se afirmar que estes materiais são pré-adensados. Tensão de Pré-Adensamento (kpa) CMT 4A: 168 CMT 1B: 114 TAM 2B: 95 PIC 6A: 82 TAM 2A: 78 CMT 1A: 48 CMT 1C: 275 Solo - Básica Intrusiva Solo Filito Sericítico CMT 4B: 28 Gráfico 7.2: Tensão de pré-adensamento dos solos. 15

20 7.6. ENSAIO TRIAXIAL - CIU SAT Os resultados dos ensaios triaxiais CIU SAT estão apresentados na Tabela 7.7 abaixo e são expressos em termos de tensões totais e tensões efetivas. Estes ensaios mostram valores de coesão e ângulos de atrito diferenciados dentre os materiais analisados, tanto para as análises em termos de tensões totais quanto efetivas. Tabela 7.7: Valores dos parâmetros obtidos nos ensaios triaxiais. AMOSTRA Direção de Carregamento PARÂMETROS c (kpa) φ (º) c' (kpa) φ (º) CMT 1A FS Perpendicular à foliação 95,29 15,45 68,52 27,46 CMT 1B FS Paralelo à foliação 96,48 23,39 73,46 39,52 CMT 1C - FS Perpendicular à foliação 56,84 14,4 45,39 14,2 CMT 4A BI Paralelo à foliação 55,48 21,91 25,4 31,7 CMT 4B BI Perpendicular à foliação 2,27 44,44 135,79 44,41 TAM 2A BI Paralelo à foliação 368,34 17,45 97,71 44,24 TAM 2B BI Perpendicular à foliação 68,25 21,87 37,64 31,78 PIC 6A BI Perpendicular à foliação 74,95 17,6 28,87 32,9 Os Gráficos 7.3 e 7.4 apresentam os valores dos parâmetros efetivos de resistência obtidos no ensaio triaxial CIU SAT, para os diferentes solos analisados. O solo CMT 4B, que apresenta maior coesão efetiva, também apresenta maior porcentagem de argila em sua composição, 12%, conforme Tabela 7.3. Todavia, este comportamento não é verificado para os demais, uma vez que, solos com baixas porcentagens de argila, possuíram elevados valores de coesão efetiva. Ainda, analisando-se os Gráficos 7.3 e 7.4, acredita-se que: 1. As rochas alteradas/solos residuais do filito sericítico apresentaram uma proporcionalidade em termos de parâmetros de resistência, ou seja, a amostra que apresentou maior coesão efetiva também apresentou maior ângulo de atrito efetivo. Este comportamento também pode ser estendido para as amostras de rocha alterada/solo residual de Rocha básica intrusiva. Também se verificou que não existiu uma relação entre a tensão de préadensamento e a resistência no ensaio triaxial CIU SAT. Nem sempre o solo com maior tensão de pré-adensamento possuiu maiores parâmetros de resistência. 16

21 Coesão Efetiva (kpa) Solo - Básica Intrusiva Solo - Filitosericítico CMT 1B: 73,46 CMT 1A: 68,52 CMT 1C: 45,39 TAM 2B: 37,64 TAM 2A: 97,71 CMT 4B: 135,79 CMT 4A: 25,4 PIC 6A: 28,87 Gráfico 7.3: Coesão efetiva dos Solos. Angulo de Atrito Efetivo ( ) CMT 1B: 39,52 TAM 2A: 44,24 CMT 4B: 44,41 CMT 4A: 31,7 CMT 1A: 27,46 PIC 6A: 32,9 TAM 2B: 31,78 CMT 1C: 14,2 Solo - Básica Intrusiva Solo - Filitosericítico Gráfico 7.4: Ângulo de atrito dos solos. 17

4 CARACTERIZAÇÃO GEOTÉCNICA E MINERALÓGICA

4 CARACTERIZAÇÃO GEOTÉCNICA E MINERALÓGICA Capítulo 4 Caracterização Geotécnica e neralógica 4 CARACTERIZAÇÃO GEOTÉCNICA E MINERALÓGICA 4.1 Considerações Iniciais Para o desenvolvimento do trabalho proposto foram realizados ensaios de caracterização

Leia mais

3 Aspectos Geológicos e Geotécnicos

3 Aspectos Geológicos e Geotécnicos 3 Aspectos Geológicos e Geotécnicos Nos itens a seguir serão abordados os aspectos geológicos e geotécnicos de maior interesse na área da Barragem de Terra da Margem Esquerda. 3.1. Características Gerais

Leia mais

Objetivo. Material de apoio. Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto, Oficina de Textos, 2006); Sumário

Objetivo. Material de apoio. Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto, Oficina de Textos, 2006); Sumário Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc. 1 Material de apoio 2 Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto,

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Classificação de Solos

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Classificação de Solos Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas FACET Curso: Bacharelado em Engenharia Civil Estradas 2 Classificação de Solos Prof. Me. Arnaldo Taveira Chioveto

Leia mais

Compacidade das areias e Limites de Atterberg

Compacidade das areias e Limites de Atterberg Conceitos Básicos P.P. (2011) GEOTÉCNIA Compacidade das areias e Limites de Atterberg Introdução (revisão) Mineralogia: argila se caracterizam por seu tamanho muito pequeno e sua atividade elétrica superficial

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO CURSOS QUE ATENDE DEPARTAMENTO ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

Parte 1: Conceitos Básicos GEOTÉCNICA. Granulometria

Parte 1: Conceitos Básicos GEOTÉCNICA. Granulometria Parte 1: Conceitos Básicos GEOTÉCNICA Granulometria Conceitos Geotécnicos Básicos Grãos individuais Tamanho, forma, rugosidade, mineralogia, superfície específica Relações entre fases Porosidade, índice

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL A ORIGEM DOS SOLOS Todos os solos se originam

Leia mais

Compressibilidade e Teoria do adensamento. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Compressibilidade e Teoria do adensamento. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compressibilidade e Teoria do adensamento Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compressibilidade É a diminuição do volume sob a ação de cargas aplicadas. É uma característica que todos os materiais possuem

Leia mais

Difratometria por raios X

Difratometria por raios X 57 A amostra 06 foi coletada no fundo de um anfiteatro (Figura 23), em uma feição residual de um degrau no interior da voçoroca, este material, aparentemente mais coeso, também consiste em areia muito

Leia mais

Figura 01 - Perfil esquemático de ocorrência de solos em ambiente tropical

Figura 01 - Perfil esquemático de ocorrência de solos em ambiente tropical 3.3 - SOLOS DE EVOLUÇÃO PEDOGÊNICA Complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação dos solos da agricultura. Compreendem a lixiviação do horizonte superficial e concentração

Leia mais

6 Resultado dos Ensaios de Caracterização Mecânica de Rocha

6 Resultado dos Ensaios de Caracterização Mecânica de Rocha 6 Resultado dos Ensaios de Caracterização Mecânica de Rocha A fim de caracterizar mecanicamente os blocos de afloramento de Botucatu, denominados A e B, foram realizados ensaios de tração indireta (ensaio

Leia mais

Anexo 3. Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS

Anexo 3. Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS Secção de Urbanismo, Transportes, Vias e Sistemas Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS Anexo 3 Secção de Urbanismo,

Leia mais

NOÇÕES DE SOLO. Rita Moura Fortes

NOÇÕES DE SOLO. Rita Moura Fortes NOÇÕES DE SOLO Rita Moura Fortes rita.fortes@latersolo.com.br Terminologia de solos e rochas TERMINOLOGIA Engenharia Civil Terra: construção civil material natural não consolidado, possível de ser escavado

Leia mais

APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS

APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS Marcelo Angst Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Bolsista de Iniciação Científica, mangciv@urisan.tche.br Universidade Regional Integrada

Leia mais

τ τ τ 5 - PROPRIEDADES RESISTENTES DOS SOLOS Lei de Coulomb τ - resistência ao corte c - coesão σ - tensão normal total φ - ângulo de atrito interno

τ τ τ 5 - PROPRIEDADES RESISTENTES DOS SOLOS Lei de Coulomb τ - resistência ao corte c - coesão σ - tensão normal total φ - ângulo de atrito interno 5 - PROPRIEDADES RESISTENTES DOS SOLOS Lei de Coulomb τ = c + σ tg φ Representação gráfica τ - resistência ao corte c - coesão σ - tensão normal total φ - ângulo de atrito interno τ τ τ τ = c + σ tg φ

Leia mais

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA ANÁLISE GRANULOMÉTRICA Usada para caracterizar o tamanho das partículas de um material Distinguem-se pelo tamanho cinco tipos de sólidos particulados: Pó: partículas de 1 μm até 0,5 mm Sólidos Granulares:

Leia mais

Plasticidade é a maior ou menor capacidade dos solos de serem moldados, sob certas condições de umidade, sem variação do volume.

Plasticidade é a maior ou menor capacidade dos solos de serem moldados, sob certas condições de umidade, sem variação do volume. 1 Plasticidade e Consistência dos solos 1 - Plasticidade 2 - Limites de consistência: - Limite de Liquidez - Limite de Plasticidade - Limite de Contração 3 - Índice de Plasticidade 4 - Índice de Consistência

Leia mais

Terraplenagem. Introdução. Introdução... Introdução... Fases do solo. Geologia de Engenharia III ENG05103

Terraplenagem. Introdução. Introdução... Introdução... Fases do solo. Geologia de Engenharia III ENG05103 Introdução Terraplenagem Geologia de Engenharia III ENG05103 Terraplenagem ou movimento de terra é um conjunto de operações necessárias para remover a terra dos locais em que se encontra em excesso para

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO QUESTÕES: Não estudar apenas por esta lista 1) Cite três importantes aplicações da moderna física do solo. 2) Cite as principais causas de compactação do solo. 3) Descreva

Leia mais

Um Estudo Preliminar Sobre a Infiltrabilidade Vertical de Alguns Solos da Cidade de Salvador-BA

Um Estudo Preliminar Sobre a Infiltrabilidade Vertical de Alguns Solos da Cidade de Salvador-BA Um Estudo Preliminar Sobre a Infiltrabilidade Vertical de Alguns Solos da Cidade de Salvador-BA Luis Edmundo Prado de Campos Universidade Federal da Bahia Paulo Cesar Burgos Universidade Federal da Bahia

Leia mais

5. Análise dos deslocamentos verticais

5. Análise dos deslocamentos verticais 5. Análise dos deslocamentos verticais Os deslocamentos verticais em aterros fundados em solos altamente compressíveis apresentam-se como uma das principais preocupações do engenheiro projetista. A busca

Leia mais

Teor de MO e Densidade de solos

Teor de MO e Densidade de solos Teor de MO e Densidade de solos 29/01/2012 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com Introdução 2 1ª Parte Dia Mês Aula Programação Apresentação do Curso. 4 1ª Coleta e preparação de amostras. Caracterização

Leia mais

Estudo Preliminar da Erodibilidade de um Perfil Solo Residual na BR 101 No Município de Campos dos Goytacazes/RJ.

Estudo Preliminar da Erodibilidade de um Perfil Solo Residual na BR 101 No Município de Campos dos Goytacazes/RJ. Estudo Preliminar da Erodibilidade de um Perfil Solo Residual na BR 101 No Município de Campos dos Goytacazes/RJ. Francisco de Deus Fonseca Neto, Izabel de Souza Ramos, Maria da Glória Alves, Josué Alves

Leia mais

APLICAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO COMO AGREGADO RECICLADO EM ESTACAS DE COMPACTAÇÃO

APLICAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO COMO AGREGADO RECICLADO EM ESTACAS DE COMPACTAÇÃO APLICAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO COMO AGREGADO RECICLADO EM ESTACAS DE COMPACTAÇÃO 1 Introdução A procura pelo progresso e crescimento das grandes cidades impulsionou o aumento do número

Leia mais

LABGEO UM PROGRAMA PARA GERENCIAMENTO, CÁLCULO E EMISSÃO

LABGEO UM PROGRAMA PARA GERENCIAMENTO, CÁLCULO E EMISSÃO LABGEO UM PROGRAMA PARA GERENCIAMENTO, CÁLCULO E EMISSÃO DE RELATÓRIO PARA LABORATÓRIOS DE MECÂNICA DOS SOLOS LUIS EDMUNDO PRADO DE CAMPOS (1) ADELVAN SANTOS DA SILVA (2) Sumário O LABGEO é um programa

Leia mais

LABORATÓRIO de MECÂNICA dos SOLOS - Noções de Resistência à Compressão - Ensaio de Compressão Simples e Diametral

LABORATÓRIO de MECÂNICA dos SOLOS - Noções de Resistência à Compressão - Ensaio de Compressão Simples e Diametral UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO de MECÂNICA dos SOLOS - Noções de Resistência à Compressão - Ensaio de Compressão

Leia mais

ARGILOMINERAIS PROPRIEDADES E APLICAÇÕES

ARGILOMINERAIS PROPRIEDADES E APLICAÇÕES Departamento de Engenharia Civil Pós-graduação ARGILOMINERAIS PROPRIEDADES E APLICAÇÕES Classificação Estrutural dos Argilominerais Introdução 1 Conceitos Geotécnicos Básicos 05/10/2011 Origem dos Solos

Leia mais

PLASTICIDADE DOS SOLOS

PLASTICIDADE DOS SOLOS INTRODUÇÃO Solos finos granulometria não é suficiente para caracterização; formados por partículas de grande área superficial (argilominerais) interação com a água propriedades plásticas f(tipo de argilomineral);

Leia mais

O EFEITO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO E COMPRESSÃO SIMPLES NA FUNÇÃO DE UMIDADE DE SOLOS RESIDUAIS NÃO SATURADOS

O EFEITO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO E COMPRESSÃO SIMPLES NA FUNÇÃO DE UMIDADE DE SOLOS RESIDUAIS NÃO SATURADOS O EFEITO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO E COMPRESSÃO SIMPLES NA FUNÇÃO DE UMIDADE DE SOLOS RESIDUAIS NÃO SATURADOS Alunos: Pedro Oliveira Bogossian Roque e Douglas Souza Alves Júnior Orientador: Tácio Mauro Pereira

Leia mais

Compactação Exercícios

Compactação Exercícios Compactação Exercícios 1. Num ensaio de compactação foram obtidos os dados listados na tabela abaixo Identificação 1 2 3 4 5 Teor de umidade, w (%) 5,2 6,8 8,7 11,0 13,0 Massa do cilindro + solo (g) 9810

Leia mais

ASPECTOS GEOTÉCNICOS EM OBRAS DE TERRA - ESTUDO DE CASO EM CANAIS DE ÁGUA NA REGIÃO DO CARIRI

ASPECTOS GEOTÉCNICOS EM OBRAS DE TERRA - ESTUDO DE CASO EM CANAIS DE ÁGUA NA REGIÃO DO CARIRI ASPECTOS GEOTÉCNICOS EM OBRAS DE TERRA - ESTUDO DE CASO EM CANAIS DE ÁGUA NA REGIÃO DO CARIRI Prof. Dra. ANA PATRÍCIA NUNES BANDEIRA (Prof. UFCA - Engenheira Civil Área de Geotecnia) OBRAS DE TERRA - Conceito

Leia mais

Princípios da Mecânica Força

Princípios da Mecânica Força Mecânica dos Solos e Fundações PEF 522 5 a Aula Conceitos de Tensões total, neutra e efetiva Capilaridade Transmissão de tensões no solo Prof. Fernando A. M. Marinho Princípios da Mecânica Força Equilíbrio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2014 Análise da Resistência à Compressão Simples e Diametral de Misturas com Areia, Metacaulim e Cal Aluno: Ricardo José Wink de

Leia mais

SIMBOLOGIA DE MECÂNICA DOS SOLOS

SIMBOLOGIA DE MECÂNICA DOS SOLOS SIMBOLOGIA DE MECÂNICA DOS SOLOS l. INTRODUÇÃO Este texto apresenta uma listagem das grandezas definidas no quadro geral de unidades de medida aprovadas pelo Decreto n 81.621 de 03 / 05 / 78 e que são

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS IN-01/94 Instrução

Leia mais

Investigações Geotécnicas!" " #$"""

Investigações Geotécnicas!  #$ Investigações Geotécnicas!" " #$""" Investigações Geotécnicas Investigação geotécnica de campo: levantamento de superfície, sondagens, ensaios; coleta de amostras. Investigação geotécnica de Laboratório

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Revisão Recalque imediato em areias Métodos

Leia mais

Capítulo 1 Origem e formação dos solos

Capítulo 1 Origem e formação dos solos Capítulo 1 Origem e formação dos solos Geotecnia I SLIDES 02 Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com A origem do solo Em geral, os solos são formados pela decomposição das rochas

Leia mais

Emprego de lignosulfonato de cálcio para estabilização química de solos do Rio Grande do Sul

Emprego de lignosulfonato de cálcio para estabilização química de solos do Rio Grande do Sul Autores: Daniel Henrique Schwendler Mariana da Silva Carretta João Rodrigo Guerreiro Mattos Emprego de lignosulfonato de cálcio para estabilização química de solos do Rio Grande do Sul INTRODUÇÃO OBJETIVO

Leia mais

GEOTÉCNICA Bibliografia

GEOTÉCNICA Bibliografia GEOTÉCNICA Formação de Solos - Solos Residuais - Solos Transportados Bibliografia: Notas de aula (apostila) de Geotécnica, Prof. Reno Reine Castello (1998) Chiossi, N. J. (1979); Geologia Aplicada à Engenharia

Leia mais

5 Características dos Solos e dos Corpos de Prova Utilizados

5 Características dos Solos e dos Corpos de Prova Utilizados 5 Características dos Solos e dos Corpos de Prova Utilizados 5.1 Solos Utilizados Para a realização dos ensaios foram escolhidos dois tipos de solos. Um dos materiais consiste de um solo maduro, argiloso,

Leia mais

EXERCÍCIOS DE GEOTECNIA

EXERCÍCIOS DE GEOTECNIA Geotécnica Engenharia Sanitária e Ambiental / Tecnologia em Mineração / Geologia EXERCÍCIOS DE GEOTECNIA Este material foi elaborado para auxiliar os alunos dos cursos de Engenharia Sanitária e Ambiental,

Leia mais

Caracterização / Limites de Consistências

Caracterização / Limites de Consistências Caracterização / Limites de Consistências 28/05/2013 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com Caracterização Granulométrica 2 Número Nome Obs. NBR-6502 Rochas e solos Terminologia NBR-13441 Rochas

Leia mais

Análise de ruptura em talude urbano, Ouro Preto, MG

Análise de ruptura em talude urbano, Ouro Preto, MG Análise de ruptura em talude urbano, Ouro Preto, MG Ferreira, S. B. Mestre, PPGEM/UFOP, Ouro Preto, MG, Brasil, e-mail: suelibferreira@yahoo.com.br Lana, M. S. Professora/UFOP, Ouro Preto, MG, Brasil,

Leia mais

Materiais para uso em vias não-pavimentadas

Materiais para uso em vias não-pavimentadas Materiais para uso em vias não-pavimentadas Alfredo L.M.d'Ávila 1, Fabricio da S. Terra 2 & Plínio Corral 2 1 Departamento de Engenharia Agrícola UFPEL, Pelotas, RS, alfredav@ufpel.tche.br 2 Acadêmicos

Leia mais

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE.001 2 1/ Código do cliente Rev. 0 KLABIN S. A. PARANAGUA PR TERRENO ROCHA RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO GEOTÉCNICA FUROS DE SONDAGENS Cliente : KLABIN S. A. Obra : LEVANTAMENTO

Leia mais

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA Movimento de Terra e Pavimentação NOTAS DE AULA MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Edson de Moura Aula 04 Granulometria de Solos 2011 17 Granulometria de Solos A finalidade da realização

Leia mais

Solos Conceitos e Ensaios da Mecânica dos Solos Classificação dos Solos para Fins Rodoviários

Solos Conceitos e Ensaios da Mecânica dos Solos Classificação dos Solos para Fins Rodoviários Disciplina: ETG033 Construção de Estradas e Vias Urbanas Profa. Jisela Aparecida Santanna Greco MATERIAIS PARA PAVIMENTAÇÃO Solos Conceitos e Ensaios da Mecânica dos Solos Classificação dos Solos para

Leia mais

SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD

SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD A classificação HRB (Highway Research Board), é resultante de alterações da classificação do Bureau

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Agregados. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Instrutor

Materiais e Processos Construtivos. Agregados. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Instrutor Agregados Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º Instrutor Março/2005 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

ROCHAS. 1. Considerações iniciais. 2. Definição.

ROCHAS. 1. Considerações iniciais. 2. Definição. ROCHAS 1. Considerações iniciais. Um dos mais antigos materiais de construção, junto com a madeira; Uso decrescente em função do desenvolvimento tecnológico de outros materiais; Crosta terrestre: 95% de

Leia mais

ESTRUTURA DO SOLO. Uma das propriedades mais importantes do solo Solos bem estruturados Solos bem agregados

ESTRUTURA DO SOLO. Uma das propriedades mais importantes do solo Solos bem estruturados Solos bem agregados 1 ESTRUTURA DO SOLO PROF. GILSON MOURA FILHO/SER/UFAL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: FÍSICA DE SOLOS 1. INTRODUÇÃO Uma das propriedades mais importantes do solo Solos bem estruturados

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO

DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO 1. Objetivo Determinar o coeficiente de permeabilidade à carga constante e à carga variável, com percolação de água através do solo em regime de escoamento laminar.

Leia mais

Joaquim Teodoro Romão de Oliveira, D. Sc. Prof. Adjunto - UNICAP Eng. Civil - UFPE. Pedro Eugenio Silva de Oliveira Engenheirando - UNICAP

Joaquim Teodoro Romão de Oliveira, D. Sc. Prof. Adjunto - UNICAP Eng. Civil - UFPE. Pedro Eugenio Silva de Oliveira Engenheirando - UNICAP Parâmetros Geotécnicos do Arenito do Estaleiro Atlântico Sul Suape - PE Joaquim Teodoro Romão de Oliveira, D. Sc. Prof. Adjunto - UNICAP Eng. Civil - UFPE Pedro Eugenio Silva de Oliveira Engenheirando

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO

ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO Alunos: Breno Verly Rosa e Alexandre da Rocha Rodrigues Orientador: Eurípides Vargas do Amaral Junior João Luis Teixeira de Mello

Leia mais

Revisão sobre Rochas e Minerais

Revisão sobre Rochas e Minerais Revisão sobre Rochas e Minerais Quando conhecemos melhor as pedras, elas deixam de ser simples objetos inanimados e transformam-se em pequenos capítulos da história do planeta Terra e da nossa própria

Leia mais

MINERAIS SECUNDÁRIOS

MINERAIS SECUNDÁRIOS MINERAIS SECUNDÁRIOS -Aula 27- Alexandre Paiva da Silva Minerais primários: diretamente da rocha Ex.: micas, feldspatos, quartzo, etc Minerais secundários: formados no solo a partir de outros minerais

Leia mais

O que são agregados? Agregados 2

O que são agregados? Agregados 2 AGREGADOS O que são agregados? Agregados 2 O que são agregados? Agregados 3 O que são agregados? Agregados 4 O que são agregados? ABNT NBR 9935/2005: Material sem forma ou volume definido, geralmente inerte,

Leia mais

Peso especifico aparente é a razão entre o peso da amostra e o seu volume:

Peso especifico aparente é a razão entre o peso da amostra e o seu volume: Peso especifico aparente é a razão entre o peso da amostra e o seu volume: Porosidade - é a razão entre o volume de vazios e o volume total de uma amostra da rocha: Absorção de água ou índice de absorção

Leia mais

Solos. Amostras colhidas com pá, trados manuais, etc Podem ir ate 6m de profundidade (estrutura do solo destruída).

Solos. Amostras colhidas com pá, trados manuais, etc Podem ir ate 6m de profundidade (estrutura do solo destruída). -Amostragem -Preparação das amostras -Composição granulométrica -Limites de consistência -Classificação -Compactação 1 Amostragem -Amostras remexidas Amostras colhidas com pá, trados manuais, etc Podem

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE QUEIMA DE ARGILAS UTILIZADAS PARA FABRICAÇÃO DE TELHAS NO MUNICÍPIO DE ITABORAÍ-RJ

CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE QUEIMA DE ARGILAS UTILIZADAS PARA FABRICAÇÃO DE TELHAS NO MUNICÍPIO DE ITABORAÍ-RJ ARATERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE UEIMA DE ARGILAS UTILIZADAS PARA FABRIAÇÃO DE TELHAS NO MUNIÍPIO DE ITABORAÍ-RJ Vitorino. J.P.D. 1 *, Vieira..M.F. 1, Duailibi Filho. J. 2 1 UENF/T/Laboratório

Leia mais

4. MATERIAIS UTILIZADOS

4. MATERIAIS UTILIZADOS 4. MATERIAIS UTILIZADOS Descrevem-se nesse capítulo a origem e as características dos materiais utilizados na pesquisa. 4.1 AREIA O Departamento de Edificações Rodovias e Transportes do Ceará - DERT, cedeu

Leia mais

Propriedades Geotécnicas das Argilas Moles da Estrada de Transporte de Equipamentos Pesados do COMPERJ

Propriedades Geotécnicas das Argilas Moles da Estrada de Transporte de Equipamentos Pesados do COMPERJ Propriedades Geotécnicas das Argilas Moles da Estrada de Transporte de Equipamentos Pesados do COMPERJ Rubenei Novais Souza Petróleo Brasileiro S.A., Rio de Janeiro, Brasil, rubenei@petrobras.com.br Tales

Leia mais

RELAÇÕES SOLO-ÁGUA-PLANTA-ATMOSFERA

RELAÇÕES SOLO-ÁGUA-PLANTA-ATMOSFERA RELAÇÕES SOLO-ÁGUA-PLANTA-ATMOSFERA 1 ABSORÇÃO DE ÁGUA PELAS PLANTAS MOVIMENTO DA ÁGUA DO SOLO PARA A ATMOSFERA ATRAVÉS DA PLANTA COMPOSIÇÃO DO SOLO SOLO material poroso, constituído de três fases: Sólida

Leia mais

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO CONCRETO

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO CONCRETO ELEMENTOS CONSTITUINTES DO CONCRETO O concreto, de emprego usual nas estruturas, são constituídos de quatro materiais: 1. Cimento Portland 2. Água 3. Agregado fino 4. Agregado graúdo O cimento e a água

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

Compressilidade e Adensamento

Compressilidade e Adensamento Compressilidade e Adensamento ADENSAMENTO DO SOLO Entende-se por adensamento de solo a diminuição dos seus vazios com o tempo, devido a saída da água do seu interior. Este processo pode ocorrer devido

Leia mais

4 Resultados e Análises

4 Resultados e Análises 4 Resultados e Análises Neste capítulo serão apresentados os resultados e as análises dos ensaios executados nesta pesquisa, para as amostras de solo, cinza de bagaço de cana-de-açúcar, cinza de casca

Leia mais

AGREGADOS. Conceito AGREGADOS AGREGADOS

AGREGADOS. Conceito AGREGADOS AGREGADOS Conceito Agregado é um material sem forma ou volume definido, de custo relativamente baixo, geralmente inerte, com dimensões e propriedades adequadas para a produção de argamassa e concreto. 1 Generalidades

Leia mais

ALTERNATIVA DE CONTROLE DA COMPACIDADE RELATIVA DE SOLOS NÃO- COESIVOS

ALTERNATIVA DE CONTROLE DA COMPACIDADE RELATIVA DE SOLOS NÃO- COESIVOS COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 0 A 07 DE JUNHO DE 2007 T100 A05 ALTERNATIVA DE CONTROLE DA COMPACIDADE RELATIVA DE SOLOS NÃO- COESIVOS Fabio de Oliveira

Leia mais

AVALIAÇÕES QUÍMICA, MINERALÓGICA E FÍSICA DE UM TIPO DE ROCHA DA EMPRESA SULCAMAR

AVALIAÇÕES QUÍMICA, MINERALÓGICA E FÍSICA DE UM TIPO DE ROCHA DA EMPRESA SULCAMAR Centro de Tecnologia Mineral Ministério da Ciência e Tecnologia Coordenação do Campus Avançado de Cachoeiro de Itapemirim CETEM/ ES AÇÃO Nº 07/0318 AVALIAÇÕES QUÍMICA, MINERALÓGICA E FÍSICA DE UM TIPO

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO N SOL /10 ENSAIOS EM AGREGADOS

RELATÓRIO DE ENSAIO N SOL /10 ENSAIOS EM AGREGADOS Ensaios NBR ISO/IEC 17025 Falcão Bauer Falcão Bauer Página: 1/5 CRL 0003 Laboratório de Ensaio Acreditado pela Cgcre/lnmetro de acordo com a NBR ISO/IEC 17025 sob o n CRL003. RELATÓRIO DE ENSAIO N SOL

Leia mais

Para análise e solução dos problemas mais importantes de engenharia de solos é necessário o conhecimento das características de resistência ao

Para análise e solução dos problemas mais importantes de engenharia de solos é necessário o conhecimento das características de resistência ao Vários materiais sólidos empregados em construção normalmente resistem bem as tensões de compressão, porém têm uma capacidade bastante limitada de suportar tensões de tração e de cisalhamento. Geralmente

Leia mais

MUROS DE CONTENÇÃO E ESTABILIDADE DE TALUDES. Trabalho Prático

MUROS DE CONTENÇÃO E ESTABILIDADE DE TALUDES. Trabalho Prático Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT - Campus de Sinop Curso de Engenharia Civil Geotecnia II MUROS DE CONTENÇÃO E ESTABILIDADE DE TALUDES Trabalho Prático Prof.: Flavio A. Crispim Sinop - MT 2016

Leia mais

Classificação dos Solos

Classificação dos Solos Classificação dos Solos SOLOS BRASILEIROS exemplo - solos do RS Lemos e outros,1973- escala 1:750.000 Levantamento semelhante p/ Santa Catarina Levantamentos Brasileiros - EMBRAPA e IBGE - RADAMBRASIL

Leia mais

FORMAS DE CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS

FORMAS DE CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS INTRODUÇÃO A diversidade e a enorme diferença de comportamento apresentada pelos diferentes solos natural agrupamento em conjuntos distintos aos quais são atribuídos algumas propriedades classificação

Leia mais

Estudo da Deformação Permanente de Alguns Solos Argilosos Lateríticos Visando o Uso em Pavimentos de Baixo Volume de Tráfego

Estudo da Deformação Permanente de Alguns Solos Argilosos Lateríticos Visando o Uso em Pavimentos de Baixo Volume de Tráfego Estudo da Deformação Permanente de Alguns Solos Argilosos Lateríticos Visando o Uso em Pavimentos de Baixo Volume de Tráfego Marangon, M. Departamento de Transportes, Universidade Federal de Juiz de Fora,

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais (Setor de Geotecnia)

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais (Setor de Geotecnia) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais (Setor de Geotecnia) MECÂNICA DOS SOLOS I e II Exercícios Autores: Sandro Lemos Machado e Miriam de Fátima

Leia mais

21º CBECIMAT - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 09 a 13 de Novembro de 2014, Cuiabá, MT, Brasil

21º CBECIMAT - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 09 a 13 de Novembro de 2014, Cuiabá, MT, Brasil CARACTERIZAÇÃO E PROPRIEDADES TECNOLÓGICAS DE ARGILAS UTILIZADAS NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ E OESTE DE SANTA CATARINA C. Z. Valdameri 1, D. F. CIESCA 1, L. Zatta 2, F. J. Anaissi 3, Departamento de Engenharia

Leia mais

ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR. Resumo: Introdução

ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR. Resumo: Introdução ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR Patrick Antonio Morelo (UNICENTRO), Luiz Fernando Cótica,Fabio Luiz Melquíades e Ricardo Yoshimitsu Miyahara (Orientador), e-mail: rmiyahara@unicentro.br.

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INTRODUÇÃO Os índices físicos determinados

Leia mais

ENSAIOS DE CAMPO Cone / Piezocone (Cone Penetration Test - CPT / Piezo Cone Penetration Test - CPTu)

ENSAIOS DE CAMPO Cone / Piezocone (Cone Penetration Test - CPT / Piezo Cone Penetration Test - CPTu) ENSAIOS DE CAMPO Cone / Piezocone (Cone Penetration Test - CPT / Piezo Cone Penetration Test - CPTu) NORMAS - NBR 12069: Ensaio de penetração de cone (CPT) in situ; - ASTM D-344: Standard test method for

Leia mais

ESTUDO DA RESISTÊNCIA DE INTERFACE ENTRE SOLOS E GEOMEMBRANAS ATRAVÉS DO ENSAIO DE RING SHEAR

ESTUDO DA RESISTÊNCIA DE INTERFACE ENTRE SOLOS E GEOMEMBRANAS ATRAVÉS DO ENSAIO DE RING SHEAR ESTUDO DA RESISTÊNCIA DE INTERFACE ENTRE SOLOS E GEOMEMBRANAS... 41 ESTUDO DA RESISTÊNCIA DE INTERFACE ENTRE SOLOS E GEOMEMBRANAS ATRAVÉS DO ENSAIO DE RING SHEAR Karla Maria Rebelo Wingler Engenheiro Civil,

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL -1 INCHAMENTO AGREGADOS MIÚDO, CONDIÇÕES DE UMIDADE AGREGADOS GRAÚDO UMIDADE CRÍTICA E COEFICIENTE DE INCHAMENTO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL -1 INCHAMENTO AGREGADOS MIÚDO, CONDIÇÕES DE UMIDADE AGREGADOS GRAÚDO UMIDADE CRÍTICA E COEFICIENTE DE INCHAMENTO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL -1 INCHAMENTO AGREGADOS MIÚDO, CONDIÇÕES DE UMIDADE AGREGADOS GRAÚDO UMIDADE CRÍTICA E COEFICIENTE DE INCHAMENTO INCHAMENTO O AGREGADO MIÚDO SOFRE UM FENÔMENO CONHECIDO COMO

Leia mais

EFEITOS DA VARIAÇÃO DA ENERGIA DE COMPACTAÇÃO NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E MECÂNICAS DE UM AGREGADO RECICLADO DE RCD PARA USO EM PAVIMENTAÇÃO

EFEITOS DA VARIAÇÃO DA ENERGIA DE COMPACTAÇÃO NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E MECÂNICAS DE UM AGREGADO RECICLADO DE RCD PARA USO EM PAVIMENTAÇÃO EFEITOS DA VARIAÇÃO DA ENERGIA DE COMPACTAÇÃO NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E MECÂNICAS DE UM AGREGADO RECICLADO DE RCD PARA USO EM PAVIMENTAÇÃO Amaro Gabriel Joaquim Priscila Santos Salgado Orientador:

Leia mais

5 Análise de Estabilidade

5 Análise de Estabilidade Análise de Estabilidade 79 5 Análise de Estabilidade 5.1. Introdução Mecanicamente, um escorregamento de massa ocorre quando as tensões solicitantes excedem a resistência ao cisalhamento do solo depositado.

Leia mais

ESTADO DE TENSÃO EM MACIÇOS TERROSOS

ESTADO DE TENSÃO EM MACIÇOS TERROSOS ESTADO DE TENSÃO EM MACIÇOS TERROSOS 1. A Figura 1 representa um corte interpretativo dum maciço onde se realiou uma campanha de prospecção e caracteriação geotécnica.,0 m 5,0 m S 0 % N. F. Areia γd 15,

Leia mais

Relatório da atividade nº 2 do módulo de Minas. Laboratório de Ciências do Ambiente I (modulo de Minas) Catarina Espregueira up201303364@fe.up.

Relatório da atividade nº 2 do módulo de Minas. Laboratório de Ciências do Ambiente I (modulo de Minas) Catarina Espregueira up201303364@fe.up. Relatório da atividade nº 2 do módulo de Minas DETERMINAÇÃO GRANULOMÉTRICA DE UM SOLO UTILIZANDO UM CYCLOSIZER Laboratório de Ciências do Ambiente I (modulo de Minas) Catarina Espregueira up201303364@fe.up.pt

Leia mais

UNIP - COMPLEMENTOS DE MECÂNICA DOS SOLOS E FUNDAÇÕES PROFESSORA MOEMA CASTRO, MSc. [ AULA 05]

UNIP - COMPLEMENTOS DE MECÂNICA DOS SOLOS E FUNDAÇÕES PROFESSORA MOEMA CASTRO, MSc. [ AULA 05] EXERCÍCIOS 01 - COMPACTAÇÃO Com base nos dados de um ensaio de compactação feito com a energia Proctor MODIFICADA, apresentados na tabela a seguir, e sabendo que a massa específica dos grãos do solo é

Leia mais

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage Indicações para os traçados e a utilização de diagramas Para se saber como os elementos são interligados e também para um perfeito entendimento dos comandos elétricos é necessária a correta interpretação

Leia mais

TEORIA DAS FUNDAÇÕES EXERCÍCIOS DE CÁLCULO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS (2003/04) DEC FCTUC

TEORIA DAS FUNDAÇÕES EXERCÍCIOS DE CÁLCULO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS (2003/04) DEC FCTUC TEORIA DAS FUNDAÇÕES EXERCÍCIOS DE CÁLCULO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS (2003/04) DEC FCTUC 1 - Considere uma estaca cravada, de betão, com secção circular de 0,5 m de diâmetro. Calcule a carga vertical máxima

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II. 2. Características tecnológicas: forma; massa específica; absorção; umidade superficial; massa unitária.

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II. 2. Características tecnológicas: forma; massa específica; absorção; umidade superficial; massa unitária. MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGREGADOS 2. Características tecnológicas: forma; massa específica; absorção; umidade superficial; massa unitária. Especificações e ensaios. Características dos Agregados O conhecimento

Leia mais

Introdução Conceitos Básicos e Parâmetros

Introdução Conceitos Básicos e Parâmetros Estabilidade de Taludes em Solo Introdução Conceitos Básicos e Parâmetros Fernando A. M. Marinho 2016 Por que as Coisas Caem? Devido a força da gravidade. As coisas sempre caíram e vão continuar caindo.

Leia mais

Unidade 3 - COMPRESSIBILIDADE E ADENSAMENTO DOS SOLOS

Unidade 3 - COMPRESSIBILIDADE E ADENSAMENTO DOS SOLOS Unidade 3-3.1 - Introdução As cargas de uma determinada estrutura ou, por exemplo, da construção de um aterro, são transmitidas ao solo gerando uma redistribuição dos estados de tensão em cada ponto do

Leia mais

Décima aula de FT. Segundo semestre de 2013

Décima aula de FT. Segundo semestre de 2013 Décima aula de FT Segundo semestre de 2013 Vamos eliminar a hipótese do fluido ideal! Por que? Simplesmente porque não existem fluidos sem viscosidade e para mostrar que isto elimina uma situação impossível,

Leia mais

1. Resumo O ensaio consiste na compressão do solo contido dentro de um molde que. O ensaio simula o comportamento do solo quando ele é comprimido pela

1. Resumo O ensaio consiste na compressão do solo contido dentro de um molde que. O ensaio simula o comportamento do solo quando ele é comprimido pela NBR 12007/1992 Ensaio de Adensamento Unidimensional 1. Resumo O ensaio consiste na compressão do solo contido dentro de um molde que impede qualquer deformação lateral. O ensaio simula o comportamento

Leia mais

EQUILÍBRIO INTERNO DE ESTRUTURAS

EQUILÍBRIO INTERNO DE ESTRUTURAS EQUILÍBRIO INTERNO DE ETRUTURA ORÇA AXIAL, CORTANTE E MOMENTO LETOR: Apesar de na prática uma estrutura possuir três dimensões, podemos reduzir este sistema em planos e semi-planos. ocalizaremos nossa

Leia mais

MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica

MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica OUTUBRO DE 2012 T E R R E S T R E. empresa sedeada em Itu/SP fornece consultas, projetos, ensaios especiais e serviços na área de geotecnia, drenagem, pavimentação,

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA CINZA GERADA A PARTIR DO PROCESSO DE QUEIMA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE CONCRETO

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA CINZA GERADA A PARTIR DO PROCESSO DE QUEIMA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE CONCRETO ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA CINZA GERADA A PARTIR DO PROCESSO DE QUEIMA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE CONCRETO André Fontebassi Amorim Silva (1), Jéssica da Silva Coelho (2), Jéssica Laila Rodrigues

Leia mais