Regulamento Campo de Férias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento Campo de Férias"

Transcrição

1 Regulamento Campo de Férias Julho Agosto

2 REGULAMENTO Campo de férias Nos meses de julho e agosto, o Colégio do Castanheiro oferece programas de campos de férias para crianças e jovens a partir dos três anos de idade. Essa opção materializa-se, geralmente, na dinamização de dois grandes campos de férias: (1) «Ondas de Aventura - Julho» e (2) «Ondas de Aventura - Agosto», organizados e contratualizados semanalmente. Num esforço por melhorar a resposta aos nossos alunos e garantir a qualidade desejada por todos, definiu-se o presente regulamento que determina o compromisso de todos os intervenientes direção, coordenação e monitores, encarregados de educação e educandos para que as atividades planificadas sejam executadas com rigor. Objeto 1- O presente regulamento tem como objetivo regular a organização e o funcionamento do programa Campo de Férias, desenvolvido em julho e agosto. Estamos, assim, perante um documento, cujas orientações nele inscritas se assumem como princípios particularmente relevantes para a qualidade organizativa e funcional das atividades pensadas para os alunos. Artigo 1.º Organização 1- A organização do programa Campo de Férias é feita anualmente pela Direção Pedagógica do Colégio do Castanheiro, mediante a ativa participação dos animadores socioculturais. Artigo 2.º Divulgação 1- Os programas do Campo de Férias bem como os materiais específicos são divulgados atempadamente na página web do Colégio sem prejuízo de os encarregados de educação obterem informação adicional via correio eletrónico. Artigo 3.º Inscrição 1- O período de inscrições para o Campo de Férias é comunicado, em tempo oportuno, pela Direção Pedagógica. 2- A aceitação de inscrições fora de prazo está dependente não só do número de vagas, mas da decisão favorável da Direção Pedagógica. 3- As inscrições para o Campo de Férias são feitas online num formulário criado para o efeito. 4- A inscrição no Campo de Férias faz-se com base num programa semanal, podendo, excecionalmente, a criança ser inscrita por dias.

3 5- A exceção ao preceituado no número anterior carece de justificação prévia e consequente aceitação por parte da Direção Pedagógica. Artigo 4.º Pagamento 1- A inscrição só é validada após o pagamento via transferência bancária (com envio de comprovativo para o ou, pessoalmente, nos Serviços do Colégio. 2- Os alunos do Colégio do Castanheiro beneficiam de um desconto definido, anualmente, pela Direção. 3- A comunicarem à Direção Pedagógica a impossibilidade de frequentarem o campo de férias, justificando com, no mínimo, 3 dias úteis de antecedência, esta pode diferir, sempre que considerar devidamente justificado, o reembolso de 75% do valor pago pelo encarregado de educação. De outro modo, não há lugar a qualquer reembolso. Artigo 5.º Destinatários 1- Os alunos e os filhos dos funcionários do Colégio do Castanheiro têm prioridade no acesso ao Campo de Férias. 2- Sem prejuízo do definido no número anterior, os programas de Campo de Férias de julho e agosto podem ser frequentados por alunos provenientes de outras unidades de ensino, desde que os seus responsáveis legais aceitem as condições definidas no presente regulamento. Artigo 6.º Organização 1- Os grupos são organizados por faixas etárias. 2- Os grupos têm um número mínimo de dez crianças e/ou jovens e um número máximo de quinze. 3- Num mesmo campo de férias podem coexistir vários grupos. Artigo 7.º Coordenação 1- São deveres do coordenador do Campo de Férias : a) Superintender técnica, pedagógica e administrativamente as atividades do Campo de Férias ; b) Elaborar os cronogramas das atividades do Campo de Férias ; c) Coordenar a ação do corpo técnico animadores socioculturais e outros recursos humanos afetos à organização e ao funcionamento do Campo de Férias ; d) Assegurar a realização do Campo de Férias no estrito cumprimento do disposto na legislação aplicável, no presente regulamento e conforme o projeto pedagógico de animação; e) Zelar pela prudente utilização dos equipamentos e pela boa conservação das instalações;

4 f) Manter permanentemente disponível e garantir o acesso da IRAE à documentação exigida ao abrigo da legislação em vigor; g) Garantir o cumprimento das normas de saúde, higiene e segurança. Artigo 8.º Monitores 1- Aos monitores cumpre: a) Coadjuvar o coordenador na organização das atividades do Campo de Férias e executar as suas instruções; b) Acompanhar os participantes no Campo de Férias, zelando pela sua saúde, higiene e constante segurança; c) Verificar a adequação e as condições de conservação e de segurança dos materiais a utilizar pelos participantes, bem como zelar pela manutenção dessas condições; d) Marcar presença nas reuniões convocadas pelo coordenador; e) Participar na avaliação do Campo de Férias, de acordo com o definido no artigo 11.º; f) Reunir, no final do dia do Campo de Férias, com o intuito de fazer o balanço diário das atividades realizadas e consequente reflexão sobre os aspetos a melhorar; g) Evidenciar brio e competência profissionais, em ordem a cumprir o definido nos cronogramas, contribuindo para o bem-estar dos participantes no Campo de Férias ; h) Zelar pelo sigilo profissional; i) Estabelecer uma relação cordial com os encarregados de educação; j) Reportar, ao responsável pela coordenação dos monitores, todas as situações que careçam de intervenção por parte do coordenador do Campo de Férias ; k) Remeter para o coordenador do Campo de Férias quaisquer esclarecimentos solicitados pelos representantes legais dos participantes, acerca da organização e do funcionamento do Campo de Férias ; l) Conhecer, cumprir e fazer cumprir o presente regulamento. Artigo 9.º Coordenação dos monitores 1- De acordo com o perfil pessoal e profissional dos monitores e depois de ouvido o coordenador do Campo de Férias, a Direção Pedagógica nomeia os coordenadores dos monitores. 2- São deveres dos coordenadores dos monitores: a) Reunir com o coordenador do Campo de Férias ou com a Direção Pedagógica, sempre que convocado; b) Promover reuniões nos termos do definido na alínea f) do artigo 7.º; c) Verificar se as atividades inscritas nos cronogramas do Campo de Férias estão a ser cumpridas conforme o programado e de acordo com padrões de qualidade; d) Reportar, com a maior brevidade possível, ao coordenador do Campo de Férias, qualquer alteração aos cronogramas de atividades; e) Informar, em tempo oportuno, o coordenador do Campo de Férias sobre ocorrências que necessitem da sua intervenção, em ordem a garantir a qualidade do Campo de Férias ;

5 f) Transmitir aos restantes monitores as instruções recebidas do coordenador do Campo de Férias ou da Direção Pedagógica; g) Cumprir, na condição de monitor, os deveres a que estão obrigados os seus pares - referidos no artigo anterior. Artigo 10.º Participantes 1- Os participantes devem: a) Cumprir as orientações transmitidas pelos monitores, de modo a dar testemunho de atitudes, valores e comportamentos condizentes com a qualidade de organização e funcionamento do Campo de Férias ; b) Cumprir os horários previstos para o Campo de Férias ; c) Ser assíduos, empenhando-se no cumprimento dos deveres comunicados pelos monitores no início do Campo de Férias ; d) Os alunos que não cumpram os horários, estabelecidos para o início das atividades nos períodos da manhã e/ou da tarde, ficam impedidos de frequentar a atividade entretanto iniciada, sendo, portanto, (re)integrados no momento de iniciar a atividade seguinte; e) Evitar trazer objetos de valor: anéis, fios, equipamentos e jogos eletrónicos, entre outros. O Colégio não se responsabiliza pelo extravio de pertences pessoais cuja guarda não lhe tenha sido confiada; f) Solicitar autorização aos monitores, sempre que pretendam ausentar-se da sua presença; g) Marcar presença, no início do dia, na receção do Colégio de modo a serem recebidos/acompanhados pelos monitores do Campo de Férias ; h) Conhecer, cumprir e fazer cumprir o presente regulamento. Artigo 11.º Representantes legais dos participantes 1- Os representantes legais devem: a) Consultar a informação sobre o Campo de Férias alojada no site b) Consultar o a fim de tomar conhecimento de informação específica sobre a organização e o funcionamento do Campo de Férias ; c) Cooperar com os monitores no desempenho das suas funções pedagógicas; d) Diligenciar para que os educandos beneficiem dos direitos e cumpram os deveres definidos no presente regulamento; e) Informar, por escrito, o coordenador do Campo de Férias de quaisquer condicionantes que existam, nomeadamente quanto à necessidade de alimentação específica ou cuidados especiais de saúde a observar. A informação deve ser prestada no momento da inscrição. f) Conhecer, cumprir e fazer cumprir o regulamentado para o Campo de Férias.

6 Artigo 12.º Avaliação 1- Concluído o Campo de Férias, o coordenador dos monitores dispõe de cinco dias úteis para elaborar o relatório circunstanciado. No relatório, devem constar os pontos fortes, as áreas e ações de melhoria. 2- O relatório aludido no número anterior é entregue ao coordenador do Campo de Férias com o intuito de o analisar, emitir parecer e participar ativamente na implementação de ações de melhoria. 3- Do relatório referido no número anterior, o coordenador do Campo de Férias dará conhecimento à Direção Pedagógica. Artigo 13.º Omissões 1- Os casos omissos são resolvidos mediante o recurso ao bom senso e à legislação em vigor. Artigo 14.º Retificação 1- Este regulamento está sujeito a retificação, sempre que se entenda oportuno introduzir ações de melhoria na organização e no funcionamento do Campo de Férias e a legislação em vigor o recomende. 2- No seguimento do exposto no número anterior, cumpre à Direção Pedagógica divulgar - em tempo útil, aos diferentes intervenientes no Campo de Férias - as alterações produzidas. Colégio do Castanheiro, 21 de março de 2017

Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER

Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER 1. Objetivos Específicos a) Organizar e promover atividades destinadas a crianças que frequentam o 1.º ciclo do ensino básico, com a finalidade

Leia mais

Regulamento Interno das Férias Desportivas do Estádio Universitário de Lisboa 2013

Regulamento Interno das Férias Desportivas do Estádio Universitário de Lisboa 2013 Regulamento Interno das Férias Desportivas do Estádio Universitário de Lisboa 2013 Regulamento Interno das Férias Desportivas O presente regulamento tem como objetivo dar a conhecer a todos os intervenientes

Leia mais

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno Fundo Desenvol vimento Europeu de Regional Campos de Férias Parque dos Monges Regulamento Interno O presente Regulamento Interno do Campo de Férias Não Residencial do Parque dos Monges, visa definir todos

Leia mais

Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15

Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15 2015 Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15 Junta de Freguesia de Fermentelos Índice NOTA JUSTIFICATIVA... 2 CAPÍTULO I... 3 Missão... 3 Artigo 1º... 3 CAPÍTULO II... 3 Objeto... 3 Artigo 2º...

Leia mais

Normas do Programa Municipal de Férias e Tempos Livres para Crianças e Jovens do Concelho de Aljustrel

Normas do Programa Municipal de Férias e Tempos Livres para Crianças e Jovens do Concelho de Aljustrel MUNICÍPIO DE ALJUSTREL CÂMARA MUNICIPAL Normas do Programa Municipal de Férias e Tempos Livres para Crianças e Jovens do Concelho de Aljustrel 1- Definição a) O Programa Municipal de Férias e Tempos livres

Leia mais

Regulamento 1. Objetivos 2. Destinatários Verão na ULisboa 3. Direitos e deveres dos participantes Verão na ULisboa Verão na ULisboa

Regulamento 1. Objetivos 2. Destinatários Verão na ULisboa 3. Direitos e deveres dos participantes Verão na ULisboa Verão na ULisboa Regulamento 1. Objetivos 1.1. O Verão na ULisboa é um programa de ocupação de tempos livres para estudantes do 3.º ciclo e do ensino secundário, que pretende divulgar as atividades em curso nas diferentes

Leia mais

ROSÁRIO. Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto

ROSÁRIO. Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto ROSÁRIO Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES Edição: maio 2016 Capítulo III Dos Educadores Edição maio de 2016 Índice do Capítulo III Secção I Docentes

Leia mais

Serviços de Saúde e Bem-estar REGULAMENTO INTERNO

Serviços de Saúde e Bem-estar REGULAMENTO INTERNO Serviços de Saúde e Bem-estar REGULAMENTO INTERNO Verão 2016 REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO EGOlias ATELIER DE SAÚDE ARTIGO 1º Denominação e Natureza 1. O EGOlias Atelier de Saúde é um programa

Leia mais

A Educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida

A Educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida A Educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida in: Lei-Quadro da Educação Pré-Escolar O Jardim de Infância, local de transição entre a família e a

Leia mais

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Inscrições

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Inscrições Preâmbulo O Programa de Generalização do Fornecimento de Refeições Escolares aos Alunos do 1º CEB e a Componente de Apoio à Família (CAF) procuram dar hoje uma resposta direta às necessidades das famílias

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Festas de Aniversário

REGULAMENTO INTERNO Festas de Aniversário 2013 REGULAMENTO INTERNO Festas de Aniversário I REGULAMENTO INTERNO DAS FESTAS DE ANIVERSÁRIO NO C.C.V. DE CONSTÂNCIA O Centro Ciência Viva de Constância Parque de Astronomia, pretende disponibilizar

Leia mais

O presente regulamento aplica-se às ações de formação, de qualquer tipo e natureza, realizadas no Centro de Formação do Porto de Leixões.

O presente regulamento aplica-se às ações de formação, de qualquer tipo e natureza, realizadas no Centro de Formação do Porto de Leixões. CENTRO DE FORMAÇÃO DO PORTO DE LEIXÕES REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO 1. Âmbito O presente regulamento aplica-se às ações de formação, de qualquer tipo e natureza, realizadas no Centro de Formação

Leia mais

Capítulo II Inscrições e Desistências

Capítulo II Inscrições e Desistências Capítulo I Funcionamento da Escola de Música Marista 1. A Escola de Música Marista (E.M.M) é dirigida por um coordenador, nomeado pela Direção do Externato Marista. É função desse coordenador dirigir a

Leia mais

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º Regulamento de Formação em Contexto de Trabalho (FCT) CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO Artigo 1.º A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob a coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTUDANTE ATLETA

REGULAMENTO DO ESTUDANTE ATLETA REGULAMENTO DO ESTUDANTE ATLETA Preâmbulo A atividade física e desportiva é, no quotidiano, um fator primordial na formação do ser humano enquanto indivíduo que busca a integração plena na sociedade contemporânea.

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento

Leia mais

Regimento. Conselhos de Turma dos Cursos Profissionais e CEF. Capítulo I Enquadramento, composição e competências. Artigo 1º. Enquadramento.

Regimento. Conselhos de Turma dos Cursos Profissionais e CEF. Capítulo I Enquadramento, composição e competências. Artigo 1º. Enquadramento. Capítulo I Enquadramento, composição e competências Artigo 1º Enquadramento 1. O presente documento estabelece o Regimento Interno de funcionamento dos Profissionais e dos Cursos de Educação e Formação.

Leia mais

Município de Vila Nova de Poiares Natal em Atividade. MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo

Município de Vila Nova de Poiares Natal em Atividade. MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo NATAL EM ATIVIDADE NORMAS GERAIS DE FUNCIONAMENTO Nota introdutória A Câmara Municipal pretende desenvolver programas

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO EMPREGO, ÀS EMPRESAS E AO EMPREENDEDORISMO - GE 3

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO EMPREGO, ÀS EMPRESAS E AO EMPREENDEDORISMO - GE 3 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO EMPREGO, ÀS EMPRESAS E AO EMPREENDEDORISMO - GE 3 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GE 3 SECÇÃO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto 1. O presente regulamento

Leia mais

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DO CENFORMA 2 Artigo 1.º Definição 1. O Regimento Interno da Secção de Formação e

Leia mais

REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA

REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA índice Páginas 5 1. OBJETO E ÂMBITO DO REGULAMENTO 2. COMPOSIÇÃO DO COMITÉ DE ÉTICA 6 7 8 3. COMPETÊNCIAS DO COMITÉ DE ÉTICA 4. FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA 5. SUPERVISÃO

Leia mais

Cursos Profissionais Nível 3

Cursos Profissionais Nível 3 Cursos Profissionais Nível 3 Despacho nº 14758/2004 (2ª série), de 23 de Julho, Portaria nº 550-C/2004, de 21 de Maio e Portaria nº 797/2006, de 10 de Agosto. I ÂMBITO E DEFINIÇÃO A (FCT) é um conjunto

Leia mais

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras 1 NOTA JUSTIFICATIVA O Município de Chaves entende como sendo de interesse

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE FUNCIONAMENTO FORMAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO GERAL DE FUNCIONAMENTO FORMAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO GERAL DE FUNCIONAMENTO FORMAÇÃO PROFISSIONAL HighScore, Lda. DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º 1. Objecto e âmbito É aprovado o presente Regulamento de Funcionamento da Formação Inter-Empresas

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIFICAS DE PARTICIPAÇÃO VIVER O VERÃO 2016 OTL CRIANÇAS. PONTO I Objeto

CONDIÇÕES ESPECIFICAS DE PARTICIPAÇÃO VIVER O VERÃO 2016 OTL CRIANÇAS. PONTO I Objeto CONDIÇÕES ESPECIFICAS DE PARTICIPAÇÃO VIVER O VERÃO 2016 OTL CRIANÇAS PONTO I Objeto 1) O OTL Viver o Verão 2016 é promovido pelo Serviço de Juventude e Desporto da Câmara Municipal de Lagos, durante os

Leia mais

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MINI FÉRIAS DE NATAL 2014

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MINI FÉRIAS DE NATAL 2014 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MINI FÉRIAS DE NATAL 2014 A criação do Programa de Mini Férias de Natal 2014 foi pensada para o fortalecimento e melhoramento da qualidade de vida dos seus munícipes,

Leia mais

Município de Viana do Alentejo NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Município de Viana do Alentejo  NORMAS DE PARTICIPAÇÃO NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Feira D Aires Norma 1 Âmbito de Aplicação As presentes normas aplicam-se aos participantes na Feira D Aires que se realiza anualmente em Viana do Alentejo e é organizada pelo Município

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria Art. 1º - Entende-se por Monitoria, uma modalidade de ensino e aprendizagem que contribui para a formação integrada

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA Artigo 1º Definição 1. O Centro Social Paroquial de Oeiras com sede na Igreja Matriz de Oeiras, é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º.

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º. Regulamento de Cooperação A rede de Bibliotecas de Arraiolos adiante designada RBA, foi criada pelo acordo de cooperação número oitenta e cinco de dois mil e onze e pelo protocolo assinado entre a Câmara

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA REGULAMENTO INTERNO DA ESCOLA DE MUSICA Artigo 1º Objecto A Associação Cultural Musimax é uma Escola do Ensino Artístico Especializado em Música, e tem como principal objecto o ensino da música. Artigo

Leia mais

RESOLUÇÃO/SED n , de 8 de dezembro de 2011.

RESOLUÇÃO/SED n , de 8 de dezembro de 2011. RESOLUÇÃO/SED n. 2.491, de 8 de dezembro de 2011. Dispõe sobre o Projeto de Implementação das Salas de Tecnologias Educacionais - STEs e a utilização das diversas tecnologias midiáticas nas unidades escola

Leia mais

REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS

REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO No uso da competência prevista pelos artigos 112º, n.º. 8, e 241º da Constituição da República Portuguesa, e conferida pela

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO REGIMENTO 2013/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO REGIMENTO 2013/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO 170586 REGIMENTO 2013/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS REGIMENTO INTERNO Departamento de Ciências Sociais e Humanas SECÇÃO I CONSTITUIÇÃO E

Leia mais

Os alunos serão admitidos e poderão começar a frequentar o apoio aos tempos livres após completo todo o processo de inscrição:

Os alunos serão admitidos e poderão começar a frequentar o apoio aos tempos livres após completo todo o processo de inscrição: O Colégio Alfa-Beta tem como grande preocupação o crescimento harmonioso e saudável das crianças. Oferecemos apoio aos tempos livres, férias escolares, atividades Lúdico-Pedagógicas e complemento pré -escolar

Leia mais

Regulamento EMPREENDER NAS FÉRIAS!

Regulamento EMPREENDER NAS FÉRIAS! Regulamento EMPREENDER NAS FÉRIAS! Preâmbulo O presente regulamento do EMPREENDER NAS FÉRIAS da ADL Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano, pretende definir os direitos, deveres e regras a

Leia mais

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo 2013-2017 O departamento curricular do 1º ciclo, nos termos do Regulamento Interno, aprova o seguinte regimento, definindo as respetivas regras de organização

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO E EMPREGO FUNDAÇÃO DE EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO DE MINAS GERAIS UTRAMIG

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO E EMPREGO FUNDAÇÃO DE EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO DE MINAS GERAIS UTRAMIG EDITAL PARA SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA O ATENDIMENTO NO LABORATÓRIO DO CURSOS TÉCNICO DE MEIO AMBIENTE UTRAMIG/DEP Nº 1/2016 1- A, inscrita sob o CNPJ 17.319.831/0001-23, com sede e foro nesta Capital,

Leia mais

Normas de Funcionamento do Estremoz Férias

Normas de Funcionamento do Estremoz Férias Elaborado Por: Setor de Desporto, Juventude e Apoio ao Movimento Associativo e Gabinete de Apoio Jurídico Data: 29-03-2012 Verificado Por: Vereador do Pelouro Data: 29-03-2012 Aprovado por: Câmara Municipal

Leia mais

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente Índice 1 - PREÂMBULO 3 2 - ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 3 - DIREITOS DAS CRIANÇAS 3 4 - DIREITOS DOS RESPONSÁVEIS PELAS CRIANÇAS 4 5 - DEVERES DAS CRIANÇAS 5 6 - DEVERES

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO NO ÂMBITO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMILIA NA ESCOLA BÁSICA DO 1º CICLO N.º 1, AREIAS, SETÚBAL Considerando que: a) O Despacho n.º 14 460/2008, da Ministra da Educação, de 15 de

Leia mais

Calendário Escolar. Jardim de Infância. Prof. António José Ganhão. Períodos Início Termo. Interrupções. Agrupamento de Escolas de Samora Correia

Calendário Escolar. Jardim de Infância. Prof. António José Ganhão. Períodos Início Termo. Interrupções. Agrupamento de Escolas de Samora Correia Calendário Escolar Agrupamento de Escolas de Samora Correia Jardim de Infância Períodos Início Termo Prof. António José Ganhão 1º 13/09/2010 24/12/2010 2º 03/01/2011 14/04/2011 3º 26/04/2011 05/07/2011

Leia mais

1. DAS INSCRIÇÕES: 2. DOS REQUISITOS:

1. DAS INSCRIÇÕES: 2. DOS REQUISITOS: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SÃO VICENTE DO SUL Rua 20 de Setembro, s/nº - 97420-000 São

Leia mais

Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas

Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas Nota justificativa Considerando que a atividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a saúde e bemestar da população; Considerando que a

Leia mais

Intercâmbio em Famílias

Intercâmbio em Famílias Intercâmbio em Famílias Miranda do Douro Aranda de Duero REGULAMENTO Intercâmbio em famílias Miranda do Douro/Aranda de Duero Regulamento O programa Intercâmbio em famílias nasce da vontade das Câmaras

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB SECÇÃO I Definições Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as normas de organização e funcionamento do Conselho Pedagógico da Escola Superior Agrária

Leia mais

Normas do Programa de Férias Desportivas e Culturais do Município de Ponte de Lima (PROFÉRIAS)

Normas do Programa de Férias Desportivas e Culturais do Município de Ponte de Lima (PROFÉRIAS) Normas do Programa de Férias Desportivas e Culturais do Município de Ponte de Lima (PROFÉRIAS) Um dos princípios estabelecidos pelo Município de Ponte de Lima visa o fortalecimento de hábitos de vida saudável,

Leia mais

REGULAMENTO. Praia de Carcavelos Bar do Moinho / Praia da Cresmina, Guincho (Junto ao Restaurante Meste Zé)

REGULAMENTO. Praia de Carcavelos Bar do Moinho / Praia da Cresmina, Guincho (Junto ao Restaurante Meste Zé) REGULAMENTO 1 Princípios Gerais Este regulamento tem como objectivo definir as principais linhas orientadoras que regem a Wanted Surf School, para que os alunos e pais saibam quais os seus deveres e direitos,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE CONVÍVIO DA GRUTA DA ARCA D ÁGUA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE CONVÍVIO DA GRUTA DA ARCA D ÁGUA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de aplicação REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE CONVÍVIO DA GRUTA DA ARCA D ÁGUA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de aplicação O Centro de Convívio designado por Centro de Convívio da Gruta

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DA ESCOLA DE TEATRO TIA MICAS

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DA ESCOLA DE TEATRO TIA MICAS MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DA ESCOLA DE TEATRO TIA MICAS REGULAMENTO DA ESCOLA DE TEATRO TIA MICAS PREÂMBULO O desenvolvimento equilibrado e harmonioso da sociedade não dispensa a prática

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA PRINCÍPIOS GERAIS O presente regulamento define as normas de funcionamento da Assembleia de Parceiros do Grupo de

Leia mais

Projeto de Regulamento Municipal para Funcionamento do Programa SER A BRINCAR - Atividades Complementares e de Apoio à Família. Nota Justificativa

Projeto de Regulamento Municipal para Funcionamento do Programa SER A BRINCAR - Atividades Complementares e de Apoio à Família. Nota Justificativa Projeto de Regulamento Municipal para Funcionamento do Programa SER A BRINCAR - Atividades Complementares e de Apoio à Família Considerando que: Nota Justificativa - A Lei n.º 5/97, de 10 de fevereiro

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS Janeiro 2017 ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS O Orçamento Participativo das Escolas tem como objetivos contribuir para as comemorações do Dia do Estudante e estimular a participação cívica e democrática

Leia mais

Capítulo I. Composição/eleição do Delegado. Artº 1º. Definição

Capítulo I. Composição/eleição do Delegado. Artº 1º. Definição Regimento do Grupo de Recrutamento 530 Secretariado Capítulo I Composição/eleição do Delegado Artº 1º Definição O Grupo de Recrutamento 530 é uma estrutura pertencente ao Departamento Curricular de Ciências

Leia mais

NORMAS ORIENTADORAS DA SUBCOMISSÃO DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS (SECSH)

NORMAS ORIENTADORAS DA SUBCOMISSÃO DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS (SECSH) CEUM/SECSH NORMAS ORIENTADORAS DA SUBCOMISSÃO DE ÉTICA (SECSH) (Aprovadas pelo Despacho RT-07/2015, de 26 de janeiro) Capítulo I Definição, missão e atribuições Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição e missão

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Estatuto Social da Ser Educacional S.A. ( Companhia ), estabelece procedimentos a serem observados

Leia mais

APRESENTAÇÃO CINANIMA JÚNIOR. Programas: Crianças, Adolescentes e Jovens

APRESENTAÇÃO CINANIMA JÚNIOR. Programas: Crianças, Adolescentes e Jovens APRESENTAÇÃO CINANIMA JÚNIOR Programas: Crianças, Adolescentes e Jovens O CINANIMA JÚNIOR é uma iniciativa do Serviço Educativo do CINANIMA Festival Internacional de Cinema de Animação de Espinho, numa

Leia mais

Deliberação n.º 83 /2015. Regulamento Interno da CIC Portugal 2020

Deliberação n.º 83 /2015. Regulamento Interno da CIC Portugal 2020 Deliberação n.º 83 /2015 Regulamento Interno da CIC Portugal 2020 A CIC Portugal 2020, na reunião ordinária de 21 de dezembro de 2015, deliberou, nos temos da alínea q) do n.º 2 do artigo 10.º do Decreto-Lei

Leia mais

Dispõe sobre o Programa Institucional de Mentoria para Calouros, Alunos Estrageiros e Visitantes Unigranrio.

Dispõe sobre o Programa Institucional de Mentoria para Calouros, Alunos Estrageiros e Visitantes Unigranrio. Duque de Caxias, 18 de abril de 2016 Edital N 005 /2016 Dispõe sobre o Programa Institucional de Mentoria para Calouros, Alunos Estrageiros e Visitantes Unigranrio. A Pró-Reitoria Comunitária e de Extensão

Leia mais

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 Redefine as atribuições dos Chefes de Departamentos Pedagógicos e dos Coordenadores Pedagógicos/ Responsáveis por Coordenação

Leia mais

1. Princípios e Normas Gerais. As Escolas Academia AROUND THE FUTURE orientam-se pelos seguintes princípios gerais:

1. Princípios e Normas Gerais. As Escolas Academia AROUND THE FUTURE orientam-se pelos seguintes princípios gerais: Regulamento Interno Escolas I. INTRODUÇÃO O regulamento interno das Escolas Academia de Futebol AROUND THE FUTURE é o documento que define o seu regime de funcionamento bem como os direitos e os deveres

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI EDITAL Nº 001/2016

ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI EDITAL Nº 001/2016 ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI DIRETORIA DE ENSINO EDITAL Nº 001/2016 PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA PROJETOS DE EXTENSÃO O Núcleo de Iniciação

Leia mais

Regimento Interno. Departamento da Educação pré escolar

Regimento Interno. Departamento da Educação pré escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE 161718 Regimento Interno do Departamento da Educação pré escolar 2013//2014 Constituição do departamento O departamento curricular da educação pré-escolar é constituído

Leia mais

RESOLUÇÃO TGT Nº 06/2015

RESOLUÇÃO TGT Nº 06/2015 ANO XLV N. 098 14/07/2015 SEÇÃO IV PÁG. 076 RESOLUÇÃO TGT Nº 06/2015 Niterói, 24 de junho de 2015 O Colegiado do Curso de Graduação em Engenharia de Telecomunicações, em reunião ordinária de 24/06/2015,

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ATELIER DE ARTES PLÁSTICAS

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ATELIER DE ARTES PLÁSTICAS NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ATELIER DE ARTES PLÁSTICAS O Atelier de Artes Plásticas é um serviço que se encontra ao dispor de todos os interessados, visando instruí-los e dotá-los das ferramentas básicas

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 2º (Objetivo)

REGULAMENTO. Artigo 2º (Objetivo) REGULAMENTO Artigo 1º O presente regulamento visa estabelecer as normas e regras de funcionamento da iniciativa HÁ ARTESANATO NO CORETO promovida em parceria entre a Associação Azimute Radical e a Junta

Leia mais

MANUAL DE VOLUNTARIADO FESTA DO OUTONO

MANUAL DE VOLUNTARIADO FESTA DO OUTONO MANUAL DE VOLUNTARIADO FESTA DO OUTONO O que é a Festa do Outono A Festa do Outono é uma celebração da chegada da nova estação. Com atividades para todos, sobretudo crianças e famílias, a iniciativa tem

Leia mais

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES COMUNIDADE EDUCATIVA

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES COMUNIDADE EDUCATIVA MMA CARTA DOS DIREITOS E DEVERES CENTRO SOCIAL NOSSA SENHORA DO AMPARO Aprovado em Reunião de Direção a 07 /01 /2014 INTRODUÇÃO O CSNSA focaliza todo o seu trabalho no cliente, individualizando e personalizando

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011 REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011 O estágio dos candidatos a solicitadores rege-se pelas disposições do Estatuto da Câmara dos Solicitadores e pelo presente regulamento, aprovado

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Creche

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Creche Entre CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Creche PRIMEIRO OUTORGANTE: Centro Social Rocha Barros, Instituição Particular de Solidariedade Social, pessoa colectiva n.º 501182560 com sede em Góis, devidamente

Leia mais

REGIMENTO Interno Do Desporto Escolar

REGIMENTO Interno Do Desporto Escolar REGIMENTO Interno Do Desporto Escolar ÍNDICE Artigo 1.º Definição 3 Artigo 2.º Princípios e objetivos 3 Artigo 3.º Coordenação e constituição 4 Artigo 4.º Competências do coordenador 4 Artigo 5.º Atividades

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade Processus.

Programa de Iniciação Científica da Faculdade Processus. Programa de Iniciação Científica da Faculdade Processus. CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Iniciação Científica PIC da Faculdade Processus, constitui-se em um conjunto de ações destinadas a propiciar

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL 1º (Composição) O Conselho Fiscal é composto por três membros efetivos, um dos quais será o Presidente, e dois suplentes, eleitos em Assembleia Geral,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CAMPO DE FÉRIAS.

REGULAMENTO INTERNO DO CAMPO DE FÉRIAS. REGULAMENTO INTERNO DO CAMPO DE FÉRIAS Artigo 1º Definição, natureza e finalidade 1) O campo de férias CAMPO PATRIMÓNIO compreende um programa organizado de carácter cultural, patrimonial e de ocupação

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Elaborado por: Adelaide Martins Data: 28/11/2016 1º ENQUADRAMENTO O presente regulamento define as regras e princípios para a formação promovida pela Bresimar Automação,

Leia mais

Férias Desportivas + Verão 2011 PROJECTO FÉRIAS DESPORTIVAS +

Férias Desportivas + Verão 2011 PROJECTO FÉRIAS DESPORTIVAS + Férias s + Verão 2011 PROJECTO FÉRIAS DESPORTIVAS + S. JOÃO DA PESQUEIRA 2011 1 - Entidade Promotora A entidade promotora do projecto FERIAS DESPORTIVAS + (mais) Verão 2011 é o Município de S. João da

Leia mais

União das Freguesias de Alcácer do Sal. (Santa Maria do Castelo e Santiago) e Santa Susana

União das Freguesias de Alcácer do Sal. (Santa Maria do Castelo e Santiago) e Santa Susana União das Freguesias de Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo e Santiago) e Santa Susana CERCART ATL 1. ÂMBITO O espaço de Atividades de Tempos Livres destina-se a proporcionar atividades de lazer, lúdicas,

Leia mais

CARTA DE DIREITOS DOS CLIENTES

CARTA DE DIREITOS DOS CLIENTES CARTA DE DIREITOS DOS CLIENTES Capítulo 1º Objecto e âmbito A Carta de direitos e deveres dos clientes materializa o compromisso da APPACDM de Soure relativamente aos serviços e programas que envolvem

Leia mais

Regulamento de Estágios Curso de Ciências da Comunicação Escola Superior de Educação da Universidade do Algarve. Art.º 1.º Âmbito

Regulamento de Estágios Curso de Ciências da Comunicação Escola Superior de Educação da Universidade do Algarve. Art.º 1.º Âmbito Regulamento de stágios Curso de Ciências da Comunicação scola Superior de ducação da Universidade do Algarve Art.º 1.º Âmbito O disposto no presente regulamento aplica-se à realização dos estágios curriculares

Leia mais

COLÉGIO JOSÉ ÁLVARO VIDAL ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO

COLÉGIO JOSÉ ÁLVARO VIDAL ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO COLÉGIO JOSÉ ÁLVARO VIDAL ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO Ano Letivo 2016/2017 ÍNDICE Artigo 1º Objetivos...03 Artigo 2º Atividades de Enriquecimento Curricular...03

Leia mais

ANEXO III Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) na Educação Pré-escolar

ANEXO III Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) na Educação Pré-escolar ANEXO III Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) na Educação Pré-escolar I (Disposição Introdutória) 1. A educação pré-escolar é considerada a primeira etapa da

Leia mais

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel.

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel. Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel Av. Tito Muffato, 2317 Bairro Santa Cruz 85806-080 Cascavel PR Fone: (45) 3036-3636 30363806 http://www.univel.br cpe@univel.br RESOLUÇÃO Nº 01 DE JULHO

Leia mais

REGIME DE FALTAS. I Marcação de faltas

REGIME DE FALTAS. I Marcação de faltas REGIME DE FALTAS 1 I Marcação de faltas 1. É obrigatória a marcação de faltas sempre que o aluno não se encontrar presente. a) A obrigatoriedade da marcação de faltas aplica-se a todas as atividades curriculares

Leia mais

Critérios pedagógicos para a constituição de turmas

Critérios pedagógicos para a constituição de turmas Critérios pedagógicos para a constituição de turmas ANEXO I Critérios Pedagógicos para a elaboração de Turmas 2014/2015 Artigo 1º Preâmbulo Com este regulamento pretende-se uniformizar, de uma forma esclarecedora,

Leia mais

Regulamento. 4. Direitos e deveres dos participantes

Regulamento. 4. Direitos e deveres dos participantes Regulamento 1. Âmbito O presente documento visa definir as normas de participação nos Cursos de Verão 2016 e facultar todas as informações necessárias ao bom funcionamento das atividades promovidas pela

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS Quadriénio 2009-2013 Segundo o artigo 68º do Regulamento Interno, aprovado em 4 de Janeiro de 2011, para o quadriénio 2009/2013,

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo N. 75 / 2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Inspecção do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

EDITAL. PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS PARA 2017 Do 2º ao 9º ano do Ensino Fundamental e 1ª e 2ª série do Ensino Médio

EDITAL. PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS PARA 2017 Do 2º ao 9º ano do Ensino Fundamental e 1ª e 2ª série do Ensino Médio EDITAL PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS PARA 2017 Do 2º ao 9º ano do Ensino Fundamental e 1ª e 2ª série do Ensino Médio O Diretor Geral do Colégio Santo Inácio, no uso de suas atribuições regimentais

Leia mais

Ficha de Inscrição - VERÃO 2015

Ficha de Inscrição - VERÃO 2015 Ficha de Inscrição - VERÃO 2015 1. Dados Pessoais do Participante Nome Completo: Data de Nascimento: / / Idade: Nº BI/C. do Cidadão/Cédula Pessoal: N.º de Beneficiário: Nº de Contribuinte: Morada: Localidade:

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Vale de Ovil. Regimento do Departamento de Ciências Experimentais

Escola Básica e Secundária de Vale de Ovil. Regimento do Departamento de Ciências Experimentais Escola Básica e Secundária de Vale de Ovil Regimento do Departamento de Ciências Experimentais 2013/2016 CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Identificação 1. Este Departamento Curricular adota a

Leia mais

REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB

REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB SECÇÃO I DEFINIÇÕES Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define as normas aplicáveis ao processo de eleição das Comissões de Curso

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE MONITORIA

REGULAMENTO GERAL DE MONITORIA CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ REGULAMENTO GERAL DE MONITORIA FAFIL/FAECO/FAENG Índice Capítulo I Das Finalidades 3 Capítulo II - Das Inscrições dos Alunos 3 Capítulo III - Dos critérios de

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA 1 NOTA JUSTIFICATIVA Desde a entrada em vigor do Decreto-lei nº299/84 de 5 de Setembro na sua actual redação que as autarquias assumiram um conjunto de competências em matéria de organização, financiamento

Leia mais

Regulamento Municipal do Projeto VIVER mais, VIVER melhor. Nota Justificativa

Regulamento Municipal do Projeto VIVER mais, VIVER melhor. Nota Justificativa Regulamento Municipal do Projeto VIVER mais, VIVER melhor Nota Justificativa Consciente de que no concelho de Mesão Frio o envelhecimento da população é uma realidade que conduz ao isolamento da pessoa

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL O desporto e a actividade física são elementos que contribuem para o bem-estar, para a saúde e para a qualidade de vida dos cidadãos. Assim,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR Ano Letivo: 2012 / 2013 ÍNDICE CAPÍTULO I PÁG. ÂMBITO 3 CAPÍTULO I I Conselho de Docentes 3 CAPÍTULO III Competências

Leia mais

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos.

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos. Regulamento Interno do Conselho Pedagógico da ESAP (Nº de Membros para o biénio 2013/2015: 14) Aprovado por unanimidade na reunião de 27.02.2014 1. Funcionamento a. O Conselho Pedagógico é composto por

Leia mais

da Universidade Sénior de Alfândega da Fé

da Universidade Sénior de Alfândega da Fé Regulamento Interno da Universidade Sénior de Alfândega da Fé Capítulo I Natureza e Âmbito Artigo 1º Âmbito 1- O presente regulamento disciplina a criação e funcionamento da Universidade Sénior de Alfândega

Leia mais

Município de Viana do Alentejo NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Município de Viana do Alentejo  NORMAS DE PARTICIPAÇÃO NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Feira do Chocalho Norma 1 Âmbito de Aplicação As presentes normas aplicam-se aos participantes na Feira do Chocalho que se realiza anualmente em Alcáçovas e é organizada pelo Município

Leia mais

ORDEM DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS REGULAMENTO DE ACREDITAÇÃO DE DIRETOR CLÍNICO

ORDEM DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS REGULAMENTO DE ACREDITAÇÃO DE DIRETOR CLÍNICO ORDEM DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS REGULAMENTO DE ACREDITAÇÃO DE DIRETOR CLÍNICO Ao abrigo do artigo 15.º, n.º 1, do Decreto-Lei n.º 184/2009, de 11 de agosto, e no uso da competência que lhe é conferida pela

Leia mais