CAPITULO I. Regulamento de Formação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPITULO I. Regulamento de Formação"

Transcrição

1 CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto e Âmbito) 1. O presente regulamento é aplicável aos formandos, jovens ou adultos, que frequentem as ações de formação desenvolvidas pela FORME. 2. O presente Regulamento estabelece, designadamente: a) Os direitos e deveres dos Formandos; b) As condições de funcionamento das ações de formação; c) O regime disciplinar. 3. O presente Regulamento será também aplicável aos formandos que frequentem ações de formação desenvolvidas por outras entidades formadoras em parceria com a FORME. Artigo 2º (Formando) Para efeitos deste Regulamento, o Formando é toda e qualquer pessoa que frequente uma ação de formação, com vista à aquisição de conhecimentos, capacidades práticas, aptidões e formas de comportamento requeridos para o exercício de uma profissão ou grupos de profissões. Artigo 3º (Inscrição e Seleção) 1. Inscrição O processo de inscrição consiste no preenchimento da Ficha de Inscrição disponibilizada pela FORME, e entrega dos documentos neles solicitados. No momento da formalização da inscrição é disponibilizado o Regulamento de Formação e o Contrato de Formação. O formando é ainda informado, pelo técnico de formação que o atende em espaço adequado para o efeito, de todos os aspetos considerados relevantes para o total esclarecimento prévio das questões subjacentes ao curso. 2. Seleção

2 O processo de seleção é efetuado de acordo com os seguintes critérios: Existência de todos os elementos solicitados na ficha de inscrição; Verificação da coerência da candidatura com o público-alvo e os objetivos da ação; Data de entrada da candidatura. A FORME reserva-se o direito de interditar a frequência na ação de determinado candidato caso revele conduta pouco própria ou inadequada aos princípios de respeito ou quaisquer outras perturbações fundamentadas, que destabilizem total ou parcialmente o decurso da formação. Artigo 4º (Contrato de Formação) 1. O Contrato de Formação é um acordo escrito estabelecido e assinado entre a FORME (primeiro outorgante) e o formando, ou representante legal, no caso de ser menor (segundo outorgante). Quer a FORME, quer o formando ficam com um exemplar do Contrato de Formação. É de carácter obrigatório independentemente da modalidade de formação ou da duração total da ação. 2. O contrato referido no ponto 1 não gera nem titula relações de trabalho subordinado e terminará por caducidade no momento da conclusão da ação de formação e ainda por rescisão ou expulsão nos termos do presente Regulamento. 3. A rescisão poderá ainda verificar-se quando, por motivos não imputáveis ao formando, designadamente por doença devidamente comprovada, acidente, obtenção de emprego e inaptidão manifesta para a ação de formação, se verificar, com base em parecer escrito da equipa de formação, a impossibilidade de este concluir a ação de formação com aproveitamento. CAPITULO II (Direitos e Deveres dos Formandos) Artigo 5º (Direitos dos Formandos) Os Formandos têm direito: 1. A uma formação de qualidade que promova o desenvolvimento das suas capacidades e competências; 2. A serem tratados com respeito e correção por qualquer elemento da FORME e por outros formandos;

3 3. A verem respeitados a confidencialidade dos elementos constantes no seu processo individual; 4. A utilizar as instalações a si destinada e a outras com a devida autorização; 5. A receber documentação necessária ao acompanhamento das sessões de formação; 6. A serem ouvidos em todos os assuntos que lhes digam respeito; 7. A conhecer o Regulamento Interno da Formação e o Regulamento do Formando. 8. A obter, gratuitamente, um certificado comprovativo de formação profissional, caso seja aprovado, ou uma declaração de comprovativo de frequência se não for aprovado. 9. A serem informados sobre todos os assuntos que lhes digam respeito, nomeadamente; a) Modo de organização do seu plano curricular, programa e objetivos fundamentais, processo de trabalho e critérios de avaliação; b) Normas de utilização e segurança dos materiais e equipamentos. Artigo 6º (Deveres dos Formandos) Constituem deveres dos Formandos: 1. Frequentar com assiduidade e pontualidade as atividades formativas, tendo em vista a aquisição das competências visadas; 2. Tratar com respeito os representantes e trabalhadores da FORME, os formadores e demais participantes com os quais se relacione durante e por causa da formação; 3. Não perturbar o normal decurso das sessões de trabalho; 4. Abster-se da prática de qualquer ato do qual possa resultar prejuízo ou descrédito para FORME; 5. Zelar pela conservação e boa utilização dos bens e instalações utilizadas; 6. Suportar os custos de substituição ou reparação de equipamentos e materiais na ação de formação, sempre que os danos produzidos resultem de comportamento doloso, ou negligente; 7. Informar com verdade a FORME de todas as ocorrências anómalas ao desenrolar da ação de formação, quer relativamente aos colegas, formadores e demais colaboradores da FORME; 8. Prestar todas as informações que lhe forem solicitadas pela FORME com verdade;

4 9. Abster-se do uso de quaisquer equipamentos eletrónicos e informáticos durante as sessões de formação, excepto se os mesmos forem recursos necessários à formação a decorrer. 10. É interdito ao formando: a. Introduzir, guardar ou consumir bebidas alcoólicas, estupefacientes ou outras drogas nas instalações da FORME; b. Apresentar-se nas instalações da FORME em estado de embriaguez ou em situação que denote o consumo de drogas; c. Praticar jogos de azar ou fortuna nas instalações da FORME; d. Fumar dentro das instalações da FORME; CAPITULO III (Condições de funcionamento das ações de formação) Artigo 7º (Horários) A definição do horário das formações é da responsabilidade da FORME. Artigo 8º (Local) Cabe à FORME disponibilizar ao formando, um local adequado para o melhor desenvolvimento possível de cada formação. Artigo 9º (Assiduidade e Pontualidade) 1 - O formando deve apresentar-se na sala de formação a tempo de poder participar integralmente em cada sessão de formação. Em toda a formação de carácter presencial é o controlo da assiduidade feito, sessão a sessão, pela assinatura do Registo de Presenças. A assiduidade é um dos deveres do Formando. 2 O formando terá que frequentar obrigatoriamente 70% da duração total de formação. CAPITULO IV (Cessação do contrato de formação)

5 Artigo 10.º (Formas de Cessação) O contrato de formação pode terminar por: 1. Revogação por acordo das partes; 2. Rescisão por qualquer das partes; 3. Caducidade. Artigo 11.º (Revogação por acordo das partes) 1. A FORME e o formando podem cessar o contrato de formação por mútuo acordo. 2. A revogação pode verificar-se por motivos não imputáveis ao formando, nomeadamente, por doença, acidente, assistência à família, proteção na maternidade ou paternidade, obtenção de emprego, ou impossibilidade manifesta para a conclusão com aproveitamento da ação de formação, desde que apresentado à Coordenação Pedagógica através de um parecer escrito. 3. O acordo da cessação do contrato deve ser assinado por ambas as partes e no caso de o formando ser menor, deve ser assinado pelo seu representante legal, ficando cada um com um exemplar. Artigo 12.º (Rescisão por iniciativa da entidade formadora) 1. A entidade formadora pode rescindir o contrato de formação com justa causa. 2. Constituem justa causa de rescisão os comportamentos culposos do formando que, pela sua gravidade e consequências, tornem imediata e praticamente impossível a subsistência da formação profissional. Artigo 13.º (Rescisão por iniciativa do formando) 1. O formando ou no caso de ser menor, o seu representante legal, pode rescindir o contrato de formação com justa causa. 2. Constituem justa causa de rescisão do contrato os seguintes comportamentos culposos da entidade formadora: a. Violação dos direitos legais e contratuais do formando;

6 b. Ofensa à integridade física, liberdade, honra ou dignidade do formando punível por lei, praticada pelos representantes ou trabalhadores da entidade formadora. 3. A rescisão é feita por escrito, devendo ser indicados os factos que a motivaram e a respetiva fundamentação. Artigo 14.º (Caducidade) O contrato de formação caduca nas seguintes situações: 1. Com a conclusão da ação de formação para que foi celebrado; 2. Com a impossibilidade absoluta e definitiva de o formando frequentar a ação de formação ou ainda de a entidade formadora a ministrar. CAPITULO V (Disposições Finais) Artigo 15º (Reclamações) 1 - A FORME dispõe de Livro de Reclamações e o tratamento das mesmas de acordo com o Decreto-Lei nº. 371/2007, de 6 de Novembro. 2 - O formulário de Registo de Ocorrências, disponibilizado no Dossier Técnico-Pedagógico da ação de formação, pode ser preenchido pelos formadores e destina-se a reportar ocorrências de carácter diverso. Estes formulários devem ser entregues nos serviços administrativos que, posteriormente, serão encaminhados para a Coordenação Pedagógica, que irá dar o tratamento adequado no prazo máximo de cinco dias úteis. Artigo 16º (Certificados) No final de cada ação de formação é emitido e entregue a cada formando um Certificado de Frequência de Formação Profissional. O certificado irá conter o número total de horas da ação, as datas em que foi realizada e o programa desenvolvido, bem como os demais dados identificadores do formando. A FORME deverá emitir o certificado no prazo máximo de três semanas. Assim que os certificados estiverem prontos, os formandos são informados por telefone ou por de que os poderão levantar.

7 Em caso de extravio do certificado, o formando poderá requerer à Coordenação Pedagógica uma 2ª via do mesmo. Este conterá obrigatoriamente referência ao facto de ser uma 2ª via, reservando-se a possibilidade de cobrar um valor por esse serviço. Artigo 17.º (Responsabilidade da FORME) A FORME não é responsável por quaisquer prejuízos ou danos eventualmente sofridos pelos formandos, independentemente da sua causa, e pode proceder a ajustamentos e alterações do plano da ação de formação inicialmente previstos quando, por razões alheias à sua vontade tal se justifique, não se constituindo por tais factos no dever de indemnizar o formando. Artigo 18.º (Alterações do Regulamento) Quaisquer alterações no regulamento devem ser dadas a conhecer aos formandos. Artigo 19.º (Aplicação) O presente regulamento aplica-se a todas as ações de formação desenvolvidas pela FORME às quais o formando se inscreve e participa.

8

REGULAMENTO DO FORMANDO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO FORMANDO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO FORMANDO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Âmbito de Aplicação O presente regulamento é aplicável aos Formandos que frequentem acções de formação promovidas pelo CEFOSAP, quer sejam

Leia mais

REGULAMENTO DO FORMANDO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO FORMANDO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO FORMANDO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Âmbito de Aplicação O presente regulamento é aplicável aos Formandos que frequentem ações promovidas pelo CEFOSAP, quer sejam ministradas

Leia mais

REGULAMENTO DO FORMANDO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO FORMANDO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO FORMANDO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Âmbito de Aplicação O presente regulamento é aplicável aos Formandos que frequentem ações promovidas pelo CEFOSAP, quer sejam ministradas

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Atividades de Formação

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Atividades de Formação MOD-FOR. 10 R00 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Atividades de Formação Primeiro Outorgante: Entidade: JPM & ABREU, Lda Contribuinte: 503265560 Morada: Rua Paulo VI, 23 B Edifício Paulo VI, Escritórios

Leia mais

AFESP Associação Portuguesa de Sinalização e Segurança Rodoviária

AFESP Associação Portuguesa de Sinalização e Segurança Rodoviária Associação Portuguesa de Sinalização e Segurança Rodoviária REGULAMENTO DO FORMADOR AFESP Associação Portuguesa de Sinalização e Segurança Rodoviária Alvalade Office Center Praça de Alvalade, N.º 6 1º

Leia mais

Regulamento Formação Sage Institute

Regulamento Formação Sage Institute Regulamento Formação Sage Institute Estratégia e Política da Formação O Sage Institute visa contribuir para a valorização dos nossos distribuidores, utilizadores, colaboradores internos e outros, promovendo

Leia mais

Regulamento da atividade formativa

Regulamento da atividade formativa 1. Objeto e âmbito O presente Regulamento da Atividade Formativa aplica-se a todos os formandos e formadores que participem em ações de formação desenvolvidas pela CUDELL - OUTDOOR SOLUTIONS, S.A., adiante

Leia mais

SWELL -Training and Development, Lda. Regulamento da Formação Profissional

SWELL -Training and Development, Lda. Regulamento da Formação Profissional SWELL -Training and Development, Lda Regulamento da Formação Índice 1. Âmbito e Finalidade... 2 2. Política e Estratégia para a Atividade Formativa... 2 3. Processo Formativo... 2 3.1. Entidade formadora...

Leia mais

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA I DISPOSIÇÕES GERAIS 1 Considerações Considerando que... a) a formação representa uma necessidade vital para o desenvolvimento do País, para a competitividade das organizações

Leia mais

Regulamento da Formação

Regulamento da Formação Regulamento da Formação Entidade Formadora: Pipe Masters Serviços de Soldura e Manutenção Industrial, Lda. Ref. Doc.: Pág. 2 / 12 ÍNDICE Descrição de Funções dos Intervenientes no processo formativo 3

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA Normas Internas de Funcionamento do Curso Preparatório para Acesso ao Ensino Superior de maiores de 23 anos Capítulo I Acesso e Frequência Artigo 1º (Acesso e Frequência)

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO Av. Elias Garcia, nº 93, 2º andar 1050-097 Lisboa +351 218 056 717 www.kpsa.pt Acompanhe-nos nas nossas redes socias: INTRODUÇÃO O presente documento - Regulamento Geral da

Leia mais

REGULAMENTO DO FORMANDO

REGULAMENTO DO FORMANDO REGULAMENTO DO FORMANDO 2015 REGULAMENTO DO FORMANDO ÍNDICE Pág. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS 1 CAPÍTULO II DIREITOS E DEVERES DO FORMANDO 3 CAPÍTULO III CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DAS AÇÕES DE FORMAÇÃO

Leia mais

MINUTA DE PROTOCOLO DE ESTÁGIO CURRICULAR

MINUTA DE PROTOCOLO DE ESTÁGIO CURRICULAR MINUTA DE PROTOCOLO DE ESTÁGIO CURRICULAR A/O (Organização), com sede em (...), pessoa coletiva nº. (...), representada(o) pelo(a) (...), na qualidade de (...), como primeiro outorgante, adiante designada

Leia mais

REGULAMENTO DO FORMANDO

REGULAMENTO DO FORMANDO CAPÍTULO I ÍNDICE Pág. DISPOSIÇÕES GERAIS 2 CAPÍTULO II DIREITOS E DEVERES DO 3 CAPÍTULO III CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO 4 Secção I - PRINCIPIOS GERAIS 4 Secção II - ASSIDUIDADE,

Leia mais

O presente regulamento aplica-se às ações de formação, de qualquer tipo e natureza, realizadas no Centro de Formação do Porto de Leixões.

O presente regulamento aplica-se às ações de formação, de qualquer tipo e natureza, realizadas no Centro de Formação do Porto de Leixões. CENTRO DE FORMAÇÃO DO PORTO DE LEIXÕES REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO 1. Âmbito O presente regulamento aplica-se às ações de formação, de qualquer tipo e natureza, realizadas no Centro de Formação

Leia mais

REGULAMENTO DO FORMANDO

REGULAMENTO DO FORMANDO REGULAMENTO DO FORMANDO Aprovado em Reunião de Direcção de 30 de Maio de 2006 Acta n.º 6 / 2006 INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA 1 Índice I- Âmbito de Aplicação... 3 II Normas Institucionais... 3 III Regime

Leia mais

anem Área de Saúde Pública

anem Área de Saúde Pública Contrato de Estágio Staying Alive 2018 Entre: O Instituto Nacional de Emergência Médica, I.P. adiante designado por INEM ou 1º Outorgante, como Entidade de Acolhimento de Estágio, pessoa coletiva de direito

Leia mais

+ Formação Profissional. Regulamento de Funcionamento da Actividade Formativa. Março a Sua empresa de Serviços

+ Formação Profissional. Regulamento de Funcionamento da Actividade Formativa. Março a Sua empresa de Serviços + Formação Profissional Regulamento de Funcionamento da Actividade Formativa Março 2015 a Sua empresa de Serviços Pág. 2 de 8 Desde já seja bem-vindo à K-MED XXI! Agradecemos a sua preferência e desejamos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DO CENTRO CIÊNCIA VIVA DE ESTREMOZ. Capítulo I - Disposições Gerais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DO CENTRO CIÊNCIA VIVA DE ESTREMOZ. Capítulo I - Disposições Gerais REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DO CENTRO CIÊNCIA VIVA DE ESTREMOZ Capítulo I - Disposições Gerais Artigo 1. Objectivos O presente regulamento tem como objetivo, estabelecer

Leia mais

REGULAMENTO DE WORKSHOPS

REGULAMENTO DE WORKSHOPS DTP 03 Versão 2017 REGULAMENTO DE WORKSHOPS INDICE I CONDIÇÕES DE ACESSO AOS WORKSHOPS II CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DOS WORKSHOPS III CONDIÇÕES DE FREQUÊNCIA DOS WORKSHOPS IV RESPONSABILIDADES E DEVERES

Leia mais

Regulamento de. Funcionamento da Formação ANO

Regulamento de. Funcionamento da Formação ANO Regulamento de 1 Funcionamento da Formação ANO 1. Introdução /Objetivo O presente regulamento tem por objetivo apresentar, a todos os agentes que, direta ou indiretamente, intervêm na atividade formativa,

Leia mais

Regulamento de Formação

Regulamento de Formação Regulamento de Formação A Vitabasic Unipessoal Lda promove iniciativas de índole formativa para Fisioterapeutas, Terapeutas da Fala e outros Técnicos de Saúde e Bem-Estar. Âmbito O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I Princípios Gerais. Artigo Primeiro. Objecto

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I Princípios Gerais. Artigo Primeiro. Objecto REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Princípios Gerais Artigo Primeiro Objecto O presente Regulamento define o regime de funcionamento interno do Centro de Formação Ciência Viva reconhecido pelo Ministério da

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ATIVIDADE FORMATIVA

REGULAMENTO INTERNO DA ATIVIDADE FORMATIVA REGULAMENTO INTERNO DA ATIVIDADE FORMATIVA REGULAMENTO INTERNO DA ATIVIDADE FORMATIVA Enquadramento A APECA Associação Portuguesa das Empresas de Contabilidade e Administração, adiante designada por APECA,

Leia mais

Regulamento de Funcionamento da Formação

Regulamento de Funcionamento da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação Introdução Queremos, primeiramente, dar-lhe as boas-vindas a esta ação de formação realizada pela Sobreiro Duarte, Lda.. O presente documento - Regulamento de Funcionamento

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E DA CIÊNCIA UNIVERSIDADE DE LISBOA REGULAMENTO

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E DA CIÊNCIA UNIVERSIDADE DE LISBOA REGULAMENTO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E DA CIÊNCIA UNIVERSIDADE DE LISBOA REGULAMENTO 1 CONDIÇÕES GERAIS DE ADMISSÃO Voluntariado 1. Qualquer cidadão maior de 18 anos, português ou

Leia mais

GTMMI, Lda. Regulamento Geral de Formações

GTMMI, Lda. Regulamento Geral de Formações GTMMI, Lda. Regulamento Geral de Formações Objectivo Para além da prática clínica como actividade principal, o GTMMI desenvolve também actividades no âmbito da formação contínua e pós-graduada. Este presente

Leia mais

Regulamento de Funcionamento de Formação do IPB

Regulamento de Funcionamento de Formação do IPB Regulamento de Funcionamento de Formação do IPB Versão:04 Data:16/01/2017 RG PR11 01 Elaborado: Verificado: Aprovado: GPGQ Drª Elisabete Madeira Prof. Doutor Orlando Rodrigues Pág. 1 de 10 Índice 1. POLITICA

Leia mais

Avenida Luís Bívar, Lisboa, Portugal. Tel: Regulamento Geral. Formação

Avenida Luís Bívar, Lisboa, Portugal. Tel: Regulamento Geral. Formação Avenida Luís Bívar, 85 1050-143 Lisboa, Portugal Tel: +351 21 781 62 82 Regulamento Geral Formação Última revisão Fevereiro 2011 Índice Índice 2 Introdução 3 Inscrições e Condições de Acesso 3 Funcionamento

Leia mais

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer Curso Profissional e é indispensável para a obtenção de um

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE FUNCIONAMENTO FORMAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO GERAL DE FUNCIONAMENTO FORMAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO GERAL DE FUNCIONAMENTO FORMAÇÃO PROFISSIONAL HighScore, Lda. DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º 1. Objecto e âmbito É aprovado o presente Regulamento de Funcionamento da Formação Inter-Empresas

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º Objeto

REGULAMENTO. Artigo 1º Objeto REGULAMENTO A Comunidade Intermunicipal do Ave (CIM do Ave), em conjunto com os municípios que a integram, nomeadamente, Cabeceiras de Basto, Fafe, Guimarães, Mondim de Basto, Póvoa de Lanhoso, Vieira

Leia mais

Rua João de Lemos nº 3 r/c Alcântara Lisboa, Portugal. Tel: / Fax: Regulamento Geral.

Rua João de Lemos nº 3 r/c Alcântara Lisboa, Portugal. Tel: / Fax: Regulamento Geral. Rua João de Lemos nº 3 r/c 1300-323 Alcântara Lisboa, Portugal Tel: +351 21 781 62 83 / Fax: +351 21 781 62 85 Regulamento Geral Formação Última revisão Novembro 2008 Índice Introdução 3 Inscrições e Condições

Leia mais

REGULAMENTO FUNCIONAMENTO FORMAÇÃO

REGULAMENTO FUNCIONAMENTO FORMAÇÃO Associação Portuguesa de Gestalt REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Março 2016 1 Regulamento de Funcionamento da Formação Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) 1. O Regulamento de Funcionamento

Leia mais

REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ESTUDANTES PREÂMBULO

REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ESTUDANTES PREÂMBULO REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ESTUDANTES PREÂMBULO Considerando o disposto nos números 3 e 4 do artigo 143.º do Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior (RJIES), aprovado pela Lei n.º 62/2007,

Leia mais

Regulamento da Formação

Regulamento da Formação Regulamento da Formação Artigo 1º: Inscrição e Seleção dos Formandos 1. As inscrições nos cursos podem realizar-se presencialmente nas instalações da REALSOCIAL, através de e-mail ou contacto telefónico.

Leia mais

A Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas. A extinção do vínculo de emprego público

A Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas. A extinção do vínculo de emprego público A Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas A extinção do vínculo de emprego público Lisboa e Porto, Outubro e Novembro de 2015 Extinção do vínculo 2 A cessação na TFP LTFP Caducidade Art.º 291.º Caducidade

Leia mais

REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Ações presenciais e em b-learning. PE.2.FF Página 1 de 8

REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Ações presenciais e em b-learning. PE.2.FF Página 1 de 8 REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Ações presenciais e em b-learning PE.2.FF.001.002 Página 1 de 8 Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ÂMBITO... 3 3. REGRAS DE FUNCIONAMENTO... 3 3.1. Condições de Inscrição

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Definições Para efeitos de aplicação do presente regulamento entende-se por: a) Participantes individuais internos

Leia mais

Regulamento da Formação Externa

Regulamento da Formação Externa Regulamento da Formação Externa Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P. Unidade de Investigação, Formação e Desenvolvimento Av. Conde de Valbom, 63 Lisboa Telefone: 217929500 www.inr.pt inr@inr.pt

Leia mais

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno Fundo Desenvol vimento Europeu de Regional Campos de Férias Parque dos Monges Regulamento Interno O presente Regulamento Interno do Campo de Férias Não Residencial do Parque dos Monges, visa definir todos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA OCUPACIONAL DOS TEMPOS LIVRES

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA OCUPACIONAL DOS TEMPOS LIVRES REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA OCUPACIONAL DOS TEMPOS LIVRES Nota Justificativa A ocupação saudável de tempos livres constitui um contributo inequívoco para a formação e desenvolvimento dos jovens,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ESCOLASCARLOSAMARANTEANEXOI REGULAMENTOINTERNODOAGRUPA. Anexo IV ENTODEESCOLASCARLOSAMARANT

REGULAMENTO INTERNO ESCOLASCARLOSAMARANTEANEXOI REGULAMENTOINTERNODOAGRUPA. Anexo IV ENTODEESCOLASCARLOSAMARANT NEXOIVREGULAMENTOINTERNODO GRUPAMENTODEESCOLASCARLOSA ARANTEANEXOIVREGULAMENTOIN ERNODOAGRUPAMENTODEESCOLAS ARLOSAMARANTEANEXOIVREGULA ENTOINTERNODOAGRUPAMENTOD REGULAMENTO INTERNO ESCOLASCARLOSAMARANTEANEXOI

Leia mais

Regulamento da Formação

Regulamento da Formação Índice 1. Introdução... 3 2. Inscrições e Condições de Acesso... 3 3. Recrutamento e Selecção... 3 3.1.1 Formandos... 3 3.1.2. Formadores... 3 4. Funcionamento... 3 5. Condições de Pagamento... 4 6. Cancelamentos...

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS BLUE YOUNG TALENT - CIIMAR CAPÍTULO I. DISPOSIÇÔES GENÉRICAS Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DE BOLSAS BLUE YOUNG TALENT - CIIMAR CAPÍTULO I. DISPOSIÇÔES GENÉRICAS Artigo 1º Âmbito REGULAMENTO DE BOLSAS BLUE YOUNG TALENT - CIIMAR CAPÍTULO I DISPOSIÇÔES GENÉRICAS Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento disciplina a seleção e regime aplicável aos bolseiros do programa pré graduado

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA DA ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DE SANTARÉM

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA DA ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DE SANTARÉM REGULAMENTO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA DA ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DE SANTARÉM Preâmbulo De acordo com os Estatutos publicados no Diário da República, N.º 91-III Série, de 19-04-1977, a ASSOCIAÇÃO DE JUDO

Leia mais

CONTRATO EMPREGO-INSERÇÃO

CONTRATO EMPREGO-INSERÇÃO CONTRATO EMPREGO-INSERÇÃO Celebrado no âmbito da Medida Contrato Emprego-Inserção Desempregados Beneficiários das Prestações de Desemprego Entre (Denominação, forma jurídica e actividade da entidade),

Leia mais

Regulamento de Formação RF-MT07-01/V08

Regulamento de Formação RF-MT07-01/V08 Regulamento de Formação Índice Política e Estratégia Principais responsabilidades Formas e Métodos de Inscrição e Seleção Condições de Realização da Formação Condições de Funcionamento da Formação Condições

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO RFF

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO RFF REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA RFF INDICE Cap. I POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE 3 1. Missão 3 2. Público-Alvo 3 3. Linhas de Atuação Estratégica 4 4. Modalidades de Formação 4 5. Formas de Organização

Leia mais

Regulamento de Bolsas de Mérito a Estudantes do 3.º Ciclo do ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa CAPÍTULO I. Artigo 1.º.

Regulamento de Bolsas de Mérito a Estudantes do 3.º Ciclo do ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa CAPÍTULO I. Artigo 1.º. Regulamento de Bolsas de Mérito a Estudantes do 3.º Ciclo do ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa CAPÍTULO I Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento, redigido nos termos e ao abrigo da Lei n.º 40/2004,

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIOS DEZEMBRO 2016 R u a S. J o ã o d e B r i t o, 6 2 1 L 3 2, 4 1 0 0-4 5 5 P O R T O e-mail: g e r a l @ e r s. p t telef.: 222 092 350 fax: 222

Leia mais

Regulamento Interno da Formação

Regulamento Interno da Formação Regulamento Interno da Formação 1. ÂMBITO O presente regulamento estabelece as normas da atividade formativa da Forseguro. 2. APRESENTAÇÃO A Forseguro iniciou a sua atividade em 2003, foi acreditada em

Leia mais

Agrupamento de Escolas Monte da Lua - Sintra Regulamento Interno Anexo Regimento do Curso Educação e Formação de Adultos

Agrupamento de Escolas Monte da Lua - Sintra Regulamento Interno Anexo Regimento do Curso Educação e Formação de Adultos Regulamento Interno Anexo Regulamento Interno Anexo Regimento do Curso Educação e Formação de Adultos Agrupamento de escolas Monte da Lua Regulamento Interno Regimento do Curso Educação e Formação de Adultos

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO Departamento de Formação Permanente Desenvolvemos Competências Humanizadas

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO Departamento de Formação Permanente Desenvolvemos Competências Humanizadas REGULAMENTO DA FORMAÇÃO Departamento de Formação Permanente Desenvolvemos Competências Humanizadas REGULAMENTO DA FORMAÇÃO 1 - MISSÃO, OBJECTIVOS, ESTRATÉGIA 1.1 - Missão O Departamento de Formação Permanente

Leia mais

REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS

REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS Regulamento de Certificação de Entidades Formadoras Página 1 de 16 Índice Capítulo I Disposições gerais... 4 Artigo 1.º Norma habilitante... 4 Artigo

Leia mais

Regulamento Ser Cientista

Regulamento Ser Cientista Regulamento Ser Cientista 1- Objetivos 1.1 - "Ser Cientista" é um programa que tem por objetivo proporcionar aos alunos do ensino secundário uma aproximação à realidade da investigação científica pela

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Departamento de Formação e Qualidade

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Departamento de Formação e Qualidade REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE Departamento de Formação e Qualidade Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Rua da Palha nº 4-14 A. Heroísmo 23-03-2018 Índice 1 Enquadramento 2 Requisitos de

Leia mais

MINUTA PROTOCOLO DE ESTÁGIO

MINUTA PROTOCOLO DE ESTÁGIO MINUTA PROTOCOLO DE ESTÁGIO O Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA), neste ato representada pelo (cargo da entidade), (posto e nome), por designação do Almirante Chefe do Estado-Maior-General

Leia mais

Localização: Zona Industrial da Barosa, Rua dos Petigais Edifício Cristal. Barosa Leiria

Localização: Zona Industrial da Barosa, Rua dos Petigais Edifício Cristal. Barosa Leiria O presente documento pretende dar a conhecer a todos os intervenientes da formação, as regras de funcionamento da atividade formativa da Filosoft, Lda. Tem como objetivo primordial comunicar as regras

Leia mais

Regulamento Interno do Centro de Formação Aurélio da Paz dos Reis Anexo III Avaliação dos formandos docentes no âmbito da formação contínua

Regulamento Interno do Centro de Formação Aurélio da Paz dos Reis Anexo III Avaliação dos formandos docentes no âmbito da formação contínua Avaliação dos formandos docentes no âmbito da Formação Contínua (conforme previsto no nº 2 do artigo 27º do Regulamento Interno do CFAPR) Artigo 1º Avaliação dos formandos docentes 1. A avaliação dos formandos

Leia mais

Escola Superior de Educação Almeida Garrett

Escola Superior de Educação Almeida Garrett Escola Superior de Educação Almeida Garrett Regulamento Interno do Gabinete de Formação Contínua Preâmbulo O Gabinete de Formação Contínua (adiante designado por GFC) da Escola Superior de Educação Almeida

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. Centro de Formação ITG

REGULAMENTO GERAL. Centro de Formação ITG REGULAMENTO GERAL Centro de Formação ITG Última atualização: junho de 2018 Sumário 1. Política e Estratégia...3 2. Destinatários...3 3. Inscrições...3 4. Pagamentos e Devoluções...4 5. Funcionamento...4

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DA PRÁTICA SIMULADA DOS CURSOS VOCACIONAIS (9º ANO)

REGULAMENTO ESPECÍFICO DA PRÁTICA SIMULADA DOS CURSOS VOCACIONAIS (9º ANO) Escola Profissional de Tecnologia e Eletrónica ESPECÍFICO DA PRÁTICA SIMULADA DOS CURSOS VOCACIONAIS (9º ANO) Rua António Silva Marinho, 117. 4100-064. PORTO Tel. 22 610 6 1 94 / 5. Fax: 22 610 61 96 E-mail:

Leia mais

OCUPAÇÃO TEMPOS LIVRES Jovens na Autarquia NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

OCUPAÇÃO TEMPOS LIVRES Jovens na Autarquia NORMAS DE PARTICIPAÇÃO OCUPAÇÃO TEMPOS LIVRES 2018 Jovens na Autarquia NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Artigo 1º Objeto O presente normativo tem como objeto estabelecer as normas de enquadramento e participação de jovens munícipes no

Leia mais

Regulamento da Formação Inter-Empresas

Regulamento da Formação Inter-Empresas A Política e estratégia da entidade 1. Identificação: CF Consultores, Lda Sede: Urbanização Vale da Fonte, Lote 5 R/C Dto. Marinheiros. 2415-797 Leiria. Âmbito: A CF Consultores, Lda presta serviços a

Leia mais

REGULAMENTO PARA A FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS NA ESTBARREIRO/IPS

REGULAMENTO PARA A FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS NA ESTBARREIRO/IPS REGULAMENTO PARA A FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS NA ESTBARREIRO/IPS (Documento aprovado na 7ª Reunião do Conselho Técnico-Científico da ESTBarreiro/IPS, de 20 de Outubro de 2010) CAPÍTULO

Leia mais

Regulamento de Projeto de Intervenção do Mestrado em Gestão e Desenvolvimento de Recursos Humanos

Regulamento de Projeto de Intervenção do Mestrado em Gestão e Desenvolvimento de Recursos Humanos Regulamento de Projeto de Intervenção do Mestrado em Gestão e Desenvolvimento de Recursos Humanos Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão do Instituto Politécnico do Porto CURSO DE MESTRADO

Leia mais

Museu Nacional de História Natural e da Ciência. Programa Férias no Museu (Módulos Pedagógicos de Férias com Caráter não Residencial)

Museu Nacional de História Natural e da Ciência. Programa Férias no Museu (Módulos Pedagógicos de Férias com Caráter não Residencial) Museu Nacional de História Natural e da Ciência Regulamento Interno Programa Férias no Museu (Módulos Pedagógicos de Férias com Caráter não Residencial) O presente Regulamento Interno do Programa Férias

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL O Regulamento de Funcionamento da Formação Profissional é o instrumento regulador do funcionamento da atividade formativa desenvolvida pela Espaço

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Elaborado por: Adelaide Martins Data: 28/11/2016 1º ENQUADRAMENTO O presente regulamento define as regras e princípios para a formação promovida pela Bresimar Automação,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS Nota Justificativa A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens é uma das atividades centrais da política do município da Moita na área da juventude

Leia mais

RECONHECIMENTO PRÉVIO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA

RECONHECIMENTO PRÉVIO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA Proposta Regulamento de: RECONHECIMENTO PRÉVIO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA Cédulas de Treinador de Desporto Proposta Regulamento de: RECONHECIMENTO PRÉVIO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA Cédulas de Treinador de Desporto

Leia mais

PROGRAMA CULTURA NO BAIRRO - PÁSCOA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2017

PROGRAMA CULTURA NO BAIRRO - PÁSCOA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2017 PROGRAMA CULTURA NO BAIRRO - PÁSCOA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2017 I PROMOÇÃO O Programa Cultura no Bairro é da responsabilidade da Câmara Municipal de Cascais, através da Divisão de Juventude. II DESTINATÁRIOS

Leia mais

PROJETO DE NORMA REGULAMENTAR N.º [ ]/2019-R, DE [ ]DE [ ] QUALIFICAÇÃO ADEQUADA, FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROJETO DE NORMA REGULAMENTAR N.º [ ]/2019-R, DE [ ]DE [ ] QUALIFICAÇÃO ADEQUADA, FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROJETO DE NORMA REGULAMENTAR N.º [ ]/2019-R, DE [ ]DE [ ] QUALIFICAÇÃO ADEQUADA, FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL CONTÍNUO O regime jurídico da distribuição de seguros e de resseguros, aprovado

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Creche

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Creche Entre CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Creche PRIMEIRO OUTORGANTE: Centro Social Rocha Barros, Instituição Particular de Solidariedade Social, pessoa colectiva n.º 501182560 com sede em Góis, devidamente

Leia mais

SECÇÃO I ALUNOS. RI direitos e deveres alunos CGT versão consulta pública Página 1

SECÇÃO I ALUNOS. RI direitos e deveres alunos CGT versão consulta pública Página 1 SECÇÃO I ALUNOS Artigo 49.º Quadro regulamentar 1. Os direitos, deveres e faltas a aplicar aos alunos dos ensinos básico e secundário estão conforme o previsto na Lei nº 51/2012 de 5 de setembro que estabelece

Leia mais

PROGRAMA FÉRIAS NA DESPORTIVA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2017

PROGRAMA FÉRIAS NA DESPORTIVA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2017 PROGRAMA FÉRIAS NA DESPORTIVA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2017 I - PROMOÇÃO O Programa Férias na Desportiva é da responsabilidade da Câmara Municipal de Cascais, através da Divisão de Juventude. II - DESTINATÁRIOS

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta Código de Ética e de Conduta 0 Ponta Delgada, 21 de março de 2018 Preâmbulo A Sociedade para o Desenvolvimento Empresarial dos Açores, adiante abreviadamente designada por SDEA, EPER, é uma pessoa coletiva

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Despacho Normativo n.º 38/2007 de 26 de Julho de 2007

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Despacho Normativo n.º 38/2007 de 26 de Julho de 2007 S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Despacho Normativo n.º 38/2007 de 26 de Julho de 2007 Considerando a necessidade de adaptação dos termos do programa ESTAGIAR às alterações no sistema de ensino introduzidas

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA A VALIDAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO. Versão janeiro 2018

PROCEDIMENTO PARA A VALIDAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO. Versão janeiro 2018 PROCEDIMENTO PARA A VALIDAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO Versão 1.0 - janeiro 2018 Índice 1. Objetivo... 2 2. Campo de aplicação... 2 3. Documentos de referência... 2 4. Lista atualizada

Leia mais

Regulamento da Unidade Curricular de Estágio (Formação em Contexto de Trabalho) dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTesP)

Regulamento da Unidade Curricular de Estágio (Formação em Contexto de Trabalho) dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTesP) Regulamento da Unidade Curricular de Estágio (Formação em Contexto de Trabalho) dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTesP) Página 1 de 7 CAPÍTULO I Conceitos, objetivo e âmbito Artigo 1º Conceitos

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS. Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Definição e Objetivos

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS. Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Definição e Objetivos REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento fixa as normas gerais relativas ao funcionamento da componente de formação prática

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO MOUSETRICK

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO MOUSETRICK info@ REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO MOUSETRICK 1. FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO > Os objetivos, conteúdos e metodologia dos cursos, bem como as condições de prestação do serviço são definidos em

Leia mais

Regulamento. 3 - Destinatários O programa "Ser Cientista" destina-se a alunos que frequentam o 11º ano de escolaridade no ano letivo 2013/2014.

Regulamento. 3 - Destinatários O programa Ser Cientista destina-se a alunos que frequentam o 11º ano de escolaridade no ano letivo 2013/2014. 1 Regulamento 1- Objetivos 1.1 - "Ser Cientista" é um programa que tem por objetivo proporcionar aos alunos do ensino secundário uma aproximação à realidade da investigação científica pela integração temporária

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Básico/Unidades

REGULAMENTO INTERNO Básico/Unidades EXTERNATO SÉNECA 2014/2015 REGULAMENTO INTERNO Básico/Unidades 1. DISPOSIÇÕES GERAIS a) O Externato Séneca é um estabelecimento de ensino particular, pelo que se regula pela Lei de Bases do Ensino Particular

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PARTICIPAÇÃO EM CURSOS DE FORMAÇÃO. Participantes individuais

CONDIÇÕES GERAIS DE PARTICIPAÇÃO EM CURSOS DE FORMAÇÃO. Participantes individuais CONDIÇÕES GERAIS DE PARTICIPAÇÃO EM CURSOS DE FORMAÇÃO Participantes individuais Este documento descreve as Condições Gerais de Participação de pessoas individuais em Cursos de Formação, Eventos ou outras

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo IV Regulamento das Formações Modulares Artigo 1.º Objeto e âmbito 1. As formações modulares obedecem aos referenciais de competências e de formação associados

Leia mais

Regulamento de eventos culturais. Associação de Estudantes do ISCTE-IUL

Regulamento de eventos culturais. Associação de Estudantes do ISCTE-IUL Regulamento de eventos culturais Associação de Estudantes do ISCTE-IUL Regulamento de Eventos Culturais CAPÍTULO I (Disposições Gerais) Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento visa estabelecer um conjunto

Leia mais

CONTRATO INTERADMINISTRATIVO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NA FREGUESIA DE VINHA DA RAINHA. Pressupostos

CONTRATO INTERADMINISTRATIVO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NA FREGUESIA DE VINHA DA RAINHA. Pressupostos CONTRATO INTERADMINISTRATIVO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NA FREGUESIA DE VINHA DA RAINHA Pressupostos Com a entrada em vigor da Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, estabelece-se o novo Regime Jurídico

Leia mais

Preparação de Responsáveis e Encarregados de Proteção de Dados

Preparação de Responsáveis e Encarregados de Proteção de Dados ÍNDICE Apresentação... 3 Objetivos:... 3 Destinatários... 3 Estrutura Curricular... 4 Datas de Realização e Horário PREVISTO... 5 Metodologia... 6 Pontos Fortes... 6 Avaliação... 6 Modalidade e Forma de

Leia mais

Regulamento Campo de Férias

Regulamento Campo de Férias Regulamento Campo de Férias Julho Agosto REGULAMENTO Campo de férias Nos meses de julho e agosto, o Colégio do Castanheiro oferece programas de campos de férias para crianças e jovens a partir dos três

Leia mais

REGULAMENTO TREINADORES DANÇA DESPORTIVA

REGULAMENTO TREINADORES DANÇA DESPORTIVA REGULAMENTO TREINADORES DANÇA DESPORTIVA Aprovado em reunião de Direção a 1 de outubro de 2014 Em vigor a partir de 5 de outubro de 2014 CAPITULO I TUTELA E ÂMBITO Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DA ATIVIDADE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DA ATIVIDADE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DA ATIVIDADE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL CAPÍTULO I: ÂMBITO Artigo 1º (Aplicação) O conteúdo do presente regulamento abrange todas e quaisquer ações de Formação Profissional concebidas, desenvolvidas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS. 2º Ano. Anexos

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS. 2º Ano. Anexos 2º Ano Anexos Anexo I Protocolo de Estágio de Formação em Contexto de Trabalho Entre a Fundação Escola Profissional de Setúbal, como Entidade Formadora, adiante designada por FEPS ou Primeira Outorgante,

Leia mais

ESCOLA E. B. 1 de ANO LETIVO 2017 / 2018

ESCOLA E. B. 1 de ANO LETIVO 2017 / 2018 ESCOLA E. B. 1 de ANO LETIVO 2017 / 2018 As pessoas são como as flores Pode cuidar-se de todas as flores, oferecendo sempre a mesma água todos os dias. Não é isso que as faz felizes Mas sim o tempo que

Leia mais

Regulamento de Desenvolvimento da Formação

Regulamento de Desenvolvimento da Formação Regulamento de Desenvolvimento da Formação Direção da APSEI Página 1 de 15 1 Índice 0. Âmbito do documento 3 1. Destinatários 3 2. Apresentação APSEI 3 3. Estratégia formativa 4 4. Regras de inscrição

Leia mais

PROGRAMA PRO MOVE-TE

PROGRAMA PRO MOVE-TE PROGRAMA PRO MOVE-TE Normas de participação I. PROMOÇÃO O Programa Pro move-te é da responsabilidade da Câmara Municipal de Cascais, através da Divisão de Juventude. II. DESTINATÁRIOS Jovens residentes

Leia mais