SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR (SAS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR (SAS)"

Transcrição

1 SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR (SAS) Coletores: Titanium Plus / Black Tech Reservatórios: Baixa e Alta Pressão de 200 a 1000 litros

2 SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR (SAS) MANUAL DE INSTRUÇÕES (INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO) PARABÉNS, você acaba de adquirir o melhor sistema de aquecimento de água. Nenhuma tecnologia permite a união tão perfeita de economia, conforto e respeito ao meio ambiente como o aquecedor solar. As condições climáticas do Brasil estão entre as mais favoráveis do mundo para a utilização de um sistema de aquecimento solar de água. FIQUE LIGADO! O sistema de aquecimento solar requer uma instalação a ser realizada por empresa credenciada, pois por melhor que seja o equipamento, se for mal posicionado e não obedecer aos distanciamentos corretos o rendimento será muito inferior ao esperado. Por isso, não ponha em risco seu investimento e expectativas em seu novo e inteligente modo de aquecer água. Lembre-se, este é um sistema já utilizado há muitos anos por países como Israel, Austrália, Japão, Alemanha e Áustria, entre outros, assim estudos e pesquisas são feitos diariamente por profissionais e equipamentos apropriados, então não se deixe enganar pela intuição e ditos populares que sem base científica contradizem o especificado nas normas de instalação. Portanto siga corretamente este manual e tenha o melhor do seu aquecedor solar RINNAI. Rinnai Brasil Tecnologia de Aquecimento Ltda. Fábrica: Rua Tenente Onofre Rodrigues de Aguiar, Vila Industrial - Mogi das Cruzes - SP CEP Show Room: Av Miguel Estéfno, Saúde - São Paulo - SP CEP Revisão (171502) Página 1

3 ÍNDICE Recomendações importantes 03 Dimensionamento do sistema 04 Especificações Técnicas 05 Tipos de circulação 08 Esquema de instalação do SAS 10 Instalação dos Coletores Solar 16 Esquema de ligação Elétrica 20 Problemas e Soluções 21 Cuidados especiais 23 Certificado de Garantia 24 Diagrama de funcionamento e seus componentes Reservatório Térmico Coletor Solar Alimentação de água pela rede Apoio: Aquecedor á gás (Opcional) Ponto de consumo Revisão (171502) Página 2

4 INFORMAÇÕES IMPORTANTES 1. Somente inicie a instalação se no local tiver água para abastecer o sistema de aquecimento solar (SAS), pois o mesmo não poderá ficar sem água depois de instalado sob o risco de danificar o sistema. 2. Para evitarmos problemas de estagnação, recomendamos que seja coberto as placas coletoras, quando não existir disponibilidade de água para abastecer o SAS. 3. A água para abastecer o sistema deve atender aos padrões da Rede Pública, conforme descritos na Portaria MS Nº 2914 do Ministério da Saúde. 4. Na utilização de águas de poços, águas agressivas, não tratadas, entre outras; efetuar a análise físico-química da mesma, e adequá-la aos padrões acima descritos, em caso de dúvidas consultar nosso departamento técnico. 5. A alimentação do reservatório de baixa e alta pressão em hipótese alguma deverá ser instalado com água diretamente da rede pública, devido a variação de pressão, comprometendo o reservatório e acarretando a perda da garantia. 6. Ao instalar o SAS, somente acionar a resistência elétrica apenas com o reservatório térmico abastecido com água. Caso o nível de água esteja inferior ao da resistência elétrica, ao acioná-la, poderá ocorrer danos na mesma, acarretando a perda da garantia. 7. No caso de utilização da resistência elétrica como apoio, obrigatoriamente fazer o aterramento do reservatório. 8. As tubulações do SAS devem ser resistentes a altas temperaturas acima de 100 C (recomenda-se cobre). 9. Para evitar acúmulo de resíduos (por decantação) no SAS, obrigatoriamente efetuar a drenagem completa a cada 6 meses. 10. Realizar a instalação do SAS conforme orientações contidas neste manual, seguidas pelas normas NBR 15569, NBR 7198, NBR 5626, recomendação normativa ABRAVA RN4 e dentre outras exigências de órgãos competentes. 11. Não transportar o reservatório segurando pelas conexões. 1º Funcionamento a) Abrir o registro de água fria que alimenta o reservatório, com a resistência elétrica desligada; b) Após o abastecimento com água no SAS, realizar as aberturas dos pontos de consumo (torneiras, duchas, banheiras, etc.), a fim de eliminar o ar na rede hidráulica. c) ligar a resistência elétrica com temperatura mínima de 60 C. SISTEMA DE APOIO Todos os SAS necessitam de outro sistema apoiando o aquecimento da água em períodos onde a incidência de radiação solar não for suficiente, ou mesmo em dias nublados e chuvosos. Para isso o reservatório térmico possui um sistema padrão onde uma resistência elétrica é acionada pelo termostato sempre que a temperatura média do volume de água for inferior ao programado (recomenda-se 60 C). Este apoio é indispensável, porém quando acionado torna-se necessário a utilização de energia elétrica. A RINNAI como marca mundial em aquecimento de água a gás, oferece soluções que combinam economia, conforto e responsabilidade ambiental. Revisão (171502) Página 3

5 DIMENSIONAMENTO DO SISTEMA Tabela de referência para consulta e dimensionamento: Consumo médio de água quente sem desperdícios Pontos Consumo diário (médio) * Ducha 50 a 80 litros/pessoa Lavatório 5 a 7 litros/pessoa Cozinha 20 a 30 litros/pessoa Lavanderia 20 a 30 litros/kg de roupa seca Banheira 100 a 200 litros/pessoa *Consumo diário médio: para efeito prévio de cálculo, devendo ser analisados as vazões corretas de cada ponto de consumo x tempo de utilização. Área (média) de coletores necessários para aquecer 100 litros de água Regiões do Brasil Áreas de coletores Manaus 0,9m² Rio de Janeiro 1,1m² Natal 0,8m² São Paulo 1,4m² Goiânia 1,0m² Bauru 1,2m² Belo Horizonte 1,0m² Porto Alegre 1,5m² OBS: Para um dimensionamento mais adequado para cada residência, é essencial que se avalie os hábitos diários de consumo de água quente, quanto à duração de cada banho, vazão dos pontos de consumo de água quente, e como são distribuídos os banhos durante o dia, pois o aquecedor solar necessita de um tempo específico para recuperar em seu reservatório térmico a temperatura suficiente para um banho confortável, sem que haja necessidade de ser acionado o aquecimento de apoio, fazendo assim uso coerente dos recursos do SAS de acordo com cada região. A Rinnai reserva-se o direito de alterar as características dos coletores e reservatórios em sua linha de produção sem prévio aviso Revisão (171502) Página 4

6 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Coletor Solar ITEM Características gerais Especificações Material absorvedor Alumínio Revestimento (Titanium Plus) Tratamento da superfície Revestimento (Black Tech) Coletor Tubo de alimentação 22 mm diâmetro Tubo de passagem 3/8 diâmetro Pressão Max. De trabalho 4 kgf/cm². Cobertura (Vidro) Isolamento (Titanium Plus) Modelos Exterior Dimensões do vidro (mm) Espessura Tipo Vedação Tipo Espessura Laterais Fundo A (mm) B (mm) C (mm) D (mm) 3,2 mm. Temperado Silicone e perfil de alumínio. Lã Térmica Ecológica 25 mm Perfil de alumínio. Chapa lisa Peso vazio (kg) Volume (L) Qtde de Aletas Produção média mensal (KWh/mês) RSC-1000T 15 1, ,5 995 x RSC-1002V 14,5 1, ,6 RSC-1400T 18,5 1, ,1 995 x RSC-1402V 18,0 1, ,6 RSC-2000T 28,5 2, x RSC-2002V 28,0 2, ,5 B C D A Componentes do Coletor Solar *Black Tech *Titanium Plus Revisão (171502) Página 5

7 OBRIGATÓRIO O USO DO RESPIRO NA SAÍDA DE CONSUMO ANTES DO REGISTRO SAÍDA CONSUMO SAÍDA COLETOR SAÍDA CONSUMO SAÍDA COLETOR SOLAR SOLAR Rinnai Brasil Tec. de Aquecimento Ltda. Rua Tenente Onofre R. de Aguiar, 200 CEP Vila Industrial Mogi das Cruzes - SP CNPJ / Indústria Brasileira Não transportar o reservatório segurando pelas conexões. É obrigatório ponto de escoamento de água no local de instalação do reservatório em caso de vazamento. IMPORTANTE PARA SUA SEGURANÇA - Para evitar riscos de choques elétricos, este fio terra deve ser conectado a um sistema de aterramento. - Este reservatório deverá ser provido de dispostitivo de alívio de pressão. ATENÇÃO Antes de acessar os terminais elétricos, todos os circuitos alimentadores devem ser desligados. Resistência elétrica 220V RESERVATÓRIO TÉRMICO RST-300BP5 N de Série: HBP5 Rinnai Brasil Tec. de Aquecimento Ltda. Rua Tenente Onofre R. de Aguiar, 200 CEP Vila Industrial Mogi das Cruzes - SP CNPJ / Indústria Brasileira Não transportar o reservatório segurando pelas conexões. É obrigatório ponto de escoamento de água no local de instalação do reservatório em caso de vazamento. IMPORTANTE PARA SUA SEGURANÇA - Para evitar riscos de choques elétricos, este fio terra deve ser conectado a um sistema de aterramento. - Este reservatório deverá ser provido de dispostitivo de alívio de pressão. ATENÇÃO Antes de acessar os terminais elétricos, todos os circuitos alimentadores devem ser desligados. Resistência elétrica 220V RESERVATÓRIO TÉRMICO RST-300BP5 N de Série: HBP RETORNO COLETOR ENTRADA DE ÁGUA FRIA RETORNO COLETOR ENTRADA DE ÁGUA FRIA INMETRO INMETRO RESERVATÓRIO TÉRMICO BAIXA PRESSÃO (RTH-BP10) H G E C F A D B Modelos Volume Litros Dimensões (mm) A B D Potência (KW) Bitola Resistência Coletor Saída (C) Retorno (E) Reservatório Entrada (F) Consumo (G) RTH-200 BP ,0 1 RTH-300 BP ,0 1 RTH-400 BP ,0 1 RTH-500 BP ,0 1.1/4 1 RTH-600 BP / ,0 1 RTH-800 BP , /2 RTH-1000 BP / , /2 Respiro (H) Pressão Max. de trabalho 1/2" 10 mca RESERVATÓRIO TÉRMICO BAIXA PRESSÃO (RST-BP5) G E C F D A B Modelos Volume Litros Dimensões (mm) A B D Potência (KW) Bitola Resistência Coletor Saída (C) Retorno (E) RST-300 BP ,0 3/4 RST-400 BP ,0 3/4 1.1/4 RST-500 BP ,5 1 RST-600 BP ,5 1 Reservatório Entrada (F) Consumo (G) Pressão Max. de trabalho 5 mca *Tubulações, válvulas, registros, painel de controle, entre outros não incluso. Obrigatório a instalação de respiro na conexão de consumo antes do registro, a tubulação deve ser livre, desobstruída e aberta à atmosfera, devendo ser instalada na posição ascendente, a partir do ponto de conexão mais alto do reservatório, sem restrições, obstrução ou mudança brusca de direção. O tubo deve ultrapassar no mínimo 0,30m o nível de água máximo da caixa de alimentação de água fria. Revisão (171502) Página 6

8 SAÍDA CONSUMO SAÍDA COLETOR SAÍDA CONSUMO SAÍDA COLETOR SOLAR SOLAR Rinnai Brasil Tec. de A quecimento Ltda. Rua Tenente Onofre R. de Aguiar, 200 CEP V ila Industrial Mogi das Cruzes - SP CNP J / Indústria Brasileira Não transportar o reservatório segurando pelas conexões. É obrigatório ponto de escoamento de água no local de instalação do reservatório em caso de vazamento. IMPORTANTE PARA SUA SEGURANÇA - Para evitar riscos de choques elétricos, este fio terra deve ser conectado a um sistema de aterramento. ATENÇÃO Antes de acessar os terminais elétricos, todos os circuitos alimentadores devem ser desligados. Rinnai Brasil Tec. de Aquecimento Ltda. Rua Tenente Onofre R. de Aguiar, 200 CEP Vila Industrial Mogi das Cruzes - SP CNPJ / Indústria Brasileira Não transportar o reservatório segurando pelas conexões. É obrigatório ponto de escoamento de água no local de instalação do reservatório em caso de vazamento. IMPORTANTE PARA SUA SEGURANÇA - Para evitar riscos de choques elétricos, este fio terra deve ser conectado a um sistema de aterramento. - Este reservatório deverá ser provido de dispostitivo de alívio de pressão. ATENÇÃO Antes de acessar os terminais elétricos, todos os circuitos alimentadores devem ser desligados. Resistência elétrica 220V RESERVATÓRIO TÉRMICO RST-300BP5 N de Série: HBP5 - Este reservatório deverá ser provido de dispostitivo de alívio de pressão. Resistência elétrica 220V RESERVATÓRIO TÉRMICO RST-300BP5 N de Série: HBP RETORNO COLETOR ENTRADA DE ÁGUA FRIA 80 RETORNO COLETOR ENTRADA DE ÁGUA FRIA INMETRO INMETRO RESERVATÓRIO TÉRMICO BAIXA PRESSÃO EM NÍVEL (RST-BP5N) G E N C F A D B Modelos Volume Litros Dimensões (mm) A B D Potência (KW) Bitola Resistência Coletor Saída (C) Retorno (E) Reservatório Entrada (F) Consumo (N) Respiro (G) Pressão Max. de trabalho RST-300 BP5N ,0 RST-400 BP5N ,0 RST-500 BP5N ,5 RST-600 BP5N ,5 1.1/4 3/ mca RESERVATÓRIO TÉRMICO ALTA PRESSÃO (RST-AP40/RTH-AP40) H G E C F A D B Modelos Volume Litros Dimensões (mm) A B D Potência (KW) Bitola Resistência Coletor Saída (C) Retorno (E) Reservatório Entrada (F) Consumo (G) RTH-200 AP ,0 1 RTH-300 AP ,0 1 RST-300 AP ,0 3/4 RTH-400 AP ,0 3/4 1 RST-400 AP ,0 3/4 RTH-500 AP ,0 1.1/4 1 RST-500 AP ,5 1 RTH-600 AP / ,0 1 RST-600 AP ,5 1 RTH-800 AP , /2 RTH-1000 AP / , /2 Válvula de segurança (H) Pressão Max. de trabalho 1/2 40 mca *Bastão de anodo opcional, solicitar durante a compra se necessário, pois o mesmo não está incluso ao reservatório térmico. Revisão (171502) Página 7

9 TIPOS DE CIRCULAÇÃO O tipo de circulação depende da característica arquitetônica da construção ou opção do usuário quando é permitida a escolha. Circulação Natural (Termosifão): Este sistema movimenta a água dentro da tubulação através da diferença térmica entre o reservatório e os coletores, portanto será necessário apenas um ponto de energia junto ao reservatório térmico, para utilização do apoio elétrico (quando utilizado). A troca da água quente dos coletores e o reservatório acontecem naturalmente sem necessidade de nenhum equipamento auxiliar. NOTA: Para se obter pressão máxima, considerar a lámina d água da caixa a parte superior do reservatório. Lâmina d água H1 0,15m 0,2m H2 4,0m H2 > 0,1m x D1 Parte superior do reservatório De acordo com pesquisas, quando se tratar de altura mínima da dimensão H2, o ideal é que esteja entre 0,25m e 0,30m. Revisão (171502) Página 8

10 Circulação Forçada: Em muitas situações onde a arquitetura não permite que o reservatório seja instalado acima dos coletores, (para evitar construção de torres, adaptações etc.), será necessário utilizar o sistema forçado que consiste em uma pequena bomba circuladora acoplada a um controlador eletrônico que opera a circulação da água quente mecanicamente quando necessário, portanto neste sistema serão necessários dois pontos de energia, um junto ao reservatório e outro para o controlador/circulador. A altura H1 entre a caixa d água e o reservatório independe na circulação forçada Reservatório Nível: Indicado para instalações onde existem limitações de altura, projetado para trabalhar em nível com a caixa d água. 0,2m H2 4,0m H2 > 0,1m x D1 De acordo com pesquisas, quando se tratar de altura mínima da dimensão H2, o ideal é que esteja entre 0,25m e 0,30m. Revisão (171502) Página 9

11 ESQUEMA DE INSTALAÇÃO DO SAS No local de instalação dos componentes do SAS, deve ser impermeável e conter ponto de escoamento, para direcionar a água em caso de manutenção ou vazamento. Baixa pressão circulação natural por termossifão ,30m 3 10 H ,30m 4 6 H2 0,30m SAS 1 Rede pública 2 Caixa d água 3 Registro 4 Sifão 5 Entrada de água fria 6 Dreno 7 Alimentação Coletor 8 Dreno 9 Coletor 10 Retorno Coletor 11 Reservatório Térmico 12 Respiro 13 Consumo Revisão (171502) Página 10

12 Baixa pressão circulação forçada S Instalação nível sifão 11 H1 S ,30m ,30m S2 SAS 1 Rede pública 2 Caixa d água 3 Registro 4 Sifão 5 Entrada de água fria 6 Dreno 7 Reservatório térmico 8 Alimentação Coletor 9 Bomba de circulação 10 Válvula de retenção 11 Dreno 12 Coletor 13 Válvula ventosa / purgadora de ar 14 Retorno Coletor 15 Respiro 16 Consumo S1 Sensor 1 S2 Sensor 2 S3 Sensor 3 (auxiliar / apoio) Revisão (171502) Página 11

13 Baixa pressão nível circulação natural por termossifão ,30m 4 6 H2 0,30m SAS 1 Rede pública 2 Caixa d água 3 Registro 4 Sifão 5 Entrada de água fria 6 Dreno 7 Alimentação Coletor 8 Dreno 9 Coletor 10 Retorno Coletor 11 Reservatório Térmico 12 Respiro 13 Consumo Revisão (171502) Página 12

14 Baixa pressão nível circulação forçada S S ,30m 4 S ,30m SAS 1 Rede pública 2 Caixa d água 3 Registro 4 Sifão 5 Entrada de água fria 6 Dreno 7 Reservatório térmico 8 Alimentação Coletor 9 Bomba de circulação 10 Válvula de retenção 11 Dreno 12 Coletor 13 Válvula ventosa / purgadora de ar 14 Retorno Coletor 15 Respiro 16 Consumo S1 Sensor 1 S2 Sensor 2 S3 Sensor 3 (auxiliar / apoio) Revisão (171502) Página 13

15 Alta pressão circulação natural por termossifão (Pressurizado) ,30m 8 11 H2 12 0,30m SAS 1 Rede pública 2 Caixa d água 3 Registro 4 Pressurizador 5 Hidráulica de água fria 6 Válvula de retenção 7 Vaso de expansão 8 Sifão 9 Manômetro 10 Entrada de água fria 11 Dreno 12 Reservatório térmico 13 Alimentação Coletor 14 Dreno 15 Coletor 16 Retorno Coletor 17 Válvula de segurança / alívio de pressão 18 Válvula de quebra vácuo ou retenção invertida 19 Válvula ventosa / purgadora de ar 20 Consumo Revisão (171502) Página 14

16 Alta pressão circulação forçada (Pressurizado) 18 S S ,30m 8 0,30m 10 S SAS 1 Rede pública 2 Caixa d água 3 Registro 4 Pressurizador 5 Hidráulica de água fria 6 Válvula de retenção 7 Vaso de expansão 8 Sifão 9 Manômetro 10 Entrada de água fria 11 Dreno 12 Reservatório térmico 13 Alimentação Coletor 14 Bomba de circulação 15 Válvula de retenção 16 Dreno 17 Coletor 18 Válvula ventosa / purgadora de ar 19 Retorno Coletor 20 Válvula de segurança alívio de pressão 21 Válvula ventosa / purgadora de ar 22 Válvula de quebra vácuo ou retenção invertida 23 Consumo 24 Sensor 1 25 Sensor 2 S3 Sensor 3 (auxiliar / apoio) Revisão (171502) Página 15

17 INSTALAÇÃO DOS COLETORES SOLAR O desempenho de qualquer sistema de aquecimento solar é determinado principalmente pela forma que o sistema é instalado. Ângulo de inclinação: O ângulo de inclinação deve ser a latitude da cidade acrescida de 10 (ver tabela abaixo) em casos onde esta soma não alcançar a 20, adotar a inclinação de 20 para não prejudicar o fluxo adequado da água, esta inclinação favorece o melhor desempenho para os períodos de inverno, pois no verão a incidência de radiação solar é superior, não necessitando de uma inclinação específica. Exemplos de algumas cidades e localidades Inclinação ideal para coletores solares voltados para o norte geográfico Cidades ângulo de inclinação do coletor Macapá 20 Brasília 25 Fortaleza 20 Belo Horizonte 30 Natal 20 Rio de Janeiro 30 Maceió 20 São Paulo 33 Salvador 25 Curitiba 35 Florianópolis 35 Porto Alegre 40 Ângulo de inclinação dos coletores Orientação Geográfica: No Brasil os coletores devem ser direcionados para o norte GEOGRÁFICO, com uma bússola é indicado o norte magnético da Terra, para obter o norte geográfico é preciso fazer uma correção da declinação magnética que no Brasil fica entre 10 e 20 a Oeste do norte geográfico. Por exemplo: Para São Paulo a correção é de 18, então acrescente 18º a direita do apontado na bússola. Se na edificação onde serão instalados os coletores não for possível direcionar para o sentido ideal é possível fazer algumas compensações, como por exemplo: Se os coletores ficarem 30º defasados do norte geográfico devem ser acrescidos no dimensionamento no mínimo 20% de área de coletores. Não é recomendado a instalação com uma defasagem acima de 30 pela queda drástica no rendimento. Orientação Geográfica dos coletores. Revisão (171502) Página 16

18 Local de instalação: cuidadosamente deve ser considerada a formação de sombras durante o dia devido a outras seções do telhado, por edificações vizinhas ou por árvores. A integração hidráulica dos coletores poderá ser executada em paralelo ou em série de acordo com o que for definido no projeto da instalação e pelo balanceamento hidráulico. Associação em Paralelo: Associação em paralelo de duas baterias de quatro coletores. Associação em paralelo de uma bateria, recomendado máximo cinco coletores. Associação em Série: Associação em série, recomendado máximo três coletores. Associação em série de duas baterias de quatro coletores. Onde existem irregularidades no telhado a ser apoiados os coletores é obrigatório que se faça uma estrutura para garantir o alinhamento dos coletores, evitando a quebra dos vidros e queda no desempenho por possíveis formações de bolhas de ar na tubulação. Onde é possível usar a própria inclinação do telhado, é feito uma estrutura de cantoneira alinhada ao telhado ou se necessário uma pequena correção aumentando a inclinação. No caso onde a instalação for em lajes planas é necessário a construção de uma estrutura (alvenaria ou perfis metálicos) para posicionar os coletores na inclinação correta. Revisão (171502) Página 17

19 Exemplo de estrutura metálica para montagem em superfícies planas, obedecendo à inclinação correspondente ao local. A instalação dos coletores sobre o telhado é sempre a primeira opção, pois oferece as melhores condições de espaço, posicionamento e geralmente livre de sombras. Mas quando a inclinação do telhado for prejudicar o funcionamento do sistema, será necessário a construção de uma estrutura para corrigir a inclinação de funcionamento (como mostrado abaixo nas figuras A e B). Fig. A Fig. B Estrutura metálica Estrutura metálica Coletor solar Coletor solar Coletor solar Coletor solar telhado telhado com ângulo com ângulo MAIOR MAIOR que o que ideal o (latitude ideal (latitude + 10 ) + 10 ) Estrutura Estrutura metálica metálica telhado com telhado ângulo com MENOR ângulo MENOR que o ideal que (latitude o ideal + 10 ) (latitude + 10 ) RESERVATÓRIO TÉRMICO RETORNO DE ÁGUA QUENTE ENTRADA DE ÁGUA FRIA SIFONAMENTO COLETOR SOLAR Exemplo de Exemplo correções de necessárias correções para necessárias adequar a para inclinação adequar correta a inclinação dos coletores correta com dos o tel c Onde forem instalados os coletores ou reservatórios, é obrigatório que haja calhas nos telhados e/ou ralos nas lajes para coleta da água no caso de vazamentos do coletor ou do reservatório, a fim de se evitarem Infiltrações de água ou mesmo queimaduras com a água quente; O telhado ou piso onde será instalado o coletor solar, deve ser em nível e possuir uma base firme que suporte o peso do sistema após enchimento com água. Quando for instalado mais do que sete coletores em uma instalação em termossifão, é ideal dividi-la em baterias de no máximo quatro coletores, sempre respeitando as inclinações das tubulações conforme figura abaixo. Um fator muito importante é quanto ao retorno de água quente dos coletores para o reservatório, este trecho de tubulação não pode ter acúmulo de bolhas de ar causado por sifonamento (como mostrado na figura a esquerda), o que causará o travamento do sistema ou uma grande queda no seu rendimento. Este problema já não ocorre na tubulação de entrada de água fria, pois o fluxo de água está na descendente. Revisão (171502) Página 18

20 Nota: Para prevenir problema de mau funcionamento do SAS, quando acima do limite de placa coletora, utilizar sistema de circulação forçada. As conexões entre coletores podem ser executadas com luvas soldadas ou luvas de união, as quais facilitam futuras manutenções e substituições de coletores. (se optar pela conexão soldada, tomar cuidado quando efetuar a solda para que não ocorra a queima da guarnição existente no perfil com o tubo de cobre). Para utilização das conexões no sistema de aquecimento solar, deve-se utilizar cobre ou latão. Deve-se instalar um registro gaveta ou esfera na parte inferior da bateria para dreno dos coletores. Em associações superiores a duas baterias de coletores interligados em série deve-se instalar uma válvula eliminadora de ar na saída da última bateria de coletores, independente do tipo da circulação. Válvula eliminadora de ar Em instalações que operam em termossifão, deve-se realizar a instalação da bateria de coletores com um pequeno aclive, entre 2 e 3, no sentido da saída da água quente, evitando-se sifões provocados por desníveis no telhado ou erro na instalação. Revisão (171502) Página 19

21 Termostato ESQUEMA DE LIGAÇÃO ELÉTRICA Reservatório térmico baixa pressão (RST-BP5) Aterramento interno do RST Alimentação 220 volts Borne Disjuntor Resistência Elétrica *Potência da resistência, assim como todas as especificações de dimensionamento elétrico, estão contidas na etiqueta de identificação de cada modelo de reservatório térmico (RST) Controle de temperatura: Termostato regulável (0 C a 80 C) para escolha da temperatura da água no reservatório, pela resistência elétrica. Lembrando que a temperatura poderá ultrapassar o regulado, devido ao aquecimento natural pelo Sol. Recomenda-se 60º C, mantendo uma temperatura adequada para que não possa haver a proliferação de legionella. Reservatório térmico alta pressão (RTH - AP) Reservatório térmico baixa pressão (RTH BP10) Segurança com reset Disjuntor Termostato Alimentação 220 volts Aterramento interno do RST Resistência Elétrica Nota: Quando utilizado sistema de apoio por aquecedor de água a gás, não se faz necessário a ligação do esquema elétrico acima. Revisão (171502) Página 20

22 PROBLEMAS E SOLUÇÕES Dúvidas e Orientações: ATENDIMENTO RINNAI SAC: TEL (0XX11) Site: Revisão (171502) Página 21

23 Importante: O seu SAS foi projetado para atender um determinado volume de água, portanto ao exceder a capacidade dimensionada, o sistema de apoio atuará automaticamente principalmente em períodos muito frios. Nos locais que apresentem condições de congelamento de água abaixo de 4 C, deve-se prever a proteção adequada do SAS, com válvulas termomecânicas ou elétricas / drenagem manual / recirculação e/ou aquecimento. Para as válvulas, favor consultar o fabricante quanto ao seu dimensionamento. O congelamento da água contida no interior dos tubos do coletor, pode causar a expansão e, consequentemente, danos ao coletor. Segurança: O sistema de aquecimento Solar como em outros sistemas de aquecimento, elevam bastante a temperatura da água, portanto é necessário abrir primeiro o registro de água fria e em seguida o de água quente, evitando assim receber água com temperatura acima do suportado. Para isso recomenda-se que quando utilizado por pessoas que desconhecem o procedimento ou que não podem diferenciar os registros, é necessário o acompanhamento da regulagem da temperatura, ou utilizar uma válvula misturadora (consulte um técnico Rinnai). Manutenção: Apesar de ser um sistema simples e sem grandes cuidados, alguns itens de conservação devem ser seguidos para garantir sempre o bom funcionamento: É necessário a lavagem periódica dos vidros, observando-se a incidência de poluição, poeira, areia ou qualquer tipo de sujeira que venham afetar o bom funcionamento dos coletores. Recomenda-se realizar a lavagem a cada 6 meses ou conforme a necessidade devido ao acumulo de detritos. A lavagem deve ser efetuada normalmente com uma vassoura macia, água e sabão liquido neutro, ssempre pela manhã antes das dez horas. Deve-se executar uma preventiva geral do sistema de aquecimento solar (limpeza / drenagem) a cada seis meses, incluindo principalmente seus acessórios, tais como: (válvulas, vaso de expansão, conexões, entre outros). Troca de vidro: em caso de quebra é possível fazer a substituição do vidro, retirando o perfil trava e o vidro quebrado, raspando e limpando completamente o silicone do local de onde ele foi retirado (removidos facilmente com um estilete), aplicar uma nova camada de silicone e encaixar um novo vidro (materiais de reposição especificados na página 5). Revisão (171502) Página 22

24 CUIDADOS ESPECIAIS Durante o transporte e instalação, deve-se atentar contra impactos a fim de preservar a integridade do produto. Não transportar os coletores segurando pelos tubos de cobre, tal condição poderá ocasionar deformações e dificuldades na montagem. Os coletores não devem ter os tubos de cobres em contato com metais ferrosos de outras estruturas (arames, abraçadeiras, etc...) sob o risco de ocasionar corrosões nos tubos. Quando da instalação, no uso de solda ou brasagem, o calor produzido por estas operações poderá danificar a guarnição do coletor provocando pequenas fissuras impedindo que o coletor obtenha sua melhor eficiência, recomendamos proteger a vedação com um pano úmido. Verificar trechos da tubulação com possíveis curvaturas onde possam gerar bolhas de ar, que devem ser eliminados para não prejudicar o funcionamento do sistema. Verificar o funcionamento do controlador (diferencial de temperatura / acionamentos dos apoios / programação de eventos). Conexões do reservatório/ coletor não devem ser utilizados com materiais ferrosos / poliméricos, que não resistam a altas temperaturas e pressão. Se caso a água de consumo ultrapassar os 40ºC, recomenda-se a instalação de válvula misturadora, para que não ocorra acidentes posteriores. (Norma brasileira NBR 7198 instalação de água quente). A lei /10 instituiu a responsabilidade compartilhada dos fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes e dos consumidores, pelo ciclo de vida dos produtos e a correta destinação, de forma a reduzir os rejeitos gerados e os impactos causados à saúde humana e à qualidade do meio ambiente. Se atentar na disponibilidade de acesso ao reservatório para manutenção e/ou instalação, principalmente se houver coberturas onde suas partes não possam ser removidas. O cliente será responsável pela remoção do SAS caso não haja acesso ao mesmo para reparo e/ ou retirada. Revisão (171502) Página 23

25 CERTIFICADO DE GARANTIA A Rinnai Brasil Tecnologia de Aquecimento Ltda., oferece GARANTIA do aparelho abaixo indicado, contra defeito de material ou de fabricação que ele apresentar, nos prazos adiante previstos, desde que o mesmo seja instalado com observância das normas referenciada neste manual. a.) Período de 3 (três) anos para o reservatório térmico. b.) Período de 3 (três) anos para o coletor solar; c.) Período de 3 meses para resistência elétrica e termostato do reservatório; d.) Caso o SAS seja instalado por pessoa não credenciada, o prazo de garantia será de 90 (noventa) dias, para qualquer dos itens acima, conforme previsto no Código de Defesa do Consumidor (lei.8078/1990). e.) Garantia dos acessórios em gerais que compõe o sistema de aquecimento solar, vide manual do fabricante, conforme Obs. Nos prazos constantes nos itens (a), (b), (c) e (d), está inclusa a garantia legal, a partir da data da venda, indicada na respectiva nota fiscal, desde que instalado pela rede de assistência técnica credenciada. As peças defeituosas ou avariadas serão consertadas ou substituídas gratuitamente durante o período de GARANTIA. Não estão cobertas pela garantia as peças cujos defeitos ou avarias forem decorrentes de mau uso do aparelho. Não procederá a GARANTIA para os seguintes casos: a) Danos em consequência de utilização inadequada ou abusiva, descuido no manuseio, transporte, remoção, entre outros. b) Ligação da parte elétrica sem água no reservatório e no sistema; c) Danos devido a congelamento do sistema; d) Alimentação de água no reservatório direto da rede pública; e) Danos decorrentes de caso fortuito ou força maior, além de outros agentes da natureza como incêndio, raios, ventos, granizos, etc.; f) Pressão de trabalho superior a 4,0 Kgf/cm 2 (Coletor Solar); g) Pressão de trabalho superior ao modelo do reservatório térmico; h) Danos causados ao SAS por terceiros; i) Desgastes naturais das peças ou componentes; j) Não apresentação deste Certificado de Garantia preenchido e a respectiva nota fiscal de compra; k) Danos causados ao SAS decorrentes de não observância do disposto no manual de instruções; l) A água fora dos padrões especificados neste manual de instruções. m) Na utilização de materiais ferrosos. Revisão (171502) Página 24

26 RA 3140 Parágrafo único: A garantia não cobre eventuais prejuízos causados por vazamento decorrente ou não do sistema de aquecimento solar. A garantia é válida somente nas lojas da rede autorizada, localizada em território nacional, as despesas de viagem, estada ou deslocamento de um técnico serão de responsabilidade do consumidor. A garantia não cobre mão de obra de manutenção preventiva ou limpeza efetuada nos componentes do SAS. Após o prazo da garantia legal 90 (noventa) dias, caso o cliente opte em não levar o equipamento até a rede de assistência credenciada, poderá haver cobrança da taxa de deslocamento, bem como frete de envio e retorno nos casos em que estes forem necessários. O preenchimento do formulário abaixo deverá ser feito pelo Instalador ou usuário. Loja que adquiriu aparelho: Número da Nota Fiscal: Data: Modelo: Nº de Série: Instaladora Autorizada: Telefone: Declaro ter instalado o aparelho conforme descrito neste manual. Instalador Obs: As figuras contidas neste manual são de caráter meramente ilustrativo ( sem escala ). Reservamos o direito de realizar alterações sem aviso prévio. ATENDIMENTO RINNAI SAC: Tel (011) Site: Revisão (171502) Página 25

MANUAL REU-PVA Rev /5 VÁLVULA AUTOMÁTICA

MANUAL REU-PVA Rev /5 VÁLVULA AUTOMÁTICA MANUAL REU-PVA Rev.1 10031 1/5 VÁLVULA AUTOMÁTICA As figuras contidas neste manual são de caráter meramente ilustrativas e sem escala, reservamos o direito de realizar possíveis alterações sem aviso prévio.

Leia mais

Baixa Pressão 5m.c.a Modelos: 15/20/25 Tubos

Baixa Pressão 5m.c.a Modelos: 15/20/25 Tubos Baixa Pressão 5m.c.a Modelos: 15/20/25 Tubos Página2 SUMÁRIO INFORMAÇÕES SOBRE O PRODUTO Coletor a Vácuo... 3 Indicações de segurança Cuidados especiais Principais vantagens do sistema solar a vácuo Especificações

Leia mais

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas.

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas. Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar Boas práticas O sistema de aquecimento solar e seus componentes O que é sistema de aquecimento solar (SAS) A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)

Leia mais

MANUAL TÉCNICO AQUECEDOR SOLAR SOLETROL. Utilização Instalação Dados técnicos

MANUAL TÉCNICO AQUECEDOR SOLAR SOLETROL. Utilização Instalação Dados técnicos MANUAL TÉCNICO AQUECEDOR SOLAR SOLETROL Utilização Instalação Dados técnicos Importante Não instale e não use o seu Aquecedor Solar Soletrol antes de ler este manual. Edição 10/2002 APRESENTAÇÃO PARABÉNS!

Leia mais

INSTALAÇÃO DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR

INSTALAÇÃO DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR INSTALAÇÃO DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR CONDIÇÕES PARA O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA Caixa d' água fria Respiro OESTE Reservatório térmico Radiação solar Retorno para os coletores Consumo SUL 20 20 NORTE

Leia mais

POSSIBILIDADES DE APROVEITAMENTO

POSSIBILIDADES DE APROVEITAMENTO POSSIBILIDADES DE APROVEITAMENTO Energia Solar Energia térmica A baixa temperatura (até 100 o C) A média temperatura (até 1000 o C) Aquecimento de ambientes aquecimento de água Condicionamento de ar refrigeração

Leia mais

Exercício Etapa 3 PEA 2200 / PEA Coletor solar : Aquecimento de água

Exercício Etapa 3 PEA 2200 / PEA Coletor solar : Aquecimento de água 1- Objetivos Exercício Etapa 3 PEA 2200 / PEA 3100 Coletor solar : Aquecimento de água Esta terceira etapa do exercício tem os seguintes objetivos: Substituir a tecnologia utilizada no aquecimento de água

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTRUÇÕES INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO AQUECEDORES ELÉTRICOS Aquecedores de 30 kw, 36 kw e 48 kw Aquecedores em série: 2 x 30 (60 kw) e 2 x 36 (72 kw) REV. B: AGOSTO/2010 E-384832-3 ÍNDICE PÁGINA Descrição 3 GERAL 3 EQUIPAMENTO

Leia mais

BOMBA DE PRESSURIZAÇÃO PARA REDE HIDRÁULICA. (com fluxostato externo) BOMBA CORPO FERRO: RBHLBFP3FEL1 (127V 260W), RBHLBFP3FEL2 (220V 260W)

BOMBA DE PRESSURIZAÇÃO PARA REDE HIDRÁULICA. (com fluxostato externo) BOMBA CORPO FERRO: RBHLBFP3FEL1 (127V 260W), RBHLBFP3FEL2 (220V 260W) BOMBA DE PRESSURIZAÇÃO PARA REDE HIDRÁULICA (com fluxostato externo) MODELOS: BOMBA CORPO FERRO: RBHLBFP3FEL1 (127V 260W), RBHLBFP3FEL2 (220V 260W) MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO INFORMAÇÕES SOBRE O PRODUTO...

Leia mais

Instalação de aquecedor em lavatórios -Terra Santa Móveis

Instalação de aquecedor em lavatórios -Terra Santa Móveis Instalação de aquecedor em lavatórios -Terra Santa Móveis - Leia atentamente as instruções deste manual antes de iniciar a instalação que deve ser feita por pessoa qualificada. Garantia - a garantia é

Leia mais

DESEMPENHO DE COLETORES SOLARESS

DESEMPENHO DE COLETORES SOLARESS DESEMPENHO DE COLETORES SOLARESS Profa. Elizabeth Marques Duarte Pereira Grupo Anima de Educação São Paulo, 5 de novembro de 29 Sumário da Apresentação 1.Coletores solares e as características dos produtos

Leia mais

Manual de Instruções. Banho Maria Elétrico

Manual de Instruções. Banho Maria Elétrico Manual de Instruções Banho Maria Elétrico Parabéns Banho Maria Elétrico - Manual de Instruções 03/04/2013 Você acaba de adquirir um produto METALMAQ. A METALMAQ, presente no mercado há mais de 4 décadas,

Leia mais

Quem busca economia prefere Heliotek

Quem busca economia prefere Heliotek Linha de aquecimento para banho Quem busca economia prefere Heliotek A marca de aquecimento solar do grupo Bosch Aquecedor solar 1 Coletor solar Os coletores captam o calor do sol e aquecem a água a ser

Leia mais

1 - hot acoplado.pdf 1 14/09/11 04:05 C M Y CM MY CY CMY K Acoplados Sistemas

1 - hot acoplado.pdf 1 14/09/11 04:05 C M Y CM MY CY CMY K Acoplados Sistemas Sistemas Acoplados Sistema de Aquecimento O aquecedor solar termodinâmico SOLAR FLEX é responsável por captar a energia em todas as situações climáticas, transformá-la em energia térmica e juntamente com

Leia mais

Mais sol na sua vida

Mais sol na sua vida Mais sol na sua vida 2 Aquecedor Solar Coletor Solar Linha Quality Selo PROCEL de eficiência energética 3 Maior eficiência e durabilidade Solda por ultrassom: máxima condução de calor e maior eficiência

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS VISÃO GERAL DO PRODUTO

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS VISÃO GERAL DO PRODUTO A Luminária de Mesa LED Touch SLM-102, é portátil, com design moderno, haste flexível e ideal para uso em escritório, dormitório, sendo indispensável para estudo, trabalho e leitura. Foi desenvolvida para

Leia mais

1 - hot acoplado.pdf 1 14/09/11 04:05 C M Y CM MY CY CMY K Acoplados Sistemas

1 - hot acoplado.pdf 1 14/09/11 04:05 C M Y CM MY CY CMY K Acoplados Sistemas Sistemas Acoplados Sistema de Aquecimento HOT ACOPLADO O HOT ACOPLADO é um equipamento destinado a produção de água quente para uso sanitário até 50.C garantindo conforto e aquecimento durante o ano todo

Leia mais

Manual do Proprietário. Forno Elétrico Multi.

Manual do Proprietário. Forno Elétrico Multi. Manual do Proprietário. Forno Elétrico Multi. Índice 1- Apresentação. 2- Instalação e Instruções. 2.1- Local de instalação. 2.2- Instalação Hidráulica. 2.3-Instalação Elétrica. 3- Operação. 3.1-Programação.

Leia mais

SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR PARA ÁGUA Carta de Orientações Técnicas Fevereiro 2016

SISTEMAS DE AQUECIMENTO SOLAR PARA ÁGUA Carta de Orientações Técnicas Fevereiro 2016 Prezado Cliente, É com grande satisfação que enviamos este material. Nosso intuito é ajudá-lo a compreender melhor o funcionamento, especificação e preparo para instalação de sistemas de aquecimento solar

Leia mais

CONTROLADOR AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO

CONTROLADOR AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO 1/ 7 CONTROLADOR AUTOMÁTICO modelos: RQC 001 / RQC 002 CONTROLADOR AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO MANUAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO RQC 001 RQC 002 ATENÇÃO: Este aparelho só deve ser instalado por empresas

Leia mais

MANUAL DE USUÁRIO AQUECEDOR ELÉTRICO

MANUAL DE USUÁRIO AQUECEDOR ELÉTRICO MANUAL DE USUÁRIO AQUECEDOR ELÉTRICO GAC15-12R GAC18-22R Característica de uso e do aparelho Os aquecedores elétricos da GREE foram projetados para proporcionar alto rendimento, com baixos custos de manutenção

Leia mais

BOMBA PRESSURIZADORA MANUAL DE SERVIÇO PB-088MA, 088JA PB-135MA, 135JA PB-S250MA, S250JA PB-350MA, 350JA MODELO

BOMBA PRESSURIZADORA MANUAL DE SERVIÇO PB-088MA, 088JA PB-135MA, 135JA PB-S250MA, S250JA PB-350MA, 350JA MODELO BOMBA PRESSURIZADORA MANUAL DE SERVIÇO MODELO PB-088MA, 088JA PB-135MA, 135JA PB-S250MA, S250JA PB-350MA, 350JA Leia atentamente este manual antes de instalar ou operar o equipamento para assegurar uma

Leia mais

M A N U A L D E I N S T R U Ç Õ E S F O R N O E L É T R I C O D E E M B U T I R 6 0 L I T R O S

M A N U A L D E I N S T R U Ç Õ E S F O R N O E L É T R I C O D E E M B U T I R 6 0 L I T R O S M A N U A L D E I N S T R U Ç Õ E S F O R N O E L É T R I C O D E E M B U T I R 6 0 L I T R O S M O D E L O : B L T F E A D V Parabéns Ao escolher a linha BUILT de produtos, você optou por um produto de

Leia mais

MANUAL DE INSTALÇÃO KIT A.Q.S. SOLAR COMPACT PORTUGUÊS

MANUAL DE INSTALÇÃO KIT A.Q.S. SOLAR COMPACT PORTUGUÊS MANUAL DE INSTALÇÃO KIT A.Q.S. SOLAR COMPACT versão. Nov. 2013 Agradecemos a aquisição do nosso produto. Antes de utilizar o equipamento, leia cuidadosamente este manual e guarde-o para referências futuras.

Leia mais

QUE A SUA FAMÍLIA TODO CONFORTO MERECE AQUECEDOR DE ÁGUA A GÁS DE PASSAGEM LINHA AQUECEDOR DE ÁGUA PARA BANHO. O novo grau de conforto.

QUE A SUA FAMÍLIA TODO CONFORTO MERECE AQUECEDOR DE ÁGUA A GÁS DE PASSAGEM LINHA AQUECEDOR DE ÁGUA PARA BANHO. O novo grau de conforto. TO EN AM NÇ LA TODO CONFORTO QUE A SUA FAMÍLIA MERECE AQUECEDOR DE ÁGUA A GÁS DE PASSAGEM LINHA AQUECEDOR DE ÁGUA PARA BANHO O novo grau de conforto. A Rheem é uma empresa multinacional, fundada em São

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DA NR Carpintaria Versão_CPN. TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO JUSTIFICATIVA (discussões)

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DA NR Carpintaria Versão_CPN. TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO JUSTIFICATIVA (discussões) PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DA NR 18 18.7. Carpintaria Versão_CPN TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO JUSTIFICATIVA (discussões) 18.7.1. As operações em máquinas e equipamentos necessários à realização da atividade de

Leia mais

*Imagens meramente ilustrativas LIXADEIRA ORBITAL. Manual de Instruções

*Imagens meramente ilustrativas LIXADEIRA ORBITAL. Manual de Instruções *Imagens meramente ilustrativas LIXADEIRA ORBITAL Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS LIXADEIRA ORBITAL 1200 Modelo Velocidade sem carga Pressão de ar Entrada de ar 1/4 V8-LX-1200

Leia mais

PEL-151 PEL-101. Aquecedor de Louças e Talheres Modelos: PEL-101 e PEL-151.

PEL-151 PEL-101. Aquecedor de Louças e Talheres Modelos: PEL-101 e PEL-151. PEL-151 PEL-101 Aquecedor de Louças e Talheres Modelos: PEL-101 e PEL-151 www.progas.com.br SUMÁRIO 1. Características Técnicas 1. Características Técnicas...03 2. Principais Componentes...03 3. Identificação

Leia mais

Capitais e regiões metropolitanas: 4007-1806 Demais Localidades: 0800 701 4805

Capitais e regiões metropolitanas: 4007-1806 Demais Localidades: 0800 701 4805 Capitais e regiões metropolitanas: 4007-1806 Demais Localidades: 0800 701 4805 FICHA TÉCNICA Parabéns por adquirir um aquecedor solar KOMECO. Nos sentimos honrados por sua escolha e por participarmos

Leia mais

*Imagens meramente ilustrativas LIXADEIRA ORBITAL. Manual de Instruções

*Imagens meramente ilustrativas LIXADEIRA ORBITAL. Manual de Instruções *Imagens meramente ilustrativas LIXADEIRA ORBITAL Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS LIXADEIRA ORBITAL Modelo Velocidade sem carga Pressão de trabalho Entrada de ar 1/4 Disco de

Leia mais

Manual Técnico Climatizadores - LFT

Manual Técnico Climatizadores - LFT - 1 - Manual Técnico Climatizadores - LFT - 2 - Luftmáxi Climatização de Ambientes Instruções de Segurança 1 Riscos de choques mecânicos: - Nunca tente parar o disco nebulizador ou a hélice do ventilador,

Leia mais

Coletor solar (EA0031/EA0023) Manual de instruções. Manual de instruções. Coletor Solar EA0031/EA0023

Coletor solar (EA0031/EA0023) Manual de instruções. Manual de instruções. Coletor Solar EA0031/EA0023 Manual de instruções Coletor Solar EA0031/EA0023 Índice 1. Especificações técnicas... 3 2. Cuidados... 3 3. Tubo do Coletor Solar... 4 3.1. Componentes... 4 3.2. Parâmetros... 5 4. Coletor Solar... 5 5.

Leia mais

Parabéns! Você acaba de adquirir um produto SODRAMAR. As Motobombas para Hidromassagem Sodramar foram desenvolvidas com o que há de mais avançado em

Parabéns! Você acaba de adquirir um produto SODRAMAR. As Motobombas para Hidromassagem Sodramar foram desenvolvidas com o que há de mais avançado em Parabéns! Você acaba de adquirir um produto SODRAMAR. As Motobombas para Hidromassagem Sodramar foram desenvolvidas com o que há de mais avançado em tecnologia de motobombas hidráulicas para piscinas e

Leia mais

PRESSOSTATO HPW. - Comercial Ltda

PRESSOSTATO HPW. - Comercial Ltda PRESSOSTATO HPW PRESOSTATO HPW O PRESSOSTATO HPW é um equipamento que trabalha com um pressostato interligado a um fluxostato. Mantém a rede sempre pressurizada, ligando a bomba quando abrimos qualquer

Leia mais

Aplicação. Onde pode ser aplicado? Edifícios Residenciais

Aplicação. Onde pode ser aplicado? Edifícios Residenciais Obras de Grande Porte 1 Aplicação Onde pode ser aplicado? Edifícios Residenciais 2 Onde pode ser aplicado? Hotéis Aplicação 3 Onde pode ser aplicado? Motéis Aplicação 4 Onde pode ser aplicado? Hospitais

Leia mais

Metalúrgica do Eucalípto Nesprido - Viseu Tel /

Metalúrgica do Eucalípto Nesprido - Viseu Tel / www.metlor.com Caldeira a Pellets aqualuxo Informações de segurança Atenção: o interior da máquina pode atingir em funcionamento elevadas temperaturas que provocam queimaduras graves, manter crianças afastadas

Leia mais

Catálogo de produtos

Catálogo de produtos Catálogo de produtos Karimbó - Guaratinguetá Karimbó - Guaratinguetá Edifício residencial em Belo Horizonte Karimbó - Guaratinguetá Edifício com medição individual Um novo conceito em energia solar Os

Leia mais

Manual de instrução e instalação do aquecedor solar de piscina. Heliopool e Heliopool Evolution 8732400973 (02/2016) BR.

Manual de instrução e instalação do aquecedor solar de piscina. Heliopool e Heliopool Evolution 8732400973 (02/2016) BR. Manual de instrução e instalação do aquecedor solar de piscina Heliopool e Heliopool Evolution 83240093 (02/201) BR Heliopool 1 Este manual de instrução e instalação contém informações técnicas do produto

Leia mais

vinil, fibra e alvenaria, piscinas de vinil piscinas de alvenaria

vinil, fibra e alvenaria, piscinas de vinil piscinas de alvenaria INTRODUÇÃO O hidrojato é um acessório que agrega diversão e bem estar. Seu sistema produz um jato que gera uma forte corrente de água na piscina. Ideal para prática de exercícios de natação e divertimento

Leia mais

Mangueiras. Instruções de Uso. Atenção:

Mangueiras. Instruções de Uso. Atenção: Mangueiras Instruções de Uso Atenção: Para o total aproveitamento e conservação de sua Mangueira, leia cuidadosamente as instruções contidas neste manual. E qualquer dúvida contacte a Assistência Técnica

Leia mais

DADOS TÉCNICOS V V Dimensão (mm) 450x250x x225x275 Peso (Kg) 7.5 6, V

DADOS TÉCNICOS V V Dimensão (mm) 450x250x x225x275 Peso (Kg) 7.5 6, V DADOS TÉCNICOS Modelo LIS-160B LIS-130 Código 6075.2 5626.6 5426.4 Tensão (V) Bivolt 127v 220v Capacidade nominal de entrada (KWA) 7.2 5.3 Potência nominal (A) 160(A)/26.4V 135(A)/24.5 Faixa de corrente

Leia mais

Modelos RFI 50, RFI 100 e RFI 150

Modelos RFI 50, RFI 100 e RFI 150 Modelos 50, 100 e 150 Especificações Reservatório em aço inoxidável Gabinete em aço inoxidável. Quatro torneiras de acionamento rápido para o modelo 150 e duas torneiras para os modelos 50 e 100. Registro

Leia mais

COLUNA DE BANHO MANUAL DE INSTRUÇÕES 51J

COLUNA DE BANHO MANUAL DE INSTRUÇÕES 51J COLUNA DE BANHO MANUAL DE INSTRUÇÕES 51J ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 CARACTERÍSTICAS 2.1 HIDRÁULICAS 2.2 DIMENSÕES 3.0 MONTAGEM E INSTALAÇÃO 4.0 OPERAÇÃO 4.1 VÁLVULA DESVIADORA 4.2 FUNÇÕES DOS JATOS 5.0

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções M MA AS ST E T ER R Manual de Instruções N MÁX.20A VOLTÍMETRO RL LZVT RACK RACK LIGHT LIGHT LIGA PROTEÇÃO SURTO D E S L I G A ENTRADA M N N N Á N N N N X 115V/230V 20A RACK LIGHT RL LZVT INSTRUÇÕES DE

Leia mais

BEBEDOURO INDUSTRIAL

BEBEDOURO INDUSTRIAL BEBEDOURO INDUSTRIAL Manual do Usuário Instalação e Garantia Informações gerais Verifique se a tomada a qual será ligado o bebedouro é compatível com a tensão do bebedouro. Sempre desligue o bebedouro

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES CADEIRA DE MASSAGEM PORTÁTIL DOBRÁVEL ATENÇÃO: A fim de evitar acidentes, por favor, leia atentamente às instruções de operação antes de utilizar este produto. Por favor, conserve

Leia mais

A caixa-d água de polietileno polivalente da Eternit.

A caixa-d água de polietileno polivalente da Eternit. A caixa-d água de polietileno polivalente da Eternit. As caixas-d'água de polietileno Eternit são de alta densidade e grande resistência, produzidas pelo processo de rotomoldagem totalmente mecanizado,

Leia mais

A tecnologia torna a vida perfeita! Controlador Eletrônico para Aquecedor Solar de Água. Ecologic

A tecnologia torna a vida perfeita! Controlador Eletrônico para Aquecedor Solar de Água. Ecologic A tecnologia torna a vida perfeita! TK-8A Controlador Eletrônico para Aquecedor Solar de Água Ecologic Atenção: Antes de usar o controlador leia atentamente este manual. 1 TK-8A MANUAL Prezado usuário:

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES BEBEDOUROS BEGEL REFRIGERADOS TIPO PRESSÃO BRX40 CONJUGADO BRX40 BRX80CONJUGADO BRX80. PARABÉNS Pelo seu novo bebedouro BEGEL

MANUAL DE INSTRUÇÕES BEBEDOUROS BEGEL REFRIGERADOS TIPO PRESSÃO BRX40 CONJUGADO BRX40 BRX80CONJUGADO BRX80. PARABÉNS Pelo seu novo bebedouro BEGEL MANUAL DE INSTRUÇÕES BEBEDOUROS BEGEL REFRIGERADOS TIPO PRESSÃO BRX40 CONJUGADO BRX40 BRX80CONJUGADO BRX80 PARABÉNS Pelo seu novo bebedouro BEGEL Ficamos muito satisfeitos por você ter depositado sua confiança

Leia mais

Manual de instalação Coletor Tubo a Vácuo Vertical e Horizontal

Manual de instalação Coletor Tubo a Vácuo Vertical e Horizontal Manual de instalação Coletor Tubo a Vácuo Vertical e Horizontal Produto 100% Brasileiro www.termomax.com.br ATENÇÃO A TERMOMAX Aquecedor Solar LTDA EPP estende sua garantia somente para reservatório térmico

Leia mais

ALICATE HIDRAULICO PRENSA/CRIMPA TERMINAL 16 ATE 240 MM MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO HHY-240A

ALICATE HIDRAULICO PRENSA/CRIMPA TERMINAL 16 ATE 240 MM MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO HHY-240A ALICATE HIDRAULICO PRENSA/CRIMPA TERMINAL 16 ATE 240 MM MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO HHY-240A 1 ALICATE HIDRAULICO PRENSA/CRIMPA Antes de utilizar este produto, leia atentamente às instruções de operação.

Leia mais

Rubigrün Mola Gás. Informações Técnicas - Edição 01 Mola Gás

Rubigrün Mola Gás. Informações Técnicas - Edição 01 Mola Gás Rubigrün A Rubigrün é uma empresa brasileira em constante crescimento que atua no desenvolvimento de molas gás eficientes para diversas necessidades. A busca constante por inovações e a pesquisa por ferramentas

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Antes de utilizar o aparelho leia e siga atentamente todas as instruções contidas neste manual.

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Antes de utilizar o aparelho leia e siga atentamente todas as instruções contidas neste manual. MANUAL DE INSTRUÇÕES Antes de utilizar o aparelho leia e siga atentamente todas as instruções contidas neste manual. BEBEDOURO ET41004 Por favor atualize seus manuais em nosso site: www.eterny.com.br PARABÉNS

Leia mais

Informações complementares para instalação do. Reservatório K (02/2016) BR. Reservatório K2 1

Informações complementares para instalação do. Reservatório K (02/2016) BR. Reservatório K2 1 Informações complementares para instalação do Reservatório K2 8732400974 (02/2016) BR Reservatório K2 1 Estas informações complementam o Manual do Sistema de Aquecimento Solar Heliotek, fornecido juntamente

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PURIFICADORES DE ÁGUA. PARABÉNS Pelo seu novo purificador de água BEGEL

MANUAL DE INSTRUÇÕES PURIFICADORES DE ÁGUA. PARABÉNS Pelo seu novo purificador de água BEGEL MANUAL DE INSTRUÇÕES PURIFICADORES DE ÁGUA PURESTIL PURESTIL MASTER PARABÉNS Pelo seu novo purificador de água BEGEL Ficamos muito satisfeitos por você ter depositado sua confiança em mais um de nossos

Leia mais

GABINETE TRIPLO GAVETEIRO IG3G4-C / IG3G4-C S/T / IG3G4-C PIA S/T /06/2008

GABINETE TRIPLO GAVETEIRO IG3G4-C / IG3G4-C S/T / IG3G4-C PIA S/T /06/2008 GABINETE TRIPLO GAVETEIRO IG3G4-C / IG3G4-C S/T / IG3G4-C PIA S/T 3330098000-16/06/2008 cod. 100EM16009 cod. 100EM02909 cod. 100EM12009 cod. 100EM08109 cod. 100EM11809 cod. 1000038809 cod. 1000080209 cod.

Leia mais

Aula 03. Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido

Aula 03. Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido Aula 03 Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido 1 - Introdução A rede de distribuição de ar comprimido compreende todas as tubulações que saem do reservatório, passando pelo secador

Leia mais

Motobombas. Diesel. BFD 6" - Ferro Fundido BFD 8" - Ferro Fundido

Motobombas. Diesel. BFD 6 - Ferro Fundido BFD 8 - Ferro Fundido Motobombas Diesel BFD 6" - Ferro Fundido BFD 8" - Ferro Fundido 1 - Motobomba BFDE 6", BFDE 8" Sua aplicação básica está na captação de água de rio e lagos. Utilizado quando é necessário uma transferência

Leia mais

1.1 Apresentação 1.2 Assistência técnica 1.3 Inspeção no ato do recebimento 1.4 Especificações técnicas. 2.1 Introdução 2.

1.1 Apresentação 1.2 Assistência técnica 1.3 Inspeção no ato do recebimento 1.4 Especificações técnicas. 2.1 Introdução 2. ÍNDICE SEÇÃO 1 Dados Gerais 1.1 Apresentação 1.2 Assistência técnica 1.3 Inspeção no ato do recebimento 1.4 Especificações técnicas SEÇÃO 2 Funcionamento 2.1 Introdução 03 2.2 Funcionamento 03 SEÇÃO 3

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO PARA MESA DE PASSADORIA THEOBOARD 03 CONFORME NORMAS DA NR-12

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO PARA MESA DE PASSADORIA THEOBOARD 03 CONFORME NORMAS DA NR-12 MANUAL DE INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO PARA MESA DE PASSADORIA THEOBOARD 03 CONFORME NORMAS DA NR-12 SINAIS DE ATENÇÃO! Atenção! Alta Voltagem 230/240V Atenção! Superfície quente! Vapor quente ou líquido. Atenção!

Leia mais

Manual do Usuário. Para aproveitar ao máximo os recursos do seu amplificador, indicamos abaixo algumas recomendações importantes:

Manual do Usuário. Para aproveitar ao máximo os recursos do seu amplificador, indicamos abaixo algumas recomendações importantes: 3. Estão excluídos desta garantia os eventuais defeitos decorrentes do desgaste natural do produto. 4. Esta garantia é do tipo balcão e não cobre: atendimento domiciliar, despesas com seguro, embalagem

Leia mais

CONTEÚDO CUIDADOS RETRABALHANDO QFP S ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO GARANTIA DO PRODUTO... 06

CONTEÚDO CUIDADOS RETRABALHANDO QFP S ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO GARANTIA DO PRODUTO... 06 0 ÍNDICE CONTEÚDO... 02 CUIDADOS... 02 RETRABALHANDO QFP S... 05 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 05 MANUTENÇÃO... 05 GARANTIA DO PRODUTO... 06 1 CONTEÚDO Observe abaixo os itens inclusos na embalagem: Item

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO CARREGADOR DE BATERIA ANALÓGICO

MANUAL DO USUÁRIO CARREGADOR DE BATERIA ANALÓGICO 1 MANUAL DO USUÁRIO CARREGADOR DE BATERIA ANALÓGICO MODELO: KA-078 2 APRESENTAÇÃO DO EQUIPAMENTO O CARREGADOR DE BATERIA ANALOGICO KA-078 é um equipamento voltado à recarga de baterias automotivas de fácil

Leia mais

SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR (SAS)

SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR (SAS) SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR (SAS) Coletores: Titanium Plus / Black Tech Reservatórios: 300L / 400L / 500L / 600L BP-5 SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR (SAS) MANUAL DE INSTRUÇÕES (INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO)

Leia mais

SEMPRE LISO COMPONENTES

SEMPRE LISO COMPONENTES E S C O V A M Á G I C A SEMPRE LISO Parabéns por ter escolhido um produto da KG Line! A tecnologia, desenho e funcionalidade, além do rigoroso controle de qualidade a que são submetidos nossos produtos,

Leia mais

PROTETOR SALIVAR BETA. manual do usuário

PROTETOR SALIVAR BETA. manual do usuário PROTETOR SALIVAR BETA manual do usuário PARABÉNS! Você acaba de adquirir um produto com a qualidade Glasart. Com a compra deste produto, seu estabelicimento está demonstrando cuidado com seus clientes

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções (Máquinas de gelo em cubo) Obrigado por escolher as máquinas de gelo Thermomatic. Para garantir o uso correto das operações, por favor, leia atentamente o manual de instruções e depois

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO. Hidrômetros de diâmetro nominal 15 a 40 mm V2.0

MANUAL DE INSTALAÇÃO. Hidrômetros de diâmetro nominal 15 a 40 mm V2.0 MANUAL DE INSTALAÇÃO Hidrômetros de diâmetro nominal 15 a 40 mm V2.0 INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO O medidor deve ser instalado em local facilmente acessível, para permitir operações como leitura, manutenção,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Balança Digital Mini Control

MANUAL DO USUÁRIO. Balança Digital Mini Control MANUAL DO USUÁRIO Balança Digital Mini Control Sumário 1. CUIDADOS 2. LIMPEZA 3. FUNCIONAMENTO 4. AVISO 5. ATENÇÃO 6. INFORMAÇÕES TÉCNICAS 7. TERMOS DE GARANTIA 3 4 5 5 6 6 7 Apresentação: Obrigado por

Leia mais

INTRODUÇÃO MEDIDAS DE SEGURANÇA IMPORTANTES

INTRODUÇÃO MEDIDAS DE SEGURANÇA IMPORTANTES INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha da Balança Super Slim. Para garantir o melhor desempenho do produto, ler atentamente as recomendações a seguir. Guardar este Manual de Instruções para eventuais consultas.

Leia mais

WL-AR WL Manual de Instruções. CHAVE DE FLUXO Tipo Palheta de Inserção TECNOFLUID

WL-AR WL Manual de Instruções. CHAVE DE FLUXO Tipo Palheta de Inserção TECNOFLUID Português WL-AR WL-120 190 250 CHAVE DE FLUXO Tipo Palheta de Inserção Manual de Instruções Leia este manual atentamente antes de iniciar a operação do seu aparelho. Guarde-o para futuras consultas. Anote

Leia mais

Termossifão pressurizado (EA8893) Manual de instruções. Manual de instruções. Termossifão pressurizado (EA8893)

Termossifão pressurizado (EA8893) Manual de instruções. Manual de instruções. Termossifão pressurizado (EA8893) Manual de instruções Termossifão pressurizado (EA8893) Índice 1. Parâmetros... 3 2. Precauções... 4 3. Informação técnica... 5 3.1. Componentes... 5 3.2. Informação técnica... 5 4. Componentes e dimensões...

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE MONTAGEM

ORIENTAÇÃO DE MONTAGEM Cozinhas Linha de Interesse Geral do Consumidor Ligação gratuita de qualquer ponto do país 0800 032 6 GABINETE ÂNGULO IAG-D 4333040900-27/2/20 900/ 2008 ORIENTAÇÃO DE MONTAGEM ASSEMBLY INSTRUCTION Nº Código

Leia mais

Embaladora Ipcal modelo 39 Manual de instruções e garantia

Embaladora Ipcal modelo 39 Manual de instruções e garantia Embaladora Ipcal modelo 39 Manual de instruções e garantia INDÚSTRIA DE PLÁSTICO CRISTAL AMERICANO Comércio e Transportes Ltda. RUA MENDES CALDEIRA, 300 BRÁS - SÂO PAULO/SP FONE (011) 3229-4277 SITE: www.ipcal.com.br

Leia mais

Manual do Usuário. Importante Antes de usar o seu Aquecedor Solar Solquent, leia este manual. Imagem Ilustrativa

Manual do Usuário. Importante Antes de usar o seu Aquecedor Solar Solquent, leia este manual. Imagem Ilustrativa Manual do Usuário Imagem Ilustrativa Importante Antes de usar o seu Aquecedor Solar Solquent, leia este manual. * Este Manual inclui Certificado de Garantia. ÍNDICE Apresentação... 03 Instruções de Segurança...

Leia mais

[Manual do Usuário] é bem durável e resistente é multi-uso é super simples de usar fácil de programar usa peças importadas ele não enferruja!

[Manual do Usuário] é bem durável e resistente é multi-uso é super simples de usar fácil de programar usa peças importadas ele não enferruja! >> destaques ECONOTIMER: é bem durável e resistente é multi-uso é super simples de usar fácil de programar usa peças importadas ele não enferruja! [Manual do Usuário] I NDEX. Introdução... 01. Aplicações...

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO AQUECEDOR ELETRICO DE PASSAGEM PAINEL CONTROLADOR DE PISCINA

MANUAL DE INSTALAÇÃO AQUECEDOR ELETRICO DE PASSAGEM PAINEL CONTROLADOR DE PISCINA MANUAL DE INSTALAÇÃO AQUECEDOR ELETRICO DE PASSAGEM PAINEL CONTROLADOR DE PISCINA www.impercap.com.br Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO AQUECEDOR ELÉTRICO DE PASSAGEM:... 3 3. INSTALAÇÃO...

Leia mais

KITS SOLARES TÉRMICOS >> SISTEMA TERMOSSIFÃO >> SISTEMA CIRCULAÇÃO FORÇADA SISTEMA HÍBRIDO

KITS SOLARES TÉRMICOS >> SISTEMA TERMOSSIFÃO >> SISTEMA CIRCULAÇÃO FORÇADA SISTEMA HÍBRIDO KITS SOLARES TÉRMICOS >> SISTEMA >> SISTEMA CIRCULAÇÃO FORÇADA >> SISTEMA HÍBRIDO CIRCULAÇÃO FORÇADA SISTEMA HÍBRIDO PROGRAMA SOLAR GOLD GUIA DE SELEÇÃO KITS SOLARES ZANTIA > PASSOS DA SELEÇÃO 1 PASS0

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO. Indicado para uso em ambientes como salas de estar, dormitório, salas de estudos, etc.

MANUAL DE INSTRUÇÃO. Indicado para uso em ambientes como salas de estar, dormitório, salas de estudos, etc. MANUAL DE INSTRUÇÃO DESIDRAT PLUS Principais funções: 1. Retira até 10 litros/dias de água. Indicado para uso em ambientes como salas de estar, dormitório, salas de estudos, etc. Capacidade máxima de acúmulo

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO AQUECEDOR DE AMBIENTE A ÓLEO MAO-NYAK

MANUAL DE OPERAÇÃO AQUECEDOR DE AMBIENTE A ÓLEO MAO-NYAK MANUAL DE OPERAÇÃO AQUECEDOR DE AMBIENTE A ÓLEO MAO-NYAK Sumário Termo de garantia... 02 Informações gerais... 03 Características do Produto... 04 - Partes e Peças... 04 - Ficha Técnica... 04 - Instalação

Leia mais

SINAPSE MICROELETRONICA LTDA.

SINAPSE MICROELETRONICA LTDA. SINAPSE MICROELETRONICA LTDA. Av. Afonso Botelho, 69 - Centro - CEP 87301-040 Campo Mourão - PR - Brasil - Fone/Fax: (44) 329-3022 E-mail: vendas@sinapse.ind.br www.sinapse.ind.br hfc 12/06 SINAPSE INDUSTRIAL

Leia mais

GABINETE DUPLO ALTO IG2A-D / IG2A-D PIA S/T /04/ / 2008

GABINETE DUPLO ALTO IG2A-D / IG2A-D PIA S/T /04/ / 2008 GABINETE DUPLO ALTO / PIA S/T 333009700-0/04/200 900 / 2008 Nº Código Descrição Quant. 0-02- 03-04- 05-06- 02 09 05 04 04 00DG5009 00DG509 00BO07209 00BO409 00BJ02309 000080209 06 07 08 LATERAL SS IG3A-D

Leia mais

TTA-101 Transmissor de Temperatura Analógico Trilho Din

TTA-101 Transmissor de Temperatura Analógico Trilho Din TTA-101 Transmissor de Temperatura Analógico Trilho Din MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO V1.0 1 1.0 INDICE 2.0 Apresentação Pag.02 3.0 Especificações Técnicas Pag.02 4.0 Instalação Pag.03 Informativo Pag.03

Leia mais

GUIA DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA EM CIRCUITO DIRETO - PROJETO E INSTALAÇÃO - NBR 15569

GUIA DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA EM CIRCUITO DIRETO - PROJETO E INSTALAÇÃO - NBR 15569 1. OBJETIVO O Guia de Avaliação da Conformidade - Requisitos Técnicos de Instalação para Sistema de aquecimento solar de água em circuito aberto instalação QUALINSTAL, da Associação Brasileira pela Conformidade

Leia mais

MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS CONFORME ABNT NBR 15594-3

MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS CONFORME ABNT NBR 15594-3 MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS CONFORME ABNT NBR 15594-3 MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS CONFORME ABNT NBR 15594-3 Periodicidade Tipos de manutenção Equipamentos MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS CONFORME ABNT NBR 15594-3

Leia mais

W = V x A. Desta forma, tendo dois valores de grandeza, poderemos calcular o terceiro.

W = V x A. Desta forma, tendo dois valores de grandeza, poderemos calcular o terceiro. Dimensionamento do Sistema Solar O dimensionamento do sistema solar é simples quando se aplica uma voltagem e alguns pontos de consumo. O conhecimento básico de alguns valores e grandezas são necessários

Leia mais

REGISTRO PARA HIDRANTE 2 ½ E ACESSÓRIOS

REGISTRO PARA HIDRANTE 2 ½ E ACESSÓRIOS REGISTRO PARA HIDRANTE 2 ½ E ACESSÓRIOS Manual Técnico 1 1.Descrição Também conhecida como válvula globo angular, a Registro para Hidrante 2 ½ é uma válvula de fecho, instalada em tubulações hidráulicas

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto de nossa linha. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, o usuário deve ler atentamente as instruções a seguir. Recomenda-se

Leia mais

10/ REV 0 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções

10/ REV 0 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções 10/12 912-09-05 780872 REV 0 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha do Hidromassageador Aqua Foot 2. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, ler atentamente

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções antes de utilizar o produto, pois elas garantirão sua segurança. Condições de Instalação Verifique

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto de nossa linha. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, o usuário deve ler atentamente as instruções a seguir. Recomenda-se

Leia mais

Manual do usuário. Misturador 20lts

Manual do usuário. Misturador 20lts Manual do usuário Misturador 20lts Data: 09/2016 Rev.:01 Montagem Índice Pág. 1-Montando para uso... 3 2-Mangueiras... 4 3- Especificações técnicas... 5 4-Colocando a lata de tinta... 6 5-Colocando em

Leia mais

REPUXADEIRA ELÉTRICA SPOTCAR 830

REPUXADEIRA ELÉTRICA SPOTCAR 830 *Imagens meramente ilustrativas REPUXADEIRA ELÉTRICA SPOTCAR 830 Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS REPUXADEIRA ELÉTRICA SPOTCAR 830 Modelo Repuxadeira Elétrica Spotcar 830 Voltagem

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO CURVADOR DE TUBOS

MANUAL DE INSTRUÇÃO CURVADOR DE TUBOS TERMOS DE GARANTIA I - PRAZO DE GARANTIA 1. A Marcon Indústria Metalúrgica Ltda. dispõe de garantia do produto pelo prazo de 06 (seis) meses (já inclusa a garantia legal referente aos primeiros noventa

Leia mais

KITS SOLARES TÉRMICOS >> SISTEMA TERMOSSIFÃO >> SISTEMA CIRCULAÇÃO FORÇADA SISTEMA HÍBRIDO

KITS SOLARES TÉRMICOS >> SISTEMA TERMOSSIFÃO >> SISTEMA CIRCULAÇÃO FORÇADA SISTEMA HÍBRIDO KITS SOLARES TÉRMICOS >> SISTEMA TERMOSSIFÃO >> SISTEMA CIRCULAÇÃO FORÇADA >> SISTEMA HÍBRIDO TERMOSSIFÃO CIRCULAÇÃO FORÇADA SISTEMA HÍBRIDO GUIA DE SELEÇÃO KITS SOLARES ZANTIA > PASSOS DA SELEÇÃO > OPÇÕES

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO TANQUES DE PRESSÃO

MANUAL DO PRODUTO TANQUES DE PRESSÃO MANUAL DO PRODUTO TANQUES DE PRESSÃO MANUAL DO PRODUTO TANQUES DE PRESSÃO Este manual se destina a fornecer orientações básicas de instalação e entrada em operação e/ou funcionamento. Antes de instalar

Leia mais

CONCEITO VÁCUO. Manual de Instruções TERMOCIRCULADOR SOPHIE 20 PROFESSIONAL. Sistemas de Vácuo e Cocção LINHA PROFISSIONAL

CONCEITO VÁCUO. Manual de Instruções TERMOCIRCULADOR SOPHIE 20 PROFESSIONAL. Sistemas de Vácuo e Cocção LINHA PROFISSIONAL CONCEITO VÁCUO Sistemas de Vácuo e Cocção LINHA PROFISSIONAL Manual de Instruções TERMOCIRCULADOR SOPHIE 20 PROFESSIONAL ÍNDICE Instalação Recipiente para cozimento Tabela de cocção Programação do controlador

Leia mais

Sistema de aquecimento solar com reservatório de nível. Manual de instalação e uso. (400, 500 ou 600 litros)

Sistema de aquecimento solar com reservatório de nível. Manual de instalação e uso. (400, 500 ou 600 litros) Manual de instalação e uso Sistema de aquecimento solar com reservatório de nível (400, 500 ou 600 litros) Sistema de aquecimento solar com reservatório de nível 1 O Manual de instalação e uso Sistema

Leia mais

Edição Controladores para Aquecimento

Edição Controladores para Aquecimento Edição 2016 Controladores para Aquecimento Controlador Lógico para Aquecimento Conjugado O Controlador Lógico para Aquecimento Conjugado (CLAC) foi desenvolvido para o controle de sistemas de aquecimento

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE MONTAGEM

ORIENTAÇÃO DE MONTAGEM Cozinhas Linha de Interesse Geral do Consumidor Ligação gratuita de qualquer ponto do país 0800 032 6 GABINETE TRIPLO -IG3-D TL 433304800-30/06/20 900 / 2008 ORIENTAÇÃO DE MONTAGEM ASSEMBLY INSTRUCTION

Leia mais