O USO RACIONAL DA ÁGUA EM AEROPORTOS O Estudo de caso nos sanitários do Aeroporto Internacional de Salvador/BA Projeto AGUAERO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O USO RACIONAL DA ÁGUA EM AEROPORTOS O Estudo de caso nos sanitários do Aeroporto Internacional de Salvador/BA Projeto AGUAERO"

Transcrição

1 O USO RACIONAL DA ÁGUA EM AEROPORTOS O Estudo de caso nos sanitários do Aeroporto Internacional de Salvador/BA Projeto AGUAERO REDE DE TECNOLOGIAS LIMPAS DA BAHIA PPG ENGENHARIA INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DE ENG. AMBIENTAL ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Asher Kiperstok Ricardo de Araújo Kalid George Juliano Santos de Amorim

2 OBJETIVO GERAL DO PROJETO AGUAERO Avaliar e melhorar o desempenho ambiental no Aeroporto Internacional de Salvador (AIS), com relação ao consumo da água propondo mecanismos, procedimentos e tecnologias para racionalização do uso da água. OBJETIVO DO TRABALHO APRESENTADO Apresentar um dos estudos do Projeto AGUAERO, relacionado com o consumo de água nos sanitários do terminal de passageiros (TPS).

3 JUSTIFICATIVA / MOTIVAÇÃO O AIS movimenta cerca 30% dos passageiros da Região NE do País. (Média de 19 mil passageiros/dia). O AIS presta serviços de utilidades e lazer aumento do consumo de água. (Cerca de 40 mil pessoas/dia no AIS). Do consumo médio de água no sítio aeroportuário pela INFRAERO (460m 3 /dia), cerca de 380m 3 /dia(83%) ocorrem no TPS(Balanço hídrico reconciliado, 2006/2009). No TPS, cerca 160m 3 /dia(42%) são consumidos nos sanitários, 170m 3 /dia pelas torres de resfriamento e, outros 50m 3 /dia(balanço hídrico reconciliado, 2006/2009).

4 MARCO CONCEITUAL CONSUMO DE ÁGUA EM EDIFICAÇÕES Adaptado de KIPERSTOK (2009,PROSAB) para o Projeto AGUAERO 1.1Medição 1.0 CONTROLE 1.2Conscientização 1.3Tarifação 2.0 CONSUMO EFETIVO 3.0 DESPERDÍCIO Consumo efetivo consciente (não necessário ou desejado pelo usuário) 4.0 PERDAS NAS INSTALAÇÕES (independem do usuário) 5.0 QUALIDADE AMBIENTAL (prédio aparelho, instalações, áreas verdes e de lazer) 2.1Necessário 2.2Desejado pelo usuário 3.1Usuário 3.2Aparelho/ instalação 4.1Aparelho/ instalação (características e idade) 5.1Normas técnicas 5.2Projeto 5.3Construção 5.4 Reforma 4.2Manutenção 5.5Segregação de correntes 5.6Reúso 5.7Fontes alternativas

5 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS CADASTRAMENTO DE CERCA DE 120 SANITÁRIOS NO TPS (52 de acesso aos passageiros) CADASTRAMENTO DAS PEÇAS HIDROSSANITÁRIAS

6 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PESQUISA DE OPINIÃO (13 A 20/06/2008) Comportamento dos PASSAGEIROS Aplicação de 473 questionários (209 F e 264 M,na sala de embarque nacional).

7 PESQUISA DE OPINIÃO (13 A 20/06/2008)

8 PESQUISA DE OPINIÃO (13 A 20/06/2008) DO TOTAL DE USO DAS BACIAS SANITÁRIAS, 80% FOI PARA URINAR OS LAVATÓRIOS FORAM UTILIZADOS 234 VEZES OS LAVATÓRIOS FORAM UTILIZADOS 173 VEZES

9 PESQUISA DE OPINIÃO (13 A 20/06/2008) Qual mictório prefere usar (HOMENS)? 54% Prefere 30% Prefere 16% Usaria 85% Usaria mictório FEMININO

10 VERIFICAÇÃO DOS VOLUMES DAS DESCARGAS DOS MICTÓRIOS E ACIONAMENTO DOS LAVATÓRIOS. 250 ml 200 ml Água da descarga Volume da descarga 150 ml 100ml Fundo do mictório do mictório

11 VERIFICAÇÃO DOS VOLUMES DOS ACIONAMENTOS OS LAVATÓRIOS E DAS DESCARGAS DOS MICTÓRIOS. 1º EXPERIMENTO: 10 e 18/07/2008, em 05 sanitários de grande movimentação no TPS com um total de 15 mictórios e 20 lavatórios medidos. 2º EXPERIMENTO: 21 e 28/11/2008, em 24 sanitários do TPS, com um total de 48 mictórios e 72 lavatórios. MICTÓRIO: média de 1,08 l/descarga LAVATÓRIO: média de 0,71 l/acionamento

12 SIMULAÇÃO DOS CENÁRIOS : média dos valores encontrados nos experimentos: e;. Considerou-se para os por vez e, para a. nas descargas dos dos sanitários e nos de para. em 80% dos usos da bacia pelo para de 50% das descargas das bacias para para de 50% das descargas das bacias parapar de 50% das descargas das bacias parapara de 50% das descargas das bacias para

13

14 CONCLUSÕES/RECOMENDAÇÕES É possível promover a redução do consumo de água, de 17% a 77% nos sanitários do TPS, a partir das seguintes ações: Verificação e regulagem, periódicas, das peças hidrossanitárias e, inserção desses procedimentos na rotina da equipe de manutenção. Realização de estudo para definição do número adequado de mictórios e bacias sanitárias, em função dos usos reais dos sanitários e das peças instaladas. Realização de estudo para implantação de mictórios femininos e, a curto prazo, a regulagem do volume de bacias sanitárias visando o atendimento apenas a necessidade de urinar.

15 CONCLUSÕES/RECOMENDAÇÕES Realização de treinamento periódico para os profissionais envolvidos com a instalação, operação e manutenção das peças hidrossanitárias, visando incorporação de novos procedimentos e atitudes relacionados ao uso racional da água, na rotina de trabalho. Monitoramento das ações implementadas com definição de indicadores que traduzam: o nível de satisfação dos usuários dos sanitários; a redução do consumo de água nos sanitários; a eficiência na manutenção dos sanitários. Divulgação contínua, junto aos diversos usuários e à comunidade aeroportuários sobre a importância do uso racional da água e, dos resultados alcançados com as ações implementadas.

16 MUITO OBRIGADA!! THAÍS FREIRE

CARACTERIZAÇÃO E PERFIL DE CONSUMO DE ÁGUA EM UM SANITÁRIO MASCULINO DA EPUFBA

CARACTERIZAÇÃO E PERFIL DE CONSUMO DE ÁGUA EM UM SANITÁRIO MASCULINO DA EPUFBA CARACTERIZAÇÃO E PERFIL DE CONSUMO DE ÁGUA EM UM SANITÁRIO MASCULINO DA EPUFBA REDE DE TECNOLOGIAS LIMPAS DA BAHIA PPG ENGENHARIA INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DE ENG. AMBIENTAL ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E PERFIL DE CONSUMO DE ÁGUA DE UM SANITÁRIO MASCULINO DA EPUFBA

CARACTERIZAÇÃO E PERFIL DE CONSUMO DE ÁGUA DE UM SANITÁRIO MASCULINO DA EPUFBA CARACTERIZAÇÃO E PERFIL DE CONSUMO DE ÁGUA DE UM SANITÁRIO MASCULINO DA EPUFBA Adriana Santos Machado Graduanda em Engenharia Sanitária e Ambiental (EP/UFBA); (TECLIM). Dijara Maria S. Conceição Graduanda

Leia mais

ALTERNATIVAS PARA A REDUÇÃO DE CONSUMO DE ÁGUA EM SANITÁRIOS FEMININOS DE PRÉDIOS PÚBLICOS.

ALTERNATIVAS PARA A REDUÇÃO DE CONSUMO DE ÁGUA EM SANITÁRIOS FEMININOS DE PRÉDIOS PÚBLICOS. ALTERNATIVAS PARA A REDUÇÃO DE CONSUMO DE ÁGUA EM SANITÁRIOS FEMININOS DE PRÉDIOS PÚBLICOS. Luiza de Andrade Berndt Graduanda em Engenharia Sanitária e Ambiental (EP/UFBA); (TECLIM). Pricila Cal Oliveira

Leia mais

REDE DE TECNOLOGIAS LIMPAS DA BAHIA PPG ENGENHARIA INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DE ENG. AMBIENTAL ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

REDE DE TECNOLOGIAS LIMPAS DA BAHIA PPG ENGENHARIA INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DE ENG. AMBIENTAL ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA REDE DE TECNOLOGIAS LIMPAS DA BAHIA PPG ENGENHARIA INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DE ENG. AMBIENTAL ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Paris, ~ 1865-75 Vasos sanitários em banheiros públicos são

Leia mais

CONCEPÇÃO DE UM SISTEMA PARA APOIO A PROJETOS DE USO RACIONAL DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS

CONCEPÇÃO DE UM SISTEMA PARA APOIO A PROJETOS DE USO RACIONAL DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS CONCEPÇÃO DE UM SISTEMA PARA APOIO A PROJETOS DE USO RACIONAL DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS Tatiana Máximo Almeida, Rosinete Batista dos Santos, Sérgio Roberto Alves Farias e Carlos de Oliveira Galvão Laboratório

Leia mais

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Ambiente diferenciado do meio empresarial Campus Santo Amaro - Centro Universitário rio SENAC 120 mil m2 de terreno 21 cursos de graduação e 7

Leia mais

União Educacional Minas Gerais Curso de Engenharia Telecomunicações e Engenharia de Produção

União Educacional Minas Gerais Curso de Engenharia Telecomunicações e Engenharia de Produção União Educacional Minas Gerais Curso de Engenharia Telecomunicações e Engenharia de Produção Orientador: Ms. Jorge Wilson Pereira da Silva Mara Rúbia da Silva Marlos Ferreira Silva Rômulo Rondinelly Mendes

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO CONSUMO DE ÁGUA EM AEROPORTO DE PEQUENO PORTE

DIAGNÓSTICO DO CONSUMO DE ÁGUA EM AEROPORTO DE PEQUENO PORTE DIAGNÓSTICO DO CONSUMO DE ÁGUA EM AEROPORTO DE PEQUENO PORTE Vinicius Scortegagna (1), Josemar Marques da Silva (2), Vera Maria Cartana Fernandes (3) (1) Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DA ESCOLA MUNICIPAL JOSUÉ DE OLIVEIRA DO MUNICÍPIO DE CARAÚBAS RN

AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DA ESCOLA MUNICIPAL JOSUÉ DE OLIVEIRA DO MUNICÍPIO DE CARAÚBAS RN AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DA ESCOLA MUNICIPAL JOSUÉ DE OLIVEIRA DO MUNICÍPIO DE CARAÚBAS RN Cássio Kaique da Silva*, Cibele Gouveia Costa Chianca, Sabiniano Fernandes Terceiro, Maria Natália

Leia mais

Avaliação de medidas de racionalização do consumo de água em um edifício para fins educacionais

Avaliação de medidas de racionalização do consumo de água em um edifício para fins educacionais Avaliação de medidas de racionalização do consumo de água em um edifício para fins educacionais Petterson Michel Dantas contato@pettersondantas.com Mestrado Profissional em Arquitetura Projeto e Meio Ambiente

Leia mais

EcoToilet Sistema Conjugado de Lavatório com Caixa Acoplada para Descarga Sanitária

EcoToilet Sistema Conjugado de Lavatório com Caixa Acoplada para Descarga Sanitária EcoToilet Sistema Conjugado de Lavatório com Caixa Acoplada para Descarga Sanitária Resumo Normalmente no Brasil, toda água que é utilizada nas descargas das bacias sanitárias é oriunda das caixas de água

Leia mais

PROJETO DE NORMAS ABNT NBR Conservação de águas em edificações Uso de fontes alternativas de água não potável em edificações

PROJETO DE NORMAS ABNT NBR Conservação de águas em edificações Uso de fontes alternativas de água não potável em edificações PROJETO DE NORMAS ABNT NBR Conservação de águas em edificações Uso de fontes alternativas de água não potável em edificações Lilian Sarrouf Coord Técnica do COMASP - SindusConSP AÇÕES DO COMITÊ DE MEIO

Leia mais

PA.06/201.95/11597/00

PA.06/201.95/11597/00 EQUIPE DE APOIO TÉCNICO ESPECIALIDADE PROFISSIONAL CREA/ CAU RUBRICA Arquitetura e Urbanismo Arq. Márcia Soldera CAU 54.2403 Christine Borges Reffatti (estagiária) REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA

Leia mais

INFRAERO VT.06/506.92/04740/00 2 / 5

INFRAERO VT.06/506.92/04740/00 2 / 5 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: Autor do Projeto Resp. Técnico: Co-Autor: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO: 200_PB.HS.AF.ET-300000

Leia mais

TECNOLOGIAS DE REÚSO E REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA

TECNOLOGIAS DE REÚSO E REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA REALIZAÇÃO TECNOLOGIAS DE REÚSO E REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA APOIO PROGRAMAS DE CONSERVAÇÃO E REÚSO O que leva à busca pelo reúso? Crise hídrica Escassez e deterioração da qualidade da água dos mananciais

Leia mais

Painel: GESTÃO TÉCNICA E OPERACIONAL. Título da Palestra: CASE GALEÃO/REUSO. Palestrante: MARCELO STEPHANES

Painel: GESTÃO TÉCNICA E OPERACIONAL. Título da Palestra: CASE GALEÃO/REUSO. Palestrante: MARCELO STEPHANES I ENCONTRO DAS S 13 a 15 de maio de 2009 - Campo Grande MS Realização: SINTERCON Painel: GESTÃO TÉCNICA E OPERACIONAL Título da Palestra: CASE GALEÃO/REUSO Palestrante: MARCELO STEPHANES Empresa: CDN SERVIÇOS

Leia mais

O CONSUMO RACIONAL DE ÁGUA NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SALVADOR, BAHIA/BRASIL

O CONSUMO RACIONAL DE ÁGUA NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SALVADOR, BAHIA/BRASIL MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL MARIA THAÍS MENEZES FREIRE O CONSUMO RACIONAL DE ÁGUA NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SALVADOR, BAHIA/BRASIL SALVADOR 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA

Leia mais

IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo

IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo (ISO Em Processo de Implantação) IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo Vantagens de um sistema de gestão da qualidade nos serviços de saneamento básico Manoel Carlos

Leia mais

Legislações voltadas ao uso racional e à conservação da água

Legislações voltadas ao uso racional e à conservação da água Legislações voltadas ao uso racional e à conservação da água Lei N 10785 de 18 de Setembro de 2003 Aprovada pela câmara municipal de Curitiba, Sr. Prefeito Cássio Taniguchi No município de Curitiba, o

Leia mais

A Sharewater. Planeta Água. Prêmios

A Sharewater. Planeta Água. Prêmios A Sharewater A Sharewater tem o objetivo de oferecer soluções completas para a conservação da água, através de projetos, consultoria e desenvolvimento de tecnologia própria. Foi fundada em 8 de maio de

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH. Diana Palhano Ludmila Ventilari

CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH. Diana Palhano Ludmila Ventilari CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH MITRAUD Diana Palhano Ludmila Ventilari O que é Qualidade? Conceito de gestão: Conforme Deming: é a satisfação do cliente e melhoria contínua O que

Leia mais

Metodologia Para Ações de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas

Metodologia Para Ações de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas Metodologia Para Ações de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas Marcos Danella 29/julho/2015 Agenda Quem somos Cenários/Diagnósticos de Campo Metodologia Etapa 1 Engajamento do Corpo Diretivo/Gerencial

Leia mais

Capital privado em aeroportos: A experiência do Rio de Janeiro Julio Lopes, 23/04/09

Capital privado em aeroportos: A experiência do Rio de Janeiro Julio Lopes, 23/04/09 Capital privado em aeroportos: A experiência do Rio de Janeiro Julio Lopes, 23/04/09 A experiência do Rio de Janeiro tem como base a legislação vigente, modelo que já atende a vários aeroportos concessionados

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A água é elemento intimamente ligado à vida na Terra e é o mais importante componente dos seres vivos. Somos totalmente dependentes desse recurso natural, assim como qualquer atividade

Leia mais

Ampliação do Aeroporto Internacional de Brasília

Ampliação do Aeroporto Internacional de Brasília Ampliação do Aeroporto Internacional de Brasília Aeroporto Intl. de Brasília O Aeroporto de Brasília é o terceiro em movimentos de passageiros e aeronaves do Brasil Em capacidade, tem potencial para ser

Leia mais

Inovação e inclusão social através do uso de materiais plásticos na construção civil. Erivelto Mussio

Inovação e inclusão social através do uso de materiais plásticos na construção civil. Erivelto Mussio Inovação e inclusão social através do uso de materiais plásticos na construção civil Erivelto Mussio EMPRESA ARTECOLA E MARCOPOLO VISÃO ATÉ 2018 Ser a empresa referência nacional em sistemas construtivos

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ)

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) MARCOS LEGAIS CONSÓRCIO PÚBLICO - CONSTITUIÇÃO FEDERAL (Art. 241 - Emenda nº 19/1998) - LEI FEDERAL

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL LUIZ EDUARDO MAGALHÃES - SALVADOR (SBSV)

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL LUIZ EDUARDO MAGALHÃES - SALVADOR (SBSV) 2º TRIMESTRE de 216 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL LUIZ EDUARDO MAGALHÃES - SALVADOR (SBSV) COORDENAÇÃO DA PESQUISA EXECUÇÃO DAS COLETAS COLABORAÇÃO INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESESTATIZAÇÃO - SUCESSOS E DESAFIOS

PLANO NACIONAL DE DESESTATIZAÇÃO - SUCESSOS E DESAFIOS CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA DO RIO DE JANEIRO SEMINÁRIO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA DOS AEROPORTOS PLANO NACIONAL DE DESESTATIZAÇÃO - SUCESSOS E DESAFIOS Índice 1. Desafios da aviação Civil Brasileira 2.

Leia mais

MOBILIDADE URBANA E AEROPORTO: TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014

MOBILIDADE URBANA E AEROPORTO: TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 MOBILIDADE URBANA E AEROPORTO: TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 TPS pav. térreo TPS Vista do saguão TPS pav. superior PERSPECTIVA Lado TERRA PERSPECTIVA Lado AR Item 2011 2012 Revisão

Leia mais

Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura e Construção. Gestão da água

Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura e Construção. Gestão da água Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura e Construção ` Gestão da água Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS-FEC/UNICAMP 28 de setembro de 2012 Ciclo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº. Capítulo I. Disposições preliminares

PROJETO DE LEI Nº. Capítulo I. Disposições preliminares PROJETO DE LEI Nº Institui o programa de conservação, uso racional e reaproveitamento de água nas edificações. Capítulo I Disposições preliminares Art. 1º. Fica instituído o Programa de Conservação, Uso

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA E FUNCIONAL DE RACIONALIZAÇÃO DO USO DE ÁGUA EM UMA EDIFICAÇÃO UNIVERSITÁRIA

ANÁLISE ECONÔMICA E FUNCIONAL DE RACIONALIZAÇÃO DO USO DE ÁGUA EM UMA EDIFICAÇÃO UNIVERSITÁRIA III ENECS ENCONTRO NACIONAL SOBRE EDIFICAÇÕES E COMUNIDADES SUSTENTÁVEIS ANÁLISE ECONÔMICA E FUNCIONAL DE RACIONALIZAÇÃO DO USO DE ÁGUA EM UMA EDIFICAÇÃO UNIVERSITÁRIA Ricardo Nagamine Costanzi (ricardo.costanzi@poli.usp.br)

Leia mais

Uso Racional da Água Gestão da Demanda Evolução e Tendências. Eng. MSc. Osvaldo Oliveira Jr

Uso Racional da Água Gestão da Demanda Evolução e Tendências. Eng. MSc. Osvaldo Oliveira Jr Uso Racional da Água Gestão da Demanda Evolução e Tendências Eng. MSc. Osvaldo Oliveira Jr AGENDA - AMBIENTE E CONSTRUÇÃO CIVIL; - DEFINIÇÕES; - CONTEXTUALIZAÇÃO Gestão da Demanda; - OLHAR PARA O PASSADO;

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 0. Introdução 1 Roteiro Definição Justificativa Fontes de Requisitos Análise/Avaliação de Riscos Seleção de Controles Ponto de Partida Fatores Críticos

Leia mais

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO SANTOS DUMONT - RIO DE JANEIRO (SBRJ)

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO SANTOS DUMONT - RIO DE JANEIRO (SBRJ) 2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO SANTOS DUMONT - RIO DE JANEIRO (SBRJ) COORDENAÇÃO DA PESQUISA EXECUÇÃO DAS COLETAS COLABORAÇÃO INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

Housekeeping 5S. Gestão e otimização da produção. Gestão e Otimização da Produção. Marco Antonio Dantas de Souza

Housekeeping 5S. Gestão e otimização da produção. Gestão e Otimização da Produção. Marco Antonio Dantas de Souza Gestão e otimização da produção Housekeeping 5S Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho 1 Fonte: www.tpfeurope.com/en_5sinfo.html 2 1 O é uma filosofia

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA PLANO DE TRABALHO Bacabeira-MA 2015 1. INTRODUÇÃO O presente Plano de Trabalho refere-se ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Bacabeira e a empresa de consultoria especializada de razão

Leia mais

Uso Racional da Água

Uso Racional da Água PHD - Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 2537 - Água em Ambientes Urbanos Uso Racional da Água Prof. Kamel Zahed Filho Afonso Mariutti Chebib Luiz Dal Sochio Junior Luiz Fernando Simone

Leia mais

I ESTUDO DOS EQUIPAMENTOS CONSUMIDORES DE ÁGUA DESTILADORES

I ESTUDO DOS EQUIPAMENTOS CONSUMIDORES DE ÁGUA DESTILADORES I-046 - ESTUDO DOS EQUIPAMENTOS CONSUMIDORES DE ÁGUA DESTILADORES Alessandra Keiko Nakagawa (1) Engenheira Civil pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Especialista em Gerenciamento de

Leia mais

GANHOS AMBIENTAIS E MUDANÇAS NO CICLO DO NITROGÊNIO A PARTIR DA SEPARAÇÃO DA URINA HUMANA DO SISTEMA DE SANEAMENTO

GANHOS AMBIENTAIS E MUDANÇAS NO CICLO DO NITROGÊNIO A PARTIR DA SEPARAÇÃO DA URINA HUMANA DO SISTEMA DE SANEAMENTO GANHOS AMBIENTAIS E MUDANÇAS NO CICLO DO NITROGÊNIO A PARTIR DA SEPARAÇÃO DA URINA HUMANA DO SISTEMA DE SANEAMENTO REDE DE TECNOLOGIAS LIMPAS DA BAHIA PPG ENGENHARIA INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DE ENG. AMBIENTAL

Leia mais

PROJETO DE RACIONALIZAÇÃO DE CONSUMO E USO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA

PROJETO DE RACIONALIZAÇÃO DE CONSUMO E USO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA Dezembro 2005 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO DE RACIONALIZAÇÃO DE CONSUMO E USO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA CT-INFRA 02 CAMPANHAS EDUCATIVAS E DE DIVULGAÇÃO Devido ao Decreto nº

Leia mais

Diretrizes de projeto para o uso racional da água em edificações

Diretrizes de projeto para o uso racional da água em edificações Seminário HIS Sustentável Diretrizes de projeto para o uso racional da água em edificações Orestes M. Gonçalves Escola Politécnica da Universidade de São Paulo CBCS - Conselho Brasileiro da Construção

Leia mais

Taboãoprev Projeto de Uso Racional de Água e Energia Elétrica

Taboãoprev Projeto de Uso Racional de Água e Energia Elétrica Taboãoprev Projeto de Uso Racional de Água e Energia Elétrica 1 Índice 1. Apresentação... 03 2. Conceitos de Projeto de Uso Racional de Água e Energia Elétrica... 04 3. Objetivos do Projeto de Uso Racional

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE SSC-546 Avaliação de Sistemas Computacionais Profa. Rosana Braga (material profas Rosely Sanches e Ellen F. Barbosa) Agenda Visão Geral de Qualidade Qualidade Aplicada ao Software

Leia mais

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE VIRACOPOS - CAMPINAS (SBKP)

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE VIRACOPOS - CAMPINAS (SBKP) º TRIMESTRE de 16 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE VIRACOPOS - CAMPINAS (SBKP) COORDENAÇÃO DA PESQUISA EXECUÇÃO DAS COLETAS COLABORAÇÃO INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

Instalações Hidráulicas Prediais de Água Fria. Instalações Hidrossanitárias Profª Bárbara Silvéria

Instalações Hidráulicas Prediais de Água Fria. Instalações Hidrossanitárias Profª Bárbara Silvéria Instalações Hidráulicas Prediais de Água Fria Instalações Hidrossanitárias Profª Bárbara Silvéria Instalações Prediais de Água Fria As instalações prediais de água fria são o conjunto de tubulações, conexões,

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA ÁGUA: PERDAS DE ÁGUA E DIMINUIÇÃO DE DISPÊNDIOS NOS MUNICÍPIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DA ÁGUA: PERDAS DE ÁGUA E DIMINUIÇÃO DE DISPÊNDIOS NOS MUNICÍPIOS. Gestão do Saneamento 2ª Edição 25 e 26 de Março de 2014 Organização: Hiria Mauricio Dantas GESTÃO ESTRATÉGICA DA ÁGUA: PERDAS DE ÁGUA E DIMINUIÇÃO DE DISPÊNDIOS NOS MUNICÍPIOS. VISÃO ESTRATÉGICA DA ÁGUA

Leia mais

Estratégias para redução do impacto da demanda de água nas cidades e edifícios

Estratégias para redução do impacto da demanda de água nas cidades e edifícios Estratégias para redução do impacto da demanda de água nas cidades e edifícios Prof. Dr. Orestes M. Gonçalves Escola Politécnica da USP Tesis Tecnologia de Sistemas em Engenharia Perfil das regiões hidrográficas

Leia mais

SITUAÇÃO FÍSICA DA ÁREA DA CAFETERIA DA SALA DE EMBARQUE

SITUAÇÃO FÍSICA DA ÁREA DA CAFETERIA DA SALA DE EMBARQUE SITUAÇÃO FÍSICA DA ÁREA DA CAFETERIA DA SALA DE EMBARQUE A área possui 13,20 m² (treze vírgula vinte metros quadrados) e está localizada na área de nº 21 do Mix Comercial, no piso térreo do Terminal de

Leia mais

PROGRAMAS DE REUSO DE ÁGUA NAS BACIAS PCJ. Sergio Razera Diretor Presidente Fundação Agência das Bacias PCJ

PROGRAMAS DE REUSO DE ÁGUA NAS BACIAS PCJ. Sergio Razera Diretor Presidente Fundação Agência das Bacias PCJ PROGRAMAS DE REUSO DE ÁGUA NAS BACIAS PCJ Sergio Razera Diretor Presidente Fundação Agência das Bacias PCJ 16º Encontro Técnico de Alto Nível: Reúso de Água EPUSP, 07 de novembro de 2016 CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE - NATAL (SBSG)

2º TRIMESTRE de 2016 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE - NATAL (SBSG) 2º TRIMESTRE de 21 abril a junho AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE - NATAL (SBSG) COORDENAÇÃO DA PESQUISA EXECUÇÃO DAS COLETAS COLABORAÇÃO INTEGRANTES DO COMITÊ DE DESEMPENHO OPERACIONAL

Leia mais

GNT Saúde Suplementar. Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017

GNT Saúde Suplementar. Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 GNT Saúde Suplementar Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 DRG e sua aplicabilidade na Saúde Suplementar GOLDETE PRISZKULNIK Executiva Médica em Gestão

Leia mais

Sistemas de Medição Individualizada em Edifícios

Sistemas de Medição Individualizada em Edifícios 03/02/20 2 o Seminário Uso Racional da Água e Habitação de Interesse Social no Estado de São Paulo Sistemas de Medição Individualizada em Edifícios Lúcia Helena de Oliveira agosto/200 Sistemas de Medição

Leia mais

2º ENCONTRO CAIXA/FORNECEDORES

2º ENCONTRO CAIXA/FORNECEDORES 2º ENCONTRO CAIXA/FORNECEDORES PIB Sustentabilidade na Prática Empresarial Jean Rodrigues Benevides GN de Meio Ambiente SN de Assistência Técnica e Desenvolvimento Sustentável Situação Atual Estratégia

Leia mais

ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO

ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO 04 de junho de 2009 Realização: Carlos Alberto de Moraes Borges caborges@tarjab.com.br Estrutura da apresentação Normalização e o Sistema regulatório

Leia mais

SUSTENTABILIDADE DO USO DA ÁGUA NA MINERAÇÃO. Eng. Mário Cicareli Pinheiro POTAMOS Engenharia e Hidrologia Ltda.

SUSTENTABILIDADE DO USO DA ÁGUA NA MINERAÇÃO. Eng. Mário Cicareli Pinheiro POTAMOS Engenharia e Hidrologia Ltda. SUSTENTABILIDADE DO USO DA ÁGUA NA MINERAÇÃO Eng. Mário Cicareli Pinheiro POTAMOS Engenharia e Hidrologia Ltda. mario.cicareli@potamos.com.br CONTEXTO 1: AS EMPRESAS MINERADORASMINERADORAS A MAIORIA DAS

Leia mais

Audiência Pública CREA/SP - 21/06/2011. InfraestruturaAeroportuária em SÃO PAULO para a COPA 2014

Audiência Pública CREA/SP - 21/06/2011. InfraestruturaAeroportuária em SÃO PAULO para a COPA 2014 INFRAERO Audiência Pública CREA/SP - 21/06/2011 InfraestruturaAeroportuária em SÃO PAULO para a COPA 2014 Arq. Jonas Lopes Superintendente de Estudos e Projetos de Engenharia jonas_lopes@infraero.gov.br

Leia mais

Integrando Gestão de Pessoas à Gestão de Negócios

Integrando Gestão de Pessoas à Gestão de Negócios Nossa história Integrando Gestão de Pessoas 31 anos de existência Atua em 07 Estados + Distrito Federal 3355 colaboradores diretos Matriz RAO e 15 filiais 140 unidades de negócios 1300 colaboradores indiretos

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº Aproveitamento de água de chuva no meio urbano: aspectos técnicos e legais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº Aproveitamento de água de chuva no meio urbano: aspectos técnicos e legais COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172692 Aproveitamento de água de chuva no meio urbano: aspectos técnicos e legais Luciano Zanella Trabalho apresentado no Simpósio Brasileiro de Captação e Manejo de Água de Chuva,

Leia mais

Code-P0 AEROPORTOS PAC 2

Code-P0 AEROPORTOS PAC 2 Code-P0 AEROPORTOS PAC Atualizado em 05/03/0 0 Code-P ÍNDICE MAPA AEROPORTOS PAC 3 GUARULHOS 4 Projeto Básico do TPS 3 Terraplenagem para construção do TPS 3 Ampliação e Revitalização do Sistema de Pistas

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO. Pedro Masiero Jr.

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO. Pedro Masiero Jr. 18 de agosto de 2010, Rio de Janeiro GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO. Pedro Masiero Jr. O Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro Dados

Leia mais

METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA EM EDIFÍCIOS

METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA EM EDIFÍCIOS METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA EM EDIFÍCIOS OLIVEIRA, Lúcia Helena (1); GONÇALVES, Orestes M. (2) (1) Eng. Civil, Doutor em Engenharia, professora da Escola de Engenharia

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL TANCREDO NEVES - CONFINS - MG ELAB.: LSL PROJETO BÁSICO - CANTEIRO DE OBRAS

AEROPORTO INTERNACIONAL TANCREDO NEVES - CONFINS - MG ELAB.: LSL PROJETO BÁSICO - CANTEIRO DE OBRAS DOCUMENTO N DOCUMENTO N DATA 40 40 5 5 TITULO Qtd. FORMATO ESCALA STATUS REV. PROJETO BÁSICO - CANTEIRO DE OBRAS PROJETO BÁSICO Parecer técnico INFRAERO CANTEIRO DE OBRAS 7/00-IA-ET-3000 CF.8/0.9/8 GERAL

Leia mais

SEDE DA PETROBRAS EM SANTOS. 20 de outubro de 2011 SEDE DE SANTOS. Organograma

SEDE DA PETROBRAS EM SANTOS. 20 de outubro de 2011 SEDE DE SANTOS. Organograma SEDE DA PETROBRAS EM SANTOS 2º SEMINÁRIO BIM SINDUSCON / SP 20 de outubro de 2011 SEDE DE SANTOS Organograma Visão SEDE Geral do Projeto DE SANTOS Perspectiva principal Visão Geral do Projeto 2011 2007

Leia mais

Fuel & Carbon Solutions. Adalberto Cambauva Bogsan Vice-Presidente Técnico e de Operações

Fuel & Carbon Solutions. Adalberto Cambauva Bogsan Vice-Presidente Técnico e de Operações Fuel & Carbon Solutions Adalberto Cambauva Bogsan Vice-Presidente Técnico e de Operações Eficiência no Consumo de Combustível Mudança para uma frota mais eficiente (NGs) Implementação de melhores praticas

Leia mais

Plano de Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco. O plano de bacias tem como objetivo a programação de ações no âmbito de cada bacia hidrográfica.

Plano de Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco. O plano de bacias tem como objetivo a programação de ações no âmbito de cada bacia hidrográfica. Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD - 2537 Água em Ambientes Urbanos Plano de Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco Elídio Nunes Vieira, Henrique Leite Agostinho, Lauro Dela Libera

Leia mais

CONSUMO DE ÁGUA EM BACIAS SANITÁRIAS COM A UTILIZAÇÃO DE DESCARGA DE DUPLO ACIONAMENTO: ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA

CONSUMO DE ÁGUA EM BACIAS SANITÁRIAS COM A UTILIZAÇÃO DE DESCARGA DE DUPLO ACIONAMENTO: ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA CONSUMO DE ÁGUA EM BACIAS SANITÁRIAS COM A UTILIZAÇÃO DE DESCARGA DE DUPLO ACIONAMENTO: ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA RESUMO Michele Deboita (1), Nestor Back (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

COPA 2014 AEROPORTOS Atualização: 14/06/2011

COPA 2014 AEROPORTOS Atualização: 14/06/2011 COPA 2014 AEROPORTOS Atualização: 14/06/2011 AEROPORTOS DA COPA 13 Aeroportos 31 Intervenções R$ 5,79 bilhões Manaus TPS Fortaleza TPS São Gonçalo do Amarante Pista Recife Torre Cuiabá TPS Brasília TPS

Leia mais

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 1. Recursos SEF 1.1. Custeio - Dotação Básica - Manutenção e Reposição de Equipamentos de Informática - Treinamento de Recursos Humanos

Leia mais

Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos Sistemas de Gestão da Qualidade. Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional

Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos Sistemas de Gestão da Qualidade. Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - QUALIDADE, MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Empresa: Cristal Raidalva Rocha OBJETIVO Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO

PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO SÃO CARLOS, 03 de Julho de 2013 O Plano Diretor de Desenvolvimento Físico e Ambiental, como peça constituinte do

Leia mais

Definição e Melhoria de Processo na Produção de Software Web

Definição e Melhoria de Processo na Produção de Software Web Definição e Melhoria de Processo na Produção de Software Web Márcio Stefani Ci&T Systems Ci&T Systems Desde 1995 Principais atividades Fábrica de Software - Projetos Web Fábrica de Componentes Web Consultoria

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 15 Instalações Prediais de Esgoto Sanitário Profª Heloise G. Knapik 1 Instalações prediais de esgotamento

Leia mais

Transporte Aéreo, Movimentação de PAX, Tarifas Aéreas, Rotas e Direitos do Consumidor

Transporte Aéreo, Movimentação de PAX, Tarifas Aéreas, Rotas e Direitos do Consumidor Transporte Aéreo, Movimentação de PAX, Tarifas Aéreas, Rotas e Direitos do Consumidor Ricardo Bisinotto Catanant (SRE/ANAC) Roteiro Evolução do Setor Movimentação de PAX Market Share Rotas Aéreas Tarifas

Leia mais

Constituída a equipa, iniciaram-se os trabalhos necessários à elaboração deste Plano de Melhorias.

Constituída a equipa, iniciaram-se os trabalhos necessários à elaboração deste Plano de Melhorias. Plano de Melhoria 1. Introdução Em Julho de 2012, o Agrupamento de Escolas de Carnaxide-Valejas juntou-se à Escola Secundária Camilo Castelo Branco dando origem ao atual Agrupamento de Escolas de Carnaxide.

Leia mais

SBSP.01.R.ED SBSP.01.R.ED SBSP.01.R.ED SBSP.01.R.ED AEROPORTO DE SÃO PAULO / CONGONHAS GERÊNCIA COMERCIAL SPCM

SBSP.01.R.ED SBSP.01.R.ED SBSP.01.R.ED SBSP.01.R.ED AEROPORTO DE SÃO PAULO / CONGONHAS GERÊNCIA COMERCIAL SPCM AEROPORTO DE SÃO PAULO / CONGONHAS GERÊNCIA COMERCIAL SPCM (Sala de Embarque Pontes 01 a 04-1.º andar do Terminal de Passageiros) SBSP.01.R.ED.01.038 SBSP.01.R.ED.01.022 SBSP.01.R.ED.01.019 SBSP.01.R.ED.01.012

Leia mais

Iniciativas da Eletrobras para Eficiência Energética no Setor industrial

Iniciativas da Eletrobras para Eficiência Energética no Setor industrial Iniciativas da Eletrobras para Eficiência Energética no Setor industrial São Paulo - SP 23/10/2012 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1 - INTRODUÇÃO 2 - MOTIVAÇÃO TÉCNICA 3 PROCEL INDÚSTRIA 4 - CONCLUSÕES 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO OBJETIVOS PRINCIPAIS DA CONCESSÃO Redução das tarifas pagas pela INFRAERO e pelos concessionários;

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação PROPOSTA DE QUALIFICAÇÃO DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO BRASIL Brasília, Junho/2004

Leia mais

Resultados da Pesquisa Virtual: Consulta aos Profissionais do Setor

Resultados da Pesquisa Virtual: Consulta aos Profissionais do Setor Resultados da Pesquisa Virtual: Consulta aos Profissionais do Setor Anexo Gráficos de resultados Perfil entrevistado Perfil por Região do Brasil Qual setor representa 30,0% 28,5% 26,6% 25,9% 25,0% 20,0%

Leia mais

Benchmarking de consumo energético em edificações

Benchmarking de consumo energético em edificações Benchmarking de consumo energético em edificações Edward Borgstein CT Energia, CBCS BENCHMARKING E DESEMPENHO ENERGÉTICO OPERACIONAL (DEO) Etapas de etiquetagem energética #1 Etiqueta de projeto PBE Edifíca

Leia mais

Implantação da ISO Sistemas de Gestão da Energia

Implantação da ISO Sistemas de Gestão da Energia Implantação da ISO 50001 Sistemas de Gestão da Energia Fundação: 1961 Jaraguá do Sul / SC - Brasil ROL 2014: R$ 7,84 Bilhões (51% ME e 49% MI) Colaboradores: 30.664 (75% Brasil) 1.592 Engenheiros Investimentos

Leia mais

SEMINÁRIO FIESP GESTÃO DA ÁGUA A CRISE NÃO ACABOU

SEMINÁRIO FIESP GESTÃO DA ÁGUA A CRISE NÃO ACABOU SEMINÁRIO FIESP GESTÃO DA ÁGUA A CRISE NÃO ACABOU Sergio Razera Diretor Presidente Fundação Agência das Bacias PCJ CONTEXTUALIZAÇÃO Fonte: PLANO DE BACIAS, 2010-2020 3 Área: 15.304km 2 (92,6% SP e 7,4%

Leia mais

ELABORAÇÃO DO MODELO SUSTENTÁVEL DE UM PRÉDIO EDUCACIONAL DO PONTO DE VISTA HÍDRICO

ELABORAÇÃO DO MODELO SUSTENTÁVEL DE UM PRÉDIO EDUCACIONAL DO PONTO DE VISTA HÍDRICO ELABORAÇÃO DO MODELO SUSTENTÁVEL DE UM PRÉDIO EDUCACIONAL DO PONTO DE VISTA HÍDRICO Emanuelle Pereira Faria 1, Glaucio Luciano Araujo 2. 1 Engenheira Civil, Faculdade de Ciências Gerenciais de Manhuaçu,

Leia mais

Instalações Prediais Aula 2

Instalações Prediais Aula 2 Instalações Prediais Aula 2 Prof. Dr. Alexandre Marques Buttler Identificação Curso: Engenharia Civil Carga horária: 2 h/aula Ano letivo: 2011 Aula teórica: sexta (19:20 21:00) 2 CONTRATO DE TRABALHO Cll

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

Modelo de Gestão, Política Ambiental, Missão, Visão e Valores

Modelo de Gestão, Política Ambiental, Missão, Visão e Valores Escola Politécnica da USP Curso de Engenharia Ambiental Modelo de Gestão, Política Ambiental, Missão, Visão e Valores Princípios da Gestão Ambiental 1 Prioridade corporativa 9 - Pesquisa 2 Gestão Integrada

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA PARTE I 1) PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA (CONTINUAÇÃO)

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA PARTE I 1) PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA (CONTINUAÇÃO) INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA PARTE I 1) PARTES CONSTITUINTES DE UMA INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUA FRIA (CONTINUAÇÃO) 1.20. Quebrador de vácuo Dispositivo destinado a evitar o refluxo por sucção da água

Leia mais

Mapa dos Corredores Estruturais

Mapa dos Corredores Estruturais Mapa dos es Estruturais Industrial Umuarama Norte Oeste Dona Zulmira Central Leste Novo Mundo Planalto Sudoeste Jardins Sul Sudeste Santa Luzia Universitário Anéis Oeste Planalto Norte Dona Zulmira Sudoeste

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS Gabinete do Vereador Chapinha do Sindicato

Estado do Rio de Janeiro CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS Gabinete do Vereador Chapinha do Sindicato PROJETO DE LEI Nº 011/2014 Cria o sistema de reuso de água de chuva no Município de Angra dos reis, para utilização não potável em escolas publicas e privadas, condomínios, clubes, entidades, conjuntos

Leia mais

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.2 Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 2 1.1. Ações já realizadas... 2 2. Justificativa... 5 3. Objetivos... 5 4. Área

Leia mais

I-158 AUTOMATIZAÇÃO DA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA I DE BRUMADO COM UTILIZAÇÃO DE BOMBA DOSADORA E PH- METRO ON-LINE.

I-158 AUTOMATIZAÇÃO DA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA I DE BRUMADO COM UTILIZAÇÃO DE BOMBA DOSADORA E PH- METRO ON-LINE. I-158 AUTOMATIZAÇÃO DA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA I DE BRUMADO COM UTILIZAÇÃO DE BOMBA DOSADORA E PH- METRO ON-LINE. Luiz Boaventura da Cruz e Silva (1) Químico bacharel graduado pela Universidade

Leia mais

ANAC divulga minuta de edital de concessão de Galeão e Confins

ANAC divulga minuta de edital de concessão de Galeão e Confins ANAC divulga minuta de edital de concessão de Galeão e Confins A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) aprovou, nesta quarta-feira (29/05), a minuta do Edital de Leilão e do Contrato

Leia mais

AVALIAÇÃO DO TRATAMENTO DE ÁGUA GELADA EM AMBIENTE INDUSTRIAL. para contato:

AVALIAÇÃO DO TRATAMENTO DE ÁGUA GELADA EM AMBIENTE INDUSTRIAL.  para contato: AVALIAÇÃO DO TRATAMENTO DE ÁGUA GELADA EM AMBIENTE INDUSTRIAL A. C. C. dos SANTOS 1, 2, E. A. COSTA 2, F. A. de BRITTO 2, S. A. B. V. de MELO 3 e R. A. KALID 3 1 Instituto Federal da Bahia, Departamento

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 95116-1 UNIDADE: PRÉDIO SEDE PERÍODO:

Leia mais

CONCESSÃO DA ESTAÇÃO DE TRANSBORDO CLERISTON ANDRADE (ESTAÇÃO DA LAPA) SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE - SEMOB 1

CONCESSÃO DA ESTAÇÃO DE TRANSBORDO CLERISTON ANDRADE (ESTAÇÃO DA LAPA) SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE - SEMOB 1 CONCESSÃO DA ESTAÇÃO DE TRANSBORDO CLERISTON ANDRADE (ESTAÇÃO DA LAPA) SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE - SEMOB 1 ESTAÇÃO DA LAPA Inaugurada em 7 de novembro de 1982; Maior terminal rodoviário de Salvador;

Leia mais

Plano de Segurança do paciente

Plano de Segurança do paciente Plano de Segurança do paciente Enfª. M e Jovana Toniato . Plano de Segurança do Paciente Documento que aponta situações de risco e descreve as estratégias e ações definidas pelos serviços de saúde visando

Leia mais