Políticas de Segurança

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Políticas de Segurança"

Transcrição

1 Disciplina de Segurança e Auditoria de Sistemas Políticas de Segurança Professor: Jiyan Yari

2 Segurança da Informação Para (UCHÔA, 2005) a segurança da Informação é alicerçada principalmente em três elementos em um ambiente computacional: - Confiança (ou Disponibilidade); - Integridade; - Confidencialidade. 2

3 Segurança da Informação Confiança (ou Disponibilidade): - pode-se confiar na disponibilidade dos serviços? - os dados armazenados estarão disponíveis quando forem necessários? - os procedimentos de backups garantem que as informações armazenadas possam ser restaurados em caso de problemas? 3

4 Segurança da Informação Integridade: - os dados recuperados são confiáveis (danos)? - como garantir que as informações não foram alteradas na origem ou na sua transmissão? - como garantir que o dados acessados são iguais aos que foram armazenados (alteração)? 4

5 Segurança da Informação Confidencialidade: - como certificar que os dados só podem ser acessados por quem de direito? - como garantir a privacidade dos usuários e dos dados? - como impedir a interceptação e espionagem de informações? 5

6 Segurança da Informação Outros itens: Autenticação: - capacidade de garantir que um usuário é quem alega ser. Exemplo: Login no sistema 6

7 Segurança da Informação Outros itens: Não-repúdio: - trata-se da capacidade do sistema de provar que um usuário executou uma determinada ação. Exemplo: Assinatura digital e ou certificação digital 7

8 Segurança da Informação Outros itens: Legalidade: - garantir que o ambiente esteja em concordância com a legislação. Exemplo: Pirataria de software 8

9 Segurança da Informação Outros itens: Privacidade: - capacidade do sistema de manter o anonimato de um usuário, impossibilitando o relacionamento entre o usuário e suas ações e ou garantir que o usuário não tenha suas ações e ou dados monitorados sem prévia autorização e ou sem prévio conhecimento ou dele ou da empresa. Exemplo: Sistema de voto de urna eletrônica? 9

10 Segurança da Informação Outros itens: Auditoria: - capacidade do sistema de auditar tudo que for realizado pelos usuários, com o objetivo de detectar fraudes ou tentativas de ataque. Exemplo: Sistema de logs. 10

11 Ameças à Segurança Neste contexto as ameaças à segurança da informação são relacionadas diretamente à perda de qualquer uma de suas 3 características principais, que são: - Perda de confiabilidade: Exemplo: queda de um servidor ou de uma aplicação crítica de negócio - Perda de disponibilidade: Exemplo: um compartilhamento aberto - Perda de confidencialidade: Exemplo: vazamento de senha de um usuário ou administrador de sistema 11

12 Políticas de Segurança Uma Política de Segurança incorpora os resultados de uma análise de risco em um plano que providencia procedimentos para gerenciar um ambiente com putacional. Em particular, ela fornece ao administrador do sistema linhas operacionais para o ambiente, tais como regras para o gerenciamento de contas de usuários, procedimentos de instalação de sistemas. (MANN; MITCHELL, 2000) 12

13 Políticas de Segurança Uma política de segurança é um conjunto de leis, regras e práticas que regulam como uma organização gerencia, protege e distribui suas informações e recursos. Um dado sistema é considerado seguro em relação a uma política de segurança, caso garanta o cumprimento das leis, regras e práticas definidas nessa política. (SOARES; LEMOS; COLCHER, 1995) 13

14 Políticas de Segurança Uma política de segurança é um conjunto de leis, regras e práticas que regulam como uma organização gerencia, protege e distribui suas informações e recursos. Um dado sistema é considerado seguro em relação a uma política de segurança, caso garanta o cumprimento das leis, regras e práticas definidas nessa política. (SOARES; LEMOS; COLCHER, 1995) 14

15 Políticas de Segurança No contexto apresentado, portanto, é a política de segurança que deixa evidente as informações que devem ter o seu acesso restrito e as que podem ser liberadas (confidencialidade). 15

16 Políticas de Segurança Também é quem define quais os itens que necessitam ser preservados (integridade), bem como as pessoas que terão acesso a recursos específicos. 16

17 Políticas de Segurança Também é quem define quais os itens que necessitam ser preservados (integridade), bem como as pessoas que terão acesso a recursos específicos. 17

18 Políticas de Segurança As políticas de segurança devem ter implementação realista e definir claramente as áreas de responsabilidade dos utilizadores, do pessoal de gestão de sistemas e redes e da direção. Deve também adaptar-se a alterações na organização. As políticas de segurança fornecem um enquadramento para a implementação de mecanismos de segurança, definem procedimentos de segurança adequados, processos de auditoria à segurança e estabelecem uma base para procedimentos legais na sequência de ataques. 18

19 Políticas de Segurança De acordo com o RFC 2196 (http://tools.ietf.org/html/rfc2196) - The Site Security Handbook, uma política de segurança consiste em um conjunto formal de regras que devem ser seguidas pelos utilizadores dos recursos de uma organização. 19

20 Políticas de Uso Política de Uso trata-se de documento jurídico responsável por definir os direitos, deveres e obrigações dos usuários em um ambiente computacional, doutrinando assim, por parte do usuário, o controle de acessos. 20

21 Políticas de Uso Política de Uso trata-se de documento jurídico responsável por definir os direitos, deveres e obrigações dos usuários em um ambiente computacional, doutrinando assim, por parte do usuário, o controle de acessos. 21

22 Políticas de Uso Política de Uso deve ser um documento elaborado junto ao setor jurídico da empresa, para garantir os direitos, deveres e obrigações dos usuários, devendo ser assinado por todos na empresa, inclusive os de alto escalão, quer estejam envolvidos com o ambiente computacional ou não. 22

23 Políticas de Uso Para a montagem desta política, deve-se levar em conta: - riscos associados à falta de segurança; - benefícios; - custos de implementação dos mecanismos. 23

24 Mecanismos de Segurança O suporte para as recomendações de segurança pode ser encontrado em: - Controles físicos: barreiras que limitam o contato ou acesso direto a informação ou a infraestrutura (que garante a existência da informação) que a suporta. Alguns mecanismos de segurança que apoiam os controles físicos: Portas, trancas, paredes, blindagem, guardas e etc. 24

25 Mecanismos de Segurança - Controles lógicos: barreiras que impedem ou limitam o acesso à informação, que de outro modo ficaria exposta a alteração não autorizada por elemento mal intencionado. 25

26 Mecanismos de Segurança Mecanismos de segurança que apoiam os controles lógicos: - criptografia; - assinatura digital; - garantia de integridade (hash); - controle de acesso (autenticação); - certificação (validade); - honeypot; - protocolos seguros; - IDS; - IPS. 26

27 Crimes Virtuais Para entender o quê são crimes virtuais é imprescindível distinguir os conceitos de: - crime por computador; - crime de computador. 27

28 Crimes de computador São os crimes tradicionais cometidos por meios computacionais, ou seja, utilizando como ferramenta o computador. São crimes que encontram-se tipificados na Lei. Exemplos: Enviar com ameaça de agressão, pena de 1 a 6 meses de detenção ou multa (Art. 147). SPAM, detenção de 3 meses a 1 ano ou multa (Art. 146). São tipificados crimes como: invasão de privacidade, envio de vírus de computador, pedofilia ou montagem de sites com receitas de bombas ou similares, entre outros. 28

29 Crimes de computador Crimes que só existem no ambiente computacional, não existindo equivalente no ambiente não tecnológico ou não tipificados na Lei. Exemplo: Dafacement DDoS 29

30 Projeto de Lei de Crimes Cibernéticos Teve como relator o Senador Eduardo Azeredo, transformado em um projeto de lei em 2005, porém que se iniciou há dez anos, em A discussão polêmica da definição dos crimes de informática como: - difusão de vírus; - acesso não autorizado; - phishing; - ataques a redes de computadores; - acessar conteúdo protegido por direitos autorais, como vídeos, músicas e seriados; - clonagem de cartões e celulares; - difusão de vírus; 30 - roubo de senhas, entre outros.

31 Convenção de Budapeste Existe um esforço mundial atualmente que pretende unir os países do mundo em prol da solução de crimes digitais, conhecido como Convenção de Budapeste. Foi celebrada e firmada em 23 de novembro de 2001 na cidade de Budapeste, Hungria, chefiada pela Convenção do Conselho Europeu sobre o Cybercrime, sem a participação do Brasil. Entrou em vigor no dia 1 de julho de 2004, depois que cinco países o ratificaram, sendo três, integrantes do Conselho Europeu, composto por 46 membros Os Estados Unidos são o único país de fora do Conselho 31 Europeu que o ratificou, em 29 de setembro de 2006.

32 Lei Carolina Dieckman Lei Brasileira /2012, sancionada em 3 de dezembro de 2012, tipificando os chamados delitos ou crimes informáticos. Críticas: dispositivos são amplos, confusos e podem gerar dupla interpretação, ou mesmo interpretação subjetiva. Essas interpretações podem ser utilizados para enquadramento criminal de condutas triviais ou mesmo para a defesa e respaldo de infratores cibernéticos, o que tornaria a lei injusta e ineficaz. 32

33 Lei Carolina Dieckman Os delitos previstos na Lei Carolina Dieckmann são: 1) Art. 154-A - Invasão de dispositivo informático alheio, conectado ou não à rede de computadores, mediante violação indevida de mecanismo de segurança e com o fim de obter, adulterar ou destruir dados ou informações sem autorização expressa ou tácita do titular do dispositivo ou instalar vulnerabilidades para obter vantagem ilícita. Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa. 33

34 Lei Carolina Dieckman 2) Art Interrupção ou perturbação de serviço telegráfico, telefônico, informático, telemático ou de informação de utilidade pública - Pena - detenção, de um a três anos, e multa. 3) Art Falsificação de documento particular/cartão - Pena - reclusão, de um a cinco anos, e multa. A "Lei Carolina Dieckmann" entrou em vigor no dia 02 de abril de

35 Lei Carolina Dieckman Lei na íntegra: 35

Direito digital e código penal. Prof. Nataniel Vieira

Direito digital e código penal. Prof. Nataniel Vieira Direito digital e código penal Prof. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Sumário Direito digital Código penal brasileiro Lei 12737 Legislação relacionada a pirataria 2 Direito digital Consiste na

Leia mais

Crimes Digitais.

Crimes Digitais. Crimes Digitais www.markusnorat.com.br Conceito de Crime Existem diversos conceitos para o termo crime. Quanto ao conceito formal-material, temos que crime é aquilo que está estabelecido em lei, consistente

Leia mais

Aspectos importantes como a autenticação e autorização. Tipos de ameaças: Atividade não autorizada; Downloads não autorizados; Redes: local de transmi

Aspectos importantes como a autenticação e autorização. Tipos de ameaças: Atividade não autorizada; Downloads não autorizados; Redes: local de transmi MODELO DE REFERÊNCIA DE SEGURANÇA Criado para definir uma arquitetura de rede confiável e que implemente uma política de segurança, que consiste em uma série de regras, procedimentos, autorizações e negações

Leia mais

Noções de Direito e Legislação em Informática

Noções de Direito e Legislação em Informática Noções de Direito e Legislação em Informática Professor responsável: Marcelo Almeida Gonzaga Legislação aplicável a crimes cibernéticos A informática através da grande rede da internet se tornou um evento

Leia mais

Cyber Security Novas Tecnologias com Novos Riscos Visões Preventiva e Legal

Cyber Security Novas Tecnologias com Novos Riscos Visões Preventiva e Legal Cyber Security Novas Tecnologias com Novos Riscos Visões Preventiva e Legal DELITOS CIBERNÉTICOS - Conceitos, diferenciações, definições legais, atuação da Polícia Federal DELITOS CIBERNÉTICOS Outras nomenclaturas

Leia mais

A consciência digital, independente da idade, é o caminho mais seguro para o bom uso da internet, sujeita às mesmas regras de ética, educação e

A consciência digital, independente da idade, é o caminho mais seguro para o bom uso da internet, sujeita às mesmas regras de ética, educação e A consciência digital, independente da idade, é o caminho mais seguro para o bom uso da internet, sujeita às mesmas regras de ética, educação e respeito ao próximo Se por um lado a tecnologia dá aos usuários

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO UNIDADE KOBRASOL

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO UNIDADE KOBRASOL UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO UNIDADE KOBRASOL Trabalho apresentado na disciplina de: Sociologia do Direito (Prof. Lúcio Eduardo Darelli)

Leia mais

VISÃO GERAL SOBRE A. LEI Nº /2012 ( Lei Carolina Dieckmann )

VISÃO GERAL SOBRE A. LEI Nº /2012 ( Lei Carolina Dieckmann ) VISÃO GERAL SOBRE A LEI Nº 12.737/2012 ( Lei Carolina Dieckmann ) 1. Histórico A Lei nº 12.737/12 é fruto do projeto de autoria do Deputado Federal Paulo Teixeira (PT-SP), que buscou regulamentar a tipificação

Leia mais

Uma Introdução à Análise de Vulnerabilidades e Pentest. Bernardo Bensusan Elise Cieza

Uma Introdução à Análise de Vulnerabilidades e Pentest. Bernardo Bensusan Elise Cieza Uma Introdução à Análise de Vulnerabilidades e Pentest Bernardo Bensusan Elise Cieza Bernardo Bensusan Elise Cieza o o o Consultor na EY. + 4 anos de experiência com SI. Certificações: o CEH o ISO 27002

Leia mais

1º SEMINÁRIO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO IFC 2016

1º SEMINÁRIO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO IFC 2016 1º SEMINÁRIO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO IFC 2016 CRIMES CIBERNÉTICOS INTERNET A Internet é um sistema global de redes de computadores interligadas que utilizam um conjunto próprio de protocolos (Internet

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE A CRIMINALIDADE CIBERNÉTICA. Muriel Mazzetto

O ESTADO DA ARTE DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE A CRIMINALIDADE CIBERNÉTICA. Muriel Mazzetto O ESTADO DA ARTE DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE A CRIMINALIDADE CIBERNÉTICA Muriel Mazzetto Introdução Com a facilidade de acesso à tecnologia atual, se tornou cada vez mais fácil causar dano contra patrimônio

Leia mais

Segurança - Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Segurança. Mundo Virtual X Mundo Real 18/08/11. Segurança em Redes de Computadores

Segurança - Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Segurança. Mundo Virtual X Mundo Real 18/08/11. Segurança em Redes de Computadores Segurança - Conceitos Básicos Segurança em Redes de Computadores Conceitos Básicos O que é? É a condição de estar protegido de perigo ou perda. tem que ser comparada e contrastada com outros conceitos

Leia mais

3/9/2011. Segurança da Informação. Segurança da Informação. O que é Segurança e seguro? Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas

3/9/2011. Segurança da Informação. Segurança da Informação. O que é Segurança e seguro? Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas Segurança da Informação Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas Segurança da Informação Milhões de empresas e profissionais estão usando a Internet para fazer transações bancárias, comercio

Leia mais

SSC120 - Sistemas de Informação Segurança em Sistemas de Informação

SSC120 - Sistemas de Informação Segurança em Sistemas de Informação SSC120 - Sistemas de Informação Segurança em Sistemas de Informação Simone S. Souza ICMC/USP Segurança em Sistemas de Informação Por que os SIs estão tão vulneráveis a destruição, erros e uso indevido?

Leia mais

Capítulo 1 Introdução A arte da guerra nos ensina a não confiar na probabilidade de o inimigo não chegar, mas na nossa própria capacidade para recebê-

Capítulo 1 Introdução A arte da guerra nos ensina a não confiar na probabilidade de o inimigo não chegar, mas na nossa própria capacidade para recebê- Criptografia e Segurança em Rede Capítulo 1 De William Stallings Apresentação por Lawrie Brown e Fábio Borges Capítulo 1 Introdução A arte da guerra nos ensina a não confiar na probabilidade de o inimigo

Leia mais

INSTITUTO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS VALE DO PARANAPANEMA LTDA CNPJ: / FACULDADES INTEGRADAS DE TAGUAÍ

INSTITUTO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS VALE DO PARANAPANEMA LTDA CNPJ: / FACULDADES INTEGRADAS DE TAGUAÍ VALE DO PARANAPANEMA LTDA CNPJ: 19.412.711/0001-30 REGULAMENTO E POLÍTICAS DE SEGURANÇA PARA USO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA TAGUAÍ SP 2015 REGULAMENTO E POLÍTICAS DE SEGURANÇA PARA USO DO LABORATÓRIO

Leia mais

Por que todo mundo fala sobre o Marco Civil da Internet e o que sua empresa tem a ver com isso?

Por que todo mundo fala sobre o Marco Civil da Internet e o que sua empresa tem a ver com isso? Por que todo mundo fala sobre o Marco Civil da Internet e o que sua empresa tem a ver com isso? Wolmer Godoi, CISSP Vice-Presidente da Aker Security Solutions O que fazer diante de um Incidente? Toda ação

Leia mais

Introdução em Segurança de Redes

Introdução em Segurança de Redes Introdução em Segurança de Redes Introdução Nas últimas décadas as organizações passaram por importantes mudanças Processamento das informações Antes: realizado por meios físicos e administrativos Depois:

Leia mais

Introdução a Segurança da Informação

Introdução a Segurança da Informação FUNDAÇÃO CENTRO DE ANÁLISE, PESQUISA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ENCOSIS 2015 MINICURSO Introdução a Segurança da Informação ALEX FELEOL, Esp. Information Security Specialist MCT MCITP MCSA MCTS MCP CLA FCP

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini   / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SIG Aula N : 10 Tema: Segurança em sistemas

Leia mais

Segurança da informação

Segurança da informação Segurança da informação FATEC Americana Tecnologia em Análise de Sistemas e Tecnologias da Informação Diagnóstico e solução de problemas de TI Prof. Humberto Celeste Innarelli Conteúdo Introdução Segurança

Leia mais

Política de Segurança de Informações

Política de Segurança de Informações Política de Segurança de Informações Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda. 1. Apresentação A Política de Segurança da Informação da Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda. ( Edge Investimentos ), aplica-se

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A CRIMES CIBERNÉTICOS.

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A CRIMES CIBERNÉTICOS. FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS Tecnologia em Segurança da Informação Aldo Filho Jordan Hugs Liniker Lettierre Rony Carneiro LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A CRIMES CIBERNÉTICOS. Marcelo Almeida Gonzaga GOIÂNIA,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO Sumário INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 3 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 3 SISTEMAS E BACKUPS... 5 SEGREGAÇÃO DE ATIVIDADES... 5 VIGÊNCIA E ATUALIZAÇÃO... 6 POLÍTICA DE SEGURANÇA

Leia mais

Fundamentos de Segurança da Internet. Cristine Hoepers, D.Sc. Klaus Steding-Jessen, D.Sc. 30/03/2016

Fundamentos de Segurança da Internet. Cristine Hoepers, D.Sc. Klaus Steding-Jessen, D.Sc. 30/03/2016 Fundamentos de Segurança da Internet Cristine Hoepers, D.Sc. Klaus Steding-Jessen, D.Sc. 30/03/2016 Objetivos Discutir os conceitos técnicos relacionados com segurança, privacidade e resiliência de sistemas

Leia mais

AULA 10 CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS CERTIFICADOS DIGITAIS ESTRUTURA DE UMA ICP 26/03/2016 PROF. FABIANO TAGUCHI

AULA 10 CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS CERTIFICADOS DIGITAIS ESTRUTURA DE UMA ICP 26/03/2016 PROF. FABIANO TAGUCHI 26/03/2016 PROF. FABIANO TAGUCHI http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 10 CERTIFICADOS DIGITAIS ESTRUTURA DE UMA ICP 1 CONCEITUAÇÃO 2 PRIMEIRA SITUAÇÃO Alice tem a

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas. Prof. Alessandra Bussador

Segurança e Auditoria de Sistemas. Prof. Alessandra Bussador Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Alessandra Bussador Objetivos Segurança da informação Garantir a continuidade do negócio; Minimizar as perdas do negócio pela prevenção e redução do impacto de incidentes

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação Eng. SERGIO VILLARREAL Conteúdo Introdução Conceitos Normas e SGSI Profissionais da SI Atividades Duração: 2 h 1 Introdução Informação Ativo mais importante das organizações Empresas

Leia mais

(...) SEÇÃO III DOS CRIMES CONTRA A INVIOLABILIDADE DO SISTEMA INFORMÁTICO

(...) SEÇÃO III DOS CRIMES CONTRA A INVIOLABILIDADE DO SISTEMA INFORMÁTICO SEÇÃO III DOS CRIMES CONTRA A INVIOLABILIDADE DO SISTEMA INFORMÁTICO Artigo 150-A - Para efeitos penais, considera-se: a) sistema informático : qualquer dispositivo ou o conjunto de dispositivo, interligados

Leia mais

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex.

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex. 1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Disposições Gerais Os sistemas de informação, a infraestrutura tecnológica, os arquivos de dados e as informações internas ou externas, são considerados importantes

Leia mais

Manual de Direito Digital

Manual de Direito Digital Manual de Direito Digital Direito Digital Universidade de Fortaleza Glaydson Lima, autor do livro Manual de Direito Digital Membro da Comissão de Direito da Tecnologia da Informação da OAB/CE Membro da

Leia mais

DIREITO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

DIREITO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO DIREITO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Prof. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com Bens jurídicos peculiares à informática Crimes digitais e suas modalidades Relações

Leia mais

Mecanismos de Segurança. Arnaldo Madeira Bruna Branco Vitor de Souza

Mecanismos de Segurança. Arnaldo Madeira Bruna Branco Vitor de Souza Mecanismos de Segurança Arnaldo Madeira Bruna Branco Vitor de Souza 1 Agenda Introdução Controle físico Mecanismos de cifração Assinatura digital Mecanismos de garantia da integridade da informação Mecanismos

Leia mais

Segurança de Sistemas

Segurança de Sistemas Segurança de Sistemas Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas de Informação Anhanguera Taboão da Serra Segurança dos dados. Como se proteger? Controle de acesso Senhas Criptografia Backup

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS II

TÓPICOS ESPECIAIS II TÓPICOS ESPECIAIS II SEG. DA INFORMAÇÃO COMPUTAÇÃO FORENSE RAFAEL HENRIQUES N. DINIZ MOTIVAÇÃO Defacement MOTIVAÇÃO Phishing MOTIVAÇÃO Golpe do boleto MOTIVAÇÃO Ameaças MOTIVAÇÃO MOTIVAÇÃO Risco MOTIVAÇÃO

Leia mais

Daniel Moreno. Novatec

Daniel Moreno. Novatec Daniel Moreno Novatec Novatec Editora Ltda. 2016. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo, sem prévia

Leia mais

Criptografia Simétrica e Assimétrica, Hash, e Assinatura Digital

Criptografia Simétrica e Assimétrica, Hash, e Assinatura Digital Criptografia Simétrica e Assimétrica, Hash, e Assinatura Digital Segurança da Informação Charles Tim Batista Garrocho Instituto Federal de São Paulo IFSP Campus Campos do Jordão garrocho.ifspcjo.edu.br/sega6

Leia mais

F10Backup. Mais segurança e tranquilidade para os dados da sua escola. VERSÃO 01/2015

F10Backup. Mais segurança e tranquilidade para os dados da sua escola.  VERSÃO 01/2015 F10Backup Mais segurança e tranquilidade para os dados da sua escola VERSÃO 01/2015 www.f10.com.br F10 Backup, imprescindível para qualquer banco de dados Tudo na vida está propenso a falhas. E pensando

Leia mais

GTER-34: II Semana da Infraestrutura da Internet no Brasil. Questões Jurídicas Atuais da Segurança da Informação

GTER-34: II Semana da Infraestrutura da Internet no Brasil. Questões Jurídicas Atuais da Segurança da Informação GTER-34: II Semana da Infraestrutura da Internet no Brasil Questões Jurídicas Atuais da Segurança da Informação Juliana Abrusio juliana@opiceblum.com.br CASOS PRÁTICOS -CORRETORA DE VALORES: desvio de

Leia mais

POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Este material foi elaborado pela DOMO INVEST Gestora de Ativos Financeiros e Valores Mobiliários Ltda. ( DOMO Invest ou Gestora ) e não pode ser

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GO

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GO AUDITORIA E QUALIDADE DE SOFTWARE AUTORES GABRIEL DA SILVA DE MORAES MATHEUS PEREIRA DE OLIVEIRA TÁRIK ARAUJO DE SOUSA ROMERO HENRIQUE SANTOS FURTADO GOIANIA 2016 Sumário

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade INFOCAP TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA A presente Política regula as condições gerais de coleta, uso, armazenamento, tratamento e proteção de dados nos sites, plataformas e aplicações

Leia mais

TERMOS DE USO SITE

TERMOS DE USO SITE TERMOS DE USO SITE WWW.BRITISHSCHOOL.G12.BR Os presentes Termos de Uso regulam as condições gerais de utilização dos sites, plataformas e aplicações de Internet da ASSOSSIAÇÃO BRITANICA DE EDUCAÇÃO (BRITISHSCHOOL),

Leia mais

SEGURANÇA DE SISTEMAS E REDES. TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES

SEGURANÇA DE SISTEMAS E REDES. TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES SEGURANÇA DE SISTEMAS E REDES TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES www.tassiogoncalves.com.br tassiogoncalvesg@gmail.com CONTEÚDO Revisão conceitos de segurança da informação Os desafios da segurança de computadores

Leia mais

PALESTRA. E E por falar em Segurança...

PALESTRA. E E por falar em Segurança... PALESTRA E E por falar em Segurança... O que vamos ver Conceitos e Termos Resultados da Mini Pesquisa Por que estamos falando em Segurança Programas Maliciosos Spam O que vamos ver também Engenharia Social

Leia mais

Boas prá)cas de segurança da informação em ambientes computacionais do Sistema CFN/CRN

Boas prá)cas de segurança da informação em ambientes computacionais do Sistema CFN/CRN Boas prá)cas de segurança da informação em ambientes computacionais do Sistema CFN/CRN Base a&va de computadores no Brasil O Centro de Tecnologia da Informação Aplicada (GVcia) da Fundação Getúlio Vargas

Leia mais

SUBSTITUTIVO (ao PLS 76/2000, PLS 137/2000 e PLC 89/2003)

SUBSTITUTIVO (ao PLS 76/2000, PLS 137/2000 e PLC 89/2003) 1 SUBSTITUTIVO (ao PLS 76/2000, PLS 137/2000 e PLC 89/2003) Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), o Decreto-Lei nº 1.001, de 21 de outubro de 1969 (Código Penal Militar),

Leia mais

Auditoria das Eleições 2017 Apresentação do Laudo Final de Auditoria 12 de janeiro de 2017.

Auditoria das Eleições 2017 Apresentação do Laudo Final de Auditoria 12 de janeiro de 2017. Auditoria das Eleições 2017 Apresentação do Laudo Final de Auditoria 12 de janeiro de 2017. LAUDO DE AUDITORIA Elaborado em 12 de janeiro de 2017, para o CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA CFO - Conselhos

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO ELEITORAL CONSELHO REGIONAL DE ODONTOLOGIA DE MINAS GERAIS - 2º TURNO Fevereiro de 2017.

AUDITORIA DO PROCESSO ELEITORAL CONSELHO REGIONAL DE ODONTOLOGIA DE MINAS GERAIS - 2º TURNO Fevereiro de 2017. CONSELHO REGIONAL DE ODONTOLOGIA DE Fevereiro de 2017. LAUDO DE AUDITORIA FINAL. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO. 3 2. DO LAUDO DE AUDITORIA FINAL. 4 3. APRESENTAÇÃO DA THE PERFECT LINK. 6 1 Introdução. A pedido

Leia mais

Webinário Informática INSS Prof. Paulo França

Webinário Informática INSS Prof. Paulo França Webinário Informática INSS 2016 Prof. Paulo França EDITAL INSS 1. Internet e Intranet 2. Conceitos básicos e modos de utilização de tecnologias, ferramentas, aplicativos e procedimentos de informática.

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas. Tarcio Carvalho

Segurança e Auditoria de Sistemas. Tarcio Carvalho Segurança e Auditoria de Sistemas Tarcio Carvalho Apresentação Conceitos de Auditoria; Auditoria de sistemas e área de sistemas de informação; Controles em SI gerenciais e de aplicações; Coleta de dados:

Leia mais

SEGURANÇA NA INTERNET

SEGURANÇA NA INTERNET Disponível em: http://segurancaprivadadobrasil.files.wordpress.com/2009/07/seguranca_net_-_cadeado.jpg SEGURANÇA NA INTERNET Maria Beatrís Zielinski Tracienski SEGURANÇA DOS COMPUTADORES: INTRODUÇÃO Um

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas -Segurança em Redes de Computadores

Auditoria e Segurança de Sistemas -Segurança em Redes de Computadores Auditoria e Segurança de Sistemas -Segurança em Redes de Computadores Adriano J. Holanda 26/8/2016 Referências Criptografia e Segurança de Computadores. William Stallings, Capítulo 1. Pearson, 6 a edição,

Leia mais

Guia de dupla autenticação

Guia de dupla autenticação Guia de dupla autenticação Indice Guia de Dupla Autenticação 1. Introdução à Dupla Autenticação: O que é? 4 Ataques às senhas 6 Força Bruta 6 Malware 6 Phishing 6 Ataques a servidores 6 2. Como configurar

Leia mais

CRIMES VIRTUAIS. Conceito Exemplos

CRIMES VIRTUAIS. Conceito Exemplos CRIMES VIRTUAIS Conceito Exemplos 2 CRIMES VIRTUAIS Segundo Ferreira (2005) sugere, resumindo: Atos dirigidos contra um sistema de informática, tendo como subespécies atos contra o computador e atos contra

Leia mais

Guia de Uso Primeiro Acesso

Guia de Uso Primeiro Acesso Sistema de Gerenciamento do Fornecimento de Selos de Controle das Águas Minerais e Águas Adicionadas de Sais Guia de Uso Primeiro Acesso http:/ce.selosagua.com.br/vce 1/8 I - TELA INICIAL O sistema terá

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: / FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: / FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: 03.117.139/0001-08 FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA TÍTULO I POLÍTICAS DE ACESSO E EXCLUSIVIDADE DE

Leia mais

Agenda. Criptografia e Segurança Certificado Digital Assinatura Digital

Agenda. Criptografia e Segurança Certificado Digital Assinatura Digital Agenda Criptografia e Segurança Certificado Digital Assinatura Digital CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA Criptografia e Segurança Necessidade de proteção da privacidade Problema de login-senha Autenticação multifatores

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Luiza Erundina, Manuela D Àvila, João Arruda, Brizola Neto, Emiliano José)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Luiza Erundina, Manuela D Àvila, João Arruda, Brizola Neto, Emiliano José) PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Luiza Erundina, Manuela D Àvila, João Arruda, Brizola Neto, Emiliano José) O Congresso Nacional decreta: Dispõe sobre a tipificação criminal de delitos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Habilitação Profissional: Habilitação Profissional

Leia mais

POLÍTICA. TÍTULO: PLT-SGR Política do SGSI - SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO

POLÍTICA. TÍTULO: PLT-SGR Política do SGSI - SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO 1/5 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO 0000536 - André Delgado- SEGURANCA Danielle Souza; Oscar Zuccarelli; HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA REV. ALTERAÇÕES Atualização do item 2.2 - Solicitar

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE OS CRIMES TECNOLÓGICOS por KITCHENER AGUIAR VIDAL Monografia apresentada ao Instituto A Vez do Mestre para conclusão do Curso

Leia mais

INCIDENTE COM PORTABILIDADE NOTEBOOK E MÍDIAS MÓVEIS

INCIDENTE COM PORTABILIDADE NOTEBOOK E MÍDIAS MÓVEIS Caso 1 INCIDENTE COM PORTABILIDADE NOTEBOOK E MÍDIAS MÓVEIS Perda de dados e vazamento de informação confidencial seja no uso ou no descarte. 31 Preparo do terreno: Temos uma Norma de Uso de Dispositivos

Leia mais

22/06/ :30 Leite Júnior QUESTÕES CESPE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

22/06/ :30 Leite Júnior QUESTÕES CESPE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO QUESTÕES CESPE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CONCURSO: TRE-MT CARGO: ANALISTA JUDICIÁRIO QUESTÃO 19 - Considerando conceitos de segurança da informação, assinale a opção correta. A) A segurança das informações

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Faculdade de Administração e Ciências Contábeis Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação Segurança da Informação

Leia mais

PROPOSTA TÉCNICA PARA IMPLEMENTAÇÃO E GESTÃO DA CENTRAL DE ÉTICA E COMPLIANCE

PROPOSTA TÉCNICA PARA IMPLEMENTAÇÃO E GESTÃO DA CENTRAL DE ÉTICA E COMPLIANCE PROPOSTA TÉCNICA PARA IMPLEMENTAÇÃO E GESTÃO DA CENTRAL DE ÉTICA E COMPLIANCE NA PROPOSTA Dr. Christian de Lamboy Diretor Rua Itapeva, 574, Cj. 51A 01332-000 São Paulo SP Brasil Tel. +55 11 3522 9599 christian@instituto-arc.com

Leia mais

Laudo resumido do Pentest do sistema ALVO no ambiente da empresa CLIENTE ALVO

Laudo resumido do Pentest do sistema ALVO no ambiente da empresa CLIENTE ALVO Laudo resumido do Pentest do sistema ALVO no ambiente da empresa CLIENTE ALVO Requerente: DIRETOR DA EMPRESA ALVO. Pentester: Petter Anderson Lopes. Período: de 10/2015 a 06/2016. Modelo: Gray Hat. Ambiente:

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação A Dataprev Data centers DF SP RJ Área 257 384 988 Capacidade elétrica (kva) 600 900 1200 Capacidade de processamento RISC 48 Tflop/s X86 116 Tflop/s Mainframe 153.000 RPM Capacidade

Leia mais

Termos de uso do Guia Balada Vip Net

Termos de uso do Guia Balada Vip Net Termos de uso do Guia Balada Vip Net 1. PARTES 1.1 Estes Termos de Uso aplicam-se entre, de um lado, Jardel Charles Rauber, doravante designada Balada Vip Net, e, de outro lado, a todo e qualquer usuário,

Leia mais

Conheça a tecnologia DNABolt de Autenticação de Múltiplos-Fatores.

Conheça a tecnologia DNABolt de Autenticação de Múltiplos-Fatores. Conheça a tecnologia DNABolt de Autenticação de Múltiplos-Fatores www.dnabolt.com www.cerof.com.br SOBRE ROUBO DE IDENTIDADE VIRTUAL Roubo de identidade é qualquer tipo de fraude que resulte na perda de

Leia mais

INFORMÁTICA. Com o Professor: Rene Maas

INFORMÁTICA. Com o Professor: Rene Maas INFORMÁTICA Com o Professor: Rene Maas Arquivos anexados a mensagens de e-mail podem conter vírus, que só contaminarão a máquina se o arquivo anexado for executado. Portanto, antes de se anexar um arquivo

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Fev.17

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Fev.17 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Fev.17 1. OBJETIVO 3 2. CONFIDENCIALIDADE 3 3. INTEGRIDADE E DISPONIBILIDADE: 7 2 1. OBJETIVO A presente política define as diretrizes, procedimentos de trabalho e padrões

Leia mais

DOS USUÁRIOS. Art. 4º. Aos usuários compete:

DOS USUÁRIOS. Art. 4º. Aos usuários compete: REGIMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA DA AJURIS (APROVADO PELO CONSELHO EXECUTIVO EM 27.04.2009, ALTERADO PELO CONSELHO EXECUTIVO EM 11.08.2009) Regula a utilização dos equipamentos de informática,

Leia mais

ANTISPAM. Aqui estão algumas vantagens oferecidas pelo AntiSpam

ANTISPAM. Aqui estão algumas vantagens oferecidas pelo AntiSpam ANTISPAM O Barracuda AntiSpam é um appliance de segurança de e-mail que gerencia e filtra todo o tráfego de e- mails de entrada e saída para proteger as organizações contra ameaças e vazamentos de dados

Leia mais

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS. Unidade de Tecnologia da Informação e Comunicação - UTIC

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS. Unidade de Tecnologia da Informação e Comunicação - UTIC DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Unidade de Tecnologia da Informação e Comunicação - UTIC ÁREAS DE ATUAÇÃO Modernização e Manutenção da Infraestrutura de TI Desenvolvimento, Manutenção e Suporte a

Leia mais

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança Plano de Segurança da Informação Inicialmente, deve se possuir a percepção de que a segurança da informação deve respeitar os seguintes critérios: autenticidade, não repúdio, privacidade e auditoria. Também

Leia mais

SOLUÇÕES CORPORATIVAS PARA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SOLUÇÕES CORPORATIVAS PARA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SOLUÇÕES CORPORATIVAS PARA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 02 NÃO EXISTE CRISE PARA O CRIME CIBERNÉTICO Oportunidade para os criminosos: Brasileiros online ininterruptamente; Top 3 mundial em Online Banking; Epidemia

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação. Aula 11- BANCO DE DADOS, SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E FERRAMENTAS DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO NAS EMPRESAS

Administração de Sistemas de Informação. Aula 11- BANCO DE DADOS, SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E FERRAMENTAS DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO NAS EMPRESAS Aula 11- BANCO DE DADOS, SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E FERRAMENTAS DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO NAS EMPRESAS Bancos de Dados: Uma coleção de dados orientados por assuntos, integrada, variante no tempo, e não volátil,

Leia mais

Book com terminologias DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Book com terminologias DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Book com terminologias DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO PRINCÍPIOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 3 OBJETIVOS DA SI... 3 PRINCÍPIOS DE SI... 3 ALGUNS CONCEITOS DE SI... 3 AMEAÇA INTELIGENTE... 3 ANTI-SPAM...

Leia mais

Forense em RAM Identificando Malware

Forense em RAM Identificando Malware Forense em RAM Identificando Malware Prof. Marcos Monteiro Presidente Associação de Peritos em Computação Forense APECOF Condutas CondutasIndevidas IndevidasPraticadas Praticadas por porcomputador Computador

Leia mais

H11 GESTÃO DE RECURSOS LTDA.

H11 GESTÃO DE RECURSOS LTDA. H11 GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Empresa: Documento: H11 Gestão de Recursos Ltda. Versão anterior: 30/09/2015 Atualização: 18/02/2016 Data Emissão / Revisão n.º revisão: 18/02/2016 ver. 2 Página: 2 1. DIRETRIZES

Leia mais

Política de acesso à rede WiFi

Política de acesso à rede WiFi Política de acesso à rede WiFi Campus Tucuruí do IFPA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ. Documento elaborado com a colaboração entre a Coordenação de Tecnologia da Informação

Leia mais

AUDITORIA DOS PROCESSOS ELEITORAIS

AUDITORIA DOS PROCESSOS ELEITORAIS CONSELHOS REGIONAIS DE ODONTOLOGIA DE MINAS GERAIS E DE SÃO PAULO Fevereiro de 2017. LAUDO DE AUDITORIA FINAL. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO. 3 2. DO LAUDO DE AUDITORIA FINAL. 4 3. APRESENTAÇÃO DA THE PERFECT LINK.

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Sociotécnicos

Engenharia de Software Sistemas Sociotécnicos Engenharia de Software Sistemas Sociotécnicos Prof. Carlos Lucas uma vela não perde sua chama acendendo outra Apenas 5% dos professores fizeram, fazem e farão a diferença 1 Sistema Sistemas Sociotécnicos

Leia mais

Diretrizes para Uso das Contas de Correio Eletrônico ( )

Diretrizes para Uso das Contas de Correio Eletrônico ( ) Diretrizes para Uso das Contas de Correio Eletrônico (e-mail) 1. Introdução Neste documento estão definidas as diretrizes que devem ser observadas na utilização do endereço de correio eletrônico @fatec.sp.gov.br

Leia mais

VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA. Elaborado por: Misak Pessoa Neto Data: 08/2015 Versão: 1.0

VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA. Elaborado por: Misak Pessoa Neto Data: 08/2015 Versão: 1.0 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA Elaborado por: Misak Pessoa Neto Data: 08/2015 Versão: 1.0 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. CONFIDENCIALIDADE:... 3 3. INTEGRIDADE E DISPONIBILIDADE:...

Leia mais

Política de Uso WIFI- INTEGRADO Sumário

Política de Uso WIFI- INTEGRADO Sumário Política de Uso WIFI- INTEGRADO Sumário 1 Introdução...2 2 Público alvo...3 3 Objetivo......3 4 Informações Técnicas...3 5 Política de uso...4 5.1 Regras gerais para usuários...5 5.2 Violação das regras...6

Leia mais

ADAM CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE SEGURANÇA DAS INFORMAÇÕES

ADAM CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE SEGURANÇA DAS INFORMAÇÕES ADAM CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE SEGURANÇA DAS INFORMAÇÕES Data de elaboração: 27.06.2016 Versão: 1.0 ÍNDICE POLÍTICA DE SEGURANÇA DAS INFORMAÇÕES... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Objetivos...

Leia mais

Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD

Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD MANUAL DO USUÁRIO CERTIFICADO DIGITAL E-CPF Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD Índice Apresentação O que é um Certificado Digital? Instalando

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Política nº 402 POLÍTICA DE USO DE TECNOLOGIA. Data da emissão inicial Data do versão atual Página. Página 1 de 6 12/98 01/04/15

POLÍTICA CORPORATIVA Política nº 402 POLÍTICA DE USO DE TECNOLOGIA. Data da emissão inicial Data do versão atual Página. Página 1 de 6 12/98 01/04/15 Data do versão atual 01/04/15 1 de 6 Esta política estabelece as normas que regem o uso e o acesso aos recursos de informação e tecnologia de comunicação da empresa e os registros relacionados, incluindo:

Leia mais

Segurança e Preservação de Dados

Segurança e Preservação de Dados Segurança e Preservação de Dados Computação Forense Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.6T Segurança e Preservação de Dados Conteúdo Programático :: 1a Unidade Conceitos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 1 - OBJETIVO Prover orientação e apoio para a segurança da informação de acordo com os requisitos do negócio e com as leis e regulamentações pertinentes para a melhor utilização dos recursos disponíveis

Leia mais

Introdução em Segurança de Redes (Parte 02)

Introdução em Segurança de Redes (Parte 02) Introdução em Segurança de Redes (Parte 02) Conteúdo Programático Introdução Ataques à segurança Mecanismo de segurança Serviço de segurança 2 As organizações precisam de algum meio sistemático para definir

Leia mais

Auditoria de Sistemas de Informação. Prof. Eugênio Guimarães de Souza Esp. em Governança de TI

Auditoria de Sistemas de Informação. Prof. Eugênio Guimarães de Souza Esp. em Governança de TI Auditoria de Sistemas de Prof. Eugênio Guimarães de Souza Esp. em Governança de TI Globalização => disseminação da informação; É mais fácil interceptar a informação; Empresários deixam de tomar decisões

Leia mais

Define-se Comércio Eletrônico como a utilização de tecnologias de informação avançadas para aumento de eficiência de relações entre parceiros

Define-se Comércio Eletrônico como a utilização de tecnologias de informação avançadas para aumento de eficiência de relações entre parceiros E-Commerce O Comércio Eletrônico surgiu para : Acompanhar a crescente globalização dos negócios; Responder ao caráter dinâmico e evolutivo da sociedade à escala mundial. Define-se Comércio Eletrônico como

Leia mais

Informática. Professor: Diego Oliveira. Conteúdo 02: Segurança da Informação

Informática. Professor: Diego Oliveira. Conteúdo 02: Segurança da Informação Informática Professor: Diego Oliveira Conteúdo 02: Segurança da Informação Conteúdo da Aula Tipos de Ataque Golpes na Internet Ataques na Internet Malwares Spam Outros Riscos Mecanismos de Segurança Segurança

Leia mais

Marco Civil da Internet e os Crimes Cibernéticos

Marco Civil da Internet e os Crimes Cibernéticos Marco Civil da Internet e os Crimes Cibernéticos Ricardo Kléber Martins Galvão www.ricardokleber.com ricardokleber@ricardokleber.com @ricardokleber Papos & Idéias: Direitos em Debate 31/05/2014 Como são

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO ELEITORAL CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS DA 5ª REGIÃO - CRN5 Maio de 2017.

AUDITORIA DO PROCESSO ELEITORAL CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS DA 5ª REGIÃO - CRN5 Maio de 2017. AUDITORIA DO PROCESSO ELEITORAL CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS DA 5ª REGIÃO - CRN5 Maio de 2017.. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO. 3 2. DO. 4 1 Introdução. A pedido do CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS DA

Leia mais