síntese dos resultados obtidos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "síntese dos resultados obtidos"

Transcrição

1 síntese dos resultados obtidos a. consumos de energia A análise detalhada dos consumos energéticos incluiu uma visita técnica realizada no dia 10 de julho de 2013, a análise das faturas de eletricidade e gás natural, das características técnicas, e dos perfis de utilização de cada equipamento ou espaço. As fontes de energia utilizadas no imóvel são: eletricidade (com um peso de 77,6% correspondendo a 8 031kWh), gás natural (com um peso de 22,4% correspondendo a kwh). Verifica-se que os sistemas de climatização são os que mais contribuem para o consumo de energia (59 %) e para o encargo financeiro (66 %). Tendo em conta o perfil de utilização, as fontes de energia utilizadas e a respetiva tarifa contratada, o custo médio anual de energia é de 0,124 /kwh. O quadro seguinte representa a desagregação de consumos do imóvel durante o período de análise, de junho de 2012 a junho de 2013 inclusive. Quadro 1.a Desagregação de consumos de energia TIPO kwh /kwh 22% 3% 59% 16% Climatização e ventilação [59%] AQS [16%] Iluminação [3%] Equipamentos [22%] O s CLIMATIZAÇÃO (ELETRICIDADE) EQUIPAMENTOS (ELETRICIDADE, GÁS NATURAL) AQS (GÁS NATURAL) ILUMINAÇÃO (ELETRICIDADE) , , , ,139 TOTAL ,124 v Os valores apresentados não incluem IVA à taxa em vigor, custos do termo fixo em taxas de DGEG e contribuição audiovisual. e: ficient 5

2 síntese dos resultados obtidos b. resumo das principais medidas de eficiência energética Com base na análise realizada, identificou-se um potencial de poupança anual superior a 645 através da implementação das medidas de melhoria que se apresentam no quadro seguinte: Quadro 1.b Medidas de eficiência energética MEDIDAS INVESTIMENTO POUPANÇA ANUAL PRI REDUÇÃO EMISSÕES CO2 kwh /kwh anos (kg CO2 eq/ano) OTIMIZAÇÃO TARIFÁRIA E DE POTÊNCIA CONTRATADA n.a. n.a. 110 n.a. n.a. n.a. SUBSTITUIÇÃO DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO , ,1 OTIMIZAÇÃO DO PERFIL DE AQUECIMENTO DO QUARTO PRINCIPAL n.a. n.a. 100 n.a. n.a. n.a. INSTALAÇÃO DE UM SISTEMA SOLAR TÉRMICO , ,3 TOTAL , ,4 Os valores apresentados não incluem IVA à taxa em vigor, custos do termo fixo em taxas de DGEG e contribuição audiovisual. PRI Período de Retorno do Investimento n.a. não aplicável6 De forma a reduzir os consumos, foram identificadas as seguintes medidas de eficiência energética que lhe permitem uma redução de cerca de 645 anuais. - A medida de otimização tarifária e potência contratada, gera uma poupança anual estimada de 110 sem necessidade de investimento. - A medida de substituição dos sistemas de iluminação, requer um investimento estimado de cerca de 53, e gera uma poupança anual estimada de A medida de optimização de perfil de aquecimento do quarto principal, gera uma poupança anual estimada de 100 sem necessidade de investimento. - A medida de instalação de sistema solar térmico para aquecimento águas, requer um investimento estimado de 2790, e gera uma poupança anual estimada de 391. e: ficient 6

3 15:53 15:55 15:57 15:59 16:01 16:03 16:05 16:07 16:09 16:11 16:13 16:15 16:17 16:19 16:21 16:23 16:25 16:27 16:29 16:31 16:33 16:35 16:37 16:39 16:41 16:43 16:45 16:47 16:49 16:51 16:53 16:55 16:57 16:59 17:01 17:03 17:05 17:07 17:09 17:11 17:13 17:15 17:17 17:19 17:21 17:23 17:25 17:27 17:29 17:31 17:33 17:35 17:37 17:39 17:41 17:43 17:45 edp auditoria energética consumos de energia eletricidade monitorização de consumos Com o objetivo de compreender os consumos e perfis de funcionamento dos principais sistemas e equipamentos elétricos e identificar eventuais anomalias, foram realizadas monitorizações entre as 15h53 e as 17h45 do dia 01-jul-2013, ao Quadro geral, Combinado (Cozinha), Frigorífico (Garagem), Quadro parcial - Arca Congeladora e Bombas Hortas. Quadro geral Apresenta-se o(s) gráfico resultante da monitorização efetuada ao quadro geral, com os registos das intensidades instantâneas das 3 fases. Figura 4.2.a - Intensidades instantâneas registadas entre as 15h53 e as 17h45 do dia 01-jul ,00 14,00 12,00 10,00 A 8,00 6,00 4,00 2,00 0,00 Fase 1 Fase 2 Fase 3 Limite por fase contratado A potência contratada pelo cliente é de 10,35 kva com uma instalação trifásica, o que significa que por cada uma das 3 fases a intensidade máxima de corrente, é de 15 A. No período de monitorização apresentado registou-se na fase 2, um pico de intensidade instantânea máximo de 10,22 A afeto sobretudo ao teste efetuado à bomba de rega. e: ficient 15

4 15:53 15:55 15:57 15:59 16:01 16:03 16:05 16:07 16:09 16:11 16:13 16:15 16:17 16:19 16:21 16:23 16:25 16:27 16:29 16:31 16:33 16:35 16:37 16:39 16:41 16:43 16:45 16:47 16:49 16:51 16:53 16:55 16:57 16:59 17:01 17:03 17:05 17:07 17:09 17:11 17:13 17:15 17:17 17:19 17:21 17:23 17:25 17:27 17:29 17:31 17:33 17:35 17:37 17:39 17:41 17:43 17:45 edp auditoria energética consumos de energia eletricidade monitorização de consumos Combinado (Cozinha) 0,60 Figura 4.3.a Intensidades instantâneas 15h53 e as 17h45 do dia 01-jul ,50 0,40 A 0,30 0,20 0,10 0,00 Durante o período de monitorização ao Combinado (Cozinha) foi detetado um consumo excessivo. As monitorizações apresentadas permitiram identificar um perfil de funcionamento cíclico mas excessivo, registando uma intensidade máxima de 0,53 A, o que corresponde a uma potência de 120 W. A medida proposta para a eliminação do consumo excessivo identificada é apresentada no capítulo 4 - Medidas de Eficiência Energética. e: ficient 16

5 equipamentos Numa habitação o consumo energético associado aos equipamentos e eletrodomésticos pode representar mais de 50% do total da fatura de eletricidade. análise de consumos A análise de consumos dos principais eletrodomésticos foi realizada através das suas especificações técnicas, da recolha dos respetivos perfis de utilização e de medições reais efetuadas no decorrer da visita técnica. Figura 3.4.a consumos afetos aos equipamentos Consumo equipamentos (% do total) Consumo por equipamentos 11% kwh 56% 20% kwh 38% 58% 31% Frio [38%] Cozinha (eletricidade) [31%] Lavagem [20%] Audiovisuais e inform. [11%] Anualmente, os equipamentos são responsáveis por 55,5 % do consumo total de energia (5 005 kwh), o que corresponde a 58,2 % dos encargos de energia (683 ). Os equipamentos de frio são responsáveis por 37,7 % do consumo total dos equipamentos correspondendo a 248 /ano. Os equipamentos de cozinha (eletricidade) são responsáveis por 31,0 % do consumo total dos equipamentos correspondendo a 229 /ano. Sendo o restante consumo efetuado por equipamentos de lavagem e audiovisuais e informática. e: ficient 25

6 iluminação A análise dos consumos afetos aos sistemas de iluminação permitiu identificar as seguintes medidas de eficiência energética, que potenciam poupanças anuais de 192 : Quadro 4.4.a Medidas de eficiência energética SOLUÇÃO EXISTENTE ZONA NÚMERO LÂMPADAS SOLUÇÃO PROPOSTA INVESTIMENTO ( ) POUPANÇA ANUAL kwh PRI (ANOS) REDUÇÃO EMISSÕES CO 2 (kg CO 2 eq/ano) Incandescente - 40W E14 Escritório 1 Halogéneo (dicróicas) - 35W GU10 Fluoresc. tub. linear - 36W T8 Circulação 1 Cozinha 2 Reflectora - 100W E27 Quarto 1 Halogéneo - 42W E27 Exterior 4 MEDIDA 1 - Substituição de lâmpadas incandescentes standard por lâmpadas de halogéneo mais eficientes. MEDIDA 2 - Substituição de lâmpadas de halogéneo standard por lâmpadas LED mais eficientes. MEDIDA 3 - Substituição de lâmpadas fluorescentes tubulares lineares T8 com balastro ferromagnético por um sistema combinado lâmpada e arrancador energeticamente mais eficientes. MEDIDA 4 - Substituição de lâmpadas incandescentes reflectoras standard por lâmpadas de halogéneo reflectoras mais eficientes. MEDIDA 5 - Substituição de lâmpadas halogéneo por lâmpadas fluorescente compactas mais eficientes , , , , ,8 TOTAL <1 388,4 Os valores apresentados não incluem IVA à taxa em vigor, custos do termo fixo em taxas de DGEG e contribuição audiovisual. PRI Período de Retorno do Investimento e: ficient 43

7 iluminação Medida 1 - Substituição de lâmpadas incandescentes standard por lâmpadas de halogéneo mais eficientes. Substituição de lâmpadas incandescentes 40W E14 convencionais, e utilização ocasional, por lâmpadas de halogéneo, com 28 W de potência e uma vida útil de horas. Medida 2 - Substituição de lâmpadas de halogéneo standard por lâmpadas LED mais eficientes. Substituição de lâmpadas de halogéneo 35W GU10 convencionais, por lâmpadas LED mais eficientes, com 4 W de potência e uma vida útil de horas. Medida 3 - Substituição de lâmpadas fluorescentes tubulares lineares T8 com balastro ferromagnético por um sistema combinado lâmpada e arrancador energeticamente mais eficientes. Substituição de lâmpadas fluorescente tubulares lineares 36W T8 convencionais com balastro ferromagnético, por um sistema combinado de novo arrancador mais lâmpadas fluorescentes tubulares lineares T8 mais eficientes, com 23 W de potência e uma vida útil de horas. Medida 4 - Substituição de lâmpadas incandescentes reflectoras standard por lâmpadas de halogéneo reflectoras mais eficientes. Substituição de lâmpadas incandescentes 100W E27 reflectoras convencionais, por lâmpadas de halogéneo reflectoras, com 70 W de potência e uma vida útil de horas. Medida 5 - Substituição de lâmpadas halogéneo por lâmpadas fluorescente compactas mais eficientes. Substituição de lâmpadas halogéneo 42W E27 com utilização significativa, por lâmpadas fluorescentes compactas equipadas com balastro electrónico e classe de eficiência A, com 8 W de potência e uma vida útil de horas. e: ficient 44

8 optimização da potência contratada Tendo em conta os perfis de utilização fornecidos pelo utilizador e as potências dos equipamentos aferidas, foi estimada uma potência máxima de utilização de energia eléctrica de 9,61 kva. A potência contratada instalada no imóvel em análise é de 20,7 kva, pelo que se reduzir a sua potência para 10,35 kva poderá poupar 170 por ano. kva 25 Figura 4.3.a Distribuição de potência anual JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Potência máxima estimada Potência contratada Potência recomendada e: ficient 26

9 equipamentos A análise dos consumos afetos aos equipamentos permitiu identificar as seguintes medidas de eficiência energética, que potenciam poupanças anuais de : Quadro 4.7.a Medidas de eficiência energética SOLUÇÃO EXISTENTE SOLUÇÃO PROPOSTA INVESTIMENTO ( ) POUPANÇA ANUAL PRI (ANOS) kwh REDUÇÃO EMISSÕES CO 2 (kg CO 2 eq/ano) Arca Congeladora, > 400 litros Máquina de lavar roupa Frigorífico, < 150 litros Frigorífico, > 200 litros Frigorífico, > 200 litros Anomalia detetada na bomba furo/rega Bomba de re-circulação da piscina em funcionamento cerca de 8 horas diárias MEDIDA 1 - Substituição da Arca Congeladora por uma de classe A++ MEDIDA 2 - Substituição da Máquina de Lavar Roupa por uma de classe A+ MEDIDA 3 - Substituição do Frigorífico por um de classe A++ MEDIDA 4 - Substituição do Frigorífico por um de classe A++ MEDIDA 5 - Substituição do Frigorífico por um de classe A++ MEDIDA 6 - Correção da anomalia detetada na bomba furo/rega MEDIDA 7 - Otimização horária do funcionamento da bomba de re-circulação da piscina > , > 10 39, > 10 58, , > 10 20, < , < 1 883,8 Total ,0 Os valores apresentados não incluem IVA à taxa em vigor, custos do termo fixo em taxas de DGEG e contribuição audiovisual. PRI Período de Retorno do Investimento n.a. não aplicável e: ficient 30

10 equipamentos Medida 4 - Substituição do Frigorífico por um de classe A++ Substituição do frigorífico actual por outro de classe energética A++ considerando um volume equivalente ao actual e consumo anual de referência de 172 kwh/ano. A recomendação da substituição do Frigorífico actual justifica-se pela idade avançada do mesmo, resultando em consumos excessivos. A presente medida de melhoria aumenta a eficiência dos sistemas energéticos e apresenta evidentes benefícios de ordem ambiental, pela redução de consumo de energia e de emissão de gases de efeito de estufa. Medida 5 - Substituição do Frigorífico por um de classe A++ Substituição do frigorífico actual por outro de classe energética A++ considerando um volume equivalente ao actual e consumo anual de referência de 172 kwh/ano. Esta é uma recomendação que deverá ser tida em conta sempre que necessite de substituir o Frigorífico. Apesar de esta medida de melhoria ter um período de retorno elevado (>10 Anos) proporcionará um aumento da eficiência dos sistemas energéticos e apresenta evidentes benefícios de ordem ambiental, pela redução de consumo de energia e de emissão de gases de efeito de estufa. Medida 6 - Correção da anomalia detetada na bomba furo/rega Através da análise da monitorização efetuada à bomba do furo/rega foram detados sucessivos picos de consumo, que não são normais para este tipo de equipamento e que indiciam a existência de uma anomalia no equipamento. Recomenda-se a intervenção de um técnico especializado para resolução do problema. A poupança anual foi estimada tendo em conta o período de rega (maio - setembro). Para o estudo da auditoria a anomalia foi considerada desde maio até à presente data. Para o cálculo do investimento foi apenas considerado o custo de uma deslocação de um técnico especializado. Medida 7 - Otimização horária do funcionamento da bomba de re-circulação da piscina Redução do período de funcionamento da bomba de re-circulação da piscina das cerca de 8 horas diárias atuais, para 2 horas na estação de aquecimento (inverno) e 4 horas na estação de arrefecimento (verão). A estimativa de redução horária teve em conta o volume de água da piscina, as características da bomba e a localização geográfica. Esta medida garante as necessidades de re-circulação da água, no entanto de forma a evitar a proliferação intensa de algas e bactérias é necessário manter os parâmetros químicos adequados e efetuar as limpezas físicas (aspiração e limpeza de paredes/fundo). e: ficient 32

11 equipamentos recomendação 1 Recomenda-se que caso opte pela tarifa proposta (bi-horário - ciclo semanal), que regule o relógio programador da bomba de re-circulação da piscina para o período económico, entre as 24h e 07h. Estima-se que cumulativamente à poupança da medida de otimização horária do funcionamento da bomba de re-circulação da piscina, acresçam 55 /ano com esta recomendação. Figura 4.3.b - Piscina e: ficient 33

(Anexo 1) Folha de Apoio a Auditoria Baseline. Iluminação

(Anexo 1) Folha de Apoio a Auditoria Baseline. Iluminação Anexos 61 62 (Anexo 1) Folha de Apoio a Auditoria Baseline Iluminação Balastros Eletrónicos -1 Lâmpadas Fluorescentes Tubulares -1 Fatura fornecida: Balastros Ferromagnéticos -2 Lâmpadas Fluorescentes

Leia mais

AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE. CLÁUDIO CASIMIRO

AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE. CLÁUDIO CASIMIRO AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE CLÁUDIO CASIMIRO claudio.casimiro@ceeeta.pt A única coisa que sabemos sobre o futuro é que será diferente Peter Drucker Paradigma Actual - UE Nos

Leia mais

Weglobenergy. Sistemas Energéticos em Piscinas

Weglobenergy. Sistemas Energéticos em Piscinas Weglobenergy Sistemas Energéticos em Piscinas Weglobenergy Empresa de Engenharia Integradora de Serviços: Projectos Fiscalização Auditorias Certificações Energéticas e QAI Implementação de medidas de melhoria

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Medidas de Eficiência Energética e Planos de Racionalização do Consumo de Energia

Medidas de Eficiência Energética e Planos de Racionalização do Consumo de Energia Medidas de Eficiência Energética e Planos de Racionalização do Consumo de Energia Fernando Cunha Sistemas de Energia CTCV 25 de fevereiro de 2014 1 Unidade de Sistemas de Energia SGCIE Revisão do D.L.

Leia mais

Cogeração em Centros. A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015

Cogeração em Centros. A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015 Cogeração em Centros Hospitalares Projeto CHSJ A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015 Caracterização infraestrutura Hospital 1100 camas Área de

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL Válido até 09/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA TOMÁZ RIBEIRO, 510, 4.º FRENTE - SALA 43 Localidade MATOSINHOS Freguesia MATOSINHOS E LEÇA DA PALMEIRA Concelho MATOSINHOS GPS 41.181823, -8.687981

Leia mais

Instituto Superior Técnico (IST)

Instituto Superior Técnico (IST) Instituto Superior Técnico (IST) Proposta bonificada Março 2016 PROPOSTA DE VALOR EXCLUSIVA PARA COLABORADORES E ASSOCIADOS DO IST Até42%+10% nos termos fixos da eletricidade e gás natural DESCONTOS Certificação

Leia mais

Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação

Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Requisitos das medidas Intervenções que visem o aumento da eficiência energética

Leia mais

Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação

Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Requisitos das medidas Intervenções que visem o aumento da eficiência energética

Leia mais

Aproveite a energia do sol

Aproveite a energia do sol Aproveite a energia do sol A energia do sol chegou a sua casa. Agora, com as soluções de energia solar edp já pode produzir e consumir a sua própria eletricidade. Assim, reduz a sua fatura energética e

Leia mais

Aproveite a energia do sol

Aproveite a energia do sol Aproveite a energia do sol A energia do sol chegou a sua casa. Agora, com as soluções de energia solar edp já pode produzir e consumir a sua própria eletricidade. Assim, reduz a sua fatura energética e

Leia mais

Custos Padrão por Tecnologias aplicáveis: Sim, para a(s) tipologia(s) de intervenção previstas no Anexo II do Aviso: Envolvente opaca

Custos Padrão por Tecnologias aplicáveis: Sim, para a(s) tipologia(s) de intervenção previstas no Anexo II do Aviso: Envolvente opaca Anexo I (alterado a 14 de dezembro de 2017) Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Requisitos das medidas Despesas Elegíveis

Leia mais

A quem se destina. Principais Benefícios. Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro

A quem se destina. Principais Benefícios. Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro FORMAÇÃO FORMAÇÃO A quem se destina Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro Principais Benefícios Conhecimento do perfil energético da empresa; Verificação

Leia mais

O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência Energética.

O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência Energética. SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS Workshop Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas PAINEL II O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS SIMULAÇÃO DINÂMICA

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS SIMULAÇÃO DINÂMICA Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Rosário Fino

Leia mais

SECTOR DA INDÚSTRIA DO COURO E DOS PRODUTOS DO COURO

SECTOR DA INDÚSTRIA DO COURO E DOS PRODUTOS DO COURO #6 SECTOR DA INDÚSTRIA DO COURO E DOS PRODUTOS DO COURO INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que as empresas do sector da indústria

Leia mais

Ligue tudo lá em casa ao sol

Ligue tudo lá em casa ao sol Ligue tudo lá em casa ao sol A energia do sol chegou a sua casa. Agora, com as soluções de energia solar edp já pode produzir e consumir a sua própria eletricidade. Assim, reduz a sua fatura energética

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

\ CARACTERIZAÇÃO ENERGÉTICA DO SECTOR HOTELEIRO EM PORTUGAL (4 & 5 ESTRELAS)

\ CARACTERIZAÇÃO ENERGÉTICA DO SECTOR HOTELEIRO EM PORTUGAL (4 & 5 ESTRELAS) \ CARACTERIZAÇÃO ENERGÉTICA DO SECTOR HOTELEIRO EM PORTUGAL (4 & 5 ESTRELAS) Carlos M. de Sousa Nascimento Dezembro de 1998 \ Sector em análise Unidades hoteleiras da CAE 55 111: mais de 1 Quartos e do

Leia mais

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética;

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Energia e Ambiente Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Investigação de formas novas e renováveis de energia; Potenciar as

Leia mais

O papel dos comportamentos na utilização racional de energia. Coimbra, 19 Novembro 2013

O papel dos comportamentos na utilização racional de energia. Coimbra, 19 Novembro 2013 O papel dos comportamentos na utilização racional de energia Coimbra, 19 Novembro 2013 AREAC Quem somos? O que fazemos? A AREAC... Diretora Técnica e Gestora de Projetos Técnica de SIG Equipa técnica -

Leia mais

Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação

Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Anexo I Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Requisitos das medidas Despesas Elegíveis a) Intervenções que visem o aumento

Leia mais

Eficiência Energética No Hospital de Santa Maria. Carlos Duarte

Eficiência Energética No Hospital de Santa Maria. Carlos Duarte Eficiência Energética No Hospital de Santa Maria Carlos Duarte 8 Maio 2017 O Hospital de Santa Maria Inicialmente com o nome de Hospital Escolar de Lisboa, o Hospital de Santa Maria foi projetado em 1938

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR AGROPECUÁRIO E AGROINDÚSTRIAS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR AGROPECUÁRIO E AGROINDÚSTRIAS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR AGROPECUÁRIO E AGROINDÚSTRIAS Oportunidades de eficiência energética no setor agropecuário e agroindústrias Iluminação e Ar-Comprimido 30/Abril/2014 Carlos Patrão carlospatrao@isr.uc.pt

Leia mais

Rede de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente. Fábio Manuel Guiso da Cunha Universidade de Coimbra Mestrado em Direito Direito da Energia

Rede de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente. Fábio Manuel Guiso da Cunha Universidade de Coimbra Mestrado em Direito Direito da Energia Rede de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente Fábio Manuel Guiso da Cunha Universidade de Coimbra Mestrado em Direito Direito da Energia Definição Uma rede de aquecimento e arrefecimento urbano

Leia mais

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Bolsa de Integração à Investigação Bolseiro: Rui Rafael Braga Rodrigues Ribeiro Professor Coordenador: Prof. Doutor

Leia mais

COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS

COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS A B C D COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS E F G COMPARE O DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS SEUS PRODUTOS COMPARAR É POUPAR ENERGIA O SEEP, Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos, é um sistema

Leia mais

1. MÁQUINAS ELÉCTRICAS vs. DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO 1.1 CONSERVAÇÃO DA ENERGIA, PAPEL SOCIAL E A INTER- ACTIVIDADE COM A POLÍTICA AMBIENTAL

1. MÁQUINAS ELÉCTRICAS vs. DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO 1.1 CONSERVAÇÃO DA ENERGIA, PAPEL SOCIAL E A INTER- ACTIVIDADE COM A POLÍTICA AMBIENTAL 1. MÁQUINAS ELÉCTRICAS vs. DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO 1.1 CONSERVAÇÃO DA ENERGIA, PAPEL SOCIAL E A INTER- ACTIVIDADE COM A POLÍTICA AMBIENTAL 1.2 ENERGIAS ALTERNATIVAS E AS ELECTROTECNOLOGIAS NO CAMINHO

Leia mais

Projeto Curvas de Carga

Projeto Curvas de Carga PEA3496 Sistemas Energia e Meio Ambiente: Sistemas Energéticos e seus Efeitos Ambientais Projeto Curvas de Carga Integrantes do grupo: Rodrigo Rinaldi 8994647 Sillas dos Santos 8992176 Paulo Villar 8994605

Leia mais

Ligue tudo lá em casa ao sol

Ligue tudo lá em casa ao sol Ligue tudo lá em casa ao sol A energia do sol chegou a sua casa. Agora, com as soluções de energia solar edp já pode produzir e consumir a sua própria eletricidade. Assim, reduz a sua fatura energética

Leia mais

Enquadramento. Estratégia Europa 2020: Seminário Energia e Ambiente - Empresas

Enquadramento. Estratégia Europa 2020: Seminário Energia e Ambiente - Empresas Seminário Energia e Ambiente - Empresas Enquadramento Estratégia Europa 2020: Reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em pelo menos 20 % relativamente aos níveis 1990 Aumentar para 20 % a quota

Leia mais

Ligue tudo lá em casa ao sol

Ligue tudo lá em casa ao sol Ligue tudo lá em casa ao sol A energia do sol chegou a sua casa. Agora, com as soluções de energia solar edp já pode produzir e consumir a sua própria eletricidade. Assim, reduz a sua fatura energética

Leia mais

A certificação SGCIE é obrigatória para a generalidade das instalações industriais com consumos igual ou superior a 500 tep (1) /ano.

A certificação SGCIE é obrigatória para a generalidade das instalações industriais com consumos igual ou superior a 500 tep (1) /ano. A energia é um elemento indispensável para o funcionamento das empresas, sendo a sua boa utilização fundamental para garantir a competitividade destas. Assim, o Sistema de Gestão dos Consumos de Energia

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada R TOMAZ KIM, 17 E 17-A Localidade AMADORA

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada R TOMAZ KIM, 17 E 17-A Localidade AMADORA Válido até 15/03/2027 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada R TOMAZ KIM, 17 E 17-A Localidade AMADORA Freguesia ENCOSTA DO SOL Concelho AMADORA GPS 38.769646, -9.220410 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas

Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas Impactos internos da aplicação do SGCIE Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas Tipicamente o potencial de poupança energética nas

Leia mais

CONSUMO DE ENERGIA DO LNEC

CONSUMO DE ENERGIA DO LNEC DEPARTAMENTO DE EDIFÍCIOS Núcleo de Acústica, Iluminação, Componentes e Instalações Proc. 0809/11/17796 CONSUMO DE ENERGIA DO LNEC Período de 2008 a agosto de 2012 Tecnologia, sustentabilidade e desempenho

Leia mais

Grandes consumidores de energia

Grandes consumidores de energia Grandes consumidores de energia 1 Para o Metropolitano de Lisboa, no seu caminho rumo à sustentabilidade, a eficiência energética tem um duplo impacto significativo, na medida que a redução de consumo

Leia mais

Secretaria Geral do Ministério da Justiça

Secretaria Geral do Ministério da Justiça Secretaria Geral do Ministério da Justiça Estudo preliminar de identificação de oportunidades de eficiência energética no edifício da Secretaria Geral do Ministério da Justiça Fevereiro de 2016 Versão

Leia mais

Exemplos Práticos de Aplicação da Energia Fotovoltaica no meio Rural Curso Energias Renováveis 02 a 06 de outubro de 2017 Concórdia/SC

Exemplos Práticos de Aplicação da Energia Fotovoltaica no meio Rural Curso Energias Renováveis 02 a 06 de outubro de 2017 Concórdia/SC Exemplos Práticos de Aplicação da Energia Fotovoltaica no meio Rural Curso Energias Renováveis 02 a 06 de outubro de 2017 Concórdia/SC Matias Felipe E. Kraemer Eng. Agrônomo - Me. Desenvolvimento Rural

Leia mais

Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética

Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Decreto-Lei Nº 71/2008, de 15 de Abril Maio 2010 1 Índice Caracterização do SGCIE Registos de Operadores Registos de Técnicos

Leia mais

1 2 SGCIE Sistema de Gestão de Consumos de

1 2 SGCIE Sistema de Gestão de Consumos de A energia é um elemento indispensável para o funcionamento das empresas, sendo a sua boa utilização fundamental para garantir a competitividade destas. Para tal, foram lançados programas pelas entidades

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL Válido até 20/06/2027 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada R SOUSA LOPES, TORNEJANDO PARA R JULIETA FERRÃO, Nº: 83, LOJA N.º 19, NO 4.º PISO. Localidade LISBOA Freguesia AVENIDAS NOVAS Concelho LISBOA GPS 38.743913,

Leia mais

Substituição do antigo RSECE (Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios) (1)

Substituição do antigo RSECE (Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios) (1) A energia é indispensável para o funcionamento da generalidade das empresas, e em particular para os edifícios de comércio e serviços, responsáveis por mais de 40% do consumo de energia final na Europa.

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA JÚLIO DANTAS, LOTE 2, R/C Localidade CASCAIS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA JÚLIO DANTAS, LOTE 2, R/C Localidade CASCAIS Válido até 14/04/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA JÚLIO DANTAS, LOTE 2, R/C Localidade CASCAIS Freguesia CASCAIS E ESTORIL Concelho CASCAIS GPS 38.710358, -9.433600 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada R ARNEIROS, 39, R/C LJ.

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada R ARNEIROS, 39, R/C LJ. Válido até 09/05/2027 Atualizado a 17/05/2017 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada R ARNEIROS, 39, R/C LJ. Localidade LISBOA Freguesia BENFICA Concelho LISBOA GPS 38.753272, -9.200803 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Seminário Faro. Certificação energética e da qualidade do ar interior e medidas da construção sustentável. Faro, 17 de Novembro 2009

Seminário Faro. Certificação energética e da qualidade do ar interior e medidas da construção sustentável. Faro, 17 de Novembro 2009 Seminário Faro Certificação energética e da qualidade do ar interior e medidas da construção sustentável Faro, 17 de Novembro 2009 Sistema de Certificação Energética e de QAI Certificados Energéticos e

Leia mais

Comissão de Economia e Obras Públicas

Comissão de Economia e Obras Públicas Audição Parlamentar Comissão de Economia e Obras Públicas Vítor Santos 25 de julho de 2012 Agenda 1. Gás Natural : Tarifas de Venda a Clientes Finais para 2012-2013 2. Taxa de Ocupação do Subsolo 3. Tarifa

Leia mais

Sistema de Gestão de Energia da AdSA - NP EN ISO 50001:2012

Sistema de Gestão de Energia da AdSA - NP EN ISO 50001:2012 Sistema de Gestão de Energia da AdSA - Manuel Lacerda, David Barão e Cristina Gomes Lisboa,19 de janeiro de 2016 Índice: Sistema de Sustentabilidade Empresarial (SSE) Evolução da Certificação na AdSA Vantagens

Leia mais

Facilidade de instalação. Ligações localizadas apenas na unidade interior. Redução até 80% do tempo de instalação. Conforto térmico elevado

Facilidade de instalação. Ligações localizadas apenas na unidade interior. Redução até 80% do tempo de instalação. Conforto térmico elevado Facilidade de instalação Redução até 80% do tempo de instalação Maior satisfação do utilizador Impacto reduzido na arquitetura do edifício Ideal para novos edifícios e remodelações Ideal para montagem

Leia mais

Eficiência Energética e Sistemas de Produção de Energia

Eficiência Energética e Sistemas de Produção de Energia ENERGY FOR YOUR FUTURE Eficiência Energética e Sistemas de Produção de Energia Escola Secundária do Fundão Fevereiro 2015 Hélio Fazendeiro QUEM SOMOS A Starenergy é uma empresa especializada que presta

Leia mais

SGCIE enquanto ferramenta para a eficiência energética na indústria

SGCIE enquanto ferramenta para a eficiência energética na indústria SGCIE enquanto ferramenta para a eficiência energética na indústria março de 2015 Entidade Supervisora: Gestão Operacional: João Paulo Calau ADENE Belém, 5 de março de 2015 SGCIE O Sistema de Gestão dos

Leia mais

Experiências europeias no uso de energias renováveis e eficiência energética

Experiências europeias no uso de energias renováveis e eficiência energética 23 de novembro de 2016 Sede do Sistema FIRJAN RJ Experiências europeias no uso de energias renováveis e eficiência energética Rodrigo Nogueira - Edp Intercâmbio EDP Brasil EDP Comercial Seminário Técnologias

Leia mais

Resultados Preliminares do Inquérito ao Consumo de Energia no Sector Doméstico 2010

Resultados Preliminares do Inquérito ao Consumo de Energia no Sector Doméstico 2010 Consumo de Energia no Sector Doméstico 20 Julho de 2011 2010 (1) Resultados Preliminares do Inquérito ao Consumo de Energia no Sector Doméstico 2010 Em Portugal assistiu-se a uma alteração dos hábitos

Leia mais

CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO TÉCNICO-ECONÔMICA DA ENERGIA

CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO TÉCNICO-ECONÔMICA DA ENERGIA CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO TÉCNICO-ECONÔMICA DA ENERGIA Versão 2.0 Dirreitos Reservados PROCOBRE 2009 INTRODUÇÃO O custo da energia elétrica é um fator importante na economia de uma familia, comércio e indústria.

Leia mais

Eficiência Energética no Alto Alentejo: 2014_2020. Projetos ILUPub & EDIPub

Eficiência Energética no Alto Alentejo: 2014_2020. Projetos ILUPub & EDIPub Eficiência Energética no Alto Alentejo: 2014_2020 Projetos ILUPub & EDIPub Eficiência Energética no Alto Alentejo OBJETIVO: Reduzir o consumo e os custos energéticos dos Municípios do Alto Alentejo METODOLOGIA:

Leia mais

MeoEnergy As TIC ao serviço da redução da pegada de carbono

MeoEnergy As TIC ao serviço da redução da pegada de carbono MeoEnergy As TIC ao serviço da redução da pegada de carbono Sustentabilidade na oferta comercial This document is intellectual property of PT and its use or dissemination is forbidden without explicit

Leia mais

Plano de Promoção de Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Cristina Correia de Barros Setúbal, 13 Março 2012

Plano de Promoção de Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Cristina Correia de Barros Setúbal, 13 Março 2012 Plano de Promoção de Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Cristina Correia de Barros Setúbal, 13 Março 2012 Agenda O PPEC Objectivos e promotores elegíveis Exemplos de medidas elegíveis: tangíveis

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOREIRA, 302, 2º ESQ Localidade PORTO.

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOREIRA, 302, 2º ESQ Localidade PORTO. Válido até 09/05/2026 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO MOREIRA, 302, 2º ESQ Localidade PORTO Freguesia BONFIM Concelho PORTO GPS 41.153169, -8.599896 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória do Registo

Leia mais

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC)

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Caracterização do PPEC Objetivos e promotores elegíveis O que é o PPEC O PPEC é estabelecido pela ERSE no Regulamento Tarifário do

Leia mais

Consolidar o universo da energia

Consolidar o universo da energia Consolidar o universo da energia Consolidar o universo da energia O Novo Banco tem vindo a minimizar a pegada ambiental com enfoque na proteção do ambiente e prevenção das alterações climáticas. As principais

Leia mais

Exercício Etapa 3 PEA 2200 / PEA Coletor solar : Aquecimento de água

Exercício Etapa 3 PEA 2200 / PEA Coletor solar : Aquecimento de água 1- Objetivos Exercício Etapa 3 PEA 2200 / PEA 3100 Coletor solar : Aquecimento de água Esta terceira etapa do exercício tem os seguintes objetivos: Substituir a tecnologia utilizada no aquecimento de água

Leia mais

Produza e armazene a sua própria energia

Produza e armazene a sua própria energia Produza e armazene a sua própria energia Agora, com as soluções de energia solar com baterias edp pode produzir e consumir instantaneamente a sua energia e, se produzida em excesso, armazenar na baterias

Leia mais

PROGRAMA. 14h30_ Apresentação Rexel Energy Solutions. 14h45_ Balanço de potências nas Instalações com Autoconsumo Fotovoltaico

PROGRAMA. 14h30_ Apresentação Rexel Energy Solutions. 14h45_ Balanço de potências nas Instalações com Autoconsumo Fotovoltaico ROGRAMA 14h30_ Apresentação Rexel Energy Solutions 14h45_ Balanço de potências nas Instalações com Autoconsumo Fotovoltaico 15h20_ Acesso aos rogramas Operacionais Financiados _Apresentação da Status Valor

Leia mais

As prioridades nacionais para a Eficiência Energética. Cristina Cardoso, DGEG

As prioridades nacionais para a Eficiência Energética. Cristina Cardoso, DGEG As prioridades nacionais para a Eficiência Energética Cristina Cardoso, DGEG Lisboa, Ordem dos Engenheiros - Infoday da Eficiência Energética 4 de abril de 2017 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: O QUE É? Energy efficiency

Leia mais

leia esta apresentação e veja os consumos.

leia esta apresentação e veja os consumos. BOMBA DE PISCINA INTELLIFLO.. vai ter de ser sua!!! 1 leia esta apresentação e veja os consumos. Esta bomba é mesmo poupada Fizemos uma simulação para o seu caso especifico : Cliente : Morada : Tem bomba

Leia mais

Soluções de Eficiência PME. Iluminação Eficiente

Soluções de Eficiência PME. Iluminação Eficiente A iluminação apresenta uma elevada importância no consumo elétrico A iluminação é um elemento essencial na vida moderna, apresentando um peso relevante no consumo de energia elétrica a nível mundial. Também

Leia mais

Seminário: Eficiência energética no sector Agropecuário e Agroindústrias

Seminário: Eficiência energética no sector Agropecuário e Agroindústrias Seminário: Eficiência energética no sector Agropecuário e Agroindústrias EDP Comercial 30 de Abril de 2014 A EDP tem uma abordagem sectorial para os serviços de energia e eficiência energética, por forma

Leia mais

AMVDN Agência de Energia (Vale do Douro Norte)

AMVDN Agência de Energia (Vale do Douro Norte) (Vale do Douro-Norte) AMVDN DOURONORTE Agência de Energia INÍCIO: 1996 MUNICÍPIOS: - Alijó (297,4km2); - Sta. Marta de Penaguião (68,9km2); - Mesão Frio (26,6km2); - Peso da Régua(94km2); - Sabrosa (157km2);

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

WORKSHOP Título do trabalho CHAMADA PÚBLICA PROPEE - 001/2016. WORKSHOP Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL

WORKSHOP Título do trabalho CHAMADA PÚBLICA PROPEE - 001/2016. WORKSHOP Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL CEPEL WORKSHOP Título do trabalho CHAMADA PÚBLICA PROPEE - 001/2016 Autor/apresentador José Carlos de Souza Guedes Área Cepel - DTE Materiais e equipamentos Vida útil e perdas O anexo I da chamada Pública

Leia mais

1. SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

1. SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS 35088-(36) Diário da República, 2.ª série N.º 234 3 de dezembro de 2013 Despacho (extrato) n.º 15793-H/2013 Nos termos e para os efeitos do Decreto -Lei n.º 118/2013, de 20 de agosto e respetiva regulamentação,

Leia mais

A RNAE E AS AGÊNCIAS DE ENERGIA E AMBIENTE DA REGIÃO DE LISBOA

A RNAE E AS AGÊNCIAS DE ENERGIA E AMBIENTE DA REGIÃO DE LISBOA A RNAE E AS AGÊNCIAS DE ENERGIA E AMBIENTE DA REGIÃO DE LISBOA Sessão de Esclarecimentos sobre o Aviso-Concurso Eficiência Energética nas Infraestruturas Públicas da Administração Local Lisboa, 13 de Fevereiro

Leia mais

Reduzir a pegada carbónica à boleia da eficiência energética

Reduzir a pegada carbónica à boleia da eficiência energética Reduzir a pegada carbónica à boleia da eficiência energética 1 A estratégia 2M - menos resíduos, menos carbono, enquadra-se no compromisso da LIPOR com a sustentabilidade. Face ao objetivo de redução em

Leia mais

RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO

RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Edificações - Área Energia Em parceria com No âmbito do projecto RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Edifício Paços do Concelho de Évora Praça do Sertório, 7000-509 Évora 2012.218/016.13 27 de Dezembro

Leia mais

A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde

A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades Programa ECO.AP no Ministério da Saúde Realidade do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS), EPE Vasco Ribeiro Lisboa,

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A rotulagem de energia eléctrica tem como principal objectivo informar os cidadãos sobre as fontes energéticas primárias utilizadas na produção

Leia mais

GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB

GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB MsC. Eng a. Lilian Silva de Oliveira (UnB/PRC/CICE) Prof. Dr. Marco Aurélio Gonçalves de Oliveira (UnB/FT/ENE) HISTÓRICO DE ATIVIDADES RELACIONADAS

Leia mais

Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia

Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia 14 Março 2006 Auditório da Câmara Municipal de Mirandela Vítor Lopes EDV ENERGIA Agência de Energia do Entre o Douro e Vouga Região constituída por 5 municípios:

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO QUANTO CUSTA UM BANHO? Área Total = 170 mil m² Área Construída = 105 mil m² FREQUENCIA MÉDIA DE ASSOCIADOS (2015) Média Diária = 6.708 entradas Média Mensal = 201.251 entradas

Leia mais

Orientar sobre práticas de Economia de energia? Conta comigo!

Orientar sobre práticas de Economia de energia? Conta comigo! Orientar sobre práticas de Economia de energia? Conta comigo! Tudo o que você precisa saber sobre economia de energia! Quando se fala em energia elétrica em condomínios a missão é sempre a mesma: economizar.

Leia mais

Proteu a pensar no seu conforto

Proteu a pensar no seu conforto Fotovoltaico Catálogo 1/2015 Proteu a pensar no seu conforto Autoconsumo Com a aprovação do diploma do auto consumo, que é um novo modelo de produção descentralizada de energia a partir de energias renováveis,

Leia mais

Relatório Síntese Outubro 2016

Relatório Síntese Outubro 2016 Relatório Síntese Outubro 2016 Entidade Supervisora: Gestão Operacional: 1 Registo de Instalações 569 536 548 500 451 378 317 526 263 489 453 154 392 351 243 272 304 139 dez-08 dez-09 dez-10 dez-11 dez-12

Leia mais

Projeto de Instalação de Aquecimento Solar em Comunidades de Baixo Poder Aquisitivo 04/12/2006

Projeto de Instalação de Aquecimento Solar em Comunidades de Baixo Poder Aquisitivo 04/12/2006 Projeto de Instalação de Aquecimento Solar em Comunidades de Baixo Poder Aquisitivo 04/12/2006 Apresentação O projeto teve como objetivo, a redução do consumo de energia elétrica dos clientes de baixa

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ARCO DA SENHORA DA ENCARNAÇÃO, 7 A 7B, Localidade ELVAS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ARCO DA SENHORA DA ENCARNAÇÃO, 7 A 7B, Localidade ELVAS Válido até 24/03/2026 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ARCO DA SENHORA DA ENCARNAÇÃO, 7 A 7B, Localidade ELVAS Freguesia ASSUNÇÃO, AJUDA, SALVADOR E SANTO ILDEFONSO Concelho ELVAS GPS 38.524923, -7.094145

Leia mais

1 Segurança energética e redução da dependência das importações; 4 Eficiência no fornecimento, distribuição e consumo

1 Segurança energética e redução da dependência das importações; 4 Eficiência no fornecimento, distribuição e consumo 1- POLÍTICA ENERGÉTICA DE CABO VERDE A política energética de Cabo Verde tem por objetivo construir um setor energético seguro, eficiente, sustentável e sem dependência de combustível fóssil. E está assente

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÁGUAS QUENTES SANITÁRIAS (AQS) POR BOMBA DE CALOR viterm

SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÁGUAS QUENTES SANITÁRIAS (AQS) POR BOMBA DE CALOR viterm Bomba de Calor 1 SISTEMA DE AQUECIMENTO DE ÁGUAS QUENTES SANITÁRIAS (AQS) POR BOMBA DE CALOR Principio de Funcionamento: A bomba de calor assume, nos dias de hoje, a alternativa energética mais apetecível

Leia mais

"A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios

A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios "A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios Ordem dos Engenheiros Lisboa ADENE Pedro Mateus A nova regulamentação de eficiência energética em edifícios 1. Sistema de Certificação

Leia mais

Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015

Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015 Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015 Conteúdos Os elevadores em Portugal O Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) A etiquetagem energética de elevadores Aderir ao SEEP Próximos

Leia mais

ssssssfdsf Alexandre Cruz

ssssssfdsf Alexandre Cruz ssssssfdsf Alexandre Cruz SMA Solar Technology AG 2 O inversor é o "coração" de todo o sistema fotovoltaico 1 Corrente contínua (CC) Inversor solar Corrente alternada (CA) 3 2 Funções adicionais do inversor

Leia mais

Como se faz a faturação da energia? Qual a periodicidade da fatura? O CONHECIMENTO INDISPENSÁVEL PARA ESCLARECER O CONSUMIDOR FATURAÇÃO DE ENERGIA

Como se faz a faturação da energia? Qual a periodicidade da fatura? O CONHECIMENTO INDISPENSÁVEL PARA ESCLARECER O CONSUMIDOR FATURAÇÃO DE ENERGIA ligue à ficha Como se faz a faturação da energia? A partir dos consumos registados nos contadores. Se não houver leitura dos contadores, a faturação será baseada na estimativa dos consumos; Qual a periodicidade

Leia mais

Aspectos económicos e ambientais das grandes infraestruturas

Aspectos económicos e ambientais das grandes infraestruturas Aspectos económicos e ambientais das grandes infraestruturas de electro-produção João Joanaz de Melo FCT-UNL / GEOTA Ciclo Política Ambiental no Sistema Fiscal Português Seminário: o sector energético

Leia mais

INSTALAÇÃO LIVRE desde a página 7

INSTALAÇÃO LIVRE desde a página 7 colecção de encastre fornos e microondas placas chaminés e exaustores frigoríficos e combinados cave de vinho máquinas de lavar loiça máquinas lavar roupa fornos 73 INSTALAÇÃO LIVRE desde a página 7 ENCASTRE

Leia mais

DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL ARQ5658 Eficiência Energética e Sustentabilidade em Edificações Prof. Fernando Simon Westphal Departamento de Arquitetura

Leia mais

Turismo e Sustentabilidade Energética Dia Mundial do Turismo 2012

Turismo e Sustentabilidade Energética Dia Mundial do Turismo 2012 Turismo e Sustentabilidade Energética Dia Mundial do Turismo 2012 Caraterização das práticas das empresas de alojamento turístico de Montemor-o-Novo Anualmente, no dia 27 de setembro celebra-se o Dia Mundial

Leia mais

Sustentabilidade e Ambiente em Masterplan Communities Gilberto Jordan CEO Grupo André Jordan

Sustentabilidade e Ambiente em Masterplan Communities Gilberto Jordan CEO Grupo André Jordan Sustentabilidade e Ambiente em Masterplan Communities Gilberto Jordan CEO Grupo André Jordan Building Energy Symposium 24 e 25 de Novembro de 2015 Fundação Oriente, Lisboa Missão, Visão e Valores Missão

Leia mais

INTRODUÇÃO AO NOVO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO PBE EDIFICA

INTRODUÇÃO AO NOVO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO PBE EDIFICA INTRODUÇÃO AO NOVO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO PBE EDIFICA ENERGIA PRIMÁRIA CONCEITO Forma de energia disponível na natureza que não foi submetida a qualquer processo de conversão ou transformação. É a energia

Leia mais