MANUAL DA EMPRESA JÚNIOR DA UNIVERSIDADE SAGRADO CORAÇÃO LÍDERES JR.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DA EMPRESA JÚNIOR DA UNIVERSIDADE SAGRADO CORAÇÃO LÍDERES JR."

Transcrição

1 CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DA EMPRESA JÚNIOR DA UNIVERSIDADE SAGRADO CORAÇÃO LÍDERES JR. BAURU

2 APRESENTAÇÃO Neste manual encontram-se as informações gerais da Empresa Júnior, denominada Líderes Jr., o horário de funcionamento, o agendamento, além das normas de uso da empresa. Este manual é um referencial para docentes e discentes fazerem o bom uso da Empresa Júnior Líderes Jr. para os cursos de Relações Internacionais, Ciências Contábeis, Engenharia de Produção, Recursos Humanos e Administração da Empresa, garantindo o bom uso do estabelecimento. A Universidade Sagrado Coração disponibiliza neste estabelecimento a infraestrutura e o suporte necessário à execução das atividades relacionadas com as disciplinas aqui já mencionadas, além da possibilidade de desenvolvimento de pesquisas e práticas relacionadas aos exercícios práticos que possuem uma consultoria de empresa, que culminaria em uma prestação de serviço. A empresa tem como objetivo oferecer aos membros a infraestrutura e o suporte necessário à execução das atividades programadas nos âmbitos práticos de seus respectivos cursos em atendimento às respectivas diretrizes curriculares e projetos pedagógicos. A Empresa Júnior Líderes Jr. será utilizada exclusivamente para fins acadêmicos, sob a orientação dos professores, membros e colaboradores envolvidos nesta empresa júnior, como fins acadêmicos, as atividades de pesquisa, coleta de dados empresariais, informações e atividades inerentes aos cursos aqui acometidos. Presidência e Direção Líderes Jr. Centro de Ciências Exatas e Sociais Aplicadas 2

3 SUMÁRIO 1-CONCEITUAÇÃO OBJETIVO NORMAS DE USO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO AGENDAMENTO DEVERES OBRIGAÇOES E RESPONSABILIDADES DOS MEMBROS ASSOCIADOS AUSÊNCIAS E ABSTENÇOES ADVERTÊNCIAS E AFASTAMENTO LIVRO DE PONTO...9 3

4 1-CONCEITUAÇÃO A Empresa Júnior Líderes Jr. é um escritório localizado no Bloco K, com a capacidade de atendimento de oito a dez clientes. É um ambiente equipado com uma infraestrutura adequada para o atendimento ao cliente, que possibilita o conforto e praticidade das atividades envolvendo consultorias que aqui serão realizadas. Sua infraestrutura é composta de: 02 computadores; 03 mesas de escritório; 01 mesa de reunião; 11 cadeiras convencionais; 03 cadeiras giratórias; 01 mini sofá; 02 armários pequenos; 03 latas de lixo; 01 revisteiro; 01 suporte de madeira para lousa; 02 monitores; 02 estabilizadores; 02 CPUs; 02 telefones fixos; 01 garrafa térmica; 01 jarra de agua; 02 tapetes. 4

5 2-OBJETIVO A Empresa Júnior da Universidade Sagrado Coração Líderes Jr. tem como objetivo facilitar o contato do estudante com a prática do mercado de trabalho, por meio de consultorias que são supervisionadas e apoiadas por docentes capacitados e disponíveis a agregar todos os conhecimentos adquiridos às experiências realizadas. Por meio de soluções criativas e inovadoras, a empresa fornece um portfólio de serviços variados, que visa ao desenvolvimento social e ético da comunidade de Bauru e região. Atualmente conta com cinco tipos de serviços das mais diferentes áreas, sendo elas: Administração de Empresas, Relações Internacionais, Engenharia de Produção, Ciências Contábeis e Gestão em Recursos Humanos. 3-NORMAS DE USO Art. 1º A Empresa Júnior Líderes Jr. será utilizada exclusivamente para fins acadêmicos, sob a orientação de professores e coordenadores no desenvolvimento de atividades relacionadas ao ensino, pesquisa e prestação de serviços que envolvam a parte de consultoria empresarial. Art. 2º Para os demais cursos, a Empresa Júnior Líderes Jr. poderá ser utilizada desde que haja disponibilidade e autorização dos Voluntários, Professores e Coordenadores envolvidos. Art. 3º O gerenciamento da Empresa Júnior Líderes Jr. perante a utilização, instalações e equipamentos, é competência dos Voluntários, Professores e Coordenadores que são responsáveis pelo cumprimento de toda a regulamentação pertinente ao uso dos equipamentos. 5

6 Art. 4º Na Empresa Júnior Líderes Jr. só é permitida a presença dos estudantes que estão matriculados em disciplinas dos respectivos cursos: Administração de Empresas, Relações Internacionais, Engenharia de Produção, Ciências Contábeis e Gestão em Recursos Humanos. Dos demais cursos, seguir o Art.º 2 deste Manual. Art. 5º É vedado o consumo de bebidas alcoólicas e a utilização de tabagismo nas dependências da Empresa. Art. 6º Não é permitido o uso de vestimentas inadequadas como: shorts, bermudas, camisetas cavadas ou que tenham alguma interferência perante aos stakeholders. Art. 7º Não é permitido ligar ou desligar as máquinas da Empresa Júnior Líderes Jr. sem que haja autorização ou acompanhamento de algum Voluntário, Professor ou Coordenador responsável. 4-HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO Art. 08º O horário de funcionamento da Empresa Júnior Líderes Jr. está afixado no próprio estabelecimento, localizado no Bloco J, dentro da Universidade Sagrado Coração. Durante o período da manhã, o horário de funcionamento compreende entre 09h e 12h. Durante o período da tarde, o horário de funcionamento compreende entre 14h e 17h. 6

7 5-AGENDAMENTO Art. 09º O horário de atendimento ao público adotado pela Empresa Júnior Líderes Jr. deve ser respeitado por todos e utilizado para os serviços que serão prestados, inclusive a realização do orçamento. Portanto, caso um representante de certa empresa queira realizar uma visita neste estabelecimento para uma futura consultoria, o mesmo deve estar ciente do horário de funcionamento deste estabelecimento. Além disso, o interessado deve agendar a visita previamente com algum representante ou membro da Empresa Júnior Líderes Jr., através de alguns de nossos contatos, como telefone, redes sociais e endereços eletrônicos, para que haja um melhor planejamento, de forma que o cliente possa ser atendido da melhor maneira possível pela Empresa Júnior Líderes Jr. 6-DEVERES OBRIGAÇÕES E RESPONSABILIDADES DOS MEMBROS ASSOCIADOS Art. 10º Todo membro associado deve: a) Cumprir os compromissos expressamente assumidos no Termo de Adesão para o Trabalho Voluntário, com zelo, atenção e competência profissional; b) Sugerir medidas para maior eficiência do serviço; c) Observar a máxima disciplina no local de trabalho; d) Zelar pela boa conservação das instalações, equipamentos e máquinas, comunicando as anormalidades notadas; e) Manter na vida profissional conduta compatível com a dignidade do cargo ocupado e com a reputação do quadro de pessoal da Empresa Junior Lideres Jr; 7

8 f) Informar a área ou responsável pelos recursos humanos sobre qualquer modificação em seus dados pessoais e contato. g) Respeitar a honra, boa fama e integridade física de todas as pessoas com quem mantiverem contato Empresa Junior Líderes Jr. h) Comparecer aos eventos organizados pela Empresa Junior Líderes Jr. 7- AUSÊNCIAS E ABSTENÇÕES Art. 11 Serão seguidas as seguintes normas de controle: I. Do expediente: a) O membro associado deverá comparecer pelo menos por três períodos semanais, além de cumprir com as tarefas e deveres previamente estabelecidos nas reuniões. b) Os períodos devem ser definidos em reunião e organizados em organogramas. c) O membro associado deve ter um nível de assiduidade de, pelo menos, setenta e cinco por cento. d) Qualquer falta deve ser justificada previamente ao responsável, que por sua vez irá analisá-la. II. Das reuniões: a) Deve ser realizada ao menos uma reunião quinzenal, com data a definir pela diretoria. b) O membro associado deve ter um nível de assiduidade de pelo menos setenta e cinco por cento das reuniões. 8

9 c) Qualquer falta deve ser justificada previamente ao responsável, que por sua vez irá analisá-la. 8- ADVERTÊNCIAS E AFASTAMENTO Art. 12 Cabe à Diretoria definir uma maneira de controlar as faltas e presenças nos expedientes e nas reuniões. Art. 13 Deve ser feita advertência verbal por parte do Presidente ao membro que estiver próximo do limite máximo de faltas e abstenções previamente discutidas no artigo 11. Art. 14 O membro associado será afastado nos seguintes casos: a) Ultrapassar o limite de faltas e abstenções permitidas. b) Faltar às reuniões duas vezes consecutivas, sem justificativa. Parágrafo único. Para as faltas no expediente, deve ser levado em consideração, no momento do controle, se ela foi ou não justificada. 9- LIVRO DE PONTO Art. 15º O membro associado deve registrar a sua presença no livro de ponto, conforme os períodos previamente estabelecidos. 9

10 Art. 16 É proibido assinar o livro de ponto em nome de terceiros. Neste caso a Presidência do Conselho realizará o desligamento do membro imediatamente. Art. 17 É proibido assinar fora da ordem cronológica. Em caso de esquecimento deve-se avisar à Presidência do Conselho. 10

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL: LABORATÓRIO EXPERIMENTAL DE DESIGN

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL: LABORATÓRIO EXPERIMENTAL DE DESIGN CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL: LABORATÓRIO EXPERIMENTAL DE DESIGN BAURU APRESENTAÇÃO Neste manual encontram-se as informações gerais do Laboratório de Experimental de Design, o horário

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO DO LABORATÓRIO DE OPERAÇÕES UNITÁRIAS

MANUAL DE OPERAÇÃO DO LABORATÓRIO DE OPERAÇÕES UNITÁRIAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DE OPERAÇÃO DO LABORATÓRIO DE OPERAÇÕES UNITÁRIAS Autora: RAQUEL TEIXEIRA CAMPOS BAURU 2014 APRESENTAÇÃO Este manual é um referencial para docentes

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS /01

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS /01 NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS 2016.1/01 QUANTO A MISSÃO DO LADAMS Art.01º A missão do LADAMS é oferecer aos alunos infraestrutura de suporte à execução

Leia mais

Normas Institucionais 1 REGULAMENTO E POLÍTICA DE USO DO ATELIÊ DO OBJETO. Eng. Umberto Palma FACULDADES OSWALDO CRUZ FAITER

Normas Institucionais 1 REGULAMENTO E POLÍTICA DE USO DO ATELIÊ DO OBJETO. Eng. Umberto Palma FACULDADES OSWALDO CRUZ FAITER 1 REGULAMENTO E POLÍTICA DE USO DO ATELIÊ DO OBJETO Eng. Umberto Palma FACULDADES OSWALDO CRUZ FAITER Faculdades Integradas Interamericanas FACULDADE DE DESENHO INDUSTRIAL DESIGN São Paulo / 2014 2 REGULAMENTO

Leia mais

Art. 1º o Laboratório de Biodinâmica de ESEF-UPE tem os seguintes objetivos: I - Permitir o desenvolvimento de atividades de pesquisa;

Art. 1º o Laboratório de Biodinâmica de ESEF-UPE tem os seguintes objetivos: I - Permitir o desenvolvimento de atividades de pesquisa; RESOLUÇÃO DO CGAA-ESEF Nº 03/2011. EMENTA: Normatiza a utilização do Laboratório de Biodinâmica de ESEF-UPE. O Conselho de Gestão Acadêmica e Administrativa da Escola Superior de Educação Física da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE APTIDÃO FÍSICA E PERFORMANCE HUMANA LAFIPE CAPITULO I DO OBJETO

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE APTIDÃO FÍSICA E PERFORMANCE HUMANA LAFIPE CAPITULO I DO OBJETO REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE APTIDÃO FÍSICA E PERFORMANCE HUMANA LAFIPE CAPITULO I DO OBJETO Art. 1º- O Laboratório de Aptidão Física e Performance Humana LAFIPE do curso de Educação Física da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA - LAP CAPÍTULO I DO OBJETO

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA - LAP CAPÍTULO I DO OBJETO REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA - LAP CAPÍTULO I DO OBJETO Art. 1º Este regulamento disciplina o funcionamento do Laboratório de Avaliação Psicológica LAP, da Universidade do Vale do

Leia mais

Os corredores são amplos e medem em sua totalidade m², possuem bebedouros com água filtrada e gelada.

Os corredores são amplos e medem em sua totalidade m², possuem bebedouros com água filtrada e gelada. A Sociedade Educacional do Centro Oeste SOECO mantenedora da Faculdade de Chapadão do Sul FACHASUL segue o planejamento de construção e ampliação das instalações físicas necessárias para o oferecimento

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (cursos presenciais e à distância)

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (cursos presenciais e à distância) FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL DIREÇÃO ACADÊMICA REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (cursos presenciais e à distância) CACOAL 2015 CAPÍTULO I DO CONCEITO, FINALIDADE

Leia mais

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - BACHARELADOS DO UNILASALLE NORMAS DE FUNCIONAMENTO

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - BACHARELADOS DO UNILASALLE NORMAS DE FUNCIONAMENTO PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - BACHARELADOS DO UNILASALLE NORMAS DE FUNCIONAMENTO Disciplinas de Estágio Supervisionado Art. 1º De acordo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 06/2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 06/2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 06/2015 Ementa: estabelece sistemática para realização de Visitas Técnicas como atividade integrante dos componentes curriculares dos cursos oferecidos pelo IFPE O

Leia mais

Parágrafo único - As atividades desenvolvidas no Laboratório de Investigação

Parágrafo único - As atividades desenvolvidas no Laboratório de Investigação REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO DOS DESVIOS DA APRENDIZAGEM (LIDA) CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º - O Laboratório de Investigação dos Desvios da Aprendizagem (LIDA), da Faculdade

Leia mais

RESOLUÇÃO CEP 11/ de março de 2015

RESOLUÇÃO CEP 11/ de março de 2015 RESOLUÇÃO CEP 11/2015 25 de março de 2015 Aprova o Regulamento da Comissão Própria de Avaliação. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA DA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO, no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

REGULAMENTO DO FAB LAB RSGQ-15.01

REGULAMENTO DO FAB LAB RSGQ-15.01 REGULAMENTO DO FAB LAB RSGQ-15.01 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INFRAESTRUTURA... 3 3. RESPONSABILIDADE E COMPORTAMENTO... 4 3.1 DEVERES E RESPONSABILIDADES DO TÉCNICO DO FAB LAB E ESTAGIÁRIOS... 4 3.2

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente instrumento dispõe sobre as normas e procedimentos a serem observados

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO E S C O L A D E E N G E N H A R I A K E N N E D Y, F A C U L D A D E S K E N N E D Y E F A C U L D A D E S D E C I Ê N C I A S J U R Í D I C A S P R O F E S S

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA HABILITAÇÃO EM GESTÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA HABILITAÇÃO EM GESTÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA HABILITAÇÃO EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO FLORIANÓPOLIS, SC 2011 CAPITULO I CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º O Curso de Biblioteconomia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/ CEFID

RESOLUÇÃO Nº 01/ CEFID RESOLUÇÃO Nº 01/2014 - CEFID Dispõe sobre as normas de funcionamento da Academia-Escola Dolermi Inês Gomes Bastiani. O Presidente do Conselho de Centro - CONCEFID do Centro do Ciencias da Saúde e Esporte

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular

Leia mais

ANEXO A PORTARIA Nº 341, DE 02 DE OUTUBRO DE Regulamento de Utilização dos Laboratórios do Ifes campus Cachoeiro

ANEXO A PORTARIA Nº 341, DE 02 DE OUTUBRO DE Regulamento de Utilização dos Laboratórios do Ifes campus Cachoeiro MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo CAMPUS CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ANEXO A PORTARIA Nº 341, DE 02 DE OUTUBRO DE 2015 Regulamento de Utilização dos

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUNI nº 54/16

RESOLUÇÃO CONSUNI nº 54/16 Conselho Universitário - CONSUNI RESOLUÇÃO CONSUNI nº 54/16 Aprova o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Engenharia Mecânica. O Vice-Reitor, no exercício da Presidência do Conselho

Leia mais

RESOLUÇÃO CUNI Nº 571. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO CUNI Nº 571. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, no uso de suas atribuições legais, RESOLUÇÃO CUNI Nº 571 Aprova o Regimento do Alojamento Estudantil da UFOP. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, no uso de suas atribuições legais, Considerando o disposto no

Leia mais

REGULAMENTO DO USO DO GINÁSIO POLIESPORTIVO DO IFSP CÂMPUS BARRETOS SEÇÃO I FINALIDADE

REGULAMENTO DO USO DO GINÁSIO POLIESPORTIVO DO IFSP CÂMPUS BARRETOS SEÇÃO I FINALIDADE REGULAMENTO DO USO DO GINÁSIO POLIESPORTIVO DO IFSP CÂMPUS BARRETOS SEÇÃO I FINALIDADE Art. 1º. Este documento tem por objetivo regulamentar as condutas dos alunos, servidores e demais usuários, no que

Leia mais

REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA CURSO DE PEDAGOGIA ASSIS CHATEAUBRIAND PR 1 REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA Título I BRINQUEDOTECA Capítulo I Princípios e Diretrizes Art. 1º. A brinquedoteca do curso de Pedagogia

Leia mais

NÚCLEO INTEGRADO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS - REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DA FINALIDADE DO NÚCLEO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS

NÚCLEO INTEGRADO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS - REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DA FINALIDADE DO NÚCLEO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS NÚCLEO INTEGRADO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS - REGULAMENTO INTERNO A AESGA no uso de suas atribuições regimentais vem regulamentar o funcionamento do Núcleo Integrado de Práticas Administrativas. TÍTULO

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO

PROGRAMA DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO Faculdade de Direito de Ipatinga FADIPA Programa de Pesquisa e Iniciação Científica - PROPFADIPA Assessoria de Pesquisa - APESQ PROGRAMA DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO 1 INFORMAÇÃO GERAL

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA Ribeirão Preto - SP 1 Sumário CAPÍTULO I... 3 Da Natureza, Objetivos e Finalidade... 3 CAPÍTULO II... 4 Da Vinculação Administrativa... 4 CAPÍTULO III... 4 Da Competência e Atribuições

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ CAPÍTULO I

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ CAPÍTULO I REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA Este regimento estabelece as normas de organização e funcionamento dos Laboratórios do Curso de Engenharia Florestal da Universidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 139/2009/CONEPE Aprova alteração nas Normas Específicas do Estágio

Leia mais

REGULAMENTO DE CONDUTA EM AULAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO TITUOL I Das Disposições Gerais

REGULAMENTO DE CONDUTA EM AULAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO TITUOL I Das Disposições Gerais INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RONDÔNIA IESUR FACULDADES ASSOCIADAS DE ARIQUEMES - FAAr REGULAMENTO DE CONDUTA EM AULAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO TITUOL I Das Disposições Gerais Art. 1º As aulas práticas

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE MONITORIA

REGULAMENTO GERAL DE MONITORIA CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ REGULAMENTO GERAL DE MONITORIA FAFIL/FAECO/FAENG Índice Capítulo I Das Finalidades 3 Capítulo II - Das Inscrições dos Alunos 3 Capítulo III - Dos critérios de

Leia mais

OIRegulamento para Reserva de Salas

OIRegulamento para Reserva de Salas OIRegulamento para Reserva de Salas 1. Informações Gerais 1.1. O uso da infra estrutura das salas tem por objetivo atender prioritariamente as atividades de ensino, seguidas da pesquisa, extensão e administrativas

Leia mais

MINUTA REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CAMPUS DE MARÍLIA

MINUTA REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CAMPUS DE MARÍLIA MINUTA REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CAMPUS DE MARÍLIA Capítulo I Do conceito e Objetivos Art. 1º - O Estágio Supervisionado do curso de

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Pesquisas Avançadas em Matemática Industrial - LPMI TÍTULO I DOS OBJETIVOS E USUÁRIOS. CAPÍTULO I Dos Objetivos

Regulamento do Laboratório de Pesquisas Avançadas em Matemática Industrial - LPMI TÍTULO I DOS OBJETIVOS E USUÁRIOS. CAPÍTULO I Dos Objetivos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL CATALÃO UNIDADE ACADÊMICA ESPECIAL DE MATEMÁTICA E TECNOLOGIA Regulamento do Laboratório de Pesquisas Avançadas em Matemática Industrial -

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA PORTARIA Nº 23, DE 28 DE AGOSTO DE 2014. Fixa e regulamenta as normas de conduta dos empregados e as regras para o funcionamento do COFECON. O PRESIDENTE DO CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso de suas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB AUTORIZAÇÃO: DECRETO Nº 92937/86, DOU 18.07.86 RECONHECIMENTO: PORTARIA Nº 909/95, DOU 01.08.95 COMISSÃO INSTITUÍDA PARA ANÁLISE E SISTEMATIZAÇÃO DAS PROPOSTAS DE

Leia mais

PROJETO DE ENSINO. Gestor do Projeto: Setor ou Colegiado do Curso:

PROJETO DE ENSINO. Gestor do Projeto: Setor ou Colegiado do Curso: PROJETO DE ENSINO TÍTULO DO PROJETO DE ENSINO Gestor do Projeto: Setor ou Colegiado do Curso: 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. Título do Projeto: 1.2. Dados Completos do Gestor do Projeto: Nome: CPF: RG: Endereço

Leia mais

REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DA FACULDADE DE GUARARAPES - FAG

REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DA FACULDADE DE GUARARAPES - FAG REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DA FACULDADE DE GUARARAPES - FAG 2015 DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES Art 1º. A Brinquedoteca do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Faculdade

Leia mais

Bacharelado em Teologia. Regulamento do Estágio Supervisionado Obrigatório FUNDAMENTOS LEGAIS E REGULAMENTAÇÃO

Bacharelado em Teologia. Regulamento do Estágio Supervisionado Obrigatório FUNDAMENTOS LEGAIS E REGULAMENTAÇÃO Página 1 de 7 Bacharelado em Teologia Regulamento do Estágio Supervisionado Obrigatório FUNDAMENTOS LEGAIS E REGULAMENTAÇÃO Art. 1º. O estágio supervisionado obrigatório do curso de graduação em Teologia

Leia mais

FACULDADE JAUENSE REGULAMENTO PROJETO INTEGRADOR

FACULDADE JAUENSE REGULAMENTO PROJETO INTEGRADOR FACULDADE JAUENSE REGULAMENTO PROJETO INTEGRADOR JAÚ/ SP - 2014 REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno Fundo Desenvol vimento Europeu de Regional Campos de Férias Parque dos Monges Regulamento Interno O presente Regulamento Interno do Campo de Férias Não Residencial do Parque dos Monges, visa definir todos

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO INTERNO

MANUAL DE ESTÁGIO INTERNO MANUAL DE ESTÁGIO INTERNO AGOSTO/2016 SUMÁRIO O QUE É ESTÁGIO INTERNO?... 3 INSCRIÇÃO... 3 CRITÉRIOS PARA SELEÇÃO... 3 COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES... 4 Professor orientador:... 4 Estagiário:... 4 É EXPRESSAMENTE

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Monitoria, mantido pela Faculdade de Medicina de Itajubá,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MAFRA NÚCLEO DE PSICOLOGIA REGULAMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MAFRA NÚCLEO DE PSICOLOGIA REGULAMENTO INTERNO UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MAFRA NÚCLEO DE PSICOLOGIA REGULAMENTO INTERNO MAFRA 2002 Disposições Preliminares Art.1º) O presente Regulamento disciplina as atividades didático pedagógicas

Leia mais

Manual do. Representante. de Turma

Manual do. Representante. de Turma Manual do Representante de Turma DC 6029 Rev. 01 Apresentação Parabéns! Você foi eleito(a) representante de sua turma, o que demonstra o seu interesse em contribuir com os seus colegas e o Instituto Blumenauense

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2012 CONCECERES

RESOLUÇÃO Nº 07/2012 CONCECERES RESOLUÇÃO Nº 07/2012 CONCECERES Dispõe sobre o Regimento Interno da Oficina de Modelos e Maquetes MOMA, do Centro de Educação Superior da Região Sul - CERES. O Presidente do Conselho de Centro de Educação

Leia mais

Regimento da Fazenda Experimental da UDESC - CAV

Regimento da Fazenda Experimental da UDESC - CAV Regimento da Fazenda Experimental da UDESC - CAV CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade Art. 1º A Fazenda Experimental da UDESC - CAV (FECAV) é um Órgão Suplementar Setorial do Centro de Ciências Agroveterinárias

Leia mais

TCC Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia Civil Coordenação: Profa. Tatiana Jucá

TCC Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia Civil Coordenação: Profa. Tatiana Jucá TCC Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia Civil 2016-1 Coordenação: Profa. Tatiana Jucá 2/54 Pauta de hoje Apresentação da equipe de coordenação de TCC Datas importantes e documentação válida para

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ Colegiado do Curso de Agronomia. Resolução No.04 de 30 de julho de 2014

Universidade Federal do Rio Grande do Norte ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ Colegiado do Curso de Agronomia. Resolução No.04 de 30 de julho de 2014 Universidade Federal do Rio Grande do Norte ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ Colegiado do Curso de Agronomia Resolução No.04 de 30 de julho de 2014 Dispõe sobre os critérios e funcionamento das atividades integradoras

Leia mais

Regulamento OUVIDORIA

Regulamento OUVIDORIA Regulamento OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º - A Ouvidoria da Faculdade Paulo Picanço é um elo entre a comunidade acadêmica ou externa e as instâncias administrativas da IES, visando agilizar

Leia mais

EDITAL Nº 072/2016 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE BOLSA NA MODALIDADE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

EDITAL Nº 072/2016 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE BOLSA NA MODALIDADE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL Nº 072/2016 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE BOLSA NA MODALIDADE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA A Reitoria do Centro Universitário Senac torna pública a abertura das inscrições do processo de seleção

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE HABILIDADES CLÍNICAS LHC

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE HABILIDADES CLÍNICAS LHC 1 DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE HABILIDADES CLÍNICAS LHC CACOAL 2011 REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE HABILIDADES CLÍNICAS LHC Afim de aperfeiçoar as aulas práticas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS LICENCIATURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS LICENCIATURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS LICENCIATURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Capítulo I Definição Art. 1º O estágio como componente curricular obrigatório no

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO MULTIDISCIPLINAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO MULTIDISCIPLINAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO MULTIDISCIPLINAR DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DE VISITA TÉCNICA

INSTRUÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DE VISITA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DE VISITA TÉCNICA Orientações aos servidores da UTFPR Câmpus Curitiba com relação aos procedimentos para solicitação de visitas técnicas. O presente documento visa padronizar

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 69/2012 APROVA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 69/2012 APROVA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA-UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual nº 9.996, de 02 de maio de 2006 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 69/2012

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento visa orientar os alunos referente aos objetivos, critérios, procedimentos e mecanismos de

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE ANGLO- AMERICANO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE ANGLO- AMERICANO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE ANGLO- AMERICANO Capítulo I Das disposições preliminares Art. 1º Este Regulamento tem por finalidade regulamentar

Leia mais

MINUTA REGULAMENTO- DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA INCLUSÃO DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS PRESENCIAIS DO IFG

MINUTA REGULAMENTO- DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA INCLUSÃO DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS PRESENCIAIS DO IFG MINUTA REGULAMENTO- DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA INCLUSÃO DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS PRESENCIAIS DO IFG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac 2 TÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo 1º - Os Cursos da FELM mantém estágios curriculares supervisionados que se constituem

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP

REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP Mirassol/SP 2014 REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

Sociedade Alphaville Residencial 11 Sede Administrativa - Av. Alpha Norte, 700 PABX:

Sociedade Alphaville Residencial 11 Sede Administrativa - Av. Alpha Norte, 700 PABX: 1. INTRODUÇÃO Código de Ética Este Código de Ética reúne diretrizes que devem ser observadas em nossa ação profissional para atingirmos padrões Éticos no exercício de nossas atividades. Para a Sociedade

Leia mais

PORTARIA CRMV-RJ Nº 15/2016.

PORTARIA CRMV-RJ Nº 15/2016. PORTARIA CRMV-RJ Nº 15/2016. EMENTA: Disciplina a cessão e locação de espaço destinado a reuniões e eventos na sede do CRMV-RJ. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Normas e Procedimentos Escolares Ensino Fundamental I

Normas e Procedimentos Escolares Ensino Fundamental I Normas e Procedimentos Escolares Ensino Fundamental I Buscando a plena qualidade no processo ensino-aprendizagem e possibilitando um melhor acompanhamento da vida escolar de seus filhos, procuramos especificar

Leia mais

REGULAMENTO PARA DESIGNAÇÃO DE MONITORES DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO CENTRO DE APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO. Capex

REGULAMENTO PARA DESIGNAÇÃO DE MONITORES DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO CENTRO DE APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO. Capex REGULAMENTO PARA DESIGNAÇÃO DE MONITORES DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO CENTRO DE APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO Capex Curitiba - 2016 Sumário Sumário CAPÍTULO 1 Do Monitor de atividades de extensão... 1 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DA ACADEMIA CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DA ACADEMIA CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DA ACADEMIA CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º. A Academia do IFG - Câmpus Anápolis constitui-se em um espaço educativo, vinculado à área de Educação Física, que por sua vez está subordinada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Escola de Engenharia Civil RESOLUÇÃO N 01/2008

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Escola de Engenharia Civil RESOLUÇÃO N 01/2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Escola de Engenharia Civil RESOLUÇÃO N 01/2008 Regulamenta as atividades de Estágio Curricular Obrigatório e Não-obrigatório do Curso de Graduação da Escola de Engenharia

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL Estágio Curricular

REGULAMENTO INSTITUCIONAL Estágio Curricular REGULAMENTO INSTITUCIONAL Estágio Curricular CAPITULO I DA DEFINIÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR E SUAS FINALIDADES Art. 1º Este regulamento tem por finalidade orientar a operacionalização do Estágio Curricular

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Normas para realização do Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO N 52/2016 Macaé, 03 de outubro de 2016.

ORDEM DE SERVIÇO N 52/2016 Macaé, 03 de outubro de 2016. ORDEM DE SERVIÇO N 52/2016 Macaé, 03 de outubro de 2016. O Diretor Geral do campus Macaé do INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FLUMINENSE, Marcos Antônio Cruz Moreira, nomeado pela Portaria

Leia mais

Art.2º O Laboratório de Ensino de Matemática (LABEMAT) tem por objetivos: I dar suporte ao desenvolvimento de disciplinas do curso de Licenciatura em

Art.2º O Laboratório de Ensino de Matemática (LABEMAT) tem por objetivos: I dar suporte ao desenvolvimento de disciplinas do curso de Licenciatura em INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS Campus Palmas Coordenação do Curso de Licenciatura em Matemática LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA LABEMAT REGULAMENTO 01/2015 Regulamento

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E FINALIDADE Art.1º O Núcleo de Microscopia e Microanálise (NMM) caracteriza-se pela reunião

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA ACADEMIA DE MUSCULAÇÃO DA UFU CAMPUS PONTAL. Manhã Tarde Noite

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA ACADEMIA DE MUSCULAÇÃO DA UFU CAMPUS PONTAL. Manhã Tarde Noite MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PRO-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS PROEX PONTAL- SETOR DE EXTENSÃO,CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS COORDENAÇÃO DA ACADEMIA DE

Leia mais

Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA

Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA 1. Quais são os requisitos para obtenção de bolsa monitoria? a) o discente deve estar regularmente matriculado no período letivo em

Leia mais

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A. Acordo de Acionistas Regimento da Interno CPFL dos Energia Comitês S.A. de Assessoramento do Atual Denominação Social Conselho da de Draft Administração II Participações S.A. da CPFL Energia S.A. 1 Sumário

Leia mais

ROSÁRIO. Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto

ROSÁRIO. Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto ROSÁRIO Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES Edição: maio 2016 Capítulo III Dos Educadores Edição maio de 2016 Índice do Capítulo III Secção I Docentes

Leia mais

Alterações no Regime Didático 2016

Alterações no Regime Didático 2016 Alterações no Regime Didático 2016 Art. 41 - Ao Orientador Acadêmico compete: I - exercer o acompanhamento acadêmico dos seus orientados. II - zelar para que sejam cumpridas as determinações e recomendações

Leia mais

FACULDADE DE INHUMAS REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE DE INHUMAS CAPÍTULO I DA OUVIDORIA

FACULDADE DE INHUMAS REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE DE INHUMAS CAPÍTULO I DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE DE INHUMAS CAPÍTULO I DA OUVIDORIA A ouvidoria é um serviço especial de comunicação interna e externa com identificação ou anonimamente, que tem o fim de ouvir e receber

Leia mais

Este ciclo refere-se ao período do 1º ao 10º mês de estágio probatório

Este ciclo refere-se ao período do 1º ao 10º mês de estágio probatório SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAL 1º CICLO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIDOR DOCENTE EM ESTÁGIO PROBATÓRIO Este ciclo refere-se

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE ORIENTADORES DE TCC Edital n.º 01/2017

EDITAL DE SELEÇÃO DE ORIENTADORES DE TCC Edital n.º 01/2017 1.SOBRE A PESQUISA Faculdade de Ensino Superior do Piauí FAESPI EDITAL DE SELEÇÃO DE ORIENTADORES DE TCC Edital n.º 01/2017 O acelerado crescimento do conhecimento nos últimos anos tornou impraticável

Leia mais

EIXO 2 DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

EIXO 2 DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL EIXO 1 DIMENSÃO 8 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO 1 O plano de desenvolvimento do instituto PDI ( http://www.ufopa.edu.br/arquivo/portarias/2015/pdi20122016.pdf/view ) faz referência a todos os processos internos

Leia mais

Belo Horizonte, 11 de Setembro de COLABORADOR,

Belo Horizonte, 11 de Setembro de COLABORADOR, Belo Horizonte, 11 de Setembro de 2013. COLABORADOR, Este Código apresenta as normas e condutas referentes à postura profissional para os colaboradores da CRC. Nele, você será orientado (a) quanto a suas

Leia mais

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO UniFOA Av. Paulo Erlei Alves Abrantes, 1325, Três Poços Volta Redonda RJ CEP: Fone: (24)

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO UniFOA Av. Paulo Erlei Alves Abrantes, 1325, Três Poços Volta Redonda RJ CEP: Fone: (24) MANUAL DO EXPOSITOR Prezado Expositor, Aqui você encontrará as informações necessárias para a sua participação e para melhor aproveitamento na Feira de Estágios. Para tanto, contamos com sua colaboração

Leia mais

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel.

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel. Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel Av. Tito Muffato, 2317 Bairro Santa Cruz 85806-080 Cascavel PR Fone: (45) 3036-3636 30363806 http://www.univel.br cpe@univel.br RESOLUÇÃO Nº 01 DE JULHO

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 011/2010-CEP O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO APROVOU E EU, REITOR, SANCIONO A SEGUINTE RESOLUÇÃO:

R E S O L U Ç Ã O Nº 011/2010-CEP O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO APROVOU E EU, REITOR, SANCIONO A SEGUINTE RESOLUÇÃO: R E S O L U Ç Ã O Nº 011/2010-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 24/8/2010. Isac Ferreira Lopes, Secretário. Aprova Normas para Renovação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13/2016 Aprova a Sistemática para Registro e Acompanhamento das Atividades de Ensino do IFPE. A Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria Art. 1º - Entende-se por Monitoria, uma modalidade de ensino e aprendizagem que contribui para a formação integrada

Leia mais

UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE UNIVALE Fundação Percival Farquhar Entidade Mantenedora

UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE UNIVALE Fundação Percival Farquhar Entidade Mantenedora UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE UNIVALE Fundação Percival Farquhar Entidade Mantenedora EDITAL UNIVALE Nº 016/2016 A Universidade Vale do Rio Doce - UNIVALE abre inscrição para Seleção de Monitores para

Leia mais

EDITAL CA nº 01/2013 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/NOVAUNESC

EDITAL CA nº 01/2013 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/NOVAUNESC EDITAL CA nº 01/2013 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/NOVAUNESC A Diretoria da Faculdade São Gabriel e as Coordenações de Cursos comunicam aos interessados que estarão abertas

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATORIO DE ENSINO E BRINQUEDOTECA. CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA- LICENCIATURA Autorizada pela Portaria MEC 4584/2005

REGULAMENTO DO LABORATORIO DE ENSINO E BRINQUEDOTECA. CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA- LICENCIATURA Autorizada pela Portaria MEC 4584/2005 1 REGULAMENTO DO LABORATORIO DE ENSINO E BRINQUEDOTECA CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA- LICENCIATURA Autorizada pela Portaria MEC 4584/2005 Frutal/MG 2009 2 Mantenedora: SOFES SOCIEDADE FRUTALENSE

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE AGRONOMIA DO IFES CAMPUS SANTA TERESA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE AGRONOMIA DO IFES CAMPUS SANTA TERESA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE AGRONOMIA DO IFES CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - As atividades complementares são parte integrante do Projeto Pedagógico do Curso de Agronomia

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SECRETARIADO REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS DE PRÁTICA I E II

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SECRETARIADO REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS DE PRÁTICA I E II 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SECRETARIADO REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS DE PRÁTICA I E II MANTENEDORA: COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE CACHOEIRINHA MANTIDA: FACULDADE INEDI Coordenação: Profa Me Eliane

Leia mais

REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º As Atividades Complementares (AC) atendem ao Parecer n 776/97 da CES, que trata das Diretrizes Curriculares dos Cursos

Leia mais

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CEPE) REUNIÃO DE 08 DE SETEMBRO DE 2009

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CEPE) REUNIÃO DE 08 DE SETEMBRO DE 2009 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CEPE) REUNIÃO DE 08 DE SETEMBRO DE 2009 INTERESSADO: Diretoria de Ensino ASSUNTO: REGULAMENTAÇÃO Alteração de Regulamentação de procedimentos operativos do processo

Leia mais

EDITAL PIBID FESL Nº 03/2015 SELEÇÃO DE BOLSISTAS ID

EDITAL PIBID FESL Nº 03/2015 SELEÇÃO DE BOLSISTAS ID EDITAL PIBID FESL Nº 03/2015 SELEÇÃO DE BOLSISTAS ID A Direção Acadêmica e a Coordenação do PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUIS tornam público a abertura

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Praia Grande São Paulo Outubro de 2009 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina a organização e as atividades

Leia mais

Estágio Supervisionado em Processos Produtivos de Refeições

Estágio Supervisionado em Processos Produtivos de Refeições Estágio Supervisionado em Processos Produtivos de Refeições LEI Nº 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008 Art. 2 o O estágio poderá ser obrigatório ou não-obrigatório, conforme determinação das diretrizes curriculares

Leia mais

VOTO CONSU de 26/04/2012 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA

VOTO CONSU de 26/04/2012 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOTO CONSU 2012-04 de 26/04/2012 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA 2012 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O Programa de Monitoria do Centro Universitário Adventista de São Paulo UNASP é um programa

Leia mais